Blog de celebridades, fofocas, opinião e notícias




30 de setembro
de 2014

LANTEJOULAS PRA MIM MESMO...

CLARO QUE ME SENTI GRATIFICADO PELO FURO ARRASA QUARTEIRÃO QUE DEI NA CONCORRENCIA NA SEGUNDA SOBRE A DEMISSÃO DO WAGNER NA ZH. NEM OLHEI A CONCORRENCIA. O FURO FOI DE TAMANHO MONTE QUE GUARDEI PRA MIM A MINHA GLORIA...

* AGRADEÇO A FONTE, QUE SABIA DE GRANDE SERIEDADE....

* E NINGUÉM ME DESMENTIU.....CLARO. COM UMA FONTE DESTAS EU DURMO TRANQUILO.

 

Coquetel

o ' xodó' do laurinho da venâncio( vou registrar esta marca pra mim,porque acho que é um bom nome pra uma série de matérias tipo folhetim...)nos aureos tempos provando um coquetel da eleonora rizzo no al dente. evidente que falo da balala campos....(OC)

 

SANTANA X DOURADO

TODOS SEMPRE SOUBERAM QUE DOURADO TINHA HORROR A SANTANA..
QUEM ME CONTAVA ISTO ERA O IRANY JR. FILHO DO PRESIDENTE IRANI SANTANA

* HOJE SANTANA SE QUEIXA QUE DOURADO O DEIXOU FORA DA CONSTRUÇÃO DO OLIMPICO.

* QUE EGOS....OS DOIS....SE ACHAM MAIORES QUE AS INSTITUIÇÕES....

* E AQUELE OLIMPICO CAINDO AOS PEDAÇOS DIZER QUE É MELHOR QUE O ARENA. SÓ PORQUE O HAROLDO DE SOUZA CHAMA O OLIMPICO DE ESTADIO MONUMENTAL HELIO DOURADO. BAH, MAS A VIDADE DESTES CARAS NÃO TEM LIMITES.

 

dos leitores

Enviada: Domingo, 28 de Setembro de 2014
Para: olidescanton@bol.com.br

Sobre a questão da ZH/RBS - Bom, vcs querem o q? Tu mesmo publicou q o mercado publicitário tá uma erda e que os caras querem até se ver livres das rádios empurrando elas para os pastores q ñ dependem de publicidade. O mundo mudou, cara. Ñ tem + sentido ficar esperando o jornal de amanhã para ler as notícias de hoje. É tudo online. Todo mundo está permanentemente conectado. A mídia tradicional vai permanecer apenas como fornecedora de conteúdo para a internet. É o q já está acontecendo nos EUA principalmente. É uma situação positiva, pois acaba com esse negócio irracional de derrubar florestas para fazer o jornal q no outro dia a gente usa para botar no chão da área de serviço para os pets mijarem em cima (antigamente se usava para enrolar peixe). Mudou, cara, mudou tudo. Vcs têm de se conver disso. Bater na ZH/RBS, agora, criticar porque eles estão reduzindo pessoal. é o mesmo q bater em cachorro morto. O erro ñ é demitir, o erro foi terem contrarado um batalhão de "coxinhas" que se iludiram achando q teriam um emprego para toda a Vida. Quando eu vi uma foto (recente) com "os mais de 200 jornalistas" da redação da ZH, me caíram os butiás do bolso: no nosso tempo, a redação da ZH ñ devia ter + q 30 pessoas e fazia um jornal melhor do q o q eles fazem hoje. É só isso.

 

OS HORMÔNIOS DA JUVENILIDADE

por Eron Duarte Fagundes

Muitas vezes a apreciação de um filme vai depender da expectativa que se tem para com este filme. Eu esperava bem pouco de Se eu ficar (If I stay; 2014), produção norte-americana dirigida pelo obscuro R.J. Cutler e, reiteremos o verbo em outro sentido, dirigida às necessidades lacrimosas de uma grande fatia do público infanto-juvenil que frequenta as salas de cinema. De maneira alguma é um melodrama para ficar (este “ficar, advirto, tem um sentido diferente do “ficar” do filme - ah, as polissemias dos verbos...): é para ver e arquivar, gostando-se ou não do que se passa em cena.

Para começar, apesar de seu jeito de interpretação que se desmancha com o andar da carruagem, tenho uma queda pela presença cênica da intérprete central de Se eu ficar, Chlöe Grace Moretz, que vi aos 13 anos brilhar num filme infanto-juvenil não muito valorizado, mas, este sim, permanente em minhas afeições cinematográficas, Kick-Ass, quebrando tudo (2010), de Mattew Vaughn. O roteiro, é verdade, é meio desacertado, acompanhando inicialmente as indecisões afetivas e musicais da protagonista e, depois de relatar o acidente que lhe vitimou a família e a deixou ainda mais indecisa entre viver e morrer numa cama de hospital, se embrulha num flashback hospitalar desritmado. Mas mesmo estes problemas de construção narrativa têm algum frescor que afasta Se eu ficar de um certo classicismo de Hollywood: fazer cinema como alguém que não sabe fazer cinema pode às vezes dar certo. Mesmo em Hollywood. Num outro sentido, aqui no sul do Brasil, o cineasta Paulo Nascimento faz isto: geralmente dá errado.

Não, por favor, Se eu ficar não é um filme obrigatório, mas no meu caso não pareceu um tempo que se desperdice . Demais, na questão musical, misturar rock e Betthoven pode ter seu lado saudável. Lembrando: o ator central, Jamie Blackley, tem uma banda nos Estados Unidos. Se não mais, deve ter usado a visibilidade cinematográfica para divulgar seu trabalho musical.

 

do Correio do Povo

Evento no Centro de Porto Alegre promove luta contra o abate animal

Foto: Paulo Nunes / CP

Manifestação acontece simultaneamente em todo o planeta

Por Jézica Bruno

Para lutar contra o abate de animais e fazer a população mundial repensar sobre o consumo de carne o evento 269life, que acontece todo ano, de forma simultânea em todo o planeta, foi realizado nesta sexta-feira, na Esquina Democrática, em Porto Alegre. A iniciativa do movimento na Capital é de ativistas independentes e da Vanguarda Abolicionista. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil são abatidos 80 milhões de animais por ano para o consumo.

O movimento começou em Israel quando três ativistas visitaram uma fazenda e viram um bezerro com um brinco amarelo na orelha. Ele estampava o número 269 e servia para identificar o animal para o abate. Desde então, o número tornou-se símbolo de luta pelo fim da escravidão animal. Muitos veganos, pessoas que optaram por não consumir qualquer tipo de produto de origem animal, carregam o símbolo tatuado no corpo.

De acordo com o diretor-geral do Movimento Abolicionista Marcio de Almeida Bueno, as ações são movidas por uma questão ética. “Foi feita historicamente uma construção dentro da raça humana de comer a carne de alguns animais e de diferenciá-los de outros que nós lutamos para desconstruir”, explicou.

Durante o evento, que está em sua quinta edição em nível mundial, foi feita panfletagem e protesto com banners que defendiam a liberdade animal. Participaram vegetarianos, veganos e simpatizantes da causa animal.


29 de setembro
de 2014

EXCLUSIVO

O ' GAGO' TÁ FORA DA ZH!

POR OLIDES CANTON


wagner na redação da zero...

O famoso e premiadissimo reporter Carlos Wagner - o ' gago' - que tem um alberto no meio - está fora da ZH. foi demitido. seu ultimo dia de trabalho é 23 deoutubro.

Wagner está na zero desde o começo dos anos 80, quando o MST começou a atual mais fortemente no Estado.Antes o ' gago' foi motorista da kombi da coojornal onde entregava os produtos da cooperativa dos jornalistas.

Wagner é um dos maiores salários da redação.Tem status de editor.

- chamaram ele e disseram que ele já tinha 64 anos -contou-me minha fonte nesta sexta que passou.

Não se sabe em que base Wagner fez o acordo com a empresa.

Wagner cobriu a efervescência do movimento dos sem terra.

Era tão bem informado no meio que ele estava sempre lá quando haveria uma invasão...

quando seus colegas notavam que ele sumia da redação alguns dias, podia estar certo que haveria alguma invasão no Estado. E Wagner estava lá....

Depois o MST foi ' perdendo a confiança ' nele e ele passou a tratar de outros temas como matérias sobre violência.

Ganhou todos os prêmios que se possa imaginar. Direitos Humano, ARI, ESSO.

Com 64 anos, não se sabe se ele vai continuar na reportagem ou se vai pendurar as chuteiras.

 

WAGNER(1)


o sequestro do lotação na osvaldo

O LOTAÇÃO NUMERO 350 da linha santana foi assaltado por um maluco em 4.1.2002

e wagner lá estava como reporter, mas o sequestrador não queria papo com ele.

ESSE GAGO DE NOVO, NÃO!

No instante que ele pegou o celular pra falar com a rádio ao vivo conforme pedira pruma refém pra ligar, ele reclamou:

- AH, NÃO,DE NOVO NÃO.ESSE GAGO DE NOVO, NÃO. ESSE EU NÃO QUERO. VAMOS LIGAR PRA OUTRAS RÁDIOS.

Tinhamos ouvido parte da entrevista do sequestrador com o wagner na gaúcha.o sequestrador não gostou muito do wagner. e por isto não quis mais dar papo de novo, quando fizeram um contato.

quem conta isto é marina pessin em seu livro sobre o sequestro onde ela foi uma refém.

 

wagner (2)

Carlos wagner nasceu em 21.09.1950 -fez niver dias atrás -

em santa cruz do sul.

filho de Illony Maria Wagner.Mas em alguns fichas deles não consta o nome do pai.

trabalhou na coojornal,quando era na comendador coruja,372.

foi lá repórter e kombeiro. distribuía jornais da cooperativa numa kombi.

teve como companheira Denize de Avila Beri(25.07.1951) com quem tem a filha carolina (17.05.1979)

tem outros casamentos. no momento está casado e tem dois filhos pequenos.

 

wagner (3)

uma vez um cara de carazinho me perguntou se eu trabalhava na zero. na época sim.

ele me disse:

- pois apareceu lá um cara e botaram um mosquetão nas mãos do meu sogro.

no dia seguinte estava na capa do jornal

- FAZENDEIROS DA UDR SE ARMAM CONTRA MST!

 

wagner (5)

wagner nunca diz não. se vai fazer, é outra coisa. alguns anos atrás jair kritsche, que muitas pautas deu a ele - mas pelas quais wagner não deve nada esta é a lei do jornalismo - do MJDH pediu a ele um livro sobre o MST

- estou esperando até hoje, me disse Kristche. no sábado passado.

Jair ficou surpreso ao saber da demissão do ' gago' da zero.

 

wagner (6)

vão surgir ' n' teorias sobre a demissão do ' gago'. podes crer, como se dizia na giria dos anos 70!

 

wagner 7

andré pereira, carlos wagner e betão andreatta eram chamados pelo veio aveline de ' MAGROS RURAIS'.é que gostavam de um conflito agrário.....

wagner 8

um dia wagner encontro valdir heck, que ele conhecia dos tempos que o ' gago' ia a carazinho atrás de confusões do mst e da udr....

- como vai wagner?

- eu eu quero saber dos rolos, disse o wagner gaguejando...

- mas tu só pensa em rolo, protestou valdir.

 

COLUNISTAS ENFAIXADAS

um saco as colunistas da donna de hoje, domingo. todas ' enfaixadas" tendo que falar de modo. a claudia tajes então se saiu mal pra c.....
logo ela que sempre debocha de tudo.
´por isto que estes jornaizões estão cada vez mais demitindo gente. vão todos pra internet onde tem mais liberdade.

 

Datas

uma alegria. minha filha ana completa 37 anos.

uma tristeza: completa-se hoje 2 meses da morte do meu saudoso pai.

 

LINHA AUXILIAR

MESMO O PSOL É MESMO LINHA AUXILIAR DO GENRO, DIGO DO PT...

NO DEBATE DE 6 NA RECORD PELO QUE LI O GENRO AJUDOU O GENRO ENCHENDO O SACO DA MEMEIA.....

ATÉ NISTO GENRO COM GENRO SE ENTENDEM....

ATE TINHA EPNSANDO EM VOTAR NUM CANDIDATO DO PSOL MAS SÃO MUITO LINHA AUXILIAR...

* QUE ME DESCULPEM. O RESTO É SUBESTIMAR A INTELIGENCIA DOS DEMAIS. PELO MENOS A MINHA....

* E O FILHO DO ZATOR NÃOF ALA MAIS EM ´POLITICA.SILENCIOU. SEU CANDIDATO TÁ COM TRAÇO NO IBOPE.

 

NEM O PDT ACREDITA

entro nesta 6 na sala de imprensa da alrs do pdt.

- aqui é a sala do 1% debocho...

- não, do traço, me responde a francis maia!

toing.....

 

RONCANDO ALTO

na 6 no cinema da urgs, um cara roncava a mil durante o filme. um cara se puteou e começou a acordá-lo...

* ué, eu achei que só roncavam no onibus da ouro e prata...quando vou a sb sempre tem um roncador....

 

LANCHERIA DO GREMIO

TAVA PASSANDO SABADO NA PR DA ALFANDEGA E TINHA UM MONTE DE PANACAS LÁ COM ROUPAS DO GREMIO....

DEPOIS VI QUE ERA UMA LANCHERIA. E TODOS AQUELES PANACAS LÁ PRA COMER HAMBURGUER QUE O AGAPIO FAZ MUITO MELHOR LÁ NA JOSE DE ALENCAR.

MAS O MARKETING VENDE TUDO. ATÉ A MÃE DO BADANHA.....

GARANTO QUE O LAURINHO DA VENANCIO ENTRA NA FILA PRA COMER AQUELA P.....

 

LANCHERA DO GREMIO

AH, ME ESQUECI, APESAR DE SER UM ' PROLETÁRIO' O LAURINHO DA VENANCIO SÓ SAI PRA IR NA PE CHAGAS...

* OU ENTÃO EM PARIS, FLANANDO NAQUELES CAFÉS....

* SABADO VIMOS UM GRANDE FILME DO COSTA GRAVAS NA URGS...EU NÃO ME MISTURO SO FREQUENTO LUGAR DE INTELECTUAL. SENÃO VOU NO BOTECO DO RENATO NA DUQUE...CLASSE MEDIA PRA DISCUTIR SANTANA E OUTROS QUESITOS PASSO LONGE..

* QUEM TEM UM BOM OLERITE COM MAIS DE 5 MIL REAIS NA RBS TÁ COM AQUILO APERTADO...VEM DEMISSÕES GRAUDAS AI...

* FALAM NA ALRS ATÉ DE UMA EDITORA QUE ESCREVEU UM LIVRO BOM SOBRE A LEGALIDADE. SÃO ESPECULAÇÕES.

* ME DISSERAM NO SABADO, QUEM ME FALOU FOI UM PROFESSOR DA UFSM QUE OS GURIS DO DIARIO DE SANTA MARIA TÃO TODOS C.... COM MEDO DE DEMISSÕES...E TODOS LERAM O FAMOSO ARTIGO DO LCC...AQUELE DO GALEAZI QUE PRA MIM ERA MARCA DE JUNKER...

 

OS TEMPOS DUROS

'olha a gaita!!!!!!!!!!!!!"

Hoje vou contar um episódio que me aconteceu nos anos 90, depois da primeira metade.

Eu fazia um jornalizinho pros notários e ia sempre no manica, o tabelião...

fiz amizade com alguns funcionários e principalnte com o Paulinho..

ai teve um fim de ano que me convidaram pra festa dos funcionários do cartório...

fui lá era meio pra fora da cidade....

ganhei um presente - não lembro qual - do meu amigo secreto, mas não dei,acho que esqueci ou não tinha grana ,ou não tinha ânimo....

tinha ficado de dar pro meu uma gaitinha de boca....

ai os fdp....principalmente o PAULINHO que não trabalha mais no cartório, me apelidaram de OLHA A GAITA,GAITEIRO...

sempre que ia no manica e ia muito, os caras começavam baixinho...' olha a gaita,olha a gaita....'

aquilo corria de mesa em mesa.....

depois parei de fazer o boletim dos notários e hoje, na sexta, voltei pra autenticar minha firma.

só vi um antigo conhecido e o velho manica, careca como sempre(olides)

 

VIZINHANÇA BADALATIVA

aGORA UMA VIZINHA RESOLVEU OUVIR FUNK O SABADO INTEIRO. AINDA BEM QUE NÃO FICO EM CASA.....

MORAR EM MUQUIFO É ISTO....

SORTE MINHA QUE TENHO AMIGOS QUE ME PAGAM INGRESSOS PRO JULIO IGLESIAS, AQUELE DA LAMBIDA NO PABLO SANTANA....

 

de uma leitora!

Ih ainda a estória brito x olivio(olides)

De: mjosinegreiros
Enviada: Domingo, 28 de Setembro de 2014

Bom dia Olides!

Lendo o teu blog percebi que o representante da RBS para o Senado leva vantagem em matéria de espaço, independente do tipo de notícia.
É muita publicidade para quem não nos representa. O Rio Grande merece muito mais!
Acredito que o Olívio Dutra conseguirá vencer por sua honestidade, transparência, conhecimento das reais necessidades do RGS e, principalmente, pelo SABER!
E aí está uma prova. A foto que te envio revela a tranquilidade de quem sabe o que faz, sabe como fazer e trabalhará, realmente, pelo Rio Grande, porque conhece esse Estado e o nosso povo. Será um representante que muito nos orgulhará em Brasília.

Detalhe: olha o suador do outro e as perninhas apertadas.


Eleições/98 - Debate na Band TV/RS, mediado por Ubirajara Valdez, então diretor da emissora no RS, já falecido.

abs, colega

Josi Negreiros
Jornalista - MTb 6012/RS
Fone: (51) 9959.7143

 

Tá chegando a hora

de um leitor atento...

Enviada: Sábado, 27 de Setembro de 2014 14:38
Para: olidescanton@bol.com.br

E Dudu este que era a salvação da lavoura parece que está entregando o Ouro para os bandidos. Te lembra o velho Breno, tirou toda a grana da Caldas e investiu em terras. Quando tentou vender as terras para tirar a empresa do buraco, os urubus sentiram cheiro da carniça do velho e queriam comprar por mixaria, acabou ficando sem a empresa e as terras só serviram para pagar as dívidas que cada vez eram maiores. Ao Sirostkys pegavam a grana das empresas e colocaram tudo em imóveis e se não se tocarem vão perder tudo também.

 

Flávio Tavares recebe Título de Cidadão de Porto

Foi também o homem que ' matou Dom Vicente Scherer' no mais célebre trote jornalistico do rádio que se tem noticia(olides)

por Juliana Demarco

Fotos: Ederson Nunes

Jornalista Flávio Tavares


Vereador Pedro Ruas, proponente da homenagem

A Câmara Municipal concedeu, em Sessão Solene realizada nesta sexta-feira (26/9), o Título Honorífico de Cidadão de Porto Alegre ao jornalista Flávio Aristides Freitas Tavares. A proposta foi elaborada pelo vereador e presidente da sessão, Pedro Ruas (PSOL), que afirmou que a homenagem visa "dar reconhecimento a um dos nomes mais importantes do jornalismo gaúcho".

Pedro Ruas leu um trecho de um dos livros escritos por Flávio, intitulado Memórias do Esquecimento, e disse que jamais irá esquecer aquelas palavras: “O choque elétrico é a primeira dor profunda, mas a grande humilhação, símbolo da derrota e do ultraje, é despir-se. É o momento de mútua corrupção entre vítima e algoz”. O vereador explicou que Flávio sofreu na carne as técnicas usadas pela polícia para incriminar os inimigos do regime militar. "A tortura, os choques elétricos, o pau-de-arara e depois o exílio."

Segundo Ruas, Flávio sempre foi um cidadão do mundo, e agora está se tornando um cidadão de Porto Alegre. "Esta Casa se orgulha de oferecer ao Flávio o maior título que um representante gaúcho pode receber: o título da cidadania", afirmou o vereador, que comparou a homenagem a eventos históricos realizados pela Câmara, como a Abolição da Escravatura antecipadamente à abolição nacional, em 1884, e a restituição de mandatos de vereadores de Porto Alegre cassados pela ditadura Militar.

Militância e cidadania

Flávio Tavares descreveu a sua vida desde o momento em que veio para Porto Alegre, para complementar os seus estudos, até os dias atuais, narrando também os momentos históricos pelos quais passou durante a Campanha da Legalidade, em 1961, e o exílio durante a ditadura militar. "Por muito tempo não tive nacionalidade e, atualmente, tenho várias. É irônico mas este fato retrata os momentos em que eu não pude me apresentar como cidadão brasileiro", afirmou.

O jornalista ressaltou a importância da atuação militante e política dos jovens, pois, segundo ele, se este sentimento de manutenção da democracia plena se perder no horizonte deles, "desastres" como os golpes militares podem ocorrer novamente. "Fico feliz de ser considerado um cidadão de Porto Alegre e quero com isto levar as minhas histórias de militância política e jornalística a todos aqueles que acreditam que o exercício da cidadania é a única forma de assegurarmos que o Brasil seja uma país livre e democrático".

Trajetória

Flávio Tavares nasceu em 12 de junho de 1934, na cidade gaúcha de Lajeado. Em Porto Alegre, formou-se em direito na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs, em 1959. Naquela época, era reconhecidamente um militante político que buscava melhores condições de vida para a sociedade, organizando entidades estudantis, disputando comandos e formulando projetos de mudança social. Militante político no período da Legalidade, em 1961, tornou-se amigo do então governador do Estado gaúcho, Leonel Brizola, convivendo com ele no Brasil e no exílio e tornando-se um dos seus mais credenciados biógrafos.

No início dos anos 1960, Flávio foi um dos poucos jornalistas brasileiros a conviver com o guerrilheiro Ernesto Che Guevara, que, mais tarde, seria objeto de um de seus livros. Após o golpe militar de 1964, Flávio foi perseguido pelo regime que se instaurou no país, sendo exilado do Brasil, para onde retornou somente com a Lei da Anistia, de 1979.

Para o vereador Pedro Ruas, "a extraordinária experiência de Flávio Tavares teve intensa influência na sua atividade principal, o jornalismo, assim como esta teve influência em toda a sua maneira de ver e contar a realidade". O proponente lembra ainda que os trabalhos jornalísticos do homenageado são reconhecidos nacional e internacionalmente, servindo como referência literária os seus livros Memórias do Esquecimento e O Dia Em Que Getúlio Matou Allende.

Estiveram presentes na homenagem o vice-prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, e o procurador-geral de Justiça, Ivory Coelho Neto, além de familiares de Flávio Tavares.

 

MORTE DE JANGO: RESULTADOS DOS EXAMES RETIDOS NO EXTERIOR POR FALTA DE PAGAMENTO

Bah e depois de todo aquele CIRCO que fizeram em são borja no fim de 2013....agora não pagaram os exames( é mole ou quer mais...olides)

De: mjdhbr
Enviada: Sábado, 27 de Setembro de 2014 16:05

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

VERGONHA > MORTE DE JANGO: RESULTADOS DOS EXAMES RETIDOS NO EXTERIOR POR FALTA DE PAGAMENTO

VEJA > http://mais.uol.com.br/view/cphaa0gl2x8r/exame-sobre-morte-de-jango-esta-retido-na-espanha-por-falta-de-pagamento-04024C1A336AD0895326?types=A&

http://www.band.uol.com.br/m/conteudo.asp?id=100000699159

O mistério sobre a morte do ex-presidente João Goulart está praticamente desvendado.

Os resultados dos exames nos restos mortais de Jango só não foram divulgados porque um dos laudos está retido num laboratório por falta de pagamento.

O Instituto Nacional de Criminalística, encarregado de fazer o laudo sobre a morte do ex-presidente, está de mãos atadas, porque os peritos ainda não receberam o resultado de exames que ajudarão a comprovar se o político foi mesmo envenenado, como suspeita a família.

Além de Brasília e São Paulo, laboratórios na Espanha e em Portugal também receberam amostras dos ossos para análise.

Até agora os exames feitos na ossada de Jango e nos gases contidos dentro do túmulo não indicaram a presença de veneno, mas, para concluir as investigações, ainda falta um laudo do laboratório espanhol, que está retido por falta de pagamento.

João Goulart morreu em 6 de dezembro de 1976 na Argentina, de ataque cardíaco. Apesar disso, não houve exames para comprovar a morte. Em novembro do ano passado, por determinação da Comissão da Verdade, o corpo dele foi exumado no Rio Grande do Sul, e os restos mortais foram transportados para Brasília.

Um mês após a coleta das amostras, os restos mortais voltaram para o Rio Grande do Sul. Apesar do atraso, o governo espera concluir o laudo a tempo de incluí-lo no relatório final da Comissão da Verdade, que deve ser entregue em dezembro.

 

CÉSAR BILIBIO ESCOLHIDO “HOMEM DO AÇO 2014”

O presidente da Medabil, César Bilibio, foi escolhido para receber o troféu “Homem do Aço de 2014” conferido pela Associação do Aço do Rio Grande do Sul – AARS. A informação foi prestada hoje (26) pelo presidente da entidade, José Antonio Fernandes Martins, devendo a entrega da premiação ser realizada em solenidade programada para 9 de dezembro próximo, em Porto Alegre. A escolha foi feita por uma comissão especial integrada por representantes da Diretoria Executiva da Associação do Aço, indústrias, distribuidores e usinas associadas, bem como da área governamental e imprensa. Segundo Martins, o homenageado deste ano destaca-se por sua atuação no comando da Medabil, empresa gaúcha com forte presença no mercado de sistemas construtivos metálicos. Além disso, César Bilibio foi eleito presidente da Associação Brasileira da Construção Metálica. Sediada em São Paulo, a ABCEM congrega nacionalmente os fabricantes de estruturas e de coberturas metálicas de aço, as empresas de galvanização a fogo, e escritórios de arquitetura e projetos de engenharia. Sua posse ocorrerá em novembro. O troféu “Homem do Aço” vem sendo entregue anualmente desde 1975 pela AARS com o objetivo de destacar a contribuição de empreendedores para o fortalecimento da cadeia produtiva do setor e o desenvolvimento econômico e social do RS e do país.

 

GISMONTI...

VI NA URGS NA 5 FEIRA...

FOI BOM MAS SAI ANTES DO FIM PORQUE DURMO CEDO.

* tINHA UM BOM POVO..

* VI O NICO ESTEVES POR LÁ. UNICO CONHECIDO QUE VI LÁ.

* PESSOAL JOVEM NO SHOW...

* ME PREPARO PRA VER JULIO IGLESIAS, EL MORDEDOR DA BOCHECHA DO SANTANA, NO ARAUJO....PRESENTE DE UM AMIGO....

 

CAMPANHA

DIZ QUE INVENTARAM NOVO SLOG PRO VIEIRINHA

É ' VIEIRINHA UM POR CENTO%

* OUTRA DO PDT...

AS FOTOS DO VIERINHA VEM SEM O SEU PUPILO LASIER...

TAVAM COM MEDO QUE O VIEIRINHA LEVASSE O BARCO DO CARECA EX-RBS PRO TUMULO COM ELE.

* O VIEIRINHA É UM HOMEM DE BEM. SEU PAI FOI MEU PROFI NA URGS. ÉRA IGREJEIRO DO COLEGIO ANCHIETA MAS CORRETISSIMO.

 

Vieira da Cunha durante caminhada na feira do produtor

CHAMEM OS INSTITUTOS OLHA COMO TENHO ELEITORES E ELES ME DÃO SO TRAÇO..RECLAMA VIEIRINHA....

vieirinha foi visitar a familia da esposa e de passo, como dizem os castelhanos, deu uma chegada na feira do produtor pra pedir uns votinhos que tão e scassos...nem o CAPINCHO arruma uns votinhos pra ele em são borja.

Foto: Jefferson Bernardes

O candidato a governador do Estado pela coligação "O Rio Grande Merece Mais", Vieira da Cunha durante caminhada na feira do produtor, em Osório

 

O MENOR QUE SE ABANDONA

por Eron Duarte Fagundes

Caru Alves de Souza tem na veia a genética de filmar: é filha da realizadora Tata Amaral. Para fazer seu filme (que adota ares de uma ficção semidocumental), a jovem cineasta se teria instruído bastante com sua prima, uma promotora da Vara da Infância e da Juventude. Assim, De menor (2013) tem alguma coisa de uma produção em família: Tata é produtora executiva da realização. Estamos um pouco diante duma estética em família, duma sociologia em família, duma sociologia em família. Feita em São Paulo. Mas com um olhar alargado para o horizonte cinematográfico nacional.

Desde o início, as preocupações naturalistas de Caru se acentuam. Os planos iniciais acompanham a chegada a casa de uma bela jovem. Ela chama por alguém, um nome de homem, enquanto caminha pelo cenário. Lá pelas tantas, despindo-se parcialmente, ela está de calcinhas à vista. A câmara segue a moça em sua sensualidade quase melancólica. Esta melancolia sensual da atriz Rita Batata vai marcar todo o filme.

Contando com atores amadores, extraídos do povo, De menor alterna duas situações. A personagem que vemos nas imagens iniciais vive com seu irmão menor, depois da morte de um ascendente, que lhes teria deixado uma herança; há conflitos entre os irmãos. A outra situação cruza o segundo cenário da personagem: ela é defensora pública num Juizado de delinquentes adolescentes. No fim a narrativa junta, tensamente, os dois cenários de Helena, a protagonista: seu irmão, descobre-se, é um menor delinquente e vai parar no mesmo Juizado onde ela trabalha.

De menor tem intenções certeiras e resolve com razoabilidade seus conflitos narrativos. Ressalvada uma lassidão formal que aqui e ali dissolve estes conflitos, De menor serve bem a que veio.

 

da Folha Popular de Teutônia

 

da coluna do Ruy Carlos Ostermann

 

PERFIL VIEIRA DA CUNHA PDT

IDEALISMO,FIDELIDADE, BRIZOLISMO

COM SETE MANDATOS no parlamento (foi duas vezes vereador, três vezes deputado estadual e duas vezes federal), Vieira estreia na corrida ao Piratini

Quase todas as referências a pessoas, comportamentos e à vida política de Carlos Eduardo Vieira da Cunha incluem a fidelidade de não menos de uma década e meia. Thaís Ribeiro é a secretária desde os tempos de DMLU, em 1987. O motorista, Jáder Luis da Silva Brum, 47 anos, está com ele há mais de 16, desde o primeiro mandato como deputado estadual. A empregada da família, Helena Escouto de Oliveira, há 24. Mora no mesmo (e sugestivo) endereço, que leva o nome de um de seus ídolos, a Avenida Getúlio Vargas, desde 1988. O grupo de casais amigos, seis no total, se reúne há décadas quase todas as semanas. A mulher, Luciane, 51, é a namorada de 34 anos atrás, com quem se casou há 31 anos. Em 3 de outubro, às vésperas da eleição, completa 33 anos no PDT. Aos 54 anos, candidato pela primeira vez ao governo do Estado, nunca teve outro partido a não ser aquele fundado por Leonel Brizola.

Será difícil, aliás, manter uma conversa com Vieira da Cunha sem ouvir a expressão/definição: “Eu sou um brizolista”.

As marcas do ex-governador sempre emergem. A pergunta é sobre a entrada na política e a herança familiar e isso o remete, claro, a Leonel Brizola: no início dos anos 1980, quando o trabalhista histórico Sereno Chaise apresentou o jovem militante a Brizola, na galeteria Marreta, em Porto Alegre, o ex-governador recém chegado do exílio quis saber se ele tinha algum parentesco com Liberato Salzano Vieira da Cunha, secretário de Educação do Estado na década de 1950. Nem havia nascido quando o tio morreu em um acidente aéreo, aos 36 anos, em 1957. Mas, sim, era sobrinho de Salzano da Cunha, que hoje dá nome a inúmeras escolas, e também exerceu cargos como prefeito de Cachoeira do Sul e deputado estadual. Era o que bastava.

– Tens pedigree – resumiu Brizola.

O gosto pela política ultrapassa a genética e já fez de Vieira da Cunha vereador da capital gaúcha duas vezes, deputado estadual três vezes, deputado federal outras duas. Na família, a oposição é forte. Se dependesse do filho mais velho, Carlos, 27 anos, formado em Direito, Vieira da Cunha não estaria mais na política, voltaria ao Ministério Público, se aposentaria e, depois, advogariam os dois no mesmo escritório (o outro filho, Eduardo, 24, também está se formando em Direito). Se a inspiração fosse a mãe, Ophelia Torelli Vieira da Cunha, 78, não teria concorrido uma única vez.

– Não te mete nisso – repete ela a cada nova eleição.

A matriarca costuma receber filhos (no total, são seis), noras, genros e netos (são 15), para os almoços dominicais no apartamento da Cristiano Fischer. Sem brigas, apesar da contrariedade. Nem com o pai, morto em 1995, havia atritos, garante. Promotor de Justiça como o filho, o pai teve passagem pela política como vereador em Cachoeira do Sul, a terra natal, pelo extinto PDC, e como candidato a deputado estadual pelo PT.

Ainda que seja forte, a oposição em casa não é unânime. E tem um apoio fundamental. Do primeiro beijo, em frente à Catedral Metropolitana, no dia 11 de dezembro de 1980, onde três anos mais tarde casariam, até esta exaustiva campanha para governador, Luciane é presença garantida. Atenta, ela evita pequenas tragédias domésticas, como resgatar, antes que sejam triturados na máquina de lavar, os óculos de leitura do marido, esquecidos num bolso de camisa. Ou discute temas como a escola de tempo integral, uma obsessão do discípulo de Brizola. Ele a convida para sentar-se ao seu lado no sofá quando o assunto é família, e a entrevista continua com os dois de mãos dadas. Formada em assistência social, vinda de uma família de políticos (o sobrenome Bolzan indica a ascendência), Luciane também tem uma vida de militante, sem nunca ter concorrido a um cargo eletivo.

Peça ao deputado para se definir:

– Sou um idealista.

Agora pergunte a Luciane:

– É um apaixonado.

Manda rosas vermelhas em ocasiões especiais ou, às vezes, sem motivo aparente (sempre rosas vermelhas, símbolo de seu partido que traz na lapela e está nos quadros que enfeitam a sala, obras do primo Eduardo Vieira da Cunha). Luciane, que além das atividades ao seu lado na política, encarrega-se da casa, dos filhos – especialmente das gêmeas, Marina e Alice, 12 anos –, da pitangueira e do araçá do terraço, enfrentou uma barra em 2008.

Vieira da Cunha cumpria o primeiro mandato em Brasília e, após o futebol da noite das terças, ligou para casa, como em todos os dias (a família nunca quis se mudar para a capital federal). A voz de Luciane estava diferente e, quando ela disse que “estava tudo mais ou menos”, insistiu. Fazia poucas horas, havia recebido o diagnóstico de câncer de mama. No dia seguinte, cedo, o marido estava ao lado dela, em Porto Alegre, para acompanhá-la nas consultas, nos exames e na cirurgia. Passados mais de cinco anos, ele mantém a vigilância. A vitória da cura mereceu comemoração na Grécia, na mesma viagem em que o pedetista passaria a ocupar a cadeira de vice-presidente da Internacional Socialista, que pertenceu a seu líder, Brizola.

Brizola. Sempre Brizola. Vieira da Cunha estava do outro lado do mundo quando o ex-governador morreu, em 2004. Participava de uma missão à China como presidente da Assembleia, o cargo do qual mais se orgulha ter ocupado. Moveu mundos para voltar a tempo das cerimônias de despedida. Dez anos depois da morte, sentese órfão politicamente:

– Não só eu, o país é órfão de Brizola.

Vasculhando outras referências políticas, cita apenas uma: Cristovam Buarque, senador pedetista, ex-ministro da Educação, que, se dependesse dele, teria sido candidato à Presidência (o PDT, que integra o governo Dilma, apoia a presidente, mas Vieira da Cunha, que brigou pela candidatura própria do partido no Estado, deve anunciar o voto para Marina Silva).

– O quadro político nacional, como um todo, está pobre em referências – constata.

Não é por desencanto que, quando acabar o mandato, não pretende voltar a se candidatar à vida parlamentar, caso não seja eleito governador. Não é que despreze a função, longe disso. É que considera pouco reconhecida e pouco produtiva a vida no Parlamento – na última eleição, recebeu 76.818 votos e, neste mandato, das 372 sessões deliberativas, compareceu a 304, um dos mais assíduos entre os gaúchos. Ainda na política, acredita que poderia fazer mais no Executivo (concorreu uma vez como vice e duas como candidato a prefeito de Porto Alegre). E tem outra coisa: confessa ter ficado profundamente balançado pelas manifestações de junho de 2013:

– Colocaram todo mundo no mesmo balaio. Quando as pessoas gritavam “sem partido” nas ruas, pensei em não me candidatar a mais nada. Para quem faz política com coerência, com desprendimento, com ética, foi muito duro.

Só que aí de novo falou mais forte a política que corre nas veias desde os 12 anos, numa história que ele recorda sempre. Desta vez é a irmã Mariângela Vieira da Cunha Goulart, 52 anos, professora de português do Colégio Anchieta, onde ele estudou, que conta: aluno do Anchieta, uma das maiores escolas privadas da Capital, o guri de classe média visitou uma vila pobre e, ao ver uma velhinha apoiada num pedaço de madeira, entendeu o que era miséria.

– Eu conhecia pobreza. Não conhecia a miséria. Aquela mulher foi o que despertou em mim a consciência social. Foi o que o tornou um militante – rememora ele.

Virou ativista na escola, onde presidiu o GEA, o grêmio estudantil, o mesmo que organizou um debate ao qual compareceu com entusiasmo juvenil semana passada, orgulhoso do lugar onde estudou, onde o pai deu aulas, onde a irmã é ovacionada pelos estudantes. São dali as amizades mais antigas. E, se eleito fosse (apesar de nas pesquisas aparecer na linha dos 3%, o quarto entre os sete candidatos), repetiria na equipe uma dobradinha dos tempos do GEA.

Seu secretário da Fazenda seria o mesmo tesoureiro do grêmio estudantil dos anos 1970. O cargo que teria como missão enfrentar a dívida do Estado, uma das mais espinhosas, seria ocupado por Luiz Antônio Bins, 55, auditor fiscal da Receita Estadual. A amizade dura mais de 40 anos, já foi dividida nas quadras de futsal (Vieira no ataque, ele na defesa), nas temporadas na praia e nos jantares de final de semana, onde se discute de tudo, incluindo política e futebol (o pedetista é colorado, conselheiro do Inter e guarda em casa sua antiga cadeira no Beira-Rio, em contraposição ao cunhado Romildo Bolzan Jr., um dos convivas habituais, companheiro de PDT, candidato à presidência do clube adversário).

Ao longo dessas décadas, Bins nunca presenciou um destempero do amigo, nem no futebol, mas não hesita ao responder o que o tira do sério: falta de responsabilidade.

Ex-primeira dama do Estado e ex-secretária de Educação, a pedetista Neuza Canabarro completa:

– O que poderia ser considerado negativo, uma tendência a centralizar, no Vieira é positivo, necessário, e pode ser potencializado.

Neuza conhece Vieira da Cunha e Luciane desde a militância na juventude pedetista. Diz que, às vezes, estiveram em lados opostos no partido e afirma que ele é do tipo de político que jamais diria “eu não sei/eu não sabia”.

É exigente, revisa pessoalmente todos os textos, acompanha os detalhes de cada projeto, não deixa escapar um erro de português, não admite imprecisões, confirma quem já trabalhou com o candidato. Mas mesmo quando percebe erros, não comete indelicadezas ou grosserias – “até o descontrole é educado”, atesta um ex-assessor. Também se sobressai o forte vínculo familiar e a formação católica – costuma ir à missa e frequenta, sempre que possível, a Igreja Nossa Senhora Aparecida da Restinga.

Para resumir as qualidades do companheiro de partido, Neuza, 68 anos, conta que, em 2013, quando ela passou pela mais séria de quatro cirurgias, Vieira estava lá no final de noite ao seu lado, vindo de uma longa viagem pelo Interior.

O ano de 2013 foi particularmente intenso. Foram muitas as viagens de Vieira, buscando apoio em quase 30 encontros regionais para a candidatura própria do PDT, com um grande debate interno. Também foi tempo de embates, especialmente com a deputada estadual Juliana Brizola, neta de seu ídolo que, apesar de concordar com a tese da candidatura própria, estranhou-se com o candidato:

– Vejo no deputado um militante que sempre teve vida orgânica no partido, mas temos divergências internas. Desde que meu avô morreu, o PDT perdeu sua identidade. No dia 5, vou votar no 12 (o número do candidato).

Vieira minimiza as divergências, diz que foram excessos que os afastaram e que espera retomar a convivência com a neta de Brizola.

Os insucessos nas eleições majoritárias, até agora, ele atribui a “circunstâncias adversas”, de onde consegue ver um lado positivo: uma derrota eleitoral às vezes é uma vitória política. E vice-versa. E, se não vencer em outubro, afirma que não haverá frustração. Retornará, ao concluir o mandato de deputado, ao Ministério Público.

Nas palavras dele, voltará a ser estilingue.

Letier Vivian
São Borja/RS

 

Debate da Record reúne os sete candidatos ao governo do Estado

Foto: Jefferson Bernardes

Os sete candidatos ao Piratini voltaram a se encontrar para o confronto de ideias. Desta vez, o debate foi realizado na TV Record, no fim da noite desta sexta-feira. De acordo com as regras estabelecidas pela emissora, em todos os blocos os candidatos responderam perguntas elaboradas por outros dois concorrentes.

Vieira abriu o debate, e respondeu Humberto Carvalho sobre a questão da dívida do Estado com a União.

“Está havendo uma verdadeira sangria com o Rio Grande do Sul. A Federação das Associações de Municípios do RS (Famurs) divulgou um estudo mostrando que a União recolheu em 2013 R$ 54 bilhões em impostos no Rio Grande do Sul, e devolveu apenas R$ 12 bilhões em investimentos. Os recursos, que são fruto do nosso trabalho, são levados para Brasília e, de lá, enviados para outros Estados. O nosso plano de governo prevê o questionamento judicial deste contrato, até porque a negociação que o governo atual fez, e que está travada no Congresso, não resolve o principal problema, que é o fato de 13% da nossa receita ir todo o mês para o pagamento da dívida”, disse Vieira.

Logo em seguida, foi a vez de Roberto Robaina perguntar para Vieira, e ele escolheu o tema da Educação. O candidato do PDT disse que é um trabalhista, e por isso tem compromisso com a área.

“Quando Brizola governou o Rio Grande do Sul criou 6.302 escolas em apenas quatro anos. Collares ergueu 94 CIEPs, as escolas de tempo integral que queremos resgatar”, lembrou Vieira, que afirmou que está mais do que provado que o tempo de permanência na escola é fundamental para a qualidade do aprendizado.

Outro ponto levantado foi o piso nacional do magistério. Ao afirmar que fará o possível e o impossível para cumprir a lei, Vieira explicou que o caminho é modificar o artigo 4º da legislação, para permitir que o Rio Grande do Sul receba a complementação de verbas da União.

“O artigo 4º, como está redigido, condiciona o aporte de recursos somente para os Estados que recebem complementação do Fundeb. Como o Rio Grande do Sul não recebe, está excluído”, explicou Vieira, que como deputado federal criou projeto de lei para fazer esta modificação.

Na sequência, foi a vez de Vieira perguntar, e as regras estabeleceram que o questionamento fosse direcionado para o candidato Édson Estivalete. O candidato do PDT optou por falar de segurança, e na réplica apresentou ideias de seu plano de governo, que prevê a criação do Sistema Integrado de Segurança.

“A mudança começa pela recomposição do efetivo. Quando o PDT saiu do governo eram 30 mil brigadianos nas ruas. Passados 20 anos, são quase 6 mil PMs a menos. Na Polícia Civil a falta é imensa, e também faltam peritos no IGP. Nós vamos fazer concursos anualmente, e também investir em tecnologia e inteligência policial”, afirmou Vieira, que acrescentou que pretende liderar um movimento nacional pela mudança da legislação penal, processual penal e de execuções.

Na segunda pergunta a que tinha direito no bloco, Vieira questionou Tarso e os dois protagonizaram um dos embates mais acirrados. Vieira comentou uma declaração recente do candidato do PT, onde ele questiona as informações mencionadas por Vieira em discursos e entrevistas de rádio e televisão sobre os índices de criminalidade.

Vieira frisou que os números que ele utiliza foram retirados do Mapa da Violência, um estudo sério, assinado pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, que inclusive foi premiado recentemente pelo governo federal em razão dos inúmeros estudos voltados para a área da segurança pública.

Nas considerações finais, Vieira lembrou que em outubro completa 33 anos de filiação ao PDT, e disse que se orgulha da trajetória do partido ao longo da história.

 

Sartori recebe apoio e desabafo de eleitores em viagem de Trensurb

Ué, o PMDB já esqueceu que dirigiu o trem na época do Padilha de ministro e que o presidente era o Faraco?(olides)

Foto: Luiz Chaves

As manifestações de apoio recebidas nesta sexta-feira (26) reforçaram a confiança de José Ivo Sartori na chegada ao segundo turno das eleições. Por volta das 8h, ele embarcou no Trensurb, em Porto Alegre, para uma viagem até o Centro de Novo Hamburgo, com duração de 53 minutos, acompanhado do senador Pedro Simon. Na volta, parou em estações e constatou o entusiasmo de eleitores que estão contribuindo para que ele seja o único candidato a crescer cada vez mais nas intenções de voto, conforme demonstram as últimas pesquisas, além de ser o postulante ao Palácio Piratini com menor rejeição. Durante o percurso nos vagões e entre os embarques, Sartori falou de suas propostas e ouviu sugestões e o desabafo de pessoas que utilizam o transporte público todos os dias para se deslocar entre a Capital e a Região Metropolitana. Entre as reivindicações mais frequentes, apareceram a melhoria da mobilidade urbana e da segurança à população. Sartori concordou com a maioria das opiniões sobre congestionamentos, tarifas caras e poucos investimentos em transporte público. “Essas deficiências acabam fazendo com que as pessoas priorizem o transporte individual, e isso leva à imobilidade urbana. Temos um sistema que não favorece o uso do transporte coletivo, o que provoca preço alto nas tarifas e ônibus e trens lotados”, afirmou.

O candidato lembrou que em Caxias do Sul, onde foi prefeito em duas gestões, criou a Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade, que qualificou os serviços no município. “São necessários melhor planejamento, integração dos modais de transporte e investimentos adequados ao crescimento das grandes cidades. Em Porto Alegre, por exemplo, a viabilização do metrô não sai do papel e não passa de promessa tanto do governo federal quanto estadual”, disse Sartori.

No retorno a Porto Alegre, ele participou de um ato político na Esquina Democrática, no Centro, também em companhia de Pedro Simon, que concorre à reeleição ao Senado. “Vamos multiplicar nas ruas, através da nossa militância, a força dos partidos da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, para que sejamos vencedores nesta caminhada e possamos realizar o desejo dos gaúchos de transformação do Estado”, afirmou Simon. “Vamos consolidar um projeto viável, sério e com responsabilidade. E para isso, é preciso colocar o Sartori no Piratini, para reescrever um novo caminho de mudança.”

 

Methodus confirma que Sartori é o que mais cresce na disputa ao Piratini

Foto: Luiz Chaves

A dez dias das eleições, pesquisa do Instituto Methodus, encomendada pela Associação dos Diários do Interior (ADI-RS) e divulgada nesta sexta-feira, aponta que o candidato José Ivo Sartori foi o que mais cresceu na disputa ao governo do Estado. O candidato atinge 17,1% das intenções de voto, conforme levantamento realizado entre os dias 23 e 25, com 1,5 mil eleitores em todo o Estado.

Na sondagem anterior, divulgada em 11 de setembro e também encomendada pela ADI-RS, Sartori tinha 11,8%. Nos levantamentos do Methodus divulgados em 18 e 29 de agosto, o candidato tinha 5,9% e 5,8% das intenções de voto, respectivamente, o que mostra o desejo de mudança entre os gaúchos. Os demais concorrentes mantiveram índices estabilizados ou em queda.

O menor índice de rejeição entre os postulantes ao Palácio Piratini também é o de Sartori. Outro ponto destacado é que o número de pessoas que manifestaram não saber em quem votar chega a 45,6% na pesquisa espontânea, sugerindo que ainda pode haver um campo vasto em aberto. A margem de erro do levantamento é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos.

 

de Serafina

A Estação das Flores

A primavera é uma das quatro estações do ano. Ela ocorre após o inverno e antes do verão. No hemisfério sul, onde está localizado o Brasil, a primavera tem início em 23 de Setembro e termina no dia 21 de dezembro. É uma época em que ocorre o florescimento da várias espécies. Portanto, é um período em que a natureza fica mais bela, presenteando o ser humano com flores coloridas e perfumadas.
“Se não tivéssemos inverno, a primavera não seria tão agradável: Se não experimentássemos algumas vezes o sabor da adversidade, a prosperidade não seria tão bem vinda”.

 

SEMANA DO TRÂNSITO : AÇÃO PREVENTIVA AOS ACIDENTES DE TRÂNSITO

A Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa através da Secretaria Municipal de Saúde – Vigilância em Saude, juntamente com a Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria Municipal de Obras e Departamento de Trânsito promovem uma ação preventiva aos acidentes de trânsito: uma apresentação com o Teatro Luz e Cena: Senhor das Ruas....
O evento está acontecendo na Escola Leonora Marchioro Bellenzier, dividido em quatro sessões,duas aconteceram na parte da manhã,e duas acontecerão na parte da tarde, para toda a Rede Municipal de Ensino e a comunidade em Geral também está convidada a participar.
O trânsito é sem dúvida alguma, um assunto que está entre as principais preocupações de toda sociedade e nos desafia a encontrar soluções, que permitam uma boa convivência entre os meios de transporte e as pessoas. Nossos automovéis e os veículos de modo geral evoluem e agregam novas tecnologias a cada dia, a Legislação cria regras e normas e os governos não param de construir e reformar estradas, tudo para melhorar o nosso trânsito.Mas então, porque o Brasil bate recordes de acidentes e mortes no trânsito?Onde estamos errando?
A partir destes questionamentos o Teatro Luz e Cena se debruçou sobre o tema e entendeu que o condutor, o motorista, essa peça fundamental no manuseio dos meios de transporte é o maior responsável, ou melhor, o “irresponsável” pelos problemas do nosso trânsito. Assim surgiu a ideia de criar um espetáculo que pudesse dialogar, não só com condutores e pedestres, mas com toda a sociedade, especialmente com os jovens, que serão os futuros motoristas e os aguardam com maior ansiedade, a bendita carteira de habilitação.
A Administração Municipal, através do Teatro Senhor das Ruas, mais uma vez terá dado a sua contribuição, afinal ele tem a função de reproduzir a realidade e, como uma lente, ampliar esta realidade, provocando a reflexão e a consequente transformação de valores e conceitos, gerando novas atitudes.

 

SEMANA FARROUPILHA 2014 FOI UM SUCESSO!

O TRADICIONALISMO, DE FATO, CORRE EM NOSSAS VEIAS, PROVA DISSO FORAM AS MAIS DE 20 MIL PESSOAS QUE CIRCULARAM PELA SEMANA FARROUPILHA 2014, NO GINÁSIO MUNICIPAL IRCEU ANTÔNIO GASPARIN E NO ACAMPAMENTO FARROUPILHA!

COM QUASE 40 BARRACAS, TODAS MUITO BEM ORGANIZADAS, TANTO PELA PARTE DA PREFEITURA MUNICIPAL, COMO PELAS EMPRESAS QUE NELAS SE ESTABELECERAM, O ACAMPAMENTO FARROUPILHA FOI UMA REFERÊNCIA PERANTE REGIÃO E ESTADO, DESTA FORMA CONCLUIMOS QUE O EMPENHO DAS SECRETARIAS ENVOLVIDAS NÃO FOI EM VÃO, O OBJETIVO DE CULTIVAR E BUSCAR AINDA MAIS SIMPATIZANTES PELA CULTURA GAÚCHA FOI ALCANÇADO.

GINÁSIO LOTADO EM TODAS AS PROGRAMAÇÕES, ASSIM FORAM AS ATIVIDADES CULTURAIS E OS SHOWS QUE ABRILHANTARAM NOSSA SEMANA FARROUPILHA. COM GRANDES NOMES NO TRADICIONALISMO, O PÚBLICO PODÊ PRESTIAR, SE DIVERTIR E PASSAR MOMENTOS AGRADÁVEIS COM SEUS AMIGOS E FAMILIARES.

 

26 de setembro de 2014

EXCLUSIVO

FURANDO O CERCO...

uMA COOPERATIVA QUE ATENDE SERVIÇO DE DENTES ESTÁ PRA CONQUISTAR UMA GRANDE CONTA. DE UMA SIDERÚRGICA MUITO GRANDE, MAS MUITO GRANDE.

DIZEM QUE TEM 65 MIL EMPREGADOS, NO BRASIL.

AS NEGOCIAÇÕES ESTÃO EM ANDAMENTO.

QUEM ATENDE ATUALMENTE A EMPRESA É UM BANCO, MAS UM BANCO MUITO GRANDE, MUITO GRANDE.

(OLIDES CANTON)

Independência

a alegria da GRAÇA FORSTER. ELA DISSE QUE GOSTA DE CHEIRO DE GASOLINA....OLHA AI A INDEPENDENCIA NO FIM DE TARDE....

FORNECIMENTOS GAÚCHOS PARA NOVA FÁBRICA DE CELULOSE JÁ ATINGEM A R$ 1,6 BILHÃO

A participação das empresas locais nos fornecimentos para o projeto de expansão da Celulose Riograndense, de Guaíba, já atingiu a cifra de R$ 1,6 bilhão. A informação foi prestada pelo vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – ABIMAQ/RS, Hernane Cauduro, ao explicar que tal resultado é fruto da criação do programa Desenvolve RS. “A capacidade de mobilização de várias entidades empresariais, junto com a CMPC e o governo do Estado, permitiu que as indústrias gaúchas participassem com uma fatia deste importante investimento até então considerada inimaginável”, afirma o dirigente, ao assinalar que a previsão original era de contratação de R$ 650 milhões junto a fornecedores locais. A nova planta de Guaíba deverá estar concluída em maio de 2015, o que faz prever que tal cifra poderá aumentar ainda mais, embora a grande maioria dos serviços e equipamentos já estejam contratados. Observa que se a mobilização através do Desenvolve RS tivesse sido feita anteriormente, na fase de definições do projeto, a indústria local seguramente teria obtido uma participação maior nos fornecimentos. Lembra também Hernane Cauduro que após o início de operação da nova planta será necessário um investimento de U$ 40 milhões anuais em melhorias e atualizações, o que permitirá atuação permanente do Desenvolve RS no sentido de aumentar o número de empresas locais habilitadas a fornecer para a CMPC não apenas para a unidade que está sendo implantada como também para nova expansão que está em fase de maturação.

de um leitor atento

Enviada: Quinta-feira, 25 de Setembro de 2014

O mercado publicitário encolheu em quase 50% no último ano, os veículos estão dando anúncio quase de graça e os donos estão se movimentando para enxugar as empresas. Tem rádio, jornal e TV sendo oferecidas a quem quiser comprar, ou seja os bispos evangélicos, que cagam e andam para a receita publicitária, o negócio deles é atingir um público e depois faturar com os dízimos. As empresas só estão esperando o fim das eleições para diminuírem seus quadros e depois efetuarem as trocas de comandos. Tem mais consultores e bispos voando do que aviões de carreira.

do Gambrinus

oprefeito FUMAÇA com o garção zezinho tavares no gambrinus. ta aí uma boa opção pra votar...o fumaça

dois momenytos no gambrinus



o garção que cuida do figueiredo e eu com o autor de um livro sobre histórias passadas em bares....

Racismo

o semina´rio sobre racismo em futebol...o presidente noveletto deu no pé, deixoulá um ' cachimbo' pra falar. sabia que o assunto ia esquentqar.

Ainda as belezas de Paris

AINDA AS BELEZAS DE PARIS - "Paris é uma festa", dizia o velho Hemingway. E continua sendo. Mesmo que de lá para cá - ou seja, desde a época em que Hemingway passava fome com a primeira mulher e filho na Paris pós-Primeira Guerra Mundial - ela, Paris, tenha enfrentado outra grande guerra, um outro pós-guerra de miséria e fome, que foi seguido de 30 anos gloriosos, que murcharam com os dois choques do Petróleo dos anos 70, seguidos estes de uma série de desastres econômicos mundiais que culminaram com a crise de 2008 (que por aqui só rendeu uma "marolinha"). Mesmo assim, a capital dos franceses que em muitas partes tem um aspecto cascudo, envelhecido, em outras se apresenta rejuvenescida, como mostram as fotos anexas, tomadas nas "berges basses" do Quai François-Mauriac/Port de la Gare, na Rive Gauche. A maioria delas comprova a atualidade da Lei de Lavoisier, pois são de barcos fora de combate reaproveitados ("na natureza nada se perde, tudo se transforma") como bares, restaurantes, boates etc... e estacionados ao longo do Sena" (Laurinho da Venâncio)

Assunto relevante

De: Valdir dos Santos
Data: 25/09/2014 16h00min05s UTC

Oi Olides, tudo bem?
Achei este longo artigo aqui sobre o Grupo RBS. achei que você poderia gostar (se tiver paciência de ler, é bem longo)

A tesoura que assombra a RBS

por Luiz Cláudio Cunha

Está identificado, com nome, sobrenome e endereço, o espírito que há meses assombra com cortes e demissões a RBS, o maior grupo de mídia do sul do país, a 27ª empresa no ranking das 100 maiores do Rio Grande do Sul.

Não é nenhum dos jovens executivos barbudos da família Sirotsky que fundou e comanda a Rede Brasil-Sul de Comunicação desde 1957. O artífice que modela a nova RBS é Cláudio Galeazzi — um senhor de 74 anos e sorriso rasgado, cara limpa e cabelos quase brancos, 1m84 e 92 kg de um corpo massudo modelado pelo exercício disciplinado do halterofilismo —, reconhecido nos principais círculos econômicos do Rio e São Paulo, respeitado entre os grandes empresários brasileiros e disputado por empresas em crise que o veneram como o temido Galeazzi Mãos de Tesoura.

Com mais de 150 projetos de salvação empresarial no portfolio da consultoria Galeazzi & Associados que fundou em São Paulo, em 1995, Cláudio teve passagens triunfais (para os patrões) e traumáticas (para os empregados) no comando temporário de gigantes como os grupos Pão de Açúcar, Vulcabrás/Azaleia, Lojas Americanas, Artex, Cicrisa, Vila Romana, entre outros. Na coronha de seu revólver de serial killer de empregos, na conta sinistra da revista Época Negócios, estão registradas até janeiro de 2008 mais de 20 mil demissões — o triplo dos 6,5 mil funcionários hoje sobressaltados da RBS.

Cláudio Eugênio Stiller Galeazzi não ganhou fama pela ficção de Holywood, mas pelos cortantes resultados de eficiência gerencial, redução de custos e otimização de lucros que o tornaram uma lenda da vida real das empresas estressadas por balanços avermelhados e deslizamentos de receita. Era inevitável que Galeazzi e a RBS acabassem, um dia, se encontrando.

Essa convergência começou a se desenhar em 2011, quando acendeu a luz vermelha no comando da família Sirotsky. Estudos internos e sigilosos realizados por um executivo do grupo em Santa Catarina, Marcos Barbosa, indicaram que o jornal Zero Hora, nau-capitânea da frota da RBS, sofreria um grave abalo estrutural nas receitas a partir de 2018, açoitado pelas ondas cruzadas da queda de anunciantes, fuga de leitores e custos crescentes do papel, tudo isso potencializado no mar tormentoso da internet.

A CARTA-BOMBA
Essa tragédia anunciada acabou se antecipando em seis anos. Em 2012, o caixa do jornal sofreu uma abrupta queda de publicidade, com uma margem de redução de até 50%. O comando da RBS se assustou porque é a divisão de oito jornais impressos que dá o caixa para sustentar o resto da empresa. O solavanco, desconhecido até para o público interno da empresa, habituada às notícias sucessivas de auto-louvação sobre sua pujança e modernidade, veio no momento crítico de troca de descendência no poder.

Em 2012 aconteceu a transição da segunda para a terceira geração dos Sirotsky. Nelson, filho do patriarca Maurício Sirotsky Sobrinho (1925-1986), passou o comando executivo da RBS para o sobrinho de 40 anos, Eduardo Sirotsky Melzer, o Duda, filho de sua irmã Suzana, a primogênita de Maurício. Na cadeira de presidente-executivo, o inexperiente Duda enfrentaria emoções nunca antes vividas pelo avô e pelo tio, seus antecessores no cargo.

As receitas continuaram piorando no início de 2013 e o susto virou preocupação. Em julho daquele ano, consolidada a ideia de contratar uma consultoria externa para reorientar a RBS, começou a ser sussurrado ali um nome sonoro e desconhecido até pelos altos executivos da casa: um certo Cláudio Galeazzi. Os primeiros encontros reservados dele com Nelson e Duda Sirotsky aconteceram na sede da consultoria, que ocupa o sétimo andar de um prédio na avenida Engenheiro Luis Carlos Berrini, endereço nobre de alguns dos executivos e empresas mais destacados em São Paulo.

Ali, o trio selou a parceria, remunerada por uma taxa de sucesso sobre os resultados obtidos. Discreto, o consultor não foi visto uma única vez na sede da RBS em Porto Alegre, mas ficou clara sua entrada na vida do grupo. Sem aparecer, sem circular pelo QG dos Sirotsky no sul, Galeazzi despachou para lá um grupo pequeno de assessores para fazer o raio-X e agir sobre os problemas que rondam a empresa. Pelo que se sabe do contrato, a equipe de Galeazzi vai assombrar os corredores da RBS até meados de 2015.

A lâmina fria de Galeazzi Mãos de Tesoura mostrou publicamente o seu fio agudo numa segunda-feira, 4 de agosto passado, pela voz do próprio Duda Sirotsky, em uma das mais desastradas operações de Relações Públicas na história empresarial brasileira. Ele falou aos funcionários numa vídeoconferência e, no mesmo dia, reafirmou o que disse numa carta de duas páginas que pode ser definida como uma autêntica ‘carta-bomba’ — pela sangria na plateia, pelo estrondo na opinião pública e pelas feias cicatrizes na face da RBS como uma empresa moderna, pujante, vencedora, imune a crises e ao amadorismo no ofício da comunicação.

Nas 102 linhas confusas de sua ‘carta-bomba’, Duda fala cruamente em demissões, nega uma crise financeira, anuncia a quebra de paradigmas e conclama seus assustados ‘caros colegas’ — como diz no início de sua bombástica missiva — a imitar a RBS e a apostar no borbulhante mundo dos etílicos. Escreve Duda:
Ampliamos a operação da Wine, que já é a maior empresa de vinhos online do mundo, tanto que estamos agora preparando sua entrada no mercado internacional. E muitos de vocês que já são sócios da Wine agora poderão também ser da Have a Nice Beer, o maior clube online de cervejas da América Latina, que está vindo para o Grupo.

Tudo isso em um texto que, apesar de sua catatonia, trai as novas prioridades do maior grupo de comunicação do sul do País. A palavra ‘jornalismo’ tem uma única citação, assim como ‘leitor’, enquanto fala três vezes em ‘digital’, duas em wine e outras três em ‘vinho’, ‘cerveja’ e beer. O trecho mais espantoso é o sétimo parágrafo, onde Duda, com a inclemência dos profetas, anuncia o apocalipse:
Teremos uma semana intensa pela frente, pois na quarta-feira faremos cerca de 130 demissões, de um universo de 6 mil pessoas, com o objetivo de buscar produtividade e maior eficiência. São cortes que precisam acontecer, principalmente na operação dos jornais. Não estou de forma alguma insensível ao impacto que demissões geram na vida das pessoas e da própria empresa, porém acredito que tanto os profissionais quanto as empresas precisam repensar o modo como atuam.

O MARINHO DO SUL
Traduzindo. Duda antecipou na segunda-feira, 4, as demissões que só nomearia na quarta-feira, 6, ignorando o velho brocardo do sábio florentino Nicolau Maquiavel (1469-1527): “Quando fizer o bem, faça-o aos poucos. Quando for praticar o mal, faça-o de uma vez só”. O estabanado anúncio do principal executivo da RBS impôs durante 48 horas um clima de aflição sobre uma comunidade de 6,5 mil funcionários, angustiados pela desinformação sobre os nomes dos 130 iminentes demitidos.

O grau de angústia poderia ser imaginado em Brasília se a presidente Dilma Rousseff reunisse seus 39 ministros na segunda-feira para anunciar que, dois dias depois, 10 ou 15 deles seriam demitidos, sem anunciar ainda seus nomes. O espectro de crueldade que dominaria a Esplanada dos Ministérios, com certeza, pode ser comparado ao que vislumbraram os ‘caros colegas’ de Duda, que a revista Forbes coroou como “o Marinho do Sul”.

A ligação do clã Sirotsky com o clã Marinho está no DNA do grupo e explica seu sucesso. A TV Gaúcha — a primeira das 18 emissoras da RBS que hoje compõem a maior afiliada da Rede Globo no Brasil — foi inaugurada em Porto Alegre num dia quente de dezembro de 1962, quando o avô de Duda, Maurício Sirotsky, recebeu em festa o presidente João Goulart e o governador Leonel Brizola. No início, a parceria da Gaúcha era com a pequena TV Excelsior, até que Maurício deu em 1967 o pulo do gato, fazendo então o realinhamento empresarial mais saudável de sua vitoriosa carreira.

Maurício sintonizou sua emissora com os novos tempos da ditadura instaurada três anos antes e se alinhou aos generais que derrubaram o mesmo Jango que suava em bicas no estúdio da sua TV Gaúcha naquele tórrido verão porto-alegrense. A nova e refrescante parceria de Maurício passou a ser com Roberto Marinho, que um ano após o golpe de 1964 fundou a TV Globo, embrião do império global que nasceu e prosperou à sombra frondosa dos generais. Marinho arrastou para o alto a RBS, sua nova parceira sulista.

O jornalista Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único país do mundo em que jornalistas chamam seus patrões de ‘companheiros’. No caso do Duda da Rede Globo, ainda havia uma certa reverência, já que o ‘nosso companheiro’ Roberto Marinho era tratado por todos com a mesura de ‘Doutor Roberto’. No caso do ‘Marinho da RBS’, foram rompidos todos os paradigmas de protocolo. Ao contrário do avô e do tio, que não passavam do tratamento coloquial de Maurício e Nelson, o novo presidente-executivo da RBS chegou ao extremo do apelido familiar.

Assim, a ‘carta-bomba’ em tom apocalíptico e triunfal, que mistura demissões, vinho e cerveja, e prega “desapego para deixar de fazer coisas que não agregam” é assinada não pelo sóbrio ‘colega’ Eduardo Sirotsky Melzer, mas pelo íntimo Duda, com todo o seu jeito fofo de ser. Depois de dizer tudo aquilo, Duda encerra: “Vamos em frente!” O ‘Doutor Roberto’ — que andou de braços dados com o regime, desde o primeiro até o último general-presidente da ditadura, incluindo João Baptista Figueiredo — jamais permitiu que os ‘companheiros’ do império global chegassem a este exagero de fofura.

A desastrosa ‘carta-bomba’ de Duda, na primeira segunda-feira de agosto, foi antecedida algumas horas antes por outras derrapadas na vídeoconferência de quase uma hora. O presidente-executivo chegou a responder perguntas anônimas, com os resultados previsíveis. Uma delas indagava porque a comida nos restaurantes da casa era “ruim e fria”, arrancando gargalhadas em meio à tensão. O nervosismo de Duda era tal que chegou a reclamar de boatos, queixando-se dos rumores sobre a RBS na chamada ‘rádio corredor’, que ganha uma enorme audiência nos momentos mais nervosos da crise. “Boataria não monetiza nada”, chiou Duda diante dos caros colegas que o assistiam e que não entendiam como converter um rumor em moeda.

O RUMOR PELO TERROR
A questão central é que não se tratava de boatos, mas de fatos. Na sexta-feira 6, quatro dias após o destrambelhado anúncio de Duda, o jornal JÁ ouviu jornalistas da RBS e descobriu que o drama das demissões em massa, algo inaudito na casa, poderia ser ainda maior. As primeiras conclusões da equipe de Galeazzi Mãos de Tesoura recomendavam já uma tesourada de 250 empregos, mas o corte ficou adiado por conta das eleições de outubro, que demandam mão de obra. Assim, a aflição de 48 horas em agosto para identificar os 130 funcionários executados agora vai se estender até outubro ou novembro por conta dos futuros 120 demitidos, que ninguém ainda sabe quem são, replicando o clima de terror que paira sobre os 6,5 mil funcionários da RBS.

O cruel ‘desapego para deixar de fazer coisas que não agregam’, como definiu Duda em sua ‘carta-bomba’, bateu no lombo de 40 jornalistas, que somavam mais de 30% desta primeira fornada de trabalhadores ‘desapegados’ à força de seus empregos. A revelação do JÁ forçou uma reunião inesperada de dois executivos da RBS com a redação de Zero Hora ainda na sexta-feira. Eduardo Smith, vice-presidente de Jornais, Rádios e Digital, e Marta Gleich, diretora de Jornais, negaram novas demissões em novembro. E justificaram o anúncio antecipado em 48 horas das demissões como uma decisão do próprio Duda em nome da ‘transparência’ para combater os boatos da ‘rádio corredor’.

Resumindo: para anular o rumor, o ‘caro colega’ Duda optou pelo terror.

Além das pessoas, a RBS mostra desapego também pela estrutura. Na tesourada geral decidiu-se pelo fechamento das sucursais de Zero Hora no interior do Estado, onde o jornal tinha presença nas principais cidades, como Caxias do Sul, Pelotas, Santa Maria, Novo Hamburgo, Santa Rosa. Em outras, como Santana do Livramento, Bagé, Rio Grande, Santo Ângelo, Passo Fundo, Uruguaiana e Santa Cruz, a cobertura cabia a repórteres free-lancer. Só no interior, a RBS mantinha 691 empregos, conforme um relatório da empresa de 2012. Toda essa presença, que fazia uma ligação direta de ZH com diferentes públicos em regiões variadas, virou pó.

O maior jornal do Rio Grande pretende agora cobrir os dramas e demandas de 11 milhões de gaúchos espalhados por 496 municípios de 35 microregiões a partir de um único centro: a redação refrigerada da sede de ZH, na avenida Ipiranga, em Porto Alegre. Passa a ser um jornal estadual que se apequena e se exila no conforto da capital do Estado. É, como diz Duda no seu palavreado de executivo moderno, outro paradigma rompido, outra barreira quebrada para “colocar a RBS cada vez mais no grupo das empresas vencedoras, daquelas empresas que constroem oportunidades de mercado para se posicionar e conquistar a liderança”. Não é fofo?
A tesourada de agosto, mês de desgosto, centrou fogo no time de executivos, funcionários que, além dos altos salários, acumulavam bônus de rendimento ou gratificações que chegavam a 5 ou 10 salários extras no ano. Como a ideia é fazer caixa, desapegaram os jornalistas caixa-alta. Por esse critério, foram demitidos os comandantes de dois jornais importantes em Porto Alegre e Florianópolis — o editor-chefe Alexandre Bach (Diário Gaúcho) e o diretor de redação Ricardo Stefanelli (Diário Catarinense).

Em Brasília, sua sucursal mais importante, pela qual Duda ainda mantém certo apego, foram tesourados os dois executivos mais caros: o vice-presidente Alexandre Kruel Jobim, filho do ex-ministro Nelson Jobim, e Klécio Santos, editor-chefe da RBS na capital federal. Para ocupar o lugar da dupla, Duda removeu para Brasília o jornalista Marcelo Rech, economizando para a empresa o seu alto posto de diretor de Jornalismo da RBS em Porto Alegre, que deverá ficar vago.

TESOURA E TESOURINHA
Os cortes só não foram maiores na base dos jornais, as redações, porque os salários já são comprimidos. Cerca de 3.400 funcionários, mais da metade do efetivo de 6,5 mil da RBS, ganham menos de três salários mínimos (hoje, R$ 2.172), conforme o balanço de 2012. É a faixa salarial de boa parte dos dois jornais da capital, ZH e Diário Gaúcho — este viu sua redação reduzida agora de 20 para 12 jornalistas. Apenas 375 funcionários ganham na faixa de 10 a 20 SM( entre R$ 7,2 mil e R$ 14,5 mil). A elite executiva da RBS, onde a tesoura de Galeazzi tem mais desapego, é formada por 128 funcionários que ganham mais de R$ 15 mil.

A aflição dos jornalistas nas redações da RBS aumenta quando cruzam, nos corredores, com uma jovem morena, de rosto redondo, cabelos pretos e sorriso doce, que nem todos conhecem pelo nome. É Telma Goulart, 42 anos, a tesourinha que Galeazzi levou de São Paulo para Porto Alegre como consultora encarregada de identificar e retalhar nos jornais da RBS os empregos pelos quais Duda têm menos apego. Graduada em Matemática pela USP e MBA em Gestão Estratégica, Telma foi uma eficaz gerente de análise de mercado do Grupo Folha/UOL por quase 19 anos. O fio agudo onde pisa Telma pode ser sentido pelo pensamento cortante de Galeazzi: “O erro é a contratação mal feita, que incha a empresa”.

O consultor é frio como a lâmina que usa para cortar custos, despesas e empregos na obsessão para salvar empresas pelo saneamento de suas contas: “Cortar é apenas uma parte da gestão. Não dá para cortar custos infinitamente. Mas, devem ser cortados sempre, como as unhas e os cabelos”. No conjunto, o currículo cabelereiro-empresarial de Galeazzi rima com sucesso, apesar da inevitável e descabelada sangria que provoca nos salões que contratatam seu gume e talento, ambos temidos e festejados.

Em 2012, Pedro Grendene contratou Galeazzi para acertar o passo e calçar melhor o grupo Vulcabrás/Azaleia, que faturou no ano R$ 1,1 bilhão, mas devia outro R$ 1 bilhão. O consultor chegou afiado em julho e, até dezembro, 12 fábricas tinham sido fechadas na Bahia, produzindo 13 mil demissões.

A tesourada incluía os 800 trabalhadores da fábrica de Parobé, a cidade gaúcha onde nasceu a Azaleia. Galeazzi nunca se assume com um serial killer de empregos, mas como um executivo devotado ao mantra sagrado da reestruturação. Ele ensina: “O reestruturador precisa ser tático e ter um horizonte de até dois anos para empreender as mudanças necessárias”. É o tempo que Galeazzi terá, até 2015, para ‘reestruturar’ a RBS.

Em meados dos anos 2000, o grupo de supermercados Pão de Açúcar, maior rede varejista do país, estava perdendo a corrida para o concorrente que viera dos Estados Unidos, a rede Walmart. Abílio Diniz, dono do grupo, achou que essa era uma missão para Galeazzi Mãos de Tesoura. O consultor ganhou o crachá de presidente, em dezembro de 2007, e virou a empresa de 150 mil funcionários pelo avesso. Mudou a disposição dos produtos nas gôndolas das 1.800 lojas no País, trocou o mix de itens vendidos e suspendeu a agressiva política de descontos da empresa. Em poucos meses, demitiu 20 diretores e 300 empregados.

Entre janeiro e setembro de 2009, o amargo prejuízo do Pão de Açúcar se converteu num doce lucro de 162% em relação ao período do ano anterior. A tesoura é de Galeazzi, mas quem dá a tesourada é sempre o pessoal doméstico, lembrou ele em 2012 à repórter Vivian Soares, do Valor Econômico. “Os executivos da casa conhecem a empresa, sabem o que fazer e são parte ativa na reestruturação. Muitas vezes só faltava o pontapé inicial”, disse, lembrando do aviso que deu aos executivos do Pão de Açúcar quando assumiu a presidência: “Quem vai trabalhar aqui são vocês, e vão trabalhar como nunca. E o pior é que quem vai levar o crédito sou eu”.

CAINDO NA TABELA
No caso da RBS, isso quer dizer que Galeazzi como de hábito traz a tesoura e leva o ‘crédito’, mas a tesourada, insinua ele, será sempre de Duda e dos executivos sobreviventes da RBS. Apesar de Duda tentar exalar perfume em sua ‘carta-bomba’, negando a crise, os números contam outra realidade. Em 2008, o caixa da RBS ganhou um sopro com a venda de 12,64% do capital à Gávea, o banco de investimento de Armínio Fraga, presidente do Banco Central no Governo FHC e anunciado como futuro ministro da Fazenda de um (muito) hipotético Governo Aécio Neves. A ponte entre o banqueiro e a família Sirotsky foi construída pelo então vice-presidente executivo da RBS, Pedro Parente, ministro do Planejamento e colega de Armínio no Governo FHC.

Na versão oficial da RBS, os recursos da capitalização seriam utilizados não em jornais, mas em aquisições na área de internet e em conteúdos para telefonia móvel, expandindo as ações da RBS além das fronteiras do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Em 2007, a RBS renegociou o contrato com a Globo, liberando suas ações em novas mídias do Paraná para cima, desde que não fosse competir com o império global em mídias tradicionais — como jornais, rádios, TV e revistas.

Em 2010, por tabela, a RBS caiu na rede de um banco americano. O JP Morgan, que gere ativos de US$ 12 bilhões, comprou por US$ 800 milhões uma fatia de 55% do capital e o controle da Gávea, que administra outros US$ 7 bilhões, incluindo no pacote o passe de Armínio Fraga por cinco anos. É a conta exata para se liberar em 2015 e assumir a pasta da Fazenda na hipótese cada vez mais remota da vitória de Aécio na corrida presidencial. No bolo está o pedaço de capital da RBS comprado pela Gávea e sócia, agora, da Highbridge, segunda maior gestora de fundos do mundo. O Morgan é ainda o principal acionista da WPP, maior agência de publicidade do mundo, um gigante de 162 mil funcionários espalhados por 3 mil escritórios em 110 países do mundo. É bom a RBS abrir o olho!

A empresa, por sua alta visibilidade, está impregnada na memória dos gaúchos. Na tradicional pesquisa ‘Top of Mind’, realizada todo ano pela revista Amanhã, a RBS reafirma em 2014 sua presença como a terceira marca mais lembrada do Rio Grande, logo atrás do gigante siderúrgico Gerdau e da indústria de facas Tramontina. No diagnóstico financeiro, contudo, a RBS está mais debilitada. No levantamento das 500 maiores empresas da região sul, abrangendo Paraná, Santa Catarina e Rio Grande, divulgado na edição de agosto/setembro da revista, o grupo de Duda resvalou da posição 68 para 74, no comparativo de balanços entre 2012 e 2013. O campeão entre os 500 maiores continua sendo o Grupo Gerdau.

O segundo maior da lista é um gigante pouco citado de Concórdia, a cidade catarinense onde funciona a sede da BRF Brasil Foods, filhote gerado em 2012 pela fusão da Sadia com a Perdigão, marcas tradicionais de salsicha, frango, carne de porco e embutidos. Com 50 fábricas no Brasil, nove na Argentina e duas na Europa (Inglaterra e Holanda) e um exército de 110 mil funcionários, a pujante BRF morde quase 10% das exportações mundiais de aves e proteína animal. Em 2012 a BRF começou a construir uma fábrica no reino encantado de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, e fechou uma joint venture com a Dah Chong Hong Limited (DCH), que vende no varejo e no trepidante negócio de food services da China. E o que tem a ver toda essa salsicha com a RBS?

Simples. Ele mesmo, Galeazzi Mãos de Tesoura. Preocupada em ampliar os limites de seu vôo de galinha, a BRF entregou a presidência do grupo a Cláudio Galeazzi em agosto de 2013, um mês após o consultor fechar sua parceria com a RBS. Ele chegou exibindo o velho estilo, anunciando implacáveis tesouradas em granjas, florestas e prédios não administrativos, cortes anunciados como meros ‘desinvestimentos’ na amena novilíngua dos modernos ‘reestruturadores’ como Mãos de Tesoura.

“Desinvestimento vai ser considerado, sim”, anunciou Galeazzi na posse como presidente, sem negar o vôo transatlântico de longo curso que imagina para seus frangos congelados: “A BRF será a Ambev dos alimentos”, diz, sonhando com a cervejaria que se tornou a maior empresa da América Latina, com valor de mercado de US$ 120 bilhões — maior do que o da Petrobrás —, e que tem como principal acionista Jorge Paulo Lemann, o homem mais rico do Brasil, com uma fortuna estimada em R$ 49, 8 bilhões, segundo a revista Forbes.

Em agosto passado, a BRF anunciou a compra por US$ 160 milhoes de 75% da Alyasra Food Company, que distribui seus alimentos congelados no Kuwait. Galeazzi, fiel ao seu ‘horizonte tático’ de dois anos para chegar, tesourar e concluir o serviço, assumiu a BRF em agosto de 2013 e já anunciou que sai da presidência em dezembro próximo. Terá mais tempo, então, para voltar os olhos e afiar o gume na RBS, para desconsolo de muitos. No ranking das 100 maiores empresas do Rio Grande do Sul, segundo a revista Amanhã, a involução da RBS também chama a atenção. De 2012 a 2013, o império dos Sirotsky caiu da posição 24 para 27, numa lista liderada pela Gerdau, como sempre, e pelo Banrisul. A receita bruta do líder de aço (R$ 45,7 bilhões) é quase 45 vezes maior do que o do grupo de mídia (R$ 1,3 bi).

Na sua avaliação sobre o balanço da RBS, a Amanhã registra que, em 2013, “a empresa teve um aumento de apenas 1,3% na receita bruta. Já o lucro foi de R$ 75 milhões, o que equivale a 5,9% da receita líquida — um índice modesto”. A analista Luísa Vilhena, da agência de risco Standard & Poor’s, explicou para a revista a raiz das dificuldades da RBS. “O grupo tem um perfil de liderança na região. Por outro lado, acaba exposto a uma volatilidade maior do que se estivesse no país inteiro”.

O engessamento imposto pelo draconiano contrato com o Grupo Globo limita a expansão nacional da RBS, confinada à fronteira de Santa Catarina com o Paraná. Isso explica os novos negócios que começam a mudar o perfil de uma empresa que há meio século nasceu pelo jornalismo e hoje tateia por nichos inovadores e rentáveis de mercado, que têm de tudo — menos jornalismo.

TURBILHÃO DIGITAL
A crise mundial dos jornais explica e justifica esta ousada ‘quebra de paradigmas’ da RBS, que ainda parece um tanto envergonhada pela opção atual de um grupo que começou oferecendo notícias em TV, rádio e jornais e hoje vende vinho e cerveja. Na década de 1990, quando circulava aos domingos com 1 milhão de exemplares, a Folha de S.Paulo se gabava de ser “o 3º maior jornal do Ocidente”.

Hoje, o jornal da família Frias é o segundo do país, reduzido a um terço das glórias do passado, com tiragem média de 294 mil exemplares. Vem atrás do campeão, o SuperNotícia, um jornal de 25 centavos consumido pelas classes C e D de Belo Horizonte, atraídas pelas ofertas de panelas e faqueiros e pelas manchetes de futebol e atrocidades policiais, além das fotos com belas mulheres seminuas na primeira página. O campeão dos jornais brasileiros, apesar de todo esse chamariz, vende só 302 mil exemplares, segundo o IVC.

Neste ranking desconcertante, a Zero Hora é hoje apenas o sexto maior jornal do país, com tiragem de 183 mil exemplares diários, em média. O oitavo é o jornal popular do grupo, o Diário Gaúcho, com 159 mil, seguido por outro gaúcho, o concorrente Correio do Povo, com 140 mil. Em um país de 200 milhões de habitantes, a média diária de jornais pagos chegou a 8,4 milhões de exemplares/dia — uma queda de 3,7% em relação ao ano anterior, a maior desde o início da década, quando as vendas despencaram 9,1% em 2002.

Pouco a pouco, o IVC constata uma inversão preocupante no perfil de venda dos jornais diários. Em 2002, 58,7% da circulação vinha das assinaturas, como reflexo do nível de confiança e fidelidade do leitor, e 41,3% ficavam por conta da venda avulsa e sempre volúvel nas bancas. No ano passado, as bancas responderam por 48,7% das vendas, enquanto as assinaturas despencaram para 51,3%, traindo o desinteresse maior do público pela mídia de papel.

O negócio dos jornais impressos, como já perceberam os Sirotsky, está sendo avassalado pela mídia digital, exatamente o meio onde a RBS aposta cada vez mais, raramente por elevadas razões jornalísticas. Em janeiro de 2005, pela medição do Ibope Nielsen, a leitura on line de jornais registrava 4 milhões de visitas únicas por mês. Em janeiro de 2013, a audiência era quase seis vezes maior, 24 milhões de visitas mensais de gente que provavelmente trocou o papel pela tela brilhante e limpa de seus dispositivos eletrônicos. A indústria jornalística precisa conviver com a migração crescente dos jornais tradicionais para a mídia eletrônica. A primeira década do Século 21, conforme um alerta da Associação Nacional de Jornais (ANJ), citando um levantamento do Ibope Mídia, indica que o leitor estava, para aflição de Duda Sirotsky, num crescente processo de desapego aos jornais.

Em 2002, o brasileiro dedicava 41 minutos de seu dia à leitura de jornais. Dez anos depois esse número havia caído para 35 minutos, 85% do tempo original. Em compensação, quem gastava 139 minutos (duas horas e 19 minutos) diários com a navegação na internet, em 2002, elevou esse tempo em mais de 23% em 2012, passando 170 minutos (quase três horas) diante de um teclado e uma tela.

A JOIA DA COROA
A RBS sentiu esta mudança na carne, e procura mudar com ela. Basta comparar a área de atuação do grupo, hoje, para perceber a transformação. O núcleo de jornais, capitaneado por Zero Hora, tem oito unidades, metade deles em Santa Catarina. O núcleo de TV, com 18 emissoras, atinge 789 municípios gaúchos e catarinenses e um público consumidor de 16,7 milhões de telespectadores. Mas, pelo tacão implacável da Globo, só pode dispor de 15% da grade local de programação, mesmo sendo a maior rede regional do império Marinho. O grupo de rádio, que inclui a Gaúcha, embrião da RBS desde 1957, tem oito emissoras.

No conjunto de mídia tradicional, que abrange jornais, rádio e TV, são 34 unidades na RBS. Mas, a joia da coroa, que concentra hoje as esperanças maiores de Duda e da família Sirotsky, é o grupo de inovação alojado no e.Bricks Digital, com 10 unidades, e no setor vagamente definido como ‘Outros Negócios”, com nove empreendimentos. De jornalismo, esta joia não tem nada. São 19 apostas no faturamento, nas vendas, nos resultados e no comércio escancarado por oportunidades inventadas pelo universo cibernético e aceleradas pela tecnologia. São simplesmente apostas para ganhar dinheiro, não credibilidade.

Vendem coisas, não ideias. Entregam mercadorias, não reflexão. Estabelecem as volúveis relações de uma empresa com seus consumidores, não os laços de fidelidade de uma empresa jornalística com seus leitores. Esta é a velha RBS da comunicação, aquela é a novíssima RBS, uma outra RBS, ainda indefinida. Esta partição empresarial é que define com mais clareza a quebra de paradigmas que Duda anunciou aos ‘caros colegas’ no início de agosto, na primeira tesourada.
Na saudável busca pela excelência e alto desempenho, a RBS investe pesado na formação de seus quadros, daqueles que eventualmente sobrevivam ao Galeazzi Mãos de Tesoura. Mais da metade de seus funcionários passou pela universidade: 33% são formados, outros 21% tem o curso superior incompleto.

Boa parte deles está na e.Bricks, pilotada por um jovem impetuoso de 41 anos, Fábio Bruggioni, ex-vice-presidente da Telefônica na área de internet e banda larga. No barco digital da RBS, Bruggioni vai inflar as velas para aproveitar os bons ventos de um mar de faturamento estimado em R$ 66 bilhões até 2015. “Trata-se de um mercado recente e com altíssimo potencial de crescimento”, diz Bruggioni.

O AMIGO DICIONÁRIO
A e.Bricks de Bruggioni, empresa da área digital com sede em São Paulo, é que define e resume o novo espírito de uma RBS transformada pelo futuro dos ‘novos negócios’. Só na compra de participação em oito empresas de internet, a e.Bricks já investiu R$ 300 milhões. No mundo febril dos novos nichos inventados por executivos cada vez mais criativos, é útil ter um dicionário ao lado, para quem não é íntimo do inglês. A definição bilíngue da e.Bricks, segundo o Relatório de Sustentabilidade 2012 da RBS, é esta: “Realiza investimentos em empresas growth stage e possui um fundo dedicado a startups iniciantes, early stage”. Não entendeu? É melhor recorrer ao dicionário…

A empresa aposta suas bitcoins (a criptomoeda que só existe no mundo virtual) em companhias brasileiras, inovadoras, com foco em três setores: e-commerce segmentado, mobile (que alguns brasileiros conhecem como celular…) e mídia digital e tecnologia. O portfolio da e.Bricks é feérico. A Pontomobi faz marketing para audiências on line através de dispositivos móveis. Entre eles, a Lembreto, a PlayMe (aplicativos de rádio em formato streaming e compatível com smartphones etablets) e o TabStudio (para publicações digitais em aplicativos para iPad ou Android). A Hands é a rede de publicidade da Pontomobi e, segundo eles, ‘a maior Premium Mobile Ad Network da América Latina’. A Vitrinepix, ao que parece, imprime imagens, fotos e desenhos em camisetas e canecas. A Let’s é, dizem, “a primeira fast fashion on line do Brasil”, um site de moda que faz desfiles na sua tela. E promete: “Se você já é comprador on line vai adorar comprar com a gente. Se não é, vai virar fã de carteirinha.” A nova RBS caça compradores e fãs de carteirinha…

A Wine, como Duda anunciou à multidão aflita da RBS no dia da tesoura, é a maior webstore de vinhos on line do mundo, com um inebriante crescimento anual de 70%. Oferece mais de 2 mil rótulos de vinhos premium e integra o ClubeW, com mais de 13 mil sócios. Os ‘caros colegas’ da RBS têm, agora, o privilégio de afogar as mágoas se associando também ao Have a Nice Beer, o maior clube on line de cervejas da América Latina, que todo mês seleciona dois dos rótulos mais relevantes do mundo, entregando de quatro a oito garrafas na casa dos associados, em até 72 horas, em 300 cidades do Brasil. Não é o máximo?

A Hi-Mídia é “a maior rede de sites verticais” do país, dedicada ao ‘e-mail marketing’ para agências e anunciantes. A Hagah mira os 82 milhões de internautas que fazem, em média, 50 buscas por mês na rede, conectando 3,5 milhões de pessoas, listando 1 milhão de estabelecimentos no sul do país. O Oba-Oba mapeia casas noturnas, motéis e boates, localiza festas de baladas e dá dicas sobre locais de ‘pegação’. O Predicta atua na área de análise de publicidade e foi apontada pela Fast Company, em 2012, como “uma das 10 empresas mais inovadoras do Brasil”. O terceiro colocado da lista foi o Grupo EBX, do trepidante empresário Eike Batista, que no ano seguinte daria o maior calote de uma empresa na América Latina, deixando de honrar uma dívida de US$ 3,6 bilhões da petroleira OGX, que encolheu sua fortuna pessoal em US$ 30 bilhões num prazo galopante de 18 meses.

No vasto mundo dos “Outros Negócios” da nova RBS, cabe de tudo. As nove unidades abrangem eventos, educação, empregos, compra e venda de carros e imóveis, entrega de encomendas e serviços gráficos, atividades rentáveis que prescindem de qualquer jornalista. É um sortido, vasto balaio de tudo aquilo que, ao contrário do jornalismo, gera receita, faturamento e lucros, nos termos definidos pela ‘carta-bomba’ de Duda: “Estamos investindo e redesenhando a nossa operação, buscando velocidade e desprendimento que são vitais para a preservação do nosso projeto empresarial”.

PARADIGMAS, SEM JORNALISTAS
Com o ‘desapego para deixar de fazer coisas que não agregam’, como diz Duda, os ‘outros negócios’ da RBS vão fazer coisas que agregam rendas insuspeitadas para uma empresa antes identificada só pela comunicação e pelo jornalismo. A nova RBS, nesse campo inovador, só tem apego por coisas que agregam. A HSM Brasil, por exemplo, vai realizar cursos de educação executiva de alto padrão. A Engage, especializada em eventos, promoveu cerca de 200 espetáculos e encontros de negócios, entretenimento e esportes em solo gaúcho e catarinense. O mais triunfal deles foi o show do beatle Paul McCartney para 50 mil pessoas no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, em novembro de 2010. Apesar do sucesso, a crise abafou o clima de festa na Engage: os 40 funcionários caíram pela metade, os eventos sumiram e o desânimo geral alimenta os boatos de que a empresa apagou os holofotes e fechou as portas.

A Vialog surgiu há 15 anos, pelo natural desafio de entregar a Zero Hora em casa aos seus assinantes. Alguém mais esperto na RBS descobriu que, junto com os jornais, os caminhões da empresa podiam levar outras mercadorias, reforçando o caixa. A Vialog virou uma outra coisa que agrega, hoje cobrindo todos os municípios dos três Estados do sul do País, com 42 centros de distribuição para a entrega simultânea de de 600 mil mercadorias por dia. O jornal que um dia gerou a Vialog virou um detalhe na rotina burocrática da nova Videolog que, entre tantas outras coisas que agregam mais, também carrega a Zero Hora.

A RBS, que antes imprimia só os seus jornais, agora roda outros mais de muitos outros, agregando coisas pela UMA, a gráfica que em 2007 introduziu a empresa no rico filão da indústria da impressão, suprindo seus clientes em seis parques gráficos espalhados por Porto Alegre, Caxias do Sul, Cruz Alta, Florianópolis, Joinville e Blumenaus, de onde saem folders, folhetos, revistas e tablóides.

No agitado universo da economia, excitado pelo uso intensivo de tecnologia cada vez mais desafiadora, é natural que empresas inovadoras busquem outros mercados, novas oportunidades para diversificar e crescer. É o que acontece com a RBS. O que preocupa, contudo, é a essência dessa transformação no maior grupo de comunicação do sul do país. Não são apenas os números fartos da RBS que mostram que a divisão centrada no jornalismo gera despesas e pouca receita e o núcleo dos novos nichos de negócios não-jornalísticos produzem lucros com baixos custos. A quebra de paradigmas proposta por Duda para a nova RBS está expressa no perfil dos jovens executivos, como ele, responsáveis pelo futuro do grupo – e quase nenhum deles mostra, no currículo, um envolvimento direto com o jornalismo.

De praxe, são homens e mulheres de alta qualificação, com formação em centros de excelência universitária no exterior e passagens de sucesso em algumas das grifes mais importantes do exigente mundo digital, onde a RBS não tem fronteiras nem limites. “Na área digital não temos limitações geográficas para investir”, lembrou em dezembro passado o tio de Duda, Nelson Sirotsky, hoje presidente do Conselho de Administração do grupo, falando na reunião-almoço ‘Tá na Mesa’, promovida pela Federação do Comércio do Rio Grande do Sul (FEDERASUL). Como retransmissora da Globo nos dois Estados do extremo sul, a ambição jornalística da RBS acaba na fronteira com o Paraná. “Não podemos entrar e competir com outras afiliadas da Globo em outros estados”, explica Sirotsky.

Esta frustração ele não tem, porém, no campo digital. A RBS morde o calcanhar até de gigantes do setor para mostrar sua volúpia de expansão.

Em janeiro de 2013, a RBS repatriou um gaúcho que morava na Suíça, Nelson Mattos, que lá exercia o cargo de vice-presidente de Produtos e Engenharia para Europa e Mercados Emergentes da Google. É apenas o endereço digital mais visitado do mundo, operando um milhão de servidores conectados pelo mundo, processando por dia 1 bilhão de pesquisas e gerando 20 petabytes de dados diários – ou 20 quatrilhões de bytes, unidade de informação que corresponde a um número binário de oito algarismos. Mattos agora integra o Conselho de Administração da RBS, com 11 membros eleitos, seis deles acionistas, cinco independentes — nenhum deles jornalista –, sob a presidência de Nelson Sirotsky. Além de Mattos, os dois novos conselheiros indepedentes são Israel Vainboim, ex-chairman do Unibanco, e Régis Drubule, presidente da Tok-Stok.

LECCA-LECCA E CHUPA-CHUPS
Na Diretoria Executiva da RBS, presidida por Duda, existem oito cadeiras e só duas cabem a diretores egressos do jornalismo: Anik Suzuki, da Comunicação Corporativa, e Marcelo Rech, executivo de Jornalismo. Dos outros seis diretores que gerem a RBS, popularmente conhecida pela Zero Hora e pela RBS TV, ninguém tem origem ou passagens por redações, o que é uma grave disfunção. O diretor-geral de Televisão, Antonio Tigre, é analista de sistemas e especialista em finanças. O vice-presidente de Finanças, Cláudio Toigo, é formado em administração de empresas pela UFRGS, com pós-graduação da PUC gaúcha em finanças.

O vice-presidente de Pessoas e Tecnologia, Deli Matsuo, é formado em engenharia elétrica e tecnologia de informação e tem MBA em administração de empresas. É outro que a RBS foi buscar no Google, onde atuou como diretor de recursos humanos para a América Latina. O vice-presidente de Jornais, Rádios e Digital, Eduardo Smith, é formado em ciências da computação pela UFRGS e pós- graduado em administração de empresas e finanças pela PUC gaúcha. O executivo-chefe da e.Bricks, Fábio Bruggioni, é administrador de empresas com especialização em marketing. A diretora-executiva de Estratégia e Desenvolvimento de Negócios, Luciana Antonini Ribeiro, é advogada formada pela UFRGS, com mestrado em direito comercial pela USP.

As duas únicas exceções nesta diretoria superpovoada por executivos estranhos ao jornalismo ficam por conta da diretora de Marketing e Comunicação, Anik Suzuki, e ao diretor de Jornalismo da RBS, Marcelo Rech. Ela, como seria natural num grupo jornalístico, foi repórter e editora de jornais e revistas, formada em jornalismo pela PUC. Ele, formado em jornalismo pela UFRGS, foi repórter de Zero Hora com experiência internacional e, a partir de 1997, atuou como diretor de redação do jornal por 11 anos.

Ambos, Anik e Marcelo, têm mais intimidade e contato direto com o jornalismo do que o chefe de todos eles, o presidente da diretoria-executiva, Eduardo Sirotsky Melzer, o popular Duda. Ele cursava administração de empresas na PUC, em Porto Alegre, quando viu, aos 20 anos, a ousada quebra de barreira aos importados executado pelo Governo Collor.

Duda aproveitou a onda e trouxe para a capital gaúcha a primeira loja no Brasil da Sweet Sweet Way, uma franquia que importava balas, bombons, trufas, doces e caramelos. Ou os coloridos lecca-lecca e chupa-chups, como se diz pirulito na elegante loja de Milão, Itália. A experiência com pirulitos teve um forte impacto sobre ele, como confessou ao site Coletiva.net, em novembro de 2006:
“Era um negócio diferente. O sujeito entrava na loja, escolhia as balas e pesava. Comecei não só a ter as minhas lojas, mas a franquear para o Brasil também. Foi uma responsabilidade bárbara, tinha quatro lojas próprias, 50 funcionários e um monte de franqueados. Assumi uma responsabilidade muito à frente do meu tempo”, disse, sem modéstia.

À revista da PUC, Duda lembrou dessa doce influência sobre seu futuro como principal executivo da RBS: “Foi bárbaro. Eu era impactado por todos os aspectos de uma empresa: relação com o cliente, funcionários, produto, fornecedor e governo. Numa escala pequena, mas muito completa. A mistura dessa experiencia com a formação academica foi relevante”.

Na entrevista concedida em novembro de 2012, cinco meses após receber o bastão de mando do tio Nelson, em nenhum momento Duda lembrou de relacionar, entre os seus particulares aspectos de impacto, as palavras-chave que seriam naturais no principal executivo da segunda maior rede de comunicação do país: leitor, informação, jornalismo, conteúdo, história, credibilidade… É desconcertante ler que o Duda da RBS, ainda hoje, sucumbe às delícias mercantis vividas pelo Duda da Sweet Sweet Way, entoando sua ideia fixa de ‘cliente, produto, fornecedor’, mais comuns no dialeto de mascates e vendedores do que na linguagem dos empresários da comunicação seriamente comprometidos com o valor social e ético da informação.

MARCO DO PENSAMENTO
Nem o pai, Carlos Melzer, do alto de sua experiência de três décadas na RBS, deslumbrou-se com o sucesso da franquia. Quando Duda completou o curso na PUC, chamou o filho e lhe tirou o pirulito: “Parabéns, mas não perca a perspectiva das coisas. Não sei se tu te enxergas como empresário de balas para o resto da vida. Tu deves ter outras ambições…”, alertou Melzer.

A frase amarga do pai fez Duda largar os doces. Vendeu o negócio da franquia e mudou-se em 1998 para Boston, nos Estados Unidos, para o inevitável curso de MBA em Harvard. Lá, diz ele, conviveu com alguns dos mais importantes gurus de gestão e colegas de vários países e de todo tipo de empresa, onde aprendeu a formular esta frase lapidar, que corre o sério risco de se transformar num marco histórico do pensamento da comunicação mundial. “A variedade de abordagens me deu uma visao aprofundada sobre as mudanças que estão sempre em curso”, filosofou na revista da PUC.

Concluído o MBA de Boston em 2002, aos 30 anos, Duda decidiu permanecer nos Estados Unidos. Após o impacto do pirulito, chegara a hora de sentir as emoções da Big Apple. Mudou-se para Nova York e adorou, disse ao Coletiva.net: “Foi complementar, em todos os aspectos, ao meu MBA. Nova York é um centro nervoso do mundo. Por mais coisas que eu estivesse fazendo, sempre sentia que estava deixando de fazer outras. Foi uma aula de gestão de prioridades”, brincou Duda.

Lá, ele treinou na área financeira de um banco de investimentos, o Delphi Corporation, e teve sua primeira, remota experiência de comunicação como diretor-geral da Box Top Media, que ele define vagamente na revista da PUC como “uma empresa de mídia não tradicional” em Nova York. Na verdade, a Box Top Media, fundada em 2001, opera uma rede de publicidade que anuncia e promove produtos lácteos de vários fabricantes e varejistas nos Estados Unidos. Orienta o marketing de leite em recipientes para venda em casas e lojas. Ou seja, a Box Top de Duda lembra mais o negócio do pirulito do que a área de mídia hoje comandada pelo Duda da RBS…

Tradicional ou não, esse notável desempenho de Duda no exterior chamou a atenção do tio, Nelson Sirotsky, e do vice-presidente Pedro Parente, que decidiram dispor de seu talento e espírito empreendedor no Brasil. Duda voltou em 2004 para São Paulo, como diretor-geral da RBS para o Mercado Nacional. Quatro anos depois era o vice-presidente de Mercado e Desenvolvimento de Negócios, chegando em 2010 ao posto de vice-presidente executivo.

Essa trajetória de sucesso tornou inevitável sua ascensão em 2012, aos 40 anos, ao posto de presidente-executivo, sucedendo o tio e marcando a chegada da terceira geração ao poder na RBS. Era uma linda e risonha história de sucesso, até o dia em que ela foi atravessada pela cortante aparição de Galeazzi Mãos de Tesoura. Foi o duro rito de passagem vivido por Duda, obrigado a quebrar paradigmas e a reconhecer aos ‘caros colegas’ que a vida, de fato, não é pirulito.

PERPÉTUA, DE PAI PARA FILHO
Ninguém supera a RBS no orgulho de ser declaradamente “uma empresa de controle familiar”, ao ponto de deixar isso expresso na definição que faz de Governança Corporativa em seus balanços públicos: “A governança da RBS é estruturada a partir da interação harmônica entre os três círculos: propriedade, empresa e família”. Duda sustenta a tradição: “Quero levar a RBS para uma próxima geração e perpetuá-la. Não estou pensando no faturamento de 2013, mas no de 2024, 2040, daí para frente”, garantiu à revista Forbes.

Perpetuação é uma palavra que permeia discursos, palestras e documentos do clã Sirotsky, que exibem orgulhosamente nas páginas oficiais as fotos das quatro gerações da família. Duda está lá. O conselho de família, composto por sete jovens do clã, não é um elemento decorativo na empresa. Ele se reúne uma vez por mês, sob a orientação do presidente-executivo Duda, e tem nobres propósitos:
“Conservar o legado da família Sirotsky, manter a unidade e assegurar o apoio das novas gerações da família proprietária na busca da perpetuação do Grupo RBS”, como explica o Relatório de Sustentatibilidade 2012, na página 16.Uma das reuniões do conselho de família, recorda Duda, foi realizada em Punta del Este, Uruguai, congregando em 2005 as quatro gerações para debater questões de grupo e realizar dinâmicas de integração. “Eu vi o meu filho de um ano correndo de mãos dadas com o meu tio Jaime. Isso foi emblemático, um momento mágico”, contou emocionado ao Coletiva.net.

O currículo alheio ao jornalismo da esmagadora maioria dos atuais dirigentes do grupo projeta uma dúvida preocupante sobre as prioridades e a essência da RBS como uma instituição dedicada preferencialmente à comunicação. No perfil da diretoria executiva, onde existem só dois jornalistas numa bancada de oito, fica latente o viés de técnicos de alta formação intelectual mais preocupados com crescimento e vendas do que de profissionais dedicados à informação e ao jornalismo.

Esta preocupação pode se reforçar com a escalação dos jovens Sirotsky do conselho de família. Dois dos sete são da 2ª geração, a mesma de Nelson, e os outros cinco são da 3ª, como Duda. O notável, no grupo de onde sairão os comandantes da futura RBS, é a perpetuação de um pensamento empresarial alheio ao jornalismo. Da geração de Nelson, Marcelo é empresário e Elaine, médica.
Da geração de Duda, Marina e Juana são psicólogas, Roberto é administrador e Pedro é universitário. A única e honrosa exceção identificada como jornalista é Tanise, a solitária repórter da 3ª geração.

A COR DA PELE
Uma leitura atenta do Relatório de Sustentatibilidade 2012 do grupo mostra um detalhe intrigante da RBS: uma inusitada preocupação com raça, que evoca lembranças constrangedoras para os gaúchos — e sempre dolorosas para os Sirotsky e os judeus do mundo inteiro. No jogo do dia 28 de agosto do Grêmio contra o Santos, em Porto Alegre, torcedores gremistas fizeram com gestos e gritos ofensas racistas ao goleiro santista Aranha, chamado de ‘macaco’, entre outras agressões.

O clube gaúcho foi excluído da Copa do Brasil e os torcedores identificados foram banidos dos estádios por 720 dias. O jornal Zero Hora reagiu na edição de 3 de setembro com um editorial veemente — ‘O Rio Grande não é racista’ —, sustentando ser ‘simplista, desproporcional e injusto’ responsabilizar o Estado inteiro ou o Grêmio pelas injúrias de alguns torcedores.
O principal jornal da RBS escreveu:

O Grêmio tem uma imensa torcida e a maioria dos seus torcedores, assim como a maioria dos gaúchos, abomina o racismo, defende a diversidade e a convivência harmoniosa entre todos os seres humanos. Não poderia ser diferente num Estado multirracial, que se orgulha de abrigar imigrantes de variadas origens étnicas.[...]
Também a história contemporânea do Estado evidencia o equívoco da rotulação. O Rio Grande do Sul já teve como governador o negro Alceu Collares, eleito democraticamente com o voto da maioria absoluta dos gaúchos. Também é deste Estado a primeira Miss Brasil negra, a porto-alegrense Deise Nunes, eleita em 1986. O próprio Grêmio tem uma forte identificação com a população afrodescendente: a estrela solitária de sua bandeira homenageia o negro Everaldo, campeão do mundo em 1970; o hino do clube foi composto pelo negro Lupicínio Rodrigues e o clube mantém, desde o ano passado, uma campanha de conscientização denominada ‘Azul, Preto e Branco: o Grêmio é contra o racismo’.
O racismo é inadmissível. Todas as práticas racistas, expressas ou veladas, devem ser combatidas, condenadas e punidas na dimensão exata dos danos que causam às vítimas e à sociedade.

Apesar desse texto inspirador, uma nota de racismo nada velado da própria RBS foi revelado pelo blogueiro José Luiz Prévidi quatro dias após os vexames racistas na Arena do Grêmio. Um colunista de economia do jornal da RBS em Joinville, Santa Catarina, noticiou com santa naturalidade em outubro de 2013 que o perfil ideal dos trabalhadores procurados para ocupar 7 mil vagas nas empresas da cidade era “homem, branco, de 25 a 35 anos de idade”.

Não ocorreu ao jornalista Cláudio Loetz, que assina a coluna ‘Livre Mercado’, e nem ao jornal A Notícia, comprado pela RBS em 2006, combater e condenar a restrição racista tão bem chicoteada no editorial de Zero Hora.

O colunista do jornal da RBS em Joinville e o ‘perfil ideal’ para trabalhar na cidade: “homem, branco”
Poderia ser uma derrapada pontual de um jornalista distraído num dia infeliz. Mas, o caso é mais grave. Para uma empresa inovadora e moderna como a RBS, é espantoso descobrir que o tema da raça transborda as colunas de seus jornais periféricos e se torna, de fato, um detalhe cruel de uma instituição que se gaba de ter construído em 2012, quando Duda chegou ao poder, um novo ‘Modelo de Gestão de Pessoas do Grupo RBS’.

No Relatório de Sustentatibilidade 2012, o mais recente editado pela RBS, o capítulo de ‘Indicadores de Recursos Humanos’ revela uma face insuspeitada da empresa. Ela demonstra uma estranha obsessão para classificar seus funcionários pelo pigmento de pele. Assim, na página 33, no gráfico que mostra o percentual de ‘Colaboradores por cor’, sabe-se que a empresa divide seu pessoal entre os Brancos e Negros ou pardos.

A diferença é espantosa: 96% dos que trabalham na RBS são brancos, o que representa 6.240 funcionários num universo de 6.500. Só 4%, ou 260, são negros ou pardos. Quando se fecha a lupa pelo critério da hieraquia, a situação é ainda mais aberrante. No gráfico da página 34 sobre ‘Cargos de gerência por cor’, o nível de alvura da RBS é avassalador: 99% dos gerentes de Duda são ‘brancos em cargos de gerência’, contra 1% de ‘negros ou pardos em cargos de gerência’. Em números absolutos, são 826 funcionários brancos contra apenas oito catalogados como negros ou pardos. A quem duvida, basta acessar o relatório no portal www.gruporbs.com.br.

Mesmo com esses índices inquietantes, a RBS insiste em proclamar ao mundo a excelência dos seus padrões de seleção dos ‘caros colegas’ de Duda, omitindo qualquer eventual restrição étnica. Diz o relatório:

Durante 2012, a RBS desenvolveu um sistema de recrutamento e seleção de classe mundial que auxilia a empresa a identificar, contratar e reter os melhores talentos. Foi estabelecido também um Núcleo de Inteligência, que passou a monitorar o mercado para identificar os polos que concentram e/ou formam profissionais de alta capacidade.

Mas as mudanças mais significativas aconteceram em relação ao processo de seleção dos candidatos.

Os gestores das áreas participaram, ao longo de 2012, de um total de 692 horas de workshops que detalharam as novidades — uma vez que desempenham papel preponderante na contratação de colaboradores para suas áreas. O processo seletivo passou a adotar um modelo de colegiado, em que cinco profissionais de diferentes área da RBS entrevistam cada candidato individualmente. Ao candidato atribuem-se notas referentes às suas habilidades cognitivas, à sua experiência profissional e ao seu alinhamento aos valores corporativos do Grupo RBS.
Em 2012, houve uma seleção para o programa de Trainees, que registrou 12,8 mil inscrições. No final do processo, sete talentos foram recrutados. Os jovens são preparados durante dois anos para, posteriormente, assumirem cargos de liderança na companha.

Infelizmente, os números do relatório indicam que negros ou pardos não sobreviveram à ‘seleção de classe mundial’ da RBS, nem passaram pelo crivo do Núcleo de Inteligência. Não se sabe, também, se entre os sete talentos recrutados pelo programa de Trainees existe algum negro — ou simplesmente pardo.

O BRANCO 100%
Estas observações poderiam parecer exageradas, mas o drama racial da RBS não acaba aqui. Na mesma página 34 do relatório, transcreve-se uma informação assombrosa, que se destaca por ser gratuita, deslocada e, essencialmente, ofensiva a 1,8 milhão de gaúchos. No quadro sobre ‘Indicadores de Remuneração’, estão distribuídas as sete faixas salariais que compõem o universo de funcionários da RBS. No pé do quadro, existem duas notas complementares, uma pertinente, outra inacreditavelmente impertinente.

A nota 2 diz que o item de 416 funcionários que percebem menos de um salário mínimo refere-se a trabalhadores com carga horária reduzida. Uma informação natural e útil. A nota 1, contudo, impressiona pela gratuidade, pela insensabilidade, simplesmente pela grossura. Diz a nota: “100% dos cargos de diretoria são ocupados por brancos”. Assim, no seco, sem nenhum nexo com o foco do quadro.
Por alguma razão, a RBS achou relevante explicitar que, na sua empresa, onde a supremacia branca é esmagadora, as dez cadeiras da diretoria executiva são totalmente, absolutamente brancas. É possível concluir, assim, que é estatísticamente nula a hipótese de um dia se ver algum negro, quem sabe um pardo, nas exclusivas poltronas de direção da RBS hoje solidamente ocupadas em 100% por brancos.

Num país como o Brasil, a ressalva da RBS, mais do que boçal, tem um tom triunfal difícil de entender pela estupidez que expressa. Pela primeira vez desde 1872, quando aconteceu a primeira pesquisa de população no país, o Censo de 2010 do IBGE mostrou que os negros já representam a maioria do povo brasileiro. Os negros somavam 50,7% (96,7 milhões de brasileiros) contra 47,7% (91 milhões) de brancos. O restante dos 190 milhões de 2010 eram representados por 1,1% (2 milhões) de amarelos e 0,4% (817 mil) de indígenas. A autoestima crescente dos negros explica porque, agora, eles mesmos proclamam, com orgulho, sua cor.

O Rio Grande do Sul, graças à forte imigração europeia, é o segundo Estado brasileiro com maior proporção de brancos — 83,2%, conforme o IBGE. Ainda assim não são 100%. Um dos senadores pelo Rio Grande do Sul, o negro Paulo Paim, saudou a lei estadual de 2012 que reserva vagas na esfera pública aos 16,13% (1 milhão 807 mil) de negros e pardos no Estado. Nesse número, com certeza, incluem-se os oito gerentes negros ou pardos que conseguiram ascender na carreira dentro da alva RBS.

A apoteótica, embora discreta, observação da RBS sobre a pureza racial de seus diretores ofende a história, a ciência e a verdade.

Na história, esqueceram que o judeu Josef Sirotsky chegou ao Rio Grande no início do Século 20 fugindo da repressão sofrida em sua terra, a Bessarábia, um enclave então espremido entre a Romênia e o Império Russo, às margens do Mar Negro. O velho Josef integrava o grupo de 34 famílias, cerca de 300 pessoas, que ocupou uma área de 5.700 hectares em Santa Maria, formando ali a Colônia Philippson, o primeiro assentamento judaico do Brasil.

Na nova terra, Josef, como os outros imigrantes, recebeu um lote de 30 hectares, duas juntas de boi, duas vacas, uma carroça, um cavalo, ferramentas e sementes. Ali, em 1920, Josef conheceu Rita, casou e teve com ela cinco filhos: Henrique, Isaac, Jayme, Samy e Maurício, o Sirotsky que começou a saga da RBS. Para um povo que sofreu a suprema ofensa da faxina racial do nazismo, responsável pelo holocausto de 6 milhões de pessoas na II Guerra Mundial, soa como um deboche a exaltação descarada por 100% de brancos no comando do império fundado pelo filho do velho Josef Sirotsky.

Na ciência, raça hoje identifica apenas cães, gatos e outros animais, não seres humanos. O avanço na genética e a evolução da antropologia aposentou o critério racial para definir os homens, sem qualquer relação com padrões biológicos. A cor da pele é tão importante ou irrelevante quanto o tipo de cabelo, a cor dos olhos, o tamanho do pé ou o formato do nariz. A cor da pele humana varia entre o quase preto (pela alta concentração do pigmento escuro, a melanina) e o quase sem cor (pelo tom rosado dos vasos sanguíneos sob a pele).

Até o sociólogo Fernando Henrique Cardoso, que já confessou ter “um pé na cozinha”, reconhece a herança maldita do escravismo. O darwinismo, para espanto dos ‘caros colegas’ de Duda, mostrou que somos todos negros ou filhos de negros. Há 1,2 milhão de anos, todas as pessoas tinham a pele escura, no berço ancestral da Mãe África onde nasceu a humanidade. O sol intenso reduzia a chance de sobrevivência das pessoas com pele mais clara. Ser negro era sobreviver. A pele escura impedia que o ácido fólico fosse destruído pelos raios solares.

Quando os seres humanos migraram da África para o Hemisfério Norte, onde o sol é menos intenso, a pele se tornou mais clara pelo mágico mecanismo da evolução para facilitar a absorção da luz solar, essencial para a produção de vitamina D.

E na verdade, finalmente, a observação da RBS sobre os 100% de brancos da diretoria refletem um claro equívoco, constatado visualmente. Basta ler os nomes e sobrenomes dos 10 diretores, incluindo Duda, para comprovar a bobagem que escreveram. Pelo menos dois diretores não são brancos, muito menos negros ou pardos. Anik Suzuki, a diretora de Comunicação Corporativa, e Deli Matsuo, mostram na face e no sobrenome que são descendentes de japoneses — ou amarelos, pela classificação do IBGE.

Seria mais correto, assim, dizer que — ao invés de 100 % de cargos ocupados por brancos — 100% dos cargos de diretoria na RBS não são ocupados por negros ou pardos. A maioria ‘branca’ está ‘contaminada’ pela presença de dois descendentes orientais. Então, seriam no máximo 80% de brancos, ou supostos brancos. Essa é uma discussão boboca que os ‘caros colegas’ de Duda deveriam travar com o bom e velho Charles Darwin.

Todo esse desastroso conjunto de dados do relatório da RBS— que nunca discute o jornalismo e seus fundamentos — leva, enfim, a uma desanimadora conclusão: Galeazzi Mãos de Tesoura ainda tem muito serviço pela frente.

* Jornalista, foi repórter de Zero Hora em Porto Alegre, em 1970, e editor-chefe da sucursal da RBS em Brasília, em 1993.

Publicado originalmente no Jornal JÁ, em 12/09/2014

ZERO POR CENTO DO CÉREBRO

por Eron Duarte Fagundes

O francês Luc Besson não tem jeito mesmo. Há quem o idolatre e volte sua ira para qualquer crítica que lhe façam. Estes idólatras estão concentrados basicamente num gueto que adora as facilidades comerciais de um certo cinema, em que Besson é especialista. Lucy (2014), que resgata para a França o brilho e a sedução da estrela norte-americana Scarlett Johansson e traz como sobressalente a bonomia veterana de Morgan Freeman, supera os limites de apelação comercial do realizador.

É curioso que, partindo duma teoria sobre o escasso uso do cérebro pelo ser humano (teoria muito discutível, pois os estudos do cérebro ainda são muito obscuros e não se avançou muito desde Sigmund Freud), Lucy parece ativar muito pouco (senão nada) os neurônios cinematográficos. Põe em campo efeitos especiais em profusão, explosões, correrias e destruições feitas com a maior simplificação possível. Precisa-se de cérebro para isto? Não poderia um artesão da indústria, seguindo a cartilha, fazer quase a mesma coisa?
Besson, bom francês, pousa de autor na planície dos filmes. Mas é um grande enganador. E parece que faz bem suas enganações: tem algumas legiões de vidrados em seu precário cinema.

Vieira durante caminhada em Sto Antonio da Patrulha

VIEIRINHA- COM APENAS 1% NO IBOPE - ENCONTRA SEU UNICO ELEITOR DE SANTO ANTONIO...

- Mas então é tu cuera....cadê o capincho que não tá aqui fazendo campanha pro ' nosso PDT"!

- OLHA, RESPONDE O eleitor, acho que hoje ele tá se aprontando pra festa !!!!

(olides)

Foto: Jefferson Bernardes

O candidato a governador do Estado pela coligação "O Rio Grande Merece Mais", Vieira durante caminhada em Sto Antonio da Patrulha.

Ibope aponta: Sartori é o único a crescer

Sartori não derruba o tarso nem que a vaca tussa(olides). O PT tem o eleitorado dele...ignorar isto é ser sem rumo....(olides)

Foto: Luiz Chaves

José Ivo Sartori é quem mais cresce na corrida ao Palácio Piratini. Segundo aponta a última pesquisa divulgada pelo Ibope, o candidato foi o único a ampliar a taxa das intenções de voto. Enquanto os demais concorrentes aparecem com seus índices estabilizados ou em queda, Sartori aumentou seu percentual em quatro pontos. Na pesquisa divulgada pelo Instituto na noite dessa quarta-feira, 24, o candidato saltou de 11%, em 10 de setembro, para 15%.

O menor índice de rejeição entre os postulantes ao governo do Estado também é o de Sartori, que observa nas pesquisas o reflexo da vontade de mudança dos gaúchos. “Estamos em uma caminhada bonita. Em todos os lugares por onde passamos, vemos as pessoas querendo a mudança do Rio Grande. É essa mudança que precisamos construir, então vamos à luta, vamos ao trabalho".

de Serafina

GRUPO DE DANÇA DO CRAS É DESTAQUE NO XI FESTIVAL ARTE EM DANÇA DE NOVA ARAÇÁ

No Dia 13 de setembro o Grupo de Dança de Adolescentes do Serviço de Convivência E Fortalecimento de Vínculos do CRAS através da Coordenação do Professor Sandro Guisleni Dias, participaram do XI ARTE EM DANÇA DE NOVA ARAÇÁ. Este Festival contou com a presença de diversos municípios da região e aconteceu no Ginásio Municipal do Município de Nova Araçá.
O Grupo de Dança de Adolescentes foi premiado em três categorias: 2º e 3º lugar na categoria Juvenil, e 3º lugar na Categoria Avançado, dentre os 49 grupos concorrentes, sendo que os comentários do Júri foram de que o grupo possui presença cênica com domínio de movimento, boa coreografia, bem ensaiados, representando assim um excelente trabalho desenvolvido.

Sendo assim, os alunos do Grupo de Dança do Cras, no dia 24 de setembro em reconhecimento ao esforço e dedicação nos ensaios, os integrantes foram parabenizados pela equipe do CRAS em especial agradecimento pelo Prefeito Municipal Sr. Ademir Antônio Presotto. A participação neste tipo de evento visa incentivar a participação dos integrantes do grupo em eventos artísticos e culturais bem como promover o intercâmbio cultural entre os municípios.


25 de setembro
de 2014

GISMONTI

HOJE 5, AS 20 HS , TEM GISMONTI NO SALÃO DE ATOS DA URGS...

Outra do Lasier

Mas bah, o Reker tá mandando fogo inimigo(olides)

Já pensaram se ele vira senador

O candidato ao Senador Lasier Martins (PDT-RS) e ex-integrante da Mocidade da ARENA, foi condenado em última instância a indenizar o agente da Polícia Federal Gilnei da Costa Carvalho por ofensas pessoais no exercício de suas funções. O policial solicitou que Lasier apresentasse seu RG, quando este foi tirar passaportes para sua filhas. Como ele não portava o documento tentou dar um carteiraço que não foi aceito pelo policial. O careca então perdeu as estribeiras e passou a chamar o agente público de “burocrata, vagabundo, filho da puta, recalcado”, naquele mesmo dia Lasier ocupou o microfone da rádio onde trabalhava, durante seu programa, e passou toda a tarde difamando e achincalhando o servidor público, citando seu nome no ar. A indenização passou dos 100 mil reais para o candidato e seu empregador na época. O caso ocorreu em 1998 e a condenação saiu este ano.

Renato Kern

debate

ouvi um pouco o debate na guaíba....o candidato estivalet deu um pau no tarso que vou te contar. aliás, a meméia lembrou que o tarso não é governador. ele se licenciou....

debate

tarso por sua vez afagou vieirinha dizendo que ele é ' bonito'....

* seráafagos pro 2 turno????

PERFIL DA MEMEIA

BOM O PERFIL DA MEMEIA - FUTURA GOVERNADORA DO ESTADO, PELAS PESQUISAS - FEITO PELA LAITANO NA ZH...

* AGORA ENTENDI PORQUE TEM ESPIRITO ' FORTE'...É DE ARIES....

* NAO QUEIRAM PROVAR DO MAU HUMOR DA MEMEIA....

* SERGINHO ROS O PROVOU....

* EXIBIDO COMO ERA FOI SE PAVONEAR COM ARTISTA DA GLOBO PRO LADO DELA NA ALVORADA E LEVOU UM GELO.

Vieira da Cunha durante caminhada em Viamão

Foto: Jefferson Bernardes

Vierinha encontra um eleitor seu em Viamão e fica feliz(olides)

- Ah, então é tu, é????

- Sou diz o cara....

Coleguinhas

contagem regressiva às margens do dilúvio....

* a pergunta é:antes ou depois do segundo turno?

Médicos e escritores

O Julio é uma boa.....depois eu faço um ' permutol' como o Maurício fazia com o Ledur pro livro do cardiologista(olides)

De: trololo45
Enviada: Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

É, sempre comento com os meus botões: não são poucos os médicos com mania de escrever. Alguns com alguma qualidade, como o Guima Rosa, outros com nenhuma, como o Acadêmico do Bonfim. Deste que tu mencionas e um cardiologista meu conhecido considera "um marqueteiro", este tu não vai ter de presente de Natal adiantado não. Se ainda fosse entrada para o show do Julio Iglesias... (Laurinho da Venâncio)

ajudando o leitor

: Academico do Bom Fim = Moacyr Scliar

Escritor Marqueteiro: Ivo Nesralla....

é pra entender o Laurinho da Venâncio

EXTRA CLASSE

nOTEI LEVEMENTE UM PONTA DE CIUME DO LAURINHO DA VENANCIO COM O MÉDICO MARQUETEIRO....

ACHO QUE ALGO TEM A VER COM A ASSESSORA DE IMPRENSA DO DITO CUJO, RESPONSÁVEL PELA SUA ATUAÇÃO PUBLICA.

É UMA QUEDA DO LAURINHO DA VENANCIO DE MUITOS ANOS.....

ELE TEM GOSTO PELAS MULHERES FINAS, POR ISTO ALMOÇA SEMPRE NA PE CHAGAS(OLIDES)

NO MEU CASO, EU SOU DO VULGAR MESMO....

Passarinhos

dede dono da fruteira na taquara x ijui



ele dá comida pros passarinhos na rua....

o debate de 2 sobre lupi....



o mediador não sabia xongas....mas o marcelo e o juarez deram conta...

Bagre Fagundes

Uma atenta leitora viu a foto que fiz do BAGRE EVIU UM SANTINHO. CLARO ELE TAVA NO GABINETE DO AFFONSO MOTTA...O ADELI SELL TAMBÉM ESTAVA. E FICAVA PDAVIDA QUE TODO MUNDO ACABAVA SEMPRE INDO FAZER UM CAFUNÉ NA SALA DO BAGRE QUANDO IAM LÁ TRATAR DE ASSUNTOS MUNICIPAIS(OLIDES)

do desobedienciavegana.blogspot.com

O cuidador de flores do posto de gasolina

por Ellen Augusta Valer de Freitas



Seu João Valmir é quem cuida das orquídeas que me chamaram a atenção neste posto de gasolina em frente ao IPA, na Bela Vista, quando eu caminhava pela cidade... As orquídeas, que são chamadas de 'bizarras' pelos botânicos, por serem totalmente anômalas, incomparáveis às outras flores, ficam aí escandalosamente atraindo polinizadores, na Primavera, que começa hoje.
A estação mais perfumada, de clima fresco. Eu prefiro ouvir as aves cantarem logo no início da manhã e até mesmo de madrugada há aquelas noturnas que cantam sem parar. Os insetos polinizam e se mobilizam.

Seu João diz que é louco por plantas. E cuida delas a muitos anos. Fiquei comovida. E saio por aí a fotografar rosas, minha paixão. Já que plantar não é comigo. E minha mãe já não me traz mais suas flores...as orquídeas foram uma surpresa, já que são tão raras.


Esta não é orquídea. É um tipo de gerânio.


E travo contato com os plantadores de flores, cuidadores de vida. E descubro que tem gente que se importa, lhe dá um sorriso e entra em contato, na Primavera, em Porto Alegre.

Fotos de Luizinho Morem

o luizinho amigo aqui da casa mandou estas fotos que eu pedi...mas pelo que vi o pdt virou um ' nanico'....

o vieirinha procura pelo capincho pra ver se o gajo saiu de são borja pra pedir votos pra ele.....( se esperar pelo cuera de são borja, o vieirinha morre de fome...e de falta de votos..o capincho só quer trago e truco na beira do uruguai. olides)

De: luizmorem1
Enviada: Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

Fotos da Caminhada com o Vieira da Cunha e com a presença do nosso Prefeito Fortunati ! O primeiro é um artista de rua Cantando um " BOLÉRO " a Mil p/Alegrar nossa Caminhada e a ultima , é uma Turminha da Escolinha do Professor Raimundo CANINA é Claro ! Abraço .

DE SB

CAPINCHO DELIRA....DELIRA...DELIRA...

Enviada: Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014 10:49
Para: olidescanton@bol.com.br

Lasier eleito disparado... tem gente de Santa Catarina e Paraná vindo votar nele aqui...
Vieira ganha no primeiro turno... apertado, mas ganha

Letier Vivian
São Borja/RS

A DEGRADAÇÃO DO HOMEM, POR UM OLHAR MORAL

por Eron Duarte Fagundes

As sequências iniciais em que se descrevem as libidinagens do banqueiro francês Devereaux é uma espécie de “doce vida”, orgíaca e decadente, “satyricon” pós-tudo, passada num dos corações do mundo contemporâneo, Nova Iorque. Abel Ferrara, o diretor norte-americano de Bem-vindo a Nova Iorque (Welcome to New York; 2013) apresenta sua herança italiana ao expor, com absoluta nostalgia moral, a navegação de sua personagem central pela lascívia fácil de algumas mulheres cujos corpos se expõem nos escaninhos de alguns quartos de uma das capitais culturais e econômicas da atualidade. Junto com os belos corpos das garotas vemos a exposição do físico detonado pela gordura e pelos anos de Gérard Depardieu, o que é um achado selvagem na narrativa de Ferrara; enfim, o homem que já foi soberbamente um Danton, revolucionário pré-burguês do século XVIII, aparece como uma assombração moral de nosso tempo; sublinhando o corpo grotesco do ator surgem-lhe alguns gemidos inauditos e animalescos na hora do sexo, ou quase-sexo às vezes, ajudando assim a Ferrara a compor um retrato desorientado e maldoso do homem que, para buscar seu prazer sexual, não media limites nem a vontade das parceiras. Tanto Ferrara quanto Depardieu parecem investir contra o monstro carnal, assim como Fellini simulava detestar seu protagonista em Casanova de Fellini (1976), outro antológico andarilho do sexo, um andarilho à antiga aquele de Fellini, que atravessava entre delírios particulares e mofas do povo a perplexidade do espectador. No entanto, em Bem-vindo a Nova Iorque o olhar moral de Ferrara apresenta uma pequena luz que vai conferindo humanidade a este ser quase sem emoção que é o banqueiro sexualmente devastador caído em desgraça depois que uma camareira negra de hotel decide acusá-lo de tê-la obrigado a chegar próximo de sexo oral com ele.

A história contada em Bem-vindo a Nova Iorque foi extraída duma crônica do noticiário policial internacional. Devereaux se inspirou no diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn. Simone está calcada diretamente na jornalista Anne Sinclair, que era esposa do banqueiro na época do escândalo. Mas, diversamente do que faz habitualmente Hollywood, Ferrara mantém uma característica de filmar em que a emoção personalíssima é muito mais importante do que a reprodução episódica do que ocorreu, o baseado em fatos reais é, em Ferrara, somente o impulso para a criação.

Alternando duas línguas com uma naturalidade às vezes espantosa, o inglês e o francês, Bem-vindo a Nova Iorque vai construindo o próprio ritual da depravação no século XXI, quarenta anos depois do olhar melancólico que um homossexual lançava por sobre a costa marítima em A doce vida (1960), de Fellini, do qual o filme de Ferrara é um sucedâneo natural. Este ritual centraliza-se muito na forma de utilização do corpo em cena. O corpo exagerado e deformado de Depardieu, exposto com autocrueldade. Mas também os corpos submetidos das meninas de programa. Contrastando com esta visão emporcalhada do físico, Ferrara traz a elegância de Jacqueline Bisset, elegância que, todavia, não deixa de aqui e ali transmudar-se em cólera.

Sabe-se que a criatividade de Ferrara continua em alta. Seu último filme, Pasolini (2014), teve uma acolhida calorosa no Festival de Veneza; segundo a enviada especial do Le Monde, Isabelle Regnier, trata-se de um “filme de beleza plástica e força política”. Bem-vindo a Nova Iorque debruça sua plasticidade sobre as operações torpes de sua personagem e resgata e atualiza muito daquela selvageria e moralidade que Ferrara vinha contrastando desde Olhos de serpente (1993), onde o corpo da pop star Madona determinava muitas vezes os mecanismos da linguagem cinematográfica.

Empolgação e mobilização marcam ato político com Marina Silva na Capital

Foto: Luiz Chaves

Entusiasmo e mobilização de apoiadores da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, que tem José Ivo Sartori como candidato a governador, marcaram o comício da presidenciável Marina Silva, nessa terça-feira (23) à noite, na Casa do Gaúcho, em Porto Alegre. Com adesivos e bandeiras, o público que lotou as galerias cantou os jingles da campanha antes e depois dos discursos. Sartori conclamou os participantes a reforçarem a militância nesta reta final das eleições e afirmou: “Não nos falta ousadia para transformar o Rio Grande”.

Sobre o pleito para escolha da presidência da República, ele enfatizou que é preciso haver alternância no poder. “Doze anos é muito tempo. Marina será a nossa nova presidente”, disse Sartori, acrescentando que o governo petista já chegou ao esgotamento também no Rio Grande do Sul.

Para o senador Pedro Simon, que concorre à reeleição, “ou Marina vence, ou será a desmoralização do país”. Candidato a vice-governador na chapa de Sartori, José Paulo Cairoli afirmou que o projeto da coligação, aqui no Estado, e de Marina Silva e Beto Albuquerque, para o Brasil, é fazer política com ética e transparência. “Chega de corrupção, promessas fáceis e conversa mole. Agora, é Sartori, Beto e Marina”, completou. Beto Albuquerque referiu-se ao comportamento do PT na campanha eleitoral afirmando que “o partido quer vencer a qualquer custo”. E acrescentou: “O Brasil amadureceu e está cansado de mentiras”.

Marina Silva fez o desfecho dos discursos. Enalteceu as candidaturas da aliança O Novo Caminho para o Rio Grande e parafraseou o Hino Rio-grandense em sua fala: “Que sirvam nossas façanhas de modelo para todo o Brasil”. Disse também que seus oponentes estão distorcendo suas propostas e fazendo calúnias contra ela. “Nossos adversários estão apavorados, porque o nosso movimento e nossas propostas de renovação vão aposentar a velha República”, proclamou.

de Serafina

A estação das flores na Escola Agrícola

Ao observarmos atentamente a natureza percebemos como vivemos num manancial de riquezas, repleto de sentido e significado. Dessa forma, sentir a natureza é regressar ao seio de nossa existência e nos reintegrarmos, pois somos parte dela também.Com a chegada da primavera a natureza desbrocha e se enfeita para nos mostrar que um novo ciclo se inicia. Ela nos convida a aproveitar as oportunidades desse novo ciclo, (re) pensar os projetos guardados, refletir sobre as possibilidades contidas; enfim, nos convida à renovação. Desconhecemos quanto tempo demorará para vivenciarmos a plenitude dessa estação, mas podemos afirmar que o jardineiro está dentro de cada um de nós, à espera que o deixemos agir para enfeitar o jardim da nossa alma, trazendo nova vida para nosso redor. É impossível deixar de compartilharo colorido das flores de nossa Escola, as quais comprovam que vale a pena cultivar o melhor e florescer para a vida!

"Aprendi com a primavera a deixar me cortar e voltar sempre inteira. " Cecília Meireles

24 de setembro de 2014

EU E A CORDILHEIRA



ESTA VIAGEM FIZ COM O ACHUTTI QUE GANHOU UM BOM DINHEIRO COM ISTO E QUE NEM MUITO OBRIGADO ME DISSE PORQUE EU O INDIQUEI PRA VOLVO....QUANDO CHEGAMOS EM URUGUAIANA O ACHUTTI SE SE QUEIXAVA....ERAMOS DOIS CAMINHÕES DA MICHELON QUE LEVAVAM CALÇAS JEANS PRA SANTIAGO.

A EMPRESA A MICHELON DE SAO MARCOS QUE FALIU....

VIAJAMOS OITO DIAS. QUALQUER HORA EU ACHO A REPORTAGEM E A REPRODUZO AQUI PORQUE A TENHO GUARDADA SE É QUE NÃO PUS FORA.

OS CARAS DA VOLVO NA SUÉCIA PIRARAM COM AS FOTOS QUE O ACHUTTI MANDOU PRA ELES.

NA VIAGEM MEU COLEGA SE QUEIXAVA O TEMPO TODO...MAS GANHOU UMA PUTA GRANA COM AS FOTOS QUE VENDEU PRA VOLVO.

FUI EU QUE EMPRENDI A VIAGEM PRA REVISTA DA VOLVO...(OLIDES)

PSOL

Luciana Genro faz campanha no antigo ' largo da merda', como era chamado a esquina da rua da praia, com a ladeira. é que ali iam falar mal dos politicos. parece que o point virou outra ' esquina democratica'....

Livro

medicos escrevemtambém. tou curioso pra ler o livro do nesralla. o laurinho podia me antecipar de natal(olides)

NERVOSISMO

Um ex-zh me ligou hoje nervoso. queria minha fonte das demissões do jornal do diluvio....

* dou uma pista: caminha na pracinha da encol, mas não é chargista....(olides) é bom repórter.sempre foi....

Jornal

O LIXEIRO LE O JORNAL.

ovos podres

o nacional da carazinho continua vendendo OVOS PODRES. COMPREI UMA CX HOJE ONDE HAVIA 2 PODRES....

* ELE FOI FECHADO DIAS ATRÁS POR CAUSA DISTO E DE OUTRAS MARACUTAIAS....

PTB

Cassiá Carpes, provável futuro vice governador e o ' jovem hebreu' no centro de Poa...

Cassiá informa que uma pesquisa do PTB em SB mostra que ' estamos 10% na frente "

LUPI

* lupicinio morreu em74,com 60 anos, de diabetes.

* nunca deram certo suas casas noturnas.Teve várias....

* era supõem neto do des. andré da rocha. por isto tinha regalias na fac. de direiro da urgs onde era bedel.

* muitas lendas são puras lendas sobre ele....

* a musica mais conhecida que o marca é SE ACASO VOCE CHEGASSE....

* os empregados do bar com este nome, do filho dele,lupinho, era ' conhecido ' entre os empregados por SE ACASO VOCE PAGASSE....

* O jornalista Valter Todt era do JC. Um dia tristemente teve que ver na lista dos que teriam que pagar em cartório seu idolo, lupicinio. tudo por causa de dividas com boites que ele montava.

* contam que num domingo lupicinio saiu de pijame pra comprar uma galinha pro almoço. foi num boteco, começou a bater papo com um cara e quando viu estava em santa maria no carro do cara, com a galinha na mão que era pro almoço.

* ele teve dois filhos. a filha mora na praia. mas esta não era de um casamento oficial.

* Boemio, era ele que cozinha em casa. depois ia pra noite e só voltava as 4 da matina.

* morou muito tempo no rio, onde passava temporadas.

* é o inventor da musiciA dor de corno ou dor de cotovelo. mas NUNCA FOI BREGA.

* so foi gravado pela joana, que é cantora brega. nenhum outro brega o gravou.

* era um refinado....

* tanto que morando na ilhota, fez o hino do gremio, um clube de alemães totalmente elitista.

* marcelo campos vai lançar um livro sobre ele na feira dolivro.

* o bate papo foi na urgs com marcelo e juarez fonseca. muitos musicos na plateia.

Memória

AS PROPAGANDAS DA MPM EM 1969 E OS CACIQUES DA CJCJ

CHAMADA DE FOLHINHA, A FOLHA DA MANHA MARCOU EPOCA.

A VELHA FOLHINHA QUEJÁ NÃO EXISTE....

XERETEANBDO A VILHA ALHEIA....

a moradora do prédio que na 5 passada dizia palavrões no celular ...voltou na madrugada de domingo....

o findi deve ter recomposto aquela b aixaria....

todos temos uma janela indiscreta....

avani

fui tomar um coffee com a avani esta manhã...

* ela caiu na frente da zero hora, na ipiranga.

* vinha do renascença...

* por sorte, nenhum carro a atropelou

* deve tirar o gesso nos próximos dias...

* velha avani de guerra, ela me lembra os tempos da Biblia, quando se diz que há tempo pra tudo debaixo do céu...

* conheci a avani no esplendor de sua beleza....jovem e bem de vida...

* mas sempre briguenta....

* o licinio me dizia que não se devia leva-la a sério. era a única forma de se conviver com ela.

DORMINDO Na carris



a carris tá como o diabo gosta....

na linha carlos gomes, na manha de sabado, o cobrador dormia a sono solto. quando passava um cara na catraca, ela acordava e depois voltava pro sono....

Futebol

estive hj de tarde no debate do racismo no futebol, na FGF....

* o chico noveletto deu no pé....

* mandou um ' cachimbo' no seu lugar no debate

* tá certo, mas assim os estádios de futebol vão virar convento de freiras....

* acho que a torcida deve extravasar, mas não com injurias raciais....

* mas do jeito que a coisa tá radicalizada, não sei, não....

20 de Setembro

OS CAVALIRANOS DE 20 DE SETEMBRO CRUZAM A PRAÇA PAROBÉ. NO SABADO PASSADO.

neuza penalvo....

A filha do ' seo ' percy, como diz o capincho prevê mais de mil votos pra juliana brizola em SB....

* mais do que da outra vez quando fez 900 e poucos....

* então ela fez um bom negócio....deixou o márcio como seu ' chefe' em SB.

* Já outro cabo eleitoral se bandeou pro lado de santo angerlo....

* vamos ver quantos votos arruma pro seu candidato...

RESNAIS ACABOU

por Eron Duarte Fagundes

Amar, beber e cantar (Aimer, boire et chanter; 2014) é a despedida cinematográfica do francês Alain Resnais, morto este ano aos 91 anos. Que se deve fazer na vida senão amar, beber e cantar? Fazer cinema: sem esquecer os dramas íntimos do lado de fora que levamos para o lado de dentro. Passados tantos anos de obras-primas como Hirosihima meu amor (1959) e Providence (1977), Resnais permanece inquieto com a criação artística; o momento atual de Resnais se prende um pouco mais ao teatro, como se viu em Vocês ainda não viram nada (2012), e torna a ser reencontrado em Amar, beber e cantar, que se arrasta um pouco nas experimentações formalistas do cineasta.

Não sei se sou um resnaisiano melancólico. Mas o Resnais que mais amo estacionou em Smoking/ No smoking (1993). O realizador permaneceu procurando caminhos novos para o cinema nos anos seguintes. Mas nunca mais chegou a condicionar tão revolucionariamente a alma de suas personagens a seus mecanismos de linguagem. Amar, beber e cantar é sintomático como filme final. É uma conversa de amigos dentro do filme (André Dussolier está ali e a esposa de Resnais, Sabine Azéma, também) e uma conversa para amigo com o espectador. Aceitamos então o que Resnais pode dar-nos em seu momento pré-túmulo. Aqui e ali podemos irritar-nos com certas reiterações da narrativa. Mas, parece, Resnais pede calma. Lá pelo fim uma mulher tenta controlar seu nervoso homem dando-lhe uma frase: “S’il te plaît, reste calme aujourd’hui”. Pelo menos por agora, faz favor, permaneça calmo: é o recado final do grande diretor de cinema, um homem sem o qual o cinema certamente não seria o que foi.

Programação do Clube de Cinema para o próximo final de semana

No próximo Sábado (dia 27/09/2014) as 10h15min na Sala Eduardo Hirtz assistiremos ao filme "O Batismo" (Chrzest-2010). Varsóvia, Polônia. Após deixar o mundo do crime, Michal (Wojciech Zielinski) consegue recomeçar do zero e levar uma vida honesta. Ele é casado com a bela Magda (Natalia Rybicka), acabou de ser pai e agora cuida dos negócios de sua própria empresa. Porém, Michal se vê assombrado por seu passado clandestino. A máfia o jurou de morte às vésperas do batizado de seu filho e ele terá de se proteger antes que seja tarde demais. Exibido no Festival Internacional de Brasília 2012.

No próximo Domingo (dia 28/09/2014) Não Haverá Sessão !

Na próxima 2ª feira (dia 29/09/2014) as 20h00 na Sociedade Germânia assistiremos ao filme "Poderosa Afrodite" (Mighty Aphrodite-1995). Em Nova York, um casal adota um menino e com o tempo o pai adotivo (Woody Allen) decide saber quem é a sua mãe biológica do seu filho. Ele descobre que ela é uma prostituta chamada Linda (Mira Sorvino), que em filmes pornográficos usa o nome Judy Cum e que nem sabe quem é o pai do garoto. O pai adotivo decide então aconselhá-la a abandonar este tipo de vida. As sequências ambientadas nas ruínas de um anfiteatro na Antiguidades foram rodadas na Sicília, Itália. Woody Allen afirmou que, apesar de seu conturbado divórcio com Mia Farrow, pensou em fazer um convite para sua ex-mulher atuar neste filme. Ele iria oferecer justamente o papel de Amanda, esposa do personagem que ele interpretaria na trama. Em resposta a isso, sua diretora de elenco disse "O quê, você está maluco?".

XXXVII Encontro Ufológico de Porto Alegre - EUPA

Teremos o XXXVII Encontro Ufológico de Porto Alegre - EUPA, nesta quinta-feira, dia 25 de setembro, no endereço e horário:
Rua Álvaro Alvim, 54 - Rio Branco - 20 horas
Nosso colega Daniel estará apresentando a Noite Oficial dos UFOS no Brasil, seguido de esclarecimentos técnicos de um componente da Aeronáutica. Depois abriremos para perguntas, e esta será uma boa oportunidade para que todos esclareçam suas dúvidas sobre qualquer tema pertinente à Ufologia. Nós do Gaidu estaremos prontos para responder. Também estaremos vendendo ingressos para a VI Semana Ufológica!
Entrada franca!

Debate TV Pampa

Foto: Jefferson Bernardes

Os candidatos a governador do Estado do Rio Grande do Sul, Ana Amélia Lemos(PP), Tarso genro (PT), José Ivo Sartori(PMDB), Roberto Robaina(PSOL) e Vieira da Cunha (PDT) acompanhados do jornalista Paulo Sergio Pinto (R) durante Debate TV Pampa, em Porto Alegre.

de Serafina

Corsan esteve na Câmara para uma Sessão Especial

Além de informar sobre os serviços prestados em Serafina Corrêa, os convidados também responderam questionamentos dos Vereadores

O abastecimento de água em Serafina Corrêa foi tema da primeira Sessão Especial da Câmara neste segundo semestre de atividades de 2014. Na segunda-feira (22), o Presidente Nelson Pedro Mezzomo e os demais Vereadores, contaram com a participação do Superintendente Regional da Corsan, Lutero Fracasso, e do Chefe da Unidade de Serafina Corrêa, Milton Ferreira Barbizan. O encontro aconteceu com esta finalidade, depois de aprovados por unanimidade os pedidos da Vereadora Salete Cadore e do Vereador Paulo José Massolini.

A oportunidade foi para os Legisladores e os demais presentes no Plenário da Câmara saberem mais sobre os serviços prestados pela Corsan no Município, bem como para obterem respostas aos questionamentos com relação a vazamentos de água, substituição de redes antigas, perspectivas para o futuro, entre outros. O encontro teve duração de mais de 70 minutos e o áudio com a íntegra desta sessão está disponível no site da Câmara, no endereço www.legislativoserafina.com.br.

A Companhia Riograndense de Saneamento – Corsan atua em Serafina Corrêa desde que o sistema de abastecimento de água foi criado. Atualmente, 12 pessoas trabalham no Município, sendo 5 na rede, 4 na estação de tratamento, uma na parte administrativa, além de estagiário e o responsável pela unidade. Conforme os dados divulgados durante a Sessão Especial, hoje existem 3.593 ligações de água no Município, totalizando 5.655 economias.

23 de setembro de 2014

a viagem do manoel carabotta



Esta viagem pro chile a fiz com o assis hoffmann.

o veio ainda não era tão veio, quanto hoje que tá se cuidando....

ainda pegava numa maquina de fotos.

foi em 92, ou 93. não tenho bem certeza...eu também era mais magrinho.

a foto mostra o lado chileno.

fomos levar um onibus pra mercúrio pra santiago.

nunca ri tanto, porque o motora do bus, o manoela carabotta, levou junto a dona maria, a esposa.

ela ingenua pra caramba, ia perguntando tudo, cada detalhe pra ele....

em santiago, fui prum puta hotel, mas o assis roncava como um animal a noite toda e dormi pouco.

podia ter ficado em quartos separados, mas sabe como é , quis poupar....

voltamos de avião....

tirei esta foto que guardo aqui...o cara que tá comigo acho que era do hotel, de uma estação de esqui.(olides)

GEMIDOS AS MARGENS DO DILUVIO

Tem gente se preparando pra ir .....de um jornal as margens do diluvio...

Me assopraram que depois de outubro haverá demissões que tão classificando de ' surpreendentes'....

é a vida é assim mesmo.....

com um cara graúdo lá já tão negociando sua saída.

Causos de redação

1)

O ALEMÃO UDA - Leonid Streliaved - fotógrafo ficou devendo uma grana pra zero daquela campanha dele de ' o homi do relho' quando tentou ser deputado federal. quem deu o relho nele foram os eleitores não votaram nele.

ai ele foi fazer um frila na Colombia com dois repórteres pra pagar o que devia....ficou elas por elas...

2)

Peninha quando veio pra Zero ganhava 3 mil dólares mensais de sálario...

- mas se queixava pros colegas : ' po esta perna de anão aí....( quem leu a carta famosa que foi tornada pública dele pro editor Augusto Nunes vê que ele não tava satisfeito )

3)

Um editor foi quem aprontou a lista das demissões pro Augusto. Depois colocaram ele na lista também. Maquiável ensina: dividir pra governar.

de São Borja

nao vi o capincho dando expediente no local(olides) de são borja, o ' contrabando ' do capincho.

Fotoflash

Zé Antonio ou Anonimus Gourmet no lançamento do livro do Nesralla...

DIREITO DE RESPOSTA

LAURINHO DA VENANCIO CONTESTA QUE beba agua do ' primo rico da prefa'.....

De: trololo45
Enviada: Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

"O Laurinho da Venâncio NÃO TOMA ÁGUA DO DMAE, porque não confia na limpeza da caixa d`água do edifício onde ele mora. Água do DMAE só para banho. Laurinho da Venâncio usa água de "garafon" que os gringo da fruteira Spinelli levam para ele (dez pila o "garafon" + barato) para beber, fazer café e cozinhar (quando não come comida congelada, que é o que ele mais faz atualmente)." Assinado: Laurinho da Venâncio.

Mais belezas de Paris

MAIS BELEZAS DE PARIS - Em anexo seguem fotos da Saint Chapelle de Vincennes, situada nas "afueras" de Paris. Vincennes fica para Paris como Canoas fica para Porto Alegre. A igreja fica no local onde havia um dos castelos reais, do qual ainda restam algumas partes preservadas. Foi erguida na Idade Média, no estilo gótico flamejante e está muito bem preservada. É um prédio muito bonito e uma das maravilhas não só da arquitetura, mas também da engenharia, pois os engenheiros "góticos" eram uns verdadeiros craques no metier e mudaram a face da arquitetura medieval, fazendo-a trocar o estilo românico pelo ogival. (Laurinho da Venâncio)

de Sâo Borja

desfile gauderio de são borja. enviadas pelo capincho!

de serafina....

BICO BRANCO TREINA PRA QUANDO FOR DEPUTADO FEDERAL....

DIZ QUE ELE FALOU UMAS DUAS HORAS NA CHEGADA DA CAVALGADA.

-- MAS CADE O MAZZARINO, O HOMI DE ENCANTADO, PERGUNTOU UMA HORA....

OUTROS PUXARAM UM BANQUINHO PRA SENTAR PORQUE SABIAM QUE A CONVERSA SERIA LONGA

SO QUEM NÃO CANSOU FOI O NELCIDIO ALBAN, SEU ETERNO ESCUDEIRO(OLIDES)

do germanorigotto.com.br

O desempenho dos candidatos à Presidência nos Estados

Levantamento da Arko Advice com base nas pesquisas estaduais revela que a presidente Dilma Rousseff (PT) lidera a disputa em 19 Estados. Marina Silva (PSB) está na frente em sete e no Distrito Federal. Aécio Neves (PSDB) não lidera em nenhum Estado (está em terceiro lugar em 25). Na Região Sul, Dilma aparece na frente nos três Estados. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, a vantagem é de 10 pontos percentuais em relação a Marina. No Norte e no Nordeste, Dilma também lidera em quase todos os Estados; perde apenas em Pernambuco (Marina lidera com 40%) e no Acre (Marina tem 49%). No Sudeste e no Centro-Oeste, o quadro é mais favorável para a candidata do PSB. Marina perde para a presidente apenas em Minas Gerais e Mato Grosso.

ESTETICAMENTE INTENSO, NARRATIVAMENTE DESORGANIZADO

por Eron Duarte Fagundes

Hélio Oiticica (2012) é um documentário feito sobre uma personagem por um familiar: como tem ocorrido no cinema brasileiro recente. Isto aumenta uma espécie de intimidade estética na realização. O realizador César Oiticica Filho é sobrinho de Hélio Oiticica, o turbulento artista plástico e agitador cultural que é o objeto do filme. Diferentemente de outros filmes feitos por familiares, Hélio Oiticica foge à subjetividade; ainda que o cinema de Oiticica-sobrinho mimetize as características tresloucadas da trajetória do homem contemporâneo do Tropicalismo e do Cinema Novo, não há propriamente uma relação familiar que palpite na construção formal.

O espírito de Oiticica é especialmente captado por imagens de arquivo em que o artista aparece - velhos filmes (sua participação em Câncer, de Glauber Rocha), filmagens amadorísticas rodadas em sua época pelo próprio Oiticica, a associação de Oiticica em Nova Iorque com o cineasta Neville d’Almeida para produzir conceitos artísticos. Hélio Oiticica se vai articulando em torno da personalidade em fogo de seu protagonista; ora com mais poder de fogo, ora amofinando-se no próprio tédio de coisas passadas.

Sartori participa de ato político com Marina Silva

José Ivo Sartori participa, nesta terça-feira (23), juntamente com a candidata à presidência da República Marina Silva e seu vice, Beto Albuquerque, de um grande ato político em Porto Alegre. Na reta final da campanha, as coligações Unidos pelo Brasil e O Novo Caminho para o Rio Grande pretendem reunir milhares de apoiadores no Centro de Eventos Casa do Gaúcho, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho. Estarão presentes também o candidato a senador Pedro Simon e a vice-governador José Paulo Cairoli.

Veja a programação de Marina Silva

PORTO ALEGRE (23/09)

19h30 – Coletiva de Imprensa

Local: Plaza São Rafael – Salão Plátano – Av. Alberto Bins, 214

20h30 – Comício

Local: Centro de Eventos Casa do Gaúcho – Rua Otávio F. Caruso da Rocha, 301 – Parque Maurício Sirotsky Sobrinho

22 de setembro de 2014

DMAE O PRIMO RICO DA PREFEITURA'

Fui na palestra do presser na 6 porque queria ouvir alguns dados...eis o que anotei

* a vila montepio, dominada pelo tráfego, não paga água...rasgam o boleto quando chega.

* a vila regular que menos paga água é a restinga.

* a água é democratica...bebe a mesma o burga, tipo laurinho da venancio, como o pobretão do beco do mijo =-que fica perto ao colegio anchieta....

* o dmae não gosta de ' emprestar ' dinheiro pra prefa. mas as vezes é intimado a faze-lo.

* Brahma e coca-cola se mandaram de porto pra não pagar água do orgão tão cara.

* existem 305 mil domicilios na capital.

* quando falta luz, falta água.

* tem muito investimento ai pra 2030 que precisa ser feito e ainda não está previsto.

*nas vilas onde o tráfego manda, o Dmae não se mete.

* flávio presser, diretor do dmae, tem contra ele cinco ações na Justiça.

* nas favelas, 51% dos moradores pagam a água.

* o dmae é considerado o primo rico da prefeitura.

* o Dmae não gosta de ' emprestar' pra prefeitura.mas já teve que adiantar 180 milhões de reais ...que era de um financiamento do PISA.

* algumas vilas pagam 10,00 reais por mes de água. os carnês tem 6 meses pra pagar. muitos rasgam o carne na frente do entregador.

Bagre Fagundes

na 6 bagre fagundes cantou o canto alegretense com o homi da folha, na rua da praia. peguei a foto por pura sorte(olides)

bagre e o homem da folha na rua da praia na 6 . autor e o cara cantando canto alegretense....

INUTILIDADE DO SINDICATO

cada vez que vou no sindicato dos jornalistas me dou conta de sua inutilidade.....

com o desinchaço das redações e aumento de empresas de comunicação e blogs, o sindicato perdeu sua função. eles sabem disto. não estou criticando pessoas...o simas é gente de valor...

mas que os sindicatos , mormente o dos jornalistas, tá meio parado, tá....

BARRACO AQUI EM CASA

na 5 tava fazendo tempo pra ir ao dentista. era lá pela uma...ouvi uma mulher puta da vida dizendo no telefone:

- AQUELA VAGABUNDA!!!! olhe pela janela e ela tava no celular.

discutia com seu cacho...no minimo era historia dela com homem casado....

- Deixa eu arrumar minha mala, pedia....

em seguida, entrou no meu prédio...eu fora, não quero rolo com vizinhos.

Levando na gozação e quatro gays numa novela

as bichas veias são as que eu conheci. novela passa longe de mim. nem tenho tevê(olides)

De: trololo45
Enviada: Sábado, 20 de Setembro de 2014 02:22

"E, Olides, poderia ter levado na gozação, sim, a tua observação sobre meu flanar em Paris. Acontece, cara, que cada vez mais me irrita hoje em dia as pessoas insistirem no que os franceses chamam de "idées reçues", tais como fazer um auê porque uma mulher aparece sem calcinha numa foto, ou porque um casal é flagrado num amasso, ou porque alguém sai do armário. Orra! estamos no Século XXI, o mundo evoluiu, as pessoas estão cada vez mais liberais. As pessoas que têm alguma coisa na cabeça, bem entendido. Mas, mesmo a massa ignorante - o público alvo hoje em dia da TV Globo/RBS, por exemplo - cada vez mais encara estas coisas com naturalidade. Fico pasmo quando me deparo com alguém perdendo tempo e cogitando sobre coisas deste tipo. Nada pessoal, como dizia o Stricker, mas, como referi no comentário anterior, um quarto de século na profissão de jornalista e já quase outro tanto como "operador do Direito" me fazem encarar a vida e as pessoas de modo muito tolerante; tolerância com as fraquezas, com os ditos vícios, os comportamentos desviantes dos outros. Por corolário, o que não admito é o preconceito, a prepotência e a intolerância. E tu vens me falar de bichas velhas numa época em que só na novela das nove tem quatro (4) personagens gays! Ora, Olides!!!" (Laurinho)

MALVADEZA DO LULA EM CAZIAS

MARINA INOVA TANTO EM POLITICA QUE TROUXE O SIMON PRA SUA CANDIDATURA(LULA) esta do lula é no figado como dizia o melchiades stricher....

* MUITA GENTE NO NESRALLA



mUITA GENTE DA SOCIETY NO LANÇAMENTO DO LIVRO DO NESRALLA NO MOINHOS...

O ANONIMUS GOURMET TAVA LÁ. ELE SEMPRE PRESTIGIA QUEM ESCREVE. B ELO GESTO DO ZE ANTONIO.

* O LIVRO NÃO É CARO. 35 PILAS.

* VOU COMPRAR NA FEIRA DOLIVRO. VOU TENTAR UMPERMUTOL COM O LEDUR.

* TOU LOUCO PRA VER O JULIOIGLESIAS NO TEATRO DA REDENÇÃO....NÃO SEI QUANTO É O INGRESSO. ACHO QUE DEVE SER UM BALAIO.

* VI O SHOW DO IGLESIAS NO GIGANTE QUANDO ELE LÁ CANTOU COM O PAULO SANTANA, NA FAMOSA OCASIÃO QUE DEU UMA ' LAMBIDA' NO SANTANA. A FOTO VIROU HISTORICA. HOJE SERIA MEME NA REDE.

* AINDA VEJO ESTE SHOW DO JULIO IGLESIAS. O GAJO CANTA BEM.

* SANTANA PELO QUE ME CONTAM COLEGAS, ANDA SE ARRASTANDO NA REDAÇÃO DA ZERO. ACHO QUE SAI DE LÁ PRA MORTE COMO O CID PINHEIRO CABRAL. A CASA DELE É A REDAÇÃO DA ZERO. VEIO SANTANA, MERECIA UMA ESTATUA. NUNCA VÃO FAZER É CLARO.

* ISTO É COMO IMAGINAR QUE A MATERIA DO LCC SOBRE RBS GANHARA PREMIO ARI. O JURI JAMAIS DARÁ ISTO PRUMA MATEIRA TÃO COMPETENTE.

* Alias a materia foi lida por toda a redação da zero.todoas leram escondido.l foi como aquela famosa carta do peninha pro augusto nunes, que eu tenho copia completa aqui.vou por num livro um dia. a |Justiça me liberou a copia.

aquela carta foi a coisa mais lida dentro da redação da zero no ano que aconteceu.

livro do nesralla na saraiva na 5 passada

Causos de redação

O PROTESTO DA FAXINEIRA NA REDAÇÃO DA ASSEMBLEIA

Quem me contou o dito foi o André Brrionuevo que viu a cena quando lá diagramava o Diário da Assembléia .

Diz ele que uma tarde a faxineira tinha feito a limpeza no banheiro masculino....

Entrou um cara lá, que costumava frequentar o local e foi fazer aquilo que homem faz em banheiro....

mas ' saltou' pras paredes, me parece....

Pouco depois a faxineira voltou ao banheiro pra terminar seu serviço e quando viu aquilo saiu de lá dando um discurso....

pra toda redação ouvir. Foi um protesto dela que acabara de limpar e teria que fazer tudo de novo.....

O AMANTE DAS ' TEÚDAS E MANTEÚDAS'

Na sauna,neste sábado, um veinho contava suas façanhas dos tempos atrás...

- eu só andava com teúdas e manteúdas...

Perguntei a ele o que era isto:

- Mulheres que tinham um homem que as sustentava....

e segundo ele, uma o indicava pra outra...

- Frequentava muito o Carlitos,quando ia jantar, me disse ele que ainda escolhia.

E eram elas que tinham que pagar a conta.

Mas orgulhoso me contou:

- NUNCA ACEITEI DINHEIRO.....

e contou que ganhou um carro de um amigo português porque ele tinha que dar cobertura ao gajo, ou seja, alugava um apartamento no seu nome, pra cara levar as camangas pra lá...

o portuga foi embora pra terrinha e nunca mais deu noticias.

não dou o nome do gajo da sauna, porque senão descobrem....

mas eu lhe dava corda e ele mandava ver nas fofocas de len çõis...

Cordilheira

De: trololo45
Enviada: Sábado, 20 de Setembro de 2014 02:26

Tá bom o trololó sobre a Cordilheira e a estada no Peru. (Laurinho)

FILHOS BASTARDOS

a fofoca da ALRS na sexta era que um site - não vi - tinha noticiado que um político graúdo teria duas filhas com uma ex-tupamara....sem registro de pai, claro....

* depois daquela história do FHC, sobre filho bastardo, todo cuidado é pouco.

* Como se lembra o filho da MIRIAM DUTRA - não era do FHC. fizeram DNA e não deu como filha do presidente intelectual que contrastava com o ' presidente proletário".

* Meu irmão paulo teve uma filha antes de casar e ele a trata como os filhos do casamento, igualzinho...

* e é a mais lutadora dos seus tres filhos.

FIM DE RACISMO

ESTIVE NO ARENA AGORA DE NOITE. NÃO VI MAIS NINGUÉM MENCIONAR O ASSUNTO DO RACISMO. NEM CONTRA, NEM A FAVOR. MORREU O ASSUNTO. PASSOU OS MINUTOS DE FAMA DA GURIA AQUELA.

Na Arena

De: trololo45
Enviada: Sábado, 20 de Setembro de 2014 02:29

"Estava na Arena ontem, eu e o meu filho, e o Lucianinho andava por perto. Se ele viesse para o meu lado, já tinha a resposta pronta para ele: `Olha, cara, não sem quem está mais mal das pernas, se o Grêmio ou a RBS!` " (Laurinho)

DIARIO DO FINDI - SABADO FERIADO GAUDERIO

TOU CHEGANDO DO SUPER NESTE SABADO DE FERIADO....

A FAXINEIRA DO PREDIO DEU O 171, É CLARO. VAI FICAR 15 DIAS SEM UMA VASSOURA NAS ESCADAS.
QUI MUQUIFO,ESTE E PAGAMOS CARO AQUI. MAS A ZONA É BOA....TODOS PENSAM QUE SOU RICO PORQUE MORO AQUI.DEIXA PENSAREM..POUCO ME IMPORTA....

* VI A AVANI PASSANDO COM O BRAÇO AINDA ENFAIXADO. ELA CAIU E SE MACHUCOU.

* A AVANI IA PRA FEIRINHA FAZER COMPRAS COMO SEMPRE FAZ AOS SABADOS.

* VOU SAIR PRO CINEMA.

findi

indo ao cinema agora de manha, no domingo. tomei um tombo feio na pr. da alfandega. Por muita sorte não me machuquei feio. Pisei num troço de borracha que tem lá e resvalei...machuquei o joelho e a mão esquerda....

POA SEM ONIBUS NO FERIADO

QUEM ANDOU DE BUS EM POA NESTE SABADO PENOU. OU É GREVE BRANCA DOS EMPRESÁRIOS POR CAUSA DA LICITIAÇÃO OU TEMOS QUE PEDIR O IMPEACHMENT DO PREFEITO QUE PELO VISTO NÃO MANDA NADA.

LEVEI UMA HORA PRA VIR DA PARADA DA SOGIPA NESTE SABADO AS OITO E MEIA DA NOITE ATÉ AQUI EM CASA, NA LAVRAS.

UMA HORA PRA PEGAR DOIS ONIBUS....

PODE, PODE NÃ CIDADE GOVERNADA POR ESTE INCOMPETENTE DESTE PREFEITO PODE. OU ENTÃO ELE NÃO MANDA NADA(OLIDES)

Novidades nas pesquisas

por Renato Kern

Duas notícias estão abalado as estruturas da Globo, a venda do Ibope para a WPP, maior conglomerado de mídia do mundo e a entrada dos serviços de medição de audiência da empresa alemã GfK, contratada pelas emissoras concorrentes Rede TV, Band e Rede Record. Dizem os executivos do ramo que a Família Marinho deve seu sucesso a dois fatores, as pesquisas do Ibope e o famigerado BV, Bônus de Volume, pagos as agências de publicidade que a favoreciam com a grana dos clientes. O segundo está na mira das autoridades financeiras.

Cresceu a renda no RS
Salário dos gaúchos registra maior crescimento em 13 anos, diz IBGE. Esta é a manchete da Zero Hora da sexta-feira passada mostra o bem que fez o PT estar governando o Estado. Com Tarso, cresceu a economia gaúcha em todos os setores. Com mais 4 anos com dos trabalhadores teremos a redenção do Rio Grande, depois da aventura com uma tucana no poder.

Ainda pode dar Dilma no 1º turno
O último Datafolha dá 44% dos votos válidos para a atual presidenta e deve se aproveitar com a guerra entre a Marina e o Aécio para tentarem um 2º turno. As baixarias dos tucanos numa campanha todo mundo conhece, e o principal agente político da candidata M também é cria do PSDB. Todas merdas mutuas que irão se lançar deve favorecer o PT.

Roberto Carlos

COMECEI A LER O REU E O REI...GOSTEI...BEM ESCRITO.

Padre Chagas

um leitor manda dizer como tava a padre chagas neste sábado.

>Pouco movimento. Feriado esvaziou a cidade. Foram todos para seus aps na Serra ou para suas casas nos condomínios de Xangrilá.

de São Borja

previsão do capincho pra são borja os mais votados. vamos ver....

De: letier12
Enviada: Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Estadual o Dornelles - PP
Federal Cadó - PDT

Letier Vivian
São Borja/RS

Senado

capincho ' delira'!

De: letier12
Enviada: Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Lasier e Letier rumo ao Senado!!!

Letier Vivian
São Borja/RS

Vieira da Cunha durante caminhada no Parque da Harmonia

mas bah, diz o vieirinha, me dá um quebra costelas no capincho quando fores a são borja....

- não , diz o cara, aquele é traíra tá se bandeando pro outro lado.....

é tem disto tambem,né(olides)

Foto: Jefferson Bernardes

O candidato a governador do Estado pela coligação "O Rio Grande Merece Mais", Vieira da Cunha durante caminhada no Parque da Harmonia.

Vieira da Cunha durante encontro em Viamão

pelo visto o vieirinha muda de candidatura....(olides)

Foto: Jefferson Bernardes

O candidato a governador do Estado pela coligação "O Rio Grande Merece Mais", Vieira da Cunha durante encontro em Viamão.

AGENDA DO CANDIDATO JOSÉ IVO SARTORI PARA SEGUNDA-FEIRA - 22 DE SETEMBRO

a agenda do sartori é pura ' ensebação'...é de quem não tá mais na parada(olides)

PASSO FUNDO

A partir das 9 horas – Acompanha visita do candidato a vice-presidente da República Beto Albuquerque ao município:

9h30 – Entrevista coletiva com Beto Albuquerque, José Ivo Sartori, José Paulo Cairoli e Pedro Simon. Local: Comitê Central – Avenida Brasil, 894.

10 horas – Caminhada com os candidatos da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, desde a Avenida Brasil até a Praça da Matriz.

11 horas – Conversa com militantes e apoiadores da coligação, em frente à Catedral.

12 horas – Reunião-almoço promovido pela Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agronegócio (ACISA). Local: Clube Comercial – Avenida Brasil, 1373.

Movimento na "city" no fim de semana

Não frequento shoppings...tenho horror a consumo. por mim viveria com uma calça e uma camisa só(olides) Mulher quando me convida pra ir a shopping eu saio correndo...sou um intelectual. como dizia jaguar, intelectual não vai a praia, intelectual bebe...

De: trololo45
Enviada: Domingo, 21 de Setembro de 2014

MOVIMENTO NA "CITY" NO FIM DE SEMANA, O CARNAVAL GAUDÉRIO E O "BOLSA BURGUESIA" - Teve outra coisa que reduziu o movimento na "city" neste fim de semana: muita gente ficou no interior, não vindo como de costume nos fins de semana para a Capital, preferindo ficar em suas cidades para participar dos desfiles locais do carnaval gaudério. Além disso, como as lojas dos shoppings em sua maioria fecharam, também muitos não tiveram motivo para vir.

Tu não tem o hábito de frequentar shoppings, mas se frequentasses, te abismarias com a quantidade de carros com placas do interior (até de Serafina) que tem nos estacionamentos. E, olha, nem é só nos fins de semana, é todos os dias mesmo. Mas nos fins de semana tem mais.
Conferi com os rapazes do estacionamento, onde guardo o meu carro, o porque de tanto carro do interior estacionado lá nos fins de semana: muitos são pais que vem visitar os filhos que moram em PoA, ou vice-versa. Como todo mundo está motorizado, graças aos planos de incentivo do Governo para comprar carro (o "Bolsa Burguesia"), o pessoal está rodando à vontade, pois a gasolina continua com preço congelado. (Laurinho)

Belezas de Paris

Nem só de velharias vive Paris. Em anexo, envio três fotos da bela “Passerelle Sinone-de-Beauvoir” que possibilita a ligação sobre o Sena entre a Biblioteca Nacional Francesa, na margem esquerda, com o Parque de Bercy, na margem direita. Não chega a ser uma ponte pois permite apenas a passagem de pedestres e ciclistas. Cabe observar que junto ao Parque de Bercy, funciona a Cinemateca Francesa e, um pouco mais adiante, o Palais Omnisports de Paris-Bercy, uma espécie de Gigantinho ou de Tesourinha, que serve tanto para a espetáculos esportivos quanto para shows os mais variados. Toda esta parte de Paris, dos dois lados do Sena, veio sendo objeto de atenções ao longo dos anos visando sua recuperação. Foi uma região de Paris que, com o passar do tempo, perdeu as funções originais e entrou em deterioração. Apesar de alguns equívocos cometidos nesta tarefa de modernização, o saldo geral restou bem positivo. Tanto que por duas das várias vezes em que estive em Paris nos últimos tempos fiz questão de me hospedar num hotel por ali situado. Além da beleza e modernidade do lugar, ele é bem servido de transportes, o que facilita o acesso para qualquer outra parte da capital francesa. (Laurinho)

causos da politica

Nos anos 80 houve uma disputa pra ver quem concorria ao Senado,como suplente de simon, que havia de se candidatar de novo ao governo do estado. Aí tava uma boa chance de virar senador, na carona do ' turco'

Uns queriam que fosse Ivo Sprandel, de Sarandi, outros Alcides Saldanha, entre eles o senador.

O presidente do Clube dos Repórteres Politicos na ALRS, JOSEPH ZUKAUSKAS, puxou um monte de papeletas, pois houve sorteio.

Deu Saldanha.

Estavam lá Simon, Antenor Ferrai, João Brusa Neto(chamado no partido de ' Rasputin' porque decidia tudo). João Carlos Terlera, o rato da redação da ALRS, foi ver as papeletas que sobraram. No lixo. Todas tinham o nome de Saldanha(olides canton)

Jornal

Vendendo jornal na esquina democratica....

de serafina....

Um leitor me informa que na chegada da cavalgada em serafina, o BICO BRANCO discursou como o BRIZOLA FAZIA, OU SEJA, NÃO TERMINAVA NUNCA.

* MAS O BICO BRANCO GOSTA DE NATIVISMO.

* NO SEU GABINETE TOCA MAIS NATIVISMO QUE MUSICA IN TALIAN....

* E A RODOVIÁRIA, PREFEITO, QUANDO VAI REABRIR????

Ufrgs

nos 17 anos do ju- da urgs.

do Comunique-se

Blogueiro é condenado a pagar R$ 30 mil a diretor da Globo

Por determinação da juíza Martha Elisabeth Falcão Sobreira, da 47ª Vara Cível do Rio de Janeiro, o blogueiro Marco Aurelio Mello deverá pagar R$ 30 mil de indenização por danos morais ao diretor de jornalismo e esportes da TV Globo, Ali Kamel.

Foto: Editora Globo

Kamel ganhou mais uma ação contra blogueiro

O caso se refere ao texto que Mello publicou no início de 2013 intitulado “O Desabafo”. O conteúdo foi divulgado no blog Do Lado de Lá, que atualmente está desativado. No post, ele acusou, infundadamente, Kamel de manipular notícias de forma desonesta, além de assediar moralmente seus subordinados, inclusive grampeando telefones e invadindo e-mails.

Em sua defesa, o blogueiro afirmou que estava exercendo sua liberdade de pensamento e expressão e que as informações que relatou em sua página eram de interesse coletivo. No entanto, a Justiça não aceitou os argumentos de Mello.

Na sentença, a juíza argumentou que as referências feitas ao executivo da Globo “exacerbaram o limite da crítica e debate de opiniões e alcançou a seara da ofensa à honra, contrariando o que deveria ser a principal meta do comunicador, ou seja, o dever de informação e de formação da opinião pública, de forma isenta”. Cabe recurso contra a decisão.

Esta é a segunda vez que Mello é vencido por Kamel. Em outro processo, o blogueiro foi condenado ao pagamento de R$ 15 mil por ofender a honra do profissional da Globo, afirmando que fora ator pornô na juventude. Conforme verificado na época, o nome do protagonista de filmes eróticos era Alex Kamel, não sendo nem sequer homônimo do executivo.

DMAE IMPLANTA REDES DE BAIXO CUSTO EM VILAS POPULARES

A eficiência nas instalações de redes pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) não é suficiente para que os serviços funcionem como o poder público e a população gostariam. Sem a participação das comunidades, principalmente em áreas periféricas da cidade, não há comprometimento das pessoas e, com isso, as obras de ligações de água e de esgotamento dependem cada vez mais do fomento à integração e à mobilização e do trabalho específico de educação sanitária e ambiental.

O tema foi abordado hoje (19) pelo diretor-geral do Dmae, Flávio Ferreira Presser, no “Bom Dia Engenharia” promovido pela Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul, realizado na sede central da entidade, em Porto Alegre. O evento foi coordenado pelo presidente da SERGS, eng. Hilário Pires.

Segundo o palestrante, Porto Alegre tem cerca de 55 mil domicílios em áreas que são chamadas de subnormais, mais conhecidas como vilas, correspondendo a cerca de 200 mil habitantes. Por outro lado, há um novo retrato de renda do Brasil nos últimos 10 anos: a renda dos 25% mais pobres cresceu 45%. E essa população passou a ter acesso ao consumo privado. Mas a parte do serviço público ainda não está ofertada à altura dessa demanda. “É preciso direcionar esforços para atender essas pessoas que estão ligadas de uma forma precária às redes do Dmae”, explica Presser.

A formalização das ligações clandestinas de água, por exemplo, além de diminuir problemas de saúde e de perda de receita pelo órgão, termina com o uso de mangueiras plásticas e expostas sem os cuidados necessários, que dão origem a altos índices de desperdícios.

“Historicamente, a implantação de redes em áreas irregulares não era uma questão bem resolvida, por causa do aparente conflito entre o direito à água segura e o possível incentivo às ocupações que a implantação desse serviço podia trazer. Isso ficou superado pelo Dmae quando decidimos construir redes de baixo custo, com tecnologia inovadora, e pelo fato de atuarmos apenas em áreas com longo histórico de ocupação, portanto já adensadas e em processo de regularização. Esta foi a nossa grande inovação”, destaca o diretor do Departamento.

O projeto “Trabalho Social em Saneamento: uma Experiência Comunitária”, que busca o engajamento e a efetiva participação das populações das vilas no processo, valeu ao Dmae a conquista do Prêmio Ser Humano Oswaldo Cecchia 2014, conferido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) em nível nacional.

20 de setembro

por Marcio de Almeida Bueno

Na passagem do 20 de setembro, reproduzo matéria de minha autoria que fiz em 2010 por solicitação do jornal Folha do Meio Ambiente, editado em Brasília/DF com distribuição nacional. Uma versão digital está em http://www.folhadomeio.com.br/publix/fma/folha/2010/04/cavalga209.html.

Cavalgada do Mar: a farra-do-boi gaúcha


Cavalgada do Mar assemelha-se a tradições culturais moralmente condenáveis, como farra do boi, rodeios e touradas

No início do ano, o litoral do Rio Grande do Sul sediou a 26ª Cavalgada do Mar, reunindo três mil cavalarianos para 240 quilômetros pelas praias. Já nos primeiros dias, a imprensa noticiava a morte de dois cavalos, mas extra-oficialmente corria a informação de que seis a oito cavalos tinham morrido de stress e exaustão. Uma dúzia havia passado mal. Com isso, dezenas de entidades de proteção e grupos pró-libertação animal lançaram a 'Carta Aberta Aos Gaúchos de Bom Senso', que rodou a Internet e chamou a atenção para o caso. O documento pedia o fim da Cavalgada do Mar e denunciava a exploração do cavalo, apesar de ser 'o melhor amigo do gaúcho'.

E ssas cavalgadas fazem parte da indústria cultural pilchada, que se reproduz pela mídia e calendário de eventos celebratórios. É mais um do barroquismo cívico, parte de uma identidade que se alimenta da exibição", comenta o historiador e professor da Universidade de Passo Fundo, Tau Golin. Em seu livro 'Identidades', Golin classifica a tradição gaúcha como uma cultura da violência. "Nesta poética, existem inúmeras músicas que o índice de hombridade é medido pela capacidade de violência contra outros homens e os animais, no 'poder' de sujeitar cavalos", aponta.

Para a bióloga Ellen Augusta Valer de Freitas, "as fezes equinas durante a cavalgada, estimadas em 500 toneladas, causam desequilíbrio ambiental e poluição, pois não são recolhidas prontamente". Ellen explica que o pisoteio dos cascos ferrados de três mil cavalos funciona como milhares de enxadas na areia, esmagando a macro e microfauna, coisa que o pé dos banhistas não provoca. Se nos chocamos com a morte em massa de animais maiores, por que desconsiderar mariscos, siris e tatuíras?

Crítica na mídia

Alguns dos formadores de opinião gaúchos começaram levantar críticas, ao que antes parecia ser unanimidade. O colunista Paulo Sant'Ana, de Zero Hora, em 'A Cavalgada da Gordura', falou dos cavalos gordos e despreparados para uma jornada extenuante, montados por quem também estava acima do peso. Juremir Machado da Silva, no centenário Correio do Povo, publicou 'Tempo de matar cavalos', texto lido ao megafone durante o protesto em 26 de janeiro, na frente da sede do Governo Estadual e Assembléia Legislativa. O ato juntou ativistas e protetores, com ampla cobertura dos meios de comunicação. Para a jornalista Helena Dutra, do grupo Vanguarda Abolicionista, "a Cavalgada do Mar assemelha-se a tradições culturais moralmente condenáveis, como farra-do-boi, rodeios e touradas, com primitivismo, crueldade e indiferença para com o sofrimento. O fato de ainda se perpetuarem no século 21 é um atestado da nossa falência ética".

Comer, beber e dar risada

Vilmar Romera: "se morrerem 15 cavalos, não tenho nada com isso. Esse é um problema do dono do cavalo. É como mulher. Se tu não tratares bem, vais levar guampa".

Em entrevista dada a Zero Hora, o folclorista Paixão Côrtes, nome maior do tradicionalismo gaúcho, dizia não ver razão na Cavalgada do Mar. "Não há pesquisa nem serve para questionar os problemas do RS. É comer, beber e dar risada", decretou. Naqueles dias, o presidente da Fundação Cavalgada do Mar, Vilmar Romera, defendia o evento no mesmo veículo, com declarações desastradas - "se morrerem 15 cavalos, não tenho nada com isso. Esse é um problema do dono do cavalo. É como mulher. Se tu não tratares bem, vais levar guampa". O lema deste ano era 'Mulheres a Cavalo pelo Rio Grande'.

Mais de cem mil pessoas já assinaram o 'Manifesto contra o Tradicionalismo' - gauchismos. blogspot.com, e nas enquetes da mídia, a maioria do público pediu o fim da Cavalgada do Mar. A advogada da ONG Chicote Nunca Mais, Márcia Suarez, presente em dois debates sobre o tema, quer que sejam identificadas os donos dos animais que foram a óbito durante os dias de cavalgada. "Vou utilizar o que dispõe hoje a lei para que em 2011 os animais estejam em melhor condição. Um veterinário para cada 50 eqüinos - e não apenas um para três mil, como é atualmente", diz. O Ministério Público gaúcho abriu inquérito para apurar as denúncias.

A psicóloga Eliane Carmanim Lima, mestre em Sociologia da Violência e Criminalidade, esclarece que "o século XXI está conhecendo a cultura que substituirá esta que cavalga cavalos à exaustão em nome da tradição. Esta que vemos nascer é a que se reúne em praça pública para pedir justiça". Para Eliane, uma mudança está em curso. "Se hoje conseguimos enxergar o crime de maus tratos a animais, arbitrado desde 1934, é porque nosso olhar mudou. Atinge a alimentação, a educação, a economia e mesmo hábitos que muitos pensavam estarem resguardados pela 'tradição'. A mudança segue a galope, cada vez mais célere e indomável. Não poderá ser freada ou domada como têm sido os animais", compara.

Para Luiz Martins da Silva, professor de Ética da Universidade de Brasília, é necessário levar às novas gerações uma compreensão ainda mais elevada acerca do mundo, uma ética da compaixão. "Se o ser humano se considera superior, não deve esperar que os supostos 'brutos' se elevem até si, mas que no enlevo da compreensão possa oferecer uma simetria para com eles, senão as pessoas matarão tudo o que for vivo e que não considerarem que é simétrico a si. Inclusive humanos", pondera.

do Espaço VItal

Justiça do Trabalho do RS divulga as listas dos maiores devedores

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) divulgou, ontem (18), as listas dos maiores devedores da Justiça do Trabalho gaúcha. A fonte dos dados é o banco nacional de devedores trabalhistas (BNDT). No saite do TRT gaúcho (www.trt4.jus.br), estão disponíveis as relações dos principais inadimplentes do Estado e das 65 cidades que possuem unidades da Justiça do Trabalho no RS. O levantamento considera o número de dívidas em nome de pessoas físicas e jurídicas, e não os valores.

Conforme o gestor regional da execução trabalhista no TRT-RS, juiz Ricardo Fioreze, "são considerados devedores aqueles que não pagam ou não garantem o valor da dívida por meio da indicação de bens para penhora ou de depósitos judiciais".

As empresas incluídas no BNDT não têm direito de participar de licitações e de receber financiamentos públicos ou incentivos fiscais. Como o banco de dados é de consulta pública, a pessoa física devedora pode ficar impossibilitada de negociar imóveis ou de obter crédito no mercado.

A relação dos maiores devedores do Estado é liderada pelo Hospital Dr. Lazarotto, de Porto Alegre, que fechou as portas em 1995 e tem 598 dívidas trabalhistas.

1 - HOSPITAL CLINICAS DR LAZZAROTTO LTDA - 598
2 - SANTOS & ALVES - SERVIÇOS TERCEIRIZADOS LTDA - 499
3 - META - COOPERATIVA DE SERVIÇOS LTDA - 467
4 - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL - AELBRA - 428
5 - COOP REGIONAL CASTILHENSE DE CARNES E DERIVADOS LTDA - 407
6 - SOGIMA CALÇADOS LTDA - 299
7 - SOCIEDADE PORTUGUESA DE BENEFICÊNCIA - 297
8 - SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES PANAMBI LTDA - ME - 291
9 - SOCIEDADE MÉDICA LTDA - 278
10 - MUNICÍPIO DE URUGUAIANA - 266

De acordo com o juiz Fioreze, "a Justiça do Trabalho já fez todo o esforço possível para garantir o pagamento das pendências, porém, a penhora de patrimônio da empresa e dos sócios não foi suficiente para cobrir todo o passivo".

A divulgação das listas dos devedores integra os preparativos para a Semana Nacional da Execução Trabalhista, que será realizada de 22 a 26 deste mês. Durante o período, as unidades da Justiça do Trabalho realizarão audiências de processos em execução, na tentativa de conciliar as partes.

Acesse as listas completas dos devedores, no saite do TRT-RS.

Essa é boa

por Renato Kern

Um rico apartamento

Segundo a Folha de S. Paulo, a saída de Patrícia Poeta do Jornal Nacional da TV Globo, pode estar relacionado com a compra de um apartamento feita por ela e seu marido, Amauri Soares, alto funcionário da emissora dos Marinhos. O imóvel, no Rio de Janeiro, teria custado R$ 23 milhões. Quem vendeu o apartamento para o casal foi empresário Georges Sadala, citado nas investigações sobre o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Pô, eles compram imóveis de 23 milhas e a gente vive de aposentadoria.

AS VISÕES DE FERRARA

por Eron Duarte Fagundes

Durante muito tempo, o cineasta norte-americano Abel Ferrara foi visto como um artista escatológico e vulgar à sombra de diretores maiores. Com o passar dos anos, o olhar moral que Ferrara lança sobre seu universo de aberrações se vai aclarando, mesmo que a duras penas. O vício (The addiction; 1995) é uma pérola inserida em sua filmografia; o rigor narrativo e simbólico com que Ferrara edifica esta relação entre vampirismo e urbanismo no mundo de hoje é uma das melhores coisas que Ferrara aduz ao cinema, creio que só comparável aos elementos místicos de Maria (2005), provavelmente sua obra-prima.

Em O vício os aspectos de um cinema subterrâneo, feito sem os artifícios da visibilidade cinematográfica mais exuberante, movimentos de câmara enforcado, montagem mais rústica, um preto-e-branco fosco, alteram a perspectiva que nos anos seguintes Ferrara começaria a expor em seus filmes. É um amadorismo criativo, notável, soltando fogo pelas ventas. Para prazer de quem ama a carne do cinema. No centro da trama, uma trêfega Lili Taylor é uma estudante de filosofia que cruza as salas de aula e as esquinas de rua raciocinando em gente como Sartre e Kirkegaard; Ferrara filma tudo com um inventivo rigor formal em que ele próprio, Ferrara, presta tributo a autores que lê e admira. Quando a personagem de Lili é atraída para as mordidas da criatura de Annabela Sciorra, e o vampirismo se instala por todos os lados, Ferrara refaz Dante, e seu inferno, citando-o textualmente. Um prazer - ou banquete - dantesco é o que Ferrara retrata nas sequências de sarabanda vampírica mais para o final. Ou como se Platão e Pascal espiassem as visões de Dante: eis o que parece Ferrara, aos olhos deste século XXI, cada vez mais marcado pelas ressurreições do mal.

Durante algum tempo, se pensou de Ferrara como algo feito por um individualista-hedonista levemente reacionário, ainda que anticonvencional em seus termos de linguagem. Isto já não faz sentido: ele é cada vez um diretor antes e depois do cinema: começa na literatura e termina na ideia moral. É o legítimo documentarista do inferno. Esperemos pelo dia em que entrevistará o Diabo: se é que já não o fez.

República do Rock - 23/9

Na próxima terça-feira, as bandas Yesomar e Motor City Madness farão os shows do projeto República do Rock, a partir das 20h, no Teatro Renascença. Os dois grupos apostam no repertório autoral, influenciado por diferentes vertentes do rock pesado e do punk. O ingresso é um quilo de alimento não perecível, a ser trocado na bilheteria do teatro a partir das 19h.



1º Seminário sobre Racismo no Futebol

Idealizado pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol e com apoio institucional da Federação Gaúcha de Futebol, o encontro reúne profissionais do meio esportivo e estudiosos para debater a questão da intolerância racial.

Programação:

Início – 14:00 Recepção

14:15 Abertura Oficial

14:30 1º Etapa, Racismo o Futebol: Fato – Causa – Consequência

Painelistas:

Fato: Paulo César Tinga, jogador de futebol com passagem pelo futebol Japonês e Alemão, atualmente no Cruzeiro-MG.

Causa: Edilson Nabarro, Bacharel em Ciências Sociais – UFRGS, fundador do Movimento Negro Unificado.

Consequência: Luiz Fernando Costa, diretor jurídico da Federação Gaúcha de Futebol.

16:00 Coffe Break

16:20 - 2º Etapa

Mesa redonda com a presença do mediador Jones Lopes (repórter de esportes do jornal Zero Hora), painelistas e demais convidados.

Data: 23/09/2014

Local: Auditório da Federação Gaúcha de Futebol. Endereço: Tv. Francisco Leonardo Truda nº 98 – 8ª andar – Centro de Porto Alegre.

da Folha Popular de Teutônia

Sartori percorre Litoral com mobilização simultânea em todo o Estado

foto: Luiz Chaves

Carreatas com mais de 120 veículos, caminhadas e corpo a corpo com eleitores movimentaram a campanha do candidato a governador José Ivo Sartori, nesse domingo (21), em nove municípios do Litoral Norte. Ao mesmo tempo, a mobilização em apoio à coligação O Novo Caminho para o Rio Grande se estendeu a 497 cidades gaúchas. A programação incluiu bandeiraços, adesivaços e chimarreadas.

"Os gaúchos estão prontos para apoiar quem está disposto a enfrentar o desafio das mudanças que o Rio Grande precisa, sem promessas irresponsáveis, mas com a certeza do que deve ser feito e como transformar isso em realidade”, disse Sartori, lembrando sempre que já mostrou, como prefeito de Caxias do Sul, capacidade para promover melhorias reconhecidas em educação, saúde e segurança.

Confiante na chegada ao segundo turno das eleições, Sartori percorreu o Litoral acompanhado do senador Pedro Simon, que concorre à reeleição pela aliança. O roteiro incluiu Torres, Rondinha, Areias Brancas, Arroio do Sal, Capão da Canoa, Santa Terezinha, Imbé,Tramandaí e Osório.

Nesta segunda-feira (22), Sartori acompanha o candidato a vice-presidente da República Beto Albuquerque em agenda em Passo Fundo. A programação começa às 9h30, com entrevista coletiva no Comitê Central (Avenida Brasil, 894). Estarão presentes também o senador Pedro Simon e o candidato a vice-governador José Paulo Cairoli. Depois, haverá caminhada com os candidatos, desde a Avenida Brasil até a Praça da Matriz. Às 11h, em frente à Catedral, eles vão se reunir com militantes e apoiadores. E ao meio-dia, participam de reunião-almoço realizada pela Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agronegócio (Acisa), no Clube Comercial.

Desigualdades regionais emperram desenvolvimento, diz Sartori no Alto Uruguai

Fotos: Luiz Chaves

Em viagem por municípios do Alto Uruguai nesta sexta-feira (19), o candidato a governador José Ivo Sartori reafirmou o compromisso de atuar em parceria com as prefeituras para a execução de projetos de incentivo ao desenvolvimento regional. Mas antes de mais nada, segundo o candidato, será preciso investir pesado na construção e recuperação de estradas, porque a má conservação dificulta o transporte do que é produzido nas regiões e se torna um dos principais entraves ao crescimento econômico.

“A falta de investimentos em infraestrutura e as dificuldades para escoamento da produção, em razão da ausência de manutenção das rodovias, impedem o avanço das vocações econômicas locais”, disse Sartori, que teve a companhia do senador Pedro Simon (candidato à reeleição) em parte do roteiro. Para Sartori, o governo estadual tem que trabalhar para oferecer possibilidades de desenvolvimento a todas as regiões de maneira igualitária. “O abandono de regiões potenciais esgotam qualquer chance de crescimento, como no caso do Norte e da Metade Sul do Estado”, afirmou, acrescentando que, além de estradas mal cuidadas, o Rio Grande do Sul ainda tem muitos municípios sem acesso asfáltico.

Quando perguntado sobre como obter recursos para obras, já que o Estado está endividado e sem dinheiro para bancar todas as despesas, Sartori sustenta que onerar a população com aumento de impostos não será a saída em seu governo. Em vez disso, ele defende que as parcerias público-privadas (PPPs) deixem de ser apenas projeto e se tornem realidade. Outra alternativa proposta por ele é a criação de consórcios regionais entre os municípios. “Temos que buscar meios de potencializar ações e de resolver aquilo que o Estado não tem condições de fazer sozinho. Além disso, é preciso desburocratizar a máquina pública”, destacou. Sartori esteve nesta sexta-feira em Erechim, Getúlio Vargas, Tapejara, Carazinho, Passo Fundo, Nova Prata e Veranópolis.

Vieira acompanha festejos de 20 de setembro na Capital

O candidato PDT ao governo do Estado, Vieira da Cunha, acompanhou os festejos de 20 de setembro em Porto Alegre. Ele assistiu os desfiles temático e tradicional ao lado do prefeito José Fortunati (PDT) e do governador em exercício, o desembargador José Aquino Flôres de Camargo. Depois, almoçou no Acampamento Farroupilha, onde também visitou piquetes.

Com o tema ‘Sou do Sul’, o desfile temático começou pouco depois das 9h30min, com a passagem do Piquete do Orçamento Participativo. Os cavalarianos encerraram a apresentação de rua. Cerca de 150 entidades participaram do desfile, que ocorreu na Avenida Beira Rio.

De lá, Vieira foi para o Parque da Harmonia. Ele almoçou com amigos do Piquete Aliança Gaúcha, que prepararam cortes de cordeiro em um fogo de chão. Uma caminhada pelo acampamento e uma visita ao Piquete Campo a Fora, cujo patrão é o vereador pedetista Delegado Claiton, encerraram a jornada. À tarde, Vieira grava cenas para os próximos programas de televisão. À noite, ele retorna ao Parque da Harmonia, para participar de um casamento. Os noivos Vitor Hugo e Irene prepararam uma cerimônia gaudéria no Piquete Aporreados do 38.

Vieira acolhe sugestões das áreas ambiental e de pesquisa agropecuária

Foto: Jefferson Bernardes

Em duas reuniões distintas, o candidato a governador do PDT, Vieira da Cunha, recebeu nesta sexta-feira sugestões para o plano de governo nas áreas ambiental e de pesquisa agropecuária. Ele também palestrou para alunos de uma escola da Capital e se reuniu com o Sindicato dos Servidores da Polícia Civil (Sinpol-RS).

Pela manhã, Vieira palestrou para alunos de cinco turmas de Ensino Médio do Instituto Educacional São Judas Tadeu, em Porto Alegre. O debate girou em torno do processo eleitoral e da necessidade da reforma política.

À tarde, o candidato recebeu da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) um documento com 20 propostas, entre elas, o pedido por qualificação dos órgãos ambientais do Estado, com a realização de concursos públicos. Vieira, que é sócio da Agapan, acolheu os pleitos e irá incluí-los no Plano de Governo Colaborativo, que foi construído pelos cinco partidos que formam a coligação com sugestões das comunidades regionais e de entidades representativas de classe.

Em outro encontro, Vieira recebeu dos servidores da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) uma cartilha com contribuições para a área de pesquisa. São sugestões para a melhoria da instituição e a valorização do quadro de funcionários. Entre as demandas prioritárias, há o pedido para que a Fepagro volte a ser vinculada à Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico. Assim como as questões ambientais, os pedidos serão incorporados ao plano de governo de Vieira.

No fim da tarde, o candidato visitou o Sindicato dos Servidores da Polícia Civil (Sinpol-RS). Eles conversaram sobre as carências na área da segurança pública, como a histórica falta de efetivo da Polícia Civil no Rio Grande do Sul, cujo déficit é superior a 4 mil policiais, segundo balanço da entidade.

“O ideal é ter concurso todos os anos, para ter uma rotina de reposição e qualificação do efetivo”, afirmou Vieira, que também assumiu compromisso com a nomeação da segunda turma de concursados para inspetor e escrivão de polícia. À noite, em Torres, Vieira participa de jantar organizado pelo candidato a deputado estadual Ciro Simoni e pelo candidato a deputado federal Pompeo de Mattos.

de São Borja

Bezerro nasce com duas cabeças em propriedade rural de São Borja, RS

Animal com anomalia morreu cerca de seis horas após o parto. Veterinário acredita que problema ocorreu durante gestação de gêmeos.

Isabel Malheiros Da RBS TV

Foto: Adilson do Nascimento

Bezerro com duas cabeças morreu após o parto

Um bezerro com duas cabeças nascido em uma propriedade rural de São Borja, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, chamou a atenção de veterinários e pecuaristas no último domingo (14). O animal com a anomalia chegou a sobreviver por algumas horas após o parto, mas não resistiu e morreu no mesmo dia.

O veterinário Adilson do Nascimento conta que foi chamado para fazer o parto na propriedade localidade de São Bento, na área rural do município. Ele conta que tentava realizar o procedimento normal, quando notou que algo estava errado e resolveu optar uma cesariana.

Foto: Adilson do Nascimento

Veterinário diz que caso é considerado raro

“Tentamos duas ou três vezes e não conseguimos. E daí fizemos a cesariana. Cortei o útero da vaca, tirei as mãos do terneiro e não conseguia tirar a cabeça. Quanto consegui tirar a cabeça, percebi que tinha uma coisa trancando. Pensei que fossem dois animais, mas depois vi que as duas cabeças eram do mesmo animal”, relatou o veterinário, que disse nunca ter visto nada parecido nos cinco anos de carreira.
O bezerro morreu depois de seis horas. A vaca sobreviveu ao parto e passa bem. Na segunda-feira (15), Adilson e outro veterinário realizaram uma necropsia no bezerro morto e constaram que além de duas cabeças ele também tinha dois corações, quatro pulmões e outros órgãos duplicados. Por isso, os veterinários acreditam que a gestação era de gêmeos, mas que algo deu errado durante a divisão embrionária. De acordo com outro veterinário,Valmir Homrich, casos como esse são raros. Principalmente pelo bezerro ter nascido vivo e sobrevivido por cerca de seis horas. Ele diz que que os fatores que podem ter contribuído para a anomalia estão o uso de pesticidas nas lavouras, uso de medicamentos, de hormônios e também a idade da avançada vaca, de 10 anos, considerada velha para reprodução.

Letier Vivian
São Borja/RS

de Serafina

Os Canarinhos se destacam no Município de Garibaldi

Os Canarinhos - Projeto Cultural dos Pequenos Cantores do Município de Serafina Corrêa, participaram no sábado, dia 13 de setembro de 2014, cidade de Garibaldi no Encontro de sete Coros; onde Serafina Corrêa recebeu o 2º Lugar na classificação. O Poder Público Municipal, através da Secretaria Municipal de Cultura parabeniza a todos integrantes deste Projeto pela evolução e destaque merecido!

19 de setembro de 2014

RETA FINAL

Chegou aos ouvidos deste repórter veterano de guerra que uma alta autoridade do governo estadual teria numa palestra dias atrás a pessoas ligadas a Saúde meio que jogado a toalha quando as chances do atual governador....

* Como diz o velho ditado, pode ser uma leve pressãozinha porque este pessoal precisa destes contratos emergenciais e junto com o alerta veio a ameaça de que se outros ganharem nãod arão prioridade a saude mental e sim ao agronegocio. vocês entenderam o recado, né????

VALE TUDO

* Espalharam que a Morada São Pedro, que fica do lado do Hospício São Pedro, teria dificuldades caso Ana Amélia ganhe a eleição..

nesta morada ficam ex-internos do hospício.....

Memórias Peruanas

O NIVER DA URSULA

legenda: Pattricia Nunes del arco,Ursula(sua filha) e Carmen Rosa Nunes del Arco, no niver de um ano da Ursula...

Vasculhei na memória e encontrei esta foto que foi guardada durante anos pelo meu pai. Eu havia mandado quando estava morando em Lima, no Peru.

Não recordo o nome da rua, mas era no bairro de Monterico, retirado do centro de Lima....

Ali residi um tempo nos anos que vive naquele país andino.

A generosidade daquela família me acolheu e eu contribuia com o que podia.

Hoje a Ursula deve quase 40 anos e nunca mais tive notícias deste local onde vive. Nem por carta.

Também nunca mais voltei ao Peru. Acho que não faria sentido.

Como dizia GGMarques lá vida es lo que uno recorda.....

coletiva do sartori

' GRINGO ' espera que o batalhão do PMDB entre em campo....

sartori espera que os 165 prefeitos, 146 vices e 2016 vereadores se mexam pra alavancar sua candidatura que tá emperrada nos 12%. com isto ele não vai pro segundo turno.

* disse que não é de ' desconstituir' os adversários, uma alfinetada no PT.

* como disse o colega do estadão, elder ogliari, falou, falou e não disse nada.....

* 37% pra ele, 31% pro tarso e 20% pra meméia foi o que deu uma pesquisa feita em caxias dias atrás.

* sartori não se incomoda com pesquisas, diz .

* continua se queixando de ' que não sou muito conhecido' como dizem.

* e não é mesmo....

* só dois deputados estiveram na coletava, - odone e Brum - mais simon, senador.

* na minha avaliação a candidatura do pmdb tá morta. não decolou(olides)

DE SERAFINA

O COMUNICADOR QUE GOSTAVA DE UMA CARPETA



em Serafina ,ainda lembram as histórias contadas pelo Guerino de Costa, no programa dos italianos no domingo de manhã numa rádio local.

Famoso na região porque era viajante, ia recolhendo anedotas e depois aos domingos as largava na rádio local. Muitas eram recontadas...ele já as havia ouvido e vinham contar de novo pra ele.

Morreu há alguns anos atrás. Ele costumava ficar ali na frente da praça, perto da bodega do Giaretta que frequentava.

Também foi muito assíduo a uma carpeta. Teve uma bodega onde o forte era o jogo de cartas.

Muito do repertório que ainda anda pela cidade vem do ' guerineto' como era chamado na rádio.

Como era filho de agricultores, sempre foi muito modesto. E também nunca teve lá grandes ambições.

Aquela vida era a que ele queria pra si....

Era uns 10 anos mais velho que eu, por isto nunca convivi muito com ele, quando criança.

Depois de adulto a gente se conversava.

Mas a afinidade dele era mais local.Não era digamos nenhum letrado, era homem simples, do povo.

Seu ganha-pão era vender ximias da Miriam....

GRENAL

O VEIO DARCI FILHO ESTÁ NA RÁDIO GRENAL....

COMENTANDO OS JOGOS....

Santana

Paulo Santana não se entrega. vai diariamente a zero hora. na quarta feira o nilson mariano e o carlos wagner ajudaram ele a se levantar da cadeira....

* Velho lutador, foi um dos construtores da RBS.

* Sempre gostei muito dele....por mais polêmico que seja....

* No RS ter sucesso é um perigo....

* Vide a Patricia Poeta....

rodoviária de Guaporé....



a de Serafina tá fechada desde maio, mas a de Guaporé continua aberta, embora dissessem que também ia fechar.

Na foto, estou com dois irmãos em 1986 na rodoviária de Guaporé.

dos leitores

cordilheira

De: letier12
Enviada: Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Legal as fotos da cordilheira

Letier Vivian
São Borja/RS

Causos de Redação

(1) O incêndio da ZH

Por destino, vivi este drama....

Recém tinha entrado no jornal, levado pelo Licinio...

Foi no dia 28 de março de 1973.

Quando chegavamos da rua pra bater as matérias, houve aquela correria todo mundo fugindo pra rua....

Era o fogo que tinha se alastrado.

Muitos dos que viveram este drama estão falecidos.

Telmo Curcio, chefe dos fotografos e Renato Pinto da Silva, editor de Policia, tiveram que ser atendidos no HPS.

O jornal foi rodado no JC e nem lembro como batemos nossas matérias.

no dia seguinte, com orgulho, a ZH veio com a manchete: INCENDIO NÃO PAROU JORNAL e um comunicado na capa....sobre o sinistro.

Causos de redação(2)

O veio Lauro Dieckmann e Nabor Couto, nos anos 70, estavam na redação e viram passar uma editora ' muito gostosa', segundo o Lauro....

O Nabor fez uns comentários, mas ela nem ouviu....

Naqueles anos mulheres eram rarissimas em redações de jornais. Ao contrário de hoje em dia.

Candidatura

provavel candidata a prefeita de poa daqui há dois anos



Manuela Davila(PCdo B)

a vereadora Sofia Cavedon é uma provável postulante a prefeita de poa pelo PT

Luciana Genro, que pelas pesquisas não chega a presidenta, pode também disputar a prefa de POA.

Lançamento

fui no lançamento do livro do nesralla na saraiva. muita gente. fiz fotos que posto outra hora.

Memoria de Campanha

O renato abreu na quarta passada me fez dar um pequeno depoimento sobre quem me chamou pra trabalhar com o simon em 98.

Ele e o xuvisco discutiam. um dizia que tinha sido o outro....

Tirei a dúvida. foi o xuvisco que me chamou pra acompanhar o simon pelo interior. Eu e o carlos alberto silva, que hoje vive em cidreira.

Era uma época meio dificil pra mim, de grana, e sempre pegava todos aqueles comes que deixam nos aviões de campanha. trazia pra casa pra jantar.

a otilia, mulher do renato abreu , ria que se matava. somos amigos até hoje.

O xuvisco me chamou porque eu fiz as férias do Mitchel por JB no verão e vivia ligando pra ele pra dar matérias do senador que descansava em Rainha do Mar, como sempre faz nos verões.

Aí no inverno xuvisco me ligou me convidando pro basquete.deste tempo fiz um pequeno livro chamado simon em campanha....(olides canton)

Sonegação da Globo

De: rekern
Enviada: Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Porra, cara! Olha só em quanto a Globo sonegou do Governo, 615 Milhões de reais.
Dava para construir 10 mil casas populares.
É por isso que eles são ricos e a gente vive de aposentadoria.

Renato Kern

Flanando

Lauro, não era pr a tanto...achei que levarias na gozação. tem um livro do carlinhos d eolivieria, o melhor cronista do brasil, a meu ver cujo titulo é flanando em paris(olides).

flanar: do dicionário passear ociosamente, vagabundear.....

Para: Deolhos...
Data: 18/09/2014 19h05min48s UTC

"Olha, Olides. Hoje em dia, uma coisa q ñ me preocupa absolutamente é essa questão do gênero. Quando surge este aspecto, sempre observo que ao longo da minha vida, namorei, noivei, casei, tive filho, tive amantes (numa época em q estive separado), quer dizer realizei à perfeição o papel esperado para o macho da espécie no nosso mundo ocidental e cristão. Portanto, agora q chego quase aos 70 anos de idade, não me causa espécie o que quer que pensem ou deixem de pensar à meu respeito. Além disso, o peso de ter sido jornalista por um quarto de século e por ter estudado Direito depois de velho, me fazem com que diuturnamente me contraponha a qualquer tipo de preconceito, de raça, de idade, de sexo, seja lá qual for. De outra parte, ser comparado mesmo que obliquamente àqueles dois personagens que mencionaste no teu comentário, pela alta qualidade que um teve e o outro ainda tem como profissionais em suas respectivas áreas de atuação, só pode ser considerado um elogio. Portanto, cara, pensem o que quiserem, pois sempre usarei nas minhas mal traçadas linhas as palavras que mais me aprouverem e as que achar mais adequadas. Tô nem aí." (Laurinho)

Flanando II

"Olides: "flanar em Paris", para mim, entre outras coisas, significa assistir a uma Missa (e comungar) na igreja da foto em anexo e voltar lendo o livro que aparece na outra foto." (Laurinho)

FALHAS ESTRTURAIS DE UMA COMÉDIA À AMERICANA

por Eron Duarte Fagundes

O babá (ca) (The sitter; 2011), filme norte-americano dirigido por David Gordon Green exibido no ciclo de “Clássicos Obscuros” do Clube de Cinema de Porto Alegre, cria situações um tanto quanto artificiosas para expor a natureza divagante e trivial de sua personagem central, um jovem gordo às voltas com a exploração que lhe impinge uma garota e com os dilemas de um bico que ele arranja como babá de algumas crianças.

Tudo nesta comédia de Gordon Green parece forçado demais, sem a espontaneidade de outros filmes americanos do gênero que, bem ou mal, ganham as vistas dos públicos dos quintais. O ritmo da narrativa é de um sonolento sessão da tarde, amorfo e sem inspiração. Na primeira cena, uma garota simula estar sendo deliciada com um sexo oral que sobre ela estaria praticando o protagonista. Inicialmente, a coisa parece ser divertida e provocativa. Espera-se o salto. Mas logo a falsidade da sequência se revela em cada movimento da imagem e dos intérpretes; a paródia naufraga aos poucos. Estas falsificações narrativas vão acompanhar todo o desenvolvimento do filme. Mesmo que aqui e ali O babá (ca) se esforce por algum engenho no entretenimento, o grosso do resultado final é insatisfatório.

Talvez esta rasa comédia faça mais sentido para o espectador americano de classe média do que para o observador brasileiro.

DMAE MOSTRA PROJETO REALIZADO EM VILAS IRREGULARES

O diretor geral do Departamento Municipal de Água e Esgotos – DMAE, Flávio Presser, será o palestrante do café da manhã Bom Dia Engenharia que a Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul – SERGS – realizará nesta sexta-feira (19), às 8h30min, em sua sede central – Trav. Acylino de Carvalho, 33 – 8º andar, em Porto Alegre. Abordará o tema “A Tecnologia Social Voltada para as Áreas Irregulares: a Experiência do DMAE”.

ATENÇÃO IMPRENSA: FAVOR CONFIRMAR PRESENÇA COM A TODT COMUNICAÇÃO – FONES (51) 3228.7270/3228.7261 OU E-MAIL todtcom@terra.com.br.

Em debate, Vieira diz que manterá EGR em seu governo

Foto: Jefferson Bernardes

Um debate promovido pela Associação dos Diários do Interior (ADI), na sede da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), reuniu os sete candidatos ao governo do Estado na noite desta quarta-feira (17). O evento proporcionou que os postulantes ao Piratini respondessem perguntas formuladas por lideranças regionais e também trocassem questionamentos entre si.

Na primeira rodada, Vieira respondeu a uma pergunta sobre as condições das estradas, formulada pelo presidente do Conselho Comunitário das Regiões das Rodovias Pedagiadas Trecho 8 (Corepe), Luciano Naue.

“As nossas rodovias são esburacadas, estreitas, mal sinalizadas e, em alguns casos, deveriam ter sido duplicadas há muito tempo. Para modificar essa situação precisamos, primeiro, recuperar o Daer. A EGR também vai ser mantida no meu governo, e vamos garantir eficiência a esta importante empresa pública, para fazer com que o pedágio pago pela população retorne em serviços, com boa condição das rodovias. Mas a situação é tão grave que precisamos do aporte de recursos da iniciativa privada, através de Parcerias Público-Privadas, com editais precedidos de amplo e transparente processo de debate com as comunidades, que deverão, inclusive, decidir o valor das tarifas. Tenho certeza que se o preço for justo e as estradas estiverem em boas condições, as comunidades não se importarão em pagar pedágio”, disse o candidato.

Na segunda rodada, quando os candidatos escolhiam a quem perguntar, José Ivo Sartori questionou Vieira sobre educação. Na resposta, ele lembrou que, por ser um trabalhista, a educação será a prioridade das prioridades.

“Sei que todos falam isso, mas a gente distingue os políticos quando eles estão nos governos. E nós, quando governamos, deixamos marcas. Leonel Brizola construiu 6.302 escolas quando governou o Rio Grande do Sul. O (Alceu) Collares construiu 94 CIEPs, que são as escolas de tempo integral”, afirmou Vieira.

Ele utilizou a réplica para falar sobre o polêmico tema do piso do magistério, e defendeu a mudança no artigo 4º da Lei, para permitir que o Rio Grande do Sul receba complementação da União para pagar o piso. Vieira é, inclusive, autor de um projeto de lei na Câmara que propõe a alteração deste artigo.

O trabalhista perguntou ao candidato Humberto Carvalho o que ele pensa sobre a atual relação entre o Rio Grande do Sul e o governo federal. Na réplica, citou dados de um recente estudo da Federação das Associações de Municípios do RS (Famurs) que aponta que, em 2013, o Rio Grande do Sul enviou à União R$ 54 bi em impostos. O governo federal, por sua vez, devolveu R$ 12 bi em investimentos para o Estado.

“Isso não pode continuar. A própria dívida sufoca o Rio Grande do Sul, quando leva todos os meses 13% da receita para o pagamento. É essa relação que temos que lutar para modificar”, disse Vieira.

No último bloco, quando as perguntas novamente foram feitas por lideranças regionais, André Jungblut, diretor presidente da Gazeta Grupo de Comunicação, perguntou se a EGR será mantida. Vieira voltou a defender a estruturação do órgão.

O debate foi o segundo que Vieira participou no dia. Pela manhã, ele já havia participado de um evento promovido pelo Colégio Anchieta, em Porto Alegre.

Vieira participa de encontros com representações de classe na Capital

O candidato do PDT ao governo do Estado, Vieira da Cunha, dedicou a quinta-feira para encontros com representações de classe na Capital. Ele também gravou áudios para o programa eleitoral de rádio e atendeu a imprensa.

Pela manhã, Vieira encontrou funcionários da Emater/RS - ASCAR. O trabalhista falou sobre suas propostas para o desenvolvimento do Estado, especialmente do programa “A Força do Campo”, previsto em seu plano de governo, que engloba ações para ampliar e fortalecer a base produtiva de setores da economia, como a agricultura familiar, o agronegócio e as cadeias produtivas de alimentos.

Ao lado do presidente da Associação dos Servidores da ASCAR e Emater/RS (ASAE), Osvaldo Guadagnin, Vieira reafirmou seu compromisso com a empresa e disse que, em seu governo, vai ampliar os investimentos no setor.

“Como deputado, participei da luta pela filantropia da Emater e digo que vocês podem contar comigo e me considerar um amigo. Vou batalhar para que esta empresa continue prestando seus serviços tão relevantes para a agricultura familiar e para o desenvolvimento do nosso Estado”, disse Vieira.

O candidato também falou sobre suas raízes no trabalhismo, por influência direta de Leonel Brizola, e declarou que terá a educação como a prioridade de seu governo, iniciando pelo resgate dos CIEPs, escolas de turno integral concebidas pelo antropólogo Darcy Ribeiro.

À tarde, Vieira participou de uma reunião com o Conselho de Cultura do Estado, no Centro Cultural Érico Veríssimo. O pedetista foi o único dos quatro principais candidatos ao governo do Estado a atender o convite do conselho – os demais enviaram representantes. Ele se comprometeu com o fortalecimento da Secretaria da Cultura e com a destinação de mais recursos para a área.

O candidato também recebeu a Associação Brasileira em Defesa dos Usuários de Sistemas de Saúde (Abrasus), uma entidade civil, sem fins lucrativos, formada por aposentados que utilizam o SUS. De acordo com a presidente da Abrasus, Terezinha Borges, o grupo visitou unidades de saúde da Capital e Região Metropolitana, e elaborou um dossiê com fotos e informações. O documento serviu de base para a elaboração de uma carta com propostas, que foi entregue a Vieira.

“Se o senhor analisar esta carta, verá que a maior parte dos problemas ocorre em função da falta de gestão”, explicou Terezinha.

No fim da tarde, Vieira visitou o Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Sul. Eles pediram apoio para a aprovação de uma medida provisória na Câmara dos Deputados. À noite, Vieira cumpre agenda no Jockey Clube do RS.

19/09/2014 – SEXTA-FEIRA

10:00 - ENCONTRO COM ALUNOS DA ESCOLA SÃO JUDAS TADEU | Na Rua Dom Diogo de Souza, 100, em Porto Alegre.

14:00 - ENCONTRO COM A ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE PROTEÇÃO AO AMBIENTE NATURAL (AGAPAN) | Na Rua General Andrade Neves, 14, sala 801, em Porto Alegre.

15:00 - ENCONTRO COM A ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA PESQUISA AGROPECUÁRIA (ASSEP) |Na Rua General Andrade Neves, 14, sala 801, em Porto Alegre.
16:00 - ENCONTRO COM O SINDICATO DOS SERVIDORES DA POLÍCIA CIVIL (SINPOL-RS) | Na Rua Leopoldo Bier, 454, em Porto Alegre.

O Rio Grande quer propostas, e não embate político, diz Sartori em debate

Foto: Luiz Chaves

A gestão do Estado em parceria com as prefeituras, reequilíbrio das finanças públicas e mais investimentos em educação estiveram entre as principais propostas de José Ivo Sartori durante o debate entre os candidatos a governador promovido nessa quarta-feira (17) pela Associação dos Diários do Interior (ADI). O encontro entre os postulantes ao Palácio Piratini foi realizado no Anfiteatro da Faculdade de Direito da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), com mediação do jornalista Leonardo Siqueira. Seguindo a conduta que vem adotando desde o início da campanha, Sartori preferiu não atacar ou fazer críticas aos demais candidatos. Segundo ele, “o que o Rio Grande quer, neste momento, é ouvir proposições, não embate político”.

Para melhorar a educação, o candidato defendeu que não basta aumentar o salário de professores, embora esta seja uma questão que ele planeja resolver com diálogo e entendimento com a categoria, para sanar o conflito histórico entre governo e magistério. “Políticas de qualificação permanente dos professores e de revisão curricular são igualmente fundamentais para que se tenha um ensino público de qualidade. Temos que avançar também na oferta de escolas de turno integral, a exemplo do que já fizeram os países desenvolvidos e como foi preconizado, aqui, pelo trabalhismo e seus herdeiros”, disse Sartori.

Ele propõe como meta, para o próximo governo, a oferta de pelo menos duas escolas de tempo integral por Coordenadoria Regional de Educação. Também fazem parte de seu plano de governo a adoção de estratégias pedagógicas para corrigir as deficiências identificadas no ensino (inclusive aproveitando experiências nacionais e internacionais bem-sucedidas) e o esforço para dotar as escolas de mais equipamentos que favoreçam a aprendizagem, como laboratórios, bibliotecas e salas digitais.

Com relação à parceria com as prefeituras, Sartori reafirmou que pretende fazer uma administração estadual que esteja de fato ao lado dos municípios, participando da elaboração de projetos que estimulem o desenvolvimento das regiões, aproveitando a vocação e o potencial de cada uma para a produção econômica. Além disso, reiterou que estará junto dos prefeitos para cobrar do governo federal uma repartição mais justa dos recursos que arrecada com o Estado e os municípios. “A União concentra a maior parte do bolo, e os municípios, principalmente, saem penalizados, tendo que arcar com despesas para as quais não têm capacidade financeira – entre elas, a saúde e a educação”, ressalta.

Sartori disse que já é sabido que o Rio Grande do Sul não pode mais conviver com uma dívida com o governo federal que retira 13% da Receita Corrente Líquida do Estado. “Os encargos dessa dívida têm que diminuir, e a renegociação, da forma como está para ser feita agora, não resolverá o problema”, sustenta. “Chegaremos ao final dos últimos quatro anos de governo com uma despesa total na faixa dos R$ 5,2 bilhões acima dos recursos disponíveis. Por isso não sobra dinheiro para investir em setores prioritários. O primeiro ato a ser feito por um governante, ao assumir, é um diagnóstico da realidade financeira de todas as organizações que compõem a estrutura administrativa, para então estabelecer prioridades.”

de Serafina

Meu falecido pai gostava disto. ele ficava na sacada olhando os cavalos quando passavam na semana farroupilha....(olides)

22º Cavalgada da Amizade

No dia 13 de setembro, o município de Serafina Corrêa recebeu os 35 cavalarianos da 22º Cavalgada da Amizade, que iniciou em Passo Fundo com destino à Guaporé. Os cavalarianos foram recepcionados no trevo de acesso à Montauri na ERS 129, onde foram dadas as boas vindas à todos. Na oportunidade, houve a benção para todos os cavalarianos e demais presentes, além de uma homenagem póstuma para o Sr. Vitor Valar, integrante da Cavalgada da Amizade desde as suas primeiras edições. Após esta recepção, os cavalarianos seguiram para o Acampamento Farroupilha, ao lado do Ginásio Municipal Irceu Antônio Gasparin, onde o Coordenador da Cavalgada Sr.Jair Euclesio Ely ,recebeu a permissão para pernoitarem e das mãos do Prefeito Municipal Ademir Antonio Presotto, recebeu também, a chave do município de Serafina Corrêa. À noite, houve um jantar na sede do CTG Galpão da Saudade, onde os cavalarianos receberam do Prefeito Municipal os certificados de Hóspedes Oficiais do município. No domingo, 14 de setembro, ocorreu a abertura oficial da semana farroupilha 2014, após a abertura, houve a apresentação das invernadas artísticas do CTG Galpão da Saudade, e após show com grupo Rodeio onde o público estimado pelos organizadores, foram em torno de duas mil pessoas, fazendo da abertura oficial da semana farroupilha 2014, um sucesso.

AULAS DE DANÇA PARA A 3ª IDADE

As aulas de dança para a 3ª idade são um verdadeiro sucesso. Elas acontecem todas as terças feiras às 16h, no salão do CRAS, com duração de 1h, sob a orientação do Professor de Educação Física Sandro Ghisleni. Além de prazerosa, a dança na terceira idade pode trazer ainda mais benefícios à saúde do que os exercícios físicos tradicionais. Pelo caráter lúdico, idosos aderem melhor à prática do que aos exercícios tradicionais. A dança utiliza muitos movimentos corporais, grupos musculares diferentes, fazendo com que ocorra uma melhora do equilíbrio, da socialização e do caráter lúdico, que ajuda também a prevenir a depressão. Você idoso, não fique fora desta maravilhosa atividade!! Informações na Assistência Social de Serafina Corrêa - 3444 3814

18 de setembro de 2014

EU A A CORDILHEIRA

sempre fui fissurado na cordilheira dos andes....

passei por ela algumas vezes em viagens de carro(uma unica x ) de caminhão, e de onibus. de avião por cima também.

vendo a oeste do fim do mundo me lembrei muito destas ' indiadas'....

resgatei algumas fotos que sobraram das aventuras.

Eu e a Cordilheira



Aqui estou na Travessia da Argentina e do Chile, em Santo Antonio de los Cobres.

No caminho de Antofagasta- Chile - paramos ali para dormir. Dormimos num boteco brabo e jantamos também numa espelunca. O motorista da comitiva se sentiu mal, pela falta de oxigênio.O chamado ' mal de puma'...

Esta foto mostra a pequena cidade aos fundos. Assistimos a cerimônia do arriamento da bandeira e o tenente avisava aos soldadinhos que perfilados ouviam:

- Saquem-se de la cabeça que vão a tener huelga em la Pascua( tirem da cabeça que vão ter folga na Páscoa). Era a véspera da Páscoa....havia outro daqueles mexes da Argentina. O presidente era Carlos Menem, o cantor de tango de suiça....

Na travessia, no dia seguinte, houve humor negro dos passageiros daquela camionete.

- Estes são os ossos dos últimos caras que tentaram a travessia, diziam alguns passageiros da camionete do DAER que levava a comitiva pra Antofagasta( Olides canton)

Eu e a Cordilheira



Mais uma foto de San Antônio de los Cobres, na Argentina...quase 4 mil metros de altura....

Eu e a Cordilheira



Aqui estou na volta que fomos a Antofagasta.era o sábado de Aleluia e antes passamos por um local onde havia um cara enforcado. O cara tinha se pendurado...uma cena macabra pra dizer o mínimo...

Pra liberar os tramites, demorou um tempo porque a divisa do Chile com a Argentina, em Puente de Inca tem muita burocracia.... Como tinha um lindo sol sentei junto a aduana esperando a liberação da camionete em que viajava a ' expedição Marcopolo' como José Barrionuevo a chamou no Correio do Povo.

Eu e a Cordilheira



Mais uma cena da Cordilheira dos Andes na viagem que fizemos em abril de 1988 pra Antofagasta....

Acho que esta é a parte chilena da Cordilheira.

FURACÃO SARTORI NÃO ACONTECEU....

se oPMDB esperava repetir 2002 quando Rigotto largou atrás e se elegeu, desta feita nada disto aconteceu....

A coletiva do candidato de hoje mostrou que o cheiro do poder está longe dele. Não havia cheiro de poder em volta,tanto que sobrou espaço na sala da coletiva...

é assim....

PA DE CAL NO LASIER

Pô esta noticia do lasier sendo da ARENA JOVEM que o bigode levou pra rádio guaíba e que os ' guerrilherios do pT' como o rekern estão espalhando pela rede é a pa de cal no lasier. o bigode deu pra matar o cara....

não será com a memeia que vão vincular a arena, embora ela nunca tenha sido do partido, ela foi casada com um senador bionico da arena, que é outra coisa.

aliás o pdt tem uma queda pela arena.em 1986 fez aliança com o PDS, o partido que os havia mandado pro exilio em 64. que estranho isto. será alguma sindrome??????(Olides)

Olha ai ...

Causos de redação

' PILLA NÃO VOU CONTIGO PRO MOTEL NÃO ADIANTA INSISTIR..."

Esta é outra das tantas que corriam na redação da ZH,quando lá militava. Contaram-se com grandes detalhes que numa sexta de noite, quando ainda não havia computadores - isto antes de 88 quando foram implantados -havia uma corrida dos editores pra baixar suas páginas...Também na sexta eram feitos praticamente 3 jornais: do sábado, do domingo e parte de segunda, que também ia sendo feito durante o fim de semana.

A disputa pelos diagramadores era uma luta feroz. A Núbia Silveira na Geral berrava pro Fraguinha ou um outro ir baixando as laudas....

Pilla Vares editor de Opinião e de Cadernos saiu do seu ' bunker' e ia em direção ao Segundo Caderno pra editar suas páginas pois a diagramadora trabalhava lá....Como o Pilla ficou torrando o saco da colega - queria prioridade - a diagramadora o entregou de forma escandalosa. Subiu numa mesa- naqueles anos ainda se fazia isto, raramente mas se fazia - e começou a discursar:

- Pilla não adianta insistir não vou ao motel contigo!!!

O Pilla, contou-me uma editora que assistiu a cena e que baixava suas páginas, abaixou-se e saiu se esgueirando entre as mesas da redação pra não ser visto.(olides canton)

Atropelados pela vaca....

cucut(juarez tosi)de serafina, foi com o joca, (joao carlos rangel) fazer uma pauta no rio gravataí...

quem deu a dica foi o ecologista militante o muller....

foram num aerobarco...

subiram o gravatai por um canal estreito.

- olha a vaca, olha a vaca, alertaram eles pro condutor do aerobarco.

uma tinha saído do rio, mas outra ficou atolada e o barco bateu no bicho.

- sai vaca, sai vaca, gritava o guia do aerobarco.

cucut caiu dentro do rio.
quando chegaram de noite, da ' aventura' todos molhados na redação, foi um deus nos acuda.

o ' sacana' do rekern fez uma charge dos dois e a colocou no mural que tinha na entrada, que era pura gozação e recados.

a charge ficou lá um tempo, depois se perdeu.(OC)

jurupinga

rogerio lembrei ontem do fotografo gerson abramson, de rio grande, que trazia jurupinga pros chefetes da caldas jr. só pra eles. quem ganhava muito era o benito giusti.

uma vez fui fazer uma matéria com ele em alto mar e o homem tremia,tremia. olides canton

Vieira da Cunha durante debate no colégio Anchieta

Foto: Jefferson Bernardes

Vieirinha diz pra gurizada do anchieta que o ' capincho' não está empenhado em sua campanha em são borja...

- não posso fazer nada, lamenta o candidato!!!!!(olides)

De SB

capincho protesta que pegaram o pé do lasier. tá lá no correio ele foi da 'gloriosa' arena(olides)

De: letier12
Enviada: Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Só palhaçadinha com meus candidatos...

Letier Vivian
São Borja/RS

Circulação jornais rs IVC

De: rekern
Enviada: Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Em um ano a ZH caiu 7,28% na circulação, o DG 11,41% e o Correinho 10,61%.
Olha os gráficos anexados. E a queda só aumenta em 2014, A coisa tá feia.

Morte lenta

Foto: Geraldo Ribas

Propostas dos candidatos ao Governo do RS para área da cultura estarão em debate no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo

Evento promovido pelo Conselho Estadual de Cultura ocorre nesta quinta-fera (18), entre 14 e 17 horas

O Conselho Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul (CEC/RS) promove nesta quinta-feira, 18, um encontro entre os candidatos ao Governo do Estado, representantes dos segmentos culturais e público em geral. O evento, que ocorre entre 14h e 17h no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV), localizado na Rua dos Andradas, 1223, Centro Histórico de Porto Alegre, tem o objetivo de proporcionar um diálogo com os postulantes ao principal cargo do executivo gaúcho sobre as diversas plataformas em relação às políticas culturais para o Rio Grande do Sul.

A atividade integra a sessão ordinária do Conselho e, conforme a organização, as perguntas apresentadas foram elaboradas e encaminhadas com antecedência ao CECRS pelos diferentes segmentos artísticos que compõem o Conselho, sendo garantido a todos os presentes o mesmo tempo de resposta para cada questionamento.

Na última parte do encontro, haverá um tempo igual para que cada representante faça considerações finais sobre seu projeto para a cultura do Estado. O público que estiver presente também terá a oportunidade de encaminhar perguntas por escrito, sendo algumas escolhidas conforme disponibilidade de tempo para serem respondidas durante a sessão.

Todas as perguntas apresentadas pelos segmentos de cultura e pelo público presente que não forem contempladas no decorrer da sessão serão entregues aos candidatos, através de suas coordenações de campanha. Todas as perguntas e respostas serão publicadas no site do Conselho Estadual de Cultura, para conhecimento público.

Serviço:

O quê: Sessão Ordinária do Conselho Estadual de Cultura do RS, com a presença dos candidatos ao Governo do RS.

Quando: Quinta-feira, dia 18 de setembro de 2014

Horário: das 14h às 17h

Local: Auditório Barbosa Lessa, 4º andar do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo

Endereço: Rua dos Andradas, 1223 – Centro Histórico de Porto Alegre/RS

Programação do Clube de Cinema para o próximo final de semana

No próximo Sábado (dia 20/09/2014) as 10h15min no Cine Bancários assistiremos ao filme "De Menor" (2013). A jovem advogada Helena (Rita Batata) é defensora pública de menores infratores e vive com Caio (Giovanni Gallo), seu irmão caçula. Órfãos, os dois têm um relacionamento de muita cumplicidade, até o dia em que o rapaz comete um delito e torna-se réu na Vara da Infância e Juventude de Santos, local de trabalho de Helena.

No próximo Domingo (dia 21/09/2014) as 10h15min na Sala Norberto Lubisco assistiremos ao filme "Amorosa Soledad" (2008). Soledad (Inés Efron) é uma jovem que terminou há pouco tempo com Nicolás (Nicolás Pauls), seu namorado. Morando sozinha e trabalhando em uma loja de decoração, ela resolve que ficará uns três anos sem qualquer tipo de relacionamento. Até que, um dia, conhece por acaso Nicolás (Fabián Vena), que se interessa por ela. É o 2º filme em que Ricardo Darín e Inés Efron atuam juntos. O anterior foi XXY (2007). Exibido na mostra Première Latina, no Festival do Rio 2008. Apenas estreou no circuito comercial brasileiro em 2013, cinco anos após a exibição do filme no Festival do Rio. Neste período o longa já havia sido exibido no canal de TV por assinatura HBO.

UM DRAMA FAMILIAR COMO NOS VELHOS TEMPOS

por Eron Duarte Fagundes

A música corta a imagem por dentro. Imagens abertas da natureza (descampados rurais do interior inglês) são coladas a faixas musicais impositivas e ritualísticas; estas imagens-música são interstícios estéticos entre as sequências que vão acompanhando, dia por dia, o drama duma família em que o pai cumpre pena numa prisão enquanto a mãe se desdobra com quatro filhos. Este é o achado essencial de Todos os dias (Everyday; 2012), dirigido pelo realizador britânico Michael Winterbottom: uma imagem quase abstrata do campo se abre para a música para atingir o próprio nervo narrativo do filme. De uma certa maneira, Winterbottom remete a um certo cinema europeu dos anos 60 aos 80, em que as câmaras dos grandes diretores se voltavam para a família visando a iluminar aspectos das reflexões sociais que palpitavam naquela época. No entanto, Winterbottom não é um artista anacrônico: é um homem de cinema capaz de atualizar os signos narrativos e fílmicos com uma força de imagem incomum nos dias de hoje.

As dificuldades do relacionamento de um casal nestas condições (ele na cela, ela cá do lado de fora com uma família por manter, econômica e afetivamente) são expostas com um rigor realista pelo cineasta. A maneira como estas dificuldades conjugais afetam as crianças transparece exemplarmente. A intromissão do bom amigo da família, com quem ela tem um velado caso nunca materializado diretamente na imagem, contrasta com suas visitas amorosas ao marido na cadeia e com os não menos amorosos encontros que o casal tem quando o prisioneiro tem suas folgas para vir para casa. Depois, quando ela confessa a traição, mas esforça-se pelo amor conjugal e suas declarações desesperadas, exasperadas e insistentes, um vagar melancólico não impede o caminho exitoso do final rumo do mar e da felicidade, a família toda reunida, caminhando pela praia.

A autenticidade das interpretações das crianças é outro dado que evoca um cinema antigo mas sempre presente, aquele de excelentes diretores de infantes, como o francês François Truffaut e o espanhol Carlos Saura. Para facilitar seu trabalho de dirigir os mirins, Winterbottom usou quatro irmãos para interpretar os filhos do casal. Boa parte da veracidade das situações e dos diálogos vem daí.

A natureza provocativa e crua do cinema de Winterbottom, conhecida em filmes como Código 46 (2003) e 9 canções (2004), é agora refinada por uma encenação que, se ainda é naturalista, tem certas doses de um realismo poético, transcendente. Não no sentido francês, à Jean Cocteau, mas muito mais próximo das relações entre imagens do neorrealismo italiano (Roberto Rossellini ou Ermano Olmi). Certos músicas religiosas e místicas entoadas na escola (ou na igreja) pelas crianças encaminham as coisas por aí.

Novos investimentos serão prioridade, afirma Sartori na Federasul

Foto: Luiz Chaves

Garantir maior estabilidade econômica e segurança jurídica para novos investimentos no Estado estão entre as prioridades de José Ivo Sartori, que concorre a governador pela coligação O Novo Caminho para o Rio Grande. Foi com esta afirmação que o candidato conduziu a palestra feita para empresários, nesta quarta-feira (17), no encontro Tá na Mesa, realizado pela Federasul.

"Qualquer economista sabe que a dívida do Rio Grande do Sul está se tornando impagável. Cabe ao governo fazer o equilíbrio entre a receita e as despesas”, disse Sartori ao se referir à necessidade de o Estado renegociar o pagamento da dívida com o governo federal (que hoje consome 13% da receita corrente líquida) e de adequar os gastos a sua capacidade financeira.

Ao ser perguntado a respeito de sua avaliação do atual governo, o candidato resumiu: “O endividamento contínuo do Rio Grande do Sul não corresponde ao que era dito na eleição passada sobre o alinhamento que o Estado teria com Brasília se elegesse um governante do mesmo partido. Já tivemos mostras de que isso não aconteceu”.

Sartori ressalvou, no entanto, que desde o início optou por não direcionar sua campanha a ataques aos demais candidatos: “Não quero me valer do afrontamento individual, porque isso não ajuda o ambiente político e prejudica o debate sobre projetos. Desconstruir os outros não faz parte do ideário da nossa coligação. O que o Rio Grande quer é ouvir propostas”.

Questionado também sobre seu desempenho nas pesquisas eleitorais, Sartori respondeu que não mede as possibilidades de ser vitorioso pelos resultados divulgados, embora respeite o trabalho dos institutos que fazem os levantamentos. “Se me deixasse influenciar por pesquisas, não teria sido duas vezes prefeito de Caxias do Sul. Vamos continuar com nossa trajetória como alternativa de mudança para levar o Rio Grande do Sul a uma condição melhor”, salientou. Segundo Sartori, durante os 18 dias que faltam para o primeiro turno das eleições, 292 candidatos a deputados federais e estaduais, 165 prefeitos, 146 vice-prefeitos e 2.036 vereadores estarão reforçando a mobilização de apoio a ele em todo o Estado.

AGENDA DO CANDIDATO JOSÉ IVO SARTORI PARA QUINTA-FEIRA – 18 DE SETEMBRO

PORTO ALEGRE

11h30 – Entrevista para o Jornal do Almoço, na RBS TV.

14 horas – Entrevistas para emissoras de rádio.

ERECHIM

A partir das 17 horas – Caminhada com candidatos da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande (no Centro, a partir da prefeitura), ato político na Avenida Sete de Setembro, 1272 e visita ao Acampamento Farroupilha.

Vieira participa de debate na escola em que estudou, em Porto Alegre

Candidato do PDT ao governo do Estado, Vieira da Cunha (PDT) participou na manhã desta quarta-feira (17) do debate promovido pelo Colégio Anchieta, na Capital. Ele foi o único dos quatro principais postulantes ao Piratini a comparecer no compromisso. Ex-aluno do Anchieta, Vieira abriu sua participação lembrando que foi como presidente do Grêmio Estudantil da instituição, entre os anos de 1975 e 1976, que ele iniciou sua trajetória política.

A primeira rodada de participações foi com temas sorteados, e coube a Vieira falar sobre comunicação. O candidato defendeu o fim do monopólio e a democratização dos meios de comunicação. Na segunda rodada, perguntas elaboradas pelos alunos foram respondidas pelos candidatos. Para Vieira, o questionamento foi sobre infraestrutura.

“Vocês que viajam pelo interior para visitar familiares sabem que a situação das nossas estradas é de total descalabro. Então, temos que reestruturar o DAER, dotar a EGR da estrutura necessária para bem executar a manutenção das estradas que estão sob sua responsabilidade, e criar Parcerias Público-Privadas para ampliar os investimentos em infraestrutura, em um processo transparente. Tenho certeza que a população não se nega a pagar pedágio se a tarifa for justa e as estradas estiverem bem conservadas”, disse o trabalhista.

Na terceira rodada, também com perguntas elaboradas pelos estudantes, a pergunta foi sobre a dívida pública.

“Nós destinamos, todos os meses, 13% dos nossos impostos para pagar a dívida com a União. Para que vocês entendam a bola de neve que isto se tornou, em 1998 assinamos um contrato para pagar R$ 7 bilhões, já pagamos R$ 17 bilhões e ainda devemos R$ 50 bi. Na Câmara, nós deputados já aprovamos o projeto de renegociação da dívida, mas ele está empacado no Senado, a pedido do ministro da Fazenda. Eu tenho clareza do que precisa ser feito: entrar na Justiça, caso o governo central continue insensível aos nossos argumentos”, afirmou Vieira.

Nas considerações finais, o trabalhista lembrou seu compromisso com os ideais de Brizola, e disse que pretende “ser o governador da educação”. Vieira também parabenizou professores e estudantes do Anchieta pela organização do evento. Após a atividade, o candidato do PDT conversou durante mais de 20 minutos em separado com alguns grupos de alunos. Eles falaram sobre política internacional e também de temas polêmicos da atualidade, como a criminalização da homofobia e a legalização da maconha.

Durante a tarde, Vieira gravou o programa de TV em homenagem ao Dia do Gaúcho, que deve ir ao ar na próxima sexta-feira (19). No início da noite, o candidato viajou para Santa Cruz do Sul, onde participará de debate entre os candidatos ao governo do Estado promovido pela Associação dos Diários do Interior (ADI).

>> Confira a agenda de Vieira para quinta-feira (18):

09:00 - ENCONTRO COM A EMATER | Na Rua Botafogo, 1051, em Porto Alegre.

10:00 - GRAVAÇÃO DO PROGRAMA DE RÁDIO | Em Porto Alegre.

12:00 - ALMOÇO CONFRARIA - EDUARDO BINS ELY | Na Agência Martins Andrade. Rua Correa Lima, 1908, em Porto Alegre.

14:00 - ENCONTRO DOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO COM O CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA | No auditório do CCCEV, em Porto Alegre.

16:00 - ENCONTRO COM A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA EM DEFESA DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE SAÚDE (ABRASUS) | Na Rua General Andrade Neves, 14, sala 801, em Porto Alegre.

17:00 - REUNIÃO COM O SINDICATO DOS POLICIAIS FEDERAIS DO RS | Na Avenida Ipiranga, 1555, 7º andar, em Porto Alegre.

Exposição sobre a vida de Gildo de Freitas

Painéis mostram o trabalho do trovador gaúcho no Acampamento Farroupilha

A exposição “Trova, gauchismo e valentia: Me chamam de Gildo de Freitas” será aberta nesta quinta-feira, 18/09, às 19h, no piquete Tapera Velha, no Acampamento Farroupilha, no Parque da Harmonia, em Porto Alegre. A mostra, organizada pelo Comitê de Transversalidade SEDUC/SEDAC – Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (FIGTF), pretende fazer uma homenagem ao músico gaúcho Leogevildo José de Freitas, mais conhecido como Gildo de Freitas.

Através de painéis são apresentadas as obras e a vida do artista, com destaque a sua participação política, parcerias e o seu jeito de viver e ver o mundo. Gildo de Freitas nasceu em 1919, no bairro Passo D’areia, em Porto Alegre e, desde cedo, tornou-se um músico popular e grande trovador. De acordo com o curador da exposição, historiador Giovanni Mesquita, mesmo após seu falecimento, ocorrido em dezembro de 1982, o trovador conserva uma legião de fãs e admiradores de seu trabalho.

de Serafina

Semana Farroupilha na Escola Municipal Agrícola

Anualmente a Semana Farroupilha traz um intenso calendário de atividades com o objetivo de valorizar e incentivar a cultura gaúcha em nosso município e Estado. Dessa forma, nesse período a Escola Municipal Agrícola também proporciona aos seus alunos e comunidade escolar uma semana repleta de programações artísticas e culturais com a intenção de conscientizar os educandos sobre a importância de manter viva a cultura gaúcha, procurando despertar nos mesmos o interesse e o gosto pela tradição gaúcha.
Dentre a programação especial da Escola Municipal Agrícola pode-se destacar a sessão cinema, oficina de doces campeiros, visita dos integrantes do CTG Galpão da Saudade, almoço típico campeiro, roda de chimarrão e passeio ao acampamento Farroupilha para prestigiar a Escola do Chimarrão.

“Um povo que tanto lutou por liberdade,
não pode deixar preso o orgulho de ser GAÚCHO”.

Atividades Culturais com as Escolas

A Semana Farroupilha iniciou as atividades culturais com as Escolas, nesta segunda - feira, 15 de setembro. As atividades acontecem no Ginásio Municipal Irceu Antônio Gasparin, onde é apresentada uma encenação sobre a formação do estado do Rio Grande do Sul, em que personagens importantes, como Bento Gonçalves, surgem entre a plateia para contar um pouco sobre acontecimentos marcantes da nossa história. Após a apresentação os alunos participam das brincadeiras folclóricas, onde estas são divididas nas seguintes ilhas: amarelinha, peteca, pé de lata, pula elástico, tiro ao alvo, jogo da ferradura e cinco marias. Foram preparadas e montadas duas amostras, para explicar melhor a formação e os símbolos de nosso estado, bem como a história da imigração italiana e de nosso município. Estas atividades com as escolas, além do passeio à cavalo e laço de vaca parada, que acontecem junto ao Acampamento Farroupilha, acontecem de 15 à 18 de setembro. As atividades culturais são uma organização da Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria Municipal de Educação, Departamentos Culturais dos CTGs Galpão da Saudade e Sinuelo da Serra e Piquete de Laçadores Espora de Prata.

17 de setembro de 2014

memórias peruanas

O NATAL DE MONTERICO

Morei uns tempos no bairro de Monterico, em Lima, no Peru, nos anos 70....

Era um bairro meio chique, meio pra fora, pra quem ia pro sul....pegando a ruta panamericana....

lugar de muita casa, meio longe do centro de lima....

como sempre meio sem eira nem beira, fiquei amigo de uma família que meio que me acolheu, durante um tempo...

Fazia biscates numa padaria de um italiano, bêbado, o nome dele era Pierre, pelo menos chamavam assim....

ele não era tão ruim, quanto parecia, mas quando tava bêbado, de tarde, era muito xaropão....

Lembro que à tarde ia sempre lá um chefão da PIP - uma polícia peruana - e os dois ficavam trageando o tempo todo.bebiam uísque...

Morara em Monterico era um termo pra dizer que estava ' homiziado' naquele bairro. Porque eram os amigos que me acolhiam.

Como estrangeiro, não tinha grana, muito pouca.

Mas fazia biscates. Num natal,lembro que esta família onde morei, não tinha praticamente nada pra comer....

Não é que fossem pobres, estavam passando pela circunstância....

Levei pra casa da padaria do italiano, onde trabalhava, um monte de comida....e fizemos uma ceia de natal meio que improvisada....

São memórias peruanas...apenas um registro. Foi neste bairro que vi e ouvi muito falar em toque de queda. As tiendas, ou seja vendas, fechavam com medo de saques.

Não foi um período fácil pros peruanos este dos milicos de esquerda que tomaram o poder. Estes dias vi num sebo até um livro sobre isto mas não tive saco de comprar pra ler.quero esquecer este tempo....

Era muito bonito pra quem via de longe...quem estava lá não era tão glamoroso quanto parece....(olides canton)

Correio do Povo

capincho te vira ai teu candidato foi da 'gloriosa ' ARENA(OLIDES) ,ALIÁS QUE MAL TEM NISTO???

Causos da redaçao

Esta a velharia como o rekern, o laurinho e outros vaõ se esbaldar...gostam disto pra caramba....quem não gosta de falar mal da vida alheia???/

pois vamos aos fatos: contam que o editor luiz pilla vares teve um ' affair' com uma colega, também editora vinda do interior do estado e casada com outro colega também da zero...

até aí nada demais.são todos adultos e sabem o que fazem de sua vida...

mas eis que o pilla os viu num domingo - marido e mulher - andando na redençao de maõs dados...aí o ciúme o possuiu....

na segunda, ao chegar na redação, dizem, foi logo inquirindo a ' namorada':

- de mãos dadas não, não isto é AMOR....

( me contaram que o pilla teria espalhado com xerox uma carta que teria recebido da ' então namorada") pelo dito pelo não dito, tudo são causos de redação.(OC)

causos de redação (1)

'SACANEANDO O WAGNER'

Esta fui eu que aprontei. o Carlos Wagner andava de ' história' com uma colega, aliás muito querida e competente....

( são adultos,sabem o que fazem de suas vidas....)

Uma sexta de tarde, os dois ' pombinhos' após fazerem suas matérias, saíam lépidos e faceiros da redação. Eu nem me toquei com o clima de romance,entre ambos, desligado como sou.

- Wagner, berrei, ao atender o telefone( naquela redação o fone tocava e ninguém dava bola...) é tua mulher e é pra ti ir ao super....

O ' gago' passou por mim pra atender e puto da vida me disse gaguejando:

GRINGO FILHO DA PUTA, ESTA TU ME PAGA....(oc)

causos da redação(2)

' NÃO TE METE QUE DÁ CPI"!!!!

Uma colega do segundo caderno tinha uma grande história com um político pra lá de famoso....que também fora jornalista....

Nas sextas, quando ele vinha de Brasília, ela chegava na redação tri chique, elegantérrima.

Todos os colegas que a admiravam, em amplos sentidos, como era meu caso - ainda a admiro e me considero seu amigo - ficava olhando pra ela, com inveja do felizardo( somos humanos, po....)

Mas o Cigarrinho - os antigos sabem que falo do Luis Matzenbacker que hoje vive em Porto Belo(SC) - dava conselhos a mim:

- Não te mete ai que dá CPI!(OC)

' brizolês)

pesquisa de antonio goulart

1) interesses: brizola pronunciava sempre com ' e' intermediário aberto.

2. questionar: acentuava o u....

3. contiudo: em lugar de conteudo.

4.idial: trocava o ' e' por ' i'

5.compreendeu? sempre que concluia algo, perguntava.(bem de pessoa autoritaria,isto, né)

6. a rigor: com o qual sempre iniaciava um raciocinio.

7. verdadeiramente: quando queria afirmar algo.

8. não é verdade? expressão que usava pra afirmar algo.

9 costear o alambrado: usou pra dizer que o Lula ia abandonar antigas convicções. usou muito no ano 2000 na campanha.

Memórias de campanha

CADE MEU ASSESSOR, PERGUNTAVA SIMON

A primeira viagem que fiz como assessor de Simon foi um desastre. Graças a Deus, apenas no sentido moral. Fomos a Soledade, onde tinha uma feira.

Simon dentro do helicóptero que nos levava - ele nunca quis foto do lado do trambelho porque talvez não gostasse muito daquele gafanhoto que voa - perguntava pro Xuvisco:

- Vocês não iam me dar um assessor de imprensa?

- ele está aqui senador, desconversava Xuvisco.Era eu, no caso, que ouvindo aquilo engolia em seco porque precisava daquela grana. Não vou agora bancar o gostoso!

Simon queria era o Carlos Sávio, por quem perguntava toda hora ....

E lá em Soledade ainda me quebrei. O Dunga estava lá comendo numa churrascaria de beira de estrada,o nome é Italians,algo assim, arrumei um fotografo- o que não foi mole pra achar num meio dia de domingo - pra fazer fotos de Simon o cumprimentando. Achei que aquilo ia dar samba, era mesmo um novato, ou um inocente perto de uma ' estrela' como o Senador.Dunga recém tinha vindo da França, onde tinham tomado 3 a zero da França,no domingo anterior, naquele famoso jogo que o Ronaldo Gorducho pipocou .Até hoje ninguém sabe porque(ou melhor, sabem sim mas ninguém tem colhões pra publicar isto, eu sinceramente não sei, imagino...aPENAS)

QUANDO SIMON passou pelo Dunga dentro da churrascaria - aquele que param os onibus na beira da estrada cheia pra burro naquele domingo - o Dunga nem se levantou.Foi feito o gesto de Dunga cumprimentando Simon, mas eu ainda não sabiam que duas ' estrelas' não se bicam.

Em Porto Alegre fiz uma força pra mandar a foto pros jornais,um esforço inútil, mas Simon não liberou.

- Ele nem se levantou pra me cumprimentar, teria dito pro Xuvisco.

E pior: em Soledade, o Ivaldino Tasca que havia ficado de nos esperar, ligou pro Xuvisco dizendo que tinha dado o 171...tinha inventado uma desculpa pra não ir ao encontro da campanha.

assim foi meu primeiro dia. depois teve outros melhores, outros piores(olides canton)

Turma

essa turma ai se reune nos fins de semana no bar do nacional da carazinho. entre eles o chargista marco aurélio e helinho wolfrid, que foi dono do ressaca.

Uma gracinha com o lasier

por Rekern

Reino Unido do Itaú

Meu amigo rekern, como diz o pedro simon,antes de dar uma paulada no contendor, pegou no pé da marina(olides)

Gracinha com a Marina

COMO SOU DEMOCRATA PUBLICO ATÉ O QUE VAI CONTRA MINHA CANDIDATO. É CLARO QUE SOU MARINERO,DESDE 2010.(OLIDES)

Volta ao passado

por Rekern

Volta ao passado
Será que o povo esqueceu? Não adianta só mudar o nome da Avenida Castelo Branco para Legalidade e esquecer que os simpatizantes desta época estão por aí. Segundo o Correio do Povo de 13 de abril de 1966, o Lasier Martins foi integrante da Mocidade Jovem da Arena, partido político de apoio aos torturadores de 1964. O careca nega, mas as letrinhas estão estão lá, preto no branco. Nesta faz parceria com Ana Amélia Lemos que também militou para Arena de seu marido. Chegou a ser assessora bem remunerada no Congresso a disposição do partido. Quando todo mundo acha que esta parte triste de nossa história foi ultrapassada, ela retorna para assombrar os gaúchos.

Petistas e ex-petistas
Dos candidatos a presidência, a Dilma é petista, a Marina é ex-petista assim como a Luciana Genro, o Eduardo Jorge, o Zé Maria, o Mauro Iasi e o Rui Costa Pimenta. Luciana foi expulsa do partido em 2003, depois que votou contra a Reforma da Previdência. Marina saiu do PT por se achar preterida por Lula. Zé Maria e Rui Pimenta foram considerados radicais e também expulsos. Mauro Iasi foi para o PCB e Eduardo Jorge saiu para o PV em 2003. Cristovam Buarque, candidato a presidência em 2006 pelo PDT, também era petista, saiu por achar o PT, segundo suas próprias palavras, muito acomodado. Nenhum saiu por problema de consciência, mas por entrarem em choque com as lideranças dos partidos. Todos foram malhados na forja dos Trabalhadores, mas alguns viraram o cocho.

Hegemonia
A Dilma pode levar no primeiro turno, tem uns 45% dos votos válidos, é só a Marina continuar sua queda e o Aécio permanecer estável nos 14%, que ela está eleita. Em 2018 e 2022 volta o Lula. Até lá o império midiático tucano Globo/Veja/Folha já estará extinto e TODOS os candidatos a presidência terno saídos do Partido dos Trabalhadores.

Ainda o trololó da RBS

De: Trololo Trilili
Data: 16/09/2014 14h54min05s UTC

"O q tenho lido sobre o trololó da ZH/RBS inclui muita mesquinharia, inclusive de gente q fazia parte do esquema nos tempos áureos com a maior satisfação e orgulho. O q ñ foi o meu caso pois logo q senti o cheiro do esgoto dei no pé. Ñ aguentei! Até me convidaram para voltar, mas ñ quis. Mas, agora, q a vaca da RBS vai para o brejo, o pessoal tripudia."(Laurinho, ainda de Paris).

de Paris

oH, LAURINHO, QUEM USAVA ESTE TERMO FLANANDO EM PARIS ERA O RUI, SPOR, O COSTUREIRO...CUIDADO. TAIS TE REVELANDO AI....UM DIA CONTO AQUI UMA HISTÓRIA QUE O CANDIDO NORBERTO ME CONTOU DE UMA FAMOSO COMUNICADOR QUE MOROU AI E QUE FOI VISTO DE MÃOS DADAS...BOM AGORA NÃO SE PODE MAIS SENÃO DÁ PROCESSO...CALA-TE BOCA...(OLIDES)

De: trololo45
Enviada: Terça-feira, 16 de Setembro de 2014 15:09

"Já fechei o hotel. Voltarei no fim da tarde para pegar as malas e o taxi para o aeroporto. Belo dia, ensolarado e tépido. Aproveito para flanar pela city. Peguei um daqueles ônibus de citytour e fiz um circuito completo. Almocei perto do Louvre, num restô q já sou freguês há seis anos. Agora estou numa cafeteria q tem wifi gratis (desta vez a Vivo ñ me ofereceu a opção de roaming a preço fixo e ñ tive saco para perder tempo comprando um chip de celular para 1 semana). Então, acesso internet do hotel e de onde oferecem grátis. Não estou fóbico por estar sempre conectado. Meu negócio é curtir a cidade e o resto q se foda (a R ñ vai gostar do palavrão, azar!). (Laurinho, de Paris)

do Espaço Vital

"A tesoura que assombra a RBS"

O foco da RBS não está mais no jornalismo, revela o jornalista Luiz Claudio Cunha, em matéria publicada no saite do Jornal Já. Num longo texto, ele aponta que, após dezenas de demissões na área de jornais, a organização da RBS vai se concentrando na holding e.Bricks, voltada a negócios no meio digital

Suas constatações, na reportagem "A tesoura que assombra a RBS" são de que enquanto o jornalismo gera cada vez mais despesas e menos receita para a corporação dos Sirotsky, ela começa a mudar seu perfil, com maior investimento em tecnologias.

O texto também aponta que Cláudio Galeazzi - que já trabalhou para Grupo Vulcabrás/Azaleia e na Brasil Foods - é o consultor contratado para reestruturar a empresa, após a constatação das primeiras baixas na receita da área de jornais.

A matéria do Jornal Já analisa o desempenho da empresa, entrevistas e discursos feitos por executivos da RBS e pretende demonstrar que o mercado digital, com potencial de faturamento estimado em R$ 66 bilhões até 2015, é o novo rumo do grupo.

Gaúcho de Caxias do Sul (*15.04.1951), o jornalista Luiz Cláudio Cunha já trabalhou para diferentes órgãos de imprensa e para a própria RBS: também esteve em O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil, O Globo, Correio Braziliense, Diário da Indústria e Comércio, Veja, IstoÉ e Afinal. Foi também editor-contribuinte da revista Playboy.

Comandou a redação da sucursal da revista Veja em Porto Alegre (1973-1980) e em Brasília (1981-1983). Sua carreira jornalística está marcada pela reportagem investigativa e pelo jornalismo político.

Ganhador de vários prêmios jornalísticos, Cunha cobriu episódios políticos marcantes da história recente do Brasil e escreveu sobre crimes contra os direitos humanos realizados pelas ditaduras militares do Cone Sul. Dentre seus trabalhos importantes, está a série de reportagens (1978 a 1980), sobre o “Sequestro dos Uruguaios”, que foi uma tentativa ilegal de militares e policiais brasileiros e uruguaios para a prisão de ativistas do vizinho país, no âmbito da clandestina Operação Condor.

Os tópicos da longa matéria sobre a RBS

* A carta bomba
* O Marinho do Sul
* O rumor pelo terror
* Tesoura e Tesourinha
* Caindo na tabela
* Turbilhão digital
* A jóia da coroa
* O amigo dicionário
* Paradigmas sem jornalistas
* Lecca-lecca e chupa-chups
* Marco do pensamento
* Perpétua de pai para filho
* A cor da pele
* O branco 100%.

Leia a íntegra de "A tesoura que assombra a RBS" no saite do Jornal Já

do Espaço VItal

A juíza "de faca na bota" é bem casada !

Montagem EV sobre foto Globo.com

Criticada por um colega juiz federal de estar "fazendo birra de adolescente", por incluir um par de lésbicas entre as pessoas participantes de um casamento coletivo em Santana do Livramento, na sede de um centro de tradições gaúchas, a juíza Carine Labes enfrentou outras farpas.

Mas se saiu bem.

Primeira: alguma(s) pessoa(s) resolveu (ram) - tal qual a inquisição medieval - provocar um incêndio para queimar aquilo que supostamente simbolizava a intolerância e incompreensão. Ela não se abateu.

Segunda: diante da impossível tentativa de reformar o prédio queimado para manter ali a cerimônia matrimonial, a magistrada fez o óbvio: deslocou o evento para a sede forense - decorada com objetos gauchescos - onde teve, habilmente a prestigiá-la, a presença do próprio presidente do TJRS - e hoje governador interino - José Aquino Flôres de Camargo.

Terceira: numa entrevista, um colunista de Santana do Livramento questionou Carine:

- Doutora, a senhora é lésbica ?

Antes mesmo que ela respondesse, o entrevistador explicou que formulara a pergunta em função da insistência dela de fazer o casamento homoafetivo dentro de um CTG.

Sem se alterar, Carine respondeu: "Não, eu não sou lésbica".

E depois de um olhar firme e um sorriso amigável para o jornalista, complementou:

- Tenho 34 de idade, tenho marido, sou bem casada, não tenho filhos.

Natural de Lajeado (RS), agora na cidade de Santana do Livramento ela é apontada como "a juíza de faca na bota".

Expressão gauchesca

Linguajar vulgar gaúcho para demonstrar tratamento com rigidez, severidade e demonstração de rudeza, "mulher de faca na bota" ocupa também espaços nos saites de busca.

Leonardo Silveira Ritta, traz uma original explicação em Yahoo Respostas:

"Faca na bota se refere às mulheres de outrora. Não a todas elas, mas a algumas.

Nos tempos em que meu bisavô frequentava os chinaredos da região onde morava, não era muito raro um cara se exceder no trago e se passar com as gurias do estabelecimento.

Quando dava arranca-rabo, os homens, mesmo com um pouco de álcool no sangue, conseguiam agarrar e até bater nas meretrizes. Hoje, se alguém faz isso, apanha dos seguranças.

Pois outrora, aquelas mulheres tinham que se garantir, não é? Mas como se defender de homens fortes e um pouco alterados? Nada melhor do que um punhal.

Então, na entrada do inferninho, as mulheres mostravam à dona do estabelecimento o que levavam consigo: uma faca escondida na bota.

Se fechasse a rosca, a vítima desembainhava a xerenga e resolvia.

Simples, fácil e um pouco cruel".

Veranópolis

pra refrescar a memória. o caso da guria de veranopolis que foi arquivado.(olides)

Jovem comete suicídio depois de ter fotos íntimas vazadas na internet

Ex-namorado teria divulgado imagens após término do relacionamento

por Flávio Ilha, O Globo, 20/11/2013

PORTO ALEGRE - Uma adolescente de 16 anos cometeu suicídio na tarde da última quinta-feira, na cidade de Veranópolis, na serra gaúcha, depois que fotos em que aparecia com os seios à mostra se espalharam pelas redes sociais. A hipótese da polícia é que as imagens tenham sido captadas por uma webcam durante uma conversa com um ex-namorado, que também teria distribuído as fotos pela internet.

O rapaz teria divulgado as imagens, captadas há cerca de seis meses, pelo Twitter e pelo Facebook no início da semana passada depois de terminar o relacionamento com a garota. Os dois eram colegas no segundo ano do ensino médio e terminaram o namoro há cerca de um mês. De acordo com as primeiras informações da polícia, a adolescente foi avisada por uma amiga sobre as fotografias e encontrada morta em casa poucas horas depois.

Há pouco mais de uma semana, uma jovem do Piauí, com a mesma idade, também se matou após saber que imagens de um ato sexual do qual participava tinham sido propagadas pelo aplicativo de smartphones “Whatsapp”.

O computador e o celular da estudante Veranópolis foram entregues nesta quarta-feira à polícia pela família, que também registrou ocorrência. Segundo o delegado Marcelo dos Santos Ferrugem, os responsáveis pela divulgação das fotos poderão ser enquadrados no artigo 241 A do Estatuto da Criança e do Adolescente, que qualifica como crime grave a disseminação de fotos, vídeos o u imagens de crianças ou adolescentes em situação de sexo explícito ou pornográfica.

O nome do estudante suspeito de enviar as imagens para as redes sociais está gravado no printscreen da foto, feito da tela a partir de uma conversa via de internet em que a estudante mostra os seios pela webcam. De acordo com o delegado, outras pessoas também poderão ser responsabilizadas. Além do adolescente, todos os que compartilharam as imagens podem ser enquadrados no mesmo crime, segundo Ferrugem.

Nos próximos dias, o delegado pretende colher o depoimento de outros parentes e amigos da jovem para esclarecer as circunstâncias da divulgação da imagem. Os nomes dos envolvidos no episódio estão sendo preservados a pedido da família da adolescente.

SERGS OUVE CANDIDATOS DA ÁREA TECNOLÓGICA

A Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul - SERGS - promoverá debate com os profissionais da área tecnológica gaúcha que serão candidatos a deputado estadual e deputado federal nas eleições de outubro. O evento será realizado na próxima quarta-feira (17) durante a reunião-almoço mensal do Conselho Deliberativo da entidade, às 12h15min, na sua sede social - Av. Coronel Marcos, 163, bairro Pedra Redonda, em Porto Alegre. O objetivo do encontro é a apresentação das propostas dos candidatos relacionadas com a área tecnológica, onde atuam engenheiros, arquitetos e agrônomos, entre outros, e a discussão dos principais pleitos desses profissionais junto aos legislativos estadual e nacional.

PROJETO SOCIAL DMAE

A Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul - SERGS - promove nesta sexta-feira (19) às 8h30min palestra sobre o tema Projeto Técnico Social DMAE em sua sede central - Trav. Eng. Acylino de Carvalho, 33 - 8° andar, em Porto Alegre. O tema "A Tecnologia Social Voltada para as Áreas Irregulares: a Experiência do DMAE" será apresentado pelo diretor geral do órgão, Flávio Presser. Informações - telefone (51) 3224.6133.

A DEGRADAÇÃO DO HOMEM, POR UM OLHAR MORAL

por Eron Duarte Fagundes

As sequências iniciais em que se descrevem as libidinagens do banqueiro francês Devereaux é uma espécie de “doce vida”, orgíaca e decadente, “satyricon” pós-tudo, passada num dos corações do mundo contemporâneo, Nova Iorque. Abel Ferrara, o diretor norte-americano de Bem-vindo a Nova Iorque (Welcome to New York; 2013) apresenta sua herança italiana ao expor, com absoluta nostalgia moral, a navegação de sua personagem central pela lascívia fácil de algumas mulheres cujos corpos se expõem nos escaninhos de alguns quartos de uma das capitais culturais e econômicas da atualidade. Junto com os belos corpos das garotas vemos a exposição do físico detonado pela gordura e pelos anos de Gérard Depardieu, o que é um achado selvagem na narrativa de Ferrara; enfim, o homem que já foi soberbamente um Danton, revolucionário pré-burguês do século XVIII, aparece como uma assombração moral de nosso tempo; sublinhando o corpo grotesco do ator surgem-lhe alguns gemidos inauditos e animalescos na hora do sexo, ou quase-sexo às vezes, ajudando assim a Ferrara a compor um retrato desorientado e maldoso do homem que, para buscar seu prazer sexual, não media limites nem a vontade das parceiras.

Tanto Ferrara quanto Depardieu parecem investir contra o monstro carnal, assim como Fellini simulava detestar seu protagonista em Casanova de Fellini (1976), outro antológico andarilho do sexo, um andarilho à antiga aquele de Fellini, que atravessava entre delírios particulares e mofas do povo a perplexidade do espectador. No entanto, em Bem-vindo a Nova Iorque o olhar moral de Ferrara apresenta uma pequena luz que vai conferindo humanidade a este ser quase sem emoção que é o banqueiro sexualmente devastador caído em desgraça depois que uma camareira negra de hotel decide acusá-lo de tê-la obrigado a chegar próximo de sexo oral com ele.

A história contada em Bem-vindo a Nova Iorque foi extraída duma crônica do noticiário policial internacional. Devereaux se inspirou no diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn. Simone está calcada diretamente na jornalista Anne Sinclair, que era esposa do banqueiro na época do escândalo. Mas, diversamente do que faz habitualmente Hollywood, Ferrara mantém uma característica de filmar em que a emoção personalíssima é muito mais importante do que a reprodução episódica do que ocorreu, o baseado em fatos reais é, em Ferrara, somente o impulso para a criação.

Alternando duas línguas com uma naturalidade às vezes espantosa, o inglês e o francês, Bem-vindo a Nova Iorque vai construindo o próprio ritual da depravação no século XXI, quarenta anos depois do olhar melancólico que um homossexual lançava por sobre a costa marítima em A doce vida (1960), de Fellini, do qual o filme de Ferrara é um sucedâneo natural. Este ritual centraliza-se muito na forma de utilização do corpo em cena. O corpo exagerado e deformado de Depardieu, exposto com autocrueldade. Mas também os corpos submetidos das meninas de programa. Contrastando com esta visão emporcalhada do físico, Ferrara traz a elegância de Jacqueline Bisset, elegância que, todavia, não deixa de aqui e ali transmudar-se em cólera.
Sabe-se que a criatividade de Ferrara continua em alta. Seu último filme, Pasolini (2014), teve uma acolhida calorosa no Festival de Veneza; segundo a enviada especial do Le Monde, Isabelle Regnier, trata-se de um “filme de beleza plástica e força política”. Bem-vindo a Nova Iorque debruça sua plasticidade sobre as operações torpes de sua personagem e resgata e atualiza muito daquela selvageria e moralidade que Ferrara vinha contrastando desde Olhos de serpente (1993), onde o corpo da pop star Madona determinava muitas vezes os mecanismos da linguagem cinematográfica.

Eleição do Sindicato dos Rodoviários mobiliza vereadores

Foto: Elson Sempé Pedroso

Leandro Rosa, Vereadores Fernanda Melchionna, Mauro Pinheiro, Procuradores Noedi Rodrigues da Silva e Rogério Uzun Fleischmann

por Flávia Nagib Murr

O presidente em exercício da Câmara Municipal de Porto Alegre, vereador Mauro Pinheiro (PT), reuniu-se, na manhã desta terça-feira (16/9), com os procuradores do Trabalho Rogério Uzun Fleischmann e Noedi Rodrigues da Silva. Além deles, participaram do encontro - na sede da Procuradoria Regional do Trabalho da 4ª Região - os vereadores Fernanda Melchionna (PSOL), Paulinho Motorista (PSB) e Pedro Ruas (PSOL), juntamente com os rodoviários Maurício Barreto, Leandro Rosa e Reginaldo Poncio.

A eleição para o Sindicato da categoria foi determinada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RS) em maio. No pleito de 2011, foram constatados problemas como fraude na apuração dos votos e inelegibilidade de integrantes da chapa vencedora. Por isso, o TRT determinou que o processo eleitoral seja conduzido e fiscalizado por um procurador nomeado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Desta forma, a eleição do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre acontecerá nos dias 2 e 3 de novembro, no Ginásio do Tesourinha. Terão direito a voto e a ser votados os refiliados, os que se filiaram ao sindicato após as eleições de 2011 (observado o prazo de carência de seis meses) e os aposentados, desde que tenham preenchido os requisitos previstos do estatuto da categoria.

Entretanto, os rodoviários Barreto e Rosa não conseguiram se filiar ao sindicato a tempo de participar do processo eleitoral da entidade. Os dois estiveram na linha de frente da comissão de greve da categoria na mais recente paralisação, realizada no início deste ano. “Nessas manobras do sindicato, eles estão sendo proibidos de participar do pleito, e isso é antidemocrático”, afirmou a vereadora Fernanda.

“Tentei me filiar mais de dez vezes e não consegui. Eu preencho a ficha, entrego para eles e quando vou ver o contracheque não existe nenhum desconto, pois não sou sócio. Não existe nenhum argumento, apenas eles não dão andamento ao processo de filiação”, denunciou Barreto.

“Acredito que tenhamos um período para que essas listas de eleitores filiados e refiliados possam ser submetidas à análise da categoria, podendo haver impugnações e até exclusão de nomes, assim como inclusão, dependendo do caso”, afirmou o procurador Neodi, que sugeriu ainda que Barreto e Rosa comecem a reunir provas do que estão afirmando.

“Essas comissões de rodoviários representaram os trabalhadores na última greve, pois o sindicato não conseguiu essa representatividade”, ressaltou o presidente em exercício da Câmara. Mauro Pinheiro sugeriu, ainda, que uma comissão especial seja formada no Legislativo para acompanhar as eleições no sindicato. “Podemos encaminhar ao MPT um ofício informando da nossa intenção de contribuir com o processo, através do olhar público da Câmara”, concluiu.

Vieira recebe documento com reivindicações do setor orizícola

Foto: Jefferson Bernardes

O candidato a governador do Estado pela coligação "O Rio Grande Merece Mais", Vieira da Cunha durante jantar na igreja de São Cristóvão promovida pelo candidato a dep. Estadual Dário, em Canoas

O candidato do PDT ao governo do Estado, Vieira da Cunha, recebeu no início da noite desta terça-feira um documento com os principais pleitos do setor orizícola. Na carta assinada pelo presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles, consta a necessidade de desenvolver a área de pesquisa.

De acordo com o diretor executivo da Federarroz, Anderson Belloli, uma agilidade maior nas organizações de desenvolvimento de pesquisa, especialmente o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), é essencial para a manutenção da competitividade do arroz gaúcho no mercado internacional. O pedido é por convênios com instituições de pesquisa, públicas ou privadas.

Outro problema grave é quanto ao fornecimento de energia elétrica de qualidade nas áreas de lavoura, especialmente na Metade Sul.

“Os produtores da Zona Sul sofrem muito prejuízo com o fornecimento de energia, o que ocasiona a queima de equipamentos de irrigação”, explica Anderson. Vieira acolheu os pleitos do setor e afirmou que no seu governo irá “estabelecer uma relação de trabalho e parceria com o setor, devido à importância do arroz no agronegócio gaúcho”.

Vieira dedicou o resto do dia para atender veículos de comunicação e gravar participações para o programa político de rádio e televisão. Pela manhã, ele concedeu entrevista para a Redesul de Rádios, de Caxias do Sul. À tarde, ao lado da esposa Luciane Bolzan, recebeu jornalistas da Zero Hora em sua casa. No início da noite, Vieira gravou uma entrevista que será exibida no programa Rio Grande Record, exibido pela TV Record.

No fim da noite, o candidato participa ainda de ato de campanha do candidato a deputado estadual Flavio Lammel, na quadra da Escola de Samba Império da Zona Norte, em Porto Alegre. Na noite de segunda-feira, Vieira participou de ato de campanha do candidato a deputado estadual Dario Silveira, em Canoas. O jantar, no salão da paróquia São Cristóvão, recebeu cerca de 600 pessoas.

17/09/2014 - QUARTA-FEIRA
09:30 - DEBATE ENTRE OS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO NO COLÉGIO ANCHIETA | Na Avenida Nilo Peçanha, 1521, em Porto Alegre.

12:00 - GRAVAÇÃO PARA OS PROGRAMAS DE RÁDIO E TV | Em Porto Alegre.

20:00 - DEBATE ENTRE OS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO PROMOVIDO PELA ASSOCIAÇÃO DOS DIÁRIOS DO INTERIOR (ADI) | No auditório da UNISC, em Santa Cruz do Sul.

AGENDA DO CANDIDATO JOSÉ IVO SARTORI PARA QUARTA-FEIRA - 17 DE SETEMBRO

PORTO ALEGRE

11h15 - Participa do encontro Tá na Mesa, realizado pela Federasul.

15h30 - Entrevistas para a TV Record.

SANTA CRUZ DO SUL

18h30 - Caminhada com candidatos da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, desde o Quiosque até o Palacinho.

19h30 - Debate entre candidatos ao Governo do Estado promovido pela Associação dos Diários do Interior (ADI). Local: Anfiteatro da Faculdade de Direito da Unisc.

de Serafina

PARLEMO TALIAN

No dia 01 de setembro de 2014 teve início na Escola Leonora Bellenzier, um Curso de Talian a língua mãe de maioria do povo serafinense. O Curso é completamente gratuito, com organização e promoção da Atuaserra e apoio da Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa.
O Professor é Darcy Loss Luzzatto, escritor de muitos livros conhecidos pela maioria das pessoas interessadas no fortalecimento de seu conhecimento em relação as próprias origens e o autor do Dicionário do Talian, a nossa pedra fundamental para toda e qualquer construção Cultural.

O que diferencia o ser humano de todos os outros animais é justamente a necessidade de simbolização, de produção de cultura, necessidade de expressão. Existe um filme de Godard em que a mãe está lavando os pratos, e a filha pergunta: ‘Mãe, o que é linguagem?”. E a mãe diz:” Linguagem é a casa onde a gente mora”. A isso chamamos visão de cultura no sentido amplo- produção de valores, produção simbólica, expressão cultural, esse mundo simbólico - a cultura é o que nos caracteriza como seres humanos. Nós somos a casa do TALIAN, porque ele existe em nós desde o berço, desde o início das primeiras famílias ou grupos. Devemos esse reconhecimento a nós mesmos, com o sentimento de pertencimento a uma mesma comunidade que mudou cidade, estado, país e continua a ser comunidade que está aqui, como todos nós salvando e recriando, inserindo em nosso dia a dia o que por tempos nos foi proibido e que hoje, com a força de vontade de muitos de nós que batalharam pela língua/identidade, está sendo reconhecido a nível de Brasil como Língua de Referência Nacional. Ame o que você é! Fale Talian! Simples assim...

16 de setembro de 2014

O NASCIMENTO DA ANA

o nascimento da minha segunda filha - a ana - nada teve de glamouroso....a primeira, a renata, foi uma correria, corre daqui,dali.

estávamos apenas eu, a mãe dela que ia parir e o cunhado, o caco...que dormia com a renata que tinha apenas 11 meses.

a angela estava pra parir e eu morto de sono disse:

- ou pare,ou vou dormir.

corremos pro ernesto dornelles, com aminha então cunhada e em seguida ela nasceu.

os enfermeiros vieram perguntar pelos familiares da angela e nos apresentamos:

- jhá nasceu it's a girl, disse a funcionária.claro ela falou em portugues.

é que me lembrei da opera tommy, que diz it's a boy.....(olides)

MINHA FILHA QUE NASCEU FEINHA,FEINHA

a ana minha filha médica completa 37 anos dia 29 que vem....

quando nasceu no ernesto dornelles era um diabo de feia...

depois ficou bonitinha....

tinha os olhos azuis como veu avo materno, mas com o tempo normalizou. quando ela ia a praia, no entardecer, seus olhos azuis brilhavam contra a água....

hoje vive em sampa e é médica....

ESTIMULANTE....

porra não acreditei, entrou uma guria agora na guaíba, no programa do dal pizzol, sobre futebol, depois da uma...uma guria entrou vendendo remédio anti broxante....pela televenda....

po que picaretagem esta turma do futebol.

senado...

Po o loko este do goldemberg deve ter faturado 5 votos hoje...é um louco varrido. me lembrou o falecido petraco, aquele do petraco neles.

* o simon ainda vai subir. foi bem nos debate de hoje...

* o PT tirou a bunda da cadeira e tá trabalhando. eles achavam que era pareo corrido. a marina botou eles a trabalhar.

momento forte do debate ao senado: olivio X simon....assunto reforma agrária nos dois governos deles....

* este candidato goldemberg é um loko de atar....nem sei o partido dele....

este candidato goldemberg ao senado quer ver o circo pegar fogo...MOVIMENTO LIBERTA O RIO GRANDE....

OLIVIO X LASIER

é o que tá dando agora no debate da guaíba...

ford em pauta...

Cinema

o papo do paulo nascimento neste domingo sobre seu filme.

paulo nascimento fala de seu filme no domingo passado

Vieira da Cunha com Lasier Martins e Dario Silveira durante caminhada no bairro Guajuviras

Foto: Jefferson Bernardes

Olha lá o capincho,diz o vieirinha pro lasier....

- Aí capincho, diz lasier, vamos ganhar no primeiro turno, né....(olides)

Vieira da Cunha durante caminhada no bairro Guajuviras, em Canoas

Foto: Jefferson Bernardes

vieirinha: lasier acho que ganhamos no primeiro turno????

- tu achas, responde lasier...depois que se bicou hoje com o bigode no debate da guaiba.

Coleta

o lixo organico na minha rua hoje de manha....

Luis Claudio Cunha

tou lendo com calma e vou resenhar ele.(olides) bom trabalho mesmo.

De: rekern
Enviada: Segunda-feira, 15 de Setembro de 2014 10:21

Incrível o raio x da RBS do Luis Claudio Cunha. Ainda nano tinha lido.

Renato Kern

By Laurinho, de Paris

Laurinho responde a uma pergunta sobre alexandre dumas, e o conde de montecristo(olides
Assunto:

"Respondendo:
Ah! literatura infantil e romance para moças ñ são o meu forte. Sei ñ onde os Dumas estão enterrados.
Acho q o Gre vai ficar no rema-rema internediário. Ñ cai nem vai pegar vaga na Libertadores.
Aqui faz dias radiosos. Às x faz um pouco de frio, q até é bom para ñ suar.
Almoçando agora num restaurante q já sou freguês, perto do Louvre/Comedie Française/Palais Royal. Todo ano venho almoçar pelo - 1 x aqui. Sopa de cebola gratinada de entrada e + alguma coisa de boeuf como prato principal. + cerveja, lógico.
Venho do Louvre onde fui ver a exp nova sobre "Arte do Islan". O resto eu já conheço bem. A exp de Islan é bacana, sim.
Agora á tarde, vou inventar outra coisa para fazer.
Em tempo, o restô onde almoço tem wifi di gratis."

O rolo da ZH/RBS

By Laurinho, de paris( très chic....)

De: Trololo Trilili
Data: 15/09/2014 20h49min23s UTC

Li a mat caudalosa do LCC: é o q venho dizendo para os meus botões: a ZH/RBS tinha gente demais e o retorno financeiro só vinha caindo. O mundo mudou e as mídias tradicionais ainda ñ se acharam. O Libération, q é O LIBÉRATION, anunciou hoje corte de 37% no pessoal y otras cositas más. E vá competir com o Nintendo, o Playstation, o Youtube, o Face, o Twiter etc etc... O Mundo gira e a Lusitana roda! Quem sabe importando jornalistas cubanos a coisa melhore?

By

BY ou POR eis a questão!!!!

Em Seg 15/09/14 10:05, Trololo Trilili escreveu:

Em x de "By", põe "Por".
Mas "By" é um negócio universal, coisa de correspondente estrangeiro. Tradições, usos e costumes de uma profissão, a de jornalista. Mas, se te faz mal, põe "Por". Enfim, cada um com seus cada uns.

Casamento Gay

Laurinho de pena afiada(olides) - pena aqui no sentido de escrita.

De: Trololo Trilili
Data: 15/09/2014 14h37min49s UTC

"Olides:
Li daqui de Paris, onde estou no momento, a tua transcrição da manifestação da juíza q promoveu o casamento gay de Uruguaiana q deu tanto bafafá. Coisas assim me fazem lembrar o meu (falecido) prof. de Processo Civil, Ovídio B. da Silva, qdo lhe foi perguntado sobre o q achava dos juízes gaúchos: "Elas são melhores do que o Tribunal acha q eles são, mas jogam para a mídia". (Laurinho)"

A FALTA DE SUBSTÂNCIA DRAMATÚRGICA NOS FILMES DE PAULO NASCIMENTO

A impressão que se tem é que Paulo Nascimento não sabe compor um drama cinematográfico. É como se suas imagens fossem um corpo sem sangue: a pele está mole, flácida, tudo se dissolve num ar constrangedoramente vazio. É o que volta a ocorrer em A oeste do fim do mundo (2013), uma espécie de “navegação cinematográfica” a trancos e barrancos por um cenário desolado, mítico e inóspito, fronteiriço, espanhol-português (é uma coprodução com a Argentina), onde as personagens se deslocam como títeres numa superfície artificiosa. Nascimento parece querer seguir um pouco os passos de metafísica espacial do realizador italiano Michelangelo Antonioni, mas que distância!

Em seu filme anterior, Em teu nome (2009), Nascimento dava alguma esperança de virada em seu modelo de filmar; mas torna a desandar em A oeste do fim do mundo, caindo na falta de jeito para a encenação cinematográfica que caracteriza todo seu cinema, em trabalhos precários como Diário de um novo mundo (2005), Valsa para bruno Stein (2007) e na experiência com o cinema infantil de A casa verde (2009). É pena que a inabilidade diretiva de Nascimento desperdice talentos interpretativos como César Troncoso, Fernanda Moro e Nelson Diniz.

A personagem de César atende o telefone, é uma ligação de seu filho pequeno, mas César só ouve, não consegue expressar-se. A narrativa de Nascimento age bem assim: recebe os olhos do espectador mas não sabe o que dizer a estes olhos. A diferença é que César, após o contato (carnal e afetivo) com a mulher que lhe aparece naqueles cenários remotos emoldurado por um posto de combustível, se modifica, passa a dizer algumas frases ao filho no telefone, enquanto o filme, diante do contato com o observador, não muda nada.

da Folha Popular de Teutônia

Plano de governo de Sartori recebe centenas de sugestões pela internet

Centenas de gaúchos estão colaborando para a construção do Plano de Governo do candidato José Ivo Sartori. O projeto Conexões RS, lançado em 30 de junho para colher sugestões da população pela internet, atraiu eleitores de todo o Estado, que utilizam o sistema para chamar a atenção sobre as prioridades de cada região do Rio Grande do Sul.

“É por acreditar na capacidade da sociedade gaúcha de ajudar na construção de propostas para mudar o Rio Grande que criamos o Conexões RS, como um projeto plural e democrático”, diz Sartori. A participação vem sendo incentivada pelos internautas, que pedem a continuidade do projeto depois das eleições, para que funcione como uma porta de diálogo permanente entre governo e sociedade.

Um volume significativo de contribuições, enviadas principalmente via e-mail e facebook, traz elogios às qualidades do candidato e reconhece nele um verdadeiro caminho para mudanças. Já as reivindicações abrangem melhorias em diferentes áreas, como infraestrutura (com atenção às obras inacabadas e aos acessos asfálticos a municípios), agricultura (incluindo incentivos e irrigação) e desenvolvimento regional como forma de diminuir as desigualdades econômicas e sociais.

A área da saúde também é amplamente citada. Entre as ações defendidas, estão a reconstrução do projeto Primeira Infância Melhor (PIM), uma iniciativa transformada em programa de governo durante a gestão de Sartori como prefeito de Caxias do Sul. O município atingiu o menor índice de mortalidade infantil no Estado.

Transporte, segurança, qualificação de servidores e meio ambiente são outros temas em destaque. Além disso, os eleitores apontam a necessidade de o Estado recuperar o controle das finanças e de ser governado de uma nova maneira.

Para participar do Conexões RS, basta acessar o site www.conexoesrs2014.com.br e www.pmdb-rs.org.br, enviar sugestões pelo e-mail conexoes@conexoesrs2014.com.br ou através das redes sociais, em ConexoesRS2014 (Facebook), @conexoesrs2014 (Twitter) e conexoesrs2014 (Instagram).

Domingo 21 será de mobilização em todo o Estado

Foto: Luiz Chaves
Carreatas serão realizadas por todos o Estado

No próximo domingo, dia 21, a coligação O Novo Caminho para o Rio Grande realiza carreata nos 497 municípios do Estado às 15h. A grande mobilização simultânea faz parte do plano de ação para intensificar a corrida no Pleito de 2014. Durante a reunião com os coordenadores da campanha e regiões, na manhã de segunda-feira, 15, foi definida ainda agendas para os próximos 10 dias, quando realizam cerca de 15 encontros regionais para fixarem as atividades nesta reta final.

A marca do “15” será reforçada com mais carreatas, caminhadas, bandeiraços, adesivaços, chimarreadas, entre outras atividades. “A hora é de fazer barulho, ir pra rua”, afirmou o prefeito de Gravataí, Marco Alba.

O coordenador da municipalização, Paulo Bureseska, lembrou os números da última pesquisa que apontam o crescimento de José Ivo Sartori na preferência dos eleitores e com entusiasmo disse que o candidato não vai mais parar de crescer. “Estamos na fase mais difícil, mas com engajamento, não vamos mais parar de crescer até o dia da eleição”, enfatizou Paulo.

Agenda fixa

A partir do dia 19/09

* bandeiraços diários em pontos estratégicos em todos os municípios

Dia 21/09

às 15h: carreata em todos os municípios

Pré-candidatos

A Coordenação da Campanha reúne os pré-candidatos a deputado estadual e federal - que não tem mandato atual - na segunda-feira, 22, às 10h, na sede do Diretório Estadual (Rua dos Andradas, 1234 - bloco B - 9º andar).

AGENDA DO CANDIDATO JOSÉ IVO SARTORI PARA TERÇA-FEIRA - 16 DE SETEMBRO

PORTO ALEGRE

10 horas - Entrevista para o jornal Zero Hora.

À tarde - Gravação de rádio e TV para o horário eleitoral gratuito.

de Serafina

BAILE REGIONAL GRUPO IDOSOS SILVA JARDIM

Na tarde ensolarada do último sábado, dia 13 de Setembro, foi a vez do Grupo de Convivências de Idosos Alegria de Viver, de Silva Jardim realizar o seu baile Regional do ano de 2014. O Grupo de Idosos recepcionou seus convidados no salão da comunidade com muita festa e animação. Estiveram presente cerca de 20 grupos de idosos das cidades vizinhas, pessoas da comunidade e a Orientadora de Atividades da 3ª idade Gabriela Assoni Grechi, que fez o registro do evento. A animação do baile ficou por conta do Grupo Musical Irmãos Chiarello.



ARQUIVO

2007
           
 Set
 Out
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014

Abr01
Abr02

Jun01
Jun02
Ago01
Ago02
Set01
Set02
     



OLIDES CANTON - JORNALISTA E ESCRITOR

Nascido em 16 de Janeiro de 1952 na cidade de Serafina Corrêa-RS, Olides Canton passou nesta cidade toda a sua infância. Mudando-se para Porto Alegre, cursou a Escola Julio de Castilhos, tornando-se Bacharel em Comunicação Social pela FABICO/UFRGS em 1982. Trabalha como Jornalista desde 1970. Trabalhou na Companhia Jornalística Caldas Júnior, Jornal Zero Hora. No Jornal do Brasil e Revista Carga e Transporte atuou como free-lancer. Editor do Jornal de Bordo e Revista Fitness. Possui 9 livros publicados. Ganhou quatro prêmios de Jornalismo, um do Badesul, dois do Setcergs e um da ARI. Registro no Sindicato dos Jornalistas RS: 2776 - Registro Jornalista - Mtb 4959.

Telefone: (51) 3330-6803
e-mail: contato@deolhoseouvidos.com.br

Autor de inúmeros livros, Olides Canton firmou-se como um
exímio contador de histórias contemporâneas.
Conheça agora as obras do autor
© "de Olhos e Ouvidos"  -  Todos os direitos reservados
Os textos e imagens publicados neste site são de inteira responsabilidade de Olides Canton.


EDIÇÕES DO FITNESS

Edição 172 - agosto 2014
Edição 171 - junho 2014

Edição 170 - maio 2014

Edição 169 - março 2014
Edição 168 - janerio 2014
Edição 167
Edição 166
Edição 165
Edição 164
Edição 163
Edição 162

Edição 161
Edição 160
Edição 159
Edição 158
Edição 157
Edição 156
Edição 155
Edição 154
Edição 153
Edição 152
Edição 151
Edição 150
Edição 149
Edição148
Edição 147
Edição146
Edição145
Edição144
Edição143
Edição 142

Edição 141
Edição 140
Edição 139
Edição 138
Edição 137
Edição136
Edição135
Edição134
Edição 133
Edição132
Edição 131
Edição 130
Edição129
Edição128
Edição127
Edição 126
Edição125
Edição 124

Edição 123
Edição 122
Edição 121
Edição 120
Edição 119
Edição 118
Edição 117
Edição 116
Edição 115
Edição 114
Edição 113
Edição 112
Edição 111
Edição 110
Edição 109
Edição 108
Edição 107
Edição 106
Edição 105
Edição 104
Edição 103
Edição 102
Edição 101
Edição 100
Edição 99


ESTÃO À VENDA


Cidades vizinhas (A briga entre cidades gaúchas) • R$ 15


Cosi la ze stata (Breves histórias de Serafina Correa/RS) • R$ 20


Getulio Vargas, depoimentos de um filho (Maneco Vargas fala de Getulio) • R$ 20


Estradas do Rio Grande (A história da construção pesada no RS) • R$ 50

Mais a postagem. Procure pelo olidescanton@bol.com.br.


ANUNCIE NO SITE

Entre em contato conosco

Edições Anteriores do Blog



LINKS QUE RECOMENDAMOS

Correio Do Povo
Claudio Humberto
Diário da Fronteira

DAiário Popular
Enfato
Folha de São Borja
Informativo
RedeCidade
RSUrgente
Jornal A Hora
Jornal do Comércio
Jornal do Mercado
Jornal O Sul
Jornal Panorama Regional
Políbio Braga
Prefeitura de Porto Alegre
Prefeitura Serafina
Correa

Ricardo Noblat
Rosane Oliveira
Sindicato dos Jornalistas
SUL21
Vide Versus

REPORTAGENS ESPECIAIS

Veja em "Memória"