"O Blog dos Colegas"

 

 

Travesti argentino afirma em entrevista na TV que ficou sim com Julio Iglesias

De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides. A história é antiga, aqui na argentina. Este travesti, conhecido como Ariana Soler, é conhecido aqui como um sujeito polêmico, gosta de arrumar escândalos com celebridades. Está notícia de que ele ficou uma noite bebendo com o cantor Júlio Iglesias, é do mês passado, mas a boa nova é que este travesti deu uma entrevista ontem para a TV Pública
Administrado pelo governo federal argentino, dos é o único canal de abrangência nacional da Argentina. Sua geração acontece desde Buenos Aires, num enorme complexo construído em 1978 periodicamente e equipado com o que há de mais moderno em tecnologia televisiva


O cantor Júlio Iglesias e a travesti Ariana Soler.

O travesti argentino Ariana Soler diss que passou uma noite com o cantor espanhol Julio Iglesias, depois de um show dele na Argentina, mês passado.


Ariana disse que foi o cantor quem a convidou para subir ao seu quarto e a recebeu com um roupão vermelho: "E ele soube como me seduzir", comentou. "Já no quarto ele me abraçou e me perguntou se eu tinha coragem de desfilar para ele... ele diminuiu as luzes, me abraçou por trás, e começou a me tocar. Começou a ficar animado (...) eu nunca senti que ele sabia ou não (que eu era um travesti) (...) Ele me perguntou o que eu poderia fazer com a boca. Disse que poderia tirar sua roupa... ele fez fotos de mim (...) se eu não tivesse freado um pouco, ele teria descoberto que eu não era uma mulher de verdade", contou Soler.

Estes mesmo travesti, foi protagonista, na semana passada de outro escândalo, também aqui em Buenos Aires. Contou para uma repórter “Crítica de la Argentina”, que (ele), ou (ela) é mais bonita e gostosa do que a atriz, Evangelina Anderson – ex namorada de Diego Maradona e de outros jogadores da seleção argentina.

Mulher para várias viagens de caminhão...

Mas o travesti Ariana Soler, vai mais longe. Ela conta que sabe tudo o que se passa nos bastidores dos clubes de futebol da argentina. E tem revelações bombásticas para fazer... Perguntada pela repórter sobre quais seriam estas revelações, o travesti disse que, somente em outra ocasião faria o desabafo para a imprensa. Por enquanto, ela quer deixar os jogadores com a barba de molho. Existem relatos de profissionais da imprensa local que a travesti tem trânsito livre pelos corredores dos vestiários de vários de futebol aqui da argentina. Entres o vestiários mais preferido por (ela) é do Boca Junior.

Olides. Diz um ditado que: onde há muita fumaça tem fogo. Portanto, vou quero saber mais detalhes desse escândalo e descobrir quem sabe, outras proezas deste travesti em diferentes vestiários. Se a moda pega a coisa vai longe por aqui., meu irmão...

 

CARTAS DE LEITORES!


de um leitor anônimo que não quer se identificar


parabéns, cara, ficou ótima a cobertura da entrevista da dilma. especialmente o ambiental, ficou excelente. não dá para deixar de te parabenizar, embora continue não querendo aparecer no teu blog/saite.
abraço

Prefeitura promove 25ª da Feira do livro
Atividades começam quarta-feira e seguem até sexta-feira



Os amantes da cultura terão três dias especiais nesta semana em São Borja. Começa nesta quarta-feira (29/9) a 25ª edição da Feira do Livro, que ocorrerá na avenida Presidente Vargas, na altura da Praça XV de Novembro. O evento contará com a participação de 10 editoras e livrarias, sendo organizado pela Secretaria de Educação e Cultura (SMEC) através do Departamento de Assuntos Culturais (DAC).

Serão diversas atividades culturais até sexta-feira (1º/10), como exposições, sessões de autógrafos, contação de histórias e contos, shows musicais, oficinas, apresentação de peças teatrais, brinquedoteca e pista de autorama. A biblioteca pública municipal Getúlio Vargas também apresentará uma novidade este ano. Haverá uma banca de troca, onde o público pode trocar livros seu por outros da biblioteca.

Homenageados - A patronesse da feira este ano é Mary Aquino Azambuja, o escritor homenageado é Eduardo Blaskowiski dos Santos, José Antonio Degrazia é a personalidade literária, a homenagem especial é para Ramão Aguilar e a póstuma à Nívea Fonseca.

Trânsito - Até 2 de outubro (sábado) a avenida Presidente Vargas estará interditada entre as quadras da Cândido Falcão e a General Vargas, onde será a feira.

Confira a programação da 25ª Feira do Livro:

29 de setembro (quarta-feira)
9h: abertura oficial
10h30: peça teatral “O que tem embaixo da cama? levante os olhos e veja o desconhecido” do grupo teatral 'Eu teatro, tu teatras' (Uruguaiana);
13h30: grupo de canto Tereza Verzeri;
15h: peça teatral “O que tem embaixo da cama? levante os olhos e veja o desconhecido” do grupo teatral 'Eu teatro, tu teatras';
16h: hora do conto - alunas do Colégio Estadual de São Borja (CESB);
18h30: show musical com a banda Norton (rock e pop rock);
19h: sessão de autógrafo do livro “Obras de um poeta”. Escritor Luiz Carlos Fernandes;
19h30: sessão de autógrafo do livro “Sob o sol platino”. Escritor Eduardo Blaskowiski dos Santos;
20h: peça teatral “Um homem muito velho, com asas enormes”, do grupo teatral 'Eu teatro, tu teatras';

30 de setembro (quinta-feira)
9h: contação de histórias “A caça ao tesouro perdido” (público juvenil). Escritor Paulo Bocca, editora Castelo;
10h: contação de histórias “O sítio maluco e os amigos de Elvira” (público infantil) com sessão de autógrafos. Escritor Paulo Bocca, editora Castelo;
11h: conversa e show musical com o escritor Kalunga;
13h30: “CSCJ contando histórias na feira do livro”;
14h: contação de histórias “A caça ao tesouro perdido” (público juvenil). Escritor Paulo Bocca, editora Castelo;
14h30: grupo de dança da Escola Ivaí;
15h: contação de histórias “O sítio maluco e os amigos de Elvira” (público infantil) com sessão de autógrafos. Escritor Paulo Bocca, editora Castelo;
15h45: apresentação de danças gaúchas - Caio e Vania;
16h: coral do Colégio Adventista de São Borja;
18h30: “Ziraldo e CSCJ apresenta novos escritores”;
19h: sessão de autógrafos com professoras da Unipampa
- Livro: O acidente em serviço militar. Autora: Cristina Kologeski Fraga
- Livro: Múltiplas faces da questão social. Autores: Simone de Oliveira e Elisângela Pessoa;
19h30: apresentação musical com Fânny Ferreira;
20h: conversa e show musical com o escritor Kalunga;
20h30: sessão de autógrafos
- Livro “Identidade perdida”, poema bilingue do escritor Ramão Rodrigues Aguilar; Livro “O índio nas missões: antes, durante e depois dos jesuítas”, autoria de Sergio Venturini.

1° de outubro (sexta-feira)
9h: hora do conto - alunas do Colégio Estadual de São Borja (CESB);
10h: oficina para agentes de biblioteca com o bibliotecário e escritor Gilson Borges Corrêa e após sessão de autógrafo do livro “O eclipse de Serguei” (romance);
10h30: apresentação musical com o grupo de pop rock Anácronos;
13h30: apresentação "Como nasce um livro" com Cezar Brites, editora Conceito;
14h: peça teatral “As gotas de vida”, com o Colégio Adventista de São Borja;
15h: show musical com 'Os guris costeiros';
15h30: grupo de canto das Asemas Florêncio Guimarães, Centro Social Urbano e Giama;
16h: apresentação musical da escolinha da Banda municipal Tusnelda Lima Barbosa;
19h: palestra “Como publicar um livro” com Cezar Brites, da editora Conceito;
20h: sessão de autógrafo do livro “Era uma vez um poeta” da escritora Maria Izabel Guimarães Scalco;
20h: apresentação da revista cultural “Vultos e valores”, Prefeitura de São Borja;
20h30: show musical

Editoras presentes - Editora Conceito, Editora Santoangelense, Editora Pradense, ND Comércio de livros infantis, Livraria Nova Geração, Livraria Superação, Livraria Nunes distribuidora, Livraria G. de Oliveira Ltda – Consermaq, Livraria Instituto Caminho da Luz
e Livraria Ferreira de Moraes.


Da Folha de São Borja!

Advogado são-borjense vai leiloar presentes de Getúlio
Salvador Mello diz que vai comprar cadeiras de rodas para necessitados com o dinheiro arrecadado
O advogado e radialista são-borjense Salvador Afonso da Silva Mello, 75 anos, confirmou esta semana que vai leiloar dois presentes que ganhou do ex-presidente Getúlio Vargas. Os presentes, guardados há quase 60 anos, um relógio de pulso e uma faca de prata, foram enviados a Mello quando ele tinha 17 anos e por uma deferência especial, já que atuou na campanha eleitoral de Vargas em 1950 em 20 estados. O advogado conheceu o político ainda na infância e os presentes teriam sido entregues no Rio de Janeiro.
Considerados relíquias, os artigos serão vendidos pela internet e os lances podem ser dados a partir de hoje, dia 25 de setembro, e até 20 de outubro. O relógio de pulso marca Omega Constellatione está cotado em R$ 30 mil, e a faca, com cabo e bainha em prata e com detalhes em ouro, está cotada em R$ 15 mil. Para aquisição dos dois objetos, o lance mínimo é de R$ 45 mil, conforme o leiloeiro João Antônio Cargnelutti. O site para lances é www.cargneluttileiloes.com.br e os interessados deverão se cadastrar para confirmá-los.

FILANTROPIA
À Folha de São Borja, o advogado e radialista disse que não seria justo deixar os presentes para apenas um dos filhos, pois seria injusto com os demais. Mello destaca que Getúlio Vargas certamente aprovaria sua atitude de filantropia. Ele confirma que pretende usar o dinheiro para compra de cadeiras de rodas a pessoas carentes da cidade. “Tenho visto a grande carência de cadeiras através de pedidos nas rádios da cidade e isto me fez decidir em usar o dinheiro do leilão para auxiliar pessoas necessitadas”, disse ele.
Confirma que o relóg io nunca usou, pois temia ser alvo de assalto e o deixou guardado em um cofre. Já a faca chegou a usar em muitos churrascos da família. Os objetos já estão de posse do leiloeiro.
CARTÃO
Para comprovar a autenticidade das peças, Salvador Mello mostrou à nossa reportagem, inclusive permitindo fotografá-lo, um cartão, manuscrito e assinado pelo presidente Getúlio Vargas e que foi enviado junto com os presentes. Uma cópia autenticada do cartão está com o leiloeiro Antônio Cargnelutti. No cartão, Getúlio agradece a Mello “pelo brilhante trabalho na campanha de 1950”.
O advogado e radialista é um dos raros contemporâneos de Getúlio Vargas, em São Borja, que é fonte de pesquisa e convocado para palestras sobre o estadista. Recentemente, em agosto, ele participou da programação do Museu Getúlio Vargas que fez homenagens nos 56 anos de sua morte.


Carta de Pompeo de Matos

É com enorme satisfação que mais uma vez me comunico com você para compartilhar minhas iniciativas e projetos em favor do Rio Grande. Como é do seu conhecimento, nessas eleições, enfrento o mais importante desafio de minha carreira política. Depois de exercer sete mandatos consecutivos (vereador, prefeito, duas vezes deputado estadual e três vezes deputado federal), concorro ao cargo de Vice-Governador do Rio Grande do Sul. Com FOGAÇA, nosso candidato à Governador, integro a aliança Juntos Pelo Rio Grande, para promover com responsabilidade as mudanças que o Povo Gaúcho tanto deseja, a fim de recuperar a posição de Estado com melhor qualidade de vida que já tivemos no passado. Conto com teu apoio e com teu voto.
No espaço que deixarei na Câmara Federal espero ser substituído por quem partilha das mesmas convicções e ideais que sempre defendi. Nesse sentido, quero indicar a candidata SUEME POMPEO DE MATTOS, Conselheira Tutelar por dois mandatos e secretária de políticas para as mulheres do município de Cachoeirinha-RS. Sueme também é uma importante liderança jovem do PDT gaúcho e como minha sobrinha acompanha meus passos na vida pública desde criança. Soube ganhar experiência auxiliando-me muitas vezes em atividades de meus mandatos, ao mesmo tempo em que construiu uma trajetória própria de muitos serviços prestados em favor dos jovens, dos idosos e das mulheres. Tem preparo e potencial para ser uma grande deputada!
Da mesma forma que confiaste teu voto a mim nas eleições anteriores, peço que mais do que nunca, renove teu apoio ajudando a eleger a chapa FOGAÇA e POMPEO, votando e pedindo votos para o 15. E que faça o mesmo em favor de SUEME POMPEO DE MATTOS, para deputada Federal, nº 1213.
Conto com você!
POMPEO DE MATTOS

Paim faz corpo-a-corpo
em São Borja


Na reta final da campanha e como um dos candidatos ao senado melhor colocado nas pesquisas de intenção de votos, o atual senador Paulo Paim(PT) esteve brevemente na terça,passada, dia 28.09 em São Borja, onde participou de uma carreata. Também foi ao cemitério municipal Jardim da Paz, onde estão enterrados o ex-presidente Jango e o ex-governador Leonel Brizola.

O senador foi cumprimentado no cemitério por militantes do PMDB e do PDT!

As fotos são de autoria de Neuza Penalvo!

Bastidores( nos dias finais de campanha)


Rádio Gaúcha está preparando perfis de possíveis eleitos. Bah, tem assessor trombeteando, por aí....


*"Cola-cola" é o novo apelido do Jornal O SUL!


*Pra refrescar a memória :

algumas eleições de 2006, de deputados federais gaúchos


Luis Carlos Heinze(205.734), Zé Otávio Germano 195.822, Vilson Covatti, 168.320

Pompeo de Mattos(106.963) Vieira da Cunha 100.057 e Enio Bacci 61.524

Eliseu Padilha 140.494, Mendes Ribeiro 115.245, Osmar Terra, 101.695, Emídio Perondi 94.051,

Júlio Redecker 157.745, Onyx Lorenzini 112.764


Coleguinhas

Na sua coluna de ontem, Paulo Raimundo Gasparotto, no " Cola-Cola" elogiou muito o artigo de domingo passado assinado por Vinicius Torres Freire chamado" Neymar,Tiririca e Erenice". Saiu no dia 26 passado na Folha de São Paulo.


Coleguinhas


*salinha JCTerlera é também celeiro de notícias. Paparazzo chegou aqui dias atrás com uma lista que ninguém deu bola. Eram deputados novos e reeleitos. Comentei com o Flávio Pereira. EStáw no O SUL de hoje, 29.09 e também saiu no JC...

Viu? Nada se cria, tudo se copia.....


FREIO DE ARRUMAÇÃO NAS PESQUISAS?

Por Carlos Chagas

Tempos atrás singular solução foi encontrada pelos motoristas de ônibus, no Rio, quando não havia metrô e os transportes coletivos eram piores do que hoje. Diante da lotação total das viaturas e da necessidade de recolher mais passageiros nos pontos, sem espaço para entrar, os imaginativos motoristas gritavam para os trocadores, lá atrás: “vamos para mais um freio de arrumação!”
Uma freada súbita levava primeiro para a frente e depois para a retaguarda os montes de passageiros que viajam em pé, no corredor, abrindo-se espaços entre os que se agarravam aos bancos e os que iam caindo. Assim, entrava mais gente.

Guardadas as proporções, é o que acontece com as pesquisas eleitorais, com raras exceções uma atividade comercial como qualquer outra, onde o faturamento se torna essencial. Como são muitos os candidatos, os números começam não batendo, para depois chegarem a uma espécie de pré-consenso, não necessariamente um espelho das tendências populares. Entram nessas contas os patrocinadores, os clientes, os veículos onde serão publicados os resultados e, com todo o respeito, os interesses empresariais.

Apesar da sofisticação das metodologias e da capacidade dos responsáveis, sabem todos que por impossibilidade prática ou por malandragem, das dificuldades de aferir corretamente as tendências de um eleitorado de 132 milhões cidadãos e cidadãs num universo de 5.583 municípios através de consultas a no máximo 4 mil eleitores em apenas 200 cidades.

O problema é que o tempo vai passando, as campanhas se acirram e às vésperas do pleito é preciso dar um freio de arrumação nas pesquisas. Acoplá-las o melhor possível ao resultado próximo das urnas, medida imprescindível para garantir clientes nas próximas eleições.

Quando os números começam a mudar, surgem três indagações: 1. Estavam errados os percentuais divulgados até então, não era aquele o sentimento popular. 2. Estavam certos e as alterações de última hora refletem desesperada tentativa de atender a interesses obscuros. 3. O povo é instável, volúvel e bobo, porque mudou como biruta de aeroporto.

De modo geral os institutos ficam com a última hipótese, insurgindo-se contra a possibilidade de terem sido parciais e cometido erros, jogando a responsabilidade nos mesmos de sempre, os eleitores. Só que vigarice tem limites. O que estão fazendo é dar um freio de arrumação nas pesquisas, quando a solução natural seria, lá como cá, investir em melhores transportes coletivos ou ampliar substancialmente o leque das consultas eleitorais.

DIA DECISIVO

Pode ser que o Supremo Tribunal Federal encerre hoje a lambança criada em torno da lei ficha-limpa. É preciso saber, a quatro dias das eleições, se valem ou não as impugnações feitas a candidatos até agora condenados pela prática de crimes variados. Indica a lógica que se a mais alta corte nacional de justiça não conseguiu aprovar recurso de Joaquim Roriz, empenhado em anular a aplicação da ficha-limpa, deve prevalecer a decisão da instância inferior, o Tribunal Superior Eleitoral, em favor da vigência imediata do novo texto.

Afinal, para derrubar a impugnação do ex-governador de Brasília, seriam necessários seis votos do plenário do STF, registrando-se que apenas cinco ministros votaram nesse sentido.

Mesmo assim, há dúvidas. Sustentam alguns que a ação de Roriz deva ser arquivada por falta de objeto, ou seja, o ex-governador renunciou à sua candidatura em nome de sua mulher. Aliás, manobra tão canhestra quanto a que determinou a perspectiva de sua inelegibilidade, anos atrás, ao renunciar a uma cadeira de senador para não ter o mandato cassado por quebra de decoro parlamentar.

O problema é que, omitindo-se, o Supremo abre mão de decidir a respeito de fundamental dúvida constitucional, ou seja, se a lei ficha-limpa vale para as eleições de domingo ou só para as próximas, de 2012. Também precisa esclarecer de uma vez por todas se a lei só retroage para beneficiar, não para prejudicar, definindo primeiro se as mudanças em questão alteraram o processo eleitoral.

Como o placar encerrou-se em 5 x 5 na votação da semana passada, não tendo o presidente Lula nomeado o décimo-primeiro ministro da corte, que evitaria o empate, quem quiser que especule sobre o resultado de hoje. De qualquer forma, uma situação lamentável, capaz de beneficiar bandidos, de um lado, ou de atropelar a Constituição, de outro...

NEGO PORQUE PEDE

Ainda a propósito da sessão de hoje do Supremo Tribunal Federal, vale recordar um episódio. Nos idos de 1955, para garantir a posse de Juscelino Kubitschek, eleito pelo povo, o Congresso cassou o mandato de dois presidentes da República, Carlos Luz e Café Filho, defensores de um golpe contra a democracia. Então vice-presidente licenciado por motivos de doença, Café Filho ficou bom de repente e tentou reassumir. O Exército não deixou, cercando sua residência, e ele impetrou hábeas-corpus junto ao Supremo. Os meretíssimos negaram o recurso e JK teve garantida sua posse.

Tempos depois, indagado sobre a decisão, um dos maiores professores de democracia do país, ex-governador de Minas e depois senador, Milton Campos, declarou: “Se eu fosse ministro do STF também negaria”. Quiseram saber porque e ele resumiu o que seria o seu voto: “Nego porque pede...”

Traduzindo: se um presidente da República, para assumir, necessita de habeas-corpus, é porque já deixou de ser presidente da República.

O mesmo se aplicaria a Joaquim Roriz: se para continuar candidato e ser eleito precisava de um pronunciamento judicial, é porque já não era mais candidato...

NADA DE EXTERIOR

Tem sido prática comum viajarem para o exterior, em longos périplos, os presidente da República que terminam seus mandatos sem maiores traumas. Juscelino fez assim, Castello Branco também, até Fernando Henrique Cardoso. Indaga-se se o Lula fará o mesmo, e a resposta é um sonoro “não”. Além de ter viajado muito, durante seus dois mandatos, ele carece de vontade e de condições para ficar flanando pelo mundo. Não fala línguas, não se interessa por arte, literatura ou História. Voltar ao seu apartamento em São Bernardo ou na residência alternativa que comprou no Guarujá será um risco, ao menos nas primeiras semanas, quando não terá um minuto de sossego, atropelado pela mídia, os companheiros e milhares de curiosos. Assim, um grupo de amigos está pensando em encontrar um lugar afastado, lá para os lados do Pantanal, onde o já ex-presidente e sua família possam pescar e descansar.


VOTAR NOS AMIGOS E AMIGAS

Por Luiz Oscar Matzenbacher

Como eu me arrependo de ter transferido meu título eleitoral para Santa Catarina. Não por demérito dos candidatos e candidatas catarinenses. Mas eu tenho dezenas de amigo (as)s querido (a)s; ou amizades que fiz durante minha vida de jornalista em Porto Alegre, que toda (o)s mereceriam meu voto tanto para governador (a), para senador (a), para deputado (a). Eu teria tantas opções, que mesmo sendo secreto, eu acho que votaria em branco, para não me dar o desprazer de ter que escolher.
Infelizmente, em Santa Catarina eu mal conheço as opções.
Porém, para a Presidência da República, eu creio que vou votar na Dilma. Pois sou amigo do ex-marido dela, o Carlos Araújo - e a conheci quando sofríamos nos porões da ditadura, em São Paulo em 1972.
Acho o Serra e a Marina um risco para o tamanho desafio de mudar ou ser diferente daquilo que o PT fez nos últimos oito anos. Poderiam desfazer o certo e refazer o errado.
Mas como jornalista empedernido e como um anarquista pacífico e clássico, garanto que vou continuar criticando e buscando mais liberdade e justiça social nesse nosso Brasil.


O crack e os seus malefícios para a sociedade

(*Archimedes Marques)

Os fatos criminosos em todas as partes e em todos os lugares do país, as desagradáveis conseqüências na área policial, educacional, saúde, social e familiar e o degredo causado pelo crack, comprovam que essa droga trouxe malefícios sem precedências para a nossa sociedade. O crack mata os sonhos das pessoas, aniquila o futuro de tantas outras e aumenta a criminalidade em todo canto que se instala.
De poder sobrenatural, o crack sempre vicia a pessoa quando do seu primeiro experimento e o que vem depois é a tragédia certa. A partir de então a sua nova vítima está condenada a engrossar as fileiras de um gigantesco e crescente exército de dependentes químicos da droga que, em conseqüência passa também a matar e morrer pelo crack.
O crack além de trazer a morte em vida do seu usuário, arruína a vida dos seus familiares e vai deixando rastros de lágrimas, sangue e crimes de toda espécie na sua trajetória maligna.
Faz parte da fórmula absurda do crack que nasceu da borra da cocaína, a amônia, o ácido sulfúrico, o querosene e a cal virgem, produtos altamente nocivos à saúde humana, que ao serem misturados e manipulados se transformam numa pasta endurecida de cor branca caramelizada, que passou a ser conhecida pelos mais entendidos, com toda razão, como sendo a pedra da morte.
Como os efeitos excitantes do crack têm curta duração, o seu usuário faz dele uso com muita freqüência e a sua vida passa a ser somente em função da droga.
Em virtude do dependente do crack pertencer em grande maioria à classe pobre ou média da nossa sociedade e assim não dispor de dinheiro para manter o seu vício, então passa ele a prostituir-se em troca da pedra ou de qualquer migalha em dinheiro, a se desfazer de todos os seus pertences e a cometer furtos em casa dos seus pais, dos seus parentes, dos seus amigos ou noutros lugares quaisquer, para daí logo passar a praticar assaltos, seqüestros e latrocínios, sem contar que também fica nas mãos dos traficantes para cometer homicídios ou demais crimes que lhes for acertado em troca do crack.
Assim, o usuário do crack vende seu corpo, sua alma, seus sonhos para viver em eterno pesadelo.
Na trajetória inglória e desprezível do crack, o seu usuário encontra o desencanto, a dor, a violência, o crime, a cadeia, a desgraça ou o cemitério. O crack traz o ápice da insanidade humana. Alguns que se recuperaram do poder aniquilador do crack disseram que dele sentiram o gosto do inferno.
Concluímos então que o perfil da sociedade se transformou e os problemas da segurança pública mudaram consideravelmente para pior a partir do advento do crack. Aumentaram-se todos os índices de crimes possíveis por conta do crack. Em decorrência do crack também passou a morrer precocemente uma imensidão incontável de pessoas, destarte para os jovens que mais se lançam neste lamaçal. Os seus usuários em grande maioria se transformam em pessoas violentas e, com armas em mãos são responsáveis por mortandade em suicídios, assassinatos dos seus familiares e amigos, homicídios pelo tráfico, para o tráfico ou ainda mortes relacionadas às pessoas inocentes em roubos, nos chamados crimes de latrocínios.
É preciso que as políticas públicas contra o crack, além de promover bons projetos preventivos, repressivos e curativos, considerem os vários aspectos que envolvem os seus dependentes químicos e suas conseqüências, como a conscientização da população voltada para o drama pessoal vivido pelos mesmos e por aqueles que o cercam, as dificuldades de bem vigiar todas as fronteiras como melhor forma de prevenção de evitar a entrada da sua pasta base, as carências das entidades assistenciais e de saúde, assim como da necessidade de recursos para os aparatos policiais, destarte, para a valoração profissional dos seus membros no sentido de melhor combater o trafico, o traficante e o chamado crime organizado que é a fonte de alimentação da droga.
Evidente é que o crack é caso de Polícia, mas é também problema de todos nós e, na medida em que por sua culpa são gerados tantos crimes e disfunções sociais, cresce ainda mais a responsabilidade da própria sociedade e do poder público, principalmente para ser tratado em larga escala como caso de saúde pública.

(Delegado de Policia. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela Universidade Federal de Sergipe) archimedes-marques@bol.com.br


Agenda Tarso Genro 30/09/2010



Santo Ângelo
9h30min – Coletiva de Imprensa e Caminhada
Local: Hotel Maerkli (Av. Brasil, 1000)

Santa Rosa
11h40min – Coletiva de Imprensa e Caminhada
Local: Sede do PCdoB (Av. Rio Branco, 381)
Caminhada - Saída em frente a sede do PCdoB, seguindo pela Buenos Aires até a Av. América

Cruz Alta
15h20min – Caminhada
Saída na Praça da Catedral (rua Pinheiro Machado)

Santa Maria
17h – Caminhada
Saída na Vale Machado esquina com Rio Branco, finalizando na praça Saldanha Marinho


Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
51 3323.8907
www.tarso13.com.br
www.twitter.com/tarso13

ANUNCIADO HOMEM DO AÇO 2010


Rudolf Fritsch, presidente de Aços Favorite, de Cachoeirinha, foi anunciado, hoje como o Homem do Aço 2010, pelo presidente da Associação do Aço do RS (AARS), José Fernandes Martins, durante a reunião-almoço da entidade, na Fiergs, que contou com a presença do candidato ao governo do Estado, José Fogaça. O empresário fundou e dirige uma das maiores distribuidoras e prestadoras de serviço de aços especiais do Sul do País. O prêmio que será entregue, em solenidade, no início de dezembro, contempla anualmente as lideranças de empresas que se destacam no setor.
Durante o encontro de hoje, o presidente da AARS voltou a analisar o bom momento da indústria de transformação de aço do Rio Grande do Sul que consumirá, neste ano, perto de 1,6 milhão de toneladas de aços planos, consolidando-se como o terceiro principal pólo metal-mecânico do Brasil, atrás de São Paulo e Minas Gerais. Para manter a competitividade gaúcha, Martins pediu que o futuro governador, seja quem for o eleito, deve manter a atual tributação do ICMS sobre a matéria-prima comprada das siderúrgicas, como forma de compensação dos custos do transporte desde o centro do País até o Estado.

Todt Comunicação




Convite

Conheça a história de gente que ganha dinheiro com blogs na internet
Você sabe o que é um blog? É um espaço na internet onde você pode escrever suas ideias, fazer comentários e falar sobre assuntos variados.


E sabia que tem muita gente ganhando dinheiro com isso? A videomaker Renata Pereira, por exemplo, é apaixonada por maquiagens e ganha dinheiro dando dicas para o visual. Para a gravação ela usa dois espelhos e uma câmera. Com o blog ela recebe cerca de R$ 2500 por mês. “O segredo é se divertir e ser sincera, sempre”, disse.


Outra blogueira que ganha dinheiro com internet é a Ronilda Ribeiro. Ela vende artesanato e recebe as encomendas em sua página. “Já vendi até para os Estados Unidos. Este mês, por exemplo, eu que sustentei a casa. Paguei as minhas contas, o colégio da minha filha, tudo com meu artesanato”, explicou Ronilda.

O Mais Você também mostrou a história do blogueiro Carlos Rua, que deixou para trás o emprego e resolveu se dedicar aos seus personagens de humor para ganhar dinheiro. O humor garante a ela cerca de R$ 2 mil por mês. “Trabalhar em casa tem o lado bom, mas não dá pra relaxar e ficar o dia todo vendo TV. Para ganhar dinheiro você precisa procurar anunciantes, patrocinador – que é muito mais seguro e te dá uma renda fixa. A terceira maneira de ganhar dinheiro é colocando produtos no teu site”, explicou.

Internet pode ser um bom negócio porque o número de usuários no Brasil é muito grande: São 67 milhões e 700 mil pessoas.

Para explicar as diversas formas de se ganhar dinheiro com blog, Ana Maria conversou com o jornalista e blogueiro Rafael Capanema. “Cosméticos, quadrinhos, música e tecnologia rendem bem. Ao fazer o blog você também tem acesso a relatórios e fica sabendo dos detalhes dos acessos. A partir daí você pode ganhar dinheiro com os anúncios”, disse.

Prognósticos


Analistas entendem que será grande a votação na legenda do PV

" Eles vão botar um deputado estadual" me disse ontem,um assessor de um deputado.


Pra não esquecer a memória.

Em 2006,pra deputado estadual o PV fezx 36.293 votos na legenda e o deputado estadual mais votado fez 2.763 que foi o professor Felipe de Oliveira.

Pra deputado federal, a legenda do PV fez 38.817 votos e o deputado mais votado fez 8.276 votos.

De São Borja


NA RETA FINAL ,MARIOVANE,
PEDE VOTOS PARA JULIANA !


NOS ÚLTIMOS DIAS O PREFEITO MARIOVANE WEIS(pdt) que se licenciou da prefeitura municipal para participar da campanha política, anda correndo as vilas de São Borja encima de uma caminhão pedindo votos para Juliana Brizola(neta do ex-governador Leonel Brizola e candidata a deputada estadual).

Mariovane pede votos acompanhado de Fátima da Rocha - atual diretora do Departamento do Idoso, ex-vereadora e ex-Presidente da Câmara Municipal de São Borja, do vereador Valério Casafuz(PDT) e do seu fiel escudeiro e chefe de gabinete da prefeitura municipal, Edison Almeida.

Morto durante um assalto


da esq para dir Santa Rosa, Kurt, Bubina, Paulinho Silveira Martins, Fernando Wesphalne(Judeu,depois dono da rádio Continental e foi da MPM) Dinarte Silveira Martins(Dido) Paulo Odone Araujo Ribeiro, Caio Odone Ribeiro,( que foi dono do bar 106) Jarbas das Flores(falecido) o dono do bar Kurt Krigel e senhora. data Natal de 1967


ao bar Rembrandt na madrugada de 22.09.1969, Kurt Krigel foi homenageado no dia 22 passado, pelos familiares. Houve uma missa rezada na frente de donde funcionou o bar, na dr. Timóteo, 855(Moinhos de Vento).
Da imprensa, só foi a representante da ZH Moinhos de Vento e assim mesmo,segundo informa Aurea Altenhofen, por que ela tem relaçoes familiares.

Segundo José Mitchell, em seu livro de memórias sobre a luta armada( da qual ele não participou) Aurea se formou advogada para tentar esclarecer o assassinato do avó, que segundo dois sites, Ternuma e um outro, do militar Brilhante Ulstra, teria sido perpretado pela VAR-Palmares,entidade formada por guerrilheiros que haviam optado por derrubar a ditadura militar no Brasil através da luta armada.

Kurt reagiu ao assalto e acabou morto por um tiro.

Ninguém nunca foi julgado pelo assassinato.

Recebo(claro que é gozação de petista) e publico!

Serra monta ministéiro!

 

Pescado do blog do prof. Hariovaldo

Como a vitória agora é questão de dias, é hora de começarmos a analisar o futuro ministério de salvação nacional do governo Serra. Alguns nomes já estão certos, outros ainda são dúvidas. É importante que cada um de nós dê sua opinião sobre eles ou indique substitutos. Vamos conhecê-los:

Relações Exteriores: Fernando Henrique Cardoso;< br /> Defesa: N elson Jobim;
Justiça: Gilmar Mendes;
Banco Central: Salvatore Cacciola
Comunicações: Ali Kamel;
Saúde: Cacá Rosset;
Economia: (Serra está em dúvidas entre Sardenberg e Míriam Leitão)

Segundo sugestões dos homens bons que frequentam este sítio noticioso, poderemos ter também as seguintes pessoas nos ministérios indicados:

Minas e Energia: David Zylbersteyn
Pró-Álcool: Lucia Hipolitro.
Cultura: Arnaldo Jabor
O IBGE será gerido pelo Datafolha.
Trabalho: Chiquinho Scarpa
Turismo: Maitê Proença
Ministério do Acarajé: Cira de Itapuã
Ministério da Juventude: Soninha
Instituto Federal de Reeducação Social Henning Boilesen: Jair Bosolnaro
Previdência Social: Georgina de Freitas
Iguald ade Racial: Demétrio Magnoli
Reforma Agrária e Agricultura Familiar: Kátia Abreu
Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres: Rogéria
Articulação Política: Índio da Costa
Esportes: Ricardo Teixeira

A chefia da Casa Civil ficará com a Condoleezza Rice, pois é assunto muito sério pra ser tratado por brasileiros.

O Instituto Rio Branco passará a se chamar Ronald Reagan Institute.

O Diário Oficial da União será substituído pela Folha de S. Paulo.


Os demais pastas analisaremos a medida que formos sabendo os nomes dos indicados.


Metendo a minha colher e já que o anunciado Ministério da Segurança Pública não foi citado pelo eminente professor Hariovaldo, sugiro para a pasta que combaterá o medo da classe média, a notável atriz global, ex-namoradinha do Brasil, Regina Duarte.

Já para o Ministério das Comunicações, eu discordo - data maxima venia - da indicação de Ali Kamel. Sugiro, pois, o nome do colunista de Zero Hora dominical, um destemido ex-homem-macaco, Flávio Tavares, elogiado redator ad hoc de um manifesto de apoio às candidaturas de José Serra em dobradinha com a esquecível governadora Yeda Crusius.


Julio Flores

Perfil

Julio Cesar Leirias Flores, 51 anos, é natural de São Borja (RS). Graduado em Matemática pela Pucrs, é professor na rede pública estadual e municipal em Porto Alegre. Seu contato com a política se iniciou na infância, quando acompanhava o avô paterno em comícios do PTB, na década de 1960. O avô materno, que participou da Coluna Prestes, também o influenciou. No final dos anos 1970, começou a militar no movimento estudantil. Atuou na resistência à ditadura militar, ajudou organizar o Partido dos Trabalhadores (PT) e participou da criação da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Em 1992, foi expulso do PT após o movimento Fora Collor, por divergências com lideranças partidárias em relação ao então presidente da República. Migrou para o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU), oficializado em 1994. Foi candidato do PSTU ao Senado, em 1998, à prefeitura de Porto Alegre em 1996 e 2000, a vereador em 2004 e 2008, a deputado estadual em 2006 e ao governo do Estado em 2002 e agora, em 2010.


um crime insolúvel?

Nos jornais de ontem, 29.09, o dono da transportadora " cegonheira" Mário Gabardo reclama que ainda não foi esclarecida a morte do seu filho,depois de cinco anos.

Respeitando a dor dos familiares, este site tem a impressão que o filho morreu durante um acidente, quando voltava das aulas da PUC!

 

Delegacia On Line!

Desde 2202, funciona no Estado,a delegacia On Line.

Conforme a delegada Neusa Casagrande, da Delegacia On Line, o que pode ser registrado são furtos simples, perda de documentos, perda de objetovs, de aparelhos de telefone, de celulares e acidentes de trânsito com danos materiais.

O registro é feito através do site da Polícia Civil www.policiavivil.rs.gov. br ou www.delegaciaonline.rs.gov.br

Basta clicar no ícone correspondente ao fato que deseja registrar e preencher os campos. É importante um telefone de contato para eventuais esclarecimetnos referente à ocorrência e um email, se possuir, para a resposta do deferimento ou não.

Desde que foi instalada a delegacia on line já registrou 300 mil ocorrências, sendo que em torno de 200 mil foram de perda e furto de documentos e telefones celulares e 100.000 ocorrências de acidentes de trânsito com apenas danos materiais.


De São Borja!

Vereador apoia

candidatos de "fora"

Recebi do vereador Valério este pedido que transcrevo na íntegra:

MENSAGEM VEREADOR VALÉRIO


Peço seu apoio e voto para AFONSO MOTTA – 1200 (Deputado Federal) e FLAVIO LAMMEL – 12.125 (Deputado Estadual) dia 03 de outubro de 2010.
Essas pessoas ajudaram e continuarão ajudando muito São Borja.
Pessoas como o Prefeito Mariovane Weis, Secretários Municipais: Maria Hilda Fagundes, Ana Claudia Gattiboni, Odilon Bilhalva, Luis Xarão, Edson Almeida, Suplentes e Ex-Vereadores: Jossoe Boscardin, Fátima Andrade e outras pessoas, acreditam e apóiam esses nomes.

Por isso pedimos o seu voto. Vote Afonso Motta (1200 Dep. Federal) e Flavio Lammel (12.125 Dep. Estadual). Fogaça e Pompeu Governador (15), Rigotto Senador (151).

Conto com você!

Vereador Valério Cassafuz


Fronteira confirma preferência por Tarso

CACO ARGEMI

Caminhada em Uruguaiana



O candidato da Unidade Popular pelo Rio Grande, Tarso Genro, encerra amanhã (quinta-feira) sua campanha no interior do Estado, passando por Santo Ângelo, Santa Rosa, Cruz Alta e Santa Maria. A partir de sexta até domingo, as atenções estarão voltadas para Porto Alegre e Região Metropolitana. Nesta quarta-feira, acompanhado de centenas de militantes, Tarso percorreu cidades da fronteira. Em Uruguaiana, recebeu o apoio de mais um petebista de peso: o ex-prefeito, Caio Riela, que acompanhou a caminhada do candidato pelo centro da cidade. As atividades em Uruguaiana e Santana do Livramento demostraram a preferência da Fronteira pelos candidatos da Unidade Popular Pelo Rio Grande. Tarso, Genro, Beto Grill, Paulo Paim, Abgail Pereira e o ex-governador Olívio Dutra chegaram em Uruguaiana no fim da manhã e foram recebidos por mais de 500 pessoas no aerporto. Em seguida, os representantes da coligação participaram de uma grande caminhada nas principais ruas do centro da cidade.

Em Santana do Livramento a mobilização foi idêntica. As bandeiras e os adesivos dos candidatos da Unidade Popular, tomaram conta da cidade e demonstraram a tradicional força dos militantes e simpatizantes dos partidos na reta final de campanha. Por quase uma hora, Tarso, Beto, Paim, Abgail e Olívio caminharam pelas ruas centrais. Antes de deixar as duas cidades Tarso fez um pedidos: "Até domingo, vamos, todos nós, com alegria, respeito e energia em busca de mais votos para garantir uma grande vitória já no primeiro turno", Tarso.
Ainda nesta quarta-feira, Tarso e sua a comitiva participam de atividades em Bagé e Pelotas.

 

O mesmo jornal, em dois momentos diferentes!


Redação da ZH


Redação da ZH


Estas duas fotos são de quando a redação da ZH ficava no primeiro andar, do prédio da av. Ipiranga,1075. Tem uns cestos de lixo, com saco plástico, tem umas flores penduras nas paredes, é tudo meio improvisado.

Quem mandava na redação, digo, no conceito de layout era a secretária do então diretor, Lauro Schirmer. Ela mandava e desmandava....


Já a foto onde estão os quatro repórteres( Wagner,Mariano, Trezzi e Etchichury) é dos dias atuais. A redação subiu, como se dizia, no final dos anos 80,começo dos 90,quando ela foi computadorizada.

Aí num grande movimento liderado pela Jussara Silva foi proibido o cigarro dentro da redação e se criou, o que o Santana chama tanto hoje em dia em suas colunas de " fumódromo"( é um barzinho na entrada da redação).


a atual redação da zero hora. (Wagner,sempre com a cuia de mate ao lado, fazendo "teatrinho" de gaúcho!)

destes quatro repórteres citados( que se juntaram porque são autores de uma série de reportagens agora lançadas em livro) dois tenho certeza que conheceram a redação do primeiro andar porque não cozinham mais na primeira fervura: o Wagner( que no Coojornal era motorista de uma kombi que entregava produtos da cooperativa) e o Mariano. Já o Trezzi - o popular Radicci - tenho lá minhas dúvidas se ele conheceu a redação do primeiro andar. O Etchchury não é do meu tempo de ZH. Pelo que sei é bom repórter.

Não tenho mais a menor saudade da redação da ZH. Estes dias fui lá buscar umas cópias de um material no arquivo e nem vontade de subir me deu, que era uma coisa que sentia, anos atrás,ainda quando voltava lá....

Mas ficaram os colegas, que volta e meia ainda falo,via fone!


Programação do Tablado Andaluz

O Tablado Andaluz proporciona, num só espaço, a degustação da gastronomia espanhola e a apreciação da dança flamenca, recriando um típico ambiente Andaluz.

A cada semana, de quinta a sábado, o Tablado abre espaço a um solista diferente. Jovens talentos do baile flamenco se apresentam no palco da casa.

A convidada desta semana, nos dias 30 de setembro, 1º e 2 de outubro, é a Ana Cândida Amaral, diretora e bailaora solista da CAMPANA FLAMENCA, Escola de Dança e Cia de Flamenco de Novo Hamburgo. Acompanham a solista, Giovani Capeletti (guitarra), Pedro Fernández (canto) e Rafael Melo (Percussão).

SERVIÇO
SHOWS FLAMENCOS
Quintas, sextas sábados - entre 19h30 e 24h.
Às 22h acontece a apresentação de dança flamenca com acompanhamento dos músicos do Tablado Andaluz. Sempre um solista destaque convidado para o "Cuadro Flamenco".
Nesta semana, a convidada é Ana Cândida Amaral.
especialidade: Buffet de Paella e Tapas à la carte
Couvert Artístico: R$ 12,00 e R$ 8,00 para clientes que jantam o Buffet de Paella.


TABLADO ANDALUZ
Escola de dança - Av Osvaldo Aranha 418 - Porto Alegre / RS
RESERVAS: 3311.0336
www.tabladoandaluz.com.br

Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch

Pedro Simon: "Caso Erenice me levou a apoiar Marina"




"Vejo a Marina como uma pessoa muito espiritualizada", diz Pedro Simon. O senador gaúcho decidiu apoiar a candidata do PV à presidência. "Precisamos ter um segundo turno"


Claudio Leal

De Porto Alegre

O senador Pedro Simon ainda se refere ao seu partido, o PMDB, com a mesma sigla dos anos de resistência à ditadura: MDB (Movimento Democrático Brasileiro). Ao 80 anos, essa opção vernacular também realça sua dissidência com o núcleo de peemedebistas que aderiu ao governo Lula, depois de protagonizar a era Fernando Henrique Cardoso no Congresso. Apesar das sereias da candidata Dilma Rousseff (PT), que o cortejou em discursos e telefonemas, Simon decidiu, na última semana, distanciar-se mais uma vez da cúpula e apoiar Marina Silva (PV) para a presidência da República.
Nesta entrevista especial a Terra Magazine, concedida em seu apartamento, em Porto Alegre (RS), o senador esclarece o voto em Marina e renova a militância do segundo turno. O escândalo do tráfico de influência na Casa Civil, envolvendo a ex-ministra Erenice Guerra, substituta de Dilma, motivou-o a abandonar a reservada simpatia com a candidata petista, a qual sempre destaca a importância do líder gaúcho na sua formação política.

- O que me levou, me deixou muito angustiado, foi o que aconteceu na Casa Civil... Eu imaginava que no tempo do primeiro chefe da Casa Civil, José Dirceu, era uma coisa e essas coisas tinham desaparecido. Mas não tinham desaparecido. Tinham que ser mais esclarecidas. E a Dilma é uma figura fora do comum na história do Brasil.
Sem deixar de destacar a biografia de Dilma, Simon explicita as suas razões para votar em Marina:
- Vejo a Marina, primeiro, como uma pessoa muito espiritualizada, com sentimentos muito profundos, de fé. Se ganhar, ela alega que não fez compromisso com nenhum partido, vai governar com o Brasil. Vai escolher lá no PT, no PSDB... Ela até cita alguns nomes do governo Lula, que são de primeira grandeza.
Em 24 de setembro, o dia em que a modelo Gisele Bündchen declarou apoio a Marina, o senador manifestou sua decisão à candidata do PV, em Porto Alegre. Cercado por jornalistas, na sala de sua casa, reiterou o desejo de que as eleições, a presidencial e a do Rio Grande do Sul, sejam decididas no segundo turno.
- A campanha no Brasil, com esses partidos de um minuto, dez partidos, é uma confusão... É impossível o eleitor ter uma análise fixa da questão. Eu acho que o segundo turno é o que nós temos de mais positivo na eleição do Brasil - analisa.

Simon critica "a soberba" de Lula, onipresente na sucessão. O senador se surpreendeu com a pesquisa que apontou o presidente como mais confiável do que Deus.
- Ele vai querer discutir com o Homem lá de cima. Os caras ficaram com medo de combater o Lula. O problema do Lula, hoje, com toda a sinceridade, o grande problema, é o pecado capital: a soberba.
Apesar de reconhecer as conquistas econômicas do petista, ele critica o presidente por não ter sido firme na punição do ex-subchefe da Casa Civil, Waldomiro Diniz, homem da confiança do ex-ministro José Dirceu, acusado de extorsão em 2004. Para Simon, aquele foi um momento que definiria o perfil ético do governo.
Desde 1990 no Senado, o peemedebista confessa estar "muito abatido" com o declínio da vida parlamentar e do nível do Congresso. Vincula o desânimo à passagem do tempo e à mediocridade das relações do Executivo com o Legislativo.
- Vim de uma época em que o meu grupo, que almoçava e jantava, era o Dr. Ulysses, o Dr. Tancredo, Covas, Montoro, Teotônio, Richa... Era esse grupo. Hoje eu almoço em casa e janto em casa. É muito raro. Eu vou conversar com quem?
Confira a íntegra da entrevista com Pedro Simon.
Terra Magazine - O que lhe motivou a apoiar a candidatura de Marina Silva à presidência, apesar de seu partido, o PMDB, integrar a chapa de Dilma Rousseff?


Pedro Simon - Acho que é muito importante nós termos segundo turno. A campanha no Brasil, com esses partidos de um minuto, dez partidos, é uma confusão. Campanha pra presidente, pra governador, pra senador, pra deputado federal, pra deputado estadual... É uma confusão. É impossível o eleitor ter uma análise fixa da questão. Eu acho que o segundo turno é o que nós temos de mais positivo na eleição do Brasil. Imita um pouco, inclusive, os Estados Unidos. Lá a eleição se define em quatro debates entre os dois candidatos, um a um, frente a frente. Segundo turno é isso. Termina o primeiro turno, dez dias de descanso pra baixar a bola.
E vinte dias de campanha intensa?
Durante esses vinte dias, as empresas de televisão fazem dois ou três debates, um a um. Aí vai se saber quem é quem. O que me levou (a apoiar Marina), me deixou muito angustiado, foi o que aconteceu na Casa Civil.
O caso Erenice Guerra?
É. O caso Erenice me surpreendeu. Toda a análise que eu fazia... Foi um fato novo, que me abalou. O esforço para haver um segundo turno é muito importante para o Brasil.


O caso Erenice alterou a imagem que o senhor tinha de Dilma?
No contexto geral. Eu imaginava que no tempo do primeiro chefe da Casa Civil, José Dirceu, era uma coisa e essas coisas tinham desaparecido. Mas não tinham desaparecido. Tinham que ser mais esclarecidas. E a Dilma é uma figura fora do comum na história do Brasil. Não apenas a sua biografia, a sua história, mas o que ela representa, no meio dessa radicalização do PT e dessas manifestações meio exageradas do Lula, com relação à participação dos partidos em funções que até então eram reservadas para os técnicos, tipo a Petrobras... Hoje são loteadas para partidos políticos. E o Serra, no tempo de Fernando (Henrique Cardoso), foi mais ou menos igual. A Marina se propõe a fazer um governo nacional, chamando os grandes nomes da sociedade brasileira.
Marina rompeu com o governo Lula, saiu do PT, distanciou-se após o choque de visão sobre o meio ambiente. Neste momento, como o senhor projeta a trajetória dela?
Vejo a Marina, primeiro, como uma pessoa muito espiritualizada, com sentimentos muito profundos, de fé. Se ganhar, ela alega que não fez compromisso com nenhum partido, vai governar com o Brasil. Vai escolher lá no PT, no PSDB... Ela até cita alguns nomes do governo Lula, que são de primeira grandeza. Então, eu acho que isso é importante para ter o segundo turno. E, por outro lado, aqui no Rio Grande do Sul. É um absurdo o Rio Grande do Sul não ter segundo turno. As coisas estão se configurando de maneira tal, os programas de televisão (do PT) tão bem-feitos, que de repente não tem segundo turno...


Incomoda ao senhor a influência do marketing na política? Artificializa os candidatos?
Olhe, o meu projeto de lei termina com isso. Eu tenho um projeto de lei que diz que os programas de televisão tinham que ser ao vivo. Não pode ser. O maior exemplo que nós temos disso é o Lula. O personagem principal da primeira vitória não foi o Lula, mas o Duda Mendonça. Se você olhar os jornais da época, vai ver que as manchetes maiores eram do Duda Mendonça. Ele dizia: "Agora eu vou fazer o Lulinha Paz e Amor".
Alterou a imagem física...
"Não, essa barba aí eu vou tirar...". O Lula tinha que perder tantos quilos. Chamou-se a figurinista e tal. Aquela figura das três primeiras eleições, que Lula perdeu, e usava roupa de sindicato pra gravar o programa, desapareceu. Ele (Duda) dizia até o que Lula ia falar.
Isso não se repetiu, este ano, com Dilma?
Acho que não. Nesse sentido, não, porque a Dilma está dizendo o que sempre disse. O que pode ter acontecido, e eu acho normal, é pintar o cabelo de outra cor... Ela estava de óculos e agora está de lente de contato. Estou falando que, como regra, no Brasil, esses programas de televisão decidem uma eleição e não tem nada que ver com o candidato. Nos Estados Unidos, quem decide a eleição são os quatro debates no final da campanha. Já mudou a eleição. Kennedy ganhou nos debates. O vice-presidente democrata estava com a vitória, e Bush ganhou. Mas a vitória dele era tão certa, tão tranquila, que a orientação que deram pra ele, foi: "Você já está eleito. Tem que ir pra esse programa pra não perder ponto". Guerra do Iraque. "Pois é, vamos ver...". Ele foi tão frouxo, que o pessoal dizia: "Prefiro o Bush". Porque o Bush respondia com objetividade.
Agora, o Obama ganhou na televisão. Mas lá é ao vivo. Eu defendo muito isso. No segundo turno, nesses dez minutos, quem tem que falar é o candidato. Porque tem dois candidatos: um fala e o outro responde. Se não se fala de determinado assunto, o outro vai cobrar. E o povo vai ficar sabendo: ele não respondeu. No Rio Grande do Sul, eu acho uma desgraça nós não termos um debate do (José) Fogaça com o Tarso (Genro), uma grande discussão. Não está havendo nada.


O debate foi pífio?
O Tarso está fazendo um programa triunfalista, onde quem aparece mais é o Lula e a Dilma. Eu acho que um segundo turno Fogaça e Tarso muda de questão.
Ocorre um fenômeno nacional, que é a exposição excessiva de Lula nas campanhas dos candidatos, mesmo os de oposição, pra tentar se vincular à popularidade do presidente da República. O próprio José Serra utilizou Lula no programa na TV. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou a "mistificação" de Lula, que teria prejudicado a oposição. O senhor vê isso também?
Eu vejo. Vejo que o Serra insistiu muito, muito, em mostrar que ele era o pós-Lula e não o anti-Lula. E o PT fez questão de dizer que o sucedâneo do Lula é a Dilma, e o Serra é o anti-Lula. Realmente é discutível, porque o Lula está com 80% (de popularidade). Outro dia, eu estava numa reunião com os católicos parlamentares e disse: "Olha, nós vamos ter que conversar, porque na última pesquisa perguntaram: 'Você acredita em Deus?`. 58% disse que acreditavam e 48% que não. E o Lula? 80% acharam espetacular".
É Lula no céu e Deus na terra?
É. Eu disse: "Vamos lá, porque com essas pesquisas, depois das eleições, Lula vai começar a olhar lá pra cima". Ele vai querer discutir com o Homem lá de cima. Os caras ficaram com medo de combater o Lula. O problema do Lula, hoje, com toda a sinceridade, o grande problema, é o pecado capital: a soberba.

Ele tem extrapolado?
É a soberba. Ele está atingindo índices inauditos de coisas fantásticas. Por exemplo, foi um grande dia o lance da Petrobras (capitalização). Ele estava: "A maior empresa do mundo... quem diria que eu, dentro do capitalismo, fiz o maior negócio capitalista de toda história..." Essa soberba do Lula pode prejudicar. O sentido que eu quero é esse. Repare que tem 50% que não sabe em quem vai votar. Isto é que me leva a me dirigir a essas pessoas: se ainda não tem decisão, tente levar pro segundo turno.
Mas a divulgação contínua de pesquisas não cria um clima desfavorável ao segundo turno e prejudica o debate?
Você vai lá nos Estados Unidos e o voto nem é obrigatório. Em segundo lugar, a influência das pesquisas é muita relativa. Os setores que fazem pesquisa são completamente independentes. Você pega o jornal aqui, a universidade lá, não tem nada que ver. E aqui as pesquisas são assim. Tem uma história que diz que as pesquisas, quando vai se aproximando (a eleição), elas vão começando a se aproximar do que vai acontecer (risos). Mas quando chega no final...
Para o senhor, causa espanto Dilma vencer no primeiro turno, na estréia eleitoral dela? O senhor encara isso de uma forma negativa?
Não. Nesse aspecto, não. Ela tem todas as condições. Não estou fazendo essa análise a nível pessoal. Agora, pra ganhar no primeiro turno, vai ser uma maravilha... Ela vai ganhar numa eleição que só vai estar o emocional e a figura do Lula. Lula é Deus. Aqui em Porto Alegre estão fazendo um boneco com a figura do Lula em tamanho natural (risos) Você passa em frente e aperta a mão, pensando que é o próprio Lula...

Está virando uma idolatria?
É isso aí. Está nesse caminho. Está nesse caminho.
O que senhor indica como acertos de Lula no poder?
Fez muita coisa boa, não tem dúvida. A economia do Brasil está crescendo, hoje o País está rumo a uma posição econômica de primeira grandeza, um País respeitável, um nome de credibilidade internacional. Não tem o que discutir.
Teve a oportunidade de transmitir essas críticas a Lula?
Da tribuna. À parte a ética e à parte as coisas que o Fernando Henrique entregou, o Lula entregou mais ainda. Aquele PT que parecia uma coisa fantástica... Nos oito anos de oposição não houve partido no mundo que fez mais oposição do que o PT. A oposição do PT ia a tal ponto que, se dependesse do PT, Tancredo não era o presidente, o presidente era o Maluf. Se dependesse do PT, não havia Constituição, eles não votaram a Constituição. Não votaram o Plano Real. Mas chegou no governo e se acomodaram. Sou amigo do Lula. Ele me convidou, inclusive, a participar do governo dele. No primeiro mandato, eu votei no Lula, trabalhei por ele. Até o momento em que, exercendo uma posição simpática ao Lula no Senado, apareceu o caso Waldomiro (Diniz).
Fui lá no Palácio dizer pra ele: "Olha, Lula, aqui é hora de marcar seu governo. É caso pra demissão. Recebendo dinheiro, botando no bolso, dizendo as percentagens de quanto é, de quanto vale... Demite o cara e marque o governo". Não demitiu, manteve o cara. Eu queria pedir a CPI. Ele e o (José) Sarney não deixaram. Tive que entrar no Supremo e ganhamos no Supremo. Só que isso levou um ano. E nesse ano veio o mensalão, veio tudo... Se ele tivesse, naquela hora, punido o Waldomiro, dito "o meu governo é assim", não tinha o mensalão, não tinha nada. Mas liberou ali, liberou geral...
Como o senhor avalia a aproximação de Lula com oligarquias regionais, como Sarney, Collor? Isso fere a história do PT?
Creio que sim. Na verdade, o PT virou um partido pragmático, que se alia com quem for. Se aliou com Collor e Renan, em Alagoas, porque facilita a vida dele. Se uniu ao Jader (Barbalho) porque o Jader, no Pará, decide a eleição. Se aliou ao Sarney porque Sarney tem voto no Senado. Eminentemente pragmático. Em nome da "governabilidade", tudo vale.
O PT se assemelhou, nacionalmente, ao PMDB?
Não é que se assemelhou ao MDB. Porque o MDB nunca foi governo. Tancredo morreu, assumiu o Sarney. E Sarney nunca foi o governo do MDB. Sarney foi o Sarney.

Uma Arena camuflada?
O que aconteceu foi o seguinte: o Fernando Henrique quando assumiu, pegou o MDB pra governabilidade. E pegou um grupo xis do MDB. Em cima desse grupo xis, o PT fez horrores na oposição. Quando Lula assumiu, pegou o mesmo grupo. Os mesmos! Os que estavam com Fernando Henrique, estão com Lula.
Quando o senhor situa o declínio do projeto nacional do PMDB? Foi na derrota de Ulysses Guimarães, em 1989? Aquela derrota foi determinante?
Aquela coisa do Ulysses foi negativa. Ulysses foi um gênio político, o grande herói da democracia brasileira, sempre teve prestígio mil. Só teve um momento na vida dele que as coisas deram errado. Foi quando Sarney se elegeu e aí ele rachou a oposição. Porque o MDB estava no governo do Sarney e o Ulysses fazia oposição ao Sarney. No meio disso, teve a coisa triste da doença dele. Teve aqueles sofrimentos. E a imprensa e a oposição bateram muito nele... Então, o prestígio dele, que sempre foi mil, ali estava muito em baixa. E ele não teve a grandeza de ver.
O senhor se posicionou contra a candidatura de Ulysses?
Eu votei nele. Na eleição. Mas lá na convenção eu briguei pra que ele não fosse candidato, dizendo como amigo dele.
E houve aquela reunião com a presença de dona Mora (mulher de Ulysses)...
Ali nós fomos dizer pra fazer um candidato, pra ele indicar um nome. E ele ficou firme, voltamos lá pra reunião de todos os governadores e me disseram: "Então vai tu, Simon". Falei: "Vocês estão dizendo hoje pra eu ser candidato! Por que vocês não falaram ontem? Vocês me indicaram pra ir falar em nome de todo mundo, porque vocês disseram que Ulysses não tinha que ser candidato. E agora eu sou candidato?". Ele foi o candidato. A partir dali, com a derrota dele, nós íamos continuar, iríamos embora. Mas tiraram Ulysses da presidência (do PMDB), o Quércia assumiu a presidência e nunca mais fomos os mesmos.
Antes da convenção, ocorreu também o desentendimento de Ulysses com Waldir Pires.
Mas o Waldir terminou sendo vice dele. Waldir também achava que (Ulysses) não devia ser. O candidato ali pra nós era o Álvaro Dias. Engraçado que o candidato da Globo... Eu era o governador do Rio Grande do Sul e o Roberto Marinho me chamou lá, pra ele explicar por que achava que o Dr. Ulysses não podia ser candidato. Porque tinha o estigma da morte de Tancredo. Tancredo morreu com aquela idade. Então, velho não podia ser, porque o povo não aceitava. E aquela história do Ulysses estar em guerra com o Sarney... Naquela época, o candidato do Dr. Roberto era o Quércia. Governador, baita governador, e naquela época ainda não se falava nada dele.
Era um fenômeno eleitoral.
Ninguém falava daquele negócio de corrupção, veio tudo depois. Ali ele era o candidato. Ganhava. O outro era o Álvaro Dias. Até o Álvaro falava: tinha que ser um candidato novo, bonito... Ele até achava que era um candidato mais bonito que o Collor. E ele dizia que o Estado dele, pelo menos, era mais importante do que Alagoas. Mas aí perdeu. Quércia queria que eu fosse vice dele e eu disse pro Quércia: "Teu candidato deve ser o Ulysses (na presidência do PMDB)". Dos males de Dr. Ulysses... Era um homem excepcional, de qualidade, mas ele tinha um defeito doloroso: achava que ele tinha que ser o candidato a presidente. Não aceitava o Teotônio (Vilela), não aceitava o (Miguel) Arraes, não aceitava o Tancredo. O candidato era ele. E tudo que não era a candidatura dele, ele boicotava.
Aí eu disse pro Quércia: "Agora que ele não é mais candidato, pode ser um bom presidente e até articular sua candidatura". Quércia assumiu a presidência do PMDB e a imprensa batia muito... Na época da ditadura, Dr. Ulysses batia, batia, batia, mas não tinha nada pra dizer do velho Ulysses. Aí pegaram as coisas do Quércia, do governo, não sei do quê, e foi a desgraça. O MDB nunca mais deu volta.

Num provável governo Dilma, o PMDB criará dificuldades?
Dificuldade pra quê?
Pra Dilma, já que ela não tem a liderança política de Lula. Como o senhor imagina essa relação de seu partido com o governo?
Isso vai ser igual, não vai ser diferente. O MDB brigando pra ter mais cargos. E o PT que, cá entre nós - claro que é o partido da Dilma, mas é tão fisiológico quanto o PMDB-, também querendo cargos. O PCdoB... E a Dilma vai ter que ter competência pra escolher. Eu me lembro da época da Dilma, no ministério das Minas e Energia. Ela sustentou uma luta dura e fratricida com o Sarney, o grupo do PMDB e o PT, que queriam o comando dos cargos da Petrobras, essa coisa toda. E a Dilma brigando pra que ficassem os técnicos.
Quando ela foi ministra, não tem nenhuma dúvida, os cargos só foram dos técnicos. Mas quando ela largou o ministério, ela começou perdendo o substituto dela. Antes do Lobão, teve o Silas Rondeau, que foi indicado por Sarney, mas caiu fora. E mesmo assim Sarney indicou o (Edison) Lobão. O presidente do Banco do Brasil é do PT, o vice é do PMDB... Na diretoria da Petrobras, um é do PCdoB, outro é o MDB, não sei o quê... Os fundos de pensão estão todos aí. E isso com o Lula na presidência. Isso foi feito à revelia da Dilma.
O projeto do PT é formar uma hegemonia governista no Senado, pra ter o controle. E isso toca, especialmente, o senhor, que é um senador.

Lula disse que apanhou mais do que Jesus Cristo no Senado, nos dois mandatos. O senhor avalia desse jeito?
Gostaria que ele dissesse... A única vez que ele perdeu no Senado foi no imposto sobre cheque para a Saúde (CPMF). Eu até liderei a favor dele. O problema é que ele levou muito tempo para discutir. Na hora que ele mandou uma carta, falei pra ele: "Vamos fazer uma carta pra não votar hoje e vamos sentar na mesa pra encontrar uma forma". Chegou na última hora, uma coisa muito engraçada... Foi a eleição para a escolha do presidente (do Senado). Eu era o candidato, tinha um abaixo-assinado da oposição, toda a oposição me indicando. Mas eu não aceitei, dentro do PMDB saiu o Sarney. E o Lula fez uma manifestação muito favorável ao Sarney pra presidente, dizendo que eu não era confiável. Aí eu fui pra tribuna. "Não sou candidato a presidente, não quero, não vou ser. Agora, o presidente da República dizer que o homem é o Sarney e que eu não sou confiável, quero saber o porquê. Lula esteve na minha casa, me convidou para ser ministro dele, eu não aceitei. Eu ia ser líder da bancada, eu ia até ser, até que aconteceu o episódio do Waldomiro e eu me afastei. Agora, por que eu não tenho a confiança?".
Mas ele se aproximou dessa gente. E, mesmo assim, no dia seguinte eu fui pra tribuna. Até recebi muita carta contra mim. Porque num dia eu vou lá esculhambar o Lula, porque ele disse que não tinha confiança em mim. E no dia seguinte eu vou lá pedir pra votar o imposto sobre cheque (risos), a CPMF. Eu tive que explicar ao povo. Fiz um terceiro discurso. O primeiro, por que Lula não confiava em mim. Fiz o segundo pra votar na CPMF, citei uma carta que o Lula mandou pra mim, a meu pedido mandou pra nós, pedindo mais uma semana de prazo, pra gente sentar na mesa. Ele se comprometia a usar o dinheiro definitivamente pra Saúde. Estava resolvido o problema. Aí nós perdemos.
Para usar um termo da moda, um senador "ficha limpa" não é confiável para os seus pares e para o governo? Lula disse que o senhor não era confiável, mas, ao mesmo tempo, sua imagem pública está vinculada a uma conduta ética.
Não sei. A minha reação, quando ele não demitiu o Waldomiro, e quando o Sarney arquivou a CPI e eu entrei no Supremo e ganhei... Isso ele não perdoou. Se ele analisar com calma, é a minha posição de sempre. Não mudei. Absolutamente não mudei. Se ele olhar no fundo, ali foi o grande momento do governo dele, que esteve a pique. Teve um momento que o PFL reuniu-se para pedir o impeachment do Lula. No mensalão, ele estava lá embaixo. Os caras do PFL me convidaram, porque no do Collor eu fui quem coordenou, dirigiu, comandou... Eles falando... Perguntaram o que eu achava. "Olha, eu sou um rábula, não sou jurista. Estou aqui pela iminência. Mas o senhores me desculpem. Os senhores me desculpem, mas pra pedir o impeachment não precisa de nenhum dos senhores. Eu vou ali na máquina, bato à máquina e peço o impeachment. É um processo político". Ali chegamos à conclusão de que, ao pedir o impeachment, o Lula viraria herói. Porque podia sair ou não sair. Se não fizessem, ele estava tão desgastado, que ele se apagava.

Lula tem razão em dizer que houve uma tentativa de golpe naquele episódio?
Não. Porque tinha motivo pra coisa. Mas não tinha motivo pra impeachment. Eu também achava que as coisas que estavam acontecendo eram pra ser punidas. Até eu dizia: os motivos da cassação do Collor foram infinitamente menores do que as coisas que aconteceram no mensalão do Lula. O Collor era o carro Elba que tinha comprado com o dinheiro do PC Farias, era a reforma na Casa da Dinda, que o PC Farias pagava com o cheque dele e eram os gastos da primeira-dama, que também eram pagos pelo secretário do PC Farias. Isso é miudeza perto das coisas que aconteceram no mensalão. Cassaram o primeiro presidente eleito no voto popular, Collor. Aí é eleito um líder trabalhador, vamos cassar de novo? Não era uma coisa boa.
Senador, um dos temas mais debatidos nesta eleição é o papel da imprensa na cobertura eleitoral. O PT, Lula e Dilma entraram em choque com jornais e revistas. Houve um ataque direto do presidente, num comício em Campinas. Como o senhor analisa o papel da imprensa na política?
Bom, pra Lula ser considerado Deus, com 80%, não é a televisão do Lula, que tem um traço de audiência... É a cobertura que a imprensa está dando. É o Jornal Nacional, é a imprensa que tem publicado as coisas que ele tem feito. Agora, a imprensa também tem publicado o outro lado. E ele parece que não gosta da crítica, só gosta do lado positivo. Não vejo nada de uma crise institucional, nem vejo ninguém, nem jornal, nem Estadão, nem Veja, nem partido político, tentando qualquer coisa institucional. Não tem perigo de coisa nenhuma. Então, eu acho que o presidente falar isso... Por isso, quando acontece, a oposição começa a bater na porta dos quartéis... Não vejo.
A mídia deveria declarar qual é seu candidato no período eleitoral, isso seria mais correto?
Nunca pensei nisso. O argumento do Lula é que, nos Estados Unidos, o jornal Tal defende a candidatura Tal. No fundo, no fundo, (o jornal) O Globo é simpático ao partido que está no governo (ri). Agora, querer que O Globo apoie um cara que tá na oposição? E se o cara da oposição perde, ele vai ficar apoiando? Eu acho que é exigir demais! (risos) E a Folha meio que bate em todo mundo. Não vejo, sinceramente.
Recentemente, o senhor se disse desanimado com a vida pública, com o nível do Congresso. Mantém esse desânimo?
Estou muito abatido. Porque, se tu notares, as grandes figuras foram saindo, como (Paulo) Brossard. Foram morrendo: Ulysses, Tancredo, Arraes, Montoro, Covas, Josaphat Marinho... Se tu olhares... Não vou nem falar. Se olhar quem entrou no lugar, quais são os homens hoje? Todos esses nomes que eu estou te falando... O Senado era isso. Não quero citar nomes, mas quem é o senador?
O senhor olha pra um lado, olha pro outro... Ainda tem com quem conversar?
Eu... Vim de uma época em que o meu grupo, que almoçava e jantava, era o Dr. Ulysses, o Dr. Tancredo, Covas, Montoro, Teotônio, Richa... Era esse grupo. Hoje eu almoço em casa e janto em casa. É muito raro. Eu vou conversar com quem?
O que houve? São Paulo pode eleger o palhaço Tiririca como o candidato mais votado. Houve uma despolitização da política, pra rebaixar tanto o Congresso?
Uma geração morreu. Outra, como a do Brossard, passou o tempo. E não veio uma geração pra substituir. E por que não veio? Isso foi um mal do Fernando Henrique. O Fernando Henrique não se preocupou em abrir portas pra essas figuras. O governo Fernando Henrique foi a coisa mais fantástica! O mesmo grupo do PMDB que governou com ele, governou com Lula.
Michel Temer, vice de Dilma, presidiu também a Câmara.
O mesmo grupo passou os anos fechadinho com Fernando Henrique, apoiou o Serra (em 2002), apoiou o (Geraldo) Alckmin (em 2006), e esse mesmo grupo fechou com o Lula. Isso aí. Está lá. E governaram do mesmo jeito. Uma vez eu tive uma conversa com D. Evaristo (Cardeal Arns) e eu disse: "O senhor é responsabilizado por ser o grande formulador da direção do PT. O senhor fez um movimento fantástico, da chamada comunidade de base, que aqui em São Paulo foi uma coisa sensacional, o movimento da Igreja se voltar para os pobres, para os humildes... Sensacional. E depois levou o PT pra dentro dessas comunidades. Foi onde nasceu o PT. E o senhor ensinou realmente as equipes do PT, foi espetacular. Mas o senhor não ensinou ao PT o que fazer quando chegasse no governo. O senhor só ensinou a oposição. No governo, é igual. O cara que ganhava pra fazer propaganda de rua, ganhava dez pilas por dia pra comer o lanche, pegou cinco mil, oito mil, e se acomodou. O senhor não ensinou a ser governo". E ele me respondeu: "É verdade. Mas aquele pessoal que estava ali, naquelas reuniões, era tão pura, tão digna, tão patriótica, que se eu tivesse que ordenar padre, eu ordenava todo mundo padre".
Estamos a poucos dias do dia 3 de outubro. Qual é agenda do senhor pra mobilizar e ajudar Marina a forçar um segundo turno, antes das eleições?
Marina e Fogaça! (risos)
Sim, e Fogaça...
O que eu pretendo fazer é insistir na importância do segundo turno. Pedir, principalmente, aos 50% que ainda não decidiram pra reparar: eles vão votar agora em cima de um processo eleitoral anárquico, onde o Lula participou mais do que não-sei-quem, com dez candidatos... Se tiver segundo turno, nós vamos ter dez dias pra esfriar a cabeça. E mais vinte dias. O eleitor não vai assistir em casa dez candidatos a presidente, trinta candidatos a senador, dois mil candidatos a deputado... Só vai assistir a duas pessoas: o candidato A e o candidato B. Aí ele vai ter vinte dias pra analisar, pra refletir e fazer a escolha.


OS ESTACIONAMENTOS SUBTERRÂNEOS DE BUENOS AIRES E SUAS HISTÓRIAS

Por Gelson Farias, de Buenos Aires

A cidade de Buenos Aires iniciou um importante desenvolvimento a partir de 1880, ano em que foi designada capital da Nação Argentina pelo presidente Júlio Argentino Rocca.



A Avenida nove Julio, situada no bairro portenho de Montserrat, foi o primeiro bulevar que teve a cidade de Buenos Aires a coluna vertebral do centro histórico e cívico. Nasceu opulenta e majestosa e se transformou com o tempo em símbolo argentino cenário de todas as manifestações sociais portenhas. Foi à primeira Avenida da República e de toda América do Sul. Começa na Rua Bolívar e seu traçado de leste para oeste corre entre as laterais Hipólito Yrigoyen e Avenida Rivadavia.
Foi inaugurada em 1894 com o pretexto de que servisse de pulmão da população que se concentrava dentro do sector central da urbe e fora a vitrine de apresentação da cidade ao mundo Seu planejamento foi muito debatido e resistido, pois requereu a expropriação e demolição de construções pertencentes à alta sociedade, além de considerar-se sumamente custoso. Converteu-se no grandioso cenário da vida pública de princípios do século XX e as frentes de seus sofisticados edifícios, constituíram o magnífico marco de recepção dos ilustres visitantes estrangeiros. É talvez o melhor exemplo urbano da prosperidade da Argentina de princípios do século XX: debaixo dela circula o primeiro metrô subterrâneo que está no Hemisfério Sul.
Nela se receberam como heróis muitos argentinos, tais como o popular Jorge Mewbery e onde o povo presenciou com tristeza o desfile lento dos cortejos fúnebres de mortos ilustres na argentina, como Gardel, Perón e Evita. A administração da capital argentina diz que a iniciativa tenta promover uma mudança cultural, para que os "cidadãos se envolvam na resolução dos problemas da cidade e não deixem tudo na mão do Estado".

As pessoas precisam começar a rever seus conceitos em relação ao uso do carro. Por mais que as metrópoles estejam planejadas em relação aos automóveis, os centros urbanos não agüentam mais tantos carros. (Para você ter uma idéia, em 1904 (ano em que foi criada a Inspetoria de Veículos) de Buenos Aires) existiam apenas 84 automóveis na capital. Já em 1920 esse número cresceu para 5.596 veículos e hoje a cidade possui mais de seis milhões de carros circulando pelas ruas... é muito carro! Assim, a solução para as grandes metrópoles é a construção de estacionamentos subterrâneos, para que se possa desafogar o trânsito e as ruas das cidades, no carro Buenos Aires.
BICICLETA
Andar de bicicleta nos dias de hoje é se libertar dessa bolha egoísta que é o carro. É chegar mais rápido aos seus compromissos. É humanizar a relação do cidadão com sua própria cidade. É dar bom dia para as pessoas que você nunca viu na vida e receber um sorriso em troca, é perceber cada detalhe da arquitetura urbana e perceber o quanto de detalhes maravilhosos você deixa de ver quando está dentro de um carro. Andar de bicicleta é torná-lo mais vivo e saudável. É libertar suas endorfinas e se importar com o planeta que vivemos. É começar uma transformação dentro de si e conseqüentemente das pessoas e da sociedade que te rodeia.


O patrimônio é a herança que toda geração recebe de seus antepassados. É tangível e intangível. Mas não existe um sem o outro. O patrimônio construído é um dos documentos históricos notáveis para compreender nosso passado e construir nossa identidade. Para preservar esses documentos vivos do passado, em nosso país se criou em 1940 a Comissão Nacional Monumentos e Lugares Históricos que rapidamente se incumbiu da tarefa de determinar quais eram os monumentos mais significativos da história argentina. Viver em uma sociedade civilizada é respeitar suas leis, respeitando e preservados seus monumentos e praças para sempre. Foi por causa disso, que a prefeitura de Buenos Aires resolveu construir estes estacionamentos subterrâneos, sem, no entanto, destruir praças da cidade.
Um dos primeiros exemplos a ser destacado por essa normativa, foi a primitiva Praça Central, Plaza de Mayo, Lugar Histórico Nacional por Decreto n° 122.096 de 9 de junho de 1942. Para o prefeito da cidade, a Plaza de Mayo, não é exclusivamente dos portenhos. É de todos os argentinos.


A imagem que vive no inconsciente coletivo argentino já há quatro gerações é a da Praça de Mayo atual: a remodelação de Carlos Thays quando se abriu a Avenida de Maio em 1894 e precisamente essa foi à imagem a preservar quando foi declarada Lugar Histórico Nacional. Não é verdade que esta seja a Praça de Cacciatore. A conservação do patrimônio deve atender não somente ao bem em seu estado originário, mas à memória coletiva.

Este estacionamento subterrâneo localizado sob a Plaza de Mayo, centro de Buenos Aires, foi utilizado pelo alto escalação do Exército Argentino, para ser uma base estratégica, durante ditadura militar. Na realidade o estacionamento era uma prisão.
Segundo relatos de parentes das vítimas, muitos dos presos, foram torturados e mortos dentro do estacionamento. Outros, também torturados, não morreram ali, foram levados e jogados de avião no rio da Prata. Outros presos permaneceram ali, durante o período que durou a ditadura militar. Os que morriam, e decorrência das torturas, eram levados e enterrados em valas comuns num terreno baldio em Córdoba.

Graças a Deus que este tipo de covardia e autoritarismo não existe mais. Hoje, os argentinos, podem utilizar este estacionamento subterrâneo, não mais como prisão, mas sim como um meio de desafogar o trânsito em Buenos Aires.


Além dos estacionamentos subterrâneos, também vi muito comércio em nível abaixo da rua. Mas o mais surpreendente e inovador é que em muitos destes estacionamentos o motorista não paga nada para deixar seu carro ali. Em um dos bairros mais congestionados, a Recoleta, (foto abaixo) de Buenos Aires, existe a figura do guarda que é funcionário da prefeitura que fica ali, cuidando dos veículos








Na foto, como são os locais por onde saem ou entram os motoristas nesse estacionamento. Cada conjunto desses dispõe, além da escada, de um elevador, para o uso de deficientes físicos, idosos, mulheres grávidas, etc.



A Praça das Nações Unidas (foto), do ladinho da Faculdade de Direito, que é belíssima, tem uma bela flor metálica situada sobre um espelho d’água que recebeu o nome de flor alis genérica. A flor abre e fecha automaticamente as pétalas dependendo da hora do dia e da condição do tempo. Durante o dia as pétalas são mantidas abertas e a noite fechadas, porém em algumas datas comemorativas as suas pétalas se mantêm abertas durante toda a noite. Sob esta praça, existe um estacionamento subterrâneo, um dos maiores de Buenos Aires, pra os estudantes deixar seus carros sem pagar nada.

Na foto dá para identificar claramente o acesso a um desse estacionamento.


Na foto, como ficam os carros estacionados nesses espaços. A Rua está exatamente sobre o que podemos chamar de teto do ambiente.

INSOSSOS, AMORFOS E INODOROS DEBATES

Por Carlos Chagas

No passado foi sinal de prestígio para as redes de televisão promover debates entre os candidatos presidenciais. Positivamente, hoje não é mais. Pudessem ser realizadas e divulgadas pesquisas amplas, em todo o território nacional, a respeito dos índices de audiência desses debates, e os partidos se surpreenderiam pelo baixo nível de atenção do cidadão comum diante da repetição das mensagens de cada candidato. Verificariam o esgotamento do formato já ultrapassado de um perguntar para o outro, com tempo restrito para réplicas e tréplicas onde apenas chavões e pegadinhas vão ao ar.
A turma do faturamento das emissoras através da publicidade não anda nada satisfeita. Até os barões-proprietários começam a duvidar da eficácia de sua presença na portaria e nos corredores das emissoras, recebendo os participantes, como forma de mais tarde serem recebidos por um deles, o vencedor, quando chegar ao palácio do Planalto.
É preciso repensar essa monótona tentativa de angariar votos, por parte de uns, e de programar influência, pelos outros. Um único debate realizado em pool ainda passaria, pela curiosidade do eleitor. Cinco, seis e mais encontros dos mesmos, falando as mesmas coisas, só faz despertar sono no telespectador. Mais evidências do desinteresse popular tivemos ontem, no debate da Record, e teremos quinta-feira, na Globo, como aconteceu antes na Bandeirantes, na Rede-TV, na Rede Vida e outras. Bem agiu o SBT em não pleitear o seu debate, limitando-se a abrir espaço para entrevistas isoladas de cada candidato.
Repetir no futuro as mesmas insossas, amorfas e inodoras apresentações equivalerá a desestimular eleitores e candidatos.

SINCERIDADE FAZ MAL, DE MAIS OU DE MENOS

Ao disputar a presidência da República em 1960, o marechal Henrique Lott caracterizou-se pela sinceridade de suas mensagens e pronunciamentos. Não fazia concessões a temas e situações. Vinha defendendo a estatização completa do ensino primário e médio, com o fim das escolas privadas. Chegando em Santa Catarina, foi procurado ainda no aeroporto de Florianópolis por uma comissão do PSD, maior partido nacional, que o apoiava. Com muito jeito, Celso Ramos, cacique local, chamou-o de lado e apelou para que não abordasse o assunto, no comício daquela noite. Não pedia que mudasse de proposta, mas, simplesmente, que a omitisse, porque no estado o ensino privado ultrapassava 80% das escolas.
O marechal não disse nada, pareceu concordar. No palanque, depois de pronunciar-se sobre montes de projetos nacionalistas, preparava-se para encerrar sua fala e não havia tocado na questão do ensino. Todos pareciam satisfeitos quando, puxando Celso Ramos para o seu lado, disse ao microfone suas últimas palavras: “quero demonstrar como sou sincero. Meu amigo Celso pediu-me para silenciar quanto às escolas, mas não tenham dúvidas, se eleito, vou estatizar todas elas!” Perdeu de lavada a eleição em Santa Catarina.
Essa historinha se conta em função da teoria dos contrários. Um pouquinho de sinceridade faria bem aos atuais candidatos, mestres em omitir temas capazes de tirar-lhes votos. Dilma não fala no lucro dos bancos, Serra silencia diante das privatizações do governo Fernando Henrique, Marina evita abordar o asfaltamento da rodovia Manaus-PortoVelho e Plínio esquece de lembrar que o comunismo saiu pelo ralo...


Comício em Caxias do Sul reúne milhares de pessoas


Tarso na reta final da campanha!


Militantes e simpatizantes dos partidos que compõem a Unidade Popular Pelo Rio Grande participaram de um grande comício nesta segunda-feira em Caxias do Sul. Além de Tarso, Beto Grill, Paim e Abgail, o ato contou com a presença do presidente da Petrobrás Biocombustíveis, Miguel Rosseto, de prefeitos e vice-prefeitos da região e dos candidatos a deputado estadual e federal.

Antes da fala do candidato ao governo do Estado, a organização reproduziu o programa de TV que foi ao ar nesta segunda e que trouxe imagens do comício com Dilma e Lula, ocorrido em Porto Alegre na última sexta-feira.

Tarso convocou os militantes da Serra a pegarem o material de campanha e intensificarem o corpo-a-corpo. "Com respeito e com muita vontade, passem de casa em casa. Conversem com os que ainda não definiram e ajudem a garantir a nossa vitória e a vitória da Dilma já no primeiro turno".

Após o comício, o candidato percorreu o estacionamento da prefeitura para abraçar e tirar fotos com as pessoas.

Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
www.tarso13.com.br
twitter.com/tarso13


Os locais de votação de domingo

dos principais próceres do PT!

LOCAIS DE VOTAÇÃO

DILMA ROUSSEF – Cand. Presidente
Local: Escola Estadual Santos Dumont
Zona 160 – Seção 160
Rua Caeté, 328 – Bairro Assunção – Porto Alegre

TARSO GENRO – Cand. Governador
Local: Escola Estadual Santos Dumont
Zona 160 – Seção 036
Rua Caeté, 328 – Bairro Assunção – Porto Alegre

BETO GRILL – Cand. Vice-governador
Local: Escola Pastos Dohms
Zona 12 – Seção 27
Rua Álvaro Macedo, 125 – Município de Camaquã

PAULO PAIM – Cand. Senado (PT)
Escola Castelo Branco
Rua Tapajós, 275
Zona 171 - Seção 028
Bairro Igara – Canoas

DILCE ABGAIL – Cand. Senado (PCdoB)
Local: Esc. Est. Prof. Apolinário Alves dos Santos
Zona 169 – Seção 148
Rua Atílio Andreazza, 3731 – Sagrada Família – Caxias do Sul

OLÍVIO DUTRA – Ex-governador
Colégio São João
Rua Honório Silveira Dias, 645
Bairro Higienópolis – Porto Alegre

GUILHERME CASSEL – Ministro Desenvolvimento Agrário
Local: Escola Estadual Santos Dumont
Rua Caetés, 328
Zona 160 - Seção 371
Bairro Assunção - POA

MIGUEL ROSSETTO - Presidente da Petrobras Biocombustível
Escola Est. Luciana de Abreu
2ª Zona - Seção 85
Rua Jacinto Osório, 60
Bairro Santana – Porto Alegre


UMA RÍGIDA PROFESSORA

Por Carlos Chagas

Caso até domingo não sobrevenha um inusitado de olímpicas proporções, Dilma Rousseff estará eleita presidente da República. Só um milagre, e dos grandes, impedirá a candidata de vencer, provavelmente no primeiro turno.
Sucedem-se as perguntas, a partir daí: seu governo será um vídeotape do governo Lula, até pela manutenção de ministros atuais ou antigos? Conseguirá o PT maiores espaços na administração e nas decisões políticas? Qual o papel do PMDB, presumindo-se que venha a eleger as maiores bancadas na Câmara e no Senado? Haverá um dialogo diferente com as oposições? A influência do presidente Lula será ostensiva ou velada? A política econômica sofrerá mudanças?
Mais um milhão de indagações poderiam seguir-se a essas, registrando-se apenas a evidência de estar o país no limiar de um novo modelo de governar. Menos pelo fato de pela primeira vez uma mulher assumir o poder, mais pelas características pessoais de Dilma. Dificilmente ela conservará a imagem a duras penas mostrada na campanha, eivada de amenidades, sorrisos e rapapés. Por natureza, a nova presidente é rígida, áspera e até intolerante. Não mudará, em especial quando se vir a braços com desafios, incompreensões, críticas e a óbvia incompetência que marca a ação da máquina governamental.
Em suma, deve o país preparar-se para ser dirigido por uma professora disposta a cobrar o dever de casa logo no primeiro dia de aula. Alguém de poucas palavras e muita cobrança, bem diferente do tolerante e loquaz antecessor.

PLÍNIO E A CASA DE MARIMBONDOS

No pálido debate entre os candidatos presidenciais, na noite de domingo, destacou-se mesmo aquele que não tem nada a perder, porque já perdeu. Plínio de Arruda Sampaio voltou a enfiar a mão numa vasta casa de marimbondos. Levantou dúvidas que muita gente levanta mas poucos tem coragem de referir: para ele, os Estados Unidos são um país ditatorial porque quer impedir que o Irã e outras nações disponham da bomba atômica, jamais tendo protestado porque Israel também dispõe.
Arriscou-se a outra ferroada quando defendeu o controle dos meios de comunicação, denunciando que seis famílias tentam dominar a opinião pública nacional através de seus jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão.
O singular nessas polêmicas observações foi o silêncio dos adversários. Nem Dilma, nem Serra nem Marina abriram a boca para contestar ou apoiar Plínio, apesar das palmas do auditório. Em muitas outras afirmações do candidato do Psol, foi como se ele não existisse, mesmo quando agredia os outros.
Dilma, acusada de conivente ou incompetente diante do caso Erenice Guerra, preferiu repetir a disposição de fiscalizar, apurar e punir qualquer mal-feito porventura ocorrido em seu governo. Não reagiu quando Plínio chamou o presidente Lula de megalômano. Ou de ter passado da esquerda para a direita. Também não respondeu se poderia viver com o salário-mínimo.
Marina disse apenas não admitir que outros determinem seu pensamento, quando acusada de querer agradar a todos e não se manifestar sobre temas polêmicos como as drogas, o aborto e a eutanásia. Também não reagiu ao ouvir que é eco-capitalista demagoga, constituindo um engodo sua proposta de realizar plebiscitos sobre essas questões. Nem quando rotulada de sem coragem para enfrentar os poderosos, engolindo os transgênicos, o desvio das águas do São Francisco
Serra silenciou quando Plínio acentuou que seus três adversários estavam mais ou menos ligados à corrupção. Preferiu denunciar o mensalão e o PT. Depois, informou que São Paulo tem o melhor padrão educacional do país, em seguida á acusação de os tucanos estarem no poder há 14 anos, no estado, sendo que 30% das crianças em idade escolar não sabem ler nem escrever.

Chocador de notícias


Já estou com o teu livro,no Planalto com a imprensa,nas mãos. Pedi
para o Chagas autografar. Só não mando agora,porque os dois volumes
são muito pesados.Deve ser a minha foto com o Geisel. Afinal é uma
dupla de peso.No fim de outubro quando for para a tua tarde de
autográfos vou levar os livros
Sergio Ross

PS: eu não sou como tu,que esta me devendo um monte de livros e uma
tres formas de queijo....


Recebo de São Borja!


Olides
Fiz uma matéria para a edição desta quarta-feira da Folha de São Borja sobre o lançamento de teu livro aqui na terrinha. Pena que não encontrei nenhuma foto tua que estivesses bonito para completá-la. Peço desculpas por isso. Sucesso na tua mais nova obra e logo logo estarás lendo mais um livro do escritor e jornalista do Itacurubi. Um abraço
Edson Arce


O que muda no trânsito com as obras do

Túnel da Conceição!


Clique para ampliar o mapa


Clique na imagem para ampliar
O roteiro das mudanças do tunel da conceição!

Coleguinhas


Salomão Kirjner, falecido no domingo passado,dia 26.09 nascera a 20.03.1925. Morou,no passado, na rua Duque de Caxias,1405. Trabalhou no Correio do Povo e no Palácio Piratini,além da Assembléia Legislativa do Estado,onde foi superintendente por vários anos.

Era um dos poucos taquígrafos concursados da Assembléia. Os outros são a jornalista Moema Bauer, e a apresentadora da RBS, Rosane Marchetti.
Estava aposentado. Morou anos no Rio mas ultimamente voltara a Porto Alegre.
Também editou a revista Parlamento!

De Serafina


Voltaram as obras no espigão

defronte a cantina!

Meus perdigueiros, como dizia o "Hilário Honório" ( pseudonômio sobre o qual se escondia Adil Borges Fortes da Silva, na Folha da Tarde) me manda uma correspondência de Serafina informado que pela quarta vez, o Beto Chiarello reinicia as obras defronte da cantina de vinho da Sociedade Estrela.

" tem gente trabalhando na obra. Estão fazendo a caixaria para concretagem das vigas do primeiro piso"!

Depois de várias idas e vindas, com interferência do Ministério Público, da Justiça EStadual e Federal, o proprietário do lote localizado na frente da cantina -agora tombada - voltou a fazer o espigão que tanto tem revoltado os conservacionistas da cidade.

Mas no caso há dois pesos e duas medidas: porque o casarão dos Assoni, localizado na Miguel Soccol com Orestes Assoni, foi derrubado na moita e ninguém fez nada!


Vargas abandonam definitivamente

Itaqui!

"NECO"( Manoel Antônio Sarmanho Vargas Filho) é o mais novo matriculado da faculdade de Direito Ritter dos Reis. Mudou-se de mala e cuia para o Terraville na zona sul de Porto Alegre, onde também reside seu mano, o Getulinho.
A fazenda do Cerrito foi vendida....

Bolsa de apostas


Intenção de voto para deputado federal

A deputada federal Manoela Davila( que ontem de manhã pedia votos na Praça Parobé, em Porto Alegre) (PCdoB) a mais votada nas eleições de 2006, no RS, é a mais citada pelos gaúchos para a Câmara dos Deputados,diz o Datafolha.

Ela tem 2% das intenções de voto.

Com 1% aparecem Darnlei(PTB) - ex-goleiro do Grêmio - Paulo Pimenta(PT) Pepe Vargas(PT) Girardi(PTB) ex-prefeito de Cachoeirinha e ex-presidente da Famurs - Afonso Hamm(PP) Fernando Marroni(PT) Sérgio Moraes(PTB), Luciana Genro(Psol),Mendes Ribeiro(PMDB)Perondi(PMDB) Beto Albuquerque(PSB) Maria do Rosário(PT) Afonso Motta(PDT) e Enio Bacci(PDT).

67% não sabem em quem votar!


Candidatura de Tarso recebe apoios

Campanha de Tarso recebe apoio de juristas e vítimas da ditadura

Manifesto juristas.doc (27.5 Kb) attached Carta de apoio a Tarso.doc (37.5 Kb) attached
A candidatura de Tarso Genro ao governo do Rio Grande do Sul recebeu nesta terça-feira o apoio de vítimas de perseguição durante o regime militar e renomados juristas brasileiros.

Pessoas como João Vicente Goulart, filho do ex-presidente João Goulart, familiares de Paulo Freire, Carlos Marighella e Glauber Rocha, e o dramaturgo José Celso Martinez Corrêa assinam a carta onde exaltam o trabalho de Tarso no governo Lula e, em especial, no Ministério da Justiça. “Um homem que cuida dos direitos humanos com tanto carinho é o homem que cuidará efetivamente das aspirações do seu Estado natal”.

Já os juristas em seu manifesto afirmam estarem “convictos” de que eleger Tarso governador é “um gesto de sabedoria e de costumeira vanguarda do admirado povo gaúcho”.

Confira clicando aqui e aqui os dois documentos e seus signatários:


--
Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
51 3323.8907
www.tarso13.com.br
www.twitter.com/tarso13

Apostas

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlmentar também divulgou uma bolsa de apostas.

Eis quem se elegeria deputado federal pela lista

1) Afonso Hamm(PP) (reeleição), 2) Alceu Moreira( PMDB) - novo, 3) Assis Melo( PCDOB) novo, Beto Albuquerque(PSB) PSB (reeleição) Cláudio Diaz PSDB( reeleito) Danrlei de Deus goleiro( PTB) novo,Darcísio Perondi(PMDB)reeleito, Eliseu Padilha, PMDB reeleição: Elvino Bhon Gass, PT, novo, Emilia Fernandes, PT(reeleição) Enio Bacci(PDT) PDT(rreleito) Fabiano Pereira(PT) novo, Fernando Marroni(PT) reeleito, Paulo Ferreira, PT, novo, Flávio Zacher, PDT, novo, Henrique Fontana,PT reeleição, Jerônimo Goerjen, PP, novo, Luciana Gerno, PSol, reeleição,Luis Carlos Heinze,PP, reeleição, Luiz Carlos Buzato, PTB reeleição, Manuela Davila, PcdoB, reeleição, Marco Maio,PT,reeleição, Maria do Rosário, PT, reeleição, Maurício Dziedricki, PTB, novo. Mendes Ribeiro Filho, PMDB, reeleição, Nelson Marchezan Jr, PSDB, novo, Onyx Lorenzoni, DEM, reeleição, Osmar Terra, PMDB, reeleição, Paulo Pimenta, PT reeleição, Pepe Vargas, PT, reeleição, Prf. Edison Biuti, PV, novo, Prof. RuyPauletti, PSDB, reeleição,Renato Molling, PP, reeleição, Ronaldo Zulke,PT,. novo, Sérgio Moraes, PTB, reeleição, Stedile, PSB novo, Vieira da Cunha PDT, reeleição,Vilson Covatti, PP, reeleição, Záchia, PMDB, novo.


Agenda Tarso Genro 29/09/2010

Uruguaiana
11h - Caminhada - Saída na Rua Monte Casseros, esquina Duque de Caxias, até Calçadão
12h - Coletiva de Imprensa e Almoço - Piquete Saraquá

Santana do Livramento
15h15min – Panfleteação no calçadão (R. Andradas)

Bagé
17h30min – caminhada – Praça dos Esportes (Av. 7 de Setembro até a Câmara dos Vereadores)


Pelotas
20h – Comício – Largo do Mercado (Praça Cel. Pedro Osório)


Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
51 3323.8907
www.tarso13.com.br
www.twitter.com/tarso13

Da Folha de São Borja

Na coluna Gente e Política do dia 23.09.2010, está contado um feito da rádio Cultura,AM, trinta anos atrás, quando o ex-presidente da Nicaragua, ANASTÁSIO SOMOZA, FOI assassinado, numa das avenidas da capital paraguaia. Por um acaso, a rádio Cultura de São Borja, deu um grande furo jornalistico, porque seu repórter HIRAM AQUINO morava em Assunção e passava pelo local.De lá, AQUINO ligou para São Borja e entrou ao vivo dando detalhes do acontecido! Um furo que entrou para a história do jornalismo brasileiro perpetrado por uma rádio de uma cidade de porte médio. Raramento o jornalismo do interior tem estas chances!

De São Borja

Segundo registra o colunista Deco Almeida, o prefeito Mariovane Weis está de férias. Assumiu o vice, Jefferson Homrich( que dá expediente desde as 7 da manhã).

Weis está trabalhando para eleger Flávio Lammel(PDT) a deputado estadual.


Coleguinhas

O triste drama do Sadi!


Sadi Alves trabalhou a vida toda pra construir sua casa própria no morro Santa Tereza. Deu duro, uns 20 anos. Ele era funcionário da imprensa da Assembléia Legislativa, mas foi também da TVE. Era da turma do Carlos Contursi. Depois que sua casa ficou pronta, um dia chegou em casa, e como ele bebia, a esposa pediu a separação.

Sadi pegou e fez o seguinte: chegou com um machado e quebrou praticamente toda a casa. Ele a construíra e ele praticamente a demoliu.

Depois foi morar em Tramandaí, onde faleceu há pouco tempo, do coração!


Coleguinhas


Depois que FELIPÃO disse na mídia que seus únicos jornalistas que são seus amigos são o Ruy( " nossa")Ostermann e o Gordo Garcia(João) deu uma ciumeira no Luis Carlos RECHE. Sempre que pode baixa a ripa no ex-treinador da seleção.

Estes dias chegou insinuar que Felipão ganhava uns pilas da Globo pelas exclusivas que dava na Copa de 2002. Que briga,hein, eu fora disto!


 

TCHE GUEVARA: O FILHO ESQUECIDO


O militante revolucionário Ernesto Che Guevara, que se tornou símbolo da luta pelo socialismo na América Latina e no mundo, completaria 82 anos, este ano.


De Buenos Aires
Gelson Farias


Ernesto Guevara Foi considerado pela revista norte-americana Time Magazine uma das cem personalidades mais importantes do século XX.Os argentinos dizem que Che, foi esquecido pelos governo de sua terra Natal.

O militante revolucionário Ernesto Che Guevara, que se tornou símbolo da luta pelo socialismo na América Latina e no mundo, completaria 82 anos nesta segunda-feira.
Ernesto Guevara de la Serna nasceu em 14 de junho de 1928, em Rosário, na Argentina. Foi o primeiro dos cinco filhos de Ernesto Lynch e Celia de la Serna y Llosa.
Por que recordar de Che? Porque ele dedicou toda sua vida para uma causa do povo. Deixou-nos um legado de solidariedade incondicional com todos os oprimidos e de compromisso com as lutas pela libertação dos povos. Grandioso, mas humilde.
Nunca permitiu que o transformassem em um mito. Se quisermos uma referência de um militante ou dirigente, sem dúvida, devemos olhar para Che. Ele é um exemplo de superação dos próprios limites. E o fez não por vaidade pessoal ou por inconseqüente heroísmo, mas por um profundo amor à humanidade.
Para homenagear a memória de Che, não basta conhecer sua biografia. É preciso seguir pela trilha dos seus passos, buscando a cada dia ser melhor no seu trabalho, na prática militante, nos estudos e na convivência.

O pequeno Ernesto em 1929.

Ernesto Guevara de la Serna nasceu em Rosário, importante cidade industrial argentina ao noroeste de Buenos Aires, numa família de classe média alta e antiperonista. Ernesto tinha dois anos quando sofreu o primeiro ataque de asma. Estudou grande parte do ensino fundamental com sua mãe em casa, onde havia uma biblioteca de cerca de três mil volumes com obras de Marx, Engels e Lenin, com os quais se familiarizou em sua adolescência. Por volta dos 12 ou 13 anos lia freqüentemente. Sabe-se que leu Júlio Verne, Alexandre Dumas, Baudelaire, Neruda e Freud aos 15 anos.

Os ataques de asma sofridos por Ernesto durante a infância foram muito violentos e em vista de o menino não melhorar, os médicos aconselharam uma mudança de ares. Em 1932, quando Ernesto tinha quatro anos, a família mudou-se para a região de Córdoba, no centro da Argentina, que na altura não era ainda a zona industrial que hoje é. Radicaram-se em Altagracía, uma pequena estância de veraneio, não muito longe da cidade de Córdoba. Vivia em uma casa de estilo inglês, uma cottage chamada Villa Nidia. Foi titular do primeiro time de juniores do Velez Sarsfield. Em 1944, os negócios da família de Che vão mal e Ernesto emprega-se como funcionário da Câmara de uma vila nos arredores de Córdoba para ajudar as finanças em casa, sem deixar, contudo, de estudar.
Em 1946, terminou o liceu. O Guevara mudou-se para Buenos Aires e Ernesto ingressou na universidade, estudando medicina. Continuando a situação econômica a deteriorar-se, foram obrigados a vender com prejuízo a plantação de mate que tinham desenvolvido. Na capital, Ernesto empregou-se outra vez como funcionário municipal e mais tarde numa tipografia, continuando, não obstante, o curso de medicina. Houve um período durante o qual trabalhou como voluntário num instituto de pesquisas sexuais, então mantido pelo partido comunista. Nesse mesmo ano de 1946, foi chamado ao serviço militar, que, ironicamente, o recusou por inaptidão física.

Depois da Segunda Guerra Mundial, com a vitória dos aliados, a oposição a Juan Domingo Perón ganhou novo ânimo. Os estudantes constituíram a sua camada mais aguerrida. Che participou nessas lutas. Fez uma viagem, começada de moto e terminada a pé, pelas províncias argentinas de Tucumán, Mendoza, Salta, Jujuy e La Rioja, na qual percorreu diversos resorts Andinos.

E em 1951, seis meses antes de se formar em Medicina, decide interromper o curso - para desespero de seu pai - e iniciar, com Alberto Granado, uma grande viagem pelo continente, de Buenos Aires a Caracas, na velha motocicleta do companheiro, uma Norton 500 cc, fabricada em 1939 e apelidada de La Poderosa II. Nessa viagem, Guevara começa a ver a América Latina como uma única entidade econômica e cultural. Visita mina de cobre, povoações indígenas e leprosários, interagindo com a população, especialmente os mais humildes. De volta à Argentina em 1953 acabam os estudos de Medicina e passa a dedicar-se à política.
Em 1953, Guevara atuou como repórter fotográfico cobrindo os Jogos Pan-Americanos do México, por uma agência de notícias argentina. Ainda em julho de 1953, inicia sua segunda viagem pela América Latina. Nessa oportunidade visita Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Panamá, Costa Rica, El Salvador e Guatemala. Foi por causa da visão de tanta miséria e impotência e das lutas e sofrimentos que presenciou em suas viagens que o jovem médico Ernesto Guevara concluiu que a única maneira de acabar com todas as , desigualdades sociais era promovendo mudanças na política administrativa mundial.
Em sua passagem pela Guatemala, aonde chegou em dezembro de 1953, Che presencia a luta do recém-eleito presidente Jacó Arbenz Gurman liderando um governo de cunho popular, na tentativa de realizar reformas de base, eliminar o latifúndio, diminuir as desigualdades sociais e um dos principais objetivos, garantir a mulher no mercado de trabalho. O governo americano se opunha a Arbenz e, através da CIA, coordenou várias ações, incluindo o apoio a grupos paramilitares, contra o governo eleito da Guatemala, por não se alinhar à sua política para a América Latina.
As experiências na Guatemala são importantes na construção de sua consciência política. Lá Che Guevara auto define-se um revolucionário e posiciona-se contra o imperialismo americano. Nesse meio tempo, Che conhece Hilda Gadea, com quem se casa e de cuja união nasce sua primeira filha, Hildita.
Em 1954, no México através de Nico López um amigo das lutas na Guatemala, ele conhece Raul Castro que logo o apresentaria a irmão mais velho, Fidela Castro. Esse organiza e lidera o guerrilheiro 26 de julho ou M26, em referência ao assalto ao Quartel Moncada, onde em 26 de julho de 1953, Fidel Castro liderou uma ação militar na qual tentava tomar a principal prisão de presos políticos em Santiago. Guevara faz parte dos 72 homens que partem para Cuba em 1956 com Fidel Castro e dos quais só 12 sobreviveriam. É durante esse ataque que Che, após ser duramente espancado pelos rebeldes, larga a maleta médica por uma caixa de munição de um companheiro abatido, um momento que tempos depois ele iria definir como o marco divisor na sua transição de doutor e revolucionário.

Che em 1958


Em seguida eles se instalam nas montanhas da Sierra Maestra de onde iniciam a luta contra presidente cubano Fulgencio Batista que era apoiado pelos Estados Unidos.
Os rebeldes lentamente se fortalecem, aumentando seu armamento e angariando apoio e o recrutamento de muitos camponeses, intelectuais e trabalhadores urbanos. Guevara toma a responsabilidade de médico revolucionário, mas, em pouco tempo, foi se tornando naturalmente líder.
Após a vitória dos revolucionários em l950, Batista exila-se em e instaura-se um novo regime em Cuba, de orientação socialista. Mas teria sido a hostilidade dos Estados Unidos que levou ao seu alinhamento com a URSS. (“Eu tinha a maior vontade de entender-me com os Estados Unidos. Até fui lá, falei, expliquei nossos objetivos. (…) Mas os bombardeios, por aviões americanos, de nossas fazendas açucareiras, das nossas cidades; as ameaças de invasão por tropas mercenárias e a ameaça de sanções econômicas constituem agressões à nossa soberania nacional, ao nosso povo”.

“Não disparem. Sou Che. Valho mais vivo do que morto.”


Há quarenta anos, no dia 8 de outubro de 1967, essa frase foi gritada por um guerrilheiro maltrapilho e sujo metido em uma grota nos confins da Bolívia. Nunca mais foi lembrada.
Seu esquecimento deve-se ao fato de que o pedido de misericórdia, não combina com a aura mitológica criada em torno de tudo o que se refere à vida e à morte de Ernesto Guevara argentino, o Che.
Em 17 de outubro de 1997, Che foi enterrado com pompas na cidade cubana de Santa Clara (onde liderou uma batalha decisiva para a derrubada de Batista), com a presença da família e de Fidel. Embora seus ideais sejam românticos aos olhos de um mundo globalizado, ele se transformou num ícone na história das revoluções do século XX e num exemplo de coerência política. Sua morte determinou o nascimento de um mito, até hoje símbolo de resistência para os países latino-americanos.

Obrigada a todos

 

Caros colegas jornalistas, a 4ª Feira do Livro Infantil no Jardim Botânico foi um sucesso, superou todas as expectativas.
Obrigada a todos pelo apoio via notas, matérias e espaços para divulgação, sem vocês ela não teria esta dimensão.

Abaixo algumas informações com números levantados hoje, após o término às 18horas.

Público Geral-de 23 a 26/09-mais de 31mil pessoas- a expectativa era 30mil

Crianças carentes levadas até o Jardim Botânico (23 e 24/09) aproximadamente 7mil-algumas escolas cancelaram em função da chuva

Ônibus para transporte destas crianças -110

Livros autografados- 5600 entre os três autores

Ação de escovação de dentes-2mil crianças na sexta-feira

Foram arrecadados mais de 10mil livros, que serão distribuídos entre 85 escolas carentes para montagem de bibliotecas. Além dos visitantes doaram livreiros, expositores e os autores.

Livros vendidos pelos expositores durantes os quatro dias-mais de 10.500 obras(dobrou a venda em relação a todas as edições anteriores juntas).

Lanches distribuídos gratuitamente:
Cachorro quente e refrigerantes – cerca de 7mil para crianças carentes - (dias 23 e 24)

Degustações , via parceiros para público geral-
Pipocas- 22mil pacotes
Iogurtes-6mil-dias 25 e 26
Sucos-2mil dias 25 e 26.

Um abraço
Ancila Ferreira

 


De Serafina, enviado pelo Adriano Mazzarino!

Polícia Civil prende segundo envolvido no
latrocínio de taxista em Casca

Por volta das 21 horas desse sábado (24/09), agentes da Delegacia
de Polícia de Casca (DP), do Departamento de Polícia do Interior (DPI),
realizaram a prisão de um homem de 20 anos, segundo indivíduo envolvido
na morte do taxista Calisto Zanini, ocorrida no último dia 22 de
setembro, por volta das 19h40min, em Casca, nas proximidades da RS 129.
Ele estava em companhia de outro suspeito, que também já está
preso.

De acordo com o delegado Gilberto Mutti Dumke, que
responde pela delegacia, a prisão do rapaz foi na cidade de Soledade.
Dumke disse ainda que as investigações comprovaram a participação do
suspeito, que possui uma vasta ficha criminal (com dois homicídios). Ele
estava foragido do Case de Passo Fundo/RS.

Na ação, foram
apreendidos um revólver calibre 38, municiado com seis cartuchos, e 29
gramas de maconha. O suspeito estava escondido na Rua TV Rodrigues Alves,
bairro Botucaraí, em Solidade/RS. Depois de ouvido, o suspeito foi
recolhido ao Presídio Estadual de Guaporé.

Fonte: Ascom
PC


Recebi da Josi Negreiros!


Dei risada!!!


Falta pouco!!!!!!!!!!!***

No dia 02 de Janeiro de 2011, um senhor idoso se aproxima do Palácio Piratini e fala com o soldado da Guarda:

"Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com a Governadora Yeda Crusius"

O soldado olhou para o homem e disse:

"Senhor, a Sra Yeda não é mais governadora e não se encontra aqui desde ntem."

O homem disse:

"Está bem", e se foi.

No dia seguinte, o mesmo homem idoso se aproximou do Piratini e falou
com o mesmo soldado:

"Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com a Governadora Yeda"

O soldado novamente disse:

"Senhor, como lhe falei ontem, a Sra Yeda não é mais governadora desde
anteontem."

O homem agradeceu e novamente se foi.

Dia 04 de janeiro ele volta e se aproxima do Palácio Piratini e fala
com o mesmo guarda:

"Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com a Governadora Yeda"

O soldado, compreensivelmente irritado, olhou para o homem e disse:

"Senhor, este é o terceiro dia seguido que o senhor vem aqui e pede
para falar com a Sra Yeda. Eu já lhe disse que ela não é mais a
governadora. O senhor não entendeu?"

O homem olha para o soldado e disse:

"Sim, eu compreendi perfeitamente, mas eu AMO ouvir isso!"

O soldado, em posição de sentido, prestou uma vigorosa continência e disse:

"Até amanhã, senhor!!!"

13º FESTIVAL DE MÚSICA DE PORTO ALEGRE


30 de setembro a 03 de outubro.

O 13º Festival de Música de Porto Alegre recebeu 256 inscrições.
Foram selecionadas 30 composições que disputarão o prêmio de melhor música.
A triagem foi realizada por uma equipe de jurados formada por Izmália Ibias, Liane Schuler, Lucas Esvael, Marcelo Nadruz e Paulo Moreira.

O Festival inicia dia 30 de setembro, a partir das 20h, no Teatro Renascença, e se estende até o domingo, dia 03 de outubro, com a final. As apresentações são abertas ao público e têm entrada franca.

As atrações nos intervalos serão Frank Solari no sábado, dia 02 de outubro, e Bataclã FC no domingo, dia 03.


Abaixo a ordem de apresentação das músicas.



ORDEM DE APRESENTAÇÃO
QUINTA-FEIRA – 30 DE SETEMBRO – 20 HORAS

1. Aviso
Letra e Música: Antônio Carlos Falcão / Intérprete: Antônio Carlos Falcão

2. Hendoku Iyaku (Instrumental)
Música: Djâmen Farias / Intérprete: Djâmen Farias e Banda

3. Saudade da Saudade
Letra e Música: Érlon Péricles / Intérprete: Érlon Péricles

4. Sangre (Instrumental)
Música: Tiago Ferraz e Tiaguinho Ferraz / Intérprete: Tiago Ferraz e Tiaguinho Ferraz

5. Verdices
Letra e Música: Tiago Rubens / Intérprete: Menestréis

6. Fora da Casinha
Letra e Música: Davi Moreira / Intérprete: Luana Pacheco e Banda

7. Barraco
Letra e Música: Priscila Meira / Intérprete: Priscila Meira

8. Choro Doido/Doído (Instrumental)
Música: Vinicius Ferrão / Intérprete: Regional Isto É Nosso

9. Tentar Beijar o Céu
Letra: Gustavo Demarchi / Música: Everton Porto / Intérprete: PsicoAditivo

10. Duzé (Instrumental)
Música: Dunia Elias / Intérprete: Dunia Elias




ORDEM DE APRESENTAÇÃO
SEXTA-FEIRA – 01 DE OUTUBRO - 20 HORAS

11. Será Que Isso é Samba?
Letra e Música: Solismar Cardoso Jr (JJ) / Intérprete: StereoSound

12. O Quadro
Letra e Música: Helinho Santos / Intérprete: Helinho Santos

13. Mede Suas Palavras
Letra e Música: Marcelo Brum / Intérprete: Marcelo Brum e Banda

14. Som do Gueto
Letra e música: Jaqueline Trindade Pereira / Intérprete: Poesia Urbana

15. Bom Fim (Instrumental)
Música: Paulinho Cardoso / Intérprete: Paulinho Cardoso

16. O Morro Há de Socorrer
Letra e Música: Caio Martinez / Intérprete: Caio Martinez

17. Não Vai Ficar Pateteando (Instrumental)
Música: Diogo Jackle / Intérprete: Regional Isto É Nosso

18. Lagoa
Letra: Renato Guimarães / Música: Bethy Krieger / Intérprete: Leonardo Ribeiro

19. Faz Que Vai, Mas Não Vai (Instrumental)
Música: Roberto Moraes / Intérprete: Roberto Moraes

20. Quem Dera
Letra: Jerônimo Jardim / Música: Gelson Oliveira / Intérprete: Gelson Oliveira




ORDEM DE APRESENTAÇÃO
SÁBADO– 02 DE OUTUBRO – 20 HORAS

21. Quem Vem
Letra: Risomá Cordeiro / Música: Fernanda Lopes / Intérprete: Fernanda Lopes

22. Indiada J’ônibus (Instrumental)
Música: Rafael Ferrari e Rafael Mallmith / Intérprete: Rafael Ferrari

23. O Túnel do Tempo
Letra e Música: Cristiano Nichelle / Intérprete: Cristiano Nichelle

24. O Milongueiro Vai
Letra e Música: Érlon Péricles / Intérprete: Érlon Péricles e Pirisca Grecco

25. Valentia
Letra e Música: Caio Martinez / Intérprete: Caio Martinez

26. Só Se For Agora (Instrumental)
Música: Rafael Ferrari, Yamandú Costa e Samuel Costa / Intérprete: Rafael Ferrari e Samuel Costa

27. Candombe no Bomfim (Instrumental)
Música: Dunia Elias / Intérprete: Dunia Elias

28. SaxMaxixe (Instrumental)
Música: Rafael Pereira Lima / Intérprete: Quarteto de Saxofones Barlavento

29. Dia Feliz
Letra e Música: Chico Frandoloso / Intérprete: Fábrica do General BoniMores

30. Promessas de Amor
Letra e Música: Gil Silva / Intérprete: Sterofônica



DIVULGAÇÃO
...
Coordenação de Música

A NOVA LUTA DE CLASSES

 

Por Carlos Chagas

Talvez algum sociólogo, quem sabe um cientista político ou um economista, daqui a alguns anos, venham a dedicar tempo e espaço buscando explicar o fenômeno Lula. Tanta popularidade fluiria apenas de ações administrativas corretas e competentes, quer dizer, resultado da aceitação de seu governo pela maioria? Ou a resposta deve ser buscada no extremo oposto, ou seja, nessa maioria, mais do que no governo?
Podemos estar assistindo a versão moderna da luta de classes, não mais plena de batalhas nas ruas, golpes e sucedâneos, mas um embate igualmente profundo entre as massas e as elites, só que pautado pela não-violência. Marx ficaria insatisfeito se pudesse vislumbrar resultados pacíficos num confronto que em seu tempo só se resolveria pela força.
O Lula pode dar-se ao luxo de eleger uma candidata desconhecida para sucedê-lo, ainda que jamais para substituí-lo, pela simples razão de ser ou de ter sido um operário. Um problema a mais para Dilma, que hoje não amealha nem um voto por ter sido guerrilheira. Como é uma amanuense, terá dificuldades em concentrar a mesma popularidade de seu criador, ainda que possa até fazer mais do que ele, em termos administrativos. Apenas, não veio das fábricas ou da enxada, não pertence à legião que hoje se imagina no poder, representada pelo Lula.
Mas o tema ainda não chegou ao futuro governo. Vale ficar na atualidade que, realidade ou ilusão, exprime a luta de classes, refletindo-se no sentimento da maioria. Vale o presidente Lula mais pela imagem criada, o sonho tornado evidência, de que os operários e camponeses, afinal, chegaram lá.
Existem contradições nesse embate milenar. As elites ajeitaram-se com o primeiro-companheiro, que não regateou presenteá-las com benefícios, mas permanecem discriminadas e rejeitadas pela massa que vota e, por enquanto, decide. Cada m dos privilegiados que pesquise o sentimento verdadeiro de suas empregadas domésticas, motoristas, serviçais e trabalhadores humildes. No fundo de cada um, instintiva e até inconscientemente, está a rejeição às elites. O povão vai votar a favor do Lula por ser ele, povão, contra os privilegiados. Todos fingem a inexistência desses fatores, uns por esperteza, outros por ressentimento, mas a verdade é que pela primeira vez as massas encontraram alguém saído delas para exercer o comando. Pouco importa que elas se frustrariam caso examinassem a fundo os resultados do governo pretensamente dos humilhados e ofendidos. Mas o fator primordial da popularidade do Lula e da vitória de sua candidata repousa na luta de classes. Felizmente sem as conturbações do passado. Indaga-se, apenas: até quando?

BASTA, CHEGA E FORA!


Ficaram célebres, nos idos de março de 1964, os três editoriais do inesquecível “Correio da Manhã”, intitulados “Basta”, “Chega” e “Fora”. O jornal posicionou-se contra o governo João Goulart e apoiou o golpe militar, argumentando contra a sucessão de greves, insegurança econômica e iminência da dita instalação de uma república sindicalista. Errou, é claro, e menos de duas semanas da instalação da ditadura já abria suas colunas para denunciar desmandos, violência e obscurantismo.
Por que se recorda o episódio? Porque está faltando um “Correio da Manhã” para aproveitar os três títulos em três novos editoriais. Jamais contra o governo Lula, é evidente. Depois de tantos percalços, chegamos a uma democracia.
“Basta”, “Chega” e “Fora” tornam-se necessários para banir de nossa realidade esses execráveis programas de propaganda eleitoral gratuita pelo rádio e a televisão.
Quem deu o direito à Justiça Eleitoral de irromper pelas nossas casas a dentro, obrigatoriamente impingindo espetáculos de baixo nível e comicidade questionável? Tudo bem que em cada cidade ou estado se aproveitasse um canal alternativo de televisão e uma emissora de rádio igualmente facultativa para quantos se dispusessem acompanhar as campanhas eleitorais. Mas à força, não dá. Em vez de informar, desinformam. Mentem como o diabo. E ainda imaginam conquistar votos, quando nem audiência possuem, apesar da falta de opções duas vezes por dia.
Candidatos existem prometendo transformar favelas em bairros. Jamais subiram um morro. Outros garantem a criação de milhares de postos de saúde, quando nem hospitais decentes existem em número mínimo. Estes vão distribuir gratuitamente todo tipo de remédios. Aqueles acabarão com a violência construindo piscinas. Uns implantarão 400 quilômetros de linhas de metrô, outros varrerão o país de alto a baixo. Cada um que busque múltiplos exemplos de bobagens inomináveis ou de promessas absurdas diante de suas telinhas e alto-falantes. Mas sem obrigação de ver e ouvir.


De Serafina

O BICO Branco(Ademir Presotto) pode ficar tranquilo: Um perdigueiro me informa que a ação de Impuganção de Mandato Eletivo que tentou cassar seu mandato(AIME51) foi definitivamente encerrada, não cabendo mais recurso neste processo.Ele ( O processo) está encerrado junto a 22 zona eleitoral. Quem quiser pode acessar o site do TSE e procurar na movimentação processual, por nome das partes.


E teve advogado que se gabulou quando abriram este processo de que se não cassassem o prefeito de Serafina dessa vez rasgaria o diploma....

Então, rasguem!!!!

De Canoas para o mundo

Recebo do Isento!, de Canoas.


Está pelada a coruja
Olhando o resultado das pesquisas das pesquisas de todos institutos, A Dilma é mostrada com 50% dos votos, o Serra com mais ou menos 28% e a Marina em torno de 12%, mais 1% para o resto dos candidatos. Isto dá 55% dos votos válidos para Dilma, o que lhe dá 10% de votos acima dos 50% mais 1 votos necessários para se eleger. Faltando 6 dias para as eleições fica mais do que difícil as oposições conquistarem esta diferença. As denúncias e armações da Veja não surtiram efeito e com o fogo disparado contra elas pelo Lula, a mídia resolveu ficar no institucional, salvar as aparências de democrata a ficar brigando e se expondo pela candidatura já derrotada do Serra.
Aqui no Sul o Tarso leva também em primeiro turno, com risco da dona Yeda chegar em segundo lugar. Os senadores serão a loirosa de Lagoa Vermelha e o Paim. O PMDB fica mal na jogada, mais quatro anos fora do comando e sem novas lideranças a vista.
Com este quadro fica difícil parecer isento.
Remindo Sauim


Coleguinhas

*Chamaram o João Carlos Belmonte, no domingo, passado, de LUIS na Band. Se os próprios colegas erram o nome do vivente, como é que fica a coisa?


*A grande reportagem que a ZH publicou, dois domingos atrás, sobre Carlos Araujo, na verdade, nasceu de uma outra pauta: o suposto envolvimento do advogado num assalto ao bar Rembrandt do Moinhos de Vento em que o dono,Kurt Krigel, por ter reagido acabou assassinado. Os supostos autores nunca foram levados a julgamento, como esclarece o jornalista José Mitchell, no seu livro de memórias da luta armada no Brasil.

Porém, dois sites afirmam que o assalto,realizado em 22 setembro de 1969, foi feito por elementos da VAR-Palmares: o site TERNUMA E VERDADE DISFOCADA.


*Salomão Kirchner, o veterano jornalista que Synval Guazzelli apelidou ironicamentge de FLECHA LIGEIRA( porque era lerdo no caminhar) - mas veloz nas teclas de sua máquina - foi enterrado domingo passado,dia 26.09. no cemitério israelita. Faleceu aos 84 anos, depois de lutar 12 anos contra um câncer que o acometeu.

Faleceu no Instituto de Cardiologia de Porto Alegre.

*Ontem, no "serpentário", Nelson Moura e Monteirinho, colegas do falecido, relembraram várias passagens do falecido colega. Diz Monteirinho que ele era amigo deo Orlando Loureiro, da Folha da Tarde,da CJCJ.


Coleguinhas


ARFOC comemorou no domingo último,dia 26.09 54 anos. Mas fotógrafos festejaram no sábado de manhã, no hotel Embaixador, durante café da manhã. Parabéns a entidade. Deveriam ter passado o filme CIUDAD DE LOS FOTOGRAFOS pra ver como era trabalhar debaixo dos manotaços do Pinochet no Chile. Vi o filme no sábado a tarde, no Santander, e recomendo!

Idade da candidata:

Ninguém soube me dizer....
na sexta passada: pesquisei e achei: Dilma Roussef nasceu em 14.12. 1947. Nascida em BH, Minas Gerais.


De Serafina

Segundo apurei ontem, o advogado que disse que "iria comer o diploma" se o Bico Branco(Ademir Presotto) não fosse cassado, é Fabrício Matiello.

Matiello concorre a deputado federal pelo PMDB.

Tem concentrado sua campanha na zona sul do Estado!

Coleguinhas


Morreu o colega Salomão Kirjner.

No meu livro Pauta, o avesso das redações conto:

" O assessor de imprensa de Synval Guazzelli foi Salomão Kirjner.Guazzelli o apelidou de Flecha Ligeira, devido ao seu modo lento de de fazers as coisas. " Mas quando sentava na máquina de escrever saía muita coisa e rapidamente" lembra Elvino Remussi que trabalhou com Guazzelli e com Salomão!


Recebo do Mazza este recado:

Mas o Mazza se esqueceu que na noite de 15 de junho,quando lancei meu livro lá na pizzaria, ele estava lá e o prefeito falou o tempo inteiro que a Miss Nova York tem parentes ou ascendentes em Serafina. Tem que dizer pro Mazza que la Úndeze é maior que Bento,tcho!


Olides!

Leio na coluna social do Tribuna da Serra (Guaporé/RS) que o casal
Auriane Rizzi e o esposo estiveram em Nova York. E frequentaram o
restaurante Serafina.

Fui ao google: http://www.serafinarestaurant.com/serafina/gallery.html
Veja você, existe Serafina em Nova York.

Deve ser uma homenagem à Serafina Corrêa, cidade vizinha de Guaporé, e
referência para o mundo.

Eu imagino a ciumeira nos bares e café de Guaporé.

Abraço,

mazzarino

Alerta na reta
final de campanha!


O vice na chapa Fogaça/Pompeo ,deputado federal Pompeo de Mattos(PDT)lançou carta conclamando trabalhistas e peemedebistas que não se deixem " influenciar" por pesquisas eleitorais e saia às ruas para garantir o segundo turno.


IMPRENSA FRANCESA - Um balanço dos anos Lula

Do blog de Adeli Sell
http://blogdoadeli.blogspot.com/


O vereador do PT,Adeli, manda esta pesquisa interessante.

Ele acha que ao Lula só entusiasmou a imprensa, francesa!

Por Leneide Duarte-Plon, de Paris em 24/9/2010

O momento não poderia ser melhor para a imprensa francesa dedicar números especiais ao Brasil: o segundo mandato do presidente Lula chega ao fim. Um balanço dos últimos oito anos serviu de pretexto para três revistas importantes produzirem especiais que estampam na capa títulos que jamais poderiam ser lidos nos jornaleiros brasileiros:


** Le Monde Diplomatique + Manière de voir: "Là où le Brésil va..." (Para onde o Brasil for...);

** Les Inrockuptibles: "Brésil, le pays où la gauche a réussi" (Brasil, o país onde a esquerda deu certo);

** Le Monde-hors série: "Brésil, un géant s’impose" (Brasil, um gigante se impõe).

Os jornalistas e intelectuais franceses se mostram cada vez mais interessados por um país de dimensões continentais que aparece como uma potência emergente do século 21. Sem angelismos, com análises críticas sobre violência urbana, desigualdades abissais e outras mazelas, as revistas são unânimes em apontar o legado positivo.

Para explicar o país e sua história aos leitores, Le Monde Diplomatique dedicou ao Brasil um especial da série "Manière de voir", de outubro-novembro, com o título ("Para onde o Brasil for..."), parte da frase atribuída a Richard Nixon, que dizia: "Para onde for o Brasil irá a América Latina". Os artigos são uma seleção de textos publicados no Diplo de 1975 a setembro de 2010 por jornalistas, economistas e professores universitários, além de uma cronologia da história recente e resumo biográfico dos principais candidatos à presidência e outros personagens da história recente.

Mercado "feliz"


Os textos analisam o país sob diversos ângulos. Quem conseguir ler todos terá aprendido muito sobre o Brasil. O penúltimo texto, do jornalista Lamia Oualalou, publicado originalmente em janeiro de 2010, chama-se "Brasília oublie le ‘complexe du chien bâtard’" (Brasília esquece o "compexo de vira-latas") e resume seu conteúdo na abertura:


"Tendo sofrido muito tempo do ‘complexo de vira-latas’ – caracterizado pelo fato de pensar que não tem importância – o Brasil se torna uma potência econômica e política que deve ser levada em conta. Mantendo laços estreitos com os presidentes radicais da América Latina ou defendendo o Irã, o Brasil de Lula não deixou de conservar boas relações com os Estados Unidos."


Na apresentação do número especial, o artigo de Renaud Lambert é francamente favorável ao balanço do governo Lula. Ele informa que os magos do Banco Mundial predizem que até 2014 a economia brasileira será a quinta do mundo (lugar atualmente ocupado pela França). E lembra que em pleno desastre da crise financeira o Brasil emprestou 14 bilhões de dólares ao FMI.

Depois de citar todos os grandes prêmios internacionais recebidos por Lula, entre eles o "Homem do Ano de 2009", do Le Monde, o prêmio do Programa Alimentar Mundial (da ONU) que proclamou o brasileiro "Campeão mundial da luta contra a fome" e "Estadista mundial de 2010", em Davos, Lambert informa ao leitor francês que o presidente brasileiro deixa o poder com quase 80% de aprovação. Enquanto isso, Nicolas Sarkozy pena para passar dos 30% de aprovação...

Elogios não impedem, contudo, uma análise objetiva. No texto intitulado "Os anos Lula", a revista diz que apesar de ter criado fontes de renda para um grande número de pobres, "o governo Lula não afetou as vinte mil famílias que dirigem o Brasil, que continuam ricas, e nem descontentou o famoso mercado que soube festejar sua conversão ao ‘realismo’".

Fraude "impossível"

Outro especial, o do Le Monde hors série vai mais ou menos na mesma direção mostrando a emergência do gigante que se impõe na cena internacional. A capa é verde e amarela, numa explosão de imagens do país com o título "Brasil, um gigante se impõe".

O editorial fala de "uma irresistível ascensão" e três entrevistas "explicam" o país aos leitores: uma com o historiador Luiz Felipe de Alencastro, professor em Paris, outra com o ex-embaixador Alain Rouquié, que critica o nepotismo e o clientelismo da política brasileira, e a terceira com o franco-brasileiro Carlos Ghosn, presidente-diretor-geral da Renault-Nissan, nascido em Porto Velho, Rondônia, que diz que o país está longe de ter explorado todo seu potencial.

"Como diz um poderoso homem de negócios visivelmente satisfeito: Lula sabe conciliar gregos e troianos." A frase é citada pelo correspondente do Le Monde Jean-Pierre Langellier no artigo intitulado "Lula, consagração de um homem do povo". O jornalista constata que o presidente fez uma política otimista e pragmática e deixa o poder mais popular que quando foi eleito, "mesmo que não tenha cumprido todas as promessas".

Mas nem tudo é louvação. Langellier dedica um outro artigo às tiradas infelizes do presidente, que ele apresenta como um orador de talento mas que derrapa quando compara "a uma rivalidade entre Flamengo e Vasco" as manifestações de rua em Teerã contra uma suposta fraude nas eleições de 2009. Fraude que Lula considerou "impossível".

A quem agrada

Finalmente, a última das três revistas que se rendeu ao charme discreto da esquerda brasileira foi Les Inrockuptibles. No número datado de 15 a 21 de setembro, a revista cultural inaugura novo projeto gráfico e proposta de mais informação e política. A capa é um presidente sorridente e o título não podia ser mais irritante para a imprensa brasileira que tenta a todo custo ocultar ou anular totalmente o legado de Lula: "Brasil, o país onde a esquerda deu certo".

No texto em que analisa os anos Lula, Serge Kaganski diz no final:

"O chefe de Estado oriundo da esquerda radical soube evitar as duas armadilhas habituais do poder: a dissolução no consenso sem tônus ou a deriva populista-ditatorial. Melhor ainda, ele soube ser eficaz economicamente, socialmente equânime e democraticamente impecável."

Decididamente, o presidente Lula empolga os jornalistas. Os franceses.

Postado por ADELI SELL

Coleguinhas


No blog do CH,de ontem, ele dá como certa ida da Helena Chagas, num eventual governo Dilma, para o cargo atual de Franklin Martins, que articula um outro pra ele. Mas haverá tantos cargos pra acomodar toda este gente?


No domingo, o mesmo articulista tocou no assunto que falei ontem aqui: um possível " casamento" entre Dilma e o ex-Carlos Araujo.

Ontem, na Guaíba, Fábio Marçal atribuiu este fato a " fofocas palacianas"!

Onde há fogo, há fumaça!


Voto no Tiririca

 


Segundo a Rosane de Oliveira, da ZH, o beneficiado com a popularidade do TIRIRICA, em Sampa, é o candidato CLAUDIOMIRO GOROSTIDE MENNA BARRETO, do PR, de Quaraí e candidato a deputa federal. É dele o ambicionado número 2222!

Coleguinhas

Salinha JCTerlera também serve de local para contratação de novos coleguinhas.....

 

De Brasília


TITITI

diz que Dilma, líder das pesquisas, "depois da posse"

voltará a casar com o ex-marido Carlos Franklin de Araujo.


Pelo menos é o tititi momentâneo do Stela Grill,local onde se reúnem alguns jornalistas do primeiro naipe brasilense e algumas colunistas sociais.

Segundo a versão, a ministra Dilma voltaria a casar com o ex-marido. Na entrevista do domingo passado, publicada na ZH, ele diz que está com namorada, mas que não COABITAM, como se diz....

Outra das notícias comentadas é que " um irmão " da ex-chefe da casa civil, que vive na Europa viria para a "posse"

Digo eu,agora: MAS ELA JÁ ESTA ELEITA?

Cuidado pra não sentar na cadeira antes, como fez o FHC em São Paulo e depois o Jânio Quadros passou desinfetante na cadeira de prefeito pra sentar nela....

Coleguinhas

Elton Primaz, editor de O SUL, não curte esta de muro. Ele me disse que os dois melhores textos do jornal que edita são de Armando Burd e de Wanderley Soares!

Recebo e publico

O " zator" meio lamuriento, se defende das

" trapalhadas" que fez em La Ùndeze....

Mas como " pena" terá que ouvir meia hora a Salete Cadore falando bem do Paulo Massolini e vice-versa. Os dois se "amam"!

OLIDES !

REALMENTE, NADA DEIXEI EM SERAFINA, SENÃO ALGUNS POUCOS AMIGOS.
ENTRETANTO, DESPOJADO DE UMA VISÃO MATERIALISTA, ENTENDO QUE, O GRANDE
PATRIMÔNIO QUE PODEMOS AMEALHAR, EM NOSSA PASSAGEM TERRENA, SEM
DÚVIDA, SÃO OS AMIGOS.

POR OUTRO LADO, MUITO TROUXE COMIGO, DE MINHA PASSAGEM PELA UNDEZE E,
CLARO, PRINCIPALMENTE, OS VERDADEIROS AMIGOS QUE TENHO. SÃO UM
TESOURO, INALIENÁVEL.
PARA MIM BASTA.

A QUE SE REGISTRAR, TAMBÉM, MINHA GRATIDÃO AQUELES QUE FORAM MEUS
PROFESSORES, MESMO OS NÃO MUITO BONS MAS, TODOS, SEM EXCEÇÃO, SOUBERAM
DAR GRANDE CONTRIBUIÇÃO COM LIÇÕES PARA VIDA.

QUANTO A CONCEITO BOM OU RUIM, QUE PODES TER DETECTATO EM RELAÇÃO A
MIM, EM TUA ÚLTIMA PASSAGEM PELA UNDEZE, ENTENDO QUE, AGORA É TARDE.
NÃO HÁ TEMPO, NEM NECESSIDADE DE CORREÇÕES. NÃO POSSO, A ESTA ALTURA
DA VIDA, PREOCUPAR-ME COM TAIS ASPECTOS.

PROVAVELMENTE, NOS PRÓXIMOS DIAS, ESTAREI INDO À SERAFINA( UM COMPADRE
DE NOSSO PROFESSOR FINCATTO, QUE MORA EM SARANDI ME CONVIDOU).

MANDEI UM E-MAIL PARA O PREFEITO DE SÃO BORJA :
GABINETE@SAOBORJA.RS.GOV.BR( TUDO MINÚSCULO).

UM ABRAÇO.

MAURO.

Apoio

Numa coletiva dada na sexta, o senador Pedro Simon(PMDB) " marinou"!

Coleguinhas

CORNETA!


nA´PÁGINA 9, da editoria de ECONOMIA, do CORREINHO DE SEXTA,DIA 24.09 SAIU QUE A MINISTRA DILMA FARIA COMICIO N0 SABADO EM PORTO ALEGRE.


Pô não tem um editor que cuide do jornal como um todo???

Bah!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Bovespa


Lembram aquelas fotos dos corretores se escabelando todos na Bolsa de São Paulo?

Esqueçam!

Hoje é tudo por internet....

Esta foi uma das lições que aprendi num " cursinho" que fiz na sexta, a convite da Bovespa, no hotel Plaza.

Foram 29 jornalistas inscritos e o fato chamou a atenção até da assessora de imprensa Mariana Quaranta que segundo ela Belo Horizonte teve menos quorum durante um curso destes.

Tinha gente da Rádio Gaúcha( produtores,repórteres) da ZH, do Correio do Povo, do JC, mas a grande maioria deles presentes eram mulheres.

O editor de O SUl, Elton Primaz, também fez o cursinho.

Agora aprendi um pouco sobre ações na bolsa...como funciona, o que são comodities( mercadorias....) e outros afins.

Enfim, aprendi que " especuladores" da bolsa são necessários e importantes!

De São Borja

 


Na tarde da última quinta, colocaram até um telão no cais do porto pra acompanhar o são-borjense Israel Luceiro que ganhou o IDOLOS na record. Ele prometeu que seu primeiro show será em sua terra natal. Vamos ver,então?

Jogada de mestre!

 

Simon, o senador que não desceu do muro,até hoje, esperou o dia da coletiva da ministra Dilma Roussef pra repartir com ela o impacto da notícia:
noticiou poucas horas antes, na sua casa, o apoio a colega MARINA SILVA!

o TURCO pra quem o conhece fez a seguinte jogada:
Como a Marina não se elegerá mesmo( mas está bem com o povo do Rio Grande) Simon ficará de bem com o eleitorado.

E se a Dilma se eleger - que é o que indicam os prognósticos - e nos primeiros meses tiver dificuldades, de qualquer ordem, ele vai se safar:
- Eu não apoiei a Dilma!

Simon sempre pensa em si(aliás não é único)

No tempo da formação da Nova República, o que ele queria saber era:
- E como ficou eu?

Coletiva da candidata Dilma Roussef

 


Por Olides Canton

Estou chegando agora, 18 horas e pouco do dia 24.09 da coletiva do hotel Deville onde Dilma Roussef e Tarso Genro deram coletiva. Dilma, porque Tarso apenas fez uma intervenção, pedindo licença a Dilma para interrompê-la e esclarecer um assusnto( na verdade, Tarso a ajudou a responder uma pergunta).


Dilma chegou ao salão de convenções do hotel pouco depois da hora marcada,17 horas.Iniciou sua fala elogiando,segundo a candidata, um fato propositivo, ou seja, a " fantástica captação" que a Petrobrás realizada naquele dia.

- É uma operação fantástica. É a maior da história do capitalismo, disse a ex-guerrilheira.

E lembrou outras grandes captações que haviam sido feitas por outras grandes empresas no passado.

Depois dos assuntos econômicos- que pelo que vi um tema que a candidata gosta e domina - ela disse que queria tocar num outro assunto, o que denominou de " sal da terra", isto é, a democracia que o Brasil vive.

Elogiou o atual estágio brasileiro, classificando-o de um estágio em que a população brasileira vive uma das maiores democracias mundiais.

Perguntas


A ministra falou durante uma hora e pouco e não se esquivou de nenhuma pergunta. Foi sempre solícita e simpática com os repórteres que a questionaram, embora,diga-se a favor dela, que nenhum lhe colocou nenhuma pergunta cabeluda.

A mais polêmicas das perguntas - sobre as críticas à imprensa - ela as tirou de letra, dizendo que foi um caso específico da Folha de São Paulo( dia 20.09, a Folha publicou uma matéria sobre contas da Dilma quando secretária de Minas e Energia do RS não aprovadas pelo TCE). Ressaltou contudo que é favorável ao contraditório porque disse que é preciso aprender a conviver com o contraditório pois "prefere a crítica ao silêncio".
Aí lembrou seu tempo que lutou contra a ditadura.

Votos para Tarso!

Mesmo perante companheiros do PT e outros partidos coligados,Dilma aproveitou para pedir votos para Tarso Genro.
Disse que o momento do país é bom e que eleger Tarso seria importante.

Instada por um repórter sobre o fato do PT,seu partido, ter solicitado ao TSE que libere o eleitorado de levar título eleitoral e mais um documento de identidade pra poder votar, ele disse desconhecer o fato, mas esclareceu que nos demais estados brasileiros formaram-se filas imensas de eleitores atrás da regulamentação de sua situação para votar.
O repórter quis saber se o PT estava preocupado com o eleitora "menos esclarecido" pelo fato de ter que apresentar dois documentos para votar e Dilma remeteu o assunto para o " Dutra"( presidente nacional do PT).

Ganhos do Lula

Dilma citou ainda os alcanses da política social do Governo Lula lembrando que no seu governo foram retiradas da pobreza no Brasil, 28 anos milhões de pessoas.
E 12 milhões são detenteores, hoje, do benefício do Bolsa-Família.

Lembrou ainda o programa Luz para Todos.

Ao encerrar a coletiva, Dilma falou sobre comunicações em geral. Disse que até as empresas de comunicação estão preocupadas com o ingresso de capital estrangeiro no setor. Ela defendeu a internet nos moldes d ehoje,sem censura.
- A internet,disse a candidata que lidera as pesquisas de intenção de votos para presidente, é a praça antiga!

Coletiva da Dilma

 

O making off.

1) Cinara Tanure, a assessora de imprensa, comandou a coletiva. Já tem pique com os coleguinhas, que não é mole de controlar.

2)Quando começou, só estavam no palco, Tarso e Dilma. DEpois o palco foi ficando cheio. Paim, Beto Grill e por fim,a candidata Abigail.

3) Um grande pelotão de policiais estava fora do hotel Deville.

4) Olívio Dutra,sempre simpático, estava lá, mesmo fora dos holofotes.

5) Coleguinhas disputam " beleza" entre eles que vou te contar

6) Foi a primeira vez que vi ao vivo a Dilma, depois de março de 2001, quando cobri pro Estadão seu ingresso no PT. Foi num domingo, de muito calor, e Lula era então presidente de honra do PT. Chegou sozinho à ocasião . Olívio,governador, se atrasou na oportunidade.

7)Nem o ex-deputado Flávio Koutzii, nem a assessora de imprensa, Cinara Tanure, sabem a idade da candidata a presidente do PT. Cinara mandou-me ver no blog dela...

8)Quando perguntaram a Dilma o porquê Pedro Simon não a apoiava mais e apoiava Marina Silva,a candidata esboçou uma leve ironia:
- Mas ele me apoiava?

9) A sensação que tive é que Dilma não está de salto alto....

10) Encontrei a colega e amiga Dica Sitoni. Está na campanha do candidato Tarso.

11) Dilma mostrou-se uma entusiasta da internet

12) A saúde de Dilma é que são elas: eu achei engraçado o modo como caminha.....

Dilma (coletiva)

 

Making off


Tarso e Dilma votam na mesma urna em Porto Alegre. Não se sabe ainda se votarão juntos no dia 3/10


*Nem no site da candidata, consegui sua idade. É um mistério. Parece que tem perto de 70 anos!

Coleguinhas

*Núbia Silveira está no site sul21.

*Li o longo artigo do Luis Claudio Cunha sobre o já famigerado caso JA!

O articulista dá um pau no Clube de Opinião( ao qual parece que o Políbio pertence)!

E se eu entendi, o articulista ainda queima o filme com o Políbio por uma razão que acho que descobri:

O Políbio em seus espaços tem dito que o Rigotto,candidato ao senado, é vítima do fogo amigo....( o que o Luís Claudio tem a ver com isto? estaria o ilustre jornalista a serviço de quem?)

É boa briga!

Comício da Unidade Popular marca arrancada para a vitória

PT fez comício na sexta passada com Lula e Dilma e Tarso!

 

A Unidade Popular realizou nesta sexta-feira, 24, o último comício da campanha. Programado para iniciar às 19 horas, desde o início da tarde militantes se dirigiam ao Largo Glênio Peres, vindos de diversas cidades do interior. Mais de 500 ônibus entraram na capital desde a manhã. Militantes como Lila Lolito, de Uruguaiana, de onde saíram dois ônibus na noite de quinta-feira: “viemos para a vitória no primeiro turno”, disse.

Foto: Cristhine Genro


Os prefeitos de Ciríaco (Democratas), de Jóia e Ivoti (PP), de São Pedro do Butiá, Taquara, Venâncio Aires, Nova Palma e Lajeado do Bugre (PDT), de Mapituba, Novo Tiradentes, Mariano Moro (PMDB) estiveram presentes ao Comício e manifestaram seu apoio a Dilma Rousseff e Tarso Genro. Representantes de Centrais Sindicais também compareceram ao ato. Além das bandeiras dos partidos da Unidade Popular (PT, PSB, PCdoB, PR) também as de outros partidos como as do PDT, PL, PCB eram empunhadas pelos participantes do comício. Mais de 35 mil pessoas lotaram o centro de Porto Alegre.

Foto: Cristhine Genro


Primeiro a falar, o ex-governador Olívio Dutra, afirmou que serão nove dias de uma decisão importante: “Nós que gostamos de fazer a política para o bem comum, com o protagonismo de todas as pessoas, de afirmação da cidadania temos uma ocasião rara”, destacou ao referir-se a possibilidade de eleger o mesmo projeto político no cenário nacional e regional. Ao se pronunciar, o senador Paulo Paim lembrou sua trajetória em defesa de todos os segmentos: “tenho orgulho de dizer que defendo as pessoas com deficiência, os aposentados, de defender a minha gente”. A candidata a senadora Abgail Pereira (PCdoB) lembrou que as mulheres são a maioria do eleitorado. “Vamos decidir que o Brasil pela primeira vez vai ter uma mulher presidenta.”
Tarso Genro destacou em seu discurso as “profundas mudanças democráticas que aconteceram no Brasil a partir do governo Lula”. Tarso afirmou que o RS precisa estar de frente para o Brasil “distribuindo renda” e isso está expresso no Programa de Governo que foi construído com a participação de muitos gaúchos a partir das Caravanas pelo Rio Grande. “Nosso governo terá uma identidade ativa e propositiva”.
Antes do discurso da candidata a presidência Dilma Rousseff, 13 mulheres do projeto Mulheres em Construção entregaram capacetes na cor lilás para o presidente Lula, para Dilma e Tarso. Em seu discurso, Dilma destacou os R$ 120 bilhões arrecadados pela Petrobras em sua capitalização para arrecadar fundos para investimentos na exploração da camada de pré-sal. A candidata finalizou com mensagem aos militantes e ao eleitorado: “Em 2002, disseram que se Lula ganhasse a eleição, seria o caos, nada daria certo. Hoje a gente sabe que tudo deu certo, mesmo que ainda tenhamos muito que fazer. Estamos novamente num momento em que se destila ódio. Ao ódio vamos responder com esperança e amor.”
Ao encerrar o Comício, o presidente Lula disse que o seu governo tem muito a ver com o grau de amadurecimento do povo brasileiro. “É preciso que a gente saiba os valores que estabelecemos e a realidade que conseguimos mudar neste país. Não será mais possível alguém governar este país sem ouvir todos os segmentos organizados da sociedade”, afirmou
Segundo Lula, há um outro paradigma no país e fez um balanço das conquistas de seu governo: “Poucos países conquistaram o estágio de desenvolvimento em que nós chegamos”. O presidente se disse gratificado por ter contribuído para recuperar a auto-estima e ajudar a construir cidadania no país. “Não é possível construir uma nação sem valores patrióticos e éticos e foi isso que começamos a construir”, disse ao referir-se a capitalização da Petrobras. “O petróleo é do povo brasileiro, é nosso.”
Lula agradeceu a Tarso a parceria no governo quando ministro da Justiça e da Educação e ressaltou a capacidade de governar e dialogar do candidato. E sobre Dilma afirmou: “quem pode construir a unidade e governar fortalecendo a democracia é esta mulher”. E chamou a militância para os dias finais de campanha: “Não saiam das ruas até o dia 3 de outubro”.

Histórias de La Ùndeze

 

A irmã, morta de tuberculose, pediu a irmã que casasse com seu noivo..


Parece até coisa de novela, mas o advogado Oraldo Rodrigues jura de mãos juntas que isto é fato verídico. Em 23 de setembro de 1947 Maria Corso, que tinha apenas 21 anos morreu de turberculose. Ela descobriu que estava com esta doença e que iria morrer. Ela era estudante do colègio Bom Conselho em Porto Alegre.Seu noivo da época era o Aldo Crivelli.

E Anita, que também tinha um namorado( um moroso, como dizem em dialeto vêneto) largou dele pra cumprir o desejo da irmã.

Se foram felizes, não se sabe. O Oraldo garante que esta histórica é verídica.


Serafinense

Pouca gente sabe, mas a artista plástica, Lianna Timm, é filha do Dr. Mafuz, que clinicou em Serafina e que morava na av. Dr. Júlio Campos, hoje Miguel Soccol.

Timm é o sobrenome do marido, que a Liana carrega.


Serafinense(1)

A fotógrafa de ZH, Adriana Franciosi, também nasceu em Serafina.Mas foi muito pequena para P.Fundo!

 

VENCERAM OS
FICHAS SUJAS

Sergio Ross

As interpretações variam. Houve empate na decisão do Supremo
Tribunal Federal a respeito da validade da lei ficha limpa nas
eleições. Cinco ministros votaram contra o recurso de Joaquim Roriz
para reformar a sentença do Tribunal Superior Eleitoral que impugnou
seu registro do candidato a governador de Brasília. Outros cinco
ministros pronunciaram-se a favor, ou seja, entenderam que a lei ficha
limpa não deve ser aplicada no próximo dia 3.
Qual a conclusão, depois que a mais
alta corte nacional de justiça interrompeu a sessão sem o pronunciamento final?
O resultado é que os ficha suja poderão disputar a eleição. Os que
conseguirem eleger-se aguardarão um desempate sem prazo para
acontecer. Poderão
tomar posse e esperar a voz da Justiça. É claro que o eleitorado
poderá resolver boa parte dessa confusão, simplesmente não votando nos
ficha-suja,hipótese capaz de acontecer na corrida para cargos
majoritários mas difícil nas eleições proporcionais. Traduzindo:
Joaquim Roriz poderá não se eleger para o governo de Brasília( agora
já tirou do time de campo),porque conforme as
pesquisas perde para Agnelo Queiroz. Mas Paulo Maluf,candidato
federal,só por milagre
deixará de receber os votos necessários à sua eleição.
Não adianta culpar o Supremo Tribunal Federal por não haver desatado o nó.
Cada ministro é livre para exprimir-se como bem entender. Muito menos
valerá responsabilizar o presidente Lula por não ter preenchido vaga
aberta desde agosto,mesmo sabendo-se que com onze ministros,
composição constitucional do STM, os empates não aconteceriam.
Em suma,salvo melhor juízo, venceram os ficha-suja...

ERENICE CAIU DO CAVALO
OU DO BURRO????

Dispô-se o presidente Lula a enfrentar o escândalo promovido pela
ex-ministra Erenice Guerra,reconhecendo os erros praticados pela chefe
da Casa Civil
e até afirmando que ela poderia ter sido excelente funcionária
pública,mas caiu do cavalo. Errou ao achar que poderia servir-se do
poder impunemente.
Com todo respeito,melhor corrigir o bicho referido pelo
primeiro-cumpanheiro: Erenice não caiu do cavalo, mas do burro. Só
uma pessoa primária e incompetente poderia
ter produzido tanta lambança quanto ela no gabinete mais importante do
palácio do Planalto,depois do presidencial.

JAMAIS REPETIR
JÂNIO QUADROS

Jânio Quadros, em 1960, a quinze dias da eleição,mudou sua
linguagem de campanha. Nos comícios e nas entrevistas,dirigia-se a seu
interlocutores dizendo:” quem lhes fala já é o presidente da
República!”.
Muita arrogância mas nenhuma presunção, pois já era mesmo. Ainda
que sem a parafernália das pesquisas,naquele idos sentia-se no ar o
resultado das urnas.
Dias atrás,numa das reuniões do PT,
houve que sugerisse que Dilma Rousseff deveria fazer a mesma coisa,até
para sedimentar a vitória provável. Parece que foi
de José Dirceu o alerta, no sentido de que nem de longe deveria levar
a sugestão a candidata. Primeiro porque ela iria reagir com veemência.
Depois,porque mesmo já podendo
considerar-se eleita,pegaria muito mal. Os tempos são outros.

SERÁ PRECISO REGULAMENTAR
AS PESQUISAS

Uma dúvida que provavelmente servirá de subsídio para os futuros artífices da
reforma política: as pesquisas eleitorais influenciam o eleitorado ou
o eleitorado influencia as pesquisas eleitorais? É bom tomar
cuidado,porque os institutos,por mais competência de que disponham,são
empresas
comerciais. Precisam faturar para existir. Senão no plano
nacional,onde ficam expostos,
quem garante que lá nos grotões não cedam à
tentação de dar um empurrãozinho em certos candidatos,apresentando-os
como vitoriosos antes dessa vitória ter sido expressa pelos
consultados? Uma propaganda maciça poderá,muitas vezes,dar razão a
Goebbels,sobre o fato de uma mentira,tantas vezes repetida,acabar
virando verdade.
Proibir as pesquisas esta fora de questão,mas criar mecanismo para
vigiá-las e
até reduzir seu ímpeto,às vésperas das eleições,poderá tornar-se um
aprimoramento institucional.

Médicos debatem, em Porto Alegre, métodos avançados
para tratar aterosclerose

 

O desafio científico é salvar cada vez mais vítimas do
atual estilo de vida

Aterosclerose é uma doença caracterizada pela
aderência de gordura, de forma lenta, gradual e
silenciosa, nas paredes das artérias do corpo humano.

Se a pessoa não tem um bom estilo de vida (não tem dieta
saudável, não pratica exercícios regulares, fuma,
não controla a pressão arterial), desde a infância
vão se formando blocos gordurosos, principalmente de
colesterol, nos vasos sanguíneos. Essas placas
ateroscleróticas ou ateromas estreitam as artérias e
podem até obstruir a passagem normal do sangue.

Pode ser afetada qualquer artéria. Mas, são mais
preocupantes as que irrigam órgãos vitais como o
cérebro, rins e coração.

Se as veias acometidas são as que levam sangue para o
cérebro, a pessoa poderá sofrer um acidente vascular
cerebral (AVC=derrame), ou se são aquelas que levam
sangue para as pernas, ela sentirá dor ao caminhar
(claudicação intermitente), podendo chegar até à
gangrena e, no caso de obstrução nas artérias
coronárias (vasos que levam sangue ao coração), o
sintoma será dor no peito, o que caracteriza a "angina" ou
o "infarto" do coração.

Nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, como o
Brasil, a aterosclerose é a principal causa de doenças e
óbitos na população de mais de 50 anos. As doenças
cardiovasculares provocam 315 mortes de brasileiros por ano.
No Rio Grande Sul, 58% dos entrevistados de uma recente
pesquisa da Sociedade de Cardiologia do RS apresentam algum
dos fatores de risco ou já tinham doenças relacionadas.
Segundo o estudo, mais da metade dos entrevistados (51%)
estão com sobrepeso ou são obesos, condições que
causam aterosclerose. O churrasco e demais preferências
alimentares dos gaúchos seriam responsáveis pelo alto
índice. O Estado também é o líder de fumantes no
país, outro hábito favorável para desenvolver
problemas nos vasos e no coração. Aponta o levantamento
que fumantes e ex-dependentes do cigarro somam 41% dos
pesquisados.

O atual estilo vida faz crescer, cada vez mais, o número
de pessoas com aterosclerose e impulsiona a tecnologia a
evoluir, na medicina, de forma a garantir sobrevida aos
pacientes. Hoje, a detecção precoce da doença e
tratamentos minimamente invasivos controlam sintomas e
evitam óbitos.

Coordenados pelo cardiologista gaúcho Paulo Caramori,
cerca de 500 especialistas participam, dias 22 e 23 de
outubro, em Porto Alegre, de curso de atualização sobre
novos métodos de diagnóstico e recuperação de
pacientes vítimas de aterosclerose. O CAAT 2010 ? Curso
Avançado em Aterotrombose, no Centro de Eventos do CIEE
(Rua Dom Pedro II, 861), vai contar com palestrantes de
renome internacional. Koen Deloose, da Bélgica, Michael
Farkouh, dos EUA, e Dr. Olivier Wittenberg, da França,
juntamente com expoentes nacionais, vão debater novidades
no manejo com a doença e trocar experiências com
cardiologistas, cirurgiões cardiovasculares,
hemodinamicistas, internistas, endocrinologistas,
geriatras, nefrologistas, neurologistas e angiologistas de
vários estados do Brasil.

Jorn. Beth Nunes
Ass Imprensa

 

DE São Borja


A feira do livro deste ano começo dia 29 próximo(quarta) e se estende até a sexta-feira. No dia 30, estarei na câmara de vereadores da cidade, a partir das 19 hs, autografando meu livro Cosi la ze stata(fatos e lendas de serafina corrêa).
Este ano os escritores de São Borja, me informa o Clemar Dias, receberam da secretaria da educação e cultura uma carta comunicando que será posto a sua disposição um stand para eles venderem suas obras. Cada escritor será o responsável pela comercialização dos seus livros.

O poeta Ramão, diz ainda o Clemar, será um dos que estará presente na banca....

De Serafina


Preso um dos suspeitos da morte
do taxista Zanini!
Encanaram um dos suspeitos de ter matado na quinta passada em Serafina,durante "assalto" o taxista Carlitus Zanini. Zanini, de 53 anos, era casado com uma Pasqualoto e " ghe piazea i soldi"(gosta de dinheiro) como todo grindo. Estava sempre pelas redondezas da rodoviária ,tentando pegar uma corrida, como se diz. O suspeito atende pela alcunha de "Café" e é um dos tantos forasteiros que foram pra Serafina a procura de trabalho nos últimos anos. No caso, o trabalho dele parece não ser o legalizado.

O crime tem cheiro de " acerto de contas". Zanini deixou alguns amigos no cabaré perto de Casca, na RS-129 e quando foi buscá-los as oito e pouco da noite, foi assassinado na volta. Dizem que tem drogas e afins no meio. Ou então foi puro assalto mesmo. A Polícia vai tirar a limpo esta história. O fato chocou a cidade porque o taxista era muito conhecido entre todos, principalmente os idosos que ele transportava.

PT faz arrastão pra ganhar no primeiro turno


O brique da redenção,ontem, em porto alegre, antes do jogo Inter x Corinthias, bombou. Mais de políticos do que de eleitores. Havia mais cabos eleitorais do que propriamente eleitores.

foto de caco argemi

Puxada por Olívio, Abigail e Tarso, a caminhada do PT foi pra incentivar terminar a eleição no domingo que vem. Vamos ver!

 

Memória Política


"Esquerda" dos anos 80 da

Câmara Municipal de POA
ainda disputa votos


foto do memorial da CMPA

Destes cinco integrantes da "esquerda" da Câmara Municipal de Porto Alegre dos anos 80, três ainda disputam votos nesta eleição de domingo que vem,dia 3.10: são eles:Jussara Cony, que depois de uma experiência como executiva no Grupo Hospital Conceição, onde foi diretora-presidente tenta uma vaga a Deputação estadual, onde já esteve outras vezes; Antônio Holfeldt, primeiro vereador eleito do PT de Porto Alegre, em 1982, é candidato a suplente na vaga de senador pelo PMDB, e Raul Carrion, vereador do PCdoB, nos anos 80, tenta se manter na Assembléia Legislativa do Estado ainda pela legenda comunista.

Dois que estão na foto desistiram da política: Lauro Hagemann, vereador do MDB,depois PCB e Clênia Maranhão,vereadora do PMDB,depois do PPS.

Estes dois últimos penduraram as chuteiras; o primeiro pela idade, a segunda não se sabe os motivos.

DE São Borja

 

Uma curiosidade da Terra dos Presidentes é saber quem fará mais votos: Luis Carlos Heinze ou Affonso Mota. Heinze é deputado federal,conhecidissimo. Motta já foi candidato, não se deu bem, mas também tem feito um trabalho " forte" no município. A pergunta é:pra quem irão os votos que eram do Pompeo de Mattos na região?

 

Agenda Tarso Genro - 27/09/2010

27/09/10 - segunda-feira

10h30min – Visita a fábrica Voges Motores
End. BR 116, KM 145, N° 5000 – São Ciro – Caxias


12h – Almoço com a Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC) – Caxias
Local: CIC Caxias do Sul
End. Rua Ítalo Victor Bersani, 1134 – Bairro Jardim América

13h30 – Encontro com direção do SIMEC – Caxias do Sul
Local: CIC Caxias do Sul

13h45 – Coletiva imprensa – Caxias do Sul
Local: CIC Caxias do Sul

14h30 – Visita a Agrale – Caxias
End. BR 116, KM 145, N° 15.104 – São Ciro – Caxias do Sul

16h – Visita a Marcopolo – Unidade Ana Rech - Caxias do Sul
End. Av. Rio Branco, 4889 - Bairro Ana Rech

19h30 – Comício – Caxias
Local: Estacionamento da Prefeitura
End. Rua Alfredo Chaves, 1333


Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
51 3323.8907
www.tarso13.com.br
www.twitter.com/tarso13

POLÍCIA DE BRASÍLIA
PRENDE POLÍCIA!!!



Sergio Ross


O delegado responsável pelo inquérito que investiga o triplo
homicidio na Quadra 113 sul de Brasília,Luiz Julião Ribeiro,informou
que a Polícia Civil do Distrito Federal,já concluiu o inquérito,que
está sendo apurado há mais de um ano.
Segundo o delegado, o inquérito aponta a arquiteta Adriana Villela
como a responsável pela morte de seus pais,José Guilherme Villela e
Maria Carvalho Mendes Villela e da principal empregada do casal
Francisca Nascimento da Silva.


arquiteta Adriana Villela

Eles foram mortos no dia 28 de agosto
do ano passado, dentro do apartamento do
casal com 73 facadas.
Ainda segundo o delegado, a polícia não dispõe de apenas uma,mas de
várias provas que seriam
suficientes para incriminar a arquiteta.
O policial pediu a prisão de Adriana por ela ter atuado diretamente
na morte dos pais. Consta que a filha do casal, teria sido vista por
uma testemunha, dentro do apartamento 601/602 dia do assassinato.
Adriana no entanto, continua afirmando: “eu não tenho a menor idéia
de quem matou meus pais”.
Mas a Polícia de Brasília,pediu ainda a prisão de outras quatro
pessoas,como a da ex delegada
chefe da 1ª Delegacia de Polícia,Martha Vargas, que comandou o
processo logo no inicio do caso,do policial José Augusto Alves,que
seria namorado de Adriana,da vidente gaúcha Rosa Maria Jaques e de seu
marido,João Tochetto.
Esse crime,chocou Brasília,uma vez que o chefe da família era um
advogado conhecidíssimo. Foi Ministro do Tribunal Superior Eleitoral e
impressionantemente,foi esfaqueado,sendo que só no
coração levou mais de 5 facadas. Um policial legista,disse na ocasião,
que um assassino precisa estar com muito ódio para fazer o que fez.
Por isso a policia nunca descartou o fato de que um parente muito
próximo, tivesse praticado o crime.

 

PELUZO, AYRES DE BRITO E A ESPADA DE ALEXANDRE




Por Carlos Chagas


Estando a exigência da ficha-limpa nas eleições do dia 3 transformado-se num sonho de noite de verão, por ironia quando chegou a primavera, a pergunta que se faz é porque o presidente do Supremo Tribunal Federal inseriu nos debates a dúvida sobre a validade da referida lei. Afinal, discutia-se apenas se Joaquim Roriz poderia ser registrado como candidato ao governo de Brasília, tendo em vista que renunciara a uma cadeira no Senado para não ter seu mandato cassado, coisa que a lei punia com a proibição do registro.
César Peluzo atropelou o voto do relator, Ayres de Brito, levantando tertúlia muito maior, no caso, a validade e a constitucionalidade da lei como um todo. Argumentou que o Senado, a pretexto de promover uma emenda de redação, modificou fundamentalmente o espírito do texto, trocando a punição “aos que tenham sido condenados” pelo verbo “forem” condenados. Tratou-se de emenda de mérito e, assim, o projeto deveria ter retornado à Câmara, para aprovação ou rejeição. Como foi levado à sanção presidencial, ficou a lei prejudicada em sua inteireza, devendo o Supremo rejeitar qualquer apreciação a seu respeito, não apenas o recurso de
Não adiantou a contestação do ministro Ricardo Levandowski, apresentando pareceres de filólogos de renome concluindo pelo sentido lato do verbo “forem”, quer dizer, a proibição do registro não se aplicaria apenas aos condenados depois da sanção da lei, mas também a condenações anteriores.
Suspensa a sessão de quarta-feira em função da balbúrdia instalada no plenário, quando quase todos os ministros falavam ao mesmo tempo, a questão ficou para ontem. Mais importante do que saber que a lei da ficha-limpa acabou arcabuzada seria perscrutar porque o presidente César Peluzo só agora levantou a dúvida. Afinal, o texto foi sancionado em junho. Discute-se, também, se a mais alta corte nacional de justiça tem o poder de agir ex-oficio, quer dizer, sem ter sido provocada por uma ação. Como guardiã da Constituição, pode? Mas Câmara, Senado e presidência da República deixaram de ver inconstitucionalidade no projeto, pela mudança no tempo dos verbos.
Ainda uma pergunta sem resposta: por que o senador Francisco Dornelles, presidente do PP, criou toda a celeuma, propondo a aparentemente simplória emenda de redação? O problema é que apesar da concordância do jurista Demóstenes Torres, presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, abriu-se a dúvida sobre a modificação vir a beneficiar quantos candidatos tenham sido condenados no passado. Inclusive Paulo Maluf, patrono do PP...
Assim estávamos, ontem, antes que o Supremo Tribunal Federal decidisse a questão maior, da validade e constitucionalidade da lei da ficha-limpa, e a questão menor, se ela pode retroagir para prejudicar candidatos condenados antes de sua vigência. Um nó a desatar como poucos em toda a História do Judiciário. Resta indagar quem vai empunhar a espada de Alexandre: César Peluzo ou Ayres de Brito?

FAÇAM O QUE EU DIGO...
É milenar o adágio do “façam o que eu digo, não o que eu faço”. Os jornalões não tem limite em sua tentativa de demolir a candidatura de Dilma Rousseff. A moda, agora, é denunciar parentes de ministros e altas figuras da República incrustados no serviço público ou trabalhando em empresas privadas contratadas pelo governo.
Dúvidas inexistem de que a indigitada Erenice Guerra atropelou a ética e traiu a confiança que nela depositavam o presidente Lula e Dilma Rousseff. Afinal, foi abominável nomear marido, filhos, irmãos, sobrinhos e papagaios em diversas repartições públicas, além de facilitar contratos de empresas privadas com o erário.
Tudo, no entanto, tem limite. Acusar o ministro da Comunicação Social porque um filho dele trabalha numa companhia particular que presta serviços ao governo é um pouco demais. Ou muito demais. Denúncias, muitas vazias, que mal caberiam num canto de página, são transformadas em sucessivas manchetes. A queda de um ponto percentual de Dilma Rousseff nas pesquisas é celebrada como sua derrota na campanha sucessória.
Convenhamos, é demais. E quanto à blitz envolvendo a nomeação de familiares, seria bom lembrar que nas empresas jornalísticas... (cala-te boca!).

CENSURA ECLESIÁSTICA
Houve tempo em que os livros, para ser impressos, dependiam de autorização da Igreja. E até autores não ortodoxos iam parar na fogueira. Felizmente essa prática acabou faz muito. Restam, porém, alguns hábitos estranhos. Tome-se o importante debate promovido pela CNBB, na noite de ontem, entre os quatro principais candidatos presidenciais. As regras impostas pelos prelados proibiam perguntas que abordassem escândalos e denúncias. O espírito da proibição pode ter sido louvável, para que os pretendentes ao palácio do Planalto dedicassem suas falas a planos, programas e definições de importância. Mas tanto agora quanto na Idade Média, censura é censura, mesmo entre bispos...

ABSTENÇÕES
Faltando oito dias para as eleições, salta aos olhos uma dúvida que nenhum instituto de pesquisa é capaz de esclarecer, apesar das tentativas. Quantas serão as abstenções nesse universo de 132 milhões de eleitores? Não se fala dos votos em branco ou nulos, mas dos cidadãos que terão ficado em casa ou, mais grave ainda, compareceram às sessões eleitorais e não puderam votar. Afinal, mais uma dificuldade acaba de ser criada pela Justiça Eleitoral: além do título, o eleitor estará obrigado a apresentar outro documento no qual conste sua fotografia. Parece fácil de mandar, mas não será difícil de cumprir? Melhor teria feito o Tribunal Superior Eleitoral se, alguns anos atrás, tivesse determinado a mudança de todos os títulos de eleitor, obrigando trazerem a fotografia do portador. Custaria caro, mas para evitar abstenções, teria valido à pena.

 

COMPARAÇÃO

 

Na quarta-feira, 22, um certo candidato de São Paulo, da turma lulodilmista, disse que Lula é o melhor presidente da história. Ele não conhece história. Lula só criou para o povão o Bolsa Família, união de três cartões criados no governo FHC e um em seu governo, união esta que foi sugerida, como já citei em vezes anteriores, pelo então governador de Goiás, Marconi Perillo, do PSDB.
Já Getúlio Vargas e João Goulart criaram benefícios para o povo trabalhador, tanto da ativa, quanto aposentados e pensionistas, que perduram até hoje, tendo o trabalho como objetivo, ao contrário do Bolsa Família, cujo recebimento nada tem a ver com trabalho.
Vejamos:
Trabalhadores com carteira profissional (criada por Getúlio Vargas) assinada: Em dezembro de 2009 foram injetados na economia brasileira cerca de R$ 85 bilhões em decorrência do pagamento do 13º salário ( projeto de lei, em co-autoria, do Deputado Federal gaúcho Floriceno Paixão, que, aprovado e transformado em lei, esta foi sancionada pelo presidente João Goulart). Este montante representa aproximadamente 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e engloba os trabalhadores do mercado formal, inclusive os empregados domésticos e beneficiários da Previdência Social, aposentados e beneficiários de pensão da União e dos estados. Cerca de 70 milhões de brasileiros foram beneficiados.
Tendo o valor do 13º salário como parâmetro, podemos concluir que o total recebido por que trabalha com carteira assinada estaria em torno de R$ 1 trilhão no ano, tornando ínfimos os R$ 13,1 bilhões da previsão do Bolsa Família para este ano. Carteira profissional que foi criada por Getúlio Vargas, repito.
Previdência Social, criada por Getúlio Vargas nos moldes hoje existentes, na década de 30: em 2008 foram 26.095.625 beneficiários, cuja maioria recebe de um salário mínimo para cima, que receberam no total R$ 199,562 bilhões (o Bolsa Família de 2008 foi de R$ 10,5 bilhões); em 2009 foram 27.048.356 beneficiários, que receberam no total R$ 228,192 bilhões (o Bolsa Família de 2009 foi de R$ 11,4 bilhões ).
Vamos comparar o Bolsa Família de Canoas e Porto Alegre e o que, por exemplo, a Previdência Social pagou nos dois municípios em 2008 e 2009.
Segundo o site do Ministério do Desenvolvimento e Combate a Fome existem 7.385 famílias cadastradas no Bolsa Família em Canoas. O valor mensal é de R$ 600.993,00. Até agosto foram pagos R$ 4.787.254,00. Fazendo uma projeção até o final do ano, com mais quatro meses de R$ 600.993,00, chegaremos ao total de R$ 7.191.226,00.
Já a Previdência Social pagou em 2008, para 51.351 beneficiários, o total de R$ 456.127.693,00.. Por sua vez, em 2009, para 52.387 beneficiários, o total pago foi de R$ 510.251.493,00.
Já em relação a Porto Alegre são 34.554 famílias cadastradas no Bolsa Família, sendo o valor mensal R$ 3.346.972,00; até agosto foram pagos R$ 25.148.410,00 que, até o final do ano, com mais quatro meses de R$ 3.346.972,00, chegará a R$ 38.536.298,00.
No que se refere a Previdência Social, a mesma pagou em 2008, para 283.631 beneficiários, o valor de R$ 2.913.924.755,00, ao passo que em 2009, para 292.540 beneficiários, o valor pago foi de R$ 3.262.511.228,00.
Comparemos os números: grande vantagem para a Previdência Social.
E poderiamos comparar, ainda, com os valores recebidos anualmente por todos aqueles que, trabalhando de forma formal, com carteira assinada (carteira esta criada por Getúlio Vargas ) e que movimentam a economia de Canoas e Porto Alegre; valores estes que são muito maiores do que o total do Bolsa Família.
Desta forma, na minha opinião, ao comparar Getúlio Vargas e João Goulart com Lula, este perde de goleada, não podendo o mesmo ser considerado o melhor presidente da história.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Recebo do Serginho:

 

quando eu elogio o Serginho reclama,quando falo mal, ele dá bronca...como vou agradar aquele baixinho( sempre soube que é uma pessoa difícil,desde que conheci o baixinho carregando as malas do Cloraldino e tirando foto de tudo quanto gente, mas o Serginho tem o faro da notícia, coisa que poucos colegas têm....)


PÔ OLIDES...MENOS...

Olides.

Não precisa puxar o meu saco...Eu vou continuar escrevendo para o teu
blog.Mas não exagera.Aquelas fotos com o Geisel,foram meio ridiculas.
Eu sou de Bento e me orgulho muito,mas não falo como os meus
conerranêos e justiça seja feita o Presidente não teve aquele tipo de
papo comigo.
Senhores e senhoras,leitores do blog do Olides. Eu peço desculpas pelo
exagero do nosso editor chefe e dono do blogo.Mas conhecendo o pessoal
da Linha Onze,agente desculpa e pode esperar de tudo dessa gente que
deixou de ser de Guaporé.
Agora, eu só quero ver como vou poder "adentrar" no Stela Grill daqui
hà pouco.. É claro que vou ser a piada do dia...
Sergio Ross

Bagé

Olá Sr. Olides!
Visitei o blog e li a matéria sobre o Bagé - ficou bárbara!!! Especialmente o contexto exibido pelas fotos.
A publicação da ficha do projeto que oficializa a Feira do Livro em PoA tb está demais!!!
Qualquer dia envio a fotografia dos vereadores da primeira legisltura desta Câmara.
Atenciosamente,
Rosa Ângela.

Correção

O Serginho me corrige. Jaquito era da familia dos Bloch, não fotógrafo.

Eu que errei. Peço desculpas aos leitores. Me precipitei!

 

Senhor Olides Canton


O senhor me parece um pouco desinformado. Eu não sou fotográfo da
Manchete.Gostaria de ter sido mas na verdade eu sou é o dono
da revista e de outras revistas que a minha empresa publicava
Atenciosamente

Jaquito (enviado por Sergio Ross)

SEGURANÇA NO TRÂNSITO

 

Prefeitura intensifica ações educativas na Semana do Trânsito

Com o tema “Cinto de segurança e cadeirinha”, de 18 a 25 de setembro é realizada em todo o Brasil a Semana nacional do trânsito. Em São Borja as campanhas educativas através de palestra, blitz e distribuição de materiais de apoio já ocorrem constantemente e têm sido intesificadas durante a semana. O objetivo é a conscientização de todos a fim de reduzir as lesões e acidentes no trânsito.

Entre as diversas palestras no período, na sexta-feira (23/9) à tarde o agente de trânsito Marcio Cavalheiro explanou para alunos da primeira a quarta série do Colégio Sagrado Coração de Jesus. Mais tarde, com o apoio da psicóloga Natieli Londero e de alunos da escola municipal Neith Aragon Mota, realizaram blitz educativa na rua Cândido Falcão. Sábado (25/9), às 9h, haverá blitz na rua General Marques, em frente à plataforma cívica da Praça XV de Novembro.

A abordagem das palestras incluem a educação no trânsito tanto para motoristas, quanto para ciclistas e pedestres. Para isso são apresentados vídeos de acidentes, distribuição de cartilhas e outros materiais expositivos e de apoio, além da explanação do agente. “Embora seja um tema presente na vida dos estudantes, eles são bem receptivos e muito curiosos com as partes técnicas, querem saber o que pode ou não”, apontou Marcio.

No Brasil os acidentes de trânsito representam a principal causa de morte entre jovens de um a 14 anos. De acordo com o Ministério da Saúde, 40% das mortes desta faixa etária estão relacionadas a acidentes de trânsito. Pesquisam apontam também que, para cada morte, outras quatro crianças ficam com sequelas permanentes.

Uso das cadeirinhas

A Resolução 277 para o uso das cadeirinhas nos automóveis foi publicada em 2008, no entanto, para fins de fiscalização entrou em vigor apenas em setembro deste ano. A desobediência da lei acarreta em infração gravíssima, gerando sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), multa de R$ 191,54 e o veículo ainda pode ser retido.

A regra vale para todos os veículos, com exceção para os de transporte coletivo, táxis, de aluguel, escolares e demais veículos que tenham peso bruto total maior que 3,5 toneladas.

A resolução prevê:

Até 1 ano (13kg) – uso do bebê conforto no banco de trás;
De 1 a 4 anos (9kg a 18kg) - uso da cadeirinha no banco de trás;
De 4 a 7 anos e meio (18kg a 36kg) - uso do assento de elevação no banco de trás;
De 7 anos e meio a 10 anos (1,45m de altura, no mínimo) - uso do cinto de segurança no banco de trás.
DECOM – Departamento de Comunicação da Prefeitura de São Borja


FEIRA DO VINIL


Dia 27 de setembro começa mais uma Feira do Vinil, nos Altos do Mercado Público. Vai até 8 de outubro. Para os que curtem o bom som que só se encontra nos velhos LPs.

Boletim Vereador Adeli Sell 23.08.10

Bares que fizeram lenda em Porto Alegre!


Como contei neste blog, o comerciante Kurt Krigel foi assassinado em 22.09.1969. No último dia 22/09, conforme mostra o convite publicado na página 45 de ZH, do dia 22.09,a neta, Áurea Altenhofen mandou rezar uma missa que segundo o convite diz:" o assassinato do ex-dono do Rembrandt, na rua Dr. Timóteo,855".

Um assíduo frequantador do bar Rembrandt comentou o fato:
- Estranho, muito estranho, porque nunca tinham feito isto!

De São Borja


São-Borjenses devem votar em quem é da terra.

Pelo menos é o que conclama a entidade empresarial da Terra dos Presidentes.A campanha original era mais radical ainda: era pra votar em quem era de São Borja, mas foi " amenizada" para quem "trabalha" para São Borja.

Viaduto da Borges

Por Fernando Lazari

História

Esse viaduto é chamado pela maioria das pessoas
como "Viaduto da Borges" , por situar-se na Avenida Borges de Medeiros,
mas seu nome verdadeiro é Viaduto Otávio Rocha.

Sua origem remonta a 1914, quando o primeiro Plano Diretor da cidade previu
a abertura de uma rua para ligar as zonas leste, sul e central de Porto
Alegre, até então isoladas pelo chamado "morrinho". Contudo, sua
construção só foi decidida em 1926, quando o Intendente Otávio Rocha, em
conjunto com o Presidente do Estado, Borges de Medeiros, determinaram a
abertura efetiva da atual avenida Borges de Medeiros. A abertura da avenida
exigiu um rebaixamento considerável no terreno, interrompendo o curso da
rua Duque, e obrigando à criação de uma via elevada para reconstituir sua
passagem.

Em 1927 foi aprovado um projeto dos engenheiros Manoel Barbosa Assumpção
Itaqui e Duilio Bernardi, e no ano seguinte começaram as desapropriações
necessárias. Para realização da empreitada foi aberta uma concorrência,
vencida pela Companhia Construtora Dyckerhoff & Widmann. Foi entregue à
população em 1932.

O viaduto é uma imponente estrutura de concreto armado, com três vãos.
No centro, ao nível da avenida, existem dois pórticos transversais com dois
grandes nichos, onde há grupos escultóricos criados por Alfred Adloff.
Em ambos os lados da avenida Borges foram levantadas amplas escadarias de
acesso até o nível do viaduto, sustentadas por grandes arcadas, debaixo
das quais existe uma série de pequenos estabelecimentos comerciais e
instalações sanitárias. Os parapeitos das rampas e do viaduto são decorados
com uma bela balaustrada.

Os passeios são revestidos de mosaicos de cimento, e o revestimento é de
reboco de pó de granito, imitando pedra aparelhada. Desde sua construção o
Viaduto Otávio Rocha é um importante ponto de referência de Porto Alegre.
Suas características arquitetônicas, bem como sua relevância sócio-cultural,
levaram o município a inscrevê-lo no Livro Tombo sob o número 26, em 31 de
outubro de 1988.

De São Borja

 

Este blog tem bons perdigueiros em São Borja. Redigido a partir de Porto Alegre, foi um dos primeiros no Estado a dizer, publicamente, que o prefeito Mariovane WEis estava com o Flávio Lammel. Agora, no dia 15.09, na página 2, na coluna Gente e Polícia, saiu a informação com foto e tudo. Além de Mariovane, apoia o ex-prefeito de Victor Graeff e ex-presidente da Famurs, o vereador Valério Casafuz(PDT).

Segundo Edison de Almeida, chefe de gabinete de Mariovane, o apoio do prefeito foi em função de Lammel quando presidente da Famurs ter auxiliado a prefeitura a resolver um impasse sobre transporte escolar com a governadora Yeda Crusius.

O que fazer no FINDI

1) os filmes chilenos,gratuitos, continuam no Santander. No sábado de tarde, passam em sequencia os dois filmes que tratam da questão política no regime do Pinochet.


2) O PORTO ALEGRE em CENA prossegue. Veja no site deles as peças que ainda estão com ingressos

3) Um dia vou descobrir um redator que faça aqui um " Programinha" como a ZH tinha nos anos 60, criação do MARCÃO FAERMANN, que já morreu.

4) Tem Inter e Corintians, no Beira-Rio, no domingo de manhã

5) Tem o Brique, embora este vai estar coalhado de políticos e cabos eleitorais, se não chover.

DE BRASILIA-ESPECIAL 19

Por Sergio Ross


POLÍTICA...

Resolvi neste final de semana,fazer uma pesquisa. Em todos os
lugares a onde fui,perguntei para os meus amigos, em quem eles
votariam para presidente da República. Todos sem exceção,me
disseram,depois de eu afirmar que votaria na Marina Silva que também
votariam na Marina. Olha, não foi brincadeira. Acho que mais de 20
pessoas me garantiram que votarão na candidata do Partido Verde. Eu
já estava desconfiando que a turma do Serra,na reta final ia se
bandear para a
Marina.

POLÍTICA 2

Falando ainda em política, o Correio Braziliense,neste final de
semana descobriu que o Fernando Collor, no interior de Alagoas, é
visto como quase um santos. Não é piada não.
O Correio mostra que o candidato ao governo do estado conseguiu
ligar sua imagem à de Frei
Damião e tira vantagens eleitorais entre as classes mais
pobres,assoladas pela fome,por doenças e desinformação. Em Jequiá da
Praia, o ex presidente abocanhou 74% do votos quando disputou uma
vaga ao Senado em 2006. Um dos argumentos para apoiá-lo é
que Fernando Collor foi perseguido nos tempos da Presidência da
República porque era alagoano.
Fernando Collor faz questão de alimentar a imagem criada pela
população humilde. Costuma se benzer antes das caminhadas nas
comunidades,fala manso e faz cara de sofrimento quando seus aliados
discursam em trios elétricos, dizendo que ele foi um homem injustiçado
e que já sofreu demais. Ele mesmo
diz,sem detalhes ou maiores explicações,que tudo que lhe aconteceu foi
resultado de perseguição porque ele era um nordestino no poder.
Mas segundo o Cláudio Humberto, que foi seu assessor de imprensa, o
Collor será o mais votado no primeiro turno,mas fica em segundo lugar
na votação final.

POLÍTICA-3

A Lei da Ficha Limpa está na pauta desta
quarta feira do plenário do Supremo Tribunal Federal(STF).O dez
ministros que compõe a Corte máxima julgarão o recurso extraordinário
interposto pela defesa de Joaquim Roriz (PSC) contra a impugnação
provida pela Justiça Eleitoral. O tema é polemico e divide o
tribunal,mas a constitucionalidade da Lei Complementar nº 135 pode não
ser a única discussão da próxima sessão. Caso o julgamento termine
empatado em cinco votos contra cinco, os magistrados terão de definir
como se dará o desempate. Esse novo tema também divide o universo
jurídico e deverá ser um debate à parte,uma vez que o resultado
dependerá do método escolhido.
O STF é normalmente composto por 11 membros,mas uma cadeira está
vaga devido a aposentadoria do ministro gaúcho Eros Gráus, em dois de
agosto. Como não há previsão para a indicação de um substituto, a
Corte fica sem sempre vulnerável aos empates. No caso da Lei da Ficha
Limpa,a probabilidade
de isso ocorrer é grande. Três ministros já declararam o
voto no julgamento do mérito do Tribunal Superior Eleitoral
(TSE):Carmen Lúcia e Ricardo Lewandoswski
foram a favor da norma e Marco Aurélio Mello,contra.
Mas a verdade é que Roriz,mesmo sendo absolvido pelo Tribunal ele
perde a eleição disparado, para o candidato do PT, Agnelo Queiroz, que
tem ainda o apóio maciço do Presidente Lula.

POLÍTICA-4

Uma pesquisa feita em Brasília,encomendada pelo Correio
Braziliense,mostra que 45% da população preferiria não ser obrigada a
ir às urnas. Boa parte dos eleitores da capital,não se lembram de
quais candidatos escolheu no pleito de 2006.
O levantamento realizado às vésperas da eleição confirma o
desinteresse pela classe política ao mostrar que a maioria dos
entrevistados, não sabe em quem votou no último pleito nem mesmo
quanto dura o mandato de um Presidente da República.
Para fazer a pesquisa,foram ouvidas mais de
mil pessoas entre 9 e 12 de setembro,portanto a menos de um mês das
próximas eleições. Foram abordados quase sempre adultos entre 26 e 35
anos,casados e com ensino médio completo. Do grupo,apenas 9% lembram
em quem votaram para o Senado Federal à quatro anos
Os patamares de memória do eleitorado quanto aos escolhidos para as
vagas de deputados federal e distrital também foram muito baixos. Só
13%
dos entrevistados sabiam responder em quem tinham votado para
deputado federal e, em 2% dos casos, o grupo que participou da
amostragem citou nomes de políticos que nem sequer haviam concorrido
aos cargos.
Na pergunta para senador, esse indicie de desconhecimento foi ainda maior 12%.
Outra coisa: não foi difícil encontrar eleitores contrários à
obrigatoriedade do voto no Distrito Federal. Se a coisa continuar como
está, ou seja continuar a desonestidade dos políticos brasileiros,logo
logo, muita gente vai deixar de comparecer às urnas.

UMA FOFOCA POLÍTICA

Aqui em Brasília,um conhecídissimo empresário ligado a área da
construção civil e que esteve envolvido no escândalo da Caixa de
Pandora que botou o governador Arruda na cadeia por mais de um
mês,casou a filha neste final de semana.
Com a maior cara e pau,resolveu fazer do casamento a festa do ano.
Convidou meio mundo,principalmente juizes e desembargadores dos
tribunais de justiça,sediados aqui no Distrito Federal e altas
autoridades governamentais. Imaginou que voltaria ao noticiário da
imprensa. Imaginou que voltaria as paginas do jornais,não como um
acusado do escândalo
que botou na cadeia, meio mundo aqui no DF. Mas que seria citado como
o homem que dava as maiores festas da cidade. Quebrou a cara.
Cinqüenta por cento dos convidados, tiraram o corpo fora e
simplesmente não compareceram a festa. Sabem quem ele convidou para
padrinhos da filha? Pois é, convidou nada menos nada mais do que o
Arruda e o Paulo Octávio...
Eu ainda não tenho os detalhes finais. Mas
o assunto sábado à noite na cidade era o tal casamento.

CRISTINA KIRCHNER CONTRA JORNAIS DE OPOSIÇÃO


De Buenos Aires
Gelson Farias
Olides. Parece que agora a briga entre o governo de Cristina Kirchner e os dois jornais de oposição do governo pegou fogo realmente. O processo do Papel Prensa é mais uma página na guerra aberta entre o Governo e o grupo Clarín, antigo aliado do kirchnerismo e hoje inimigo da presidente e seu marido e antecessor no cargo, Néstor Kirchner.
O Clarín, o mais poderoso do país, é o principal afetado pela legislação de comunicação impulsionada pelo Executivo e acaba de sofrer uma dura derrota pela decisão do governo de retirar a licença da Fibertel, sua empresa de serviços de internet. O grupo denunciou que o relatório "é o passo mais ousado do governo kirchnerista contra os meios de comunicação, e em particular contra os diários "La Nación" e "Clarín"".
Os dois jornais publicaram hoje um editorial no qual asseguram que "a Justiça não encontrou vínculo algum entre a detenção dos Graiver e a Papel Prensa" e denunciaram um plano do governo para assumir a companhia.
Um projeto de lei para declarar o papel de jornal um produto de “interesse público” deve chegar ao Congresso nesta sexta-feira. A medida proposta pela presidente argentina restringiria a oferta do material aos dois principais jornais da oposição. O Congresso possivelmente votará o texto na semana que vem. O objetivo de Cristina é aumentar o controle do estado sobre o preço, a distribuição e a comercialização do insumo produzido pela empresa Papel Prensam cujos acionistas são, além do governo, La Nación e Clarín - os dois diários mais influentes do país e os que mais criticam o governo.


A oposição argentina começou a articular uma estratégia comum para resistir ao projeto. O deputado Óscar Aguad, da União Cívica Radical (UCR), de centro, alertou que "declarar o papel como algo de interesse público é um passo prévio à desapropriação". A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) criticou a medida, considerando-a inconstitucional. A Associação Internacional de Radiodifusão (AIR) advertiu ainda que a regulação "poderia converter-se num instrumento a mais de controle e pressão sobre os meios escritos, como já acontece com o uso abusivo da publicidade oficial e como ocorreria se entrasse em vigor a Lei de Meios Audiovisuais" - sancionada em outubro de 2009 e que impõe limites à concentração de meios audiovisuais na Argentina.
A UCR, a Coalizão Cívica, de centro-esquerda; e o Proposta Republicana (PRO), de centro-direita, anunciaram que mobilizarão seus parlamentares para derrubar qualquer tentativa do governo de aprovar um projeto que imponha controles sobre a produção de papel. Contradições - Desde que a presidente argentina Cristina Kirchner anunciou uma investigação sobre supostas manobras de grupos jornalísticos para se apoderar da Papel Prensa - a maior fornecedora de papel para os jornais no país - a oposição e os acusados usam todas as estratégias possíveis para se defenderem. Para eles, as denúncias feitas pelo governo seriam “uma história trágica que volta entre contradições e falsidades”, segundo o Clarín, e uma “ofensiva contra os meios”, de acordo com o La Nación.
Tanto o Clarín como o La Nación destacaram em suas manchetes, discursos contraditórios entre Cristina Kirchner e Lidia Papaleo, viúva do último proprietário da Papel Prensa - o banqueiro David Graiver (suposto financiador do grupo guerrilheiro Montoneros nos anos 70). De acordo com os jornais, Papaleo teria declarado na quinta-feira, em tribunal, que em novembro de 1976 assinou a venda das ações da Papel Prensa em liberdade e negou que, enquanto presa, seus torturadores a tenham interrogado sobre a empresa.

O depoimento da viúva de David Graiver também não traria nenhuma denúncia contra o presidente do Clarín, Héctor Magnetto, ou o diretor do La Nación, Bartolomé Mitre - o que derrubaria o discurso do governo de que Papaleo teria sido forçada a vender suas ações após ser torturada e ameaçada de morte por Magnetto, além de generais da ditadura. Na quinta-feira passada, a Justiça argentina começou a analisar a denúncia de Cristina, que também indicava supostos vínculos entre os veículos de comunicação e a ditadura no país (1976-1983). A estratégia do governo foi mostrar que o Clarín e o La Nación - além do extinto jornal La Razón - adquiriram a Papel Prensa no início da ditadura militar, em 1976, após os donos das fábricsa serem torturados.
Nota Oficial
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) criticou a intenção da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de enviar um projeto de lei ao Congresso para declarar de "interesse público" a produção, distribuição e comercialização de papel para jornais. A entidade qualificou a iniciativa de "medida inconstitucional" através da qual se pretende "controlar os jornais Clarín e La Nación.
No informe, Kirchner acusou os meios privados de apropriar-se da fábrica em 1976 em conivência com a ditadura militar.
Os diários desmentiram a posição do governo.
O presidente da SIP, Alejandro Aguirre, disse que "surpreende o fato de o governo (argentino) fazer as acusações tornando expressa a intenção de controlar os meios de comunicação, através da regulação da fabricação e distribuição do papel-jornal - um insumo básico da indústria de comunicação que, na Argentina, não é escasso nem apresenta um problema de abastecimento. Daí não tem por que possuir regulações especiais"

 

BUENOS AIRES: COMER BEM SEM GASTAR MUITO

Quando o mal é mais audacioso, o bem precisa ser mais corajoso." (Pierre Chesnelong, 1820-1894, político francês


De Buenos Aires
Gelson Farias
Como quem lê esse blog há algum tempo deve saber, que, nem só de carne vive o argentino, mas de muitas outras comidas gostosas. E, como faz tempo que não dou dicas dos ótimos restaurantes que freqüento, as vezes, aqui, vai toda uma leva de uma vez só. Alguns portenhos e gringos que vivem por aqui classificam como "comida étnica" todo restaurante que não se encaixa nas categorias, argentina, italiana, francesa ou contemporânea. No pacote, entram árabes, indianos, tailandeses e afins.
Diz por aqui que o argentino chega a consumir exagerados 74 kg de carne por ano (são os maiores carnívoros do mundo), a cidade tem ótimas churrascarias que servem um bom churrasco, além das tradicionais e óbvias parrillas que todo turista quer explorar por aqui. Aqui começa uma campanha para tornar mais conhecida a culinária “alternativa” de Buenos Aires.

A primeira dica são dois restaurantes peruanos. O Chan Chan (foto), Hipólito Yrigoyen, 1390, ganha o cliente já no visual, com pinturas de paisagens kitsch feitas direto na parede. O ceviche (peixe marinado acompanhado com cebola, batata, batata doce e milho) é uma delícia e muito bem-servido, e o atendimento atencioso (algo raro por aqui) é feito por peruanas e um paraguaio.

No movimentado Status (foto) (Virrey Cevallos, 178), é preciso um pouco de paciência para conseguir uma mesa e a atenção dos garçons, mas a comida (e o preço) compensa a espera. Uma boa pedida é o chicharrón (porção de pedaços de frango ou porco).



Os dois ficam na região do Congresso, a poucas quadras de distância um do outro, e têm bebidas típicas do Peru, como a chicha morada (bebida feita de milho), a Inca Cola (refrigerante amarelo com gosto de chiclete) e a cerveja Cusqueña.
Claro que depois de toda essa dica, ainda podemos sair para comer em outros locais. Um dos melhores dessa leva é o Sarkis ( foto) Thames, 1.101). A indicação me foi passada pelo Carlos de Lanoy, correspondente da Globo, e de dois taxistas. Pra ver como a coisa é eclética, no cardápio, se mistura pratos às culinárias árabe, armênia, grega

A moussaka, uma espécie de lasanha de berinjela, de carne ou vegetariana, dá e quase sobra pra duas pessoas. Como os pratos são muito baratos, você ainda pode degustar as pastas _hummus, babaganush_ e rir com o simpático garçom que gosta de repetir a palavra berinjela.

O El Manto (Costa Rica, 5.801) também tem hummus e babaganush, mas numa atmosfera menos descontraída e quase mística. A comida armênia é uma delícia, mas a surpresa está nos drinques como o daiquiri de manjericão ou o mojito de maracujá. Alguns dias da semana há leitura de borra de café. Quem fizer registre aqui porque este blog teve o azar de visitar o restaurante no dia em que a leitora não estava.
Na frente do El Manto, existem mesas onde se pode saborear um bom prato acompanhado de um vinho especial, contemplando toda a movimentação.
Green Bamboo, (Costa Rica, 5.802) é daqueles que não tem só comida boa, mas badalação. Para a experiência de comer pratos vietnamitas, como o curry de mariscos com leite de coco, ser completa, é preciso sentar em sofás baixinhos ou em almofadas no chão. Vale o esforço.

Green Bamboo -
Já o Mumbai ( foto), Honduras, 5,684, é um indiano simpaticíssimo e com opções deliciosas. Deixe o garçom explicar pra você com calma a diferença entre o frango com curry ou o curry de frango, enquanto decide se vai querer o prato "muito picante", "picante" ou "argentino". É que os portenhos são, em geral, avessos ao paladar picante, e os garçons já sabem que devem maneirar na pimenta deles se não quiserem ver ninguém passando mal.

QUER AUMENTAR AS LOLAS, VÁ PÁRA BUENOS AIRES

De Buenos Aires
Gelson Farias


A nova moda em discotecas argentinas (os chamados “boliches”) é sortear “lolas nuevas” entre os baladeiros. Lolas por aqui são peitos. Ou seja, sorteiam cirurgias de implantes de silicone gratuitas. A prática foi registrada em boates das Províncias de Buenos Aires, La Rioja, San Juan e Córdoba e visa atrair mais público feminino para as festas.

Com o slogan “Quiero mis lolas”, o clube Aqua, de La Rioja, é um dos pioneiros da promoção. As garotas vão à loucura sabendo que podem aumentar os peitos pela módica quantia de 30 pesos (R$ 21), que é quanto vale, em média, a entrada no disco. Associações de cirurgiões plásticos já se pronunciaram contra os sorteios, alegando que não dá para rifar um implante como se fosse um eletrodoméstico. E as conseqüências já chegaram claro.

Na Província de Buenos Aires, o sorteio de “lolas” já foi proibido. Em La Rioja, garantem que a proibição virá em breve.
Mas, enquanto isso, o ex-prefeito de Chilecito, em La Rioja, decidiu entrar na moda e lançou uma rifa de peitos para custear sua campanha para deputado no ano que vem. O nome do espertinho: Jorge Robador.

Em tempo, o título deste post vem de uma novela colombiana transmitida por aqui. Na trama, uma jovem que sonha em colocar silicone para se dar bem na vida e acaba se envolvendo com traficantes. Para poupar o esforço de quem ficou curiosa em assistir à novela, no final, a protagonista canta uma música exaltando as alegrias da vida que se podem conquistar sem dinheiro.

A Despedida de Buenos Aires
Os últimos dias em Buenos Aires foram tão intensos que escrevo essa despedida já de Porto Alegre.
Nesses nove meses de Argentina, tive a sorte de acompanhar de perto fatos que vão entrar pra história do país: a briga entre o governo e o setor agropecuário, com a volta dos panelaços, bloqueios de estradas e uma mobilização social poucas vezes vista; a derrota do projeto do governo que gerou a tal briga no Senado com o voto de Minerva do próprio vice-presidente, Julio Cobos; a estatização da Aerolíneas Argentinas; a estatização da previdência; a decisão da Argentina de pagar suas dívidas com o Clube de Paris e outros credores (interrompida pela crise); a escolha de Maradona como técnico da seleção local... e tantas outras.
Passei por momentos inusitados ao ser apresentada ao presidente Lula pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez. E também ao provocar a ira da presidente Cristina Kirchner com uma pergunta indesejada (a única de um jornalista brasileiro) em meio à sua primeira e única coletiva de imprensa como presidente.
Tive também a honra de ser a primeira correspondente da Folha na Argentina a ter seu blog e poder compartilhar impressões e idéias sobre os fatos e o povo argentino com brasileiros que se interessam pela Argentina e argentinos interessados em saber o que os brasileiros pensam deles.
Além da minha varanda com vista para Paris, dos parques, bares, cafés, sorvetes, doces de leite e polêmicas argentinas, o blog é uma das coisas das quais mais vou sentir falta.
Queria agradecer a todos os comentários e e-mails recebidos, àqueles que elogiaram que contestaram que acrescentaram mais informações aos temas e àqueles que confiaram em mim como fonte de dicas para suas viagens e passeios.
Enquanto não tiver a chance de escrever meu próprio guia, estou à disposição para continuar disseminando os bons lugares de mi Buenos Aires querida. Mas agora saio de férias.
Com este último post, les dejo un cariño. Que sean felices y coman perdices. Hasta la vista.


O SUPREMO QUER BATER PENALTIS COM BOLA OVAL



Por Carlos Chagas


Imagine-se um grupo de aficionados de futebol, num bar, discutindo as regras do pênalti, sobre se devem ou não ser permitidas as “paradinhas”. Ouvem-se argumentos ponderáveis de lá e de cá quando, de repente, um dos participantes insere no debate a dúvida a respeito de os pênaltis serem cobrados com bola redonda ou com bola oval.
Seria o caos, para não falar no ridículo, mas como todos os envolvidos na discussão tinham suas irredutíveis preferências de clube, uns com bons goleiros e outros com excelentes batedores, estabeleceu-se a confusão.
Com todo o respeito e guardadas as proporções, foi o que aconteceu na tarde de quarta-feira na sessão plenária do Supremo Tribunal Federal que examinava recurso de Joaquim Roriz contra a negativa do Tribunal Superior Eleitoral de seu registro como candidato a governador de Brasília.
O presidente do Supremo, Cezar Peluso, interrompeu o voto do relator, Ayres de Brito, por sinal favorável à proibição, para levantar dúvidas sobre a constitucionalidade da lei complementar que proíbe o registro de candidatos que tenham renunciado a mandatos para escapar de cassações. Lembrou que quando o Senado votava texto oriundo da Câmara, aplicaram-se mudanças ditas de redação porque em alguns artigos estabelecia-se a negação do registro para candidatos que tivessem sido condenados e, em outros, para os que forem condenados. Valeria a lei para o passado ou só para o futuro?
O diabo é que a mudança foi aprovada como de redação, não de mérito. O Senado não devolveu a matéria à Câmara, que também abriu mão da prerrogativa, e a presidência da República, sem maiores cuidados constitucionais, sancionou o projeto.
Agora, não sem certa malícia, sabendo-se muito bem quem é Flamengo ou Fluminense, Santos ou Palmeiras, no Supremo Tribunal Federal, incluiu-se a bola oval nas discussões. Ministros favoráveis à aplicação imediata da lei, conforme a voz rouca das ruas, digladiaram-se com ministros aferrrados à letra da Constituição, que proíbe a lei de retroagir para prejudicar. Um pandemônio raras vezes verificado na vetusta mais alta corte nacional de justiça. Surgiram pareceres de filólogos sustentando que “terem sido condenados” é o mesmo que “serem” condenados. Claro que opiniões em sentido contrário, também. Todos falaram ao mesmo tempo até que o mais jovem ministro, Antônio Tofolli, mostrou-se o mais experiente: pediu vistas do processo, adiando sua apreciação pelo menos por 24 horas.
Estão as atenções nacionais voltadas para sessão da tarde de hoje, se é que outras vistas não serão pedidas. Decidir o que? A validade da aplicação imediata da lei ou a felicidade de quantos candidatos condenados esperançosos da sua inconstitucionalidade? A bola deve ser redonda ou oval?


ENTRE GETÚLIO E LULA
Deixando as comparações para outro dia, acontece com o Lula aquilo que sessenta anos atrás aconteceu com Getúlio Vargas: quanto mais as elites se organizam para bater, mais eles crescem junto às massas. Inclua-se nas elites, como sua Comissão de Frente, os principais veículos de comunicação.
Tome-se dois atos públicos, um realizado ontem, outro previsto para hoje, ambos em São Paulo. Nas Arcadas, estranhamente ao meio-dia, demonstrando falta de experiência em marketing, um grupo de intelectuais posicionou-se contra o autoritarismo e os espaços cada vez maiores ocupados pelo Executivo, quer dizer, contra o presidente Lula. Povo, mesmo, faltou à manifestação, ainda que respeitáveis nomes da inteligência nacional emprestassem sua biografia ao documento divulgado. Por ironia, não apenas conservadores, mas até expoentes como Helio Bicudo e D. Evaristo Arns. Aceitaram subscrever o texto, também, Leôncio Martins Rodrigues, Arthur Gianotti, Celso Lafer, Carlos Velloso, Boris Fausto e outros. Registrou-se sofisticada cobertura pela imprensa, mas faltou a voz rouca das ruas.
Para hoje à noite, na sede do Sindicato dos Jornalistas paulistas, espera-se muita gente convocada pelo PT, a CUT, o MST, a UNE e outras entidades, precisamente em revide à parte da imprensa acusada de sabotagem e má vontade diante do presidente Lula e sua candidata, Dilma Rousseff. O rótulo para a manifestação é “ato contra o golpismo da mídia”. Certamente um exagero.
Noves fora a emissão de juízos de valor a respeito da contenda, a verdade é que dividendos eleitorais, mesmo, só virão favorecer o governo. É isso o que as elites de ontem e de hoje teimam em não entender: descer tacape e borduna no lombo de Getúlio Vargas e de Luiz Ignácio da Silva só transformou aquele em santo e, Deus nos livre, poderá transformar este.
Não é por aí que mudarão os ventos da corrida sucessória, de resto já decidida por antecipação. Acusar o presidente Lula de autoritarismo e de participação indevida na campanha não acrescentará um voto sequer para José Serra. Também será injustiça debitar toda a culpa da derrota ao candidato tucano. Ele errou, é verdade, desde a demora em se lançar até a hesitação diante da escolha de seu vice, no final aceitando um desconhecido silvícola. Também perdeu tempo e espaço preciosos sem apresentar projetos concretos e ordenados para energia, transporte, habitação, saúde, educação, combate à pobreza e demais propostas que poderiam ter levado o eleitorado a meditar. Limitou-se, como se limita até hoje, a sugestões pontuais e desencontradas, à maneira de conceder o décimo-terceiro salário aos beneficiados pelo bolsa-família.
O erro maior das elites, porém, está na essência do comportamento dos jornalões e sucedâneos, empenhados em denegrir e desconstruir o Lula e seu governo, como seus avós fizeram com Getúlio, em vez de apresentarem alternativas para beneficiar o povão. Em 1954 obtiveram sucesso através do golpismo de que agora são até injustamente acusados. É que naqueles idos freqüentavam o palco atores hoje retirados, os militares. Para má sorte de Getúlio e felicidade do Lula.

REORGANIZAÇÃO
Está em curso a elaboração de uma estratégia alternativa das oposições, tomando-se como provável a eleição de Dilma Rousseff. PSDB, DEM e penduricalhos partem do princípio de que deverão renovar suas lideranças para enfrentar o segundo governo do PT. Como Fernando Henrique já está, José Serra precisará ficar no banco, entrando em campo lideranças do tipo Aécio Neves, Geraldo Alckmin e alguns da velha guarda que tiverem sido beneficiados pelas urnas, como Tasso Jereissati, José Agripino e Artur Virgílio. Será preciso encontrar uma linguagem diferente daquela adotada durante os oito anos do Lula, ou seja, oposição, sim, mas positiva, quer dizer, críticas, mas também propostas e projetos capazes de sedimentar as eleições de 2014.
O eixo São Paulo-Minas, ao que tudo indica, fornecerá aos tucanos oxigênio bastante para um novo tipo de evolução política. Geraldo Alckmin e Antonio Anastásia (leia-se, também Aécio Neves) precisarão do apoio do palácio do Planalto, mas a recíproca será igualmente verdadeira. Dilma Rousseff governará com muito mais segurança mantendo amplos canais com Belo Horizonte e com São Paulo.

MELHOR AGUARDAR
Não adianta tentar conversar com Dilma Rousseff sobre seu futuro governo. A candidata não abre a guarda, nem sobre quem aproveitará da atual administração, muito menos sobre novas aquisições. Só depois da eleição começará a cuidar do assunto. Parece evidente que consultará o presidente Lula, mas o primeiro-companheiro, pelo que se ouve, cuidará de não fazer indicações. Papel importante, mas não essencial, terá o vice-presidente Michel Temer, que apesar de paulista vem revelando durante a campanha o seu lado mineiro. De tudo, uma conclusão: melhor aguardar.

EXAGEROS
A paixão política vem dominando a campanha eleitoral de tal forma que certas oposições, de uns dias para cá, querem interferir na pauta da TV-Estatal, a Empresa Brasil de Comunicação. Se ela existe para informar sobre o governo, e se o presidente Lula, até prova em contrário, é o chefe do governo, como deixar de acompanhar suas atividades, mesmo quando comparece a comícios?

PLAZA DE MAYO: MOMENTO
DE MUITA EMOÇÃO

De Buenos Aires
Gelson Farias


Nesta primavera, o momento da manifestação foi realmente mágico.
Uma brisa leve passeou pelas árvores, chacoalhou os galhos, balançou as folhas que foram caindo devagar.
Confesso que me emocionei, ao ver uma chuva de folhas de plátanos abençoando o momento. Bailavam entre o Céu e a Terra, numa linda coreografia... Demoraram a cair. Terminando a passeata, o chão da Plaza de Mayo era um tapete de folhas. Via as mães dos desaparecidos conversando sobre suas dores, cada uma com a foto de seu filho desaparecido.


Buenos Aires protestou (Hoje) num ato democrático os 34 anos do seqüestro e desaparecimento de dez estudantes durante a ditadura militar (1976-83). “Uma multidão esteve presente em marchas, promovidas por estudantes, sindicatos de classe, integrantes de movimentos religiosos e por grupos sociais e pelas mães da Plaza de Mayo.
O protesto homenageou os dez estudantes, com entre 16 e 18 anos, seqüestrados por forças paramilitares por reclamar do preço do transporte escolar, na ação conhecida como ''La Noche de los Lápices'' (A Noite dos Lápis). A passeata percorreu mais de dez quadras, do Congresso à Praça de Maio, para terminar diante da sede do governo.

Recebo de B. Aires

 

Este bilhete é a prova de que nosso corresponsal fala direto de BAires e não " chupa" textos dos jornais argentinos. E o editor deste site valoriza e muito este fato de ter o repórter presente. Repórter hoje em dia não sai mais da redação,fica " chupando" ( é jargão jornalistico, por favor) tudo da internet, dos jornais que estão na rede. No caso daqui, o Gelson está lá nas ruas.....Fui, como diz o Fábio Marçal.!


Oi, como estão por ai, tudo bem????? Recebestes o que mandei... ou não! aqui, deu uma confusão com estudantes hoje, no centro de Buenos Aires, na praça da república, junto o obelisco, o Congresso e a Casa Rosada. Olides. Da uma olhada... no líde da matéria... abraços Gelson.

Comercial do Serra queimando a Veja


O Serra faz o que todos gostaríamos de fazer, QUEIMAR a veja. A Dilma e Dirceu estão muito bonitos no comercial. A cara feia do Serra não aparece.

Coleguinhas


*Mauro Sérgio, da rádio ESperança, já está no sistema Pampa. Ainda não deixou totalmente a rádio ESperança. Com a morte do dono da Esperança, herdeiros estão disputando quem ficará com a rádio.

Mauro Sérgio ainda está na Esperança, mas de manhã já está na rádio Caiçara.


*Radio Caiçara e rádio ESperança, terceira e quarto no IBOPE, das AMs, disputam mesma fatia de mercado.

*Rogério Mendelski aproveita os 50 minutos da propaganda eleitoral para caminhar e dar uma volta pela rua da Praia...

*Quem paga a conta da propaganda eleitoral?

MAS TCHÊ E
EU NÃO VI!!

Sergio Ross

O Alexandre Garcia integra agora a famosa mesa do Stella Grill aqui
em Brasília.
Dia desses, ele contava que passou um fim de semana no Rio, para
apresentar na sexta feira e no sábado o Jornal Nacional,na folga do
Willian Boner e da Fátima Bernardes.
O pessoal da Globo,quando na Cidade Maravilhosa,fica hospedado no
Hotel Everest,em Ipanema. O Alexandre conta, então, que chegou no
hotel,depois de ter apresentado o jornal,por volta das
10 da noite. Estava cansado e louco de fome. Não quis sair do hotel e
foi direto para o restaurante.
Sentou-se numa mesa e sozinho começou a
comer um belo prato de camarões. Disse que estava com tanta fome, que
nem levantava a cabeça para ver o movimento.
Quando dava uma bela garfada nos camarões catarinenses, sentiu que
alguem chegava na sua mesa, para cumprimenta-lo. Procurando fugir do
papo dos fãs, não levantou a cabeça e continuou mandando brasa na sua
comida. Disse que sentiu que a pessoa que estava na sua frente,mudou
de idéia e foi sentar-se em uma mesa,num outro canto do salão.
Terminado o seu jantar,preparava-se para subir para o seu
quarto,quando veio ao seu encontro,a gerente do restaurante,uma
japonezinha,muito simpática,que foi logo falando quase ao pé do seu
ouvido:” mas o que foi que aconteceu seu Alexandre? A Danielle Winits
foi até sua mesa para cumprimenta-lo e senhor nem lhe deu atenção”. O
Alexandre conta que quase morreu de vergonha,mas não tinha como se
redimir e foi para o seu quarto completamente envergonhado.
A turma da mesa não o perdoou e reclamou que ele havia deixado de
jantar, com uma das mais belas estrelas da televisão.


Demi Moore


Eu sei que essas coisas acontecem, porque já aconteceu comigo. Só
que comigo foi pior ainda...
Eu estava em New York,e a Manchete nos hospedava sempre em um dos
cinco estrelas que ficava na frente do Central Park.
Numa manhã, por volta das 9 horas, eu já estava saindo do quarto
para trabalhar, mas sem antes dar uma passada na cafeteria do hotel,
para tomar o meu café,com ovos mexidos,bacon,sucos etc... porque
ninguém é de ferro,quando chegou no elevador junto comigo uma moça,que
eu diria,que não era lá essas coisas. Estava muito cheirosa,mas até aí
nada de mais. E eu então como todo cara de Bento, sou finíssimo em
relação as mulheres e educadamente fiz a senhora entrar primeiro no
elevador. Eramos só nos dois. Fiquei encostado em um canto olhando
para o teto e a senhora num outro canto,sem nos olhar mos. No dia
seguinte,nove horas de novo,estava saindo do meu quarto para o meu
breakfast,claro com ovos mexidos,bacon,sucos e talvez uma
champagnezinha,para dar animo...quando no corredor surgiu a mesma dama
da manhã anterior. Sorridente me deu um good mornig que eu respondi
simpaticamente. Entramos no elevador e eu me comportei novamente
displicentemente,olhando para o teto...Quando o elevador tocou no
térreo e a porta se abriu, uma multidão de fotógrafos, câmeras e
coleguinhas,se jogaram para dentro. Eu meio assustado,fui saindo pelo
lado, quando encontrei na minha frente um cubano, carregador de malas
e que havia ficado meu amigo desde o dia da minha chegada ao
hotel,pois queria saber tudo sobre o futebol brasileiro. Quando eu o
encontrei perguntei logo o que era aquela confusão. Ele me olhando
assustado me disse:
“ mas tchê fenômeno... você desceu quinze andares sozinho com a Demi
Moore , e não conversou com ela?
Aí eu não podia de perder a chance e emendei de esquerda: não
conheço a moça. No Brasil ela não é conhecida... Mas pô,fui tomar o
meu breakfast,morrendo de raiva. Quanta historia eu poderia contar lá
em Bento...
Mas não me dei por vencido. Na manhã seguinte,nove horas,lá estava
eu encostado na porta esperando pela Demi Moore que não apareceu mais.
Só a vi à noite na Televisão,no programa do David Letterman, ela
anunciando a estréia do seu novo filme o Striptease e que não foi lá
essas coisas....

Piadinha brasiliense


Não gosto de preconceito nem com opção sexual, nem com religião, nem com cor, mas a piadinha é boa...

Diz o Serginho, nosso corresponsal de Brasilia( agora o homi tá qui tá, manda direto o seu material pra fonte, nem mais passa pelo editor) que quando mineiro quer dizer uma coisa boa, tipo assim aqui em Porto Alegre se diz TRI, eles dizem lá UM TREM...

E prossegue a piadinha. Um mineiro entrou no Itamaraty e disse em voz alta:
- Hoje quero comer UM TREM!!!!!

Não deu outra....


Foram vários imitando o apito do trem.....

PROLONGAMENTO DOS MOLHES DO PORTO DE RIO GRANDE SERÁ CONCLUÍDO ATÉ O FIM DO ANO



As obras de prolongamento dos molhes do porto de Rio Grande deverão ser concluídas até novembro ou dezembro deste ano, dependendo das condições meteorológicas no local. A informação foi prestada hoje (23) pelo superintendente da obra, eng. Marcos S. Pitanguy, ao falar no evento técnico do Fórum de Infraestrutura das Entidades da Engenharia, realizado na sede da Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (Sergs) em Porto Alegre. Com a ampliação, o calado do canal de acesso ao porto já teve liberada a profundidade de 16 metros (contra 14 metros anteriormente) e, numa segunda etapa, passará para 18 metros. Destacou que os trabalhos representam a superação de um grande desafio técnico, pois têm que ser executados em mar alto, sob regime de ventos de até 130 km horários com ondas de 7 metros de altura, correnteza de 12 a 14 km horários e profundidade de 19 metros. Seu custo, em valores atuais, é de R$ 520,0 milhões. O presidente da Sergs, eng. Cylon Rosa Neto, assinalou que o prolongamento dos molhes e a realização da dragagem para o aprofundamento do canal de acesso ao porto possibilitarão a operação de navios de elevada capacidade de carga em Rio Grande. Considerou o conjunto de obras em execução em Rio Grande de importância estratégica para a consolidação do Polo Naval e o desenvolvimento do Estado.
Todt Comunicação

SERGINHO X GEISEL

( PARTE DOIS)

Durante uma festa da Uva,de Caxias, Sergio Ross acompanhava a comitiva do Ernesto Geisel nos Pavilhões da Festa da Uva.

Lá pelas tantas, ele se perdeu da comitiva e quando viu dois seguranças estavam no seu encalço.

Queriam que ele se apresentasse ao presidente!
- Sim, presidente, o senhor precisa de mim?

Aí Geisel se abaixou e disse baixinho pro conterrâneo:
- EStas uvas aqui são tudo de BENTO!


- Como tu vai,vivente,pergunta o presidente Ernesto Geisel.

- Mas TCHO,presidente. Lá em Bento, tamo tudo bem!, diz Serginho pro Geisel.


Mas,alemão de Cristo, é verdade que tu vai fazer a tal da Abertura lenta,segura e gradual? pergunta Serginho pro Ernesto.

- Sim, conterrâneo, tu sabe que eu prometo e cumpro, diz Geisel.


- Então, responde Serginho, já se despedindo do Alemão( que diziam que era um vara de aço, pra arrancar um sorriso dali não era mole) te espero PRA FENAVINHO LÁ EM BENTO,TCHO!

- Sim, responde o presidente. Dá um abraço pro teu pai, Miguel, pro Fasolo e pros outros gringos de lá. Nos vemos na FENAVINHO.

As fotos desta (fotonovela) são do acervo do Serginho Ross e foram feitas quando Geisel foi tirar a foto oficial do presidente, na Biblioteca do Palácio do Alvorada, em 1974. Quem as fez foi o Jaquito, fotógrafo da revista Manchete, que era quem sempre fazia a foto oficial do presidente da República.

Jornal RABISCO

Recebo o jornal RABISCO, PUBLICAÇÃO INTERNA DA ZERO HORA de outubro de 1979. Nele está relatado pela voz do repórter-fotográfico Telmo Cúrcio da Silva, o incidente em que ele, mais os repórteres Carlos Alberto Kolecza e Eduardo Medistch, da Folha da Tarde foram parar num descampado no interior da Argentina e não em Assunção, Paraguai, de onde deveriam vir no avião que traria Leonel Brizola depois de 15 anos de exílio.

Eis o texto do Rabisco sobre o incidente e o relato do Telminho, que já é falecido.



ARGENTINA, UMA AVENTURA PERIGOSA



Mas, a profissão também apresenta seus perigos, como se comprova pela recente aventura vivida pelo Telmo, pelo Carlos Alberto Kolecza e outro ex-colega, agora da CJCJ( Companhia Jornalística Caldas Junior), o Eduardo.
Em um avião CHEROKEE , quatro lugares, eles saíram numa quarta-feira, no mês passado, de Uruguaiana, em direção à Assuncion, fazer cobertura da chegada do Brizola ao Brasil.
A previsão de viagem era de 2 horas , no tal do avião, de propriedade particular, bem pilotado mas mal navegado pelo Osório.

Após 4 horas e meia de vôo, com o combustível já no fim, o piloto admitiu: estavam perdidos.Embaixo, nenhuma casa,nenhuma estrada,muito menos algum aeroporto.

Preparados para um pouso de emergência, um ponto branco chamou a atenção dos quatro ocupantes doavião. E para lá eles foram. E lá aterrissaram.

A região?

Chacos argentinos, foi a informação que receberam de um cidadão bem educado. O lugar? Comandanzia FRIAS,composto de uma escolinha rural, duas casas de sapé e só.

Duas e meia da tarde, e o Kolecza ,junto com o piloto, foram convidados a ir até uma outra localidade para reabastecer o avião. A " terra prometida" se chamava FUERTE ESPERANZA,de onde, até nove da noite, não retornaramapesar da expectativa toda do Telmo e do Eduardo.
Nessa hora,quando os doisse preparavam para dormir, eles também foram informados que os mesmos já estavam dormindo e não aconselharam que os acordassem.

Telmo, macaco velho, já começava a desconfiar. Insistiu e ficou sabendo a verdade. Eles não só estavam presos, mas também " incomunicáveis",vejam só.

Lugar para ele e o Eduardo dormirem? O chão, já que os dois únicos " calabouços" disponíveis já " estavam ocupados", desnecessário dizer por quem.

O Eduardo dormiu no chão do corredor e o Telmo no chão de um escritório. No outro dia pela manhã, os quatro só podiam olhar um para o outro, ninguém podia falar que os argentinos não permitiam.

E foi assim até a uma e e meia da tarde da quinta-feira, quando eles foram convidados a entrar num avião que os viera buscar.

Destino?

Resistência, província de Corrientes, a 600 km de onde estavam até então.

Uma espécie de quartel-general da Força Aérea da Região.

E desde a chegada neste lugar, na mesma quinta, até as cinco da tarde de sexta-feira, eles falaram.

Falaram para um capitão, enquanto um escrivão anotava tudo. Era um interrogatório. O grilo dos argentinos: o avião brasileiro tinha pousado clandestinadamente nas suas terras, e continha uma porção de " equipamentos estranhos".

Os equipamentos: máquinas de fotografias( que parece que foi a úncia que o " delator" do primeiro posto conseguiu identificar) e aparelhos de teletipo e de revelação de filmes,etc...

Menos mal que depois de todas as coisas , o tal capitão gostava de fotografia.
E conseguiu distinguir os equipamentos de uma perigosa bomba atômica, por exemplo.

A estas alturas, vejam a situação dos quatro colegas:até então comida, quase nada!

Cigarros: se - me - dão !

Banho: não mesmo!

Distrações: do Kolecza: fumar cachimbo.
Do Eduardo: com certeza, assobiar, porque o relator da história não disse o que ele fazia.

Do piloto: ser o alvo das gozações do capitão, que deve estar até hoje se perguntando como é que o cara conseguiu sair da rota daquele jeito.
Do Telmo: fazer uma " funda", que ele trouxe para o Bolão brincar.

Resumo da história: tudo esclarecido, comprado combustível, fornecida a rota de volta para Uruguaiana e lá embarcaram os quatro personagens da aventura.
Avisados pela polícia argentina, naturalmente,de que seriam seguidos pelo rádio , " para evitar um erro de rota".

E, quando as coisas pareciam bem encaminhadas, o diabinho resolveu brincar com os nossos amigos mais uma vez. O rádio, melhor, o microfone do avião pifou. Lá debaixo, a polícia chamava. Lá nos ares a pequena tripulação não tinha condições de responder.

Foi quando o Telmo, numa atitude final, pegou um cortador de unhas e um rolo de fita-durex e partiu pra cima do tal microfone, cujo fiozinhos ele conseguiu.

Depois de muito suor, colocar nos seus devidos lugares e dar o aviso-resposta, aos "gendarmes argentinos".

A estas alturas, na redação da Zero Hora, metros e metros de telx expedidos e recebidos pelo Fehlberg(editor-chefe) tinham um tom funesto. Porque, até a chegada dos colegas em Uruguaiana, ninguém tinha notícias nem idéia do que pudesse ter acontecido com oa vião e os tripulantes que haviam partido de Uruguaiana em direção a Assunção e três dias depois, não tinham chegado ao destino nem retornado a Porto Alegre.
Uma história que teve o " happy end" e pode agora ser contada com o tom de aventura.

Mas que mostra bem o que significa a dificil missão de fazer um jornal.

Agenda Tarso Genro 24/09/10


MUDOU ENDEREÇO DA COLETIVA TARSO E DILMA

Entrevista COLETIVA COM DILMA E TARSO
Local: Hotel Deville Aeroporto Porto Alegre
Avenida dos Estados, 1909 - Porto Alegre - RS
Horário: 17 horas
* As credenciais da coletiva estarão a disposição no local


9h30 ás 11h30 – Debate Agert
Local: Sede da Agert
End. Rua Riachuelo, 1098, conj 204

12h – Ato de Apoio do Cooperativismo do RS a Tarso Genro
Local: CTG 35
End. Av. Ipiranga 5200 - POA

14h30 ás 16h30 - Reservado para Gravação de Programa eleitoral de rádio e TV

17h00 – Coletiva de Imprensa com Dilma e Tarso
Local: Hotel Deville Aeroporto Porto Alegre

18h40 ás 18h50 – Participa do Programa Band Cidade (5min)
Local: Sede do Grupo Band RS
End. Rua Delfino Riet, 183 – Santo Antônio

19h10 – Comício Final – Porto Alegre
Local: Largo Glênio Peres


De São Borja


Na FSB,de 15/09,repercutiu na página 2, a presença do candidato Flávio Lammel na chamada Terra dos Presidentes.

Modéstia à parte, mas falei disto há tempos aqui....(sem auto-elogio)


A FSB também registra a disputa que os primos Cristhopher Goulart e Juliana Brizola estão fazendo pelo espólio do trabalhismo em São Borja.

De Serafina


Recebo de um correspondente local

" Tu soube da morte do Carlito Zanini, o taxista da praça? Um BALAÇO NA NUCA!

Bah, Serafina é outra mesmo. Muitos imigrantes, muitos traficantes, porque tem grana....

Eu imagino que foi assalto!!!

O Carlitos ficava em volta da rodoviária,esperando os passageiros. Mas segundo minha mãe, ele gostava tanto de grana - estava lutando pelo seu sustento - que ele ficava espreitando a carteira dos passageiros de ônibus, vendo quanto tinha dentro pra ele dar depois a facada " maior" ....de sua corrida.

Ghe piazea i soldi( gostava de dinheiro)!

Daniel Drexler e Ana Prada estão no II FICIB BOGOTÁ

Daniel Drexler e Ana Prada, dois dos nomes mais incensados da nova música uruguaia, são atração no 2º Festival Internacional de Canción Itinerante de Bogotá na Colômbia. O FICIB é considerado o maior festival de música da Ibero- América. Nesta sexta (24/09) e no sábado (25/09), a partir das 23h30min (horário local), Daniel e Ana sobem ao palco do Teatro R101 respectivamente junto com os artistas locais Maria Vanedi e Juan Gabriel Turbay.
O evento também ocorre paralelamente na cidade de Medellín, onde Ana Prada, no mesmo sábado (24/09), só que mais cedo, às 19h30min, divide o palco do Museo de Arte Moderno Medellín (Sede Ciudad del Río) com a artista Victoria Sur da Armênia.
Maiores informações: http://barriocolombia.org/ficib2010/


PORQUE PRECISAMOS CUIDAR DA NATUREZA

I - Objetivos: Informar e capacitar à população sobre a importância das nossas práticas quotidianas para a preservação do meio ambiente, da saúde e da vida, utilizando como instrumentos debates como forma de ampliarmos nossos conhecimentos, criarmos uma ampla rede de pessoas envolvidas tendo como meta final a prática de boicote a:

1-Novos Medicamentos Lançados - que não tenham eficácia comprovadas enfatizando os efeitos colaterais estudados com seriedade ao longo da história.
Por que este cuidado?
Porque o Brasil e os países chamados emergentes, não detêm a soberania relativa a produção de medicamentos e precisamos estar atentos porque viramos cobaias do grande capital, que através dos grandes laboratórios farmacêuticos, muitos dos quais fazem parte de grandes transnacionais, produtoras de venenos usados na produção agrícola em larga escala e muitas vezes sem nenhum critério , manipulam sementes
( Organismos Geneticamente Modificados), hoje rejeitados na Europa por causarem alergias alimentares e comprovadamente em pesquisas científicas internacionais,
em períodos de 30 dias causarem ulcerações no intestino de em ratos de laboratório alimentados com OGMs.O agrotóxico glifosate (Roundup), imposto pela MONSANTO na produção da Soja Transgênica, deixa resíduo em alimentos que quando cozidos causam câncer de estômago).

2- É muito importante levar em consideração que os laboratórios estão mais interessados nos lucros do que na nossa saúde. Os escândalos sucessivos, as gripes e outras moléstias graves e fatais são fatos históricos que nos deixam inseguros e preocupados.

3-Porque apesar das experiências cruéis realizadas de forma abusiva em animais de laboratório e em algumas situações são usados animais domésticos e até humanos não temos segurança comprovada quanto ao resultado e aos efeitos colaterais indesejáveis ou que estes novos medicamentos possam a causar lesões orgânicas que nos obriguem ao uso sistemático de outros medicamentos caros e também com seus efeitos colaterais. Uma nova droga liberada poderá levar meses, ou anos, podendo os efeitos colaterais tardios aparecerem após 10 anos de uso do medicamento. Estes feitos colaterais podem se manifestar de forma silenciosa sob a forma de insuficiência hepática , insuficiência renal ou insuficiência cardíaca porque, muitas vezes estes efeitos são sob a forma de lesão de órgãos importantes,fígado, rins, coração e cérebro e outros.
Maria Nazaré Melo

Para ler na íntegra este ótimo artigo clique aqui.

Atividade do dia - Pacto Republicano Gaúcho

Tarso Genro - Assessoria de Imprensa

www.tarso13.com.br
twitter.com/tarso13


De Serafina

 

O assalto que matou o taxista

ZANINI!

Olha. Ouvi no posto do gueller que ele foi fazer um frete no final da tarde de ontem para um pessoal do carregamento de frangos, que na verdade i ze puri de quei... até na zona da bica dagua, lá na 15 - evangelista e que ele voltou a serafina fazer mais uns fretes, foi buscalos lá pelas 8:30 e na volta deu na tragédia, deram um tiro na nuca, jogaram ele num valo fora na beira da estrada, roubaram celular e dinheiro e largaram o auto na beira da estrada. Isso foi la pela divisa com casca, logo na saida do asfalto numa estradinha de chão batido. Ia ser enterrado as 16:00. Tinha 54 anos. Tu conhecia ele? Mas a policia já tem pistas dos suspeitos, logo vem fora alguma coisa....Morreu também o Casemiro Peccin, que antigamente tinham a oficina de madeiras la na aparecida, pai do finado Geraldo Peccin, do Radislau. Tinha 86 anos. Estava bem maleixo. Esse também ia ser enterrado as 16:00.


DE Serafina


1) O posto do Gheller é o ponto da fofoca de Serafina. tem chima de graça e o gerente é tri simpático, gente fina pra burro. E tem cultura, ainda por cima.

Outro antro da fofoca é o Marucus Bar. Mas no último sábado vi o Marucu, que veio de Cadorna, pobre como rato de Igreja e hoje tá com os bolsos cheios, de bombacha, ele e o filhinho indo pro acampamento farroupilha. A bombacha do Marucu era de dar risada. Não tem jeito pra bombacha...

Metade do loteamento Por do Sol, na saída pro Carreiro é da ex-secretária de turismo, Maria Amélia Gheller.

Bares que fizeram lenda em Porto

Duas mais da Bombonière Atlântida( ali na Praça Dom Feliciano)

Ivete Brandalise me contou que como ela não tinha banheiro, os homens iam mijar nas paredes dos prédios ali na frente e as mulhres pediam emprestado o banheiro do dono, do véio Failace.

* Ele servia um chocolate muito bom,segundo a Ivete. E um dia ela se derramou de chocolate toda....

Foi na casa do dono, trocou de roupa e saiu de lá com um vestido da dona. Mas como a dona era gordona, ela saiu que parecia um espantalho, com um vestido folgadão...

Ivete dá risadas (roucas) contando estas histórias.....

INSTITUIÇÕES EM FRANGALHOS



Por Carlos Chagas
É sempre bom lembrar mestre Gilberto Freire, para quem o Brasil era o país das impossibilidades possíveis. Qualquer dia, ele completava, o Carnaval cairia na sexta-feira santa.
Semana passada assistimos as imagens do governador e do ex-governador do Amapá chegarem a Brasília presos e algemados pela Polícia Federal, na Operação Mãos Limpas, acusados de tráfico de influência, formação de quadrilha, extorsão e outros crimes.

Pois bem. Ontem, libertados, Pedro Paulo Dias e Waldez Góes apareceram nas telinhas desembarcando em Macapá, desfilando em carreata, aplaudidos delirantemente por mais de 5 mil pessoas. Um reassumiu o governo local, outro sua candidatura ao Senado.

De duas, uma: ou os referidos políticos sofreram inominável perseguição ou as instituições democráticas encontram-se em frangalhos. Não dá para compor ou sequer explicar as duas situações. Se houve precipitação por parte da Polícia Federal, importa responsabilizar os artífices da demolição da honra alheia. Caso contrário, o lugar do governador e do ex-governador continua sendo a cadeia.

Dirão alguns inocentes que o Amapá fica muito longe, devendo o episódio dar-se por encerrado. Ledo engano, do qual não se livra sequer o governo federal. A obrigação do poder central seria decretar a intervenção naquele estado ou demitir a cúpula da Polícia Federal. Nem uma coisa nem outra aconteceram. Fica tudo como está, uma demonstração a mais do longo caminho a percorrer até a consolidação democrática.

PROMESSAS ELEITOREIRAS
Descamba o candidato José Serra para a demagogia. Diante das perspectivas de vitória de Dilma Rousseff, o tucano deu para fazer todo o tipo de promessas em sua campanha: o décimo-terceiro salário para quantos recebem o bolsa-família; salário mínimo de 600 reais no seu primeiro dia de governo; reajuste imediato de 10% para todos os aposentados.

Olhadas de per si, cada uma dessas promessas parece justa e até necessária. O problema está na precipitação com que foram feitas, depois de anos de silêncio do candidato diante das agruras dos menos favorecidos. Só agora sensibilizou-se? Estaria visando apenas amealhar votos para forçar a realização do segundo turno? Falou sério ou eleitoralmente?

Quem melhor reagiu a essa cascata de ilusões foi o candidato Plínio de Arruda Sampaio, do Psol, apressando-se em concluir pela inocuidade das promessas. Por que não anunciar o décimo-quarto e o décimo-quinto salários?

SILÊNCIO CONSTRANGEDOR
Sob a liderança do PT preparam as centrais sindicais e seus penduricalhos monumental manifestação em favor das acusações e diatribes do presidente Lula contra a parte da mídia que não vem poupando seu governo de críticas e denúncias. O singular nessa história é encontrarem-se em silêncio constrangedor entidades como a Fenarj, filiada à CUT, e muitos sindicatos de jornalistas profissionais igualmente ligados ao movimento de trabalhadores. Precisam definir-se. Concordam com o presidente? Sentem-se tolhidos para discordar dele?
Outra instituição que continua devendo posicionar-se é a Associação Brasileira de Imprensa.

JUSTIÇA MINEIRA
Faz muito que Minas costuma homenagear seus mais expressivos líderes com uma cadeira no Senado. Até mesmo quando eventualmente lhes faltaram votos, uniraM-se as cúpulas divergentes para fazer justiça. Milton Campos, Benedito Valadares, Gustavo Capanema, Magalhães Pinto, Tancredo Neves e Eliseu Resende receberam a homenagem das Gerais, acima e além de tertúlias partidárias superadas pelo reconhecimento de seu valor e dos serviços prestados. A VEZ, AGORA, É DE ITAMAR FRANCO.

Memória Política


Bastidores da edição do JN

do debate

entre Collor e Lula em 1989


A colega Ananda Apple, que trabalha na Globo-SP há mais de 20 anos, me escreveu estes tempos dizendo que o seu companheiro da época, o editor Francisco Vianey Pinheiro, o Chico, fora "responsabilizado"( é que Pinheiro fora um dos líderes da greve dos jornalistas de 1979,quando estava na Folha de São Paulo e isto deve ter colaborado para a pecha) pela edição, que segundo alguns, decidiu a eleição de 1989 a favor de Collor. Todos, os que tem idade,evidente, lembram daquele debate,realizado em 14 de dezembro, uma quinta-feira, de 1989, em que Lula se apavorou todo diante das ameaças de Collor de dizer que ele queria que uma filha sua , com Miriam Cordeiro, não nascesse.O clima estava pronto: quando Lula foi ao debate, realizado na TV Bandeirantes, ele e sua mulher, Marisa, estavam entrando no carro quando Marcos, o filho mais velho do casal,então com dezessete anos, saiu de casa correndo.Alguém lhe ligara dizendo que Miriam Cordeiro estaria nos estúdios da emissora. Ela se transformara naquele momento na algoz de Lula.Marisa ficou uma pilha de nervos.Durante o trajeto de São Bernardo ao Morumbi, afirmou ao marido que se encontrasse Miriam Cordeiro na televisão lhe bateria.

O clima pré-debate era tão tenso,criado porque o PRN usara Miriam Cordeiro na campanha que Lula se negou a comprimentar seu oponente, Collor de Mello,e diante de uma tentativa que Fernando Mitre, da Band,fez avisou :

- Não vou apertar a mão daquele filho da puta,disse, nervoso.E arremessou:
- Eles mexeram com minha filha, com minha família.

Como Collor de Mello tinha sido avisado do aperto de mão protocolar, um jornalista avisou o então governador das Alagoas:
- Governador, vamos ter que mudar o scrip do programa.Seu adversário não quer lhe cumprimentar.
Collor não deixou por menos:
- E quem disse que eu quero apertar a mão daquele escroto.
Quando cumprimentou Alberico de Souza Cruz, diretor de Jornalismo da TV Globo, Lula reclamou:
- Este debate não vai ser muito longo e cansativo, vai?
Alberico apenas disse que o debate seria importante.

Foram questionadores pelas tevês, Fernando Mitre, da Band,Villas Boas-Corrêa, do Jornal do Brasil,entre outros jornalistas políticos do primeiro naipe brasileiro.
Ao término da contenda, que durou mais de três horas, Lula sentiu que perdera o debate. Tanto que disse a seu assessor de imprensa, Ricardo Kotscho:
- Nos fodemos, perdemos a eleição.
Fernando Mitre, da Band, considerou evidente que Collor ganhara a eleição.Quando se despediu de Lula, ainda perguntou ao candidato petista:
- Você jogou pelo empate?
Lula concordou.
Lula quis saber do diretor de Jornalismo da TV Globo,Alberico Souza Cruz, quem ganhara o debate:
Alberico apenas disse,desconversando,que achara o deabte bom. Não quis se comprometer. Ia parecer que tomara partido. No entanto, no seu íntimo considerara que Collor ganhara aquele debate.

Final de Copa do Mundo

Aquela noite, uma quinta, parecia uma final de Copa do Mundo.As ruas do Brasil ficaram vazias. A audiência dos televisores explodiu.
Os institutos de pesquisas correram ao campo para verificar o novo termômetro da eleição, após aquele dabate feito por um pool de tevês.O IBOPE, no entanto, não pesquisou os resultados do debate.

- Se não tivesse ocorrido nada de novo, os dois candidatos iriam se encontrar numa situação de empate técnico até a eleição, mas houve o debate e o quadro mudou, disse Carlos Matheus, do Gallup.

A edição

A edição do JN virou teses,mestrados e afins. Chico Pinheiro, que hoje,desligado da TV Globo, trabalha em campanhas políticos, "cansou" de ir em palestras em escolas de comunicação dizer que não foi ele que fez a edição do JN naquela noite, que,enfim, ela fora " mexida" e que a responsabilidade final ficara com Alberico de Souza Cruz, diretor de Jornalismo da emissora( o mesmo cargo que hoje ocupa na emissora Carlos Schroeder). Alberico e Armando Nogueira, diretor da TV Globo, alegaram que a edição do debate para o JN " extrapolara os limites do jornalismo", ou seja, passara pelos cânones dos donos da TV Globo, leia-se Roberto Marinho( e seus interesses, pra usar uma frase de um desafeto de Marinho, Leonel Brizola).

Chico Pinheiro(Francisco) viu o debate num hotel em São Paulo. Ele era o chefe de Jornalismo da Globo em Sampa, mas no segundo turno da campanha foi deslocado para o Rio, em substituição a Woile Guimarães. Era dele o fechamento do Bom Dia, Brasil,do Hoje,do Jornal Nacional e do Jornal da Globo.
Pinheiro viu o debate sozinho e achou que Collor de Mello o tinha ganho.Quando foi editar o Jornal Hoje, pediu mais tempo a Programação. Queria mostrar o debate. Ganhou 6 minutos a mais.
Uma pesquisa do Vox Populi chegou a sua mesa: dava 44,5% de ganho do debate para o candidato do PRN e 32% para o do PT.

Pinheiro ficou em dúvidas sobre dar o resultado do Vox Populi e consultou seu superior:
- Vamos dar no HOJE,ordenou Alberico.
Pinheiro argumentou que o IBOPE não fizera pesquisa, mas recebeu ordens. E ordens são ordens.

Pinheiro ainda disse a seu chefe que falas dos dois candidatos iria colocar no jornal HOJE.Alberico sugeriu 3 mudanças.

Na edição final ficou 3 minutos e 11 segundos para Collor e 2 mninutos e 49 segundos para Lula.

Não cortou os segundos a mais de Collor para não prejudicar uma frase.

Assim que terminou o HOJE, Armando Nogueira ligou para Chico Pinheiro dizendo que a edição ficara boa e que era para repeti-la no JN.

Só quem não gostou foi o dono, Roberto Marinho. Deixou escrito sobre a mesa de Alberico:
- O Collor ganhou e a edição foi favorável ao Lula. Isso é inadmissível para os padrões da Globo. Faça a matéria correta.
Os filhos do dono da Globo, Roberto Irineu e João Roberto também não gostaram da edição do debate no HOJE:
- É como se um jogo que Collor venceu por 5 x 0 tivesse sido compactado para parecer um empate,disse Roberto Irineu.

Alberico pediu a Ronald Carvalho , da Política, que reeditasse o debate para o JN.

Vinte minutos antes do JN entrar no ar, há o ritual do " terror", ou seja, um chefe percorre o corredor onde estão as ilhas de edição gritando:
- Vamos subir, Quem não mandar as fitas agora não entra no ar!

Naquela noite de sexta feira, os dois " terroristas" foram Francisco Pinheiro(Chico) e Fábio Perez. Pinheiro foi chamado para a editoria da Internacional para dar um palpite e quando ia voltar para a redação, viu um movimento no fundo do corredor, na ilha 10, onde ele tinha editado o debate para o HOJE. Foi conferir e encontrou o editor Otávio Tostes a milhão por hora:
- O que tu estás fazendo?
- A edição do debate.
- È a mesma do HOJE...
- Não, o Ronald e o Alberico mandaram refazer tudo.Não acabei ainda. Não vai dar para mandar a fita agora.

Pinheiro viu um trecho da nova versão e virou furioso.
Considerou que a nova versão mostrava Collor massacrando Lula e considerou que o debate não fora aquilo.

Pinheiro foi pra redação e estava possesso. Disse que ia a sala de Alberico e enchê-lo de " porradas".

Colegas o seguraram e o empurraram até o pátio na entrada da emissora,onde tremendo,fumando e praguejando, Pinheiro esperou o JN ir ao ar e voltou à redação para assistir.
0 JN daquela noite deu Lula falando sete vezes e Collor oito.No total, Lula falou 2min e 22, Collor 3 min 34: 1 min 12 a mais que Lula.
No resumo do JN, Collor apareceu sintético e enfático; Lual claudicante,inseguro, e trocando palavras, cerca em lugar de seca.
Evidente que numa situação destas dar este tempo a mais para um dos candidatos. A responsabilidade por esta edição, que se tornou histórica, objeto de muita discussão,teses e demais trabalhos acadêmicos,foi de Alberico Souza Cruz e de Ronald Carvalho.

Terminado o JN, a redaçãoe estava atônita.Nem comemoraram o aniversário do editor do JN, Fábio Perez.Os telefones se encheram de protestos de telespectadores que não tinham gostado da nova versão do debate.

Chico Pinheiro desabafou com Armando Nogueira sobre a edição do JN.Xingou muito Alberico.
Foi embora e se isolou num hotel.

No dia seguinte, véspera da eleição,mais um fato complicou a eleição. Em São Paulo, sequestradores haviam feito refém o empresário Abílio Diniz.A Polícia pediu que não se noticiásse pra poder prender os sequestradores.
Acharam junto de um esconderijo dos sequestradores, propaganda do PT.

Valia tudo,ali, naquelas circunstâncias.

No Rio, no sábado à tarde, Armando Nogueira chegou a emissora e uma centena de artistas estavam protestando na frente da Vênus Platinada:
- Marinho, Marinho não seja tão mesquinho! Entre eles, o compositor Chico Buarque de Holanda.
Também estavam ali Paulo Béti, Marieta Severo,Joana Fomm,e Tássia Camargo.
- Safado,safado, divulga o resultado,gritavam,ainda!
É que os artistas sabiam de uma nova pesquisa e ouviram dizer que a Globo não divulgaria.
Até Roberto Talma, diretor de Programas, estava no protesto. Armando Nogueira pediu que ele o deixasse.
Ao contrário de algmas rádios paulistas, naquele sábado de noite, o JN não associou os sequestradores do empresário Abílio Diniz ao PT!

Debate na Federasul

Cada um por sí e Deus por todos!

Os candidatos ao senado debateram ontem na Federasul,durante o programa Tá na Mesa.

Ninguém citou seu candidato a governador. Só o candidato(atual senador, Paulo Paim, falou em Tarso Genro)

Rigotto e Ana Amélia nem citaram Fogaça e Yeda!

Cristina kirchner



OLIDES. hÁ CERCA DE TRÊS SEMANAS, EU MANDEI PARA O TEU BLOG, A MATÉRIA QUE A PRESIDENTE AQUI DA ARGENTINA, CRISTINA KIRCHNER, SOBRE A QUEDA DE BRAÇOI DO GOVERNO COM OS ROPRIETÁRIOS DE JORMAIS, ENTRE O LA NACION E O CLARIN.. hOJE, DEI UMA OLHADA NOS JORNAIS AI DE PORTO ALEGRE E ME DEPAREI COM ESTA NOTICIA, ATRASADA É CLARO, POIS O TEU BLOG DEU ANTES DELES....
vOU MANDAR MAIS MATRIAL SOBRE ESTE ASSUNTO.... ABRAÇOS GELSON.

Coleguinhas

*" Papadores de coquéteis" se reunem na salinha JCTerlera e capturam notícias onde ir de noite. Sempre descobrem algum coquetel por aí.....


*Gerson Anzolin, da Guaíba, disse que quando trabalhava na Ajuris, sempre pintavam lá os papadores de coquetéis, incentivados pela direção porque eles são bom sinal.

*José Genoíno, o ex-guerrilheiro, cospe nos repórteres quando vai dar entrevistas. Diz o Fábio Marçal, na Guaíba, que ele geralmente deixa os repórteres molhados de cuspe...


*E há os políticos com mau hálito. Rogério Mendelski sugeriu ao Fábio Marçal que invente o Troféu Bafo...


*Juremir Machado da Silva lançando agora um livro sobre os lanceiros negros.

É sucesso na certa. Só se não for tão ruim como aquele da esquina maldita, que não diz coisa com coisa.
Mas o Juremir tem mídia e todos acham " bom"!

Bares que viraram lenda


Bombonière ATLANTIDA


Ficava na frente da Santa Casa, num prédio que se chama Dom Felciiano, porque fica em frente a praça do mesmo nome.

No final dos anos 50, começo dos 60,a bombonière, cujo dono era o Failacce, era frequentada pelo que diríamos hoje " povo" do teatro e por senhoras que iam lá tomar chá e chocolate.

- O chocolate dele era muito delicioso lembra a então atriz de teatro e hoje apresentadora de tevê, Ivete Brandalise, que muito frequentou a Atlântida.

O engraçado, disse ainda Ivete, é que o pessoal do teatro ia lá comer algum lanche antes e depois das " funções",ou seja, da apresentação das peças.

Mormente, era o pessoal do Teatro de Equipe que ia na bombonière Atlântida.

Peréio, Paulo José, Ivete Brandalise, Luis Carlos Maciel,entre outros foram grandes frequentadores da Bombonière.

Quando chegava a meia-noite, seo Failace, o dono, começava o ritual de mandar os clientes embora.

Quando o pessoal demorava muito pra ir embora, o velho Failace tocava Flit neles. O flit era um inseticida usado para matar mosquitos e baratas.

Com o flit no ar, os frequentadores desistiam do bar e iam embora pra casa, ou para o Treviso, que era o local preferido de madrugada pelos notívagos.

Coleguinhas


A " barriga do ano " já tem candidato,melhor candidata: a Léa Penteado, da DCSEt, que espalhou por Porto Alegre, que o Paul Mcarthey, ex-beatlhe cantaria em Porto Alegre. Depois desmentiu, disse que não estava confirmado, que era uma grande disputa. A Mariana Bertolucci, da ZH, entrou nesta história e pode ficar mal também....

Notícia, meu, ou como diz o Serginho Ross, é coisa séria. ESpalhar por aí uma notícia destas e depois ela nãos e confirmar, é chato pra caramba. O que outros levaram 40 e tantos anos construindo, no caso, a credibilidade, num lance destes pode ir tudo por água abaixo em um lance destes.


*Quando entrevistei o " Alemão" do Opinião pro meu livro sobre a noite de Porto Alegre, ele relatou que uma ocasião por um triz os Rolling Stones quase fecharam pra vir pra Porto. Seria no Olímpico. Mas a parceria do Alemão, no caso a RBS, deu pra trás e o show dos Stones, passou por cima, ou seja, foi de Sampa pra Buenos Aires....

DE BRASÍLIA COM A IMPRENSA

O Palácio do Planalto lançou dias atrás um livro, que foi na verdade
escrito por todos os porta-vozes que passaram pelos governos de JK a
Lula. São dois lindos volumes e que custarão R$ 150 reais.

Antes da festa...

Antes da festa de lançamento deste livro, almoçaram lado a lado, aqui
em Brasília, no Stella Grill, os jornalistas Sahid Farah, Cláudio
Humberto e Carlos Chagas. Eles aguardaram durante mais de uma hora a
chegada do nosso conterrâneo Carlos Fehlberg, que acabou ligando de
Florianópolis para dizer que não pode viajar, por estar com problemas
de pressão alta.

Duran te o almoço, o negócio foi convencer o Cláudio Humberto a
comparecer à solenidade do lançamento do livro, no Palácio do
Planalto. Ela estava ofendidíssimo com o tratamento que teve do
diplomata Carlos Villanova, do Cerimonial do Palácio. Parece que o
nosso diplomata resolveu se vingar do que o Cláudio Humberto escreve
do Presidente Lula, em suas colunas nos jornais e nos seus programas
de Televisão e rádio.

Já o Sahid Farah, conversando como Chagas, contou como foi convidado
pelo Presidente Figueiredo para ser o seu porta-voz. Ele contou que
dirigia a revista Visão no Rio de Janeiro, quando foi procurado pelo
irmão do Presidente, o Guilherme Figueiredo. Dias depois, foi chamado
à Brasília para conversar com o futuro presidente, que disse a ele
como gostaria que a imprensa fosse tratada.

Figueiredo contou a ele que pretendia trazer de volta a democracia ao
País. Isso seria uma h omenagem ao seu pai, Coronel Euclides Figueredo,
que foi várias vezes preso por ser um homem de esquerda. Em 32, foi
muitíssimo perseguido pelo nosso conterrâneo, o Presidente Getúlio
Vargas. Por isso teve que exilar-se várias vezes, sendo que o
Presidente Figueiredo então ainda menino o acompanhou.

Farah conta que empossado Ministro das Comunicações, atraiu o ciúme do
Golberi e do General Otávio Medeiros. Concluiu dizendo que não foi
fácil conviver com essa dupla. Uma tarde, já no fim do expediente no
Planalto, Figueiredo lhe confidenciou:“eu espero ainda, transformar
este país numa democracia”.

Sahid Farah,está escrevendo um livro de memórias,mas não sabe ainda,
quando vai colocá-lo nas livrarias.

Por falar em livros, o Fehlberg me disse por telefone que está
concluindo o seu tão esperado livro de memórias. Mas segundo o Olides,
este livro está sendo escrito de sde que o Fehlbergh mudou-se para
Santa Catarina e que ele não acredita que o livro vá um dia para as
livrarias. É uma pena, pois o Fehlbergh tem muitas histórias para
contar.

Tal pai tal filha...

Um dos homenageados por ocasião do lançamento do livro NO PLANALTO COM
A IMPRENSA, foi o Alexandre Garcia. Ele estava na festa com uma linda
mulher. Todo mundo ansioso para saber se era mais uma nova conquista
do nosso conterrâneo de Estrela. Nada disso, a linda mulher era a sua
filha Júlia Garcia, que formou-se em jornalismo e já foi contratada
pela TV Globo aqui em Brasília. Júlia deverá estrear até o fim do mês,
como repórter esportiva. Puxou ao avô...

Por falar em tal pai tal filho, quem também esteve no lançamento do
livro de memórias foi o Tiago Vasconcelos, que vem a ser o filho do
Cláudio Humberto.

O Tiago, que não tem mais do que 22 anos, para desespero do Cláudio é
o homem que coordena aqui em Brasília, a campanha para governador, do
candidato do PT, Agnelo Queiroz, por sinal já eleito.

O Cláudio Humberto no entanto, escondido, anda rindo sozinho. É claro,
que não é pelo Tiago estar trabalhando para o PT, mas é porque dias
atrás ele recebeu um telefone do famoso Duda Mendonça, o homem das
grandes campanhas políticas, pedindo a ele que nas próximas campanhas,
ou seja em 2014, não deixasse o Tiago se comprometer com ninguém antes
de conversar com ele. É que o Duda já tem planos para o futuro...e o
Tiago está nesses planos.

Sergio Ross

FÓRUM DE INFRAESTRUTURA DEBATE
OBRA DE PROLONGAMENTO DOS
MOLHES DO PORTO DE RIO GRANDE



O superintendente das obras de prolongamento dos molhes da barra do porto do Rio Grande, eng. Marcos S. Pitanguy, será o palestrante do próximo evento técnico do Fórum de Infraestrutura das Entidades da Engenharia, durante café da manhã, às 8h30min desta quinta-feira (23), na sede central da Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (Sergs) – Travessa Eng. Acylino de Carvalho, nº 33 – 7º andar. Abordará o tema “Investigação e Monitoramento Geotécnico da Obra de Prolongamento dos Molhes da Barra do Rio Grande”. Segundo o presidente da Sergs e coordenador do Fórum, eng. Cylon Rosa Neto, o tema a ser apresentado no novo evento técnico é da maior importância, tendo em vista o impacto do prolongamento dos molhes e do consequente aprofundamento do calado do canal de acesso ao porto para possibilitar a operação de navios de grande capacidade de carga em Rio Grande. Além disso, salienta, serão apresentadas, na palestra, informações demonstrando a dimensão do desafio técnico que representa a execução da obra.
Todt Comunicação


O Olímpico sem arquibancada!

 

O Olímpico está se despedindo. Será demolido em breve.

Mas foi o centro das atenções de gerações de torcedores que ali compareceram torcendo a favor,ou contra o time da Azenha.

Esta foto é de um jogo entre Estrela e Lajeadense realizado em 9.9.1962,pouco depois de sua inauguração.

O autor da foto foi Paulo Rücher e o acervo é do autor do gol, que jogava no Estrela, Loy Fauth, que hoje vive em Floripa(SC).

Bares que viraram lenda em Porto Alegre

O ASSALTO NUNCA

ESCLARECIDO DO

BAR REMBRANDT!

Acervo de Beto Canarinho

No natal de 1969 seu Kurt e sua esposa com alguns frequentadores habituais.


Fecham-se hoje 41 anos do assalto ao Bar Rembrandt,localizado na Rua Dr. Timóteo,863, no elegante bairro do Moinhos de Vento. Perpetrado por Carlos Araujo( o já famoso " ex" da candidata Dilma Roussef)ohoje músico Raul Ellwanger e uma terceira participante, Celeste, que segundo o Jornal do Brasil, teria morto no exílio.Porém um site que se especializou em pesquisar mortos por guerrilheiros no tempo da luta armada, diz que a Celeste virou assessora " de uma candidata a presidência da República", numa referência a ex-ministra Dilma.


O assalto ao Bar Rembradt. A Folha da Tarde noticia na edição do dia 22.09.1969 o misterioso assalto,nunca esclarecido!

Conversei num domingo de manhã, há cerca de um mês atrás, com Raul Ellwanger sobre este assunto. Lhe pedi uma entrevista, ele ficou de me mandar um depoimento que nunca veio, pelo menos até agora.

- Isto deu até processo na Justiça. Na casa dos meus país, tem muito recorte do Jornal do Brasil e do Estadão sobre isto, disse-me apenas o músico que fazia sua caminhada pela pracinha da Encol, quando o interrompi pra lhe perguntar sobre sua participação no episódio.


Na capa da Folha da Tarde, do dia 22.09.1969, há o registro do assalto. Diz o texto publicada numa segunda( porque 22 caiu numa segunda feira) que eram cerca de 1 e 30 da madrugada, quando entraram dois homens armados no Rembrandt. Ainda havia cerca de 6 fregueses que conversavam e tomavam chopp, uma das especialidades do bar.

O dono, Kurt Kriegel, que se tornou famoso depois de morto,diante da ameaça de assalto dos mascarados( eles usavam um emplasto) pegou seu revólver numa gaveta e atirou num deles.

Sem mencionar qualquer possibilidade de que o assalto ao Rembrandt fosse coisa da " luta armada", o jornal Folha da Tarde, na página 62 disse que o dono levou alguns tiros dos dois assaltantes que se assustaram com a reação de Kurt.

A Folha da Tarde registrou também que oRembrandt se localizava nas imediações da rua 24 de outubro. Como era costuma da crônica policial daqueles anos, a turma que fez o assalto ao Rembrandt levou o apelido de ' QUADRILHEIROS DO EMPLASTO" tudo porque usavam um emplasto no rosto e e porque a eles fora também atribuídos assaltos que aconteceram dias antes aos bares Escandinávia( na rua Bordini) e ao Estilo, no bairro do Menino Deus.

O corpo de Kurt Kriegel foi levado ao Instituto Médico Legal(IML). Kurt morava na rua Couto Magalhães,1195. Estavam ainda no bar na hora do assalto, seu filho Carlos Hilieshein e o genro Urbano Olava Limeira, que teve teve um bar na esquina da Nova Iorque com 24 de Outubro.

As investigações do assalto ao Rembrandt foram conduziadas através da Delegacia de Seguridade Pessoal, pelo comissário Teotásio Bruno Pielewski e pelo delegado de Polícia Wuilde Pacheco( que no meio jornalístico tinha o apelido de KID TROMBADILHA).


Bares que viraram lenda em Porto Alegre

Por José Mitchell

O Mistério do Bar Rembrandt


Clique na imagem para ler todo o artigo

Da lista inicial de 98 vítimas mortas pela esquerda em todo o país, elaborada pelo general Samuel Alves Correa, constava o nome de apenas um gaúcho: Kurt Kriegel, dono, na época, de um tradicional bar da cidade, o Rembrandt, na Avenida Cristóvão Colombo,em Porto Alegre. Ele foi morto a tiros em 1969, durante um assalto que, conforme o Dops, teria sido praticado pelo grupo guerrilheiro Var-Palmares.


Ao investigar o caso, encontrei a família Kriegel ainda muito traumatizada e inconformada, até porque a polícia não encaminhara o inquérito o inquérito à Justiça. Sua neta, Áurea Altenhofen, havia se formado em Direito justamente para tentar desvendar o assassinato do avô.

O inquérito foi feito inicialmente pela Polícia Civil, mas depois passou ao Dops por causa da suposta motivação política do assalto. Na cena do crime, havia sido recolhida uma prova: um emplasto poroso da marca Sabiá, usado por um dos assaltantes como máscara, que fora arrancado e jogado fora durante a fuga e que fora guardado no cofre do Dops.

No emplasto, ficaram alguns fios de cabelo do assaltante.

A encadernação do inquérito identificava, na capa, três pessoas como autores do crime: uma moça que terminaria morrendo no exílio, um advogado e um músico, o que teria usado a máscara resgatada pela polícia.O diretor do Dops, delegado Marco Aurélio da Silva Reis, me disse que uma gravação obtida pela polícia identificava o grupo guerrilheiro VAR-Palmares e os três envolvidos no crime.


Mas as investigações posteriores foram acompanhadas de estranhos acontecimentos. Sempre que a advogada Áurea comparecia no Palácio da Polícia para acompanhar o caso já na Delegacia de Homicídios, páginas do inquérito literalmente sumiam no intervalo das visitas. As mudanças chegaram ao ponto de ser alterada a sua capa, em que desapareceram os três nomes citados como autores, substituídas por uma capa em branco, passando o crime a ser de autoria desconhecida. Tudo isto ocorreu dentro das dependências do Palácio da Polícia.

Mais estranho ainda ficou o caso, conforme me contou o próprio delegado Pedro Seelig, quando o músico, suspeito de ter dado o tiro fatal no assalto, voltou do exílio. O próprio policial orecepcionou no aeroporto Salgado Filho e cortou-lhe alguns fios do cabelo.

- Desta vez te peguei- disse-lhe Seelig.

Ele pretendia comparar oc abelo do músico com os fios colados no emplastado usado como máscara, recolhido ao cofre do Dops. Caso fosse constatada a semelhança, Seelig indiciari o músico como assaltante e autor da morte de Kurt Kriegel.


Ao abrir o cofre do Dops, no entanto, o delegado foi surpreendido: a mnáscara do emplasto simplesmente sumira. Como uma prova poderia desaparedcer de dentro do sigiloso e bem-guardado cofre do Dops, situado em dependências proibidas até para policiais que não fossem do departamento? Tanto Seelig como Marco Aurélio dos Reis alegam nãos aber como isto aconteceu.

Foi mais um dos tantos e estranhos acontecimentos deste episódio, que, inexplicavelmente, não havia sido enviado à Justiça Militar, como todo os outros da chamada subversão. Qualquer coisa suspeita, até a aismples posse de livros de esquerda, significava a abertura de processos na Justiça Militar, com longas penas de prisão aos réus, como constatava qualquer um que acompanhasse, como eu, os processos e julgamentos da Auditoria Militar. Como é que o único caso de homicídio supostamente praticado pelo terrorismo de esquerda no Rio Grande do Sul, com três acusados específicos, não seguiu para a auditoria militar e foi o único a ficar engavetado na polícia? Teria ocorrido um erro flagrante do Dops no eqnuadramento inicial do assalto como de guerrilheiros e, com a posterior listagem divulgada pelo EXército, teria resolvido manter o caso nos crimes praticados pela esquerda par anão se contradizer ou se desmoralizar?

Surgiram versões não confirmadas de uma espécie de troca de favores entre alguns altos integrantes dos órgãos de segurança - acima do alcance de Marco Aurélio e Seelig - eos guerrilheiros do ataque ao bar, mas nunca se provou nada.
O fato é que o homicídio no Bar Rembrandt nunca foi levado à Justiça.

A inconformada advogado Áurea Altenhofen jamais obteve resposta às suas perguntas sobre o assassianto do avêo. Ela foi procurada, anos depois, pelo advogado suspeito de envolvimento no crime, num encontro intermediado pela Ordem dos Advogados , para um esclarecimento do assalto. O advgado engou envolvimento no episódio, mas não hovue acerto entre as partes.

Por muitos anos, sabendo que a polícia apontara o músico como um dos autores da morte do avõ, Áurea asisstiu a vário shows dele, sentando-se na primeira fila simplesmente para olhá-lo e, de alguma forma, constrangê-lo.

Ainda mnais que as duas famílias se conheciam, pois haviam sido vizinhas em ruas próximas do mesmo bairro.

Assim como o advogado, o músico sempre negou a autoria do crime, acusando os órgãos de segurnaça de terem forjado a acusação. Ou seja, o nome de Kurt Kriegel fora incluído de forma indevida na lsita dos mortos pela esquerda.
Áurea também tentou por vários anos indenização para sua avó, viúva da vítma e falecida há quatro anos. Mas, como outros parentes decivis mortos pela esquerda, ela não estava nem está protegida por nenhuma legislação especial, como os familiares de guerrilheiros mortos pela ditadura militar.

Para complicar mais o mistério, na atualização que fez das pessoas mortas pela esquerda, aumetnando de 98 para 120 vítimas, o site Ternuma aponta a morte de Kurt Kriegel como tendo ocorrido em Sãop Paulo, provavelmente por erro de digitação. Mandei várias vezes ao site Ternuma a informação correto sobre o local do crime, mas durante o ano de 2005 não foi feita a correção, significando imprecisão e desleixo por parte dos responsáveis.

Somente no dia 25 de janeiro de 2006, dois dias após nova mensagem com a correção que eu havia enviado ao coronel Brilhante Ustra, é que o Ternuma retificou a informação colocando que a morte de Kurt Kriegel aconteceu em Porto Alegre e não em São Paulo.

Um ex-guerirlheiro da VAR-Palmares, Calino Ferreira Filho, não acredita no envolvimento da organizçaão no assalto ao Bar Rembrandt e na morte de Kriegel. Lembra que, na época, fase inicial desse tipo de operações, a prioridade eram assaltos a bancos, qualificados de " expropriações" e não a bares,. Argumentou que não fazia sentido assaltar um bar famoso na noite porto-alegrense, que recebia personalidades de toda a sociedade.


O delegado José Leão de Medeiros, um dos mais importantes analistas da área de informações sobre os grupos de guerrilheiros no Rio Grande do Sul no período dos anos de chumbo, concorda com Pacheco. Ele considera que " houve equívoco do então diretor do Dops, delegado Marco Aurélio dos Reis no enquadramento dos três integrantes da VAR-Palmares como autores do assalto ao Bar Rembrandt. " Na minha visão , há um erro claro do site Ternuma em manter o nome de Kurt Kriegel como morto pela esquerda, no caso, a VAR-Palmares. Tanto o músico quanto o advogadonãoe ram da linha militarista e não se envolveriam em tiroteios e ataques diretos. Eles participavam da organização e da divulgação do grupo e distribuição de panfletos da VAR-Palmares, mas não cometeriam aquele crime. Tudo indica que foi um assalto comum e não de terroristas" afirma Leão de Medeiros, sobre um dos casos mais nebulosos acontecidos no Rio Grande do Sul.

Para continuar a confusão do caso, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, no seu segundo livro A Verdade Sufocada, lançado em abril de 2006, aponta que a autoria do assassinato do comerciante teria sido de integrantes da VPR e não da VAR-Palmares, sem maiores detalhes."

 

O famoso assalto ao Bar Rembrandt!

O jornalista Carlos Augusto Bisson registrou desta forma o assalto ao bar do Kurt Kriegel em seu livro sobre o bairro Moinhos de vento:

" Um famoso bar do Moinhos, o Rembrandt( Doutor Timóteo,863) foi assalto em 16( o dia está errado, é 22) de setembro de 1969. O proprietário< kurt Kriegel, foi morto com um tiro nas costas.Devido a um evento de natureza que ocorreu quase ao mesmo tempo no bairro( o evento é o esconderijo que deram ao Frei Betto, na Paróquia da Piedade, no bairro Rio Branco) muita gente passou a acreditar que o ataque ao Rembradt foi uma ação da guerrilha destinada à obtenção de recuross para suas ações armadas".

BRASÍLIA ESTÁ EM
CHAMAS!!!!

Por Sergio Ross


Não. Não se preocupem. Ainda não botamos fogo no Congresso ou nos
Ministérios.

Na semana passada, a ministra do Meio Ambiente,Izabella Teixeira,
anunciou um plano de proteção ao Cerrado. O pacote prevê a
contratação,nos
próximos cinco anos, de 4,5 mil brigadistas para atuar na prevenção e
no combate ao fogo. A ministra previu
R$ 350 milhões,a serem divididos por vários ministérios, para o plano de ação.
A quantidade de queimadas em 2010-maior
em três anos- expõe a falta de estrutura para prevenir e
combater os incêndios. Até quinta feira da semana que passou o País
acumulava cerca de 72 mil focos de fogo. Em 2009,foram 26,2 mil e em
2008, 44,7 mil. Apesar da
gravidade,o tema demorou a receber uma resposta do
governo e sequer entrou na agenda da campanha dos
principais candidatos a Presidência da República.
Contribuiu para agravar o quadro, diversos
fenômenos estereológicos,entre eles o fato de o período seco ter
começado mais cedo
neste ano.

Mas,para ambientalistas, o ponto central
da questão é o
uso do fogo na agropecuária,que, apesar de ser uma tecnologia arcaica,
continua sendo muito utilizada e acaba fugindo o controle,provocando
incêndios de
grandes proporções.


“Os brasileiros usam o fogo como arado ou trator e a cinza como
adubo” resume um integrante do
Greenpeace. Para ele, é fundamental investir na capacitação do
produtor e em assistência técnica.
Entre os candidatos à Presidência, apenas Marina Silva (PV) chegou
a abordar o combate às queimadas em seus discursos. O candidato José
Serra
(PSDB) disse, por meio de sua assessora, que levará para todo o Brasil
o que foi feito em São Paulo, dentro da Lei de Mudanças Climáticas:
limitação drastica para as queimadas da cana-se-açúcar. A coordenação
de campanha da candidata Dilma Rousseff(PT) afirmou que a candidata
não possui diretrizes específicas para o combate às queimadas...

Terminou mais uma greve dos Residentes Médicos.

 


Ouço no rádio que terminou mais uma greve dos médicos residentes no país.

Que assunto mais complicado este...

As fotos são da greve de trinta anos atrás, no Hospital de Clínicas, de Porto Alegre.

Aqueles jovens são todos cinquentões, hoje, médicos super conhecidos e não estão mais fazendo ativiidades sindicais. Tão correndo atrás da grana. Alguns ficaram ricos,outro só famosos, mas todos exercem a Medicina com muita honra e dedicação.

Jornal do Brasil

Pros pesquisadores da vida aí vai esta dica....


Do twitter


acervo histórico d finado Jornal d Brasil foi digitalizado p Google (1891 à 1999) É gratis acesso http://migre.me/1miRp

O terceiro casamento do Caco P. Machado!


foto arquivo pessoal


Há uns 2 meses atrás, o agronômo Luis Carlos Pinheiro Machado Filho casou pela terceira vez,num restaurante de Floripa.

Há muitos anos tenho raros contatos com o Caco, mas por destino, compareci a seus dois primeiros casamentos.

O mais engraçado de tudo foi quando ele foi casar com a Márcia Piccoli, ainda nos anos 70.

De manhã, o Caco foi no seu dentista, Nelson Gonzales e depois que terminou a consulta, era um sábado de manhã, o Caco saiu apressado e disse ao dentista:
- Tenho que ir comprar um casaco que de tarde vou casar....
O Nelson,que era de outros tempos, levou um choque.

Mas ganhou ali mesmo um convite pra festa do casamento. Foi, se não me engano, uma das primeiras vezes que vi o Nelson, de quem acabaria depois muito amigo.

O casamento do Caco com a Márcia Piccoli durou pouco. Acho que uns seis ou sete meses. Eles já brigavam muito antes,mesmo.A divisão das louças ganhas no casamento é que foram elas....

Mas acabou tudo bem, porque o Caco é gente de pouco espírito materialista.

Depois, no segundo casamento do Caco, ao qual também participei por obra do destino, ele praticamente " roubou" a namorada de um amigo. O amigo era colega do Caco na Agronomia da UFRGS e vivia na casa do Caco, porque eles tinham atividades político-partidárias. Era a época da volta dos anistiados e andavam todos reorganizando os partidos que estiveram fora da lei.

Nestas idas e vindas, o Caco acabou ficando com a Vera,os dois se enamoraram e o amigo bailou na curva.

Ficaram casados anos. Tiveram duas filhas, a Paula, que é minha afilhada e a Júlia, com quem pouco convivi.

Bom como já disse deste terceiro casamento do Caco não participei....(também por obras do destino....)

Dilma protesta contra parcialidade da Folha

A minsitra tem todo o direito de protestar, mas a Folha tem todo o direito de publicar. Se não como dizia Millor Fernandes caimos o risco de cairmos num Estado totalitário, que aliás, tem muita gente que gostaria.Dá menos trabalho,né....


A candidata Dilma Rousseff protestou contra a postura “parcial” adotada pelo jornal Folha de S. Paulo numa matéria publicada na edição de hoje. A publicação deixou de informar que Dilma teve todas as suas contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS), quando foi secretária do governo estadual.
Assista ao vídeo com o trecho da entrevista de Dilma.
Ela falou sobre o tema durante uma visita ao bairro Alcântara, em São Gonçalo (RJ). Dilma tomou café na Lanchonete Dom Nato com o governador Sérgio Cabral e alguns candidatos ao Senado e à Câmara dos Deputados.
O jornal tenta estabelecer uma relação entre a empresa Meta Instituto de Pesquisa e Dilma, porém não apresenta qualquer prova e não informa que as contas foram todas aprovadas. A Folha ainda usa pareceres do TCE sem citar qual foi a decisão final do tribunal, que foi pela aprovação total das contas geridas pela petista.
“Eu quero fazer um protesto veemente contra a parcialidade do jornal Folha de S. Paulo", afirmou. "Todas as minhas contas foram aprovadas. Todas. Esta informação não está na matéria. Chega ao ponto de me acusar de eu ter feito um contrato em 94 e depois a empresa ter feito um contrato em 2009. É a única acusação de futuro que já vi na vida."
Dilma contou que a contratação da Meta foi por tomada de preços e leu um trecho do parecer do Ministério Público no processo que foi analisado pelo TCE, demonstrando que ela não podia ser responsabilizada pela falta de funcionários na Secretaria de Energia do estado.
“Em algum momento da matéria ficou claro para vocês que eu tive as contas aprovadas? Não. Esta informação, extremamente relevante, foi ocultada. A matéria é parcial e de má fé", disse Dilma.
A candidata lamentou que o jornal tenha agido de má fé ao abordar o tema. “Me acusar porque em 2009 a Secom [Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República] contratou a Meta é de fato um absurdo. É prova absoluta de má fé.”

Segue abaixo a transcrição na íntegra da fala de Dilma:
Eu quero fazer um protesto veemente contra a parcialidade do jornal Folha de S. Paulo. Eu fui julgada em todos os anos, vou dizer precisamente quais anos, pelo TCE: 93, 94, 95, 2000, 2001, 2002. Todas as minhas contas foram aprovadas. Todas. Esta informação não está na matéria. Chega ao ponto de me acusar de eu ter feito um contrato em 94 e depois a empresa ter feito um contrato em 2009. É a única acusação de futuro que já vi na vida. Ou seja, a minha responsabilidade é porque 10 anos depois fizeram um contrato com a empresa. Que história é essa?
Em algum momento da matéria ficou claro para vocês que eu tive as contas aprovadas? Não. Esta informação, extremamente relevante, foi ocultada. A matéria é parcial e de má fé. Além disso, eu cheguei na Secretaria de Energia do Rio Grande do Sul e tinha dois funcionários concursados. Não se faz uma secretaria com dois funcionários concursados.
O parecer do Ministério Público [diz]: ´considerando que a situação em tela se trata de deficiência de ordem estrutural, que perdura de longa data, e as procedentes manifestações da senhora Dilma Vana Rousseff, somos da opinião que a mesma não pode ser responsabilizada´.
O voto do pleno do tribunal é pela aprovação das minhas contas.
Eu gostaria de saber onde está isso escrito nessa matéria? Onde essa matéria parcial, enviesada, colocou que as minhas contas foram aprovadas? Todas [as contas foram aprovadas]. Eu nunca tive uma conta rejeitada.
Me acusar? Sabe o que era a pesquisa da Meta [empresa de consultoria]? Sobre emprego e desemprego. Porque na época [a fundação] Seade/Dieese de São Paulo tinha feito uma apuração de emprego e desemprego. Contratamos por tomada de preço a empresa Meta.
Me acusar porque em 2009 a Secom [Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República] contratou a Meta é de fato um absurdo. É prova absoluta de má fé. Pergunto outra vez: onde está na matéria que minhas contas foram aprovadas? Em que parte da matéria está isso?
No meu blog eu vou colocar todas as manifestações do tribunal para evitar essa distorção escandalosa cometida contra mim pelo jornal Folha de S. Paulo.


Recebo e publico!

 

Olides !

Escreverei sim, sobre a importância da instalação de um Centro de
Zoonoses em São Borja e cumprimentarei o prefeito Mariovane pela
iniciativa.

Teu site, embora particular, com certeza , não se furtará em publicar
notícias de interesse da saúde pública, notadamente, de uma cidade
que, pelo que tenho lido, tem grande respeito e consideração, para
contigo.

Um abraço.

MAURO.

Recebo e publico:

 

Com este contiudo, acho que meu livro vai se chamar mesmo

A noite em que abandonamos a luta armada...são memórias destes

tempos também e nele conto como o Licínio não foi em cana por ter

engravidado uma menor (uruguaia)!

 


Sou o Nelson que é amigo do Lícinio. Estudamos, eu e ele, no Julinho. Nós , eu e tu, nos conhecemos em 1972 ou pouco depois, não lembro. Fomos apresentados pelo Licínio que era o amigo comum entre nós dois. O lícinio foi para o Jornalismo e eu fui para o Direito. Sou o cara que gosta de fazer genealogia e que também gosta muito dos Stones.Por falar em genealogia, por acasos deste mundo tão pequeno, eu serei avô pela primeira vez em novembro agora e minha neta será parente do Licínio. O meu genro e o Licínio têm um ancestral comum . O ancestral comum é Diogo Pacheco Louro*04.12.1699- Terceira,Açores,Portugal +02.07.1790,Viamão ,RS que foi casado com Bárbara da Conceição*13.06.1703-Terceira,Açores +23.03.1794-Viamão ,RS.
Quando vc fala da vida do Licínio, da ida dele para o Uruguai vc sabe parte da história .
A história completa é que , quando nós estavamos fazendo o 3o ano do curso Clássico no Julinho, eu eu o Licínio pensamos o que faríamos se nós rodassemos no Vestibular. O Licínio falou" vamos para os Estados Unidos , de carona" Eu perguntei para fazer o quê e ele disse" vamos ser garçons".
Eu achei boa a ideia e , como sempre fui bom em geografia ficou "bolando" a rota para os States. Para ir de carona só indo ao Uruguai, Argentina, Chile e subir a rodovia Pan-americana. Não tinha outra rota.
Então eu criei um "Livro Ouro" em que pedíamos aos amigos que dessem "algum" para nossa viagem.
Contudo, naquele mesmo ano, eu arrumei emprego do Banco Lar Brasileiro(depois Chase American Bank) e quando chegou o fim do ano eu disse ao Licínio que não mais tinha interesse em ir para os States porque estava empregado e iria tentar minhas chances por aqui. Peguei o livro ouro e os valores que tinhamos arrecadado(que não eram muitos, nossos amigos eram todos estudantes e , via de regra, estudante é sinônimo de "pelado") e entreguei ao Licínio.
No outro ano(1971) ambos fizemos vestibular só na Ufrgs e ambos rodamos. Como eu estava empregado continuei no banco mas o Licínio resolveu fazer a aventura sozinho. Aí ele foi, de carona, para os States só que não chegou lá. Se encantou na morena já aqui no Uruguai e a raptou e posteriormente a trouxe para o Brasil. Se todos os detalhes desta história mas não é o caso agora.
No ano seguinte(1972) eu fiz vestibular de novo e passei na Ufrgs e o Licínio passou na Puc. Nossas destinos já estavam se apartando. Nós fomos amigos inseparáveis entre 1968 e 1970 mas tinhamos que trabalhar, cuidar do casamento, filhos etc... e a vida nos afastou. Em 1969 eu , o Licínio fundamos um grupo de teatro ali no Clube de Cultura na Ramiro Barcellos. O nome fui eu quem dei; era o Teatro de Recado pois quem dá um recado diz alguma coisa para alguém e era esta nossa intenção. Depois , em 1971,acho, o Licínio andou fazendo uma peça em Porto Alegre com o diretor Ronald Raade que, muitos anos depois, viria a casar com uma sobrinha minha. Mas a carreira de ator do Licínio pouco durou pois ele foi para São Paulo e de lá para o mundo.
Tenho grandes lembranças do Licínio que era um interlocutor capaz de acompanhar meu raciocínio. Ele e eu estamos(agora) em fases diferentes da vida; já não mais temos os mesmos interesses.
Mas a lembrança e a amizade persiste. Quando ele veio apresentar a Maria da Conceição, esposa atual , ele esteve em minha casa com ela e com o Emílio que era contemporâneo de todos nós. Aliás lembro-me que vc tinha uma relação "porrada" com o Emílio. Talvez porque ele dissesse que vc era um colono que , ao chegar na metrópole, tinha desbundado.
Não esqueço do Emílio porque foi dele que ouvi, por volta de 1970 ou pouco depois, a frase; "o socialismo precisa de , no mínimo, 50 anos para se implantar e eu não tenho tanto tempo de vida". Esta frase ficou martelando em minha cabeça por uma dezena de anos. Agora, passado tanto tempo, sabemos que nossos ídolos tinham pés de barro. Da minha(nossa) geração quantos morreram, foram presos, torturados, perderam emprego para, sabemos agora, lutar por causas perdidas??!! Stalin era um ditador sanguinário, Mao era outro. Che G. virou estampa de camiseta de gerações de inconsequentes.
Talvez por ter ouvido o Emílio eu não tenha entrado na luta armada. Hoje sei que nada valia a pena. Talvez Marx tenha razão; nos transformamos todos em alienados.
Nelson Keffer

Coleguinhas

O Nelson é o único da turma dos anos 70 que se aquietou na vida, embora ele continue lendo o autor preferido do provável futuro governador do Rioo Grande....

Grande Olides
Eu moro na Bela Vista mas, apesar de aqui morar, não sou rico. Sou um cara classe média . Consegui por ter alguma capacidade (e muita sorte) me estabilizar na vida. Muito me ajudou a minha atual esposa (a 2a.)
que sempre teve os pés no chão e puxava para o solo quando eu voava demais. Quando necessário, no entanto, ela me jogava para cima e me demonstrava o valor do trabalho como forma de interagirmos socialmente. Hoje tenho entre os livros que mais releio o Max Weber em sua obra A ética protestante e o espírito do Capitalismo.Recomendo. Quando sobrar algum tempo eu escrevo algo para teu blog.
Nelson Keffer

Coleguinhas

Eu não disse que o Serginho ia ficar tiririca com a publicação da sua foto com o Geisel...

Olha, aí acertei na mosca!

 

OLIDES MACHÃO DA LINHA ONZE ou LADRÃO DE NOTICIAS...

Tu não choca noticias não é????? Mas tu rouba tudo o que eu te falo no
telefone. Espera para ver, se ainda vais ouvir informações minhas.
Tu ligas para mim para perguntar e depois transforma as minhas
informações como noticias tuas. Isso dá cadeia. Mas eu vou esperar
primeiro, que o pessoal da Linha Onze te prendam..
Alias,ligue para mim logo mais à noite pois aí, sou eu que quer saber
noticias tuas.

Sergio

De Serafina

 

A lotérica Cervieri, da Marina Cervieri, iria ser vendida, mas parece que pediram muito: teriam solicitado 400 mil reais.
É verdade que o terreno é num ponto nobre da cidade.

 

O PT pobre


Em 1982, Antônio Cândido Ferreira, o Bagé, concorria a vereador a Porto Alegre , pelo Partido dos Trabalhadores.

Acervo de João Batista Marçal.

Quando O PT era pobre!

Eleito pelo MDB,em 1976, o engraxate Bagé, o Antônio Cândido Ferreira, passou em 1982 para o Partido dos Trabalhadores(PT). Foi assassinado mais tarde.

Bagé era engraxate na Praça da Alfândega, no centro de Porto Alegre.Na eleição de 1976 fez 9.184 votos.

Ele não foi o primeiro vereador eleito pelo PT. Este foi o jornalista Antônio Holfeldt.

A primeira, mostra o vereador engraxate trabalhando na Praça da Alfândega - 1976; a segunda, mostra o vereador na tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre.
O referido vereador foi eleito em 1976 pelo MDB com 9.184 votos; mais tarde filou-se ao Pt.

Relações cortadas


Foram melhores as relações entre o deputado estadual Alceu Moreira, do PMDB com seu colega de partido, Eliseu Padilha....Ambos são candidatos a deputado federal


Moreira deverá fazer votos na região Serrana, não apenas no litoral, porque lá extendeu sua campanha.

Coleguinhas


Estou voltando de uma entrevista com a colega Ivete Brandalise . Queria que ela falasse sosbre a bombonierre ATLANTIDA, para meu livro da noite portoalegrense. Ela falou, mas Ivete se entusiasmou mesmo foi falando histórias deo Encouraçado Butikin, que ela conheceu como poucos porque o marido, Milton Mattos foi o arquiteto que bolou a casa.

Ela achou que quis aproveitar o meu prestígio e desmentiu uma história que lhe atribuem de ter um dia expulsado o dono do Butikin, RUY SOMMER e mais dois auxiliares dele de sua casa:

-É que eu tava chegando da televisão,queria almoçar, mas eles estavam lá atrás do Milton(seu marido)

Pedi pra eles voltarem as duas da tarde, mas esta história passou como seu eu os tivesse botado para fora de casa.

Coleguinhas


*Rogério Mendelski,lembrou,ontem quando era ativista do movimento estudantil. Atiravam pedras na Caldas Junior, no movimento contra a presença do governador Carlos Lacerda, em Porto Alegre.

*Reche entrou antes da Marjorie Martins, na Guaíba, ontem. Ele é patrocinado, por isto a prioridade, justificou o condutor do programa, Mendelski.

Bombacha

O Rio Grande de bombacha. Botaram bombacha até no pequeno. Vi que a Revolução Farrapa tomou conta até dos gringos de Serafina. Todos pro acampamento comer churrasco e ouvir música gaudéria...entonces. Mas agora terminou a festa.


Olides olha meu neto de bombacha

Bjs

Naira

 

Volta para votar



Oi, volta para votar no dia 30. Vamos tomar um café. Abraços Gelson.

Mérito Farroupilha

Airton Pimentel, compositor,

ganhou medalha do mérito farroupilha


Uma das onze personalidades gaúchas que na semana passada foram condecoradas com o prémio Mérito Farroupilha, pela Assembléia Legislativa do Estado, Airton Pimentel, autor de Negro da Gaita, entre outras composições, é funcionário da casa, onde se aposentou durante o Governo de Alceu de Deus Collares(1991/1994) como funcionário da segurança da casa.

Nesta foto, ele aparece ao lado de Leonel Brizola, na antiga Churrasquita ( rua Riachuelo) em 2001, durante um evento de prefeitos do interior do Estado. Da esquerda para a direita, Pompeo de Mattos, deputado federal, Rui Barbosa, dono da livraria Rígel,Brizola, Airton Pimentel, de lenço vermelho e chapéu, o advogado Fagundes, de Santa Rosa e atrás dele, Aldo Rocha, militante do PDT.

A foto é do acervo do PDT.

Feira do Livro de Porto Alegre(causos)

 

Foi o "eterno" presidente da Associação RioGrandense de Imprensa( ARI) Alberto André que quando vereador oficializou o nome FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE.O projeto leva o número 79/59 e foi aprovado em 23 de outubro de 1959.André foi vereador entre 1952/1955, pelo PL,56/59 pelo PL, 1960/1963,pelo PTB, 1964/1967 pelo PTB. Também foi professor da UFRGS e da PUC,onde ajudou a fundar a Famecos.

Memorial da Câmara de Vereadores de Porto Alegre colaborou Rosa Angela Fontes.

Recebo e publico os protestos do "zator"

 

Pô, o pessoal não aprende. Se não querem que eu publique é só não mandar prá cá. Não faz que nem certo coleguinha que manda dizer assim: é bilhete, não publique!

 

OLides !

Me deixaste mal com o pessoal do Cervieri hein ? feliz és tu, que vais
á undeze neste feriado e lá correm soltas as atividades gauchescas
.........pensei que só em São Chico é que se cultuava o gaúcho
(Correio de Hoje faz referência).

Aliás, falando em Correio, traz , também, matéria sobre São Borja(
terra que admiro muito por razões óbvias-terra dos presidentes- e por
ter dois colegas de turma moradores de lá- um é primo segundo do Dr.
Jango-), que fala sobre a construção do CENTRO DE CONTROLE DE
ZOONOSES.Passeei a admirar , mais ainda São Borja, depois que comecei
a ler teu BLOG !!!!, veja a importância !!!!!!

Escreve para eles( prefeito) e parabeniza-o por tão importante
iniciativa em prol da saúde pública( conheço a área, por isso meu
entusiasmo).

O secretário da saúde de São Borja e vice-prefeito se me parece, está
radiante com ainiciativa. Quem sabe não irei para a inauguração do
Centro !!!!!!!!!!!!, prestigiar meus companheiros de parido.

Caso tenhas o e-mail da prefeitura( no site não tem), vou escrever para eles.

Bom final de semana na undeze. Não pense em nada ruim no
período........esquece um pouco o teu time
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Surra nos paulistas ontem !!!!!!!!

MAURO.

Fillha de Geisel


A " Mosa" como os íntimos a chamam, ou seja, a filha do presidente Ernesto Geisel e Lucy Geisel, aquela que inspirou Chico Buarque a dizer" você não gosta de mim, mas sua filha gosta", mora em Ipanema, no Rio de Janeiro, na rua Barão da Torre.

Não está no Canadá, como me haviam informado mal....

Lançado mais um livro sobre Tarso de Castro!

 


O irmão Múcio de Castro Filho deu um pequeno papo sobre o irmão Tarso na noite da última quinta, na livraria Palmarinca, em Porto Alegre. Estava lá o ex-vereador Caio Lustosa, a comunicadora Tânia Carvalho, a jornalista Célia Ribeiro e a primeira mulher de Tarso, Bárbara Oppeheimer.

Dei uma olhada no livro e afora um artigo da Tânia Carvalho e um do Idalino Tasca,o restante do livro são referências feitas encima dos dois primeiros livros feitos sobre o jornalista,um da Sônia Bertuol e outro do Tom Cardoso( o mais completo deles todos) Tarso foi o criador de vários jornais,entre os quais o Pasquim e o Enfim.

Não é o bicho e não vale os 40,00 que está posto no mercado.


Sobre o Tarso:

*Há muita lenda sobre o jornalista, filho de Múcio de Castro:

Carlos Bastos, que foi contemporrêneo de Tarso, diz, por exemplo, que ele tinha o costume de sempre levar suas namoradas a P.Fundo e apresentá-las à mãe.

Os garçons do Barranco,lembram por exemplo, que ele tinha a mania de beijar todo mundo na boca. Um dia ele se encontrou com o cantor Caetano Veloso no Barranco e lascou-lhe um beijo na boca, para escândalo de todos os presentes.

Sergio Ross que foi colega de Tarso, na Última Hora, antes de 1964, conta que Tarso,quando deu a revolução de 1964, estava louco pra ser preso. Deixava sempre na porta do apartamento onde morava um bilhete onde estava:
- Mas nunca o prenderam. Foram no DOPS ver o que tinha na ficha dele e estava lá escrito: é um bêbado, um irresponsável...

Na Última Hora, Tarso era quem fazia as manchetes. Serginho Ross,que era repórter esportivo, tinha que acompanhar as notícias do Grêmio por meio de cartas que os jogadores mandavam para seus familires, porque estavam na Europa e naqueles anos não se usava telefone tão fácil.
Serginho fez a matéria dando um resultado de um jogo do Grêmio e Tarso se equivoou na manchete: trocou o dia do jogo. Serginho montou num porco. Aí o chefão da Última Hora, Neu Reinert, chamou Serginho e lhe pediu pra se acalmar.


Recebo e publico!


Tudo bem meu conterrâneo?
Lembra da Ana Canton?
Pois é.
Mora aqui em Caxias e não muito longe de mim.
Veio me visitar anteontem, ciacole e ciacole.
Quero enviar teu blog a ela, mas perdi o end depois que formatei o PC. Podes me mandar?
O meu, sei que tu não olha, ma vá lá que te envio de novo. http://escrevendootempo.zip.net
Se não gostas de poesias, sonetos, prosas, indrisos...nem entra.
Ando PPPPPPPPPPPPPP, pq escrever é dom, não é meu negócio e nem meu ganha pão.
Vou escrever até morrer, só que a coisa funciona assim: entro nos sites e blogs de pessoas que escrevem
comento, opino e o que respondem? Me mandam o nome do livro deles e o valor. O que penso? Penso então que pra muitos escrever é só negócio.
Porco Zio, se eu vou comprar tudo o que me mandam, teria que alugar outro aptº só pra guardar livros, olha que a minha biblioteca é grande.
Falando disto preciso do teu site ou blog, pra tirar umas dúvidas.
Nada de meu irmão me mandar as fotos...Mas se tu quer te quebrar na vida dependa de parentes (rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs).
Ainda não pensei em escrever (narrativa), das minhas andanças. Ando com coisas da Academia de Letras daqui pra terminar e uma briografia de uma Sra pra iniciar.
Um dia sai, brute robe.
Bom fim de semana.
Grande abraço
Nadilce Beatriz Zanatta

Tiririca

Fazia anos que não via tevê. No fim do ano passado, estava na casa de uma amiga e vi o TIRIRICA. Perguntei a esta amiga:
- Quem é este aí?

- É o Tiriririca,disse ela...

Tiririca fazia palhaçadas num programa do SBT num domingo depois do almoço.

Ali me deu um palpite de um futuro brilhante pro homi. Eis ele aí agora virando notoriedade política. Vai passar de um milhão de votos. Pena que não posso votar nele!

Tiririca vira febre na internet e ultrapassa Dilma, Serra e Marina no Google

Izabela Vasconcelos

O candidato Tiririca (PR), que disputa uma vaga a deputado federal pelo estado de São Paulo, superou os presidenciáveis Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) no número de buscas do Google. A ferramenta Google Insigths mostra que o candidato ultrapassou os candidatos à presidência da República a partir de agosto, com pico de buscas entre 22 e 28/8, e ainda se mantém na frente. Em uma escala de 0 a 100, Tiririca aparece com 100 pontos, Dilma com 35, Marina 22 e Serra com 10, no ranking do buscador. Os dados se repetem na pesquisa nacional e mundial.

Redes sociais
Com o slogan “Vote Tiririca, pior que tá não fica!”, Francisco Everardo Oliveira Silva, ganhou espaço na web, principalmente após a publicação de seus vídeos no YouTube. "O que é que faz um deputado federal?". "Na realidade, eu não sei. Mas vote em mim que eu te conto”, dizia ele. Um de seus vídeos já ultrapassou 3 milhões de acessos e chegou a ser o mais visto da semana no YouTube.

O candidato também é assunto no Twitter. No dia 17/8, Tiririca ocupou um lugar no Trending Topics mundial. Além de perfis no canal de vídeos do Google e do microblog, o candidato também está no Orkut, Facebook e Flickr. O site de Tiririca chega a ter 6 mil visitas por dia.

De acordo com a assessoria de imprensa de Tiririca, a campanha do candidato é composta, em média, por 50 cabos eleitorais e 10 assessores, entre supervisores, coordenadores e assessoria.

Segundo o Ibope, Tiririca lidera as pesquisas de intenção de voto a deputado federal em São Paulo. Como as pesquisas a deputado não são registradas nos tribunais eleitorais, os percentuais não foram divulgados. No entanto, em entrevista ao jornal Extra, o presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro, disse que o candidato é o mais citado em São Paulo.

Críticas
A campanha do humorista foi contestada pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, que acusou o candidato de debochar da democracia. Tiririca também foi criticado pelos candidatos ao governo de São Paulo, Aloizio Mercandante (PT) e Paulo Skaf (PSB).

A Procuradoria Regional Eleitoral chegou a receber sete representações contra a campanha do humorista, por crime eleitoral no slogan “Vote Tiririca, pior que tá não fica!”, mas o Ministério Público Eleitoral declarou que o lema do candidato não pode ser considerado crime eleitoral.

Para a gerente de pesquisas do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social (IBPS), Andréa Sacco, o nome do candidato ultrapassa os presidenciáveis pelo caráter "nonsense" da campanha. "É uma paródia política. A campanha dele é a ridicularização da própria política, ele incorporou isso, e as pessoas se identificaram com essa "sacada" dele ou da campanha dele", explicou.


DA INTERNET


Para advinhar quem é
Tente advinhar o nome do personagem a quem pertence a biografia a seguir.
Vamos ver se você acerta.
? Teve pouco aproveitamento na escola, com rendimento considerado medíocre;
? Fazia trabalhos manuais;
? Viveu ocioso por dois anos;
? Foi declarado inapto para o seu ofício;
? Não tinha inclinação para o trabalho regular;
? Foi fundador de um partido;
? Foi preso por agitação e conspiração contra o governo;
? Ficou preso por pouco tempo;
? Depois de tentativas fracassadas de chegar ao poder, decidiu que o movimento precisava chegar ao poder por meios legais;
? Passou a receber doações de campanha de empresários (industriais), que colocaram o partido em base financeira sólida;
? Utilizou-se de demagogia, fazendo um apelo emocional à classe média e aos desempregados;
? Baseado na sua fé, discursou que seu país acordaria de seus sofrimentos e assumiria a sua grandeza;
? Orador magnetizante, usou fartamente do artifício da sedução em massa, com a habilidade de um ator;
? Recebeu grande apoio popular;
? Nessas condições, ele e seu partido chegaram ao poder com uma votação expressiva.
Ele é...
Então...
Já adivinhou?
Não?
Então, lá vai...
Ele é...
Adolf Hitler
Pensou que era o Lula, hein?
A única diferença é que Lula ficou ocioso 40 anos e não apenas dois.
SERGIO OLIVEIRA

Histórias de La Ùndeze

 

É sábado de noite de 18/09. Acabo de chegar da capela San Piero(São Pedro) onde fui comprar queijo colonial do Morandi e da Gema Trentin.

Depois fui tomar um copo de vinho na bodega à qual ia quando era criança com meus pais, então jovens. É claro que isto só pertence a mim,caro leitor, mas o que é a literatura senão a divisão de emoções que a gente teve na vida com os demais? É por isto que o Caio Fernando Abreu sempre dizia em nossas tertúlias que a literatura e a religião estão muito próximas. Hoje concordo com ele.

Mas como ia dizendo, acabo de chegar da capela São Pedro e lá tive meu papo sempre com o Telo Bazzo, um agricultor que sempre encontro quando vou no local e que é depositário da memória da localidade. Foi nele que me inspirei pra dar o título de meu livro Cosí la ze stata(foi assim) tempos atrás, que lançarei dia 30/11 na feira do livro de Porto Alegre.

O engraçado é que depois quando vínhamos voltando - agora são oito da noite de sábado - Telvo encontrou seu irmão Clorindo Miguel Bazzao, o lindo. Os dois irmãos não se falam, são vizinhos há 60 anos mas vivem às turras. Quando se falam é pra brigar.
Dei os parabéns ao Lindo, como meu pai o chamava, porque dia 29 agora, dia de São Miguel( olha a enchente aí )ele estará de aniversáqrio.
Tu é do 32, lhe disse.

- Não , sou do 31, me respondeu.

A verdade é que sempre que vou à capela são Pedro volto meio nostálgico. A capela São Pedro, palco da minha infância, é a minha "Arataca" - a cidade onde viveu Gabriel Garcia Marques -e inspiradora de seu Cem Anos de Solidão.

Ninguém se livra jamais de sua infância.
Como dizia Freud, o criador da psicanálise, à infância estamos sempre querendo voltar.

Pois é a capela São Pedro, nos remanescentes da memória da época que eu ia lá como criança, que sempre volto imaginariamente quando converso com o Telvo Bazzo, com o Lindo, que são os poucos amigos do meu pai que ainda sobrevivem. Os demais partiram para o lugar aquele de que ningém tem notícia onde seja.

Já estou quase ficando triste...Por isto vou encerrar por aí. Não há nada mais melancólico que a nostalgia.

Histórias de la Ùndeze!

 

Bigueta( Luisa Marin Cervieri)

dizia:

- No la vol mia niente com el( não quer nada com ele)

A Sociedade Estrela Guaporense domingou Serafina em todos os sentidos durante décadas do século passado. Os colonos entregavam todos seus produtos lá e no final do ano, o véio Fioravante Cervieri, uma espécie de dono,gerente e sei mais lá o que da Sociedade Estrela, chamava os colonos pra acertar as contas porque segundo ele o crédito sempre era dele...

Mas sua mulher, que os colonos chamavam de BIJETA( um derivativo de Luiza, Luizinha) era quem comandava as vendas na loja. Ela e a Sibila Peruzzo.

BIJETA estava sempre de coque, com um sapato com um salto de dois dedos( fazia barulho no chão quando caminhava ou quando subia para a parte superior da loja( que ainda existe, onde vive sua filha Rosa Maria, a BI) e andava para todos os lados da loja, conversando com os clientes, mas sempre de olho no lápis que colocava atrás da orelha pra fazer as contas dos metros de roupa que ela vendia para os agricultores ou outros clientes.

O atual conceituado médico de Serafina Roberto Arroque, o BETO andava querendo conquistar uma das três filhas da BIJETA( nenhuma das três casou e há quem diga que elas têm uma pensão herdada pelo fato do pai, Fioravante,ter sido durante anos o Juiz de Paz de Serafina ) .
Uma das moradoras da Capela Aparecida, que hoje casada vive na Capela São Pedro, lembra que o Beto Arroque se encostava no balcão e não saí de lá com a esperança de que a filha da BIJETA viesse vê-lo. Finalmente, quando casando, ia embora, a dona da loja comentava para as clientes ouviveram:

- El ghe piazze ma ela no la vol mia nhanta com ele( ele gosta dela, mas ela não quer nada com ele).

Di\ziam que Beto Arroque tinha uma namorada em Porto Aelgre, onde se formou médico, mas ele acabou desposando mesmo a Neiva Calza, de Serafina

Histórias de La Undeze


Um deles chegou pra namorar, o outro fora atropelado


Nene( Natalino) Morandi e Aidir Bazzo, um filho de Paulino Morandi, o outro de Telvo Bazzo, vizinhos na capela São Pedro namoravam duas irmãs na capela São pedro, filhas de um Vivian, que era caminhoneiro e motorista de õnibus.

Num sábado, os dois saíram a pé - nos anos 70 não se tinha carro tão facilmente como hoje em dia - e quando estavam quase perto de Serafina, a Rosa Maria Cervieri, a BI, voltando do Balenário Carreiro, acabou atropelando o Nene Morandi, que foi jogado para fora da rodovia.

Ainda bem que ela vinha devagar, senão dificilmente ele teria escapado deste acidente com vida.

O Aidir Bazzo foi na casa da namorada e o Nene Morandi foi socorrido e levado ao Hospital Paroquial.

- Eu estranhei porque o namorado da minha irmã chegou, mas o meu não,diz hoje a esposa de Nene Morandi.

Aí finalmente ficou sabendo que ele fora atropelado.

A desculpa que BI deu foi que o sol estava se pondo e batia no seu rosto, atrapalhando a visão.

Foi ela também que acabou involuntariamente atropelando a própria mãe na garagem de casa,anos depois.

Histórias de la Ùndeze!

 


José Benjamin de Costa, o Bepi, morador da Capela São Pedro era no que se diz hoje em dia um agricultor familiar, mas pouco ou quase nada o vi na roça trabalhando. Gostava de pegar la "scioppa"( espingarda) e ir caçar de tardezinha quando geralmente voltava com uma lebre nos lombos. Passava lá em casa para tomar " el mate" ( um mate) na companhia do meu pai, os dois sentados na " ária" ou no " cortivo"( sacada e pátio).

Eu sentava do lado ouvindo suas estórias.

Mas o Bepi era muito nervoso,também.

É um dos personagens do meu livro Cosi la ze stata....

O Valdir Giaretta,econômo do restaurante do Salão Pio VI me contou neste sábado que quando o Bepi estava doente( morreu de um câncer de próstata, ainda nos anos 90) era seu sobrinho, porque a Flora Boff, casada com o Bepi, era tia do Valdir.

Um dia de semana o Valdir veio de Montauri, de bicicleta( uns 15 km de Serafina) e sabedor que seu tio estava doente foi visitá-lo.
- Vai tio? perguntou-lhe quando o Bepi acordou da sesta..

- Vai si ma ghe tanta gente que vien coa e me fa levar su ( Vai sim, mas tem parente que vem aqui e me faz acordar )

Valdir iria ficar pra dormir( um costume que os parentes faziam muito quando se visitavam antigamente porque na falta de carro as distâncias eram grandes) mas diante da resposta de Bepi, ficou mais um pouco e depois picou a mula.

Voltou pro centro da cidade, fez o que ainda tinha que fazer e regressou de bicicleta naquela mesma noite para Montauri.

Histórias de la Ùndeze!

Pra ilustrar as matérias aqui da Serafina, umas fotos de quando a RS-129, ainda não tinha asfalto e uma imagem de Serafina de uns 30 anos atrás. Hoje, está tudo mudado, mas ainda algumas casas da av. Miguel Soccol estão conservadas.

 

De São Borja

 

Segundo o vereador Celso Lopes, PDT, 40% dos votos para deputados ainda estão no ar, ou seja, os eleitores estão indecisos!

É, pode ser!

Coleguinhas

O PIONEIRO que é um dos nossos melhores jornais do interior,seguramente, está fazendo uma coisa horrorosa a meu juízo nesta campanha. Um currículo dos candidatos que é muito pior que o CRACHA da zero horal dominical naquele caderno dinheiro.

Bah, mas de onde tiraram esta idéia pavorosa!!!

Na campanha de 2006, tinham feito uma coisa tão boa dos candidatos. Tanto que foi lendo o que tinham escrito sobre a Marisa Formolo, que eu acabei votando nela. Era um texto emocioante. Nesta campanha, no entanto, Tem uma coisa tipo autoavaliação....outra formação....ou é preguiça dos editores ou então é legislação eleitoral, porque me lembrou muito o tempo do Geisel, quando os candidatos apareciam na tevê dizendo eu fiz isto,aquilo.....

Pô Pioneiro, você pode mais!

O PIONEIRO!

 

Sei lá o que isto importa, mas também gosto de uma coluninha que o PIONEIRO faz que só ele faz e bem feito, com emoção. Aquele coluninha de O nascimento, com foto e tudo. Geralmente é escrito com carinho e emoção pelo repórter.Isto também é jornalismo.

CANDIDATOS


Se os candidatos à Presidência da República fossem QUALQUER COISA, pelo PT, JOSÉ SERRA, pelo PSDB/DEM, MARINA SILVA, pelo PV, os candidatos nanicos pelos partidos nanicos e DILMA, pelo PDT, caso não tivesse saído do mesmo, a disputa estaria se dando entre QUALQUER COISA e JOSÉ SERRA.
Conclusão: DILMA é QUALQUER COISA. Poderemos ter QUALQUER COISA como Presidente.
Nas eleições de 2006 as Pesquisas DATAFOLHA apresentavamm estes números, entre Lula e Alckmin:
21/08 e 22/08 : Lula 49%; Alckmin 25%.
29.08.2006 : Lula 50%; Alckmin 27%.
04/09 e 05/09 : Lula 51%; Alckmin 27%.
11/09 e 12/09 : Lula 50% ; Alckmin 28%.
18/09 e 19/09 : Lula 50%; Alckmin 29%.
Resultado do Primeiro Turno:
Lula: 46.662.365 votos = 48,61%
Alckmin: 39.968.369 = 41,64%
Ocorreu o Segundo Turno.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Conheça a história de luta de Ivar Pavan

Veja fotos de sua biografia no link www.ivarpavan.com.br/arquivodoc/pptivar.pdf

Ao longo de seus quatro mandatos como deputado estadual, Pavan mediou diálogos entre diferentes setores. Foi líder da Bancada do PT por sete anos e líder do governo Olívio Dutra por outros três. Indicado pela Bancada do partido, se tornou presidente da Assembleia Legislativa em 2009, na primeira vez que o PT assumiu o cargo em 22 anos de presença no Parlamento.
Este ano ele concorre a deputado federal, mas sua luta começou há muito tempo, em um pequeno município do Norte do Rio Grande do Sul, Aratiba. Lá, foi eleito presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais. Logo depois, ajudou a formar e liderou o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Contribuiu para formar e fortalecer sindicatos e cooperativas, como a Corlac, a Cresol e a Fetraf-Sul.
Militou em diversos movimentos sociais. Ajudou a criar vários deles, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Em 1990, Pavan foi eleito para seu primeiro mandato como deputado estadual. Sempre pautou sua atuação na construção de políticas públicas. Atuou na construção do SUS e trabalha por seu fortalecimento.
Lutou por crédito, seguro, aposentadoria e habitação para os trabalhadores rurais e para o reconhecimento da Agricultura Familiar como categoria. Agricultor, ainda mantém uma pequena propriedade em que cria porcos e produz leite em parceria com os irmãos.
Como coordenador do Movimento Pró-Universidade, contribuiu para levar ao Norte gaúcho sua primeira universidade federal, a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Trabalhou pela construção da UERGS e para ampliar o número de escolas técnicas: uma das 214 criadas pelo governo Lula está em Erechim.
Em seus mandatos, defendeu os interesses dos gaúchos contra a corrupção e acolheu o pedido de Impeachment contra a governadora Yeda Crusius.
Pavan coordena o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal. Atua para reativar o sistema ferroviário e foi o primeiro a assinar a Carta de Nonoai, a “certidão de nascimento” da Ferrosul. A empresa ligaria os estados do Sul e do Centro-Oeste e países do Mercosul.
A trajetória de Ivar Pavan tem sido dedicada a ajudar a escrever a história do Rio Grande com mais justiça social. Agora concorre a deputado federal, para participar na construção da história do Brasil. Um Brasil mais justo e igual, ao lado de Dilma presidente, Tarso governador e Paim e Abgail no Senado.

Para saber um pouco mais e acompanhar cada luta e cada conquista com imagens, basta um clique no site www.ivarpavan.com.br/arquivodoc/pptivar.pdf. Lá está disponível um arquivo com a trajetória de Ivar Pavan em fotolegenda para download.


Reta final
A campanha está chegando na sua última etapa. E esta semana temos boas notícias e alguns convites.

Datafolha: Rumo à vitória no primeiro turno
Entramos no fim de semana com a possibilidade cada vez mais forte de construirmos a vitória da Unidade Popular Pelo Rio Grande ainda no primeiro turno. A pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (17) mostra que Tarso Genro abriu 20 pontos de vantagem sobre o segundo colocado. O petista cresceu dois pontos, chegando a 44% de intenções de voto. Enquanto isso, os adversários caíram também dois pontos. José Fogaça agora tem 24% e Yeda Crusius caiu para 11%. Em votos válidos, Tarso chega a 54%, sendo eleito já em 3 de outubro.

Agenda de mobilização
Para consolidar essa vitória, precisamos continuar mobilizados. O feriadão vai ser de muita atividade. Fica o convite para que todos se juntem a essa onda vermelha e participem da vitória da cidadania no Rio Grande.

Sábado (18/09):
9h – Porto Alegre: Panfletagem na feira do largo Zumbi dos Palmares
10h30 – Erechim: Bandeiraço e arrastão, com Ivar e Tortelli
13h – Erechim: aniversário da gráfica Cartass, com Ivar e Tortelli
15h – Erechim: encontro com mulheres do bairro Presidente Vargas, com Ivar e Tortelli
15h – Porto Alegre: Panfletagem na Usina do Gasômetro
15h30 – Erechim: Arrastão nos bairros Atlântico, Redenção e Maria Clara, com Ivar e Tortelli
20h30 – Maximiliano de Almeida: Jantar com apoiadores, com Ivar
23h – Barão de Cotegipe: Baile no CTG
Domingo (19/09):
9h30 – Porto Alegre: Panfletagem no Brique da Redenção
10h – Porto Alegre: Panfletagem na Aberta dos Morros
10h30 – Erechim: Arrastão no Bairro Cerâmica
13h – Viamão: Almoço com apoiadores na ABCREI, com Ivar e Zilmar
14h30 – Porto Alegre: Panfletagem no bairro São José
16h – Bandeiraço na avenida Sete de Setembro
16h30 – Canoas: Caminhada no bairro Mathias Velho, com Ivar e Zilmar
17h – Canoas: Caminhada no bairro Rio Branco, com Ivar e Maria Eunice
21h – Porto Alegre: Desfile temático da Semana Farroupilha
22h – Viamão: Jantar com apoiadores, com Ivar e Zilmar
22h – Porto Alegre: Desfiles dos festejos Farroupilhas
Segunda-feira (20/09):
9h – Porto Alegre: Desfile Farroupilha
9h30 – Erebango, Ipiranga e Estação: Arrastão de mobilização
10h – Erechim: Arrastão nos bairros Triângulo e Santa Catarina, com Tortelli
12h – São Leopoldo: Plenária com lideranças e almoço, com Ivar
14h – Sapiranga: Plenária com almoço, com Ivar e Edegar Pretto
14h30 – Panfletagem na Usina do Gasômetro e na Redenção
16h – Porto Alegre: Lançamento da pedra fundamental da Arena Tricolor
17h – Alvorada: Reunião com lideranças do Porto Verde, com Ivar e Maria Eunice
19h – Sapucaia: Encontro com pastor, com Ivar
21h – Viamão: Plenária no distrito de Águas Claras, com Ivar, Zilmar e Edegar
22h – São Leopoldo: Jantar no Rasquinha, com Ivar

Grande comício com Lula, Dilma, Tarso, Paim e Abgail
Para alavancar a vitória no primeiro turno, Ivar Pavan estará com Lula, Dilma, Tarso, Paim e Abgail em um grande comício para os gaúchos em Porto Alegre na sexta-feira (24), em frente ao Mercado Público. A grande onda vermelha vai tomar conta do estado.

www.ivarpavan.com.br www.twitter.com/ivarpavan www.facebook.com/ivarpavan

Parte IV

 


Março de 64.....

40 anos


Por José Serra


" Um exemplo da falta de empenho de Jango em melhorar a sorte de seu próprio Governo foi a saída , em dezembro de 1963, do ministro da fazenda, Carvalho Pinto, e´-governador de São Paulo, político discreto e conservador, que inspirava confiança no empresariado.

Houve pretextos - principalmente a postulação de Brizola para ocupar o cargo de ministro da Fazendaq mas a razão objetiva dessa medida foi o prestígio do ministro, que já aparecia como presidenciável. Seu fraco substituto, Nei Galvão, foi o terceiro a assumir a Fazenda em menos de um ano.

Em janeiro de 1964 Jango regulamentou a Lei de Remessa de Lucros do capital estrangeiro, aprovada no Congresso em 1962, mas pendente dessa regulamentação. No mesmo mês , atendeu à nossa reivindicação de indicar um estudante , no caso o vice-presidente para Assuntos Educacionais da UNE, Duarte Pereira, para integrar o Conselho Federal de EDucação.


Grandes manifestações de massa organizadas em conjunto com a CGT foram programadas para março e abril , a começar pelo comício da Central do Brasil, no Rio, na noite do dia 13 de março.

No comício , que reuniu cer ca de 200 mil pessoas , Jango anunciou a encampação da única refinaria de petróleo privada existente e o decreto que permitia desapropriar , para fins de reforma agrária, terra às margensw das rodovias federais.

Durante a tarde, eu havia assistido a uma reunião em que o governo pediu opinião sobre a extensão das margens de estradas suscetíveis de desapropriação. Era uma questão nova, poucas horas antes de a medida ser anunciada. Perguntei qual seria a extensão total das áreas nas diferentes hipóteses. Não se sabia.

Como seria previsível, opinamos pela extensão maior.

Jango preocupava-se que eu repetisse no meu discurso o tom e o conteúdo considerados radicais de um comício anterior.na Cinelândia, no aniversário de morte de Getúlio. Mas minha ênfase foi outra: a denúncia das articulações golpistas da direita.

O comício aqueceu, de um lado, as expectativas de ascdensão do movimento de massas; de outro,acelerou a preparação, já em marcha, do golpe para derrubar Jango e assustou ainda mais as classes médias urbanas, temerosas de um regime comunista, de uma república sindicalista, ou seja lá o que fosse. Tão temerosas que, em São Paulo, uma semana depois, na Marcha da Família com DEus pela Liberdade , houve tanta gente quanto no comício da Central do Brasil.

Havia palavras de ordem que, para a multidão, soavam democráticas:

- Reformas sim, mas dentro da Constituiç~´ao. Se não, não!

Assim ecoou na Praça da Sé a voz cavernova do presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, aliás do PSD de Juscelino, partido que já estava desembarcando da nau governista ameaçada.

Desde Serafina:

 

1) Já começou a ronha em função das festividades dos 50 anos do município: muitos dizem que se foram 700 mil reais e que as bandeirinhas colocadas na rua o vento levou....mas sabe como é , Serafina é uma cidade pequena e encrenqueira.

2) Ainda a ronha: o prefeito Ademir Presotto( que é gente fina pra caramba, mas sabe como é agradar a todos,nem Jesus Cristo, se é que este camarada existiu algum dia mesmo, eu acho que é uma invenção dos padres pra tomar a grana dos trouxas ) deu 20 mil pra festa dos jipeiros e 20 mil pra festa de jet ski no Carreiro e " só dez mil" para os dois CTGs promoverem a semana farroupilha. Então na Câmara Municipal vai ter assunto nesta terça....

3)Ontem encontrei no Maruccus, o bar da fofoca aqui de Serafina, o meu primo Jacir Sgnaolin, que se queixou de uma historieta que coloquei sobre ele( um incêndio em Santa Catarina no qual esteve envolvido e que pelo qual ficou um ano e pouco na cadeia junto do seu irmão) no meu livro Cosi La ze stata....Ouvi ele, mas achei bacana: ele me disse que nem lera e que lhe havia ligado um amigo de São Paulo comentando o assunto. O Jacir acha que coisa ruim se divulga, as coisas boas que ele fez não....

4)A saída de Luis Carlos Fiorin , um radialista corajoso e lutador, foi uma grande perda pra comunidade de Serafina. Ele tinha um grande prestígio em toda a região e também na capital. Era um repórter corajoso, o que no interior não é fácil ter-se.
5)Um vereador daqui me lamentou a saída do Fiorin. Este vereador, que é um forasteiro, que veio de Santa Catarina pra cá, também acha que a saída do Fiorin foi uma perda principalmente para as classes mais humildes que recorriam a ele para reclamar.

6) O Gazetinha continua circulando aqui mesmo com a saída do Fiorin, que hoje está na loja Matrezan, de um concunhado.
7) O veterinário Mauro Rocha, que hoje é diretor da UPF em Sarandi, passou há muitos anos por aqui em Serafina. Hoje ninguém mais se lembra dele. É que ele não cultiva nada aqui, só vem aos enterros.
8) O movimento preservacionista de Serafina está pensando em colocar algumas casas feitas pelo arquiteto Maximiliano Cremonese na lista das de preservação da memória cultural, como a cantina dos Cervieiri que agora está tombada.

9)Me perguntaram muito por aqui nos dois dias que estive na cidade onde anda um baixinho, gordinho, cara de simpático, que apareceu no festival da Massa com uma tal de TV Zueira, depois sumiu. Nunca mais se o viu nestas paragens....

10) Bah,tchê, cultivam mais aqui as tais de tradições gaúchas, como bota e bombacha do que propriamente a cultura dos imigrantes italianos. Não é só aqui. Caxias do Sul é o mesmo por exemplo. Tem mais CTG em CAZIAS do que em São Borja,Alegrete etc...

11) Serafina não tem mais nada a ver com a cidadezinha dos anos 60 quando fui embora daqui. Hoje é uma cidade de forasteiros.

12) A procura por trabalho aqui é muito grande, mas também causa uma grande demanda de habitação, saúde e outros itens que sempre caem no poder público.

AGENDA TARSO GENRO 21 de setembro

21/09/10 - terça-feira
10h às 18h – Reservado para Gravação de Programa eleitoral de rádio e TV
19h – Plenária de Mobilização - POA
Local: Igreja Pompéia
End. Rua Barros Cassal, 220

FOTO: CACO ARGEMI

Tarso participou de reunião com movimento socias no Comitê da Unidade Popular.

 

Tarso e Olívio, gauderiando( ....na semana farrapa...)

FOTO: CACO ARGEMI

Tarso visitou o Acampamento Farroupilha

 

ARI marca assembleia geral para o final do mês


Diretoria executiva apresentará o relatório das atividades desenvolvidas em 2009
A Associação Riograndense de Imprensa (ARI) está convocando seus associados para a assembleia geral que será realizada no próximo dia 30, em sua sede na Avenida Borges de Medeiros, 915. Nela, será apreciado o Relatório de Atividades da Diretoria Executiva da ARI, relacionado ao exercício de 2009, realizada prestação de contas, acompanhada de parecer do Conselho Fiscal da ARI e apresentada a Proposta Orçamentária para o exercício de 2010.

A assembleia será às 17h 30min, em primeira convocação, ou às 18h, em segunda e última.

Segundo o presidente Ercy Pereira Torma declara no relatório, foram realizados ao longo do ano dezenas de eventos, “sempre tendo como ponto básico a relevância do papel exercido pela ARI no contexto das entidades e instituições em atividade no Rio Grande do Sul”. O envolvimento da entidade com os principais acontecimentos do Estado em 2009, “embora as dificuldades materiais, financeiras e humanas”, demonstraria “o interesse de seus dirigentes em ampliar o debate e a troca de experiências e de informações com todos os segmentos representativos da sociedade rio-grandense”.

O relatório completo está disponível no endereço www.ari.org.br.
Fonte: Coletiva.net

Tiririca

Olides

Tem neguinho em São Paulo, botando muita grana na campanha do Tiririca.
Eu não sei até onde querem chegar... A verdade é que o homem vai ser eleito.

Serio.

Sergio Ross

Esse senhor vai se tornar presidente desse país!!!Todo povo tem o governo que merece...


JORNALISTAS ERAM ESPIÕES DO EXÉRCITO DURANTE A DITADURA


De Buenos Aires
Gelson Farias

A divulgação de uma lista de militares e civis que contribuíram com o exército argentino durante a ditadura causou espanto na província de Tucumán, no noroeste do país. Entre os nomes estão dois jornalistas muito conhecidos aqui na argentina, Oswaldo ‘Cacho’, que ainda trabalha como chefe do setor de notícias do Canal 10 de televisão (de propriedade da Universidade Nacional de Tucumán e do Estado), e Roberto Alvarez, que depois de uma longa carreira no rádio e na TV trabalha atualmente para o Congresso Nacional, fazem parte de uma lista de 125 pessoas que participaram, em Tucumán, das atividades do chamado Batalhão 601 – o braço da inteligência do exército durante a ditadura (1976-83), afirmou o Clarín. Segundo o jornal, ambos atuavam como “agentes de coleta de informações”.
A Secretaria de Direitos Humanos de Tucumán pediu informações ao governo nacional sobre o grau de participação dos jornalistas e outras pessoas envolvidas nas atividades de inteligência de Tucumán. Segundo o Clarín, o reitor da Universidade Nacional de Tucumán afirmou, em um comunicado de imprensa, que instruiu seus representantes na direção do Canal 10 a “colocar à disposição da Justiça ou qualquer organismo oficial toda informação pertinente ao caso de García”. Mas organizações de direitos humanos pediram a suspensão da participação de García no canal até que a Justiça se posicione sobre o caso.
No país inteiro, quase cinco mil pessoas contribuíram com a poderosa estrutura repressora do Batalhão 601, como revelaram documentos desclassificados em janeiro por um decreto da presidente Cristina Fernández de Kirchner, e divulgados no mês seguinte pela imprensa argentina. A revelação sobre os colaboradores em Tucumán coincide com o julgamento de sete acusados pelo desaparecimento de 22 pessoas, entre elas o jornalista do Canal 10 Eduardo Ramos, desaparecido em 1976 em uma prisão clandestina, ao lado de sua esposa grávida.



Marcha com fotos de desaparecidos


“ É considerado desaparecimento forçado a privação da
Liberdade a uma ou mais pessoas, seja como for a sua
forma, cometida por agentes do Estado ou por pessoas
ou grupos de pessoas que atuem com a autorização, o
apóio ou a aquiescência do Estado, seguida da falta de
Informação ou da negativa a reconhecer dita privação
de liberdade ou de informar sobre o paradeiro da
pessoa, com o qual é impedido o exercício dos recursos
legais e das garantias processuais pertinentes”.

Comissão Nacional Para os Desaparecidos Políticos

Apesar de ter durado menos que a brasileira e a chilena, a ditadura militar na Argentina – que se estendeu de 1976 a 1983 - fez cerca de 30 mil vítimas, entre mortos e desaparecidos, segundo a Comissão Nacional para os Desaparecidos Políticos (Conadep) e entidades de direitos humanos. O país tinha 28 milhões de habitantes na época.

A Conadep foi criada logo que Raul Alfonsín assumiu, em 1983. Foi composta por personalidades de prestígio nacional e internacional, de diversos partidos e ideologias, escolhidas com base na luta pelos direitos humanos. O presidente eleito foi o escritor Ernesto Sabato. Em apenas um ano, a comissão colheu milhares de depoimentos em todo o país sobre o terrorismo de Estado, o plano de extermínio da esquerda e formas de perseguição e tortura. As informações reunidas foram entregue ao presidente Alfonsín em 20 de setembro de 1984. A comissão não determinou responsabilidades, mas se encarregou de documentar a cronologia dos fatos.

Com base nesses dados líderes militares foram levados aos tribunais e condenados em 1985 e muitos receberam pena de prisão perpétua. Temendo uma crise devido à reação da direita, Alfonsín recuou e assinou as leis Ponto Final e Obediência Devida, promulgadas em 1986 e 1987, respectivamente, anistiando oficiais de baixo escalão.

O governo Carlos Menem (1989-99) concedeu indulto a alguns líderes. Mais tarde, eles, retornariam à prisão por envolvimento com o seqüestro de crianças, filhos dos desaparecidos - crime que não é considerado político e, por isso, não estava previsto na anistia. O último presidente militar da Argentina, Reynaldo Bignone, assinou um decreto determinando a destruição de todos os documentos sobre o destino dos desaparecidos. Hoje, Bignone cumpre prisão domiciliar, acusado de participar dos seqüestros de bebês, filhos das desaparecidas políticas. Os documentos foram quase todos resgatados pela sociedade argentina.

Nestor Kirchner – político vindo de uma ala de esquerda da Juventude Peronista - assumiu a presidência em maio de 2003. Em seu discurso de posse, ele declarou querer as Forças Armadas "comprometidas com o futuro e não com o passado" e disse que governaria "sem rancores, mas com memória, inclusive sobre os nossos erros". Ele trocou os comandantes e integrantes da cúpula das Forças Armadas por homens de sua confiança, originários da Patagônia, como ele. Desde então, vem apoiando diversas iniciativas para trazer os militares de volta ao banco dos réus.

Em agosto de 2004, o Congresso anulou as leis da Obediência Devida e Ponto Final, sob o fundamento de que a repressão cometida pela ditadura não prescreve e nem pode ser anistiada. Após a anulação, vários processos judiciais foram reabertos. Em julho de 2003, a Justiça argentina pediu a prisão preventiva de 46 pessoas acusadas de tortura. A ordem foi o primeiro passo para oficializar um pedido de extradição, o que havia sido proibido pelo governo de Fernando de la Rúa. Kirchner declarou-se a favor da revogação desse decreto. Em março de 2004, uma resolução judicial abriu as portas para anular os polêmicos indultos aos ex-ditadores Jorge Rafael Videla, Emilio Massera e outros ex-comandantes da ditadura. Em uma sentença inédita, o juiz federal Rodolfo Canicoba Corral considerou inconstitucionais dois dos 10 decretos de indulto assinados em 1989 e 1990 por Menem.

.

Recebo e Publico

 

A poetisa Nadilce ameaça " trucidar"

a " mesquinhez" serafinense!


Nem me fala!!!!!
Vou pouco aí, e ainda me colocam em 'enredos'. Ano retrasado fiquei sabendo que falei mal da Cleci (atual esposa do meu pai), para uma tal de Palmira Pavan..Son ancoara ridendo. Mas fiquei muito chateada.Gente meio doente. I ga gnente de far..
Fiquei feliz que meu pai te emprestou as fotos, ele está um tanto esquecido. Mas nem parece que ele tem 83 anos, eu falo e riem de mim, mas o álcool conserva. Rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs.
Grande abraço.
Bom feriado.
Ainda foi fazer algo romanceado dessa cidade, algo bem cínico, sarcástico e irônico...Mas vou tocar na moleira de muita gente. E dopo vao in preson, ma felice.

Nadilce Beatriz Zanatta

Bomba – Onésimo denuncia Policarpo da VEJA em depoimento à Polícia Federal

Esta matéria é conversa das rodas de Brasília neste final de semana. Estourou como uma bomba. As mascáras estão caindo uma a uma e a coisa vai feder e muito.

Colaboração de Josi Negreiros



Notícia quente de fonte mais quente ainda. A coisa está prestes a feder para um jornalista da Veja.
Segundo a fonte, o delegado aposentado da Polícia Federal Onésimo de Souza, deu depoimento à Polícia Federal que desdiz a alegação que teria sido convidado a participar de um grupo de inteligência da campanha de Dilma Rousseff. Quando perguntado sobre afirmações anteriores respondeu que “ouviu errado”.
Segundo Onésimo, quem inventou toda a história de grupo de espionagem da campanha de Dilma foi o jornalista Policarpo Junior, da revista Veja. Onésimo acusa o jornalista ainda de estar de posse de documentos que foram roubados no comitê de Dilma, o tornando responsável no mínimo de receptação de produto de furto. Policarpo poderá ser processado segundo o agente da Polícia Federal que informou a nossa fonte.
Onésimo, que depois de aposentado se tornou da membro da equipe de espionagem chefiada pelo Marcelo Itagiba que José Serra montou no Ministério da Saúde, revelou que depois brigou com o grupo, porém ainda possui as gravações ilegais que fez a mando do grupo de espionagem montado por Serra. Segundo Onésimo, o grupo investigou a vida de todo mundo, desde adversários até aliados.
O depoimento de Onésimo à Polícia Federal corre em segredo de justiça, portanto não temos link para apontar para o depoimento, mas podemos afirmar que a fonte é quente e depois que vazar essa informação, a PF não vai mais conseguir segurar a informação.
Em breve, muito em breve, essa bomba vai estourar no colo do Serra e do jornalismo criminoso da revista Veja. O jantar entre Policarpo e Onésimo noticiado pelo Conversa Afiada na semana passada era um acerto de contas entre os dois. Policarpo está tremendo na base e querendo saber do teor do depoimento de Onésimo.
Se nós conseguirmos a cópia do documento nós publicamos aqui.


Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo.
Friedrich Nietzsche

HORARIO ELEIT0RAL

Uma pesquisa,feita aqui em Brasília,nos
últimos dias, constatou que,o horário eleitoral,só atrai 50% dos
eleitores. Sendo que a televisão,atrai 90%.
A candidata do PT,Dilma Rousseff, é a que
melhor usa o tempo da propaganda. O eleitorado fica de olho nela em mais de 50%.
Agnelo Queiroz, do PT é quem lidera a
pesquisa por aqui. Largou atrás,mas já superou o candidato Joaquim
Roriz que está com a ficha suja e luta
para poder concorrer e se eleger pela quarta vez governador do DF.
Nas fotos: Agnelo Queiroz e Joaquim Roriz.


Agnelo Queiroz e Lula


Joaquim Roriz

Sergio Ross

Criado o movimento em apoio ao Jornal JÁ de Porto Alegre


Um público de 50 pessoas composto por jornalistas e representantes de entidades sindicais e da sociedade civil se reuniu na manhã de sábado, 11 de setembro, em apoio ao Jornal JÁ de Porto Alegre, cuja saúde financeira está ameaçada por uma indenização de 100 mil reais cobrada judicialmente pela família Rigotto.

Na mesma sala da Associação Riograndense de Imprensa onde, em agosto de 1974, foi realizada a assembléia de fundação da CooJornal - iniciativa que entrou para a história do Jornalismo e que foi um modelo de organização em plena ditadura militar - foi fundado o Movimento Resistência JÁ, cujo objetivo é impedir a extinção do veículo comunitário de 25 anos.

"A situação que vive o JÁ atualmente guarda muitas semelhanças com a forma que terminou a CooJornal. No mínimo, conta também com o amplo silêncio da mídia", criticou o diretor da JÁ Editores e editor do JÁ, Elmar Bones. O Jornal JÁ foi condenado pela Justiça a pagar uma indenização de 100 mil reais à viúva Julieta Vargas Rigotto, mãe do ex-governador do Rio Grande do Sul e atual candidato ao Senado pelo PMDB, Germano Rigotto.

O motivo da ação é uma reportagem publicada em 2001 - vencedora do Prêmio ARI de Jornalismo daquele ano - que resgata documentos e aponta o envolvimento de Lindomar Rigotto, filho de Julieta e irmão do ex-governador gaúcho, em uma fraude que desviou cerca de 800 milhões de reais, em valores atualizados, da antiga CEEE.

"Germano Rigotto tenta se isentar dos problemas que nos causa essa ação. Mas a verdade é que sofremos um tremendo efeito político com essa condenação, pois é a família de um ex-governador que está processando um jornal. Não conseguimos anúncios, pois as grandes agências não querem se indispor", revelou Bones.

Sentenças contraditórias marcam o processo

Elmar Bones chamou atenção para o fato de que a própria Justiça havia considerado improcedentes as acusações pretendidas pela família Rigotto em um processo análogo. Julieta Vargas Rigotto ajuizou duas ações, uma penal contra o jornalista e outra, cível, contra a editora responsável pelo jornal.

Apesar de o conteúdo de ambas ser idêntico, Elmar Bones foi absolvido porque, segundo a juíza Isabel de Borba Lucas, "não se afastou da linha narrativa e teve por finalidade o interesse público, não agindo com intenção de ofender a honra do falecido Lindomar Vargas Rigotto". Entretanto, a editora foi condenada.

"Não acho justo pagar a indenização - ainda que na época tivéssemos dinheiro para isso. Mas trata-se de uma matéria correta, bem apurada e que teve como motivação o interesse público no assunto", protesta o diretor do JÁ. Em agosto, a Justiça determinou a presença de um interventor na redação do JÁ para garantir o repasse de uma verba mensal à viúva. E, mais recentemente, bloqueou as contas correntes dos dois sócios da editora - Elmar Bones e Kenny Braga.

Matéria apontou a maior fraude da história gaúcha

A matéria em questão parte do assassinato de Lindomar, em fevereiro de 1999, quando saía da boate Ibiza na praia de Atlântida, da qual era sócio, após contar a féria da última noite de Carnaval. Dois meses antes de ser assassinado, havia sido indiciado pela morte de uma garota de programa que caiu da janela de seu apartamento na rua Duque de Caxias, no Centro de Porto Alegre. O empresário da noite também estava com seus bens declarados indisponíveis pela Justiça por ser suspeito de desviar verbas públicas. Foi esse processo que o jornal JÁ resgatou na matéria, fruto de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembléia Legislativa e de uma investigação conduzida pelo Ministério Público.

Lindomar foi considerado o protagonista de um desvio de cerca de 800 milhões de reais da CEEE, através do direcionamento de uma licitação. Segundo o depoimento à CPI do secretário de Minas e Energia do governo Pedro Simom, do PMDB, Alcides Saldanha, o cargo que Lindomar ocupava na estatal de energia havia sido criado sob medida para ele, por pressão do então líder governista na Assembléia, Germano Rigotto.

O processo que derivou dessas investigações vai completar 15 anos em fevereiro, e está em segredo de Justiça, embora tenha sido gerado a partir de uma ação civil pública.

Movimento Resistência JÁ cria duas frentes de atuação

O movimento em apoio ao Jornal JÁ definiu duas frentes prioritárias de ação para os próximos dias. A primeira é ampliar ao máximo a divulgação dos fatos, e a segunda é buscar recursos emergenciais para garantir a circulação da próxima edição do jornal.

Aqueles que tiverem interesse em integrar-se ao grupo ou que desejarem receber informações sobre o caso podem escrever para comite.resistenciaja@gmail.com. Também é possível entrar em contato com a redação do Jornal JÁ a través do telefone 3330-7272.
Semana Acadêmica de Comunicação da UCPel terá palestra do Sindicato
A Universidade Católica de Pelotas está promovendo desde o dia 13 de setembro sua Semana Acadêmica de Comunicação Social, no Espaço Multiuso do Campus II, em Pelotas. Após extensa programação de atividades e oficinas, o encerramento ficará por conta do presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS e vice-presidente da Regional Sul da Federação Nacional dos Jornalistas, José Maria Rodrigues Nunes. O tema será 'Os desafios atuais do Jornalismo', com início às 20h30min. Mais informações em www.ucpel.tche.br.
Santa Cruz do Sul sedia seminário sobre Jornalismo e Literatura
A Universidade de Santa Cruz do Sul está com inscrições abertas para o 'Seminário Avançado Narrativas Midiáticas Contemporâneas', que vai discutir as relações entre a narrativa literária e o Jornalismo. O evento começa na manhã do dia 2 de outubro, ministrado pelos professores Fabiana Piccinin e Demétrio de Azeredo Soster. Podem participar alunos da instituição, que devem se inscrever na Secretaria de Pós-Graduação da Unisc, bloco 1 do campus de Santa Cruz do Sul. Mais informações pelo 51-3717-7322 ou pelo site www.unisc.br.
Prêmio Abrelpe recebe inscrições até 15 de outubro
A Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais promove a 15ª edição de seu Prêmio de Reportagem, desta vez com o tema 'Além da sustentabilidade: novas ideias para a gestão de resíduos'. As inscrições vão até 15 de outubro, e mais informações podem ser obtidas no www.premioabrelpe.org.br.
CCMQ oferece oficina de fotografia digital fundamental
De 2 a 30 de outubro, a Casa de Cultura Mario Quintana , em Porto Alegre, realiza uma ofiicina de fotografia digital fundamental, ministrada por Amauri Fausto de Leão Jr. As aulas teóricas e práticas são direcionado ao público com pouco ou nenhum conhecimento na fotografia digital. O investimento é de R$ 130, e as inscrições devem ser feitas na Sala de Programação, segundo andar da CCMQ, das 13h às 18h, com Maristela ou Lúcia.
Concurso no RJ tem 24 vagas para jornalistas
O concurso público da Loteria do Estado do Rio de Janeiro está oferecendo quatro vagas imediatas para jornalistas, e 20 outras em cadastro reserva. As inscrições vão até 5 de outubro, e o edital consta no site www.concursosfecuff.org.


Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul

Assessoria de Imprensa
Marcio de Almeida Bueno (Mtb 9669)

 

4ª Feira do Livro Infantil no Jardim Botânico


Organizadores esperam novo recorde na doação de livros


O Jardim Botânico de Porto Alegre vai sediar de 23 a 26 de setembro a 4ª Feira do Livro Infantil. O local destinado aos dezesseis estandes com livreiros e editoras, praça de degustação e espaço para exposições e eventos alternativos terá cerca de mil metros quadrados de área coberta. A opção por um dos mais completos parques do país, em meio à natureza, não foi ao acaso, já que o objetivo é reforçar o comprometimento das novas gerações com a educação ambiental e sustentabilidade. O complexo montado para a feira também prevê a instalação de palco para apresentações de teatro infantil e do Centro Cultural SESI (carreta biblioteca), que vai realizar ações de cunho pedagógico e cultural. A agenda ainda está em aberto, mas já confirmaram presença e lançamentos os autores: Carlos Urbim, Wilson Tubino e Paulo Roberto Ferrari (com a A Fazenda do Tchezito ), e Luiz Coronel- patrono desta edição (com A Eleição dos Animais).
O projeto audacioso conta com o apoio dos visitantes e é um verdadeiro mutirão de solidariedade cultural. A idéia é propiciar que pequenos leitores de creches, escolas e instituições comunitárias, em risco de vulnerabilidade social, dêem seus primeiros passos em direção a literatura. São esperadas mais de 10 mil crianças, inclusive do interior. Elas recebem gratuitamente livros, transporte e um lanche no decorrer da visitação. A expectativa é superar os eventos anteriores tanto em público como na arrecadação de obras literárias. Em 2009 a feira recebeu mais de 27 mil pessoas e a partir de obras doadas nas outras edições já foi possível dar inicio a formatação de 50 mini bibliotecas.


A programação inicia com abertura oficial na quinta-feira, dia 23, às 14horas com apresentação teatral e lançamento da obra A Eleição dos Animais, de Luiz Coronel. Também faz parte da programação: Passeata em prol do meio ambiente, plantio de mudas pelas crianças, lançamentos e sessão de autógrafos, recreação através do Projeto GENTE CONSCIENTE , aulas sobre sustentabilidade para aplicar em casa, espetáculo Concertos Comunitários Zaffari para Crianças e o concurso de redação - “A Natureza em Flor”.
O evento é uma iniciativa do Sindicato das Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional do RS/Secraso RS - responsável pelo relacionamento com escolas, propiciando o entrosamento das crianças às relações com a natureza e o universo da cultura- em parceria com a Fundação Zoobotânica - Jardim Botânico.
Tem financiamento pela Lei Federal de Incentivo a Cultura, patrocínio do Zaffari Bourbon, apoio cultural da FIERGS, apoio da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Corsan, Del Valle+Capo, Feinc e QI – Escolas e Faculdades. É aberto a todos os públicos.
Informações sobre visitação com Bianca ou Marcos nos fone: 32123133.
Não é obrigatório, mas sugerida a doação de um livro infantil que poderá ser levado de casa ou comprado no local.
Serviço
O que- 4ª Feira do Livro Infantil no Jardim Botânico
Quando- De 23 a 26 de setembro das 10h às 18horas
Onde-Jardim Botânico-Rua Dr. Salvador França,1427- Bairro Jardim Botânico-Porto Alegre

Informações para imprensa e agendamento de entrevistas com Ancila Ferreira
Prestigium Comunicação Integrada
Fones: (051) 2112.8966 e 9659.8222
ancila.ferreira@terra.com.br

Abaixo mais detalhes sobre o livro lançado na abertura

Política para futuros eleitores-A Eleição dos Animais-de Luiz Coronel -terá sessão de autógrafos na abertura da feira
Neste ano eleitoral as crianças também foram lembradas, mas com um lançamento literário. A Eleição dos Animais, do escritor e poeta Luiz Coronel, através da poesia e com linguagem apropriada dá uma divertida aula de política.
Segundo o autor trata-se de um be-a-bá da cidadania, através dos bichinhos ficará fácil aos mestres ensinar com graça e humor, que o macaco seja anarquista, que a cisne é aristocrata e que a águia nazista e assim por diante.
A obra é o segundo exemplar da Coleção Esquilo, da Tab Editora, o primeiro foi Ave Fauna. O lançamento oficial será na abertura da 4ª Feira do Livro Infantil no Jardim Botânico, que acontece às 15horas de quinta-feira dia 23, no Jardim Botânico em Porto Alegre. Durante os quatro dias da feira serão distribuídos gratuitamente mais de seis mil exemplares do livro.

PROGRAMAÇÃO

Dia 23 de setembro 2010 (Quinta-feira)
14 horas - ABERTURA
Local: Jardim Botânico de Porto Alegre
SOLENIDADE INAUGURAL
Saudação às autoridades e convidados
Convites para o palco
Execução dos hinos
Manifestações:Secraso, Prefeito,Fundação Zoobotânica e Patrono
Convite para descerramento da fita inaugural
Visitação
Atividade Educativa - Projeto Gente Consciente - Irá interpretar histórias de suas cartilhas. O Sequestro da água, Gigi e a Tartaruga. Também, jogos e brincadeiras feitas com lixo para dar uma ideia aos presentes da importância de reciclar.
15horas - Sessão de lançamento do livro A Eleição dos Animais, com autógrafos do autor Luiz Coronel, patrono da 4ª Feira do Livro Infantil no JB.
15 horas-Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
15H30min – Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
16 horas-Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta biblioteca
Hora do lanche
24.09.2010 (Sexta-feira)
10h – Abertura da visitação
10h - Atividade Educativa - Projeto Gente Consciente - irá interpretar histórias de suas cartilhas. O Sequestro da água, Gigi e a Tartaruga. Também, jogos e brincadeiras feitas com lixo para dar uma ideia aos presentes da importância de reciclar.
11h– Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
11h30min - Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
13h – Início da chegada das instituições convidadas (Cerca de 4 mil crianças)
Sessão de autógrafos do Patrono
Sessão de autógrafos: Carlos Urbim , Wilson Tubino e Paulo Roberto Ferrari
13h30min- Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
15 horas-Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
Hora do lanche
16 horas-Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca

25.09.2010 (sábado)
10h – Abertura da visitação
10h - Atividade Educativa - Projeto Gente Consciente - irá interpretar histórias de suas cartilhas. O Sequestro da água, Gigi e a Tartaruga. Também, jogos e brincadeiras feitas com lixo para dar uma ideia aos presentes da importância de reciclar.
11h– Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
11h30min - Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
12h - Sessão de autógrafos do Patrono
Sessão de autógrafos: Carlos Urbim , Wilson Tubino e Paulo Roberto Ferrari
13h30min- Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
14h30min -Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
15h -Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
16h - Concertos Comunitários Zaffari

26.09.2010 (domingo)
10h – Abertura da visitação
10h - Atividade Educativa - Projeto Gente Consciente - irá interpretar histórias de suas cartilhas. O Sequestro da água, Gigi e a Tartaruga. Também, jogos e brincadeiras feitas com lixo para dar uma ideia aos presentes da importância de reciclar.
11h– Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
11h30min - Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
12h - Sessão de autógrafos do Patrono
Sessão de autógrafos: Carlos Urbim , Wilson Tubino e Paulo Roberto Ferrari
14h- Espetáculo Teatral “Santos Dumond está Vivo”
15 horas-Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
16 horas-Hora do Conto no Centro Cultural SESI- Carreta Biblioteca
18h - Encerramento da 4ª Feira do Livro Infantil no JB

* Recreação com o Palhaço Sol de Praia e pernas de pau durante todo o período da Feira

De São Borja!


Clique na imagem para ler


Reportagem publicada no Jornal Folha de São Borja do último dia 15 de setembro do corrente.
Abraço Amigo!
Sucesso!

Letier Vivian

Respingos do Planalto


A solenidade do lançamento do livro dos porta-vozes( já 17 vivos, mas nem todos foram ao encontro com o presidente Lula semana passada) ainda tem uns respingos:

a) Lula passou boa parte do tempo fazendo um sinal que alguns dos presentes não entenderam bem o que era para seu assessor Marco Aurélio Garcia

b) Depois que acabou a solenidade em si, o presidente foi para o meio do povo, tirar fotos. É a tal da popularidade...

c) Etevaldo Dias, que foi porta-voz do presidente,aquele que tinha aquilo roxo, esteve presente, mas de bengala.

d) Na já famosa mesa do Stella Grill, antes da solenidade,Carlos Chagas levou duas horas tentando convencer Claudio Humberto a ir ao evento. O Bateu Levou não queria ir porque achou que o Itamaraty o sacaneou no convite

e) Claudio Humberto acabou indo ao encontro. Na hora de decidir como ir, o filho do atual colunista se ofereceu pra levar no seu carro porque está todo adesivado com propaganda do candidato do PT a governador de Brasília

f) A idéia de lançar este livro sobre os porta-vozes foi do André Singer. Franklin Martins apoiou. Agora querem fazer outros com os RPs do Palácio do Planalto.

g) O livro está custando 150 pratas

h) Carlos Machado Fehlberg, no seu depoimento contou que o jornalsita Abdias Silva, gaúcho, tivera a credencial cassada no Palácio do Planalto, porque era amigo de Leonel Brizola. E,então, Fehlberg conseguiu liberá-la
i) Alexandre Garcia foi ao evento acompanhado da filha que irá começar na TV Globo.Não se sabe se falou com seu desafeto Said Farah...
j) Humberto Barreto, que foi porta-voz de Ernesto Geisel, não foi ao encontro. Mora no Rio de Janeiro.

Reportagens do Jornal "O Regional"


Clique na imagem para ler


Clique na imagem para ler

Abraço!

Letier

De São Borja!


Curiosidade:

São Borja, que diz ter quatro presidentes( Ibsen Pinheiro, Jango e Getúlio,além de um argentino) agora tem dois candidatos a governador: Tarso Genro, líder nas pesquisas e um barulhento, mas mal nas pesquisas, Júlio Flores, do PSTU!

 

DESTA VIAJADA, OU SE VOLTA COM HONRA OU NÃO SE VOLTA MAIS

Carlos Chagas


Nem só de Erenices vive a política. Aproxima-se o mês de outubro e também não vamos tratar de eleição, como não trataremos de corrupção. Vale olhar no espelho retrovisor e verificar que oitenta anos atrás eclodia aquilo que mais de perto pode ser chamado de uma revolução, ainda que propriamente não fosse. Porque uma revolução, pelo vernáculo, deve corresponder a alterações profundas nas práticas políticas, econômicas e sociais de um país. O tripé ficou capenga, sustentado apenas por ampla reforma social. Na política e na economia, nenhuma mudança.
Deflagrado dia 3 de outubro de 1930 em Porto Alegre, Belo Horizonte e Paraíba, então capital do estado com o mesmo nome, logo o movimento tomou conta do país, atingindo o Rio, Recife e outras capitais. No dia 29 tomou posse como presidente provisório da República o chefe civil, Getúlio Vargas, então presidente do Rio Grande do Sul. Começou aí a primeira contradição com o termo revolução, pois o caudilho era político por excelência. Havia sido ministro da Fazenda do presidente que derrubara, Washington Luís. Trouxe com ele políticos aos montes, a começar pelo ex-presidente Artur Bernardes, outro expoente da República Velha.
Não houve, assim, grandes alterações na política, ainda que coubesse o exemplo do golpe da vassoura: simplesmente, inverteram-se seus pólos. Os que estavam por baixo subiram, os que se encontravam por cima desceram.
Importa misturar doutrinas e pessoas, sendo que estas fazem mais História do que aquelas. Na capital gaúcha, ao embarcar no trem que acabaria chegando ao Rio, Getúlio apropriou-se de uma frase dita pouco antes por Flores da Cunha: “desta viajada, ou se volta com honra ou não se volta mais”. Estava ali a confirmação hoje consagrada na psicologia, de que um suicida dá sinais do gesto futuro muito antes que aconteça. A disposição do comandante improvisado de uma revolução que Luis Carlos Prestes não quis liderar era de vencer ou morrer. Naquele dia, ignorava-se o grau de resistência do governo Washington Luís, esperando-se a grande batalha que acabou não havendo, na fronteira do Paraná com São Paulo. Afinal, o presidente em seguida deposto fazia política em São Paulo e acabava de eleger o sucessor, Julio Prestes, outro paulista. Precisamente contra Getúlio Vargas, porque naqueles tempos de eleições fraudadas, nenhum candidato de oposição venceu. Até Rui Barbosa havia sido derrotado, anos antes.
O trem foi subindo sem lutas, aclamados os revolucionários com churrascos, flores e cerimônias cívicas. Aderir já fazia parte do sentimento nacional, diante de espingardas e canhões. Seria em Itararé o grande embate, com as tropas federais sediadas em São Paulo, mais a Força Pública paulista, entrincheiradas naquela cidadezinha paranaense. Ia correr muito sangue.
Foi quando, no Rio, ainda dentro do sentimento apaziguador do povo brasileiro, chefes militares resolvem evitar o confronto. Prendem o presidente Washington Luís, disposto a resistir até de revolver na mão e passam um telegrama para a frente de batalha, exortando os paulistas a não resistir e os gaúchos a retornar aos pampas. Haviam criado uma Junta Militar e esperavam pacificar o país permanecendo indefinidamente no governo. Os soldados que defendiam São Paulo ou voltaram à capital ou aderiram à revolução. Os gaúchos mandaram Osvaldo Aranha, num teco-teco, à capital da República, para dizer aos generais e um almirante que parassem de brincar com coisa séria. Deu-lhes prazo até que Getúlio chegasse para transmitir-lhe o poder. Os membros da Junta devem ter olhado pela janela, verificando que o povo estava eufórico nas ruas, não por eles, mas pela revolução. Também contaram quantos corpos de tropa lhes eram fiéis e cederam em cinco minutos. Os gaúchos que viessem para assumir o poder.
Se a viagem do trem já era uma festa, maior ficou quando a locomotiva entrou em solo paulista. Na capital do estado, um fenômeno singular: sem poder reagir, os quatrocentões ficaram em casa, partidários que eram de Washington Luís. Mas o povão, a começar pelos operários, lotou praças e avenidas gritando “queremos Getúlio, queremos Getulio!” Lembravam-se de que na recente campanha eleitoral o candidato derrotado anunciara as primeiras medidas sociais, se fosse eleito. Salário mínimo, jornada de oito horas diárias, férias remuneradas, estabilidade no emprego e outras que, justiça se faça, o novo presidente cumpriu ao longo dos anos em que ficou no governo.
No Rio, jornais que apoiavam a República Velha foram “empastelados”, expressão em uso para significar a destruição das redações com incêndios e muita pancadaria. Até o “Jornal do Brasil” ficaria fechado por alguns meses, resistindo até setembro passado, quando um pastelão resolveu suprimi-lo.
Alguns gaúchos arrogantes haviam prometido amarrar seus cavalos no obelisco da avenida Rio Branco, forma de humilhar o governo deposto e a capital federal, sem recordar que os cariocas apoiavam a revolução. Fizeram isso à noite, mas, pela manhã, os cavalos haviam sido roubados e, no lugar deles, estavam amarrados alguns soldados gaúchos. Vingaram-se, os cariocas.
Getúlio tomou posse dia 29, trajando farda de soldado. No palácio do Catete, senhoras em vestidos de luxo, políticos de terno e gravata e o povo em euforia. Assumia o presidente provisório, tornado presidente constitucional em 1934 e ditador em 1937. Foi deposto em outubro de 1945, para voltar eleito em 1951 e cumprir o vaticínio exposto na estação de trem, ao sair de Porto Alegre. Para não perder a honra diante da tentativa de sua deposição, matou-se com um tiro no peito.

Corneteando eles

 

O site do Prévidi já foi melhor: está ficando muito ANA MARIA BRAGA, só lhe falta o Loro.....

Histórias de La Ùndeze!

 

Os bailes de carnaval


Embora os padres não gostassem muito, havia sim carnaval em La Ùndeze, ou Serafina. O Clube Gaúcho os promovia. O taxista Nadir Zanatta que tem hoje mais de 80 anos e que ainda sobrevive na cidade,- a maioria dos seus contemporrâneos estão naquela colina que fica atrás da Perdigão( o cemitério municipal)- conta que seus companheiros eram o Sextílio Assoni(falecido, pai do decorador Valmor)Alfieiri Boni( pai da minha colega do ginásio " Luli",entre outros. O Gaúcho ficava localizado num prédio de dois andares na frente da Praça Pio XII, bem no centro da cidade, que naqueles anos 50 do século passado, não passava de uma rua central e umas poucas laterais.

Como Serafina gosta de uma tragediazinha, me parece que foi numa destes bailes que uma Aschidamini teria visto seu noivo dançando com uma outra quando chegou e por este motivo( hoje em dia uma grande bobagem) ela foi para casa e tomou veneno.

Este é um tema muito recorrente, o dos suícidos, na Undeze.

Mas não era disto que queria falar neste tópico.

Particularmente nunca participei de nenhum baile de carnaval. Na quarta-feira de cinzas o que fazia era ir a missa para que o padre nos colocasse um pouco de cinzas na cabeça e dissesse solene, cheio de presenção como se fosse o dono da verdade:´do pó vieste e ao pó voltarás....!!!!!

Sim e daí, pergunto eu hoje?

Coleguinhas

Esta foto é uma das que constam do livro lançado dias atrás sobre os porta-vozes do Palácio do Planalto.
O Sérginho, que é aquele pitoco que aparece aí em 1974, está todo orgulhoso que ele aparece no livro:

- Tu viu, tu não acredita em mim, não acreditava quando eu disse que joguei no Grêmio, me desafiou.

A história desta foto é a seguinte: O presidente Ernesto Geisel assumira o Governo, promovendo a abertura lenta,gradual e segura,mas não queria tirar aquela foto oficial, que vai para toda repartição.

E quem sempre fazia a foto oficial do presidente era a revista Manchete.

Até que um dia Sergio Ross, chefe da sucursal da Manchete em Brasília, foi chamado por Heitor Ferreira, porta-voz de Geisel:
- Amanhã o homem vai fotografar.
O amanhã era uma sexta.

Serginho ligou pro Rio e mandou o Jaquito, que comandava a fotografia da Manchete, se mandar com a equipe para Brasilia( em tempo: a Manchete não fazia tudo isto de boazinha,não, ela queria bajular o governo militar e fazer umas 6 páginas depois na edição seguinte....)

Na sexta foram todos de tarde pra Biblioteca do Palácio da Alvorada,mas Serginho recebeu uma advertência do Humberto Barreto.

- Anda logo com esta porra, porque eu conheço o alemão e ele não fica mais que 15 minutos sentado naquele banquinho!

E aí quando o Serginho aprontava o Jaquito e Cia pra serem rápidos,aconteceu o que ele menos esperava. Se apresentou ao presidente, que quis saber:
- De onde você é?

- Sou de Bento, presidente

O Alemão, que era gélido como um aço, se derreteu.

- Tu é filho de quem lá( isto é bem de gaúcho,né)

- Sou filho do Miguel Ross.

Geisel levantou-se do estradinho onde o haviam colocado e foi ao encontro do baixinho. Deu-lhe um forte abraço.

De 15 minutos que ele tinha, ficaram duas horas fazendo as fotos de todos os modos que os fotógrafos pediram. Botaram isto, botaram aquilo no rosto do Geisel pra ele ficar melhor...

Esta foto foi parar no livro da história dos porta-vozes...

O Serginho vai ficar puto comigo porque eu contei esta história. Que fique. Eu não choco notícia!

O que fazer no findi!

Bom, com feriadão de 20 de setembro, a capital de todos os gaúchos deve sofrer um leve esvaziamento.Praias,serra deve ser o destino mais procurado.

Hoje sexta,dia 17/09, Dante Ramon Ledesma estará se apresentando em Torres, apenas 10 pilas...


Em Porto, pra quem fica, há o festival de cinema do Chile que está demais. Nas sessões que fui, achei uma pena. Belos filmes , de graça, e meia dúzia de gatos pingados...


Mas Porto bomba com o Porto Alegre Em Cena. Tem peças por tudo quanto é canto da cidade.

De minha parte, estarei em La Undeze, ou Serafina.
Como sempre faço quando vou pra lá, caminharei muito ...

E o Fiorin me prometeu um churrasco na sua nova morada de Paraí(RS). Agora, que ele virou executivo.Largou profissão de pobre, que era ser radialista....

Bares que foram
lenda em Porto Alegre

acervo do Beto Canarinho

DUDA (já falecido) foi garção do Odeon!

O Odeon

" Negão, não é por aí...."


Conta o sempre inspirado colunista da cidade - Flávio Alcaraz Gomes diz que ele é dono do melhor texto da capital, eu não iria a tanto - Wanderley Soares ( hoje nas páginas de O SUL ) que um dia aconteceu a seguinte cena dentro do Odeon (Andrade Neves,81): o garção DUDA( José Castilhos Bayoné), de Livramento, como o dono, Constantino, o Tino, estava atarefado atendendo clientes que lhe pediam chopp.

Beto Canarinho, sempre atento, tirava o chopp( Hoje não é mais assim, porque o próprio Beto serve o chopp, mas não o chame de garção, que ele se molesta....prefere que digam que é gerente da casa) enquanto o negão DUDA atendia os fregueses.

Pues, como conta o Wanderley, entrou um cego e começou a pedinchar nas mesas. O DUDA até que deixou o cego pedir suas esmolas durante um tempinho, mas depois foi encaminhando o pedinte até a soleira da porta.

Quando os dois chegaram na porta, diz o Wanderley, que jura de mãos juntas que ouviu a frase, o ceguinho foi se encaminhando pra saída, não sem antes ter cuidado pra não tropeçar na saída porque tem um declive, e virando-se pro DUDA disse:
- Não é por aí, não, negão!

Ou seja, ele enxergava, pelo menos a cor do garção.


Comentário

 

Ganhei,ou melhor, os leitores ganharam a inteligência e o poder de síntese do Remindo, O ISENTO, mas em compensação um colaborador que torrou o saco com ele, não manda mais, ou manda de vez em quando....


Ué, o brilhantismo do Remindo está assustando: isto me lembra quando a Jacki Kennedy não quis vir ao Brasil para não ser ofuscada pela beleza da Maria Thereza....Cruiz credo...!!!!

Bares que fizeram lenda:

 

VAN GOGH


OS BEBUNS em geral falam com orgulho do Van Gogh que é também conhecido por um bar onde o Paulo Santana, quando saía, frequentava. " Ele ficava naquela parte dos fundos e muito cantou lá" me disse dia destes um assíduo frequentador do Van...

Outra celebridade(quando ia lá não era) e que não tem mais sido vista no Van Gogh é a escritoria e publicitária Letícia Wierzchowski. " Ela ia senpre no Van Gogh na sextas-feira. Sentava sempre na mesma mesa" diz este frequentador.

Letícia, no entanto, depois que ficou célebre não tem sido mais vista no Van Gogh e isto os frequentadores tradicionais do local também lamentam.

O Van Gogh é também conhecido como o bar dos músicos da OSPA. Alguns dizem os frequentadores mais tradicionais, chegam até a tocar algum instrumento no bar.


O Van Gogh fica na Rua da República, 14, na Cidade Baixa. Abre diariamente das 17 até o cantar dos primeiros passarinhos na madrugada.

Durante a madrugada, que é quando o bar fica mais cheio, o estacionamento é fácil. Não aceita cartões de crédito.
Tem ar-condicionado. É um local simples, que funciona há quase quarenta anos, localizado em frente ao Parque da Redenção. Recebe boêmios e demais retardatários para uma sopa reconfortante ou para tomar aquele penúltimo choppe no fim da madrugada.

20 de setembro,
feriado gaúcho...


Desde 1995, que os gaúchos podem dormir até mais tarde no dia 20 de setembro. Foi o Governador Antônio Britto Filho(PMDB) que tornou esta data, como data magna do Estado e portanto feriado.

O decreto do então governador leva o número 36.180 e foi publicado em 18 de setembro de 1995.

Foi a Constituição estadual de 1989 que tornou o 20 de setembro data magna gaúcha.

Feriado no 20 de setembro!

 

Foram os CTGS( centro de tradições gaúchas ) que como representantes da sociedade civil propuseram na constituinte estadual de 1989 que o 20 de setembro, data da Revoulção Ferroupilha, fosse feriado em todo o território gaúcho. A chamada " região tradicionista" formada pelos CTGs Tiaraju, Aldeia dos Anjos, CTG 35, Chilena de Prata, Gildo de Freitas,Campeiros do Sul, Mensagem do Pago, Coxilha Aberta, Carreta Velha, Chaleira Preta, Rancho da Saudade propuseram que fosse feriado o dia da Revolução Farroupilha que levou a proposta, finalmente aprovada.

DE São Borja


*Na FSB de sábado passado, o Clemar Dias, aquele que odeia quem inventou o trabalho, cita meu blog. Quanta honra, ser lembrado pelo poeta da Terra dos Presidentes.

*Me lançaram um desafio: dizem que tem dois candidatos a governador que são são-borjenses? quem serão meu Deus? Um é o Tarso,isto eu sei, quem será o outro. Vou ver com o deputado Cassiá Carpes,depois conto.


*Ainda não perdi as esperanças de que o Clemar escreva,finalmente, a tal crônica sobre a beleza da mulher são-borjense.Ele alega que não quer alertar os gansos. Eu acho que é preguiça mesmo...


*Se Juliana Brizola,neta de Brizola, que é vereadora de Porto Alegre, fizer 150 mil votos como acham os dirigentes do pDT estadual( não publicamente é claro) ela puxará outros candidatos pelo tal do coeficiente eleitoral.Há quem ache que assim Cristhopher Goulart tem chances...


*Apareceram nos últimos dias decalcos do Cristhopher nas paradas de ônibus da av. Salgado Filho, em Porto Alegre.

*Clemar Dias, na FSB, lembra que esqueceu de nomear outros canditados a deputados pela cidade: Giovane Contreira e Nadine Dubal( esta última, eu acho que tem chance, não só pela sua beleza, mas também por ser puxada pelo marido, deputado Nelson Marchezan Junior). Um expert da política gaúcha vê chances em Junior se eleger.

*Jeovane Weber Contreira, do PPS, alega no seu santinho que " são-borjense vota em são-borjense".
Ele vai a federal...

*"Camundongo"( ele odeia o apelido, que seus próprios funcionários o usam) ou seja, o vereador pedetista Celso Lopes, finalmente, neste 20 de setembro, vai entrar na campanha da vereadora Juliana Brizola.

Prognósticos eleitorais:

 

PDT deve fazer dois federais!

Na eleição passada, 2006, o PDT do RS,já sem Leonel Brizola, elegeu três deputados federais:
a saber: Pompeo de Mattos( atual candidato a vice na chapa de Fogaça fez 106.963 votos) depois dele veio Vieira da Cunha, o Vieirinha que fez 100.057 e o terceiro foi Enio Bacci( secretário da segurança da governadora Yeda no começo do seu governo) que fez 61.524 votos.

Pra refrescar a memória:

1) na eleição de 2006, 11 candidatos da coligação PT/PCdoB, fizeram além de 60 mil votos. Elegeram-se oito deputados federais, puxados pela deputada Manuela D'Avila que foi um canhão: 271.939 votos.

2) Seis candidatos do PMDB fizeram além de 70 mil votos e se elegeram apenas cinco

3) 6 candidatos da coligação PL/PPS/PSDB/PFL tiveram mais de cinquenta mil votos e elegeram cinco deputados federias,sendo o puxador de votos Júlio Redecker, com 157 mil votos, falecido no acidente da TAM, dois anos atrás.

4) 5 candidados do PP fizeram além de 65 mil votos e elegeram cinco puxados por Luis Carlos Heinze que fez 205 mil votos seguido de José Otávio Germano que fez 195 mil votos.

 

 

Alça de Mira!

 

O santinho do Affonso Motta, de ontem, 16.09 na ZH saiu sem o CNPJ. Pode?


Políbio Braga em sua coluna do O SUL diz que Rigotto(PMDB) está sendo atacado por fogo amigo. Ué, este fogo viria através de um jornalista que alimenta a notícia do já famoso caso jornal JÁ. A mando de quem? de um senador do PMDB que no passado fumava muito cachimbo? são perguntas que faço...


Walney Fehlberg, ex-superintendente de marketing do Banrisul, foi demitido,depois de 34 anos de banco, do Banrisul. E por justa causa. A corda arrebenta onde mesmo? como diz o ditado....

Agenda Tarso Genro

 

17/09/10 - sexta-feira
PORTO ALEGRE
10h ás 11h – Reservado para Gravação de Programa eleitoral de rádio e TV
11h40 – Entrevista ao Jornal do Almoço ao jornalista Lasier Martins.

CAXIAS DO SUL
17h – Caminhada - Caxias do Sul
Saída: Largo São Pelegrino. Chegada: Pça Central.

BENTO GONÇALVES
19h – Abertura Congresso Nacional dos Aposentados – Bento Gonçalves
Local: Hotel Dall"Onder - Grande Hotel –
End. Rua Erny Hugo Dreher, 197 - Bairro Planalto

20h30 – Jantar com setor Vitivinícola - Bento Gonçalves
Local: Sede da Tecnovin do Brasil
BR 116 - Km6 - Linha Leopoldina


Coleguinhas

Cristina X Glei,
entre
tapas e beijos.

Cheguei agora há pouco - são 18 hs da quinta-feira, do Diversidades da Ulbra TV. A apresentadora, Cristina Mazzei estava de aniversário no dia 15.09 e ontem ganhou até uma torta. Seu marido e co-apresentador do programa, o Glei Soares, entregou a Cristina, dizendo que ela fez quarentinha. Eu até achei que ela tivesse mais. O Glei faz anos hoje, e serão 48 anos.

Os dois as vezes se xingam no ar. Não chegam a tanto, mas disputam espaço palmo a palmo. Ontem a Cristina estava p...da cara que o Glei começou a perguntar e não parava....Tudo sob o olhar atento do Santana, o terceiro participante do programa.

Vou lá as quintas de tardezinha e dou uma leve pitada em algum comentário sobre livros, eventos e jornalistas em geral.

Mas tenho tido o retorno: alguem sempre comenta: ah, te vi na tevê. Não são tantos assim, mas pra começo de conversa até que não está mal...

FALTA UM CONSELHEIRO NO PLANALTO



Por Carlos Chagas


Fecha-se o círculo em torno de Erenice Guerra. A aposta é sobre quanto tempo vai agüentar na chefia da Casa Civil. Breve seu desgaste será maior do que o suportado por José Dirceu. Justiça se faça ao ex-todo-poderoso antecessor, em meio às trapalhadas do mensalão ele jamais envolveu sua família.
Registra-se estar sendo a imprensa implacável com Erenice, mas imaginar as denúncias dos jornalões como manobra eleitoral beira as raias da insanidade. Não houvessem os fatos, não haveriam as notícias.
Quem mais se prejudica é o presidente Lula. Cada dia que passa com a ministra despachando no andar de cima fornece material para enfraquecer a biografia do chefe do governo, por enquanto sem afetar-lhe a popularidade, mas alimentando dúvidas para o historiador do futuro. De complacente ele poderá ser tido como leniente.
Falta alguém no palácio do Planalto com coragem suficiente para aconselhar o Lula a livrar-se de Erenice, já que ela não toma a iniciativa de pedir as contas. Quem sabe Dilma Rousseff exerceria esse papel?

MEGALOMANIA
Até a megalomania tem limites. Quem não tem é o sociólogo, que acaba de produzir mais uma evidência de estar o seu ego na estratosfera. Declarou que o presidente Lula não engoliu até hoje haver perdido duas vezes para ele a eleição presidencial. E acrescentou: “acho que ele quer me derrotar, mas não sou candidato”.
Além de haver comparado o Lula a Mussolini e de se ter oferecido a José Serra, que solenemente o ignora, Fernando Henrique Cardoso demonstra como não se deve comportar um ex-presidente da República. Dá palpite em tudo. Imagina-se no centro do mundo. Melhor faria recolher-se, quem sabe apelando à população para esquecer tudo o que vem falando.


PIOR QUE O ATUAL, SÓ O PRÓXIMO
Dizia o dr. Ulysses Guimarães: “pior do que o atual Congresso, só o próximo”. Já o também saudoso Gustavo Capanema sustentava ser o Congresso o retrato da nação, nem melhor nem pior. Para o Tiririca, “pior não fica”.
Na iminência de vermos o singular palhaço como o deputado federal mais votado em São Paulo, a pergunta vai para o novo perfil da Câmara e do Senado. Importa menos se de saída a maioria dos futuros parlamentares entoará loas a Dilma Rousseff. Do que precisarão cuidar é da instituição. Oportunidade ímpar abre-se para a próxima Legislatura caso, em seus primeiros meses, deputados e senadores cuidem de realizar a reforma política. Mesmo contra seus interesses. Uma Grande Comissão poderia encarregar-se de reunir as centenas de propostas encaminhadas nos últimos anos, todas, aliás, paralisadas. Seria o ponto de partida, com ou sem a participação do Executivo. Mas com prazos rigidamente estabelecidos, para aprovação até o final de 2011. Rejeitando, é óbvio, a absurda tese da convocação de uma Assembléia Constituinte exclusiva para essa finalidade.

AUSENCIAS SENTIDAS
Duas ausências registraram-se lançamento, terça-feira, do livro com depoimentos dos porta-vozes da presidência da República, desde Juscelino Kubitschek. Não se fala, é claro, dos que já embarcaram para o outro mundo, mas de profissionais que não compareceram nem redigiram suas experiências. Por sinal, foram dos mais competentes no exercício da amarga tarefa: o general Toledo Camargo, dos tempos do presidente Geisel, e Ana Tavares, do presidente Fernando Henrique. Terão tido suas razões, mas fizeram falta na solenidade presidida pelo presidente Lula, no palácio do Planalto. Sem a pretensão de fazer História, os depoimentos ajudam a compreender um pouco mais os meandros políticos das últimas décadas.

Faltou água

Faltou água(1)

Faltou água aqui emPorto Alegre. Todo mundo correu pro super comprar bombonas de mineral


Faltou água.(2)


Rogério Mendelski,ontem, no Bom Dia, não sabia que no centro e no prédio da Guaíba também não havia água


Faltou água(3)

De um filósofo do cotidiano: que falta faz a água. Só quando ela falta,se nota!

Coleguinhas

Entreouvido,ontem, na salinha JCTerlera.

- Ué,onde tem almoço hoje?

É que era meio-dia e era um vazio enorme!

A VIDA COMO ELA É....


Os personagens aqui retratados são ficcionais. Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência....

A" DURA VIDA' DOS
RATÕES DE COQUETÉIS!!!!!!


Naquela salinha daquela repartição, eles se encontram...
SEMPRE AO FINAL DO DIA( quando el sol tramonta, el poltron se pronta!)- mais ou menos isto:quando o sol desce o vagabundo saí à luta...
São jornalistas,fotógrafos e alguns também aspones, ou seja, aquela expressão do Roniquito(ASSESSOR DE PORRA NENHUMA) cabe neles; que ele inventou quando lhe perguntaram o que fazia na TV Globo( Roniquito, caro leitor,você não sabe quem foi? é grave! foi um brilhante economista irmão da Scarlet Moon de Chevalier, que morreu cedo, depois de ter bebido todas) MAS ELES descobrem sempre onde tem um coquetel, um jantar, um lançamento( e não estou falando dos famosos FURA COQUETEIS já conhecidos da cidade e dos festeiros em geral.

Na última Expointer, estes ratões passaram uma semana inteirinha sem pintar na tal salinha....

Lá tinha almoço, meio da tarde, happy hour, e finalmente jantar.

- Bah, não aguentei aquela carne mal assada, disse um dia, um deles ao regressar pra sua salinha para o " trabalho"

Mas a EXpointer acabou!

Agora os ratões descobrem festas via jornais, via internet, e afins.

Eles sabem como descobrir....geralmente acontecem em hotéis cinco estrelas, em galerias e

por aí.

Os ratões fazem fotos...E se garantem, ah, isto lá se garantem...

Coleguinhas

Nosso corresponsal de Brasília é insuperável quando faz crônica social. Que pena que ele é metido a repórter. Acho que se ficasse só no TITITI ele daria um excelente bisbilhoteiro do poder e do cafe society, como dizia o Ibrahim Sued.

Digo tudo isto porque a nota aqui do Serginho, o Ross, está insuperável, quando fala do Beren e do colega do JC, o Lisboa.

Que pena que ele não queira fazer o que o Gilberto, o mais famoso colunista social de Brasíla faz há muito anos. E também a sua amiga Marlene Galeazzi.


Ditos da campanha


"DADOR DE CU" ( bom isto era o que uma vó dizia para definir homossexual)


LUTANDO COM O TOCO DA ESPADA( quer dizer que o camarada está peleando uma barbaridade, tá lutando com pouca munição atrás da trincheira...)

Recebo do Nelson Burd e publico!

 

Eu me formei em julho de 2003, na Unisinos.
Passei um tempo no site Final Sports e tambem pela Comunicacao do TRE.
Desde 2005, vivo em Israel.

Recebo e publico!

Olides, tudo bem?
Eu sou filho do Armando Burd e participo, todas as semanas, da Hora
Israelita, falando direto de Israel.
De ferias em Porto Alegre, estive domingo passado no estudio e estarei
no proximo programa.
Abraco, Nelson.

LANÇAMENTO DA SEMANA INTERAMERICANA
E SEMANA ESTADUAL DA ÁGUA DO RS



Será realizado nesta sexta-feira (17) o lançamento da Programação Oficial da XVII Semana Interamericana e X Semana Estadual da Água do RS. O lançamento ocorrerá às 8h30min, durante café da manhã, na sede central da Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (Sergs), Trav. Eng. Acylino de Carvalho, 33 – 8º andar. Estarão presentes o presidente da Sergs, Cylon Rosa Neto e a presidente da Seção Gaúcha da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária – ABES/RS, promotora dos eventos, Nanci Giugno. A XVII Semana Interamericana e X Semana Estadual da Água serão realizadas de 25 de setembro a 2 de outubro, tendo como tema “Água – Incolor, inodora, insípida e indispensável”. Ao longo da Semana, a entidade promotora estima que mais de 1,3 milhão de gaúchos participarão das cerca de 1.600 atividades que serão promovidas em todo o Estado por aproximadamente 900 instituições e empresas ligadas ao setor de saneamento, escolas, clubes de serviços, organizações governamentais e não governamentais, comitês de bacia e outros interessados na preservação do ambiente natural.

Todt Comunicação

De Canoas para o mundo


Caro Olides

A Veja prestou um grande serviço a candidata Dilma. Como ela está virtualmente eleita, já tinham começado as especulações para a formação de seu governo. Como a petista é apoiada por uma grande gama de siglas, variando de estado para estado, estas especulações estavam causando problemas no relacionamento do núcleo do PT com os apoiadores, todos querendo já um pedacinho do novo governo. Com a história da Dona Erenice, o assunto foi para o lado dos escândalos e a candidata ficou livre das aporrinhações dos parceiros. Dilma e o PT agradecem.

O Rigotto deixou uma brecha para Ana Amélia, seus coraçõezinhos foram atropelados pela loirice da jornalista. Como o Paim tem um público alvo bem definido, aposentados e futuros aposentados e a ex-RBS pinta e borda com a turma do campo, grandes e pequenos, o candidato do PMDB parece que vai sobrar. O escândalo da CEEE que está se definindo nos tribunais é outra sombra que o persegue.

A governadora já atropelou a candidatura do PMDB na eleição passada está prometendo a mesma coisa para este ano. Mas se conseguir vai deixar muita gente magoada do outro lado, que provavelmente se vingarão num segundo turno, se houver.

Remindo Sauim, o isento


Ferrosul: mais um passo na reativação das ferrovias


Ivar Pavan comemora aprovação de projeto que permite ingresso do RS na nova empresa ferroviária do Codesul
A Assembleia Legislativa aprovou nesta semana o projeto de lei nº161/2010 autorizando o ingresso do Rio Grande do Sul na nova Ferrovia da Integração do Sul S/A (Ferrosul) A empresa ferroviária será formada em parceria com os estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, integrantes do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul). “É mais um passo para a retomada das ferrovias públicas”, festejou o deputado Ivar Pavan, que está empenhado no fortalecimento do transporte ferroviário. Os legislativos do Paraná e Santa Catarina já aprovaram projetos similares, faltando apenas Mato Grosso do Sul.
Recursos no PAC 2 para logística
O governo Lula já incluiu no PAC 2 R$ 9 milhões para os estudos de traçado da Ferrosul, que conectará os trilhos da ferrovia Norte/Sul, em São Paulo, ligando-a até o porto de Rio Grande, integrando o Plano Nacional de Logística e Transportes para Ferrovias.
“A Ferrosul será uma instituição sob controle público com o papel de planejar, construir e operar ferrovias e sistemas logísticos com gestão compartilhada. É um exemplo de como os estados podem atuar coletivamente para promover o desenvolvimento de toda uma região”, registra Pavan, que foi o primeiro a assinar a carta de Nonoai, considerada a certidão de nascimento do empreendimento. Na ocasião, Pavan defendeu fortemente que a Ferrosul deveria também ligar os portos da região Sul.
Proposta de Pavan foi acatada pelo Parlasul e Codesul
Na condição de presidente do Parlamento gaúcho em 2009, foi Ivar Pavan que levou aos presidentes dos legislativos do Parlasul, e aos governadores do Codesul a proposta de criação da Ferrosul, aprovada pelos governadores em 18 de novembro.
A sugestão inicial de traçado no RS, seria a passagem pelos municípios de Erechim, Passo Fundo, Roca Sales, Montenegro, Triunfo, General Câmara, Camaquã, Pelotas e Rio Grande.
Reativação de linhas suspensas pela ALL
Além da mobilização pela Ferrosul, Ivar Pavan também lidera um movimento pela reativação de trechos privatizados, concedidos e desativados pela empresa América Latina Logística. Entre as linhas suspensas está o trecho Marcelino Ramos/Santa Maria, num trecho de 386 Km, por onde o trem não passa há 13 anos. “Esta situação precisa ser revertida. Os contratos de concessão prevêem regularidade, continuidade e expansão do serviço e isto não ocorre”, ressalta.
Pavan observa que o transporte ferroviário tem muitas vantagens, como a grande capacidade de cargas e passageiros; fretes 30% mais baratos que os rodoviários, maior velocidade, diferentes opções energéticas, constituindo-se numa alternativa importante para integrar o país internamente e o Brasil com os países vizinhos.


www.ivarpavan.com.br www.twitter.com/ivarpavan www.facebook.com/ivarpavan

Histórias de La Undeze


A foto da barata do Nadir Zanatta que postei aqui é de 1942. Só pros malucos que querem saber datas!!!!

Histórias de La ùndeze(1)

Não tem ninguém mais fanático por Serafina que o advogado Oraldo Rodrigues. Ele chegou a descobrir uma rua em Porto Alegre com este nome. Fica no bairro santa fé...algo assim. E o " Lalo" - como é seu apelido( por favor, não façam ilações) foi até a rua e perguntou pruma transeunte:
- quem é serafina?

- É o nome de uma cidade da Serra.

Justiça seja feita. Quando fez 10 anos de emancipação, Oraldo fez um artigo no Correião do Povo, chamando serafina de Cidade Simpatia. Depois o Flávio Soccol,quando ocupou a pasta do turismo( dizem que sua grande "obra" foi mandar plantar uns pés de hortênsias a beira da estrada( hoje asfaltada) que leva ao Balneário Carreiro.

Ah, o Flávio fez mais: ir ao Jornal do Almoço com as rainhas e princesas do município e pedir colher pra minha irmã botá-lo no ar.

Mas em Serafina todos acham que é ele que deu o nome de Cidade Simpatia. Até o final de 1980, era até o bordão oficial da cidade,saía no logo da prefeitura. Agora tiraram o cidada-simpatia do logo. E no tempo que a Maria Amélia( que também canta e bem) Arroque era secretária doturismo, ela inventou outro bordão: Searfian;AMORE MIO. Este segundo é o preferido do Adriano Mazzarino que só vai a Serafina pra dar umas " mordidas" pros seus programas ecléticos....de jornal e tevê.

Comprovado,
Puta que Pariu, existe!

 

Quando alguém lhe disser: "Vá pra Puta que o Pariu!", não vai ter mais problema, pois o lugar existe... e dá até pra gente ir de ônibus!


Fica na cidade de Bela Vista de Minas, em Minas Gerais.
Bela Vista, uma cidadezinha cercada de mato no interior de Minas Gerais, ( no Brasil é claro).
Uma grande surpresa, um dos bairros tem o nome de Puta que Pariu ! Acredite se quiser!

O município de Bela Vista de Minas foi criado pela Lei nº 2764, de 30 de dezembro de 1962, desmembrando do município de Nova Era, declarando naquele momento, às margens do Córrego do Onça a Independência de Bela Vista de Minas.

A cidade é divida em 7 bairros: Bela Vista de Cima, Lages, Serrinha, Córrego Fundo, Favela, Boca das Cobras e ... Puta que Pariu.


Podem pesquisar, é verdade !!!
É só digitar "Puta que pariu" no Google e confirmar.

Só no Brasil mesmo.

Imaginem, o padre da paróquia dizer que vai celebrar uma missa na Puta Que Pariu ?!

Ou o Jornal Nacional informar que o debate entre os candidatos ao governo de Minas será realizado na Puta Que Pariu.

Ou ainda... Bancada do DEM reune-se neste final de semana na Puta Que Pariu para distribuição dos Panetones.

Agora você já sabe.
Quando quiser mandar alguém para aquele lugar, é só dizer: pega o 307 !!!

Silêncio na Avenida Ipiranga....


RBS TINHA DEZ SENHAS DO GOVERNO YEDA PARA ESPIONAR DESAFETOS


do http://cloacanews.blogspot.com/feeds/posts/default?hl=pt_BR"

Depois de admitir, por meio de nota publicada no tabloide venal Zero Hora, que o araponga lotado na Casa Militar do Palácio Piratini era informante do Grupo RBS (afiliado da Globo no RS e em SC), o império mafiomidiático gaúcho está às voltas com mais uma sarna: pelo menos dez senhas de acesso ao Sistema de Consultas Integradas da Secretaria de Segurança foram distribuídas pelo governo Yeda Crusius (PSDB) aos repórteres do conglomerado da Famiglia Sirotsky. A informação foi veiculada pelo Twitter do jornalista Vitor Vieira, profissional que passa longe de ser considerado um “petista”.
Com a revelação, a sociedade passa a conhecer melhor as outras fontes “jornalísticas” da corporação. Como se sabe, os veículos da RBS também costumam basear seus “furos de reportagem” em materiais apócrifos e anônimos encontrados nos latões de lixo dos estacionamentos de Porto Alegre.
Até o momento, a laboriosa colunista-abelha de ZH e o operoso comentarista-vendedor-de-salames da RBS não se manifestaram sobre a violação, pela empresa, de seu próprio Código de Ética.
Aguardam-se, para breve, as posições da ARI (Associação Rio-grandense de Impresa), da ANJ (Associação Nacional de Jornais), da ABI (Associação Brasileira de Imprensa) e do Sindicato dos Jornalistas.

 

UM POUCO DE POLÍTICA

A eleição já está aí. A grande surpresa é a votação que o Tiririca
vai ter em São Paulo. Mais conhecido como humorista Tiririca tem o
aval do chefão
Lula e deverá fazer mais de um milhão de votos. Com isso o
cômico-candidato (número 2222),devera carregar nas suas costas, sete
deputados,sendo 5 do PT e dois de seu partido o PR.
Tiririca tem o bem bolado slogan: PIOR QUE TÁ,NÃO PODE
FICA...Perguntado sobre se ele sabia o que é ser deputado
federal,afirmou sem pestanejar,que não sabia. Isso não é problema. Eu
conheço muito deputado que está aí a mais de um mandato e que também
não sabe.
Outro candidato que está botando para quebrar,é cantor José de
Paula Neto,mais conhecido como Netinho. Ele que é vereador e teve a
terceira maior votação em São Paulo, deverá agora, se eleger como o
senador mais votado. Derruba Marta Suplici , Romeu Tuma e outros
candidatos menos votados.
Netinho que é chamado de Negrão por Lula,tem 40 anos. É solteiro e
tem 7 filhos. Pagodeiro,vai gastar mais de 12 milhões de reais na sua
campanha
Na justiça de São Paulo não é muito chegado.
Tem mais de oito processos mas que não o impedirão de se eleger senador.
O senador cantor,quando chega perto das fãs eleitoras,parece que o
mundo vai cair. Dias atrás confessou, que anda com o traseiro doido,de
tantos beliscões que lava das fãs. Quando se lançou candidato,muita
gente não acreditou e torceu o nariz.
Olha aí,quebraram a cara...
A verdade é que muitos candidatos que eram cantores,jogadores de
futebol e até mesmo costureiros, demoraram pouco no Congresso. Vamos
ver se essa leva, de novos políticos,tem vida longa.
Já em Brasília,uma surpresa. Neste fim de semana,uma pesquisa feita
pela equipe do candidato Agnelo Queiroz do PT,que lidera a eleição
para governador,constataram não só que Marina Silva já ultrapassou
José Serra na intenção de votos dos brasilienses como aumenta a
diferença da distância entre os dois.
Pelos números atuais,Dilma passou dos 40% das
intenções de votos no Distrito Federal. Marina está em torno dos 25%
e Serra caiu para abaixo dos 20%. Segundo
ainda a pesquisa, do jeito que vai, Marina pode muito bem chegar a
30%,proporção surpreendente para uma candidata que em todo o País está
em terceiro lugar.

Sergio Ross

ACAMPAMENTO FARROUPILHA (I)


"Está na hora de repensar este Acampamento Farroupilha, já temos dois esfaqueados (um morto e outra em estado grave). Além do desrespeito aos animais, nota-se o desprezo também pela vida humana. Uma festa que também está sob suspeita em matéria de organização com seus desvios de verbas. É um lugar onde ficam centenas de pessoas ociosas bebendo o dia inteiro. É lamentável. A sujeirada de fezes de cavalos está por todo o entorno. Onde está o orgulho no meio desta zorra? Propaganda eleitoral irregular dá mais um tempero nesta bagunça." --- Eduardo

ACAMPAMENTO FARROUPILHA (II)


A morte do Acampamento começou quando começaram os rolos, a corrupção, a propina por aqui.


ACAMPAMENTO FARROUPILHA (III)


Se houvesse imprensa investigativa, as coisas seriam outras...
Boletim Vereador Adeli Sell 14.08.10

 


UM SOFRÍVEL PROGRAMA DE CALOUROS



Por Carlos Chagas


Tivessem um pouquinho de coragem e os quatro principais candidatos presidenciais teriam feito reunir seus representantes, ontem, para dar um basta à humilhação a que se submetem nos debates promovidos pelas redes de televisão. Um grito de independência para prevenir novos vexames marcados para seus próximos encontros.
Não dá para assistir outra vez, sem protestar, esse engessamento absurdo dos candidatos às tais “regras dos debates”. É verdade que quando a campanha começou concordaram todos com a submissão aos limites de tempo para suas respostas e, mais ainda, com a momentânea ditadura dos mediadores, responsável pela grosseria dos cortes de áudio e vídeo daqueles que se encontram terminando seus raciocínios e são interrompidos por conta da truculência das normas antes acordadas. Para o bom andamento dos debates, seria necessário aplicar o verbo “flexibilizar”, tão a gosto dos neoliberais. Se um candidato encontra-se em meio ou no final de uma exposição, mandariam o bom senso e a educação que pudesse terminá-la. Depois, é claro, a extensão de tempo seria oferecida aos demais, a título de compensação.
O que fica ridículo é assistir possíveis futuros presidentes da República no papel de meninos de curso primário submetidos à palmatória do mestre-escola. Alguns mediadores, diga-se, até constrangidos pela obrigação de cortar quem tem a palavra, como ainda domingo na Rede-TV. Outros, nem tanto, porque prevalecem, em maioria, os arrogantes, aqueles que andam atrás de alguns minutos de glória indevida, abusando do rótulo tornado pejorativo quando chamam os convidados de
Como todos os postulantes ao palácio do Planalto submetem-se às determinações das redes, ávidas de faturar o prestígio alheio, fica difícil que nos próximos debates venham a impor a lógica de suas prerrogativas. Continuarão sendo cortados ou, pior ainda, levados a reduzir respostas pela metade, sempre de olho nos implacáveis reloginhos que prejudicam e até distorcem suas mensagens.
Guardadas as proporções, os debates transformaram-se num programa de calouros onde não faltam, sequer, os intervalos faturados a peso de ouro, onde os candidatos transformam-se em propagandistas de sabonetes, supermercados ou veículos a preço de ocasião. Será um dos exageros do modelo econômico que nos assola e diante do qual todos baixam a cabeça?

MAIS UM ENGODO
Ontem, mais uma vez, a enganação. O presidente Lula embarcou cedo para Santa Catarina, visitando obras e comparecendo a eventos em diversas cidades. À noite, terminou o périplo em Joinville, onde sua agenda referia-se a “compromisso privado”. Por coincidência, na mesma praça onde Dilma Rousseff realizava mais um de seus comícios. Coincidência não foi, muito pelo contrário. Por que, então, não ser anunciada a presença do primeiro-companheiro no palanque de sua pupila? “Compromisso privado” uma ova: participação clara, aberta e até constitucional de um cidadão, presidente da República ou não, no processo eleitoral de seus país. Só não se justifica a enganação...

OPORTUNIDADE PERDIDA
Pelo jeito, a recente reforma no palácio do Planalto revolucionou as bases da arquitetura universal. O quarto andar, onde funciona a Casa Civil, está completamente isolado do terceiro, gabinete do presidente da República. Não há escadas, muito menos elevadores, interligando os dois pisos. Sequer telefones ou, mesmo, moleques de recado capazes de levar mensagens de um patamar para outro. O quarto andar constitui-se numa galáxia à parte, sem comunicação com o terceiro.
Nem o presidente Lula nem Erenice Guerra trocaram uma palavra a respeito das denúncias sobre tráfico de influência que atingiram a chefe da Casa Civil e seu filho. Mentirosas ou verdadeiras, as acusações parecem não ter existido, na sede do Executivo. Fica tudo como está, sob o pretexto de que quanto mais mexer, mais o episódio fede.
É claro que seria desgastante para o governo, o presidente e até sua candidata a dispensa da ministra encarregada da coordenação administrativa. Só que sua permanência fica pior, sem uma simples recomendação para que vá comprovar sua inocência desvinculada de laços com o poder. Vale repetir o que escrevemos ontem: que saudades do Itamar...


AINDA ESPERA
Engana-se quem supõe José Serra entregando os pontos. Como Ulysses Guimarães em 1989, o candidato ainda espera que os votos venham a jorrar em cascata. O velho patriarca da democracia aguardou até o fim a virada do jogo, parecendo-lhe inconcebível que o eleitorado desconhecesse seu papel na queda da ditadura. Abateu-se ao verificar que ficou atrás do Dr. Enéas, não encontrando explicação para a vitória de Fernando Collor.
Serra adota o mesmo raciocínio. Imagina que até o dia 3 mudanças profundas acontecerão. Joga seus cacifes na realização do segundo turno, quando tudo poderia ser diferente. O diabo é que não se anima a mudar o eixo da campanha, trocando as veementes críticas ao governo Lula e à adversária por propostas concretas e efetivas de realizações para o futuro.

Candidata a deputada federal

Olá a todos
Para quem ainda não me conhece sou Eliane Carmanim Lima, mais conhecida pelo meu ativismo pelos direitos dos animais. Este ativismo tem me levado a algumas ações em prol da Justiça, não só dos animais indefesos, mas também em prol da aplicação de direitos já adquiridos que não são, muitas vezes, devidamente respeitados principalmente quando se trata de minorias ou daqueles com menos recursos e poder. Como eu não aceito passivamente tais injustiças tento agora ampliar a minha ação para além do que já pude realizar até aqui e me faço agora CANDIDATA A DEPUTADA FEDERAL pelo PV do Rio Grande do Sul (n ° 4319).
http ://www.elianecarmanimlima.blogspot.com
http://www.youtube.com/watch?v=lY5v4MnY9V8

Recebo e publico!

O Mauro não perdoa!

O Sossela, deputado, é o Gilmar, de Tapejara,se não me engano e faz votos em Serafina. Daí a bronca do "Zator"!

 

Olides !

Te enviei ontem, ainda. Mas vai de novo.

Um abraço.

MAURO


O Dr. Diógenes Basségio é médico mastologista, tem clínica em Passo
Fundo. Muito conceituado em sua especialidade. É professor do curso de
Medicina da UPF e , atualmente, o vereador mais votado de Passo Fundo
pelo PDT.

Concorreu nas eleições passadas à Federal,ficando de primeiro
suplente( 57.000 votos).Assumiu a cadeira, durante o tempo( curto) em
que o deputado Bacci foi secretário de segurança da Yeda.

É partidário do PDT e, penso, fará excelente votação na região.Nos
próximos dias estará visitando Sarandi.

O Nicola abraçou sua candidatura, no impedimento da dele.Claro que,
outros trabalhistas entrarão neste espaço, tais como; Adroaldo
Loureiro, Juliana Brizolla( não que esta precise, pois vaia fazer 150
mil votos), Sossela( que é uma mala) e outros.


Vou conseguir um material do Basségio, para tirar mais informações sobre ele.


Um abraço.


MAURO.

EXCLUSIVO!!!!!


Um repórter da rádio Gaúcha, que trabalha com informações de política, me disse ontem que o já famoso Sargento Rodrigues, que está provocando todo este quiproquó no Palácio Piratini, dava dicas nos casos de investigações policiais. Atuou em dois: no caso Becker e no caso Elizeu....

- Ele dizia vai por aqui, vai por ali....

Minha fonte me disse mais . Quando colocaram a faixa FORA YEDA no Laçador( estatua) ele ligou para a rádio e falou com o chefe de jornalismo, Cid Martins. O sargento falava em nome da governadora, queria saber quem tinha colocado as faixas FORA YEDA !!!!!! no laçador....

- Ele quer falar contigo, disse Cid ao repórter que é minha fonte.

O repórter atendeu e quando ouviu o que o sargento queria simplesmente lhe disse:

- EU NÃO SOU O DOPS!( ANTIGA polícia política do tempo da ditadura)!

É isso!!!

Cinema chileno

 

Prossegue o festival de cinema chilena que o Santander cultural trouxe para porto alegre. Na terça a noite, pude chegar a tempo de ver dois módulos: passaram filmes de 1904. Sim,senhores,acreditem, filmes de 1904...Os filmes,evidente,todos mudos, né....


Na segunda parte, passou um filme que retratou o funeral de um grande líder operário chileno, que mostrou como em 1924 o Chile já tinha " gremios" fortes, ou seja, a União Soviética já se fazia sentir nos ares dos Andes porque muitos dos cartazes que se fizeram presentes no enterro deste líder popular( que surgiu após uma greve de mineiros que trabalhavam numa mina de salitre, em Iquique, norte do Chile) continham a bandeira do PC Chileno.


A representante da cinemateca chilena, Mõnica Márquez explicou que o líder popular se suicidou( não deu detalhes dos motivos) e que ele é muito importante na história da luta operária chilena.


Num outro documentário mostrou um terremoto no norte Chileno e também todos os destroços provocados pelo "temblor" como os moradores do país andino o chamam. Vendo um documentário destes - dos anos 30 - pode-se entender porque os habitantes de regiões submetidas a estas tragédias tanto temem os abalos sísmicos....

Também teve um documentário sobre uma luta de box, outro sobre o cerro Santa Lucia(este de 1935, onde mostra uma Santiago ainda cheia de casas e os cumes das Cordilheira sempre aparecendo atrás das filmagens).

Quem conhece Santiago, como é o caso deste repórter, sabe do que falo...

Aguardo no entanto para ver dois filmes - La ciudad de los fotógrafos e La Frontera que tratam do tempo da ditadura militar.

A representante chilena que falou após a exibição dos documentários do século passado contou para a curiosidade dos presentes - meia dúzia de gatos pingados, por supuesto e sempre os mesmos - que a volta destas filmes foi um parto.

Tudo porque até as cópias originais haviam saído do país com a ditadura.

- Muitas secretáiras de diretores mandavam as cópias para as embaixadas onde estavam os diretores que tomariam o exílio. E eles as levaram consigo.

Mônica disse que a presidente anterior do Chile, Michelle Bachelet foi pessoalmente a Cuba negociar a volta de muitas destas cópias de filmes chilenos que tinham ido para Havana,junto com os exilados da ditadura militar.

Enfim, para nós, poucos priveligiados, estamos também aprendendo um pouco da história do país dos Andes, que é uma salsicha ao longo da costa do Pacifico,encima de uma grande cadeia de Montanhas, a Cordilheira dos Andes.

Todt / Sapotec

Até esta sexta-feira (17) o diretor da Sapotec Soluções Ambientais, de Porto Alegre, Thomas Berger, acompanha o andamento dos negócios da IFAT ENTSORGA 2010, em Munique, Alemanha. A empresa está expondo na mostra, que se constitui na maior do setor de tecnologia ambiental do mundo. A feira reúne 2.620 expositores de 44 países, apresentando os mais novos produtos e serviços nas áreas de água, efluentes e gestão de resíduos e matérias-primas. A Sapotec integra o grupo alemão Zech, que também participa do controle da Construtora Tedesco, de Porto Alegre e da operação brasileira da construtora Hochtief.
Todt Comunicação

Bares que viraram lenda na cidade!

 

O BAR

do PT ( pobre!!!!!!)!


Junto com o Pampulhão (av. João Pessoa esquina Desembargador André da Rocha ) o Bar Pedrini, na avenida Venâncio Ayres,206( agora totalmente reformado) foi onde nasceu o PT etílico,digamos assim:

Lá estiveram o atual ministro Marco Aurélio Garcia,o filósofo - intelectual - jornalista Luiz Paulo Pilla Vares, vários deputados atuais do PT, como Adão Villaverde, Raul Pont,entre outros e alguns vereadores não tão famosos quanto os deputados, mas que também têm hoje importância no cenário político rio-grandense.Não se sabe se o escritor Luiz Fernando Verissimo alguma vez frequentou o Pedrini, ele que é um PT,digamos, tardio.

Mas outros jornalistas o frequentaram e muito: José Antônio Ribeiro, o Gaguinho, Wanderley Soares, Luiz Prévidi( dono atual do site do mesmo nome) são alguns dos nomes que me passa agora pela mente. Ah, não posso esquecer do Mário Marona, que sempre que pode incensa o Pedrini, porque lá ia com sua então namorada, que depois virou esposa.
Luiz Reni Marques era outro jornalista habitué do Pedrini,enfim,são tantos que enumerá-los todos passaria a tarde fazendo-o.Mas não posso esquecer o falecido Marcelo Lopes, Gerson Schirmer, e outros da turma da Oposição da Coojornal.
Não só de jornalistas o Pedrini fez história:atores de teatro,de cinema,que saíam das sessões e iam espichar a conversa pós sessão também iam ao Pedrini.

Eram os anos 70 e no Pedrini, onde se comia uma pizza única, porque vinha fechada numa panela com tampa, os fervorosos revolucionários de mesa de bar, mudavam o mundo todas as noites....um copo depois do outro, mais batata frita, como diria o cantor da Blitz.....

Localizado na avenida Venâncio Aires,já quase perto da Praça Garibaldi, o Pedrini já completou 40 anos tempos atrás. É de um tempo em que os bondes circulavam pela Venâncio...

Abre para almoço mas a noite mesmo começa depois das 18 horas, com happy hour cujo local preferido do público é a frente, porque as mesinhas deixam que se tome contato com tudo o que acontece na rua.

Estacionar em volta do Pedrini não é fácil. E o local não trabalha com cartões de crédito. Por ter mais de 40 anos, gerações já se sentaram às suas mesas tentando,como já disse, salvar o mundo, com infindáveis discussões politico-filosóficas que vararam muitas vezes madrugadas afora, sem que se chegasse a uma conclusão, é claro.Para o desespero de alguns céticos e dos garções que não viam hora de ir dormir, os mais entusiasmados mandavam sempre baixar mais uma rodada de chopps, quando as discussões sobre o futuro da candidatura de Lula se tornavam intermináveis.

Mas o Pedrini é assim: os céticos vão embora, mas chegam outros idealistas que começam a ver luz no fim do túnel. E então quando uns ficam descrentes deste mundo, de pelo menos pensar em mudar o mundo( diríamos usando uma metáfora, quando O PT ficou velho,superado,careta )

chegaram nas mesas do Pedrini os novos idealistas do PSOL, do PV que ajudam a manter o "povo" do Pedrini( e a sustentar os donos e os garçons que lá trabalham).
Os novos que chegam, partidários da Manu, do Ruas, da Luciana Genro,da Marina, chegam com os olhos brilhando de idealismo, algo assim como encontrar o "Xuvisco"( Luis Fonseca) e o "Diabão"(Fernando Saes") no fim dos anos 70,começo dos 80, discutindo a Força Sindical, o Joaquinzão, o Lula, o Alemão, o Olívio, o Fortunatti, o Ricardo Baldino nas mesas do Pedrini. Aliás, sobre isto há uma história bem hilária no meio jornalistico. Certa noite, o Luiz Paulo Pilla Vares,( que no futuro se tornaria secretário da cultura de Porto Alegre e do Estado, nas gestões de Dutra) um dos maiores habitués do Pedrini( até porque morava ali perto) saiu com uma companhia e assim que sentou na mesa com a "gata"(era assim que se dizia naqueles anos 70/80) foi logo partindo pros finalmente,pros amassos. Ela pediu calma, queria conversar, não tinha pressa. O Pilla se desesperou e apresentou seus argumentos:
- Ah, não conversar não, conversar eu converso com o Xuvisco no Porta-Larga( famoso local onde os repórteres da ZH se reuníam pós e no meio do expediente pra discussões e tomar uns talagaços).
Este era o Pedrini daqueles tempos. Tinha lá um garção que não recordo o nome e com o qual eu gostava de pegar no pé. Ele seria candidato a vereador pelo PT de Viamão. Não sei mais onde foi parar...

No meio dos notívagos de Porto Alegre, dos amantes d anoite, o bar Pedrini é considerado um daqueles " velhos" bares,embora nos últimos anos tenha perdido aquele charme antigo, porque foi todo reformado e o público também mudou.

O ambiente antes era simples( hoje não mais tanto) mas o chopp,dizem quem ainda vai lá, continua maravilhoso(lembro das bandejas chegando abarrotadas de copos de chopp com a espuma saindo pelas bordas do recipiente). Os filés são confiáveis de bom tamanho e o preço é praticável.A frequência do abr é eclética: mas não tem baixaria. Pode-se ver lá famílias inteiras comemorando. Mas tem estudantes, jornalistas e artistas em geral que conseguem conviver com as famílias de moradores das redondezas, do bairro e com os antigos frequentadores da casa.

Não se surpreenda; O Pedrini já tá na faixa que passa de avó pra neto!

Vice de Canoas abre apoio a Tarso Genro

 

O candidato a governador Tarso Genro, da Unidade Popular pelo Rio Grande, recebe o apoio da vice-prefeita (PP) de Canoas na tarde desta quarta-feira (15)., às 16 horas em frente a prefeitura de Canoas, na Rua 15 de Janeiro, 481 - Centro. Beth Colombo do Partido Progressista a administra Canoas junto com o prefeito do PT Jairo Jorge.

Tina Griebeler

Coleguinhas

Historinhas de Colegas


Carlos Machado Fehlberg


Na terça,durante almoço no Stella Grill, havia três ex-porta-vozes de presidentes da República. É que de noite no Palácio do Planalto iriam entregar um livro feito pela presidência com depoimentos dos profissionais que trabalharam com presidentes ao longo dos anos.

Mas quem mais chamou a atenção foi um ex-porta voz, no caso Carlos Machado Fehlberg, que estava há mais de mil quilômetros de Brasília; Carlos Fehlberg que ligou várias vezes para os colegas se desculpando que não estaria presente.

Fehlberg alegou que estava com pressão alta para não comparecer.

- Ele não vai a nenhuma cerimônia oficial, disse-me ontem à tarde João Carlos Terlera que conhece bem o ex-colega.


Fehlberg ao tempo que trabalhava como editor chefe da ZH não tirava férias.

E no seu segundo casamento, fizeram-no tirar férias, para viajar com a esposa.

- Ele me ligava toda hora da Polônia a cobrar, recordou ontem Terlera.

Fehlberg queria saber quais eram as novidades políticas do RS.


Ontem,portanto,seus ex-colegas ( no caso, na mesa do Stella Grill estavam Claudio Humberto( collor de mello), Carlos Chagas(Costa e Silva) e Said Farah( João Figueiredo) de Palácio do Planalto puderam ouvir via fone que Fehlberg escreve um livro ( há 11 anos!) sobre os seus tempos de repórter político gaúcho.

Um dos que estavam na mesa do Stela Grill, que falou com Fehlberg disse que ele ligou tanto que seguramente gastou mais em telefones do que se tivesse ido para Brasília.

Bastidores

O compositor Airton Pimentel, um dos homenageados ontem com a medalha Mérito Farroupilha, aposentou -se na Assembléia Legislativa como segurança , quando era governador do Estado, Alceu Collares.

Mérito Farroupilha

walter fagundes/ag. al

Várias personalidades gaúchas - e empresários - receberam ontem a Medalha do Mérito Farroupilha.

Os homenageados foram:

1) Sirmar Andrade, ator de teatro,cinema e tevê.
2) Norminha Duval: violonista e compositora
3) Sérgio da Costa Franco: historiador

4) Maria Helena de Souza Martins: professora e doutora

5) Luis Fernando Verissimo: escritor

6) Airton Pimentel: compositor

7) Maria Luiza Benitez(Malu) cantora e radialista

8) Enio Roberto Dias dos Reis( empresário do ramo dos transportes coletivos de Porto Alegre

9) Belmiro Zafari: empresário do transporte coletivo intermunicipal.
10) Lee Shing Wen: empresário

11) Alexandre Aimé ERnest Roche( professor de francês).

Bastidores


Tem o dedo de uma parente do deputado Paulo Odone(PPS) a indicação para que o dono do Instituto Roche, Alexandre, fosse contemplado com uma medalha do mérito farroupilha.

Maldade


Alguns coleguinhas, ou a maioria, chamam o jornal O SUL DE "Control C" (copiar) e control V( de colar matérias)

Querem dizer que funciona a colagem de matérias divulgadas em outros locais.....Pura maldade,claro!

Prefeito recebe delegação que levará Porto Alegre a Congresso Mundial de Turismo Médico



A delegação que representará Porto Alegre em sua estréia no mercado internacional do Turismo Médico e de Saúde, com a participação no Congresso Mundial de Turismo Médico, de 22 a 24 de setembro, em Los Angeles, Califórnia (EUA), e os dirigentes dos hospitais Moinhos de Vento, Santa Casa, Mão de Deus e São Lucas terão audiência com o prefeito José Fortunati, amanhã, 16, às 11h30, no Paço Municipal, para apresentar os detalhes finais da participação da capital gaúcha no evento.

Promovido anualmente pela Medical Tourism Association (MTA), o congresso está em sua terceira edição e reunirá médicos, consultores, agentes de turismo, seguradoras, laboratórios, governantes e agentes facilitadores de dezenas de países com o objetivo de promover o aquecimento do mercado de tratamentos de saúde fora dos Estados Unidos para a população norte-americana.

No evento internacional, a capital gaúcha apresentará o Porto Alegre Health Care Cluster, organização público-privada criada pela Secretaria Municipal de Turismo e os hospitais Moinhos de Vento, Mãe de Deus, Santa Casa e São Lucas da PUCRS com o objetivo de fazer de Porto Alegre uma plataforma de turismo médico e o principal destino, no Brasil e na América Latina, para turistas norte-americanos e europeus que buscam tratamento de saúde fora do seu país. A meta do cluster é conquistar para a cidade, até 2014, 2% do mercado norte-americano, estimado por estudo da Deloitte Development LLC em 2,1 milhões de pacientes/ano. Hoje, o Brasil recebe 50 mil turistas deste segmento por ano.

A representação de Porto Alegre será institucional e empresarial, integrada pelo secretário municipal de Turismo, Luiz Fernando Moraes e por profissionais e dirigentes dos quatro hospitais que integram o cluster. Porto Alegre será a maior comitiva brasileira no evento e, em Los Angeles, contará com a participação do presidente da Embratur e secretário-executivo do Ministério do Turismo, Mário Moysés.

O que: audiência do prefeito com delegação do Porto Alegre Health Care Cluster
Dia: 16 de setembro - quinta-feira
Hora: 11h30
Local: Paço Municipal – Gabinete do prefeito

Eliana Zarpelon (MTb 3821)


Histórias de La Ùndeze!

( o dono do auto de praça!!""")


O ACIDENTE COM O TAXI DO

ZANATTA


NADIR ZANATTA para os mais antigos de Serafina é um taxista. Tá bom, ele tá aposentado, mora num porão da Tobias da Silva, com sua segunda esposa, com a qual não teve filhos. A primeira de quem se separou, foi embora para Passo Fundo.Ele me disse que é o mais antigo ou o primeiro chofer de praça de Serafina. O João Arroque Filho garante que antes do Nadir, ele andou pelas colônias locais em outros carros de praça.

Nadir foi caminhoneiro mas é lembrado pelos moradores de Serafina como o dono do auto de praça.Todo mundo o conhecia... Era ele que ia pras colônias transportar as mulheres que teriam filhos, ou buscar as parteiras, ou as parturientes.

Mas ainda na sua velhice, Nadir lembra com tristeza um acidente que aconteceu com seu " auto de praça". Foi um acidente na linha 12, junto a onde hoje existe a veterinária do Sbardelotto e que naqueles anos era do Tebaldi.

Quem dirigia sua barata era um motorista que trabalhava para ele : o João Meneghatti, que pouco se machucou.

Nadir suspira até hoje porque o acidente aconteceu justamente num dia que ele tinha uma viagem programada para Soledade: iria entrar uma boa graninha, com aquela corrida.
O acidente foi assim: numa curva, o carro de praça não viu e pechou num caminhão que carregava lenha. Como não tinha seguro, Nadir arcou com todos os prejuízos e ainda teve que indenizar e pagar os passageiros que apenas sofreram leves escoriações.


Vice-prefeita de Canoas abre apoio para Tarso Genro


Foto: Caco Argemi


Na tarde desta quarta-feira (14), Tarso Genro recebeu o apoio da vice-prefeita de Canoas, Beth Colombo (PP). No ato, em frente a prefeitura do município, a liderança do PP afirmou que conversou com dirigentes do Partido Progressista que aceitaram com naturalidade a sua decisão. Para Beth Colombo o apoio se dá em função de sua admiração por Tarso Genro, sua proximidade com Jairo Jorge e a trajetória política do ex-ministro e seu trabalho frente aos quatro ministérios do governo Lula. Após a decisão de Beth, o prefeito Jairo Jorge ressaltou que "Canoas está definitivamente com Tarso".
Tarso Genro agradeceu a manifestação e ressaltou que a “atitude da vice-prefeita Beth Colombo mostra maturidade política presente no Estado e o novo momento que vive o Rio Grande do Sul, em relação ao futuro das alianças. Fortalece a candidatura da Unidade Popular pelo RS que quer unir as forças do Estado e colocá-lo no ritmo do crescimento do Brasil”, saudou.

Tarso Genro - Assessoria de Imprensa


Historias de La Ùndeze!

 

Recebo uma frase muito INTELIGENTE DO PROF. Mauro " Zator" Rocha, de Sarandi.


Na ÙNDEZE(Serafina Correa) como dizia o filsófo FIORVANTE CERVIERI, ATÉ de uva se faz vinho.


QUEL LA SI ZERA FURBO NOANTRI ZERA TUTI BAUQUI!

( Aquele sim era esperto, nós todos abobados!!!!)

Só pro leitor entender: Nascido em 1904, Fioravante,filho de colonos, construiu a maior fortuna da cidade, ou uma das maiores.Depois que morreu, os filhos entraram numa pendenga judicial inacabável!!!!Dura trinta anos!!!!!

Os atores suiços

Dois pesos e duas medidas!


Leio na ZH que uma turma de atores suíços que estão em Porto Alegre pelo EM CENA foram recebidos pela arquiteta Myriam Cirne Lima, na sua casa, para um jantar. Nada mais hospitaleiro.

Quero deixar claro, porém, que não é assim que europeus costumam tratar, nós sul-americanos: sei disto por experiência própria: em 1986, estava em Paris, num domingo,onde estava hospedado tinham um convite para almoçar na casa de uns franceses e neca pau: até que meus anfitriões tentaram me levar junto, mas os franceses, sempre com a famosa desculpa de já terem programado, não quiseram.

Então, não se iludam: não é assim que os europeus tratam a nós sul-americanos. Eles nunca fariam isto que a arquiteta fez de os receber na sua residência para um jantar. No máximo, num hotel, e olhe lá!!!!!!


Ivar Pavan e Edegar Pretto conversam com agricultores familiares

 

Mais de 200 pessoas enfrentaram a falta de luz e o frio para ouvir as propostas dos candidatos em Barão do Triunfo
Depois de mais de uma hora andando em chão batido, quase sem enxergar casas, sabendo que a ventania havia levado a luz do município, Ivar Pavan chegou a Barão do Triunfo, no Centro-Sul do estado. Apesar do vento frio e da falta de energia elétrica, foi recepcionado, ao lado do candidato a deputado estadual Edegar Pretto, por mais de 200 pessoas no CTG da comunidade.


Energia com qualidade
Sob a fraca iluminação do gerador instalado no fim da noite, Pavan ressaltou a importância das eleições para se conseguir as transformações que vêm sendo conquistadas. “Com Lula descobrimos que com o nosso voto nós começamos a mudar o Brasil”, disse. Em um município de 7,9 mil habitantes, lembrou que mais de 700 famílias agora têm eletricidade graças ao programa Luz Para Todos, que tirou do escuro 12 milhões de pessoas, “uma população do tamanho do RS”. Como deputado estadual, Pavan realiza importante trabalho que garante a qualidade da energia no meio rural, para levar mais conforto aos lares e estimular o desenvolvimento.
Por uma política de renda para a agricultura familiar
Para uma maioria de agricultores familiares, Pavan enfatizou a importância de uma política que lhes garanta renda. “Quem é agricultor sabe que nós estamos a cada ano produzindo um pouco mais e o dinheiro no bolso vai diminuindo. Já conquistamos aposentadoria, seguro, financiamento e habitação. Agora precisamos negociar com os governos uma política de renda”, afirmou.
Outra preocupação do deputado é a criação de uma política de incentivo para o agricultor que preserva uma área verde de sua propriedade. “A conta do equilíbrio ambiental está recaindo sobre os agricultores, muitas vezes com multa pesada para quem está produzindo”, disse.
Mencionou ainda o trabalho de Edegar Pretto, “comprometido com a continuidade da luta do Adão”. Pretto também ressaltou a herança política de seu pai, deputado federal comprometido com as causas da agricultura familiar até sua morte, em 2009. “Eu também venho do cabo da enxada e tenho compromisso com a luta do meu pai”, disse.


Acesso asfáltico a todos os municípios
Diante das dificuldades enfrentadas no caminho, Ivar Pavan reforçou uma de suas bandeiras, o acesso asfáltico a todos os municípios, que deve acompanhar a melhoria das rodovias estruturantes. “Depois de vir a Barão do Triunfo, confirmo a importância de elegermos Tarso Genro governador. Ele está comprometido com essa transformação na vida dos gaúchos.”

Mais fotos do evento no site de Ivar Pavan. Clique aqui.

UM PAPO TRI LEGAL

Dias atrás,um papo tri legal aconteceu aqui,em uma
das mesas do Stella Grill. Dois coleguinhas muito conhecidos aí no
sul,durante um almoço, conversaram animadamente por mais de uma hora.
Os personagens eram o Edgard Lisboa, meu conterrâneo aí de Bento e
que hoje vive em Brasília,
trabalhando na área de jornalismo. O outro personagem
é o Carlos Eduardo Beherensdorf,um machão de Pelotas
(ai que mentira...) e que chegou aqui na Capital,para trabalhar comigo
na Manchete. Ele na verdade,foi trazido por um outro amigo, o Adão
Osmar de Oliveira, de Canguçu. Essas coisas acontecem e a gente
não tem culpa de ser enganado. Brincadeira...Trata-se de dois grandes
jornalista que eu tenho muito carinho e respeito.
O Berem está aposentado. Está voltando de um período de dois anos
vivendo em Roma,com a esposa a Lourdes,uma diplomata,das mais
competentes no Ministério das Relações Exteriores. Berem que na
capital italiana,não fazia nada, então passava as manhãs passeando no
Vaticano,principalmente pelos jardins,na esperança de encontrar por
ali a Sua Santidade o Papa. Esperava encontrar o homem para bater um
bom papo...Do que o Lisboa e o Berem conversavam no almoço,ninguém
ficou sabendo. Eles preferiram não sentar na mesa onde sentam os
coleguinhas, que já é famosapor aqui.
Mas dentro de alguns dias,acho que vamos ter novidades...

No clichê que acima reproduzimos,como diriam os velhos jornalistas
do Correio do Povo,vemos o Lisboa e o Berem num papo tri legal.
Sergio Ross

 



DE BRASÍLIA-RAPIDINHO

O Palácio da Dilma

Os cumpanheiros do PT,estão internamente numa briga danada. É
que o Comitê Eleitoral Central da Dilma,está cada vez mais abandonado.
O partido alugou um prédio inteiro,na zona central de Brasília,por
mais de 40 milhões de reais,para montar ali o comando central do
partido na sua campanha eleitoral.


A Dilma só apareceu no dia da inauguração. O cumpanheiro Lula,nem no
dia da festa esteve. Segundo uma fonte do partido, ele ficou puto da
cara,porque não tinha ninguém no comício. O prédio que tem mais dez
andares,tem salas especiais para todos os integrantes que trabalham na
campanha.

A Dilma preferiu ficar na casa que o PT alugou na Península dos Ministros,um lugar
também nobre,na companhia do seu cachorro Nego,que ganhou do José
Dirceu e que andou fazendo estripulias,com as cachorras da vizinhança
Por outro lado a turma da oposição (PSDB-DEM-PTB-PPS-PNM-PTdo B)
está se divertindo. Alegam que eles são responsáveis pelo Comitê
Central ter virado um edifício fantasma,uma vez que conseguiram tirar
da frente do prédio,um imenso painel com nome da candidata, já que
denunciaram ao Tribunal Superior Eleitoral,que na verdade,foi quem
mandou tirar a placa.
Mas os cumpanheiros agora,estão reclamando do valor gasto com o
aluguel, que termina dias após a eleição de outubro.40 milhões de
reais não é pouca coisa. Ainda mais, se tratando de um partido da
classe operária...

Pedrinho é advogado

No dia 21 de janeiro de 1986,Brasília e até mesmo o Brasil,pararam.
É que aqui no DF,nesse dias,foi seqüestrado de uma maternidade, uma
criança do sexo masculino,12 horas após o seu nascimento. O caso só
foi resolvido em 2002 quando Pedro Braule Pinto,descobriu
que Vilma Martins da Costa,que o seqüestrou, ainda bebê, não era sua
verdadeira mãe.
Pedrinho agora, passou a adotar o nome que seus pais verdadeiros
queriam, ou seja Osvaldo Borges Junior. Mas de Pedrinho, até hoje é
chamado aqui em Brasília.


Pedrinho que agora vive com os pais, em uma casa no Lago Sul,
estudou e formou-se em direito. Virou advogado de um caso tão rumoroso
como o que ele viveu ao ser seqüestrado do apt.10 de maternidade em
Brasília. Hoje ele é advogado de Adriana Villela,suspeita de
participar do famoso crime da 113 sul, em que os pais dela foram
assassinados com a empregada do casal. Pedrinho que está com 24 anos,
não gosta de holofotes e prefere não ser associado ao passado.



Já Adriana Villela, está em liberdade condicional. Está em casa,mas
visgadíssima pela polícia,uma vez que a delegada Mabel Alves de
Faria,suspeita que Adriana,seja a principal personagem do caso e que
inclusive teria participado do assassinato. Mas isso é uma outra
história que vai render muito pano para mangas. Na verdade a policia
de Brasília,não tem coragem de descobrir os assassinos do caso.

E os Correios continuam na mesma lerda...

Segundo a Agencia o Estado, o presidente
Lula,demitiu no dia 28 de julho a cúpula dos Correios e Telégrafos,
por temer que o fisiologismo partidário ampliasses a crise
administrativa na estatal e respingasse na campanha eleitoral.
O novo diretor de Operações dos Correios é agora Eduardo Artur
Rodrigues,conhecido como “Coronel Artur” ou Coronel Quaquá”, que
presidia uma empresa de transporte de Mala Postal, a Master Top
Linhas Aéreas(MTA).
O homem veio com carta branca, para por ordem na casa que está
bagunçada. Longe de ser a casa, que anos atrás era exemplo de
eficiência no mundo inteiro.
A espectativa,claro que é grande. Mas dias atrás, eu estava no meu
escritório,quando um carteiro entrou, para entregar um Sedex. Como
está muito seco aqui em Brasília,pediu um copo com água. Mandei que
ele sentasse, para poder beber tranqüilamente. Aí,como velho reporte,
não me contive e perguntei o que havia mudado na Casa. Ele me
respondeu sem pestanejar: “a coisa lá continua na mesma m...”

A seca tá feia aqui.

Brasília completou na semana que passou a triste marca de mais de
100 dias,sem chuva. A umidade
relativa do ar por aqui anda rondando a casa dos 10%.
De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia,só volta a
chover, na segunda quinzena deste mês. O longo período de estiagem não
é no entanto o maior já enfrentado pelos brasilienses. Em 1963
ficamos 164 dias sem chuvas.
Mas além da seca,estamos enfrentado as queimadas. Nestes cento e
poucos dias de falta de chuvas,o Distrito Federal já registou mais
incêndios do que em todo o ano que passou. E, pior, o fogo já
consumiu,quase 70% do cerrado.
O volume de ocorrências e de territórios atingidos levou o Corpo de
Bombeiros a aumentar o numero de equipes especializadas em combate a
incêndios florestais. No entanto elas não dão conta de atender, todas
as chamadas que chegaram a 24 por dia,em agosto, o mês mais critico.
Faltam caminhonetes para os militares se dividirem melhor e chegarem
mais rápido aos locais em chamas. A corporação também carece de
aeronaves e caminhões que levam água as regiões mais distantes e
acidentadas. Hoje os bombeiros daqui, contam hoje com apenas seis
veículos por dia,para apagarem os incêndios no DF.
Até no dia 31 de agosto, os bombeiros que chegam a passar mais de
12 horas de plantão sem comer
para evitar o alastramento do fogo, haviam registrado 2.130 incêndios
na região.
Agora, o Ministério do Meio Ambiente, declarou estado de
emergência ambiental no Distrito Federal. Imaginem seis mil campos de
futebol em chamas. Pois essa é a proporção da área consumida pelo
fogo,o equivalente a um total de mais de
6,2 mil hectares. O curioso é que quase todos os focos,tem origem
criminosa,segundo revelou o Corpo de Bombeiros Militar do DF.
Sergio Ross


QUE SAUDADES DO ITAMAR...


Por Carlos Chagas


Mais do que nunca, a hora é de saudosismo explícito. Que saudades do Itamar, aquele que à primeira denúncia de irregularidades e trapalhadas em seu pano de fundo, em poucas horas demitia ministros, altos assessores e auxiliares de todo nível, supostamente implicados em acusações. Deixava a porta aberta para o retorno, recomendando que fossem defender-se como cidadãos comuns e, provada inocência, retornariam com tapete vermelho.
Aconteceu até com seu chefe da Casa Civil, o todo-poderoso Henrique Hargreaves, que por sinal voltou, meses depois de uma acusação falsa. Muitos outros, porém, tomaram o rumo do esquecimento, restando a lembrança de um presidente da República inflexível na defesa da coisa pública. Itamar Franco inscreveu-se na galeria daqueles governantes que, ao assumir, trocaram a complacência pela ética.
No correr dos oito anos da administração Lula não tem sido assim. Em muitos casos os suspeitos acabaram defenestrados, sempre pela evidência de suas participações em ilícitos maiores e menores, jamais pela iniciativa do chefe. A prática do primeiro-companheiro tem sido invariavelmente de abrir as asas e abrigar pelo tempo que for possível seus bons e maus colaboradores. Baseia-se no simples fato de terem sido escolhidos para trabalhar com ele. Imagina-os imunes às tentações do uso do poder apenas por supô-los dignos de sua escolha.
É só mais um, esse caso do fim-de-semana envolvendo denúncias contra a chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, e um de seus filhos, acusados de lobby, tráfico de influência e intermediação de contratos públicos em troca de propina. Jamais se poderá considerá-los culpados antes de completa elucidação dos fatos. Pode tratar-se de calúnia, baixa manobra eleitoral, erro ou engano, mas na medida em que a sucessora de Dilma Rousseff permanecer no cargo, quaisquer provas de culpabilidade atingirão na moleira o presidente da República. Engrossarão o rol onde se encontram José Dirceu, Antônio Palocci, Luiz Gushiken, José Genoíno, Delúbio Soares, os demais mensaleiros, mais os aloprados de São Paulo e quantos outros?
Vale repetir, que saudades do Itamar...
AS BALAS DE PRATA
Ao defender publicamente Erenice Guerra das acusações de tráfico de influência e penduricalhos, Dilma Rousseff valeu-se de imagem que precisa ser explicitada. A candidata afirmou que seus adversários estão procurando “balas de prata”. Pelo que revela a memória dos tempos da infância, balas de prata eram a única forma de abater lobisomens, assim como estacas de madeira no coração derrotavam vampiros.
Teria sido melhor para Dilma ficar na primeira parte de suas declarações, quando desvinculou-se da denúncia contra sua substituta, dizendo tratar-se de assunto governamental, não tendo como fazer juízos de valor. Afinal, não é por ser amiga de Erenice que ela se obriga a avalizar seu comportamento. Em especial porque depois de haver-lhe transmitido a chefia da Casa Civil, encontraram-se apenas duas vezes, de passagem. Além de conhecer “muito pouco” o filho dela.
A pergunta que se faz é se, eleita, a ex-ministra manterá as características do Lula, de jamais tomar a iniciativa de afastar auxiliares acusados de irregularidades, ou se retomará a estratégia oposta aplicada por Itamar Franco. Pelo que se conhece de sua personalidade, não permitirá que amizades obstruam o dever maior de todo governante. Nem que admitam supostos lobisomens transitando pelo palácio do Planalto.
PREOCUPAÇÕES SUPER-DIMENSIONADAS
As pesquisas mais recentes revelam o crescimento dos candidatos ligados ao presidente Lula que disputam o Senado. Não necessariamente todos do PT, mas de partidos afins. Pelo jeito, depois de esboçada a vitória de Dilma Rousseff na presidência da República, concentra-se o primeiro-companheiro na conquista de maioria entre os senadores, cuja instabilidade prejudicou sua administração até menos do que ele pensa. Porque derrotas, mesmo, daquelas fundamentais, o governo sofreu apenas uma, a revogação da CPMF. A impressão é de que o Lula agastou-se mais com os virulentos pronunciamentos de seus adversários senadores do que propriamente com seus votos. Alguma coisa que beira as raias do particular, sobrepujando o público.
Mesmo assim, pesquisas são pesquisas. Três oposicionistas que disputam a reeleição encontram-se na alça de mira do presidente da República, que tudo tem feito e mais fará para derrotá-los: Tasso Jereissatti, do PSDB do Ceará, José Agripino, do DEM do Rio Grande do Norte, e Arthur Virgílio, do PSDB do Amazonas. Os três vão muito bem de perspectivas, considerando-se vitoriosos se as eleições fossem hoje. Acresce que o PMDB, agora integrado por inteiro no governo e na candidatura Dilma, será sempre uma garantia de sólida maioria governamental, exceção, talvez, de Pedro Simon, Jarbas Vasconcelos e Roberto Requião, refratários ao alinhamento automático.
ESTRATÉGIA QUESTIONADA
Em casa onde não tem pão, todos brigam e ninguém tem razão, diz o ditado popular. Coisa parecida acontece no ninho dos tucanos. José Serra custou a botar sua candidatura na rua, esperou demasiadamente uma resposta de Aécio Neves para ser seu vice, engoliu um índio desconhecido como imposição do DEM e começou a campanha voltado para o futuro, sem ficar batendo no governo Lula como pretendiam alguns de seus assessores. Como foi caindo nas pesquisas, aceitou conselhos para aumentar o diapasão de críticas e denúncias contra o presidente e a candidata adversária. Só essa mudança parece não estar dando certo. Na maioria do eleitorado caem no vazio as diatribes e as acusações contra a atual administração. Como estamos a três semanas das eleições, há quem insista para Serra mudar novamente de estratégia. Pode não dar certo essa política de biruta de aeroporto.

 

Carla Bruni, Sarkozy e os ciganos... ( 1 )

Ezio Flavio Bazzo, de Brasília (colaboração de leitor)


Se no mês passado o presidente Nicolas Sarkozy já teve que suportar as manchetes dos jornais iranianos acusando sua mulher de ser uma "cortesã”, com a expulsão em massa dos ciganos do território francês, provavelmente terá de ouvir os mesmos “elogios” também a respeito de sua mãe, agora advindos da boca dos ciganos. É evidente que está sendo uma babaquice essa “deportação”, uma babaquice não apenas política, mas cultural e até turística, pois qualquer um sabe que parte do exotismo e da beleza de Paris – por exemplo – se deve aos ciganos, aos nômades, aos apátridas, a essa gente que se negou a ter uma língua cigana escrita, a esses cidadãos do mundo com suas tralhas, seus dentes de ouro, seus truques, seus violinos, suas ervas, seus cavalos, suas navalhas e suas sabedorias. Quem é que consegue esquecer a voz e o olhar da cigana que mendiga em Champs Elysees?

- S'il vous plait monsieur, je suis refugie de Roumanie...

Quem conseguiria apagar de sua memória os gestos e a coreografia daquela que está decodificando la mala y la buena suerte sob os umbrais da antiga Sorbone? Qual é o fotógrafo que ficaria indiferente à romaria cigana para a Catedral de Chartres e à expressão de uma anciã com a imagem de Sara (a Santa negra dos ciganos) nos braços? Quem é que esquece o ciganinho de dez anos empunhando seu violino no metrô de Les Halles e executando uma canção da Bulgária? Ou o elegante batedor de carteira na entrada de um magazin com roupa, bengala e chapéu de lorde? Aliás, até o Chaplin tinha origens ciganas. Não é novidade que les tsiganes et les bohemes sempre causaram alergia ao establishment francês, tanto é que já em julho de 1682 o rei de plantão assinou uma famosa Declaração contra eles e que mais recentemente também iriam passar aos milhares pelos fornos nazis. Se não fizeram disso sua bandeira de sobrevivência (como os judeus) talvez tenha sido, simplesmente, porque a idéia do perdão, das indenizações e de uma pátria lhes cause repugnância.

Carla Bruni, Sarkozy e os ciganos (2)


Zigenar, em suéco; Zeginer, em suíço alemão; Zeyginer, em alsaciano; Tchinghiane, em turco; Aciuganon, em búlgaro; Ciganin, em sérvio; Cygan, em polonês; Cycan, em russo; Czingany, em húngaro; Cigonas, em lituano; Tsigane, em francês; Zíngaro, em italiano; Gitanos, em castelhano; Cinganus, em latin medieval e cigano, em português. (Fonte: L’holocauste oublié - le massacre des tsiganes - , Christian Bernadac, Éditions France-Empire, 1979, Paris)

http://eziobazzo.blogspot.com/


Coleguinhas


*A nova " ronha" do jornalismo gaúcho; JUREMIR ' PALOMAS' MACHADO , DA RECORD(correio do povo) e rádio Guaíba e FRANCISCO PAULO SANTANA DA ZERO HORA E TV RBS.


Motivos: vaidades, sempre vaidades!


* Ontem, no Bom Dia, Juremir e Rogério Mendelski deram no assunto do sistema guardião do Palácio Piratini.Mais precisamente em alguém que se beneficiaria dele..

 

Memória!

O pré março de 1964!


Por José Serra


Parte III


" Jango não tinha visão estratégica nem gosto pelo quotidiano da administração.Mesmo antes desses episódios não revelava disposição apra exercer plenamento o governo. Nem era fácil fazê-lo. A inflação era a mais alta da história; a economia estava estagnada , as gervees salariais se multiplicavam e a oposição jogava no " quanto pior, melhor".


A radicalização política, crescia com a crise econômica, a guerra fria, o fantasma( e infuência sobre a esquerda) da revolução cubana e a pranóia anticomunista. O governo norte-mericano não podia admitir a hipótese de ter outra Cuba na América Latina, ainda mais do tamanho do Brasil - uma hipótese fantasiosa, mas útil como instrumento de mobilização social da direita.


Eu saí daquela reunião no Leblon com a tarefa de ir às rádios - Mayrink Veiga e Nacional, como se costumava naqueles tempos - e pedir a retirada do pedido de estado de sítio, era o combinado. Na menta, tinha uma convicção: o governo não iria durar.


Essa interpretação conbina meu sentimento0 naquela época com uma percepção posterior mais aprofundada dos fatos. Lembro-me , em todo caso, do que me dizia Samuel Wainer - íntimo, confidente e conselheiro de Jango - quando ele era colunista e eu editorialista na FOLHA DE SÃO PAULO, após minha volta do exílio: a partir de fins de 1963, o presidente da República se despusera a deixar, não a vida, como Getúlio, mas oc argo, para entrar na história como um líder popular injustiçado. Deposto, quem sabe um dia seria chamado de volta, aí, como Getúlio".

Imprensa

O CASO DO MOMENTO


segurança de YEDA ERA INFORMANTE DA RBS


POR MARCO aURÉLIO wEISSHEIMER.


O sargento CÉSAR RODRIGUES DE CARVALHO , que trabalha como segurança da governadora Yeda Crusius (PSDB) na Casa Militar era informente de jornalistas do grupo RBS. O fato foi admitido pela própria RBS na sexta passada:" O nome do sargento até agora não havia sido mencionado nass reportagens dos veículos da RBS em respeito ao princípio constitucional de proteção do sigilo da fonte", diz o Grupo RBS.

Ainda segundo a RBS, as " as informações se referiam a passagem por presídios,situações de criminosos foragidos e otipo de crime em que estavam envolvidos, inlcuindo, em alguns casos, fotos".


Na quinta da semana passada, ume mail foi enviado a vários jornalistas do Estado afirmando que o sargento " prestava serviços a jornalistas no acesso a dados" , em especial para a RBS. A prática não é rara no meio, mas é um constrangimento para a empresa a sua divulgação, uma vez que o Sistema de Consultas Integradas não se destina a isso. Além de ser uminstrumento para uso do aparato de segurança do Estado, o caráter público da comunicação e da divulgação de informações por parte do Estado deveria evitar esse tipo de acesso privilegiado a dados e fotos.


No depoimento que prestou ao promotor Amílcar Macedo, na quinta passada, o sargento identificou aqueles que seriam os mandantes de suas ações no interior da Casa Militar. Entre outros, já foram citados o ex-chefe de gabinete da governadora Ricardo Lied, hoje na coordenação da campanha de Yeda e oficiais da Brigada Militar lotados na Casa Militar. O promotor acreita que o sargento César é peça de uma engreganagem muito maior.


Coleguinhas


Nelson Burd, que se apresentou no domingo passado na Hora Israelita, da Band AM, será filho do Armando Burd nosso colega?


Luiz Marenco abre festejos em São borja

A Semana Farroupilha 2010 começou neste sábado (11/9) em São Borja com o show de um dos expoentes da música tradicionalista. Luiz Marenco reuniu centenas de pessoas durante a tarde no Clube Recreativo Samborjense. A apresentação, marcada inicialmente na Praça XV de Novembro, foi transferida para o CRS em função da chuva forte que começou ainda durante a madrugada.
Antes do show de Luiz Marenco, aconteceu a apresentação da invernada do CTG Tropilha Crioula e declamação de poesia de integrantes do Centro Nativista Boitatá. Além da tradição gaúcha, a tarde contou com a apresentação da Escola Municipal de Danças Folclóricas e Tango de San Francisco, província de Córdoba, na Argentina. Trazidos à São Borja pela Academia de Ballet Salete Maurer, o grupo demonstrou danças típicas da cultura argentina e finalizou com um tango, muito aplaudido pelo público presente.
Luiz Marenco abriu o show com um dos seus maiores sucessos, Batendo água. Em quase duas horas, ele apresentou músicas como De boca em boca, Senhor das manhãs de maio e Quando o verso vem pras casas, além de músicas de seu último trabalho, Identidade. Marenco relembrou que possui ligações com São Borja, pois seu avô nasceu na cidade.
A abertura oficial da Semana Farroupilha aconteceu na tarde desta segunda-feira (13/9) com a chegada na Chama Crioula na Plataforma Cívica Teotônio Vilela, na praça XV de Novembro. Durante toda a semana, o Recanto Gaúcho terá uma programação que inclui danças, comidas típicas e apresentações musicais.

DECOM/PSB

Show Marenco

DECOM/PSB

Show Marenco

MEIO AMBIENTE

Secretário participa de reunião para beneficiar meio ambiente

Uma reunião promovida segunda-feira (13/9) pela Associação dos Municípios da Fronteira Oeste (AMFRO) discutiu o andamento do programa Árvore é Vida. Nele, São Borja será beneficiada com 200 mil mudas de espécies nativas para reposição de matas ciliares, áreas degradadas, nascentes e formação de reserva legal. No encontro realizado na Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), em Porto Alegre, São Borja foi representada pelo secretário de Meio Ambiente (SMAM) , José Ênio de Jesus.

O programa é de responsabilidade do Departamento de Florestas e Áreas Protegidas (DEFAP) da Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Em julho, foi firmado contrato entre AMFRO e a prestadora de serviços ambientais, Ibirubá Florestal Ltda, que garantirá o plantio de um milhão de mudas de árvores nativas na região.

Ainda este ano serão disponibilizadas 10 mil mudas para São Borja. Ano que vem passará para 70 mil e depois 120 mil em 2012. As árvores serão distribuídas aos produtores que se responsabilizarão pelo seu plantio e monitoramento. A fiscalização ficará a cargo da SMAM e do governo do estado, via sistema informatizado.

Para José Ênio, este é um projeto excelente, pois são mudas para compensação ambiental e sem custos para o município. “Além disso, serão plantadas árvores de região, de espécies adequadas às características do meio ambiente daqui, como os ipês, canela, angaveiro, guajuvira e cedro”, completou.


Prefeitura de São Borja - Comunicação

Gremio...

Olides

Não torço mais para o Grêmio (sou só Esportivo) Mas tambem não torço
contra. Agora no Campeonato Nacional,então,,torço para a dupla
Grenal.Sou gaucho e muito bairrista. Mas cá pra nós: que o time
doGremio é ruim isto é.Estou torcendo para o Douglas se transferir
para o Corintians. Ele é um bom jogador.Ah!Ah!Ah! . Mercece esta
oportunidade.
Já te disse e vou repetir: no tempo da Baixada,esses caras do teu time
principal só treinariam lá,se levassem as chuteiras, as meias e os
calções. Ah! tem mais: so treinariam se estivesse faltando alguém....

Sergio Ross


PS: o Roberto D'Avila,cuja toda familia é de Bento, levou o fora da
Minista Ellen Greice
. Vou conversar amanhã,com a Marlene Galeazzi para saber o que
houve. Por falar em Marlene,ela anualmente nesta época do ano, faz uma
festança para reunir toda a gauchada que vive por aqui. A proxima
festa será dia 29 deste mes.Como só podia se,tem muito churrasco e
muito vinho de Bento.

Recebo do Matz e publico

Mas sinceramente, não sabia que a Ditadura
censurou até os nossos heróis gaudérios....

 

"Para assombro dos tiranos"


Por Luiz Oscar Matzenbacher

Para assombro dos gaúchos e por iniciativa dos tiranos, o Hino Rio-Grandense foi censurado durante a Ditadura. Simplesmente perdeu uma estrofe inteira, por conter a palavra 'tiranos'. E, o pior, a estrofe foi censurada com o apoio da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, cuja sede é o "Palácio Farroupilha".
Inexplicavelmente, até hoje, os versos cortados por iniciativa da bancada que constituiria a então ARENA, em 1966, continuam fora do Hino Rio-Grandense.
Descobri isso, lembrando-me que o hino que eu cantava no Colégio Farroupilha e no Colégio Júlio de Castilhos, antes de 1964, era bem mais longo que o atual. Fui buscar as duas versões e percebi que faltam ao atual hino os seguintes versos originais, aliás, para mim, os mais importantes:
...Entre nós revive Atenas
para assombro dos tiranos;
sejamos gregos na glória
e na virtude, romanos...(.)
O Hino Rio-Grandense atualmente cantado, perdeu a segunda estrofe em 1966 e nem a Anistia Ampla, Geral a Irrestrita devolveu aos gaúchos a versão original. A terceira estrofe virou a segunda estrofe. Vejam como era bonito:
HiNO RIO-GRANDENSE.
I.
Como aurora precursora
Do farol da divindade
Foi o vinte de setembro
O precursor da liberdade.
Refrão
Mostremos valor e constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra
De modelo a toda terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra.
II.
Entre nós revive Atenas
para assombro dos tiranos;
sejamos gregos na glória
e na virtude, romanos.
Refrão.
Mostremos valor e constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra
De modelo a toda terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra.
III.
Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo.
Refrão
Mostremos valor e constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra
De modelo a toda terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra.///
Ao perder a evocação aos gregos e romanos, o Hino Rio-Grandense foi despojado da universalidade que significava o movimento republicano libertário do Continente de São Pedro do Rio Grande - uma aliança entre os farroupilhas gaúchos e os garibaldinos (adeptos da Unificação Italiana) - que pelearam juntos contra a tirania e pela liberdade, igualdade e fraternidade nos rincões do Sul do Brasil. Eram inspirados romanticamente na democracia das Repúblicas de Atenas e de Roma.

Recital Setembro Farroupilha



O espetáculo Setembro Farroupilha presta uma homenagem a Danúbio Gonçalves, no próximo sábado, dia 18 de setembro, às 18h e 30min, na
Livraria Cultura, no Bourbon Shopping Country - Loja 302, na Av. Túlio de Rose, nº 80.
O poeta Luiz Coronel e a atriz Deborah Finocchiaro recitam poemas do livro A Cartilha Farroupilha, com o acompanhamento musical de Sérgio Rojas que
faz um pequeno show sobre a temática proposta.
A Cartilha Farroupilha, de autoria de Luiz Coronel com participação de Danúbio Gonçalves, é uma obra poética que revela fragmentos da Revolução
Farroupilha, período fundamental na constituição histórica do Rio Grande do Sul.
Após o recital poético e musical Luiz Coronel e Danúbio Gonçalves estarão autografando.
O evento tem o apoio cultural do Grupo Zaffari e da Livraria Cultura.
* Informações complementares do autor em anexo
Pareceres – A Cartilha Farroupilha
“Luiz Coronel traz das profundezas da mãe-terra o perfume e a seiva forte de um nativismo moderno, com cantares e entreveiros de velhos Farrapos.” (Paixão Cortes)
“Com a Cartilha Farroupilha aprendi sobre essa riquíssima história gaúcha e, o que de melhor, em versos da mais alta qualidade, bem medidos e cantantes.” (Ivan Junqueira – Academia Brasileira de Letras)
“O que temos aqui é um monumento artístico-literário, uma grande homenagem à alma gaúcha.” (Moacyr Scliar – Academia Brasileira de Letras)
“Somente um poeta, na verdadeira acepção da palavra, é capaz de conferir dimensão poética à história.” (Carlos Nejar – Academia Brasileira de Letras)
“Versos certeiros, história correta, resultado esplêndido, resumem a Cartilha.” (Voltaire Schilling – Professor e Historiador)
“A Cartilha Farroupilha é a tua obra-prima. Ouso dizer: na condição de poeta é teu melhor momento.” (Sergius Gonzaga – Professor e Secretário de Cultura de Porto Alegre)

A VIDA COMO ELA É....


Os amigos

se estranharam

no Acampamento Farroupilha


O Acampamento Farroupilha, no Harmonia, é local para o qual acorrem muitos portoalegrenses depois dos seus compromissos diários.Ele não é formado só dos que tiram férias para estes 20 dias, mas também dos que vão lá esporadicamente.

Na semana passada, uns conhecidos deste colunitas foram pra lá prum piquete, mas deu briga entre eles.

Tudo por culpa do tal do machismo gaúcho...

Depois de um pitstop no Felipe, Tasca e seus amigos pararam no piquete do acampamento Farroupilha.

Mas lá não deu tudo tão certo.


Tinha uns marmanjos sentados no piquete de olho nas mulheres que o Tasca tinha levado para lá....

E não é que uma delas, chamada de " Pequeno Pônei" foi dançar com alguns marmanjos de outro piquete.

Aí o Tasca se melindrou....

Pegou um táxi e foi embora

Até hoje não fala mais com quem levou o " Pequeno Pônei" pra lá pra tomar cerveja.

O engraçado é que no Felipe, onde a turma se reúne pra beber umas qui outras e falar mal da vida dos outros, o Tasca foi inocentado.

Mas que coisa: alegaram que no Acampamento Farroupilha ficou mal que suas amigas olhassem pro lado...

É o tal do machismo gaucho exarcebado!

Programe-se:


Bancários vão entrar em greve

dia 23/09/2010!


Será no dia 23/09,quarta da semana que vem o começo de uma greve dos bancários.

Podem se agendar.

Ontem já vi faixas nos bancos penduradas avisando da nova campanha salarial.


Ontem, a caixa do Banrisul que atendia os idosos avisava a todo cliente da greve na semana que vem.

AGENDA TARSO GENRO


15/09/10 - quarta-feira


PORTO ALEGRE
9h30 ás 11h30 – Reservado para Gravação de Programa eleitoral de rádio e TV

12h30 – Entrevista ao Jornal SBT Rio Grande
Jornalista: Guilherme Rocha

15h às 15h30 – Participa do programa Gaúcha Repórter
Local: Rádio Gaúcha

SANTA MARIA
20h – Comício – Santa Maria
Local: Pça. Saldanha Marinho


O achatamento das aposentadorias


Sérgio Oliveira (*)


A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip) demonstra anualmente, através de seus relatórios denominados Análise da Seguridade Social, a mentira do déficit da Previdência Social, pois, sendo ela parte de um todo, a Seguridade Social, e esta sendo superavitária, desmonta os argumentos do governo federal. Segundo essas análises, de 2000 a 2008 tivemos os seguintes números: superávit total: R$ 392,2 bilhões, ou seja, a diferença entre o total das receitas da seguridade social menos o total das despesas. Sobrou toda esta grana. Mesmo com a diminuição dos valores da Desvinculação das Receitas da União (DRU), no total de R$ 237,7 bilhões, ainda assim, sobrou o total de R$ 154,5 bilhões. Se somássemos os valores desde 1995, por exemplo, o superávit total, a sobra, chegaria a mais de R$ 437 bilhões, demonstrando, de forma cabal, a falácia do déficit da Previdência Social, que faz parte de um todo, a seguridade social.

Em 2009 o superávit da seguridade social foi de R$ 32,603 bilhões, suficiente, tal como nos anos anteriores, para que fosse dado aumento igual ao do salário-mínimo aos que ganham mais e ainda sobraria dinheiro. Segundo sites de aposentados, a defasagem das aposentadorias acima do mínimo, nos dois últimos governos, é a seguinte: governo FHC: 18,77%; governo Lula: 42,75%. E, ao que consta, essa política continuará a mesma, motivo pelo qual, em breve, todos os aposentados estarão recebendo apenas um salário-mínimo. Tem o Fator Previdenciário criado no governo FHC, idealizado por Solange Paiva Vieira, hoje presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) no governo atual, que foi mantido pelo Lula, embora exista projeto aprovado extinguindo o mesmo, mas que, até agora, não há segurança de que será sancionado; poderá ser vetado e aí será que o Congresso derrubará o veto?

(*) Aposentado em Charqueadas/RS

Pô, além de tudo a grossura em pessoa é colorado!

Fico sabendo pelo jornal Portão 8, do colega Nilton Santos, que o novo patrono da Feira do livro de Porto Alegre, Paixão Cortes é colorado. Bah, eu achava que o Paixão fosse gremista! Mais esta,agora???!!!

Chasque

O bem-informado Serginho

manda chasque da Capital Federal

O Fehlberg que ele fala é o jornalista Carlos Machado Fehlberg que ontem deveria ir a Brasília porque foi lançado um livro contando a história dos porta-vozes da presidência da República. E Fehlberg o foi do falecido Emílio Médici.

Olides

Ligue para mim logo mais à noite. Estou com muitas histórias para te
contar.No almoço de hoje no Stella,sentados em minha frente,estava o
Claudio Humberto, o Carlos Chagas e o Saihd Farah,que foi o porta voz
do Figueiredo. Tu escreverias um livro com o que eles contaram. Os
tres e o resto da mesa,ficaram esperando pelo Fehelberg,que lá pelas
duas horas da tarde,ligou de Florianópolis dizendo que não poderia vir
por estar com problemas de pressão alta.
Como tu sabes,eu almoço diariamente no Stella,mas cada dia que
passa,me dá uma saudades do jornalismo. Para escrever um monte de
notícias, eu não precisava nem chegar a sobremesa...Que saudades. Qu e
fontes eu tenho na minha frente diariamente. Agora, o vice presidente
do Correio Braziliense,o Ari Cunha,resolveu também participar do nosso
encontro...

Sergio Ross

Lula lamenta o fim do JB

Olha aí a pegadinha!

Dilminha

 

O isento, de Canoas, mostra que não é tão isento,assim!!!!!

Até a Zero Hora está fazendo campanha para a Dilma. Olhem a foto que eu recebi em meu jornal.

Remindo Sauim

Recebo e publico!


Caros amigos,


O STF poderá liberar candidatos corruptos nas eleições! Políticos corruptos estão apelando para a legalidade da Ficha Limpa. Vamos deixar claro o que os brasileiros querem. Assine a petição, ela será entregue para o STF em alguns dias:


A Ficha Limpa corre sério risco. Candidatos corruptos, barrados das eleições de outubro, estão apelando para o Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a “constitucionalidade” da lei. Se eles ganharem todos os candidatos corruptos que conseguimos banir, serão liberados para disputar as eleições de outubro.

O STF está dividido, alguns juízes defendem a aplicação imediata da Ficha Limpa, mas os outros estão dizendo que a lei só deverá valer para 2012. Eles irão julgar a constitucionalidade da Ficha Limpa a qualquer momento. Nós precisamos agir rápido e deixar claro para os juízes do STF que a sociedade civil brasileira lutou arduamente para passar a Ficha Limpa e queremos que ela seja válida para as eleições de outubro!

Assine a petição ao STF pedindo a validação da lei Ficha Limpa. A petição será entregue diretamente ao Presidente do STF em alguns dias!

http://www.avaaz.org/po/ficha_limpa_supremo/?vl

Graças à Ficha Limpa, mais de 242 candidatos notoriamente corruptos foram barrados das eleições de outubro. Esta lei simboliza uma melhoria imensa na qualidade dos nossos governantes. Porém, em uma medida desesperada para permanecer no poder, os candidatos banidos estão recorrendo ao STF para julgar a Ficha Limpa inconstitucional, a fim de concorrer nas eleições de outubro.

A Ficha Limpa é uma das leis mais democráticas do país, sendo introduzida e aprovada por um esforço da sociedade civil brasileira sem precedentes. Ela se tornou um símbolo de esperança por um governo livre da corrupção. Percorremos um longo caminho pressionando o Congresso, com telefonemas, e-mails e mobilização popular, agora precisamos nos certificar que o STF irá defender a vontade dos brasileiros e não dos corruptos. Assine a petição agora para garantir a validade da Ficha Limpa em outubro:

http://www.avaaz.org/po/ficha_limpa_supremo/?vl

Obrigado por fazer parte deste incrível movimento contra a impunidade e por um governo sem corrupção.

Com esperança por uma eleição sem corruptos,

Graziela, Alice, Ricken, Paul, Milena, Iain, Mia, Alex and the whole Avaaz team

Saiba mais:

Supremo Tribunal Federal pode votar Ficha Limpa antes das eleições:
http://www.band.com.br/jornalismo/eleicoes2010/conteudo.asp?ID=100000344787

TREs barraram 242 candidatos pela Lei da Ficha Limpa:
http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,tres-barraram-242-candidatos-pela-lei-da-ficha-limpa,608091,0.htm

Roriz aguarda decisão do Supremo, que está dividido sobre a Ficha Limpa:

http://www.correiobraziliense.com.br

Lenibeatriz Schmitz

Bares que fizeram lenda em Porto Alegre


O bar dos
alemão!!!


Hoje, no local, foi construído um grande prédio, mas já houve na rua Marques do Herval,598, no Moinhos de Vento( ao lado do célebre local onde foi morto o jornalista e radialista José Antônio Daudt)um restaurante de comida alemão estupenda e um bar que foi um dos melhores que Porto Alegre já teve.

O Wunderbar, é dele que falo, fechou as portas em 2005, fruto de uma ação trabalhista de uma funcionária.Oficialmente, o dono, Gilberto Dietrich - dono do Bucanero - explica que fechou o Wunder, como era chamado, por problemas societários." Me doeu fechar. Mas haviam problemas societários.Tentei vender mas como tinha muitos empregados isto geraria problemas de reclamatórias trabalhistas".

Fundado em 1984, quando a capital do Estado era carente de um bar como o Wunder,era especializado para os pratos de comida alemã, como o Hackepeter. Outros pratos do Wunder era a marreca desossada e o impecável Spaetzel au Paillard.

Aquele bar foi uma inovação, uma coisa diferente, lembra Gilberto Dietrich.É que mesmo pessoas solitárias podiam ir lá,sentar no bar, pedir um drink e ficar na sua....sem ter que sentar numa mesa e se sentir constrangida.

O Wunder tinha boas acomodações e os preços eram razoáveis.

O Wunder funcionou de outubro de 1984 e fechou em janeiro de 2005.

Um dos fundadores do Wunder foi o Schullas que acabou não ficando na sociedade.Mas o nome foi uma indicação de Gastão Mostardeiro que tinha uma casa em Canela, onde havia um bar com o mesmo nome.

Quem elaborou o cardápio foi um cozinheiro que voltara da Alemanha. Como os sócios demoraram a abrir o restaurante, ele acabou arrumando outro emprego e deixou lá o cardápio...

Tarso reúne-se com prefeitos petistas


Tarso reúne-se com prefeitos petistas

Prefeitos petistas da Região Metropolitana tem tarefa de realizar 200 atividades de campanha

Os prefeitos petistas da Região Metropolitana de Porto Alegre saíram, hoje, da reunião com o candidato a governador da Unidade Popular Pelo Rio Grande, Tarso Genro, com a tarefa de realizar, no mínimo, 200 atividades de campanha nos próximos 20 dias. O compromisso dos prefeitos é fazer caminhadas, carreatas, bandeiraços e panfleteação, independente da participação do candidato. Foi Tarso mesmo quem comandou a reunião, que durou amanhã inteira e que contou também com a presença de outros dois prefeitos do interior. Tarso pediu ao grupo que mantenha a mobilização até o dia 3, com o objetivo de “buscarmos a maior votação possível já no primeiro turno”.

Tarso pediu o engajamento total aos companheiros de partido: “Aqueles prefeitos que não podem tirar férias ou licença, continuam trabalhando ao meio-dia e após as 18h. E aqueles prefeitos que podem se licenciar, tirar férias, que o façam e utilizem este tempo em uma grande mobilização para nos últimos 10 dias nos aproximarmos o máximo possível dos 50 % e, quem sabe, até sobrar um votinho e passar dos 50%” afirmou após a reunião.

Os prefeitos fizeram relatos e avaliações da situação da campanha em suas cidades e apresentaram demandas à coordenação da Unidade Popular para “ampliar o engajamento” e “potencializar a mobilização”. Eles deverão liderar atos políticos, como carreatas e caminhadas, simultaneamente em diferentes pontos da Grande Porto Alegre.

Embora perceba um grande apoio aos candidatos da Unidade Popular em seu município, o prefeito de Viamão Alex Boscaini disse sair mais motivado do encontro. “Este tipo de reunião é importante para que nós possamos unificar as idéias, ver o que estão pensando em cada município, e tirar táticas eleitorais para potencializar a candidatura do Tarso na reta final.” Nelson Spolaor, prefeito de Sapiranga também saiu empolgado do encontro com Tarso a quem prometeu “colocar o bloco na rua” em seu município. “A população gaúcha aprova o projeto do presidente Lula e nós, aqui, representamos o atual governo federal", defendeu Spolaor.

Participaram os prefeitos Jairo Jorge (Canoas), Tarcisio Zimmermann (Novo Hamburgo), Ary Vanazzi (São Leopoldo), Rita Sanco (Gravataí), Gilmar Rinaldi (Esteio), Vilmar Ballin (Sapucaia do Sul), Alex Boscaini (Viamão), Nelson Spolaor (Sapiranga), Gérson Miguel Schwengber (Dois Irmãos), e também o prefeito de Bento Gonçalves, Roberto Lunelli.

Daniel Rosa Lopes
MTb RP 12 417



1º Sarau da Canção do Instituto de Artes

DATA: Segunda-feira, 04 de outubro às 17:30 (entrada franca)

Local: INSTITUTO DE ARTES DA UFRGS (IA-UFRGS)
Rua Senhor dos Passos, 248, Centro POA
Auditorium Tasso Correa

Sinopse:

Espetáculo inédito no Instituto de Artes da UFRGS, no Auditorium Tasso Corrêa, com apresentação de composições de estudantes do curso de graduação em Música. Fundado em 1908, o Instituto de Artes realiza periodicamente saraus abertos ao público, nos quais os estudantes apresentam o resultado de seus estudos em música.
No dia 04 de outubro de 2010, acontecerá um marco importante para a vida musical do Instituto de Artes e de Porto Alegre. Com a iniciativa dos músicos Paulinho Parada e Gaspar Caon, e o estímulo do prof. Antônio Carlos Borges Cunha, o 1º Sarau da Canção dedica seu espaço para a divulgação das canções autorais dos estudantes de graduação em Música. Além do trabalho dos próprios organizadores, serão apresentadas composições de Luis "New" Henrique, Daniel Gehlen, Renan Balzan e outros músicos.
Contamos com a presença de todos na estreia desse importante acontecimento!

Participantes do sarau

Luis "New" Henrique -
Renan Balzan -
Daniel Gehlen -
Rose Carvalho
Paulinho Parada
Gaspar Caon
Eduardo Francisco -
Tássia Minuzzo -
Karen Volkmann
Alberto Ritter-
Federico Trindade

Atenciosamente,
Gaspar Caon e Paulinho Parada


SERVIÇO SONORIDADES

Quando: quarta-feira (15/09)
Horário: 21h
Dial: 1080 AM ou www.ufrgs.br/radio


APresentação e Produção: Guto Villanova e Mozart Dutra

Operação técnica: Cleber Mendes

Supervisão: Prof. André Prytoluk

http://www.paulinhoparada.blogspot.com/

http://www.artes.ufrgs.br/


DE Brasília


Informa o nosso sempre bem informado Serginho Ross que a ministra do STF, Ellen Greice e o jornalista Roberto D'Avila não estão mais juntos!

Quando a grande imprensa descobriu isto, no passado, valeu duas páginas na revista Época,por exemplo!

Vamos ver agora, se vão dar duas linhas!


A FONTE QUE
NÃO SECOU


fonte que foi reinaugurada aqui em Brasília

Dias atrás,foi reinaugurada aqui em Brasília, uma velha fonte
luminosa, que está localizada em frente
a Torre de Televisão. Os brasilienses já estavam sentindo saudades da
agua colorida que ela jorra e saudades da musica que se ouve. A fonte
foi construída em 1967 e tem 80 metros de diâmetros e dois mil bicos
ejetores de água. Até ai,tudo bem. Só que, a fonte foi reformada pela
empresa,a Euroatlântica associada à multi nacional Ghesa. A
Euroatlântica, tem como representantes no DF, dois filhos dos deputado
distrital Benedito Domingues (PP). O deputado, que teve os bens
bloqueados por suposto envolvimento nas denuncias da Operação Caixa de
Pandora,que tirou o governador Arruda do poder e o botou na
cadeira,usou as prerrogativas de parlamentar, para favorecer contratos
com a empresa especializada em fonte luminosas onde trabalham os seus
rebentos. O deputado destinou R$ 800 mil para a fonte do Plano Piloto
e outros R$ 800 mil para uma fonte localizada na cidade
satélite,Taguatinga. Por sua vez o GDF liberou R$ 4 milhões para a
fonte da cidade e mais R$ 700 mil para a fonte de Taguatinga.
Quando nós aqui em Brasília, pensamos que estavamos livres dessas
bagunças, a zorra continua...


Sergio Ross

O " lio" no muquifo
onde moro!

 


Moro numa zona muito boa - disto não me queixo - mas o prédio é de alta rotatividade, no sentido de que troca muito de inquilino.Geralmente são estudantes quem vêm do interior e que os pais pagam o aluguel. E como são todos jovens, alguns sem controle( por favor, nenhum ranço moralista), alguns , não todos, se excedem. Neste domingo que passou, lá pelo meio dia e pouco, chovia como em todo lugar e comecei a ouvir uns gritos de um cara que estacionara o carro na calçada.

Putz, pensei é briga de casal!!!!

O cara sentado dentro do seu carro berrava prum endereço que eu ainda não sei qual é:

- Manda chamar teu pai, diz pra ele vir aqui de táxi


E o que era pior: ele ameaçava com morte!


A tarde correu, fiz meu almoço e estava trabalhando mas na frente do prédio continuou a chegada e saída de carros, inclusive um senhor que chegou num táxi mesmo até a hora que saí pros meus compromissos.Lá pelo meio da tarde, finalmente, estacionou o carro da Brigada Militar, mas não houve nenhum incidente maior. O brigadiano tomou nota de algumas coisas e nada mais...

Quando voltei já lá pelas 10 e pouco da noite, estava tudo calmo....

Hoje(segunda) vi uma moça sentada embaixo do prédio do lado onde ocorreram os incidentes, digamos. Perguntei-lhe o que ocorrera na tarde anterior. Meio tristonha( aí vi que o assunto fora com ela) me disse:

- Nada, nada!

Foi um domingo de lios no prédio que moro há alguns anos!

 


DILMA E A CLASSE MÉDIA


Por Carlos Chagas


Conta a crônica mais ou menos recente que José Serra sorriu, ao saber que o presidente Lula havia indicado Dilma Rousseff como candidata. Já se vai mais de um ano do sorriso, que continuou alguns meses, quando as primeiras pesquisas eleitorais davam à então chefe da Casa Civil míseros três pontos, contra mais de quarenta para o governador de São Paulo.
De lá para cá as coisas mudaram. Por que mudaram? Afinal, Serra é o mesmo. Dilma também, apesar de, em campanha, multiplicar e distribuir os sorrisos que jamais concedeu desde que ingressou na administração federal.
Tem nome e endereço a causa dessa inversão monumental que mostra Dilma com 55% das preferências populares e Serra com menos de 25%. Chama-se Lula. Adianta muito pouco celebrar ou lamentar a realidade. É isso mesmo, para o bem ou para o mal. Ele conseguiu o milagre de atender as massas e as elites. Com isso anestesiou a classe média, fenômeno obviamente sazonal, incapaz de prolongar-se por mais de oito anos.
Vale projetar o futuro, começando pelo primeiro dia de janeiro do ano que vem, quando o Lula transmitirá a faixa presidencial para a sucessora. Disporá a nova presidente da República condições de repetir o sucesso do antecessor? Terá dado seu último sorriso no dia da posse?
As massas vão esperar mais do que receberam, começando pela atualização do bolsa-família e a criação de mais empregos. As elites imaginarão continuar cercadas de favores e benesses.
Mas a classe média? Nela vai repousar a sorte do novo governo. Terá Dilma Rousseff sensibilidade e condições para perceber a necessidade de governar para o cidadão comum, aquele que paga impostos, teve seu salário congelado e carece de serviços públicos essenciais? É bom tomar cuidado.

ANTES E DEPOIS DA HORA
Diz o refrão popular que antes da hora não é hora. Nem depois. Seria bom Dilma Rousseff parar de falar na “constituinte exclusiva” que defende para a realização da reforma política e começar a pensar em efetivá-la no primeiro ano de seu governo através dos mecanismos ortodoxos de sempre. Traduzindo: através do Congresso. Isso significa dar ao seu vice-presidente, Michel Temer, uma função adicional, além de substituí-la em viagens eventuais ao estrangeiro. Ninguém estará melhor preparado para levar deputados e senadores a um possível denominador comum capaz de conciliar o financiamento público das campanhas com o voto distrital misto, a redução do número de partidos, o voto em listas partidárias e outras mudanças. Enveredar pelo caminho tortuoso de uma “constituinte exclusiva” será inaugurar a primeira lambança da nova administração.

Bares que fizeram lenda em Porto Alegre!

 

O REI DA NOITE DE PORTO ALEGRE

SE APOSENTA!!!!


Noticiário da semana passada deu conta que o " rei da noite de Porto Alegre" ,agora já ex, Eduardo Alvarez(escrito assim, ninguém sabe mas quando o chamam de DUDU todo mundo o conhece) está se aposentando e passando seu último invento, no caso a casa Cord nos altos da rua Casemiro de Abreu, para as mãos de outro notívago da capital, Pedro Mello.

Quando o entrevistei para meu livro sobre a noite de Porto Alegre, no ano passado, travei conhecimento com um empresário que estava no ramo desde 1970. No caso do Dudu, ele começou em 1970, no dia que o Brasil estreava na Copa do México, ou algo assim, com seu Bondeu, em Petropolis.

Antes estudara Direito na Unisinos e também fizera transporte escolar entre Porto Alegre e a Unisinos, descobrindo um filão que ninguém havia ainda explorado.


Dudu prosseguiu no ramo notívago com uma penca de casas: Beliscão, Play Dudu, Papa Nenê, Ovo de Colombo,Encouraçado 938,, Cord, Eduardo Sydio Bar, Brick Café, Studio Rock e Bar ao Lado.

O seu sucesso ele explica como sendo uma estratégia: " eu não trabalho com brasileiro que se acha suíço. Brasileiro que se acha suíço não é nem um por cento no Brasil"!

Em maio de 2009,quando conversei com ele, durante uma tarde inteira nos altos da Casemiro de Abreu, Duda achava já que a noite tinha mudado muito.
Seu sucesso se deve,ainda segundo o próprio a seu estilo de se comportar dentro de suas próprias casas:eu levei a noite a sério.eu não bebia,não era cliente de minha própria casa"!

Na noite, Duda coleciona amigos e inimigos. Schullas é um dos que podem ser considerados inimigos. Suas rusgas aconteceram quando ele acabou comprando o prédio onde funcionava a famosa boite Encourçado Butekin.
Como Schullas, hoje dono de um restaurante na Auxiliadora, tinha o direito sobre o nome da boite famosa, Duda,esperto, botou o nome de Encouraçado 938, que é o número da avenida Independência,onde se encontra a famosa casa.

Ela ainda abre apenas para eventos contratados.

Já com mais de 60 anos, Dudu, o rei da noite de Porto Alegre - ele tem orgulho quando o chamam por este epíteto -

deixa sua receita de vida:" a gente não precisa de muito para viver bem, eu tenho um estilo de vida, tenho o meu estilo de vida, faço o que gosto e vou onde quero, não curto modismos.Por isso vivo bem" diz.

Sim, o Dudu da noite é o mesmo que alguns conhecem por um excêntrico colecionador de carros antigos!


De Canoas para o mundo


Caro Olides. Eu como leitor e acho que tu como jornalista também nunca tinha visto uma revista ser desmentida antes de chegar as bancas. Pois a matéria de capa deste fim de semana da Veja conseguiu este milagre. A principal testemunha disse que não disse o que a revista escreveu, que não é sócio da empresa citada. Por sua vez a tal empresa diz que o contrato mostrado na revista da Abril não existe, seria armação. E no tal contrato os 6% citados como propina se referem a empréstimos futuros e não aos serviços do qual o filho da ministra é acusado. Nos jornais de segunda-feira o assunto veio muito velho, depois de 48 horas de discussões na blogosfera o assunto já estava passado do ponto.

O acampamento Farroupilha está se tornando o maior ponto de encontro das cinqüentonas da capital e interior. As madames com seus cabelos pintados, quase sempre de loiro-avermelhados, ficam por ali desfilando esperando convites para danças, tragos e churrasqueadas. Metida em jeans uns dois números menores elas estão fazendo a festa da garotada. Bem perfumadas, e cheias de atenções, prometem emoções fortes e sem muitos compromissos, comprovando que quem faz comida boa é panela velha.

Depois da matéria sobre os bondes de PortoAlegre, do Gelson Farias, teus leitores foram brindados, desta vez pelo Serginho Ross, com uma sobre os carros oficiais de Brasília. As duas com bons textos e belas fotos.

Já que falaste em mim, ao tocar flauta no Serginho pelo jogo Grêmio e Corinthians, vou entrar no assunto. Pela primeira vez, depois da saída do Mano Menezes do Grêmio, vejo uma retranca de verdade no time. Os paulistas podiam ter chutado durante mais quatro horas que a bola ia sempre ou bater na saga ou sair pela linha de fundo. E o gol do Douglas, hem? Passou pelo zagueiro como brisa por entre as pernas de moça faceira fechando a jogada com um chute certeiro.

Remindo Sauim, o isento

OS DESAPARECIDOS NA ARGENTINA
OS FILHOS NÃO ESQUECEM

 

De Buenos Aires
Gelson Farias

Antes eram as mães da Praça de Maio. Agora são os filhos dos 30 mil argentinos desaparecidos que querem o julgamento dos torturadores que mataram seus pais e mães. Eles têm entre 22 e 30 anos, a mesma idade que os pais tinham quando sumiram dentro das prisões da ditadura militar Diego Genou tem 24 anos. É um rapaz bonito, moreno de cabelos quase compridos. Ele prefere resumir sua história a alguns fatos, um nome e uma data: "Minha mãe se chamava Manuela. Ela tinha 36 anos quando desapareceu, em 1976, e eu não tinha nem 1 ano. Meu pai foi prisioneiro político até 1982. Fui criado pela minha avó". Diego é membro da associação Hijos - "filhos" em espanhol, mas também a sigla para Hijos por la Identidad y la Justicia, contra el Olvido y el Silencio (filhos pela identidade e pela justiça, contra o esquecimento e o silêncio). Diego trabalha incansavelmente pela associação, como se ele tivesse decidido calar sua dor para transformá-la em combate: "A Hijos agrupa os filhos dos exilados, dos desaparecidos, dos assassinados e também dos prisioneiros políticos.


Na Argentina, a data do golpe militar de 1976, dia 24 de março, é feriado nacional e costuma ser lembrada com grandes manifestações.

Cartaz com nomes dos estudantes desaparecidos estão por todos os lados em Buenos Aires.

A mãe da mexicana Cristina Cialceta( foto) uma das vítimas da ditadura militar argentina identificadas semana passada, afirmou que mesmo que a presidente Cristina Kirchner a convide não vai à cerimônia em homenagem aos jovens, que será liderada pela presidente Cristina Kirchner, na quarta feira desta semana.
- Não estou em condições. Teria preferido que fossem realizados menos atos (de homenagem), mas entendo que, para os defensores dos direitos humanos, representa uma vitória.
María Elena Marull, de 88 anos, que viu a sua filha pela última vez em setembro de 1976, disse à agência EFE que a notícia da identificação do corpo de sua filha Cristina representa "mais um alívio que uma alegria".
- Não soubemos nada de Cristina em mais de 30 anos. É muito duro remover todo este tempo que acreditava ter superado.
Ela não oculta, no entanto, sua satisfação por saber que "não atiraram ao rio" sua filha.
Já os pais do outro jovem encontrado, o francês Yves Domergue, de 79 e 80 anos, receberam a notícia da identificação de corpo de seu filho com "emoção e alívio". Nos momentos eles se encontram na Espanha.
Restos são identificados graças a estudantes
Os restos mortais dos dois jovens desaparecidos durante a ditadura militar na Argentina (1976-1983) foram identificados no último dia 22 de julho graças a uma pista recolhida por um trabalho de estudantes do ensino médio. As informações são do jornal argentino Clarín. Yves Domergue e Cristina Cialceta foram enterrados como indigentes em 1976 no cemitério de Melincué, a 350 km ao norte de Buenos Aires. Os dois militavam no Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PRT, extrema-esquerda).
Em 2003, quando um professor de escola pública instruiu estudantes a fazer um trabalho sobre a memória e os direitos humanos, os alunos recolheram alguns testemunhos. O trabalho da escola foi apresentado em 2008 ao Ministério dos Direitos Humanos em Santa Fé, que decidiu investigar o assunto.
A família de Domergue descobriu que os jovens foram sequestrados perto do dia 20 de setembro de 1976, nas proximidades do Batalhão de Comunicações do Exército, em Rosario, mas o crime não deixou nenhum rastro ou qualquer testemunho direto. O próximo passo, agora, é determinar quem foi o responsável pelos assassinatos.


As mães da Praça de Maio não estão mais sozinhas. E pode saborear uma vitória sagrada, a de conseguir transmitir sua mensagem. Elas continuam reclamando por seus filhos andando em círculos, com lenços brancos amarrados na cabeça, como fazem há 20 anos, todas as quintas-feiras, às 15h30, na frente do Palácio do Governo. Procuram seus filhos e, às vezes, seus netos também, filhos de suas filhas que foram presas grávidas. As juntas militares que se sucederam de 1976 a 1983 não acreditavam no que estava acontecendo. Não podiam entender como elas, chamadas pelos militares de "loucas", ousavam enfrentá-los, perguntando pelo paradeiro de "terroristas". Elas enfrentaram o governo, os cachorros policiais, os cassetetes. "Os militares não esperavam o que aconteceu a partir desse movimento", conta Juanita Pergament, 85 anos. "Esperavam menos ainda que, 20 anos depois, um movimento de filhos viesse reclamar a verdade sobre a morte de seus pais." É verdade que, até agora, os militares têm conseguido tirar o corpo fora.


Em 1986, o chefe da primeira junta, o general Jorge Rafael Videla, e seu braço direito, o almirante Emilio Massera, foi condenado à prisão perpétua. Uma comissão de inquérito montada pela jovem democracia do país acumulou testemunhos, descreveu com minúcia o que aconteceu, particularmente entre 1976 e 1978, nos cerca de 300 centros de detenção clandestinos: a eliminação sistemática dos opositores do governo, sob a palmatória da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. A comissão de inquérito editou um livro, "Nunca Más", que mostra a medida do terror que se abateu sobre o país: prisões injustificadas, torturas sistemáticas, estupros.
Trinta mil pessoas desapareceram. Não há processos nem provas. Foram execuções sumárias, assassinatos. Os cadáveres anônimos foram enterrados em valas comuns, e até pessoas vivas foram jogadas ao mar do alto de aviões. Todos com idade entre 20 e 30 anos. Os inquéritos também enunciam as responsabilidades dos militares, indo de alto a baixo na hierarquia. Em 1987, duas leis foram promulgadas. Conhecidas como lei da "obediência devida" e "ponto final", elas põem fim aos inquéritos e às prováveis acusações futuras. Em 1990, os julgados de 1986, encabeçados pelo general Videla, foram anistiados em nome de uma pretensa "reconciliação nacional".
Para Diego, a associação Hijos nasceu naquele momento. O governo queria passar a borracha sobre o problema, e isso estava fora de questão: "Nós não acreditamos na legalidade porque, até hoje, ela protegeu os torturadores. Então decidimos fazer com que eles sejam condenados pela sociedade. Nós queremos que as pessoas saibam que, às vezes, uma simples parede as separa de um torturador, que no balcão do restaurante tropeçam num genocida. Nós queremos que toda a sociedade repudie os assassinos que andam ao nosso lado". Linchamento verbal. Os "filhos" inventaram o "escracho", uma manifestação de um tipo especial. Mario de la Rosa, 23 anos, explica como funciona: "Nós descobrimos onde o torturador vive. Tiramos fotos dele. Escrevemos seu histórico: o que ele fez, em que centro de detenção operou, se foi condenado, que lei o libertou, o que ele faz hoje, seu endereço, seu telefone, seus hábitos... Quando temos tudo, fazemos folhetos. Enchemos o bairro com os papéis, anunciamos no rádio para que as pessoas participem. No dia do "escracho", vamos até a casa dele. Fazemos manifestações na frente, pichamos os muros. Os guardas não gostam. Às vezes eles fazem cordões de isolamento, principalmente se for um figurão sagrado, como o almirante Massera. Então, é claro que tem um pouco de baderna. E eu gosto bastante".
Mario é magro e comprido como um cipó, e usa rabo-de-cavalo. Apesar de seu ar fanfarrão, a angústia às vezes transparece: "Minha mãe era pediatra, se chamava Helena. Meu pai, sim, era um guerrilheiro, um tipo de chefe militar. Eu nasci no dia 21 de agosto de 1976, eles foram seqüestrados em setembro". Diego também não gosta de se alongar nessa conversa. Como o pai, ele é um militante: "Não estamos aqui para ficar chorando sobre a nossa sorte. Já fizemos muita coisa, temos um monte de atividades. Isso é que importa. Claro, eu procurei informações sobre os meus pais. Eu até encontrei os corpos deles. Mas isso não me interessa. Eu sei que eles estão mortos. Foram encontrados em uma vala onde havia 150 cadáveres. Eu não tentei enterrá-los. Eu não quis separá-los. No fundo, eu prefiro que eles estejam desaparecidos. Na verdade, eu não quero que eles estejam mortos".
Infância sem memória

Hijos é organizada em comissões; cada uma trabalha em um setor diferente: justiça, informação ou identidade. Esta última é uma das atividades de base da Hijos, sua razão de ser: reunir as pessoas em torno de sua história. "Quando um membro novo chega, cada um conta sua história pessoal para ele. É a nossa maneira de nos apresentar. E ele faz o que quiser. Conta ou não", explica Adrian Larcamon, 37 anos. "Eu faço parte do conselho dos velhos, mas não faz nem dois anos que eu consigo dizer que sou filho de desaparecidos", confessa. "Até então, só minha ex-mulher e meus dois melhores amigos sabiam."
Adrian é ansioso. Não pára quieto no lugar. Sentado, ele balança as pernas sem parar. Nele, os sentimentos estão todos à flor da pele. "Eu tinha 15 anos quando a minha mãe desapareceu. Foi em agosto de 1977. Ao contrário dos outros, eu tive tempo de viver com ela e conhecê-la. Só que eu não me lembro de nada." Ele esqueceu tudo de sua infância. Tudo. "Acho que foi essa pressão que me fez perder a memória. Eu tento me lembrar de quando eu estava com a minha mãe, mas não lembro nada. E, acima de tudo, eu não consigo reencontrar o amor. Dizem para mim que eu era o preferido de minha mãe. Mas eu queria saber: será que ela me amava? É importante saber que se é amado. Foi isso que eles roubaram de mim." Quando Adrian fala, um abismo de sofrimento se abre sob suas palavras: uma dúvida, uma pergunta em suspenso, um pedido de amor sem resposta.
"Quando vieram buscá-la, ela estava doente. Fui eu que abri a porta. Eles quebraram tudo, roubaram tudo e levaram minha mãe embora. Eu nunca mais a revi. Eu, meu irmão e minha irmã nos refugiaram na casa do meu pai, porque eles eram separados. A gente vivia se escondendo, mudando de casa toda hora. Eu tinha de ficar quieto de qualquer maneira, não podia contar nada a ninguém. Com certeza foi isso que deixou em mim esse sentimento de terror. Não pude falar sobre isso antes de entrar na Hijos. Tinha medo de que tudo acontecesse de novo. Até hoje, quando alguma coisa cai no chão, eu pulo de susto. O terror era o objetivo deles, e eles conseguiram o que queriam."
"Mentiram para mim"

Para Daniela Toledo, o sofrimento também está lá, mas é a raiva que a afoga. "Soube que meu pai foi assassinado quando eu tinha 12 anos. Até então, faziam com que eu acreditasse que ele tinha sofrido um acidente de carro um pouco antes de eu nascer. Esconderam tudo de mim. Fui educada segundo o esquema decretado pela ditadura: 'não fale, não sinta, não pense'. Até hoje, na minha casa, o silêncio é total. Minha mãe não se lembra de nada, acho que ela obrigou a si mesma a esquecer tudo. Minha avó começa a chorar quando eu falo disso, e não quer dizer nada. Não tenho nenhum endereço para ir procurar informações. Eu quero saber quem era meu pai, como ele vivia, quem eram seus amigos. Será que é mesmo verdade que ele foi enterrado ou será que isso é mais uma das coisas que me contam? Um dos meus tios foi reconhecer o corpo. Mas como saber com certeza? Talvez ele tenha sido enganado."
"O silêncio, a ausência de história perturba consideravelmente os filhos dos desaparecidos", afirma Alicia Stolkiner, psicanalista. "Isso pode até levá-los às portas da loucura. Há dois anos fui chamada à cabeceira da cama de um jovem de 20 anos cujo pai tinha desaparecido. Ele delirava. Eu perguntei como tudo tinha começado e ele tinha acabado de sonhar que havia recebido uma carta de seu pai e, quando abriu o envelope, não encontrou nada mais do que uma folha em branco. Em casa, sua mãe nunca tinha conseguido falar com ele sobre o pai."
Missa de corpo ausente

Alicia Stolkiner começou seu trabalho com filhos de desaparecidos em 1978. Naquele ano, ela escapou por pouco de ser presa e se exilou no México. Quando voltou à Argentina, em 1984, colaborou com as "Abuelas", as avós da praça de Maio. "Muitos analistas daqui achavam que essas crianças não conseguiriam viver bem, que elas desenvolveriam doenças para a vida toda. Claro que uma das dificuldades dessas crianças é estar em luto por um desaparecido. É mais difícil do que por um morto, na medida em que não há nenhuma certeza de morte, nenhum corpo a enterrar e nenhuma data para chorar. No fundo, isso obriga a criança a resolver sozinha que sua mãe ou seu pai estão mortos. É muito complicado, mas não é impossível de acontecer. Lembro-me, por exemplo, de um menininho de 8 anos com quem eu trabalhei no México, em 1978. Depois de uma sessão, ele me disse: 'Vou esperar meu pai até eu fazer 18 anos. Se ele não reaparecer, eu vou aceitar que ele morreu'. Esse menino voltou à Argentina com a mãe. E, quando fez 18 anos, foi morar em outro país. Fez exatamente o que disse que iria fazer: se desligou da Argentina e de seu pai."


Álbum de família
Lucila, 23 anos, e sua mãe, Alicia Piatti, já devem ter se debruçado várias vezes sobre a pequena caixa de madeira que guarda lembranças. Fotos, algumas cartas, porta-retratos, cenas de riso, mil vezes relidas e observadas com atenção. Alicia, que hoje tem 50 anos, exclama: "Olha que loucura, como eu era magra!" Depois as duas se debruçam sobre um jovem que ri no meio de um grupo de amigos: "Aqui ele tinha 15 anos, eu mal o conhecia, ainda não era parte da turma", conta Alicia.
Lucila mostra uma foto de carteira de identidade: "A forma do meu rosto é igual à do rosto dele". Lucila sempre soube sua história, que Alicia contou e recontou, ano após ano: "Meu pai desapareceu no dia 20 de agosto de 1976. Ele era um militante montonero (peronista de esquerda). Foi preso em uma armadilha. Minha mãe estava grávida de cinco meses. Ela se escondeu, também era militante, mas largou tudo para me proteger. Faz 22 anos que vivemos aqui. Desde que consigo me lembrar, eu sempre soube. Minha mãe não tinha medo de que eu contasse para os outros que meu pai tinha desaparecido. Foi corajosa, porque sob a ditadura contar aquilo, só aquilo, já era perigoso. E é por isso que se mentia às crianças. Mesmo assim, quando eu tinha uns 15 anos, não estava bem, chorava muito. Por que tinha acontecido comigo? Tinha raiva do meu pai, achava que ele era egoísta. Eu o censurava por ele ter pensado demais nos outros, por ter corrido risco, por não ter pensado em nós. Agora eu entendo melhor".
Lucila é uma jovem serena. "Eu levo uma vida normal. Estudo tem amigos. Não vivo com um peso nas costas, com uma dor. Simplesmente tenho a impressão constante de estar montando um quebra-cabeça e digo para mim mesma que, por toda a minha vida, terei vontade de conhecer mais da minha história. Como se tudo nunca pudesse terminar. Talvez por isso eu seja membro da Hijos. É estranho. Nós viemos de todos os meios sociais e mesmo assim alguma coisa nos une. Talvez seja simplesmente esse desejo, essa tentativa de reconstituir nossa identidade."
Nem monstro nem herói

Para Alicia Stolkiner, "a Hijos é um momento necessário psiquicamente. Não se trata de um grupo de terapia, mas, a certa altura, esses filhos têm necessidade de reivindicar a razão pela qual seus pais morreram. Muito freqüentemente, eles passam primeiro por uma fase de censura. Uma menininha de 9 anos cujos pais tinham desaparecido me perguntou um dia: 'Se eles me amam, por que arriscaram a vida assim?' Como responder a uma pergunta dessas? É terrível. No entanto, são eles que têm de achar a resposta. Seu esforço visa dar uma existência real a seus pais, de não transformá-los nem em heróis nem em monstros. Sempre pensei que os filhos dos desaparecidos não eram simplesmente vítimas, que eles também iam escrever um capítulo de sua história com as próprias mãos. Foi exatamente o que aconteceu com o nascimento da Hijos".
Procura-se irmão caçula

Para fechar o ciclo, há poucos meses foi aberta uma nova comissão na Hijos. É a "Hermanos". Sua missão, ligada estreitamente às avós da Praça de Maio: encontrar a pista das crianças nascidas na prisão e muito freqüentemente "adotadas" (em espanhol se diz, mais justamente, "apropriadas") pelos torturadores de sua mãe, em alguns casos encaminhados à adoção, outras vezes também assassinadas ainda na barriga materna. Os ditadores argentinos tinham um plano assustador: não bastava só eliminar os pais, eles também queriam se apossar dos filhos. Talvez para que não sobrasse nenhuma pista. Talvez, quem sabe, por um sonho totalitário: formar homens novos, criados longe da "subversão" pelos próprios militares.
As avós da Praça de Maio descobriram o paradeiro de 63 dessas crianças: 33 delas voltaram a viver com as famílias biológicas, 22 foram adotadas por pessoas de boa-fé e continuam a manter contato com suas famílias biológicas e oito foram mortas in utero. Calcula-se que as crianças nascidas na prisão somem 500. Suas mães estão mortas, todas.
"Na comissão Hermanos nós procuramos nossos irmãos, nossos irmãos no sentido mais amplo da palavra", conta Veronica Castelli, 25 anos. É uma jovem morena, maravilhosa, radiante: "Meu pai e minha mãe desapareceram no dia 28 de fevereiro de 1977. Eu tinha 2 anos e meio e ela estava grávida. Procuro meu irmão desde que tenho 20 anos". Veronica pára sua história e conta a de Eduardo, um jovem moreno: "Para ele, foi total. Ele perdeu tudo. A família desapareceu inteira. Só sobrou ele". Eduardo começa a falar: "Eu só soube em 1997 que a minha mãe estava grávida de oito meses e meio quando foi presa. Eu me encontrei com ex-camaradas dela e eles foram muito formais. Não sei se tenho uma irmã ou um irmão, mas estou procurando", conta.
Claro que ninguém vai à comissão Hermanos sem ter uma razão pessoal, mas nem todo mundo está procurando um dos seus. Gabriel, por exemplo, não perdeu ninguém de sua família. Ele é namorado de Veronica: "Faço parte da frente de apoio", diz. "Isso prova que a ditadura afetou todo mundo." Josefina também não perdeu ninguém: "Meu pai foi prisioneiro político, mas por sorte escapou. Meus pais estão vivos. Mas eu venho aqui porque tenho certeza de que é preciso construir alguma coisa para que não aconteça de novo e para encontrar todas essas crianças roubadas pelos militares".
Em seu canto, Maria não diz nada. Ela escuta os outros e sorri um pouquinho. Maria reencontrou sua irmã Maria José há 12 anos. "Ela vivia em Mar del Plata e foi 'apropriada' por um policial. Foi minha avó que a encontrou... Não dá para falar com ela, que não é membro da Hijos e não quer mais saber dessa história." No ano passado, três "crianças" foram localizadas pelas avós. Os bebês desaparecidos têm agora entre 23 e 25 anos. É por isso que as avós editaram um folheto que elas distribuem por onde passam principalmente nas faculdades. O apelo: "Você pode perguntar a si mesmo se é um desaparecido. Você pode se perguntar se seu melhor amigo ou se aquele menino que não sabe que foi adotado não é um desaparecido. Não é a dúvida que faz mal, é a mentira. Então, não fique em dúvida".
Por toda a Argentina, existem avós que continuam, há mais de 20 anos, a procurar seus netos. Estela Carlotto, a presidente da Abuelas, é uma delas: "Minha filha, antes de ter sido assassinada, deu à luz um menininho que ela chamou de Rodolfo. No começo, eu comprava carrinhos de ferro em todos os lugares a que eu ia. Agora ele já deve estar um pouco grande para isso. Então eu coleciono todos os broches de todas as conferências de que eu participo. E, quando eu o encontrar, vou mostrar para ele como dei a volta ao mundo para achá-lo". Agora, madres e abuelas não estão mais sozinhas em sua procura.

 

Pela legalização do jogo no Brasil

Adeli Sell*


Não gosto de jogos, não jogo, mas defendo a legalização de todos os jogos no Brasil, bem como a criação de cassinos, com rígida legislação, com procedimentos capazes de sofrerem controle e fiscalização, com pagamento de impostos, com retorno social ao povo.
Joga quem quiser. Há gente que se vicia em jogos, dizem. São os ludopatas. Mas esses existirão sempre. Com o jogo clandestino, estão à mercê de máfias que mantêm cassinos clandestinos, casas de jogatina, exploração. Estarão nas mãos de agiotas e gente desse tipo. Ludopatia se trata como qualquer doença. Não há Lei Seca que elida o problema do alcoolismo. Ou alguém tem essa ilusão?
Jogar às claras. Em locais legalizados, abertos, fiscalizados. É a saída.
Proibir os jogos no Brasil com base nas ligações escusas com o jogo do bicho, o narcotráfico, a lavagem de dinheiro é uma ingenuidade, porque a lavagem de dinheiro se faz em muitas atividades econômicas. Isso acontece no Brasil porque não existe fiscalização, porque há a clara sensação da impunidade.
Um país como o nosso, que tem regiões com forte atrativo turístico, com rotas de cruzamento para diversas regiões, deve garantir a abertura e funcionamento legal de cassinos. Os tributos cobrados reverterão para obras de bem-estar social. O jogo não sendo legalizado, ele se torna necessariamente clandestino. Foi assim que o jogo do bicho, por capricho da esposa carola do Gal. Dutra, caiu na clandestinidade, dando espaço ao crime, à contravenção. Recentemente ficou escancarado que há setores ligados ao jogo com graves esquemas escusos, com suborno a políticos. Alguns desses políticos estão prontos para entrar no jogo sujo da contravenção. Mas é preciso separar o joio do trigo. Há empresários sérios e honestos prontos para trabalhar na legalidade, pagando impostos.
O Estado, ao não querer legalizar os jogos, sabendo que sempre existirão na clandestinidade, está abdicando de sua função de regrar, ordenar, fiscalizar, abrir e fechar estabelecimentos.
Não querer legalizar o jogo é aceitar a hipocrisia de os ricos, os abonados, pegarem um cruzeiro em Ilhabela ou outro ponto turístico do país, embarcar, com o cassino fechado, e, logo na saída, ao zarpar, ter o cassino todo ao seu dispor. Está nas águas de nossa nação, o Brasil nada ganha com isso. É pura hipocrisia continuar proibindo, quando o jogo continua existindo.
Não legalizar os jogos no Brasil leva milhares de pessoas a abrir o computador, entrar num site e, ficar dentro de um cassino virtual, mas real para jogar, gastar. Nada fica aqui.
Chega de hipocrisia. Vamos legalizar os jogos, criar empregos, cobrar impostos, fazer obras sociais. E, é claro, fiscalizar!

Adeli Sell é vereador em Porto Alegre - adelisell@camarapoa.rs.gov.br
www.adelisell.com.

Recebo do colega Matz e publico

 

com alguns pequenos adendos com sua permissão!

1) o hotel era Charrua. hoje é da cadeia OBINO.

2) a pracinha é a da Lagoa, como a chamam em São Borja.

3) O fotógrafo ao que me consta era o Bebê Chorão, ou seja o Antônio Vargas.

A memória é perigosa

Olides:
Veja só, eu e o Danilo Ucha nos hospedamos no mesmo hotel, do Grupo Ipiranga, lá em São Borja, em frente à uma praça maravilhosa, no início de setembro de 1979, na qual, ao entardecer e depois de ter enviado as matérias eu fazia meu jogging diário.
Chegamos no mesmo dia, mas vários dias antes do retorno de Brizola. Chego a imaginar que o Ucha viajava no mesmo carro, mas enfim já se passaram 31 anos e embora pareça que foi ontem, a memória nos pregas peças incríveis.
O fotógrafo do Estadão era também da Zero Hora. Tudo conspira ao erro.
Escrever de memória, sem o arquivo de matérias à mão, nos leva a cometer erros. Sinceramente, acho que terei que ir até Porto Alegre e buscar nos arquivos de microfilmagem da Zero Hora, as matérias sobre a cobertura da volta do Brizola do exílio, para me refazer desses equívocos.
Veja só, o Ucha me tratou de forma tão amistosa e gentil, me ajudou a abrir portas no trabalhismo da Fronteira para que meu trabalho fosse produtivo que eu guardei na memória a idéia de que ele também tivesse feito matérias para a Zero Hora.
Mas enfim, peço desculpas ao amigo Ucha.
Abraços e saudações jornalísticas.
Luiz Oscar Matzenbacher

Idos de Março de 1964


Por José Serra


Parte II


O NOVO ESTADO NOVO


" JANGO ENVIOU o pedido de estado de sítio ao Congresso, como previa a Constituição. Mas havia o objetivo de promover, na sequência, um regime de excessão,apresentado nominalmente como transitório, como todo golpe que se preza.

Assim, após a aprovação do estado de sítio pelo Congresso, o governo federal pretendia intervir na Guanabara e em São Paulo, afastando Carlos Lacerda e Ademar de Barros,então governadores destes Estados. O Congresso seria desativado e seriam convocadas eleições para dali há seis meses , de vereador a presidente. Jango assegurava que não se candidataria. Nesse ínterim, seria preparada uma reforma constitucional, nela previstas as " reformas de base", a ser submetida a plebiscito.


A proposta do estado de sítio fora transmitida alguns dias antes aos dirigentes da FMP numa reunião durante a madrugada, onde estavam dois vice-presidentes da UNE Duarte Pereira e Marcelo Cerqueira,( eu estava na Bahia). Eles deram a única opinião claramente discordante , argumentando que aquele processo desembocaria na quebra da legalidade democrática, num golpe.

Suspeitávamos que o esquema militar do governo acabaria fazendo três outras intervenções; No CGT, na UNE e em Pernambuco, então governado por Miguel Arraes.

Convenhamos: suprimir as garantias e liberdades constitucionais e substituir governadores por generais, resultaria em quê? Num Estado Novo janguista,era a minha conclusão

No decorrer dos dias os principais integrantes da FMP foram ficando contra a medida. Mas, de fato, ela não prosperou porque Jango não encontrara suporte militar. Tentara pôr um golpe em marcha e não conseguira. Não logou sequer prender Carlos Lacerda, que havia dado uma entrevista ao jornal Los Angeles Times dizendo que " os nossos amigos norteamericanos não deveriam dar nenhuma ajuda ao governo cripto comunista de Jão Goulart" acrescentando que o o presidente não terminaria o mandato.

Jango instruiu militares para que detivessem Lacerda antes mesmo de o estado de sítio ser aprovado, mas não deu certo. Era grave que tivesse tentado e sintomático que, de tão bisonho, não tivesse conseguid( prossegue...)

 

Episódios da Sucursal do JB em Porto Alegre


do livro de José Mitchell( Segredos à Direita e à esquerda da ditadura militar).

Polícia Federal sequestra motorista do JB


Em pleno governo Ernesto Geisel, na década de 70, dois policiais federais seqüestraram o motorista do Jornal do Brasil, David Figueiredo, quando esse, cometendo uma imprudência de trânsito, cortou a frente da comitiva oficial do então ministro do Trabalho Arnaldo Prieto. David dirigia uma camionete Variant, que possuía a identificação do JB e estava atrasado para pegar o chefe da sucursal , Lucídio Castelo Branco, e levá-lo, depois à sede da sucursal. Para ganhar tempo, começou a "cortar" outros veículos na avenida Mauá, deparando-se com a comitiva do ministro. Decidiu driblar a comitiva , atravessando no meio da carreata o que enfureceu os policiais federais que faziam escolta ao ministro.

David resolveu fugir quando uma das duas camionetes Veraneio dos agentes federais passou a persegui-los pelas ruas centrais da capital gaúcha. Ele chegou entrar num estacionamento de veículos dentro de um prédio que conhecia ,até ser trancado pelo outro carro e preso.

Como conhecia os funcionários do estabelecimento, David gritou para avisarem a Castelo branco na sucursal do JB de que estava sendo preso.


Daquele momento em diante, David e os dois agentes que entraram no carro do JB sumiram por mais de uma hora.

O lógico era que prendessem o motorista e o conduzissem para a sede da PF, na avenida Paraná, mas isso não aconteceu.

Logo que soube da detenção por telefonema dos funcionários dos estacionamentos, todo o pessoal da sucursal começou a ligar para vários órgãos policiais, enquanto eu contatava o superintendente da Polícia Federal, coronel Macksen de Castro Rodrigues, e o então diretor do Dops federal, delegado Lauro Santos.


Conforme relato posterior do motorista , os dois agentes federais decidiram por conta própria , aplicar-lhe um susto.

Obrigaram-no a dirigir ocarro por ruas da Capital,inclusive junto ao cais do porto, ameaçando de matá-lo e jogar seu corpo no Guaíba.

Como o carro não tinha rádio, se tornava impossível qualquer contato com os dois agentes. Fizemos sucessivos pedidos da sede da Polícia Federal, mas os policiais federais que estavam na escolta também não tinha como contatar os colegas. Ninguém soube onde os três estavam por mais de uma hora.


Finalmente David apareceu preso na Polícia Federal, apavorado com as ameaças de morte. Dirigi-me à Polícia Federal e acompanhei a liberação do motorista pelo delegado Lauro dos Santos, retornando à sucursal. De lá o chefe da sucursal, Lucídio, ligou para o delegado Lauro, desancando-o furiosamente pela arbitrariedade policial dos seus subordinados contra o motorista. Jamais tinha visto ou ouvido um desabafo e uma crítica tão dura de um jornalista à polícia política como naquela ocasião. O delegado Lauro Santos prometeu fazer uma sindicância para apurar responsabilidades dos agentes , que seriam punidos com afastamento de cargos e transferidos para outras delegacias no interior do Estado.

Só muito tempo depois se souberam detalhes de ameaças porque David, traumatizado, preferia não falar do assunto e passou quase um ano em tratamento psicológico para superar o episódio."

CARAZINHO : SEARA DA CANÇÃO

Lotes para acampamento podem ser adquiridos a partir de segunda-feira

Espaços de 6x6m custam R$ 100 e devem ser solicitados no Setor de Compras da Prefeitura Municipal. Expectativa é de que todos os lotes sejam comercializados até o final da próxima semana

A programação da 16ª Seara da Canção Gaúcha e da 3ª Searinha inclui, além das apresentações das 16 músicas selecionadas e dos shows nativistas, uma Feira Exposição que, conforme as coordenadoras da área Externa e Interna do evento, Elisa Portella e Paola Gonçalves Ferreira, deve reunir um grande público no Pavilhão do Parque Vali Albrecht, onde todas as atividades irão acontecer, entre os dias 24 a 26 de setembro.

De acordo com elas, dos 64 estandes, cerca de 50 já foram comercializados. ?Haverá expositores de toda a região e dos mais diversos segmentos, como têxtil, informática, tradicionalista, de acessórios e artesanato. O objetivo é fazer com que todas as pessoas que forem até o Parque, visitem a Feira Exposição e adquiram algum produto?, disseram, acrescentando que a procura por parte dos empresários é bem expressiva. ?Por isso, quem estiver interessado em participar deve procurar o Setor de Compras da Prefeitura ou entrar em contato pelo telefone 3331-2847 ou pelo e-mail feiracarazinho@hotmail.com até o dia 21 de setembro?.

O horário de funcionamento da Feira será das 10h às 22h, sem fechar ao meio-dia e, a exemplo que acontecerá com a Seara, a Searinha e o Rodeio de Carazinho, não será cobrado ingresso. ?Então, reiteramos o convite para que as pessoas prestigiem e conheçam os produtos que estarão em exposição?, convidaram Elisa e Paola.

Estrutura começará a ser montada na terça-feira

De acordo com as coordenadoras da Área Interna e Externa do evento, a montagem da estrutura que abrigará os shows e as competições artísticas da Seara começa a acontecer na terça-feira (14). ?Será montado um lonão e nele posto cadeiras que serão distribuídas em toda a extensão, assim como arquibancadas. Além disso, vamos instalar telões para que o público não perca nenhum detalhe, já que muitos poderão ficar longe do palco principal. Na terça-feira iremos começar a organizar essa estrutura, tanto do lonão quanto da praça de alimentação?, afirmaram.

Segundo Elisa e Paola, diferentemente da praça de alimentação construída para o Rodeio Cidade de Carazinho, esta, da Seara, será coberta. ?No centro desta área haverá um tablado com mesas e cadeiras para as pessoas poderem ter um conforto maior na praça de alimentação?, relataram, acrescentando que a expectativa é de que aproximadamente 40 mil pessoas passem pela praça de alimentação entre os dias 24, 25 e 26 de setembro.

É neste lonão, argumentaram elas, que acontecem os shows do Rodeio, que iniciam na quinta-feira (23), com Neto e Ernesto Fagundes. Na sexta-feira (24), César Oliveira e Rogério Melo. Já no sábado (25), a apresentação é do Grupo Minuano e, no domingo (26), de Pedro Ortaça. ?Afora estes shows, haverá ainda apresentações paralelas. Uma delas, inclusive, está sendo muito aguardada, pois será feita por um grupo que recordará todas as canções vencedoras das Searas?, enalteceram.

Os shows iniciam depois de encerradas as competições artísticas na sexta-feira e no sábado. Em cada um destes dias, oito canções devem ser apresentadas. Destas, 12 serão escolhidas para integrar o cd e o DVD oficial da 16ª Seara. ?Apenas quatro serão eliminadas?, falaram Elisa e Paola.

Quanto aos lotes dos acampamentos, as coordenadoras salientaram que apenas os espaços da Seara estão sendo comercializados. ?O acampamento será dividido entre o da Seara e do Rodeio, que ficará na frente das provas campeiras e não tem reservas. Aqueles que irão participar devem chegar na quinta-feira (23) para pegar lugar?, explicaram.

Para quem estiver interessado em prestigiar a Seara e acampar no Parque Vali Albrecht, o lote de 6x6m está sendo comercializado a R$ 100 e pode ser adquirido no Setor de Compras da Prefeitura, a partir de segunda-feira (13). ?O Acampamento Seara é próximo à rodovia 386. A pessoa pode escolher a localização que julgar melhor e adquirir, inclusive, mais de um espaço?, alertaram Elisa e Paola, aproveitando para reforçar o convite para o evento. ?Participem da Seara e venham para Carazinho prestigiar um dos maiores eventos nativistas do nosso Estado?.


TEXTO: Cristian Puhl

Pedofilia e castração química


(Archimedes Marques)


Dentre os crimes sexuais tanto combatidos pela sociedade desde os tempos mais remotos e agora com mais freqüência, estão, sem sombras de dúvidas entre os mais reprováveis, os atos insanos decorrentes da pedofilia, que além de serem depravados, sórdidos, repugnantes e horrendos, produzem seqüelas irreparáveis para as inocentes crianças vítimas e seus familiares.
O termo pedofilia que é de conotação clinica ingressa na área penal não como um tipo definido de crime, mas como atos que formam os delitos sexuais contra as crianças.
A pedofilia que é a perversão sexual de uma pessoa adulta ou adolescente contra crianças com idade anterior a sua puberdade, é classificada pela Organização Mundial de Saúde, como sendo uma desordem mental e um desvio sexual, enquanto que para outros estudiosos no assunto, trata-se de uma parafilia, um distúrbio psíquico que se caracteriza pela obsessão de adultos por praticas sexuais anormais, mas que, em ambos os casos tratável pela psiquiatria ou pela psicologia.
Entretanto, mesmo com o desenvolvimento de numerosas técnicas aplicadas nestes ramos da medicina mental, o índice de casos bem sucedidos, com a recuperação plena do indivíduo tratado continua sendo muito baixo, ou seja, quase sempre o pervertido ou doente sexual volta a delinqüir aos mesmos crimes.
Há ainda os casos mais violentos da espécie em que o construto obsessivo do pedófilo pode chegar às formas mais desumanas possíveis, até mesmo com o assassinato da vítima praticado com extremo sadismo, pois nesse caso o que provoca o prazer sexual ao criminoso é o sofrimento da vítima, não o ato sexual propriamente dito.
Os meios legais de punição aos indivíduos considerados pedófilos, estatuídos no nosso ordenamento jurídico estão devidamente relacionados nos artigos 240 a 241-D e 244-A da Lei 8.069 de 13 de julho de 1990, mais conhecida como Estatuto da Criança e do Adolescente, assim como, nos artigos 217-A a 218-B do Código Penal, cujos criminosos são passíveis a diversas penalidades, a saber:
O art. 240 do ECA dispõe sobre o crime de produção de pornografia infantil, ou seja, proíbe e combate a produção de qualquer forma de pornografia envolvendo criança ou adolescente cuja a pena para os seus transgressores é de reclusão de 4 a 8 anos, e multa. Também pratica este crime quem agencia, de qualquer forma, ou participa das cenas de pornografia infantil, de acordo com o § 1o deste artigo. Havendo ainda o aumento de 1/3 desta pena para os criminosos que exercem função pública, para aqueles que se aproveita de relações domésticas, das relações com a vítima ou com quem tem autoridade sobre a vítima, de acordo com o § 2º deste artigo
O art. 241 deste Diploma dispõe sobre o crime de venda de pornografia infantil, que é o ato de vender ou expor à venda fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente, cuja pena também é de reclusão, de 4 a 8 anos, e multa. Estima-se que o comércio de pornografia infantil movimenta mais de 3 bilhões de dólares por ano, só no Brasil. Um número deverasmente devastador e preocupante que comprova a grande quantidade de pedofilos existente no nosso país.
Existem sites e pessoas maledicentes que procuram enganar, incitar, induzir ou seduzir crianças e adolescentes a acessar na internet conteúdos imorais e indecentes como pornografia de todo tipo e até infantil, no intuito de obter fotos e informações pessoais de tais vítimas também em situações semelhantes, em troca de favores diversos.
O art. 241-A deste Estatuto dispões sobre o crime de divulgação de pornografia infantil, ou seja, reza que quem oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar por qualquer meio, inclusive por meio de sistema de informática ou telemático, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente, estará sujeito a um pena de reclusão que varia de 3 a 6 anos, e multa. O § 1o deste artigo assevera que nas mesmas penas incorre quem assegura os meios ou serviços para o armazenamento das fotografias, cenas ou imagens pertinentes ao dito texto, ou ainda quem assegura, por qualquer meio, o acesso por rede de computadores às fotografias, cenas ou imagens citadas.
Já o art. 241-B da referida Lei dispõe sobre o crime de posse de pornografia infantil e estabelece que quem adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente, a sua pena será de reclusão, de 1 a 4 anos, e multa.
Por sua vez o art. 241-C da mesma Lei dispõe sobre o crime de produção de pornografia infantil simulada, ou seja, cenas pornográficas montadas. Diz que simular a participação de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica por meio de adulteração, montagem ou modificação de fotografia, vídeo ou qualquer outra forma de representação visual, pode lhe dar um pena de reclusão, de 1 a 3 anos, e multa. Incorrendo nas mesmas penas, conforme o parágrafo único deste artigo, quem vende, expõe à venda, disponibiliza, distribui, publica ou divulga por qualquer meio, adquire, possui ou armazena o material produzido acima especificado.
Muitas das imagens de pornografia infantil divulgadas são na verdade imagens fictícias tecnologicamente alteradas pelos abusadores sexuais para tornar os fatos como sendo normais ou banais aos olhos das crianças e assim se conseguir que estas inocentes vítimas produzam suas próprias fotos ou vídeos encaminhando-as para tais criminosos em troca de alguma vantagem auferida ou prometida, por isso também a preocupação do legislador em cercar tal possibilidade de delinqüência.
Temos ainda o art. 241-D desta Lei que dispõe sobre o crime de aliciamento de criança, asseverando que quem aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, criança, com o fim de com ela praticar ato libidinoso, estará sujeito a pena de reclusão, de 1 a 3 anos, e multa. Sendo que ainda nas mesmas penas incorre quem facilita ou induz o acesso à criança de material contendo cena de sexo explícito ou pornográfica com o fim de com ela praticar ato libidinoso, ou mesmo quem pratica tais atos com o fim de induzir criança a se exibir de forma pornográfica ou sexualmente explícita, tudo em conformidade com o parágrafo único do referido artigo. É muito comum esse tipo de assédio pela internet, através de salas de bate-papo tipo chats ou programas de relacionamento tipo MSN, ORKUT, MySpace... Sendo também comum o caso do criminoso pedofilo que pede a criança para se mostrar nua, seminua ou em poses eróticas diante de uma webcam, ou mesmo pessoalmente.
Finalizando as proibições e penalidades dispostas no ECA, temos o crime de prostituição infantil, que é o ato de submeter criança ou adolescente à qualquer tipo de exploração sexual, cuja pena varia de 4 a 10 anos de reclusão, em acordo com o art. 244-A do dito Estatuto. Neste caso temos os famigerados agenciadores do sexo infantil, principalmente nas grandes cidades, como fato gerador mais preocupante inerente ao citado crime.
Relacionado à questão dos criminosos sexuais contra crianças disposta no nosso ordenamento repressivo penal, temos os que se enquadram juridicamente no crime de estupro de vulnerável, cujas penas são bem mais rigorosas. Conforme estabelece o artigo 217-A do nosso Código Penal, aquela pessoa que tiver conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos estará sujeita a penalidade que varia de 8 a 15 anos de reclusão, além de não obter certos benefícios da Lei pelo fato do crime ser considerado como hediondo:
O entendimento do estupro de vulnerável nasceu de forma mais real, mais presente, mais viva, vez que substituiu a duvidosa presunção da violência do antigo tipo. O dispositivo busca punir toda relação sexual ou ato considerado libidinoso, de qualquer natureza, ocorridos com ou sem consentimento do menor de 14 anos de idade, não importando o meio usado para a consolidação do fato, se por violência, ameaça, fraude ou livre vontade da vítima.
Temos ainda o crime de corrupção de menores capitulado no art. 218 do Código Penal que também pode ser inserido o pedofilo, vez que se configura com a indução de alguém menor de 14 anos a satisfazer a lascívia de outrem, cuja pena é de reclusão, de 2 a 5 anos.
Também o crime de satisfação de lascívia mediante presença de criança ou adolescente de acordo com o art. 218-A do citado Diploma repressivo e que alerta para as pessoas que praticar, na presença de alguém menor de 14 anos, ou induzi-lo a presenciar, conjunção carnal ou outro ato libidinoso, a fim de satisfazer lascívia própria ou de outrem, a pena será de reclusão, de 2 a 4 anos.
E finalmente o crime de favorecimento de prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável que também pode estar inserido atos de pedofilia conforme o discorrido no art. 218-B do dito Código Penal, em que reza para quem submeter, induzir ou atrair à prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18 anos ou que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, facilitá-la, impedir ou dificultar que a abandone, a pena será de reclusão, de 4 a 10 anos.
Existem casos de crianças e adolescentes que são cooptados ou mesmo raptados para fins sexuais com ofertas mentirosas para trabalho de modelo, agenciada por falsas empresas, com isso, o número de crianças e adolescentes que desaparecem e que não mais dão noticias aos seus familiares é grande no nosso país.
Assim os chamados pedófilos estão cercados pelas nossas Leis por todos os lados e podem pagar esses tipos de penas quando dos seus devidos Processos legais. Entretanto a discussão sobre a aplicação de uma penalidade peculiar em substituição ou concomitantemente a estas é discutida no Legislativo há três anos, vez que tramita no Congresso nacional o Projeto de Lei nº 552/07 de autoria do Senador Gerson Camata para propor modificação no Código Penal com a pena de castração através da utilização dos recursos químicos, ou seja, a castração química para tais criminosos.
A denominada castração química consiste na aplicação de injeções hormonais inibidoras do apetite sexual no condenado, que pode gerar impotência ou falta de desejo sexual em caráter definitivo ou temporário, a depender da aceitação física de cada submetido ao tratamento.
A discussão também gira em torno de definir se a castração química é uma pena cruel ou se é somente um tratamento médico, sem maiores gravidades físicas para os pedófilos, que com a medida perderão apenas a libido, com grande possibilidade de não mais voltarem a delinqüir, pois sem a vontade sexual não há o porque da realização do doentio ato.
Com a aprovação da medida teremos de um lado o trauma a que é submetido a vítima que sofre a ação do pedófilo e as suas conseqüências sociais que podem ser irreversíveis, de outro temos o trauma a que é submetido o pedofilo com a penalidade da sua castração química e as suas conseqüências físicas que podem ser irreversíveis ou reversíveis. Sendo reversível a sua castração química com o seu conseqüente retorno à normalidade, poderá o condenado voltar a delinqüir aos mesmos crimes, transformando assim a sua pena em ineficaz e ineficiente.
Então disso tudo, é fácil concluir que o ônus maior do problema é suportado e vivido pela vítima da agressão sexual que em conseqüência transporta o sofrimento para os seus entes queridos e porque não dizer, para a própria sociedade que clama por Justiça e, em assim sendo, mesmo restando possível a aplicação dessa nova penalidade, deve ainda a população brasileira ser consultada através da realização de um plebiscito sobre a sua prática em Lei, pois a responsabilidade pela construção de uma sociedade justa depende dos valores e do poder que emana desse próprio povo.

Autor: Archimedes Marques (Delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS) archimedes-marques@bol.com.br

Agenda Tarso 14 DE SETEMBRO - DIVULGAÇÃO

AGENDA TARSO GENRO

14/09/10 - terça-feira
PORTO ALEGRE
18h às 20h – Debate Rádio e TV Pampa
Local: Rede Pampa
End. Rua Orfanatrófio, 711 – Bairro Alto Teresópolis.

De onde vêm os bebês?! Um livro infatil alemão explica bem!

Colaboração de Malu, direto de Portugal

Livro Infantil Alemão!

Você sabe de onde vêm os bebês?! Os alemães sabem...
Não há nada como um livro didático infantil alemão para explicar o 'inexplicável' às crianças...
Didático? Distribuído nas escolas...
Põe didático nisso!



Clique na imagem se quiser ver o restante do livro.

Recebo da colega Josi Negreiros!


Oi guri!
Não sabia que havias integrado a equipe que fez essa reportagem, que está dando tanta dor de cabeça ao Bones. Parabéns a todos!!
Quem sabe a Justiça deixe de ser cega, parcial e oportunista pelo menos uma vez, uma vez que ela sempre atua e sentencia a favor dos poderosos. Infelizmente é uma realidade brasileira. Assim como na política, devíamos fazer uma "limpeza" no Judiciário tbém!
abs


O jornalista que Rigotto persegue há 10 anos


A capa do JÁ com a denúncia que Rigotto quer esconder

O Conversa Afiada publica entrevista exclusiva com Elmar Bones, do jornal JÁ, de Porto Alegre: “ELES QUEREM FECHAR O JORNAL, NÃO Vão CONSEGUIR”.

Elmar é o jornalista que Germano Rigotto persegue há dez anos.


O destaque para a tentativa de censurar o JÁ
É a primeira vez que Elmar Bones tem a chance de contar sua epopéia de resistência por ousar mostrar a verdade sobre a maior fraude da história gaúcha.

O irmão de Germano Rigotto, candidato a senador pelo PMDB, é a peça central da fraude que lesou o povo gaúcho em quase 800 milhões.

Rigotto quer fechar o jornal e levar Elmar à penúria.

Leia a entrevista completa:

CONVERSA AFIADA - O processo da família do ex-governador Germano Rigotto contra o seu jornal, o JÁ, completa dez anos, um dos mais longos da Justiça brasileira. Afinal, qual foi o crime do JÁ?

ELMAR BONES DA COSTA – O jornal teve a ousadia de contar, em 2001, os detalhes da maior fraude contra os cofres públicos do Rio Grande do Sul. Em valores atualizados pela Justiça, representa algo em torno de R$ 800 milhões. O principal personagem da fraude, segundo a investigação do Ministério Público e o relatório final da CPI criada na Assembléia gaúcha, era Lindomar Vargas Rigotto, irmão de Germano, atual candidato do PMDB ao Senado.
CA – Onde era a fraude?
ELMAR – Na Companhia Estadual de Energia Elétrica, a CEEE, a estatal de energia elétrica que nasceu nos idos de 1960, depois da encampação da americana A&TT pelo governador Leonel Brizola. Ela nem existe mais: foi privatizada no Governo Britto e fatiada em trës empresas menores. O povo gaúcho continua pagando R$ 600 milhões anuais ano de dívidas trabalhistas pela banda podre da finada CEEE…
CA – E como foi o golpe na CEEE?
ELMAR – A fraude se deu em dois contratos para construção de onze subestações de transmissão de energia, obra estimada em 150 milhões de dólares, assinados no governo Pedro Simon (PMDB), em 1987. Foi a secretária de Minas e Energia do governo seguinte, o de Alceu Collares (PDT), quem mandou fazer a primeira investigação. Uma senhora chamada Dilma Rousseff.
CA – A Dilma? E o que ela disse?
ELMAR - Um assessor me contou que, depois de ver os primeiros documentos da sindicância interna da CEEE, ela comentou : “Eu nunca tinha visto nada igual”. Ela só não tocou em frente o processo porque o governo do Collares precisava dos votos do PMDB de Rigotto na Assembléia. Mas ela guardou na gaveta e, em dezembro de 1994, antes de deixar a secretaria, a Dilma teve o cuidado de mandar toda a papelada do inquérito para a Contadoria e Auditoria Geral do Estado (CAGE) e para o Ministério Público. Dali nasceu a CPI.

CA – E daí?
ELMAR – A CPI durou um ano e meio, produziu 350 quilos de papel. Foi a primeira comissão parlamentar do país a apontar os corruptos e também os corruptores. Foram indiciados 23 funcionários e 11 empresas que integravam os dois consórcios vencedores da licitação.


Jornalistas Kenny Braga e Elmar Bones, que tiveram suas contas pessoais bloqueadas pela família de Germano Rigotto. Foto: Daniel de Andrade Simões

CA – E como o irmão do Rigotto se intrometeu nesta história?
ELMAR – No governo Simon, Germano Rigotto era o líder do PMDB na Assembléia. Sua atuação na campanha foi decisiva para a vitória de Simon. Ele encaixou o irmão Lindomar num cargo que nem existia na CEEE, o de “assistente da diretoria financeira”. Quem contou isso na CPI foi próprio secretário de energia do Simon, Alcides Saldanha, que antecedeu Dilma. Foi neste posto, criado sob medida, que Lindomar Rigotto armou o esquema das licitações fraudadas.
CA – Esta denúncia virou processo na Justiça? Está andando?
ELMAR - O processo vai completar 15 anos em fevereiro, já tem 110 volumes e ainda não saiu da primeira instância. E o pior: a maior fraude da história gaúcha corre em segredo de justiça. E ninguém sabe porque. Quem tem medo que isso venha a público? O que o povo do Rio Grande não pode saber sobre a fraude da CEEE?

CA – O processo está parado?
ELMAR – Falei esta semana com a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público. A boa notícia é que o processo está concluso ao juiz. Isso quer dizer que não cabe mais nenhum recurso, nada. O juiz vai receber a última manifestação das partes, num prazo de 10 dias, e depois vai dar a sentença. Se sair antes das eleições de outubro, deve produzir um grande estrago político. Por isso mesmo, não acredito em tanta agilidade. Para alívio de alguns candidatos, a sentença da Justiça deve sair só no fim do ano, bem depois da manifestação dos eleitores nas urnas. Mas, pelo menos saberemos quem é quem nesta história ainda secreta.

A corrupção na CEEE
CA – Bem, imagino que isso rendeu muita manchete na imprensa, na época…

ELMAR – Rendeu, mas com aquela cobertura em mosaico, meio truncada, aos saltos, com espaço fragmentado no noticiário… Depois, o assunto foi sumindo, desaparecendo, e o leitor fica se perguntando: o que foi mesmo que aconteceu?
CA – E aí aparece o JÁ para refrescar a memória dos gaúchos…
ELMAR – Publicamos uma reportagem destacando aquilo que a imprensa havia negligenciado e que era talvez o mais importante: o indiciamento dos corruptores, onze empresas, todas logomarcas reluzentes e grandes anunciantes. Talvez por isso o assunto na Justiça, apesar de ser uma “ação civil pública”, acabou encoberto pelo ”segredo de Justiça”. Estava quase esquecido quando o principal personagem da fraude, Lindomar Rigotto, voltou às manchetes, agora nas páginas policiais.
CA – Pela fraude na CEEE?
ELMAR – Não, agora foi pela morte de uma garota de programa, de 24 anos, que caiu nua do 14º andar de um prédio a 100 metros da Praça da Matriz, onde ficam as sedes do poder no Estado – o Palácio Piratini, o Tribunal de Justiça, a Assembléia Legislativa e a Cúria Metropolitana. A história, de setembro de 1998, nunca foi esclarecida, mas o que importa é que o dono do apartamento de onde a moça caiu era Lindomar Rigotto, o principal implicado na fraude da CEEE e que estava lá no momento da queda. Foi indiciado por homicídio culposo e omissão de socorro no inquérito que apurou a morte da moça. Lindomar só não foi a júri porque, em fevereiro, foi assassinado num assalto numa praia gaúcha.

Na foto, tirada no Presídio Feminino Madre Pelletier, em Porto Alegre, aparecem (da esquerda para a direita), Rafael Guimarães, hoje free-lancer e escritor, Elmar Bones, Rosvita Saueressig (hoje editora-executiva do Valor Econômico, em São Paulo) e Osmar Trindade, fundador e editor do CooJornal, falecido em julho de 2009. Foto: Daniel de Andrade Simões


CA – O que ele fazia lá?
ELMAR – Após a sindicância da CAGE, que comprovou mesmo o desvio, ele e outros sete funcionários graduados envolvidos foram demitidos. Fora da CEEE, Lindomar e outro irmão, Julios, formaram uma rede de boates, o Ibiza Club, que chegou a ter quatro casas no litoral do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Ele estava na Ibiza de Atlântida, no início da manhã de quarta-feira de cinzas de 1999, quando os assaltantes chegaram. Lindomar e o gerente estavam fechando o balanço da noite. Lindomar saiu em perseguição aos bandidos, e acabou morrendo com um tiro no olho. A polícia informou que os ladrões levaram uns R$ 30 mil, mas o dinheiro nunca foi recuperado, embora todos os envolvidos no assalto tenham sido presos pouco depois.
CA – E a imprensa, com isso, ressuscita o envolvimento de Lindomar com a CEEE?
ELMAR – Aí é que entra a ironia da história. Dois dias depois do assassinato, que obviamente rendeu grandes manchetes, o colunista mais importante da Zero Hora, Paulo Sant’Anna, escreveu uma crônica pungente sobre Lindomar Rigotto, que ele define como ”um homem que teve sua vida anatematizada pela tragédia”. Menciona a sucessão de infortúnios que culminaram com o assassinato, solidariza-se com a dor dos familiares e dá o assunto por encerrado.
CA – Como assim, “encerrado”?
ELMAR – O colunista dá a entender que aquele homem marcado pela tragédia pagou com a própria vida os possíveis desatinos e que, daí em diante, mexer com sua morte era apenas mexer com a dor dos seus familiares. Na verdade, impedir que esse assunto caia no esquecimento é de certa forma uma defesa de Lindomar. Afinal, ele pode ter sido o operador, mas não fez nada sozinho. E os corruptores que foram apontados?
CA – E foi encerrado o papo?
ELMAR – O Paulo Sant’Anna é o cronista mais influente do Estado e, se ele diz que um assunto está encerrado, ninguém mais duvida – principalmente nas redações da RBS, que é o maior grupo de comunicação do Sul do país, com oito jornais diários, 32 emissoras de rádio e 10 de TV no Rio Grande e Santa Catarina. Aí eu percebi que tinha um baita assunto na mão e podia trabalhar com calma, porque ninguém ia mexer com isso.
CA – A reportagem do JÁ saiu quando?
ELMAR – Em 2001, mais de um ano depois da morte de Lindomar. A reportagem foi feita com grande dificuldade. Não tínhamos grana pra nada. A praia fica próxima de Porto Alegre, cerca de 120 km de distância em linha reta. E lembro que fomos ao litoral ver o processo, eu e um repórter, o tempo inteiro de olho na luzinha da gasolina. Nesse meio tempo, a circulação do jornal estava suspensa, a matéria ficou pela metade, numa gaveta. O jornal só voltou a circular no início de 2001 e aí retomamos a reportagem. Quatro repórteres trabalharam nela. Publicamos na edição de maio. Em agosto recebi a citação do juiz.
CA – Quem processou vocês?
ELMAR – A autora visível da ação é a senhora Julieta Vargas Rigotto, mãe de Lindomar e do ex-governador Germano Rigotto, hoje candidato a Senador pelo PMDB.
CA – O Rigotto é inocente nesta causa? Ele não sabe de nada? Jura?
ELMAR – Saber, o Rigotto sabe, é claro, desde o início da ação na justiça. Quando estávamos finalizando a matéria, o repórter Olides Canton ligou para ele em Brasilia, quando ainda era deputado federal. Ele reagiu asperamente: “Eu não trato desse assunto”. E advertiu que sua mãe iria nos processar, que já havia acionado outros veículos.
CA – E o que a mãe do inocente Rigotto alegava?
ELMAR – Eles ajuizaram duas ações. Uma queixa-crime por calúnia e difamação contra o autor da matéria, no caso eu, que assinava – com outros quatro repórteres – como responsável pelo texto final. A outra, uma ação cível, por dano moral, contra a editora do jornal.

O JÁ dá mais detalhes da corrupção que Rigotto quer esconder
CA – E aí?