"O Blog dos Colegas"

 

 

 

Jornalista Alexandre Garcia visita

ginásio de esportes em Estrela

 

ESTRELA – O prefeito de Estrela, Celso Brönstrup recepcionou na manhã deste sábado, dia 27, na Escola Municipal Odilo A. Thomé, o jornalista Alexandre Garcia, que juntamente com familiares visitou o novo Ginásio Oscar Chaves Garcia, inaugurado no dia 16 de dezembro de 2009.

JOSUÉ GARCIA


Alexandre mostrou-se emocionado ao ver a nova estrutura que recebeu o nome em homenagem ao seu pai, revelando que é um orgulho para ele e sua família poder presenciar uma obra que abriga a responsabilidade de educar. “Essa homenagem cala no fundo do coração e representa que Estrela ainda é marcante em minha vida”, afirmou. Ainda ressaltou que a sua formação educacional deu-se no município dos 7 aos 15 anos. “Tudo que levo no dia-a-dia de bom é fruto da minha convivência aqui, por onde eu passo eu levo o nome de Estrela”.

JOSUÉ GARCIA


Acompanhou a visita à primeira dama Marisa Casagrande Brönstrup, a secretária de Educação, Cultura e Turismo, Juliana M. Wagner de Moraes, familiares do jornalista, professores e alunos do educandário.

JOSUÉ GARCIA


Linha Turismo não circulará amanhã, 31, e quinta-feira

 



Na quarta-feira, 31, e na quinta-feira, 1º de abril, o ônibus Linha Turismo acompanhará o serviço de poda preventiva que uma equipe técnica da Smam (Secretaria Municipal de Meio Ambiente) realizará nas árvores existentes ao longo do trajeto percorrido pelo ônibus turístico no Roteiro Zona Sul. A poda preventiva é realizada periodicamente visando a segurança dos passageiros que fazem o city tour no 2º andar do veículo, que é aberto. O trabalho será realizado das 9h às 12h e das 13h30 às 17. Em função disso, nos dois dias não ocorrerão os passeios turísticos regulares do Linha Turismo.

A presença do ônibus de cerca de quatro metros de altura na operação tem a função de sinalizar os pontos exatos em que a poda deve ser feita para evitar cortes desnecessários de galhos nas vias arborizadas, das segurança e melnor visibilidade aos passageiros dos city tours. A operação será acompanhada por técnico da Secretaria Municipal de Turismo e pela EPTC. Em caso de mau tempo, a ação será transferida.

O Linha Turismo retomará os city tours regulares na sexta-feira, 26, nos dois roteiros: o Tradicional, com saídas às 9h e às 15h30, e Zona Sul, nos horários das 10h30 e 13h30. As tarifas do roteiro Tradicional custam R$ 8, no andar inferior, e R$ 10, no andar superior. No roteiro Zona Sul, as tarifas custam R$ 10, e R$ 15, respectivamente. O terminal do ônibus está localizado na Travessa do Carmo, 84, Bairro Cidade Baixa. Reservas e informações pelo telefone 3289.6744 e 3289 6745.


Eliana Zarpelon (MTb 3821)
Coordenação de Comunicação
(51) 3289.6713 - 3289.6714 - (51) 9364 1642

 

A Freira de Pelotas no Taxi......

 

Uma freira faz sinal para um táxi parar.

Ela entra e o taxista não para de olhar para ela:
- Por que você me olha assim?
Ele explica:
- Tenho uma coisa para lhe pedir, mas não quero que fique ofendida...
Ela responde:
- Meu filho, sou freira há muito tempo e já vi e ouvi de tudo.. Com certeza não há nada que você possa me dizer ou pedir que eu ache ofensivo.
- Sabe, é que eu sempre tive na cabeça uma fantasia de ser beijado na boca por uma freira...
A freira:
- Bem, vamos ver o que é que eu posso fazer por você: primeiro, você tem que ser solteiro, gremista e também católico.
O taxista fica entusiasmado:
- Sim, sou solteiro, gremista desde criancinha e até sou católico também!
A freira olha pela janela do táxi e diz:
- Então, pare o carro ali na próxima travessa.
O carro para na travessa e a freira satisfaz a velha fantasia do taxista com um belo beijo na boca.
Mas, quando continuam para o destino, o taxista começa a chorar:
- Meu filho - diz a freira - Porque é que está chorando?
- Perdoe-me Irmã, mas confesso que menti: sou casado, colorado doente e também sou espírita.
A freira conforta-o:
- Deixa pra lá seu bobo.

Estou a caminho de uma festa a fantasia , me chamo Alexandre, e torço pro Brasil de Pelotas, TCHÊ!!!!!!!

 

Ecos do blog!

 


Olá Olides!

Entrei no teu blog e vi que és amigo de Licínio Azevedo. Sou esposa do irmão de Licínio, (por parte de pai), Fernando Fagundes Azevedo. Perdemos o contato com ele.

Aguardo seu retorno....

Sds,

Fernanda Azevedo

Mais um livro

Mais um livro XUCRO do colega

João Batista Marçal

Reproduzo um capítulo do livro recente livro do Marçal, sobre

 

os Operários de P.Fundo!


Eduardo Barreiro

Dessa fornada de comunistas dos anos 30, a melhor que o Rio Grande do Sul produziu,se destaca, em P.Fundo, a figura ímpar de Eduardo Barreiro(1908-1962).
Revolucionário maragato já aos 17 anos, quando integrou a tropa do coronel boxeador, comerciante, orador, hoteleiro, etc.


João Batista Marçal( sentado,de gravata) em noite de autógrafos.

Excelente quadro teórico, militante de grande coragem, era, ao mesmo tempo, na sua época, o maior gozador, o mais debochado dos líderes comunistas do interior do Estado.
Foi o único participante da ANL(Aliança Nacional Libertadora) que não foi preso em Passo Fundo. Teria tomado o rumo de São Paulo, vestido de padre.

Por lá, só o diabe sabe o que ele andou "aprontando".

Hoteleiro, foi o grande comandante do " Partidão" de Passo Fundo nos anos 40/60. Nesse terreno ele reinou absoluto. Com um detalhe, aperfeiçoado em São Paulo: era mestre nos disfarces. Aparecia e desaparecia com roupagens inimagináveis. Supercriativo, possuía uma espécie de baú mágico ao qual só ele tinha acesso. Preferência especial para vestes sacerdotais. De padre a bispo. Com barrete e tudo o mais.

Quem sofreu com esse acúmulo de experiência e picardia foram os integralistas de Passo Fundo. Durante muito tempo foram o seu " prato" predileto.
Certa feita,quando os " galinhas verdes" andavam mais assanhados, Barreiro descobriu que na sua sede, no centro, eles estavam estocando armas.
Preocupado, decidiu agir. Constatou que, à noite, a sede era cuidada por um único guarda , e que este era um bêbado inveterado.

Sem aparecer pessoalmente, foi " cercando" o guardinha, através de outros companheiros, e abstecendo-o de caprichadas doses de cachaça. Durante noites e noites este ritual se repetiu. Quando, lá pelas tantas,pareceu-lhe o momento adequado, mandou conflitar o bêbado: que aquilo era pecado mortal, aqueles porres, uma violência aos olhos de Deus,etc. Em resumo: ele precisava confessar-se
Precisava conversar com um padre.
Ele, bêbado, aceitou. Não veio um padre: veio o próprio Bispo para fazer o " serviço".

Fazendo-o dormir com algumas preces blasfemas e cretinas, Eduardo Barreiro sumiu dentro da noite com as armas destinadas à perpetuação do III Reich...

Apesar do desfalque, a sede dos nazi-tupiniquins continuou altamente festiva. Suas gandaias entravam madrugada a dentro com vivas à Hitler, chopp e dança à vontade. No seu delírio, os nazistas de Passo Fundo já viviam as glórias do III Reich...para a irritação de Barreiro.

Era preciso quebrar-lhes a crista, desmoralizá-los.

Na sfrente da sua sede atremulava, diariamente, altiva e provocadora, a bandeira nazista. Certa noite, não se sabe como, Barreiro conseguiu arrancar de lá essa bandeira, trouxe-a para o hotel, enfiou-a num poço negro, cobriu-a de merda, voltou e a recolocou onde estava. Quando o dia clareou e os nazistas recém começavam a recuperar-se da farra da noite anterior, o ventinho da manhã ajogava sobre os caminhantes aquele cheiro horroroso que sepultava para sempre os rompantes dos nazistas baguais daquela que Argeu Santarém chamou de " A República dos Coqueiros".

À distância, Eduardo Barreiro " morria" engolfado nas próprias gargalhadas.

 

Os sub produtos do Golpe de 1964!

 

" Sessenta e quatro,sessenta e seis,

um mau tempo, talvez!" - Flávio Bicca em Bailei na Curva


Os sub produtos do Golpe de 1964!

extraído do livro Autópsia do Medo, do jornalista Percival de Souza


Com o endurecimento do regime de 64 - que os mais ingênuos achavam que iria durar apenas alguns anos -a partir da decretação do AI em 13 de dezembro de 1968 - os DOPS começaram a se fortalecer.Os empresários dos grandes conglomerados nacionais - embora hoje neguem - fortaleciam estes sistemas policiais - conhecidos também por " a tigrada" - com armas e dinheiro .

Veio a luta armada principalmente vista como uma saída entre os jovens mais impetuosos e radicais. Formaram-se os chamados " foquistas" - que se baseavam nos manuais guerrilheiros de CHE Guevara e Regis Debray e do Padre colombiano Camilo Torres.

Em contrapartida,dentro do sistema repressivo " bandidos" com roupagem de policiais, como o falecido delegado Sérgio Parnahos Fleury, começaram a ganhar uma fama e uma força, antes inimaginada.

Fleury era o mais temido de todos. Ele chegou a estar em Porto Alegre, no começo dos anos 70, para tentar prender o negro Edmur Péricles Camargo, que havia fundado um movimento guerrilheiro denominado M3 ( Mao, Marx e Marighella).
O repórter fotográfico Assis Hoffmann, que nestes anos trabalhava na sucursal da revista VEJA - uma das poucas publicações no país que naquele período do Governo Médici conseguiar dar algumas linhas sobre repressão e movimentos guerrilheiros - recebeu uma dica do Rio de Janeiro, da própria revista, da chegada de Fleury a Porto Alegre.
Como a VEJA daria uma matéria sobre o poder que Fleury vinha aglutinando dentro do DOPS paulista, eles precisavam uma foto do policial. E não era fácil fotografa-lo, mesmo em São Paulo.

Assis foi para o aeroporto Salgado Filho, onde Fleury recem chegara num jatinho.
- Quando cheguei lá havia um movimento grande no Salgado Filho porque o Grêmio( time de futebol da capital) estava chegando e tinha muito repórter e fotógrafo.

Mas eu não queria fotografar o Grêmio.
Vi o Fluery lá nos fundos conversando com um colega da polícia gaúcha.

Chjeguei perto, prossegue Assis, com a máquina escondida. Quando vi que era a hora, gritei seu nome. Ele se virou e eu clicquei, bati a foto ,fiz o boneco dele, bem feito.
Ele ficou puto da cara e me disse:
- É que tu tá aqui,cara, se fosse em SãoPaulo, tu ias ver onde tu ias parar.

Assis voltou pra sucursal e mandou a foto pro Rio de Janeiro.(onde trabalhava o repórter gaúcho Paulo Totti).

O Delegado Sérgio Paranhos Fleury foi " eliminado" - diz-se que foi um acidente - em primeiro de maio de 1979, bem quando o regime estava começando a se abrir. Era um arquivo ambulante.
Quando o presidente Geisel,estrategicamente, começou a mexer para fazer uma abertura política que desembocaria nas eleições livres para governador em 1982, ele sentiu a reação do que ele próprio identificou como " os bolsões sinceros mas radicais".Era a " tigrada" que mandava nos porões da ditadura e que não queria abrir mão do poder que tinha angariado ao longo do golpe de 1964!


Coleguinhas

 

Na terça-feira, véspera do Feriadão da Páscoa, Porto Belo e a
Enseada de Zimbros estavam com tempo firme, ensolarado, com
temperatura de 24º Celsius na água do mar e 26º Celsius de
temperatura à sombra. Previsão de tempo bom até na terça-feira,
dia 06/04.


Depois do banho de mar, como mostra a foto, eu a minha esposa
Lígia, tomávamos uma água mineral. Era o possível, pois passava
das 12h30min, Em vez de almoçar, usei o intervalo para buscar
informações para o teu blog. Para o De Olhos e Ouvidos,
diretamente da Enseada da Encantada, Porto Belo (SC).
Abraços.
Luiz Oscar Matzenbacher

 

O Golpe de 64

 


Como BRIZOLA FUGIU
PRO URUGUAI!!!!


Esta foi uma das perguntas que o ex-governador Leonel Brizola teve que responder para o resto de seus dias, depois que voltou do exílio em sete de setembro de 1979.

Há muitas versões. Algumas meio desabonatórias, - como a de que Brizola teria fugado "vestido de mulher". Mas o mais certo é que ele fugiu mesmo levado pelo avião do piloto do cunhado, Jango Goulart. O piloto Manoel(Maneca) Leães afirmou várias vezes que foi ele que levou Brizola da Praia do Pinhal(RS) até uma localidade do Uruguai. Mas não vestido de mulher, e sim de brigadiano.

O Pombo Correio, João Carlos Guaragna, descreve em seu livro BRIZOLA, a Revoada para o Exílio, como foram os últimos dias de Leonel Brizola, antes de deixar o Brasil. Eis seu relato que está à página 82 do seu livro de memórias.

acervo de Alfonso Abraham, foto feita por José Abraham Diaz.

O Começo do Exílio

" Fracassados os apelos a Jango no sentido de se resisitir ao golpe militar que acabara de ser desfechado, Brizola resolveu permanecer em Porto Alegre a fim de tentar organizar, ele próprio, qualquer tipo de resistência aos golpistas.
Assim, ao final da célebre reunião realizada na residência do comandante da III Região Militar na noite do dia 1 para dois de abril de 1964, entre o Ladário,Jango e Brizola, quando Jango optou pela não resistência, Brizola retirou-se para lugar não conhecido.
Divulgou-se na época - versão oferecida pelos golpistas - que Brizola havia fugido. Uma versão mentirosa e até ridícula, porquanto Brizola se encontrava em Porto Alegre , de onde somente se afastou em 7 de maio,sabendo que estava sendo caçado pelos militares -armados para capturá-lo vivo ou morto - e havendo esgotado todas as possibilidades de resistência.

Aliás, a ordem para "esmagar" Brizola já havia sido dada bem antes pelo subsecretário americano de Assuntos para a América Latina...

Brizola não ficou em um mesmo lugar durante os 44 dias que permaneceu no Estado. Seu primeiro refúgio foi o interior do município de Gravatai, na estrada que liga Porto Alegre a Taquara, mais especificamente na fazenda do então deputado José Fidélis Ramos Coelho, que inclusive fora um dos subchefes da Casa Civil em seu governo.

Uma semana depois, viajando à noite, de automóvel, Brizola deslocou-se para Porto Alegre e refugiou-se na residência do Dr. Jacob Schaanb, depois na do deputado Victor Issler, então presidente do Diretório do PTB. Deste local, em sequência, passando pelo apartamento do Dr. Leônidas Issler,filho do deputado, transferiu-se para o apartamento do Dr. Ajadil de Lemos, seu ex-secretário da Justiça, localizado na rua Duque de Caxias, ao lado do viaduto Otávio Rocha, a 200 metros do Palácio do Governo.
Foi desse local que Brizola saiu, na madrugada do dia 7 de maio rumo ao Uruguai, obedecendo a um esquema elaborado por Ajadil de Lemos, Vilson Vargas e ele próprio.
Embarcou num fusquinha do Dr. Ajadil dirigido por sua esposa, D. Lenir de Lemos. Vestia um uniforme da Brigada Militar. Assim foi até o Pinhal, praia onde foi apanhado por um pequeno avião de João Goulart, pilotado por Manel Leães, a bordo do qual chegou ao Uruguai.

Durante o percurso Porto Alegre-Pinhal, Brizola passou duas fortes barreiras , uma da Brigada Militar e outra do Exército e não foi reconhecido. Dizer que Brizola fugiu, portanto, é irresponsável, coisa digna de espíritos inferiores"


Águas de Março

 


Tom Jobim
É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o MatitaPereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira
É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, é um pouco sozinho
É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão,
É a promessa de vida no teu coração
É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
pau, pedra, fim, caminho
resto, toco, pouco, sozinho
caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.

 

Feriadão de Páscoa é despedida de verão....

 


Os gaúchos gostam de usar o Feriadão da Páscoa para se despedir do verão. Geralmente é assim: milhares de portoalegrenses e afins demandam às praias do litoral de Santa Catarina. Depois o litoral só volta a ser procurado no feriadão de finados, ou pelo surfistas que geralmente vão a Imbutuba(SC) ou Ferrugem(SC) para surfar mesmo durante o inverno.


: Emilio Chagas, Eloisa Gobbi e Maria Cademartori na Praia Mole em Floripa em 1986.( Acervo de Maria Cademartori Siliprandi).


Maria Cademartori Siliprandi,Ines Costa Barbosa e e Jorgico em Bombas, Porto Belo, em 1983.(Acervo de Maria Cademartori Siliprandi)


Bombinhas, em Porto Belo, em 1983 ( Acervo de Maria Cademartori Siliprandi)


MARCOPOLO PROMOVE MUDANÇAS NO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

 


Mauro Bellini é eleito vice-presidente do conselho que conta com dois novos integrantes


Caxias do Sul (RS), 30 de março de 2010 - Em Assembleia Geral Ordinária, realizada hoje, dia 30 de março, em Caxias do Sul, RS, a Marcopolo promoveu mudanças no Conselho de Administração. Na mesma assembleia, o Conselho de Administração elegeu Mauro Bellini vice-presidente.

Mauro Bellini é formado em Engenharia Mecânica pela PUC - Pontifícia Universidade Católica; em Administração de Empresas, pela UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e MBA (Master in Business Administration) na International Negotiation School, em Joanesburgo, África do Sul.

Na vida profissional, Mauro trabalhou em diversas divisões da Marcopolo. Foi sócio/diretor da empresa Brasa PTY, em Joanesburgo, África do Sul, onde atuou na comercialização de ônibus Marcopolo e foi responsável pela abertura de mercado em mais de 30 países da África e Oriente Médio. Desde 2007, compõe o Conselho de Administração da companhia.

A Assembleia Geral elegeu dois novos conselheiros: Ivoncy Ioschpe - representante dos controladores. É economista, presidente do Conselho de Administração da Iochpe-Maxion; presidente do Conselho Curador da Fundação Iochpe e fundador da Iochpe-Maxion S/A, grupo empresarial que atua nos segmentos de autopeças e equipamentos ferroviários; Rogério Ziviani - representante dos acionistas portadores de ações preferenciais. É administrador de empresas, formado pela Universidade Mackenzie - SP, com especialização em Administração Internacional pela University of So. New Hampshire - USA; foi diretor da Suzano Papel e Celulose, da Bahia Sul Celulose e gerente de várias áreas na Aracruz Celulose. Atualmente, é Conselheiro de Administração da Duratex.

De acordo com Paulo Bellini, presidente do Conselho de Administração da Marcopolo, as mudanças realizadas trarão uma nova dinâmica à companhia. "O ingresso de novos profissionais, na administração, certamente contribuirá para o aperfeiçoamento das competências e um crescimento estratégico dos negócios. A gestão da empresa seguirá sendo exercida pela Diretoria Executiva, que abrange todas as áreas da empresa", esclarece.

O Conselho de Administração da Marcopolo passa a ter a seguinte composição: Paulo Bellini - presidente; Mauro G. Bellini - Vice-presidente; Valter Gomes Pinto, José A. F. Martins, Fuad J. Noman Filho, Ivoncy B. Ioschpe e Rogério Ziviani - Conselheiros.

Secco Consultoria de Comunicação

 

O Golpe de 64

 


Golpe pegou prefeito Sereno Chaise
no churrasco de seu aniversário


Hoje, dia 31 de março o presidente da CGTEE, o ex-prefeito de Porto Alegre, Sereno Chaise completa 81 anos. Mas no dia 31 de março de 1964, com 36 anos ele era o prefeito eleito de Porto Alegre. " Estava num churrasco nos Inapiários quando chegou a notícia do Golpe militar" confessou dias atrás o ex-prefeito.

Foto de Gaudêncio, acervo do PDT/S.Borja.

Sereno Chaise, de óculos, Percy Penalvo, e Leonel Brizola no túmulo de Florentino Dutra, no cemitério municipal Jardim da Paz, em S. Borja Data: começo dos anos 2000.


( Nota explicativa: Florentino Dutra foi um capataz do presidente Jango. Foi morto em outubro de 1954 num tiroteio no Preto Hotel, em Porto Alegre. Teriam ofendido o presidente Getúlio Vargas e houve uma discussão. Dela saíram três moros no bar do Preto Hotel. Um deles foi Florentino Dutra).

 

 

Ele relata que do churrasco, que foi interrompido - era uma homenagem que o secretariado e seus auxiliares mais próximos lhe faziam -" fomos todos para o prédio da Prefeitura Municipal". E lá passaram a noite,aguardando notícias do centro do país, que chegavam a conta gotas.

Sereno Chaise relata que quando amanheceu ele ficava indo do prédio da Prefeitura Municipal, na Praça Montevideo, ao III EXército, na av. dos Andradas, porque toda hora o comandante Militar da Região Sul, o General Ladário Telles - que o presidente João Goulart recém nomeara - o chamava para asaber informações. Numa das vezes que regressara do Quartel, nem tinha posto os pès dentro do prédio da prefeitura, quando chegou um emissário espavorido exigindo que ele voltasse pra se encontrar com o General Ladário:

- Mas, como recém voltei de lá, protestou Sereno.

O emissário praticamente o levou pelo braço ao encontro do Comandante Militar do S ul.

Aí Sereno viu a gravidade da situação. Tinham chegado aos ouvidos do General Ladário informações de que uma turma comandada por um ex-combatente do Levante Armado de 1935(conhecida por Intentona Comunista)de sobrenome Peres e que fora militar expurgado das fileiras do Exército por sua participação naquele levante ao lado de Luis Carlos Prestes estava subindo a avenida Borges de Medeiros depois de ter passado a noite em vigilia na frente da prefeitura e iria tomar o Palácio Piratini.

- Eu sou legalista. Assim como defendo o mandato do presidente João Goulart, defendo o mandato do governador Ildo Meneghetti advertiu o General ao prefeito. E Ladário quis saber mais uma coisa:
- O senhor tem condições de segurar esta turma?

O prefeito disse que sim.

Foi atrás deles e depois de uma grande discussão principalmente com o Peres, conseguiu demovê-los a não tomar o Palácio Piratini. Sereno disse que seu argumento foi de que aquilo poderia ser uma armadilha e eles morrerem todos.

O ex-prefeito também conta que os tanques que se postaram na Rua Sete de Setembro vinham da " Serraria" e ficam aquartelados " onde hoje está no Chocolatão, o prédio da Receita Federal, esperando as ordens". Mas Sereno diz que eram tanques legalistas, isto é,que estavam do lado do presidente João Goulart.

Sereno dispersou a turma

O editor da Revista A Granja, naquele ano, José Nelson Gonzalez, que pertencera a Tribuna Gaucha e trabalhara como repórter do Jornal A Hora foi com seu sócio, Luis Carlos PMachado até a frente da prefeitura porque as rádios estavam noticiando muito o golpe do General Mourão.
- Chegamos lá e não havia mais que 200 pessoas postadas na frente da prefeitura. Daí há pouco sai o Sereno(prefeito) com uma pastinha debaixo do braço e começou a fazer sinais para as pessoas se dispersarem, como quem diz, acabou....

 

O golpe de 64
na visão de um repórter- fotógrafo

 


O repórter - fotográfico Assis Hoffmann lembra do golpe de 1964, principalmente da noite do dia 1 de abril para o dia 2. Ele era fotógrafo da Ultima Hora, que deixou de circular naqueles dias, mas foi fazer plantão fotográfico na frente da casa do General Ladário Telles, na esquina da Rua Carlos Von Koseritz com Cristovão Colombo.

- Quando cheguei lá, tudo era alegria. Os militares e outros assessores e políticos que estavam lá esperando o presidente estavam eufóricos. Abriram champagne! Eu vi....Se havia espalhado a versão de que o presidente tinha decidido resistir. E ali todos queriam resistir.

Lá pelo fim da madrugada, quando amanhecia, prossegue Assis, eu comecei a notar movimentação de gente colocando malas dentro de carros. Logo entendi que o presidente estava deixando o país. E vi muitas pessoas chorando.....

 

 

 

PORTO BELO É A PRAIA DOS INTELECTUAIS PARISIENSES

 



Por Luiz Oscar Matzenbacher


Eu gosto tanto de Santa Catarina que moro hoje em Porto Belo, uma aldeia de pescadores e atracadouro de transatlânticos de luxo, na Enseada da Encantada, situada entre Florianópolis e Balneário Camboriú. Mas nunca havia compreendido com exatidão, a verdadeira paixão dos gaúchos pelos mares catarinenses, até que um intelectual francês veio passar uns dez dias no início desse mês de março, aqui em minha casa.
Lucien Sfez, um tunisiano nascido durante a II Guerra Mundial, que mora em Paris e veraneia na Riviera Francesa, desde os cinco anos de idade, disse que nem mesmo as praias do Mar Mediterrâneo, ou as da Bahia, superam as praias de Porto Belo ou da enseada de Zimbros, no município de Bombinhas. Ele é professor da Universidade de Sourbonne, mestre em Ciência Política, professor de Jornalismo e jurista. Pois, Lucien Sfez já passou duas temporadas em minha casa em Porto Belo e diz que encontra nessas enseadas calmas, cercadas de montanhas com vegetação exuberante, que considera tropical, a tranqüilidade necessária para descansar o corpo e a mente e enfrentar mais um ano de trabalho na agitada Paris.
O mestre Lucien Sfez é proprietário de uma casa em Nice, na França, com vista para o Mar Mediterrâneo, portanto também é um catedrático em praias e litorais. Com essa autoridade, ele escolheu Porto Belo e Zimbros, como praias de predileção. Alguém poderia discordar?
O professor Lucien Sfez também é um apaixonado por vinhos da Serra Gaúcha. Disse não entender como os intelectuais brasileiros preferem sempre os vinhos argentinos, chilenos e europeus, desprezando, nos restaurantes, as cartas dos vinhos do Rio Grande do Sul, que classificou de “excelentes”. Lucien Sfez pediu durante os dez dias que aqui esteve os vinhos Marcus James, da Aurora – especialmente os das uvas Carmenérè e Merlot, para acompanhar os jantares. É bem verdade que ao se despedir, pedindo para voltar ao Porto Belo no próximo ano, me presenteou com uma garrafa de um tinto francês Epicure, divino, de Bordeaux.
Esse intelectual francês entendeu já em 2007, quando esteve aqui pela primeira vez, as razões que levam os gaúchos a ter uma predileção exagerada pelas praias de Santa Catarina, nas temporadas de veraneio e nos feriadões. Nessas épocas, a BR-101 se transforma em uma extensa Avenida Castelo Branco, ou até numa Freeway estendida. Agora, com 60% do trecho entre Torres e Florianópolis, duplicado, fatalmente os grandes congestionamentos de veículos de gaúchos entupindo a BR-101 vão se repetir nessa Páscoa.

De S. Borja

 


Hoje, dia 30/03 ,às 14 horas, o prefeito de S. Borja, Mariovane Gottfried Weis será ouvido pela juíza no processo número 030/10800029350, movido pelo Ministério Público, em ação cívil pública por improbidade administrativa (sem segredo de Justiça).
No despacho inicial a juiza diz que " na presente ação, pretende o Ministério Público sejam aplicadas as sanções pertinentes à improbidade administrativa do Prefeito Municipal Mariovane Gottfried Weis, pois alega desvio de finalidade e ausência de objeto no ato administrativo de desapropriação de área pertencente a família do Prefeito com valor superior ao de mercado.
Sustenta o desrespeito ao interesse público em benefício da família do réu, em afronta aos princípios da impessoalidade e moralidade. Pela análise perfunctória dos fatos narrados na exordial,até porque não cabe neste momento processual estudo do mérito da lide, cotejando-se com a manifestação escrita apresentada pelo réu,verifica-se que não há, no presente momento, como rejeitar liminarmente a ação, cometimento de ato , pois necessária a instrução do feito para constatar se houve ou não cometimento de ato de improbidade. Com efeito, para se perquirir se houve o ato lesivo é necessária, além de dilação probatória, reflexão mais aprofundada sobre a matéria, pois as alegações contidas na inicial, em princípio, são aparentemente fundadas, e não foram prontamente elididas pela manifestação apresentada. Isso posto,preenchidos os requisitos legais, recebo a inicial.Cite-se o réu para oferecimento de contestação. Intimen-se. Diligências legais."

 

Vovó coruja

 

Este site também tem o espaço dos vovós corujas. Ai vai o neto da leitora Naira, que nos manda desde a Santa Maria da Boca do Monte!

 

 

FUNDASOLOS
33 ANOS




A Fundasolos está chegando aos 33 anos de atuação, já tendo executado mais de 7.200 obras, entre sondagens e estacas. Acompanhando o bom momento vivido pelo setor da construção civil, o diretor da empresa, eng. Newton Quites, projeta um forte crescimento para 2010. No segmento de obras residenciais, a expectativa da Fundasolos é de crescer 20% neste ano e no de obras industriais, a expansão deverá ficar na faixa dos 15%.
Todt Comunicação

 

Coleguinhas

 


* Alguma coisa vai mal na Guaíba. No domingo, no programa do Mendelski, colocaram a voz do começo do programa ( que é gravado) lá pelas onze e tanto.....

E na Guaíba AM, estavam dando o comercial do Correio do Povo de sábado, em pleno domingo( Leia no Correio do Povo de sábado....e aí a locutora davam as manchetes....Toing....estão mais perdidos que cego em tiroteio....)


* Já quem fez bonito neste domingo, dia 28/09, foi o programa Domenica Italiana, apresentação de Carmine Motta. Como o programa é ao vivo, - o ouvinte logo nota isto - o improviso ficou bem legal. Recordam o histórico do Domenica Italiana( que começou como o Eco do professor Bado, na rádio Princesa, do Grupo Jornal do Comércio.) Quando Bado morreu, o programa ficou um ano fora do ar....A Italianada de Porto Alegre e do interior começou a pressionar a ACIRGS pro programa voltar e foram falar com Carlos Ribeiro,então diretor da Guaíba que topou. Mas a ACIRGS paga a Guaíba pelo espaço. Tempos atrás era entre 6 e 7 mil reais.

*Até Adriano Bonaspeti, um dos fundados do Domenica Italiana esteve no domingo no programa. O Bonaspeti iniciou o programa, mas hoje pouco dele participa. Só ouvinte dele porque a música que toca é muito boa....( e porque sou italiano de passaporte e tudo....)

 

A INVASÃO GAÚCHA NA PÁSCOA

 

A INVASÃO GAÚCHA NA PÁSCOA. - Roteiro Alternativo.


Por Luiz Oscar Matzenabacher


Os gaúchos e os uruguaios já começaram a invadir o Litoral Norte de Santa Catarina. Pelo menos é a impressão que se tem, ao vermos os veículos com placas de Montevideo, Canelones, Punta del Este, Porto Alegre, Canoas, Caxias do Sul, Santa Maria, superando até mesmo os de Curitiba, que desde a duplicação do Trecho Norte da BR-101 passaram a imperar nas ruas e estradas de Porto Belo, Bombinhas, Itapema e Florianópolis, nas férias e feriadões. Mas na Páscoa, a maioria aqui é tradicionalmente, de gaúchos e uruguaios.
Na verdade, o Feriadão da Páscoa já começou na última seta-feira(26). É o penúltimo feriadão do primeiro semestre, com direito a banho de mar e muito Sol. Mas vale lembrar que muitos gaúchos conseguem obter um feriadão extra no 1º de Maio, bem mais tranqüilo e com a água do mar ainda com uma temperatura com mais de 24º Celsius. Infelizmente, o 1º de Maio de 2010 é no sábado. Então, o congestionamento na Br-101, a partir da quarta-feira, vai ser mesmo obrigatório.
Eu sugiro que em vez de ficarem 12 horas congestionados na BR-101, os motoristas gaúchos que viajarem na quinta-feira ou quarta-feira, o façam por um roteiro novo, um pouco mais longo, pelos Aparados da Serra. Inicia em Gravataí, Morungava, Taquara e segue por São Francisco de Paula, Tainhas, Bom Jesus, Vacaria, Lages e Florianópolis. (Mas em Tainhas é preciso seguir 18 km pela Rota do Sol no rumo de Caxias do Sul e pegar uma estradinha asfaltada à direita, até Bom Jesus).
É um atalho fantástico, tão relaxante, que muitos pdoem desistir de seguir adiante e resolvam se hospedar no meio do caminho, em uma pousada-rural qualquer.
Esse roteiro tem um pequeno trecho sem asfalto e reduz o tempo real da viagem em três horas ou mais, em relação à BR-116 e até em quatro horas em relação à BR-101 engarrafada, que infelizmente ainda não foi duplicada totalmente entre Torrres e Palhoça. Mas é preciso viajar durante o dia, para apreciar com mais segurança todo o espetáculo dessa paisagem que passa pelo Altiplano Catarinense e trecho gaúcho dos Campos de Cima da Serra. Na Serra Catarinense segue-se via BR-282 - desde Lages até Florianópolis.

 

Rescaldos do enterro do Dr. Matheus Schmidt

 


* Carlos Bastos a comentar que dos dez destacados como históricos do PDT , dois já faleceram:

- Eu sou um dos históricos. Mas o Dr. Matheus e a dona Dalva que também eram, ganharam este destaque já faleceram.

* A nota lida no velório do Dr. Matheus enviada pela Governadora Yeda Crusius foi uma " cópia" do que o Jornal O SUL tinha publicado no domingo. E ela fora escrita pela jornalista Francis Maia, do PDT. Ou seja, aqui nada se cria, tudo se c....."

 

Memória da Imprensa

Algumas( publicáveis) contadas nesta manhã na sala do PDT aqui da Assembléia Legislativa, pelo Nene, ou Carlos Bastos.

1) Depois que Lauro Schirmer se separou de sua primeira esposa e mãe de seus filhos, Gerson e Laura, foi morar durante uns 3 anos no Hotel S. Luis. Sua nova namorada de então, a jornalista Célia Ribeiro não aceitou dividir o mesmo tempo( se diz também juntar as escovas de dentes) se ele não estivesse como se dizia naqueles anos " fora de casa". E foram casar em Montevideo, porque lá podia-se casar divorciados. No Brasil, naqueles anos, necas pau....

2) Maurício Sobrinho, dono da TV Gaúcha mandou o chefe de Jornalismo Carlos Bastos dar uma matéria contra um político importante. O político procurou Maurício e foi atendido. A reação do dono da RBS foi de "artista".

- Olha, meu amigo, estes dias eu estava dizendo aqui pro Conselho de Administração: não consigo controlar o Bastos lá na TV Gaúcha. Ele manda e desmanda.
Ato seguinte, depois que a visita foi embora, pegou o telefone e avisou o subornado:
- Ele vai aí te procurar. Aguenta no osso do peito!

" Nene" aguentou.

3) Chegou uma equipe do Globo Repórter da TV Globo no Sul pra fazer um Globo aqui. Foram pra RBS TV e o Bastos os recepcionou. Pediu ao Fernando Miranda, diretor da televisão , permissão para levar a equipe jantar.
- Leva e traz a nota aqui depois, disse Miranda.
Foram pro Barranco. Quando lá chegaram, a repórter que Bastos não lembra o nome começou a dizer:
- Já conheço esta churrascaria. Chegamos no aeroporto, pegamos um táxi, viemos pra cá e depois fomos a P.Fundo.
- Ah, reagiu o Bastos, então tu namorastes o Tarso de Castro?
- Ué, como é que tu sabes,reagiu a repórter.

- Porque ele sempre levava suas namoradas pra mãe conhecer!

4) Bastos prometeu escrever um livro sobre o que sabe dos bastidores do jornalismo gaúcho e brasileiro. Duvido.Vai ser que nem o livro do Carlos Fehlberg sobre política que está escrito mas que nunca foi publicado.

5) Bastos diz que o melhor texto que conheceu na imprensa gaúcha é o do Ibsen Pinheiro.

 

Memória da Imprensa

 

Fehlberg(I)


O dia em que Carlos Machado

Fehlberg não quis dirigir o Correio do Povo!


Quem conhece nos detalhes a história deste convite é o repórter João Carlos Terlera, que acompanhou Renato Ribeiro num jatinho a Florianópolis para convidar Carlos Fehlberg, que era o editor-chefe do Diário Catarinese na ocasião. Segundo Terlera, além dele, estavam o patrão Renato Ribeiro e Paulo Sérgio Pinto,então diretor-comercial da Caldas.

O encontro para o convite se deu no próprio aeroporto. Apenas Renato Ribeiro e Fehlberg teriam participado.Depois da conversa, que não durou mais do que meia-hora, o jatinho que havia levado o todo-poderoso dono da Caldas Junior tomou o rumo de volta a Porto Alegre.

Renato Ribeiro vinha entusiasmado com a possibilidade de contar como editor-chefe do Correio do prestigiado jornalista que havia saído da Zero Hora e fora transferido para Santa Catarina. A RBS ainda ofereceu a Fehlberg ir para Buenos Aires, mas ele não aceitou.

As razões da negativa de Fehlberg a Ribeiro são desconhecidas.
No jatinho de volta, Ribeiro,entusiasmado, porque sabia que se Fehlberg viesse, ele também poderia contar com o concurso do repórter Terlera, que estava junto na viagem com ele, recebeu o que se chama de um balde de água fria de Terlera( que sempre prima pela sinceridade.)
- Acho que ele não vem! disse Terlera que conhece Fehlberg como a palma de sua mão.

Tempos depois,alguém perguntou a Terlera de onde ele tirara esta certeza.

E o mais bem informado repórter político que passou pela imprensa nas décadas de 60,70,80,90 foi taxativo:

- Eu vi o Pedrinho(referia-se a Pedro Sirotsky, sócio da RBS) no balcão tomando um cafezinho.

Fehlberg ( II)

Esta quem me contou foi o Serginho Ros. Numa noite de inverno estavam todos num sábado de noite, na redação da Ultima Hora, na Sete de Setembro,738. Saíram com o jeep que havia ali para deixar o Serginho e o Carlos Fehlberg( um rato de redação) em casa, mas antes tinham que passar na Central de Polícia, ali na av. Mauá, para a troca de repórter plantonista.Fehlberg, por causa do frio, ficou dentro do jeep,encaranguado. O motorista também. Serginho e o outro repórter foram para a delegacia, pra render o repórter que estava lá de Plantão.

Começou uma discussão entre o motorista do Jeep e um policial( era uma polícia especial que usava um boné vermelhinho) tira o jeep,dizia o policial. Não, só mais um pouquinho,alegava o motorista.

De repente, o Fehlberg desceu do jeep e sabe-se lá porque motivo, o guardo o pegou pelo cangote e foi levando-o de arrasto até a frente do delegado de Plantão:

- Seo delegado, este senhor tentou me agredir, alegava o guarda.

Foi uma cena que o Sergio Ross nunca mais esquece.

Claro que o Fehlberg foi liberado, porque a autoridadepolicial entendeu que havia acontecido uma confusão.

 

Coleguinhas

 


Esta quem me contou foi o Diógenes de Oliveira. Logo que Olívio Dutra e Tarso Genro assumiram a prefeitura de Porto Alegre, em 1989,receberam a visita do comunista histórico Antônio Pinheiro Machado Neto. Quem chegou lá para pegar notícias com os novos mandatários da prefeitura de Porto Alegre, foi o" KGBÃO",alcunha que Melchiades Stricher deu ao então repórter da Zero Hora, Ilimar Franco( hoje no O Globo, em Brasília).

Ilimar viu Pinheiro Machado no gabinete e não se conteve:

- TU SEMPRE POR PERTO DO PODER HEIN!!!!!

 

 

Matheus Schmidt, morto no sábado, morou em República estudantil nos anos 40.


Matheus Schmidt, de lenço no bolso do paletó em 1946, na república onde morava em Porto Alegre.

 

Matheus Schmnidt, prócer do PDT falecido aos 84 anos no sábado passado era um dos moradores de uma pequena república de estudantes que ficava na rua Sarmento Leite,1073.


Matheus Schmidt, agachado, o último da esq/dir na república onde residiu em porto alegre. ano 1946


Moravam ali Adervbal Faz, de Itaqui, Hermano Thadeu, de Alegrete, Matheus Schmnidt, de Soledade, Policarpo Pereira da Costa, de Alegrete, Hélio Faraco, de Alegrete, José Nelson Gonzales, de Uruguaiana. LuzardoFranco, de Alegrete. O menino , preto, que aparece sentado na calçada era o menino de recados da pensão.


Matheus Schmidt na república onde morou em Porto Alegre, em 1946.

As moças que aparecem na foto, entre elas Celina de Borba( que viria a casar e constituir família com José Nelson Gonzalez)
são além da própria Celina, Leda Schneumana e moças das vizinhas que apareceram pra tirar a foto.

 

 

UOL DE HOJE :

 



" Ainda com esperanças de contar com o apoio, pelo menos informal, de setores do PDT, o presidente estadual do PT divulgou um documento em que alinha as ?afinidades? entre os dois partidos. ?Grande parte dos trabalhistas quer estar com o PT [na disputa eleitoral], por conta de nossas identidades?, provocou Raul Pont."

DA CARTA DE PRINCÍPIOS DO PT DE 01.05.1979 :

Cientes disso também é que setores das classes dominantes se apressam a sair a campo com suas propostas de PTB. Mas essas propostas demagógicas já não conseguem iludir os trabalhadores, que, nem de longe, se sensibilizaram com elas. Esse fato comprova que os trabalhadores brasileiros estão cansados das velhas fórmulas políticas elaboradas para eles.
Agora, chegou a vez de o trabalhador formular e construir ele próprio seu país e seu futuro.
Nós, dirigentes sindicais, não pretendemos ser donos do PT, mesmo porque acreditamos
sinceramente existir, entre os trabalhadores, militantes de base mais capacitados e
devotados, a quem caberá a tarefa de construir e liderar nosso partido. Estamos apenas
procurando usar nossa autoridade moral e política para tentar abrir um caminho próprio
para o conjunto dos trabalhadores. Temos a consciência de que, nesse papel, neste
momento, somos insubstituíveis, e somente em vista disso é que nós reivindicamos o papel de lançadores do PT.


As tentativas de reviver o velho PTB de Vargas, ainda que, hoje, sejam anunciadas ?sem erros do passado? ou ?de baixo para cima?, não passam de propostas de arregimentação dos trabalhadores para defesa de interesses de setores do empresariado nacional. Se o empresariado nacional quer construir seu próprio partido político, apelando para sua própria clientela, nada temos a opor, porém denunciamos suas tentativas de iludir os trabalhadores brasileiros com seus rótulos e apelos demagógicos e de querer transformá-los em massa demanobra para seus objetivos.

AGORA EU :

BOTA AFINIDADE E IDENTIDADE NISTO.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Os fantasmas são reais

 


Sei disso, pois as famílias dos meus avós paternos Hoff (pela avó) e Matzenbacher (pelo avô), se fixaram naquela região cheia de lendas e histórias fantásticas, entre Guaíba e Tapes, nas costas do Rio Guaiba e da Lagoa dos Patos, desde 1820, ou por essa data.
Uma das histórias que meu avô me contava, junto ao fogão de lenha, era de um horrendo crime passional que teria acontecido lá na Praia da Alegria, nas proximidades, do trapiche. Foi no matagal. Meu avô Pedro me contava o crime para dizer da existências dos fantasmas que perturbariam as famílias fixadas em Alegria.
Teria sido assim: Um "moreno" se meteu com a mulher ou namorada de um "índio" ginete. Ela teria se apaixonado pelos dois. Enquanto o gaudério domava éguas e potros pelas fazendas da vizinhança, ela mantinha um namoro escondido com o "Moreno" - era assim que o chamavam.
Um dia o gaudério flagrou os dois em idílio debaixo de uma figueira. A árvore era tão grande, que as pontas dos galhos pendiam até as águas do rio, dezenas de metros além do tronco. Ali ocorreu o duelo, na base da adaga, como sempre, nas histórias dos gaúchos peleantes. Teria resultado na morte dos três.
Ao tentar apartar a briga, a moça foi morta por um golpe de cada um e os dois namorados dela acabaram enfiando a adaga um no corpo do outro, por tristeza.
Os fantasmas ainda permaneceram séculos vagando debaixo das figueiras da Alegria, até que a Borregard derrubou a mata e os fantasmas migraram. Diz a a nova lenda que moram hoje, lá pelas bandas do Arroio Passo Fundo, fugindo da poluição. Mas ainda se relatam aparições.....Buuuaaahhhhh .


Luiz Oscar Matzenbacher - (Venenoso).

 

 

De Brasília...

 


Olides

Tu sabias que estes dias tu publicastes uma foto em que aparecia o Silverius Kirst ...sabes que ele foi meu colega no Colégio Conceição,dos Maristas ,m Guaporé. E que lá o apelido dele era TROMBUDO por causa do seu jeito de cortar quando jogávamos volei. Outro colega meu lá era o Nelson Assoni, de Serafina Correa que nós chamávamos de JANGUTA!!!!

Sérgio Ross

 

Coleguinhas

 

Reagindo!


* Segunda,29/03, a rádio Guaíba começa novo programa,seguramente pra dar combate às novidades da Pampa. Juremir Machado e Taline Optiz( que assina coluna política no Correinho) vão apresentar o ESFERA PÚBLICA, programa de debates .

 

Coluna do A Hora

 


O "Mazza" está mandando

estas colunas porque está prosa

que seu depoimento vai sair nomeu livro de

Serafina!


 

 


 

Pela moralização na política

 

por Christopher Goulart*

Motivo de preocupação para muitos deputados do Brasil inteiro, o avanço no Congresso Nacional do projeto de lei que dificulta a candidatura dos chamados “fichas-sujas” é uma realidade. Claro, para que o mesmo tivesse andamento, era de se esperar alterações mais brandas a respeito do julgamento sobre inelegibilidade dos políticos criminosos. Restou definido que não basta a condenação de um juiz singular. Tal decisão deve ser firmada por um colegiado. O fato de o Ministério Público antes oferecer a denúncia sobre o ato criminoso do político e a mesma ser aceita pela autoridade judicial não é sequer considerado pelo Congresso, que assim acaba sempre concedendo uma sobrevida aos parlamentares desonestos.

Eis um dado importante. A decisão condenatória de um juiz singular não pode ser considerada como “solitária”. Antes dela, ocorre a investigação de um promotor público. Por outro lado, é inquestionável o princípio constitucional de que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória”. Mas o que se verifica é que em outros casos, como na admissão no serviço público, havendo problemas na “vida pregressa” o interessado pode restar inabilitado.

Dois pesos e duas medidas diferentes servem para uma reflexão sobre o tema. Além do mais, a ninguém cabe desconhecer a morosidade genérica do Poder Judiciário, e, assim sendo, quantos políticos criminosos cumpririam seus mandatos de quatro anos enquanto a “decisão do colegiado” não é proferida? Muitos advogados habilidosos em protelar demandas judiciais garantiriam os mandatos de seus clientes, esgotando intermináveis recursos e instâncias.

Há que se frisar que o projeto partiu de uma iniciativa popular, subscrito por um 1,6 milhão de cidadãos, que têm ainda o respaldo de um país inteiro que não suporta mais imoralidade na política. Aliás, “imoralidade” é uma palavra tênue demais para classificar contraventores e criminosos. Então, uma solução poderia ser a suspensão temporária do mandado cassado em primeiro grau, até a decisão do tal “colegiado”. Dessa forma, a sociedade fica protegida de votar em um candidato que no mínimo é considerado suspeito.

Tudo o que a sociedade não quer é testemunhar seu parlamento outorgando concessões aos tais “fichas-sujas”. É um golpe duro contra a luta pela ética e moralização na política. Mais escandaloso é o Congresso Nacional manter uma postura de benevolência com deputados ímprobos para representar a população brasileira, quando o que se espera é um rigor do poder público que fulmine de vez candidaturas que lesam os interesses da pátria.

*Presidente da Associação Memorial João Goulart

Artigo publicado em Zero Hora no dia 26 de março de 2010

 

 

De S. Borja

 


Câmara Municipal
lembrou memória do falecido prefeito
José Pereira Alvarez


Com uma visita ao cemitério de Nhu-Porã,distritro de S. Borja,onde está enterrado o ex-prefeito de S. Borja José Pereira Alvarez, falecido em 4 de outubro de 2007,amigos,correligionários,vereadores e admiradores do ex-prefeito de S. Borja homenagearam,ontem, dia 28/03/2010 a memória do político sanborjense que mais vezes ocupou a prefeita municipal da chamada " Terra dos Presidentes".No dia 28/03, se estivesse vivo, José Alvarez teria completado77 anos.
A homenagem a Alvarez prestada na Câmara Municipal de S. Borja foi proposta pelo vereador do PP,Eugênio Dutra.
O ex-deputado Jarbas Lima, correligionário de José Alvarez no PL(Partido Libertador) esteve presente na homenagem.


Juca perdeu para o pai e para o filho em S. Borja

Perdeu para pai e para filho


Jose Pereira Alvarez tem em seu currículo um fato pouco comum: perdeu duas eleições a prefeito de S. Borja, uma para um pai e outra para o filho. Foi assim: no período do governo ditatorial militar, não havia eleições para o Executivo( governador e prefeito) nas estâncias hidrominerais,capitais do Estado e em municípios de fronteira. Eram as chamadas zonas de Segurança Nacional.Os governadores e prefeitos eram nomeados pelo " comando supremo da Revolução" através de eleição indireta.
Em 1985, levantadas as áreas de segurança nacional, houve as tão esperadas eleições municipais. Os prefeitos foram eleitos para um mandato de três anos.

Nesse contexto, José Pereira Alvarez que havia sido interventor durante longo período,candidatou-se ao cargo de prefeito pelo PDS. O PDT apresentou Mário Roque Weis como candidato. Era um jovem agricultor,natural de Cruz Alta, filho de imigrantes alemães, sem tradição política mas que havia conquistado espaço entre os trabalhistas são-borjenses. Não deu outra!
Após 21 anos de ditadura militar, a " Terra dos Presidentes"restabelecia seu direito de eleger seu prefeito pelo voto direto elegendo um representante trabalhista.
Foi,segundo entendimento de uns, a primeira grande derrota do José Pereira Alvarez. Dezenove anos depois, nas eleições municipais de 2004, novamente sobreveio a segunda grande derrota para ele, perdendo a eleição municipal para o filho de Mário, o atual prefeito de São Borja Mariovane Gottfried Weis que está em seu segundo mandato, tendo sido reeleito na última eleição.

Mário Weis, de certa forma, quebrou a hegemonia de vencer sempre em São Borja os candidatos ligados a aristocracia rural são-borjense.


 

Luiz de Miranda
65 anos de vida, poesia e paixão

 


Participantes:
Antonio Hohfeldt
A poesia social de Luiz de Miranda

Juremir Machado da Silva
O pampa de Miranda: uma versão universal

Sergius Gonzaga
Miranda: o épico e o lírico - uma poética latino- americana

Ricardo Barberena
Porto Alegre: Roteiro da Paixão


Dia 05/04 das 18:00 às 19:30

Local: Auditório Elvo Clemente - sala 305 - prédio 8 - PUCRS - Avenida Ipiranga 6681- Porto Alegre- RS

Entrada franca

 

Discurso da vereadora Neusa Canabarro

 

foi tema principal na noite de lançamento da candidatura Fogaça/Pompeo


O discurso proferido pela vereadora portoalegrense Neusa Celina Canabarro na quinta,dia 25/03 - que é a a sexta suplente do PDT na Câmara Municipal de Porto Alegre e que assumiu na vaga do vereador Tarcísio Flecha Negra que precisou ser hospitalizado no final da tarde de quarta,dia 24/03 - foi o tema mais comentado na noite do lançamento oficial da candidatura José Fogaça/Pompeo de Mattos, no diretório municipal do PMDB em Porto Alegre. O deputado federal do PDT, Vieira da Cunha, referiu-se ao discurso com alguns dos participantes do evento.

Na tarde de quinta da semana passada, ao se referir ao prefeito de Porto Alegre, José Fogaça(PMDB) Neusa Celina Canabarro chamou a atenção para uma referência. Disse que o problema de Fogaça " é de caráter".

Comentaristas políticos tentaram "interpretar" o discurso da vereadora mas não chegaram a uma conclusão.

Carta do Dr. Mauro

 

Olides !

Hoje à noite, em função da pequena demanda de trabalho,dei uma passada
d'olhos em teu blog.Excelentes matérias e contribuições de teus
"coleguinhas".Gosto muito das notícias de São Borja, por razões
óbvias-berço do trabalhismo-, e também, por ter dois colegas de curso
sãoborjenses; Josemin Guerreiro- tio do Leandro Guerreiro e José Odon
Marques-primo em segundo grau do presidente Jango e ex-presidente do
PDT.

Li o comentário do Marieto, referindo o que dele penso, após o
acidente. Esqueci de completar que o estimo muito e inúmeras vezes
conversamos ,longamente, em Serafina e em POA.Logo, nada há contra o
fiol de Genovino.

Em relação à missa do papagaio do Frederico, te escrevi um dia
destes.Acho que tu não deste muita importância. Foi verdade e te
confirmaram, isto é o que importa.

Em tempo. Onde foi a primeira estação rodoviária, funcionou,
posteriormente, a Exatoria Estadual( onde meu pai trabalhou por dez
anos) e o posto de Saúde(onde o Benincá reinava).

 

A vida como ela é....

 

A Minha " Edileuza"


Pela segunda vez este ano, a faxineira lá do prédio onde moro , a Maria de Lurdes, que mora no Jardim Algarve em Alvorada, foi fazer faxina lá em casa. Na primeira vez, até que ela fez um belo trabalho. Mas neste sábado, a " diarista" - ou faxineira mesmo - me tapeou....

Quando voltei da casa da Avani Stein, que é minha vizinha, ela já estava quase se aprontando pra ir embora. E isto que ela fizera a faxina do prédio, das 7h30 até as 9 horas e depois foi lá em casa. Meio dia e pouco já estava impaciente porque iria pra sua casa fazer a terceira faxina do dia e lavar roupa....


Durante os dias da semana, a minha Edileuza, como a chamo,trabalha numa empresa de costura. Ela agora está pensando em comprar dua smáquinas de costura e trabalhar como autônoma em casa. O filho já ganhou uma mota usada dela e agora ele terá como compensação ir buscá-la no prédio aos sábados.

Mas a minha " Edileuza" me tapeou...Sábado a deixeir conversar,conversar,ela não tira o pó do armário porque senão vão dizer que ela abriu o armário etc e tal. Ela não tira o pó dos livros não sei porque....

Vou pensar no seu assunto....A Avani já tinha me advertido: não pega faxineira de prédio porque elas chegam na casa da gente com toda a energia gasta....

Acho que a Avani tem razão...

E também acho que se não encontrar outra ou eu mesmo terei que continuar fazendo minhas faxinas como sempre fiz, ou então mudo de " Edileuza"!

Ah, sim e ela ainda queria levar o livro do Teixeirinha pra ler. Bom, este escrito pelo meu amigo Israel Lopes, se não tivesse uma dedicatória, seguramente o teria dado pra " Edileuza". Pelo menos ela o leria....( eu também o li...)

 

46 anos de um golpe contra o povo brasileiro

 


“Assim sendo, declaro vaga a Presidência da República”! Foi o que se ouviu na sessão do Congresso, presidida pelo Senador Auro de Moura Andrade no dia 1ª de abril de 1964. Sob a mesa do Presidente golpista, estava uma carta assinada pelo chefe da Casa Civil Darcy Ribeiro, informando que o Presidente da República, Sr. João Goulart, encontrava-se em território nacional, no Rio Grande do Sul, em pleno exercício de seus poderes constitucionais. Dessa forma, foi rasgada a Constituição Federal de 1946, pois a decretação da vacância somente poderia ocorrer em caso de o Presidente se ausentar do país sem permissão do Congresso.
Era necessário a todo custo configurar legalidade a um golpe militar, transformando-o num golpe constitucional. Era necessário obter o reconhecimento internacional do novo governo arbitrário, para adquirir aptidão de manter relações com os demais componentes da sociedade internacional. Ao assumir a Presidência o primeiro ditador de plantão, General Castelo Branco, pronunciou em seu discurso: “Meu procedimento será o de um chefe de Estado sem tergiversações no processo para a eleição do brasileiro a quem entregarei o cargo a 31 de janeiro de 1966” E assim a população brasileira foi submetida a uma mentira que perdurou 21 anos.
Analisar o golpe de civil-militar de 1° abril de 1964 implica em conhecer o contexto geopolítico do mundo na década de 60. Os Estados Unidos, preocupados com a expansão do comunismo, principalmente depois da revolução Cubana de 1959, dedicavam atenção especial ao Brasil, que tinha na Presidência da República um gaúcho adepto ao princípio da autodeterminação dos povos, e do não alinhamento econômico exclusivo com o Ocidente. Por isso, de acordo à declaração pública do ex-embaixador dos Estados Unidos Lincoln Gordon, falecido recentemente, foi na reunião na casa branca de 30 de julho de 1962 que foi mencionado pela primeira vez a possibilidade de um golpe contra João Goulart diante do Presidente Kennedy.


A CIA patrocinou a campanha de deputados e senadores que fizeram e/ou permitiram a fraude da declaração de vacância da presidência. A CIA também patrocinou passeatas e usou o manto sagrado de Deus e da Família para recrutar colaboradores em todas as camadas de nossa sociedade. Hoje, estas pessoas, autoridades, senadores, deputados, generais, empresários, funcionários públicos e muitos outros só podem ser considerados inocentes úteis ou traidores na História do Brasil.
Nosso país precisa conhecer o valor do Estadista que preservou a unidade nacional, ao evitar uma guerra civil, quando a tirania movida por interesses estrangeiros tomou conta do Brasil. Nosso país precisa urgentemente entender o projeto de Nação derrocado pela quartelada de 1964, para assimilar o prejuízo sofrido com a ditadura militar e retomar o verdadeiro caminho da justiça social.


Christopher Goulart
Presidente da Associação Memorial João Goulart

 

Porque Neusa Celina Canabarro "subiu nas tamancas"

 

com José Fogaça.

Conversei no sábado 27/03,longamente, com uma raposa - daquelas - que conhece bem os meandros do PDT.

O que ele me disse:

1) A suplente de vereadora professora Neusa Celina Canabarro estaria magoada com o prefeito José Fogaça porque queria ser secretária municipal da Educação.

2) Há gente dentro do PDT que acha que a "doença" do vereador Tarciso Flecha Negra foi " simulação". Pra suplente], no caso a professora Neusa Celina Canabarro poder assumir na quarta-feira, dia 24/03. Neusa, no primeiro dia de mandato, ficou quieta. Não disse nada.

Mas no dia seguinte, 25/03, ela pediu o tempo de liderança do PDT e foi aí que fez seu discurso intempestivo, que foi à noite, na sede municipal do PMDB,quando foi selada a aliança PMDB/PDT, o assunto principal dos cochichos de quem lá compareceu.
A frase que mais chamou a atenção do discurso da vereadora Neusa foi quando ela disse que o problema do prefeito Fogaça é de " carater". Está registrado nos anais da Câmara Municipal.

O vereador Ervino Besson,diante do discurso virulento da colega de partido, teve que pedir a palavra e dizer que aquilo era pensamento dela, não dos demais vereadores, já que Neusa falou no tempo de liderança do PDT.

3) Bom, e agora o melhor: Há muita gente, principalmente da turma do PDT que selou a aliança com José Fogaça que torce para que seja produzida uma foto de Neusa Canabarrro ao lado do candidato do PT, Tarso Fernando Hertz Genro." Uma foto destas faz o Tarso perder um milhão de votos", disse-me a raposa felpuda com a qual conversei longamente na manhã deste último sábado." Ela leva mil votos para o PT, mas em compensação,tira um milhão".

Na última eleição para a Câmara Municipal, a professora Neusa Celina Canabarro fez pouco mais de 3 mil votos e ficou como a sexta suplente da bancada do PDT.
Ela segundo algumas fontes, tinha esperanças que o prefeito José Fogaça, ou a convidaria para a Secretaria da Educação do Município, ou chamaria vereadores do PDT para a administração, para ela poder assumir o cargo no legislativo portoalegrense.
4) A minha fonte me disse ainda que: quando Germano Rigotto elegeu-se governador, em 2002, ele teve o apoio no segundo turno do PDT. Na administração estadual, coube aos trabalhistas a SEC(Secretaria Estadual da Educação)

- Mas pelo amor de Deus,t eria dito Rigotto aos emissários do PDT, não me indiquem a Neusa(Canabarro).
Foi assim que naquele ano de 2003, José Fortunatti ocupou aquela pasta que não foi suficiente para ele depois se eleger deputado federal.

 

Almoço

 


Na quarta,dia 31/03 - nada a ver com a data da " Redentora" - os ex-alunos do Julinho que volta e meia se encontram,vão almoçar junto no Copacabana....

 

Coleguinhas

* Neste sábado, 27/03, encontrei na av. Nilópolis o Beto Callage e sua esposa, a Bebel Braga Callage caminhando . A Bebel sempre caminha, caminha não, corre!!!

O bairro é cheio de celebridades. Afora eu, é claro, tem ainda Marta Medeiros, que também caminha na pracinha da Encol, o Laurinho Quadros que caminha de tarde, a A Avani Stein que leva a cachorra, a Emily pra passear,o Marcelo Rech,que também caminha e outros mais e mais...Ah,ia esquecendo da maior, sobre quem vou falar: o chargista Marco Aurélio, da Zero Hora.

Pois fiquei sabendo que a última PRESS do Júlio Ribeiro tem na capa o Beto Callage( sócio da agência DCS)e na contracapa o chargista Marco Aurélio.

O Rekern, colega da Bebel na ZH, não resistiu a galhofa. Ligou pra Bebel Callage e disse:

- Bebel, minha amiga, a PRESS tem na capa e contracapa os dois homens da tua vida!!!( em tempo: Marco Aurélio foi o chefe da Bebel na ZH!!!)

 

Lançamento de livro

 

Alexandre Garcia esteve no evento do lançamento do livro Os Televisionários, do Valmor Bergecsh,na quarta passada, dia 24/03
Foi comedido no palco,perguntou pouco e falou muito no seu pai, O Papito(Oscar Chaves Garcia).
Chamado ao palco Chico Anysio historiou boa parte do começo da televisão brasileira.


Alexandre Garcia,quando era funcionário do Banco do Brasil, recebido no Salgado Filho pelo jornalista Nelson Moura

 

Chinelagem

 


Uma médica gaúcha que saiu do Rio de Janeiro, onde trabalha no Hospital Copa D'Or, na sexta-feira para no sábado ser madrinha de um casamento de um Porto Alegre.A festa no Leopoldina Juvenil na noite do sábado,dia 27/03 trouxe para esta médica um enorme dissabor: teve sua bolsa roubada dentro do Leopoldina, durante a festa.

A incomodação que isto lhe deu não foi pouca: teve seus documentos roubados, cinquenta reais em dinheiro,e o pior: sem carteira de identidade não poderia embarca de volta,ontem, domingo, as 1'8 horas para o Rio...

Agora, convenhamos: convidado participar de festa de casamento no Leopoldina pra roubar bolsa de outro convidade. É muita chinelagem!!!!
Chega a dar revolta.

Coleguinhas

 

* Alexandre Garcia provocou "fofoca" em Brasília. Como ele estava em Porto Alegre desde quarta passada, dia 24/03 - veio para o lançamento do livro os Televisionários - em Brasília se dizia que estaria pegando outro caminho...tomando outro rumo....
Mas o papo de ontem,domingo, era que hoje,segunda,dia 29/03 ele reassumiria as funções na TV Globo.Será?

Sobre estes episódios de sai não sai de um veículo, um antigo repórter da Ultima Hora, do Samuel Wainer, lembrou-me que o pessoal da UH nunca era chamado pra trabalhar na CaldasJunior.Havia lá um repórter que costumava blefar dizendo que ele havia recebido este convite.E andava dizendo entre cochichos na redação aos coleguinhas:
- Olha, me viram saír da redação da Caldas Junior!Mesmo assim, não levava seu aumento salarial pretendido.

*Esta é de memórias: Um time de veteranos da Ultima Hora foi a Santa Maria. Isto contra os funcionários da UH de lá.

Viajaram num dos trens minuano que havia antigamente. Lá tomaram de 12 a zero, mas o que passava os recados pelo código morshe mandou pra Capital o seguinte teor:

- Tomamos 12 a zero na partida mas cagamos eles a drible!!!!


Matheus Schmidt

 

 

Corpo de Matheus Schmidt é enterrado sob aplausos

Coberto pela bandeira do PDT ( Partido Democrático Trabalhista) - do qual foi um dos fundadores, - o caixão contendo o corpo do ex-deputado federal e ex-presidente do PDT, o advogado Matheus José Schmidt Filho saiu sob fortes aplausos às 15 horas, de ontem, domingo, dia 27/03/2010, do Salão Júlio de Castilhos, da Assembléia Legislativa do Estado,onde fora velado desde o sábado,quando faleceu,vítima de um ataque cardíaco fulminante.

" Único a portar um traje gauchesco, um integrante do CTG Ses,aria dos Farrapos, de Eldorado do Sul, lamenentava a morte do político:

- Estivemos juntos duas vezes na semana passada. E olha só agora!


A trajetória política de Matheus Schmidt começou em Cachoeira do Sul em 1960 quando elegeu-se vice-prefeito da cidade. Ele era na ocasião filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro.Mas antes, no tempo que estudou no Julinho, em Porto Alegre, nos anos 40 cerrara fileira no Partido Comunista Brasileiro(PCB) e por causa disto ficou dois meses preso no antigo Cadeião, onde hoje está localizada a Usina do Gazometro.
Foi preso numa ocasião em que distribuía o jornal do " Partido" - como era denominado o PCB - o Tribuna Gaúcha.

Em 1962, Matheus Schmidt concorreu a deputado federal e fez 11.222 votos, ficando como suplente.Assumiu a vaga em 1964, mas teve o mandato político cassado como consequência do Golpe Militar de 31 de março daquele ano.

Em 1966,elegeu-se de novo deputado federal agora pelo MDB,com 27.640 votos, ficando agté 1968 na Câmara Federal,quando voltou a ser cassado. Somente retornou 14 anos depois com a anistia política.
]
Em 15 de novembro de 1982,elegeu-se deputado federal com 41.791 votos. Foi candidato ao Senado em 3 de outubrlo de 1990 quando obteve 772.519 votos. E em 1998, foi candidato a vice-governador não obtendo êxito.

Aos 20 anos,isto é,em 1946,. por integrar o PCB passou um ano no exílio em Rivera, no Uruguai.Sobreviveu atuando numa gráfica.

Matheus Schmidt nasceu em Santa Cruz do Sul em 28 de outubro de 1926.

Foi casado com Sueli Feldmann(ainda viva) e teve cinco filhos: quatro mulheres( três delas gêmeas) e um filho, o Tito.

Homem muito reservado, Matheus Schmidt tinha propriedade rural em Boqueirao do Leão, onde se dedicava a cultivar uvas e a criação de ovelhas. " Ele gostava muito de convidar a gente pra comer um churrasquinho de ovelha" lembrou ontem na despedida o presidente da Assembléia Legislativa do Estado, o correlioginário Giovani Cherini.


Flashes do enterro do

Dr.Matheus Schmidt

 

* José Alberto Machado Guerreiro,agora absolvido do caso ISL, ontem esteve no enterro de Matheus Schmidt.O ex-presidente do Grêmio, depois do rumoroso caso ISL,pouco era visto em público. Absolvido, voltou a frequentar os eventos sociais. Guerreiro e Matheus tinham relações comerciais.

* Danilo Groff,bioquímico, também estava no enterro de Matheus Scmidt. São os chamados históricos do PDT,que mais proximidade tiveram com Leonel Brizola.

* Nas despedidas falou o senador Pedro Simon(PMDB) - de quem Matheus perdeu uma eleição para o senado em 1990 - o prefeito José Fogaça e o presidente do poder legislativo estadual, deputado Giovani Cherini.

* Tito ( nome dado em homenagem ao Mal. Tito, presidente da Iugoslávia) estava visivelmente abatido com a morte do pai.

* Houve um tempo em que Matheus Schmidt e Leonel Brizola andaram " rompidos". O assunto pouco vazou. A reconciliação deu-se por iniciativa de Brizola, a quem Matheus se referia como " Chefe". Num aniversário do ex-deputado federal, Brizola tomou a iniciativa de ir cumprimentar o amigo e a paz foi restabelecida.

*Na hora dofechamento do caixão de Matheus Schmidt não estavam lá nem Alceu Collares, nem Neuza Canabarro, nem Sereno Chaise, nem Aldo Pinto, companheiros de muitas caminhadas políticas do morto que estava sendo enterrado.

* O alto comando político do PMDB da capital -leia-s José Fogaça e Pedro Simon foram ao velório e os dois falaram no fechamento do caixão o que passa a mensagem de que as relações PMDB e PDT andam de vento em popa, pelo menos nas chamadas " cúpulas".

* Francis Maia, a jornalista do PDT deu um show de bola. Acionada no sá bado, uma hora depois da morte do líder pedetista, ela ainda conseguiu botar matéria no site do PDT/RS. " O site da Câmara Federal estava fora do ar segundo ela informou.
E O SUL deu a morte do líder pedetista na edição de domingo com material fornecido pela Francis.
O SUL fecha a edição de domingo as 23h30 minutos de sábado.

* Os demais jornais da capital não deram uma linha.É que circulam ainda no sábado de tarde.

* A vereadora Juliana Brizola estava no enterro do ex-deputado Matheus Schmidt com seu bebê de poucos meses.


Gaúchos unem forças pela renovação das concessões de energia

 


Parlamentares, entidades e empresas querem unir forças em prol das renovações

Luiz Osellame - MTB 9500

 

Foto: Marco Couto



A audiência pública para tratar da renovação das concessões de energia, que ocorreu na manhã desta quinta-feira (25) na Assembleia, mostrou a necessidade e a urgência de se equacionar o problema. Parlamentares e representantes de instituições ligadas ao tema defenderam a renovação das concessões.

O presidente da Comissão de Serviços Públicos, deputado Fabiano Pereira (PT), disse estar satisfeito com a convergência de opiniões e objetivos demonstrados pelos participantes. Ao final da reunião, o parlamentar elencou os encaminhamentos para que a renovação das concessões de energia ocorra o mais breve possível:
• unificar o movimento em busca da renovação das concessões;
• elaborar documento com os pronunciamentos da audiência pública de hoje;
• encaminhar solicitação de audiências com autoridades do governo federal visando uma definição para a renovação das concessões;
• instalar a Frente Parlamentar para a renovação das Concessões Públicas de Energia Elétrica.
Os parlamentares Adroaldo Loureiro (PDT), Adão Villaverde e Raul Pont (PT) manifestaram-se favoráveis à renovação das concessões. O parlamentar pedetista comunicou a instalação da Frente Parlamentar para Renovação das Concessões Públicas de Energia Elétrica no dia sete de abril, às 11 horas, na presidência da Casa. Loureiro também fez referência à PEC 453/2009, do deputado Federal Vieira da Cunha (PDT), que tramita na Câmara Federal e que busca equacionar a questão da renovação das concessões.
Manifestações
A presidente da União dos Profissionais das Companhias e das Empresas de Energia Elétrica (Uniproceee), solicitante da audiência pública, Beatriz Carlesso, defendeu a renovação das concessões como forma de garantir a continuidade e a qualidade da prestação do serviço de fornecimento de energia.
Beatriz lembrou que existe um conjunto de concessões vencendo em 2015, que não podem ser renovadas, como é o caso de 13 das 15 usinas da CEEE. "Temos um futuro muito incerto, enquanto não houver uma definição da renovação das concessões", alertou. Ela salientou ainda que a renovação das concessões é a garantia de investimentos necessários para a continuidade e a qualidade dos serviços.

O diretor-presidente da CEEE, Sérgio Canto de Moraes, defendeu a renovação das concessões o mais brevemente possível, justificando que o setor precisa de investimentos constantes, que só serão feitos se houver segurança legal para tanto. Moraes acredita que o problema pode ser resolvido com a edição de uma medida provisória para aquelas concessionárias que operam com a geração de energia. "Sou absolutamente favorável que se construa um marco legal capaz de dar segurança ao setor", assinalou.

O representante da Eletrobras, João Ramis, saudou a iniciativa do encontro e defendeu um debate profundo sobre a renovação das concessões. Ele revelou que a questão vem sendo tratada pelo governo federal de forma ampla, para que contemple o conjunto dos consumidores brasileiros. "A população brasileira precisa ser atendida, bem atendida, pois ainda temos problemas sérios de qualidade de energia, o que indica a necessidade de uma maior atuação das agências reguladoras", frisou.

Presenças
Participaram também os deputados Paulo Azeredo (PDT), Alceu Moreira (PMDB), Paulo Brum (PSDB), Pedro Pereira (PSDB), Luis Augusto Lara (PTB), o representante da Eletrosul, Jorge Jobim, e representantes da Associação de Engenheiros da CEEE, Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (Senge-RS), Sindicato dos Eletricitários do RS (Senergisul), Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA-RS), Fundação CEEE, Associação dos Funcionários da CEE e Central Única dos Trabalhadores (CUT-RS).

www.fabianopereira.com.br

CONTATO:

Marcelo Model Nepomuceno - MTB 12398
Jornalista - Ass. Com. Dep. Fabiano Pereira
51 32102193/96348704


 

Dica

 

Olides!
Como tu és janguista/brizolista, a Ivete Brandalise entrevista na noite
de segunda, o Barlese que fala do período. É reprise de sábado.
REcomendo.
mazzarino


Texto sobre o artigo “BRASÍLIA NÃO VIU JK CHORAR”




Em janeiro de 1972, recém-chegado a Brasília, saído de “O Globo”, do Rio, para assumir a direção da sucursal de “O Estado de S. Paulo”, na capital federal, busquei identificar-me com seus personagens e seu ritmo de vida. Eram os tempos bicudos do regime militar, sob a presidência do general Garrastazu Médici.
Senti, nos primeiros dias, haver um denominador comum entre os jornalistas de Brasília, mesmo aqueles que se dedicavam a bajular o governo. Pairava sobre todos a aura de Juscelino Kubitschek, criador da cidade, naqueles idos perseguido e abominado pelos donos do poder, bem como ignorado pela maioria de quantos haviam sido seus seguidores no passado. Raros eram os políticos que admitiam fidelidade ao ex-presidente, como Israel Pinheiro, Tancredo Neves, Ulysses Guimarães e mais uns poucos. A maior parte optava por esquecê-lo, mesmo sabendo que se instalara no Planalto Central, numa fazendinha em Luziania, a poucos quilômetros de Brasília, para onde vinha todos os meses, na infrutífera tentativa de tornar-se fazendeiro. Não conseguia, era um ser político por excelência. Todo mundo sabia que estava proibido de entrar na capital, sequer de chegar pelo aeroporto. De Belo Horizonte, vinha num teço-teco que aterrissava em Formosa, do outro lado do Distrito Federal, obrigando-o a contornar sua criação para chegar às terras onde inutilmente tentava cultivar batatas, tomates e verduras.
Uma amiga recente, a escritora e empresária Vera Brandt, comentava de quando em quando haver visitado o presidente, voltando sempre com sentimentos de tristeza, dado o abandono de JK.
Lá para março daquele meu primeiro ano na capital, Vera contou-me um segredo. Juscelino havia entrado escondido em Brasília, não resistindo à tentação de treze anos depois de cassado, ver os resultados de sua criação.
Mesmo tendo começado a trabalhar num jornal conservador, ferrenho adversário de JK nos tempos da democracia, animei-me a procurá-lo. Tinha seu telefone no Rio, onde ele passava parte do tempo. Já o conhecia, como repórter, dos tempos mais amenos antes de golpe militar. E, mesmo depois, quando de passagem por Lisboa, fui visitá-lo num de seus exílios.
Atendeu-me com alegria. Indaguei se havia mesmo descumprido as ordens da ditadura e entrado em Brasília. Relatou com emoção a aventura, desde a tempestade violenta que caía sobre a capital, levando-o a insistir com o amigo que dirigia o pequeno caminhão, para que entrassem. Entrou e concedeu-me a oportunidade de escrever um dos mais sinceros artigos que já escrevi, e que o “Estadão” publicou, ainda que nas páginas internas. Reproduzido em seguida pela maior parte da imprensa nacional. É o que se segue, início de uma convivência que muito me honrou.

Carlos Chagas

 


BRASILIA NAO VE
JK CHORAR !

 

 

( Transcrito de O ESTADO DE SÃO PAULO de 18/01/1972)

Por CARLOS CHAGAS


Brasília -

Por volta do meio-dia do último dia 7,sexta-feira, um velho caminhão FORD, com pintura desbotada, aproximou-se de Brasília. Vinha de Luziania,Goiás, e a intenção dos seus dois ocupantes era desv iar na entrada da capital, cortando caminho no rumo de Planaltina e Formosa.
Tinham negócios lá e viajavam sozinhos, um engenheiro na direção.Outro, homem de empresa , a seu lado na boléia . Vestiam-se com a simplicidade do Planalto,camisas cáqui sem paletó.

Quando se aproximaram da bifurcação rodoviária despendou uma daquelas chuvas torrenciais da região. Pouco podiam ver adiante, julgaram uma temeridade seguir na marcha veloz desenvolvida até então. Fechando os olhos , como a tomar uma decisão muito importante , o mais velho sugeriu ao motorista : " Então vamos passar pela cidade".

Primeiro apareceu o CATETINHO,logo à direita , e pela primeira vez em sete anos ,seis meses e vinte e quatro dias Juscelino Kubitschek de Oliveira entrou na cidade por ele criada.

A chuva continuava forte." Como sempre, os pingos d"água pareciam laranjas ,atingindo a gente sem dó".

A primeira emoção foi vencida , sem muito esforço.Saltando, ele andou em volta da primeira sede do governo federal no Planalto.
A sua sede.
O lugar de onde comandou a construção de todo o resto. Um jovem contínuo olhou de relance para sua figura ágil,estranhando apenas que alguém pudesse passear na chuva. Imaginou mais um motorista de caminhão que parava para visitar o velho barracão.

De novo na estrada, contornaram o BAMBOLÉ( Nota do editor: Local de Brasília assim conhecido por ter formato de círculo) e se defrontaram com a cidade inteira lá adiante. " Senti-me como um súdito romano das Gálias, que pela primeira vez visita Roma. A Roma do primeiro século,com seus palácios de mármore, sua suntuosidade, e sua consciência do centro do mundo civilizado".

Relatando ao repórter sua visita , o ex-presidente não evita as impressões que viveu." Veio-me à lembrança a certeza de de Brasília inexoravelmente se constituirá na sede da civilização latina,no terceiro milênio. De Roma a Paris e à nossa capital, o rumo é um só".

Continuava a chover, os automóveis que ultrapassavam o caminhão não se davam conta do passageiro precioso.
Num sentido e em outro e em outro ninguém o reconhecia.

Dirigiram-se para a catedral, estacionando ao largo.Juscelino pediu ao companheiro que descesse na frente para ver se lá estavam as tradicionais caravanas de turistas.

Caso positivo, ele não desceria para não chamar a atenção. Deu sorte: só tres beatas se encontravam próximas ao altar , em meditação profunda.

A passos largos,desceu o túnel de acesso. " Maravilhei-me. Nunca tinha visto a catedral completada. Tive a sensação de estar entrando no Coliseu romano, pois o templo me parece o símbolo maior da grandiosidade de Brasília.Um marco de fé,antes de tudo".

Por longos minutos ele se demorou contemplando por dentro as grossas paredes de vidro e as estruturas de concreto.

E contemplando-se também,ali isolado e incógnito.

Num relance quase toda sua vida desfilou diante de seus olhos quase fechados.
Seu pensamento maior foi o de que ,apesar de tudo,valeu a pena." Como valeu a pena".

Depois a Praça dos Três Poderes. Entre o Supremo Tribunal Federal e o Palácio do Planalto, deteve-se um momento. Defronte à própria efígie recitou de cor as frases dispostas na parede.
Não as precisava ler.Quando chegou à parte final, de que " Brasília, construída com destemor,sacrifício e determinação assinala o certo e desejado encontro do Brasil com sua grandeza" , sentiu um longo arrepio.

Não apenas a chuva escorria por suas faces molhadas.

Agora o caminho para o Alvorada , que tantas vezes percorreu na negra Limousine presidencial,avesso, aos batedores, como o atual presidente( o autor do artigo refere-se ao Gal. Emílio Garrastazu Médici).
Defronte ao Palácio ,tornou a descer ,olhando-o de longe.
Na guarita,sequer um hipotético velho servidor pode notá-lo , pois a chuva continuava impiedosa.
Viu os jardins esverdeados e a arquitetura serena, imaginou os salões , gabinetes e quartos que tanto conheceu.

Voltaram,arriscando uma passagem pela Avenida W-3. Não seguiam, mas tambémnão corriam.Como antes, nem um só candango para reconhecê-lo.
" Não que eu quisesse.Pelo contrário.Ficou muito melhor assim. Mas não deixei de me sentir como numa cidade-fantasma.Ou melhor,como um fantasma numa cidade real."

Na saída, um olhar para trás. " Gostei de ver como Brasília está bonita. Foi uma surpresa. Tenho enfrentado dissabores e sofrimentos, mas ao deixar a capital que não pisava há tanto tempo cercou-me um sentimento de paz e tranquilidade. Há em todos nós um sentido bíblico que vez por outra emerge à flor da pele. Senti-me como o semeador que do alto de um penhasco observa a seara indesdtrutível".

Encerrando o relato de seu mais recente retorno a Brasília o ex-presidente disse:
" Fui combatido nos limites da resistência humana,quando me propus trazer a capital para o Planalto. Atacaram-me com rancor e não me pouparam os insultos mais pesados. Aí está o que ficou de tudo: a sede do mundo moderno.

Muita coisa se fez depois de mim.

Meus sucessores deram continuidade à obra iniciada . Reconheço,também, não há porque negar que os governos militares vem tocando a cidade em seuritmo imprescendível. Aliás, nunca duvidei disto: Brasília possui um profundo sentido de segurança nacional de defesa e de posse - preocupações sempre presentes em nossas Forças Armadas . Antes de ser a capital do mundo futuro é " um marco da ocupação do Brasil pelos brasileiros".

Agora a explicação do Serginho Ross:


Olides
Este aí é o artigo que o Chagas escreveu sobre o dia em que o Presidente Juscelino,escondido depois de ter voltado do exílio, entrou pela primeira vez em Brasília. Acabou chorando de emoção. O artigo foi publicado em vários jornais do Brasil.

No dia em que o JK morreu, no acidente de carro, este artigo do Chagas estava na carteira dele. Hoje o recorte do jornal está no Memorial JK, no Distrito Federal.


 

 

O autor e a equipe desejam aos leitores um bom fim de semana!

 

 

Rodeio RS

 

Olha aí mais gente contra os rodeios. Isto vai dar pano pra manga, como se diz.

 

 

 

Prefeitura

 

Fogaça ainda
não sabe data
que larga prefeitura


Bastante sereno, o prefeito José Fogaça parecia,ainda, não saber o dia que largará a prefeitura de Porto Alegre. Pelo menos deixou transparecer isto na coletiva dada na Federasul,ontem, ao meio-da em que botou na sala de imprensa mais gente do que a governadora Yeda Crusius. Vai ver é a expecativa do poder. Penetras, lobistas,assessores do prefeito em razoável número, todo tipo de "influentes" conseguiram entrar na sala da coletiva, que não tem nenhum critério para selecionar quem deve participar das coletivas de imprensa,ou não. É quase uma zorra.....

Foto: http://f.i.uol.com.br

 

Mas voltando ao Fogaça....

O prefeito começou com aquela lenga lenga que vem repetindo a tempos de que não queria ser candidato, imagina, logo ele....Mas aí o candidato mais visível do PMDB que era Germano Rigotto - ex-governador - lhe escreveu " uma carta" - evidente que Fogaça não a mostrou - dizendo que abria mão de sua candidatura a governador porque desta vez queria concorrer ao Senado.

Então alega o ainda prefeito de Porto Alegre, ele teve que se decidir. E, contou Fogaça, ainda mais um fato que estava trazendo constrangimentos ao apresidente do PMDB do Estado, o senador Pedro Simon.Disse o prefeito de Porto Alegre:
- Pois é o Simon( senador Pedro Simon) participava de reuniões para discutir possibilidades de coligaçaões e quando lhe perguntavam mas quem é o seu candidato ele tinha que dizer:
- Olha, temos lá no PMDB o Rigotto, mas parece que ele prefere o Senado. Temos lá o Fogaça, mas ele quer continuar na prefeito. E então isto criava um constrangimento ao Simon, porque ele era inquirido pelos outros partidos que queriam saber afinal quem era o candidato do PMDB. Foi por isto que resolvi assumir, contou Fogaça.

Até os leões...

A verdade é que há muito tempo tanto Fogaça como Pedro Simon sabiam que o candidato era o ainda prefeito.O restante é jogo de fumaça. No dia que Germano Rigotto desistiu de sua candidatura ao Governo do Estado e que foi as lagrimas por várias vezes,ficou claro que ele estava admitindo publicamente que perdera a disputa interna que se estabeleceu no PMDB entre ele e Fogaça.

Quando Fogaça voltou ao PMDB tempos atrás -deixando para trás o nanico PPS - trazido pela mão de Antenor Ferrari, presidente do PMDB municipal, estava na cara que o ex-professor de Português e comunicador estava voltando ao ninho antigo porque tinha a vaga de candidato ao Governo do Estado assegurada para ele. Até os leões da Prefeitura Municipal sabiam disto....

Na coletiva de ontem, perguntei ao prefeito portoalegrense se ele vai dar um apoio velado a candidatura de Germano Rigotto ao senado,agora que Elizeu Padilha também reivindica uma das duas vagas.
- Velado, não , explícito, reagiu Fogaça. Se não foram bem com estas palavras, mas o sentido era o mesmo.

Quando o questionaram sobre a reivindicação de Padilha em ser candidato também ao senado, ele jogou o problema para o " partido"

O PMDB tem um osso interno duro de roer!


 

Luiz Coronel recebe Medalha Cidade de Porto Alegre

 


O poeta e escritor Luiz Coronel recebe nesta próxima sexta-feira, 26 de março, às 20h e 30 min, no Cais do Porto, a Medalha Cidade de Porto Alegre.
Instituída há 33 anos a medalha é um reconhecimento a serviços e ações para o desenvolvimento cultural, social e econômico da cidade. Para aquelas pessoas e entidades que, com seu trabalho, ajudaram a construir a história da capital. A homenagem marca as comemorações do aniversário de 238 anos de Porto Alegre. A cerimônia tem a participação da cantora Adriana Deffenti e do saxofonista Cláudio Sander.

Mais informações com a jornalista Taciane Corrêa(51) 9291 6412 – email
tacianecorrea@terra.com.br


Recebo e publico

 

" Me chama de vovó!"

" Eu estou curtindo muito o Kalel( está com um ano e 7 meses) filho da Marina pois está mais perto de mim. Ela me deixa ele duas vezes por semana às 7hs na minha casa. Depois eu largo ele as 10hs na creche. Ele vem de pijama. E fica comigo na cama vendo desenho. Também às vezes dorme lá em casa no fim de semana.Me chama de vovó. E me alcansa os óculos enfia as mãos no bolso do meu roupão para ver se tem alguma surpresa. Lamentavelmente os da Fernanda(Pedro e Artur) vejo muito pouco. Não vejo a hora de deixar de trabalhar, vou fazer isto no finaldo ano que vem para então curtir netos e amigos.

Grande Abraço.

Da leitora Naira Sanes

 

 

Zebra em SP é fracasso no RS

 


Por Luiz Oscar Matzenbacher


Os clubes paulistas (São Paulo, Corinthians) e o gaúcho (Inter), que disputam a Libertadores, tiveram maus resultados na quarta feira (24), nos respectivos campeonatos regionais. A imprensa da capital paulista, mais leve, mais equilibrada e neutra, trata o assunto como Zebra. E os dois times paulistas se encaminham para a classificação na Libertadores. Nenhum jornalista de São Paulo pede a cabeça dos técnicos.
No Sul, ao contrário, está ocorrendo um verdadeiro linchamento do técnico colorado, Jorge Fossati, o uruguaio amigo do Luiz Felipe Scolari, por ter perdido por 3 x 0 para o Zequinha. Foi no campo adversário e teve até um apagão nos refletores, de 30 minutos, aos 24' do segundo tempo. É um fracasso total, para a grande maioria da crônica esportiva gaúcha.
As pressões da mídia esportiva, pedindo a demissão do treinador do clube gaúcho podem ficar insuportáveis. Em conseqüência, o Inter corre o sério risco de não se classificar na Libertadores, pois tem um jogo decisivo na próxima quarta-feira, contra o Cerro (UR), no Beira-Rio. A imprensa gaúcha, muito envolvida na rivalidade GRE-NAL, acaba tumultuando. O Fossati estava no caminho certo para a Libertadores, com o esquema de três zagueiros. O ataque e o setor de meia cancha já não são aqueles de 2006, embora sejam ainda fortes. Com três zagueiros, o Inter, tinha maior poder ofensivo, defensivo e rapidez.
A diretoria colorada aparentemente não resistiu às pressões da mídia e forçou o esquema 4-4-2 que não está dando o resultado esperado. O time do Internacional desandou. Fossati vai conseguir ter a autoridade restaurada para dar consistência à gelatina colorada, até a próxima quarta-feira? Qual das duas imprensas é mais eficiente para o aprimoramento do futebol dos clubes? Só o tempo poderá nos responder.

 

"Tarradão" ( eletrônico)
na Assembléia Legislativa

 

 

Na segunda passada, uma das terceirizadas - faxineira contratada pelo poder legislativo - entrou em pânico na salinha J.C.Terlera.

Ela tinha visto na sala vizinha, dos vereadores, num monitor, um senhor acessando um site de CENAS CALIENTES( pra ser condescendente e não dizer cenas pornográficas)..
A coitada da faxineira se espantou:
- Eu achei que já tinha visto tudo na vida, logo aqui na Assembléia estas coisas!!!!

 

 

Sabes a diferença entre o “Tu” e o “Você”?

 


Segue-se um pequeno exemplo, que ilustra bem essa diferença:
O Diretor Geral de um Banco, estava preocupado com um jovem e brilhante Diretor, que depois de ter trabalhado durante algum tempo junto dele, sem parar nem para almoçar, começou a ausentar-se ao meio-dia. Então o Diretor Geral do Banco, chamou um detetive privado do banco e disse-lhe:
- “Siga o Diretor Lopes durante uma semana, espero que ele não ande fazendo algo sujo.”
O detetive, após cumprir o que lhe havia sido pedido, voltou e informou:
- “O Diretor Lopes sai normalmente ao meio-dia, pega seu carro, vai a sua casa almoçar, faz amor com sua mulher, fuma um dos seus excelentes cubanos e regressa ao trabalho”.
Responde o Diretor Geral:
- “Ah, bom, antes assim. Não há nada de mal nisso.”
Logo em seguida, o detetive, querendo fazer se entender melhor, pergunta:
- “Desculpe. Posso tratá-lo por tu?”
- “Sim, claro” - respondeu o Diretor surpreso
- “Bom então vou repetir:” - disse o detetive
- “O Diretor Lopes sai normalmente ao meio-dia, pega teu carro, vai até a tua casa almoçar, transa com tua mulher, fuma um dos teus excelentes cubanos e regressa ao trabalho.”
É assim!

 

De Brasília

 



O meu amigo Claudio Humberto,depois que publicou pela primeita vez, que o PT estava escolhendo varias mansões no Lago Sul,,com aluguéis astronomicos para abrigar a campanha da Dilma, voltou atrás e mudou de idéia.Escolheu agora casas e andares em hoteis ,bem mais modestos.
Mas que não gostou das notas do Claudio Humbert,,foram os proprietários dessas mansões, que agora passam o dia no celular chingando ele de tudo quanto é jeito... Olides,para tu teres uma ideia,,só uma das casas seria alugada por R$ 50 mil reais.A casa que tem 800 metros quadrados,serviu até o final do ano passado como residencia do Embaixador dos Estados Unidos no Brasil.,Clifford Sobel.
Sergio Ross

 

 

De Brasília

 

 




Sou fã doOlyr Zavaschi.Leio diariamente o que ele escreve em sua coluna na Zero Hora..Hoje ele fala na primeira viagem do Oscar Niemeyer ao ao Rio Grande do Sul nos anos 50.Escreve o Olyr, que ele atendia um convite, para ser o paraninfo da primeira turma de urbanistas da Escola de Arte.Como até hoje ele detesta avião,ele viajou de carro,Viagem que levou mais de uma semana.(Aqui um parêntese:
Quando eu estava na Manchete e a Air France estava inaugurando a linha Paris-Rio no Concorde,convidou o Oscar Niemeyer para um dos muitos voos inaugurais.O convite à ele,foi enviado,para a Manchete,onde ele construia o novo prédio da empresa.,Eu recebi a correspondencia e entreguei a ele.
O Niemeyer,leu o convite e devolveu o envelope para mim,dizendo":vai voce no meu lugar,Não viajo de aviao e muito menos em avião mais veloz do que o som" .Todo mundo que estava por eperto achou muita graça.Seu Adolpho insistiu para que ele viajasse,mas ele disse que não ia mesmo.Resultado: eu e a minha mulher fomos para Paris de Concorde.Mas isto é outra historia...)
Conta Zavaschi que Niemeyer confessou-se decepcionado por não ter visto na cidade"nada de arquitetura contemporânea..."
Pois bem a União Bentogonçalvense de Estudantes,,presidida por Paulo Mincarone, que mais tarde foi deputado federal caçado pela "redentora",ganhou de presente de um jovem arquiteto carióca o projeto para a construção de sua sede em Bento.O arquiteto,não era nada mais ,nada menos que Oscar Niemeyer,que ganhou da UBE, uma caixa de vinho de Bento como pagamento. pelo seu trabalho.Adorou o presente.Só que a obra em 64, já estava no acabamento,quando o Comandante do Primeiro Batalhão Ferroviario sediado na cidade,,proibiu a continuação do projeto,,porque Bento não podia ter uma obra assinada por um comunista...

Sergio Ross

 

Coleguinhas

 


* Agora deu pra entender porque contrataram o Gustavo Motta, na rádio Band AM.

O " judeu" Armando Burd se bandeou pra Pampa. Não se sabe se Burd terá uma coluna sobre política no O SUL

Torço que sim, porque estou com saudades do Dr; Arsênico. Estes(as) colunistas políticas que andam aí, não fedem nem cheiram.Que coisa mais inodora e insípida. Que saudades do Barrio....!!!!!!

 


 

Flashes do lançamento do livro

 

OS TELE VISIONÁRIOS!

O lançamento ocorreu durante coquetel no Teatro do Bourbon Country, na zona norte de Porto Alegre, na quarta-feira passada, dia 24/03,durante concorrido coquetel.

* Como havia me dito, o Adriano MAZZARINO - publisher de o GUAXO( o jornal mais ESPERADO do ano porque só tem uma edição anual ) veio pro lançamento no Bourbon Country.O MAZZA veio fazer uma média, porque a companheira dele é personal da mulher do Valmor Bergesch, o autor do livro sobre a história dos 50 anos de tevê no RS.


*Alexandre Garcia ,que foi o entrevistador de Valmor, veio especialmente para o evento. É que seu pai, o PAPITO( Oscar Chaves Garcia) foi quem iniciou,digamos,assim, o Valmor na comunicação ainda nos tempos da rádio Alto Taquari, de Estrela.

* E de surpresa, apareceu o CHICO ANYSIO....que falou sobre os tempos heróicos da tevê brasileira,dele e do Carlos Manga. Hoje Chico está ainda como contratado da Globo, mas seus programas estão fora do ar. Ele queria fazer um programa na TV COM da RBS, mas a Globo não topou." Ficaram com medo" disse o Chico.

* Como mestres de cerimônia,atuaram Maurício Saraiva e Cristina Ranzolin, ambos impecáveis.

* Encontrei lá o gordo CAMPOS, ( Marco Antônio) que conheço desde os tempos que domingo de manhã íamos ver sessões de cinema. Ele namorava a Maria Lucia Froes e dirigia o Clube de Cinema de Porto Alegre. Hoje tem a mais respeitável banca de advocacia de direitos autorais do SUL, quiçá do Brasil. É também o advogado do cantor Roberto Carlos, em questões autorais. Foi Campos quem conseguiu tirar de circulação a biografia não autorizada do cantor( mas eu consegui comprar um exemplar antes que sumisse das prateleiras da Editora Globo)

* Valmor Bergesch,apesar de emocionado, falou pouco enquanto foi "entrevistado" pela Garcia. Começava a contar um episódio e depois dizia: comprem o livro...

* Livro que apesar de patrocinado pela CEEE tem um preço de capa bem salgado pros padrões do Brasil: 50 pratas.

* Os "papacoquetéis" não perderam esta, evidente.

* Não vi o Julinho Pacheco no evento. Ele que foi um dos principais locutores da tevê Gaucha desde o começo, se apresentando na Difusora, dos freis,também. Julinho é um dos principais responsáveis pela famosa transmissão a cores da tevê brasileira, pela primeira vez, em Caxias do Sul. Ele era o representante lá da TV Gaúcha.Mas o Júlio anda meio "amocozado", como dizíamos nós nos anos 70,quando queríamos dizer que alguém não saía de casa.

* Não se sabe se foi proposital ou não: mas Valmor Bergesch lançou sua obra no dia que se completou 24 anos da morte do ex-dono da TV Gaúcha, hoje RBS TV, Maurício Sobrinho! ( E isto foi lembrado na ocasião)

 

 

 

EXCLUSIVO!

 


No próximo dia 29/03, Armando Burd começa seus espaços no sistema PAMPA.


Ao meio-dia terá um programa de debates políticos chamado ESPAÇO ABERTO( mesmo nome que tinha quando apresentava na rádio Guaíba) e no Jornal O SUL terá uma coluna ao lado do colunista Ilimar Franco.

 

 

 

Aprovação!

 

 


Em Uruguaiana, o prefeito Sanchotene Felice(PSDB) tem uma aprovação,que segundo o site oficial,chega a 74% . A popularidade do prefeito é reconhecida nas ruas pela população que se refere ao prefeito como ' KID MORANGUEIRA".

 

 

Palmas.....

 

 

Se tem uma coisa que não se deve fazer é elogiar, porque estraga,né.Então só dou a dica: quando precisarem de alguma coisa de algum deputado estadual, consultem a memória parlamentar, da Assembléia Legislativa do Estado que funciona. Comigo, pelo menos, ontem funcionou....eis o email da Conceição : maria. gonzalez@ al.rs. gov. br . Fui, como diz o coleguinha Fábio Marçal,na Guaíba.

 

 

Carta

 

 

Ministério Público retira as acusações e

Roque Jacoby é inocentando na primeira audiência

 

Porto Alegre, 19 de março de 2010

Querida filha Rafaela,

Em novembro do ano passado eu te escrevi uma carta justificando meus atos como Secretário da Cultura em razão das denúncias que o Ministério Público do RS havia apresentado contra mim, acusando-me de crimes de falsidade ideológica e favorecimento de interesse privado, por ter antecipado recursos da LIC para a construção do MULTIPALCO – Teatro São Pedro, aqui de Porto Alegre.

Hoje, radiante de felicidade, quero te comunicar que já transitou em julgado a sentença que o Juiz ditou na primeira e única audiência que ocorreu no dia 03/03/2010, inocentando-me de todas as acusações. O advogado que me defendeu, Dr Miguel Wedy, comentou que é raríssimo na Justiça algo similar: as testemunhas da defesa serem dispensadas sem ser ouvidas , o próprio Ministério Público que fez as denúncias retirar as acusações e um processo criminal ser encerrado na primeira audiência, com uma sentença laudatória ao réu. E veja só:como o processo ainda está sob segredo de Justiça, estou impedido de divulgar a sentença.

Filha querida, não desejo para ninguém os momentos de constrangimento e de desgosto que enfrentei neste período.
Agradeço a ti pelo constante carinho, agradeço aos amigos que se solidarizaram comigo e agradeço a Deus por ter atendido as orações de tanta gente boa que me cerca.

Vou pedir a ti e aos meus amigos mais próximos, a quem envio cópia desta carta, para que cada um, a sua maneira, encontre uma forma de difundir e divulgar esta notícia, para minimizar os prejuízos que as denúncias espalhafatosas de “ envolvimento na fraude da LIC” me causaram. E vou rezar também para que a Cultura em nosso Estado floresça novamente.

Hoje estou muito feliz e com muita vontade de viver. Vou continuar trabalhando pelo coletivo e gostaria de continuar sendo só motivo de orgulho para os amigos, pra ti e para a netinha Júlia.

Beijos nas bochechas e que Deus nos abençoe e nos proteja sempre.

Roque Jacoby - (51)9808 8366


 

José Pereira Alvarez

 

Memória Parlamentar da Assembléia Legislativa do Estado

Nome Parlamentar: JOSÉ ALVAREZ Falecido: 04/10/2007
(JOSÉ PEREIRA ALVAREZ)
Data de Nascimento: 28/03/1933
Partido: PL/ ARENA/ PPB/ PP
Natural de: São Borja - RS
Estado Civil: Casado
Pai: José Pozuelo Alvarez
Mãe: Militina Pereira Alvarez
Profissão: Engenheiro

MANDATO ELETIVO NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA
49.ª Legislatura: 31/01/1995 - 31/01/1999


Currículo
Foi casado com Marly Cabeleira Alvarez, e teve quatro filhas: Flávia, Raquel, Ana Paula e Aline, e sete netos.
Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no ano de 1956, com curso de extensão universitária na área de extensão rural e de inseminação artificial em ovinos. Iniciou seus estudos fundamentais na cidade de São Borja, tendo concluindo-os no Colégio Rosário, em Porto Alegre, culminando com a formação de técnico em Contabilidade, em 1953. Tão logo encerrou sua formação profissional, foi aprovado em concurso público estadual e, como funcionário da Secretaria da Agricultura, lotado como pesquisador na Estação Experimental de São Borja, exerceu suas funções na experimentação e melhoramento das culturas de trigo, milho e linho, no período de 1957 a 1958. No ano de 1959 foi aprovado em concurso público para o cargo de Zootecnista na Associação Riograndense de Criadores de Ovinos - ARCO.
Juca Alvarez, como é conhecido, iniciou sua trajetória política no ano de 1963, com trinta anos, quando elegeu-se vereador em São Borja, pelo extinto Partido Libertador. No ano de 1966, ainda como vereador, foi nomeado Interventor Federal do Município de São Borja, pelo Presidente da República, Mar. Humberto de Alencar Castelo Branco. No período de 1969 a 1974, foi Prefeito nomeado do mesmo município, pelo então Governador do Estado do Rio Grande do Sul, Cel. Walter Perachi de Barcelos e posteriormente pelo Presidente da República, Gen. Emílio Garrastazu Médice.
Alvarez retornou à vida pública no ano de 1980, exercendo cargo de Diretor da Companhia Estadual de Energia Elétrica - CEEE, estando a ele subordinada a área de eletrificação rural, onde até o ano de 1981, desenvolveu um programa, sobre o qual nutre o maior entusiasmo, que possibilitou estender aos moradores e produtores rurais, os benefícios da energia elétrica, multiplicando redes de transmissão, estendendo-as a todos os rincões do estado do Rio Grande do Sul, especialmente a Fronteira-Oeste e Missões.
No ano de 1982, candidatou-se ao cargo de Deputado Estadual pela extinta ARENA (Aliança Renovadora Nacional), assumindo a condição de 1º suplente. Em 1985 disputou as eleições municipais ficando em 2º lugar, em 1988 submetido novamente ao crivo popular e, com o apoio deste, foi eleito Prefeito Municipal de São Borja, pelo também extinto PDS (Partido Democrático Social).
No ano de 1994, foi eleito Deputado Estadual, pelo PPR (Partido Progressista Reformador), com 29.094 votos, sendo o quinto mais votado, da banca de seu partido, obtendo na sua terra natal o índice de 62% dos votos (18.703).
Indicado para compor, na condição de titular, as Comissões de Constituição e Justiça e da Agricultura, Pecuária e Cooperativismo, e como suplente nas Comissões de Economia e desenvolvimento e de Saúde e Meio Ambiente, nas quais, devido a sua postura e experiência, tem desempenho destacado. Como membro da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo, Alvarez propôs a criação da Subcomissão do Endividamento Agrícola, sendo eleito presidente desta, que ao ser concluída resultou consagrada, pois teve seu relatório, composto de 56 páginas, aprovado na íntegra.
Profundo conhecedor das particularidades do Rio Grande, Alvarez publicou vários livros, com temas alternados entre Administração Pública e agricultura, destacando as publicações "Agricultura em Crise" (1995) e "Agricultura em Crise II" (1996), que dado ao momento vivido pela agropecuária no Estado, mereceu considerações dos especialistas no assunto.
Por formação e atividade, direciona seu trabalho parlamentar às área de educação, saúde e agricultura, dispensando especial atenção a esta última, pois tem sido aliado incansável, na luta desenvolvida pelo setor, na busca de soluções para as dificuldades enfrentadas pela classe.
Intermediário de várias postulações, muito embora represente a Fronteira Oeste e Missões, Alvarez procura atender a todos os recantos do Rio Grande do Sul, não fazendo distinção entre os municípios onde foi votado ou não.
Colocando seu gabinete à disposição sempre que solicitado, encaminhou vários Projetos de Lei, Emendas e indicações de interesse comunitário e da população gaúcha. O gabinete, em sintonia com seus propósitos, tem gerado inúmeros documentos e manifestos que denunciam o abandono do setor primário, por parte das autoridades competentes, as dificuldades do sistema educacional e o estado de sucateamento da saúde pública, além de prestar serviços, de toda ordem, como acompanhamento e encaminhamento de pedidos, agilização de processos, possibilitando aos menos favorecidos, facilidades e acesso ao atendimento médico-hospitalar, mantendo também um sistema de informação destinado à prestação de contas de suas atividades parlamentares aos eleitores, amigos e correligionários.
Deputado de festejada liderança e capacidade reconhecida, Alvarez recebeu pelo seu trabalho, como homem público, inúmeras condecorações de várias entidades e órgãos públicos, merecendo destaque da UNICEF, pelos projetos sociais desenvolvidos durante o seu último mandato executivo , o que lhe valeu a indicação como Administrador Municipal Destaque Nacional, no ano de 1990, recebendo também Destaque como Administrador Público e Destaque Político, na cidade de São Borja, durante três anos consecutivos.
Político fiel aos princípios de conduta e de ideal desenvolvimentista, assina, ao longo de seus 12 anos de mandato executivo, inúmeras obras de infra-estrutura nas áreas de habilitação, saneamento básico, educação, saúde e interiorização. Tido como defensor intransigente do seu povo, faz da ação política o meio legítimo de busca do bem comum.
Alvarez, acumulou os cargos de membro do Diretório Regional do PPB - RS (Partido Progressista Brasileiro), Deputado Estadual e Presidente do Diretório Municipal do PPB, em São Borja, tendo este último cargo exercido inúmeras vezes, diz-se que sua vida confunde-se com a própria história política de São Borja.

Fonte:
https://www.al.rs.gov.br/anais/49/deputados.asp
Memória Parlamentar da Assembléia Legislativa do Estado.

 

De S. Borja

 

 

Um "caudilho" de S. Borja
completaria 77 anos neste domingo


Nascido na fazenda de sua família, na localidade de Nhú-Porã, - onde foi enterrado - em 1933, o político José Pereira Alvarez, conhecido pelos eleitores como Jucão, foi três vezes prefeito de sua terra natal e uma deputado estadual,sua marca era uma personalidade forte!


- Ele era um defensor ferrenho ou um adversário temido, conta a a jornalista Enni Figueiredo,uma sanborjense que trabalha na TV Assembléia,em Porto Alegre e que prepara uma biografia do falecido caudilho político da fronteira. Enni conta que Jucão tinha uma grande empatia com o "povão" embora nascido um rico proprietário de terras. E fazia política numa terra que "respira " política.

- Em S. Borja,até meu sobrinho de três anos já sabe quem é o Lula(presidente) No Natal, apareceu a foto do Lula e eu lhe disse que era o Papai Noel e ele me disse:
- Não é o Lula,relata Enni.

A personalidade forte de Jucão fez-se sentir também quando cumpriu seu mandato pela de deputado estadual:

- Ele e a Maria do Carmo( Bueno) apesar de pertencerem a base política do Governo Britto,sempre votavam contra os projetos que o governo enviava relata Enni,contando detalhes de sua pesquisa para a biografia do conhecido político.

Jucão formou-se na política alicerçado nas bases do antigo Partido Liberal(PL) e foi companheiro de políticos como Jarbas Lima, Romeo Ramos, Túlio Macedo.

A derrota que o marcou foi a de 2004, para prefeito de S.Borja quando perdeu para o atual prefeito, Mariovane Weis, filho de um antigo prefeito do município, Mário Weis.
- Aquilo nem o Mariovane pensava ganhar. Nem "eles" ( os partidos de Oposição) pensavam que iriam ganhar a eleição. Mas eu acho que foi aquela monumento que fizeram ao Getúlio na Praça 15 de Novembro,feito pelo deputado Vieira da Cunha, que ajudou o Mariovane a ganhar aquela eleição por 200 e poucos votos. Até um dia antes da eleição, o Jucão tinha a eleição ganha, depõe a jornalista Enni Figueiredo.

A jornalista enfatiza que quando era vivo Juca Pereira Alvarez, em S. Borja - numa terra que segundo ela "ama "política -
era ele contra os outros. Por outros entendia-se PDT e PMDB.

Jucão também era dono de todo um folclore político acontecido principalmente em campanhas políticas. Quando Celso Bernardi foi candidato a Governador, ele visitou o município e seu principal cabo eleitoral na cidade era o Juca Alvarez.

- Nós fomos para uma vila lá que tinha pedido água para o prefeito Jucão. Ele ainda não tinha posto água lá. Então eu senti que o clima está ruim pro nosso lado. Quando o Jucão começou a discursar, uma dúzia de bêbados, postados bem na frente do palanque, não paravam de gritar o refrão:
- Prefeito,queremos água, prefeito queremos água...

Aí, relata ao jornalista Serginho Araujo, que assessorava Celso Bernardi na ocasião, o Jucão se irritou e como era próprio dele saiu no pau verbal com os inoportunos:
- Água pra que sua cambada de.....se vocês só bebem cachaça.

Serginho diz que ele procurou um canto do palco pra fugir achando que os eleitores iriam se tornar agressivos mas nada disto ocorreu.

 

 

De S. Borja

 


A governadora Yeda Crusius não estará em S. Borja, hoje, como fora anunciado. Vai um representante dela.

 

 

Porre coletivo!

 


Este julgamento do casal Nardoni - como já é chamado - vai ser um porre!.....

Quando estiver todo mundo de saco cheio, eles vão encerrar. Mas até lá vão espichar a novela porque a audiência é total.....

 

 

Edison Lobão dá trote na própria secretária!!!!

 

O Ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, contou a um amigo na mesa do Stela Grill, que às vezes saía do seu gabinete para dar uma volta e da rua liga para sua secretária perguntando por ele:

- O Ministro está aí?

Quando ela começa a dar explicações, ele diz:

- Ele não pode mesmo estar aí, porque é ele que está falando!

 

 

Silvas já quer
vender o Colarinho!

 

 


Colarinho é o nome do barzinho que o José Silvas, comunicador, abriu em janeiro na LADEIRA, ao lado do TUIM.

Mas o Silvas, que nada entende de bar - é comunicador da Ulbra TV - se ferrou. isto porque quem pegou no batente com ele, foi saindo de fininho e o deixaram pendurado no pincel.

O Silvas abriu o barzinho em janeiro,viu que o movimento tava muito baixo, fechou em fevereiro e voltou a abrir agora, mas achou a freguesia muito aquém do esperado.

Ele me disse que está pensando em fechar O Colarinho e deixar apenas pra fazer festas particulares pra ele e pros amigos.....

 

Coleguinhas

 

 

* Mas que baita puxa-saco do Mendelski(Rogério) está se saindo o Vilmar Villa, da rádio aquela " a mais gaúcha do Rio Grande" como ele diz ,de Livramento.

Que vaselina, este homem!!!

* Fábio Marçal, da rádio Guaíba , de Brasília, disse que está nas mãos do Claudio Humberto( Bateu-Levou) a tal agenda da senhora aquela que tem Brasília nas mãos....

* Um perdigueiro me assoprou porque que o PRATO FINO( Eduardo Belmonte) excelente repórter policial da Cultura AM, do Grupo Andres, de S. Borja, gosta tanto de frequentar a vizinha ITAQUI!!!!!

 

Onibus antigos, ou do tempo do Epa

pra homenagear a Mui Leal e Valorosa


Sexta,agora,dia 26/03 Porto Alegre completa 238 anos. Aqui um ônibus do tempo do Epa, ou melhor do tempo em que a prefeitura estatizou o transporte coletivo por meio do DATC,ou seja, O Departamento Autônomo de Transporte Coletivo. E os veículos eram fabricados pelo Eliziário, na zona norte de Porto Alegre. Esta encarroçadora acabou comprada, nos anos 70, pela Marcopolo.

 

 

Coleguinhas

 

Na coletiva da Federasul,de ontem, 24/03


* O gordo Ucha reclamou que procurou um assunto no meu blog e que não achou. Disse que os sites em geral não tem um índice de assunto para facilitar quem vai pesquisar." Nem o do Governo do Estado possui", queixou Ucha.

* Anilson Costa, assessor de imprensa do prefeito Fogaça teve o cuidado de "arranjar" uma cadeira para o Ucha do lado do prefeito.

* Aliás, não se sabe o destino de Anilson: se ele sai com o prefeito,ou se fica com o novo prefeito, José Fortunatti.

* Balala Campos também esteve na coletiva do prefeito.
* Elizabeth (Beti) Corbetta estava na coletiva. A ex-presidente do sindicato dos jornalistas, Verinha Spolido foi na coletiva do preffeito Fogaça.Não devia ser como espiã, né?

Não é a Verinha Spolidoro que está assessorando o candidato Tarso Genro na campanha ao governo do Estado.


 

Reinauguração do Museu Getúlio Vargas


Foi no ano 2000 que foi "reinaugurado" o Museu Presidente Getúlio Vargas, em S. Borja, que foi inaugurado em 1983, no centenário de nascimento do presidente.


fotos de Sérgio Néglia e Acervo de Neuza Penalvo.

Prefeito de São Borja, Luiz Carlos Heinze(PP), Leonel de Moura Brizola,deputado estadual (PDT)Ciro Simoni, Sandra Batista Heinze(esposa do prefeito) , Dr. Viriato Surreaux Vargas( sobrinho - neto de Getúlio Vargas) e de bengala,Cândida Darcy, filha do Dr. Luthero Vargas e da alemã Ingborg(neta de Getúlio e Darcy Vargas).

fotos de Sérgio Néglia e Acervo de Neuza Penalvo.

Leonel Brizola,aos fundos Marcos Teló, vereador Lautert(PDT,entre outros.)
Do lado do ex-governador Leonel Brizola, o jornalista Deco Almeida.

 

 

 

Tudo que de planta dá e tudo se aproveita.

 

No 'primeiro mundo', computadores descartados são destinados ao lixo. Na Europa, vendem para a África, para os africanos reaproveitarem os metais. Na prática, mandam o lixo europeu para a África.


Na foto, uma loja recém aberta na esquina da José do Patrocínio com Olavo Bilac, o dono desmancha os computadores descartados e revende as peças para que novas máquinas sejam montadas.
Para quem não precisa de muitos 'cores', uma montagem simples é o suficiente.
Viva o "Brazil"!


Fonte: http://lauronews.blogspot.com/2010/03/no-brasil.html

 

 

A MESA DO STELA GRILL EM BRASÍLIA

 

Recebo do Serginho, de Brasília.



Vai aqui uma foto da famosa mesa do Stella Grill em Brasília.Da esquerda para direita: Franscico de Assis Cortes Gomes homem do Banco do Brasil,era genro do nosso conrerrâneo Cel. Washington Bermundes,que morreu alguns anos atrás.Praticamente encoberto o Josias de Sousa que écolunista da Folha de São Paulo,Celso Kaufmann,o dono do Stella. Um gaucho de Pôrto Alegre,nascido no Bom Fim mas criado na Rua da Praia e nos "puteros" da Voluntários,,Cabo Rocha,, Pantaleão Telles e no American Boite,Claudio Humberto,ex homem de imprensa de Fernando Collor,´José Luiz Paixão Côrtes,de Bagé e um dos maiores especialista em cozinha de Brasília,"quicas" do Brasil.O Paixão faz uma costela de cordeiro que é seu carro chefe,para nininguém botar defeito. É sempre um sucesso.Carlos Chagas,Luiz Gonzaga Salomon,um mineiro,empresário na área de energia, Badaró que como é novo na mesa,ainda não sei todo o seu nome,Sei que é um baiano da área de comunicação e finalmente o nosso querido companheiro,Embaixador Rubens Barbosa,que faz parte do gabinete do Ministro Edson Lobão.e que nos próximos meses assume uma embaixada no exterior.
Sergio

PS: para não me gozarem aí, a foto não é minha e foi feita com um telefone celular.

 

O Motel como criatividade

 


Os donos de motéis sempre são espertos em criar

bons títulos marqueteiros para seus produtos.

Aqui,alguns, que foram enviados por leitora.



Correção

 

Sr. Canton: Quero fazer algumas correções no histórico da foto "Museu Getúlio Vargas" publicada em seu blog na data de hoje. Participei do momento, estou ao lado do falecido companheiro Fábio Terres de Itaqui e converso com o Daltro Bernardes, atual Chefe de Gabinete do Prefeito de Itaqui Dr. Gil Marques (PDT). A esquerda do Dr. Brizola está o Dep. Pompeo de Mattos.

Fotos de Sérgio Néglia e Acervo de Neuza Pinto Penalvo.

Fotos de Sérgio Néglia e Acervo de Neuza Pinto Penalvo.


A foto registra a 1ª restauração do Museu Getúlio Vargas ocorrida durante o mandato do então Prefeito Luiz Carlos Heinze (PP). Portanto, não se trata de inauguração. A inauguração foi em 1983, por ocasião do Centenário de Nascimento do Dr. Getúlio Vargas, no dia 19 de abril.

Neuza Pinto Penalvo

 

Na semana de Porto Alegre,
as fotos dos ônibus antigos

 

 


Foi o " loko" - ele é na verdade busólogo - Salomão Jacaco Golandski quem me mandou estas preciosidades. E eu aproveito pra homenagear a mui leal e valorosa Porto Alegre que completa 238 aninhos. Não é nada, se consideramos que há cidades gaúchas muito mais antigas que a capital.

A capital de todos os gaúchos, na verdade , é uma miscelânia de interioranos. Quando vim pra cá em 1969, morava na JUC-5 na Venâncio Aires e lá tinha duas "turmas": uma da fronteira: Livramento,S.Gabriel,Uruguaiana,Quaraí e outra constituída da " gringolândia" na qual me incluía.

As duas fotos que publico são do Expresso Bianchi - um dos donos, o Altamiro morreu meses atrás - e do Expresso Guarani, que era dos irmãos Piccoli - Gerson e Pedro - hoje donos da empresa Guaíba de Transportes.

Peguei as duas empresas pra ver que já sou bem antiguinho.Nos ônibus da Bianchi, cujas cores eram amarelas e verdes - acho que era uma alusão a camisa da seleção brasileira -eu ia pro trabalho no escritório da Transportadora Mallmann, todas as manhãs, bem cedo . Ficava localizado na avenida Benjamin Constant. Eu saía da JUC-5, subia a Ramiro Barcellos a pé, descia a Ramiro e pegava na av. Cristóvão Colombo o ônibus que me largava na Benjamin Constant.
O mesmo pra voltar. Pegava na frente do escritório,descia perto do Hospital Moinhos de Vento e subia aquela lomba desgraçada pra depois chegar na Venâncio Aires. E ainda tinha dias que vinha em casa almoçar.



Coleguinhas

 

 

* O Edison Castêncio (paparazzo) se retorcia,ontem,quando via a foto que fizeram do Benjamin, o filho da Gisele Bundchen. Ele, como paparazzo, calculou em quanto o autor deve ter vendido a proeza: 50 mil reais, por baixo....

Paparazzo também andou mostrando,tempos atrás, uma foto exclusiva ,envolvendo uma personalidade pública de grande expressão beijando o namorado....Bom, a verdade é que a foto dele não tinha nada demais, não tinha escândado nenhum porque a senhora está separada. Todo mundo sabe...Mas seria a primeira vez que a importante figura pública apareceria beijando seu namorado, que pelo visto é oculto. Não aparece....Ninguém sabe por quanto o paparazzo vendeu, se é que vendeu, a foto. Porque pra imprensa não foi. Não foi divulgada, pô....

* Gustavo Motta,depois de 31 anos, na Guaíba, mandou-se pro Band AM. Vai fazer um programa direto da Assembléia Legislativa do Estado - onde também trabalha - entre 14hs e 15 horas sobre política na nova emissora. Nova nem tanto porque foi ali que o Motta começou sua carreira.

* Gustavo sempre se queixou que não conseguiu entrevistar o presidente Lula da Silva, depois que virou presidente. Antes,quando era sindicalista,levava Lula pra Câmara Dois do Clóvis Duarte,sempre que Lula vinha ao Estado. Depois saíam do programa e iam tomar umas qui outras na av. José de Alencar.

* Sílvio Lara, o repórter da Rádio Esperança, não leva desaforo pra casa. O gajo é de São Borja e honra a fama daquela cidade da fronteira!

 

Esclarecimento:

 

Sobre o fato de que a " Turca" - de S. Borja - teria como foi dito ontem aqui herdado uma casa de Jango, quero esclarecer que na verdade ela usucapiu e que ninguém lhe deu a casa. Não foi portanto João Goulart quem lhe deu a casa.

Nome completa da"turca" como é conhecida é Sofia Fakouzi Shalabi.


 

Fim dos rodeios????!!!!!

 

Surgiu uma ONG contrária aos rodeios dos gaúchos.
Onde se vê tanta mulher (bonita) por metro quadrado a não ser em rodeios?!
E de chapéu,então!

 

 

Imprensa!

 

Jornal de Gramado:

Um exagero na capa!


Jornal de Gramado: nem precisa expremer que assim mesmo saí sangue...

A Zero Hora dos anos 70 era conhecida nas delegacias de Polícia como o jornal que se a gente expreme saí sangue....Este era ao bordão entre os "ratos" ( policiais).Mas acho que a Zero Hora daqueles anos ganhou um concorrente; O Jornal de Gramado fez uma capa em sua edição de 12,de 19 de março último, onde o tituleiro se esmerou. A reprodução da capa diz tudo.Sem mais palavras....

 

Vice presidente do Banco Mundial na mesa do Stela Grill

 

Passou por Brasília o vice-presidente do Banco Mundial. Vem a ser Murilo Portugual que foi ministro substituto de Antônio Palocci, no Ministério da Fazenda, no primeiro governo Lula da Silva.Na sexta-passada, foi um dos comensais da mesa de jornalistas e afins que se encontra sempre pra almoçar no Stella Grill.

Ele vive em Washington,onde fica a sede do banco. Na sexta,acabou dando uma "coletiva" pros jornalistas que compunham a mesa, mas sem abrir muito o jogo.
O que chama a atenção é que não foi o Brasil quem o indicou para tão importante cargo.Murilo vem seguido ao Rio de Janeiro.
Ele disse que neste ano nevou tanto na capital norteamericana que ele ficou cinco dias sem sair de casa, trabalhando apenas pelo computador de sua residência.


Lançamento do livro do Valmor

 


É logo mais à noite, no Teatro do Bourbon Country , na Zona Norte de Porto Alegre,o lançamento do livro dos 50 anos de televisão do RS por Walmor Bergech. Vem Alexandre Garcia pro evento.

Não sei se o Valmor contou esta história. Mas lá pelos anos 70, ele trabalhava com Maurício Sobrinho e foi sondado pra ir pra Difusora. Pediu uma licença ao Maurício, porque estava estressado - naqueles anos se usava a palavra cansado, mesmo - queria ir pra Estrela pescar no Rio Taquari. O Maurício descobriu que seu funcionário estava era em Nova Iorque comprando equipamentos pra Difusora.

Se putiou tanto que mandou colocar um anúncio na capa da Zero Hora: " este cidadão na trabalha mais aqui etc e tal...."

Com o passar dos anos, o Fernando Ernesto Correa convenceu Maurício a esquecer o fato e o Valmor voltaria a RBS!

 

Coleguinhas

 

* Pode-se ouvir com grande NITIDEZ um bocejo que o Rogério Mendelski, ou o Vladimir Oliveira deram lá pelas 6h30 da manhã no BOM DIA, da rádio Guaíba. O microfone pega tudo, coleguinhas. ASSIM DA PRA DIZER QUE MICROFONE ABERTO, BOCEJO DO BOM DIA POR PERTO!

 

 

Festa do AZAR:

 

"azaração" em Santa Maria....

Pois no dia 27/03 próximo o AZAR - na verdade seu nome é Roberto Bressani, tem cinquenta e poucos anos - fará mais de uma das suas tantas festas em Santa Maria da Boca do Monte. Talvez o "azar" santamariense seja um pouco o que é a "BIA"(Beatriz Bacelar) para Porto Alegre: a maior fazedora de encontros e desencontros da capital dos últimos 20 anos.

Na primeira metade dos anos 90, o AZAR já "azarava" na Boca do Monte. Eu já ouvira falar de suas festas. Assim, cada noite de cada cidade, tem sua praia.

Mas esta do AZAR não parece ser a de uma amiga do colunista, que solicitando informações me respondeu caústica:
- Todo mundo o conhece em Santa Maria porque faz festas há anos. Festa do AZAR!

Eu,diz ela, nunca FUI! É aquela festa pra beber todas e acabar a noite com algum idiota do teu lado"

Ceuz credo, que azar por AZAR!

O outono das
quatro estações....

 

 

No sábado,30/3, às 14 horas, começou mais um outono, a estação das folhas mortas....É também a estação da neblina das manhãs, do calor do horário do almoço e do friozinho das tardes. Bom para um vinho.
Esta foto foi feita no outono passado no interior de Serafina Correa, na área rural, e ela mostra justamente as folhas caídas dos plátanos, o casal de agricultores na sua faina diária, as ovelhas pastando. A autora da foto me contou como teve a sensibilidade para fazê-la:

- Eu( Deise) e o Fiorin(Luis Carlos Fiorin,diretor do Gazeta Regional) estávamos conversando e comendo bergamotas à beira da estrada,quando percebi aquela cena. Era um meio de tarde..

Vi ali que aquilo daria uma bela foto....

Deise Cristina Meneguzzi

A foto que publico foi capa do Jornal Gazeta Regional, numa das edições do ano passado.
Claro que ela me sensibilizou...Foi nesta paisagem que passei meus primeiros 16 anos de vida!!!!

Deise Cristina Meneguzzi

Comédia

 

Aí está de volta a peça

que ajuda as mulheres

encontrarem um companheiro!


“Como Agarrar um Marido Antes dos 40”

Volta a cartaz em curta temporada na
CCMQ a comédia que vai revelar os segredos que nem Santo Antônio descobriu

Do mesmo autor do consagrado sucesso
“Como
Emagrecer Fazendo Sexo...”, a comédia “Como Agarrar um Marido
Antes dos 40” , que está no seu terceiro
ano de sucesso, e já foi assistida por mais de 50 mil espectadores, este
espetáculo aborda de forma divertida e bem-humorada um dos assuntos mais
badalados do mundo contemporâneo: a
busca pela alma gêmea.

Lúcia (Marlise Damine), uma
bem-sucedida advogada, percebe que vai fazer 40 anos e ainda está solteira. Ela
entra em total desespero e resolve achar de qualquer maneira um marido nos seis
meses que ainda lhe restam antes da fatídica data.

A história conta todas as
investidas, atropelos e aventuras da protagonista, sua melhor amiga recém
separada (Suzi Martinez) e sua empregada de santo forte e língua afiada
(Denizeli Cardososo) na busca de um grande amor antes do seu 40º aniversário.

Quer saber a recita para arrumar
um marido e ainda se divertir muito tentando?

Então junte uma solteirona
com crise de meia idade, mais uma divorciada bem resolvida, uma empregada de
santo forte e língua afiada mais uma corrida contra o tempo..

O resultado é uma
divertidíssima comédia que vai revelar os segredos que nem Santo Antônio
descobriu.

Serviço:

O que? “Como Agarrar um Marido
Antes dos 40”

Quando? De 09/04 a 02/05/2010. sexta a domingos às 20h

Onde? Teatro Carlos Carvalho da
Casa de Cultura Mario Quintana

Quanto? R$ 20,00 (na sexta) R$25,00
(sábado e domingo), 50% de desconto para estudantes e idosos (mediante
apresentação de carteirinhas). E 20% de desconto para assinantes do clube ZH

Ficha
Técnica:

Texto e direção

Claudio Benevenga

Elenco

Suzy Martinez - Débora

Denizeli Cardoso – Dalva

Marlise Damime – Lúcia

Figurinos

Zélia Mariah

Cenário

Claudio Benevenga

Iluminação

Anilton Souza

Trilha Sonora Especialmente Composta

Leandro Nunes

Fotos

Claudio Benevenga

Projeto Gráfico

Dian Paiani

Produção Executiva

Claudio Benevenga e Denizeli Cardoso

Contatos
de produção:

Site do espetáculo:

https://sites.google.com/site/comoagarrarummarido/

e-mail:

crtbene@yahoo.com.br

Telefones:

(51)91764045 – Claudio Benevenga

(51)93582065 – Denizeli Cardoso


Lançamento de livro

 

No dia 27 de março, a partir das 20h, o escritor Alcy Cheuiche autografa o livro A Caturrita Americana (Libretos) na abertura da 4ª Feira do Livro de Capão da Canoa. O autor conta para as crianças, com a ajuda do Grupo de Bonecos Crakety, a história da Caturrita Darling, em suas aventuras pelo Pampa gaúcho.

Foto: Rosane Scherer


A Feira de Capão da Canoa acontece entre os dias 27 de março e 04 de abril e tem como tema "Literatura entre o mar e a lagoa". O evento é aberto ao público, com entrada franca. Em seu primeiro trabalho dedicado ao público infanto-juvenil, Cheuiche narra a aventura da Caturrita Darling que é levada para os Estados Unidos e regressa ao Brasil cheia de ideias: quer transformar os pássaros que encontra em empreendedores. Neste retorno às origens, Darling acaba conhecendo o Martim-Pescador, o João-de-barro e o Quero-quero. O livro faz uma divertida reflexão sobre a necessidade de preservar a natureza e conservar os costumes regionais. É uma lição de ecologia e conta sobre a vida e os hábitos do passaredo que habita o Pampa gaúcho. A obra tem ilustrações da artista Jussara Heberle e design de Clô Barcellos.
O Autor Alcy Cheuiche nasceu em Pelotas, em 1940. Diplomou-se em Agronomia e Veterinária. Publicou os romances O Mestiço de São Borja, Sepé Tiaraju, romance dos Sete Povos das Missões, Ana Sem Terra, Lord Baccarat, A Mulher do Espelho, Nos céus de Paris – Romance da vida de Santos Dumont e A Guerra dos Farrapos, entre outros. Como cronista, lançou os livros O Planeta Azul e Na Garupa de Chronos, Prêmio Açorianos 2001. Foi Patrono da 52ª Feira do Livro de Porto Alegre, em 2006, e é membro vitalício da Academia Rio-Grandense de Letras e sócio fundador da Associação Gaúcha de Escritores.

 

A Caturrita Americana Alcy Cheuiche

Ilustrações: Jussara Heberle64 págs., 2009, ISBN 978-85-88412-27-9Preço – R$ 30,00Colorido, impresso sobre papel reciclado. Capa dura.
Lançamento e Sessão de Autógrafos do Livro:“A Caturrita Americana”, de Alcy Cheuiche - Participação do Teatro de Bonecos (Grupo Crakety)4ª Feira do Livro de Capão da Canoa - Rua PindoramaDia 27 de março (sábado) - 20hEntrada Franca
Assessoria de Imprensa:Simone Lersch (51) 3029.6390 / 9803.4420


7º Encontro da família Canton

 

Bom dia Sr. Olides.
Estou lhe passando as informações sobre o 7º Encontro da família Canton, que será realizado no município de Anta Gorda no dia 01/05/2010 no Salão Comunitário do Bairro Santo Antonio do Sena, próximo a cidade.
O número de telefone da Eda Canton (coordenadora do evento) é: (51) 3756-1523.

Se desejar entrar em contato, ligue (51) 97129372 ou (51) 98189902 , com Orivaldo Canton ou por este endereço eletrônico: cari.zzenatti@gmail.com.

Um abraço do parente
Orivaldo Canton


Ilustres no Festival da Barranca

 


Na 39 edição, o Festival da Barranca - chamado também de " Comício dos Espíritos" - que se realiza sempre em S. Borja(RS) na quinta,sexta e sábado santo, terá a presença este ano, já confirmada, do ex-governador Olívio Dutra. Também costumam ir a este festival o deputado estadual Ronaldo Zulke(PT) e o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado, João Luis Vargas.

Gley Soares, jornalista que apresenta o " Conversa de Jornalista" aos sábados no barzinho é também um "barranqueiro", como são conhecidos os participantes deste festival fundado pelo Jacaré, Nico Fagundes e os Angueras, grupo de estudos antropológicos de S. Borja.

Gley participará pela terceira vez do festival da Barranca,sempre convidado por Daniel Torres, músico nascido em Santa Vitória do Palmar(RS) mas filho de pai chileno e mãe argentina.Seus pais tinham um circo mambembe.

Em S. Borja, comenta-se que geralmente há participantes do festival que vêm de longe e deixam seus jatinhos no aeroporto João Manoel para participar do festerê.

Segundo Gley Soares, é tudo muito bem organizado. O inusitado é que é um festiva de música mas machista. Mulheres não entram porque se supõe que pode dar disputa. Assim quem estiver a fim que procure fora do local o chinaredo, como se diz em S. Borja e na fronteira em geral.

Brechó de computador!

 

Quem diria,heim?! Já existe em Porto Alegre. Fica na avenida João Pessoa, em frente ao Jornal do Comércio(JC). Há também um brechó que desmonta computadores e vende as peças. Abriu há pouco na esquina da Olavo Bilac com José do Patrocínio.

 

Lançamento de livro

 

GRingo loco!

Tu vai na quart-f., no lançamento do livro do Walmor Bergesch, no Teatro
B. Country?
Estou para ir, e assim lá conversamos.

mazzarino


Hipocrisia....

 

Olha, neste caso do casal Nardoni, quanto hipocrisia, heim! Todo mundo tirando sua lasquinha. Ministério Público, imprensa, parentes e afins....muita gente faturando com a dor alheia....

 

Os 50 anos de Brasília!

 

 

Amir experimentou a Guaíba na inauguração

de Brasília!


Antes de falecer, tempos atrás, consegui entrevistar o conhecido radialista Amir Domingues, que foi um dos fundadores da rádio Guaíba.

A entrevista,meio picotada saiu no Jornal da ARI, quando era editado pelo Vilnei Herbstrith.


Amir Macedo Domingues

Amir falou nesta conversa, feita na Caldas Junior - ele tinha uma mesa lá e de manhã fazia um programa na Guaíba e de tarde escrevia o editorial do Correio do Povo, tudo sob a supervisão do "Pastel", o Carlinhos Ribeiro, que tinha uma mesa do lado do Amir - sobre a cobertura que ele realizou da inauguração de Brasília.Eis um resumo do que Amir disse e do que era fazer radialismo naqueles anos:

" Estive na inauugração de Brasília. Nós transmitimos a inauguração de Brasília levando daqui um transmissor feito em casa que pesava nada mais, nada menos que 750 quilos.

Este transmissor operava em single band, que é uma comunicação codificada. Era todo complicado. Fora o Homero Simon que havia montado.Para levar este transmissor para Brasília, nós levamos num avião da Varig.Era um cargueiro foi até São Paulo.E de São Paulo para Brasília não tinha como chegar. Pelo ar tava tudo lotado.E não tinha cargueiro para lá.Então anós compramos uma kombi. Foi o primeiro veículo da rádio Guaíba.Mandamos pintar a kombi com o logotipo de rádio Guaíba na lateral e levamos o transmissor pra Brasília para transmitirmos a inauguração.Levamos o transmissor por terra. Instalamos na planta da transmissora da rádio Nacional em Brasília que era no meio do mato. Nos instalamos lá,montamos aquela tralha toda . Me lembro de um episódio curioso,inclusive, eu levei uma bússula que o Homero deu pra orientar. Era uma antena de 110 metros. Tudo montado nós começamos a chamar Porto Alegre, nós ouvindo a Guaíba em onda curta de 25 metros e o Homero(Simon) dizia tá tudo muito baixo o sinal, tá muito baixo o sinal. A gente insistia e ele sempre reclamando, o sinal tá muito baixo, não tá chegando bem, até que ele se deu conta aqui em Porto Alegre. Amir, tu tá com a bússula pra onde ela está oreintada. Olha tá apontada pro Norte. Onde é que tá o sol?
Homero tá completamente nublado, não dá pra saber e nós estamos no meio do mato. Então, nos disse Homero, inverte o cabo diretor. Ele se deu conta que nós tínhamos colocado a transmissão ao invés de virar o cabo diretor pro Norte então dava a volta do mundo e chegava em Porto Alegre quase sem sinal.SSB é pra longa distância,então chegava quase que não seria possível transmitir comaquele sinal. Então invertemos. Falamos, alÕ Porto Alegre e o sinal chegou estourando aqui....ficou perfeito.

 

Praetzel desenvolve novo site do DC Shopping

 


A Praetzel Agência de Comunicação prepara nova versão do site DC Shopping. Entre as novidades estão: novo projeto gráfico, guia de lojas , agenda de eventos aprimorada e versão otimizada para acesso por smartphones, como iPhones e Blackberrys.


O endereço é www.dcshopping.com.br .

Ancila Ferreira

 

Museu Getúlio Vargas

 

 

São Borja já prepara as comemorações do aniversáio de Getúlio Vargas que acontecem entre 19 ( dia do nascimento de Getúlio) e 24. Haverá palestras,entre as quais do escritor Juremir Machado,e outros eventos.


Da esq para a direita DEputado Luis Carlos Heinze,sua esposa Sandra Batista Heinze, Marco Teló, vereador Lautert(PDT) Leonel de Moura Brizola,com a cuia do mate na mão,atrás dele, o presidente atual do PDT, deputado Vieira da Cunha,então deputado estadual,entre outros.Evento. Inauguração do Museu Getúlio Vargas. Ano 2000

Também aparece, aos fundos, Neuza Pinto Penalvo


O Museu foi inaugurado no ano de 2000 e contou com a presença do então presidente nacional do PDT, LeonelBrizola. Na foto, doa cervo de Marco Teló,Brizola segura uma cuia de chimarrão,beberagem da qual o presidente Luís Inácio Lula da Silva aconselhou o candidato do PT,Tarso Genro, a livrar-se e substituir por um bom uísque.

Coleguinhas

 


* Dois coleguinhas, Vilnei Herbstrith e Cauê tinham posto nos seus sites a foto de Giovani Grizotti. Ele ligou pra eles pedindo pra tirar, Os coleguinhas foram antenciosos e tiraram. É que Grizotti é oculto.

* No dia da bronca, na terça-feira passada, dia 16/03, Silvio Lara e um colega andavam de carro pela cidade fazendo seus trabalhos.Silvio Lara, que é esquentado, da rádio Esperança,brigou com um motoqueiro e foram parar todos na Primeira Delegacia, no centro de Porto Alegre. Quando chegaram lá estavam o deputado Dionilso Marcon(PT) dando depoimento por causa de sua briga,ou discussão, com o repórter Giovani Grizotti. O Sílvio Lara, que não perde a oportunidade,tirou o microfone e saiu entrevistando o deputado.

- O que houve deputado, o que houve deputado.

O motoqueiro saiu de fininho e esqueceram a ocorrência deles.

 

 

Coleguinhas

 


Toda atenção era pouca quando o

Celso Rosa estava no Palácio da Polícia

Naqueles anos 70, tomar um " furo" da Folha da Tarde ou da Folhinha, pra quem trabalhava em começo de profissão na reportagem policial de ZH podia significar não apenas a xingada do editor no outro dia, mas também um longo tempo fazendo madrugada, ou seja, da meia noite as seis da manhã, correndo delegaciais atrás das "ocorrências policiais". Era o máximo da humilhação pra um repórter, mesmo que estivesse em começo de carreira, como era minha situçao no começo dos anos 70, e encontrei pela frente um rival como o Celso Rosa, com quem não tinha a menor amizade.


Celso Antônio Souza da Rosa.

 

Mas sua presença dentro do Palácio da Polícia era seguramente fator de alerta: ele furungava em tudo que era " especializada" como chamávamos as delegacias que atendiam os crimes da Grande Porto Alegre e da capital.

Celso quando menos notávamos estava com uma "bomba" na mão que nas mãos do competente editor que era o Adroaldo Bachieri ou o Antoninho Gonzalez era manchetão no dia seguinte no jornal concorrente.

Perdi de vista o colega há muitos anos...
Uns dizem que foi pra Bahia,outros que estaria num outro estado.

Celso da Rosa nasceu em 10.05.1949, filho de Protásio Souza da Rosa e de Theodora M.G.d a Rosa. Morou na rua Sarmento Leite, 1082 e na rua Riachuelo,801/05.

Sua esposa era Parati e teve os filhos Cristina e Rafael.
Se algum leitor souber o paradeiro do competente colega, que me mande.

 

Quem será o próximo aposentado da RBS?

 


Depois que a Ana Amélia saiud a RBS para concorrer ao Senado, especula-se qual será a próxima "estrela" da organização a ser aposentada.

acervo de Gelson Farias.

Paulo Santana o primeiro da direita para a esquerda.

Alguns falam em Ruy Ostermann,Lauro Quadros e outros. Mas há também que ache que chegará a vez do cronista mais popular, Paulo Santana,que o vemos aqui numa foto do tempo de sua juventude, quando não tão famoso quanto hoje em dia frequentava churrascos ao lado de colegas jornalistas, como o Gelson Farias e de funcionários da Polícia e da Justiça.

 

Candidaturas ilustres?

 


O agrônomo Aldo Pinto vai concorrer a deputado estadual? Não se tem nada confirmado,ainda.
É uma pergunta que está sendo feita nos bastidores do partido ao qual pertence, o PDT.


Aldo Pinto encontra Leonel Brizola, em 1979, no exílio em Lisboa, Portugual.


Sabe-se que Pinto, natural de Palmeira das Missões, não é muito favorável a coligação com o PMDB de José Fogaça.
Há versões de que ele concorreria a deputado estadual. Sua última aparição num evento público foi na posse do atual presidente da Assembléia Legislativa do Estado, Giovani Cherini(PDT).


Aldo Pinto quando foi candidato a governador na aliança PDS/PDT em 1986. No Bar Treza, local de encontros políticos e do cafezinho em Caxias do Sul.

 

Também há versões de o atual senador Sérgio Zambiazi não concorreria a nenhum cargo eletivo,segundo noticiou o blog do Prévidi, ontem,dia 18/03.
Previdi informa que Zambiazi se dedicaria apenas ao rádio.


O " famoso" encontro de Lisboa. Na sede do Partido Socialista Português, localizado na Largo dos Ratos, o encontro dos petebistas, em 1979.

 


Em Brasília noticia-se que o senador petebista não mais concorrerá a reeleição ao senado. O assessor de imprensa de Zambiazi, no Sul, Marcelo Villas-Boas também não sabe informar a que o político vai concorrer, ou se vai desisitir. Quando inquirido,apenas responde: " Se tu souberes, me diz...."

 

Guerreiro é fotógrafo 24 hs por dia

 


A " missão" atual de Luiz Antônio Braga Guerreiro é acompanhar o presidente da Assembléia Legislativa do Estado,Giovani Cherini.

Mas Guerreiro, como é conhecido entre os coleguinhas, está na vida mansa,agora ...Porém, já teve que enfrentar paradas mais duras na reportagem quando trabalhava por exemplo pelo Jornal do Brasil e tinha como chefe o exigente José Mitchell( hoje pauteiro da RBS TV).

- Nós tinhamos a Objetiva Press e eramos terceirizados no JB,contou ele. Mas eu chegava as sete da manhã noJB que ficava no Morro Santa Tereza. Geralmente com 4 ou 5 pautas pro Mitchell.
Ele esperava o JB iniciar o dia no Rio de Janeiro e então telefonava,ou mandava telex pra ver que pautas eles aprovavam pra aquele dia....

Filho de Fernando J.P. Guerreiro e Edy Br aga Guerreiro, o atual fotógrafo do presidente da Assembléia Legislativa nasceu em Porto Alegre em 02.02.1953.
Além do JB, Guerreiro também trabalhou na Cia Jornalística Caldas Junior.

Há um episódio na vida do Luiz Antônio Braga Guerreiro que é pouco conhecido. Foi ele que em 1976 coordenou a campanha de pichação nas paredes dos prédios da avenida Independência, em Porto Alegre, no qual estava escrito com spray comprado no " corujão" da av. 24 deOutubro, do supermercado Real, FLAVIO ASSASSINO!Luiz Antônio morava em Livramento naquela época e a vítima do incidente com o Flávio Alcaraz Gomes em 11.04.1976
a jovem estudante do Colégio Sevigne - um colégio conservador localizado na av. Duque de Caxias, no centro da capital do Estado - era muito amiga da sua namorada de então, atualmente sua esposa.Foi Luiz Antônio quem comprou todo o estoque de spray colorjet no " corujão" da 24 de Outubro.

- Participei de uma reunião em Porto Alegre onde estava a Célia Felizardo, mãe do fotógrafo Luiz Carlos Felizardo. Durante toda a reunião, a Célia coordenou uma campanha de pichação nas paredes da avenida Independência exigindo areparação da morte da Maria José Alberto Silva.
Na versão de Flávio, que cumpriu pena no Presídio Central pelo crime - este autor o visitou quando estava preso - o tiro lhe saiu involuntariamente.

 

Governadora Yeda em São Borja

 


O Jornal A FOLHA REGIONAL, ed.259 de 19/03/10, noticia a visita da Governadora Yeda Crusius a São Borja. O presidente do COREDE-FO Hugo Chimenes confirma a participação da Governadora na solenidade de abertura do XIII Encontro Anual de Avaliação e Planejamento dos Coredes, dia 25, às 14h. na Câmara de Vereadores, Palácio Getúlio Vargas, em São Borja. O evento terá dois dias de duração e tem como tema central o Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul.

Programação:


25/03/10 - Quinta-feira
14horas - abertura solene
Palestra: Desenvolvimento sustentável - Projeto Água Limpa - Palestrante: Nelton Friederich - Itaipu Binacional
Mediadora: Marisa T. da Motta Christoff - COREDE Vale do Rio Pardo.

17h30min. Painel: O desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul na Visão dos Estudiosos José Antônioo Fialho Alonso - FEE; Antonio Cargnin - SEPLAG/RS; Aldomar RÜckert - UFRGS;
Mediador: José Alberto Wenzel - Secretaria de Relações Institucionais

19h30min. Painel: O Desenvolvimento do estado do Rio rande do Sul na Visão dos Três Poderes - Poder Executivo - Governo do Estado; Poder Legislativo - Assembléia Legislativa/RS; Poder Judiciário - Tribunal de Justiça/RS
Mediador: Paulo Afonso Frizzo - Presidente do Fórum dos COREDES

22 horas - Jantar no Restaurante Toca do Surubi - Cais do Porto Internacional

26/03/10 - Sexta-feira
08h30min. Painel - Fontes de recursos para Projetos de Desenvolvimento -
Celso Bernardi - Diretor de Operações do BRDE
Fernando Lemos - Presidente do BANRISUL
Carlos Rodolfo Hartmann - Presidente da Caixa RS
Luiz Carlos heinze - Bancada Gaúcha no Congresso Nacional
Marcia Damo - Secretária de Programas Regionais do Ministério da Integração Ncional
Mediador: Hugo Marques Chimenes - COREDE Fronteira Oeste

10 horas - Programas Estruturantes do Estado/RS - Secretaria Geral de Governo
10h30min. Painel - O papel dos COREDES no Desenvolvimento do Estado RS
Carlos Aguedo Nagel Paiva - Fundação de econimia e Estatística FEE
João Gilberto Lucas Coelho - Conselho Consultivo do COREDE-RS
Gilmar Antonio Bedin - reitor da UNIJUÍ/Presidente do COREDE Noroeste Colonial
Mediador; José Antonio Voltan Adamoli - COREDE Serra
12 horas Almoço

13h30min. Elaboração da Carta de São Borja - Trabalho em Grupo
18h30min - Encerramento e homologação da Carta de São Borja


 

Lemos

 

Fernando Lemos foi para o Tribunal de Justiça Militar.

Para o lugar de Lemos, na presidência do Banrisul, foi nomeado pela Governadora Yeda Crusius Matheus Bandeira, que é secretário de Gestão e Planejamento.Ele deixará a pasta por causa do novo cargo.


A fã de Jango!

 


Há tempos que noto que quando há uma solenidade em homenagem ao presidente João Goulart, em S. Borja, uma senhora aparece e faz seus "escândalos". Não se pode dizer que Jango morreu, porque ela vem aos gritos:

- JangA vive!!!, Janga vive!!!

Foto de Eduardo Belmonte.

A Turca Shalabi ao lado do neto do presidente Jango, Cristhopher Goulart, no Museu de Jango em 1 de março de 2010.

Aí de quem a contrarie!. Ela se "bota " no camarada!
Quero dizer que não tenho uma vírgula contra os escândalos dela...quem se incomodar, que se retire, isto eu acho pra começo de conversa....
Em S. Borja, ela é conhecida por " a Turca".E tolerada. As pessoas já a conhecem e geralmente a deixam em paz. Confesso que a primeira vez me impressionou, depois passei a nem me importar com seus gritos em plenário.
O nome da senhora é Shalabi. No último dia primeiro de março, quando a memória do presidente Jango - o único presidente brasileiro falecido no exterior - foi lembrada, a " turca" estava em plenário e bem agitada, por sinal....

O deputado Vieira da Cunha é que foi sensível. Como ele acabara de citar o presidente Jango no passado e a " turca" reagiu, Vieirinha teve sensibilidade e diante das ameaças dela de se retirar do plenário da Cãmara Municipal, ele a convidou a permanecer no recinto.

Há algumas versões de como ela teria se tornado tão fã do falecido presidente.Uns dizem que o presidente lhe deu uma " casa na região central de S. Borja".

Quem consegue acalmar a Shalabi quando ela se exalta muito é sua filha, que geralmente a acompanha.

 

Bafafá nas Barrancas
do Rio Taquari!

 

Está agendada para às 15 horas do dia 29, uma segunda,no Foro de Estrela(RS) a audiência de conciliação entre Luiz Roque Schwertner e o secretário dos Esportes do Municipio de Estrela, Nardir Steffen.Como este blog vem noticiando, Luiz Roque reivindica para de volta todas as atas do Estrela Futebol Clube que ele emprestou no ano passado para o secretário de Esportes que agora não quer devolvê-lo ao antigo depositário.As atas estavam em poder de Luiz Roque, que as herdara do pai, Aloisio, que fora presidente do já quase centenário clube de Estrela(RS).


 

50 anos de Brasília

 


Evandro Paranaguá;

" Uma das coisas que a vida me ensinou foi que falar de si mesmo é sempre perigoso, mas como o Romário Schettino me informa que estou incluído como " velho jornalista" na Agenda 2006 da memória do Sindicato, naõ tenho como cair fora.

Principalmente depois de alertado quanto ao receio de " acordar diante do amanhã sem notícia do passado" como que o futuro da humanidade estará comprometido. E quem sou eu para cometer este crime de lesa-humanidade?....

Duas laudas são muito pouco para mais de um quarto de século de atividades. Então,serei breve.

Advogado,formado em 1961 na PUC do Rio, larguei os códigos na prateleira e parti para as redações no difícil ano de 1965.
Não´por acaso.Atuando sempre na área política , à época cerceada mas não tão aviltada como hoje encontrei meu espaço de protagonização contra a ditadura que tanto me indignava.


Um espaço que foi se ampliando pouco a pouco, culminando mais adiante na condição de colunista e analista político de O Estado de São Paulo, para onde fui levado por Carlos Chagas, colega e amigo dos tempos da faculdade, onde permaneci ( não na faculdade, no Estadão...) por exatos dezoito anos.

Algumas matérias e outros tantos episódios, me gratificaram particularmente.
A eles: primeiro, talvez o único de que cheguei a sentir uma ponte de orgulho, pelo conjunto da obra: o anátema do famigerado Serviço Nacional de Informações ( SNI ) que por conta de meu trabalho profissional impediu-me o acesso físico ao Palácio do Planalto,onde remanesciaqm algumas fontes preciosas. Pensei cá comigo: quando tanta gente arrisca tudo, pelo menos não passei inteiramente em branco.

Tive , também , a satisfação de publicar no Estadão, com exclusividade num primeiro momento, relato de reunião no Centro de Informações doExército(CIE) sobre aquela que seria a última tentativa - afinal frustada - para desestabilizar a candidatura de Tancredo Neves e fazer de Maluf presidente via Colégio Eleitoral.

Outro bom momento: a publicação no Correio Braziliense da história completa da invasão do Uruguai, pelo Brasil, ( Governo Médici),inclusive com facsimile de documentos qualificado de " ultra-secreto", do Estado-Maior do Exército.
O momento mais dramático: quando chefe do setor de redação do Serviço de Divulgação do Senado( g|ênese dos atuais Rádios e TV Senado) divulguei na " Voz do Brasil", improvisando de locutor, pois o próprio " medrou", a nota oficial do velho e glorioso MDB denunciando episódios de tortura.
Não perdi o emprego graças ao empenho de seu presidente, senador e general da reserva, Oscar Passos.

Para terminar, já que o assunto é memorialismo, a vida me ensinou também que a gente de altíssima qualidade encontra-se por toda parte.
O " paisano", advogado defensor de presos políticos edeputado Lysaneas Maciel e o " milico" Coronel Dicson Grael, um crente da auto-intitulada revolução de 64e posteriormente lutador obstinado contrta seus desmandos, simbolizam personagens de primeria grandeza do período em que " estive" jornalista.

A eles, grandes amigos e já falecidos, minhas homenagens."

Carioca, Evandro Paranaguá, tinha em 2006 69 anos e reside em Brasília desde 1961. Entre 1965 e 1990 atuou como jornalista Político em O Globo, Ultima Hora, e Veja. Ex-diretor do Sindicato dos Jornalistas de Brasília onde atuou na Comissão de Ética e Liberdade de Imprensa e posteriormente na Comissão de Ética. Foi um dos 32 signatários do Manifesto Nacionalista de 1980 ao lado dos jornalistas Pompeo de Souza, Barbosa Limaq Sobrinho e Ruy Lopes.
Fernando Henrique Cardoso foi um dos signatários.Na Presidência da República, jogou o manifesto no lixo.

 

Memória

 

Construtor do prédio da rodoviária
completou 80 anos!

O construtor do prédio da estação rodoviária de Porto Alegre, João José Granato completou 80 anos dias atrás. Em 25 de Junho de 1970, ele estava lá no dia da entrega oficial do atual prédio pelas autoridades. Quando aquele prédio foi inaugurado, era considerado o " mais moderno da América Latina".


inauguraçãoda rodoviária de Porto Alegre. João José Granato discursa, o radialista seria o repórter Dilamar Machado, da Difusora AM.Aparecem,ainda, da esq. para a dir. O Ministro Mário Andreazza, dos Transportes e o governador do Estado, Cel Walter Perachi Barcellos.

Ele estava subsituindo um prédio pequeno,acanhado que ficava a dezenas de metros da nova estação, na rua da Conceição,93 e que cumprira seu papel até a noite de 24 de junho, ou a Noite de São João.

O último ônibus a utilizar a velha rodoviária pertencia ao Expresso Embaixador e aprtira às 23 horas com destino a Pelotas.
Mas foi só no dia 28 de junho que a nova rodoviária começou a operar normalmente: o primeiro ônibus a utilizá-la foi um veículo da Unesul de Transportes que partiu às 4 hs rumo a Erechim.

Antes de aprovar a nova rodoviária, o governador Perachi Barcellos enviou técnicos do DAER aos USA para ver como funcionavam lá estes terminais rodoviários. Foi de lá que trouxeram a idéia de uma passagem de nível,com os ônibus passando por cima e os pedestres por baixo.
O prédio foi erguido em 14 meses, tem 30 mil metros quadrados de área construída e um terreno de quatro hectares.
Na pisagem não havia,ainda, em 1970, hotéis, nem o trevo de entrada.

 

De S. Borja

 

Segundo a Folha Regional, programa que lembra nascimento de

Getúlio Vargas em abril já está montado

 

 

Coleguinhas

 

Assis desmente que
Flávio Alcaraz Gomes não fosse ao front


Depois do barzinho da ARI, no sábado,dia 20/3 fomos para a " Picanha" um minirestaurante da Lima e ´Silva e lá o fotógrafo Assis Hoffamnn pode nos contar um pouco de suas aventuras fotograficas.Assis desmente a versão espalhada por aí durante anos pelo Cascalho( Antônio Carlos Contursi) de que o repórter Flávio A. Gomes nunca tinha ido ao front da Guerra na cobertura internacional que fez na Guerra dos 6 dias entre Israel e Egito, no Oriente Médio.
- O Flávio sempre foi um grande repórter. Ele se preparava para fazer uma cobertura. Eu ia mais ao front da guerra do que ele, mas ele também ia,recordou Assis.
Cascalho, como era conhecido o radialista Contursi, teria espalhado uma versão de que Flávio Alcaraz, na cobertura da Guerra dos 6 dia, nunca teria ido ao front pra transmitir seus boletins. E que simulava os boletins que mandava pra rádio Guaíba dizendo
Aos 68 anos, Assis pendurou as chuteiras mas no sábado lamentou duas grandes fotos que ele perdeu ao longo da vida como profissional.

Uma delas foi na Cobertura da Guerra dos Seis Dias, entre Israel e Egito, quando foi oito vezes ao front da guerra.

- Eu vinha voltando no ônibus no meio da tarde e no deserto vi um árabe com a indumentária deles, sendo escoltado por dois judeus com fuzis nas costas. Se pego esta foto, seria um grande lance. Mas me dei conta depois que o ônibus tinha já passado.

Outra foto que ao longo da vida Assis perdeu foi num sábado de manhã, quando veio caminhar na avenida Osvaldo Aranha em Porto Alegre.

Neste dia o fotógrafo saiu sem máquina para seu azar. Ele relata:

- Um homem, vestido com fatiota e gravata parava na sinaleira e distribuía rosas para os carros que eram obrigados a parar no sinal.
Assis acha que teria dando uma grande foto.

Quando foi chefiar o Departamento de Fotografia da Caldas Junior, nos anos 70, ele teve que dimitir dois colegas porque " eles não queriam fazer as fotos das pautas, queriam trazer pra redação as fotos que eles estavam acostumados a fazer, lembrou o veterano fotógrafo que aos 68 anos vive aposentando,depois de ter sobrevivido a uma cirurgia do coração,anos atrás.

Assis é uma boa conversa.

Ele vai desfilando suas histórias e depois de um certo tempo faz uma pausa e lembra que não está cuidando de uma pousada que montou no Rosa porque a deixou para terceiros cuidar.

Assis é índio nascido em Santiago do Boqueirão e já presidiu a Associação Nacional dos Indios, a Anai, que atualmente já fechou. Foi no Rio Grande do Sul a primeira ONG a tratar dos povos indígenas.


De S. Borja

 

 

O chefe de gabinete do vereador Celso Lopes(PDT) - cujo slogan é REDUTO BRIZOLISTA - Letier Vivian estará em Porto Alegre nesta terça-feira. Dia 25/03 vai a sede do PDT participar do anúncio oficial da coligação PDT/PMDB para o Governo do Estado.

 

De Brasilia

 

O Ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, participou na sexta,dia 19/03 do almoço no Stella Grill, do gaúcho Celso Kauffmann,da já famosa mesa onde sentam jornalistas do porte de Carlos Chagas, Cláudio " Bateu Levou" Humberto,Serginho Ross e outros não tão famosos, mas igualmente competentes.

- Quando iniciamos esta mesa, ia eu e o Chagas. Agora já tem dias que chega a 20 comensais, contou Serginho.

Edison Lobão já foi repórter do Correio Braziliense.

 

Torres, a mais bela do Rio Grande

 


Quando eu viajava de carona no começo dos anos 70 e ia sempre pela BR-101 a Santa Catarina, encontrávamos "fazendo dedo" isto é pedindo carona, como nós alguns argentinos. Mas todos invariavelmente " iam a Torres".
A mais bela do Rio Grande já tinha fama no vizinho país naqueles anos, imagina hoje.

Agora com o feriadão da Páscoa e depois o festival do Balonismo, Torres deve encher d enovo, se o tempo ajudar.

Eis aí umas belas imagens pra se curtir.....

enviadas por Elitte Imóveis

































Mágoas da demissão da Biblioteca Nacional

 

ainda incomodam Affonso Romano de Santana


A demissão de diretor da Biblioteca Nacional feita pelo Ministro da Cultura do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) ainda incomoda o escritor Affonso Romano de Santana. Pelo menos é o que ele disse no sábado, durante palestre no Teatro Renascença, quando falou para um público não superior a 50 pessoas que foi ouvi-lo discorrer sobre arte e cultura contemporrânea.

Affonso que é casado com a escritora Marina Colassanti - " estes tempos minha mulher dava uma palestra na Argentina e uma criança de oito anos lhe perguntou se ela conhecia alguma pessoa famosa" contou Romano inconformado com a princpal faceta da sociedade moderna em que os famosos é que são importantes - contou que encontrou muitas dificuldades quando assumiu a Biblioteca Nacional, no governo FHC. " A burocracia da máquina pública não te deixa trabalhar" sintetizou o escritor mineiro.
Ele disse que durante sua gestão foi chamado por Francisco Weffort,então ministro da Cutura, que lhe solicitou que pedisse demissão:
- Não vou fazer isto. Você terá que fazê-lo para que conste da sua biografia, respondeu Romano.
- Parece incrível que o genro do Paulo Freire tenha demitido alguém da Biblioteca Nacional que estava fazendo um projeto para que mais brasileiros tivessem acesso a leitura, enfatizou o mineiro.

Romano esteve em Porto Alegre a convite da Secretaria da Cultura, dentro das programações do aniversário da cidade.
Nem Luis Fernando Verissimo, nem Moacyr Scliar,nem Lia Luft, nem Martha Medeiros foram prestigiar o colega que falou no Teatro Renascença durante mais de uma hora.

Romano vive no Rio e seguidamente é chamado para dar palestras e conferências até na Europa, principalmente na Alemanha.


Prestígio em alta....

 

Até o colunista Josias de Souza, da Folha de São Paulo, esteve na mesa do Carlos Chagas e do Serginho Ross na sexta passada, no Stela Grill, em Brasília

 

Coleguinhas

 


* Affonso Ritter está de férias....Bah, é difícil o "padre" sair em férias.


* Saiu um milagre. Depois dizem que não tem: o Jornal da ARI voltou a circular. Graças ao empenho do presidente,Ercy Torma, que ajudou a copidescar os textos ao Antônio Goulart que também corrigiu e ao Ayres Cerutti, que fez a produção. Agora tem que distribuir, né.


*Felipe Vieira está processando um professor da PUC. Sentiu-se injuriado e tocou no pau, como se diz na gíria.

 

 

Cerveja!

 

Um barzinho estratégico que fica localizado ao lado da sede do PDT , na Félixa da Cunha, já está se prevenindo: aumentou o estoque de cerveja. O dono comprou mais alguns engradados....É que na quinta próxima,dia 25/03 o Letier Vivian, chefe de gabinete do vereador Celso Lopes(PDT) vai estar no PDT pra assistir o anúncio oficial da coligação PMDB/PDT ao governo do Estado. E o dono do boteco não quer deixar o Letier mal, ná....

 

Grizzotti nega tudo...

 

No site do colega Vilnei, leio que o Giovani Grizotti negou tudo sobre seu imbróglio da semana passada, quando teria discutido com o deputado Dionilso Marcon(PT) durante uma tentativa de gravação de uma entrevista sobre o polêmico tema dos deputados que bateriam o ponto e não ficariam em plenário,

Grizotti negou ao colega Vilnei que tenha brigado com o seu câmera Giancarlo Barzi, com o qual trabalha há três anos e veio com aquela conversa mole de que além de colegas são amigos. Isto é papo furado, não existe isto em jornalismo.

 

Rodeio

 

Bom pruma polemicazinha,hein!!!!

Terminar com rodeios no Rio Grande?

Vão é dar um laço nos ecologistas que querem isto daí....

 

Rumo a Moscou....

 

O deputado estadual Alexandre Postal(PMDB) embarcou no sábado,dia 20/03, para Moscou de onde só retorna no dia 29/03. Vai a convite, numa missão.

Foto: http://www.rs.gov.br

Na sexta,dia 19/03 ele fez um " giro" pela sua região - Coronel Pilar, Guaporé,Vespasiano Correa e pode colher uma impressão: as chamadas " bases" do partido - no caso PMDB - não querem,segundo Postal, o deputado federal Eliseu Padilha(PMDB) para o Senado. Estariam fechadas com o ex-governador Germno Rigotto(PMDB).

É conveniente lembrar que Postal é da tropa de choque de Rigotto e foi seu secretário dos Transportes na sua gestão.

 

Detalhes tão pequenos do Laurinho....

 

* Liguei pro Laurinho ontem perto do meio-dia e estava fazendo o que todo ser vivo faz( ainda bem, né....) Mas eu lhe disse : não precisa descrever com detalhes...É que a Rosinha estava de viagem e meu amigo aproveitou pra ser o bagaceira de sempre que é....

Como eu lhe sugeri instalar um bidê, que é a coisa mais higiênica que se pode ter dentro de casa - eu que já usei sabugo de milho pra isto - então o meu amigo cultíssimo enquanto terminava suas necessidades fisiológicas foi me dando uma grande lição de história, de como nasceu o bidê. Vale a pena....

Era para as putas francesas limparem a....bom deixa pra lá.

 

 

Coleguinhas

 

Olho por olho,dente por dente


Avisado que foi que contaria coisas íntimas, o Laurinho já fez uma ameaça:
se tiver sacanagem no blog,terminam os almoços. Ele se refere aos almoços de sábado que sempre fazíamos séculos atrás, porque este ano não vi nenhum,ainda.
O Laurinho voltou pão duro da praia e está economizando pra embarcar pra Europa, mais uma vez, enquanto nós simples mortais, que não somos funcionários públicos bem aposentados, damos duro no batente.

Coleguinhas

 

Rei morto, rei posto....

A Maria Luiza Benitez, a Malu, até que foi bem no primeiro Quadrantes do Sul, apresentado neste domingo, 21/03 na Guaíba no lugar do Província, do falecido Leonardo. Mas este Dico Reis que ela coloca junto é um chato de galocha....

 

O autor e a equipe desejam aos leitores um bom fim de semana!

 

 

"La Negra" Malu vai subistituir Leonardo nas manhãs de domingo
na Guaíba.

 

A direção da rádio Guaíba já definiu que o espaço Província de S.Pedro ( das 6 às 8 da manhã) dos domingos na rádio Guaíba vai ficar com o programa Quadrantes do Rio Grande e será apresentado por Maria Luiza Benitez, como ela já o faz diariamente, na mesma emissora,entre 5 e 6 horas.


Maria Luiza B.B. dos Santos nasceu em Bagé no dia 10.12.1951. É filha de Armando Barcellos dos Santos e de Dora Benites dos Santos. Atualmente mora junto ao Parque Itapuã, mas já residiu na av. Getúlio Vargas, 120/301.

Ela é cantora, locutora e apresentadora.

Já trabalhou na rádio Guaíba e na TV Guaíba.

Ontem, em seu programa Quadrantes do Rio Grande, contou que em 1984, quando a Caldas Junior quebrou , ela tinha que vender sanduíches pra sobreviver. E uma cliente sua era a então professora de Economia da UFRGS, Yeda Roratto Crusius.

" Hoje em dia nem consigochegar perto dela,porque os assessores não deixam" queixou-se estranhamente ontem no seu programa.Maria Luiza Benitez cantou ontem à noite noTeatro S. Pedro, na presença da governadora Yeda Crusius na entrega do Prêmio ANA TERRA.

 

PESQUISA CNI/IBOPE

 


A pesquisa CNI/Ibope foi divulgada e, como sempre, não foi dado destaque aos percentuais do segundo turno por região, onde Serra só perde no Nordeste (49x35), ao passo que no Norte/Centro-Oeste (52x35), Sudeste (47x34) e Sul (47x40) ele vence.
Segundo o site do TSE tínhamos 131.900.183 eleitores em dezembro de 2009; se deduzirmos os percentuais de abstenções, votos brancos e nulos da eleição de 2008, prefeito, primeiro turno, chegaremos a 102.012.108 votos válidos que, numa simulação, seriam os dados para Serra e Dilma num segundo turno; se fizermos o cálculo por região e transformado os percentuais acima em 100%, via regra de três, chegaremos aos seguintes resultados:


Norte/Centro-Oeste
Serra: 59,77% = 8.784.768 votos
Dilma: 40,23% = 5.912.853 votos
Nordeste
Serra: 41,67% = 11.401.272 votos
Dilma: 58,33% = 15.959.591 votos
Sudeste
Serra: 58,02% = 25.520.153 votos
Dilma: 41,98% = 18.464.943 votos
Sul
Serra: 54,02% = 8.626.199 votos
Dilma: 45,98% = 7.342329 votos
Totalizado
Serra = 54.332.392 votos
Dilma = 47.679.716 votos
Diferença pró-Serra = 6.652.676

Considerando que Serra não está em campanha e Dilma, faz tempo, junto com o Lula, está na estrada, o resultado, creio, ainda é amplamente favorável à Serra. Claro que isto poderá mudar,tanto para um, quanto para outro.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

 

De S. Borja

 


Curtindo Afetos!

Segundo publicou o prestigiado colunista social da Folha de São Borja,na edição 3427, de quarta-feira última,dia 17/03/2010,, o são-borjense deputado federal Ibsen Pinheiro(PMDB) " não concorrerá mais a reeleição. Disse a coluna que sua volta ao parlamento teve como objetivo corrijir a injustiça que sofreu que aliás o fez manter-se com o espírito altruísta e que o sofrimento fez com que cresçamos em todos os sentidos na vida. Sem mandato pretende curtir a vida e aproveitar seus afetos e voltar a São Borja, sua terra natal."

 

Os 50 anos de Serafina


O primeiro local

da rodoviária de La Ùndeze...


Consegui um xerox do local onde funcionou a primeira estação rodoviária de Serafina. Ficava na av.JúlioCampos, 3011,atual av. Miguel Soccol.A concessão era do senhor Assan.Na parede,um fato que chama muitoa atenção. I nome da primeira empresa deônibus de Serafina,a Iguassú que fazia otransporte dos agricultorues que se mudavam para a colonização do Oeste de Santa Catarina.

Entre os sócios desta empresa de ônibus,estavam Ricardo Vivian, José Zanella,os Osmarini,Vendelino Assoni(depois foimorto em Erechim)entre outros. A Iguassù se desfez e deu origem a atual Unesul e a Leal,de Guaporé.

Coleguinhas

 


* Alguns usuários da salinha J.C. Terlera prolongam sua estada...no "plenário" da mesma. Por isto, a responsável, Rosa Loureiro teve que dar explicações dias atrás a superiores....

Coleguinhas

 

Nos 50 anos de Brasília..


ABDIAS SILVA

" Eu tinha 16 anos(isso foi em 1934) quando ingressei no jornalismo como auxiliar de redação do único jornal diário do Piauí, O TEMPO. Tudo corria bem, mas um dia estourou a bomba:o jornal ia fechar. Fiquei desnorteado,pois o problema do desemprego era realmente desesperador.

Eu acabara de ler " Olhaí os Lírios do Campo" e convenci-me de que um homem que escreve um livro como aquele é necessariamente uma pessoa boa.Fiz-lhe uma carta sem muita esperançaq e em poucos dias recebi a resposta. Érico Verissimo começava sua carta com duas frases: " Venha, estou disposto a ajudá-lo".

No Rio Grande do Sul trabalhei até 1947 para a Revista do Globo e depois no Correio do Povo por mais 25 anos. Tive assim oportunidade de conviver com todos os integrantes das letras e da política gaúcha.

Uma figura simgular, misto de ficção e pessoa humana, pois conjugava duas características aparentemente irreconciliáveis - uma impressionate timidez e uma ferina ironia - era Mário Quintana. Basta citar um exemplo. Quando a Livraria do Globo lançava alguma obra de sucesso, como foi o caso de " Servidão Humanba" era costume o tradutor comunicar na Revista do Globo um artigo sob o título " O livro que eu traduzi".

Como a tradução de " Servidão" não estava boa, a tarefa passou para Érico Verissimo e Hamílcar de Garcia.
O Quintana sugeriu,então, com a maior candura, que desta ve o título do artigo fosse " O livro que eu traduzimos".

Na área política, uma figura extraordinária era João Neves da Fontoura, que tinha a noção exata do que é jornalismo. Não havia ainda naquela época o chamado lead, mas o Neves sabia exatamente qual o aspecto que deveria abrir qualquer notícia ou reportagem.

Em 1946, Getúlio Vargas se exilou em sua fazenda no município de Itu. Formou-se então uma romaria constante de políticos para pedir-lhe apoio ou apelar para que ele se candidatasse às próximas eleições.

A curiosidade era geral, mas os visitantes de Getúlio nada revelavam, pois Vargas era o mestre da evasiva.

Um deles,porém, voltou de Itu com uma frase que ganhou as primeiras páginas dos jornais no dia seguinte. Em entrevista que me concedeu, João Neves da Fontoura disse apenas o seguinte: Se o cavalo passa encilhado ele monta".
O cavalo passou encilhado, Getúlio montou e só desceu em agosto de 1954, quando se suicidou.

Naquela época a atividade jornalística era exercida sem as facilidades de hoje.

O máximo que tínhamos era a taquigrafia, personagem muito rara em alguns jornais. Assim, a notícia tinha que ser colhida palavra a palavra, o que exigia uma boa dose de paciência do entrevistado.
O pior eram as dificuldades dos enviados especiais, cujos despachos eram mandados pelo telégrafo e às vezes via Wester.

Era comum os telegramas serem publicados com uma indicação após a procedência: retardado.

Quando foi inaugurada a ponte Uruguaiana-Libres, em 1945, na fronteira com a Argentina, tive que mandar para o Correio do Povo um resumo dos discursos do presidente Peron pelo telefone devido à falta de telex ou outros recursos semelhantes. Estávamos a léguas de distância da informática de hoje.

Não havia surgido ainda sequer a caneta esferográfica, e muitos repórteress ainda escreviam suas matérias a bico de pena".

Abdias Silva trabalhou em Porto Alegre na Revista do Globo, no Correio do Povo e na sucursal do Jornal do Brasil. Em 1967 ,mudou-se para Brasília indicado para cobrir a área política ,inclusive o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional,sendo ainda o redator substituto da ' COLUNA DO CASTELO" nos impedimentos do titular.

Abdias em 2006,quando deu este depoimento,estava aposentado.
O depoimento foi dado para uma agenda do sindicato dos jornalistas de Brasília em 2006.

 

Llegaron los periodistas deportivos uruguayos a Sudáfrica

 


(Para El Avisador, desde Sudáfrica)
http://www.avisador.net
SUDAFRICA – Gustavo Lapaz - Hoy (lunes 15) a las 4:30 de la madrugada de nuestro país, los dos periodistas invitados por FIFA, Medios de Sudáfrica, Gustavo Lapaz, presidente del Círculo de Periodistas Deportivos del Uruguay y Edward Piñón de El País, llegaron a ciudad del Cabo junto a los colegas de Chile, Argentina, Paraguay y Brasil, que fueron invitados.

Alojados en el Hotel Orange de Ciudad del Cabo, almorzaron y luego recorrieron la ciudad. Fueron recibidos por Delia Fischer, de FIFA Medios.

La ciudad se ve limpia, con temperatura agradable y poca propaganda del Mundial. No se ve publicidad en las calles.

Nadie con camisetas ni gorros. Ni banderas. Delia Fischer dice que 4 de los 6 Estadios ya están prontos y en abril va a notarse más la publicidad en las rutas del aeropuerto al centro, etc.

Siguen las obras de infraestructura en rutas, estaciones de tren y bus, en los aledaños de los estadios y en aeropuertos.

Dicen que el rugby es el deporte de los blancos y el fútbol de los negros. Por eso la importancia del Mundial acá.

Se ve por TV mucho fútbol inglés. Comentan que conocen a casi todos los jugadores que juegan en Inglaterra y pondrán un fotógrafo profesional a nuestro servicio.

La recorrida del día martes comienza por la Isla Robben, luego estadios y lugares de concentración. Seremos recibidos por el Dr. Daany Jordan, residente del Comité
Organizador.

 

Mino Carta, ameo-ou deixo-o

 

 

Mino Carta, o jornalista que fundou a revista Veja - e outras publicações - passou por Porto Alegre esta semana e como sempre provocou reações favoráveis e outras não tanto.


Em 1968, Mino Carta funda a revista VEJA e Leia....Aqui ele é o quarto da esquerda para a direita...

Ele esteve depondo para o professor Ruy, no projeto Encontros com o Professor. O comentarista Juremir Machado, do Correio do Povo, foi vê-lo e no dia seguinte,no programa do Rogério Mendelski onde Machado participa diaramente chamou o Mino de " o maior jornalista mala do Brasil."

E por aí afora....

Mino Carta nem deve estar aí para isto....Há anos enfrenta a fúria dos inimigos ou é acariciado pelo afeto dos amigos.
Ele fundou a Veja, o Jornal a República,o Jornal da Tarde, do Grupo Estadão,entre outros projetos. Atualmente é dono de sua publicação, que se chama CARTACAPITAL.

Os anúncios que esta publicação consegue das estatais é que provoca a fúria de alguns coleguinhas como o Juremir Mac hado que na terça,dia 16/03 se referiu ao publisher como " um mamador das tetas do Estado"!

 

O Pré-Sal é centenas de vezes maior que o território do Rio de Janeiro


Por Luiz Oscar Matzenbacher


Imaginem mais de cinco mil grandes passeatas, carreatas, cavalgadas, tratoraços, chegando à Capital Federal - Brasília - no dia da votação da Emenda Ibsen, no Senado. Cada passeata, organizada pelos prefeitos, vereadores, deputados e governadores, partiria de cada um dos municípios e das capitais dos estados esquecidos na partilha dos lucros da Pré-Sal.
Imaginem vários milhões de brasileiros chegando dos quatro pontos cardeais e cercando Brasília, para exigir que os royalties da Pré-Sal sejam de todos.
O governador Sérgio Cabral e os atores e atrizes da Rede Globo riscaram um fósforo ontem no centro do Rio, que pode espalhar o rastilho pelo Brasil inteiro.
Se o moradores do Rio fizeram o protesto deles, os habitantes de todos os estados e municípios brasileiros podem usar do mesmo direito de manifestação e lançarem, por exemplo, a campanha: "Fim dos Privilégios da Pré-Sal, Já!"
A melhor sugestão que se poder dar aos deputados federais e senadores, é que cheguem a um acordo que contemple igualmente a todos os municípios e estados, já!
Está na Wikipédia:
"PRÉ-SAL - O geólogo e ex-funcionário da Petrobrás Márcio Rocha Mello, acredita que o pré-sal poderia ser bem maior do que os 800 quilômetros já identificados, se estendendo de Santa Catarina até o Ceará.
"Apenas com a descoberta dos três primeiros campos do pré-sal, Tupi, Iara e Parque das Baleias as reservas brasileiras comprovadas, que eram de 14 bilhões de barris, aumentaram para 33 bilhões de barris. Além destas existem reservas possíveis e prováveis de 50 a 100 bilhões de barris.
"A descoberta do petróleo nas camadas de rochas localizadas abaixo das camadas de sal só foi possível devido ao desenvolvimento de novas tecnologias como a sísmica 3D e sísmica 4D, de exploração oceanográfica, mas também de técnicas avançadas de perfuração do leito marinho, sob até 2 km de lâmina d'água.
"O pré-sal está localizado além da área considerada como mar territorial brasileiro, no Atlântico Sul, mas dentro da região considerada Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil."
O texto completo está disponível na Wikipédia, via Internet. São informações estarrecedoras. O Pré-Sal estaria até mesmo a mais de 500 milhas da costa brasileira para o Leste, quase da Foz do Mampituba ao Sul, até próximo da Foz do Amazonas ao Norte. E desde a costa do Brasil até à Costa da África. Ou seja, muito longe, mas muito além, do litoral do Rio de Janeiro.


De São Borja
Por Clemar Dias....

 

 

A História do PEDRO BALA!

A Herança de Pedro Bala

Perambula pelas ruas de São Borja um das figuras Folkloricas tida por uns por malandro e "bom vivente" e por outros como um filosofo de rua e atende pela alcunha de Pedro Bala. Se você ver o personágem irás de cara pensar que aquele esta deslocado de seu eixo no tempo e no espaço pois que mais caberia em um das muitas ruélas de Bunos Aires. É Pedro Antonio Velázquez, popular Pedro Bala. Pedro carrega o garbo de ser descendente de Carlos Olmedo que foi um dos cantantes de gran prestigio, percursor a pisar nos palcos onde cantou Gardel. Carlos Olmedo era um Uruguaio de voz barítono que se chamava Delmar Velazquez Childe nascido em 1921 e falecido em Mar del Plata em 1976. Após o desaparecimento de Gardel o tango virou coqueluche no mundo e Olmedo ainda muito jovem migrou para a Argentina onde ganhando concursos nacionais de canto se aliou aos grandes da época e viveu espalhando seu canto da américa a europa. após seu falecimento caiu um pano sobre sobre sua tumba e pernaneceu "olvidable" por muitas décadas até que seus descendentes resolveram desenterra-lo naturalmente que pela parte mais interessante, seus direitos autorais. Depois de muitos anos de procuras por cartórios e registros a familia provou que Carlos Olmedo era o irmão da progenitora dos Velázquez brasileiros e ai começou a batalha pelos tribunais a busca do filão, os direitos autorais. Parece que os mantidos no Uruguai foi conseguido alguma coisa. Para tão pesado empreendimento foi feito um contrato de risco com advogados não sei em que base mas sei que o Pedro Bala o mais "ave" deles tem na mão vários financistas dizem que agora ele criou um sistema participação por cotas onde o investidor molha a mão do Bala e recebe o crédito de xis ações. Ontem o Pedro passou na minha calçada e estranhamento não parou para me filar um cigarro; deduzi que pelo tardar a hora estava correndo para ir liberar mais um lote para o pregão seguinte da bolsa do futuro.

 


Release Exposição Fotográfica:Porto Alegre Há 50 Anos


Na segunda metade do Século passado, Porto Alegre era uma Metrópole com ares provincianos, mas em acelerada expansão. Avançou sobre o Guaíba, foi rasgada por avenidas e recebeu elevadas. Trocou velhos casarões e antigos sobrados dos pioneiros por altos edifícios, que, pela novidade da altura, foram chamados, na época, de “aranhas-céu”. Devido à mecanização das lavouras no Interior e o conseqüente êxodo rural, sofreu com o inchaço da Periferia. E, diante da implantação da indústria automobilística nacional, preferiu o asfalto em detrimento dos trilhos e das vias navegáveis.


Atento às transformações vividas pela Metrópole, o fotógrafo de jornal José Abraham (1921-1997), o Espanhol, sobrevoou a cidade e navegou pelo Guaíba durante incontáveis horas para registrar com sua Rolleiflex 6 x 6, imagens determinantes do processo de evolução da cidade.


Agora, 50 anos depois, seu filho, Alfonso Abraham, também um fotógrafo qualificado e herdeiro do acervo de seu pai, abre o arquivo e expõe 30 painéis com fotos simplesmente históricas.

Exposição: Porto Alegre há 50 anos
Fotos: José Abraham.
Curador: Alfonso Abraham.

Dia 25 de março , as 19h no Memorial do Rio Grande do Sul

 

Recebi e publico

 


Prezados Olides!
Li o blog de hoje! Tudo certo.
Já sabia da opinião do Mauro Rocha a meu respeito da minha situação após o acidente.
Tenho uma história bonita a respeiro das canchas de corrida de cavalo.
Todo mundo apostando naquele cavalo e na saída o cavalo encrencou.
Parece que correram com o jóquei.Vou investigar mais.
Das histórias do Santuário vou conversar com o Pe. Giovanni e com as pessoas envolvidas pois pretendo dar os nomes.
O Pe. Giovanni viu pois falou numa reuníão do conselho.
"Ao descer o último degrau do altar, indo em direção à imagem de nossa senhora.......(aguarde).
Da queda do Ilei Dariff, mandarei foto, data,altura da queda etc...
Um abraço do amigo
Mário Migliavacca

 

EXCLUSIVO!

 

GALVAO,AMADO OU ODIADO

RENOVOU COM A TV GLOBO!

Olides


A TV Globo renovou por mais cinco anos o contrato do Galvão Bueno. É que a Record estava tentando leva-lo para a sua euipe.Segundo boatos que se ouvem aqui em Brasília, Galvão receberia por este novo contrato,50 milhões de reais...

Sergio Ross


De Brasília, por Serginho Ross...



AS TRAPALHADAS DO
SENOR MARCO AURELIO

O nosso conterrâneo Marco Aurélio Garcia
que é o assessor da Presidência da República, para assuntos de politica internacional,desde que assumiu suas funções,só tem feito trapalhadas . O ministro Celso Amorin que o diga...
O Carlos Chagas na sua coluna de hoje, diz em algumas linhas o que pensa do nosso “Toc-Toc”.
“Essa confusão toda deve-se ao Assessor Presidencial Marco Aurélio Garcia,defensor da visita a Israel e a Palestina,o mesmo responsável por ruídos em nossas relações com a Bolívia e o Equador,pelo diagnóstico do Lula de que os dissidentes cubanos são bandidos,pela ausência do presidente na posse do conservador novo presidente do Chile e pelo apoio do Brasil ao ex presidente de Honduras,candidato frustrado a ditador daquele país. Não é pouco em termos de trapalhada”.
Eu acho que o Chagas foi até modesto em relações as confusões e
trapalhadas do nosso conterrâneo. Eu tenho um amigo aqui em Brasília,um gaúcho também e que foi colega de Marco Aurélio Garcia na Faculdade de Direito em Pôrto Alegre. Este meu amigo que não é politico (é dono de restaurantes e churrascarias espalhadas pelo Brasil),janta seguidamente com o Presidente Lula,quando o Presidente passa alguns dias por Brasília...
Este meu amigo,numa noite dessas, durante um jantar,contou à Primeira Dama,dona Marisa,que o Marco Aurélio,quando ainda estudante de direito em Pôrto Alegre,havia ganho um concurso na Radio Guaíba, tipo o Céu é o Limite, e que teria ganho duas passagens para visitar Paris. Dona Marisa inocentemente,quando o encontrou pela primeira vez,no Palácio do Planalto,não teve dúvidas em cumprimenta-lo pelo feito ocorrido há muitos anos em Pôrto Alegre. Pois não é que o Marco Aurélio (Toc-Toc),ficou furioso com o meu amigo pela
“indiscrição”?????

 

Os flamenguistas cariocas amam Porto Alegre

 


Por Luiz Oscar Matzenbacher


Menciono futebol, para dizer que os cariocas do Flamengo amam a Porto Alegre, mesmo a de Ibsen e Simon. Os atletas, dirigentes e torcedores flamenguistas dormiram na capital gaúcha e embarcaram ontem, depois do almoço, para Santiago do Chile, para jogar à noite, pela Libertadores, contra o time do LA U.
Foram tratados com tanto carinho, na Capital dos Pampas, que o Wagner Love e o Adriano estão pedindo para dormirem na volta do jogo contra o LA U, em Porto Alegre, para curtirem a noite na Cervejaria Dado Bier. Lá, a escolta é de loiras e morenas, carregando flores, jamais com bandidos portando metralhadoras.
Não quero botar mais lenha nessa fogueira dos royalties da Pré-Sal, muito menos depois do Levante Carioca. Peço paz entre os estados e municípios brasileiros. Procurem um acordo, com espíritos desarmados.
Comprei meu vinho Carmenérè, Marcus James, da Serra Gaúcha, para acompanhar hoje, pela TV, às 19h30min, a Cerro(UR) x Inter(BR) em Rivera, cidade uruguaia que terá 23 mil colorados, contra apenas quatro mil cerreños, no estádio Atílio Paiva.
O Inter é mesmo internacional. Consegue a façanha de levar até os secadores gremistas para torcerem contra, em estádios de países vizinhos.
Mas o time terá que desencabular no ataque. Empate não serve.

Histórias de Coleguinhas

 

Brasília,50 anos

No tempo da ditadura, o clima no Palácio do Planalto não era muito descontraído,não. Os repórteres ficavam por lá esperando a notícia do dia,fazendo tempo.

O fotógrafo Roberto Stuckert, o "STUKÃO", como é conhecido em Brasília - porque tem o filho, de mesmo nome, que por sinal é o fotógrafo do presidente Lula, - estava um dia na antesala de um gabinete e passou por ele um colega, cujo apelido era CARECA...

O careca vivia aprontando pro "STUKÃO" ...Numa manhã, enquanto o Chefe doGabinete Militar, Gal. Hugo Abreu - da linha dura do Governo Geisel - e que era totalmente calvo saiu de seu gabinete prum compromisso, encontrou o "Stukão " berrando pro seu colega CARECA...

- Careca, vai te f.....Careca vai te f....


O General Hugo Abreu pensou que a "bronca" do fotógrafo era com ele....Deu um bode! DEpois o mal-entendido foi esclarecido.

 

As NOVI DOS COLEGUINHAS....

 

* Miriam Dutra, a repórter da Globo, que teve um affair e um filho - que tem cerca de 18 anos - com Fernando Henrique Cardoso jantou na última segunda dia 15/03 com o colunista Claudio BATEU LEVOU Humberto em Brasília. O ex-assessor de imprensa do Collor de Mello é um dos colunistas melhor informados do país....

* Giovani Grizzotti era citado, ontem,na rádioGuaíba, para desgosto dos " bispos" que no dia da bronca com o deputado Dionilso Marcon faziam de tudo pra que o nome do excelente repórter não fosse muito citado em seus veículos.

" Tonho " herdaria um império, mas a Cia
Caldas Junior entrou em falência

 

Francisco Antônio Caldas nasceu em Porto Alegre em 15/07/1937 filho do poderoso dono da Caldas Junior, o jornalista Breno Caldas e de Ilse Kessler Caldas. Morou com a família na Rua Bordini,365." Tonho" foi especialmente incumbido de tocar adiante um novo projeto da Caldas no final dos anos 60, que foi a Folha da Manhã, um jornal originado da antiga Folha da Tarde Esportiva, que circulava apenas às segundas( por causa dos jogos de fim de semana.)


Francisco Antônio Caldas - "Tonho"

Depois que a Cia Caldas Junior faliu, em 1984, e que o Correio do Povo e a Folha da Tarde pararam de circular, Francisco Antônio Caldas foi trabalhar no Grupo do Jornal do Comércio,dirigindo a publicação O Balcão.

Ele faleceu de um câncer, pouco antes do seu pai,Breno Caldas.

"Tonho" quando jovem foi um grande notívago. Era habitué do Encouraçado Butikin e também ia muito ao bar Galarin, localizado na av. Senador Salgado Filho.

De S. Borja


Notícia veiculada pelo Jornal Folha Regional,edição 258, de 12/03/2010, página 4.

O ex-presidente da Cãmara Municipal de S. Borja é irmão do deputado estadual do PTB,Cassiá Carpes e casado com a presidente do PMDB de S. Borja.

 

BUROCRACIA DOS ÓRGÃOS MUNICIPAIS
PREOCUPA CÂMARA DE VEREADORES


A preocupação com o excesso de burocracia e demora na tramitação de processos nos diferentes órgãos da Administração municipal foi manifestada hoje (17) pelo presidente da Câmara de Vereadores, Nelcir Tessaro, em palestra na reunião-almoço do Conselho Deliberativo da Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (Sergs) realizada na sede social da entidade, no bairro Pedra Redonda.
Chamou a atenção para os prejuízos que esta situação acarreta para os empreendedores, inclusive comprometendo a implementação de programas como o Minha Casa, Minha Vida, que tem por objetivo atenuar o problema da falta de moradias adequadas para a população de baixa renda. “Esta é uma questão prioritária para a Câmara”, enfatizou Tessaro, ao propor uma parceria com as entidades da área da engenharia, como Sergs, Sinduscon/RS, Asbea/RS e CREA/RS para discutir a solução do problema com o Executivo municipal.
Afirmou ainda que a Câmara busca consolidar seu papel de fiscalização das ações do Executivo mas também de auscultar as demandas da população, encaminhando-as para os administradores da cidade. “Queremos colaborar com a Prefeitura e não apenas nos limitarmos a criticá-la”, resumiu.
Na reunião, coordenada pelo presidente do Conselho Deliberativo da Sergs, Newton Quites, e com a presença do presidente Cylon Rosa Neto, foi prestada homenagem especial ao conselheiro Paulo Vanzetto Garcia, por ter sido empossado na presidência do Sinduscon/RS para o triênio 2009/2012.
Também estiveram presentes à reunião os vereadores João Carlos Nedel e João Pancinha.

Todt Comunicação

Coleguinhas

 

GERALDO CANALLI

vai ser PAPAI de novo!

Andou por Porto Alegre, dias atrás, o coleguinha Geraldo Valente Canali, que vive em Maceió, capital das Alagoas.

E a notícia que deixou por aqui é que será papai,de novo.Sua esposa está grávida de poucos meses.

Canali está aposentado pela Fabico, da UFRGS e sua esposa leciona na Universidade Federal de Alagoas.

Canali tem outros dois filhos, de um casamento anterior.

Ele nasceu em Lages(SC) em 28.02.1949. É filho de Ulderico Santo Geremia Zelindo Canali e de Maria Ligia da Costa Valente Canali.
Trabalhou no Jornal do Brasil(av. Borges de Medeiros, 915, conjunto 401/404. Também foi chefe de reportagem do jornal Zero Hora e repórter da TV Gaúcha(atual RBS TV).

 

 

A Assembléia Legislativa lançou nota de esclarecimento sobre

affair Giovani Grizzotti X Dionilso Marcon

 


A Assembléia Legislativa lançou nota de esclarecimento sobre

affair Giovani Grizzotti X Dionilso Marcon mas em nenhum momento cita o nome ddo Grizzotti....Será medo?!

Eis a nota.

' TENDO EM VISTA MATÉRIA JORNALISTICA QUE ESTÁ SENDO PRODUZIDA POR EQUIPE DE REPORTAGEM DA RBS T ACERCA DE PRESENÇA DE DEPUTADOS NAS SESSÕES PLENÁRIAS, CUMPRE-NOS ESCLARECER O QUE SEGUE.
A ATIVIDADE PARLAMENTAR , OS DEVERES, AS OBRIGAÇÕES E OS DIREITOS DOS DEPUTADOS SÃO NORMATIZADOS PELO CÓDIGO DE ÉTICA PARLAMENTAR, INSTITUÍDO PELA RESOLUÇÃO NÚMERO 2514, de 30 DE NOVEMBRO DE 1993 - O PRIMEIRO CÓDIGO DE ÉTICA PARLAMENTAR CONSTITUÍDO POR ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA NO BRASIL.

O ARTIGO 26 DO CÓDIGO DE ÉTICA PARLMENTAR, QUE TRATA DA PRESENÇA EM PLENÁRIO, DETERMINA QUE O DEPUTADO QUE NÃO COMPARECER OU SE RETIRAR DA SESSÃO DURANTE A ORDEM DO DIA, TERÁ DESCONTADO O EQUIVALENTE A 1/30 DE SEUS PROVENTOS. NO ENTANTO, NOS DIAS EM QUE NÃO HOUVER ORDEM DO DIA, O DEPUTADO PODE REGISTRAR PRESENÇA SEM PARMANECER EM PLENÁRIO, JÁ QUE A ATIVIDADE PARLAMENTAR NÃO SE RESTRINGE APENAS AO PLENÁRIO, MAS TAMBÉM COMPREENDE O TRABALHO NAS COMISSÕES TÉCNICAS TEMÁTICAS, AUDIENCIAS PUBLICAS, REUNIÕES EXTERNAS E OCONTATO DIRETO E PERMANENTE COM A COMUNIDADE.

CABE RESSALTAR AIDNA QUE A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA APRECIOU E VOTOU 35 MATÉRIAS EM PLENÁRIO SOMENTE NESTE ANO DE 2010 E NÃO HÁ NENHUMA PROPOSIÇÃO EM ATRASO PARA SER APRECIADA.

POR FIM, DESTACA-SE QUE, NAS SESSÕES PLENÁRIAS DE 2010, 79,55% DOS DEPUTADOS MARCARAM PRESENÇA NO PLENÁRIO, 1,94% ESTIVERAM EM LICENÇA, 13,02% TIVERAM FALTAS JUSTIFICASS E APENAS 5,49% REGISTRARAM FALTAS NÃO JUSTIFICADAS, HONRANDO DESTA FORMA UMA TRADIÇÃO DA ASSEMBLÉIA GAÚCHA DE SER UMA DAS CASAS QUE APRESENTAM OS MAIORES INDICES DE ASSIDUIDADE NO PAÍS.

Porto Alegre, 17 de março de 2010.


Deputado Giovani Cherini

Presidente da Assembléia Legislativa do RS.

 

 

"Affair" Giovani Grizotti, RBS TV repercutiu na Assembléia
Legislativa


Repercutiu,ontem, no Plenário do poder legislativo estadual comentários feitos durante o JA(Jornal do Almoço) da RBS TV pelo comentarista Lasier Martins.

O deputado Raul Pont ( PT) exigiu uma posição da mesa diretora e não está descartado que hoje ela tire uma nota oficial.

O presidente da Assembléia Legislativa doEstado, Giovani Cherini(PDT) viajou no fim da tarde para Não Me Toque, onde,junto com colegas, participaria de uma homenagem da Expodireto ao poder legislativo estadual.

Giovani Grizotti envolveu-se num incidente na terça-feira,dia 16/03, com o deputado Dionilso Marcon(PT) quando ia entrevistá-lo sobre ausências do plenário.
O microfone da câmera teria sido derrubado pelo deputado.

Tanto Grizotti,como Dionilso Marcon registraram queixa na Primeira Delegacia de Polícia localizada no centro de Porto Alegre.
Grizotti estava preparando uma reportagem para o TELEDOMINGO que vai ao ar nos domingos de noite na RBS TV sobre os chamados deputados " gazeteiros" isto é, os que assinam o ponto e se retiram do plenário.
Ele e seu auxiliar chegaram a instalar uma câmera escondida dentro do plenário do poder legislativo estadual.

 

Biografia


O escritor e jornalista RafaelGuimarães( o Rafa) está escrevendo a biografia do falecido deputado federal Adão Pretto, do PT, falecido no ano passado.

 

 

O Rio de Janeiro não é um estado sério

 

 


Por Luiz Oscar Matzenbacher


O crime parece estar vencendo a batalha contra a Lei, no Rio de Janeiro, que - com a licença do herói francês, Charles de Gaulle - não parece ser um estado sério. Por exemplo, os dois atacantes do Flamengo, clube mais popular do Brasil - Adriano e Wagner Love - desfilam, sem pudor, ao lado de bandidos e traficantes que dominam as favelas. Wagner Love chegou a ser escoltado, confome a Rede Globo mostrou para o mundo inteiro, por bandidos que portavam armamento anti tanque, exclusivo dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos que atuam no Iraque e no Afeganistão. Armamento estratégico, que os Estados Unidos ainda não cederam nem mesmo aos mais fiéis aliados.
No mesmo final de semana, o governador do Rio de Janeiro, tendo ao lado autoridades fluminenses dos três poderes, lança em rede nacional, uma campanha de cunho quase separatista, de desobediência ao Congresso Nacional, também abertamente, sem pudor algum. O pretexto do governador fluminense é a manutenção dos faraônicos privilégios do Rio de Janeiro nos royalties do petróleo e do gás, extraídos em área oceânica da Plataforma Continental do Brasil, a mais de 150 milhas do território fluminense, que não tem nem mesmo 80 milhas de largura em terra.
Ambos, são casos claros que poderiam justificar uma intervenção federal no Rio de Janeiro. Deus queira que não justifiquem um retrocesso na democracia brasileira.


CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL.


"Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação."


 

Texto enviado por um militante(uma) do PDT

 

A Política de alianças do atual PDT anda de gabinete em gabinete. Um grupo quer garantir sua "indicação" no Governo PT/ Dilma e outro no provável Gov. Fogaça/PMDB. Fora isso, acredito que a MILITÂNCIA do PDT que independente de indicações para este ou aquele, está inclinada a apoiar um governo com um projeto social popular em desenvolvimento como o do Presidente Lula, com políticas públicas socializantes. Não fosse assim, o que estariam fazendo no Governo Federal o Presidente Nacional do PDT Carlos Lupi, o EX-Governador Alceu Collares e tantas outras lideranças populares do PDT?


O que Fogaça e seu PMDB tem que avaliar antes de firmar acordo com o PDT é qual a parcela do PDT que vai para a rua bater pernas em busca de votos: a que está "negociando" a provável Aliança ou quem se opõe e deseja manter a verticalidade na defesa de um projeto que se assemelha ao programa estatutário pedetista. É histórico no PDT que cada vez que o partido assume ou integra Governo Estadual, o interior é esquecido. Quando "lembrado", consegue a indicação de um que outro e o resto fica com os companheiros da Capital e Zona Metropolitana que são sempre os mesmos. Veja quem são os nomes que integraram o Gov. Yeda: se não são os mesmos que integram a atual Prefeitura de Porto Alegre? Isso vem de longe. O apoio do PDT é sim muito importante para se vencer uma eleição estadual mas isso não significa que o Partido tenha que abdicar de seu programa partidário, de suas lutas históricas, perdendo o FIO DA HISTÓRIA em troca de " indicações " em participação de um governo sem projeto daqueles que foram os primeiros em virar as costas para Brizola no seu retorno do exílio.


Fortunatti e Pompeo as "estrelas"da festa de Loureiro

 


O vice-prefeito de Porto Alegre, José Fortunatti, que chegou acompanhado da mulher, Regina, quase ao final do evento e o deputado federal Pompeo de Mattos que estava na festa desde o começo foram as estrelas da festa dos 62 anos do deputado estadual Adroaldo Loureiro na noite do dia 15/03 no RecantoGaúcho, no Parque da Harmonia, em Porto Alegre.Fortunatti foi saudado como ' NOSSO FUTURO PREFEITO DE PORTO ALEGRE" e o deputado Pompeo de Mattos foi chamado de ' NOSSO FUTURO VICE GOVERNADOR DO ESTADO".
Estas manifestações deixam claro que a aliança PMDB/PDT para o governo do Estado, pelo menos para as lideranças que estavam presentes aos atos dos festejos dos 62 anos do deputado Adroaldo Loureiro estaria consolidadda.

O jantar para comemorar os 62 anos de Adroaldo Loureiro lotou o Salão do Gaúcho, no Parque da Harmonia.


O trem metropolitano

 


Construído em tempo recorde, o trem metropolitano de Porto Alegre que completa 25 anos de operação e que é alvo de inúmeras homenagens,só foi possível porque o leito onde ele circula pertencia a um dos principais acionistas da empresa formada para administrá-lo, a Trensurb S/A: a Rede Ferroviária Federal S/A.

Acervo da Construtora Sultepa S/A

Paulo Genes Muratore, presidente da Trensurb( primeiro presidente da empresa foi quem implantou o trem metropolitano) segura o microfone durante visita na atual estação Mercado. Os demais presentes são, a sua esquerda, Deputado Firmino Girardello,secretário estadual dos transportes, Coronel Paulo Nunes Leal, superintendente da Rede Ferroviáira Federal(RFFSA), deputado federal Victor Faccioni, secretário de Obras do Estado, Jorge Englert, titular da Scretaria Municipal de Obras e Viação(SMOV) de Porto Alegre, Guilherme Socias Villela,prefeito de Porto Alegre, Amaral de Souza, o "Amaralzinho", Governador do Estado, Jornalista Eduardo Roberto Xavier, secretário de Comunicação do Governo do Estado,Deputado Federal Alberto Hoffmann, secretário da Administração do Governo do Estado.

Data: entre 1979 e 1980.


Paulo Genes Muratore que administrou a implantação e os primeiros anos da empresa, se orgulhava de ter "devolvido" ou " sobrado" algo em torno de 200 mil dólares dos custos originais previstos pelo projeto financiado pelo Banco Mundial.

Segundo sua filha, Márcia Muratore, o pai exigiu que no ato da devolução do dinheiro isto constasse em ata junto ao Banco Mundial, com sede na capital norteamericana. E foi o que foi feito.

Muratore faleceu há alguns anos mas seu estilo era de "tocador de obras". Por conta disto, não era muito fácil lidar com ele, que não entendia principalmente jornalista, que ficava lhe perguntando detalhes dos financiamentos.


 

Ana Amélia ganhou destaque em ZH ao sair do grupo RBS

 


Como sempre faz com suas grandes "estrelas", a RBS concedeu a sua colunista Ana Amélia Lemos - que estava há 32 anos no grupo , a maioria do tempo em Brasília,uma página inteira no dia 15/03 data oficial do seu desligamento do grupo.

Não é nenhuma novidade: Armindo A. Ranzolin,quando deixou o grupo,também teve duas páginas na ZH para contar a sua "história".


A RBS costuma se "despedir" em alto estilo das suas estrelas....

 

Unico que não quis...

Sei de um único caso de uma das estrelas da casa que não quis ou não aceitou a proposta. João Baptista Aveline foi chamado a sala de Marcelo Rech,então diretor da ZH, nos anos 90, e foi comunicado que a empresa não queria mais seus serviços. Marcelo em nome da direção disse que a empresa lhe daria duas páginas no jornal ZH, o que foi recusado por Aveline que dispensou a honraria.


Histórias da La Úndeze

 

O acidente de
Marieto Migliavacca.

Era uma noite muito fria- foi no dia 2.7.1972 - lembra o dentista Luis Carlos Montanari, que estava presente no acidente.Ele, Mário Migliavacca e Mário Daltroso conversavam na calçada da rua André da Rocha, quando um Simca Chamborg, desgovernado, colheu Marieto e Mário. Luis Carlos teve tempo de pular fora. Ainda tentou avisar os dois companheiros:



Mario Migliavacca(segurando o "microfone") quando vivia em Porto Alegre, no começo dos anos 70

- OLHA O CARRO!!!!

Marieto e Mário Daltroso foram arrastados uns 20 metros pelo veículo, que só foi parar perto dos prédios da UFRGS.


- Só lembro que vi dois faróis!

Marieto diz ainda que gritou: Jesus!

Ele vivia numa "espelunca" da André da Rocha e seguidamente visitava os conterrãneos que moravam na Praça Conde de Porto Alegre. Era uma república de serafinenses,todos estudantes, que repartiam as despesas.

Levado ao HPS, Marieto se salvou, mas ficou com sequelas,tanto físicas, como emocionais.

" Depois do acidente do século passado em Porto Alegre, o Marieto não mais se recuperou" avalia o veterinário Mauro Rocha, que o conhece.

Hoje Marieto mora em Serafina e até pouco tempo atrás tinha uma empresa de construção.

 

INDÚSTRIA MOBILIZADA CONTRA A
REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO

 




A presidente do Sindicato da Indústria do Vinho do Rio Grande do Sul – SINDIVINHO/RS, Cristiane Passarin, integrará a comitiva industrial gaúcha que realizará mobilização no Congresso Nacional nesta quarta-feira (17). O objetivo é sensibilizar os deputados federais para a inconveniência da votação este ano da Proposta de Emenda Constitucional – PEC – 231/1995, que trata da redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais e elevação do adicional da Hora Extra de 50% para 75%. Os industriais alertam que 2010 é um ano eleitoral e essa matéria não deve ser usada como plataforma política. A redução da jornada de forma linear tratará diferentes setores de modo igual, com reflexos indesejados para empregadores e trabalhadores. Além disso, lembram, o País ainda sente os efeitos da crise internacional e somente agora a indústria começa a recuperar os empregos destruídos nos últimos meses de 2008 e em 2009. A comitiva deverá atuar com foco principal junto à bancada gaúcha na Câmara.

Todt Comunicação

 

Arruda com dor nas costas...


Recentemente o governador Arruda, estava sofrendo de um problema sério na coluna e após uma pesquisa detalhada sobre quais os motivos, o médico descobriu que o problema era o colchão, que não estava na posição adequada !!!





O " BICO BRANCO"

 

O prefeito Ademir Antônio Presotto, de Serafina Correa,voltou de férias no último dia 3/03,depois de 30 dias de dolce far niente...

foto da assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Serafina Correa.

Agora, o já chamado "prefeito do cinquentenário" toca a máquina a todo vapor porque em poucos meses haverá festança na cidade pelos 50 anos do município.
E o que alegra o prefeito é que nas colônias a safra da soja e do milho é boa...O tempo está ajudando na colheita, porque não tem chovido.
O já popular BICO BRANCO já colhe a popularidade que o primeiro ano de mandato lhe deu, depois de ter sofrido nos primeiros meses com uma ameaça de cassação de mandato que acabou não se concretizando.

 

Pastiche de entes
Ceci Alves

 


Salvador (BA)


"Botamos no BBB os piores, cabe a vocês decidir o menos ruim para ganhar o jogo", disse Boninho, o diretor do Big Brother Brasil, no Twitter. Uma declaração para refletir sobre a banalização do ser
Desde que o lutador de jiu-jitsu e participante do (seu segundo!) Big Brother Brasil, Marcelo Dourado, proferiu a hoje célebre frase: "Seje homem apesar de ser viado" para o homossexual e drag queen Dicésar, eu decidi desligar a TV e me desconectar de vez do vício do BBB nos meus verões. Apesar de ter sido uma reação medular minha, de impulso, mesmo, diante de um ato tão flagrante de preconceito e desprezo pelo ser humano enquanto ente ontológico, desligar a TV na cara do homofóbico e vazio Dourado - que, pasmem, é o favorito na disputa pelo prêmio de R$ 1,5 milhão -, foi, além de uma forma de protestar, uma maneira de refletir sobre a banalidade.
Porque a mesma banalidade que leva uma pessoa a agredir outra no que nela há de mais íntimo e definidor da característica humana, que é a liberdade de ser (garantida na Constituição Brasileira e na Declaração Universal dos Direitos do Homem), também mata com nove tiros a queima-roupa pai e filho. E também nos faz olhar com indiferença e "silêncio sorridente", como diria Caetano e Gil em Haiti, o estado de miséria absoluta de um país tão distante e tão perto, que pede socorro depois de ser, por fim, aniquilado; e até daquele mendigo que está largado na rua por onde passamos.
"Ah, ele não é viado, mesmo? Então?", ouvi de um amigo. Sim, claro. Mas, para além dos significados dicionarizados e semânticos, é a carga que imprimimos nas palavras que as define, verdadeiramente. E não podemos banalizar o desprezo que saiu da boca de Dourado ao proferir esta expressão: viado. Desprezo atávico que ele vem externando, turbinado com altas voltagens de ignorância (como quando ele disse que o homem heterossexual não pega AIDS, só os homossexuais que são, também, os únicos transmissores), desde o início do programa. Em nome de nada podemos fazer isso, muito menos justificar tal desprezo como se fora uma das engrenagens da indústria do espetáculo. Vira teatro do absurdo.
PIM - "As palavras têm poder", me disse, uma vez, a cantora e compositora baiana Margareth Menezes. E hoje é dia de paredão no Big Brother Brasil. Incrível como, durante o verão no Brasil - e já há dez verões -, essa frase aterradora que tem, como significado formal, o local onde os condenados à morte por fuzilamento fazem a sua última visão da vida, foi ressignificada com tanta banalidade e vira motivo de frisson de norte a sul do país.
E em dia de "paredão" - expressão cunhada para fins de BBB pelo artista plástico baiano Adriano Castro, o Didi da primeira edição do programa -, que é sempre às terças-feiras durante os três meses da estação do sol, todos à frente da TV e colados em seus computadores, celulares e telefones para "detonar" = outra palavra forte em seu contexto belicoso, que quer dizer explodir uma bomba, ou seja, detonar alguém = explodir alguém -, para tomar parte no reality show através do espetáculo da interatividade vigiada.
As palavras são capazes de violências atrozes. E são, também, seus embriões. Desliguei a TV e fui procurar o que fazer longe do sofá nada veranesco. E fui convidada ao Festival Nacional de Teatro da Bahia, que acontece em Salvador até domingo. Foi então que, numa noite quente deste verão sem BBB, descobri o Grupo Pim - Projeto de Iniciação Musical (PIM) da Escola Comunitária São Miguel, de Fazenda Coutos III.
Com o espetáculo Donos da Terra, que abriu oficialmente o festival, os 47 meninos e meninas, de seis a dez anos de idade, fazem um passeio arrepiante pela cultura brasileira e nordestina, misturando João Ubaldo Ribeiro, Fernando Pessoa, Ferreira Gullar, João Cabral de Melo Neto e Castro Alves, além de trazer cantigas de roda, samba e samba-de-roda, kuduro, de Angola - com um convênio que fizeram com artistas angolanos -, Caetano Veloso, Walter Queiroz, entre outros,
O espetáculo, com direção do professor João Gonzaga foi produzido coletivamente, de forma artesanal, e tem duas indicações ao Prêmio Braskem de Teatro 2009: Melhor Espetáculo Infantil e Melhor Direção. Durante quase duas horas, fui exposta a uma colorida e animada salada multicultural que saltava os olhos, fazia festa nos ouvidos e deixou a platéia extasiada. Sem palavras.
Pode parecer piegas o final que vou dar a este texto, mas ter tido contato com o Pim tirou a sensação de desesperança, que mofou minha alma neste verão modorrento e encharcado de BBB. Porque eu constatei, através desta experiência, que este ser humano que aparece na TV e que é replicado por todas as redes sociais pregando um vale-tudo moral, para alcançar objetivos em cima dos pescoços alheios, é um pastiche de ente. E que, nos rincões onde achamos que a violência e a banalização da vida campeia, estão as pérolas de pathos renovadores.

Ceci Alves, é cineasta e jornalista. Atualmente faz mestrado em Cultura e Sociedade - linha de pesquisa Cultura e Identidade, na Universidade Federal da Bahia.

Bronca na
Assembléia Legislativa!!!

 


O repórter Giovani Grizotti da rádio Gaúcha estava ontem(15/03) fazendo matéria no plenário da Assembléia Legislativa sobre presença em plenário. Estranhou-se com o deputado Dionilso Marcon(PT) mas o seu câmera não conseguiu registrar o momento que o deputado teria se alterado.

Na saída do prédio Giovani e seu câmera teriam se "atracado".

Depois,Grizotti foi registrar queixa na Delegacia de Polícia contra o deputado Marcon.

Grizotti é o repórter investigativo mais conhecido do Estado, embora sua foto nunca apareça publicamente.

 

Imprensa!

 


O " bolo" entre o Giovani Grizotti , o deputado Marcon e o câmera....


Na saída do elevador dos deputados, o repórter investigativo da RBS TV , Giovani Grizoti, tentou colocar o microfone para o deputado Dionilso Marcon falar. Isto foi ontem de tarde, 16/03/2010.O deputado disse que não falaria que era para ele acompanhá-lo sempre, não apenas ontem. A pauta era sobre a presença em plenário dos legisladores.Grizotti tentou ingressar no elevador privativo dos deputados, mas a segurança não permitiu.
Na discussão entre repórter e deputado, o câmera - que é alto - teria deixado a câmera ( que vale 30 mil dólares) cair no chão.
Desceram pela escada e vieram discutindo, segundo quem viu a cena.

Fora da casa já, junto ao teatro São Pedro, o câmera teria agredido o repórter que depois registrou queixa contra o deputado petista numa delegacia do centro de Porto Alegre.


Ainda o "bolo" do Grizotti...

 

As câmeras da Assembléia Legislativa registraram tudo ontem . A discussão do repórter Giovani Grizotti com o deputado Dionilso Marcon e sua "briga" com o colega câmera....

 

De S. Borja

 

O deputado federal Luis Carlos Heinze(PP) processa o prefeito Mariovane Weis(PDT) por notas publicadas na imprensa local.

Ação Cautelar Inominada - Proc.030/10900060135 Distribuido em 29/10/2009 na 3ª Vara Cível de São Borja e Concluso para sentença desde 23/02/2010 - Juiza Marta Martins Moreira
Autor: LUIZ CARLOS HEINZE (Adv. MArco Rogério Souza dos Santos)
Réu: MARIOVANE GOTTFRIED WEIS (Adv. Giovane Martins Cassafuz)
Vistos... Trata-se de Ação Cautelar Inominada proposta por Luiz Carlos Heinze em face de Maiovane Gottfied Weiss. Refere o demandante que exerce a função de Deputado Federal e teve seu nome envolvido em uma nota intitulada "Prefeitura Informa", publicação esta que está denegrindo sua imagem como político, uma vez que sustentam que o autor não utiliza de verbas parlamentares para atender os anseios desta Cidade. Afirma que a nota veiculada nos órgãos de imprensa é de inteira responsabilidade do demandado que exerce o cargo de Prefeito Municipal desta Cidade. Assim, postula, liminarmente, seja determinada a cessação das publicações divulgadas nos órgãos da imprensa local, bem como que o requerido se abstenha de veicular novos informativos que façam menção ao seu nome. Decido. Da análise dos argumentos e provas coligidos à petição inicial, tenho que o pedido merece guarida, visto que implementados os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora. A fumaça do bom direito, que é a possibilidade ou aparência da existência do direito invocado pelo autor, está nas próprias alegações expendidas na peça vestibular, bem como na prova documental trazida aos autos, ou seja, decorre do fato do demandante sustentar a existência de prejuízos à sua imagem em face das publicações veiculadas na mídia local. Já o perigo na demora, que é o fundado receio de um dano objetivamente verificado, está evidenciado em virtude do conteúdo das publicações (fls. 10 e 12) que, de certa forma, põem em dúvida a conduta do demandante como Deputado Federal, às vésperas de mais uma eleição em nível nacional. Assim, preenchidos os pressupostos legais, defiro a liminar pleiteada, a fim de determinar que o requerido providencie o cancelamento IMEDIATO das publicações intituladas ¿Prefeitura Informa¿, que citem o nome do autor, ou façam qualquer referência a ele, bem como se abstenha de proceder novas notas nesse sentido, sob pena de multa no valor de R$ 5.000,00, em caso de descumprimento da presente decisão. Expeça-se ofício à Rádio Cultura de São Borja (Empresa São Borjense de Telecomunicações), conforme postulado pelo demandante à fl. 06. Cite-se. Intimem-se. Diligências legais.

 

 

Auê no aniversário do Loureiro!

 

Garção teria recebido "cusparada" de funcionário da Assembléia Legislativa


No meio dos discursos homenageando os 62 anos do deputado Adroaldo Loureiro(PDT) na segunda de noite,dia 15/03 fechou o tempo na porta de entrada do Galpão Gaúcho, na estância da Harmonia.O Lara, repórter da rádio Esperança, foi chamado por um garção,alegando que um funcionário da Assembléia Legislativa do Estado, que seria Fernando Albino,lotado no gabinete do deputado que trata dos assuntos do Mercosul lhe teria dado uma "cusparada".O motivo do desaforo: o garção queria os cinco pilas antes de entregar a cerveja, uma prática que a casa adotou pra não tomar cano em bebida. Deu um corre-corre, o Lara foi pra lá e depois de um bom tempo, acalmaram-se os ânimos. Só não conseguiram foi acalmar o Lara, que no final do evento, foi avisar o deputado Pompeo de Mattos - inicialmente a versão era de que o " cuspidor" era funcionário do deputado Pompeo - de que denunciaria o desaforo na rádio onde trabalha. Não se sabe se o combativo repórter o fez ou não!

 

São Borja

Foi ontem a solenidade de inauguração do Centro Escolar de Turno Integral Municipal – CETIM Neusa Goulart Brizola.


O centro escolar localizado no prolongamento da avenida Presidente Vargas, no bairro Pirahy, somou um investimento de R$ 900 mil entre recursos próprios da Prefeitura e da União. De acordo com a secretária de Educação e Cultura Ana Cláudia Gattiboni Dutra, a escola atenderá cerca de 240 crianças de cinco a 10 anos, do pré ao quinto ano. “A prefeitura está reformando o antigo prédio da escola Onze de Junho, que a partir de abril, deverá abrigar uma nova EMEI (Escola Municipal de Educação Infantil), onde serão atendidas mais 200 crianças de três a cinco anos”, declara a secretária.


O CETIM será a primeira escola no município a trabalhar em turno integral com criançase uma das únicas em todo o Rio Grande do Sul. No turno serão desenvolvidas oficinas de artes, informática, aulas de reforço escolar, esporte e oficinas de linguagem.


Crédito Foto: JULIANO JAQUES / DECOM / PMSB
Fonte: DECOM / PMSB

 

 

OS CINQUENTA ANOS DE BRASÍLIA

 

O Serginho manda dizer sobre os gastos e cachês de artistas pros 50 anos de Brasília....


Olides

Os festejos dos 50 anos de Brasilia,que esperavamos tanto,foi para o espaço.Segundo o Correio Braziliense.as previsões de gastos para o cinquentenário, está sob suspeita de superfaturamento.Uma comissão governamental fará uma revisão detalhada da planilha de custos elaborada pela Brasiliatur. A análise tornou-se necessária após a constatação de que os valores estimados são assombrosos. Somente na instalção de banheiros químicos,aluguel de tendase montagem de palco,foram previstos R$ 7 milhões. O cachê dos astistas também espanta. A Brasiliatur pretende pagar R$ 463 mil à dupla Bruno & Marrone e R$ 400 mil ao cantor Luan Santana. No Palácio doo Buriti, o governador em exercício Wilson Lima,convidou representantes de embaixadas para sugerirem contribuições para a festa dos 50 anos.
Sergio Ross

Coleguinhas

 

de Brasília.....

Como a capital federal completa 50 anos neste 2010, - o Serginho Ross já andou falando sobre os cachês dos artistas para os shows - vou reproduzir aqui, na medida do possível, alguns depoimentos de jornalistas que vivenciariam a Capital Federal nestes últimos 50 anos.Alguns dos depoimentos foram prestados por ocasião da confecção da agenda 2006, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF.

1) Leda Flora

" Brasília se consolidava como capital,linda e sem violência, eobedecia aos períodos de chuva e seca. Um postal. Sob a calma aparente, no entanto, vivíamos o Governo Médici, com sua barbárie contra a opinião,a inteligência e a arte. Da UNB(Universidade Nacional de Brasília), onde fui amiga do peito de Honestino Guimarães e a alegria dava o tom, não obstante as invasões policiais,especialmente em 68,caí no poder através do primeiro emprego.Um estranhamento.Precisei até de outras roupas ,pois a mudança significou também formalidade o que, aliás, eu só conhecia até então de ouvir falar.
As primeiras impressões sobre a vida profissional são embaçadas e ansiosas. Eu me vi diante da urgência de aprender coisas demais em pouco tempo, a começar pela geografia, pois me escalaram para cobrir o Itamaraty. A idéia fixa de acertar na profissão me tomava tempo e me sugava energia.


Leda Flora fala sobre como era ser repórter em Brasília no tempo da ditadura

 

Por sorte, convivi de cara com Pompeo de Souza,Luiz Humberto e Luiz Gutemberg,três senhores professores, que me abriam cotidianamente um mundo novo de informações e análises.
Eu tentava armazenar tudo aquilo para me capacitar como repórter. Mas aprendi também outras coisas naquele momento: o riso nervoso, a corrida contra o tempo, a realidade de a redação ser uma esculhambação criativa e produtivae a lição maior do jornalismo: pensar em perspectiva.

No início dos anos 70, mulher era fato novo no poder e sequer chegávamos a dez. Mais meninas do que mulheres. Sofremos uma baita descriminação. Até calça comprida nos proibiam. Eu acabei reagindo e liderei um movimento, com o apoio de toda a classe,que gerou mudança nos regimentos internos do Congresso Nacional,ao permitir liberdade no uso da roupa de trabalho.A primeira briga, mas com bom humor.

Mas os donos do poder que costumam se esquecer que eles passam e nós ficamos, estranharam muito a tarefa de dar ionformações àquele pequeno grupo. Praticamente nos sabotavam. Parti para a segunda briga,denunciando a situação,daquela vez mexendo com cachorro grande.
Foi um auê nacional. Na verdade, a dificuldade era dupla: catar informações dentro da ditadura e,ao mesmot empo,ser mulher.

E foi assim, de repente não mais que de repente, que o poder careta descobriu que as menininhas tinham garra e garras e faziam estragos tanto quanto os homens.Vencida a surpresa, começamos a subir a estrada da igualdade e fomos perseguidas sem distinção de sexo.

Eu passei o seguintes apertos: levei empurrão e cotovelada de seguranças, um ministro de Estado me ameaçou de prisão,me cassaram no Ministério do Exército, o Palácio do Planalto me negou credencial e me proibiu os acessos às suas dependências, meu telefone residencial foi censurado, e um belo dia , as quatro rodas do meu carro amanheceram bambas.

Eu tinha medo, muito medo. Muitas vezes a boca secava de puro nervoso. Mas respaldada por convicções e alguma maluquice, aprontava e muitas vezes afrontava aqueles figuras, pelas quais não tinha respeito. Parecia corajosa.Apenas parecia.
Trabalhar na ditadura tinha lá seu lado divertido,também. Houve um tempo em que o Departamento de Polícia Federal exibia semanalmente filmes para para militares e civis. Gentileza inusitada, passaram a convidar jornalistas. E uma noite,então, fomos assistir " Z" de Costa-Gravas. Quando surgiu na tele a palavra FIM, coronéis e generais praticamente correram para os seus carros oficiais.
Mudos.Caras desenxabidas.Tinham acabado de ver a ditadura militar grega cometer todos os abusos que eles aqui praticavam.Foi o fim do cineminha oficial, pelo menos para os jornalistas,na época de ouro da censura.

Uma vez, uma autoridade, me disse na lata:" Há um abismo entre nós. Eu sou governo;você, imprensa". De fato, os dois lados se sentiam muito diferentes.
Mas como a raça humana é uma só,cabiam algumas simpatias. Às vezes. Afinal, ninguém vive fora da polaridade.

Larguei o jornalismo em 1988, em plena Constituinte, depois de 17 anos ricos,intensos,fortes.Pura e simplesmente porque sonhava com uma vida mais calma.

Continuo amando os jornalistas com aquele jeitão de donos da verdade, com uma pitada(ou mais) de arrogância ou superioridade em relação ao poder,armados com ironia e vocacionados para o deboche.

Jornalista bonzinho não existe.E se existe, errou de profissão"

Leda Flora é carioca,mora em Brasília desde 1961. Formou-se em Comunicação Social pela UNB. Iniciou sua vida profissional na revista VEJA,em 1971. Foi repórter de O Estado de S.Paulo e do Jornal do Brasil. Colaborou no Correio Braziliense, Jornal de Brasília,Rádio Eldorado e SBT. Entre 1988 e2001 foi assessora de imprensa da Câmara dos Deputados e,de 1990 a 1991,cantora da noite.
Em 1995,publicou o " Homem na Hora H", pela LPM Editores. Em 2006,quando deu este depoimento lecionava Ritos Tibetanos, uma ginástica oriental.


 

Serafina, 50 anos!

 

 

A rodoviária!


Vou destacar dentro das comemorações dos 50 anos de Serafina, algumas instituições. Começo com a rodoviária, que iniciou na antiga Av. Dr. Júlio Campos, hoje Miguel Soccol. Ela era de um árabe, Assan. Ficava ao lado do posto Soccol, onde hoje tem duas lojinhas, num predio que pertence hoje a Nadina Soccol.


Há cerca de 26 anos atrás, a rodoviária de Serafina ficava na av. Miguel Soccol,2972. Ali, o concessionário Leoldemar Bassani, que a comprou da Ida e Neiva Alban ( esposa e filha do Joanin ) vendia as passagens. Na parede, a tabela de horários e o relógio que foi comprado pelos colecionadores, o casal Ana Lúcia Massolini e Claucir Piccoli.

 

Depois a concessão passou para João(Joanin) Alban com quem ficou muitos anos. Ali funcionava um pequeno hotel - até hoje nas paredes está escrita a palavra " dormitório"!

Tinha ainda uma pequena churrascaria, que funcionava ao lado da loja da rodoviária. O prédio ainda está intacto,embora a rodoviária tenha se mudado para outro local nos anos 80...


Leoldemar Bassani na rodoviária há cerca de 26 anos atrás. Na parede, o quadro com tabela de horários, o relógio antigo e um quadro de Nossa Senhora do Rosário, que era quase uma instituição: em todas as repartições públicas havia um. Hoje está praticamente desaparecido do município.

 

A rodoviária faz parte de minha memória afetiva. Ali eu ia com meu colega Flávio Soccol, que era empregado do Nestor Alban,seu cunhado,porque de noite esperávamos que a TV Piratini passasse os teipes dos jogos do Grêmio Portoalegrense.


O prédio frontal da Rodoviária de Serafina Correa, há cerca de 26 anos atrás. Ao lado de madeira, ainda a casa comercial de Berto Alban.Daqui muitos serafinenses saíram em busca de novas aventuras. O pequeno ônibus que chegava de P.Fundo estacionava ali no meio da tarde modorrenta e quando partia, levantava uma nuvem de poeira, porque nos anos 60,ainda não havia asfalto.
As fotos são do acervo dos concessionaários da Rodoviária de Serafina Correa, Leoldemar Bassani.

 

Eu saía de lá as duas manhã,depois do teipe, e caminhava dois quilômetros até chegar em casa...Ainda hoje lembro de alguns cachorros que se acordavam no meio da madrugada e latiam fortemente. O frigorífico ainda não funcionava 24 horas, como hoje em dia, e de madrugada estava fechado...Hoje,.quando se caminha de noite, cruza-se com trabalhadores que entram e saem da Perdigão....

São lembranças que me ocorrem nestes 50 anos de emancipação de Serafina...

Ao longo dos dias,até julho, vou destacar algumas outras instituições.

 

Coleguinhas

 

Marco Antônio Kraemer

desaconselhou Breno Caldas a publicar UM PALMO E MEIO!


Marco Antônio Kraemer


Diz a versão - não se sabe é verdadeiro,ou lenda - que Breno Caldas,dono da Cia Jornalística Caldas Junior quando estava por falir,em 1984, e direcionou todo seu ódio contra o governador José Augusto Amaral de Souza porque este mandara o presidente do Banrisul Jorge Babob Miranda executar as dívidas da Caldas com o banco estatal,teria se aconselhado com Marco Antônio Kraemer,seu repórter junto ao III EXército, se devia ou não publicar o pequeno texto PALMO E MEIO...Prudente, Marco Antônio Kraemer o desaconselhou,segundo relata o jornalista Valter Galvani no seu livro Um século de Poder, sobre a Cia Caldas Junior.

Este episódio retrata o poder que Kraemer tinha junto ao Dr. Breno, como era tratado pelos subalternos.

Kraemer, que mais tarde foi assessor de imprensa da Fiergs e da General Motors, nasceu em Porto Alegre em 30.7. de 1943.Chefiou o escritório da Empresa Brasileira de Notícias(EBN) em Porto Alegre.
É filho de Tacito Diomar Kraemer e de Edla Cãndida Menezes Kraemer.
Depois de se aposentar na GM, dedica-se a consultoria.

 

Histórias de la Ùndeze....

 

Missa pela alma do papagaio....

O Posto Soccol, - hoje dos Gheller - no centro de Serafina, continua sendo um antro de fofocas e reminescências. Me contaram neste sábado,enquanto tomávamos um chima, que o engenheiro Frederico Alban, - o sortudo que teve as mais belas irmãs do município - hoje um dos diretores da Tedesco, em Porto Alegre, quando jovem era um coroinha muito devoto. E um dia seu papagaio morreu tragicamente. O" Frede "não deixou por menos ...mandou rezar uma missa em sufrágio da alma do falecido.....

Frederico é filho do petebista ferrenho que foi o finado Berto Alban(sempre com seu indefectível boné...)

O fotógrafo da VEJA
largou a profissão e virou

dono de restaurante


Quem vai ao elegante restaurante Orquestra de Panelas, na rua Padre Chagas, no Moinhos de Vento e vê aquele senhor quieto, de óculos, que está sempre por lá não pode imaginar que um dia ele carregou uma pesada sacola com equipamentos fotógrafos porque foi um dos mais importantes fotógrafos que o Sul do país produziu.


Adolfo Gerchmann

Adolfo Gerchmann nasceu em Porto Alegre em 30 de maio de 1953. Filho de Bernardo Gerchamnn e de Clara W. Gerchamnnn. Residiu na rua Fernando Machado, 166/202.

Além da revista Veja, Adolfo também foi fotógrafo da Cia Jornalistica Caldas Junior.

Quando entrou pra atividade de dono de restaurante, ele administrou o café do MARGS(Museu de Artes do Rio Grande do Sul), na Praça da Alfândega. Depois, em sociedade com o também jornalista Mário de Santi, fundaram o Orquestra de Panelas, um dos sucessos gastronômicos da cidade.

Adolfo foi casado com a colega jornalista Angela Rahde( 29.04.1954).

 

De S. Borja!!!

 

Olívio no Festival da Barranca!

O ex-governador Olívio de Oliveira Dutra estará na próxima edição do Festival da Barranca,que acontece sempre na Semana Santa, em S. Borja.

 

Aniversários de pesos-pesados do PDT

 


Ontem,dia 15/03, dois pesos-pesados do PDT e por coincidências,ambos das Missões estiveram de aniversário: o deputado estadual Adroaldo Loureiro( de Santo Angelo) e o prefeito de S.Borja - que por ser prefeito daquele município tem um peso bastante superior dentro da política estadual do que se fosse com o mesmo número de habitantes -Mariovane Weis.

Weis aproveitou a data do seu aniversário e às 10 horas da manhã inaugurou a primeira escola de turno integral - uma bandeira do PDT de Brizola e Darci Ribeiro - do interior. Chama-se NEUSA GOULART BRIZOLA, uma justa lembrança à esposa do ex-governador Leonel de Moura Brizola. No sábado, quem esteve de aniversário foi o presidente regional do PDT, Romildo Bolzan Jr.que completou 50 anos e apenas recebeu os " companheiros" mas não deu microfone para ninguém discursar.

Já no domingo, no CTG 20 de setembro, em Santo Angelo, duas mil pessoas compareceram ao churrasco em homenagem ao deputado Adroaldo Loureiro, num evento que teve discursos. Foi quase um comício....



E a " Meméia" se despediu!!!!

 

 

Ana Amélia Lemos, a " Meméia" dos íntimos,despediu-se ontem de manhã dos ouvintes do Atualidade da rádio Gaúcha. Quem a ouviu, diz que nem se emocionou muito. Foi quase uma Margareth Tacher...

Ana Amélia na verdade está saindo há tempos da RBS.Já não era diretora da sucursal.Mas mantinha espaços na RBS TV, rádio Gaúcha e uma coluna na ZH.Na edição de ontem da ZH, ela "ganhou" uma página.É uma tradição dos acionistas sempre que um expoente maior deixa a organização,dar-lhe este espaço vistoso. Foi assim com outras grandes estrelas da RBS.

Em 1992, quando o jornal ZH sofreu uma grande reformulação, tentaram tirá-la da sucursal, mas não obtiveram êxito.

 

De S. Borja


Como "nasceu" a

da Escola de Turno Integral

Neusa Goulart Brizola

Centro Educ. de Turno Integral Neusa Goulart Brizola inaugurado hoje(15/3/2010) em São Borja, tem sua origem na Escola Municipal Onze de Junho. O Prefeito Mariovane foi quem determinou a troca de nome e o Vereador Valério Cassafuz, amigo de infância do Prefeito, apresentou o projeto na Câmara de Vereadores onde o Governo Municipal tem maioria. Logo que iniciou o primeiro mandato de Mariovane, Renê Ribeiro, Vice-Prefeito na coligação UNIÃO, COMPETÊNCIA E FUTURO PDT/PT e mais 5 partidos, foi buscar recursos para as escolas, assessorado pela equipe da Secretaria Municipal de Educação que Mariovane tinha entregue ao PT. Apresentados os projetos, o Governo do presidente Lula liberou recursos para construção, reformas, manutenção e equipamentos de escolas municipais de São Borja. A escola Municipal Onze de Junho foi uma das beneficiadas. Construída a nova sede da Escola Onze de Junho, veio o impasse. Entre o início e término da obra, Mariovane “expulsou” o PT da Prefeitura. A Escola Onze de Junho , teve a infelicidade de ter uma Diretora petista e foi o que bastou. Mariovane resolveu rebatizar a escola Onze de Junho , com o nome da são-borjense Neusa Goulart Brizola, mulher do líder trabalhista Leonel Brizola.
A sede da antiga Escola Onze de Junho já não tinha mais condições de uso. Pouco espaço, problemas no encanamento, falta de esgoto. Era necessário encontrar um novo local. Agora, onde funcionava a Escola Onze de Junho o prefeito Mariovane habilitou uma Creche, a Escola Municipal de Educação Infantil Onze de Junho. A Escola Onze de Junho tem mais de 50 anos de atividade e seu nome referencia a data da Invasão Paraguaia a São Borja, ocorrida em 1865, durante a Guerra da Triplice Aliança.


Solidariedade....

 


Tenho recebido emails sobre missiva que publiquei aqui...Gostei de um amigo que ontem me escreveu.É "JARASCAVEL",disse, este missivista....

Lembrei-me do finado colega Barão -dono do Kronica - que chamava um político muito conhecido de JAIRARACA.....!!!!!

 

O Itabira....

 

Eis o antigo local do Itabira, na Getulio Vargas, em Porto Alegre, numa foto do Laurinho Dieckmann

 

O Itabira....

O Laurinho conseguiu uma foto do que é atualmente olocal onde nos anos 70 e 80 funcionava a churrascaria Itabira,que se havia tornado uma lenda em Porto Alegre.

Era uma churrascaria rústica, quase interiorana,mas a "alma" dela é que a enchia de charme....Acoriam para lá todos os taxistas da noite, os malandros,as prostitutas que saíam dos cabarés e das boites, os atores e atrizes de teatro,jornalistas, traficantes e afins....

Assaltantes e policiais conviviam e às vezes até sentavam em mesas próximas....

Jornalistas que provocaram muitos auês alí dentro contam-se às ponchadas....Um deles foi o Gaguinho( José Antônio Ribeiro) que não poucas vezes teve que fugir da churrascaria, por causa das porradas que saía com policiais,seus desafetos.

Coi Lopes de Almeida, que era nos anos 70, editor de Zero Hora também acorria muito para lá....

A churrascaria no meio dos jornalistas ficou conhecida por ser a " churrascaria " do sogro do Kenny Braga." Atéonde o foi ou não,não tenho certeza, mas havia esta lenda que a cercava.E há quem atribuiu o seu fim justamente porque muitos davam carteiraço por se dizeremamigos do Kenny e não pagavam a conta....

Ela fechou nos anos 80, mas manteve ainda a lenda em torno de seu nome....A Itabira era boa da meia noite em dia, mas o legal era chegar lá pelas cinco da manhã, quando o " grande público" estava no auge....


De S. Borja.....

 

" CIEP DO MARIOVANE" ????!!!!!!

Recebi do amigo Letier Vivian, do gabinete do vereador Celso Lopes, um aviso; " o Ciep do Mariovane...". Eu achei que o Ciep - escola de turno integral que inaugura(ou) nesta segunda(14/03) em S. Borja - e que bom que assim seja, na terra do Berço Nacional do Trabalhismo ainda não tinha se instalado está idéia original e criativa do grande educador que foi Darcy Ribeiro - se chama NEUSA GOULART BRIZOLA. Pô nada mais justo, né...

Mas o " povo" já está chamando de CIEP DO MARIOVANE!!!!

Já imagino aqui de longe o PRATO FINO( Eduardo Belmonte) transmitindo a inauguração nesta segunda feira, dia 14/03 pelas ondas da rádio Cultura ,

- Estamos aqui no CIEP DO MARIOVANE!!!!!

Em tempo: Mariovane Weis(PDT) é o prefeito reeleito de São Borja...

Era só o que faltava....

 

 

Recebo e publico

 

Las Furier Maurtins e o “Jornal da Bóia” em
Levou no PAC
Autor: Zé Valdir (*)


A quem vai ler esses meus versos
Não perca tempo em bobagens
A encontrar semelhanças
Entre fatos e personagens
Faço logo esse aparte
E culpo a Realidade
- Quem mandou essa Beldade
Viver imitando a Arte?!

A começar pelo nome
Do personagem central
Um crítico furioso
De um mega telejornal
O tal jornalista Las Furier
Cujo prato predileto
É bater forte e direto
Na Esquerda e no PT.

A fúria desse Las Furier
Parece até paranóia
Tem programa na “Rádio Pago”
E comenta no “Jornal da Bóia”
Saliva, fica feliz , gesticula
Com prazer se delicia
Quando a noticia do dia
É bater no governo Lula.

Quando a Dilma veio ao Estado
Falar do programa PAC
Las Furier esfregou as mãos
E preparou seu ataque
Num relance ele divisa
Uma estratégia sinistra
Pra desgastar a Ministra
Que subia nas pesquisas.

Las Furier pesquisou tudo
Sobre o Governo Federal
O calcanhar de Aquiles
Estaria em um hospital
Com rara dedicação
Como quem lapida uma jóia
“Rádio Pago” e “Jornal da Bóia”
Acamparam no Conceição.

Las Furier entrevistou todos
Os pacientes da Emergência
Induzindo-os a criticar
A situação com virulência
Foi ficando repetitivo
Na execução do estrago
Enquanto a “Rádio Pago”
Transmitia tudo ao vivo.

Quando já estava a desistir
Daquela ingrata empreitada
Viu na mão de alguns pacientes
A sigla PAC estampada
E toda a sua mente se anima
Pois imaginou que o PT
Paanfleteava no GHC
O PAC da Dona Dilma.

“Onde deram esse folheto?”
Me digam toda a verdade
E o povo lhe respondia
Com toda a sinceridade
Sem nenhum falso prurido:
“Pois digo seu Las Furier
Foi mesmo aqui no GHC
Pra modo de ser atendido”.

“Você sabe o que é o PAC?”
Perguntava à assistência
Muitos não entendiam
E respondiam com reticência
“Logo...”, concluía Las Furier:
“Não sabem o que tem na mão
É pura manipulação
Da militância do PT!”.

Então entrevistou um jovem
De barba e grife do Che
Que acabou com o teatrinho
Peitando o sábio Furier:
“O senhor é um demente?!
Isso aqui é abreviatura
Não é o PAC do Lula
Mas PAC de paciente”!

Las Furier desmascarado
Ficou mal na fotografia
Ao constatar que dera em gafe
Seu ódio santo de cada dia
O ambiente ficando tétrico
Teve a mesma sensação
Quando uma vez foi ao chão
Por causa de um choque elétrico.

Se arrependimento matasse
Haveria de se salvar
Pois o ódio de Las Furier
Está em seu DNA
É seu perfil e especialidade
O teatro, o enredo, a peça
Noticiar o que interessa
E privatizar a verdade.

Perguntei ao compadre Justino
- Que é justo porém divertido
Como via o Las Furier
E o que lhe foi sucedido
Disse: “Que sujeitinho de araque!
Ficou isolado e sem clima
Foi bater na Dona Dilma
Bem feito! Levou no PAC”.

(O fato: reportagem da Radio Gaúcha no GHC, dia 25/01/10, comentada pelo Cloaca News).

ZV – 25/03/08

(*) Zé Valdir é professor, militante social, advogado, poeta popular e foi vereador em Porto Alegre por quatro mandatos.


Domingo, 31 de janeiro de 2010
O DIA EM QUE LASIER MARTINS TOMOU NO PAC
.
Em sua ensandecida cruzada para esculhambar qualquer coisa que diga respeito ao Governo Federal e atingir, a qualquer custo, o Presidente Lula e o PT, a imprensa golpista e pestilenta do Rio Grande do Sul, capitaneada pelos veículos do Grupo RBS, iniciou uma sórdida campanha difamatória contra o Grupo Hospitalar Conceição, de Porto Alegre.
Vinculado ao Ministério da Saúde, com atendimento 100% pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e integrado à rede de saúde local e regional, o Hospital Conceição atende à população de todo o estado. A superintendência do GHC está a cargo da ex-deputada estadual Jussara Cony (PC do B) que, nos últimos dias, tem se desdobrado para aplacar a fúria dos títeres demotucanos que infestam certas redações.
A bola da vez dos safardanas é o setor de Emergência do Hospital Conceição. Não por acaso, o porta-voz da oligarquia mafiomidiática gaúcha, Lasier Martins, deixou um pouco de lado seu negócio de agenciamento de salames coloniais e assumiu a linha de frente da artilharia golpista contra a instituição.
No último dia 25, em seu programa diário na Rádio Gaúcha, o sabujão resolveu gerar seu espetáculo diretamente da Emergência do Hospital Conceição. Tudo ao vivo. Sua esperança era ouvir dos pacientes as piores coisas possíveis. O sistema de rádio-escuta deste Cloaca News captou quase tudo. Os melhores momentos você pode conferir agora.
.


Fonte: <http://cloacanews.blogspot.com/> Acesso em 11/02/10.

 

CRESCIMENTO ENFRENTARÁ
ESCASSEZ DE MÃO-DE-OBRA

 


O crescimento da economia e especialmente de alguns setores como a construção civil começa a gerar problema de escassez de mão-de-obra qualificada, o que exigirá a integração de esforços entre o governo e as entidades representativas das empresas e trabalhadores, concluíram os participantes do encontro de hoje (quinta-feira), promovido pela Sociedade de Engenharia do RS (Sergs), com participação do superintendente regional do Trabalho e Emprego do Estado, Heron Oliveira. Apenas a construção civil gaúcha, em função dos programas habitacionais e das obras visando a Copa de 2014, necessitará de 15 mil novos trabalhadores, neste ano. O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do RS, Paulo Garcia, sugeriu que o governo federal desloque boa parte da verba destinada a treinamento de beneficiados pelo bolsa-família para qualificação de pessoas não apenas para atuarem no setor, mas também para outras atividades que tiveram maior demanda de empregos.


Baseou sua sugestão no levantamento realizado pelo Ministério do Trabalho que constatou que apenas 1% dos inscritos no bolsa-família mostram interesse nos cursos de qualificação. Ao mesmo tempo, foi citado o exemplo de uma rede de supermercados que selecionou apenas 3 pessoas de um total de 500 que se apresentaram para trabalhar na área de limpeza, entre outros motivos porque um grande número não sabia ler para identificar rótulo de produtos.
O presidente da Sergs, Cylon Rosa Neto, citou a construção civil como uma das atividades em que ocorrem maiores problemas de relacionamento com a fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho. Lembra que existem, atualmente, no Estado, várias obras paralisadas por autuações dos fiscais de segurança do trabalho. A maioria das interdições é por excesso de zelo, observou. Com base no encontro de hoje foram acertadas reuniões conjuntas entre técnicos da Superintendência
e representantes das entidades de engenharia, da construção e de trabalhadores para formar um entendimento a respeito da aplicação de normas.
Ao mesmo tempo, Heron Oliveira enumerou dados positivos, como o baixo número de óbitos por acidente de trabalho, no Rio Grande do Sul, apenas 6 por ano, por 100 mil trabalhadores, o menor do País, em conseqüência da maior presença da fiscalização.


Todt Comunicação

 


Histórias de La Ùndeze....

 

 

Berto Alban, o comerciante fanático do PTB
que vendia roupas até para a gente do PSD....

Foto: FERNANDO E ACERVO DE ROSA ALBAN

Berto Alban atende o vendedor ALBANOem 1970.Quando conheceu Serafina, Albano vinha de Passo Fundo a cavalo para Serafina vender tecidos....

 

O comerciante Berto Alban, falecido em 1988, aos 71 anos, era daquelas unanimidades em Serafina Correa(RS)..Mesmo sendo do PTB(Partido Trabalhista Brasileiro) os adversários iam na sua loja de armarinho, localizada na avenida Miguel Soccol,2980,comprar tecido para fazer uma roupa.

Foto: FERNANDO E ACERVO DE ROSA ALBAN

Rosa Alban, Ana Alban Girelle e Loyde Alban(duas filhas e mae) na loja de Berto Alban em 1970

 

- Eu fiquei aqui pra cuidar da loja, diz hoje, resignada, a filha Rosa. E acrescenta:

- Desde pequeninha que ele (refere-se ao pai) me criou pra isto. Eu subia nas cadeiras pra ajudar a retirar tecido e vender aos clientes quando era bem pequena, lembra ela....

A loja de armarinho resiste ao tempo e quando se entra nela parece que se volta, 40,50 anos na vida serafinense....

O borburinho lá dentro não existe...As peças para vender estão empilhadas nos grandes armários que tomam conta das paredes...E as roupas são todas coloridas.

 

Foto: Romano, do Video Foto Romano - Serafina Correa

A loja dos Alban hoje


- Somos apenas duas lojas que ainda vendem tecidos aqui em Serafina,disse-me a Rosa Alban,que cuida da loja e da mãe, Loyde.

 

Foto: Romano, do Video Foto Romano - Serafina Correa

A loja dos Alban hoje

 

A loja de tecidos foi fundada em 1953. " Ela é de antes deste ano, mas foi registrada neste ano" acrescenta uma amiga que está na loja fazendo companhia à Rosa....

 

Foto: Romano, do Video Foto Romano - Serafina Correa

Rosa Alban e uma amiga na loja hoje. Rosa, com a tesoura de alfaiate que pertenceu a Berto Alban.

 

Berto Alban começou a vida como alfaiate em Serafina Correa. Primeiro ele foi fazendo roupas para os moradores da vila, que naqueles anos chamavam de La Ùndeze....


Foto: Romano, do Video Foto Romano - Serafina Correa

A tesoura de alfaiate que pertenceu a Berto tem 70 anos.

 

Hoje a filha guarda com carinho até uma tesoura de 70 anos que foi como o pai começou sua vida....

 

Ronha serafinense

 

 

Embargaram a obra do Beto

Chiarello na frente da cantina

de vinho....


Eu tinha certeza que isto acabaria nisto...Foi embargada, pela Justiça, a construção de um prédio na frente da antiga cantina da Sociedade Estrela Guaporense, no centro da cidade, ou seja, na área mais nobre. Vamos ver quanto tempo o investimento do Beto Chiarello ficará emperrado por esta quesilha....E acho,ainda, que tem briga político partidária nesta ronha. Quem liderou o movimento pra emperrar a obra foi a Salete Cadore, presidente do PMDB de Serafina. Mas o Beto Chiarello apoiou seu candidato na última eleição? Então, como entender isto?

Na cantina, hoje, pertencente a família Cervieri - que é motivo de uma briga de anos na Justiça entre os herdeiros - há grandes pipas do tempo em que em Serafina ainda se fazia uvas.
Hoje achar uva no município é quase uma graça...!!!!

 

 

A Zero Hora me enganou!

 


Reclamações de leitores de Zero Hora e de outros veículos são publicadas aqui sempre dentro daquilo que o mestre Flávio Alcaraz Gomes nos ensinou: este espaço tem mão e contramão, ou seja, a Zero Hora tem o mesmo espaço para dar sua versão .O editor

 

Olides, sou sua leitora assídua, gostaria que você, sendo um jornalista influente, me ajude nesse caso, que fui enganada pela Zero Hora. Mandei este e-mail pra lá, mas nao obtive resposta.

Venho em meio deste expressar minha total indignação com o Jornal Zero Hora que me ofereceu um prêmio, caso eu assinasse o jornal, e depois de muito me “enrolar” me informou que eles não tinham mais o brinde para me dar.
No dia 22 de janeiro do corrente ano recebi um telefonema da atendente Kelly Longarai, da Zero Hora, me oferecendo uma assinatura, caso eu a fizesse ganharia uma mala de viagem com o logotipo de Zero Hora. Assinei com a promessa de dez (10) dias a mala estaria chegando em minha residência. Passado os dez dias liguei para a central do assinante cobrando meu prêmio, que não havia chegado no prazo combinado. Fui informada pela atendente que o prazo não era de dez (10) dias, e sim de quinze (15). Tornando a ligar após cinco (5) dias, me informaram que o prazo era após o pagamento da primeira parcela, sendo que o pagamento foi efetuado no dia 28 de fevereiro.
Tornei a ligar novamente e a atendente me disse que a mala já estava no Correio e que em breve receberia o tal prêmio.
Como o prometido não foi cumprido, passei a ligar quase que diariamente para a Zero Hora, e sem sucesso após mais de um mês da data que havia efetuado a assinatura pedi para falar com o supervisor da central do assinante ZH, que me informou que o prêmio não estava mais disponível e para minha surpresa me ofereceram velas natalinas ( sendo que estamos em pleno março), toalha de rosto e também o Cartão de Assinante Zero Hora, no lugar da mala, respondi que não, que o acordo não era este.
Ao todo paguei a Zero Hora R$ 49,00, e pedi o cancelamento de minha assinatura, pois me sinto lesada no meu direito de consumidor. Como um veículo de comunicação, que se diz digno de respeito, pode enganar um cliente assim. Oferecendo-lhe um prêmio que não existe, fazendo propaganda enganosa para vender jornal?


Dividir o petróleo para não implodir o Brasil.

 


Por Luiz Oscar Matzenbacher


O petróleo é nosso! O petróleo é de todos os brasileiros. Não é mais apenas dos cariocas, paulistas e capixabas, graças ao soberano Congresso Nacional. O deputado Ibsen Pinheiro, autor da Lei dos Royalties do Petróleo Para Todos os Brasileiros, é gaúcho, nasceu em São Borja, terra gloriosa de dois ex-presidentes já falecidos que criaram, garantiram a existência e o crescimento da Petrobrás - Getúlio Vargas e o sobrinho João Goulart (Jango).
Um foi suicidado pelas pressões das multinacionais e o outro foi derrubado por um Golpe de Direita, apoiado pelas multinacionais. Mas eles vivem ainda, em espírito, junto ao povo brasileiro e na História do Movimento Nacionalista Progressista do Brasil.
O deputado Ibsen teve a grandeza de entender que se o petróleo não passar a render royalties para todos os brasileiros, o Brasil pode se dividir em mais de uma dezena de nações, oriundas dos atuais estados, risco que nenhum brasileiro esclarecido deseja correr.

 

Carta de leitora

 

Bueno meu amigo,

— continuo dizendo que os textos são muito longos e cansa, contudo, são fatos consistentes e interessantes;

— ótimo que o Christhofer Goulart relembrou um fato tão importante da história do nosso país e de um ilustre filho da nossa terra, que tentou
mudar o Brasil e torná-lo mais justo;

— também seria bom relembrar os 25 anos da abertura democrática no Brasil, que começou com os comícios das "Diretas Já", em 1984,
e culminou com a eleição, mesmo indireta, de Tancredo Neves, em 1985, para a presidência da Repúlica. Infelizmente ele não assumiu e
ainda nos deixou o Sarney de herança. Não merecíamos isso depois de 21 anos de ditadura!

— lembrar, ainda, que um outro nosso conterrâneo - Victor Faccioni - foi um dos votos contrário à eleição direta para Presidente da
República e foi com o voto dele que atrasou ainda mais a plena liberdade de escolha dos nossos dirigentes, embora nem sempre
tenhamos feito a escolha certa;

— te proponho descobrir quais foram os votos gaúchos contrários e favoráveis às eleições diretas na fatídica votação no Congresso Nacional.
Foram 22 votos contrários que impediram expurgar de vez a sombra da ditadura. Também é uma forma de manter viva a nossa história.

abs/Josi Negreiros
Jornalista

Porco, a riqueza
de uma região!

 



" Tosatei nde casa darghe magnar a i porci!!!"( Rapazes, vão pra casa para dar comida pros porcos!"

Era o que mais ouvíamos quando eramos rapazotes e estávamos nos domingos de tarde jogando bola no campinho do tio João Canton, na capela S. Pedro.

Quando o sol ia se pondo, sabíamos que tínhamos que interromper aquilo que pra nós naqueles anos era o paraíso: jogar bola com os amigos, vizinhos e parentes...
Parece inacreditável que uma coisa tão simples tenha nos dado tantas alegrias, mas as deu....

Mas o que tem a ver a foto dos porcos?


gentileza de Romano Video Foto, de S. Correa(RS)



É que a criação de porcos foi durante anos a riqueza da região de Serafina e adjacências. O Frigorífico Ideal do Miguel Soccol e do Affonso Martinelli além de empregar centenas de trabalhadores de Serafina e da região, mantinha as colônias com sua atividade econômica. Ainda vivo, João Arroque Filho, que tem 89 anos,gerente do Frigorífico Ideal durante 39 anos, sabe muito bem como lidava com as dificuldades dos agriculotores. Ele conta:
- Muitos vinham me pedir um dinheiro adiantado que pagariam depois com a venda dos porcos. Eles precisavam pra pagar o médico, pra comprar remédio, ou alguma outra necessidade. Se pediam dois, eu dava quatro porque sabia que depois me acertavam. O Frigorífico nunca perdeu um centavo nestes empréstimos, contou-me Arroque, ainda com uma lucidezs espantosa...

O Frigorífico Ideal - cuja história é parte do meu livro LA ZE STATA COSì( foi assim....) que lançarei por ocasião dos 50 anos do municipio em julho próximo - importava porcos de toda a região e até do Alto Uruguai, como Santa Rosa e Giruá, Santo Cristo,entre outros municípios daquela fronteira agrícola.

 

Nota triste serafinense

 

Foi com tristeza que meu pai me avisou: não tem mais vinho do Gamba.

Sete meses depois que o engenheiro agrônomo Grandi, morreu de um AVC, o cunhado, o Gamba, que cuidava do sítio do Grandi na Capela São Pedro foi encontrado morto,esticado na cama. Teve um ataque do coração, fulminante.
O sítio é onde este que vos escreve nasceu há 58 anos atrás....

 

Os sinos de Serafina

 

 

São sete e meia da manhã deste domingo 14/03 e neste exato momento os sinos dobram aqui em Serafina...Eles fazem uma barulheira ensurdecedora. Os sinos da Igreja de Serafina tem uma estranha história: diziam que eram destinados a outra paróquia, mas que no porto de Muçum, foram enviados para Serafina, por engano.

Alguns pesquisadores mais sérios, no entando, dizem que os sinos saíram da França com endereço certo; estava escrito no pacote que os trazia: Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, de LINEA UNDEZE DE GUAPORE, que era como era conhecida a pequena localidade no começo do século passado.



Domingo tri serafinense.....

 

É quase um frio de outono neste domingo,14/03 aqui em Serafina.Como sempre faço,quando aqui venho, comprei mantimentos na padaria La Nonna, do Bianchet. Depois almoço no Giaretta, no salão paroquial. A novidade de hoje aqui foi um incêndio esta noite num supermercado que nada sobrou. Era só o que se comentava no bar do Marucco,no centro da cidade, onde todas as correntes políticas se encontram pra trocar assun to...

Alias, na sexta-feira aqui me contaram como funcionam as " barreiras", nos 3 dias que antecedem as eleições municipais.Ninguém deixa o adversário ingressar na casa onde, bom,deixa pra lá.... Ficam de prontidão quase na frente da casa....È meio assim como faroeste....

No dia seguinte, no bar do Marucco, - que é de Cadorna - se encontram pra comentar o que aconteceu na noite anterior...

 

 

HOMENS, SEGUNDO VINÍCIUS DE MORAIS

 

Recebo da colega Avani Stein


Os Homens.
Os homens bons, são feios.
Os homens bonitos, não são bons.
Os homens bonitos e bons, são gays.
Os homens bonitos, bons e heterossexuais, estão casados.
Os homens que não são bonitos, mas são bons, não têm dinheiro.
Os homens que não são bonitos, mas que são bons e com dinheiro, pensam que só estamos atrás de seu dinheiro.
Os homens bonitos, que não são bons e são heterossexuais, não acham que somos suficientemente bonitas.
Os homens que nos acham bonitas, que são heterossexuais, bons e têm dinheiro,
são covardes.
Os homens que são bonitos, bons, têm dinheiro e graças a Deus são heterossexuais, são tímidos e NUNCA DÃO O
PRIMEIRO PASSO!
Os homens que nunca dão o primeiro passo, automaticamente perdem o interesse em nós quando tomamos a iniciativa.
AGORA....
QUEM NESSE MUNDO ENTENDE OS HOMENS?

Moral da História:

" Homens são como um bom vinho. Todos começam como uvas, e
é dever da mulher pisoteá-los e mantê-los no escuro até
que amadureçam e se tornem uma boa companhia pro jantar "

ENVIE ISTO PARA:
MULHERES INTELIGENTES QUE PRECISEM DAR UMAS RISADAS...
E PARA HOMENS CAPAZES DE LIDAR COM ISSO!

'Mulheres existem para serem amadas, não para serem
entendidas.'

Vinicius de Morais

 

Perda serafinense

 

 

O bom jornalismo de Serafina Correa - cidade pequena do interior é difícil fazer jornalismo isento - está para perder um grande radialista que fez história aqui e continua fazendo.Assim é a vida. Luis Carlos Fiorin que tem um programa da Odisséia FM lider de audiência de manhã- ele acorda 4 horas pra entrar no ar as sete e meia - está estudando um convite de outra atividade econômica. Embora ainda nada tenha decidido,o convite realmente é para ser levado a sério.Boa sorte, Fiorin, qualquer que seja a decisão que tomares....

 

 

Serafinenses....

 

' BICO BRANCO"

Estranho apelido que o prefeito Ademir Antônio Presotto ostenta entre seus municípes; BICO BRANCO..E o povo só o trata pelo apelido.....


* Fiquei sabendo uma muito boa do meu avó materno, Frederico Sgnaolin, o Rico, como chamavam. Quem me contou foi um Dalmás, que mora na capela Saúde, onde morava meu falecido avó...

Pois meu avó materno se passou com uma guria...A família dela foi pra lei e tiv eram que indenizar a família,digamos em 20 fiorin( que na época representava muito dinheiro). Como ele tinha sempre na boca o bordão CRAMENTA...quando foram comentar que ele pagou alto pela travessura que cometera , o meu avó Rico respondeu:

CRAMENTA, GHEM PAGARIA NANTRI 20 FIORIN!!!!( Pagaria outras 20 fiorin)!!!!

 

O autor e a equipe desejam aos leitores um bom fim de semana!

 

Convite

 

 

Neste sábado, reabre o barzinho
da ARI

 



Neste sábado, depois de longas férias ,-dezembro,janeiro e fevereiro - o barzinho da Associação Riograndense de Imprensa volta a abrir e o programa Conversa de Jornalista pela rádio da UFRGS(12h12h30min) voltará a ser apresentado ao vivo desde o barzinho....

Há muitas versões de como o barzinho teria começado. Uma diz que morreram,de um sopetão só, três jornalistas e o presidente Alberto André convocou um cardiologista para uma palestra na ARI. O médico falou, falou e no final aconselho que os jornalistas desestressassem um pouco e montassem um barzinho pra conversas sem muito compromisso...

Assim foi feito...

Quando comecei a frequentar o barzinho, no começo dos anos 90,havia um " povo" muito maior que o frequentava aos sábados de manhã...Hoje o grupo já está mais reduzido...

Lembro sempre do grito de guerra, por assim dizer, do presidente da entidade, Antoninho Gonzalez, que sempre que terminava um evento, bradava:
- AGORA, RUMO AO BAR!!!!

Coleguinhas

 

A fotógrafa que casou com

o poeta vagabundo....


Conheci um poeta rebelde, um guri, não tinha mais que 16,17 anos no começo dos anos 70....O primeiro amigo que me falou dele foi o Jorge Gerhard, hoje músico do Jazz 6, aquele que é famoso porque o LFV toca nele....

Bão, mas vamos ao Caramez....Chamava-se Carlos Eduardo Caramez, mas nós o chamávamos por Carlinhos....


Miriam Papaléo Fichtner

 

Estudava de dia no Julinho - como todo vagabundo - e de noite zanzava pelo Bom Fim,sempre sob os olhos vigilantes de sua mãe, dona Haydee....

Carlinhos era o clássico poeta rebelde....Um dia apareceu na casa do Caio Fernando Abreu, no bairro do Menino Deus, com um monte de originais pro Caio ler...O Caio que era uma "moça" ,no bom sentido, não se esquivou de ler os originais do Carlinhos, mas no fim fez um diagnóstico cruel:

- BOM CARAMEZ, PRA SER POETA TU PRIMEIRO TENS QUE APRENDER O PORTUGUES.....


Outro fã do Carlinhos Caramez era o Emilio Chagas, que falava maravilhas do já famoso poeta rebelde do Bom Fim( eles moravam na rua Ramiro Barcellos, se não me falha a memória....)
Carlinhos tinha um irmão, muito mais sério que ele, e uma irmã, a Carminha....

Pois quando conheci melhor o Carlinhos, não o achei nenhuma Brastemp....

Ele vinha com aquela conversa mole dele e eu lhe dava nos rins...Mas mesmo assim,ficamos bons amigos....

Corre a vida e alguns anos depois conheci uma fotógrafa tri centrada, séria, que levava seu trabalho muito a sério na Zero Hora...

Era a Miriam Papaléo Fichtner e fiquei sabendo então que estava casada com o Carlinhos. Quase caí pra trás....Não podia imaginar duas pessoas tão diferentes, juntas....

Talvez eu as achasse diferentes....

Mas com a Miriam fiz uma viagem ao Paraguai, pra fazer matéria sobre os muambeiros...Nós tentamos simular que éramos um casal em lua de mel....Não teve agarros, nem nada....mas acho que no meio da viagem os muambeiros começaram a desconfiar.Pra nossa sorte, quando o ônibus que iria levar os muambeiros ( e nós) estacionou na frente da prefeitura municipal, lá pelas oito da noite, o prefeito Collares não quis perder a chance e entrou no coletivo se despedindo dos muambeiros que iam a Foz do Iguaçu...Acho até que a Miriam, disfarçadamente, conseguiu bater umas chapas....

Na viagem, curtímos muito....

Ela fazendo fotos e eu anotando...Deu cada rolo naquele trecho que me deixou tri indignado...

Na volta, em Erechim, debandamos porque um cara do ônibus me intimou dizendo:

- Vocês tão fotogrando muito, não são casal em lua de mel chongas nenhuma....

E aí demos o fora...antes que nos tirassem as fotos.

Antes que esqueça: a Miriam nasceu em Porto Alegre em 31.05.1962. Hoje vive com o Carlinhos Caramez no Rio de Janeiro, como fotógrafo free lancer,depois de ter trabalhado em muitos veículos, entre eles o Globo....Mas o Carlinhos, ah, este já fez de tudo na vida...foi até manager dos Novos Baianos, que o correram porque ele trabalhava pouco. Imagina, baiano achando que gaúcho trabalhava pouco!!!!!

 

 

Irmão Otão

 

Vinicius de Moraeis
cantando na PUC?,
nem pensar!!!! queria o Irmão Otão


Quando ainda funcionava no Colégio Rosário, na Praça D. Sebastião, 2 uma turma que se formaria em Direito,entre eles o Dr. Heredia, que depois ganhou a vida como piloto de avião pra espalhar herbicida em plantações, queria trazer o poetinha Vinicius de Moraes no auge de seus porres, quer dizer, de sua carreira, prum show no Colégio Rosário, que era onde funcionava a PUC antiga....


Irmão Otão, da PUC

O reitor, Irmão Otão - editor de uma revista chamada VOZ DE MARIA( pelo nome pode-se deduzir,tudo,ou quase,né?)
nem deixou a turma de jovens formandos se entusiasmarem...O poeta, aquele bêbado,comunista, vagabundo, maltrapilho e não sei o que mais, não botaria os pés naquela "santa casa" que era a PUC dos irmãos maristas...

Mas os alunos não se deram por satisfeitos e liderados pelo dr. Heredia, hoje um respeitável ad vogado e piloto de avião, conversaram com o vice-reitor...Este v irou seu aliado....
Foram então conversar com o Irmão Otão, que concordou em trazer Vinicius mas impôs uma condições cruel para o poeta...Não colocaria aquele seu maldito copo de uísque do lado do banquinho onde cantava, nem que a vaca tossisse...

Foram levar a proposta a Vinicius: ele cantaria apenas uma hora, pagariam um bom cachê, mas não poderia beber em público que aquilo o Irmão Otão achava desaforo demais, coisa de vagabundo, maltrapilho, de poeta maldito...

Vinicius não pensou duas vezes: SEM SEU UÍSQUE, desprezaria qualquer cachê, e não faria o show....

Qual foi a saída da turma de formandos em conluio com o Norberto Francisco Rauch vice reitor?

Arrumaram uma viagem para o irmão Otão, conta Heredia.

O irmão Otão viajou,tran quilo, e Vincicius veio fazer seu show no Colégio Rosário...

Resultado: ao invés de uma hora, cantou durante duas horas e meia...mas sempre com seu copo de uísque e gelo, do lado, como era de costume....


O maior comício de todos os tempos

 

Treze de março de sessenta e quatro. Há exatos quarenta e seis anos atrás, nosso país acompanhava o Comício da Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Em pauta as reformas de base do Governo de João Goulart, acontecimento este que foi um dos motivos principais para o golpe civil-militar, que ocorreria no dia primeiro de abril daquele mesmo ano, dia da mentira. Naquele dia, Jango se comprometeu perante duzentas mil pessoas em praça pública com as reformas da sociedade brasileira. Tal compromisso custou-lhe o cargo de chefe da nação, e até mesmo a vida.
Muitos já conhecem esta história. Muitos contemporâneos de João Goulart ainda hoje saúdam com reverência a coragem do seu Presidente em encampar os ajustes estruturais e institucionais da nação. Mesmo assim, nunca é demais relembrar nesta data, o pensamento de Jango sobre as reformas de base que vieram a derrubá-lo. No site WWW.institutojoaogoulart.org.br podemos acessar a íntegra do discurso, bem como o documento enviado pelo Presidente ao Congresso Nacional, dois dias após o maior comício de todos os tempos, intitulado “Os novos tempos e as novas tarefas do povo brasileiro”.


Num país de memória curta, tal data simbólica é fundamental também para que as novas gerações saibam que já tivemos um Presidente reformista, empenhado em remover privilégios centralizados, consagrando assim um Brasil com justiça social. João Goulart transcendeu ao discurso, mesmo sabendo que seria derrocado, para na prática aplicar medidas concretas. Ao seu amigo e chefe da casa Civil Darcy Ribeiro, confessou: “Eu caio, mas caio de pé”.
A importância de conhecer o discurso da Central, e também o documento enviado ao Congresso Nacional, reside no fato de depararmos com a realidade de que as reformas propostas naquele momento – agrária, tributária, administrativa, urbana, educacional, política, bancária – mesmo ainda hoje reclamadas pela sociedade brasileira, jamais saíram do plano da teoria. Conhecendo o fundamento do comício do dia treze de março de sessenta e quatro, entendemos melhor os problemas estruturais e institucionais que perduram até hoje no Brasil.

Christopher Goulart
Presidente da Associação Memorial João Goulart

 

Coleguinhas

 


O colunista social

de maior prestígio ainda em atividade


São vários anos que no certame da revista Amanhã,Top of Mind, o colunista social Paulo Raimundo Gasparotto figura como o de maior prestígio em circulação no RS.

Nascido a 20.4.1937,em Porto Alegre, Gasparotto, como é conhecido, começou a trabalhar como colunista social ainda na ZH,quando esta ficava na Rua 7 de Setembro,738( redação da antiga Última Hora, de Samuel Wainer) nos anos 60.

Seus pais são Eugênio Gasparotto e Esther L.P. Gasparotto.

O colunista,quando jovem, morava na rua Oscar Bittencourt, 262, no Bairro Menino Deus. Atualmente reside na José Bonifácio, no Bom Fim.

Além de colunista social, Gasparotto é leiloeiro.

 


Chile X Dia 11!

 

 


Desculpem o humor negro, mas que carma tem o Chile com o dia 11,hein?

Ontem,dia 11/03, tomou posse um novo presidente em meio a temblores, ou como chamam agora de "réplicas" - a palavra da moda - em Santiago e arredores....

Já no dia 11/09/1973, os bombardeios foram sobre o Palácio La Moneda e o restante da história todos sabemos....

Coleguinhas

 


Thomé não se livrou mais do apelido de

" Homem - Aranha"!

 

Foi numa cobertura de praias, quando estava hospedado no Hote. Beira-Mar em Tramandaí, que o repórter Roberto Augusto Thomé , da então TV Gaúcha (hoje RBS TV ) pegou o apelido de " Homem - Aranha" e ninguém nunca soube bem o motivo.
Mas até hoje os mais antigos quando falam no colega, dizem: o " homem-aranha".
Ficou o apelido!

Thomé nasceu em Porto Alegre,em 06.05.1955. Filho de Gastão Francisco Thomé e de Lorena dos Santos Thomé.

Já residiu na rua Portugal, 1080/3030. Foi repórter da TV Gaúcha e depois foi para a TV Globo, no Rio de Janeiro.

Hoje está na TV Record.

 

De S.Borja

 


Berço Nacional do Trabalhismo, S. Borja se prepara para receber a primeira Escola Pública de turno integral, criação de Darcy Ribeiro e aplicado no governo de Leonel de Moura Brizola, no Rio de Janeiro.

Será inaugurada no Bairro Pirahy, a Escola Municipal Neusa Goulart Brizola.



Entre tapas e beijos no " camelódromo"!

 

A Secretaria da Indústria e Comércio(SMIC) fechou ontem 5 lojas no popular camelódromo( Centro Popular de Compras) por falta de pagamento.

Há denúncias de várias irregularidades: como de que os lojistas estariam comprando as lojas do camelódromo. E um pastor de igreja também estaria com várias lojinhas dentro do camelódromo....

Coleguinhas

 

Jussara comanda

a Agência de Notícias

da Assembléia Legislativa


Jussara Maria de M. Marchand comanda a Agência de Notícias da Assembléia Legislativa do Estado desde 2009. Nascida em Porto Alegre em 25.01. 1957, Jussara já trabalhou na antiga TV Gaúcha(hoje RBS TV), no Correio do Povo, na Secretaria da Justiça e no Jornal do Brasil(JB).

Coleguinhas

 


* O programa Domenica Italiana, que vai ao ar de 8h30 as 9h30 na rádio Guaíba todos os domingos, está sem seu apresentador, o Motta, porque ele está na Itália.


* Ainda a rádio Guaíba:

Amigos de Fernando Veroneze, o programador musical da Guaíba, estão preocupados com seu estado anímico. Veroneze não tem mais comparecido aos encontros diários com seus amigos no café Chaves. Entrou em férias da Guaíba e segundo um de seus amigos, " sumiu".

Veroneze teve sondagem pra ir pra rádio Princesa, mas não aceitou, em princípio...

 

Aniversário de Portinho!

 

 

Porto Alegre estará de aniversário logo mais, logo mais....

Publico esta foto de um ônibus da Carris nos anos 50 e do Mercado das Frutas, que existia onde hoje está a estação Mercado do Trensurb. É um pouco a memória da cidade, desaparecida...Até o Mercado Público era pra ter desaparecido, mas não o foi....

 

 

Nota de São Borja

 

Será segunda-feira a inauguração do CIEP de São Borja. As 10 horas da manhã.

 

 

Arruda começa a dar pena

 

Olides

Na nossa mesa no Stela Grill aqui em Brasília,,nos temos a nossa disposição um "note book" que é sempre consultado durante alguma discussão. Hoje, foram direto no te blogh para verem as minhas fotos.Pô, foi uma gozação.Queriam saber quanto eu paguei para tu publicares e me gozaram com a história da proclamação da republica. Minha sorte é que o Chagas saiu em minha defesa e disse que ouviu tempos atrás eu perguntar para o Brizola,se ele lembrava do discurso dele em Carazinho.O Brizola malandro,me olhou bem nos olhos e disse textualmente: "pois tu sabes que eu não me lembro dessa historia que tu estas me contando..." O fato é que foi verdade.Uma pena que estou velho e eu acho que não tem mais nenhuma testemunha.Quem poderia testemunhar morreu.Mas tudo bem ....
Mas este "email" Olides é para te contar que o brasiliense tem um coração enorme.Pois não é que já tem gente,com pena do Arruda.Acham que ele já foi punido bastante e que poderia completar a sua pena em casa. Quando me contaram o que estava acontecendo eu não acreditei,mas acabei ouvindo issto de váerios coleguinhas.
Serginho Ross

 

Valesca de Assis lança 'Um dia de gato', pela editora Libretos - dia 13 de março

 

A escritora Valesca de Assis lança, pela editora Libretos, Um dia de gato,sua primeira incursão pelo universo infantil. O livro conta uma história cheia de surpresas, que tem como personagens Tato, “um gato bem grande”, e seu amigo Bolão, o cão da família. Tato vive num mundo baixinho, onde o que enxerga são babados de colchas,barras de cortinas e pernas de pessoas. Já Bolão mora no pátio e tem umacasinha só pra ele. Tato sente um pouquinho de ciúme de Bolão. Um ciúmepequeno, mas que vai crescendo com o passar do tempo. Certo dia, Tato fazuma proposta a Bolão: trocar a vida de cão pela vida de gato.

 

E vice-versa. Éo que basta para a confusão começar... Trata-se de uma fábula sobre a compreensão e o respeito às diferenças.A obra tem ilustrações de Antônio Albino Maciel, artista plástico que utiliza a técnica de colagem, e design gráfico de Clô Barcellos. Uma lâmina no formato poster vem encartada no livro multicolorido para a criançada recortar e colar, criando sua própria história ou incrementando a aventura do gato Tato.

 

O lançamento acontece no dia 13 de março, sábado, às 16h, no Canto do Conto / espaço Kids, da FNAC. Valesca de Assis e Antônio Albino Maciel ministram uma oficininha de artes aos pequenos. Ao final da atividade, a escritora e o artista autografam o livro. VALESCA DE ASSISNatural de Santa Cruz do Sul, Valesca cursou a Faculdade de Filosofiada Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É professora de Históriaespecializada em Ciências da Educação. Estreou como escritora em 1990,com a publicação de A valsa da medusa, obra que recebeu Voto de Congra-tulações da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Publicou o romance A colheita dos dias, O livro das generosidades - receitas compartilhadas, Harmonia das esferas, Prêmio APCA/2000 - Revelação de Autor (Associa-ção Paulista de Críticos de Artes), Prêmio Especial do Júri da União Bra-sileira de Escritores e finalista do Prêmio Açorianos, além de Todos osmeses, Prêmio AGES/Livro do Ano/2003 - Crônica, e de Diciodiário, PrêmioO Sul-Nacional e os Livros 2005, para a coleção GRILOS. ANTÔNIO ALBINO MACIELArtista plástico e arte-educador.

 

É graduado em Artes Plásticas pelaEscola Superior de Artes de Cachoeira do Sul e pós-graduado emHistória da Arte. Atualmente leciona desenho e pintura e coordena oLaboratório de Experimentações em Design, com crianças e jovens, naEscola Municipal E. F. São Pedro, em Porto Alegre. Um Dia de Gato, de Valesca de AssisIlustrações de Antônio Albino Maciel32 págs., 20 x 20 cm.ISBN 978-85-88412-31-6Preço: R$ 25,00Colorido, 2010. LANÇAMENTODia 13 de março, sábado, às 16hCanto do Conto / espaço Kids, da FNAC – Av Diário de Notícias, 300 / lj 1121.Oficinha de Artes. Ao final da atividade, a escritora e o ilustrador
autografam a obra.

Assessoria de Imprensa:Simone Lersch (51) 3029.6390 / 9803.4420


Coleguinhas

 


* Coletiva da Governadora Yeda,ontem,10/03/2010, na Federasul, foi oportunidade dos coleguinhas se reencontrarem. Muitos queimados da praia. Mas as mulheres estão tomando conta do campinho, pelo que constatei...

* Adão Oliveira vive me reclamando que eu falo muito aqui sobre cobertura de praias e que não relembro a primeira cobertura que fizemos eu, ele e o " cabo véio".

O " cabo véio" - com este apelido já se deduz que figuraço não era! -era aposentado da Brigada Militar. Era cabo, por supuesto....Os fotógrafos, principalmente o finado Armênio Abascal( " Cotia") faziam o que queriam com o "cabo". Ele dava a direção pra eles, mesmo sendo proibido pela empresa....Uma vez, num fim de semana, fui a Bom Jesus com o "cabo" na direção o Armênio de fotógrafo porque era prevista neve. E caiu neve. Ficamos num hotel de madeira e ainda bem que havia um fogão a lenha, senão morreríamos todos de frio, porque de noite a temperatura baixou para dez graus negativos, no mínimo. O Armênio se "empedrava " todo e depois queria pegar na direção. Foi por isto que morreu num acidente de carro, em Belo Horizonte, alguns anos depois, quando trabalhava para a revista Placar....

* Esses "malucos beleza" - como Armênio,entre outros - acabam sempre se metendo em confusões,geralmente fatais.Lembro que no dia 18 de agosto de 1998, trabalhando com o senador Pedro Simon, na sua campanha pra reeleição, pegamos o helicóptero em Porto Alegre pro interior. O tempo estava de doer...Não havia visibilidade, chovia, era um pavor....Mas fomos indo,descendo aqui e ali. Chegamos em Cruz Alta, o último compromisso daquele dia,q ue não esqueci nunca mais. Na volta um dos pilotos, de nome Salmeron, veio vindo por cima do rio das Antas pra poder voar, porque o tempo estava tão ruim, que não se enxergava nada....E, não estou mentindo, passamos por regiões totalmente selvagens, tanto que vimos veadinhos correndo a beira do rio das Antas, assustados com ronco do helicóptero...

Pois alguns anos depois ouço no rádio a morte de cinco tripulantes de um helicóptero numa missão perto de Veranópolis. Caíram no mato, bateram num poste de luz...Quem era um dos pilotos? O Salmeron...Quase liguei pruma amiga minha, a Haydee Porto, que tinha perdido seu irmão, Carlos, um biólogo, no vôo....pra lhe dizer quem era o Salmeron, um piloto muito ousado, até meio ousado demais pro meu gosto....

Ah, sim,depois daquele dia 18 de agosto de 1998, eu fui reclamar das ousadias dos pilotos, mas a companhia que alegava helicópteros para a campanha do governador Britto alegou que eles " não puseram em risco a vida do candidato"!!!!

 

Helô

 

A " Helô" volta a escrever para este espaço. Para o gaúdio dos "milhares" de leitores...

O Amarcord do Paulo José

O ator Paulo José, gaúcho de Lavras do Sul, é cidadão de Porto Alegre. Em
seu discurso, em agosto de 1999, ao receber a honraria, Paulo José reviu em
lembranças sua nova cidade.


“Eu me lembro do meu primeiro encontro com Porto Alegre. A família vinha de
Bagé, de carro, era noite. Eu cochilava no banco traseiro. Acordei quando
entrávamos na Avenida Borges de Medeiros, ao lado da Avenida Praia de Belas,
e aí eu vi imponente, monumental, maior do que a Igreja Nossa Senhora
Auxiliadora e a de São Sebastião juntas, mais alto do que a Ponte Seca, mais
bonito do que a casa do meu avô, o Viaduto Otávio Rocha. Depois, pela vida
afora, vi outros espaços monumentais impressionantes: a Piazza San Marco, em
Veneza, o Arco do Triunfo, o Coliseu de Roma, o Parlament House com o Big
Ben, mas nenhum deles me fez o coração disparar como aquela visão dos meus
oito anos. O Viaduto Otávio Rocha foi o meu primeiro alumbramento. Eu me
lembro que o Pão dos Pobres ficava nas margens do Guaíba, lá onde a cidade
acabava. Eu me lembro que a lancheria das lojas Americanas era o ponto
chique da cidade. Eu me lembro que tinha até banana split. Eu me lembro que
eu sabia de cor todas as transversais da Avenida Independência, do Colégio
Rosário à Praça Júlio de Castilhos: Rua Barros Cassal, Rua Thomaz Flores,
Rua Garibaldi, Rua Santo Antônio, Rua João Telles. Eu me lembro da Pantaleão
Teles, da Cabo Rocha, American Boite, Maipu, Gruta Azul. Eu me lembro do
conjunto Norberto Baldauf, da Orquestra Espetáculo Cassino de Sevilha, do
Conjunto Farroupilha, dos Quitandinha Serenaders: “Felicidade foi-se embora
e a saudade no meu peito ainda chora...” Lembro da tristeza da minha mãe
quando emprestei o violão do meu irmão para um baiano que estava passando
uns tempos aqui em Porto Alegre. Eu me lembro que o meu violão nunca mais
voltou e que o baiano se chamava João Gilberto.

Lembro do Hino Rosariense. Lembro que Maria Della Costa era garota da capa
da revista O Globo, e tinha as pernas mais lindas do mundo. Lembro dos
festivais Tom & Jerry nas manhãs de domingo no cinema Avenida, das matinês
do Cinema Victória, dos cinemas Rex, Roxi, Imperial, Cacique. Lembro do
mezanino do Cinema Cacique, que servia a última novidade em gelados, o Peach
Melba. Lembro que todo o mundo detestava os filmes do Cecil B. de Mille,
exceto o público. Lembro que no abrigo dos bondes da Praça XV podia-se beber
o caldo da salda de frutas, sem frutas, apenas seus vestígios. Aquela água
era néctar dos deuses. Lembro do Vicente Rao, do Bataclan, do brique Ao
Belchior, do Senhor Joaquim da Cunha, do Farolito e do China Gorda. Lembro
que pela margem direita eram o Javaí, Juruá, Purus, Madeira, Tapajós, Xingu,
e pela esquerda o Japurá, Negro, Trombetas, Paru e Jarí. Eu me lembro que
meus professores diziam que ensinamentos como esses seriam de grande
utilidade para a vida. Lembro do irmão Ary, professor de Biologia,
recusando-se a falar da teoria de Darwin: “Quem quiser que descenda do
macaco, eu descendo de Adão e Eva”. lembro que ele nos preparava para o
vestibular de Medicina. Eu lembro do Pervitin que a gente tomava para passar
a noite estudando e tirava nota ruim no dia seguinte. Lembro do rodouro
metálico e seu jato gelado que fazia tudo girar. Lembro do Gin Fizz, do
Hi-Fi, do Alexander, da mistura de Coca-Cola com cachaça que levava o nome
apropriadíssimo de Samba em Berlim. Lembro do footing da Rua da Praia, onde
a gente exibia a camisa volta-ao-mundo, de nylon, e que diziam que iria
revolucionar o vestuário masculino. Lembro das calças de brim-coringa
farwest. Lembro que a deusa da minha rua era a Maria Thereza Goulart, que
não era ainda Goulart. Ela morava no edifício Glória e recebia visitas
misteriosas de um João, este, sim, Goulart, que era invejado por toda a
garotada da Barros Cassal. Eu me lembro do tempo em que futebol se jogava
com goleiro, com dois beques, três na linha-média e cinco no ataque e que,
em geral, faziam-se gols. Eu me lembro do time do Inter, imbatível, nos anos
50: La Paz, Florindo e Oreco, Paulinho, Salvador e Odorico, Luizinho,
Bodinho, Larry e Canhotinho. Eu me lembro de um tempo sem malícia, quando o
estádio dos Eucaliptos torcia, gritando em coro: Co-Co-Colorado,
Co-Co-Colorado, Co-Co-Colorado. Eu me lembro do Café Andradas, onde a gente
ia matar aula e encontrava o Henrique Fuhro. O Abujamra, que anunciava
tragicamente: “O homem é uma paixão inútil!” Mais um café, Macedo”. Eu me
lembro do Bar Matheus, na Praça da Alfândega, da Pavesa, do Treviso, da
cadeira pendurada na parede, onde sentou Chico Viola. Da sopa, do mocotó
levanta-defunto do mercado Público, do sanduíche-aberto do Bar Líder,
daquela mostarda amarela do Galeto do Marreta e, por fim, do cachorro-quente
da praça do Colégio Nossa Senhora do Rosário, sem favor nenhum, o melhor do
mundo.

“O sabonete Cinta-Azul tem o prazer de apresentar um novo filme de caubói

Bat Masterson, Bat Masterson”.

“Phimatosan, quando você tossir,

Phimatosan, se a tosse repetir”.

“Ela é linda, ah!

É noiva, oh!

Usa Ponds, Aaah!”

Eu me lembro do desodorante para privadas Desodor, “Libera o ambiente dos
odores estranhos”, do Detefon, do espiral Boa-Noite, da cera Parquetina, da
creolina Cruswaldina, do formicida Tatu. Eu me lembro que o Jeca Tatu tinha
verminose, era pálido, maltrapilho, preguiçoso e roubado pelo patrão. E era
um herói nacional... Eu me lembro das missas rezadas em latim, dos padres de
batina e do seu indisfarçável sotaque da Colônia: “caríssimos irmãos em
Nosso Senhor Jesus Cristo! Naquele tempo, vindo Jesus com os seus
discípulos”...

Eu me lembro da Glostora, da Antisardina, “O segredo da beleza feminina”,
Odorono, Cashmere Bouquet, “O aristocrata dos produtos femininos”, Lusoform
Primo, poderoso desinfetante contra frieiras, pé-de-atleta, CC – cheiro de
corpo, mau hálito e pós-barba.. Eu me lembro de um perfume da fábrica
Colibri, Água de Cheiro Amor Gaúcho.

Eu me lembro de Ildo Meneghetti, o candidato invencível, e me lembro de sua
quase absurda honestidade, quando declarou: “Meu maior erro foi ter
derrotado Alberto Pasqualini, ele tinha um plano de governo e eu, não”.

Eu me lembro do dia 24 de agosto de 1954. A morte de Getúlio se alastrando
pela cidade, incendiando a Rádio Farroupilha, empastelando o Diário de
Notícias, destruindo a sede da UDN, depredando tudo que tivesse nome
americano: o Consulado, as Lojas Americanas, até a American Boite... Eu me
lembro do P.F. Gastal, criador do Clube de Cinema e que me apresentou a
alguns gênios da tela. Um deles, contava Gastal, se apresentou para uma
plateia de apenas quatro pessoas, em Berlim, dizendo: “Sou ator de teatro,
cinema, escrevo contos, programas de rádio, TV, dirijo filmes, peças, sou
ventríloquo, ilusionista, mágico. Pena eu ser tantos e vocês tão poucos. Meu
nome é Orson Welles”. Eu me lembro do Teatro de Equipe, na General Vitorino,
do Teatro de Belas Artes, na Senhor dos Passos, e da Confeitaria Atlântica,
na Praça Dom Feliciano, ponto de encontro e desencontros dos artistas do
Theatro São Pedro. Eu me lembro que nós, Luiz de Matos, Ivete Brandalise,
Peréio, Nilda Maria, Mário de Almeida e tantos outros, trabalhávamos como
diretores, cenógrafos, figurinistas, maquiadores, contra-regras. Eu me
lembro que, às vezes, eu tinha a sensação de que éramos tantos e vocês tão
poucos... Mas, eu me lembro que “qualquer prazer me diverte e qualquer china
me interte!”

Eu me lembro que a Livraria do Globo era uma loja que vendia livros... Eu me
lembro do Loxas, do Janjão, do Sunda... Mas, sobretudo, eu me lembro do
Mário, aquele... Eu me lembro que: “Não adianta bater, que eu não deixo você
entrar”. Eu me lembro da Emulsão de Scott, do Calcigenol Irradiado, do
Peitoral de Angico Pelotense, da Pomada Minâncora, das Pílulas de Vida do Dr
Ross, “fazem bem ao fígado de todos nós”, do Regulador Xavier, “vive melhor
a mulher”, do Pó Pelotense, do vinho reconstituinte Silva Araújo, “V de Vida
R de resistente, S de saúde e A de alegria”. do rum Creosotado e dos
reclames dos bondes da Carris: “Veja, ilustre passageiro, o belo tipo
faceiro que o senhor tem ao seu lado, e, no entanto, acredite, quase morreu
de bronquite, salvou-o o Rum Creosotado”.

Eu me lembro, sempre, de não confundir capitão-de-fragata, com
cafetão-de-gravata. Eu me lembro que até os craques da locução confundiam
“alhos com bugalhos”. Ernani Behs, a máxima voz da Rádio Farroupilha, uma
noite anunciou, solenemente: “Transmitindo do alto do Viadeiro Borges de
Meduto...”. Eu me lembro que “Bartolo tinha uma flauta, a flauta era do
Bartolo, sua mãe sempre lhe dizia: toca a flauta meu Bartolo”. “Coelhinho,
se eu fosse como tu, tirava a mão da boca e botava a mão no...” Eu me lembro
que: “Até a pé nós iremos, para o que der e vier...”. Eu me lembro de que
não foi exatamente a pé, mas atravessando o mundo, de avião, que o Grêmio
conquistou o Campeonato Mundial de Clubes. E até os colorados se renderam ao
show de bola do Renato, Mário Sérgio e demais heróis tricolores. “Até o
Japão nós iremos, para o que der e vier, mas o certo é que nós estaremos.”

Eu me lembro que: “O pensamento parece uma coisa à toa, mas como é que a
gente voa quando começa a pensar...”

Eu me lembro do Programa Maurício Sobrinho, do Clube do Guri e de uma
caloura que diziam ser a nova Ângela Maria. Eu me lembro que ela morava na
zona Norte e se chamava Elis Regina. Eu me lembro de uns versos:

“Elis, quando ela canta me lembra de um pássaro,

Mas não é um pássaro cantando,

Me lembra um pássaro voando”.

Eu me lembro de uns quintanares:

“Olho o mapa da cidade

como quem examinasse

A anatomia de um corpo

(É nem fosse o meu corpo).

Sinto uma dor infinita

Das ruas de Porto Alegre

Onde jamais passarei...

Há tanta esquina esquisita,

Tanta nuança de paredes

Há tanta moça bonita

Nas rua que não andei

(E há uma rua encantada

Que nem em sonhos sonhei...)

Quando for, um dias desses,

Poeira ou folha levada

No vento da madrugada,

Serei um pouco do nada

Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar

Pareça mais um olhar,

Suave mistério amoroso,

Cidade do meu andar

(Deste já longo andar!)

E talvez do meu repouso...”

Eu me lembro de que o Viaduto Otávio Rocha foi o meu primeiro alumbramento.
Era guri de Lavras, chegando nesta Cidade Grande. Esta cidade que me acolheu
Nela cresci, me fiz homem, aprendi ofício. Devo isso tudo a Porto Alegre.
Hoje realizo uma fantasia de adolescência: ser porto-alegrense. Hoje, eu sou
um cidadão da cidade que tem o Viaduto Otávio Rocha, orgulhosamente.

Agradeço a homenagem que me emociona, me toca fundo no coração. Eu sempre
lembrarei disso, sempre lembrarei, e me lembrarei.

Obrigado.”


Renato Rosa

Lá vai a história.

 

 

O Sgorla, diariamente, distribuía leite na cidade de Serafina, em
litros de vidro, cuidadosamente, colocados na carroceria da Toyota
azul, com carroceria de madeira. Por volta de oito e meia da manhã,
com sol, chuva ou frio, estacionava no posto Soccol, onde levava um
papa com o Arestides e com o Guerino. O posto era o "point". Gostou do
trocadilho ? Ali se sabia de tudo te la undezze.

Entretanto, a con versa preerida do Sgorla era sobre "comida". Manhão
era ele e conhecia o ramo.

Meu pai e alguns amigos( Benincá,Zé Montanari, Rony Soccol, Lauro
Ghiggi e outros, e eram frequentadores assíduos do posto, mormente
aos sábados pela manhã. O Sgorla era provocado por eles, com qualquer
tipo de assunto, como forma de testá-lo sobre o rumo da prosa, na
certeza de quem, fatalmente, desembocaria em alguma farra
gastronômica. Assunto de largo espectro( do casamento ao velório,
invarialvelmente, terminavam em um lauto almoço ou jantar.Citando
olidescanton :

Um belo dia esta turma de "doutores"m foi convidada a almoçar na casa
do Sgorla. Um domingo qualquer foi escolhido e lá ser foram os
protagonistas.

O Sgorla, com seus familiares, foram excelentes anfitriões. Esmerou-se
em produzir diversos pratos, sem frescura, com iguarias da colônia
mutios bem feitas por sinal.

Meso giorno em ponto, o Sgorla na ponta da mesa( grande mesa de
cozinha das típicas famílias italianas), após o aperitivo tomado pelos
doutores, iniciou-se o serviço, à italiana.

Tudo feito com estremo bom gosto, pratos saborosos, mesa que deixou
os doutores até confusos sobre quais iguarias provar primeiro.
Segui-se o almoço, tendo como tempero, um anfitrião alegre e solicito
com as visitas e, claro, sempre falando em comida, contando seus
"causos".

Após o lauto almoço, regado com um bom vinho de colônia( feito de uva
mesmo), veio a sobremesa caseira, modesta mas bem feita, que agradou a
todos, principalmente ao anfitrião que, não economizou nas quantidades
de comida e nem na sobremesa.

Terminada a refeição, quando o cafezinho ia ser servido, Sgorla
transbordando em alegria com seus convidados, pelo prestígio que
emprestaram ao almoço-que, certamente, seria motivo na segunda-feira
de comentários fartos, após a entrega do leite, durante a parada
estratégica no posto Soccol, afastou a cadeira em que estava sentado
na cabeceira da mesa, retirou o guardanapo do pescoço( estratégico
para um manhão), e perguntou à patroa, sem remorço e sem
constrangimento com seus convidados ; E DE CERA MANHEMO QUI NOANTRI ?


P.S.: Com o Sgorla não havia assunto que não desembocasse, fatalmente,
em comida. Que ironia, sofreu muito com o diabetes e não sei se está
vivo.

Quando mudou-se de Serafina para Esmeralda, montou um açougue,
coerente com sua devoção por comida.


Demorei em te enviar a história pois hoje, é meu dia de lecionar em
Passo Fundo.

Um abraço.


Mauro Rocha

Valter Gomes Pinto,
este eu conheço!

 

 

Homenagearam o Valter,agora na Festa da Uva...Nada mais óbvio ululante, como diria Nelson Rodrigues. Conheço o Valter de outros carnavais...Ele seguidamente entrava na redação da ZH, passava pela Geral( já estávamos no quarto andar) e ia direto pra sala de Opinião, da nova redação, que ficava nos "fundos". Ia levar um presentinho pra sua amiga Eunice Jacques, editora de Opinião do jornal...
Que nada, o Valter estava se fazendo de morto pra ganhar sapato novo...Ele nunca pregou prego sem estopa...

Fui me aproximando dele, durante as coberturas sobre ônibus que eu fazia. Uma vez fui a Caxias, num domingo chuvoso,de inverno, caiu aquela neblina em Caxias e não se via uma viva alma na rua...Pois nós fomos num almoço porque a Marcopolo estava recepcionando o prefeito de Lima,no Peru, que evidentemente vinha a negócios....

A esposa do prefeito de Lima que o acompanhava viu um poncho,daqueles serranos, feitos em Bom Jesus e gostou dele.Só deu uma olhadinha...

Saiu da lojinha, mas sem que ela percebesse, o Valter entrou comprou e mandou engregar no hotel onde o prefeito estava hospedado...
De alguns para cá nos tornamos mais amigos e de vez emquando, quando ele tem tempo, me convida pra comer um " bifão" na Churrascaria Santo Antônio, na capital. De uma daquelas vezes, cometi uma insensibilidade com o meu amigo. Lhe sugeri escrever sua biografia. Seu rosto ficou tenso, encrespado e me disse:
- Com os recursos da Medicina atual,espero viver ainda muitos anos....

Percebi então que como o Leonel Brizola, ele não queria olhar pra trás, não está interessado em biografias,ainda não é hora....

Longa vida ao Valter e seus familiares,então!!!

 

Lei disciplina descarte de produtos que contém mercúrio
- Iniciativa é do deputado Adroaldo Loureiro (PDT)

 



A Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade na sessão plenária desta terça-feira (9), o projeto de lei 198/08, de autoria do deputado Adroaldo Loureiro (PDT), que trata sobre o descarte e destinação final de pilhas que contenham mercúrio metálico, lâmpadas fluorescentes, baterias de telefone celular e demais artefatos com metais pesados. A legislação atinge o descarte de mercúrio utilizado por profissionais de odontologia. Conforme a matéria aprovada, estes produtos deverão ser separados e acondicionados em recipientes adequados para destinação específica, que serão disponibilizados pelos fabricantes dos produtos.


Riscos do mercúrio
Ao justificar o projeto, o deputado Adroaldo Loureiro, que é cirurgião-dentista, destacou a preocupação da ABCD/RS - Associação Brasileira de Cirurgiões Dentistas - Seção Rio Grande do Sul, com os malefícios do mercúrio como substância tóxica e a preocupação da categoria em criar mecanismos para o descarte e destinação adequada do material utilizado pelos profissionais da saúde bucal.

A utilização de mercúrio na odontologia é perigosa, tanto que a Resolução do CONAMA 005/93 e a Organização Mundial de Saúde classificaram a substância como Resíduo de Serviços de Saúde no grupo de Resíduos Químicos, que produzem riscos à saúde pública e ao meio ambiente. Na odontologia, a contaminação pode ocorrer por manipulação do amálgama, feito de uma liga de mercúrio, prata e estanho, que, por ser resistente à oxidação, proporciona a restauração dos dentes.

Assessoria de Imprensa do PDT
Francis Maia ? Reg. Prof. 5.130
Dia 09/03/2010

 

Recebo e publico.

 



A Olides Canton:

tivemos acesso às "notícias" de seu blog, eu e meu marido Rony Soccol.
Em primeiro lugar, meu nome (cujo não foi mencionado por voce, o que aliás denota uma falta de sua parte) é Maria Lúcia Furtado Rahde, esposa de Rony( com um n e não dois) Soccol, bibliotecária diplomada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
A "notícia" intitulada "Bela bolada" é de um mau gosto incrível, denotando que seu profissionalismo é de 5a. categoria, uma vez que meu marido Rony Soccol não recebeu esta "bela bolada" então realmente noticiar algo inverídico é jornalismo (???!!!) "barato".
Cuidado, "senhor" Olides Canton... apregoar a quatro ventos coisas desse tipo pode lhe trazer incomodações legais!
O restante das notícias é de uma fraqueza ímpar! realmente, voce é digno de pena...
Quanto ao fato de ter mencionado que meu marido não ganhou as eleições porque a "família não goza mais do prestígio de antigamente" gostaria de saber donde tirou essas teorias tão ridículas e quem é voce para fazer comentários sobre prestígios de famílias.
Rony não "vive sua velhice" em Serafina Corrêa: Rony vive SUA PLENA VIDA COM SAÚDE ALEGRIA E MUITOS AMIGOS DE VERDADE ( onde voce não se inclui, diga-se de passagem)

Antes que esqueça: aquele seu livro sobre estradas do Brasil (ou coisa parecida) foi colocado no lixo limpo, porque eu, como bibliotecária, sei que CÓPIA de dados sobre qualquer assunto que seja não merece ser chamado "livro de autoria" deste ou daquele. Aliás, até alunos de escola elementar sabem disso.

Assim como voce quis denegrir, quis EXPOR situações as quais não teve autorização de meu marido, julguei por bem expor minhas idéias sobre o seu trabalho de 5a. categoria.
No momento, era o que quero lhe apresentar.
MARIA LÚCIA FURTADO RAHDE
luciarahde@net11.com.br

 

Exposição fotográfica "Porto Alegre, A 50 Anos Atrás"

 

 

Recebo do Laurinho Dieckmann este bilhete...O Lauro agora arrumou tempo pra propagandear a exposição que o Espanhol vai fazer. então tá!!!!


A exposição será no dia 23 de março , no memorial do Rio Grande do Sul, durante a semana de Porto Alegre
A mostra retrata a cidade um período em que se iniciam as grandes obras, como, construção dos estádios de futebool, prolongamento da Borges de Medieros, construção da nova rodoviária, Ponte do Guaíba Getúlio Vargas, construção centro administrativo do estado, construção do muro da mauá, aeroporto Salgado Filho etc... A cinquenta anos atrás a capital começa tomar um rumo para se tornar o centro do Mercosul. As fotos são do fotógrafo já falecido José Abraham e a organização e edição de Alfonso Abraham o curador da mostra.
serão 31 painéis de 100cm quadrados em preto e branco.
Em anexo algumas das fotos que fazem parte da mostra.
-
www.espanholfotos.blogspot.com

 

 


 

 

Yeda dissimula, mas é candidata....à reeleição!

 


Comendo o mingau pelas bordas,ou se escondendo atrás do toco o mais possível, assim, com estes dois ditados bem gaúchos se poderia definir o momento da governadora Yeda Crusius, uma paulista de nascimento que não faz muito alarde no momento mas que quietamente sonha em conseguir romper mais um tabu : o de que dificilmente alguém se reelege governador no Rio Grande do Sul. No seu caso, seria um tento a mais, porque como mulher, teria duplo sentido: ela foi a primeira mulher a ser eleita governadora e seria também a primeira mulher a conseguir a reeleição.

 


Fonte: http://www.riograndedosul.rs.gov.br/arquivos

 

Mas a governadora está cautelosa, muito cautelosa,pelo menos da boca pra fora...Sabe que tem um osso muito duro de roer pela frente." Eu sou um case, um case de rejeição. Ninguém tinha conseguido tanta rejeição quanto eu" reconheceu ontem uma Yeda com o sorriso de volta ao rosto.Ela tem uma explicação e parece estar condescendente com a população que pelo que as pesquisas mostravam rejeitou tanto seu governo ao ponto de deixá-la a pior governadora do país.
" Sabe como é passaram dois anos me massacrando a mim e a minha família" disse Yeda, sem em nenhum momento mencionar o escândalo do Detran( o sumiço de 40 milhões de reais investigados pela Polícia Federal ) e a casa que comprou na Chácara das Pedras.
- O sujeito chegava em casa, de manhã, de noite, de dia, na tevê no rádio só notícia ruim sobre mim. Então o sujeito dizia: desliga logo esta tevê, não quero mais ver esta mulher, interpretou a governadora, colocando-se no lugar do simples eleitor.
No momento,Yeda age.Na semana que vem por exemplo, em Viamão, haverá um almoço de 400 convidados onde provavelmente ela vai anunciar uma reivindicação muito antiga da região, ou seja, asfaltar cinco quilômetros até o Itapuã." Se ela anunciar isto" vai se consagrar, me disse ontem o médico Belmar Andrade, morador de Viamão e um dos organizadores deste almoço.
Também reforço da campanha de Yeda serão os CCs (cargo de confiança) . Alguns deixarão, apartir do dia 20 próximo o conforto de suas repartições públicas e irão para a linha da frente, ou seja, pro interior, pedir votos. E pelo que se depreendeu da coletiva que a Governadora Yeda Crusius deu ontem - dia 10/03 - na Federasul abrindo o projeto Tá na Mesa,embora ela faça de conta de que não acredita muito na sua chance, seu sorriso mostra que é possuidora de dados( que seguramente não divulga) que são o motivo desta sua animação.

E ficou claro também que o interior do Estado,além do ajuste das contas públicas, serão seus dois principais motes.
Yeda está preparada para os ataques pessoais:
- A campanha não será sobre discussão de idéias, disse a um repórter que lhe fez a ingênua pergunta sobre se os debates próximos serão sobre propostas para o Estado.

Yeda sabe que vem bomba por aí....E disse que os partidos com os quais contará para a campanha, somente serão conhecidos " depois que se definirem as coligações da campanha presidencial".


Lançamento do livro "Os TeleVisionários"

 

 

 

 

Memória da Imprensa!

 

 

Eis a campanha publicitária que o Pato Macho fez em abril de 1971 para o seu lançamento. Segundo o fotógrafo Assis Hoffmann, dono de um estúdio para fotos publicitárias, a idéia era que só uma criancinha tinha o direito de dar uma cag......dinha!!!!

O modelo é o filho do Assis, Leonardo, que hoje tem 42 anos e é diretor da revista Caras, em São Paulo.


 

 

 


De São Borja!

 

 

Depois de expulsar o PT de quem era aliado
durante primeiro mandato, Mariovane ameaça deixar
PDT caso o partido não apoie Tarso Genro!


O prefeito de São Borja, Mariovane Weis disse,ontem,dia 10/03 em entrevista à rádio Cultura AM - do Grupo Andreis - que sairá do PDT caso seu partido não coligue com o Partido dos Trabalhares( PT) que tem como candidato a governador o ex-ministro da Justiça e da Educação, Tarso Fernando Herz Genro.Ontem, também, o prefeito de São Borja manifestou apoio a Tarso Genro em entrevista publicada pela colunista Rosane de Oliveira, de ZH.Mas na ZH, Mariovane não prometeu sair do seu partido,se o apoio não vier.
É bom recordar que São Borja é terra natal do candidato do PT e por isto tem um valor sentimental que pode ser transformado em patrimônio político.

Durante o primeiro mandato em S. Borja, Mariovane Weis estava coligado com o PT e seu vice, Rene teve que abandonar o prédio da prefeitura por exigência do prefeito. Rene despachava fora do prédio localizado em frente a Praça XV de Novembro, no centro de S. Borja.

Rene foi candidato a prefeito de S. Borja mas perdeu a eleição,ficando em terceiro lugar.

Em 2008, durante a campanha a prefeito, o então ministro Tarso Genro visitou São Borja para apoiar o candidato do seu partido..Mas o prefeito foi ardiloso: mandou que seus CCs( Cargos em Comissão) fossem esperar o então ministro e recepcioná-lo no mais tradicional ponto de manifestações de S. Borja, ou seja, a esquina da avenida Júlio Trópis com Bernardo de Mello, bem em frente ao parque General Vargas.Os CCs de Mariovane portavam bandeiras e palavras de ordem. No encontro dos apoiadores das duas candidaturas, quase houve uma pancadaria generalizada.
Os CCs de Mariovane queriam mostrar sua ira - como é natural numa circunstância destas - contra os apoiadores da candidatura de Rene, que a esta altura,além de adversário de Mariovane - que venceu a eleição - também tinha se tornado um desafeto. Hoje Rene deixou S. Borja e ocupa um cargo na área federal.



Serafina...

 

 

Em foto aérea feita pelo Denis, do Studio D....

" Voei num teco-teco brabo que alugamos em Veranópolis" me disse o fotógrafo sobre a proeza de sobrevoar Serafina para fazer algumas tomadas...Eis esta que mostra a região urbana da cidade!

 

Dos implacáveis arquivos do Moura:

 

Como repórter de aeroporto, Nelson Moura viu e entrevistou muita gente ilustre. Aqui ele "recebe" seo Érico Verissimo e dona Mafalda, retornando segundo registrou o próprio Moura na Folha da Tarde, depois de um longa temporada nos USA....

 

 

Coleguinhas

 


* Sábado passado, dia 6/3, rodinha de jornalistas e outras personalidades frequentavam o Shopping Moinhos de Vento, no elegante bairro do mesmo nome....segundo um passarinho me contou, foram vistos por lá o Annonimus Gourmet,- José A.Pinheiro Machado - na Livraria Saraiva ( " muito magro e bronzeado" disse-me a fonte, feminina, por supuesto ), o presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Kritsche e o ex-todo poderoso da GM, Marco Kramer....Kramer,acompanhado da família, ficou só no " caldinho" de feijão do Restaurante El Fuego....


SERGS DEBATE SEGURANÇA
NAS OBRAS




A Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (SERGS) promove nova edição do café da manhã Bom Dia Engenharia às 8h30min desta quinta-feira (11.3). O palestrante será o superintendente regional do Trabalho e Emprego do Rio Grande do Sul, Heron Oliveira, que abordará o tema Auditores do Ministério do Trabalho, Engenheiros e Técnicos de Segurança: uma Relação que Salva Vidas. O evento objetiva esclarecer e integrar os diferentes setores vinculados à execução de obras de engenharia com qualidade e segurança. O Bom Dia Engenharia será realizado no auditório da SERGS, Travessa Acylino de Carvalho, nº 33 – 7º andar.

TODT COMUNICAÇÃO

 

Ensaio sensual de Luciana Gimenez....

 

Não foi por acaso que o Mick Jagger, dos Stones, se encantou.....

A apresentadora Luciana Gimenez faz ensaio sensual para sua grife Denuncia.

Divulgado na Contigo, Ego, RedeTV, entre outros.

Le Buzato


PMDB/PDT

 

 

O vice-prefeito José Fortunatti(PDT) ia saindo da prefeitura ontem por volta de 13 horas e como ele neste momento é uma das principais fontes do assunto aliança PMDB/PDT me apresentei e lhe perguntei sobre o selamento da aliança. Embora estivesse falando ao celular, parou e me disse:

- Está fechada!

Bom, mas Fortunatti é uma das partes mais interessadas no assunto, né....Então toda cautela é pouca.

 

Coleguinhas

 

* Serginho Ross liga de Brasília elogiando a matéria da mãe coragem: Leocádia Prestes. Registro: quem me enviou foi a Neuza Penalvo.


 

O almoço VIP de Brasília!

 

 

* Na sexta-feira passada, no restaurante do Celso Kauffmann, em Brasília, os integrantes de uma mesa de almoço que se reunem praticamente todos os dias, receberam da comentarista da RBS TV Ana Amélia Lemos um arroz doce, bem do tipo gaúcho." Comemos e estava muito delcioso recordou Sergio Ross, um gaúcho de Bento Gonçalves, que já se desenraizou do Rio Grande do Sul e está mais pra candango que qualquer outra coisa....O Sergio foi embora daqui pro Rio, pra Manchete e de lá para Brasília....


Leonel Brizola,então governador do Rio Grande do Sul e Sérgio Ross voltando no avião do Governo do Estado no dia que Brizola,segundo Serginho " tinha proclamado a independência do Rio Grande do Sul do Brasil"!!!!


A mesa em que almoça diariamente tem como cativos, ele, o comentarista político Carlos Chagas, o colunista Claudio Humberto,entre outros coleguinhas....


O então diretor da Manchete, em Brasília, Sérgio Ross cumprimenta o presidente Ernesto Geisel, na biblioteca do Palácio Alvorada.

Deste encontro, saem muitos dos tópicos que podem ser lidos no dia seguinte, principalmente na coluna do Claudio Humberto....


Sérgio Ross com a famosa camisa do Grêmio, onde ele jogou: Quando ele jogava no Grêmio, costumava jogar tênis com o dr. David Gusmão. O Sarará, que era um "cracão" mas segundo o Serginho muito ignorante, um dia pegou as bolinhas de tênis que o Serginho carregava nas mãos e lhe disse:" P^p, se com aquela bola grande tu não jogas nada, com estas aqui,então, tu não jogas porra nenhuma...."


Sergio Ross(em pé) e Justino Martins(sentado) na redação da revista Manchete, no Rio....


REPÓRTERES NO PELOURINHO

 



.
Por Leandro Fortes, do Brasília, eu vi
.
A direção da Folha de S.Paulo, simplesmente, autorizou a um elemento estranho à redação (mas não aos diretores), o sociólogo Demétrio Magnoli, a chamar de “delinquentes” dois repórteres do jornal, autores de matéria sobre a singular visão do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) da miscigenação racial no Brasil. Vocês, não sei, mas eu nunca vi isso na minha vida, nesses 24 anos de profissão. Nunca. Por tabela, também o colunista Elio Gaspari, que desceu a lenha no malfadado discurso racista de Demóstenes Torres, acabou no balaio da delinquencia jornalística montado por Magnoli.

Das duas uma: ou a Folha dá direito de resposta aos repórteres insultados (Laura Capiglione e Lucas Ferraz), como, imagino, deve prever o seu completíssimo manual de redação, ou encerra as atividades. Isso porque Magnoli, embora frequente os saraus do Instituto Milleniun, não entende absolutamente nada de jornalismo e confundiu reportagem com opinião. A matéria de Laura e Lucas nada tem de ideológica, nem muito menos é resultado de “jornalismo engajado” (contra o DEM, na Folha??). A impressão que se tem é que houve falha nos filtros internos da redação e deixaram passar, por descuido ou negligência, uma matéria cujas conseqüências aí estão: o senador Torres, sujeito oculto da farsa do grampo montada em consórcio entre a Veja e o STF, virou, também, o símbolo de um revisionismo histórico grotesco, no qual se estabelece como consensual o estupro de mulheres negras nas senz alas da Colônia e do Império do Brasil.

A reação interna à repercussão de uma matéria elaborada por dois repórteres da sucursal de Brasília, terceirizada por Demétrio Magnoli, é emblemática (e covarde), mas não diz respeito somente à Folha de S.Paulo. O artigo “Jornalismo delinquente”, publicado na edição de hoje (9 de março de 2010), na página de opinião do jornal, nada tem a ver com políticas de pluralidade de opiniões, mas com intimidação pura e simples voltada para o enquadramento de repórteres e editores, e não só da Folha, para os tempos de guerra que se aproximam. A recusa de Aécio Neves em ser vice de José Serra deverá jogar o DEM, outra vez, no vácuo dos tucanos, a reviver a dobradinha iniciada entre Fernando Henrique Cardoso e o PFL, de triste lembrança. O imenso mal estar causado pela fala de Demóstenes Torres na tribuna d o Senado Federal, resultado do trabalho rotineiro de dois repórteres, acabou interpretado como inaceitável fogo amigo. Capaz, inclusive, agora, de a dupla de jornalistas correr perigo de empregabilidade, para usar um termo caro à equipe econômica tucana dos tempos de FHC.

Demétrio Magnoli, impunemente, chama a reportagem da Folha de S.Paulo de “panfleto disfarçado de reportagem”, afirmação que jamais faria, e muito menos a publicaria, sem autorização da direção do jornal, precedida de uma avaliação editorial e política bastante criteriosa. O fato de se ter permitido a Magnoli, um dos arautos da tese conceitualmente criminosa de que não há racismo no Brasil, insultar dois repórteres e o principal colunista da Folha, em espaço próprio dentro de uma edição do jornal, deixa a todos – jornalistas e leitores – perplexos com os rumos finais da velha mídia e de seu inexorável suicídio editorial em nome de uma vingança ideológica, ora baseada em doutrina, ora em puro estado de ódio racial e de classe.

Fonte: http://cloacanews.blogspot.com/

 


Aliança PMDB/PDT ? !

 


Deputado Raul Pont(PT) disse ontem para a rádio Esperança da Grande Porto Alegre que continua acreditando numa aliança do PT com o PDT para o Governo do Estado!

 

XUXA e TAFFAREL!!!

 


Na inauguração do espaço dos municípios,ontem, na Assembléia Legislativa do Estado, o deputado-presidente da casa, Giovani Cherini(PDT) lembrou que Santa Rosa é a terra da XUXA e do TAFFAREL( referiu-se,claro, a Xuxa Meneghell e ao ex-goleiro do Internacional, de Porto Alegre.) Taffarel,até onde sei, nasceu em Crissiumal, que é berço de uma outra grande instituição gaúcha; A VIAÇÃO OURO E PRATA S/A.

SERRA E YEDA NA FESTA DA UVA

 

Os leitores dão sua opinião!

NA PÁGINA 24 DO JC DE 08/03 TEM OUTRA FOTO DE SERRA JUNTO COM YEDA NA FESTA UVA. BRIZOLA NETO DESINFORMOU E CAISTE NA MENTIRA DELE.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

 

Mais Yeda X Serra!

 

Particularmente acho que isto é apenas o começo desta " ronha" Serra X Yeda que terá desdobramentos nos próximos meses....

 

DA COLUNA DA ROSANE OLIVEIRA:

No meio político, o comentário era de que Serra não estaria à vontade ao lado da governadora, e por isso ela não teria seguido o passeio até o final.

Convenhamos, pura bobagem. RBS parece que lulou.
Sou pedetista, mas NEM lulei e nem dilmei. Brizola Neto = mediocridade

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Foto

 

Recebi do Mauro Rocha, meu colega de diretória do Grêmio Estudantil do Ginásio Lá de Serafina!!!!

Olides !

Cada vez que vejo a foto, megulho num sentimento de emoção e saudade,
principalmente de meu querido pai.Sou reconhecido ao Bruno pois, além
de ser grande amigo e colega de faculdade de meu pai( formaram-se
juntos em Passo FUndo em 1970), foi meu professor particular de
francês, em 1967. Era de uma grande cultura e pasme ! nunca estudou
para padre.

Esta foto foi feita em 1967, no gabinete do então secretário da
prefeitura-Bruno José Marocco( no prédio-branco- da primeira
prefeitura),ou do sr. prefeito, pelas bandeiras-na foto está o vice
:Nelson Assoni-, por ocasião da chegada de Pedro Seelig, para asumir a
delegacia de polícia te la undezze.

Quem diria que , um dia o Seelig ia se prestar à tortura e até contra
o filho. Muita bola jogamos com ele, no Gaúcho, aos sábados à tarde.
Era excelente jogador, oriundo das categorias de base do Renner.

Valeu Olides, recordar é viver e acho que podes lembrar, sem muito
esforço, de nossa diretoria do Grêmio Estudantil -Flávio presidente,
Olides tesoureiro(soldi era contigo) e Mauro secretário( parlar era
comigo).Em seguida falo do Sgorla( sou prolixo-discípulo do Brizola),
encurte o texto, como excelente jornalista que és.


Um abraço.

Mauro

O Monumento da
Carta Testamento....

 

Localizado na Praça XV de Novembro, o Monumento a Getúlio Dornelles Vargas foi construído por Oscar Niemeyer e pago pela Assembléia Legislativa do Estado,quando era presidida pelo deputado estadual Vieira da Cunha(PDT). Ele foi inaugurado em 24 de agosto de 2004, ocasião em que os restos mortais de Getúlio Vargas foram transferidos do túmulo do Cemitério Municipal Jardim da Paz para o mausoléu construido na praça principal de S. Borja.

Foto Belmonte

Como o monumento ficou sem proteção, os guris começaram a usá-lo como local de fazer skate, o que obrigou a prefeitura em pensar num projeto para cercar o monumento....

 

A sua sogra é um inferno? A minha salva animais

 

Ellen Augusta Valer de Freitas

Bióloga

08 de março de 2010


Mulheres guerreiras sempre foram uma raridade. Isto por diversos motivos. Seja por que a sociedade tende a menosprezar o trabalho bem feito de uma mulher, chamando-a de histérica ou radical, seja por que as próprias mulheres muitas vezes se comportam como minoria, sendo que são maioria em muitos lugares do mundo.
A minha sogra é uma mulher guerreira que enfrenta uma cidade. Ela batalha pelo bem-estar de animais abandonados nas ruas, numa cidade em que as pessoas não se comprometem com essa questão (mas querem que seja resolvida). Isso é uma realidade em muitos pontos do país, e em cada ponto há alguém fazendo algo, mesmo que discretamente.


Embora animais de rua sejam um problema claramente ambiental e de saúde pública, nem todos os “ambientalistas” pensam assim. E ocorre de as secretarias do meio ambiente em diversas cidades ignorarem essa questão, que está prevista em lei.
Ela faz suas batalhas publicamente, busca ajuda, sai de casa todos os dias e vai cuidar dos cães que a esperam correndo e muito alegres. Busca comida em locais que doam restos, algumas vezes presencia o desprezo de algumas pessoas. Leva lá e serve, depois de separar e preparar os pratos. Faz a limpeza, arruma as casinhas e quase nunca dá tempo de fazer tudo.

 

A Vivânia Caser Bueno é uma batalhadora que vive em Veranópolis, a terra da longevidade. E, de lá, ela mantém de forma corajosa um canil com 40 cães em média. Trabalhando praticamente sozinha e com pouco apoio da população.


Todos sabemos que o cão é um animal extremamente ligado ao ser humano. Ele é carente e dependente, e é muito cruel quando o abandonam depois de o acostumar na companhia humana. Ele gosta de brincar com bola, vem nos abraçar, demonstra que querem estar próximo de nós e nos é fiel. Mas a humanidade o trai de forma vergonhosa, toda vez que o deixa num depósito, ou o abandona na rua.

 

Espalha-se a ideia de que as ONGs ganham muito dinheiro, mas a verdade é que nem todas têm a atenção que mereceriam. Os demagogos que sugerem que devemos cuidar de criancinhas carentes geralmente são os inúteis que não fazem nada, nem pelas crianças e nem pelos animais. Mas acham que nós é que temos de nos preocupar com toda a causa. Como se ajudar animais fosse diminuir a cota de amor aos outros seres vivos. Muito ao contrário.
A Vivânia Caser ganhou uma condecoração na cidade, pelo trabalho que faz. Exibe orgulhosamente na sua sala. E com toda a razão. É um reconhecimento pelo ótimo trabalho que vem fazendo sozinha todos os dias do ano. Um ato de solidariedade que raramente se vê.



É um privilégio saber que, quando vou visitar minha sogra, vou fazer trabalho voluntário com ela ali no canil. Me sinto importante no mundo, pois sei que eles olham para a gente com esperança.
Quem não gostaria de ter uma sogra assim? Por isso admiro as protetoras de animais.
Em vez de fazer fofoca e cuidar da vida alheia como muitos fazem, vão fazer algo pela vida.
Admiro-as, pois eu não tenho coragem de catar um cachorro todo quebrado, pegar um cavalo que foi humilhado fisicamente e tem aquela vida miserável que todos nós sabemos como é, salvar um gato de donos cruéis e psicopatas.
Eu não tenho coragem. Minha coragem está aqui nas minhas palavras. E nas minhas atitudes diante da turba que insiste em seguir outro rumo diferente do meu, que é respeitar os animais de forma ativa e genuína, no prato também.
Admiro-a por ser mãe (e mãe do meu marido!) e ao mesmo tempo ter muitos filhos cães, que com certeza são bem cuidados. As doações dos animais sempre são feitas com muitas considerações. Geralmente quem vai ao canil são famílias humildes, à procura de um companheiro para seus filhos. O Humberto, o cão gigante e brincalhão, foi doado na semana em que eu estava ajudando. Ela chorou muito, pois ele era o mais antigo dali. Por ser de grande porte, era mais difícil de ser doado. E muitos o queriam para pôr numa corrente, o que é um pecado, pois ele adora correr. Foi doado a uma família que tem um grande sítio.
Ela também acolhe gatos, e os doa mais facilmente. A dificuldade maior está em adotar cães que são geralmente de portes variados e idades variadas. Os mais feios, os castigados pela vida ninguém quer. Conhecemos exemplo semelhante em outro lugar? Sim. Crianças também são desprezadas, depois que passam dos primeiros anos de idade. As pessoas declaradamente só querem os branquinhos que acabaram de nascer. Isto as que algum dia pensaram em adotar.
Mas a vida nos mostra que em toda generalização existem as exceções. E foi o que vimos ao constatar que muitas pessoas apareciam lá e levavam cães mais velhos. Outras preferiam os filhotes. E tem gente que liga perguntando se tem siamês, ou pequinês. Estas são as que nada sabem da realidade do canil. Querem chow chow, poodle. Obviamente estes cães também são abandonados e merecem respeito, mas não é o comum.
As rádios da cidade sempre a convidam para dar entrevista e colaboram para que o tema entre nas casas das pessoas.
Ela diz que poderia estar jogando cartas com as amigas, em vez de enfrentar tantos problemas. Ao perguntar se estaria feliz jogando carta com as amigas ela responde: não.
Ela é feliz fazendo o que gosta e é o que mais importa.

Este e outros textos da autora no site: http://www.anda.jor.br/?cat=71

 

Coleguinhas

 

* Saindo do armário:
um caso que rolava escondido está se tornando público. Ambos ligados a ARI....Ela tem nome possivelmente inspirado numa dupla caipira de muitos anos atrás....Ele, bom, ele é muito conhecido.....Episódio um pouco semelhante tinha ocorrido na década de 80 com um CONHECIDISSIMO POLITICO GAÚCHO......!!!!!

* Site TIJOLAÇO GANHOU midia ontem,dia 8/3 graças a este que vos fala: eu tinha lido o blog do Brizola Neto no domingo de noite e vi que fora o único site que tinha dado que o presidenciável José Serra tinha " fugido" - como os políticos sabem fazer - da governadora Yeda Crusius na festa da Uva, em Caxias. É verdade que o blogueiro em questão, que é deputado federal, não demonstra nenhuma simpatia pela governadora gaúcha...Mas o que me interessava ali era a informação que ele tinha..e que ontem de manhã, nenhum veículo de imprensa deu, a não ser uma leve insinuação que a Rosane de Oliveira deu em ZH....

Pois,então parabéns ao TIJOLAÇO!!!!! golaço deles, porque eu liguei pro produtor do Mendelsky, o Otto Bede e o apresentador citou o blog várias vezes....Isto é mídia e da boa....

* Antônio Goulart diretor da ARI lamentou que no sábado,dia 6/3 o barzinho da entidade ainda estivesse fechado. A ARI não tem pressa mesmo....ora bolas, é por isto que seu presidente é conhecido por paciência....

* ARI foi procurada por interessados em " modernizá-la"!!!!

*Morte do cantor Leonardo nos encheu de tristeza...eu era seu fã e ouvinte de todos os domingos de manhã. Ouvia aquela grossura em pessoa tomando meu chima....

* Salve Leonardo...e depois a Guaíba também mudou o programa dos Italianos...que está bem diferente, eu diria para pior.....

 

O " índio" Assis Hoffmann quer dizer que foi ele que fundou o Pato Macho!!!!

 

( e mostra uma carta do Severo, de SP, que provaria isto....)

Encontrei o " índio" Assis Hoffmann no serpentárioa puto da vida - bom o Assis brabo é meio como ele sempre tá, né - porque ele viu escrito, ou disseram pra ele, que o LFV teria dito por aí que o fundador do Pato Macho - um jornal alternativo do começo dos anos 70 em Porto Alegre - foi o Jesus Iglesias( eu já tou achando que o Verissimo disse que o Iglesias fundou foi o SAPA, mas sabe como é, né....nestas guerras de vaidades é bom não se meter muito....)...Pois o Assis brande uma correspondência que tem do Severo(José Antônio) de SP,onde ele trabalhava,se não me engano na Veja...ou Jornal da Tarde....

 

Clique na imagem para ampliar

O Severo pede Patos Machos(exemplares) ao "índio" de Santiago do Boqueirão( aquela cidade onde quem não é b....é ladrão....dizem,né, não fui eu...)e esclarece que o Pato Macho pode virar notícia na Veja ou no JT( JT era como todo jornalista chamava o Jornal da Tarde, o melhor jornal brasileiro feito até os dias de hoje, o jornal das grandes reportagens e que era lido por todos os coleguinhas que prezavam a profissão...)...

Assis ainda garante que as reuniões para fundação do famoso Pato Macho eram feitas no BB( o Bar do Beto) localizado na Vieira de Castro com Venâncio Aires. Bom, então está armada a celeuma....

Eu, de minha modesta cadeira, lembro apenas que o LFV sempre disse que os fundadores foram ele e o Coi Lopes de Almeida e as reuniões eram na famosa casa da Felipe de Oliveira, em Petrópolis....-onde mora LFV.Verissimo, que não está interessado em manter polêmicas com o Juremir Machado, lembra sempre que as contas ficaram para ele pagar, quando viram que o empreendimento não daria em nada, a não ser em mais dívidas....

Perguntei ao Verissimo durante um debate da Feira do Livro dois anos atrás - aliás a Laura Peixoto também estava neste debate-

no Memorial do RS se era verdade ou lenda que as reuniões de pauta - aquelas em que se discute o assunto da edição do jornal - eram feitas no Encouraçado Butikin, a boate da fina flor da burguesia no começo dos anos 70. Verissimo olhou-me, fez um longo silêncio como é de seu estilo e respondeu calmamente:
- Não, Olides, a reuniões de pauta eram sempre lá em casa porque a Lúcia(sua esposa) fazia questão disto. Mas as reuniões eram sempre melhores do que o jornal em si.....


Dica cultural

 

É uma pena que a peça A Arte de Escutar foi embora. ...A vi no São Pedro e me surpreendeu. Bela peça....Vou reproduzir o que o Henrique Tavares escreveu e que tirei do folheto da peça:

- A Arte de Escutar é uma daquelas idéias que nos faz sentir uma pontinha de ciúme e exclamar: " Como é que não pensei nisto antes!?!?!? Felizmente esta idéia tão simples e, por isso mesmo, brilhante, brotou ao meu lado ,ao alcanse das minhas mãos. Esta é a primeira peça de Carla Faour. Um texto que revela a complexidade do ser humano de forma carinhosa e privilegia o talento dos atores. Quem nunca foi surpreendido por particularidades de um desconhecido? Quem não conhece uma pessoa com o dom de ser confidente? Nesses tempos de "egotrip total", de blogs,sites e tantas mídias...onde todo mundo tem uma opinião,algo a dizer sobre todos os assuntos e, principalmente,sobre si mesmo, vale a pena uma reflexão sobre a tão esquecida arte de escutar."


Bom, prezado leitor, se encontrares a pecinha por aí, bom proveito....

 

 

Caco completou
60 anos!

 


Um dia depois de ter comemorado 60 anos num bar em Vila Madalena, São Paulo,onde mora, o repórter Caco Barcellos embarcou no sábado para o Haiti onde vai fazer matéria pra seu programa Profissão Repórter....

Não gosto de ficar muito falando do Caco, porque parece que estou me exibindo, e não é caso....

 

Conheci o Caco pobre, desconhecido, que comíamos pão com mortadela nas madrugadas quando ficávamos para fazer um jornalizinho num centro acadêmico da PUC, que alguém tinha descolado pra nós....

Bom, pra ser sincero, desde o começo o Caco se mostrou o mais interessado de todos nós, quem levava a coisa mais a sério, embora padecesse de seus esquecimentos, já folclóricos. Uma noite, por exemplo, o Caco pegou o ônibus na Vila Santa Catarina no Partenon e deveria descer no Julinho. Ele desceu mas esqueceu a edição do Dluct dentro do ônibus. Fomos correndo até a av. Sepúlveda no centro de Porto Alegre e lá estava a edição do jorn alizinho que iríamos vender no Kikão, um cahcorro quente que ficava na frente do Hospital das Clínicas...

Acompanhei a vida do Caco em Porto Alegre. Depois eu fui para Lima, no Peru, em 1974 e quando voltei em 1976, ele já tinha se mudado para SP, onde o encontrei na volta. Moarva na rua Capote Valente, a poucas quadras da redação da Versus, um jornal que ele e o Marcão Faermann, mas o Matico(Omar de Barros Filhos) estavam lançando.

O Caco com um filho pequeno, dava duro o dia ainteiro. No final do expediente, ia buscar as sobras das verduras que vendiam nas feiras pra levar pra casa e cozinhar....

Restaurantes e estes luxos, nem pensar naqueles anos.....

Claro, hoje, mister do seu trabalho, o Caco está num outro padrão....O vi muito desapontado em janeiro de 1982,quando voltou de fazer a cobertura da morte do Garrincha...

-Pai, Pai, dizia Caco pro seu Nércio...O Garrincha tava pobre, tinha apenas umas flamulas e uma caminha onde dormia, surpreendia-se o Caco, voltando de fazer matéria com um dos seus ídolos do futebol...

 

 

8 de Março – Dia Internacional da Mulher

 


Neste Dia Internacional da Mulher, o CeCAC divulga a biografia de Leocádia Prestes, elaborada por sua filha Lygia, que traz a trajetória da corajosa mãe de Luiz Carlos Prestes que, nas palavras de Pablo Neruda, fez “grande, más grande, a nuestra América” e é expressão da determinação e combatividade da mulher brasileira. Depois do levante antifascista de novembro de 1935 e da prisão de Prestes em 1936, Leocádia esteve à frente de uma campanha internacional pela defesa da vida e pela libertação de seu filho e de todos os presos políticos no Brasil. Ela “percorreu os principais países europeus, denunciando o terror desencadeado no Brasil, o perigo de morte para os presos políticos e pedindo solidariedade e apoio para a sua luta”, que se inseria no fortalecimento do movimento antifascista internacional. Com a extradição de Olga Benário para a Alemanha, uma nova campanha se colocou para salvar a vida de Olga e de sua filha que estava para nascer. Como assinala Lygia, Leocádia foi três vezes à Alemanha nazista, enfrentar a Gestapo para exigir a libertação de Olga e de sua filha Anita, resgatada em janeiro de 1938.
* * *

Leocádia Prestes – mãe coragem


Lygia Prestes


Leocádia Felizardo Prestes nasceu no dia 11 de maio de 1874, em Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul.
Seu pai, Joaquim José Felizardo, abastado comerciante, foi um homem culto, de idéias liberais, partidário da Abolição e da República. Sua mãe, Ermelinda Ferreira de Almeida, descendia da aristocracia portuguesa. Contudo, era pessoa de idéias abertas e partilhava plenamente os ideais de justiça social de seu marido.
Dotada de caráter enérgico e independente, Leocádia Prestes destacou-se, desde cedo, das jovens da sua classe social. Educada segundo os moldes tradicionais da época, falava vários idiomas, era exímia pianista, estudou pintura, canto, declamação. No entanto, tais predicados, que lhe permitiam brilhar nos salões, não lhe bastavam. Ela gostaria de desenvolver alguma atividade útil e, ainda adolescente, manifestou o desejo de ser professora pública, o que evidentemente não pôde ser concretizado devido aos preconceitos sociais. A política e os problemas sociais a interessavam muito, pelo que era leitora apaixonada dos jornais da Corte, fato inusitado entre as moças de seu tempo.
Em 1896, casou-se com o capitão Antônio Pereira Prestes, engenheiro militar, que havia sido aluno de Benjamim Constant, na Escola Militar da Praia Vermelha, e participara, ainda cadete, da proclamação da República, no Campo de Santana. Era um homem de vasta cultura, partidário do Positivismo, que era a corrente filosófica mais progressista no Brasil, no fim do século XIX.
O convívio com o marido muito contribuiu para que Leocádia Prestes ampliasse sua cultura geral e aprofundasse ainda mais o seu interesse pela política e pelas questões sociais. Anos mais tarde, ela contaria aos filhos a ansiedade com que ela e o marido viveram episódios como a Guerra de Canudos ou o célebre Caso Dreyfus, na França, que comoveu todos os setores progressistas, na passagem do século.
A morte prematura do marido deixou-a em situação muito precária. A exígua pensão não era suficiente para o sustento dos filhos. O caminho mais fácil teria sido arrimar-se a algum parente rico. Ela preferiu, porém, conservar a sua independência e partira para a luta.
Começou a dar aulas de idiomas e de música, trabalhou de modista, foi balconista e até costuras fez para o Arsenal de Marinha. Finalmente, em 1915, conseguiu ser nomeada professora da Escola Pública, como coadjuvante do ensino primário, cargo que exerceu até 1930. Trabalhava à noite, nos cursos noturnos destinados a comerciários, operários e domésticas.
Era um trabalho muito pesado, pois tais cursos funcionavam em escolas dos subúrbios do Rio, longe da condução, freqüentemente no alto dos morros. Pela primeira vez em sua vida, ela pôde ter um maior contato com as camadas mais pobres da sociedade e isso aguçou ainda mais a sua revolta contra as injustiças sociais. Em pouco tempo, tornou-se muito estimada pelas alunas, pois era uma das poucas professoras, naquele tempo, que não admitiam discriminações, tratando da mesma forma a comerciária bem arrumada e a cozinheira de roupa surrada ou a operária de tamancos. Com sua atitude, ela procurava transmitir a seus alunos, além dos conhecimentos elementares, noções de justiça social, de igualdade e dignidade humana.
Aliás, ao educar os filhos, sua grande preocupação foi sempre a de incutir-lhes o amor ao trabalho e o sentimento do dever cívico. Procurou sempre mostrar-lhes os aspectos negativos da vida, ensinando-lhes a enfrentar com altivez a violência e as arbitrariedades dos poderosos e a jamais curvar-se ante as injustiças. Dotada de grande sensibilidade artística, procurou sempre transmitir aos filhos o seu amor à natureza e a sua admiração por tudo que é belo e elevado. Uma sonata de Beethoven ou um belo poema, um pôr do sol ou o desabrochar de uma flor, a emocionavam igual-mente.
A árdua luta pela sobrevivência não fez diminuir seu interesse pelo que ocorria na sociedade e no mundo. Mesmo nos momentos mais difíceis, em sua casa podia faltar pão, mas nunca faltou pelo menos um jornal diário, para acompanhar os acontecimentos políticos, que discutia e comentava com os filhos. Assim, em 1910, empolgou-se com a Campanha Civilista de Rui Barbosa e fazia questão de comparecer aos comícios, levando consigo o filho mais velho, Luiz Carlos, que contava apenas doze anos de idade, para que ouvisse a pregação cívica do mestre baiano.
Por isso mesmo, em 1922, quando seu filho Luiz Carlos, já oficial do Exército, começa a participar da política, atuando na preparação (do primeiro Cinco de Julho), ela lhe deu todo o apoio, incentivando-o inclusive a continuar a luta, após a derrota do movimento.
Em 29 de outubro de 1924, ocorreu o levante de Santo Ângelo, liderado por Luiz Carlos Prestes, dando início à grande marcha através do Brasil que duraria até fevereiro de 1927. Foram anos muito duros para as famílias dos participantes da Coluna. As únicas notícias que recebiam eram as fornecidas pelo governo, sempre as piores possíveis: a Coluna teria sido dizimada, seus chefes exterminados... Mais de uma vez os jornais do Rio abriram manchetes escandalosas anunciando a morte de Prestes e de seus companheiros.
Leocádia Prestes, mesmo sabendo que a vida do filho corria permanente perigo, nunca perdeu a coragem e a confiança no filho. Jamais alguém a viu chorar. Para que não houvesse dúvidas sobre o seu apoio integral às idéias do filho, ela trazia sempre ao peito, bem visível, um grande medalhão com o retrato dele. Sua firmeza impressionava a todos que a conheciam. Em pouco tempo, sua casa tornou-se a Meca das famílias dos outros revolucionários, que a procuravam em busca de alento e consolo.
Com a suspensão da censura à imprensa, em 1927, os feitos heróicos da Coluna tornaram-se conhecidos do povo brasileiro, comovendo o país. Luiz Carlos Prestes passou a ser considerado herói nacional – o Cavaleiro da Esperança – e Leocádia Prestes era a Mãe de todos os brasileiros. Sua modesta casa de subúrbio fervilhava de amigos, admiradores e políticos de todos os matizes.
Em 1930, um grupo de políticos, encabeçado por Getúlio Vargas, aproveitando o prestígio de Luiz Carlos Prestes e do movimento Tenentista, organizou um golpe de Estado. Os tenentes, antigos participantes da Coluna, deixaram-se iludir e aderiram em massa ao Movimento de 30. Luiz Carlos Prestes, convidado, recusou-se a participar, por considerar que o Movimento não traria nenhum benefício ao povo brasileiro. Em maio de 1930, lançou um manifesto, denunciando o golpe que se preparava e pregando uma revolução verdadeiramente popular, agrária e antiimperialista. O manifesto, qualificado de comunista, caiu no Brasil como uma bomba. Como num passe de mágica, todos os admiradores e políticos abandonaram a casa de Leocádia Prestes. Em público, viravam-lhe as costas. Ela reagia com altivez, reiterando a sua solidariedade ao filho querido.
Meses mais tarde, convencida de que o filho não poderia retornar ao Brasil tão cedo, ela, mais uma vez, demonstrou toda sua coragem: licenciou-se do emprego, liquidou a casa e, acompanhada das quatro filhas, partiu para a Argentina, para ficar ao lado do filho. Iniciava-se, então, um longo exílio do qual ela não retornaria à pátria.
Em Buenos Aires, onde se radicaram, a vida foi extremamente difícil. Com a crise dos anos 30, era impossível conseguir trabalho. Poucos dias após a chegada da família, Prestes foi preso, ameaçado pela polícia argentina, sendo obrigado a asilar-se em Montevidéu. Com isso, perdeu o emprego. Leocádia Prestes permaneceu em Buenos Aires, com as filhas, lutando como podiam para sobreviverem. Foi nesse período que elas e as filhas se aproximam do marxismo.
Em 1931, Luiz Carlos Prestes foi convidado pelo governo soviético para trabalhar como engenheiro no Primeiro Plano Qüinqüenal. Sua família, mais uma vez, não vacilou em acompanhá-lo, decidindo seguir com ele para a União Soviética. Às pessoas que se surpreenderiam com a sua decisão, Leocádia Prestes dizia: “se meu filho seguiu este caminho, este é o caminho certo”.
Contudo, seu primeiro contato com a sociedade socialista não foi fácil. Arrasada por duas guerras, a União Soviética atravessava enormes dificuldades. Faltava tudo. Para uma senhora de quase sessenta anos, de origem aristocrática e que havia passado toda a sua vida sob outro regime, a realidade soviética suscitava muitas dúvidas. Seu espírito de justiça, porém, ajudou-a a superar as incompreensões. Pouco a pouco, ela foi compreendendo a causa das dificuldades e a grandeza da luta e dos sacrifícios do povo soviético. O entusiasmo do povo a contagiava. Muito contribuiu também para a sua formação política o processo de Leipzig, em 1934, contra o revolucionário búlgaro George Dimitrov, cuja firmeza revolucionária perante o tribunal nazista a impressionou profundamente. Aos sessenta anos de idade, ela aderia, conscientemente, às idéias marxistas.
Em agosto de 1934, Luiz Carlos Prestes foi finalmente aceito no Partido Comunista, terminando assim sua longa e penosa trajetória do tenentismo ao marxismo. E, a 29 de dezembro do mesmo ano, partia para o Brasil, para a luta clandestina.
Iniciou-se, então, para Leocádia Prestes, um longo período de grande sofrimento. Se, por um lado, apoiava integralmente o caminho seguido pelo filho, por outro lado, só a idéia de perdê-lo a fazia sofrer intensamente. Ela não duvidava de que, se o filho fosse preso, seria morto. Contudo, procurava manter-se firme. Foi nessa época que, buscando uma forma de participar da luta, resolveu aprender datilografia a fim de ajudar na cópia e tradução de documentos.
Em 5 de março de 1936, Luiz Carlos Prestes foi preso no Rio de Janeiro, junto com sua companheira Olga Benário. Graças à coragem de Olga, que o protegeu com seu corpo, não conseguiram matá-lo no ato da prisão. Mas a sua vida corria perigo iminente. A qualquer momento, poderiam “suicidá-lo” na prisão, como era costume na época. Foi decidido, então, levantar uma campanha internacional em defesa da vida de Prestes e de todos os presos no Brasil. E Leocádia Prestes foi escolhida para encabeçar essa campanha.
Aquela foi a sua primeira missão política. Tarefa difícil para uma senhora de sessenta e dois anos que havia sido, até então, apenas mãe de família e, quando muito, professora de subúrbio. Contudo, ela não desanimou. Acompanhada de sua filha Lygia, partiu de Moscou, em fins de março de 1936, dando início à campanha.
Foram vários anos de árduo trabalho. Eram comícios, conferências de imprensa, visitas a jornais e sindicatos, a partidos políticos, parlamentos ou a chefes de governos. Viagens freqüentes e demoradas. Era um trabalho extenuante para uma pessoa de sua idade.
Com sua filha, ela percorreu os principais países europeus, denunciando o terror desencadeado no Brasil, o perigo de morte para os presos políticos e pedindo solidariedade e apoio para a sua luta. Em pouco tempo, a campanha se estendeu aos outros continentes. Comitês de defesa de Prestes foram criados nos Estados Unidos, na América Latina, na Austrália e na Nova Zelândia. Do mundo inteiro, o governo brasileiro era bombardeado com milhares de cartas, telegramas de protesto, manifestos de toda a sorte, exigindo a libertação de Prestes e de seus companheiros ou, pelo menos, o respeito às suas vidas.
Em fins de 1936, com a extradição de Olga Benário para a Alemanha nazista, a campanha se duplica. Surge uma campanha paralela, destinada a salvar a vida de Olga e do bebê que estava para nascer. Leocádia Prestes e sua filha vão a Genebra pedir a ajuda da Sociedade das Nações e da Cruz Vermelha Internacional. Graças às gestões, foi possível receber, já em 1937, algumas notícias de Olga e de sua filhinha, Anita Leocádia, nascida em 27 de novembro de 1936.
Três vezes Leocádia Prestes foi com sua filha à Alemanha, enfrentar a Gestapo e exigir a libertação de Olga e da criança.
Delegações de vários países foram também a Berlim, com o mesmo objetivo. Malgrado todos os esforços, não foi possível salvar Olga. O mais que se obteve foi a libertação da pequena Anita Leocádia, em janeiro de 1938, e a vaga promessa da Gestapo de que Olga seria libertada um pouco mais adiante. Ao contrário disso, Olga foi enviada a um campo de concentração, em Ravensbrück, e assassinada em abril de 1942.
Ante a iminência da guerra, Leocádia Prestes vê-se forçada a deixar a Europa. Com a filha e a neta, parte para o México, cujo presidente, General Lázaro Cárdenas, concedera-lhes asilo. Foi um golpe muito duro, pois ela bem compreendia que a mudança para o México tornaria muito mais difícil qualquer ajuda à nora querida.
No México, a campanha prosseguiu, já então limitada às Américas, pois o resto do mundo estava convulsionado pela guerra. Com a guerra, Leocádia Prestes perde o contato com Olga e também com as outras filhas que haviam ficado em Moscou. Além da sorte do filho, na prisão, preocupa-a agora também a situação dos seus outros entes queridos, ameaçados pelas bombas nazistas. Contudo, a coragem e a fé na vitória final não a abandonaram jamais. Quando as hordas nazistas avançavam pela União Soviética, ela costumava dizer aos amigos assustados: “Vocês não conhecem aquele povo! Quem passou tantas privações e sofrimentos para construir o socialismo em seu país, não vai fraquejar agora. Eles são invencíveis!”
Leocádia Prestes não teve a alegria de assistir à vitória final dos povos sobre o nazismo nem a libertação dos presos políticos, no Brasil, em 1945. Após longa e penosa enfermidade, ela veio a falecer no México, no dia 14 de junho de 1943.
Sua morte comoveu o povo mexicano, que a admirava muito. Ao velório, no salão nobre do Sindicato dos Empregados em Hotéis, no centro da cidade do México, compareceram milhares de pessoas, inclusive numerosos estrangeiros, fugidos do nazismo e também asilados no México. Todos os ministros de Estado estiveram presentes, com seus auxiliares , a começar pelo general Cárdenas, na época Ministro da Defesa, no Governo de Ávila Camacho. O general Cárdenas tomou a iniciativa de dirigir-se pessoalmente a Getúlio Vargas, pedindo-lhe que permitisse a Prestes vir ao México despedir-se de sua mãe. Propunha enviar um avião militar mexicano para trazer o prisioneiro e oferecia-se, inclusive, como refém, como garantia de que Prestes voltaria à prisão. Getúlio sequer respondeu. Quatro dias e quatro noites o povo aguardou a resposta, em respeitosa vigília.
No dia 18 de junho de 1943, realizou-se o enterro, que se transformou em uma verdadeira manifestação popular. O cortejo atravessou toda a cidade a pé, até as colinas de Tacubaya, onde ficava o cemitério. O caixão, coberto pela bandeira brasileira, foi levado em ombros e cercado por uma guarda de honra que levava as bandeiras de todas as Nações Unidas que, naquele momento, travavam a luta contra o nazismo. À beira da sepultura, vários oradores se fizeram ouvir, inclusive representantes de outros países latino-americanos, como Cuba, Uruguai, Chile e, também, de países europeus, principalmente alemães e espanhóis. O grande poeta chileno Pablo Neruda leu o seu Poema Dura Elegia, escrito especialmente para aquele triste momento, no qual ele define a importância da vida de Leocádia Prestes com estas singelas palavras: “Señora, hiciste grande, más grande, a nuestra América...”.
Extraído de:
PCB: 80 anos de luta. H. ROEDEL, AQUINO, F. VIEIRA, L. B. NAEGELI, L. MARTINS. Rio de Janeiro, Fundação Dinarco Reis, 2002.
Leia também o poema de Pablo Neruda em homenagem a Leocádia Prestes
Este artigo encontra-se em www.cecac.org.br

 

Histórias de La Ùndeze

 

 


BONFANTI MATOU
O GATO DO
GUISOLFI!!!!


Nos anos 60, a economia de Serafina Correa, ou La Ùndeze, era baseada no Frigorífico Ideal. A "colônia" produzia porcos, e os operários viviam do trabalho no frigorífico. Muitos dos meus colegas no ginásio tinham os pais operários do Frigorífico e de lá tiravam seu sustento....Nós, da roça, invejávamos principalmente o dia primeiro de maio, quando nossos colegas iam churrasquear pelo Dia do Trabalho no frigorífico. A última festa que se fez lá pela data,segundo o advogado Oraldo Rodrigues, foi em primeiro de maio de 1968. Os operários deste frigorífico, cuja parte de sua história estará contada no meu livro COSI LA ZE STATA( FOI ASSIM) , a ser lançado em breve,moravam na sua maioria na rua Arthur Oscar. Entre eles estavam o Ricardo Bonfanti, que quando sucedeu este fato deveria ter uns 65 anos e o seu vizinho, um Guisolfi....

Acontece que o gato do Guisolfi vivia na casa dos vizinhos sabem fazendo o quê...lambendo os restos da polenta que ficavam dentro da panela onde a polenta ( comida preferida dos gringos ) era feita todos os dias....Uma noite o Bonfanti esperou de espingarda armada e quando o gato chegou, deu-lhe uma saraivada de tiros que não sobrou nada do pobre animal...

Mas o Baonfanti pegou também uma sarna daquelas pra se coçar....

Onde ele ia, os caras miavam, escondidos....Ele foi ficando p.... da vida com aquilo....

O pior aconteceu quando um dia um colega, o Cattani resolveu colocar dentro do armário do Bonfanti um gato vivo. Quando o colega chegou pro trabalho e abriu a portinhola do seu armário pra guardar suas coisas, o gato lhe saltou nos olhos....

Foi aquela gritaria e todos os demais colegas miando juntos, imitando o gato morrendo...

O gerente do frigorífico Sabino Gasparotto deu um " gancho" pro colega zombeteiro....

Histórias da Trensurb....

 

 

1) O trem metropolitano de Porto Alegre foi inaugurado num dois de março de 1985, portanto completou 25 anos dias atrás. No meu livro Estradas do Rio Grande descrevo:

"Um sábado, dois de março de 1985, com os funcionários do Banco Sulbrasileiro e Habitasul, liderados pelo diretor do Sindicato dos Bancários, Olívio Dutra, protestando pela manutenção dos seus empregos junto às autoridades,compareceram à Praça do Mercado( do Sesquicentenário) o prefeito de Porto Alegre, João Dib,o governador do Estado, Jair Soares, e o ministro dos Transportes, Cloraldino Severo. O cônego Arthur Wickert abençoou a fita inaugural e os trens iniciaram a circular. Eles operaram gratuitamente no domingo,dia 3 de março de 1985, para no dia seguinte, uma segunda, iniciar a cobrança de passagem.As faixas espalhadas ao longo da via diziam:"O metrô é do povo".

Foto divulgação

O presidente da Trensurb Paulo Genes Muratore mostra ao governador Amaral de Souza o trajeto que o trem metropolitano terá... Também estão na foto, o prefeito Guilherme Socias Villela, o secretário Victor Faccioni, o deputado federal Alberto Hoffmann., o engenheiro Wanderlei Brasil, da Trensurb e o jornalista Carlos Adamatti.(anos 80)

 

O dia 3 de março de 1985, um domingo ensolarado no litoral gaúcho, marcou o dia em que a população pode usar o trem pela primeira vez"...

2) Durante o período da construção da linha, como repórter setorista, tive muitas encrencas principalmente com o presidente da empresa, Paulo Muratore, que não tinha muita habilidade para aceitar críticas.

Uma delas aconteceu comigo e foi meio feia....Como havia uma CPI sobre a importação dos trens do japão, um dia liguei para a secretária do presidente, sem saber que ela era sua filha....Fiz um comentário quando ela me disse que o presidente estava viajando, em férias, que ele tomou como uma ofensa....

Tempos depois fui até a Trensurb que ficava ali na Voluntários da Pátria, onde está atualmente o prédio da Secretaria de Segurnaça Pública do Estado ,e pedi pra entrevistá-lo. De certa forma, sua secretária, que era então a filha Márcia, não me avisou que o pai estava fulo comigo....( eles em geral naqueles anos não gostavam de jornalistas....)
Quando entrei no gabinete, Muratore me esperava com os punhos cerrados postos emcima da mesa e foi logo desferindo:

- Se tu não fosses um gringo que limpou a b.....com sabugo de milho eu te quebrava a cara, disse-me furioso.

Então minha mente trabalhou rápido. Me dei conta do comentário que fizera tempos atrás e que seguramente ele era já sabedor dele( não sei como contaram a ele....)
O que sei é que o Muratore estava uma fera....até que se acalmou....


3)
Ainda minhas desavenças com o coronel Paulo Muratore:

Num sábado, havia a visita costumeira das obras de implantação do trem metropolitano - que chamavam de inspeção - e quando eu cheguei para a reportagem vi que o clima não estava bom pro meu lado....

É que o presidente Paulo Genes Muratore havia tido um enfarte pouco antes e me atribuíram a mim a causa porque as matérias que eu fazia deixavam o presidente nervoso....

4) Durante a fase da implantação do trem, ali onde atualmente está a sede, havia um grande banhado. E os engenheiros iam com espingardas pra caçar aves que ainda existiam em abundância na região no começo dos anos 80 do século passado....


Histórias do Trensurb

 

 

5) Trabalhei na assessoria de imprensa da empresa.Fui despedido de lá porque uma tarde, uma colega( que ainda está na empresa) me ligou pra ZH avisando que fora desligada a energia elétrica no prédio administrativo por falta de pagamento.Cumprindo minha missão dentro do jornal, passei a pauta e um colega foi fazê-la. No dia seguinte, senti que minha sorte estava selada: " O Olides não perde por esperar" teria dito o presidente ao meu chefe do setor de imprensa...Uma manhã,quando fui trabalhar, me chamaram e me comunicaram que a empresa estava me despedindo....Choses de la vie ( coisas da vida....)

6) Guardo recordações daqueles anos todos em que ia diariamente " a repartição". Fiz ali um grande amigo, o dr. Fernando Degrazia que se tornou meu amigo de nunca falhar num aniversário meu. E sempre me presenteava com um champgne espanhol.....

7) Quando a quem me demitiu, também já saiu da Trensurb, que se tornou um grande meio de transporte na região metropolitana...

8) O povo na sua simplicidade chama o trem de SURB.....

 

 

Projeto de Lei do Vereador Celso A. Lopes

 

PROJETO DE LEI N°._______/2009
Autoria: Vereador CELSO A. LOPES

“DECLARA O GRUPO AMADOR DE ARTES “OS ANGÜERAS”, INTEGRANTE DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURA DE SÃO BORJA.”

Art. 1º - Fica declarado o Grupo Amador de Artes “OS ANGÜERAS”, integrante do Patrimônio Histórico e Cultural do Município de São Borja.

Art. 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.


Sala LEONEL BRIZOLA, 27 de Novembro de 2009.


Vereador CELSO A. LOPES
Líder da Bancada do PDT


Celso Lopes, autor do projeto de lei.


E X P O S I Ç Ã O D E M O T I V O S

Senhor Presidente;
Senhores Vereadores;
Senhora Vereadora:

Fundado em 10 de março de 1962, com atuação permanente nos campos da música, do teatro, da literatura regional e da pesquisa de folclore, o Os Angüreas - Grupo Amador de Arte, surgiu a partir do Departamento Cultural do chamado "Clube dos Dez" - grupo de amigos que se reuniam, periodicamente, com objetivos os mais variados.
O nome foi escolhido a partir da sugestão do poeta e historiador Apparício Silva Rillo. De origem Guarani, "Angüera" significa "espírito que volta" ou "alma que se devolve ao corpo", um pouco estranho a primeira vista, mas, logo, compreensível, pois o "Angüera" antes triste e caladão, virou cantador e tocador de viola, depois que os padres das Missões o batizaram e lhe deram o nome de Generoso e, assim, na mitologia missioneira "Angüera" pode ser considerado o patrono da música e da alegria gaúcha.

 


Os fundadores do Grupo foram: Apparício e Suzy Rillo; Carlos e Maria Moreno; José e Magda Bicca; Sady Santiago e sua noiva Ana Rosa; Darwey e Mariazinha Orengo; Telmo de Lima Freitas e Vicente Goulart.
De um desses encontros, surgiu a primeira música do Grupo: "Valsinha de Trazontonte" - Letra de Apparício Silva Rillo e Música de José Lewis Bicca. Logo em seguida a dupla compôs "Canto a Angüera" e, a partir daí, além das inúmeras canções publicadas, o Grupo encenou peças teatrais, montou jograis, realizou bailes e jantares, participou de inúmeros festivais nativistas, dentre eles, como registro histórico, destacamos a participação no mais antigo festival de música nativista do Rio Grande do Sul - Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana - com sendo o primeiro grupo a subir no palco para apresentar a primeira música (andarengo).


Celso Lopes, autor do projeto de lei.

Assim, antes mesmo do surgimento dos festivais o grupo já cantava e cultuava as coisas do Rio Grande. Fazendo, então, a partir disso, a construção de um repertório próprio, com letras de Apparício Silva Rillo e músicas de José Lewis Bicca.
Diante do exposto, solicito aos nobres pares a aprovação da presente Projeto de Lei.

Sala LEONEL BRIZOLA, 27 de Novembro de 2009.

Vereador CELSO A. LOPES
Líder da Bancada do PDT

 

" Corneta" corre solta dentro do PDT


Por incrível que possa parecer, ainda havia na Assembléla Legislativa na sexta,dia 5/3,setores do PDT que não apostavam na aliança do Fogaça com o deputado federal Pompeo de Mattos(PDT).

" Não é bem como a Zero Hora de hoje(dia 5/3 ) está dando, não! Vamos ver na segunda" dizia um destes integrantes do PDT que acha que ainda pode haver uma reviravolta dentro do partido.

 

 

O RELATO DRAMÁTICO DE UMA PORTOALEGRENSE NO TERREMOTO DO CHILE

 



A portoalegrense Ingrid Schumacher vai seguido a Santiago do Chile, porque tem lá um neto. Desta vez ela pegou o terremoto do sábado retrasado. Eis um pequeno relato;

" Estive no Chile de 26 de fevereiro a 3 de março. Passei por algo que para mim foi semelhante ao 11 de setembro de Nova York.

Ainda estava num hotel na rua Pedro de Valdívia,esquina av. 11 de Setembro, pode?

Cá estou sã e salva!!!!

Voltei com meu neto Miatã no primeiro voo da TAM que veio para o Brasil por um golpe de sorte. Senão estaria lá até hoje.

Estou ainda meio estonteada até a cama parece que sacode quando eu deito pois as réplicas não pararam nunca. Até no aeroporto de Santiago, com check-in e imigração feitas em barracas, eu senti o solo tremer".

 

O índio de São Borja!!!!

foto de Eduardo Belmonte

o índio que veio do Nordeste está acampado na Praça XV de Novembro, de S. Borja(RS)

 

Pois o Eduardo Belmonte, o conhecido radialista PRATO FINO, da rádio Cultura AM, me chamou pra praça XV de Novembro, porque ele queria que eu conhecesse um tipo espetacular que anadava por lá, diz ele que o " índio" é do Norte,ou Nordeste e está acampado por lá há dias. Só o Belmonte pra ficar batendo papo numa segunda de tarde com um índio em plena praça de S. Borja....Mas o Belmonte sabe tudo o que acontece na cidade, principalmente na área policial,tanto que de manhã dá um banho de cobertura no programa de maior audiência da região que a rádio leva ao ar....apresentado, pelo Arce.


Coleguinhas

 


* Chargista Marco Aurélio, de ZH, regressou sábado,dia 6/3 dos USA.Foi passar férias com as 3 filhas que lá residem. Esperamos que reassuma logo porque o que o substituiu é uma " BOMBA" , COMO DIZIAM LÁ EM SERAFINA....


*SERGINHO ROSS RECLAMOU QUE estou falando muito de S. Borja no meu blog. Ué,engraçado,quando dava páginas do Cloraldino Severo na Zero Hora, que ele assessorava , então ele não reclamava, achava legal...

* Caco Barcellos está no Haiti preparando uma reportagem paraq seu programa na TV Globo sobre terremotos. Tem experiência porque cobriu o da Guatemala, em 1975, junto com a fotógrafa Avani Stein e com Licinio Azevedo.Marcos Faermann, que era do jornal da Tarde, do Grupo do Estadão, se encantou com a cobertura e sairam cinco matérias sobre o tema. Avani foi pra Guatemala e estava grávida do filho, Ian...

* Caco Barcellos esteve dia 3/03 em Porto Alegre para enterro do tio, Zezinho, que morreu vítima de um câncer aos 67 anos.....


Parabéns

Olides,

Parabéns por ter publicado a carta do Tostão. Concordo plenamente com ele. Dinheiro público não é para encher as burras de jogador de futebol, principalmente quem joga na seleção, e que são os que jogam em grandes clubes, pois eles ganham muita grana, sim. Se não sabem aplicar e conservar, problema é deles.

Sobre a carta da professora portuguesa, tenha dó, né? Faltou classe e ética a ela, pois se a intenção era responder as bobagens ditas pela Maitê Proença tudo bem. Porem, misturar alhos com bugalhos, ofendendo um Presidente da República, mostra falta de categoria e de educação, principalmente. Independente o que seja esse presidente, verdadeiros ou não seus argumentos, ela devia respeitar o homem que é a maior autoridade de um país, até porque nós nunca seríamos capaz de partir para a ignorância, por causa de uma atitude leviana de alguém, e passar a ofender o presidente ou o primeiro ministro de Portugal.

Esqueceu de registrar o aniversário do teu grande amigo Caco Barcellos, ocorrido na última sexta-feira?

abs/Josi

 


Morreu o cantor nativista Leonardo...( Jader Murici Teixeira)

 

 

Neste domingo, como faço sempre,liguei o rádio na Guaíba pra ouvir o Leonardo, mas notei que estava reprisando o progranma dele de 21 de fevereiro, que eu havia escutado. Temi pelo pior...quando dão reprises, assim, não é bom sinal...logo em rádio...Pois em seguida uma voz de um locutor dizia que este o útlimo programa, mas o locutor não dizia que o Leonardo já tinha passado desta para uma melhor. Só ouvi isto no noticiário das 8 horas, na própria Guaíba....

Gostava do Leonardo. Tinha um jeito tosco de ser, mas de longe me parecia muito autêntico. Não privei com ele por isto não posso dar maiores testemunhos. Estou falando apenas como ouvinte do seu programa Província de São pedro na Guaíba que já tem 3 anos, por sinal....


O Leonardo tem outros sucessos, como Viva a Bombacha, mas a sua música " maldita" ou seja aquela pela qual ele será sempre lembrado e não adiantaria ele fazer muitas outras, é o Céu,Sol.,Sul, Terra e Cor.....Vamos convir que pra quem se criou no interior de pés descalsos esta música tem muito a dizer...Eis então a letra para nos lembrarmos do cantor nativista.


Céu, Sol, Sul, Terra e Cor....

Eu quero andar nas coxilhas
sentindo as flexilhas das ervas do chão

Ter os pés roseteados de campo,

Ficar mais trigueiro com o sol de verão.

Fazer versos cantando as belezas
Desta natureza sem par.

E mostrar para quem quiser ver
Um lugar para viver sem chorar...


É o meu Rio Grande do Sul]
]Céu, Sol.Sul, Terra e Cor

Onde tudo o que se planta cresce

E op que mais floresce é o amor.

Eu quero me banhar nas fontes

E olhar os horizontes com Deus,

sentir que as cantigas nativas

continuam vivas para os filhos meus.


Ver os campos florindo

E crianças sorrindo felizes a cantar!

E mostrar para quem quiser ver


Um lugar para se viver sem chorar.....

 

Foto histórica de CHE!!!!

 

Esta era a foto do Guevara que quando jovens colocávamos nas paredes....Eu tinha uma pintada por um hippie numa praça do centro de Porto Alegre e que a colocava na parede do quartinho da JUC-5 onde morava. Ainda estes dias o Marieto Migliavacca referiu-se a ela, dizendo que os demais colegas temiam pela segurança por causa desta foto e de outras....

 

Completam-se hoje 50 anos que foi batida a histórica foto de Ernesto Che Guevara que, até hoje, é reproduzida em bandeiras, camisetas, adesivos, por toda parte do mundo. Seu autor é Alberto Díaz Gutiérrez, mais conhecido por Alberto Korda, que a tirou em 5 de março de 1960, durante os funerais das vítimas do navio francês “La Coubre”, explodido por trazer armas compradas pelo Governo cubano na Bélgica, depois da recusa dos EUA e da Inglaterra. Korda fotografou por anos a trajetória de Fidel Castro. Mas ele próprio dizia que era mais difícil trabalhar com Che, a quem diz que “doía” ser fotografado. E foi justamente com ele que fez a foto mais reproduida na história.

(material do blog - O Tijolaço)

 

A solidariedade mineira de Aécio a Serra

 

 

O jornal O Estado de Minas, francamente pró-Aécio, publica hoje um artigo que é um primor de crueldade, com a melhor pimenta mineira. Não está abertto na internet, mas vou transcrever alguns trechos, que demonstram como o clima entre o “aecismo” é qualquer coisa, menos favorável a apoioarem José Serra.

Leiam este artigo-editorial,”A voz das Gerais”.

Na inauguração da Cidade Administrativa Tancredo Neves – evento milimetricamente coreografado para exaltar a importância de Minas no cenário político nacional e a musculatura de Aécio no jogo sucessório –, Serra, que ainda reluta em assumir a candidatura e vê ameaçada a sua liderança nas pesquisas de intenção de voto, foi pressionado durante duas horas, na frente de 8 mil pessoas, a ceder a vaga ao colega mineiro. Ao lado de Aécio, por três vezes, um impassível Serra ouviu um coro de milhares de pessoas a gritar: “Aécio presidente, Aécio presidente, Aécio presidente… ”. (…)

É muito provável que Serra soubesse da arapuca mineira. E provável também que tenha decidido encará-la por pura falta de opção, já que ele corteja Aécio e os 14.187.471 votos de Minas, segundo colégio eleitoral do país. O governador paulista, contudo, talvez que não imaginasse que seria massacrado pelo “espírito de Minas”. Sim foi um massacre de signos.

Já na chegada à Cidade Administrativa, o governador paulista foi bombardeado com a visão de mais de 400 bandeiras do estado hasteadas na rodovia MG-010. Depois, ao caminhar ao lado do governador mineiro até as cadeiras reservadas às autoridades, Serra viu que Minas até podem ser muitas, mas o candidato do estado é um só: Aécio. Foram certamente os 100 metros mais difíceis para Serra nos últimos anos. No trajeto, ele escutou o hino do estado (Oh! Minas Gerais…) misturado a um lúgubre repicar de sinos, passou debaixo da lança dos Dragões da Inconfidência e assistiu o governador mineiro ser ovacionado pela plateia da casa. Ainda na metade do percurso, os signos foram substituídos por um recado mais explícito: milhares de vozes a gritar: “Aécio presidente, Aécio presidente, Aécio presidente… ”. No edifício Tiradentes, debaixo do maior vão livre do mundo, com 147 metros, Serra não mexeu um músculo da face. Mas para quem alimentava a esperança de ter o governador mineiro como seu sub, foi um nocaute.
Já sentado, o governador paulista teve de engolir mais símbolos, como a música Peixe Vivo (a preferida de JK), um áudio com a voz de Tancredo (“O primeiro compromisso de Minas é com a liberdade…”) e um vídeo institucional com o bordão publicitário do governo do estado: “Minas mostra o caminho”. Era só um slogan, mas parecia provocação.(…)

No palco, um orgulhoso Aécio Neves anunciou: “Temos aqui hoje as maiores autoridades da República”. De fato, lá estavam o vice-presidente da República, José Alencar, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, seis governadores e dezenas de deputados federais e senadores – todos a testemunhar o suplício de Serra. Ainda no começo de sua fala, o governador de Minas foi mineiramente solidário com o colega. Primeiro, tratou-o por “grande companheiro e amigo”. Depois, resgatando-o da vexação, saudou-o: “Seja muito bem-vindo a Minas Gerais”. Serra então foi aplaudido – mas não pelo deputado e pré-candidato a presidente Ciro Gomes (PSB), o arquirival do governador paulista que fora caprichosamente posicionado a dois metros dele.(…)

(…)Serra foi então tragado pela multidão e pelas autoridades que se dispersavam. Foi-se embora sem discursar (não foi convidado a fazê-lo) e sem dar uma entrevista coletiva para a imprensa (não quis). Talvez tenha voltado para São Paulo com as palavras de Afonso Arinos, também repetidas por Aécio, a torturar-lhe o coração: “Minas é fatal e decisiva”. Quisera Serra que fosse decisiva, mas pelo espetáculo de ontem tudo indica que será fatal.

Diante deste texto “aecista”, quem não conhecesse o jeito amigo dos mineiros podia achar que Otto Lara Resende estava sendo suave com aquela sua frase de que só seriam solidários no câncer. Mais veneno que isso, só com formicida no tutu com couve.


(material do blog - O Tijolaço)

 

Sucessão presidencial

 

Olides

Olha só o que esta correndo em Brasília. Contam que o FHC esteve em Minas para saber se o Serra se acertou com o Aécio. Quando soube que o Aécio não estava decidindo nada,FHC simplesmente se ofereceu para ser o candidato a Presidência.
Isto que estou te contando não é piada nao.O homem sonha hà muito tempo com a sua volta à Presidencia.
Olides,como tu sabes,eu continuo com o Lula na cabeça...Eu acho que vamos aguentar o cumpanheiro por mais uns 15 anos...
Agora falando em roubalheira,a história que se ouve aqui é de que o Arruda,teria exagerado nas doses de remédios e teria tido um piri-pac.Dizem os mais afobados que o homem teria tentado o suicidio mesmo...

Sergio


Dica!

 

 

Entrem no site da Laura Peixoto pra ver as fotos da região do Vale do Taquari. O texto também tá muito bom,emocionado. Aliás, o consul norteamericano, Douglas Neumann, que acabou nos " roubando " a Virgínia Rigatto sempre ia praaquelas bandas de carro porque dizia que era a região mais bonita do Estado, ou seja, o Vale do Taquari. Pra Douglas, a região lhe lembrava o interior da Alemanha, onde ele tinha servido como diplomata.

Então, não percam as fotos da Laurinha, embora ela tenha esquecido não sei o que lá e deixado de fazer todos dos túneis. Lamento apenas que ela não mencionou Serafina!

 

 

O autor e a equipe desejam aos leitores um bom fim de semana!

 

São Borja

 


Agora simmm!!!!
Gostei de ver o nome direitinho no blog... heheheh... até que um dia...
Já estava pensando em te chamar de "Portim" (recepcionista do hotel) dos blogs...
Forte abraço Olides!
Letier

Coleguinhas

 


" Caçapava" era portoalegrense!!!!!


o laboratorista Caçapava

Na redação da Zero Hora, havia um laboratorista que todos conheciam por "caçapava" mas que era portoalegrense. Tratava-se do Jorge Euclides dos Santos, o " Caçapava" que era laboratorista e trabalhava com o Telminho Cúrcio da Silva.

" Caçapava" era filho de Deoclides Querino dos Santos e de Júlio Oliveira.

" Caçapava" nasceu em 17.11.1955 em Porto Aalegre. Sua esposa é(ou era) Maria Albertina( 12.04.1955) e tinha duas filhas Sherlei( 02.02.1978) e Sheila( 29.10.1977).

Não tenho mais notícias do coleguinha, mas deve estar aposentado!

 

O gol que o Tostão acabou de marcar foi o maior da sua carreira. Parabéns.

 



25/09/09 - 18h - Presidente Lula define prêmio para jogadores que venceram a Copa do Mundo; valor pode chegar a 465 mil reais
O presidente Lula e a Associação dos Campeões Mundiais do Brasil negociam aposentadoria e indenização para os atletas da seleção que ganharam Copas do Mundo. O benefício valerá inicialmente aos ex-jogadores de 1958 e se estenderá, posteriormente, a quem atuou nos Mundiais de 1962, 1970, 1994 e 2002. Reunião na Casa Civil discutiu as cifras a serem pagas aos campeões. Inicialmente, o valor negociado para cada um gira em torno de mil salários mínimos, no caso da indenização (465 mil reais), e de dez salários mínimos (4.650 reais), o teto da Previdência, para a aposentadoria. A expectativa é que o anúncio da nova medida seja feito pelo governo na próxima semana.

O texto abaixo foi escrito por TOSTÃO, ex-jogador de futebol, comentarista esportivo, escritor e médico, e foi publicado em vários jornais do Brasil:
Tostão escreveu:-
Na semana passada, ao chegar de férias, soube, sem ainda saber detalhes, que o governo federal vai premiar, com um pouco mais de R$ 400 mil, cada um dos campeões do mundo, pelo Brasil, em todas as Copas.

Não há razão para isso. Podem tirar meu nome da lista, mesmo sabendo que preciso trabalhar durante anos para ganhar essa quantia.

O governo não pode distribuir dinheiro público. Se fosse assim, os campeões de outros esportes teriam o mesmo direito. E os atletas que não foram campeões do mundo, mas que lutaram da mesma forma? Além disso, todos os campeões foram premiados pelos títulos. Após a Copa de 1970, recebemos um bom dinheiro, de acordo com os valores de referência da época..

O que precisa ser feito pelo governo, CBF e clubes por onde atuaram esses atletas é ajudar os que passam por grandes dificuldades, além de criar e aprimorar leis de proteção aos jogadores e suas famílias, como pensões e aposentadorias.

É necessário ainda preparar os atletas em atividade para o futuro, para terem condições técnicas e emocionais de exercer outras atividades.

A vida é curta, e a dos atletas, mais ainda.

Alguns vão lembrar e criticar que recebi, junto com os campeões de 1970, um carro Fusca da prefeitura de São Paulo. Na época, o prefeito era Paulo Maluf. Se tivesse a consciência que tenho hoje, não aceitaria.

Tinha 23 anos, estava eufórico e achava que era uma grande homenagem.

Ainda bem que a justiça obrigou o prefeito a devolver aos cofres públicos, com o próprio dinheiro, o valor para a compra dos carros.

Não foi o único erro que cometi na vida. Sou apenas um cidadão que tenta ser justo e correto. É minha obrigação.

Tostão

Ecos da ida a Rio Pardo....

 

 

* O Mello, que já foi presidente da Epatur, e hoje edita um jornal da Zona Sul de Porto Alegre, foi no começo da sua profissão da gravadora Odeon, aqui no RS. E a Odeon tinha entre seus artistas o falecido cantor missioneiro Noel Guarani. Uma vez, recordou Mello, ele estava em casa e recebeu a visita do ilustre cantor. Mas o Guarani não era muito dado a bons modos, tanto que segundo conta o próprio Mello " ele reclamou que me encontrou na minha casa de bermuda e de camiseta".
Já de outra feita, a Odeon,ainda segundo Mello,prestou uma homenagem a seu artista no bar do Citi Hotel, no centro da capital. "Mas o Guarani falou mal a noite toda da gravadora, de como ela explorava os artistas" recordou o jornalista.


* Já durante a viagem - ou alegre excursão de integrantes da ARI - para ver a expoagro de Rio Pardo, Antônio Goulart contou como conheceu sua esposa, a Maria do Carmo.

- Ela trabalhava na Varig e foi a Vacaria para um rodeio. Foi ali que nos conhecemos, recordou o Goulart que é originário de PINHEIRO GROSSO, no interior de Vacaria....Nenhuma ilação com o jeito do nosso coleguinha de ser,né....

*A Jananína ou " Jana" para os íntimos, neta do Chargista Sampaulo,reapareceu depois de um longo tempo ausente. Prometeu ir nas tertúlias do chimarrão da turma da ARI das quartas...

*Antônio Goulart, por sinal, aproveitou a ida a Expoagro e comprou uma cachaça e um licor pra turma das quartas na ARI...

* Próxima excursão da ARI provavelmente será dia 30/03 para Derrubadas, no salto do Yucumã....

Um dos Netos de Getúlio, Getúlio Vargas Neto,
concorre ou não ?

 

 

Pois sua presença no último dia 1/3 em S.Borja pelas efemérides do nascimento de João Goulart foram interpretadas por alguns como a possibildade de que o filho de Maneco Vargas e Vera Tavares venha a tentar uma vaga a deputado estadual pelo RS.

foto de Eduardo Belmonte(local da foto: av. Getúlio Vargas, centro de S. Borja)

Getulio Vargas Neto, o último da esq. para a direita, será candidato,afinal?

Já outros integrantes do PDT descartam qualquer hipótese de que " Getulinho" - como é conhecido - venha a ser candidato:

foto de Eduardo Belmonte.

Getulinho no museu do seu avó, em S. Borja, assina livro de presenças. Ao seu lado o prefeito sanborjense,Mariowane Weis e o deputado federal Vieria da Cunha(PDT)


- A mim ele garantiu que não vai concorrer,disse um integrante do PDT que está particularmente interessado no assunto, porque é candidato e conta com arrancar da região com uma boa votação.

Coleguinhas

 

* Ieda Risco, além da rádio Guaíba, estaria prestando assessoria de imprensa para a Brigada Militar....

 

Os 20 anos da morte do "CAVALEIRO DA ESPERANÇA"

 


Neste dia 7/3/2010 completam-se 20 anos da morte do líder comunista Luiz Carlos Prestes, o conhecido Cavaleiro da Esperança, que liderou a chamada Coluna Prestes, dos anos 20, do século passado.Prestes nasceu em Porto Alegre no dia 3 de janeiro de 1898. Tinha quatro irmãs. Faleceu no Rio de Janeiro em 7 de março de 1990, aos 92 anos.

O autor conheceu o líder dos comunistas que sempre se hospedava na casa de José Antônio Ribas Pinheiro Machado( Tonico,deputado gaúcho eleito pelo Partido Comunista em 1947,depois cassado quando o PCB foi posto na clandestinidade). Quando Prestes regressou do seu longo exílio, vinha muito ao Sul e seguidamente fazia reuniões políticas.
Tinha hábitos espartanos:acordava muito cedo,lia os jornais do dia,tomava café e depois partia para seus compromissos.
Não era de muita festa e nem de badalação. Gostava que o chamassem de " senador", ao qual ele fora eleito em 1945.

Prestes deu duas memoráveis entrevistas à imprensa gaúcha: uma a Tânia Carvalho, na TVE e outra a Flávio Alcaraz Gomes, na rádio Gaúcha. A segunda " sobreviveu" mas a primeira foi mandada " apagar" pelo presidente da TVE, Leonid Streliaev , o UDA, surpreendentemente durante o Governo de Alceu de Deus Collares. É que Uda e Tânia Carvalho, a quem ele somente mencionava dizendo um palavrão, não se davam....Disputavam uma beleza bonitaça dentro da TVE...

Reproduzo um pequeno depoimento da sua companheira Maria Prestes para registrar a data:

 

O GOVERNO DA HISTORIA

Nas entrelinhas da trajetória da nossa família sempre existirá algo nunca revelado,qualquer coisa escondida pela força do confronto entre ideologias,nações, classes sociais e revoluções que tragaram o século XX. No sofrimento deste núcleo dilacerado, o enigma de uma força sempre se fez renascer após prisões, exílios,clandestinidade e guerras.

Nossa família conheceu, por amigos e parentes, os campos de concentração satinistas e a barbárei ocidental de Hitel a Pinochet, experimentou na própria pele a perseguição do anticomunismo latino-americano que levou à morte centenas de companheiros.


Sobreviveu, se multiplicou, mas nenhum romance, reportagem ou poema escrito por autores como Jorge Amado, Fernando Moraes e Pablo Neruda tocou nesse lado oculto da luta contra a exploração do homem pelo homem e a opressão do Estado, seja ele capitalista ou socialista


O ideal de tomar o poder aos poderosos e fazer dele um instrumento de defesa da vontade do povo dirigiu o levante armado em 1935, a campanha pela legalidade do PCB em 1945, a eleição de Prestes para senador, dezenas de anos de lutas clandestinas, o movimento contra o golpe militar de 1964 e os esforços de autocrítica e combatividade rev olucionária nos anos 80.

Esse mesmo ideal de defender o poder do povo trabalhador levou os nossos filhos que vivem em Moscou a apoiar as barricadas em frente ao parlamento russo para garantir a legalidade, violentada numa tentativa de golpe militar em agosto de 1991.

Por ironia do destino, a abertura dos arquivos do Comitê de Segurança do Estado, o KGN, em Moscou, após o fracasso desse golpe, trouxe à tona centenas de docmentos sobre a trajetória da família Prestes. Documentos tão rev eladores quanto os que hoje estão à disposição de historiadores nas dependências do Serviço Nacional de Informações, SNI.


Meu companheiro Luiz Carlos Prestes nunca foi governo. Ao longo de sua vida de 92 anos elaborou o mito do herói trágico do nosso século. Nunca abrindo mão de suas idéias, se fez igual àqueles que souberam levar adiante o sonho da irmandandade espiritual da humanidade.

Conhecer a experiência de quem seguiu seus passos na intimidade é se aproximar dos segredos dos homens que ao morrerem se transformam em estrelas.

Para mim, uma pobre representante dos camponeses deserdados do Nordeste, é fascinante saber que entre os astros que estão em movimento no infinito da história está o homem que com seu carinho e paixão fez minha vida atravessar esse labirinto de imprevistos.

Não foi a sorte que nos protegeu como um passe de mágica. No meio desse fogo centrado sobrevivemos, porque como ninguém soubemos amar a vida como ela é....

O TESTAMENTO DE PRESTES!

Ainda do livro da Maria Prestes - Meu Companheiro, 40 anos ao lado de Luiz Carlos Prestes -extraio este depoimento que Prestes deu,segundo sua esposa,durante um almoço de um domingo. Serve como um testamento:

- Um dia, quando a humanidade construir uma sociedade igualitária, todos terão liberdade para fazer qualquer coisa.

Quem quiser fumar maconha, vai fumar. Homem que quiser casar com homem, vai casar. Quem desejar morar em outro planeta, vai morar, como quem quiser resgatar os valores humantiários e viver sua ideologia assim o fará.

Mas essas coisas virão sem repressão religiosa,policial,ditatorial ou política. Nessa época a humanidade estará livre dos preconceitos que infernizam sua trajetória.

Quem sabe sou o último comunista no Brasil, na América Latina e no mundo. Não tem importância. Como comunista morrerei convicto de que só há uma possibilidade para salvar a humanidade da miséria e da fome - socializando os meios de produção, colocando-os a serviço da sociedade. Se o socialismo real errou, isso não significa que o capitalismo acertou. Ninguém vai tirar de mim o direito de ser comunista, marxista-leninista e revolucionário. Os que são frouxos que abram mão de seus ideiais.


Essa fala,relata Maria Prestes em seu livro, veio espontaneamente no final de um almplo de domingo. Ao redor da mesa da sala estavam alguns de nossos filhos e netos. Emocionados, sentimos naquele dia oq uanto o Velho desejava romper com as amarras dos preconceitos que infernizaram sua trajetória.

Como de costume, ele jogou as cascas de laranja no lixo e colocou seu prato sujo no canto da pia. Em seguida saiu da cozinha com as mãos no bolso assoviando bem baixinho seu hino preferido, o da Bandeira.
Gentilmente me beijou, deu boa-tarde para todos e foi para o escritório continuas suas leituras.

Eis então a letra do hino da Bandeira

Salve lindo pendão da esperança!

Salve símbolo augusto da paz!


Tua nobre presença à lembrança

A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil.
Querido símbolo da terra,
da amada terra do Brasil!


Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul

Recebe o afeto que se encerra

Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,

Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,

Compreendemos o nosso dever
E o Brasil por seus filhos amado,

poderoso e feliz há de ser!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil

Querido símbolo da Terra

da amada terra do Brasil

Sobre a imensa nação brasileira
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre ,sagrada bandeira

Pavilhão da Justiça e do amor!


Recebe o afeto que se encerra

Em nosso peito juvenil


Querido símbolo da terra

Da amada terra do Brasil.

Um depoimento de quem conheceu o líder comunista!

 


Oi Olides

Um depoimento breve poderia ser esse:

Luiz Carlos Prestes era uma figura humana impressionante. Na convicção de suas idéias, na coerência de sua vida, na honestidade de propósitos e no amor pela Humanidade e pela Vida. Tive o privilégio de conhecê-lo pessoalmente e conversar algumas vezes com ele. Era um homem extarordinário, um gigante moral e político. O maior líder revolucionário que o Brasil conheceu. As novas gerações deveriam de conhecer melhor sua História e suas idéias, ainda atuais. Prestes deixou um legado político e moral às novas gerações, que pretendo seguir sempre. A melhor referência sobre esse legado está no sítio: http://www.ilcp.org.br/

ABraço, Caco Pinheiro Machado

Outra coisa: A Câmara de Vereadores aprovou a construção do Memorial Prestes, projetado por Oscar Niemeyer, pela FGF. Acontece que a FGF queria um terreno para sua sede, e não havia dinheiro para contruir o Memorial. Então fizemos um acordo, que a CV fez lei, de que a FGF pode usar metade do terreno destinado ao Memorial para construir sua sede, na condição de construir o Memorial. O terreno original tem 140 x 70m, então cada um ficará com um terreno de 70x70m.

Abraço, Caco.

 

 

Vereadores querem conhecer cronograma para a Lei das Carroças

 

A Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana da Câmara (Cedecondh) discutirá, na próxima terça-feira (9/3), a regulamentação da chamada Lei das Carroças, em vigor há um ano e meio. Na reunião, sugerida pelo vereador Sebastião Melo (PMDB), os vereadores pretendem saber da prefeitura quais ações já foram implantadas, assim como avaliar os planejamentos e prazos.

A lei aprovada pela Câmara estabelece prazo de oito anos para a retirada gradativa das carroças das ruas de Porto Alegre, com políticas de inclusão social aos carroceiros. Foram convidados a participar a Secretaria Municipal de Governança Local, Smic, Smam, Secretaria Municipal da Saúde, Secretaria Municipal de Segurança Urbana, SMGAE, DMLU, EPTC, Fasc, Smed, Demhab, GVP, PGM e Ministério Público Estadual. O início está previsto para as 14h, na sala 302 da sede do Legislativo municipal (Av. Loureiro da Silva, 255).

Vítor Bley de Moraes (reg. prof. 5495)

 

Candidaturas....

 

* Pelos corredores da Assembléia Legislativa do Estado, o assunto ontem,dia 4/3 era só um: que a Ana Amélia Lemos teria pedido desligamento da RBS pra ser candidata ao Senado pelo PP(Partido Progressista).

* Alguns funcionários do PDT demonstram que são Fogaça desde " criancinhas"....

Carta de uma professora portuguesa

 



Antes de lerem a carta da Dra. Mafalda Carvalho, Professora Doutora da
Universidade de Coimbra, endereçada à Maitê Proença, algumas observações
sobre as razões da missivista:


1) Maitê Proença disse no programa "Saia Justa" umas gracinhas sobre a
inteligência dos portugueses. Fez comentários descabidos sobre a História de
Portugal, sobre tradições portuguesas que ela desconhece, sobre o estuário do
Rio Tejo, reduziu Sintra a uma vilazinha, criticou e ridicularizou o atendimento
a seu PC pelo pessoal do hotel onde estava hospedada... e por aí afora.


2) O programa passa em Portugal e causou um grande mal estar lá na "terrinha".
Quando foi execrada pelos portugueses, no seu pedido de desculpas ainda disse que o povo Português não tem senso de humor. Que foi "apenas" uma
brincadeirinha.

3) É o que dá quando a pessoa fala sem conhecimento de causa. Esta professora portuguesa além de escrever muito bem, acabou com a Maitê Proença e de quebra, com os nossos representanres em Brasília,
protagonistas de um vasto anedotário.

4) Leia até o fim, pois a postura da Professora é excelente e nós..... temos
que ficar caladinhos....

5) É isso que dá, alguém despreparado emitir conceitos sobre assuntos que
não domina, com apoio dos alienados das redes de TV Brasileira, que se
consideram o máximo em cultura ..


6) E temos que engolir calados e com humildade o desabafo dessa senhora
portuguesa, generalizando e nivelando todos os brasileiros. Mesmo porque ela
não diz nenhuma inverdade.


7) A que ponto chegamos! Não temos mais nem o direito de nos indignar.
Pobre Brasil! É o declínio moral de uma Nação.


CARTA-RESPOSTA DE UMA PROFESSORA E
DOUTORA PORTUGUESA PARA MAITÉ PROENÇA


Exma. Senhora:

Foi com indignação que vi a ‘peça cómica’ que fez em
Portugal e passou no programa Saia Justa em que participa. Não que me espante
que o tenha feito – está à altura da imagem que há muito tenho de si, pelo
que me tem sido dado ver pelos seus desempenhos – mas sim pelo facto da TV
Globo ter permitido que tal ignorância fosse para o ar.

Só para que possa, se conseguir, ficar um pouco mais esclarecida:
A ‘vilazinha’ de Sintra é património da Humanidade, classificada pela
UNESCO e unanimemente reconhecida como uma das mais belas e bem preservadas cidades históricas do mundo;

Em Portugal, onde existem pessoas que olham para o mouse do seu
computador como se de uma capivara se tratasse, foi onde foi inventado o
serviço pré-pago de telefones móveis (os celulares) – não existia nenhum
no mundo que sequer se aproximasse e foi também o que inventou o sistema
de passagem nas portagens (pedagios, se preferir), sem ter que parar –
quando passar por alguma, sem ter que ficar na fila, lembre-se que deve isso aos portugueses.

É um dos países do Mundo com maior taxa de penetração de
computadores e serviços de internet em ambiente doméstico. É o único país
do mundo onde TODAS as crianças que frequentam a escola têm acesso directo a um computador (no próprio estabelecimento de ensino) – e em Portugal TODAS as crianças vão à escola... Muitas delas até têm um computador próprio,
para seu uso exclusivo, oferecido ou parcialmente financiado pelo Ministério
da Educação – já ouviu falar do Magalhães? É natural que não... mas
saiba que é uma criação nossa, que está a ser adquirida por outros países.
Recomendo-o vivamente – é muito simples e adequado para quem tem poucos
conhecimentos de informática.

Somos tão inovadores em matéria de utilização de tecnologia
informática e web nas escolas, que o nosso caso foi recomendado por
especialistas americanos, como exemplo a seguir, a Barack Obama, que é só o
Presidente dos Estados Unidos – ao Sr. Lula da Silva tal não seria oportuno,
porque ele considera que a Escola não é determinante no sucesso das pessoas
(e, no Brasil, a julgar pelo próprio, tem toda a razão).

A internet à velocidade de 1 Mega, em Portugal há muito que é
considerada obsoleta – eu percebo que não entenda porquê, porque no Brasil
é hoje anunciada como o grande factor diferenciador a transmissão por cabo
que já não nos interessa. Já estamos noutra – estamos entre os países do
mundo com a rede de fibra óptica mais desenvolvida.E nesse contexto 1 Mega é
mesmo uma brincadeira.

O ditador a que se refere – o Salazar – governou, infelizmente,
‘mais de 20 anos’, mas para a próxima, para ser mais precisa, diga que
foram 48 (INFELIZMENTE, é mais do dobro de 20). Ainda assim, e apesar do muito
dano que nos causou a sua governação, nós, portugueses, conseguimos em 35
anos reduzir praticamente a ZERO a taxa de analfabetos e baixar para cifras
irrisórias o nível de mortalidade infantil e de mulheres no parto onde
estamos entre os melhores do mundo.

Criar uma rede viária que é das mais avançadas do mundo – em
Portugal, sem exceder os limites de velocidade e sem correr risco de vida,
fazemos 300 km em duas horas e meia (daria tanto jeito que no Brasil também
fosse assim!).

Melhorar muito o nível de vida das pessoas, promovendo salários e
condições de trabalho condignos. Temos ainda muito para fazer nesta matéria,
mas já não temos pessoas fechadas em elevadores, cuja função é apenas
carregar no botão do andar pretendido – cada um de nós sabe como fazê-lo e
aproveitamos as pessoas para trabalhos mais estimulantes e úteis; também já
não temos trabalhadores agrícolas em regime de escravatura – cada pessoa
aqui tem um salário, não trabalha a troco de um prato de comida.

Colocar-nos na vanguarda mundial das energias renováveis, menos
poluentes, mais preservadoras do planeta; enquanto uns continuam a escavar
petróleo, nós estamos a instalar o maior parque de energia eólica do mundo
(é a energia produzida a partir do vento).

Poderia também explicar-lhe quem foi Camões, Fernando Pessoa, etc.,
cujos túmulos viu no Mosteiro dos Jerónimos, mas eles merecem muito mais.

Ah!, já agora, deixe-me dizer-lhe também que num ponto estou muito
de acordo consigo: temos muito pouco sentido de humor. É verdade. Não
acharíamos graça nenhuma se tivéssemos deputados a receber mesada para
votarem num certo sentido, não nos divertiria muito se encontrassem dirigentes
políticos com dinheiro na cueca, não nos faria rir ter senadores a construir
palácios megalómanos à conta de sobre-facturação do Estado, não
encontramos piada quando os políticos favorecem familiares e usam o seu poder em benefício próprio. Ficaríamos, pelo contrário, tão furiosos, que os
colocaríamos na cadeia. Veja só – quanta falta de humor. Mas, pelo
contrário, fazem-me rir as sessões plenárias do senado brasileiro. Aqui em
Portugal , e estou certa que em toda a Europa, tal daria um excelente programa
de humor.

Que estranho, não é?

Para terminar só uma sugestão: deixe o humor para quem no Brasil
o sabe fazer com competência (e há humoristas muito bons no Brasil). Como
alternativa, não sei o que lhe sugerir, porque ainda não a vi fazer nada que
verdadeiramente me indicasse talento...

Peço desculpa por não poder contribuir..

Mafalda Carvalho - Professora Doutora da Universidade de Coimbra




Observação

 


Informem, por favor, a doutora de Coimbra, com todo respeito, que a Maitê Proença é muito mais esperta que ela: o pai de um de seus filhos é um Marinho,herdeiro da Globo!!!! E estamos conversados....( o editor)

 

 

São Borja

 

O meu amigo Letier protesta que errei seu nome.....E quer que publique as fotos dos " loucos" de nS. Borja. Depois eu vou me incomodar, ser declarado em sessão solene na Câmara Municipal " persona nom grata" da Terra dos Presidentes...Então, tá vou publicar as fotos, a pedido de vocês,aí.(Olides)!!!

Olá Olides!!
Mais uma vez errou meu nomeeeeee... NÃO LANTIER é LETIER...
Mas o que me motiva a escrever pra ti não é esse... queria saber da foto com os "LOUCOS"... hehehehe
Falei com o Belmonte... ele disse que mandou pra vc...
Abraço!


Letier

São Borja II

 

Tá bueno!
E como te foi a volta? Sem "quebra-molas"?
Teu livro sobre as cidades é show de bola... bem engraçado.
Abraço!

 

Memorial de Jango recebeu oito fotos para seu acervo

 

Coube a Neuza Penalvo fazer a entrega das oito fotos cedidas pelo fotógrafo Alfonso Abraham(Espanhol) fotos estas que foram feitas pelo José Abraham Diaz( Espanhol) nos anos 60 na manhã do último dia 01/03/2010. A entrega foi feita ao prefeito Mariowane Veis(PDT), de São Borja.

Foto Belmonte

Neuza Penalvo mostra fotos de Jango doadas ao Memorial pelo fotógrafo Alfonso Abraham (Espanhol)

Inaugurado em primeiro de outubro de 2009, o Memorial do Jango, fica na avenida Getúlio Vargas,esquina com Félixa da Cunha. Ali Jango viveu nos tempos de sua juventude.Outra coincidência: Neuza Penalvo também residiu ali, até que o imóvel foi desapropriado para ser transformado no primeiro museu sobre o ex-presidente do país.

Coleguinhas

 

* Júlio Cesar Dreyer Pacheco, da Rede Vida, está direto em Rio Pardo, no evento da AFUBRA( dos pequenos agricultores)


* Antônio Goulart e Ayres Cerutti querem reativar o Jornal da ARI...

* Afubra montou uma sala de imprensa no evento de Rio Pardo...

* Programa Conversa de Jornalista, da rádio da UFRGS, do próximo sábado,dia 6/03 também sera em compota, isto é, gravado....


* Participação de Fábio Marçal, ontem,dia 3/03,na rádio Guaíba, ao vivo, foi muito interessante.....


MPA X Brigada Militar

 


Ontem, dia 3/03 em Rio Pardo, houve confronto entre os agricultores do MPA( Movimento Pequenos Agricultores) e a Brigada Militar. Houve uma mulher ferdia, em consequencia dos tiros de balas de borrachas dados pelos policiais....

 

A comédia

 

 

Sobre o famoso Bolão de Noia!!!!

 

Um empresário lotérico que está há muito tempo no ramo me falou que isso não vai dar em nada. É sempre assim. Agora os apostadores vão entrar na justiça e esperar uns 10 anos até resolver. O lotérico vai perder a lotérica e acabou.
Já tinha acontecido algo parecido ( só que num valor bem menor) em Campo grande /MS em 1999. Deu nisso. Lotérico fechado e os sortudos azarados ainda estão esperando decisão da justiça.


Algumas das pinturas do Picasso

 

Clique aqui para assistir PPS sobre Picasso.

 

 

Jornalistas fazem passeio em Rio Pardo

 

A "alegre" turma de jornalistas que foi para a Expoagro,ontem,dia 3/3 depois da exposição propriamente dita foi percorrer a histórica cidade de Rio Pardo, ciceroneada pelo guia Flávio Augusto Canto. Foi ocasião de conhecer a Fortaleza de onde os portugueses se defendiam dos ESpanhóis nas Guerras do Tratado de Tordesilhas.

Também conhecemos a famosa ladeira( Av. Julio Castilhos) que diz a lenda foi construída para o Imperador Dom Pedro II passar. Só que a rua é muito mais antiga do que quando o imperador andou por Rio Pardo, em 1846...

Enfim,Rio Pardo é pura história.

Segundo o guia, os colégios de Porto Alegre vão bastante a Rio Pardo pra aprender in loco assuntos da história riograndense...

Agora, com a Semana Santa é boa ocasião de uma visita a Rio Pardo, pra ver de perto a famosa Procissão do Senhor Morto na sexta-feira santa...

 

Ecos de S. Borja!!!!

 

* O poeta Clemar Dias pouco sai de casa. Na segunda, 1/03, lá pelas três da tarde, de bermudas, deu uma voltinha pelo centro....Sabe como é, poeta não gosta de carregar muito pedras....Mas foi ele que subsidiou o gabinete do vereador Celso Lopes na proposição de tornar Porto Alegre e S. Borja cidades irmãs. Clemar também foi quem discursou no dia da comemoração dos 40 anos da Folha de S. Borja por ser o funcionáriou, ou colaborador mais antigo do jornal....Putz, não parece....
* Meu amigo Israel Lopes, escritor de grande talento, não deu as caras neste 1 de março pros eventos na Cãmara Municipal....
* Além dos eventos da Câmara Municipal,também houve a tradicional ida ao túmulo de Jango, onde foram depositadas rosas. Desta feita compradas pelo deputado Vieirinha, aporque durante muitos anos foi dona Celeste Penalvo que as adquiria nestas solenidades.

* Lantier Vivian teve que dar conta do recado no gabinete do Vereador Celso Lopes(PDT) na segunda,01/03. O que tinha de "visita" não estava no gibi...

* Aliás, o camundongo( como é chamado o vereador Celso Lopes) é tão munheca que nem comprou um lapis de 5 pilas feito por um presidiário....

* Diz-se em S. Borja que o prefeito Mariowane Weis não seria candidato a deputado estadual....pelo PDT. Já o neto de Getúlio Vargas, o Getulinho Vargas Neto, o seria.....

* Affonso Motta, ex- executivo da RBS e produtor rural, espera dois mil votos em S. Bojra. Mas lá tem o Luiz Carlos Heinze(PP) que espera ser o mais votado do Estado...

* Juliana Brizola(PDT) tem o apoio do vereador Celso Lopes, pra deputado estadual.Neta de Leonel Brizola,há gente que acha que ela vai estourar a bola do balão...

* Também deverá ser bem votado, na Terra dos Presidentes, o deputado Paulo Pimenta(PT). Se Olívio Dutra for candidato, é outro que mete muitos votos em S. Borja.

* A pergunta mais recorrente que vi fazerem em S. Borja com a passagem do deputado federal Vieira da Cunha, do PDT, era a que afinal ele é candidato? a estadual ou a federal?Dizem que sua esposa não gostaria de continuar em Brasília.

 

São Borja

 

1) Na Homenagem que a Câmara Municipal de S. Borja prestou - é lei desde 1981 proposta por um vereador que já é falecido - para lembrar a data de nascimento do ex-presidente Jango, falaram o presidente nacional do PDT, deputado federal Viera da Cunha, o neto de Jango, Cristhopher Goulart, e a professora Rita Gatiboni

2) Deputado Vieira da Cunha cometeu,digamos, uma gafe histórica, de datas:disse que em 13 de março de 1964, quando ocorreu o famoso comício da Central do Brasil," Brasília não existia,ainda....Mas o prefeito Mariowane Weis corrigiu depois a fala do deputado. É que tinha alunos de duas escolas no legislativo sanborjense e ficava mal errar datas.

3) O que comenta a boca pequena em S. Borja

a) que um colunista estaria livre leve e solto
b) que digamos a nova situação do colunista o estaria deixando mais bem humorado....
c) que uma professora estaria "arrasando" corações, e depois , deixando-os a ver navios....é da vida, né!

d) que o deputado estadual Cassiá Carpes(PTB) e o prefeito Mariowane Weis(PDT) estariam "rompidos"...


Exclusivo!!!!

 

CAMPANHA DE YEDA COMEÇA DIA 20 DE MARÇO!!!!!

Este repórter teve acesso a uma informação preciosa: Yeda Crusius é mesmo candidata a reeleição e vai pro pau mesmo. Dia 20 próximo, inúmeros filiados do PSDB que ocupavam cargos de confiança partirão digamos pro front...Não estarão mais em seus locais de "trabalho"....


Vierinha opina....

 

A pelo menos um interlocutor, o deputado federal Vieira da Cunha(PDT) - que esteve no enterro do secretário municipal da saúdde de Porto Alegre, Elizeu Santos(PTB) confessou que está convicto que o episódio não foi um latrocínio.....

 

No tempo das reuniões-almoço!!!!

 

Houve um período na imprensa em que os repóteres que " cobriam o setor" como se diz, se encontravam praticamente dia sim e o outro também. Tudo em reuniões-almoço. Os campeões delas são o Affonso Ritter, Lauro Dieckmann,Valter Todt,e outros menos votados, como o Florianão Correa, que aparece nesta foto que publico dos arquivos implacáveis do Antônio Goulart.

acervo do Antônio Goulart

E pra parecer mais sério,ainda, todos usando gravata....

Nesta foto o presidente da Fiergs era o Paulo Velhinho e a data é 1988. O prédio da Fiergs ficava na Leonardo Truda e lá teria acontecido um episódio que entrou pros anais da imprensa gaúcha, eis que eu o registrei no meu livro Pauta, o Avesso das Redações: ocorreu que o Affonso Ritter estava deixando o prédio e entrou correndo no elevador. Lá dentro,segundo as testemunhas do encontro, duas freiras começaram a berrar ao areconhecê-lo:
- Padre Afffonso, Padre Affonso....

Affonso não confirma nem desmente o fato. Apenas uma vez me admoestou porque o contei com a seguinte ameaça:
- Depois tu nao sabes porque te processam!!!

 

BANGORNADA NO MEIO
DA MADRUGADA !

 


Estava viajando para S.Borja na madrugada de segunda, quando, no meio da madrugada uma porrada se fez ouvir dentro do ônibus. Não foi uma simples "panela" que o veículo tinha pego. Teve um passageiro que se acordou assustado e foi lá na frente pra ver se o motora não dormia.

Chegados a S. Borja, o motorista se apresentou e desculpou pelo ocorrido. Disse que estava retornando de férias naquela madrugada e pegara um quebra-molas na localidade de Cel. Barros.

E se desculpou dizendo que não tinha sido avisado daquele "novo" quebra-molas....

 


Imagem inédia da chegada do homem na lua

 

 

Laurinho regressou
de Passo de Torres

 


Laurinho Dieckamnn fez as malas e regressou de seu longo retiro em Passo de Torres. Na calada da noite arrumou as malas, tomou ainda um banho de mar e se despediu definitivamente das férias...

Em Passo de Torres ficaram apenas as lembranças daquele intelectual que não falava com ninguém, só lia Sartre,Simone de Beauvoir,isto pra citar os pensadores mais fáceis....

Agora como eu descobri que ele tinha deixado seu retiro praiano.Ora bolas, como dizia o Cid Pinheiro Cabral,um informante me telefonou no fim de semana me dizendo que o Laurinho e a Rosinha foram vistos no findi almoçando no Barra, que é como eles chamam o shopping da Zona Sul do Estado.

Agora no domingo eu mesmo fui no jogo do Grêmio e não encontrei o nosso escriba por lá. Só encontrei o Glei Soares, do Programa da Marlei Soares, na Ulbra Tevê.

25 de operação do
trem metropolitano

 

A Trensurb,empresa que administra o trem metropolitano de passageiros entre Porto Alegre e São Leopoldo completou,ontem,dia 2/03 25 de funcionamento.

Para registrar a data a diretoria da entidade convidou autoridades, imprensa e parceiros de operação.

O presidente da Trensurb, Marcos Arildo lembrou os presidentes anteriores. Uma referência especiala foi feita ao ex-prefeito de Caxias do Sul, Mansueto Serafini,que foi dirigente da Trensurb. Segundo Rubens Pazin, hoje da diretoria da empresa e em 1985 do Sindicato dos Metroviários, Mansueto Serafini se constituíu num hábil negociador.

Estiveram também na solenidade o vice-prefeito de Porto Alegre, José Fortunatti, que recordou suas lutas na Central Única dos Trabalhadores(CUT) ao lado dos atuais dirigentes da Trensurb, Oskar Coester, o criador do aeromóvel( o invento de Coester está sendo cogitado para ligar a estação Aeroporto do Trem Metropolitano ao Salgado Filho). Dos ex-presidentes do Trem metropolitano, apenas Pedro Bisch Neto compareceu.
O diretor administrativo na época da inauguração do trem, Érico Miches, também compareceu ao evento.

 

Filho de Maneco Vargas
diz que tem livro inédito
do pai mas que nao sabe se vai publicar

 

Ao visitar na última segunda-feira, dia 01/03 o Museu do seu avó Getúlio Dornelles Vargas, em S. Borja, Getulinho Vargas Netto, filho de Manoel Antônio Sarmanho Vargas, o Maneco e de Vera Tavares Vargas, afirmou que seu pai, ao se matar em 15 de janeiro de 1997, na estância do Cerito, no interior de Itaqui,deixou um livro pronto mas que ele não sabe se publicará ou não.

Eduardo Belmonte

Getulinho Vargas Neto (o último da esq. para a direita), no Museu do seu avó, diz que tem
livro inédito de seu pai, mas que não sabe se vai ou não publicar!


Ao visitar o Museu Getúlio Vargas, Getulinho, como é chamado, ficou surpreso com a semelhança de um parente com o seu pai , Maneco." Olha aqui, é a cara de papai, dizia Getulinho aos presentes que o acompanharam na visita,entre eles o prefeito municipal, Mariowane Weis, o deputado federal do PDT,Vieira da Cunha, o neto de Jango, Cristhoher Goulart,entre outras personalidades do PDT de São Borja como Neusa Penalvo e sua mãe Celeste.

 

ARI pelo
interior!

 

* Depois da " imobiliária" Ayres agora ataca de turismo. Vamos hoje a Rio Pardo, numa excursão da ARI...Vai parecer a alegre caravana holliday....rumo a Rio Pardo,então para um evento da agricultura familiar.....Não se sabe se o presidente Ercy Torma acompanha. É que juntar o Ercy cujo apelido é paciência com Rio Pardo, dá coisa antiga, né.....

 

"Cavalgada do Mar" na Rádio Gaúcha, nesta terça


Nesta terça, 2 de março, às 9h30min, em POA/RS, o programa 'Polêmica', do jornalista Lauro Quadros, abordará a Cavalgada do Mar (saiba mais), evento "tradicionalista" gaúcho que têm gerado intensos debates devido aos maus tratos sofridos pelos cavalos.

Defendendo a Cavalgada estará Vilmar Romera, presidente da Fundação Cavalgada do Mar, que afirmou recentemente na Imprensa que "O animal tem de ser preparado. Esse é um problema do dono do cavalo. É como mulher. Se tu não tratares bem, vais levar guampa".

Detalhe irônico: o lema da cavalgada deste ano era "Mulheres a Cavalo pelo Rio Grande"

________________________________________

Serviço
Programa Polêmica
2 de março, 9h30min
Rádio Gaúcha - AM 600 - FM 93.7
Fone 'Dê sua opinião': (51) 3299.2631

Visitas no site em fevereiro

As visitas no site no mês de fevereiro foram 9181. Obrigado aos leitores!

 

PARABÉNS PRESIDENTE

 


Dia 1° de março é dia de celebração do aniversário de João Goulart, nosso Presidente missioneiro. Se estivesse vivo, meu avô completaria 91 anos de idade em 2010. Por obra do destino, não tive o privilégio da convivência durante sua vida. Nem por isso deixei de interpretar sua mensagem política.
A cada novo aniversário de meu avô, agradeço pela honra de poder hoje disseminar seu legado no Rio Grande do Sul, com a convicção inabalável de que o caminho por ele apontado é a esperança de um futuro socialmente mais justo. Até mesmo seus mais ardorosos opositores se curvam perante a devoção de Jango para as causas populares, na defesa intransigente do trabalhador brasileiro.
Falar em João Goulart é refletir sobre as reformas da sociedade brasileira. Nas palavras do próprio Presidente, no famoso comício da Central do Brasil, em 13 de março de 1964: “não apenas pela reforma agrária, mas pela reforma tributária, pela reforma eleitoral ampla, pelo voto do analfabeto, pela elegibilidade de todos os brasileiros, pela pureza da vida democrática, pela emancipação econômica, pela justiça social e pelo progresso do Brasil”.
Durante seu curto mandato presidencial, Jango compreendeu que os contrastes mais agudos que a sociedade brasileira apresentava, naquela fase de desenvolvimento, eram de natureza estrutural, e, em virtude deles, a imensa maioria de nossa população vinha sendo sacrificada. Nosso povo sofria em função da injusta e desigual distribuição de renda, no referente à sua participação na vida política do país e na falta de oportunidades de trabalho e de educação que o país oferecia. Como se percebe, esta luta continua atualizada.


Nosso aniversariante se esforçou em conquistar, na prática, um país mais humanitário. Uma nação de interesses coletivos. Para isso, severos ajustes na máquina pública deveriam ser implantados, o que até hoje nunca ocorreu. E cada vez mais nossa população de excluídos aumenta.
De resto, a história já é conhecida. Jango pagou um preço caro por posicionar-se na linha de frente na defesa dos mais humildes, desassistidos pelo Estado. Foi no seu exílio que deixou a vida para entrar definitivamente na história. Morreu o homem, mas nunca suas idéias.
Meu avô: sou grato por continuar ouvindo tua voz e por receber tamanha inspiração política. Mesmo com o transcorrer dos anos, mesmo com o esforço inútil de tanta gente em relegar tua grandeza a um segundo plano, sempre encontrarás este soldado de prontidão. Jamais hesitarei em relembrar teu sacrifício extremo em benefício do povo brasileiro, tua legítima herança do Presidente Vargas e tua qualidade de ter sido o último Presidente Trabalhista do Brasil.

Christopher Goulart
Presidente da Associação Memorial João Goulart



Uma curiosa pra ti

 

O Cristiano manda seu causo,

com um "advérbio" antecedendo e respondendo a uma solicitação minha!!!

Publico porque é autêntico pra burro. Este site é o "Sala de Redação" da Internet...pronto, descobri esta manhã um título pra ele....


Véia é minha mãe..completa 90 anos em junho.


Ninguém rouba revista sem capa

Lembrei de uma boa dos idos (que palavra essa...idos) da Folha da Tarde. Havia uma distribuidora que sempre enviava as revistas semanais, e algumas disputadíssimas sumiam no mesmo dia, muito antes que alguns, nem digo todos, pudessem lê-las. Criava um mal-estar..quem havia levado? "Eu dei uma olhada, mas botei ali de volta" era a desculpa generalizada dos que tinham sido vistos lendo os exemplares depois desaparecidos. Mas daí a levar embora vai uma diferença. Vai acusar e provar como?
Pois o Benito Giusti encontrou a solução. Ele passou a arrancar as capas tão logo as revistas chegavam. Sei lá como, ele havia descoberto que revista sem capa ninguém rouba. Uma medida tão simples e tão eficaz!

Cristiano

Justiça condena Luiz Nassif e IG a indenizarem diretor da Veja

 

Da Redação

O jornalista Luiz Nassif e o portal IG foram condenados a indenizar em R$ 100 mil (R$ 50 mil para cada um dos réus) o diretor da revista Veja, Eurípides Alcântara. A ação por danos morais foi baseada em matérias publicadas no blog de Nassif que relacionavam o nome do diretor da revista ao banqueiro Daniel Dantas. A condenação foi decidida nesta quinta-feira (25/02), pela 4ª Câmara de Direito Privado. Ainda cabe recurso.

“A propósito, o apelado Luiz Nassif, autor das palavras, não só admitiu, como as reiterou, pelo que, após refletir sobre seu significado, têm-se o suficiente para bem identificar a intenção de menosprezar e agredir moralmente o apelante [Eurípedes]”, sustentou o relator do recurso, desembargador Carlos Teixeira Leite Filho.

O caso começou a ser julgado em janeiro, mas foi adiado com o pedido de vistas do desembargador Fábio Quadros. Em resultado parcial, houve empate, com um voto pela condenação de Nassif e outro favorável a manutenção da sentença de primeiro grau que julgou improcedente o pedido de Eurípedes Alcântara. O caso foi desempatado pelo desembargador Fábio Quadros.

Nassif e o IG respondem por artigos publicados no blog do jornalista que afirmam que a Veja teria uma acordo com o Grupo Opportunity, de Daniel Dantas, e que Eurípedes seria o contato direito da revista com o banqueiro.

Por maioria de votos, a turma julgadora entendeu que Nassif abusou do direito de informar, com críticas que atingiram a credibilidade profissional de Eurípedes.

Não é a primeira vez que o jornalista e o IG são condenados a indenizar profissionais da Veja. Em outubro de 2009, a Justiça estipulou que ambos os réus pagassem 100 salários mínimos para o redator-chefe da Veja, Mario Sabino, em outra condenação por danos morais, por matérias que criticavam a gestão de Sabino na revista.

Com informações são do Consultor Jurídico.

Retirado do blog http://www.comunique-se.com.br

 

Histórias de la Ùndeze!

 


Aconteceu uma vez,segundo relembra o advogado Oraldo Humberto Rodriges, que o Zeferino Sgorla ia de Guaporé em direção a Serafina e quando chegou a pouco menos de dois quilômetros da vilazinha, lá na " Decima" como os gringos chamavam,ele avistou um grande saco de farinha de trigo jogada na beira da estrada.

Parou sua velha camionete e pronto, não viu ninguém por perto e colocou o saco de farinha de trigo, que havia sido deixada lá pelo Domingos Calza, um dos que tinham moinho em Serafina. ( Acontecera que os moradores não estavam em casa porque tinham ido na roça trabalhar e o dono do moinho deixou lá a entrega.)

Zeferino Sgorla, lembra o advogado Oraldo, costumava passar o dia junto ao seu amigo João Aristides Soccol,sentados na frente do único posto de gasolina da vilazinha. Ali os dois passavam a limpo a vida de todos os moradores...sabiam das ú ltimas sempre.

Neste dia,então, o Zeferino chegou contente pro João Aristides Soccol e deu a boa-nova:

- DESSO SI MAGNEMO I GRUSTOLLI !!!!!!!! ( Numa tradução livre: agora sim vamos comer cueca virada à vontade....)

Só que pouco depois os donos do saco de farinha deram parte na Polícia do sumiço do seu sustento....Zeferino Sgorla e João Aristides Soccol já estavam fazendo a lista dos convidados daquela noite para comer " I grostolli" quando chegou o delegado Cícero no seu jeep e apreendeu a farinha....

Para tristeza dos dois amigos do Auto Posto Soccol( bandeira da Texaco) e alegria da família de colonos que agora teriam sua farinha para fazer seu pão....

 

 

O Bolão Perdido

 

Escrevi certa vez que a sorte é uma mulher cheia de caprichos, e antes de qualquer coisa é de veneta e só faz o que lhe dá na telha, muda de opinião assim sem mais ou sem menos. Sendo ela do sexo oposto deve de sofrer TPM. Imagine o dia em que ela sai à rua decidida a pegar alguém, ela levanta toma seu banho vai para frente do espelho, examina os balangandãs, confere ta com tudo em cima; só daí depois de se passar os seus cremes miraculosos é que começa o ritual do bem vestir. Pega o controle remoto, abre o seu guarda roupa e começa o dilema de quem tem demais e não se decidem qual roupa usar ou em que estilo vai sair à rua? Depois de vencida esta etapa e da dificuldade de entrar na meia calça para depois descobriu que estava com um fio puxado e refazer o ritual, daí sim se põe de lado para o espelho, confere o caimento do cabelo em detrimento ao bumbum. Pronta para buscar o seu ou, seus eleitos, sai tranqüila assoviando uma valsa vianense.
Chega à esquina e pára. Sinaleira aberta, os carros cruzando como se tivessem vontade própria e os motoristas alhures ao que estão fazendo conversam ao celular. Ela se irrita com o camelô que tranca a calçada e ainda reclama dos transeuntes que lhes tiram o espaço do seu show room
Do outro lado da rua o termômetro marca trinta e nove graus com uma sensação térmica de derreter cabeça de prego. Vê o picoleseiro que com a metade do corpo para dentro da boca do carrinho procura um sabor framboesa para a tia que vende pastel. Como não vê o rosto vai até lá e espera levantar. Quando levanta ela diz: Ah! É o Bicudo. Tu não Bicudo tu matou passarinho. Vai observar outro e ninguém lhe parece digno de seu toque de Midas. Esta cheia de gente na lotérica e ela resolveu que faria uma aposta no escuro desse em quem desse. Congelou a imagem e foi colocar os números na memória da digitadora. Nesta fatídica hora toca o seu telefone e ela atende. Ela distraída não aperta o botão de “enter” e a tarefa não se completa. Quem lhe ligava era o azar reclamando que estava sendo perseguido por demais. Ali começou um bate boca e ela refutava dizendo que tem os que choram e tem os que vendem lenços.
Enquanto discutiam correu e os números sorteados foram: 20 28 40 4151 58. A Mega-sena acumulou. O bilhete que a sorte pretendia premiar e que a operação não se completou era de um bolão com dez pessoas que agora estão esperneando tentando convencer a Caixa que eles têm o “direito de fato” e a Caixa não lhe concede o “de direito”. Pobre gente viverão o resto de seus dias, amargando este em que a sorte na duo décima hora lhes virou as costas.
Então se era para fazer isso, por que não premiou o Bicudo que é um batalhador! O Bicudo matou passarinho, é réu confesso, mas matou para levar comida aos irmãozinhos num dos ranchos mais pobre da vila Cipó Torcido lá na velha tricentenária São Borja.

Clemar Dias

 

 

Oficina de Teatro-Fórum recebe inscrições



Estão abertas as inscrições para a Oficina de Teatro-Fórum Para Atores e Não-Atores, que será ministrada pelo ator, diretor e produtor Celso Veluza. Na oficina são experimentados jogos e exercícios teatrais do Método do Teatro do Oprimido, criado por Augusto Boal. Os participantes da oficina montarão um teatro-fórum baseado em experiências de opressão que vivenciaram, e essa peça-fórum poderá ser levada a público se for vontade dos alunos.
O curso ocorrerá no período entre 15 de março a 26 de abril, e o investimento é de R$ 80,00 (com 20% de desconto para funcionários da Prefeitura Municipal de Porto Alegre). As inscrições serão realizadas na Coordenação de Artes Cênicas. Informações pelo e-mail cac@smc.prefpoa.com.br ou pelo telefone (51) 3289-8062.
Celso Veluza é ator, diretor e produtor de teatro e teatro de bonecos. Entre outras peças montou e produziu A macaca esquecida, de Caco Barcelos; Ou isto ou aquilo, de Cecília Meireles; O circo de bonecos de Oscar Von Pfhul; Trativelindepraglutifitotinquelux – Roberto Freire; Escorial, de Michel de Ghelderode; Dom Quixote Livro I Capitulo VIII, de Miguel de Cervantes; As Histórias do Palhaço Pipoca; Viagem ao Mundo do arco-íris; A Lenda da Índia Obirici; Minha Namorada é Verde (Teatro-Fórum). Suas peças foram apresentadas em temporadas no Teatro de Câmara, Teatro de Arena, Assembléia Legislativa, Planetário, Casa de Cultura Mario Quintana, Teatro do Circulo Social Israelita, Teatro da OSPA, Usina do Gasômetro, Memorial do RS, IAB e em projetos diversos em municípios do interior do RS. Desde 2005 desenvolve pesquisa com as artes cênicas no Espaço de Referencia de Teatro de Formas Animadas no Centro Cultural Usina do Gasômetro, com apresentações, oficinas, workshops e palestras de teatro-fórum e teatro de bonecos.
O Teatro do Oprimido, criado pelo teatrólogo Augusto Boal, é o único Método Teatral elaborado no hemisfério sul (Brasil e América latina) que é utilizado em mais de 70 países dos cinco continentes. É um Método Estético que reúne exercícios, Jogos e Técnicas Teatrais que objetivam a desmecanização física e intelectual dos seus praticantes e a democratização do teatro, estabelecendo condições práticas para que o participante se aproprie dos meios de produzir teatro e amplie suas possibilidades de expressão, estabelecendo uma comunicação direta, ativa e propositiva entre espectadores e atores.



Oficina de Teatro-Fórum Para Atores e Não-Atores
Ministrante: Celso Veluza
Carga-horária: 20 horas
Investimento: R$80,00 (desconto de 20% para funcionários da Prefeitura Municipal de Porto Alegre)
Data: 15 de março a 26 de abril – segundas, das 19h às 21h30
Local: Sala Álvaro Moreyra (Av. Érico Veríssimo, 307 – bairro Menino Deus – Porto Alegre)
Informações e inscrições: Coordenação de Artes Cênicas. E-mail cac@smc.prefpoa.com.br ou telefone (51) 3289-8062

 

BILHETE PARA OLIDES


Olides

O assunto de hoje em Brasília, em todas as mesas de restaurantes ocupados por politicos e coleguinha, é a noticia de que o Arruda,ontem teria confessado ao Arcebispo de Brasília que foi visita-lo,de que já não aguenta mais a prisão e que estaria disposto a pedir a justição "delação premiada"
Olides,se isto acontecer,não ficará pedra sobre pedra....Ele iria contar todas as suas vigarices, desde que entrou no Governo do DF,quando Roriz assumiu a governança e começou a construir o Metrô de Brasília.Ira contar a confusão toda em que se meteu juntamente com Antonio Carlos Magalhães,no painel do Senado. Na ocasião o ACM armou toda a cagada e deixou tudo no colo dele,Arruda,então como senador..
A verdade Olides, é que não se sabe se isso será uma verdade ou apenas uma ameça
Sergio Ross

Coleguinhas


Adelmo Genro Filho nasceu em S. Borja em 25.12. 1951, filho de Adelmo Simas Genro e de Elly Herz Genro.Falecido prematuramente em 1988, em Florianópolis,Santa Catarina, ele era professor na Faculdade de Jornalismo daquela capital.

Adelmo foi casado com Letícia Maria( 11.05.1951) e tem uma filha, Júlia( 03.09.1980). Adelmo pertenceu ao IEPES, que tinha como presidente o também falecido sociólogo André Forster.

Adelmo pertenceu no começo de sua atividade política ao PRC(Partido Revolucionário Comunista) que tinha um grupo forte em Santa Maria, onde ele residiu.

 

 

Coleguinhas

O " uruguaio" só toma mate

com uma erva especial!!!


Uma das " tarefas " atuais do Carlos Alberto Kolecza é de 15 em 15 dias comprar uma erva-mate especial no Mercado Público Central de Porto Alegre e remetê-la,via correio, para o seu amigo Juan Carlos Gomes, o " uruguaio de Rivera" que se aquerencio pela Capital Federal e não regressou mais aos pagos.

Conheci muito e fiz muitas matérias com o Juan. Era de um bom humor inesgotável e abraçava qualquer causa, digo qualquer pauta, por mais mixuruca que fosse.

 

 


Natural de Rivera, tinha duas manias: usava alpargatas e tomava mate numa daquelas cuinhas especiais que os uruguaios usam para o chima....

Juan não era nem " hippie", nem " tupamaro", como nós dizíamos. Fazia mais o papel do bon vivant....Gostava de pegar a estrada e sair por aí pelo interiorzão de Deus a fazer matérias especiais...Formava uma dupla perfeita com seu amigo Carlos A. Kolecza,com quem se entendia muito bem, porque os dois se respeitavam muito....

Juan Carlos Gomes nasceu em 04.11.1943 em Minas, na República do Uruguai.Trabalhou no jornal Zero Hora( acho que veio da Platéia de Livramento direto para o jornal da capital). Também foi repórter fotográfico do Jornal o Globo. É filho de Josefa Gómes Cabrera.

Sua esposa se chama Mabel( 03.09.1938).

Em Brasília, onde vive há muitos anos, Juan tem uma agência fotográfica.

 

Os hermanos estão mais fortes


Por Luiz Oscar Matzenbacher

A Copa Libertadores da América/2010 está mostrando que o futebol brasileiro não é mais tão superior aos dos diversos países irmãos da América Latina, como pensávamos. O São Paulo e o Cruzeiro já perderam em seus jogos realizados lá fora. Ainda não enfrentaram os mais difíceis adversários e já perderam.
Os demais - Internacional, Flamengo e Corinthians - ganharam em casa nos jogos de estréia, com muitas dificuldades. Jogaram contra adversários que eram tidos como "barbadas", pela imensa maioria da crônica esportiva e ganharam com 'as calças na mão'. Mesmo os galácticos Flamengo e Corinthians sofreram nas estréias.
O último clube brasileiro que ganhou a Libertadores, foi o Internacional em 2006, mesmo ano em que o Brasil perdeu a Copa da Alemanha. O Colorado dos Pampas, também foi o último clube brasileiro a ganhar a Sul-americana em 2007 e o Mundial de Clubes, no Japão, em 2006. Mas, aquele time do Internacional era mais forte no ataque, com Sóbis, Tinga, Alex, Magrão, Fernandão, Ceará e Alexandre Pato, que o atual elenco dos colorados. Vai ser difícil trazer a Copa Libertadores para o Brasil em 2010. Será mais difícil ainda vê-la em Porto Alegre. Não é por acaso que o esquema usado pelo técnico uruguaio Fossatti, no Internacional, tem ampla predominância aritmética dos defensores e volantes sobre os meias e atacantes. Ele sabe as dificuldades que ainda terá pela frente. O Dunga, na Seleção, também sabe que ninguém ganha Copa do Mundo na base do carteiraço e que os craques de 1958 e 1962 não jogam mais.

Morte de Elizeu Santos

 

foi assunto dos portoalegrenses


Por onde circulei no domingo,dia 28/02, o assunto foi a morte do secretário municipal da saúde de Porto Alegre, Eliseu Santos....E no rastro da morte do secretário, muita gente recordava a morte do outro político, muitos anos atrás, José Antônio Daudt.


Ex-garçons do Barranco

 

relembram os tempos dos hermanos!

No Metropoles, perto do Olímpico, na última sexta-feria, dia 26.02 três ex-garçons do Barranco - Felipe, Cesar Tasca e o Brito- recordaram os bons tempos dos anos 70 e 80 em que er4am garçons do Barranco e ganhavam polpudas gorjetas. Mas também havia saias justas,principalmente com alguns hermanos que tentavam fugir das mesas depois de lautos jantares.

Numa noite, aconteceu com o Felipe....Só que quando os castelhanos arrancaram o carro, na frente da churrascaria, ele subiu no capô e foi dando porrada no teto do carro até a Lucas de Oliveira,( 100 metros abaixo da famosa churrascaria).

Ali os castelhanos fujões( que tiveram que parar o veículo por causa da sinaleira) alcansaram o que seriam hoje 50,00 reais e pagaram a conta.
Felipe voltou con tente para o Barranco mas foi admoestado pelo dono,Santo Tasca, que achou que ele correra risco em se meter naquela enrascada....

 

E a paz voltou no Agapio

 


Já no Agápio Lanches, na José de Alencar,depois de um rolo numa sexta-feira de alguns dias atrás - dois funcionário se atracaram e um deles registrou queixa numa delegacia de Polícia - voltou a reinar a paz....Por enquanto....Há quem ache que se não se redobrar os cuidados, voltam os " lios"!

 

 
 
Arquivo do Blog

2007
             Set  Out
2008
xMaix
2009
2010                  

 
 


Espaço dos Leitores

 

Entrei hoje pela primeira vez. Parabéns.
Manoel Ianzer - SP.

 

Caro amigo Olides,

Ótimo o novo "layout" do blog.

Josi Negreiros

 
 


Olides Canton - Jornalista e Escritor

Nascido em 16 de Janeiro de 1952 na cidade de Serafina Corrêa-RS, Olides Canton passou nesta cidade toda a sua infância. Mudando-se para Porto Alegre, cursou a Escola Julio de Castilhos, tornando-se Bacharel em Comunicação Social pela FABICO/UFRGS em 1982. Trabalha como Jornalista desde 1970. Trabalhou na Companhia Jornalística Caldas Júnior, Jornal Zero Hora. No Jornal do Brasil e Revista Carga e Transporte atuou como free-lancer. Editor do Jornal de Bordo e Revista Fitness. Possui 9 livros publicados. Ganhou quatro prêmios de Jornalismo, um do Badesul, dois do Setcergs e um da ARI. Registro no Sindicato dos Jornalistas RS: 2776 - Registro Jornalista - Mtb 4959.

Telefone: (51) 3330-6803
e-mail: contato@deolhoseouvidos.com.br

Autor de inúmeros livros, Olides Canton firmou-se como um
exímio contador de histórias contemporâneas.
Conheça agora as obras do autor

© "de Olhos e Ouvidos"  -  Todos os direitos reservados
Os textos e imagens publicados neste site são de inteira responsabilidade de Olides Canton.

 




EDIÇÕES DO FITNESS

Edição 130
Edição129
Edição128
Edição127
Edição 126
Edição125
Edição 124

Edição 123
Edição 122
Edição 121
Edição 120
Edição 119
Edição 118
Edição 117
Edição 116
Edição 115
Edição 114
Edição 113
Edição 112
Edição 111
Edição 110
Edição 109
Edição 108
Edição 107
Edição 106
Edição 105
Edição 104
Edição 103
Edição 102
Edição 101
Edição 100
Edição 99



ANUNCIE NO SITE!

Entre em contato conosco


Edições Anteriores do Blog



LINKS QUE RECOMENDAMOS



Aceg
Agência Edison Castêncio
Assembéia Legislativa RS
Blog do Ucha
Carlos Karnas na internet
Cloaca News
Comuniquese
Correio Do Povo
Darci Filho
Diário Popular
Ecoagencia.com.br
Enfato
Espaço Vital
Espanhol Fotos
Eu acho que

Felipe Vieira
Fernando Albrecht

FotoAmancius
Frota & Cia
Gilberto Simões Pires
Governo do Estado do RS
Jayme Copstein
Jornal A Hora
Jornal do Comércio
Jornal do Mercado
Jornal O Sul
Jornal Panorama Regional
José Luiz Prévidi

Laura Peixoto
Lauro Dieckmann
Mirian Fichtner
Odinha Peregrina
Percival Puggina
Políbio Braga
Política para Políticos
Por outro lado
Prefeitura de P.Alegre
Prefeitura Serafina
Correa

Programa.com
PublicarNotícias
Ricardo Noblat
Roendo as unhas
Rogério Mendelski
Rosane Oliveira
Sindicato dos Jornalistas
Tijolaço
Valeria Reis
Via Política
VidaSustentável
Vide Versus
Zero Hora

REPORTAGENS
ESPECIAIS


Veja em "Memória"