Boas noticias merecem Replay
(51) 3333.8362

 

"O Blog dos Colegas"

 





Oque fazer no findi...

Bom povo amigo, este é óbvio demais...

encher ......de trago!!!!

E bom 2011 !!!!!

Da memória de um repórter


' COMEU E VIROU O COXO"""


jOÃO Carlos Terlera repórter e comentarista da rádio Alto Taquari, de Estrela, uma potência na região nos anos 60, fez um dia um comentário que desagradou ao bairrismo de Estrela...Ele disse que com a inauguração da ponte sobre o rio Taquari a cidade de Estrela começaria a dar pra trás, porque Languiru, Teutõnia , Bom Retiro iriam se emancipar e Lajeado é que iria crescer, não mais ficando Estrela o polo industrial e agrícola do vale do Taquari...

Sabe como é..quem fumou cachimbo, sempre fica com a boca torta....

Os estrelenses não gostaram e como Terlera é de Muçum começaram a dizer em pequenas rodas que ele era um jornalista mal visto na cidade, porque TINHA COMIDO E VIRADO O COXO, TÍpica frase preconceituosa.,..

- E a tua Muçum, como é que fica, lhe diziam...

Terlera ficou tão marcado pelos comenta´rios que teve quem iria lhe tirar uma condecoração que ganhara da Câmara Municipal, estas laureas que dão pra puxar o saco de quem tem poder....

Aí não ,aí acharam demais e não tiraram a honraria do Muçunense que um dia quis dizer o que pensava a Estrela.

Estrela acha que só não foi demitido porque o diretor Oswaldo Carlos Van Leewen, também conhecido por Pai do Paulo Alceu( que foi repórter da TV Globo) e o gerente Waldir Sudbrack seguraram ele...senão bailaria...

Tanto foi a má repercussão e tão marcado que ficou que durante um ano,depois que se mudou pra Porto Alegre, ficou sem ir a Estrela....

Tentaram aplicar no Serginho


Alguém deixou no restaurante Prinz, da Protásio, um recado pro Serginho ligar pro CH pra Brasília e ele não atendeu achando que fora trote meu....

Não foi....


No almoço de ontem, no Gambrinus, com a cidade vazia, os garçons se pechavam uns nos outros atrás de uma gorjetinha....

O que atendeu o Serginho levou 10 contos...saiu sorrindo....Ora bolas....


Coleguinhas


*Cidade bem vazia, o assunto de Portinho é mesmo o lixo acumulado desde o Natal. Acho que é a primeira grande mancada do Fortunatti, ninguém sabe onde está o furo da bala....O Mendelski insinuou que sabe alguma coisa, na Guaíba, mas não disse o que é, então não vale, tem que dizer....O Correinho deu na capa, bom material...e a ZH deu no meio, também boa matéria...O cola e gruda, não deu uma linha. Aquilo não é jornal, sinceramente...

Memórias de verão...


No Mundialito do Uruguai

menino argentino morre

sem assistência médica....


Lembrei ontem no almoço com o Sérgio Ross - que me pediu pra ser cremado e as cinzas jogadas no rio das Antas muito pouco provável que eu me dê a este trabalho - o hotel Samburá em Imbé, já que ele vai para o hotel do Paulinho....

Diz o meu amigo que o Samburá está totalmente abandonado....


Nos anos 80, era o hotel mais chique do litoral norte. Pertencia a família Hoffmeister, donos da principal imobiliária de Tramandaí e cujo um dos integrantes, o Milton, foi secretário de turismo do município, com grandes desfiles carnavalescos pela avenida Emancipação....


O Gilbertinho Leal, da ZH, se lembra bem disto porque era o repórter prefeito do Milton....

Pois foi no Samburá que aconteceu uma tragédia no verão de 1982,durante o Mundialito em Montevideo. O Samburá estava apinhado de argentinos....


Era o único hotel do litoral gaúcho com piscina....

Pois no dia de um jogo da Argentina, um menino de cinco anos, desceu correndo a escadaria do Samburá e não se deu conta da porta de vidro. Entrou nela literalmente. EStava comemorando um gol do Maradona para o seu país...

O menor teve uma veia, acho que a jugular, cortada pelo vidro.

Aí começou uma sucessão de erros que mostrou como o litoral gaúcho era pobre em assistência médica.

Levaram o garoto pro pronto socorro, não tinham sangue... e até que decidiram levar o guri pra Porto Alegre ele já estava morto....

Carlos Alberto Kolecza ainda estava na ZH e na praia comandou um grupo de repórteres. Fizemos uma devassa sobre a precariedade do sistema de saúde falho do nosso litoral...E dele páginas e mais páginas..eu o luis alberto scotto, o antônio carlos mafalda, a marli scomazzon...entre outros.

Trabalhamos como condenados...

E em Porto Alegre o secretário da saúde Germano Bonow de-lhe explicações...

E na praia, pau e mais pau...

DEu trabalho mas foi bonito.

Acho que a ZH até mandou um repórter a Argentina acompanhar o enterro do menino na sua cidade de origem....


Coleguinhas

Atenção blogueiros:

Prefeitura Municipal de Porto Alegre somente vai retomar a mídia eletrônica(sites) em março do ano que vem.....


Memórias novaiorquinas!

Museu de História Natural

Um dos mais impressionantes museus a serem visitados em Nova Iorque é o de História Natual. No sábado de fevereiro de 1990 quando estive lá . Me impressionou sobremaneira os bichos que estavam ali empalhados ,desde os bichos da Africa do Sul, das regiões polares,(ursos e afins) uma verdadeira viagem pela história natural do planeta. Mas como caminhei ali dentro...

Numa das paradinhas que fiz durante avisita, espiei pela janela e flocos de neve caíam mansamente do lado de fora....Era uma neve fina que cobriu de branco como um tapete o jardim do Museu de História Natural localizado em pleno coração novaiorquino, no bairro de Manhattan.

Por ser um sábado, com aquele frio, a cidade, pelo menos naquela região estava quase vazia.

Fiquei sentado num banquinho admirando aquela paisagem hibernal de Nova Iorque, no aconchego da calefação do museu....

No rádio que tinha na casa da Regina Lanckok, onde fiquei hospedado, já tinha pego as manhas da cidade...Aquela rádio, por exemplo, só tocava música clássica.Gostava de ouvir o locutor da emissora dizer classicamente a temperuata e anunciar a rádio tal da New York City( porque tem o estado de New York) e isto eles fazem pra diferenciar...

Quando decidi ir conhecer Nova Iorque alguns não entenderam...o que eu queria com aquela cidade velha,suja e não sei o que mais....

Me perguntaram sobremodo o que eu queria com uma cidade que tinha um metrô centenário,caindo aos pedaços.

Também me gozaram muito dizendo que eu seria empurrado por gente forte que vai de Connectictu( um estado vizinho) e que costumam na grande metrópole ir esbarrando em todo mundo pelas ruas....com o seu já clássico

" excuse me....excuse....."( desculpe...desculpe...)


A SAGA DE UM GURI GREMISTA DE 9 ANOS...

Recebo do ZATOR,d e Sarandi, que neste momento passa férias " na casa dos parentes da Chica" na centenária Palmeira das Missões. Dando despesas aos parentes da mulha, né seu descansado!


Em 2014, às vésperas da Copa do Mundo no Brasil, o guri gremista de 9
anos chega todo eufórico para o jogo contra o São Luiz de Ijuí, pelo
Gauchão, única competição que ele viu seu time ganhar até então. Ao
entrar no estádio ele se dirige ao pai:

Pai, porque nosso estádio não tem o distintivo do nosso time
É porque... bem... deve ser porque o estádio ainda não é nosso, meu
filho... só vai ser nosso quando tu tiveres uns trinta anos.

Ah, que pena! Por isso que a Copa vai ser no Beira-Rio
Não sei direito, deve ser porque na época em que escolheram os
estádios a gente ainda não tinha um.
O menino resolveu então mudar de assunto, pois viu que o pai ficou um
pouco incomodado. Ainda mais entusiasmado, ele comenta:

Pai... ontem o meu amigo falou sobre uma vitória heróica do nosso
time, uma tal de Batalha dos Aflitos. Como foi isso pai Foi decisão
do Mundial, da Libertadores, Sulamericana, Brasileiro
É... hmm... foi final do Brasileiro, meu filho.

Legal pai... e contra quem foi Inter, São Paulo, Flamengo, Santos
Não filho... na verdade foi pelo Campeonato Brasileiro da 2ª
divisão, contra o Clube Náutico Capibaribe, de Pernambuco, estado com
grande tradição no futebol brasileiro naquela época. Com isso
conseguimos subir para a Série A pela segunda vez!!

Segunda vez Então teve outra Batalha dos Aflitos pai
Não filho... na outra vez acho que ficamos em nono ou décimo.

Ué, mas não sobem só 4
É que naquele ano a CBF mudou o regulamento para nos dar uma forcinha.

Ah tá... sussurrou o guri, meio cabisbaixo.
Ficou calado por alguns segundos e voltou a questionar o pai:

Mas o Inter já passou por algum fiasco parecido com esse pai
Aí o pai se encheu de orgulho, estufou o peito e relatou:

Filho, tu nem sabe... uma vez eles perderam de dois a zero para um
tal de Mazembe!
É mesmo pai Hahahaha. Que legal!!! Foi pela 2ª divisão do Brasileiro também

Não filho... foi pela semi-final do Mundial de Clubes da Fifa, em
2010. Era um time do Congo, campeão do continente africano. Naquele
ano o Inter acabou ficando em terceiro ou quarto, nem lembro.
Bah... que vexame! Nós nunca ficamos em terceiro no Mundial de
Clubes da Fifa, né pai

Não filho... na última vez que a gente chegou lá, no século passado,
quando o pai ainda era guri, só jogavam dois times, um europeu e um
sul-americano.
Mas pai... naquela época o mundo só tinha dois continentes

Claro que não meu filho... tinha cinco, como hoje!
Mas então porque a Fifa não convidava os outros campeões continentais

Bem filho... na verdade naquela época não era a Fifa que organizava
o torneio... era uma montadora de carros.
Ah... então nós fomos vice-campeões de um torneio mundial de dois
times organizado por uma fábrica de carros

É filho... na verdade era um torneio Intercontinental, mas a gente
chamava de Mundial... deixa isso prá lá... Olha lá nosso time entrando
em campo!!!
Pai... eu queria um argumento para zoar os meus colegas colorados,
mas não consigo. Eles têm mais sócios, nos venceram mais vezes, têm
estádio próprio e já ganharam todos os títulos importantes que nós já
ganhamos. Como eu posso tirar sarro deles então

Ah... sei lá... diz que ganhamos o primeiro Gre-nal por 10 a 0.
Isso... legal pai... pelo menos tenho uma coisa para falar!!! Tu
chegaste a ver esse jogo pai

Não filho... mas o pai do teu bisavô viu!
Depois dessa o guri resolveu ficar quieto, assistiu o jogo e no final
saiu vibrando com a conquista de uma vaga para a final do Gauchão,
pois desde pequeno se acostumou a ver o pai comemorando vagas ao invés
de títulos.

Histórias de la ùndeze....

Os vagais de Serafina...


Alguns são legendários, um deles, o que tem mais fama é o Flávio Soccol, mas é um pouco de injustiça porque o promotor Altamir Arroque, hoje em Porto Alegre, nunca foi lá de pegar muito no basquete. Há exatos 3 anos ele promete reunir os formandos de 1969 da nossa turma e até agora, nada....

Mais antigamente tinham fama Ewaldo Carlos Cervieri, - que é visto todos os dias indo de sua casa até a lotérica da filha, Marina(onde ele despacha nos fundos) - e pasmem, do nono Tosi,ou seja, Andrea Tosi, músico, que passou os dotes musicais pros netos Roberto e pra neta Maria Amélia....E a preguiça toda pro Altamir...


Já o Zator ( exator estadual, já falecido)(Mário Rocha) também não era assim de pegar tanto no batente..Por isto que seu filho Mauro herdou um pouco estas qualidades...

Diz um amigo meu que em Serafina se trabalha muito: é verdade...mas um vizinho nosso, o Bepi de Costa, lá pelas quatro da tarde, quando o sol ficava mais suave,pegava a espingarda e saía a caçar lebres...e bem verdade que sempre voltava com uma no lombo.

Ia lá em casa pra tomar o mate da tarde e se queijava que sua mulher, a Flora Boff, não o acompanhava no batente do trabalho. E lamentava:
- Se a Flora me acompanhasse( queria dizer, se ela trabalhasse tanto quanto eu....)
Há um ditado que diz lá em Serafina: quando el sol tramonta, el poltron se pronta( quando o sol desce, o vagabundo sai pra trabalhar....) ora bolas!!!!



Futebol

Recebo do Mauro Rocha:

Ranking da Folha de São Paulo aponta Inter como o melhor da década


O Ranking do jornal Folha de São Paulo, apontou o Internacional como o time da década no Brasil. O clube gaúcho assumiu a liderança na pontuação com as conquistas internacionais recentes e as boas campanhas em competições nacionais, principalmente no Brasileirão onde foi três vezes vice-campeão.

Com 233 pontos, os colorados lideram com 21 a mais que o segundo colocado, o São Paulo. Santos, Corinthians, Flamengo, Cruzeiro, Fluminense, Atlético-PR, Grêmio e Vitória, pela ordem, completam os 10 primeiros.

Títulos do Inter na década

2002 - Supercampeonato Gaúcho
2003 - Campeonato Gaúcho
2004 - Campeonato Gaúcho
2005 - Campeonato Gaúcho
2006 - Libertadores da América
2006 - Mundial de Clubes
2007 - Recopa Sul-Americana
2008 - Campeonato Gaúcho
2008 - Copa Sul-Americana
2009 - Campeonato Gaúcho
2009 - Copa Suruga Bank
2010 - Libertadores da América


Colorados desesperados.


depois que perderam pros desconhecidos do Congo, os colorados sonham todas as noites com leões e são acordados com pesadelos. agora inventaram até um ranking...desespero dá nisto....


Recebo do Maruo Rocha

Sabendo que seria incluído no rol dos vagais de Serafina, o Zator já se antecipou e mandou a defesa prévia...Speta ti...(aguarde...)

É o JUA, como gostam os italianos de dizer !!!!!talentoso jornalista(
foi coroinha destacado eu acho, ou o irmão dele que é arquiteto). Era
só o que faltava...........eu no rol dos que não fazem nada. Pergunta
para minha reitoria se eu trabalho.

O meu nome é "trabalho".

MAURO.


Coleguinhas

 


O Correinho deu de dois a zero na ZH nos dois últimos dias....Porto Alegre tomada pelo lixo e o principal jornal da capital e do Estado deu na terça,apenas uma materinha no meio,sem qualquer chamada na capa...

Isto na terça...quando o Correinho deu um golaço na ZH com a materia da deputada estadual Silva Covatti, do PP abrindo o bico contra seu colega deputado Pedro Wesphalen....

esta matéria da Silvana chamou a atenção tanto que foi o assunto do dia na assembléia legislativa tomada pelo marasmo nestes dias que antecdem a posse do novo governo e da nova presidência e dos novos mandatos...
A ZH dormiu nas palhas nesta terça feira passada...tu sabes como é ....

Já ontem o Correinho chutou bem forte d enovo e deu na capa fotos de montes de lixo que se acumula na capital desde o Natal. A ZH mostrou a rua da praia vazia, pra ilustrar na capa uma materia comum, corriqueira do Borró que foi dada nas paginas centrais.

Jornal não é mais notícia.....

Voltaremos a paulear eles....

O governador precisa de

firmeza pra dirigir o rio grande


O governador Tarso Gerno que assume o governo do estado - depois de outras duas tentaivas - neste sábado,dia 01.01.2011 deverá ter muita firmeza, como neste dia de 1993,quando era prefeito de porto alegre e foi dirigir um ônibus da Cia Carris.

No caso da foto, Tarso estava solicitando ao presidente Itamar Franco, que subsidiasse o combustível pro transporte coletivo!


Cartas


Do Mauro Rocha, de Sarandi( neste momento homiziado na centenária Palmeira, terra de bandidos, digo de ....)


" Não sabias que tu tinhas parentes de sobrenome PALOSCHI...ESTUDAMOS COM UM QUE JOGAVA BEM DE ZAGUEIRO E DEPOIS O ENCONTREI TRABALHANDO NO FRIGORIFICO"


Memória da Imprensa


PALMEIRA DAS MISSÕES

SE REVOLTOU COM A MATÉRIA

QUE CONTAVA UMAS QUI OUTRAS....


Lá por 1973, quando Palmeiras das Missões fez 100 anos, O Geraldo Canalli era o chefe de reportagem da ZH( seu vice era o Sérgio Quintana) e seo Maurício pediu ao Canalli mandar fazer uma matéria sobre o centenário...

Foi pra lá um jovem repórter chamado Licínio da Silveira que se esmerou...não sei o que contaram pro Licínio mas lendo a matéria dava a impressão que o banditismo corria solto na centenária capital da erva mate....

Realmente o Licínio pegou pesado mas o jornal deu a matéria assinada...não recordo agora quem foi o fotógrafo...

Eu sei que dias depois o Lauro SChirmer que era o diretor tefve que apagar aquele incêndio porque desceu o prefeito, vereadores, pessoal da indústria, comércio e foram todos pro gabinete do seo maurício...
Como de praxe, o dono da zero hora sábia como sair destas saias justas e como sabia...

Eu sei que deram lá uma notinha,alguma coisa, mas por toda avida o Licínio não botou mais os pés na legendária capital da erva mate e de outras cositas más....


Ultima sessão do legislativo municipal


O presidente do legislativo municipal - de Porto Alegre - que nos últimos tempos tem angariado espaço na mídia em decorrência de confusões entre vários vereadores( Fernanda X Luiz Braz) Mauro Zacher X Juliana Brizola Nelscir Tessaro encerrou o ano ontem de tarde.

A Câmara volta agora a funcionar no dia 3 de janeiro as 14 horas quando dará posse a vereadora Sofia Cavedon, do PT, como nova presidenta.

Na mesa diretora estão também os vereadores DJ Cassiá, do PTB, e Mário Manfro, do PSDB, como 1 e 2 secretários,além de Toni Proença, do PPS e Waldir Canal, do PRB e Adeli Sell do PT nas três secretarias.

Na segunda os vereadores começam os trabalhos de votação do projeto do Executivo que vai gerenciar o Programa da Saúde da Família em Porto Alegre.


Lixo em excesso....


Uma das explicações pro excesso de lixo em Porto Alegre seria o excesso de consumo no Natal....

Memória da Imprensa


Foi no Gattopardo, um restaurante localizado na Rua 24 de Outubro, 1585 -que hoje é a Churrascaria Sulina -

o local onde a alta direção da RBS - Marcos Dvoskin, Nelson Sirotsky e Fernando Ernesto Correa - escolheram pra convidar o então diretor do Correio do Povo, José Barrionuevo pra assumir uma coluna sobre política na ZH.

O intermédio, ou portador do convite foi Rogério mendeslki, que então fazia o programa matinal na rádio Gaúcha.

O ano:1993.

João Carlos Terlera que fazia a coluna Bastidores há anos ficou sabendo do jantar e se aprontou pra ser demitido, porque a ZH estava com novos editores que não mais queriam o chamado duplo emprego, ou seja,um público e a ZH.

Terlera sabia que chegara a sua vez.

Ele ainda foi deslocado pra fazer trabalhos especiais pra direção durante um certo tempo( ficava junto ao diretor Fernando Ernesto Correa ) mas depois fez uma ação na Justiça do Trabalho contra a empresa e então foi dispensado.

Houve quem dentro da RBS se opôs a contratação de José Barrionuevo, mas acabaram como votos vencidos.

Barrionuevo assinou a mais importante coluna política do Estado durante um período muito polêmico, principalmente durante o governo do PT. Pouco tempo depois de Lula assumir o go verno no plano federal, tanto Barrionuevo como Rogério Mendelski saíram da RBS.

O segundo dizem que foi porque falou mal da TIM....



Serginho no PLAZÃO


SERGINHO fez tanto mistério e eu descobri fácil que ele táva no Plazão. Liguei pra lá na noite de quarta e me confirmaram sua hospedagem. Só não quis acordá-lo ontem, pra não torrar.

Fiquei sabendo ainda que ele se acordou de noite e não sabia onde ligar o ar condicionado, de tão sofisticado que é...

e se assustou com o preço....


Bares que viraram lenda


Il Gatopardo...

Quando o PT deixou de ser "pobre" seus encontros começaram a ser feitos no Il Gattopardo, um fino restaurante italiano bolado pelo MORTADELA, COMO Ernesto Pereira, o dono da Cia das Pizzas é conhecido pelos amigos e conterrâneos de Santana do Livramento.

Fica na rua 24 de outubro, naquela baixadinha, número 1585. Hoje ali é o sulina Grill. O fone do gattopardo, como era chamado, era 330.19.72...

Tinha um bom ar condicionado central era um local onde empresas levavam seus confidados porque a conta era geralmente salgada. ERa sinal de finesse e de alto poder aquisitivo fazer refeições no Il Gattopardo...

Tinha uma bela decoração e o lugar era mesmo aconchegante. Lá nos fundos havia umas mesas, atrás da casa, que nos sábados à tarde, os mais íntimos da casa, faziam feijoadas....

Chegou a ser um point da cidade, onde além de comer bem, era um local pra ser visto....As pessoas iam ali pra serem vista e pra ver...local de colunista social...]
Havia pratos com creme de leite, combinações tradicionais da comida italiana. Os panuellos de salmão eram considerados muito especiais, principalmente quando vinham envolvidos numa espécie de crepe em molho rosado.

Da mesma forma os camarões, quando assim servidos.

DE couvert, o Gattopardo servia uma admirável tábua de frios como queijos, copas e váriados presuntos. Tinha uma ótima carta de vinhos. e um bar muito confortá vel. Havia gente que fazia questão de ficar no bar, esperando pelos convidados. Na verdade, como o bar ficava na entradinha, ficavam ali pra ver quem ia no Gattopardo e depois espalhar por aí....

Ernesto Pereira passou a diante o Gattopardo pra Eleonora Rizzo e sua irmã Ana Maria. Mas elas também entenderam que aquilo era oneroso demais...

Dizem a boca pequena que muita gente ia ali e pendurava....até perder de vista a conta....

O fato é que o Gattopardo apenas deixou recordações!

Recebo e publico do Ivan Marimon!

( grande amigo dos anos 70,colega de indiadas a Garopaba, e outras como do Dluct)

Olides
ainda não tinha lido o blog e fiquei "pasmo" com a qualidade de diversidade de contribuições.
Meu amigo, acho que com um pouco de diagramação "internautica" e esta aí um novo veículo qua tanto faz falta no sul.

Quero conhecer melhor teus livros podes enviar o "Pauta, o avesso da Redações", e me informa como deposito o valor.

Um abraço
Ivan Marimon

 

Memória de um repórter


João Carlos Terlera, em 1993, deixou de fazer sua coluna Bastidores na ZH e foi levada a assessorar a direção da RBS, no prédio da diretoria. Ficava no gabinete de Fernando Ernesto Correa.

Este viajava muito a Brasília e as vezes lá o advogado Werner Becker, o Bruxo,ligava pra saber alguma coisa da política gaúcha porque seu cliente o encarregara de algum trabalho, mas depois não sabia detalhes....

Terlera esmiuçava pra Becker detalhes de como andavam as coisas aqui pelo Rio Grande....


POR TRÁS DA MEGALOMANIA OU O DR. PANGLOSS TROPICAL

Por Carlos Chagas

Mais do que megalomania, é remorso, diria um estudante do primeiro ano de Psicologia. Uma necessidade absoluta de, auto-elogiando-se, tentar inutilmente demonstrar que fez o melhor para o país e que não traiu seu eleitorado em 1994. Porque quando Fernando Henrique Cardoso firmou-se como candidato, graças ao apoio do então presidente Itamar Franco, trazia o perfil de um socialista moderado. Era alguém que daria mais alguns passos no rumo da justiça social, que governaria para o andar de baixo e para a classe média, respeitando e até ampliando os direitos trabalhistas e afirmando a soberania nacional.

Não é brincadeira: por isso ele foi votado, em contraposição a um Lula ainda tido como o lobisomem das elites e do mercado. O país queria mudanças, mas dentro da tranqüilidade, sem radicalismos.

Depois, foi o que se viu. A farsa da flexibilização, que o candidato jamais admitiu em campanha. O desmonte dos direitos sociais fixados na Constituição, a quebra dos monopólios essenciais à nacionalidade e a entrega pura e simples de nossa economia ao estrangeiro. Mais as privatizações, boa parte com dinheiro público, dos fundos de pensão, do BNDES, do Banco do Brasil e similares.

Tudo isso era o oposto do que o Brasil esperava, mas, como o andar de cima entrou em orgasmo financeiro, ampla campanha de propaganda ofuscou a perplexidade e a indignação nacional. O campeão do socialismo transmudou-se em tirano do neoliberalismo sem que seus eleitores nada pudessem fazer.

Nem se fala, hoje, do golpe sujo da reeleição comprada a dinheiro vivo, muito menos do uso da máquina pública para garantir-lhe mais um mandato.

O resultado aí está: de forma compulsiva, FHC não perde um dia sem aparecer na mídia, buscando travestir a História e mostrar-se como quem mudou o Brasil, conforme ainda esta semana declarou num programa de televisão. Chegou a dizer, “sem falsa modéstia”, que o país era um, antes dele, passando a ser outro, depois. Nesse particular pode ter razão: outro que ele transformou em paraíso dos especuladores e inferno do trabalhador e dos assalariados de pequena renda, sem falar nos miseráveis cujo número multiplicou-se.

Vendo as coisas mudarem nos anos Lula, ainda que nem tanto na economia, o ex-presidente passou a exaltar o que realizou de pernicioso como se tivesse sido a base do que o sucessor realizou de benéfico para a população carente. Um artifício de raciocínio digno do Pinóquio, no qual ninguém mais acredita.

Assim estamos quando o ex-presidente começa a trocar o alvo de suas invejas. Do Lula, está passando para Dilma, a quem acusou de não terminar raciocínios, não entendendo o que ela quer dizer. Deve-se, essa oclusão, a estar utilizando um tipo novo de óculos, no caso, de um dr. Pangloss dos trópicos...

MALHAR EM FERRO FRIO

Será repetir o que muitas vezes temos escrito, mas o absurdo vem desde 1988 e o Congresso, em sucessivas Legislaturas, não se animou a corrigir. A posse de presidentes da República no primeiro dia de janeiro, de quatro em quatro anos, significa uma aberração. Não dá para nenhum ser humano festejar a passagem do ano, em família ou sem família, e horas depois assistir a cerimônia de posse de um novo chefe de governo. Não é por conta da presença ou da ausência de chefes de estado e de governo, muitos impossibilitados de pegar o avião e chegar a Brasília a tempo homenagear quem entra e quem sai. Falta, propriamente, eles não fazem, numa festa essencialmente nossa. O que salta aos olhos é a diversidade de situações. Dizem vir por aí a reforma política, mais uma oportunidade de alterar o calendário para dez dias antes ou dez dias depois do Ano Novo, já que este não pode mesmo ser mudado.


Sindicato faz recesso no Ano Novo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul estará aberto somente até as 19h desta quinta-feira, dia 30 de dezembro. O atendimento volta às 9h da próxima segunda-feira, 3 de janeiro de 2011.


Vereador Cecchim será o novo líder da Bancada do PMDB em 2011


Na Sessão Plenária de quarta-feira, 15/12, o Vereador Idenir Cecchim foi escolhido para liderar a Bancada do PMDB em 2011, na Câmara Municipal de Porto Alegre. O Vereador terá a missão de coordenar as ações da bancada no legislativo. O Vereador também será o vice-presidente da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul (Cefor), que a presidiu durante o ano de 2010.
Idenir Cecchim

Tarso anuncia Procurador Geral do Estado

O governador eleito Tarso Genro anunciou nesta quarta-feira (29) o titular da Procuradoria Geral do Estado (PGE). Carlos Henrique Kaipper ocupará a pasta no governo Tarso. “O desafio é grande, mas tenho certeza que terei maturidade para contribuir muito com o governo na viabilização das políticas públicas do Estado”, declarou o futuro Procurador Geral.
Carlos Henrique Kaipper - Procurador do Estado, foi consultor jurídico do Ministério do Desenvolvimento Agrário, em Brasília. No governo Olívio Dutra, atuou como sub-chefe jurídico da Casa Civil. Atualmente trabalha na Procuradoria Disciplinar e de Probidade Administrativa, em Porto Alegre. Tem 43 anos.

Reunião do secretariado do governo Tarso Genro

--
Tarso Genro - Assessoria de Imprensa


FELIZ 2011 !
Clique aqui para ver.


Agradecimento à imprensa


Prezados amig@s da imprensa!
Ao chegar ao final de um ciclo de quatro mandatos como deputado estadual, gostaria de agradecer a todos os trabalhadores e trabalhadoras da comunicação que de algum modo acompanharam as atividades que desenvolvi.
De modo geral, sempre tive um tratamento respeitoso e profissional de todos os meios e valorizo muito a importância da imprensa na divulgação e controle das atividades realizadas por agentes públicos.
Neste período na Assembleia Legislativa, acredito ter contribuído no aperfeiçoamento da democracia. Sigo agora para um novo desafio no Poder Executivo, onde desejo trabalhar na ampliação do desenvolvimento rural sustentável.
Obrigado a todos!
Abraço fraterno
Ivar Pavan

Zulke lamenta atraso na assinatura da ordem que serviço para duplicação da RS-118


GRAVATAÍ


Coordenador do Comitê de Acompanhamento das Obras de Infraestrutura Viária da Região Metropolitana de Porto Alegre, o deputado estadual Ronaldo Zulke (PT) critica a demora da governadora do Estado, Yeda Crusius, em assinar a ordem de serviço para a duplicação da RS-118, na região de Gravataí. Por quatro anos seguidos a governadora se negou a receber o comitê para tratar desta importante obra, lamenta.

A governadora assinou na terça-feira a ordem de início das obras de duplicação da rodovia estadual - considerada uma das mais violentas do RS -, no trecho entre os quilômetros 5 e 11. O projeto prevê, ainda, a construção de um viaduto sobre a ERS-020, em Gravataí.

A governadora está agindo como o quero-quero, ao final do governo, tomando decisões longe do ninho, compara.

BEM VINDO SERGINHO!!!


Eu fico tirando sarro, eu e o Remindo, mas aqui no Rio Grande tu és bem-vindo....


Agora, tua esnobação pra Bento é demais...é a segunda vez que vens em pouco tempo e não pisas aquele solo sagrado....


O Renan Proença assim vai cancelar tua carona que ele sempre te dá quando vais lá....

E agora também esnobastes a ovelha que o Janguta iria matar....pra te receber em Serafina....


Neve em Nova Iorque....

Recebo da leitora e publico!

Oi Olides

Olha as fotos que a Claudia na segunda passada em N.York. Nevou por 14 hs.
Ingrid

Ingrid Schumacher

Gente, mando fotinhos dos casos que NYC estava virada depois da nevesca que invadiu a cidade e durou quase 17 horas . Nunca vi tanta neve caindo, com rajadas de vento e até relâmpagos. De dar medo!

Hoje( dia 28/12) a cidade estava um caos, o trânsito quase todo parado, trens parados, ruas atoladas de neve. Sair de casa é uma aventura....Achei que nem ia conseguir sair do apartamento de tanta neve na porta e minha rua ainda estava fechada e completamente soterrada na neve,. Aproveitem o verão por mim porque aqui a coisa tá feia!

Beijos e saudades de todos!
Claudia Schumacher


Memórias de Viagem

As fotos aí que a Claudia Schumacher, filha da Ingrid, fez da nevasca deontem me levou a1990, quando tomei contato com a grande metrópole.


Eu tinha ido a um congresso de transportes em Miami( entendi pouco daquilo tudo porque era tudo em inglês e só tinha japonês no evento) e depois voei num companhia de aviação norte-americana de Miami pra descer num aeroporto que eles tem lá em New Yersey, que é onde descem os vôos internos.

Eu não entendia patavinas de Nova iOrque e ainda bem que tinha gente conhecida a minha espera.

Era fevereiro e fazia muito frio, mas estava um dia muito lindo,ensolarado.Cheguei no meio da tarde e aquele povo todo pelo aeroporto.

O inverno ainda em Nova Iorque( na costa leste) justificava a presença de tanta gente de idade em Miami que é pra onde fogem quando faz muito frio.

Por acaso, e muita sorte, no dia seguinte era o dia 17 de fevereiro que é quando comemoram o aniversário da cidade com o tradicional desfile pelas ruas de Manhattam com trajes irlandeses, como os primeiros imigrantes chegaram ao local.

E delhe aquela música característica da Irlanda...Nova Iorque se enfeita toda neste dia...

Passei aquele dia em Manhattam ( coração da cidade) e só regressei de ônibus à noite pra New Yersey, onde estava hospedado na casa de uma brasileira,casada com um americano.

No dia seguinte conheci o NEW YOKR TIMES ,o grande periódico dos norteamericanos. Conheci sua redação e até ganhei pra guardar de recordação a capa do segundo caderno da edição daquele dia. Uma pena que a extraviei....

O segundo caderno do New York Times trata de lazer, com comentários sobre televisão,teatro da cidade, shows e afins.

Ainda tive a grata satisfação de meu acompanhante do jornal me informar que as duas maiores tiragens da história do NEW YORK TIMES foi no dia que o homem pisou na lua( 29 de junho de 1969) e no dia assassinato do presidente John Kennedy, que comemoramos há pouco, acho que foi 18 de novembro de 1963.
Cada uma das tiragens chegou a casa dos 5 milhões de exemplares.

Claro que só consegui esta visita com um conhecido que minha amiga brasileira tinha dentro do jornal, porque senão é mais demorado. Também pesou a meu f avor o fato de ser jornalista.

Durante os dias que fiquei na grande metrópole, gostava de ir me soltando dentro do metrô ...e do ônibus com o qual voltava de tardezinha pra casa...

Minha amiga - Regina Lanctok - que já não vive em Nova Iorque, me contou que sofreu muito nos seus primeiros anos de Nova Iorque, dentro do metrõ.
O pior dia era na segunda de manhã cedo,quando ela morando no Brooklin tinha que tomar o metrô para ir trabalhar nas torres gêmeas, já que trabalhava numa firma japonesa que tinha sede lá...Como sabemos as torres gêmeas foram derrubadas no ataque de 11 de setembro de 2001.

Elas se localizavam no World Trade Center,Regina tomava o metrô as 6 da manhã pra chegar no serviço pontualmente às sete.

Levava cotovelaços dos maiores porque ela é miúda...Branquela e miúda dentro de um metrô apinhado no primeiro dia útil da semana,chegava como sardinha numa lata....

Pois me despedi de Nova Iorque nesta primeira estada no sábado santo daquele ano, quando lá fazia ainda muito frio e chovia...Na sexta, na véspera fui ao centro e vi que havia bancos abertos. Principalmente os japoneses, os orientais não dar a menor bola pra esta história de sexta-feira da Paixão...

Levamos duas horas pra ir de Nova Yersey ao aeroporto internacional Presidente Kennedy. Peguei o avião da varig( bah, ainda existia) e desci no Salgado Filho ao meio-dia de domingo.

De noite, vi o show do Rod Stewart, no estádio Olímpico....



Memória novaiorquinas!


Regina Lanckot,casada com um norteamericano, o Roger, na casa de quem me hospedei em 1990, tinha morado antes no Japão, pra onde fora com uma bolsa de estudos. Nos arredores de Tóquio.

Ele me contou que passou por uma situação danada durante este período porque lá o jogo era duro.

E morreu um colega dela, peruano. Regina teve que arrumar o cadáver, conseguir junto a Varig que o levassem de volta a Lima porque a família do seu colega não tinha dinheiro pra pagar.

Dizia que um dia gostaria de ir a Lima conhecer os familiares do seu colega que morrera na universidade onde foram colegas.

Ela conheceu o Roger, quando voltava do Japão e foi fazer um estágio em Los Angeles...

Decidiu pouco tempo depois:
- É com ele que quero casar.

E casou.

Casaram em Long Island( o bairro dos milionários novaiorquinos)- não que eles o fossem - e depois foram com os amigos comemorar num restaurante do próprio bairro, onde o marido da Regina trabalhava.Americano é prático pra caramba.

Seu primeiro emprego em Nova Iorque foi no Word Trade Center - as torres gêmeas demolidas em 11/9/2001)Os donos da empresa eram japoneses e Regina era a cicerone junto aos executivos japoneses quando estes iam a Nova Iorquepara o trabalho. Uma espécie de guia. É que os japas não falam inglês.Ela levava-os a lugares exóticos e um dos locais que sempre iam era o 24 andar do World Trade Center, onde ficava um restaurante com o apelativo nome de THE WINDOWS OF THE WORLD...( as janelas do mundo)

Dava pra ver dali toda a city. Era um espetáculo vislumbrar a baía de Hudson, as lanchas indo e vindo ligando a maior cidade do mundo com as ilhas circunvizinhas e ali tomando um chá sem ter o que fazer...O verdadeiro happy hour dos novaiorquinos.

Depois que começou a ganhar e guardar uns trocos - porque a Regina é mão de mulita - eles quiseram morar melhor.

Compraram uma daquelas casas que é o sonho de todo o norteamericano,aquela famosa casa da cerquinha em volta, aquela que alguns dizem ser o sonho do americano de classe média....que a Janis Joplin nunca teve e que muitos acham que sempre quis ter...se é que me entendem, isto é, a clássica vida dos americanos classe média....

A casa ficava em Ney Yersey,lindeiro a Manhattam e o ônibus fazia o trecho em meia hora...

Nasceu um casal de gêmeos e anos depois mais um filho.

Regina me apresentou um amigo seu, norteamericano, um clássico novaiorquino, que militava nas esquerdas...

O Carl Glenn....Morava em Hoboken, o bairro que foi proletário a beira do rio Hudson, mas que fora invadido naqueles anos pelos yuppies (novos ricos) porque era chic morar lá.

Carl também trabalhava num centro financeiro e era tri culpado por isto.Se sentia o explorador do terceiro mundo...

nos finais de semana, o Carl ia se reunir com os companheiros esquerdistas. Fui a alguns destes encontros.

Até a esquerda norteamericano é diferente.

Estávamos num fevereiro de 1990 e aquela esquerda era mais jurássica que o PCBão brasileiro.
Discutiam se a revolução tinha que ser com armas,ou não.Outro tema: o imperialismo norteamericano, e a questão da América Central.( Nicaragua estava na moda,ainda)

A queda do muro de Berlim era outro tema candente.

Num sábado com Nova Iorque tomada pela neve e eu ali ouvindo aqueles papos jurássicos....conversa de paquidermes...

Depois eu conto mais....

meu convidado para almoçar


nao foi que não gostou. é que cobraram 200 paus por dois peixinhos. é que acharam o serginho com cara de deputado e tocaram ferro. no gambrinus a marreta come solta....evitem-no!


Olides

Amanhã,quarta feira à noite estarei aí em Pôrto Alegre. Já marquei um jantar com as minhas sobrinhas no Prinz,pois preciso compral mostarda para levar para a praia e trazer para Brasilia.

Na quinta feira, té es meu convidado para almoçar. Vamos nos encontrar às 13 horas naquele restaurante do Mercado,que eu não gostei.
É que me disseram que eu não pedi a comida certa...Eu quero comer um carreteiro ou um bife acebolado.Desta vez espero que a comida venha de acordo com a fama do restaurante.
AH!! preciso comprar aí no mercado,um par de alpargatas.

Sergio


O ÚLTIMO PROGRAMA SONORIDADES DO ANO DE 2010 FAZ UMA HOMENAGEM AO ÚLTIMO GRANDE POETA DO ROCK

 

Sonoridades desta quarta (29.12), 21h, fez especial sobre Renato Russo, que neste ano que está terminando teria feito 50 anos. É na 1080 AM- Rádio da UFRGS


Abaixo galeria de imagens não tão conhecidas do RR e coisas relacionadas com ele



COLEÇÃO DE CDS DO RENATO e instrumentos



Primeiro show da Legião Urbana em Sampa 1983

sábado, 27 de março, 2010 http://www.oesquema.com.br/trabalhosujo/2010/03/27/renato-russo-50-anos.htm
Por Alexandre Matias
Renato Russo, 50 anos

Como bom brasiliense, fica aqui a minha lembrança e meu salve ao João de Santo Cristo original, o retirante carioca que legitimou a cultura da minha cidade-natal em forma de canção. Aproveitei a data para desenterrar uma entrevista que fiz com o Renato Russo em 1994 e que foi capa da Ilustrada em 2001, quando completaram cinco anos da morte do cara. Segue:
Em entrevista inédita, Renato Russo fala de drogas e da Legião
Há exatos cinco anos o pop brasileiro perdia o pouco de senso crítico que tinha, acelerando a escavação do atual abismo cultural em que se encontra. Com a morte de Renato Russo, acabava a Legião Urbana, uma das duas bandas de rock mais importantes do Brasil, funcionando no imaginário nacional -ao lado do experimentalismo dos Mutantes- como os Beatles para o do planeta.
O fim do grupo coincidiu com a aceleração da idiotização do pop brasileiro, hoje composto por discos de regravações, muitos deles subprodutos da própria Legião.
No dia 21 de maio de 1994, Renato Russo e a banda viajavam pelo interior de São Paulo com a turnê do disco O Descobrimento do Brasil. O show daquela noite havia sido no ginásio municipal de Valinhos (a 88 quilômetros da capital) e problemas com a acústica do lugar fizeram o grupo convocar uma reunião de emergência na beira da piscina do hotel Royal Palm Plaza, em Campinas. Leia trechos da entrevista concedida por Renato Russo, após a reunião.


Qual seu disco favorito da Legião Urbana?
O V, que eu acho o disco mais difícil. Gosto muito de O Descobrimento do Brasil. Agora, que encontrei a programação dos 12 passos -parei de beber e de me drogar-, tudo está mais tranquilo. Esse show de hoje, por exemplo: o som estava um caos, tudo estava um horror, e o público, superlegal. O lugar tinha uma reverberação brutal. O público berrava muito, e o engenheiro de som teve de aumentar tudo, desequilibrou. No começo era só “bum-bum-bum” e eu berrando, não dava para ouvir os detalhes. Mas, se fosse em outra época, eu teria ficado tão preocupado que ia beber, tomar um porre, falar: “Nunca mais vou fazer show”, nhem-nhem-nhem… Isso agora não existe mais. Há uma tranquilidade, uma serenidade que esse disco trouxe, e acho que as músicas refletem isso.


Como foi sair dessa fase?
Eu estava me destruindo e, em vez de me matar com um tiro na cabeça, preferi procurar ajuda. Isso vem desde os 17 anos, mas no V foi a primeira vez que coloquei na música essas questões. “Montanha Mágica” é sobre isso. Eu era jovem e acabei entrando num beco sem saída.
Isso foi me consumindo, eu ficava deprimido e não sabia o porquê. Achava que o mundo era horrível, igualzinho ao Kurt Cobain, nada mais valia a pena. E isso é estranho porque, se eu achar um dia que as coisas não valham a pena, quero estar com a cabeça no lugar, e não com o corpo cheio de toxinas. Parei com todo tipo de droga e vi que as coisas não eram tão ruins.
Isso se refletia na sonoridade da banda?
Isso a gente decide. Todo disco a gente tenta fazer uma coisa diferente, até porque é mais divertido. E para não ficar na obrigação de repetir o mesmo trabalho. Não achávamos que o Quatro Estações fosse estourar, porque é um disco bem difícil, mas todo mundo gostou. As letras são complicadíssimas e não é tão pra cima quanto acham. É tão depressivo quanto o V.
Tentamos fazer músicas mais pra cima porque era natural, mas não ficava bom. O Descobrimento do Brasil não é um disco pra cima, é como o Power, Corruption and Lies, do New Order. É a coisa mais gloriosa do mundo, mas, se prestar atenção, é pesado.
Como o Quatro Estações…
No geral, as pessoas acharam que aquilo foi a coisa mais alegre que já foi feita. Enquanto o V, não. A gente tentou fazer uma música alegre pelo menos, de tudo quanto foi jeito, e não saía. “Vento no Litoral” só tocou porque tem uma melodia bonita. Acho “Metal contra as Nuvens” uma música superacessível. O problema é que o disco falava de coisas que as pessoas não estavam querendo ouvir na hora. Foi quando estourou a axé music, a gente veio na contramão. Mas o disco tem as melhores letras, de longe. Consegui falar tudo o que eu queria. Mas as pessoas não queriam ouvir aquilo. Por exemplo, “Metal contra as Nuvens” é uma música sobre o Collor, mas nunca ninguém falou sobre isso.


Como você vê a crítica?
Eles usam os motivos errados. Eu não sou o dono da verdade, mas, para mim, o que motiva esses caras é um rancor e uma incompreensão do que é o nosso país e de como as coisas funcionam. Existem iniciativas maravilhosas no Brasil e a gente não sabe. Aí a gente fica oprimido, achando que tudo não presta, que tudo é horrível. Gostaria de poder apresentar um bom trabalho para as pessoas que gostam da gente. Acho sacanagem, na posição que a gente está, não tentar se esforçar o máximo para apresentar o melhor que a gente pode fazer.


E o futuro do Legião?
Não tenho idéia. Eu não vejo como a gente vai seguir o que está fazendo sem se repetir. Depois de “Perfeição”, eu vou escrever o quê? Depois que você fala “vamos celebrar a estupidez humana”, o que você vai falar? Então talvez a gente faça uma coisa parecida com o que o The Cure faz, para depois, com o tempo, a gente fazer uma mescla. Ou virar uma banda de trabalho, como o New Order. Eu não quero ficar falando como eu acho tudo horrível como está. Se a gente cansar, a gente pára. Se a gente achar que ainda vale a pena fazer alguma coisa, a gente continua.


Marcelo Rubens Paiva tinha motivos de sobra para fazer ares de intelectual na foto tirada em 1990. O escritor paulistano estava em Brasília para o lançamento do seu terceiro livro Uá: Brari. A fila de autógrafos recebeu figuras célebres, como o líder da Legião Urbana, Renato Russo. “Conheci o Renato em 1983”, lembra o escritor. “A gente tinha uma turma enorme de amigos e ele era meu parceiro fiel nas noitadas punks paulistanas. Éramos freqüentadores assíduos dos bares Nepal, Carbono 14 e Rose Bom-Bom.” Sempre que viajava a Brasília, Marcelo ficava hospedado na casa de Dado Villa-Lobos, guitarrista da Legião Urbana. A festa rolava solta.
Como o pai de Dado era embaixador, vivia viajando para o exterior. A casa ficava vazia.

A banda, então, mudava-se para lá e realizava ensaios que duravam do amanhecer à madrugada. “Eles começavam a tocar bem cedo e me acordavam”, ri Marcelo, nostálgico. O passado deixou saudade. Renato Russo morreu em 1996, vítima de aids, e Marcelo Rubens Paiva, que fez sucesso com o livro autobiográfico Feliz Ano Velho, lançado no início da década de 80, debruçou-se sobre textos para teatro. Na semana passada, estreou no Teatro Augusta, em São Paulo, sua mais recente peça, Mais que Imperfeito, com Ingra Liberato e Tato Gabus Mendes no elenco. Incansável, o autor de 42 anos colocou o ponto final na próxima montagem teatral, Closet Show.
“É o último texto da trilogia que começou com E aí, Comeu?”, adianta. “Agora estou em fase de mexer os pauzinhos para produzir o espetáculo.”

 


Do tempo da fitinha k-7


inGresso do show da Legião em Brasília em 88. Uma noite de som e fúria!!! The Doors em Miami perde


cOM uma pinta de banda inglesa mas era em pleno Brasil década de 80


mais prisões

Olides

Li agora pela manhã na coluna do Claudio Humberto,que o Brasil precisa construir mais de 400 prisões para abrigar toda a bandidagem que anda solta por aí.Eu acho pouco,porque o que tem de neguinho solto que nunca foi preso e nunca devolveu um dinheirinho siquer que roubou, é uma festa. E olhe que não estou falando de ladrões comum.Estou falando de caras com o colarinho branco.
Diz o Claudio Humberto que a população carcerária,cresceu 41,05%, no período de 2005 a 2010.
Olides, quero aproveitar aqui,enquanto escrevo estas poucas mal traçadas linhas,para mandar um grande abraço de fim de ano a dois
amigos que aprendi a gostar sem conhece-los pessoalmente. Um é o Mazzarino e o outro é o Remindo.
Um abração bem grande para eles.
Transminta também aos meus amigos Nene,JK,e Tico Tico,um grande abraço de fim de ano.Adoraria,numa dessas minhas idas
a Porto Alegre,ver essa gente
Sergio Ross

PS: Nosso almoço esta de pé.So antecipar um pouco o horário.Tinha combinado para ser às 13 horas,mas precisa ser às 12.É que
eu quero dar uma volta no Mercado para comprar umas alpargatas e um pouco de "foia gráss"(?).Esse tipo de comida que é famosa no mundo inteiro,só rico porde comprar.Como tu es um pobre da Linha Onze,não conheces. Mas tem uma coisa: o "foi-grás" que eu compro aí, é feito em Gramado e só é comparado ao "foi-frás" feito na Europa,ou mais precisamente na França. Se não tens grana para comprar e comer,pelo menos tu ficas sabendo do que se trata...

 

SIBILINO OU GROSSO, TANTO FAZ


Por Carlos Chagas

No limiar de seu afastamento do poder o presidente Lula vem acertando algumas contas, em especial na política externa. A dúvida é saber se age assim porque Dilma Rousseff poderá imprimir rumos diferentes e se o primeiro-companheiro, assim, deseja ver gravadas suas concepções, para futuras comparações.

Tome-se nosso relacionamento com os Estados Unidos. Depois de oito anos de sucessivos desencontros, o Lula lamenta como palavra final a crítica de que os americanos não mudaram sua postura diante da América do Sul, mesmo com Barack Obama: falta-lhes visão objetiva porque mantém uma visão de Império também com relação aos países pobres.

As observações do presidente foram feitas durante sua despedida dos repórteres credenciados no palácio do Planalto. Disse que esperava de Obama mudanças objetivas, mas elas não aconteceram. Esquecem-se, os Estados Unidos, de que 35 milhões de latino-americanos vivem em seu território. Culpou o que chama de terceirização do governo de Washington, cheio de subsecretários para cada setor. Também aproveitou para bater no Conselho de Segurança das Nações Unidas, por conta das tentativas do Brasil de trazer o Irã para a comunidade internacional: “não admitiram que países do Terceiro Mundo conseguissem o que eles não conseguiram, mas estávamos certos ao procurar aquele país.”

De forma cáustica, o Lula falou de inveja e de ciumeira por parte dos Estados Unidos e da União Européia, mas não admitimos a subserviência, temos soberania. Não precisamos pedir licença a eles para acordar, espirrar ou tossir.

Terá sido essa a reflexão mais contundente do presidente, desde que assumiu, em termos de política externa. Havia efervescência na embaixada americana, em Brasília, depois de divulgados os comentários referidos, menos pelo seu conteúdo, mais porque os gringos ignoram a linha a ser adotada por Dilma Rousseff, que não poderá afastar-se muito do que disse seu mentor e já quase antecessor. Pelo menos num primeiro tempo.

Fica difícil imaginar a grande imprensa e o empresariado concordando com os termos expostos pelo Lula, mas, como sempre, ele falou para o sentimento nacional, para a maioria das opinião pública e para a voz rouca das ruas. Ontem, já recebeu as primeiras farpas e até alguns petardos daqueles que se imaginam formadores de opinião, mas não seria precisamente esse o resultado pretendido por ele? A primeira viagem ao exterior programada por Dilma Rousseff seria aos Estados Unidos, ainda que agora, garantia não exista mais. Sibilino ou grosso, tanto faz, o Lula alcançou seu objetivo.

FICAM

Tudo indica que os comandantes em chefe das três forças armadas continuarão em suas funções, recomendados que foram pelo ministro Nelson Jobim à presidente Dilma Rousseff. O titular da Defesa conta com o apoio de generais, almirantes e brigadeiros, considerado, de longe, o melhor que já exerceu a função, desde que criada. Como a recíproca é verdadeira, reina a paz no setor militar. Serão prestadas as continências devidas àquela que a partir de janeiro será a comandante em chefe das forças armadas.

BARBA PROVISÓRIA

No Rio, para as festas de Natal, o ex-governador e senador eleito, Aécio Neves, foi flagrado de barba crescida, que nunca usou. Espera-se venha a cumprimentar a navalha antes de fevereiro, quando toma posse. Se dependesse do avô, nem teria experimentado provar o novo figurino. Aguarda-se seu desembarque em Brasília, ainda em janeiro, para a comprovação. Quem se divertiu com as fotografias foi o presidente Lula, que a um auxiliar comentou: “eu não disse que ele chegava?”

UM CERTO TEMOR

Registra-se no PT um certo temor, menos porque o partido não deixará de ser aquinhoado com muitas nomeações para o segundo escalão do governo, mais porque a relação entre Dilma e os ministros do partido parece que serão protocolares. À exceção, é claro, dos ministros de sua cota, do chefe da Casa Civil ao Secretário Geral, ao da Justiça e à do Planejamento. É bom que os demais tomem cuidado. Escorregões não serão tolerados, nem da parte deles nem dos provenientes do PMDB, PP, PSB, PDT e penduricalhos. A postura da nova presidente não será tolerante como a do presidente Lula, diante dos companheiros e dos não-companheiros.

Ver. Admar Pozzobom Informa



Hoje, terça-feira (28), durante a sessão plenária, terei três projetos de minha autoria em discussão e votação na ordem do dia. A discussão e a votação dos projetos de lei poderão ser assistidas na TV Câmara, canal 16 da Net. Para conhecimento, são eles:

Projeto de Lei nº7376/2010- "Dispõe sobre o desenvolvimento da prática de 'antibullyng'por instituições de ensino e educação infantil, públicas ou privadas com ou sem fins lucrativos no âmbito do município de Santa Maria ".

Projeto de Lei nº7470/2010 - "Estabelece a possibilidade do agendamento telefônico de consultas para pacientes idosos e para pessoas com deficiências já cadastradas nas unidades de saúde do município de Santa Maria e dá outras providências".

Projeto de Lei nº7496/2010 - "Considera de Utilidade Pública Municipal a Associação dos Jovens Empreendedores de Santa Maria - AJESM".

Sugestões de projetos de lei poderão ser enviadas para nossos e-mails. Nosso gabinete está a sua inteira disposição.

Admar Pozzobom - Vereador
Lider da Bancada do PSDB

Os filhos empresários de Lula

Informam José Ernesto Credendio e Andreza Matais na Folha desta terça :

Dois dos filhos do presidente Lula, Fábio Luís e Luís Cláudio, abriram em 16 de agosto deste ano duas holdings -sociedades criadas para administrar grupos de empresas-, a LLCS Participações e a LLF Participações. Ao final de oito anos de mandato do pai, Lulinha e Luís Cláudio figuram como sócios em seis empresas. A Folha constatou, porém, que apenas uma delas, a Gamecorp, tem sede própria e corpo de funcionários. Seu faturamento em 2009 foi de R$ 11,8 milhões, e seu capital registrado é de R$ 5,2 milhões. Ela tem como sócia a empresa de telefonia Oi, que controla 35%. As demais cinco empresas não funcionam nos endereços informados pelos filhos de Lula à Junta Comercial de São Paulo. São, por assim dizer, empreendimentos que ainda não saíram do papel.
As seis empresas dos filhos de Lula atuam ou se preparam para atuar nos ramos de entretenimento, tecnologia da informação e promoção de eventos esportivos. São segmentos em alta na economia, que ganharam impulso do governo federal -Lula, por exemplo, foi padrinho das candidaturas vitoriosas do Brasil para organizar a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Na maioria desses negócios, Lulinha e Luís Cláudio têm como sócios pessoas próximas de Lula. Um dos mais novos empreendimentos da dupla, a holding LLCS, por exemplo, foi registrada no endereço da empresa Bilmaker 600, na qual os dois não têm participação societária.

Comento
Pois é A classe operária foi ao paraíso numa espantosa velocidade. Também nesse caso se percebe que FHC e Lula são muito diferentes. Quando o tucano chegou à Presidência, seus netos eram herdeiros de banco o então Banco Nacional. Quando ele deixou o cargo, seus descendentes eram sem-banco. A instituição havia quebrado, e o governo não moveu uma palha para salvá-lo.
Com os Lula da Silva, a coisa é diferente. Lidam com a, digamos, carreira muito melhor do que o pai lidava com o torno. Lulinha era monitor de jardim zoológico quando o pai chegou ao poder. Oito anos depois, é esse potentado certamente mais rico do que os netos de FHC!
REINALDO AZEVEDO ESCREVEU.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Notícias

Finalmente o Zator dá notícias. desde a legendária Palmeira. No mínimo ele se homiziou na casa de parentes da Chica, sua esposa, e está lá curtindo férias. Mas os parentes devem tar de saco cheio dele, só que o Zator não se toca...


Estou em Palmeira das Missões, aliás, como dizem aqui, na legendária,
centenária e espartana Palmeira !!!!!!!!!!!!


No ga mia soldi para trazer il negri de la Itália !!!!!!!!!, não te
iludas, nem pra construir la Renner !!!!!!!!!!!!!!!!!!

Bom princípio a tutti em especial para tutti cantoni, principalmente para ti.

Um abraço !

MAURO ROCHA ( FIOL DE ZATOR !!!!!!!!!, QUEL QUE LAURAVA MASSA IN LA
UNDEZE !!!!).

De Canoas para o Mundo


Pô Remindo, o lixo tá a dias pra ser recolhido aqui em Porto...Acho que o Fortunati não sabe disto...ele e a torcida do Flamengo.


Graças a Deus, o Ronaldinho dentudo não vem mais para o Grêmio. O ex-atleta, que no início da década saiu fugido do Grêmio, só viria para atrapalhar o time que vai muito bem obrigado. Talvez o único reforço que o tricolor poderia trazer fosse o Kidiaba, mas para fazer sua dança a cada gol sofrido pelo adversário.

Feliz Ano Novo, Olides, Serginhos e leitores deste blogue. E que o próximo ano seja o melhor de todos com a Dilma, Tarso, Fortunatti e Maria do Rosário.
Remindo Sauim

Concurso Público SULGÁS selecionará candidatos de nível técnico e superior.

A SULGÁS – Cia. de Gás do Estado do Rio Grande do Sul realizará Concurso Público sob a coordenação técnico-administrativa da Fundatec. Os salários variam de R$1.885,82 até R$3.405,98.

Há vagas para a carreira de Técnico de Nível Médio Júnior com lotação para Porto Alegre e região Metropolitana. O certame selecionará, ainda, candidatos para cadastro de reserva às vagas de nível técnico e superior.

O valor da inscrição é de R$ 50,45 para os cargos de nível técnico e R$ 115,04 para os cargos de nível superior. As inscrições podem ser realizadas no período de 28/12/10 até 28/01/11, através do portal www.fundatec.com.br ou diretamente na sede da Fundatec (Rua Professor Cristiano Fischer, nº 2012), que disponibilizará computadores para acesso à Internet durante o período de inscrições.


O sobrevivente da Barlândia

da Protásio

da esquerda pra direita, Christian Bartz Steyer(neto dos fundadores do Prinz)Elza Bartz,Paul Bartz, Irmtraude Steyer( os três já falecidos) e o genro Carlos Otto Steyer que herdou o Prinz....

Acervo de Carlos Otto Steyer( atual dono do Prinz)


Um dos poucos bares que ainda duram na avenida Protásio Alves, é o Prinz, localizado no´número 3208( fone 51.3383.06.75. A Protásio, nos anos 70, tinha o apelido de Barlândia e era pra lá convergiam os notívagos. Uma espécie de Padre Chagas de hoje, ou de uma Lima e Silva.

Quem atende lá são os garçãos Francisco Luís dos Reis,Edson Lima e Josemar Rois de Souza. Eles estão acostumaods com gente chic, como a ex-miss Universo Ieda Maria Vargas. As vezes chegam uns grossos, de Bento, mas eles aturam estes caras que vem de Brasília mais pra levar de recordação a sua famosa mostarda.

O Prinz tem mais de 40 anos e sobreviveu ao corredor de õnibus.Mas quem fez a fama do Prinz, o casal de alemães Paul e Elza Bartz, fugidos da II Guerra Mundial, morreram. Morreu também a filha, Irmtraude.Ficou o genro.


Foi de lá que saiu a receita para que se fundasse o hoje famoso Tirol, numa roubada de receita que um gerente da casa fez...Mas isto eu conto num outro tópico neste blog. Tenho toda esta história contada pelo dono atual do Prinz,o Carlos Otto. Contada e gravada.

Comida de lamber o prato


Carlos Otto conta que sua falecida sogra era uma pessoa muita fechada.

- Eu acho que ele botava todo o afeto na comida que fazia, lembra o genro. Às vezes a gente saía aqui do Prinz, altas horas da noite e ia pra casa. Ela dizia vou preparar um pratinho pra nós comermos e fazia uma comida de comer ajoelhado, conta Carlos Otto.

O engenheiro Saul Gil Cardoso, hoje residente em Floripa, mas gaúcho de nascença, conheceu este casal quando eles tinham o Urso Branco, na Pinto Bandeira. E relata:

- Simpaticissimo casal que depois abriu o Prinz na avenida Protásiol

Ainda segundo o engenheiro Saul, teria sido no Urso Branco um dos primeiros locais onde se comeu o chamado sanduíche aberto em Porto Alegre, uma instituição quase que portoalegrense.

O Remindo Sauim, de Canoas, nega este bairrismo e diz que lá também ele já comeu sanduíche aberto bem como em outras cidades.

Por ser um local pequeno o Prinz ganhou a fama de ter que ficar em pé pra conseguir uma mesa. Está no preço de quem vai lá.

Dizem os que entendem de culinária que seu filé recheado é dos melhores da cidade e o filé ao molho de nata é pra comer lambendo os beiços.

Também são pratos muito pedidos a chuleta de porco à milaneza, o filé grelhado e alguns petisco, como o citado anteriormente, o sanduíche aberto.

Há quem afirme,sem medo de errar que é no PRINZ QUE FICA O MELHOR SANDUÍCHE ABERTO DA CIDADE. aÍ VAI DAR POLEMICA, porque outros dizem que é na Caverna do Ratão e por aí afora.

O Prinz tem ar condicionado mas pra estacionar é difícil.

Não vá ao Prinz sem achar que vai esperar pouco: no mínimo 15 minutos. A não ser que banque o inteligente e vá numa segunda no comecinho da noite, aí ´be barbada,né...

O Serginho Ross quando vai lá leva a metade da mostarda deles pra Brasília e depois diz no Stella Grill que é ele que a faz...

Nada disto. agora entreguei meu amigo.

Ah,não procure o Pirnz pra almoçar. Me disse o Carlos Otto que o Prinz nunca abriu um domingo sequer em toda sua existência de 40 anos. Isto porque seu sogro, o fundador da casa, dizia que o domingo era sagrado pro lazer com a família.

Bem coisa de alemão e alemão durão....

De segunda a sábado o funcionamento é de 18 horas a 1 hora, mas eles dão tolerância. Tendo clientes, eles ficam lá.

Outro dia eu conto como um gerente do Prinz " associou-se" a um capitalista pra fundar o Tirol, nos anos 80. O Carlos Otto descobriu e o esperou na obra da José de Alencar. Foi demitido na hora por justa causa. E o pobre homem depois desfez a sociedade com o atual dono do Tirol...O procurei bastante, mas a informação que tenho é que estaria vivendo em Florianópolis, ou teria falecido.


Política como instrumento de cidadania


Ivar Pavan*
Ao finalizar este quarto mandato na Assembleia gaúcha, comemoro importantes lutas e vitórias das quais fiz parte. Nesta 52ª legislatura tive a satisfação e o privilégio de ser o presidente do Parlamento Gaúcho no ano de 2009. Foi a primeira vez que o Partido dos Trabalhadores ocupou esta função desde que mantém cadeiras na Casa, há 24 anos.
Durante a gestão na presidência resgatamos a participação popular no Legislativo. Milhares de pessoas participaram de discussões de temas centrais para a sociedade, tornando o parlamento o espaço legítimo dos grandes debates e da construção de alternativas.
Entre os assuntos, sugerimos saídas à crise econômica mundial, o aperfeiçoamento do Código Florestal, prevenção às consequências das alterações climáticas, a alteração da lei de financiamento nacional e estadual da cultura, as causas e programas públicos de combate à violência, prevenção e tratamento aos usuários do crack, entre outras.
Na gestão, aprimoramos o controle interno revisando a folha de pagamento e promovendo ajustes. Corte dos salários acima do teto estabelecido, adequação à lei dos estágios, ampliação da transparência em meio digital foram algumas medidas. Também de forma inédita, acolhemos o pedido de impeachment da governadora Yeda Crusius, devido a indícios de corrupção em seu governo. A tramitação do processo baseou-se em vasta documentação de força-tarefa do Ministério Público Federal e em inquérito realizado pela Polícia Federal.
Durante essa legislatura, integrei a Comissão de Constituição e Justiça, a Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais, a Comissão de Assuntos Municipais e fui vice-presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente. Também integrei a Subcomissão de Acesso Asfáltico, propus e fui o relator da Subcomissão da qualidade de energia no meio rural e pequenos centros urbanos, garantindo ações integradas dos governos e concessionárias para resolver o problema. Participei ainda da CPI do Adubo, identificando a origem dos altos custos dos insumos e propondo alternativas para reduzir o preço e ampliar o acesso dos agricultores aos produtos.
Coordenei o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal, órgão formado por cerca de 80 organizações com o objetivo de promover o marco regulatório federal para a exploração da maior reserva de petróleo do país.
Dediquei-me a buscar a retomada das ferrovias públicas, integrando o movimento pela criação da Ferrosul e também pela reativação de trechos privatizados e suspensos pela operadora.
Orgulho-me muito de ter integrado a Coordenação do Movimento Pró-Universidade, que, junto com movimentos sociais, assegurou a primeira universidade federal no Norte gaúcho. A Universidade Federal da Fronteira Sul iniciou as aulas em 2010, com unidades em Erechim e Cerro Largo, além de sedes também em Santa Catarina e no Paraná.
Em todos os espaços legislativos, na interlocução com os movimentos sociais, em contatos com diferentes agentes públicos e lideranças, direcionamos fortemente nosso trabalho na elaboração e consolidação de políticas públicas para fomentar o desenvolvimento com inclusão social.
Nestes quatro anos, o Rio Grande do Sul pôde sentir os impactos que todo o Brasil vive com importantes avanços para a cidadania, conquistados por ações do governo de Luiz Inácio Lula da Silva.
Destaco os 36 milhões de pessoas que entraram para a classe média e outras 28 milhões que saíram da pobreza, garantindo mais igualdade. Foram criados 14 milhões de postos de trabalho com carteira assinada, gerando mais oportunidades; 16 novas universidades, 214 escolas técnicas e mais de 40 programas, como o ProUni, que dá acesso ao Ensino Superior a jovens de baixa renda. Já foram construídas 480 mil moradias populares no programa Minha Casa Minha Vida, que prossegue com gigantescos investimentos; mais de 12 milhões de brasileiros saíram do escuro com o Luz Para Todos.
Os recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) aumentaram sete vezes e foram criados outros programas que valorizam este setor, que produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil.
O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) mudou o modelo de desenvolvimento do país, com obras de infraestrutura que estimulam a economia e melhoram a vida dos cidadãos. O Brasil passou a ser respeitado em qualquer lugar do mundo pela sua política de relações internacionais.
Tenho a honra de ser um deputado do Partido dos Trabalhadores e integrar a maior bancada do Parlamento gaúcho. Trabalhamos pelo fim de privilégios para deputados ao longo de nossa permanência na Casa, como a extinção da aposentadoria dos deputados, o fim do duplo pagamento pelas convocações extraordinárias, fim das verbas para auxílios e subvenções, redução do recesso parlamentar e transparência sobre os gastos. Ações que fortemente contribuem para a ética na política.
Saúdo a todos os deputados do parlamento gaúcho com os quais tive a oportunidade de debater e conviver, fortalecendo os processos de diálogo, acentuando a democracia no estado e no país. Sigo com o compromisso de fazer política buscando uma sociedade livre, justa e democrática.
Abraço fraterno.
*Deputado estadual

O PT nos tempos

da pobreza....

ex-vereador Giovani Gregol - Nasceu em Porto Alegre/RS, em 31 de julho de 1958. Profissão: professor; Integrou a bancada do Partido dos Trabalhadores, na condição de titular, nas legislaturas 1989-1992, 1993-1996; para a legislatura 1997-200, foi suplente.

ex-vereador Gert Schinke - Nasceu na cidade de Montenegro, no dia 04 de janeiro de 1956. Funcionário público. Exerceu a vereança, como titular, na legislatura 1989-1992. desligou-se do Partido do PArtido dos Trabalhadores em 04 de novembro de 1991.


Dois dos vereadores que lutaram na Câmara Municipal na bancada do PT , quando o PT não era poder, a não ser no âmbito municipal, hoje estão fora do PT, e da política. Giovani Gregol, que quando participava dos Guerrilherios da Notícia era apelidado pelo titular, Flávio Alcaraz de Pavarotti( pela semelhança física com o tenor italiano) mora em Porto Alegre e passou para o PV, mas atualmente não tem mandato.

Ele foi professor, nasceu em Porto Alegre em 31 de julho de 1958. Foi titular da bancada do PT no legislativo municipal de Porto Alegre nos anos de 1989/1992 , 1993/1996 e na legislatura de 1997 a 2000 foi suplente também pelo PT.

Pântano do Sul

Já Gert Schinke, nascido em Montenegro( seu pai foi um médico muito conhecido em Estrela/RS) nasceu em 4 de janeiro de 1956. É funcionário público. Foi titular como vereador pelo PT de 1989/1992. Em 4 de novembro de 1991 saiu do PT e entrou para o Partido Verde.

Teve um questão muito polêmica na Câmara Municipal com um possível doação de papel que a Riocell teria lhe dado. O assunto o desgastou muito e ele tomou uma decisão radical: largou Porto Alegre e foi morar em Pântano do Sul, um lugar paradisíaco em Florianópolis, no sul da ilha.

Aqui ficou muito conhecido porque fazia sua campanha de bicicleta no começo dos anos 90, dando início a um movimento ecológico no Sul, numa época que isto estava bem em voga.

Recebo e Publico


Clique na imagem para aumentar

O Dluct

Pois o Ivan, que escreve aí, é um dos aventureiros daqueles dias loucos de 1972, quando a gente não tinha medo do imponderável. Ora bolas, fazer um jornal, pretensamente livre, nos anos de 1972 era pra tomar chumbo mesmo. Mas fizemos.

Passávamos as madrugadas num centro acadêmico da pUC(acho que era do Direito) alguém conseguiu a chave o próprio Caco Barcellos que estudava lá.

As discussões varavam as madrugadas, junto com as baganas que pegávamos do chão,quando não havia mais o que fumar....

Mas quem mais trabalhava mesmo era o Caco ( que ali já demonstrava sua liderança) e a diagramadora Mariazinha Baladão....

Pois foi numa tarde de um sábado,lembro bem, que um episódio mudou minha vida ali enquanto fazíamos o Dluct...

Eu já conhecia de outros tempos a Nara Dávila, mas naquela tarde de sábado que ela chegou junto com a Lorena Paim, meio que flutuando, ela me pareceu demais( coisas dos anos de juventude mesmo)

Era a própria loucura em pessoa. Lembro que tinha chegado do Peru, calçava uma calça muito colorida e devia ter queimados alguns porque voava literalmente.

Aquilo pra mim era a América que se abria...(se é que me entendem) hoje isto tudo é pura bobagem, mas na hora não foi.
Eu sempre digo que as pessoas se apaixonam por uma época, não por uma pessoa...

Pois foi ali no Dluct que sonhamos muito...

Ele durou 3 números,exatos. Era vendido de mão em mão e poucos saíam pra fazer isto. Iámos muito ao Kikão um cachorro quente da moda, feito de frango delicioso, ali na frente do Clinicas. Os malucos se reuniam ali nos fuscas pra comer cachorro quente e tomar grapette ou coca-cola e agente aproveitava e vendia o jornal...

Bom, no quarto número,acho que o Caco o levou pra gráfica e o cara se negou a imprimi-lo. O SNI estivera lá, ou algo assim...
A turma que o fazia deu um sumiço...voltaram todos, depois...

Mas o jornal virou histórico e está no livro da Sandra Moura sobre o Caco, porque foi ali que o hoje famoso repórter da TV Globo desistiu de completar licenciatura em Matemática e partiu pro Jornalismo.

Alias foi ali que ele conheceu Jefferson Barros(falecido) que o levou pra Folha da Manhã e que depois, muitos anos depois, o lançariam pra o star system, ou seja, o time das estrelas, quando, no começo dos anos 80, na TV Globo, Jefferson colocou pela primeira vez uma matéria do Caco no Jornal Nacional da emissora, aliás, sobre a morte do Mané Garrincha.

Banda S/A vai animar o réveillon de Balneário Camboriú



A Praça Tamandaré será o palco do agito para as horas que antecedem o Réveillon Show em Balneário Camboriú. Foi confirmada na tarde desta terça-feira, 28, a apresentação do conjunto que é o mais pedido entre as festas de formatura do Estado, e está entre os preferidos do Paraná e Rio Grande do Sul: a Banda S/A. Com uma diversidade de estilos, os seis integrantes prometem animar os últimos momentos de 2010 e trazer boas vibrações para o próximo ano entre 21:30 e 23:30 do dia 31 de dezembro.

O repertório traz grandes sucessos do pop rock, sertanejo universitário, axé music, pagode, e até as inesquecíveis canções da Xuxa e Balão Mágico que fazem parte da infância de muitos papais e mamães que estarão na praça com seus baixinhos.

Segundo explica o empresário da banda, Walfried Roedel, será o público que irá comandar a maior parte do show. “Ele é que vai pedir o que quer ouvir. Vamos apresentar sucessos comerciais que hoje são solicitados em várias festas que tocamos, como Lady Gaga, Black Eyed Peas e vários outros”, disse Roedel, confirmando a execução do último sucesso do Black Eyed Peas, “The Time(Dirty Bit)”, uma regravação da década de 80, mas com muito mais balanço, característico da dance music.

A Banda S/A está com agenda cheia até 2013. Tem Ozeias na guitarra, Erado Machado nos teclados e vocal, Jairo Souza no contra-baixo e vocal, Fabiano “Chiclete” e Thatianne Augusto no vocal e Valmor Júnior na Bateria. A formação é quase a mesma de janeiro de 1999, quando a banda iniciou os trabalhos.

SHOW DE LUZES E CORES

Vale lembrar que o Réveillon Show em Balneário Camboriú terá seis lançamentos de fogos de balsas ancoradas na Praia Central, e mais dois pontos de fogos a serem lançados na Barra Sul e Pontal Norte(cascata no prédio redondo). Serão 14 toneladas desse produto, num espetáculo de 15 minutos e centenas de efeitos especiais, inclusive o disparo conhecido como "disco voador", que sobe e desce várias vezes, diparando luzes e colorido e que faz sucesso na Disney World.


Prefeitura de Balneário Camboriú - Sectur
Assessoria de Imprensa


Memória Política

O único politico que

morreu na cadeia..

Gabriel Mallmann,quando deputado estadual do MDB. Acervo Memorial ALERS

Mallmann tinha um discurso
contundente....

Falecido no presídio de Lajeado, em 30 de julho de 1998 onde ia dormir , por determinação judicial, Gabriel Aloisio Mallmann seria o único político brasileiro que morreu cumprindo pena. Assim como Jango foi o único presidente que morreu no exílio...

Mallmann fora prefeito de Estrela nos anos 70 e presidente do Estrela Futebol Clube.Ganhou com isto grande popularidade que lhe permitiu eleger-se em 1978 deputado estadual pelo MDB.

Quando era deputado, começaram a surgir problemas de sua administração municipal. Recordo que durante um verão, quando estive na casa do então senador do MDB, Pedro Simon, em Rainha do Mar, ouvi da boca do Simon, para um correligionário a seguinte frase:
- Temos que arrumar um bom advogado para o Gabriel.

A liderança maior do MDB estava preocupada com os problemas que estavam surgindo da administração municipal de Mallmann. Principalmente de parte do seu secretariado.

Em 1983 Mallmann não conseguiu se reeleger e em seu lugar outro político da região, entrou no seu lugar: o também ex-prefeito de Estrela, Hélio Musskoff, que nascera em Bom Retiro do Sul, mas que Mallmann ajudou a eleger prefeito de Estrela.

Fiel escudeiro

Quando foi deputado, Mallmann teve como seu fiel escudeiro o treinador do Estrela, Antenor Simioni.
Era com ele que muitos assuntos para chegar a Mallmann eram tratados anteriormente.
As complicações na Justiça foram se consolidando e condenado, Mallmann teve que cumprir pena.

Ele é pai de Rafael, que já foi duas vezes candidato a prefeito em Estrela.

Mallmann nasceu em Estrela em 19,.05.1939, filho de Carlos Mallmann e de Alzira Petter . Sua profissão era industrial.Sua esposa, de quem estava separado,quando morreu, era Eunice.

Sua legislatura na Assembléia Legislativa gaúcha foi de 31.01.1979 a 31.01.1983.

Geisel

O temperamento oposicionista de Mallmann era tão acentuado que quando o presidente Ernesto Geisel, da Arena, visitou Estrela, terra natal de sua esposa, dona Lucy ,para inaugurar obras junto ao cais do porto, Mallmann não cedeu um espaço que tinha na rádio Alto Taquari para que transmitissem os atos do presidente da República. Aí ele teria arrumado um inimigo....


Cais do Porto esquenta neste verão

DECOM PSB



O Cais do Porto Internacional é novamente valorizado neste verão, com atrações conhecidas pela população. Pelo terceiro ano consecutivo, a Prefeitura confirma a realização do “Reveillon no Cais”, na virada do dia 31 de dezembro. A organização é uma ação conjunta da Secretaria Municipal de Turismo, Esporte, Eventos e Juventude (SMTEEJ), Associação dos Ambulantes e Bares do Cais do Porto. Segundo o secretário Eldomir Marchezan, várias atrações estão sendo preparadas, entre elas, a queima de fogos de artifícios.

Concurso de Músicas
Com a tradição de apresentar marchas e sambas, é anunciada para os dias 3, 4 e 5 de fevereiro a 44ª edição do Concurso Regional de Músicas para o Carnaval Aparício Silva Rillo. As inscrições das melodias estarão abertas a partir do dia três e irão prosseguir até o dia 27 de janeiro na Prefeitura e deverão estar acompanhadas de um CD de áudio, gravado em estúdio, contendo as músicas. Conforme o regulamento, o grupo, intérprete, solista ou vocal não poderá defendermais que três marchas e três sambas. Na terceira noite do concurso serão premiadas melhor samba, melhor marcha; música mais popular; melhor arranjo; melhor intérprete; melhor letra; melhor melodia e melhor marcha de salão.

Baile Municipal
O evento apresenta inovações nesta edição. Uma delas é que cada candidata deverá escolher a música e a coreografia a ser representada. Para isto, uma reunião com as entidades que demonstrarem interesse em inscrever as candidatas está marcada para o dia quatro de janeiro, na prefeitura. As inscrições também estarão abertas a partir do dia três de janeiro. O evento será no Cais do Porto dia seis de fevereiro. Será escolhida a corte do carnaval 2011 nas categorias infantil, juvenil e adulto. A premiação para cada categoria será de R$ 350 para rainha, R$ 250 para primeira princesa e R$ 200 para segunda princesa.

Carnaval no Porto
A Prefeitura anuncia também o Carnaval no Porto para os dias 5, 6 e 7 de março. A animação será com trio elétrico e banda ao vivo.

 

Imprensa X Polícia

entre os comensais estão o delegado Wilson Muller( com o dedo na boca) o delegado Arno Apolo(depois prefeito de Alvorada) Betinho Hirtz( Beto Bironha) Gelson Farias,(olhando pro fotógrafo da Caldas Junior que batia a chapa,)e a senhora de feições orientais e dona Francis, que pertencia ao poder Judiciário.

Local: uma churrascaria perto da avenida Farrapos.

Antigamente, repórteres de polícia e policiais tinham uma maior convivência. Alguns viam isto com olhar estranho, mas de certa forma era bastante comum, pelo menos nos anos 70,quando comecei na profissão.

Hoje isto está totalmente modificado, assim como um banqueiro como o dono do Itaú, dizer que o presidente Lula foi o maior presidente do Brasil.

Mas os tempos são outros.
Havia policiais que antes foram repórteres, como é o caso do Wilson Muller( de uma família de policiais e de jornalistas) e jornalistas com o desejo de ser Polícia, como o caso do Betinho Bironha....

De Serafina!

O novo titular da delegacia local, delegado Carmelo da Silva, terá muito trabalho pela frente. Até porque menores ficam b ebendo na Rotonda, a meia quadra da delegacia local altas horas da noite....

Histórias de La ùndeze


PIERO PALOSCHI, EL

QUE NO GHE NA VOIA!!!!


( Pedro Paloschi, o aposentado)


Casado com minha prima Palmira, Pedro Paloschi é o clássico caso de aposentados de Serafina que passam o dia entre o pouco que tem por fazer e as bodegas ....

Mas Pedro já trabalhou muito, nos anos 70, por exemplo,arrancou muita soja nas manhãs de abril e maio....

Agora, morando na cidade, goza das del´ciias de sua aposentadoria....


Sempre tem alguns maledicentes no meio que dizem que Pedro nunca foi chegado ao basquete. Pura intriga. Ele até faz uns bicos como motorista.

Estes tempos trouxe minha irmã Alenir até Porto Alegre e ganhou uma boa gorjeta por isto..

Pedro achou que ganharia menos e chegou lá contando pra todo mundo que sua parente está rica....

Mas foi quando o seu primo emprestado, O Polaco foi prefeito, que ele achou que pegaria um empregozinho público. Queria ser motorista da prefeitura, mas parece que o parente não cumpriu com uma suposta promessa feita antes da eleição.

Ouvi o Paloschi durante muitos domingos se queixando a meu pai, na sacada da casa ,enquanto tomavam um mate, sobre o emprego público que ele tanto sonhara,...mas que nunca veio.

Passaram-se os 12 anos que o PMDB ficou na prefeitura e Piero Paloschi necas de empregozinho manero.

Ainda bem que agora o PP assumiu e seu filho, Lindomar, é o que cuida do posto de saúde local....


De São Bojra

Bah, chegou outra FSB....a página central coalhada de fotos do lançamento do livro do Deco Almeida. Acho que isto vai pro Guiness Books, o livro dos recordes...Eu já tinha visto um jornalzinho da Rede Ferroviária com 12 fotos de um presidente, mas esta da Folha de São Borja é de arrebentar a boca do balão...que prestígio o colunita tem,hien....!!!!


Logotipo


Dedico este logotipo, ou distintivo aí a todos os colorados do Brasil: mas a dois colaboradores deste blog( O Matz) que nunca mais escreveu nada e o Zator( Mauro Rocha) que pelo menos
já torcendo pelo Liverpool, uruguaio.....

Quer dizer que o tal BI foi parar aí...no que dá o SALTO ALTO!!!!


Aviso aos navegantes


Salinha JCTerlera abre neste sábado,dia 1/01/2011 ....


dia da posse do novo governador gaúcho....

hora da abertura: 8h30minutos


OS LEGISLADORES DE BRASÍLIA

Por Carlos Chagas

Dos 81 senadores, 27 foram eleitos em 2006 e vão continuar até 2014. Eles ou seus suplentes. E 54 senadores foram recém-eleitos em outubro, dentro da renovação dos dois terços. Ficarão até 2017, eles ou seus suplentes.

Os 513 deputados eleitos em 2006 precisaram renovar seus mandatos em outubro. Nem todos, pois se uns desistiram, outros tentaram novas funções, valendo registrar que 280 conseguiram manter suas cadeiras, ou seja 233 novos deputados estarão assumindo junto com os velhos, em fevereiro.

Somados aos senadores, os deputados perfazem 594 parlamentares prontos para oferecer sua experiência ao aprimoramento do arcabouço legislativo nacional.

Conforme Jean Jacques Russeau, no “Contrato Social”, os legisladores precisam “de uma inteligência superior, que vê todas as paixões humanas sem experimenta-las, que fazem por merecer uma glória apenas distante, talvez até mesmo trabalhando em silêncio num século, para benefício do seguinte”.

Confere? Se quiserem, acrescente-se às qualidades que deveriam ser inerentes a todo parlamentar as exigências feitas por Maximilian Robespierre, referidas em sua excepcional biografia escrita por Ruth Scurr:

“Seriam necessários filósofos tão iluminados quanto intrépidos: que vivenciaram as paixões do homem, mas cuja principal paixão seria o horror à tirania e o amor pela humanidade; pisando sobre a vaidade, a inveja, a ambição e todas as fraquezas das almas mesquinhas, inexorável quanto ao crime armado com poder, indulgente quanto ao erro, simpático à miséria e terno e respeitoso com o povo.”

Pois é. Nem na França revolucionária encontraram-se modelos para preencher tais requisitos, já que Rousseau havia morrido sem conviver com o Terceiro Estado, nem com a Assembléia, muito menos a Convenção e o Diretório. E Robespierre, incorruptível, foi logo depois responsável pelos dois anos de terror que levaram dezenas de milhares de cidadãos à guilhotina.

Entre nós, fica o problema: qual o papel de nossos 594 legisladores prestes a jurar ou renovar o juramento de aprimorar as instituições? Senão filósofos, serão ao menos iluminados? Intrépidos a que ponto? Sem paixões? Com amor à humanidade, despojados de vaidade, inveja e ambição? Inimigos do crime urdido nos escalões do poder, preocupados com a miséria, dedicados ao povo?

É bom lembrar que felizmente sem o sangue que afogou Paris, os legisladores de Brasília devem acautelar-se com as conseqüências do que aconteceu por lá. Os parlamentares franceses apenas prepararam o palco para a entrada de Napoleão. Os nossos correm o risco de seguir caminho parecido. O corso daqui dos trópicos nasceu em Garanhuns, criou-se em São Paulo, está prestes a mudar-se para São Bernardo e terá chances de repetir o Dezoito Brumário...

MELHOR NO PRIMEIRO MINUTO

Marcadas absurdamente pela Constituição para o primeiro dia de janeiro, as posses de presidente da República e de governadores estaduais tem gerado cansaço, atrasos no relógio, ausências e muita improvisação. De que maneira os governadores do Norte e do Nordeste, por exemplo, mesmo na parte da manhã, prestarão juramento nas Assembléias, assumirão e receberão os cargos nos palácios e conseguirão viajar a Brasília a tempo de assistir, de tarde, a entrega do poder a Dilma Rousseff? Uma correria dos diabos, sujeita aos percalços da natureza e do tráfego aéreo.

Vai uma sugestão: o primeiro dia de janeiro começa um minuto depois da meia-noite do dia 31 de dezembro. Por que os novos governadores não prepararem as cerimônias de posse para aquele momento, de madrugada, ficando livres para voar em seguida até a capital federal? Claro que haverá prejuízos relacionados com as comemorações de Ano Novo, mas sacrifícios, quem não haverá de faze-los?

O ESTADO DE SAUDE
DO VICE PRESIDENTE



Olides

Vai aqui um texto, que eu não gostaria de estar escrevendo. Mas o fato é que o estado de saúddo vice presidente,José Alencar piorou.
Agora, os organizadores dos festejos da posse de Dilma no poder, estão assustados. E se o vice falecer amanhã ou depois ( o que ninguém espera)????ou mesmo no dia primeiro de janeiro,o que poderá acontecer?????
O fato Olides, é que está todo mundo apreensivo. Ninguém está procurando uma solução,pois todos estão torcendo para nada disso aconteça. Todos esperam que o senhor Jose Alencar compareça a posse,como ele já anunciou. O negócio é torcer junto...

Sergio Ross

Mauro Zacher X Juliana Brizola


A briga nos microfones no dia 6.12 na Câmara Municipal de Porto Alegre teve, conforme um repórter presente, um segundo round, que não ficou gravado. Conforme este coleguinha, Mauro disse a Juliana:

- Não sei onde estou que não te dou um tapa na cara...

E Juliana respondeu:

- Bate, covarde, que tu gosta de bater em mulher, canalha...


Credo....

Isto me faz lembrar o filme aquele, quando o amor vira ódio!!!


Tarso negocia empréstimo de R$ 2 bilhões

Posse será cedo dia 1

O governador Tarso Genro toma posse às 8h30 minutos no dia 1 de janeiro. Isto na Assembléia. DEpois a transmissão do cargo será 9h30 minutos no Palácio Piratini.

Tarso viaja a Brasília onde assiste a tarde a posse da presidenta Dilma Roussef.

Curso de Produção Cultural no verão


As Faculdades Monteiro Lobato vão oferecer à comunidade de Porto Alegre um curso intensivo sobre Produção Cultural, no mês de janeiro, completamente gratuito. Na ocasião, seis profissionais que fazem parte do corpo docente do Curso Superior de Tecnologia em Produção Cênica irão apresentar palestras sobre diversos temas relativos à área.

Os encontros acontecerão nos dias 11, 12 e 13 de janeiro, das 19h às 22h, na sede das Faculdades Monteiro Lobato, à Rua dos Andradas, 1180. Os interessados em participar devem enviar e-mail para producaocenica@monteirolobato.com.br

Segue a programação:

11/01 (terça-feira)
Etapas do projeto cultural
Panorama sobre todas as etapas relativas à execução de um projeto cultural: Idealização, redação do projeto, produção executiva e prestação de contas.
Ministrante: Viviane Juguero
Utilização da internet na produção cultural
A crescente utilização da internet no trabalho cultural: questões éticas, autorais e possibilidades de uso de ferramentas como e-mail, sites, blogs e redes sociais.
Ministrante: Dedé Ribeiro

12/01 (quarta-feira)
Os alicerces de um projeto de futuro
Conceitos básicos que sustentam um bom, sua composição e organização técnica. O caráter decisivo de se adequar os textos das propostas ao que demandam os editais pretendidos.
Ministrante: Janaína Aguillera
A importância do Planejamento na formatação de projetos culturais
A construção de um projeto coerente, sólido e preparado para sua efetiva execução, a partir de técnicas de planejamento executivo e de adequação sócio-cultural.
Ministrante: Sílvia Abreu

13/01 (quinta-feira)
Projeto cultural ou engodo?
A partir de alguns projetos desenvolvidos em nosso Estado, será feita uma reflexão sobre o objetivo cultural ou não neles apresentado.
Ministrante: Hamilton Braga;
O Teatro no Dia-a-Dia
Os alicerces do teatro ao longo dos anos Como se articulam as necessidades da cena em consonância com a realidade social.
Ministrante: Jessé Oliveira

Os alunos que freqüentarem a todas as palestras receberão certificado.

Coordenação e idealização geral do curso: Viviane Juguero

Dias 11, 12 e 13 de janeiro das 19h às 22h
Andradas, 1180
Inscrições gratuitas pelo e-mail producaocenica@monteirolobato.com.br

Sobre os professores:

Profª. Esp. Viviane Juguero
Artista e produtora cultural há dezesseis anos, é Bacharel em Interpretação Teatral e Especialista em Teoria do Teatro pela UFRGS. Atualmente, é diretora do Teatro de Arena de Porto Alegre, da Delta V. Produções/Bando de Brincantes e faz parte de trabalhos do Circo Girassol. Realiza intenso trabalho dedicado à primeira infância desde 2003, além de ministrar cursos sobre o tema. Como escritora, possui textos para teatro, contos, poemas, canções e artigos publicados. (vivianejuguero.blogspot.com)

Profª Me. Dedé Ribeiro
Dedé Ribeiro é jornalista e dramaturga, com pós-graduação em produção cultural pela Universidade de Paris I / Sorbonne, na França e mestrado em Artes Visuais pela UFRGS. Desde 1977, atua como produtora cultural, tendo se responsabilizado pelo lançamento de grande parte dos mais conhecidos compositores gaúchos e numerosos projetos teatrais. Foi diretora da Usina do Gasômetro e do Santander Cultural, sendo coordenadora geral de sua implantação em Porto Alegre. Professora de produção e divulgação desde 1988, lecionando em instituições como IPA (onde criou o Curso de Música), UFRGS (Departamento de Arte Dramática), Unisinos e Studio Clio. Sócia diretora da Liga (www.liga.art.br).

Prof. Esp. Jessé Oliveira
Jessé Oliveira é Bacharel em direção pelo Departamento de Arte Dramática da UFRGS, onde cursou especialização. Como docente ministra a disciplina de Técnica Teatral, na Pós-Graduação da Universidade de Caxias do Sul-UCS: ?Corpo e Cultura: Ensino e criação?. É vice-presidente do SATED-RS e foi membro do CEC-Conselho Estadual da Cultura. Tem apresentado seus trabalhos em todo Brasil, Uruguai, Argentina, Chile e Cuba. Recebeu, em 2007, o Prêmio Florêncio de Melhor Espetáculo, pela Associação de Críticos do Uruguai, com ?Hamlet Sincrético? (Grupo Caixa-Preta). É o idealizador e curador do Encontro de Arte de Matriz Africana.

Profª Esp. Silvia Abreu
Silvia Abreu é jornalista formada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, com pós-graduação em Administração e Organização de Eventos pela Faculdade de Hotelaria e Turismo Senac-SP. Como divulgadora e assessora de imprensa, tem trabalhado para artistas, entidades públicas e privadas, sindicatos, associações e organizações não-governamentais por meio de sua empresa, ?Silvia Abreu Consultoria Integrada de Marketing?. Como jornalista, já trabalhou em vários órgãos de Imprensa na Capital e no Interior do RS, como Jornal NH, Rádio Unisinos e Jornal Correio do Povo. Na produção cultural, área na qual já foi diversas vezes premiada, atua no planejamento e na gestão de projetos. Também presta consultoria para órgãos públicos e artistas independentes.

Prof. Me Hamilton Braga
Professor, diretor de Teatro e Mestre em Educação formado pela UFRGS, onde também cursou Especialização em Educação Artística. Foi Coordenador do Curso de PG em Arte-Educação (1980-1985) e atuou como professor de teatro em cursos de pós-graduação, licenciatura e na habilitação de Magistério. Coordenou projetos no Campus Avançado da PUC-RS, no Alto Solimões/AM. Foi Conselheiro e Vice-Presidente do Conselho Estadual de Educação, Diretor do Instituto Estadual de Artes Cênicas (IEACEN), Coordenador de Artes Cênicas da Prefeitura de Porto Alegre. Atuou como ator e foi um dos fundadores do Teatro de Arena de Porto Alegre.

Profª Janaína Aguillera
Janaina Aguillera é relações públicas, produtora cultural e radialista, tendo atuado em dezenas de projetos como assistente de produção e assessora de imprensa. Como diretora da TABLA PRODUÇÔES ARTÍSTICAS, dedica-se à produção executiva e formatação de projetos culturais para leis de incentivo e editais. Atualmente, faz parte da Comissão de Avaliação e Seleção do FUMPROARTE.

Assessora de Imprensa:
Simone Lersch


COMO SUPORTAR O VAZIO


Por Carlos Chagas

Declarou o presidente Lula, ontem, no seu programa semanal de rádio, que governar foi gostoso demais. Depois, no café da manhã com os repórteres credenciados no palácio do Planalto, repetiu a mesma coisa. Tratou-se de um lamento.

É natural que o Lula venha a sentir-se como peixe fora d’água a partir do próximo sábado. Feliz, mas desconfortável. Não se livrará tão cedo do assédio da imprensa, muito menos dos correligionários, dos curiosos e dos chatos. Só que não terá o que fazer, ao menos nos primeiros tempos. Se vai percorrer o país como presidente de honra do PT, é fácil falar mas difícil de realizar. Parece que desistiu de criar uma fundação com o seu nome, endereço, telefone e escritório. Para o exterior, em férias, não irá, ainda que possa passar não mais do que duas semanas numa praia do Nordeste ou numa fazenda do Pantanal.

Problemas financeiros não terá. Além da aposentadoria de ex-presidente da República, conseguiu economizar bastante os proventos dos últimos oito anos. Mas como preencher o vazio?

Nessa hora, a saída para o Lula será seguir o exemplo de Juscelino Kubitschek, sem necessidade de eleger-se senador em eleições suplementares, já que seus adversários não estarão fazendo-o de alvo. Mas preparar a volta ao poder será a solução. Só que com um problema: JK viu-se sucedido por um quase desafeto. Nenhum compromisso tinha com Jânio Quadros e, assim, estabeleceu uma espécie de confronto com ele. Logo depois, com João Goulart, recusou maiores aproximações, sustentando cada vez mais a volta em 1965. Tinha até escritório eleitoral, ainda em 1962. Os fados desarrumaram tudo. Depois de cassado pelo movimento militar, aliás, injustamente, comeu o pão que o diabo amassou.

O ainda presidente elegeu a sucessora, não poderá mostrar-se como alternativa para quem promete dar continuidade às suas realizações. Até tem declarado que Dilma Rousseff tem direito à reeleição. Mas se não preencher o futuro com sua candidatura a retornar ao poder, dificilmente suportará o vazio.

SAPOS E URUBUS

Dilma Rousseff engoliu montes de sapos, ao constituir seu ministério. Convidou quem não conhecia, talvez até quem não queria, em nome da harmonia em sua base partidária. Adiantou?

De jeito nenhum, porque no PT, no PMDB, no PSB e penduricalhos, registram-se amuos, idiossincrasias e até ameaças por parte dos descontentes. Dos frustrados pela impossibilidade de terem sido escolhidos ou de emplacar representantes dos diversos grupos em que se dividem as legendas.

Por enquanto as escaramuças não se transformaram em guerrilha, já que falta preencher centenas de cargos no segundo escalão, em cima dos quais os urubus continuam voando. Mas será questão de tempo até que os ressentidos mostrem garras e presas.

Muita gente diz que melhor teria feito a presidente eleita se compusesse o ministério de seus sonhos, sem interferências partidárias. Poderia ter sido pior, no caso, mas não adianta lamentar o leite derramado. A partir de sua posse, ela terá condições de demonstrar a inocuidade das pressões recebidas, enquadrando em especial os ministros caídos de paraquedas em seu governo. Bem como de demonstrar ao Congresso quem manda no país. Convém aguardar.

NADA DE CONSTITUINTE EXCLUSIVA

Aguarda-se a apresentação do plano de governo de Dilma Rousseff, capaz de ser esboçado em seu discurso de posse, mas, certamente, só divulgado em detalhes nos dias seguintes.

Dos muitos balões de ensaio verificados durante a campanha e até agora, alguns murcharam, como o da criação dos ministérios da Pequena e Média Empresa, dos Aeroportos e até da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

Uma proposta, porém, além de murchar, lambeu, quer dizer, pegou fogo sem deixar sequer as cinzas: o novo governo não proporá e nem apoiará a tese da Constituinte Exclusiva para a realização da reforma política. Caberá ao Congresso, se quiser e se puder, promover as mudanças necessárias nas instituições eleitorais e partidárias. Dilma não cruzará os braços, como fizeram Fernando Henrique e o próprio Lula. Terá opiniões a transmitir e a defender no Legislativo, através de seus líderes. Não apoiará, no entanto, essa esdrúxula proposta da eleição de constituintes encarregados apenas de promover o elenco de alterações necessárias ao bom funcionamento das instituições políticas. Seria embaralhar atribuições.

OS LÍDERES DO GOVERNO

Nessa briga de foice em quarto escuro pelas vagas de ministro e de candidatos ao segundo escalão, pouco ou nada se tem falado a respeito de quem Dilma Rousseff escolherá para líderes do governo na Câmara e no Senado. Como o novo Congresso só se instala em fevereiro, sendo janeiro mês de recesso, é possível que tudo continue como está. Sem dúvidas a nova presidente consultará o vice Michel Temer, os presidentes dos partidos da base oficial e os ministros mais diretamente ligados às questões políticas. Uma coisa, porém, parece certa: Romero Jucá não continuará no Senado. Para bom entendedor...

Desde São Borja!

www.saoborja.rs.gov.br

CONCURSO
Prefeitura realizará concurso público em 2011

A Prefeitura de São Borja realizará no próximo um concurso público para a contratação de novos servidores. O processo já está em andamento. O prefeito Mariovane Weis solicitou a todas as secretarias municipais um levantamento de quais cargos são necessários. De acordo com o secretário de Administração e Fazenda (SMAF) Bruno Maurer, serão 129 cargos para contratação imediata e aproximadamente 100 para reserva. Entre alguns cargos que haverá no concurso está motorista, fiscal de obras e posturas, fiscal sanitário, agente administrativo, veterinário, engenheiro agrônomo, advogado, professor.

A Lei de Responsabilidade Fiscal exige um estudo de impacto financeiro para verificar a viabilidade dentro dos parametros do orçamento municipal. O estudo já está em andamento e, após a conclusão, será enviado para a Secrataria de Planejamento, Orçamento e Projetos (SMPOP) para que seja aberto o processo licitatório para definir qual empresa que realizará o concurso. A expectativa é que o concurso seja realizado até o mês de julho e, com isso, chamando os selecionados imediatamente após a divulgação do resultado.


NOTAS:

EXPEDIENTE

A Prefeitura e as repartições municipais funcionarão até às 12h no dia 31 de dezembro.


Dilma vai a Brasília eo Serginho vem a Imbé...

Pois é, dois bi cudos não se beijam. Hoje a presidenta eleita Dilma Rousseff deve voltar a Brasília onde toma passe no sábado.

E os gaúchos se preparam pra receber com pompa e circunstância( só que ninguém mais sabe quem ele é, ou foi, o Serginho Ross...)

Ele chega no aeroporto já dando esporro....

Queria ser uma mosca pra ver ele xingando os funcionários, com três pares de óculos pendurados na cabeça, atrás das malas....

Mas fora de sacanagem, o Serginho é bem vindo ao seu estado natal...Só que ficará incógnito por uma simples razão: não quer pagar mais um café no hotel. Azar dele: eu tinha um vinho da colônia de Serafina, que o Lazari me deu. Ficará pra mim!


Recebo e publico

Alguém aí tem como ajudar a Sabrine?

Informação


boa tarde estou procurando duas pessoas em Vacaria, uma se chama Isaura das Graças Gregório de Moraes e ou é Laís Gregório de Moraes, tem como o senhor me ajudar o assunto é sério


Sabrine Fortes Ulguim


Memória de um repórter


JK não se aguentou:

No Karandache, apresentou os

vices ao povo todo!


Edmar Fetter, vice governador gaúcho,(1970/74) costumava fazer carreteiros pra imprensa no Palacinho. Iam lá Rogério Mendelski, Carlos Coelho, João Carlos Terlera,Jayme Keunecke, o JK,entre outros cobras do jornalismo.

Mas depois da meia-noite, Fetter, um pelotense, também podia dar suas saídas com os jornalistas.

Uma noite, como estava no estado o vice-governador de Alagoas, Divaldo Suruagy( que depois fez acordo e apoiou Tancredo Neves em 1985, pela chamada Aliança Democrática) foram todos pra Karandache, uma boite que tem na avenida Berlim, esquina com a Pernambuco.

E lá os dois vices( um do RS, outro de Alagoas) pediram pela descrição...

Mas o JK se empedrou e que nada....

Pegou de um microfone que havia por ali e apresentou os dois figurões pra aquele povo todo e também pras moçoilas da casa....


JORNAL SKALRIOCA DO SKÅL RIO DE JANEIRO - BOA LEITURA

Clique aqui para ler.


Agonia de

José de Alencar

empana o brilho da posse de Dilma


Não há a menor dúvida de que o Governo teme a morte de José de Alencar no dia da posse de Dilma. Ninguém tem culpa disto, mas que seria um baita azarão,seria....

Por isto, estão tomando todas as precauções...

Memória Política


Uma pessoa deveria vir pra posse do governador Tarso. Ela é anônima e ninguém mais soube dela, a não ser que andava morando em Chapecó, oeste de Santa Catarina, em junho de 2002, conforme registrei no meu boletim FITNESS.

SEU NOME É ANELISE SCHMIDT.

Pois foi ela que sem querer criou o slogan da campanha do TARS! lembram, quando o governador que agora assume era candidato a prefeito da capital, em 1992.

Faz tempo, isto...

Anelise, a quem não conheço, trabalhava no gabinete do vereador Lauro Hagemann(do PPS,ou PCB) que dava naquela ocasião apoio a Tarso Genro.

Ela foi pintar um cartaz da propaganda do TARS! e no final quando ia desenhar o O caiu e o O ficou parecido a um pingo ,ou ponto de exclamação.

Dito e feito.

Adotaram aquilo pra campanha e ficou marcado.

Grande Anelise, deveria vir pra posse do novo governador.

Coleguinhas

Bruno não ganhou

a camiseta

e ficou puto da vida com os milicos

na BR-364!


Em 22 de março de 1984, reunião na secretaria dos transportes.

da esq para dir...

um contínuo, Nelson Moura, Vavá Darriaga, Erico Sauer(falecido) Telmo José Kirst, Bruno Augê Ferreira,Ismail Fernandes, o Coreano, falecido,fashel, fotógrafo...acervo de Nelson Moura...)


Em 1983, por aí, fomos acompanhar Cloraldino Severo ,ministro dos transportes, numa inspeção da BR-364( Porto Velho- a Cuiabá) Uma semana de carro andando nas mais terríveis condições, comendo pó de estrada...O Bruno Ferreira, que era do Correio do Povo, gostava de abrir a camionete do DNER( de sacanagem dele...) e dizia:

- Isto é que é bom, tem que pegar poeira, tem que comer pó...

Colocávamos nossa roupa dentro de sacos de lixo, de plástico, porque senão a poeira era tanta que parecia que a roupa podeira esticar, ficar em pé...contando parece lorota, mas não é...é serio isto...

Em cada trecho de cada empreiteria( foram mil e tantos quilômetros) sempre nos davam uns brindes, uma recordação, uma camiseta,aquilo que se chama de toco, em jornalismo. Todos ganhavam,engenheiros, toda a comitiva.


Mas no último trecho, justamente a cargo de um BEC, um batalhão do exército, só quem ganhou uma recordação, uma camiseta foram o ministro e o Genaro, que era diretor do DNER...

O Bruno se magoou...só dizia baixinho pros coleguinhas:
- Este trecho não existe, no Correio do Povo não entra...

E quando saiu sua matéria, nem tocou no trecho do Exército...

Havia nesta inspeção um fotógrafo que acabou apelidado de Marechal Rondon porque tinha que mandar fotos pra Brasília da inspeção do ministro que eram depois distribuídas por lá....

A gente não sabia como ele fazia aquilo, mas mandava....

Ganhou o apelido de Marechal Rondon....


Guilhotina

Seriam 36 as CCs que o prefeito José Fortunati iria decapitar....


Novo chefe....

Na Superintendência de Comunicação da Assembléia Legislativa deve ir mesmo o colega André Simas Pereira. Ele trabalha com o novo presidente, Adão Villaverde.


De São Borja


*Na Folha de São Borja de 18 passado, dão como possível ida de Ibsen Pinheiro,deputado federal, candidato a prefeito da Terra dos Presidentes. Acho que agora que é o presidente do PMDB estadual isto não se cria mais...


*Também é verdade que tem 18 fotos do lançamento da obra Simplesmente Deco, um livro que fizeram sobre o colunista mais famoso da Fronteira Oeste...Mas são 18 fotos do evento em si, em nem todas o homenageado aparece...È quem S. Borja tudo é intriga, como falam naquele La Barca....

*Eu estranhei os óculos verdes do homenageado na sessão de autógrafos. No começo achei que fossem de brincadeira....Deco é o autor da frase: Eu volto! que o anonymus Gourmet, da RBS TV copiou para Voltaremos


Memória da Imprensa


O Rogério confessa sua participação no famoso caso, ou melhor a "barriga"( noticia que não se confirma) da rádio Continental nos idos de março de 1975.

Deixemos o Polaco falar,então.

- O cantor foi morto na redação da Folha da Manhã, numa brincadeira feita pelo Artur Monteiro, pelo Fernando Albrecht e por mim.

Colaborou o querido amigo Osvil Lopes, da vizinha redação da Folha da Tarde.

Tudo o mais que se disser sobre outros autores é mentira e/ou apropriação indébita. Quem escreveu sobre o assunto não se informou direito e aceitou a versão do fato que ficou famoso pela hilariedade na época.

Pedimos ao Osvil Lopes para redigir no telex um texto fieto com lauda( lembram dela?) da FM. Transcrito no telex, pedimos para tocar aquela campainha que avisava sobre uma notícia urgente. Aí um boy da FM(chamado Adão) levou, a nosso pedido, a mensagem para a turma da Editoria de Polícia ( Licínio Azevedo, Caco Barcellos, Matico,entre outros) que ,sabíamos nós, curtia o Jorge Mautner. Eles ficaram arrasados e telefonaram para a Rádio Continental que parou um programa para dar a morte do cantor.

A notícia dava que Mautner morrera num acidente na Rio-Santos. Aí teve um necrológio da emissora, ilustrado com m´sucia do Jorge Mautner e com um texto mais ou menos assim" um violino emudeceu..."

No outro dia o Albrecht publicou no Plano Geral, da Folha da Manhã, uma nota curtinha e sacana: Jorge Mautner não morreu. Mesmo assim, ao meio-dia, no Jornal do Almoço, o Cascalho ainda repercutiu a morte do Mautner...

Tudo o mais que se publicar sobre a brincadeira é desvido de " direitos autorais". Nunca contei isto, a não ser para alguns amigos quando lembravam do fato e de seus falsos autores.

A Rádio Continental entrou na história porque sequer checou a notícia. Ela marchou solenemente dando uma barriga que virou folclore....


Bom, depois deste depoimento do Mendelski, um dos autores intelectuais do trote, acho que não cabe mais muita dúvida sobre o episódio.

Ao que sei o redator do necrológio na Continental foi o Emílio Chagas,segundo narra um livro escrito sobre o assunto, ou melhor sobre a Continental....

Coleguinhas

Vi que ontem, 28.12 a colega ERica Madaleno fez niver. Pois ela foi quem me antecedeu na famosa degola na redação da ZH ocorrida numa segunda, 13.04.1992.

O Peninha e o Clóvis Heberle, os dois escolhidos pra anunciar as demissões, fizeram esta estratégia. Cada repórter ou editor que era chamado uma era confirmado e o outro demitido. Em seguida, se espalhou a estratégia na redação. Assim que um demitido, sabiam que o outro seria confirmado.

A Érica me antecedeu e sabia que eu seria demitido...

Disseram a ela que ela era rica e que poderia arrumar outro emprego. Foi uma das degoladas naquela tarde de triste lembranças....

Eu também fui pra degola e sai de lá sem ter entendido bem o que me disseram...

Pior: no outro dia voltei pra trabalhar e a Nelcira Nascimento, na entrada do prédio da ZH, quando me viu, me confortou:
- Pois é, Olides, fiquei sabendo...

Abraços pra ÉRica que fez niver ontem e que tem uma empresa de assessoria de imprensa. Somos quase vizinhos mas pouco a vejo....


De Serafina


ZINHO CASTRO é o novo presidente

da câmara municipal

Foi eleito na noite do dia 27.12 o novo presidente do legislativo de Serafina Correa. Seu nome é Olivan mas é conhecido por ZINHO Castro. Recentemente comprou uma casa do falecido Claudinei Grandi, localizada nos altos de um morro.

A casa teria custado 600 mil reais, segundo algumas fontes.


Já Arnaldo Pacassa, que era presidente, agora é vice presidente. Pertence ao PP.


O secretário é o vereador, apresentador de rádio, médico, Paulo Massolini, de conhecida família de políticos. Pertence ao DEM. Seu pai foi prefeito( segundo do município) e seu irmão,Sérgio, foi prefeito durante 10 anos.

A Câmara Municipal entrou em recesso até 02 de fevereiro. Sua primeira sessão será no dia 07 do segundo mês de 2011.

Serafina Corrêa tem 9 vereadores...

Não foi informado se houve também aumento dos vencimentos dos edis serafinenses.


De Serafina


Zinho Castro, do PT, eleito na segunda passada, novo presidente do legislativo municipal seria um dos donos " da zona" como se diz no interior.

É uma boite da qual é proprietário na rodovia que liga Serafina a Guaporé.


De Estrela

"Um prefeito assim

nos queria lá na nossa cidade"

Gabriel Mallmann, conhecido político do MDB, prefeito de Estrela, deputado estadual era contundente. Defendia seus pontos de vista com muita veemência e na região era tido como homem muito trabalhador.

Muito amigo de Eugênio Noll, dono da rodoviária local é também considerado grande benemérito da rodoviária de Estrela. Há uma placa que diz isto na entrada da rodoviária.

De madrugada, quando Gabriel, ás vezes voltava " da zona" como dizem no interior, passava no seu amigo Eugênio que costuma madrugar e tomava chimarrão. Um dia um padre estava de viagem e comprou sua passagem. Aí foi convidado por Noll pra ir tomar um mate com eles no escritório, uma deferência.

Quando Gabriel finalmente se levantou e foi embora - não se sabe se pra dormir ou pra ir pro gabinete - o padre quis saber quem era aquela figura:

-É nosso prefeito,disse Noll.

-Ah, isto é que a gente precisava lá no nosso município, um prefeito madrugador destes...

O padre nem tinha atinado de onde Gabrile voltava aquelas horas....


Produtores sofrem com crise


da Doux, a outrora Frangosul.

Produtores de pintos pra abate estão sofrendo com a falta de pagamento por parte da Doux, uma empresa francesa que está passando por uma crise financeira.

A dívida da empresa estaria em 400 milhões de reais.

Os produtores estão recebendo com atraso e os pintos estão ficando até 3 a 4 dias sem receber mantimentos. Alguns morrem.

Já a Perdigão com unidades em Lajeado, Serafina Corrêa e Marau está de vento em popa, pelo menos é o que informam.

Estaria abatendo 190 mil frangos na unidade de Serafina, 240 mil em Marau.

Os pintos com apenas 45 dias chegam a pesar dois quilos

As exportações da Perdrgão são para cerca de 100 países.


De Serafina

A sessão do legislativo municipal que na última segunda elegeu ZINHO Castro, do PT, o novo presidente foi prolongada. e ontem o site estava " fora do ar".

Não houve polêmica porque a situção tem 5 votos,contra 4 do PMDB, que é Oposição.


Caçar não, mas pescar eu deixo....


Nos fundos Brizola com as ovelhas, em sua terra no Uruguai, a lagoa onde o Serginho poderia pescar...

Entre as lorotas que o Serginho vive contando,uma das mais intrigantes é aquela que ele e o Chagas iriam escrever a biografia de Leonel Brizola.

Perguntei isto ao Danilo Groff, um dos caras que a meu juizo mais entendia o "Dotor" como ele o chamava, é ele me disse que de jeito nenhum, isto jamais aconteceria.Groff também não entrou em detalhes.

Mas vamos lá...

Diz o meu amigo Serginho que Brizola sempre visitava o escritório do Chagas em Brasília. Ia lá saber das últimas, confabular. E que numa destas já tinham combinado que o Chagas escreveria a biografia do caudilho gaúcho.

O Serginho se meteu na conversa e se ofereceu pra ir ao Uruguai porque queria caçar...

- Caçar não te deixo, mas pescar tudo podes,disse Brizola,sempre segundo a versão do Serginho.

Vai ver que o Brizola sabia que o Serginho já tinha pescado muito lambari no rio das Antas.

AS DUAS FACES DE VIDELA

Por Gelson Farias



O ex-ditador argentino Jorge Rafael Videla assumiu perante Corte Argentina, a responsabilidade por crimes políticos cometidos no país entre 1976-83, ao final de um julgamento sobre o fuzilamento de 31 presos políticos em Córdoba (centro).
"Assumo plenamente minhas responsabilidades. Meus subordinados limitaram-se a cumprir ordens", destacou Videla no tribunal de Córdoba, um dia antes da divulgação do veredicto. Videla é acusado desses crimes junto a outros 29 militares. No depoimento final de 49 minutos que leu pausadamente, o ex-ditador, de 85 anos, disse que assumirá "sob protesto a injusta condenação que possam me dar".
A promotoria havia pedido, em novembro, a pena de prisão perpétua para Videla, que, no dia 24 de março de 1976, comandou um golpe que instaurou uma ditadura que deixou 30.000 desaparecidos, segundo entidades humanitárias.
"Reclamo a honra da vitória e lamento as sequelas. Valorizo os que, com dor autêntica, choram seus seres queridos, lamento que os direitos humanos sejam utilizados com fins políticos", disse Videla.
Depois apontou para o governo da presidente Cristina Kirchner, assinalando que as organizações armadas dissolvidas "não mais precisam da violência para chegar ao poder, porque já estão no poder e, daí tenta a instauração de um regime marxista à maneira de (Antonio) Gramsci" (téorico marxista italiano).
Prisão perpétua
Videla, como comandante da ditadura (1976-81), e Luciano Menéndez, 83 anos, como ex-chefe militar com jurisdição em 11 províncias, são os dois militares de mais alta patente acusada pelo assassinato de 31 presos políticos numa prisão de Córdoba. O ex-ditador havia sido condenado à prisão perpétua num histórico julgamento dos comandantes militares em 1985, mas recebeu indulto alguns anos mais tarde, pelo então presidente Carlos Menem (1989-99).
O perdão foi anulado pela Corte Suprema em 2007 e, desde então, contra Videla, foram somadas várias causas por crimes de lesa-Humanidade, durante a ditadura. Em outro setor, os familiares das vítimas, acompanhados pelo Prêmio Nobel da Paz (1980), Adolfo Pérez Esquivel, ouviam o depoimento de Videla com gestos de desaprovação mas sem que se registrassem incidentes.
O julgamento "é um avanço importantíssimo no direito à verdade e à justiça (...)", disse Pérez Esquivel. Em Buenos Aires, três ex-militares foram condenados nesta terça-feira à prisão perpétua por crimes cometidos durante a ditadura (1976-83) na base naval da cidade balneária de Mar del Plata.
São eles Alfredo Manuel Arrillaga, do Exército, e os ex-oficiais da Marinha Justo Ignácio Ortiz e Roberto Luis Pertusio, anunciou o Centro de Informação Judicial
O Tribunal Oral Federal de Mar del Plata aceitou a acusação feita contra os três por "privação ilegal da liberdade duplamente agravada e imposição de tormentos agravada". Os três condenados somam-se a outros 131 repressores sentenciados por crimes de lesa-humanidade durante a ditadura argentina (1976/83).

O período denominado Ditadura Argentina começou com o golpe de estado que derrubou o presidente constitucional Arturo Illia, em 28 de junho de 1966. Desse modo, começou um novo período de governos militares que resultaria na volta do peronismo ao poder em 1973. A ditadura argentina se autodenominou Revolução Argentina.
Durante esses anos, o país foi regido pelo Estatuto da Revolução Argentina, alçado ao mesmo nível jurídico da Constituição Nacional. As expectativas de um prolongado governo dos militares golpistas estavam refletidas em uma de suas mais repetidas palavras de ordem, "a Revolução Argentina tem objetivos, mas não prazos". Os partidos políticos foram proibidos, assim como todo tipo de participação política por parte dos cidadãos; vigorou de forma quase permanente o estado de sítio, e viram-se cortados direitos civis, sociais e políticos.
Em 1986, o chefe da primeira junta, o general Jorge Rafael Videla, e seu braço direito, o almirante Emilio Massera, foi condenado à prisão perpétua. Uma comissão de inquérito montada pela jovem democracia do país acumulou testemunhos, descreveu com minúcia o que aconteceu, particularmente entre 1976 e 1978, nos cerca de 300 centros de detenção clandestinos: a eliminação sistemática dos opositores do governo, sob a palmatória da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. A comissão de inquérito editou um livro, "Nunca Más", que mostra a medida do terror que se abateu sobre o país: prisões injustificadas, tortura

Em março de 1976, quando, na Argentina, o Gal. Jorge Rafael Vidella, comandou um golpe militar, tinha ao seu lado a sociedade, as forças produtoras a imprensa que chamavam contra a desorganização do governo de “ Izabelita Perón”. A sociedade tinha medo de que houvesse uma onda de terrorismo igual à de diversos países do Mundo. Mas o remédio foi pior, pois a ditadura instalada foi um terror..


Primeira Junta Militar, de esquerda a direita: Emilio Eduardo Massera, Exército, Jorge Rafel Videla presidente e Orlando Ramón Agosti, Marinha 1976.


A doutrina da Segurança Nacional foi o pano de fundo dessas ações, agindo como uma ideologia de justificativas e afirmação de critérios indispensáveis para instaurar o modelo político autoritário. Os militares no poder obrigavam-se nesta “ doutrina” elaborada nos centros de treinamento dos Estados Unidos, onde muitos oficiais tinham se formado. Esta doutrina maniqueísta fundava-se na divisão do mundo em dois blocos: um ocidental e outro comunista. A luta contra o avanço do comunismo é um argumento que permite tudo: seu esquema de funcionamento é : 1º , um golpe de estado militar ou a nomeação de um civil ‘fantoche’, de quem se afirma um caráter transitório para instaurar um poder forte, que tem como objetivo só, “estabelecer a ordem”, antes da democracia chegar; 2 a declaração do estado de sítio,, com poderes excepcionais, suspensão da Constituição, restrição das liberdades democráticas e às atividades políticas e sindicais, controle da imprensa e concentração dos três poderes nas mãos do Poder Executivo.

Em todos os países da América Latina onde esta doutrina foi aplicada, os resultados foram devastadores: violência e muitas mortes e desaparecimentos. Entres os regimes militares, que se instalaram na América Latina, houve diversas ações comuns principalmente de troca de informações e até de prisão de homens e mulheres ditos ‘ comunistas ou subversivos’, fora de seus países, ao arrepio da lei. As mais famosas foram as “Operação Condor” e a Operação Cone Sul”. Só para se ter uma idéia, a ditadura na Argentina, ( 1976 /l983), seqüestrou, mais de 30.000 pessoas, cerca de 0,12% da população média no período do regime militar, proporção maior de que a calculada no regime militar chileno, no período Pinochet que foi de 0,02%.


Nos últimos anos, equipes de especialistas começaram a descobrir fossas comuns onde estão enterrados os corpos dos desaparecidos

 

Câmara devolverá R$ 1,5 milhão aos cofres públicos

O presidente da Câmara Municipal de Porto Alegre, vereador Nelcir Tessaro (PTB), juntamente com a Mesa Diretora, fará a devolução de R$ 1,5 milhão do Orçamento de 2010 do Legislativo ao prefeito José Fortunati nesta terça-feira (28/12), às 11 horas, na sede da Prefeitura.

Tessaro ressalta que a devolução do erário aos cofres públicos deve-se principalmente à qualificação e capacitação do corpo funcional que resultou em mais obras e menos gastos na Casa. Também destaca que parte da devolução deve-se ainda à Quota Básica Mensal (QBM) dos vereadores, que sofreu contingenciamento de 30%. "Economizamos gastos com material de expediente, telefone e diárias", enfatiza o presidente.

Precatórios

Nesta terça-feira, às 16 horas, no Salão Nobre Dilamar Machado da Câmara Municipal, Tessaro também fará o pagamento de precatórios, no valor de R$ 512 mil, a servidores inativos e pensionistas da Casa.

Regina Andrade (reg. prof. 8423)

Recebo e publico


O Serginho não muda nem com o fim do ano.Tá sempre reclamando, repararam. Pra ele, só presta quem é de Bento...


Pela primeira vez, li o teu blog do começo ao fim.Por incrivel que pareça estava muito bom. Eu gosto muito das tuas histórias da Linha Onze e das mentiras que contas, quando eras do partidão e andava fugido pelas republiquetas,nossas vizinhas.
Agora tem uma coisa: pare de escrever as minhas histórias.PÔ...escreves tudo errado
Sergio

PS as fotos que eu tenho da iluminação de Brasília,não dá para mandar.

Recebo e publico

Mas o Bacca trabalha neste semana? duvido muito


Olides!
Caso esteja em Serafina nesta semana, me avisa.
Subo para um almoço ou janta. Vê se convida o prefeito e o Bacca.
O vinho é por tua conta.
Vou tranquilo à Serafina, lá tenho amigos. O único "maledeto" da cidade
se transferiu para a Capital e só volta para lançar livros polêmicos.

abraço,

mazzarino

Recebo e publico


Ah, o Serginho agora vai implicar contigo. Ele ficava em bons hotéis quando andava com os fardados...

Agora posa de Brizolista!

Gringo!
01) - Liguei no hotel, me informaram que havia saído ao meio-dia.
Voltas quando?

02) - Pô! Pegaste a mania do Sérgio Ross, só em bons hotéis? É o eterno
charmar da burguesia serrana!

abraço,
mazzarino

Histórias de la Ùndeze


As origens do Renato Portaluppi...

gremiocopero.com

Sempre se ouvi dizer que Renato Portaluppi, o atual treinador do Grêmio era de Bento. Que nada. Isto é coisa de quem tem vergonha de dizer que nasceu em São Valentim, outrora distrito de Guaporé, que é onde o treinador do Grêmio foi registrado.

Isto foi o que me informaram,ontem, - 27.12 no cartório do Picini, em Serafina. Fui lá ver se havia algum rastro das origens do Renato porque sempre ouvi falar que ele teve antepassados junto a olaria do Vergínio Invernizzi, que ficava perto do Rio Carreiro, na capela São João.

A funcionária do cartório foi muito gentil e me atendeu dizendo que outras pessoas já tinham procurado no cartório pra saber se o treinador gremista estava registrado como nascido em Serafina. Depois da Miss de Nova Iorque, seria outra estrela que nasceu em Serafina. Ainda bem que o Adriano Mazzarino não nasceu na Onze, senão teríamos que fazer-lhe uma placa de bronze na entrada da cidade, mesmo ele ainda estando vivo...


Neste feriado do Natal, na capela São Pedro, muito sefalou sobre o Renato ser nascido na Onze, como diz o meu amigo Serginho.

Há um boato de que uma tia, ou irmã do treinador do Grêmio teria se enforcado dentro de umas terras que pertenceram ao meu avó José.

Ela estará enterrada no cemitério municipal de Serafina e segundo contam, quando abriram estes tempos o túmulo, viram a ossada dela com a boca aberta.

O funcionário encarregado da abertura da urna funerária tapou a dentadura dela e disse:

- Fulana, não fica com esta boca aberta aí que agora não comes mais polenta.

Cruzi credo, quanta coisa macabra....
Outro boato que corre sobre as origens do Renato Portaluppi: seu pai teria sido encontrado morto, na sarjeta. Bebia muito.

São boatos que correm a cerca de uma pessoa famosa. Não se sabe se verídicos ou não.

O que posso confirmar é que no cartório de Serafina não está registrado o nascimento do atual treinador do Grêmio.

Uma vez a Ana Maria Schizzini, dona do jornal Serafinense me garantiu que Portaluppi era nascido mesmo em São Valentim...


De Serafina

Estou cada vez mais impressionado com a quantidade de crianças, menores mesmo, bebendo em altas horas da noite, na frente da Rotonda, na frente do clube Gaúcho e outros pequenos locais da cidade.

São crianças mesmo...não sei o que que o Conselho Tutelar faz( eu acho que é só buscar o pagamento no fim de mês) que não dão algumas batidas nestes menores...

Como são da classe média, ninguém quer se incomodar.

Tantos jovens bebendo na rua assim eu já tinha visto em Praga, mas lá fazia, 20 graus abaixo de zero e bebiam vodca....

Serafina, depois da capital dos enforcamentos, pode se tornar a c apital dos menores bebuns....


De Serafina

Em princípio só devo voltar a Serafina no fim de janeiro, pra buscar uva madura que meu pai, aos 82 anos, ainda cultiva.

Neste feriadão do Natal, matamos a pau um galo velho que sempre que eu ligava pra lá se exibia ao telefone cantando.

Adeus pro galo veíodo meu pai, não é o missioneiro não!

E a comida tava boa, bem cozida, lessa como dizem os italianos. E os anholi deliciosos. Comemos ontem ainda antes de voltar....

Meu livro ainda vende mas o que arrumei de gente que me vira a cara pro lado, não tá no gibi...Até perco o sono por isto....

De Serafina

Ah, ia esquecendo: conheci a mãe do meu amigo, Fernando Lazari que me presenteou com vinho feito pelo pai dele. Valeu, cara...


Por onde andará Marlene

Antes todos os caminhos iam.
Agora todos os caminhos vêm.
A casa é acolhedora, os livros poucos
E eu mesmo sirvo o chá para os fantasmas.

Mário Quintana

O nome real eu nunca soube. Talvez nem fosse real; mas eu a chamei, Marlene.
Todos os meses eu a visitava, batia a sua porta e ela a abria e, com um sorriso angelical, com gestos, convidava-me a entrar. Eu entrava.
Não sei bem porquê hoje estou lembrando desta história, pois aconteceu há muito tempo. Mas, tem fatos que podem passar uma eternidade e a cada vez que lembramos nos parece que foi ontem. O casarão era na esquina e nele muito depois funcionou um jornal onde muitas noites passei trabalhando tentando enxugar uma matéria. Era um casarão, destas construções clássicas, um sobrado. Marlene vivia ali. Você deve estar perguntando, o que eu fazia e o porquê das minhas visitas cíclicas. Eram só profissional, isso eu posso garantir.
Marlene era uma linda mulher, tinha os cabelos cor de fogo, uma ametista os seus olhos, daqueles que traduzem vida. Eu a olhava e cada vez mais aqueles olhos me adentrava a alma. Hoje eu me pergunto, por que não lhe falei mais de perto, e considero que talvez por temer uma negativa, assim poria tudo a perder. Ou será porquê beleza de Marlene me pertubava? Afastei-me pelo mundo por um longo período, até andei cantando em outras freguesias e nestas andanças vi em outros rostos, o rosto de Marlene. Voltei um dia, retornei ao meu cotidiano, retornei ao meu cotidiano, como um paciente acendedor de lampiões bati outra vez à porta do casarão. As portas se abriam aos pares, mas, o rosto não era mais o da Marlene. Nas minhas reflexões eu perguntava: _em que estrada de que norte, teria partido Marlene e, que príncipe encantado o carregou em seu corcel fogoso. Nada disto infelizmente. Marlene como a Ismália da torre, seu corpo desceu à terra e sua alma subiu aos céus; levando consigo o segredo de um amor talvez não correspondido. Por muito tempo ainda continuei a mesma ronda e tododas as vezes numa espécie de demência tentei ver através das cortinas seu fantasma que certamente ainda rondava por aqueles corredores. Anos se passaram, o casarão mudou de dono, os herdeiros talvez por conta do vil metal, puseram o casarão a baixo.
O que será que acontece com os fantasmas dos velhos casarões demolidos?
Não sei, ainda não tenho estas respostas.
_ Por onde andará Marlene agora?
É madrugada e chove torrencialmente, aproveito a minha insônia para escrever. Aqui no meio do mundo fico perguntando:
_será que os fantasmas envelhecem?
Talvez quando for um deles até vá visitar a Marlene ou quem sabe ate lhe fazer companhia.
Chove muito ao sul do meu coração.
Por onde andará Marlene?
(Será que estes caras de Serafina não sabem?)


Clemar Dias


Memória

Lia Pires

Em 1996, fiz um curso de Penas alternativas no Direito da UFRGS.

Um dos palestrantes era o Dr. Osvaldo de Lia Pires, que faleceu no domingo último, aos 92 anos.

Levei meu exemplar do livro do David Coimbra,chamado as 800 noites de junho, sobre a morte do Jornalista José Antônio Daudt.

Queria um autógrafo do " mestre" mas o cara teve uma reação estranha.Não queria dar o autógrafo e justificou dizendo que não concordava com o que o David tinha escrito.

Depois de minha insistência,ele deu o autógrafo mas fez uma missa...

Sobre o Lia Pires, a quem nunca entrevistei, sempre ouvi muita boataria. Dizem até que era homem do DOPS( polícia secreta)

O que se sabe é que defendeu o delegado Pedro Seelig, chefão aqui do DOPS, quando foi acusado de participar do sequestro dos uruguaios Lilian Celiberti e Universindo Diaz,Se chamaram o Lia Pires é porque tinham culpa no cartório era a deducão lógica.


Eloi Braz Sessim também foi cliente do Lia Pires, isto quando foi acusado de roubo de dinheiro público. Livrou-se da cadeia mas ficou pobre....

E Lia Pires teve seu caso mais vistoso do ponto de vista da mídia em agosto de 1990, quando defendeu no Tribunal do Juri o deputado Antônio Dexheimer. Dizem,sempre o dizem, que a família vendeu um hospital de Erechim pra pagar os honorários....


Memória Política

André Forster ainda

é lembrado entre os peemedebistas...


da esq para dir
Nereu D"Avila,Luiz Braz,Werner Becker, o Bruxo, Nei Lima, André Cecil Forster,Valdir Fraga, Terezinha Irigaray, Lauro Hagemann e Caio Lustosa

Agachados, da esq para dir

Cleom Guatimozim, Valdomiro Vaz Franco, Eloi Guimarães, Francisco Paulo Santana e Paulo Satte.

acervo do memorial da CMPOA

Com a recente crise interna do PMDB do RS, alguns integrantes do partido lembraram a falta que faz neste momento o sociólogo André Cecil Forster, que sempre era um influente mediador das crises internas do PMDB

André faleceu em 9 de dezembro de 1996, vítima de um câncer de próstata.

Forster foi ainda um dos próceres do IEPES, que na época da abertura democrática trouxe muitos importantes debatedores nos foruns que promovia junto a Assembléia Legislativa do Estado.

Também ocupou a presidência da Metroplan,quando Pedro Simon foi governador do Estado.

No governo de Tarso Gerno, em 2001, uma pracinha na avenida Neusa Brizola, em Petrópolis, passou a adotar seu nome em sua homenagem.

Ocupou a presidência da Câmara Municipal de Porto Alegre


De Canoas para o Mundo


Pô tava com saudades,eu e os leitores, do Remindo, O ISENTO...pela última frase dele, dá pra ver como o é...

dá pau no Serginho Ross, Remindo que ele merece....

Olides, diretor de jornal pode ganhar 50 paus, mas se senadores, deputados e ministros ganharem isso, a revolta nas manchetes é grande. O nome disso é chantagem, mas não está mais funcionando. Pessoas que dirigem a nação devem ser melhor remunerados que puxa-sacos da iniciativa privada.

A grande imprensa não emplaca uma com a Dilma. Não vai a presidenta eleita dar nenhuma colher de chá para eles. Quem trabalhou em Porto Alegre com ela sabe o desdém que ela nutre pelas manchetes.

Livre da tutela do PMDB, a prefeitura de Porto Alegre já é melhor avaliada pelos seus cidadãos. O DNA petisca do Fortunati aos poucos vem a tona. Seu projeto do Programa Saúde da Família está sendo contestado pelas lideranças médicas, mas me parece um bom projeto. Só que se não for bem controlado, acaba virando malandragem.

Aqui em Canoas não tem nem graça, só boas notícias.

O " espirito natalino" foi pro saco...

Ontem de manhã fui a um cartório em Serafina e as duas funcionárias estavam de saco cheio da vida....Estes cartórios atendem mal a população,cobram caro e as funcionárias ainda se dão aluxo de fazer cara de nojo pros clientes. Então vai pra roça pra ver o que é bom pra tosse...

E estes cartórios são todos capitanias hereditárias, uma caixa preta, ninguém sabe como seus donos os conseguem...

À ESPERA DE DEFINIÇÕES


Por Carlos Chagas


Não há porque criticar o presidente Lula pelo seu ufanismo na fala de fim de ano. Teve direito, apesar dos exageros. E completou dizendo que, se fez muito, muito mais é preciso fazer.

Voltam-se para Dilma Rousseff as atenções gerais. Ela continua devendo um programa de governo, além da promessa de erradicar a pobreza. Há razões para a presidente eleita haver mantido silêncio até agora: evitar definições capazes de desagradar o seu mentor ou pelo menos distintas e diversas das realizações dos últimos oito anos. A lealdade e o bom-senso indicam que deva aguardar o dia da posse ou os seguintes para então começar a expor suas prioridades e objetivos.

Por tudo isso o país continua cheio de dúvidas. A política externa continuará plena de desafios verbais aos Estados Unidos e de elogios a regimes no mínimo estranhos à ortodoxia democrática? Irá insistir na desgastante fantasia de ver o Brasil tomar assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas? Ampliará o reequipamento das Forças Armadas com vistas à garantia do pré-sal situado em águas não territoriais brasileiras? Permanecerá imaginando nossa influência demasiada na crise do Oriente Médio? Que tipo de relacionamento manterá com Hugo Chavez, Evo Morales e penduricalhos? Visitará Cuba, ao longo de seu mandato?

Em termos de política interna, ousará liderar a reforma política? Terá abandonado a esdrúxula proposta de uma Constituinte exclusiva para votar o financiamento público das campanhas eleitorais, o voto em listas partidárias, a diminuição do número de partidos e outras sugestões sempre referidas mas jamais concretizadas?

Delegará a Michel Temer o relacionamento detalhado com o Congresso e os partidos? Dará participação ao vice-presidente nas definições maiores de governo? Manterá que tipo de diálogo com os presidentes da Câmara e do Senado? Privilegiará o PT como interlocutor maior nas questões políticas?

Diante dos governadores, conseguirá administrar a necessidade de isenção para com os pertencentes a partidos de oposição?

Na economia nem se fala. Qual o limite entre a óbvia intenção de conter os gastos públicos e a importância de continuar as obras do PAC e outras? Como reduzir os juros a 2% e evitar o retorno da inflação? Permaneceremos importando mais do que exportamos? E na pauta das exportações, será conveniente sustentar o ritmo cada vez maior de matérias primas?

Mil outras questões prendem a curiosidade nacional, da estratégia para contar o crescimento da violência e do crime organizado até a postura a ser adotada diante dos criminosos de colarinho branco. A política energética precisa de maior atenção à produção e utilização do etanol? Teremos mais usinas nucleares ?

No campo das relações sociais, aceitará botar na cabeça o boné do MST? Dará um passo a diante nas conquistas trabalhistas dilapidadas pelo passado governo Fernando Henrique, admitindo a participação dos empregados no lucro das empresas? Conseguirá desafogar as folhas de pagamento nas despesas do empresariado sem causar dano aos assalariados? Permanecerá imaginando que a Previdência Social dá prejuízo, sem fazer conta de que o governo deve funcionar como um sistema de vasos comunicantes?

Educação, saúde pública, apoio à pesquisa científica, preparação para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, limitação das quase 300 mil ONGs, boa parte delas fajutas, defesa da Amazônia, recuperação do Mercosul e quanta coisa a mais estão exigindo definições? É bom lembrar que em fevereiro, quando da reabertura dos trabalhos parlamentares, inaugura-se uma nova Legislatura, devendo ser esperada a primeira mensagem do governo Dilma ao Congresso. Já estará a sua assessoria tratando do texto?


Rio Grande em alta!

A presidenta Dilma em Porto Alegre e o vice em Gramado, no feriadão de Natal. Eis o Rio Grande em alta,de novo!Mas, bah, tchê!

Memória política


A IRONIA TANCREDIANA

- eM CERTO MOMENTO, UM DOS PORTUGUESES PRESENTES INTERESSOU-SE PELAS ORIGENS LUSITANAS DA FAMÍLIA NEVES.AO SABER QUE PROVINHA DA ILHA DOS AÇORES OFERECEU-SE PRA LEVANTAR A ÁRVORE GENEALÓGICA INSINUANDO A POSSIBILIDADE DE DESVENDAR ANTEPASSADOS FIDALGOS. AO QUE ,TANCREDO,RINDO, SE FURTOU, DIZENDO

- É MELHOR NÃO SACUDIR MUITO ESTA ÁRVORE POIS É CAPAZ DE CAIR ALGUM MACACO!!!


A OUTRA BOA DO TANCREDO É AQUELA DO SEU CANDIDATO A SECRETÁRIO QUANDO GOVERNADOR DE MINAS

- GOVERNADOR, A IMPRENSA QUER SABER SE EU SOU OU NÃO SECRETÁRIO

E A RAPOSA ASTUTA LIVROU-SE DELE DIZENDO

- DIZ QUE EU TE CONVIDEI E QUE TU NÃO ACEITOU!!!


Histórias de la Undeze


OS FILHOS

DA SEGUNDA GERAÇÃO DÃO

171 NO DIA DO PENDURA

ESTA MINHA sobrinha Gabriela me contou neste feriadão. Ela é filha de um irmão meu que saiu em 1982 da roça, da capela São Pedro e que hoje tem restaurante emRio Claro(SP)

Ela estuda direito na capital paulista e no dia do Pendura, 11 de agosto, a turma dela saiu preparada pra dar o 171 nos restaurantes.

Mas antes a Gabriela e os seus colegas tiveram a assessoria de um professor que os orientou bem como fazer:
- Não se metam em fundo de quintal porque vocês vão quebrar a cara...

Aí partiram pra zonas mais nobres, ou seja, mais ricas. Foram pro restaurante Rubayat, muito conhecido em São Paulo.

- Vocês são pendura, né disse logo o garção

- Não, não somos disseram os guris, todos bem vestidos.


Não deu outra. Foram todos parar no camburão e rumo a delegacia.

Quando o delegado viu a cena, aqueles guris descendo do camburão, tudo fazendo a maior zorra, viu logo

- É pendura..

Deu um chá de banco neles, deixou eles sentadinhos algum tempo e depois chamou-os e disse:

- Vazem, vazem que não quero nem mais ver a cara de vocês.

No dia seguinte, foi aquela zorra no reecontro com o professor que os havia orientado.

Histórias de la Ùndeze(1)


O cachorro com dinamite no rabo....

Esta quem me contou foi meu pai...que às vezes fala dos assuntos muito antigos.

Eles tinham um cachorro e um dia o cachorro procurou as cadelas do Celeste de Costa( tio do atual radialista Guerino de Costa, muito famoso aqui na região de Serafina)

O cachorro passou a ir diariamente atrás das cadelas em cio do Celeste.

Como antigamente os colonos tinham dinamite em casa pra abrir as torras de madeira, o Celeste amarrou um pouco de pólvora com um cabinho no rabo do cachorro visitante e soltou-o . O pobre animal pegou o caminho de casa, mas logo adiante a pólvora explodiu e ele se chamuscou todo de fogo.

Como houve explosão, quando trovejava o animal queria quase que pular no colo dos seus donos de medo que ficou de tiros....


Ós cavalos foram roubados

no rio Carreiro(2)

Esta é da lavra do radialista Guerino de Costa. Ele contou que muitos anos atrás, ele mais seu vizinho Guerino Canton( que é primo do narrador) foram a um baile no rio Carreiro( fica a 8 km) A pezito, no mas, qu enão tinha carro naqueles anos...
Cansados, depois do baile, viram dos cavalos amarrados. Pegaram, montaram nos animais e vieram pra casa.

Eram vizinhos. Quando largaram as montarias, deram uns tapas neles e os dois cavalos no dia seguinte estavam em casa.

Se é verdade, ou não não se sabe porque a qui na região a fama do Guerino de Costa é assim sintetizada
- Cuel de le BUzie,,traduzindo AQUELE DAS MENTIRAS

De Serafina

*É hoje de noite, dia 27.12 a eleição do novo presidente do legislativo municipal aqui.

Deve ganhar a situação. Os 4 vereadores do PMDB são a Oposição neste momento. Há outros cindo da situação.


*O que se comenta ainda por aqui é que o ex-prefeito Jacir Salvi, que foi do PMDB, hoje está no PT, deve ser o candidato a prefeito pela situação. Aqui PP e PT estão coligados e derrubaram o PMDB que ficou 12 anos à frente da prefeitura.


*Sonhar não custa nada: pessoas do chamado movimento preservacionista ainda acham que a Justiça vai mandar derrubar o espigão que foi construído na frente da Cantina Brilhante....

*Será agora, nesta sexa-próxima a inauguração do Calabria, o novo bar localizado na av. Miguel Soccol. O Serginho Ross que foi colega do Nelson Assoni, o Janguta, no colégio Conceição, foi convidado de honra como arroz de festa, como atração do evento, mas ele prefere mesmo ir a Imbé.

*DEpois de uma chegada meteórica no dia da festa do niver da cidade, Mazzarino, também conhecido como alter ego do Pedro Ernesto Denardim, principalmente para o Vale do Taquari, não deu mais as caras em Serafina. Sumiu.
Não foi mais visto por aqui. Dizem até que sugeriram pra ele ser persona nom grata do município de tanto mal que anda falando daqui ali em Encantado.

*Inté, Serafina. Valeu pelo banho no rio Carreiro e pelas visitas que fiz na capela São Pedro, onde estão minhas raízes.

" VIDELLA: O ANJO DA MORTE "


Olides. Como vai!

Eu tenho uma matéria boa, do Vidella. Estou somente sperando alguns dados da corte argentina, sobre a con denação e a a condenação de nais 17 membros do exército e
colaboradores civis que tiveram suas sentenças aplicadas. Olha. Na argen tina, funciona assim o julgamentos... -- é o que vem ocorrendo --- dos militares, envolvidos em morte na ditatura. São julgados, levados a prisão e o vrecdito sai algum tempo depois. É estes dadas de prisão pérpetua que estou esperaando. Já tenho o título da mtaéria;


So para ficar sabendo aqui vai uma palhinha sobre a matéria e os quatro protagosnistas, de todo o regime militar da argentina.
Estes homens foram os que mais mataram ou manadaram matar civis e militares mulherewe e crianças. Tem outro, o general Reynaldo Benito Bignone, que esteve no governo, ( 73/83), o último presidente militar, este foi julgado, e pegpu 25 anos. Segundo fontes da corte, Bgnone é o mais santinho deles todos. Claro, não deixaram nehum preso para ele matar....


Regime militar

Na ocasião, as principais figuras da ditadura, entre elas os generais Jorge Rafael Videla, Roberto Viola, Leopoldo Galtieri e o almirante Emilio Massera, sentaram no banco dos réus para responder à acusação de sequestros, torturas, detenções ilegais em campos de concentração clandestinos, roubo de bens e o assassinato de 30 mil civis, além da ocultação da maior parte dos corpos das vítimas, que ficaram conhecidas como os “desaparecidos”.
O promotor Julio César Strassera disse ao Estado que devido ao número de 10 mil de delitos sobre os quais existiam constâncias, foi necessário focalizar o julgamento sobre os “casos paradigmáticos”. Desta forma, a promotoria apresentou 709 casos, dos quais o tribunal decidiu examinar 280.

Jorge Rafael Videla ( exército) e Emilio Eduardo Massera, ( marinha) militares que lideraram a ditadura argentina

Um abraço Gelson Farias

Livro

Está disponível o meu livro "Conhecendo Buenos Aires".

É um guia comentado que assino em homenagem a esta maravilha que tanto gosto: Buenos Aires.

Indicado para viajantes iniciantes e veteranos, é um bom presente.

Quem comprar agora paga só R$23,00 e recebe pelo correio com tarifa incluida no preço.

Saudações Fraternas

Desejo muito que - em 2011, possamos estar mais tempo juntos...


Marcus Vinicius Anflor


TV Record noticia falsa prisão do ator Matheus Nachtergaele

Da Redação

Na manhã desta quarta-feira (22/12) o programa "Fala Brasil", da TV Record, noticiou que o ator e diretor Matheus Nachtergaele havia sido preso por porte ilegal de arma, na noite de terça-feira, na região do Morumbi, Zona Sul de São Paulo. No entanto, a empresária do ator desmentiu a informação e disse que Nachtergaele estava em sua casa no Rio de Janeiro.

Em entrevista ao site O Fuxico, a empresária disse que o ator havia chegado do Acre na madrugada de quarta-feira e deveria estar dormindo no momento da notícia. “Como é que ele podia estar no Morumbi? Eu conversei com ele a tarde inteira”, afirmou ao site.

Segundo o investigador Sato, do 34º DP, a confusão aconteceu porque a polícia prendeu um ator chamado Matheus com sobrenome parecido com Nachtergaele.

Após o engano, a emissora pediu desculpas e desmentiu a informação no "Record Notícias".


da TV Record


Adesivo que circula nos carros em Brasília

Juliana X Zacher


No já famoso dia 6/12,quando os vereadores Mauro Zacher e Juliana Brizola, ambos do PDT, trocaram insultos públicos, o diálogo final, que não ficou gravado( ou seja foi dito fora dos microfones) teria sido este


Mauro Zacher para Juliana

- Não sei onde estou que não te dou um tapa na cara


Juliana pro colega de partido:

- Bate, bate que tu está acostumado bater em mulher, canalha!


De Serafina

Dedicada ao Mazzarino( que me torra!)

Na quinta, 23.12, como sempre faço quando veio pra cá. largo a mala no CA DEI MONTI( DEPOIS QUE PASSEI A FALAR DO HOTELZINHO no meu blog, ele está sempre cheio( de pelados, é claro, como eu) eu fui pra pizzaria

comer. peço lá um a la minuta, que é 10 pilas e se come bem...

Tinha um senhor na minha frente, com péssimos modos de comer( imaginei logo, é colono)

e três mulheres bem mais jovens que ele.

Ele me olhava, me olhava...
Quando se levantou pra ir embora, se identificou como um da família Scalco...

E me deu uma senha:

- Boa aquela dos amendoins do selivino de costa, da curva..

Entendi. ele tinha lido meu livro Cosi la ze stata....

De Serafina


A DROGADA DA AVENIDA MIGUEL SOCCOL


nA MADRUGADA DA sexta, 24.12 vinha voltando da Pizzaria, logo prum berço...Tinha acordado 5 da matina, na véspera.


E quando vejo, saída de não sei onde, uma guria de uns 20 anos, mas toda empapuçada, como se dizia no meu tempo de andar na rua de madrugada...

Mas tava drogada pra lá de metro...

queria que eu a deixasse em casa.

- Onde moras, perguntei..

- Em Montauri(fica a 20 km)

Aí me ofereceu pó.
Agradeci....

Pedi pra alguém que passasse deixá-la em casa.

Não sei como terminou aquela noite, dela....

Mas como tá a droga até no interior, né!!!!

Memórias


"A LUTA CONTINUA

P...NO C....DO POVO !!!!"


EM 1983, Licinio da Silveira, que tinha saído daqui pra ser cooperante da revolução socialista de Samora Machel em Moçambique( hoje é um baita de um burguês)veio fazer tratativas para levar o Antônio OLiVEIRA E o Osmar Trindade pra Moçambique. A COOJORNAL tinha ido pro saco, tava aquela zorra lá....

Acompanhei bem isto porque o Licínio, como sempre, se homiziou na minha casa( na rua Mariante 200/6) e lá dele festa e dele festa e dele reuniões....

Mas o Licínio veio de Maputo com uma expressão que os cooperantes debochados como sempre diziam

- A LUTA CONTINUA

mas o bagaceira do Licinio, acrescentou....P...no c.....do povo....

Minha guria maior, a Renata, que tinha 8 anos,- hoje é uma mãe bem comportada - pegou aquilo e passou a dizer o bordão por tudo....

Acontece que estávamos no Rio, com a Renata e tudo no dia que o Antônio, Trindade e Licínio finalmente embarcariam

pra Maputo.

Depois de uma noite de trago, no Lamas, - tradicional bar do Botafogo - madrugou e todos foram pro Galeão pro embarque.Era o botafora dos três, depois de uma temporada muito tensa, porque todos achavam que os dois que embarcariam não passariam nas fichas da Polícia Federal. Trindade finha sido preso e Antônio estava naquele rolo da Coojornal...

Aí quando os três finalm ente fazem o check in e entram pra sala de espera, silenciosos, mas de porre,ainda, a Renata grita em voz alta, pra todos ouvirem

- CIAO Licinio e pau no cu do povo...

O Licinio olhou pra trás e deu uma risadinha.....mas não gostou da delação

UM SACO DE GATOS


Por Carlos Chagas


Composto o ministério, vale menos ficar calculando quantos ministros o PT emplacou a mais do que o PMDB ou se os ministros paulistas estão em maioria. Fica irrelevante até saber se os homens superam as mulheres.

Importante, mesmo, será conhecer que diretriz Suas Excelências deverão receber e seguir. Porque acima e além das obrigações e projetos específicos de cada pasta, sempre existiu, em todos os governos, uma espécie de marca geral unindo o conjunto. Já foi o desenvolvimento, nos tempos de Juscelino Kubitschek, como havia sido a justiça social, para Getúlio Vargas. Chegou a ser a redemocratização, com Tancredo Neves e José Sarney, a modernidade, com Fernando Collor e a flexibilização, com Fernando Henrique. Com o Lula, pode-se concluir pela incorporação de parte das massas carentes ao mercado, ainda que algum tempo transcorra para a cristalização dessa hipótese.

E com Dilma Rousseff, será mesmo válida sua promessa de erradicar a pobreza? Se cada ministro tiver essa meta a norteá-lo, a presidente da República terá como caracterizar a grande proposta de seu mandato. Realizar é outra história, mas precisamente na dependência da equipe agora completada e por enquanto solta no espaço.

Existem ministros que não se conhecem. Ministros que foram apresentados a Dilma na hora de ser convidados. Outros, até, escolhidos pelo telefone, sem ter tido oportunidade de apertar-lhe a mão. Estes, empenhados em cumprir as determinações de seu partido, aqueles ainda sem saber direito porque ocuparão o ministério “X” e não o “Y”. Os que serviram o governo Lula e os que pela primeira vez pisam a Esplanada dos Ministérios.

Em suma, até agora um saco de gatos, à espera da palavra da presidente, que já tarda.

PAPAI NOEL DE SACO CHEIO (DE PRESENTES)

Hoje à noite o trenó do Papai Noel sobrevoará Brasília, distribuindo presentes.

Antônio Palocci, da Casa Civil, receberá uma fotografia emoldurada de José Dirceu, para botar na parede. Explica-se: George Smiley, obcecado chefe do Serviço Secreto inglês, tinha em seu gabinete a imagem de Karla, seu principal adversário, chefe da KGB.

Para Gilberto Carvalho, Secretário Geral, um exemplar do livro “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”. José Eduardo Cardoso, da Justiça, a relação dos atuais ministros do Supremo Tribunal Federal que se aposentarão nos próximos anos. Fernando Haddad, da Educação, um CD com a música “Devagar não se chega ao longe”. Guido Mantega uma miniatura do deus Juno, da Grécia Antiga, aquele de duas faces. Wagner Rossi, da Agricultura, um jogo infantil de pá e carrinho de mão. Idely Salvatti, da Pesca, um molinete com anzol e um peixe de plástico. Alexandre Padilha, da Saúde, o estetoscópio que aposentou faz muito. Aloizio Mercadante, da Ciência e Tecnologia, a biografia do Dr. Silvana. Mario Negromonte, das Cidades, a maquete de Salvador dos tempos em que foi capital. Afonso Florence, da Reforma Agrária, um boné do MST. Orlando Silva, do Esporte, reportagens de “Porque perdemos a Copa de 50”. Nelson Jobim, da Defesa, a miniatura do caça F-18. Moreira Franco, dos Assuntos Estratégicos, a última tese de Mangabeira Unger sobre a influência das barbas do camarão egípcio nas correntes do Mar Vermelho.

Nenhum dos novos ministros deixará de receber seu presente, ainda que muitos caiam embrulhados num significativo papel azul, próprio para escrever bilhetes, contendo pirulitos.

No Congresso, Papai Noel despejará pacotes em profusão: uma peruca para José Sarney, uma vassoura para Marta Suplicy, com instruções de Harry Potter sobre como voar, um uniforme do Super-Homem para Eduardo Suplicy, uma estrela de xerife para Pedro Simon, um título de sócio-proprietário da Praia de Ipanema para Aécio Neves, histórias de James Bond para Roberto Requião, detalhados mapas do Chile para Marco Maciel, a biografia do General Custer para Índio da Costa, um exemplar de “Como Era Verde o Meu Vale” para Marco Maia, o filme “Fugindo do Inferno” para Tasso Jereissatti. Para todos os deputados e senadores, como brinde, mensagem escrita em letras garrafais contendo o número IV do artigo 7 da Constituição, onde se lê que o salário mínimo atenderá as necessidades vitais do trabalhador e sua família, como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.

Ao passar sobre o Supremo Tribunal Federal, o Bom Velhinho distribuirá cópias da crônica de um dos Felipes, rei da França, que diante de prolongadíssimo conclave de cardeais para escolher o novo Papa, em Avignon, mandou prende-los numa pequena igreja, da qual retirou o teto. Expostos ao sol, à chuva e à neve, recebendo apenas um pão por dia, para repartir, Suas Eminências logo elegeram um deles. Junto com o texto sutil estará um calendário marcando a protelação, já por quatro anos, do julgamento dos quarenta réus do mensalão, pela mais alta corte nacional de Justiça.
Terá Papai Noel esquecido das duas maiores figuras da capital federal, o presidente que sai e a presidente que entra? Nem pensar, ainda que o segredo pareça desconhecido até dos anões fazedores de brinquedos. Pelos boatos, no entanto, o Lula receberá a coroa que um dia foi de D. Pedro II. E Dilma, a biografia de Margareth Tatcher.


Agencia Edisoncastencio


Os líderes Paulo Bornhausen (DEM), João Almeida (PSDB), Henrique Alves (PMDB) e Cândido Vaccarezza (PT) selam apoio à candidatura do Deputado Marco Maia à Presidência na Câmara no próximo biênio.

De Serafina

Banho no rio Carreiro


Na sexta,24.12 peguei um dia de sol e ainda pude pegar um banho de água ( meio turva) no Rio Carreiro. Pra esta época do ano, o rio até que está cheio.

No nosso tempo de crianças, o rio Carreiro era um lugar distante( apenas 8 km de onde morávamos)mas hoje com asfalto e com carros, chega-se em 10 minutos.

E virou a atração do verão por estas plagas...

Mas nos anos 70,quando esta moda começou, havia mais amadorismo. Hoje já tem problemas de segurança, principalmente à noite.

A infraestrutura em volta do camping do Carreiro, como o chamam por aqui, já está mais organizada. Tem bares, cadeiras pra sentar...

Também o local está bastante arborizado.

Durante o forte do verão tem policiais da BM que fazem o trabalho dentro da Operação Golfilho, porque verdadeiras multidões acorrem pra lá.

O Rio Carreiro 50 anos atrás era apenas um povoado, chamado de povoado dos Cabrais. Isto porque eram negros, que hav iam fugido da Guerra do Paraguai e que adentraram a região de barco.

Até um pequeno cemitério tem na localidade.

Nós os víamos passar em direção a Serafina(povoado) apenas na véspera da Semana Santa quando vinham trazer seus peixes pra vender. Eram jundiás e traíras. Mas as traíras tinham o problema do espinho, apesar de sua carne ser muito saborosa.

Cuidado com as pedras

O cuidado que se tem que ter ao mergulhar no rio Carreiro é com as pedras. Elas são muito resvaladiças e um tombo ali pode ser fatal.

Muita gente morreu afogada no rio Carreiro, principalmente por não saber lidar com a água...

Havia um local, denominado de " Foge" - hoje com a usina de produção de energia este local sumiu - que costumava tragar os incautos que mergulhavam no rio Carreiro. Ali era muito fundo e havia uma espécie de redemoinho....

Segundo um morador antigo de Serafina, João Arroque Filho - 89 anos - quando ele foi vice-prefeito na primeira gestão de 1961 a 1963 quem primeiro se interessou para que a prefeitura municipal construísse um centro de lazer junto ao rio Carreiro foi o então vereador César Picoli Filho.

Ele gostava daquela região e tinha uma propriedade rural nas proximidades..

Com o tempo, seguramente o que chamam hoje de apenas Balneário Carreiro, vai se tornar um pequeno município.

Histórias de La Ùndeze


A morte de Etelvino Stefenon


Neste 26.12 completou-se mais um aniversário de morte do meu tio Etelvino Stefenon - conhecido mais por Telvino - que fazia na vida de tudo um pouco...foi pedreiro, motoristta de caminhão, brigou muito com o patrão Ewaldo Cervieri mas sempre acabavam se acertando no final....

Este meu finado tio morreu um dia depois do Natal de 1983. Meu pai,Alfredo, conta que neste dia foi levar seu fusca numa oficina mecânica para consertos.Era a manhã posterior ao Natal daquele ano.


Ouviu o sino da torre tocando de forma fúnebre. Naqueles anos ainda não havia rádio em Serafina e as mortes eram anúnciados pelo sino que dava badaladas de forma muito triste...Todos sabiam que havia morrido alguém.

- GHEZE anca Telvino Stefenon que el vá in tel casson( Tem também o Etelvino STefenon que vai pro caixão) comentou Sabino Gasparotto que estava na oficina mecânica.
Meu pai saiu de lá e foi lá na casa do concunhado. Encontrou apenas o filho Carlos( Calixsto) sentado na varanda lendo uma revista...

Informou a meu pai que seu pai recém tinha sido levado pro hospital. Ele passara o Natal em casa.

Alfredo pegou seu fusquinha e mandou-se pro hospital. Lá encontrou Maria, sua cunhada e viu que o ambiente não estava bom.
Ela meu a meu pai que fosse buscar imediatamente o irmão do Etelvino que morava na doze( na colônica) porque achava que se demorasse não veria mais o irmão vivo.

Meu pai viu seu concunhado na cama pedindo ao médico Roberto Arroque um melhoral porque estava com muitas dores de cabeça.

- Não posso disse o médico ao paciente, tenho que te dar sangue.

Alfredo mandou-se pra doze buscar o irmão do Etelvino, que trabalhava na roça naquela manhã pós Natal.

Quando chegaram de volta ao hospital, o pintor,carpinteiro,pedreiro já tinha falecido.
Foi com ele que fiz minha primeira grande viagem de caminhão: foi a Caxias.

Me impressionou lá a casinha do Abramo Eberle encima de um edifício na avenida Sinimbu.
Era verão (fevereiro ou março) porque lembro dos grandes parreiras ao longo da rodovia cobertos de uva madura.

E na volta ainda pegamos um galetinho al primo canto que comemos em Farroupilha.

Acho que o dinheiro que levei acabou antes da hora e meu falecido tio me pagou o que faltava.

Por isto quero lembrar sua memória neste aniversário de sua morte.

Programa de findi


Pra quem ficar em Porto, poucas opções culturais, afora cinemas....


De minha parte, espero tomar banho nas águas do rio Carreiro!


o rio Carreiro e sua ponte, que liga Serafina a Nova Bassano, na serra gaúcha. Ali ainda se pode tomar banho.

Um Natal numa padaria....


( memórias)


Em 1975, eu trabalhava fazendo bicos numa padaria do bairro Monterico, em Lima, no Peru. Morava numa casa onde as coisas não andavam assim tão maravilhosas, em termos de grana...Não vem muito ao caso contar detalhes mas a situação era esta.


Pois no dia 24 de dezembro daquela já distante ano fiquei na padaria de Monterico trabalhando normalmente. Fechamos a padaria eram quase 10 da noite e ainda havia gente que ia comprar alguma coisa lá. Claro, tinha gente que havia mandado cozinhar peru e outros comestíveis.


Assim que fechamos as portas, o gerente, ou dono( era um borracho, um italiano, que bebia três litros de uísque por dia) mandou a gente pegar tudo o que tinha sobrado de pão e frios em geral. Pegamos aquilo e repartimos. Quando cheguei em casa com aquela comilança o pessoal fez um tri jantar com aquilo. Não havia muita sofisticação ali, mas me deu a entender que foi um dos melhores natais que passaram, talvez até melhor de quando aquela família tinha vivido em grandes farturas, que era o que me contavam e que deve ter sido verdade pelos vestígios de riqueza(como móveis) que aquela casa de dois pisos ainda conservava....

FLAVIO PEREIRA


Segundo li em algum lugar, o Flavio Pereira foi para a Guaíba, etc...

sergio oliveira
charqueadas - rs

Tarso recebe Lula na sua última visita ao RS como presidente

 



Nem a chuva que atingiu o litoral norte nesta quarta-feira (22), atrapalhou a festa montada para receber o presidente da República. Faixas, camisetas, bandeiras e cartas foram algumas das formas encontradas pelos gaúchos e gaúchas, que participaram da cerimônia de conclusão das obras de duplicação da BR 101 no Rio Grande do Sul, para homenagear Lula na sua última visita ao Estado, antes de deixar a presidência da República.

Um dos momentos mais emocionantes aconteceu durante a solenidade. O jovem Luan Peterson quebrou o protocolo após cantar a música Querência Amada, uma das preferidas de Lula. "Presidente, o senhor mudou as nossas vidas", disse o adolescente enquanto abraçava o presidente.

Mesmo com a surpresa, o discurso do presidente também comoveu muita gente. Lula relembrou o período de sindicalista e suas primeiras visitas ao Rio Grande do Sul, ocorridas na década de 70, quando conheceu Olívio Dutra e Tarso Genro. "Eu não podia deixar a Presidência sem me despedir de vocês. Estou agradecido, de coração, ao carinho que vocês gaúchos me deram. Não seria eu, se não fosse o povo gaúcho entrar na minha vida", destacou.

Lula aproveitou para fazer um balanço das obras realizadas no Rio Grande do Sul e garantiu que os investimentos previstos no PAC 1 e no PAC 2 vão continuar mudando os municípios do Estado. "O povo brasileiro ter eleito a Dilma é uma homenagem ao povo gaúcho".

Antes do ato em Maquiné, Lula, Tarso Genro, Beto Grill, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, entre outras autoridades, percorreram caminhando os mais de 1800 metros do túnel em Morro Alto, última obra antes da conclusão da duplicação da BR 101. O presidente lembrou que com o término das obras a tendência é que os acidentes graves diminuam na rodovia.

O governador eleito, Tarso Genro, aproveitou a solenidade para também homenagear Lula e comemorar o fato dos brasileiros terem escolhido como presidenta alguém que integrou o seu governo. "Temos absoluta convicção de que com o governo da companheira Dilma, que é também a continuidade do seu governo, o Rio Grande do Sul vai continuar sendo um Estado de crescimento, de movimento e de distribuição de renda. É o Rio Grande do Sul, do Brasil e do Mundo", ressaltou Tarso ao agradecer Lula pelos investimentos realizados pelo Governo Fedreal nos últimos oito anos.

FOTOS: CACO ARGEMI

"O CHIARELLI DAS ESQUERDAS"


CACO ARGEMI

o deputado federal (PSB) Beto Albuquerque, com a sacola à tiracolo


Pela sua capacidade e talento de criar uma notícia, o veteran repórter político João Carlos Terlera apelidou o deputado federal Beto Albuquerque de CHIARELLI DAS ESQUERDAS.

Isto porque Terlera que acompanhou a vida de uma geração de políticos,entre os quais, o de Carlos Alberto Chiarelli sabia o talento que o político de Pelotas tinha em ser manchete de jornal.
]
Observando a trajetória de Beto Albuquerque, Terlera, já encontrou um epíteto pra deputado de P.Fundo; CHIARELLI DAS ESQUERDAS.

Quem conhece o deputado federal sabe que ele é todo "puritano".Estes tempos ele vinha dirigindo a 30 km por hora pela Tabaí-Canoas que era justamente pra dar exemplo.

A primeira vez que ouvi falar no nome de Beto Albuquerque foi no fim da década de 70, ou começo da década de 80. Havia um princípio de greve entre os rodoviários do Estado e os ônibus da Unesul andavam tendo pneus furados nas rodovias.

Havia um boato de que o sindicalista,ou vereador de P.Fundo, Beto Albquequerque estaria metido naquele movimento paredista.

Depois seu nome cresceu e se tornou o político conhecido que é hoje a nível nacional.

Fotos pré-inauguração do "Café da Imprensa Livre"

Fotos enviadas por Alfonso Abraham


A NOVA POLÍTICA DOS GOVERNADORES

Por Carlos Chagas


A semente foi lançada pelos oito governadores do PSDB, parece que germinará em outros partidos, compondo um jardim de flores diversas, mas com o mesmo perfume. Até os governadores do PT dispõem-se a integrar o conjunto dos que pretendem relacionar-se com a presidente Dilma Rousseff falando uma só língua. Qual? A de que estão prontos para colaborar com o novo governo, desde que recebam igual tratamento por parte do palácio do Planalto. Nada de chegarem a Brasília de chapéu na mão, muito menos para receber reprimendas e admoestações.

Não se fala do retorno à velha política de governadores, sequer da divisão regional entre eles, como por exemplo os do Nordeste reivindicando uma coisa, os do Norte, outra, e assim por diante. O quadro em vias de ser montado será nacional. O que for bom para uns será bom para outros.

A primeira questão que poderia separar os governadores está sendo equacionada satisfatoriamente. Trata-se da divisão dos recursos gerados pelo pré-sal. Pela proposta do deputado Ibsen Pinheiro, partes iguais do lucro futuro seriam destinadas a todos os estados. O presidente Lula vetou a cláusula de igualdade, permitindo que São Paulo, Rio e Espírito Santo, estados com litoral aberto à nova riqueza, venham a ser melhor aquinhoados que os demais. Não perderão a receita atual e a prevista. A novidade em termos de união dos governadores é que os outros não deverão protestar nem mobilizar suas bancadas para derrubar o veto do presidente, de resto apoiado pela sucessora. Afinal, as despesas aumentaram e muito mais aumentarão nas cidades e regiões onde a indústria, os serviços e congêneres petrolíferos se instalaram e se instalarão. É natural que Sérgio Cabral, Geraldo Alckmin e Renato Casagrande reivindiquem mais dinheiro por conta das estradas, habitações, escolas, hospitais, portos e sucedâneos que necessitam implantar para enfrentar o novo desafio, incluindo o vertiginoso aumento das populações nos locais escolhidos para processar o petróleo recém-descoberto.

Por enquanto as conversas entre os governadores tem sido promissoras, independentemente das filiações partidárias. Admite-se, até, que no correr de janeiro venham a definir uma data para se apresentarem juntos, na capital federal, para diálogo comum com a nova administração. Aliás, juntos estarão pela primeira vez na posse da presidente, ainda que diluídos entre ministros, convidados e a emoção da cerimônia. Tanto os 14 eleitos quanto os 13 reeleitos demonstram bons propósitos. Resta saber até quando, registrando-se apenas uma disputa entre eles: qual será o primeiro estado a ser visitado por Dilma Rousseff, como presidente da República?

O BENEFÍCIO DA DÚVIDA

Composto o novo ministério, não há como deixar de concluir ter sido o ministério possível, não o ideal. É cedo para saber se será o “ministério da experiência” de que falou Getúlio Vargas pouco antes de assumir, em janeiro de 1951. Pode ser, mas, ao menos por enquanto, cada um dos ministros terá oportunidade de revelar-se competente. O diabo é que uns logo demonstrarão ser mais competentes do que outros. Ignora-se a mecânica de funcionamento do novo governo, isto é, se Dilma Rousseff despachará com todos os ministros, habitualmente, ao contrário do que fez o presidente Lula. O mais provável é que pelas manhãs reúnam-se com ela os ministros da casa, com gabinete no palácio do Planalto, mais os comandantes da política econômica, mas nem isso parece resolvido.

À ESPERA DO PLANO DE GOVERNO

Tirante as generalidades expostas durante a campanha, está a presidente Dilma Rousseff devendo um documento ou um pronunciamento onde particularizará suas metas de governo. Suas prioridades, objetivos e propostas nos diversos setores, do econômico ao financeiro, do social ao do desenvolvimento, segurança, saúde e educação, entre outros. Na República Velha esse conjunto chamava-se “plataforma”, lida durante um banquete encasacado na presença de líderes políticos. Alguns presidentes, quando ainda candidatos, como Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas, expunham seus planos e projetos nesse período. Outros, já eleitos, antes de assumir, como Fernando Henrique. Alguns, como Jânio Quadros, deixavam para depois da posse. Quanto a Dilma Rousseff, permanece a dúvida, ainda que faltem nove dias para ela receber a faixa presidencial.

ONDE PESCAR?

O presidente Lula já terá decidido, mas não conta para ninguém onde passará as primeiras semanas depois de deixar o poder. Fala-se em férias numa praia do litoral do Nordeste ou numa fazenda do Pantanal, à beira de um rio. Viajar para o exterior parece fora de cogitações, mas voltar direto ao apartamento de São Bernardo seria tornar-se prisioneiro, sem poder sequer descer à calçada. Como assinalamos dias atrás, não haverá um jornal que não venha a criar uma nova editoria para acompanhara os passos do ex-presidente.

Bares que viraram lenda!

GALETO DO MARRETA

frequentadores do MARRETA em dia de grande festa!


fICAVA NA RUA jOÃO oBINO, 383( seu fone era 334.23.83) onde hoje está o UNIÃO.

aLI GERAÇÕES TOMARAM CONTATO COM O GALETO AL PRIMO CANTO....

o FUNDADOR DO GALETO DO MARRETA FOI ALÉCIO BRUM, muito conhecido em Porto Alegre, falecido em 1991, que tinha o estranho apelido de MARRETA PORQUE ERA BOM LUTADOR DE Catch( box).

Leonel Brizola era fã do Marreta e sempre que vinha a Porto Alegre ia lá.

Durante muitos anos foi a mais tradicional galeteria da cidade.

Tinha quase 40 anos de funcionamento, quando fechou.

Seu nome é tido como a primeira casa onde foi implantado o galeto al primo canto, em Porto Alegre, costume trazido da região de Farroupilha, Caxias. É que lá os gringos tinham o costume de comer passarinhas e quando os passarinhos escassearam, começaram a criar os galetinhos pra abatê-los e comê-los ainda novos.

Por isto " al primo canto"...

Pois no galeto do MARRETA se comia o famoso galetinho al primo canto e dizem que com apenas 28 dias.

Tinha um tempero particular.

A receita deste tempero sempre foi secreta,quase um segredo de Estado.

O galetinho al primo canto vinha acompanhado de polenta, radicce( os gringos adoram um radicce,sabem como prepará-lo mas há uma espécie de radicce,ruim, que na colônia italiana tem o sugestivo título pejorativo de piça can ( mija cachorro).

O galeto do Marreta tinha uma massa ao suco espetacular,segundo quem a experimentou. Também o risoto de galinha era famoso.

Havia ainda um um buffet com grande variedade de verduras,saldas e conservas.


Confirmadissimo!!!

Segundo novas versões, o colega André Pereira seria mesmo o novo Superintendente de Comunicação Social na ALE na gestão do deputado Adão Villaverde, o " Villa"(PT).


Aniversários


Hoje aniversaria a secretária do Carlos Chagas, que sempre manda as matérias aqui pra gente e pros leitores, a Jeane Morais. diz ela que faz aniversária, hoje,. 24/'12 ' EU E JESUS!!!" ESTA É BOAZINHA....


NO DIA 25/12 aniversaria a Rosa Loureiro, aqui da salinha JCTerlera(ALE),- ela só não disse quantos anos faz - a médica Glaci Loureiro ( irmã do deputado Adroaldo Loureiro, do PDT), nascida no interior de Santo Ângelo e o Natalino Morandi ( lá da capela São Pedro, de Serafina Corrêa)....

Um Natal (triste)

em Garopaba


No começo dos anos 70, passei um Natal xarope....

Fui pruma praia que era uma beleza naqueles anos, ninguém a conhecia,ainda. Garopaba. Meia dúzia de casebres de pescadores e aquela baía lindissima, com as águas espelhando a lua de noite....

Mas passei o Natal todo me xaropeando com minha namorada da época. Era briga encima de briga. Não sei o que aquela mulher tinha pra ter tanto azedume na vida...

E nós ali sentados na escadinha aquela que dava pra capelinha da Igrejinha de Garopaba que está lá até hoje, pelo que sei....

E dê-lhe briga...e dê-lhe briga...

Faz tanto tempo, mas além daquele marzão ficou na minha memória as brigas de um Natal de Garopaba....


Dois Natais da infância, dois natais

com decepções....


Na infância, Natal era sinônimo de alegria, de presentes. Não sei como um carrinho de madeira podia ter tanto sentido. Somente a inocência da infância pode proporcionar isto, ou o afeto dos pais...

Recordo que ia com meu irmão mais velho depois que ganhávamos os pequenos carrinhos de madeira até o parreiral buscar uvas, porque no Natal, a uva cor de rosa, já estava madura...E enchíamos aqueles carrinhos de uvas...Ou então quando pintava uma bola, mesmo que fosse de boracha, colorida, era a nossa alegria....


Mas houve dois natais decepcionantes...Um num dia de Natal que acordamos e fomos ver nossos presentes. Mas notamos que os pais da gente estavam chateados...È que havia morrido uma vaca de leite, de carbunculo...Aquele foi um Natal xarope, também


E outro xarope foi quando descobrimos que eram os pais que nos davam os presentes e não aquela imaginação que nós havíamos criado...aquela fantasia....

- Isto os pais contam mas são nós que compramos, me lembro que meu pai,ainda vivo, nos disse.

Foi chato saber que aquilo tudo era uma ilusão.

Depois a vida me ensinou a quebrar outras tantas ilusões....


Inscrições ao Prêmio Açorianos de Música vão até o dia 29/dez.



Estão abertas até 29 de dezembro de 2010 as inscrições para o Prêmio Açorianos de Música 2010.

As fichas, incluindo CDs ou DVDs, devem ser entregues à Coordenação de Música da Secretaria Municipal da Cultura, na sala 606 (6ºandar) da Usina do Gasômetro (Av. Presidente João Goulart, 551), de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h.

Informações, Ficha de Inscrição e Regulamento
No site da Secretaria Municipal da Cultura (www.portoalegre.rs.gov.br/smc).
link direto (http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smc/default.php?reg=166&p_secao=184).

Mais informações podem ser obtidas pelos fones (51) 3289-8119 e (51) 3289 8153, ou pelo e-mail cm@smc.prefpoa.com.br.


COMO FUNCIONA?

Pode ser inscrita toda produção musical gaúcha dentro dos padrões de qualidade e de produção industrial comprovadamente lançada e/ou divulgada em Porto Alegre durante o ano de 2010.

Em cada Gênero da Categoria Disco (Pop & Rock, MPB, Regional, Erudito, Instrumental, Rap, Reggae e Blues/Jazz), são premiados compositor, intérprete, instrumentista e disco (no gênero musical rap, a categoria melhor instrumentista será substituída pelo melhor DJ).
Independente de gêneros, também são premiadas as categorias DVD do Ano, Espetáculo do Ano, Homenageado do Ano, Arranjador, Projeto Gráfico, Disco do Ano, Revelação do ano, Melhor Disco Infantil, Produtor Musical, Produtor Executivo e Menções Especiais, definidas pelo grande júri.
A cerimônia de entrega da premiação acontece em abril de 2011.


O QUE É NECESSÁRIO PARA INSCRIÇÃO?

Na Categoria Disco
- 3 exemplares do CD
- Material que comprove apresentação/divulgação
- Ficha de inscrição (retirada e preenchida no ato da inscrição ou no site da SMC)

Na Categoria DVD
- 24 exemplares do DVD (sendo 21 por empréstimo e devolvidas após a premiação, 3 não serão devolvidas integrando o acervo da Coordenação de Música).
- Ficha de inscrição (retirada e preenchida no ato da inscrição ou no site da SMC)

Na Categoria Espetáculo
- 24 cópias do registro audiovisual do show. (sendo 21 por empréstimo e devolvidas após a premiação, 3 não serão devolvidas integrando o acervo da Coordenação de Música).
- Ficha de inscrição (retirada e preenchida no ato da inscrição ou no site da SMC)



CRONOGRAMA DO PRÊMIO

Novembro de 2010 Publicação do Edital.
Dezembro de 2010 Divulgação e nomeação dos integrantes da Comissão Julgadora
Janeiro e Fevereiro de 2011 Reuniões da Comissão Julgadora
Março de 2011 - Divulgação dos Indicados na Categoria Disco
- Reuniões da Comissão Julgadora.
Abril de 2011 - Divulgação dos Indicados nas Categorias: DVD, Espetáculo, Melhor Disco Infantil, Arranjador, Produtor Musical, Produtor Executivo, Projeto Gráfico, Revelação do Ano.
- Reuniões da Comissão Julgadora.
- Solenidade de entrega dos Prêmios


---
DIVULGAÇÃO
Coordenação de Música



AS MENTIRAS DO SERGINHO

ROSS

Serginho Ross e Assis Hoffmann, fotógrafos da revista MANCHETE com os militares que em '1965 estavam caçando os guerrilheiros no Paraná.( Acervo Sergio Ross)

( 1 ) o touro perseguiu o soldado

que se encarrapitou encima de uma árvore!

Vou começar uma série de matérias sobre algumas lorotas que o Serginho inventa sobre sua já tão longa trajetória de repórter e fotógrafo e que eu finjo que acredito...

Ainda bem que ele paga a ligação do telefone...

Esta aqui trata de quando ele e o colega Assis Hoffmann foram pela Manchete cobrir o movimento guerrilheiro - este existiu,sim - do cronel do Exército Jefferson Cardim Osório e do ex-sargento da BM, Alberi Vieira dos Santos.


Negócio seguinte: os dois eclodiriam um movimento guerrilheiro, comandado do Uruguai por Leonel Brizola, que na hora H, quando viu que daria pra trás, tirou seu cavalinho da chuva, deixando os 23 guerrilheiros a ver navios...

Pois o Cel Jefferson tomou a rádio de Três passos, a Difusora, que era do Amaralzinho de Souza, as tres da matina, leu um manifesto - ainda existe a cópia que está nos autos do processo que moveram contra ele - e seguiu com tropas em direção a Foz do Iguaçu...

Serginho Ross e Assis foram atrás do movimento guerrilheiro pra fazer fotos pra Manchete.

No Paraná, os guerrilheiros eram caçados pelos milicos, como se caça lebre...Uns fugiram pro mato...

Mas os soldados faziam varreduras nos matos pra tentar descobrir os guerrilheiros que tinham se amocozado nos matagais. E num destes lances, veio um touro furioso e tentou matar vários soldados...(isto segundo conta o Serginho, eu temo que isto seja uma invenção dele)

O soldado se encarapitou todo pra cima de uma árvore e o touro furioso lá embaixo dando com os cornos no tronco da árvore...tentava derrubá-la mas não dava.

Aí como o colega não voltasse, os demais foram atrás dele ....E encontraram aquela situação: o colega trepado na copa das árvores e o touro lá embaixo furioso...

Quando os outros gritaram , o soldado que estava trepado na copa gritou lá de cima

- EU FUI TREINADO PRA CAÇAR GUERRILHEIROS, NÃO TOUROS!




Memória

DE São Borja


Ponte completou 13 anos....


a travessia do rio Uruguai, de balsa,no bairro do Passo, antes da construção da Ponte da Integração. Acervo de Marcos Teló( São Borja/RS)


Os construtores da ponte....Marcos Teló, o prefeito de São Borja, Maurer,aspectos da ponte no período da construção( acervo de Marcos Beló)


Tenho uma pequena participação na ponte São Borja/Santo Thomé. Eu sei que muita gente reivindica pra si aquela ponte( na verdade os verdadeiros autores são os operários que a construíram) mas tenho ali uma pequena contribuição...A ponte completou 13 anos agora no dia 9 de dezembro último, ela que foi inaugurada numa sexta-feira pelo presidente Carlos Menem, da Argentina e FHC, do Brasil.

Era uma sexta,lembro bem do dia da inauguração, porque acompanhei pelo rádio.

Acontece que minha pequena participação advém do fato de que em 1988, quando era governador Pedro Simon, o secretário Adão Faraco inventou uma viagem a Antofagasta, que o Barrionuevo do Correio do Povo, apelidou de EXPEDIÇÃO MARCOPOLO. E o apelido foi tão ferino que pegou....

Barrio estava mordido porque ninguém do Correio iria naquela viagem. Eu me intrometi na viagem, disputei uma vaga naquela camionete e acabei levando junto também o fotógrafo Antônio Pacheco.

Bom, mas a viagem tem muito a ver com a ponte. Aquela viagem entre outros pedidos, como os da Comissão Pró Ponte de São Borja, serviu de embasamento para que depois de alguns anos ela fosse construída sob forma de concessão por um conglomerado de empresas.

Segundo leio na Folha de São Borja, a empresa Mercovia, que a administra, já contabilizou desde a inauguração a passagem de 2.506.777 veículos pela ponte da Integração.

São 503.975 veículos de turistas ou de trânsito internacional e 1.491.556 de trânsito vicinal, isto é, Santo Thomé/São Borja e vice-versa e 511.246 caminhões nas operações de importação/exportação.
Em 1988, naquele começo de ano ( ainda fazia muito calor) quando atravessamos o rio Uruguai em direção a Santo Thomé naquela comitiva de engenheiros que iam anotando tudo o que viam ao longo da rodovia era de balsa que se fazia a travessia.

Agora a ponte mudou todo o panorama regional. As faculdades de Medicina em Santo Thomé prosperam porque estão lotadas de brasileiros. É que lá não se precisa fazer vestibular.

O Natal dos outros....


Flávio Alcaraz Gomes conta em seu livro Diário de um Prisioneiro que no seu primeiro Natal como preso, recebeu de tardezinha a visita de Maurício Sirotsky que foi lá levar-lhe conforto.


Maurício estava acompanhado de sua mulher e de uma filha,segundo Flávio.

E que a visita, que tinha que ser rápida, acabou se demorando numa longa conversa...

A sensibilidade do fundador da RBS deve ter visto que o amigo estava precisado,ali,na situação e que ali ele seria mais útil...

E saíram do Presídio Central,quase a meia noite....


Recuerdos de Roma(memória)


Pois assim que saímos de Cortina Dampezzo, como ia contando, era já altas horas e eu e o Caco(Barcellos) resolvemos comprar um jornal. E mesmo no centro de Roma era fácil. Havia uma janela pela qual vendiam o jornal que estava rodando na gráfica....

Ainda perambulamos por aquelas ruelas centrais de Roma até alta hora da madrugada de segunda....

Depois de mais alguns dias naquele trânsito caótico de Roma( o caco tinha alugado um carro) - fomos ao Vaticano, mesmo - seguimos rumo ao Norte, onde nos impressionou a antiguidade de Siena.

Começamos a deixar ali o mau humor dos romanos. Recordo que quando ia em direção a Roma, eu muito xucro, perguntei a um cara ,sentado, se aquele trem ia até o centro de Roma. Muito mal educado, ele me disse que o final da linha era dentro do Vaticano...

E eles todos no trem ouvindo a tombola, ou seja, a loteria esportiva italiana, porque italiano é muito mafioso, gosta de um jogo pra caramba.

Outra coisa que me impressionou em Roma: se tu não cuidava, eles nunca te davam o troco certo. Sempre a menos, aliás isto em toda a Itália, fazendo jus aquela ditado que diz que a diferença entre o judeu e o Italiano é que os dois vendem a mãe, mas o italiano não a entrega...(vai ver que é pra vender de novo)

Em Siena ficamos num hotelzinho super aconchegante. A cidade naquele 1986 era velha e sem turistas.

Tarso Genro anuncia novo secretário de Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico


O governador eleito anunciou em coletiva na tarde desta quinta-feira (23) que o professor Cleber Prodanov será o titular da Secretaria de Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico. Jorge Guimarães, que havia sido convidado por Tarso para assumir a pasta, permanecerá à frente da Capes, em Brasília. A entrevista foi realizada na Assembleia Legislativa.
Cleber Cristiano Prodanov - Graduado em História pela Unisinos, mestre e doutor em História Social pela USP, é gestor do Parque Tecnológico do Vale do Sinos e presidente do Conselho Superior da Associação de Desenvolvimento Tecnológico do Vale. É professor titular da Feevale, onde atua também no corpo permanente do Programa de Pós-graduação de Processos e Manifestações Culturais. Integra o grupo de pesquisa Cultura e Memória da Comunidade, onde desenvolve estudos sobre elementos culturais e identidade das comunidades regionais, além das manifestações simbólicas e seus aspectos sócio-históricos. Exerce também as funções de pró-reitor de Pesquisa e Inovação da Feevale, diretor do Museu Nacional do Calçado e secretário executivo do Diretório Nacional do Fórum de Pró-reitores de Pesquisa e Pós-graduação (Foprop). É natural de Canoas e 49 anos.

Foto: Caco Argemi

Tarso com o novo secretário, além do prefeito de NH, Tarcisio Zimmermann e do reitor da Feevale, Ramon Fernando da Cunha


Mais informações em www.blogdotarso.com.br e www.rs13.com.br
twitter.com/tarso13
(051) 3323 8900


O Natal dos outros.


Localizei rápido o livro Prisioneiro 39.310 Profissão repórter, da LPM EDitores, o diário do presídio do Flávio Alcaraz Gomes. Pois seu Natal, em que recebeu a visita do Maurício Sobrinho e esposa foi em 24 de dezembro de 1981,Era o primeiro Natal na cadeia do Flávio e ele conta


24 DE DEZEMBRO DE 1981

LEVANTO ÁS SETE , AMARGURADO. EM VEZ DE CORRER, FICO SENTADO NO BANCO,OLHANDO FIXO PARA A SILUETA DA CIDADE, LÁ NO ALTO LONGÍNQUA, INATINGÍVEL.

O SOL QUEIMA.


SUBO.

ESTOU COM UM NÓ NA GARGANTA. MESMO FAZENDO FORÇPA PARA EVITAR , O NATAL ME AFETA.

PEGO UM BALDE, ENCHO DE ÁGUA. LAVO O CHÃO.

SAÍ UM CALDO IMUNDO.

DEZ DA NOITE

LÁ VÃO A MARIA CLARA, O ALCIDES, A IONE E O MAURÍCIO SIROTSKY E SUA FILHA SUZANA.

VEJO-OS ENTRAR NO CARRO, ME ABANAM. RECOLHO OS SPRATOS E OS COPOS, BOTO TUDO DENTRO DE UM BALDE. ABRO O ARMÁRIO, TIRO OS LENÇÓIS, FAÇO A CAMA. ME DEITO. NÃO MUDEI EU. MUDOU O NATAL. FOI O MAIS FELIZ QUE PASSEI NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS.


Rodoviária....


São quase 6 da tarde, desta quinta....a rodoviáriade Porto Alegre borbulha de gente....

Feriadões são sempre assim: todos querem ir para seu destino, achando que tudo acontecerá como imagina. Nem sempre é assim....

Mas tem muita gente evitando a rodoviária: contratam ônibus e vão pras suas cidades de destino, bem mais barato.


ASSISTÊNCIA SOCIAL


Crédito : DECOM/PSB


Despertando Valores realiza sua festa de natal



A Secretaria do Trabalho, Assistência Social e Cidadania realizou na última quarta-feira (22/12) a festa de natal para as crianças atendidas pelo projeto Despertando Valores. No evento, que contou com a presença do Papai Noel, foram distribuídos presentes e doces doados pelos padrinhos, pessoas da comunidade que se dispuseram a ajudar.
A programação iniciou com almoço que reuniu as crianças e os pais no Restaurante Popular. Ainda na parte da tarde, as crianças participaram de atividades recreativas e apresentações culturais com familiares e convidados.

Durante este ano, os integrantes frequentam o projeto em horário inverso ao da escola de segunda à sexta-feira. As atividades abrangeram as crianças e também os pais. As crianças participam de ações educativas diversas, desde reforço escolar, oficinas de músicas, artesanatos, informática, dança, alimentação e atendimentos especializados. Já os pais, participaram de ações junto aos CRAS – Centro de referência em Assistência Social.

Para os meses de janeiro e fevereiro, em função das férias escolares, o projeto irá desenvolver uma colônia de férias. As crianças irão participar de atividades de lazer e recreação no horário entre nove e 18 horas. “A ideia é para que as crianças permanecem no projeto e não tenham tempo de ir às ruas”, explica a psicóloga Gladecir Caetano, coordenadora do projeto.

Denominado “Despertando Valores”, a iniciativa faz parte do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) e atende a 67 crianças na faixa entre seis e 14 anos. Estão inseridos no projeto as crianças que se encontravam em situação de trabalho infantil, risco social ou vulnerabilidade social, todos beneficiários do Programa Bolsa Família. Após completar 14 anos os jovens são encaminhados ao projeto “Projovem Adolescente”, mantido também pela secretaria, informa Gladecir. Segundo ela, seis adolescentes do Despertando Valores deverão estar inseridos na nova etapa do Projovem, com abertura marcada para março de 2011.



Missa


O Mauro Rocha confirma desde Sarandi confirma que mandou rezar uma missa de sétimo dia pela morte do Inter!(fazer o que?)

Não. mas mandei rezar duas..........uma pelo INTER e outra pelo
LIVERPOL DO URUGUAI.......te vedaré em 2011 !!!!!!!!!!!!!!!!

Mauro

Prof. Mauro Santos Rochas

Diretor - UPF Sarandi

 

Serginho manda notícias!


Dia 29 à noite,estarei aí. Sei que o Plazinha vai estar fechado,mas já arrumaram um outro hotel para mim. É claro que não vou te dizer. Se eu não for dia 30 para o Imbé,vou te convidar para almoçar. Mas eu vou indicar o restaurante. Tú não tem gosto para comidas e nem dinheiro para pagar o que é bom.
Quanto a falta de matérias é que estou trabalhando feito um louco para receber uma graninha para gastar no Imbé. Depois te conto...
Por falar em te conto: estou com uma historia sensacional. Mas só vou te contar pessoalmente,pois tudo o que eu falo por trelefone tu tens a mania de escrever no teu blog e escrever como a tua cara. Tudo errado e mal escritro...
Sobre essa historia que tenho,tu vais ter que me engolir. Tu e muita gente boa daí. Quando eu escrevi,tu me gozou e me chamou durante muito tempo de mentiroso. Quando souberes,só vou querer ver a tua cara...ha!ha!ha!...
Pô Brasília está uma "lerda". A cidade nos finais do ano, se enchia de luzes. Era uma festa.Como roubaram todo o dinheiro que
tinha em caixa,comprando panetones, a cidade está as escuras. Não tem uma luzinha.Fiz umas fotos das arvorezinhas que o GDF mandou iluminar,que são umas piadas...Que coisa mais triste...

CRÍTICAS JUSTAS, SILÊNCIO INJUSTO

Por Carlos Chagas

Certas coisas, não dá para entender ou entendemos muito bem. Na segunda-feira, discursando para os novos generais que lhe foram apresentados, o presidente Lula não poupou os Estados Unidos. Disse coisas que se não justificariam o rompimento de relações nem a chamada do embaixador americano a Washington, pelo menos determinariam uma nota ou comentários de protesto. Para o primeiro-companheiro, enquanto os Estados Unidos exercerem o papel de tutores de Israel, não haverá paz no Oriente Médio. Mais ainda: as Nações Unidas não podem mais ficar à mercê do grupo recém-saído da Segunda Guerra Mundial. O planeta mudou, não dá para os cinco integrantes permanentes do Conselho de Segurança decidirem tudo. Outros países devem ter assento igual naquele colegiado, como Brasil, Índia, Alemanha e Japão, por exemplo.

Naquela mesma noite os telejornais abriram espaço e tempo para o pronunciamento presidencial. Esperava-se que os jornais, no dia seguinte, não apenas divulgassem as críticas do “cara”, mas comentassem suas consequências, tanto faz se a favor ou contra. Pois bem: nem uma linha. Nada. Significou o quê, esse silêncio? Provavelmente, pela secular linha adotada pelos nossos jornalões, a vontade de continuar agradando nossos irmãos do Norte, não publicando críticas até justas aos Estados Unidos. O Lula, afinal, teve razão em dizer o que disse.

Resta aguardar, agora, se haverá alguma retaliação. Quem sabe o cancelamento da vinda de Hillary Clinton à posse de Dilma? Improvável, porque a diplomacia americana está de olho no futuro e ficou até feliz pela troca de Celso Amorim por Antônio Patriota. De qualquer forma, é bom aguardar.

DISCO VELHO

Insiste o presidente Lula em repetir um disco velho e desafinado. Ainda esta semana voltou a acentuar que em 2005 as oposições tentaram afastá-lo do governo, votando seu impeachment por conta das denúncias do mensalão. Falou, a um grupo de dirigentes do PT, que na época tomou a determinação de não repetir nem Getúlio Vargas, que se matou, nem João Goulart, “que renunciou”.

Começa que o Jango não renunciou. Foi deposto pelos militares. Depois, porque a hipótese dele ser impedido era inteiramente inviável. O Congresso, no qual o Lula dispunha de maioria, jamais votaria a cassação de seu mandato. Acresce terem sido apenas dois ou três senadores do PSDB a aventarem a hipótese, mais para provocá-lo do que para obter algum resultado.

Mesmo assim, o presidente já repetiu mil vezes haver sofrido a tentativa de um golpe, mas que iria para as ruas e para as favelas, onde ninguém o derrotaria, apoiando-se no povo. Parece fantasia, à maneira dos Cavaleiros de Granada, aqueles que alta madrugada saíram em louca cavalgada, brandindo lança e espada. Para que? Para nada.

O que importa nessa história é o mensalão, do qual jamais o presidente se valeu mas que aconteceu, até gerido pelo seu então chefe da Casa Civil, conforme acusação do Procurador Geral da República. Não vai ser fácil desfazer a trama, nem reduzi-la a uma simples coleta de dinheiro para pagamento de dívidas de campanha. Foi roubalheira mesmo. Lambança das grandes.

E AGORA?

Nestes últimos dias de glória, aliás, justas, o presidente Lula declarou que nem um centavo dos recursos destinados ao PAC seria cortado do Orçamento. Na ocasião, chegou a passar um pito no atual e futuro ministro da Fazenda, Guido Mantega, que aventou a hipótese.

Pois vem agora a nova relatora do Orçamento, Serys Slhessarenko, e ao preparar o texto final, reduz de 43,5 bilhões para 40,15 bilhões o montante destinado àquelas obras. São pouco mais de três bilhões de corte. Como a senadora é do PT, a equação fica um pouco mais complicada. Logo virão as explicações de que não foi bem assim, mas foi.

Resta saber o que acha a nova presidente, Dilma Rousseff. Porque se é para cortar gastos, certamente ela não se oporá...

CHANCES PARA VIRGÍLIO

Antes mesmo de ser derrotado na tentativa de reeleger-se o senador Artur Virgílio viu-se acometido de prolongada pneumonia, da qual se recupera. Por isso veio apenas uma vez a Brasília, permanecendo em Manaus até o restabelecimento completo. Só que existe outra razão para ele ficar no Amazonas: corre no Tribunal Regional Eleitoral processo para impedir a diplomação ou a posse do senador Alfredo Nascimento, reeleito e já escolhido pela presidente Dilma para retornar ao ministério dos Transportes. As acusações envolvem irregularidades na campanha. Caso o novo ministro se veja arcabuzado, seria substituído por Artur Virgílio, no Senado.


Duhalde lança candidatura a presidência da argentina 2011

Gelson Farias



Eduardo Duhalde: a hora e esta...

O ex-presidente Eduardo Duhalde (2002-2003) vai apresentar sua pré-candidatura à presidência da República. Duhalde, um dos líderes do Peronismo Federal, também denominado de "Peronismo dissidente", fará o lançamento ao cargo de presidente da argentina logo após as festas de fim de ano. As eleições presidenciais serão realizadas daqui a dez meses, em outubro de 2011. O ex-presidente pretende reunir dez mil pessoas no centro de convenções Costa Salguero em Buenos Aires.

Duhalde integra o setor do partido Justicialista (Peronista) que reúne os peronistas insatisfeitos com os governos do ex-presidente Néstor Kirchner ( recentemente falecido ) (2003-2007) e sua mulher e sucessora, a presidente Cristina Kirchner. Duhalde critica o intervencionismo estatal do governo Kirchner na economia, o crescimento da criminalidade nos últimos anos e a disparada da inflação. O ex-presidente sustenta que está disposto a fazer uma série de alianças para derrotar o candidato do governo (a presidente Cristina Kirchner) e vencer as eleições presidenciais do ano que vem.


Duhalde e Kirchner, dirigentes peronistas, em uma reunião.

No último ano, Duhalde tentou apadrinhar uma candidatura presidencial, embora sem resultados. Entre os respaldos fracassados está o do ex-piloto de Fórmula 1 e ex-governador de Santa Fe Carlos Reutemann, que recentemente negou sua eventual candidatura à presidência do país. Duhalde declarou que na falta de candidatos a respaldar, ele próprio decidiu apresentar sua candidatura.
a presidente Cristina Kirchner, inimiga de Duhalde, sugeriu que o ex-presidente estava por trás dos incidentes nas ocupações de terrenos na cidade de Buenos Aires e na Grande Buenos Aires por parte de favelados e sem-teto. Cristina sugeriu que ele havia "apadrinhado" os incidentes. Ocorridos há duas semanas em terrenos invadidos por estrangeiros, sem emprego e com fome. Em entrevista em rádios e televisão, Duhalde retrucou a acusação, de Cristina Kirchner,
"Há cinco anos tentam me culpar de tudo o que acontece no país." Segundo ele, o governo Kirchner "faz papelões".


Os analistas destacam que Duhalde é uma figura crucial no tabuleiro do xadrez político argentino. No entanto, seu peso é maior como organizador de uma frente de oposição do que no papel de candidato. Os analistas sustentam que, embora grande parte dos argentinos considere que Duhalde teve habilidade para evitar o aprofundamento da crise econômica e institucional de 2001-2002 (ele é definido como um "bom piloto na tempestade"), eles não o elegeriam como novo presidente.

Brigas


Duhalde foi o responsável pela candidatura presidencial de Néstor Kirchner no final de 2002. "El Cabezón" (O Cabeção), como é popularmente chamado, era na época presidente provisório e precisava evitar uma eventual vitória de seu arquiinimigo, o ex-presidente Carlos Menem (1989-99), de quem havia sido seu vice. Para isso, colocou a máquina do governo para eleger Kirchner, até então um desconhecido governador da remota província de Santa Cruz, no extremo sul do país.
Kirchner, que pretendia ser presidente, precisava do imenso aparato que o "duhaldismo" tinha na província de Buenos Aires, onde estão 40% dos eleitores do país. Na época em que Kirchner tomou posse, em maio de 2003, os analistas e a classe política acreditavam que não passaria de um "títere" nas mãos de Duhalde. No entanto, a realidade foi diferente às previsões. Kirchner rapidamente se tornou independente de Duhalde. Na seqüência, fez o possível para reduzir o poder de seu antigo padrinho.


Duhalde, na última meia década, fez uma retirada estratégica e ficou esperando o melhor momento para reaparecer. No ano passado, respaldou a candidatura de Francisco de Narváez para as eleições parlamentares de junho. Com o apoio de Duhalde, De Narváez derrotou Kirchner, infligindo ao casal presidencial sua primeira derrota política de peso.



Cartazes a favor de Dualde

Eduardo Alberto Duhalde (Lomas de Zamora, Província de Buenos Aires, 5 de outubro de 1941 ) é um político, advogado e notário (escriba no) argentino. Ocupou a vice-presidência da Nação durante o primeiro mandato de Carlos Saúl Menem, ainda que renunciasse a este cargo para assumir como Governador da Província de Buenos Aires; e foi presidente interino da Argentina, por aplicação da Lei de Acefalia, entre 2002 e 2003. Tem manifestado suas intenções para a presidência em 2011 baixo o lema “Duhalde Presidente – Graziela Camacho à província”.


Biografia
Duhalde militou desde temporã idade no Partido Justicialista. Recebeu-se de advogado na Universidade de Buenos Aires em 1970; quatro anos mais tarde, foi eleito Vereador e por acefalía terminaria sendo intendente de sua cidade natal. Foi deposto pelos acontecimentos de 1976; Na volta democrática 1983 foi eleito Intendente de Lomas de Zamora para o período 1983-1987. Segundo declarou a revista-a Notícias, Duhalde foi visitado nesse então por um coronel que lhe solicitou seu apoio, bem como a outros servidores públicos, para um possível golpe de estado contra Raúl Alfonsín. Tal suposto facto nunca foi feito público. Ao ocorrer isso, se disse que Duhalde foi a denunciar a situação ante o próprio presidente. Pese a essa versão jamais foi admitido pelo próprio Alfonsín.


Duhalde e Menem
Ao terminar seu mandato como intendente foi eleito Deputado Nacional (1987-1989). No ano 1989 participou das eleições presidenciais, acompanhando a Carlos Menem de quem recebeu extensos elogios pessoais como candidato a vice-presidente. Dita fórmula impôs-se à de Ângelus. Dois anos depois renuncia à vice-presidência e se postula como candidato a governador da Província de Buenos Aires.
Governo da Província de Buenos Aires 1991-1999
Seu governo na Província teria um grande apoio popular, refletido em vitórias folgadas em várias das eleições nacionais posteriores nas quais a província converter-se-ia em um importante sustento eleitoral das vitórias nacionais do Menem ismo.
A gestão de Duhalde na província viu um grande aumento na construção e inauguração de edifícios e estabelecimentos, conseqüência de uma distribuição dos fundos da Co-participação Federal bastante generosa para com a província de Buenos Aires.
Dado que a constituição provincial não contemplava a possibilidade da reeleição, realizou uma reforma constitucional em 1994, ao mesmo tempo em que se reformava também a nacional. Os principais partidos opositores de então, a União Cívica Radical, a Frente Grande e o Modin, uniram a seus constituintes em um bloco conjunto para impedir que se oficializara a cláusula reflexionaria. Mas inesperadamente, o Modin desertou a seus aliados e deu-lhe a Duhalde o apoio que precisava para aprovar a mudança, o qual se submeteu, no entanto a um plebiscito que decidiria se se permitiria ou não a reeleição. O Duhaldismo impôs-se tanto na aprovação do "Sim" de dito plebiscito como nas eleições de governador que tiveram lugar em 1995.
Foi derrotado por Fernando da Rúa nas eleições presidenciais de 1999 depois de obter o 39% dos sufrágios, em frente aos 48.5% de seu opositor. Em outubro de 2001, é eleito Senador Nacional por ampla margem. No entanto, acedeu à presidência no caos subjacente à renúncia de La Rúa, provocada pela crise econômica, social e política de Domingo Cavallo.
Governo da Nação Argentina 2002-2003
O 2 de janeiro de 2002 Duhalde foi eleito pela Assembléia Legislativa no meio do caos nas ruas de Buenos Aires. Entre as medidas de seu governo de transição estiveram a desvalorização da moeda, que deu fim à Lei de Convertibilidade, a pacificação forçada dos depósitos bancários em moeda estrangeira, e distribuição de planos sociais para atenuar os efeitos de uma economia em recessão e tinha incrementado a pobreza e indigência até índices nunca vistos dantes na Argentina. Seu plano econômico produtivista, aprofundado posteriormente, permitiu que a economia argentina mudasse em alguns aspectos ainda que resultassem seriamente prejudicados ao cumprir a promessa de "o que pôs dólares receberá dólares".
Massacre de Avellaneda
O 26 de junho de 2002 nas imediações da estação ferroviária da cidade de Avellaneda da província de Buenos Aires, Argentina o governo nacional ordenou a repressão de uma manifestação de grupos piqueteros. Na perseguição foram assassinados por efectivos da Polícia Bonaerense os jovens activistas Maximiliano Kosteki e Darío Santillán pertencentes ao Movimento de Trabalhadores Desocupados (MTD) Guernica e o MTD Lanús, respectivamente, nucleados na Coordenadora de Trabalhadores Desocupados Aníbal Verón. Ademais registaram-se 33 feridos por balas de chumbo entre os manifestantes. Ante o impacto gerado, Duhalde antecipou seis meses o chamado a eleições presidenciais.
Duhalde está casado com Hilda Beatriz González, quem também participou ativamente em política e foi eleita deputada e senadora pela província de Buenos Aires.


Líderes suspendem votações no plenário para priorizar Orçamento


Os líderes partidários decidiram suspender as votações de hoje no Plenário da Câmara para que a Comissão Mista de OrçamentoA Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização é responsável pela análise das propostas orçamentárias concebidas pelo Executivo. Além disso, deve acompanhar o desenvolvimento anual da arrecadação e da execução do Orçamento, fazendo eventuais correções ao longo do ano. A Comissão vota o Plano Plurianual, com metas a serem atingidas nos próximos quatro anos; a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que estabelece os parâmetros do Orçamento; e a Lei Orçamentária Anual, que organiza as receitas e despesas que o Governo terá no ano seguinte. Atualmente, o papel do Congresso é autorizar o Orçamento, ou seja, analisar os gastos propostos e aprovar sua realização. possa votar a proposta orçamentária para 2011. E amanhã, último dia da sessão legislativa, está prevista apenas a votação do Orçamento em sessão do Congresso.
O líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que a única prioridade do governo é a aprovação do Orçamento. Segundo o líder do PSDB, deputado João Almeida (BA), não houve acordo para a inclusão de nenhum outra proposta na pauta de votações desta semana.
A Comissão de Orçamento deve se reunir ainda hoje para votar o relatório final da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT).

Agencia Edisoncastencio


Futuro governo anuncia novos integrantes


Na tarde desta terça-feira foram confirmados os nomes dos novos integrantes do governo Tarso Genro e a deputada Miriam Marroni como líder do governo na Assembleia Legislativa. Confira a lista:


Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
51 3311.9346
www.rs13.com.br
www.twitter.com/tarso13


De São Borja!


Olides, em primeira mão as fotos da eleição do Celso para Presidente da Câmara de Vereadores de São Borja.

Abraço!

Letier Vivian
Chefe de Gabinete


Prefeitura de São Borja

RECICLAGEM

Prefeitura intensifica coleta seletiva

 


Crédito: DECOM/PSB

Recicladores


Com o objetivo de estimular ainda mais o reaproveitamento dos resíduos sólidos na cidade, a Prefeitura de São Borja por meio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMAM) e a Cooperativa dos Trabalhadores de Triagem e Reciclagem de Resíduos Sólidos Urbanos Sãoborjense Ltda (Cooreciclar) começaram nesta semana a ação para intensificar a coleta seletiva nos bairros. O objetivo é a implantação de uma política mais eficaz para o reaproveitamento de resíduos com vistas à inclusão social. O convênio, assinado no dia 16 de dezembro entre a Prefeitura e a Cooperativa, estabeleceu que o recolhimento do lixo reciclável será de total responsabilidade da Cooreciclar. Já o lixo orgânico segue sendo recolhido pela empresa Nova Era, mas passando pela triagem dos recicladores.

Pelas ruas da cidade, a equipe está identificada com uma camiseta na cor laranja com a marca da cooperativa e está recolhendo o lixo seco, ou seja, plástico, papel, vidro e alumínio.

Uma das dificuldades encontradas pelos recicladores no momento da coleta é a mistura dos materiais orgânicos e secos, o que impede o reaproveitamento dos produtos. Para o reciclador Luiz Antônio Alves a ação ainda é uma novidade e a população não está acostumada. No mesmo ponto de vista, o reciclador Gilmar Correa da Rosa faz um apelo à população: “Quanto mais o pessoal separar, melhor...”. Eles fazem outro alerta para que o material seco não entre em contato com outros produtos. “Se o papelão estiver com uma mancha de azeite, por exemplo, não pode ser reciclado”, comentam.

Após o recolhimento, o lixo segue para a usina de reciclagem para ser encaminhado em forma de fardos para as indústrias de papel e ferro localizadas nas cidades de Canela e Sapucaia do Sul respectivamente. Conforme o presidente da Cooreciclar, Valdir Radiuk, a cooperativa comercializa em média 90 toneladas de lixo reciclável. Um fardo de papel, por exemplo, possui 250 quilos aproximadamente é vendido a noventa centavos o quilo. O valor arrecadado é dividido entre os 28 recicladores que trabalham na cooperativa. Isto garante uma renda aproximada de R$ 800 por mês para cada reciclador.

Segundas, Quartas e Sextas
A partir das 8h30
Norte: Rua Borges do Canto até a rua Cabo Pedroso
Oeste: Rua Bompland até a rua Fausto Lourenço Aquino

Terças-feiras
A partir das 8h30
Vila Ester, Vila Goulart, Bettim, Paraboi, Florêncio Aquino Guimarães, Vila Marrocos, Jardim Primavera, Vila Iberê, Vila das Pontes, Vila Kilka

Quintas-feiras
A partir das 8h30
Boa Vista, São João Batista, Maria do Carmo, Menegusso, Bairro do Tiro, Pirahy (até a rua Engenheiro Manoel Luiz Fagundes), Santos Reis.

A partir das 14h
Bairro José Pereira Alvarez, Itacherê, Vila Leonel Brizola, Aparício Sampaio, Vila Cabeleira, Vila Umbú, Vila São Francisco, Vila Jaguari, Joquei Clube, Vila Hildebrando Guimarães, imediações do Aeroclube.

O que pode ou não ser reciclado:

São considerados materiais recicláveis o vidro, plástico, papel, papelão, ferro, aço e alumínio. Já o que não pode ser reutilizado e deve ir ao aterro são materiais como fraldas, papel higiênico e absorventes.

Outra observação importante é o descarte de pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes, pois contém mercúrio. De acordo com a legislação, esses produtos devem ser devolvidos para a loja em que foram comprados. Esses materiais são altamente poluentes e se colocados junto com o lixo 'comum' podem contaminar o solo e a água.

Tempo de decomposição

- Filtro do cigarro e chiclete: cinco anos
- Latas de alumínio: mais de 100 anos
- Sacolas plásticas: 10 a 20 anos
- Vidro: um milhão de anos
Pneus: tempo indeterminado

RIGOTTO DEU GRANDE IMPULSO

A ROTA DO SOL


Governador Germano Rigotto,Chefe da Casa Civil, Alberto Oliveira,Jair Foscarini, secretário estadual dos transportes em maio 2003 junto a Ponte Arroio Bernardes(acervo Har Engenharia)


Junto a Ponte do Arroio Bernardes, na Rota do Sol, em maio de 2003. Acervo Har Engenharia. Vistoria das obras da Rota do Sol.


Nelson Sbabo, da Camara Industria e Comércio, de Caxias do Sul(RS), deputado estadual do PMDB, Alceu Moreira, Governador Germano Rigotto,prefeito de Terra de Areia, Generi Lipert(PMDB). em maio de 2003. acervo Har Engenharia.

Se um governador caxiense iniciou a Rota do Sol - Euclides Triches, tanto que a rodovia leva seu nome - outro, Germano Rigotto, praticamente a concluiu,dando um grande impulso a esta rodovia que agora, no começo do verão começa a ter muita utilidade aos moradores da Serra Gaúcha que demandam ao Litoral Norte e ao Litoral de Santa.

No apagar das luzes do seu governo, em 27.12.2006, depois que ele perdera a eleição ( aliás, sendo candidato do PMDB nem foi ao segundo turno que acabou disputado entre a atual governadora Yeda Crusius(PSDB) e Olívio Dutra(PT) Rigotto percorreu a Rota do Sol, entregando grande parte de obras.

Naquela quinta, Rigotto e sua equipe de governo entregaram ao tráfego oito pontos da rodovia que foram concluídos durante sua administração. Foram os trechos do Arroio Foguete, Viaduto Aratinga, túneis da Reversão, Galeria da Curva do Paredão, Viaduto Humaitá III, asfaltamento entre Sanga da Limeira e Terra de Areia, Viaduto de Transposição da Br-101 e o início do percurso entre Terra de Areia e Curumin.
Dos 66 km totais, foram entregues naquele dia 52 km da rodovia denominada Rota do Sol. O Tesouro do Governo do Estado investiu 200 milhões de reais naquelas obras.
Depois das inaugurações, Rigotto foi homenageado com um churrasco pela Comissão Pró-Rota do Sol da CIC de Caxias do Sul com um churrasco em Terra de Areia.

Coleguinhas


*Pastor também tira férias,ora bolas, como dizia o Cid Pinheiro Cabral.

O nosso colega,Carlos Henrique de Oliveira Nunes,no caso, ex-colega, ex-repórter policial de ZH, me informa o Leopoldo Ruzicki, entrou de férias há uns dois dias. Ele é pastor da Igreja Adventista do sétimo dia....Cursou Teologia.


*Ontem, no programa do Rogério,disseram que o Cid Pinheiro Cabral foi MANDARIM DO INTER. NÂO, FOI SEU FILHO CABRAL, QUE ESTÁ NA bAND. outros mandarins eram o Ivo Correa Pires, Ibsen Pinheiro.Todos eles escreviam nos jornais da Caldas Junior que tinham nos ano s70 a força que a RBS tem hoje . E quem os chamou de Mandarins foi o LFVerissimo que fazia uma coluna na Folha da Manhã.


De São Borja


Dizem que pode nevar nos próximos dias em S. Borja. O Celso Lopes, depois de eleito presidente do legislativo municipal, pagou uma rodada de chopp....


SEM " espirito de NATAL"


´Nós aqui com este chamado " espírito natalino" todo - eu acho isto tudo uma grande sacada do comércio pra vender, mas enfim o efeito manada leva todo mundo de roldão - e nos países muçulmanos, ou árabes, ninguém não dá a mínima para esta data. Senão vejam esta carta que recebi de JEDDAH,Arabia Saudita escrita em 10 de fevereiro de 1996, pela colega Virgínia Rigatto;

'outra coisa que ninguém gosta é a hora da reza. Cinco vezes por dia todo o comércio fecha para as orações. Eles então puxam um tapetinho e voltados para Mecca, rezam. Qualquer analogia com Cristianismo é condenado. Por exemplo, é proibido usar uma cruz pendurada no pescoço. Se os Mutawas( polícia religiosa) veem que na corrente de ouro tem uma cruzinha, eles a arrancam, jogam a cruz no chão e pisam em cima até quebrar. É até proibido dizer a palavra CHRISTMAS- NATAL. E nenhum ornamento de Natal, nenhuma árvore natalina é vendida no país"


Coleguinhas

*Quem acordasse ontem e ligasse a Guaíba antes das 7 da matina poderia achar que era o Olívio Dutra que falava com o Rogério. Era seu imitador André Haar, desde a Record. Perfeito!!!! até na Bossoroca....


*Não sei se é eu que não gosto de Natal, mas as criancinhas na Guaíba falando de Natal, não sei o que, já me encheram o saco...

*Muita boa a seleção de músicas de Natal que o Mendelski está apresentando...sem ser piegas, de bom gosto.

Coleguinhas

Recado ao MAZARINO, também conhecido no Alto Taquari, por Porta-voz do Pedro Ernesto Denardim.


Não te preocupa MAZZA. QUEM COM IRONIA FERE, COM IRONIA SERÁ FERIDO. Aquele teu recado sobre as rádios da Serra tem uma sutileza danada: é que agora eu fui notícia na coluna do CH e olha que tem poucos, viu que chegam lá. Inda mais saídos num ônibus, comendo poeira, em 1969, no verão, da linha Onze, com uma pequena maletinha com meia dúzia de roupas dentro. É uma trajetória e tanto...assim que o dia que as rádios Rosário e Odisséia só tocarem música funebra, ou sacra, ou de Igreja, saberás que eu morri. e faz favor de ir ao enterro...depois conta na tua coluna....


AVENTURAS EM ROMA

NA FONTANA DE TREVI

( MEMÓRIAS)


eM FEVEREIRO DE 1986, estando em Roma, descobri que Luis Fernando Verissimo e sua família estavam morando lá.

Iria me encontrar com o Caco barcellos e sua esposa, Avani Stein, na estação terminal( que eles chamam TERMINI) DOS TRENS DE ROMA.

Hospedado num pequeno hotelzinho no centro de Roma- a cidade das fontes - localizei um telefone e liguei pra embaixada Brasileira trás de LFV. Queria fazer uma matéria com ele.

A embaixada me informou que quem sabia do Verissimo era o Antônio de Pádua Barbedo BRAGA,-PINHEIRO. cujo nome de guerra é BRAGA.

Liguei pro Braga, me identifiquei como jornalista e me deram o fone do Braga, que me passou o fone do Verissimo.

Liguei pra lá e uma das filhas me disse que seu pai só estaria à noite.

Liguei de noite e combinamos pra fazermos algumas fotos no dia seguinte. A tarefa ficou pra Avani.

No dia seguinte, na hora combinada, ele chegou ao local com sua esposa Lúcia e os três filhos. Depois das fotos, iriam ao cinema.

A avani quis fotograr Verissimo na FONTANA DE TREVI. lfv NÃO RESISTIU E COMENTOU:

_ nÃO TINHA UM LUGAR MAIS ORIGINAL.

Avani fez várias fotos que depois saíram num caderno de variedades que o Chico Reis editava na ZH.

Verissimo não nos deu entrevista. Pediu a mim e ao Caco que madássemos as perguntas. Fizemos na primeira parada que tivemos no prosseguimento da nossa viagem ao Norte da Itália.

Ali Verissimo nos contou comoe ra seu esquema de morar fora do país alguns períodos. Ele tinha seus contatos em Roma, geralmente correspondentes dos jornais brasileiros nas capitais européias. Em Roma, Verissimo tinha contato com Araujo Neto, do JB.

As perguntas que escrevemos a quatro mãos foram mandadas para o endereço do LFV em Roma, que as respondeu. Com elas e com as fotos, fizemos a ma´teria.

A matéria saiu publicada no caderno Revista da ZH no domingo dia 17 dejulho de 1986.

Dentro daqueles dias de Roma, fomos procurar uma indicação que a Avani Stein levara de São Paulo de um colega fotógrafo que tinha um amigo cineasta que morava no bairro Cortina D"ampezzo, morava em Roma.
Ficava bem longe do centro onde estávamos hospedados e num domingo de noite, pegamos um táxi para ir pra lá.

O motorista, um romano, ia escutando nossa conversa. Algumas quadras mais adiante, seu colega Caco Barcellos- porque Caco fizera bicos com o táxi do pai, nos anos 70, em Porto Alegre - resolveu puxar assunto com o motora.

- O senhor, é claro, é um revolucionário, é do Partido Comunista.

O motora ficou quieto o tempo todo.

- Io soi fascisti, io soi fascisti,

desabafou o motorista, explicando ao nosso deslumbrado repórter que ele era partidáiro do IL DUCCE!!!

No endereço do cineasta, era uma loucura só, como diz a socialite carioca, a Narcisa Tamborindeguy. O haxixe marroquino corria de boca em boca, com aquela pipinha manera. Naquele apê havia de tudo um pouco. Gente bem comportada, malucos beleza, atores e atrizes, alguns até bem famosos( que não lembro agora do nome)

Como diz aquele colunista de São Borja, o Deco Almeida, eu vou mas eu volto...outro dia conto o restante desta história de Roma

 

Anedotário Político(1)

Sereno dá meia volta, volver!


Em1 986, PDS(atual PP) e PDT se reuniram numa aliança pra combater o PMDB do Plano Cruzado.
Era misturar água e azeite, mas enfim. Aldo Pinto, pelo PDT candidato ao governo do EStado. Sereno Chaise e Nelson Marchezan ao senado e Silverius Kirst como vice de Aldo.


Sereno Chaise ia fazer um grande discurso em Rio Pardo, com a praça cheia de gente. Aí ele começa a se enfezar todo, a contar sua vida , sua trajetório. Só que no palanque estava cheio de " companheiros" que tinham defendido a Revolução, a Redentora de 64..

Sereno conta sua vida fui isto, fui aquilo e quando chega em 1964, ia dizer que fora cassado, olha em volta e pula pra 1986.....


Anedotário Político(2)


Num dos tantos eventos em São Leopoldo, aqueles em que lembrava alguma morte de um trabalhista ilustre, o ex-governador Alceu Collares começa a referir-se ao ex-prefeito Olímpio Albrecht sobre suas qualidades políticas....Sentado ao lado de Collares, o próprio ouve os elogios ,sempre concordando com a cabeça...

- Tu foi uma vez prefeito, né, Olímpio, porque o povo quis, tu foi duas vezes prefeito porque o povo quis, né Olímpio e tu não foi a terceira vez porque o povo não quis...e Olímpio concorda com a cabeça....( historinha presenciada pelo colega João Silvestre).


De São Borja


Dizem as más línguas que desta vez o CHITA do la Barca não fez o MALA DO ANO de tantos candidatos com grandes chances de ganhar que havia.

Na frente deles, o EDUARDO BELMONTE, O PRATO FINO! EM SEGUNDO O LETIER VIVIAN E EM TERCEIRO MAS COM GRANDES E REAIS CHANCES O CLEMAR DIAS.....


Coleguinhas

Na Folha de São Borja da edição de sábado passado, há 21 fotos do colunista DECO ALMEIDA, pelo lançamento do seu livro Simplemsmente Deco.


Nossa!!!!!

*Luis Carlos Reche está de férias na Guaíba


*Rodrigo Koch é também professor....

PMDB(1)

Ibsen Pinheiro eleito novo presidente regional do partido.

Mas não era pra renovar???!!!!


PMDB(2)


Salete Pinto Cadore, presidente do diretório de Serafina Corrêa, me disse 15 dias atrás que iria dar ele....Bem informada, a moça.


Ivar Pavan despede-se da Assembleia Legislativa após quatro mandatos

Crédito da imagem: Marco Couto


Deputado conclui 16 anos no Parlamento e assume secretaria de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo
O deputado Ivar Pavan (PT) subiu à tribuna na tarde desta quarta-feira (22/12) e fez sua despedida da Assembleia Legislativa, realizando um balanço de seus 16 anos no parlamento e os novos desafios que assumirá como secretário de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo do novo governo de Tarso Genro.
“Falo com orgulho por ter conquistado um conjunto de vitórias, como a do crédito subsidiado para a agricultura familiar, seguro agrícola, política de habitação, implantação do SUS, criação de universidades públicas em comunidades no interior, afastadas dos grandes centros. É muito bom saber que fomos parte desta história”, registrou, destacando que seu trabalho sempre esteve focado na criação de políticas públicas para toda a população, fortalecimento e construção partidária e no forte vínculo e apoio ao movimento social e popular.
“Saio com profundo sentimento de gratidão”, declarou Pavan, lembrando o trabalho de suas equipes nos quatro mandatos, da assessoria da Bancada do PT, da colaboração dos servidores da Assembleia, especialmente no ano da presidência e aos colegas parlamentares. Relatou que nestes 16 anos no parlamento gaúcho, teve a satisfação de ser líder da Bancada do PT por oito anos, líder do governo Olívio Dutra por três anos e indicado por unanimidade para ser presidente da Assembleia.
Olhar no futuro: desenvolvimento com sustentabilidade
Ivar Pavan destacou suas atividades no futuro governo de Tarso Genro. “Saio para uma nova experiência no Executivo. Uma missão honrosa de promover o desenvolvimento rural para a elevação da qualidade de vida de quem trabalha no campo, ampliar a produção de alimentos e promover a agricultura familiar como um modo de vida”.
Complementou dizendo que o grande desafio é ter um rural com gente, com manutenção do jovem no campo. “Para isso, vamos implementar políticas de renda para as economia de base familiar e cooperativas. Nosso desafio é conjugar desenvolvimento econômico com sustentação ambiental”, detalhou.
“Falo com orgulho da minha trajetória e, com olhar no futuro, deixo um grande abraço de agradecimento a todos com quem tive a oportunidade de conviver nesta Casa”, concluiu.


Coleguinhas


Festa de fim de ano da direção do sindicato dos jornalistas foi ontem,quarta, no bar do JOAQUIM, na Lima e Silva. Mas cada um paga o seu, avisou o Cristiano Nunes, o gerentão, também conhecido por SARGENTÃO DO SINDICATO!


Coleguinhas


Leitores não tem visto coluna do Flávio Pereira em O SUL.


Feliz Natal

Como este blog é internacional publico o cartão de Santo Thomé, Argentina!

Olides:

Encaminho correspondência recebida na data de hoje da Municipalidad de Santo Tomé, com votos de Boas Festas.
Abraço!
Letier Vivian


Memória da Imprensa


Cascatinha e Karnas

bancários e jornalistas!


Bebemoração de coleguinhas


Olides, outra.



Eu (Carlos Karnas) e Cascatinha, o Fernando Albrecht (lado a lado) no tempo em que ele ainda tinha cabelo e eu barba loura que agora é branca. A foto é de uma patota no restaurante português, lá perto do Copacabana. Uma turma de coleguinhas reunida para bebemorar e de vez em quando dar umas garfadas na comida. Nem sei mais que encontro foi esse, mas a foto é bonitinha, tem uns 40 anos ou mais. Parece que foi um encontro de jornalistas promovido por alguma entidade empresarial. Eu e Cascatinha, antes de ingressarmos no jornalismo, trabalhamos juntos no antigo Banco da Provícia, na matriz, ali no centro, na Uruguai. O Cascatinha trabalhava como assessor da diretoria, no primeiro andar, e eu no setor de cobrança, no terceito andar. Depois do Banco da Província enveredamos no jornalismo e seguimos nossas carreiras até os dias de hoje. O tempo passa.

Outra hora te conto do episódio da prisão do Frei Beto (com fotos dos bilhetes que peguei no DOPS - sim, fui eu quem descobriu a prisão do frei naqueles tempos bicudos); mais as peripécias na reportagem policial na madrugada, quando aquelas caminhonetes Rural Willys da ZH tinham tacógrafo e não podiam andar a mais de 60Km por hora; tem a história do Florianão e minha, de um encontro com um cara ligado aos Tupamaros, na estação rodoviária que ficava na Av. Conceição; mais uma campana de um navio na lancha da Receita Federal, na Lagoa dos Patos; e tem a história real de quando o Wilde Pacheco (delegado e piloto de helicóptero) nos metralhou (eu trabalhava na ZH) numa perseguição a ladrões de banco lá pros lados do Lami.

Te interessa isso?

Carlos Karnas

Coleguinhas


O " barbudo"

Caco Barcellos....


Caco Barcellos, o consagrado apresentador do PROFISSÃO REPORTER, DA tv Globo,entrou no jornalismo oficial, em agosto de 1972, quando teve sua carteria assinada na Caldas Junior. Era repórter policial do jornal Folha da Manhã.

Foi levado pra lá pelo editor de Política Internacional, Jefferson Barros(falecido) que conhecera Caco durante a feitura de um boletim clandestino, o Dluct, feito num diretório acadêmico da PUC, durante as noites/madrugadas, por uma turma de estudantes...

Caco, que estudava Matemática na PUC, andava meio desencontrado da vida. Vivia mais pras reunas de fim de semana, pro seu emprego numa empresa de ônibus do Partenon e estudava no Julinho,antes da PUC.

Nesta foto ele ainda está com uma namorada, a Goretti, que era da sua rua no bairro Partenon.

O local da foto é o Morro Carapuça, em Taquari, onde o Licínio Silveira tinha o pai que morava. Era pra lá que nos bandeávamos nos fim de semana...

Esta é uma foto rara, que é do acervo do Celso Velusa. Além do Caco(cabelos grandes) aparece a Goretti, sua namorada de então e a Mulher do Licínio, Viviane Araujo, uma uruguaia com quem Licínio casou depois de uma viagem que fez no começo dos anos 70 a Montevideo.

NOVOS RUMOS PARA A CULTURA GAÚCHA

ADELI SELL*



Falar da atual gestão na Cultura seria tanto perda de tempo da minha parte quanto sua que lê. Por isso, vamos olhar para o futuro. Não me puxem para entrar em "brigas" inúteis, que não levam a nada. Nunca me pautei pela grenalização política tão comum no RS em todas as áreas, especialmente na da Cultura.
Não tem mais espaços para lutas infindáveis de conceitos mal resolvidos, muito menos lugar para disputas de personalismos.
Nenhuma indicação a qualquer posto de primeiro escalão tem unanimidade. Eu, quando fui do governo de Porto Alegre, tive enfrentamentos em vários níveis, mas acabei impondo uma política diferenciada e que fez a diferença.
É disto que nós precisamos no Rio Grande do Sul: ousadia, superação da mesmice, abertura para todas as áreas, sem priveligiamento de alguma delas, passar por cima dos interesses individuais "dos de sempre", daqueles que se utilizaram das verbas e espaços governamentais como se o público fosse sinônimo de seu, privado, do seu grupo.
Como o Brasil mostrou ao eleger Dilma, temos que ser cada vez mais democrático e republicanos. E o Estado deve ser laico, aberto à pluralidade, combater o machismo, ser feminista, sem preconceitos. Temos que derrubar a cerca de divide a cultura das belas letras da cultura popular, respeitando as diferentes linguagens, expressões, manifestações- o multiculturalismo. Cultura deve ser cultura, sem adjetivações.
Há, portanto, grandes expectativas com o governo Tarso Genro, com o Secretário Assis Brasil, que deverá exercitar sua capacidade de colocar pessoas em cada área que tenham respaldo do setor, sem ferir suscetibilidades internas ao PT e dos partidos coligados.
Idéias existem na sociedade em profusão, precisamos de pessoas capazes e abertas para captá-las e fazer uma gestão republicana, sem os esquemas que temos visto permear os projetos de cultura. E isto será alcaçado de um lado pelos gestores atentos e pela sociedade civil vigilante e fiscalizadora.
Também a nova SEDAC terá que trabalhar a tão propalada transversalidade anunciada pelo novo governo, tendo ligação direta com a SETUR. O Turismo Cultural e mesmo de eventos deve ter uma relação direta entre estas duas secretarias mas também com a educação, meio ambiente, saúde, trabalho, direitos humanos enfim...
Esperamos sinceramente que de cada área da cultura se valorize o que há de positivo, bem como se valorize os seus agentes. Que com isto possamos enterrar longo período de compadrios, mesmice e mediocridade na cultural do Rio Grande do Sul.


* Adeli Sell é vereador e presidente do PT-POA

Lula no Sul

Olides

Uma das ultimas viagens de Lula como presidente,será amanhã quarta feira aí no sul.
Com ele viaja o Ministro dos Transportes Paulo Sergio Passos.
Amanhã pela manhã( 11 horas) ele inaugura tuneis do Morro Alto e 88 km. de duplicação da BR 101,trecho Osório-Divisa com Santa Catarina

Sergio

Governo Tarso atuará em conjunto com a prefeitura de Porto Alegre



Uma reunião-almoço entre Tarso Genro e José Fortunati, ocorrida nesta segunda-feira (20) no Palácio do Comércio, definiu que a partir de janeiro o Governo do Estado e a prefeitura de Porto Alegre irão trabalhar juntos para preparar a cidade para 2014. Além das obras prioritárias para o recebimento da Copa do Mundo, o objetivo é discutir e elaborar projetos estratégicos para a capital gaúcha, como o metro, por exemplo. Questionado pelo governador eleito, o prefeito de Porto Alegre ressaltou que já existe estudo de viabilidade para a realização da obra, restanto definir quais serão os percentuais de investimento do município, do Estado e da União e o prazo para a conclusão. "O Grupo de Trabalho Permanente vai projetar as ações que temos que fazer visando a melhoria da cidade, potencializando a presença do Estado no dia-a-dia da prefeitura. A equipe vai trabalhar em regime permanente de colaboração", ressaltou Tarso Genro.

O Grupo de Trabalho Permanente terá uma agenda de trabalho fixa e assessoramento técnico de alta qualidade para prever ações e executar um cronograma de medidas, concretizando os investimentos de forma integrada.

À pedido do governador, a Segurança Pública será discutida e gerenciada diretamente entre Tarso e Fortunati, aproveitando a experiência que o futuro chefe do executivo estadual obteve no Ministério da Justiça. Tarso ainda garantiu ao prefeito que está disposto a dar andamento ao projeto de revitalização do Cais Mauá, mas que os impasses jurídicos precisam ser solucionados. Fortunati também solicitou apoio ao futuro governo para trazer para Porto Alegre, a partir de 2012, uma etapa do campeonato de Fórmula Indy.


FOTO: CACO ARGEMI


De São Borja

Neuza Pinto Penalvo se recupera de um pequeno problema de saúde que teve.


De São Borja


Novo presidente do legislativo será conhecido hoje.


É hoje de tarde a eleição pra novo presidente da Câmara Municipal de São Borja.

Três vereadores disputam os votos dos colegas: Celso Lopes(PDT), João Carlos Reolon(PP) e Eugênio Dutra(PP)

São Borja tem 10 vereadores: 4 do PDT, 3 do PP, 1 do PT e 1 do PTB.

A eleição será depois da sessão normal.

O último presidente, o que deixa o cargo, é o vereador Beto Souza(PTB)


Um vereador de São Borja ganha em média 3.200,00 reais por mês.


Mais uma do Serginho Araujo.

João Augusto Nardes, quando era candidato a deputado federal percorria o Estado. E onde ele visse um enterro, ou um baile, ele parava pra entrar. Ali tinha votos.

Numa certa ocasião Nardes chegou num CTG no interior rodando em sua Brasília.
Haveria ali um baile, mas todo a rigor, ou seja, em trajes gaudérios.

Como Nardes não tinha fardamento algum, alugou de um cuera que estava lá, todo seu traje...

Mas e o que fazer do cuera...

Acharam a solução. O cara permaneceu peladão dentro da Brasília, esperando terminar o fandango.

Quando terminou, recebeu sua pilcha de volta e a grana do aluguel do candidato que seguramente faturou ali alguns votinhos.


MEIO AMBIENTE



Zulke participa de plenária sobre saneamento

O deputado estadual Ronaldo Zulke fará a abertura da Plenária do Saneamento ? O futuro do Sistema Estadual de Saneamento Básico no Rio Grande do Sul, marcada para quarta-feira (22), às 9h, no auditório do CREA/RS, em Porto Alegre (Rua Guilherme Alves, nº 1010, perto do Bourbon da Ipiranga).

O convite ao parlamentar foi feito em função do trabalho desenvolvido no setor, com destaque à PEC da Água, que proíbe a privatização dos serviços de saneamento e ao projeto de Lei que retoma a Tarifa Social da Corsan, que confere descontos na conta de água a famílias de baixa renda.

Participam da plenária o presidente do Sindiágua, Rui Porto; o procurador-geral de Canoas, Aloisio Zimmer Jr.; o presidente da presidente da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), Arnaldo Luiz Dutra; o futuro secretário estadual da Habitação, Saneamento e Desenvolvimento Urbano, Marcel Frison; o diretor do Sindicato dos Engenheiros do RS, José Homero Finamor Pinto; o presidente do Sindicato da Indústria da Construção de Estradas Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral no Estado do Rio Grande do Sul (SICEPOT-RS), Athos Cordeiro; e o prefeito de Santa Rosa, Orlando Desconsi.

O objetivo principal da plenária é discutir o sistema de saneamento no Estado, atentando para o contexto onde grandes empresas buscam o controle das reservas hídricas frente a universalização da saúde e dos serviços no setor.

PEC da Água

Zulke é autor da PEC da Água que estabelece que os serviços de saneamento ambiental no Rio Grande do Sul deverão ser, obrigatoriamente, executados por empresas públicas ou empresas de economia mista com controle estatal. ?O propósito do projeto é afastar o risco cada vez mais presente de privatização do setor?.

Segundo Zulke, a aprovação da PEC irá favorecer a Corsan na renegociação dos contratos com as prefeituras. ?O assédio promovido por empresas privadas para evitar que os prefeitos renovem as concessões com a Corsan é grande. Assim, a alteração da Constituição é
necessária para oferecer garantia legal de que os serviços de saneamento permanecerão sob controle público?, afirmou.

Na avaliação do parlamentar, a privatização dos serviços de saneamento em municípios maiores poderá significar a falência da Corsan e comprometer os serviços nas localidades menores.

 

NEM OS AMERICANOS ACREDITARAM



Por Carlos Chagas (21/12/2010)


Se verdadeiras as afirmações de José Dirceu e do próprio presidente Lula de que o mensalão não existiu, porque para eles a distribuição de dinheiro a parlamentares envolveu apenas liberação de recursos para enfrentar as despesas da campanha de 2002, como ficarão candidatos e partidos em 2011, quando as contas precisarão ser saldadas? De novo a palavra vai para o ex-chefe da Casa Civil, a respeito de que os candidatos, inclusive ele, gastam duas vezes mais do declaram.

Deve ter gente, em todos os partidos, com a corda no pescoço para pagar as dívidas contraídas para as eleições do último mês de outubro. A maioria, inclusive, apoiou a candidatura de Dilma Rousseff. Vão fazer o quê? Chamar outra vez o Delúbio Soares?

Cada vez que vem à tona a questão do mensalão, mais se caracteriza a lambança. Fica estranho assistir o presidente Lula declarar a disposição de dedicar parte de seu tempo, depois de deixar o poder, a provar que o mensalão não existiu. Nem se enganaram os ingênuos e tranqüilos embaixadores que os Estados Unidos mandaram para o Brasil, nos últimos anos. Os memorandos pouco éticos e nada vernaculares que enviaram para Washington comprovam não acreditarem nas versões de Dirceu, a quem não pouparam em seus comentários, divulgados em pílulas pelo WikiLeaks.

Deve cuidar-se a presidente prestes a receber a faixa presidencial. Um monte de políticos eleitos e não eleitos este ano estarão maquinando fórmulas pouco claras de pagar aos seus, digamos assim, “fornecedores”. Ao primeiro sinal de negócios escusos ela deve estar de tacape e borduna na mão, pronta para vibrar inesquecíveis golpes em quem se arriscar a buscar dinheiro sujo.

COINCIDÊNCIAS OU CONTRADIÇÕES?

A política praticada pelo presidente Lula continua cheia de coincidências, para não dizer contradições. Ontem, em Brasília, o primeiro-companheiro recebeu os generais promovidos no Exército, almoçou com eles, fez um discurso elogiando as Forças Armadas e ainda entregou novos helicópteros à Aeronáutica.

À tarde voou para o Rio e, entre outras solenidades, lançou a pedra fundamental da nova sede da União Nacional dos Estudantes, no mesmo lugar da velha, queimada e demolida pelos militares quando chegaram ao poder. Também com direito a um pronunciamento onde deixou clara sua simpatia pelos jovens que, de 1964 em diante, enfrentaram a ditadura.

Tudo no mesmo dia, demonstrando conciliação ou confusão? Precisamente quando os jornais publicaram entrevista do ministro chefe da Secretaria dos Direitos Humanos, Paulo Vanucci, desancando o ministro da Defesa, Nelson Jobim, acusado de haver manchado a própria biografia ao ter atacado “de modo indesculpável” o projeto de criação da Comissão Nacional da Verdade, uma reposta do poder público aos familiares dos desaparecidos políticos. Admite-se que no ministério existam divergências de caráter ideológico, mas na agenda do presidente da República, fica meio estranho.

NÃO FALTAM CANDIDATOS

Na entrevista a uma rede de televisão, na madrugada de ontem, o presidente Lula admitiu que poderá ser candidato ao palácio do Planalto, no futuro, mas sustentou ser muito cedo e que “quando chegar a hora, a gente vê o que vai acontecer”. Citou como possíveis candidatos, a própria Dilma Rousseff, ocupando a pole-position, mais os governadores Eduardo Campos, Jacques Wagner e Sérgio Cabral, esquecendo-se de Tarso Genro e referindo-se também a Aécio Neves e José Serra.

“O que não falta é candidato”, acrescentou o Lula, para quem o simples fato de estar vivo não fecha a porta a nenhuma possibilidade.

Traduzindo a linguagem cifrada do primeiro-companheiro, também presidente de honra do PT: é candidatíssimo a voltar...

RECARREGANDO AS PILHAS

Parte dos ministros já escolhidos por Dilma Rousseff obteve dela licença para submergir por uns poucos dias, não mais do que uma semana, antes da posse. É fundamental para os que vão enfrentar desafios e obstáculos estar descansados ao menos da pedreira que foi a campanha. Pelo jeito, só ela permanecerá com a mão no leme, menos por inviáveis tempestades, mais para acostumar-se à máxima lusitana de que se o dono do botequim não estiver na caixa, o negócio não anda...


Fica, fica....fica....


De uma fonte segura: Juliana Brizola, apesar de todo o barulho, fica no PDT!


Histórias de La Ùndeze

NETOS DE ITALIANOS
SÃO MAL TRATADOS NA ITALIA....


Márcio Colombo que fica ouvindo a rádi0o Guaíba pela internet, desde o interior da Itália, onde vive há uns 3 anos, é neto do Teodoro Colombo, que tinha as lojas Renner, na antiga rua Dr. Júlio Campos, hoje av. Miguel Soccol. Seu pai, Valdes Colombo teve uma loja que acabou incendiando tempos atrás e foi viver no rio Carreiro.

Márcio junto com outros serafinenses migrou pra Itália e lá trabalha. Contou pra Guaíba que na Itália com costela eles fazem BRODO, QUE É Um caldo feito com miúdos de galinha.


Muitos italianos da terceira geração, como é o caso do Márcio, fizeram o caminho de volta a Itália. Alguns se deram mal, porque a Itália trata I BRASILIANI, como uma escória e lhe dá apenas os serviços mais pesados.

E outros italianos que ficaram lá na época da diáspora pensam que os descendentes estão regressando em busca de dinheiro, do que teria ficado por lá e por isto são muito MAL TRATADOS...

eU CONHEÇO alguns relatos neste sentido. Não dão nem informações de parentes, quando alguém vai pelo interior do país, atrás de parentes..

O demais é papo furo, profissão de diplomata que ganha muito bem sentado em confortáveis gabinetes. Á verdade é que é dura a vida dos filhos de italianos que resolvem regressar à suas terras de origem....


Coleguinhas


DIARIO DE CANOAS NA EDIÇÃO ONTEM DE ONTEM MANCHETEOU:


deputados estaduais votam seu próprio presente de NATAL!

TOING....


Coleguinhas


Serginho Araujo completou 54 anos no último domingo. Já tem 30 anos de profissão. Começou em 1980.

Ele é dono de muitas histórias de jornalistas, principalmente de quando trabalhou no DAER e na Secretaria dos Transportes.
Ontem ele me contou uma que seu colega NELSON MOURA, do Daer, foi vítima. O Moura perdeu a carteira dentro de um ônibus e encontrou o Wanderley Soares, da ZH, que fez um pequeno registrou e colocou o nome e fone do Moura para que se alguém encontrasse os documentos os devolvesse.

O Bruno Augê Ferreira, que era colega do Serginho na Secretaria dos Transportes é que era " bandido" pra lá de metro ligou pro Moura e aprontou. Disse, com uma foz disfarçada, que ele tinha encontrado sua carteira. E que passaria no DAER pra entregá-la. Marcaram encontro na portaria, na escadaria. Bruno estaria com calça vermelha, casaco verde deu toda a descrição.

Moura desceu pra escadaria lá pelas duas da tarde. Esperou, esperou...e nada do vivente aparecer.

Até a torcida lá de cima do 18 andar, onde ficava o QG do Bruno se mijando de rir, vendo ele lá na rampa esperando pelo vivente que devolveria seus documentos. A fotógrafa Denise conseguiu fotografar o Moura naquela sua agonia.

Quando era já no fim da tarde, um pedestre mais ou menos com as roupas do Bruno passou pela frente do prédio e o Moura saiu no encalço dele, pensando ser o cara que tinha seus documentos. O cara se assustou,pensou que era um assalto e saiu correndo só parando quando chegou junto dos Bombeiros.

MOura voltou desap0ntado.

E no fim da tarde se deu conta de que fora vítjma de uma armação do Bruno.

- Esta vocês me ganharam, disse ele, enquanto já via a foto dele na entrada do DAER sendo pregada no mural da secretaria pra gozação dos colegas....

Histórias de la ùndeze....

AS FAMILIAS DA CAPELA

SÃO PEDRO

QUE SE MANDARAM PRA

SÃO PAULO E PARANÁ....


São inúmeras as histórias das famílias da capela São Pedro que se mandaram nos anos 70 pra o interior de São Paulo e Paraná, em busca de novos horizontes para sua vida porque na colônia estava muito difícil além do que a terra era muito escassa para que todos pudessem sobreviver.Estes colonos que se tornaram empresários deixaram pra trás as manhãs de geadas brancas quando tínhamos que colher mandioca, soja, milho( tirar zo el milho) ainda com a (brina) geada encima dos vegetais. Quem passou por isto sabe do que estou falando....

Mas depois de comer o pão que o diabo amassou, estes colonos que se tornaram empresários também passaram a desfrutar dos prazeres terrenos que a vida dá....Um deles , por exemplo, que foi da capela São Pedro pro interior do Paraná, de tanto beber uísque pouco tempo atrás quase esticou as canelas, como se diz.


Tomava litros de uísque por dia,cigarro e carne gorda o levaram pro Sírio Libanes em São Paulo onde passou por um transplante.

Aí teve que ficar apenas no suquinho de laranja, se quisesse continuar vivo.

Ele ainda está com dinheiro, mas não tem mais a fortuna que já teve.

Torraram muito,dizem os que conhecem o que o cara teve e o que tem hoje...

Uns vivem em Maringá, alguns deles com problemas no Judiciário.

Uns da capela São Pedro estão em Maringá, outros da capela São Padro estão em PALMEIRA, TAMBÉM no Paraná.

Um da família Cavasotto se mandou pra Itália. Não se sabe se voltou ou não.

De minha parte me lembro muito do velho Salvador Meneghatti, cujo bordão era CAPICEME E SCOLTEME( ME ENTENDA E ME OUVE)....Era um STRADIM( OU SEJA, um limpador de estrada, daqueles que antigamente passavam pra arrumar os bueiros das rodovias que eram mais trilhas que rodovias....) Casou com a Teresa Cella, e foi morar nas terras do velho Cella, que era nosso vizinho. O sogro do Salvador mandava um rama que vou te contar....Talvez o álcool esteja no DNA....

Havia muitos irmãos na família dos Meneghatti: Laudelino, que morreu em 1960, com 15 anos de um tumor no cérebro, Nelson, Ildo, Alcides, Odila( já falecida, foi assassinada) Lurdes, Valmor( que chamavam de Valmorim) que é um dos mais prósperos da família.

Eta capela São pedro, quem te viu e quem te vê....


Eu vou mas volto...outro dia conto mais....

Desde Sarandi

Depois de um bom tempo quieto( bom se entende, né depois do fiasco de DUBAI,,,,VAI QUERER O QUE) o zator manda um chasque desde Sarandi, onde vive, mais escondido que capincho porque tá com vergonha de ser VERMELHO!!!!

Apareceu a Margarida, olê olê olá !!!!!!!!!!! e vocês ressucitaram com
nossa derrota!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!e dinheiro de onde, para comprar o
Ronaldinhoi........belo negócio daquele presidente de
bosta............entregou de graça e agora quer comprar...........no
ga mia soldi!!!!!! !!!!!!!!!!!

Pensei que teu blog tinha sido "interditado", pois não renovava os
assuntos.Ainda bem que explicaste !!!!!

Manda teu endereço que te envarei um jornal da UPF, ou os jornais,
porque são publicados vários.


Um abraço do tamanho de la undeze............................ma de
laundeze desso.


Prof. Mauro Santos Rocha
Diretor - UPF Sarandi

Começa época dos cruzeiros....

Pra quem pode, está começando a época dos cruzeiros. Ouvi no rádio que um que iria fazer um roteiro de fim de ano foi cancelado, no Rio de Janeiro. Os passageiros ficaram putos da vida. Mas a empresa prometeu um outro cruzeiro....Como dizia o personagem do Jô Soares, o GARDELON, MUY AMIGOS....

eSTAS FOTOS são no caso do navio Star Princess que faz cruzeiros na região da Patagônia.

As fotos são do navio STAR PRINCESS,ESPECIALIZADO NESTES ROTEIROS....

Meu amigo Nestor Krás Borges, falecido em 5.10.2009, fez muitos destes cruzeiros na sua vida e me contava que às vezes o navio jogava muito...

E que os passageiros faziam o "PORQUINHO" abundamente quando as ondas jogavam o transatlântico COMO se ele fosse uma casquinha....

Inter voltaldo....


O "rodoviária"( Giovani Luigi) está sendo chamado por aí de DUDA KROEFF DO INTER!!!!!

Histórias de la Undeze...


Na foto, da esq para direita: Casemiro Zanetti, sua esposa Adelésia Assoni, o bispo de Passo Fundo, Dom Claudio Colling, Alcides e Teolides Sonaglio, o padre Francisco Lollato e um casal de festeiros....(acervo Teolides Sonaglio)


Casemiro Zanetti

e as festas de São Cristovão...


Não há mais festas de São Cristovão em Serafina, mas nos anos 50,60 esta época do ano era quando os caminhoneiros regressavam pra suas casas(depois de alguns até ficarem meses longe de casa) e aproveitando os dias de descanso realizavam a festa de S. Cristovão. Geralmente era no dia 6 de janeiro, lembra Casemiro Zanetti, que durante muitas destas festas fez o papel de festeiro, porque o padre vigário lhe exigia que fosse.

Armavam uma barraca de lona ali na esquina da principal avenida( então chamada de Dr. Julio Campos) e durante a novena depois da reza os homens e mulheres festejavam e confraternizavam tomando muito barril de chopp que ficava guardado dentro da serragem pra que o gelo não derretesse. A luz elétrica ainda era escassa naqueles anos.

Passados tantos anos, os festejos de São Cristovão desapareceram. Perderam o sentido.
Hoje a data mais comemorada é mesmo a do município, que cai no 25 de julho.

Os que ainda vivem no entanto, lembram-se daquelas procissões de S. Cristovão. Mas era coisa rápida, porque os caminhões tinham que ganhar novamente a estrada.

 


De São Borja


Celso Lopes

Depois de muito confabular, os 10 vereadores de S. Borja( que ganham em média 3.200,00 por mês cada um) elegeram o hoteleiro Celso Lopes, do PDT pro mandato de 2011.

A Cãmara está ainda sendo presidida pelo Beto Souza, que ficou eleito como vice na nova direção.Farelo de Almeida( Carlos Alberto) foi eleito secretário e Valério Cassafuz, o tesoureiro.


A maldade ontem na Câmara era saber se o " camundongo"- apelido que Celso tem mas detesta - iria pagar um chopp.

Daquela mão de mulita não costuma sair um pila....

Obra da governadora Yeda


Entre as obras que a governadora que se despede do mandato entregou ao Rio Grande, está a famosa ROTA DO SOL que vinha sendo tocada há 30 anos mas que recebera um grande impulso no Governo Rigotto.

Yeda a concluiu e nesta foto inaugurou uma das obras de arte, num dia muito bonito do verão do primeiro ano do seu governo....

A foto é do DAER!

Serginho e o Rabecão


Começo do governo Faraco, na secretaria dos transportes: o ex-prefeito de Alegrete foi empossado mas continuava com a mania de prefeito do interior. Virou embaixador do Alegrete em Porto Alegre. O que fossem pedir ele dava um jeito. Daí que apareceu um defunto, mas o cara não tinha onde cair morto. Nem roupa tinha no IML....

Faraco chamou seu novel assessor de imprensa, Serginho Araujo e lhe deu a missão: quero este "presunto" aqui, num caixão, fardadinho , porque vou mandar a Alegrete ainda hoje pro enterro.E sabe como é pobre tem família grande, muitos eleitores e eles estão lá esperando pra enterrar ainda hoje.

Primeira missão: conseguir roupa e um caixão. Aí Serginho botou em campo o Bruno Augê Ferreira, seu colega, que fora da Polícia e conhecia as manhas. Foram atrás e levantaram tanto a fatiota como o caixão. DEpois, conseguir o rabecão pra levar o defunto pra Alegrete. Mas o brigadiano que ia dirigir o rabecão até Alegrete avisou: tem que levar gasolina junto. Lá foi o Serginho até o DEPREC porque como ele é funcionário de lá se lembrou que lá tinha uma bomba com gasolina.

Mas o calorão começou a derreter o defunto dentro do rabecão. E um fedor que não dav amais pra aguentar. Aí o Faraco com o sol do meio dia a pino, mandou que o rabecão fosse até o DAER porque ele queria mandar um bilhete junto pra família. Bem coisas do Faraco...

Serginho chegou no rabecão e só tapando o nariz pra aguentar o fedor do defunto, que ia atrás , já todo empetecado....

E o Bruno Ferreira, com sua tradicional maldade, pediu a Denise, fotógrafa que fotografasse o colegua na frente, sentado ao lado do Brigadiano que dirigia o rabecão.

No dia seguinte a foto do Serginho estava no mural pra gozação de todo o mundo que a via....

Só o Faraco não se importou com a gozação: o rabecão tinha chegado naquele fim de tarde no Alegrete e o enterro fora ainda naquele dia.

El Peluquero de Dios

Certa vez escrevi aqui: Eu mataria meu barbeiro. Reconsiderei depois, pois por outras o barbeiro está se tornando uma figura exótica. Barbeiro, de cabelo, barba e bigode está escasso; tanto é que da para contar nos dedos, aqueles dos cortes tradicionais.
Agente começa a cortar com um e vai pela vida a fora cortando somente com aquele. Aquilo se torna uma rotina bi-mestral. Por mais que você seja bem informado, mas nunca serás mais que o teu barbeiro. Ele sabe tudo. Detalhes que escapam aos comuns mortais dele não passam. No último corte que fiz fiquei sabendo que o suicida que se suicidou na semana passada e que foi amplamente relata por este e outros jornais não se suicidou somente por motivos passionais segundo meu barbeiro ele era um suicida contumaz. Não entendendo como se pode aplicar o termo “contumaz” ao suicida pedi que me explicasse com mais riqueza de detalhes. O meu barbeiro me trouxe a luz da razão, que o suicida já havia tentado outras vezes só que das outras deu chabum, e nesta não. “Esta foi as devas”. Enquanto eu esperava a minha vez, pois que teria cinco na frente, fiquei a observar a riqueza que é o mundo do barbeiro. O cliente senta e basta uma só frase para que o barbeiro lhe devolva com replicas e tréplicas.
Isso me faz lembrar um saudoso amigo que cheio de pressas foi ao barbeiro para se afeitar e não estava a fim de papo. Sentou e o barbeiro que já lhe cortava o cabelo há anos, querendo puxar assunto pergunta: _como queres o corte? O meu amigo respondeu:
_ Em Silêncio !
Há um tempo andei cortando com um que tinha um programa radiofônico, um nisto de evangélico sertanejo e se intitulava Pablo, el peluquero de Dios. Este cansava qualquer um, pois bastava sentar e ele impostando a voz iniciava a pregação, acho que imaginava estar frente a uma multidão e as tesouradas ia enumerando meus pecados.
Enfim, depois do corte ele entregava ao freguês um boleto para ser preenchido com os dados pessoais e familiares para ganhar um hino evangélico em seu próximo programa.
Aquele é o tipo do barbeiro que é um perigo a gente ir armado.
Mas, voltando a minha espera no meu barbeiro atual. Enquanto esperava fui notando que ele não dispõe de muitos aventais para tantos clientes e pelo que notei eram somente três, isso quer dizer que pelo fluxo de cortes, cada avental daqueles faz um rodízio em dez pescoços. Quando começou a aproximar à minha hora comecei a entrar em pânico, pois sei lá eu, em que pescoço andou avental que tocaria.
Sabe, olhando assim de longe parece engraçado, mas é uma questão muito séria de saúde publica. O perigo de um contágio, digamos, como exemplo: a hepatite C que altamente contagiosa. Bem, se tem problema, tem de ter uma solução e a mais simples que eu pude pensar foi à seguinte: que se crie uma espécie de colarinho de papelão descartável e certamente evitará em muito este tipo de problema. E outra, a esterilização do material é zero. O forno de autoclave teria de ser obrigatório.
Há uma lei na biologia que diz; aquilo que não te mata te fortalece.
Vai nessa!

Clemar Dias

 


Plazinha fecha...

Li QUE O PLAZINHA vai fechar durante os meses de janeiro e fevereiro.

Bah, mas como vou descobrir, agora,onde o Serginho Ross vai se hospedar agora no fim de ano. Só pra encher o saco dele, acordá-lo as seis da matina.....

FALTA CONHECER OS PLANOS E PROGRAMAS DE DILMA


Por Carlos Chagas


(20/12/2010)

Diplomada que foi, Dilma Rousseff falou pouco na cerimônia. Acontecerá no dia da posse, quando receber a faixa presidencial, o seu pronunciamento mais denso? Pouco provável, tendo em vista o local, no caso o saguão principal do palácio do Planalto, o número de convidados e a emoção que marca esse tipo de solenidade. Assim, aguardam-se as diretrizes de governo da nova presidente no atual interregno entre a diplomação e a posse. Mas também pode ser que no primeiro dia de janeiro, à noite, ela se dirija à nação, não propriamente para prestar contas, mas para adiantar planos, programas e concepções.

Cada sucessão envolve características distintas. A atual vem cercada de alegria e transcorrerá sob o signo da continuidade, dos abraços, dos monumentais elogios entre os que saem e os que chegam, na maioria os mesmos. O Lula poderá chegar às lágrimas, concentrando as atenções até o momento de descer a rampa. O que ele realizou, já sabemos. Falta conhecer, de viva voz, o que pretende realizar a sucessora.

HÁ CINQUENTA ANOS FOI DIFERENTE

Vale lembrar como as sucessões são diferentes. Há cinqüenta anos Jânio Quadros tinha sido eleito por incontestável maioria e prendia as atenções tanto pelo seu histrionismo quanto pela falta de definições, excetuadas as tiradas demagógicas dos palanques. Juscelino Kubitschek, de malas prontas, também era popularíssimo, mas desconfiava do sucessor.

Um amigo comum do que saía e do que entrava, o poeta Augusto Frederico Schmidt, procurou JK dias antes da posse e confidenciou a má notícia: Jânio havia preparado violento ataque ao antecessor, acusando-o de deixar a economia nacional em frangalhos, falando até de improbidade. Leria a catilinária no momento da transmissão da faixa.

Juscelino mandou chamar o chefe do Cerimonial, embaixador Aloysio Napoleão, pedindo para ver o planejamento da solenidade. Mudou tudo, fazendo com que os dois presidentes ficassem frente a frente no meio do salão, não mais do que um metro separando-os, e os respectivos ministros e auxiliares bem atrás, muito atrás. E disse a Augusto Frederico Schmidt que se Jânio atingisse a sua honra, daria um passo adiante e um soco na cara dele. Seria um escândalo internacional, comentou, mas estava firmemente decidido a reagir assim. O poeta deu o recado, ainda que ficasse a expectativa de como as coisas transcorreriam. Na hora, Jânio não discursou, fazendo uma saudação cheia de elogios a Juscelino, que foi embora feliz para a Europa, naquela noite mesmo. Quando o avião da Panair já sobrevoava o Atlântico, o piloto chamou-o à cabine, e passou-lhe os fones de ouvido para que tomasse conhecimento do discurso do novo presidente, transmitido em cadeia de rádio e televisão. Era a peça raivosa e cheia de acusações virulentas.

Essa história tem mais um capítulo. Anos depois, ambos cassados pelo movimento militar, jamais se tinham encontrado quando JK foi ao Guarujá fazer uma palestra. Descansava no quarto do hotel quando Jânio irrompe pela porta, nem lhe dando tempo para levantar. Senta-se na beirada da cama, segura os braços de Juscelino e exclama: “Errei, meu amigo, errei! Também, eu nem tinha lido antes o discurso que o Schmidt escreveu para mim...”

PASSOU DOS LIMITES

Louve-se o senador Eduardo Suplicy pela coragem e franqueza com que se pronuncia sobre todos os assuntos em debate no Congresso. O eleitorado lhe faz justiça, reelegendo-o sempre com a maior votação de São Paulo. Só que de vez em quando ele exagera. Ontem, pegou o microfone para cantar, todo desafinado, uma das composições de Noel Rosa, no plenário, durante sessão em que o compositor foi homenageado. Convenhamos, assim é demais...

INJUSTIÇA

Tem tucano que mais parece urubu. No PSDB, estão criticando os oito governadores do partido por se terem reunido em Sergipe, esta semana, para definir uma estratégia comum no relacionamento com o governo Dilma Rousseff. Alguns líderes chegam a dizer que os governadores aderiram, abrindo mão da postura oposicionista, traindo o partido.

Não é nada disso. O que eles decidiram foi manter relações republicanas com o palácio do Planalto porque precisam do governo federal, tanto quanto o governo federal precisa deles. Não farão de seus estados trincheiras políticas para alvejar Brasília. Mas continuam integrando o partido, respeitando suas posições e apoiando suas bancadas, naquilo que lhes couber.


Gringo!

Percebi logo que não havia nada de grave contigo.
As rádios da serra estavam com programação normal.
Em Serafina Corrêa, e Linha Onze, não fora decretado nenhum feriado.
A Vida segue.
Vinho, Saúde, Paz e Luz em 2011.

Abraço,

mazzarino



TODT / SINBORSUL


O Sinborsul realizou jantar de confraternização de final de ano na
Churrascaria Schneider, em São Leopoldo, reunindo dirigentes da entidade,
associados, assessorias e prestadores de serviços, num evento patrocinado
pela Columbian Chemicals. O presidente do Sindicato, Arlindo Paludo,
destacou o bom desempenho do setor de artefatos de borracha em 2010,
acompanhando o crescimento da economia brasileira, sendo igualmente
positivas as perspectivas para o próximo ano. Avaliou que este resultado é
fruto, também, do investimento na expansão e modernização da cadeia
produtiva do setor, assegurando sua crescente competitividade nos mercados
interno e externo.

Um abraço

Todt

Niver do Serginho


Vi no O SUL - aquele do" Control C, control V" como é chamado pelos coleguinhas- que neste domingo,19/12 que passou o Serginho Araujo fez niver.

O Serginho,se quisesse,teria um livro ponto de histórias com políticos.

1) Uma vez ele foi com o candidato do PP a governador, Celso Bernardi, num comício em São Borja. Levantaram o palanque numa das vilas mais pobres da cidade e o comício ia de vento em popa com o Jucão Alvarez, do PP, discursando pros eleitores. Mas havia ali um grupo de bêbados que só queriam zoar....

- Queremos a água, queremos a água, diziam os bêbados, só pra encher o saco do Jucão....


Serginho que estava no palco ao lado de Celso Bernardi, reparou que Jucão foi ficando nervoso e depois explodiu com os bêbados:

- Água o que cambada de....se voces só bebem cachaça!!!!!!!!


*Quando assessorava o secretário Adão Faraco, Serginnho teve que aguentar a flauta do Bruno Ferreira, o " motorista de kombi" que o chamou de BATEDOR DE RABECÃO. Tudo porque Faraco, empossado secretário, arrumou de mandar um cadáver pra Alegrete, num rabecão do IML de Porto Alegre.

Foram abastecer no DEPREC e no rabecão que iRIa a Alegrete, sentado ao lado do motorista ia o Serginmho Araujo. mAS antes de viajar, o rabecão teve que dar uma passada no prédio da Secretaria dos Transportes, na Borges.Bruno pediu pra fotógrafa Denise fazer uma foto do colega do 18 andar ;Ela a fez. No outro dia, depois de revelada, estava no mural da imprensa com a inscrição:

O BATEDOR DE RABECÃO....

*Coletiva de imprensa do secretário Faraco:

Vários repórteres a postos e Faraco, que é pavão pra lá de metro, dando explicações sobre estradas.

Entra o Serginho como um corismo na sala, interrompendo a coletiva. Faraco n ão gosta.
Serginho percebe e diz ao seu superior:
- SEcretário, eu pensei...

- Calma lá,disse Faraco, QUEM PENSA AQUI SOU EU!!!!

*Serginho tem umas boas das campanhas do deputado João Nardes. Ficam pra outro dia....

Uma delas envolve um enterro....

Coleguinhas


Mais uma do Bruno Augê Ferreira:

Quando Faraco assumiu a secretaria dos Transportes, em 1987, - março - o Sapo( Eroni Carus) que trabalhava lá e era de Alegrete quis fazer uma reunião com o pessoal da imprensa. Num fim de tarde, pra unir o útil ao agradável,foram num barzinho que tinha na avenida Venâncio Aires, muito frequentado pelo SAPO.

Entrou a turma toda, mas quando o dono viu o MOTORISTA DE KOMBI( Bruno Ferreira, ) tomou-se de raiva e vingança.

- Tu não entras no meu bar, tu me deu muito pau nas passeatas de 68 na rua da Praia.


Ficou aquele mal estar...

Foram todos pra outro buteco.

Coleguinhas

MARIO MARCOS DE SOUZA está saindo da Zero Hora....

Até o fim do mês trabalha lá depois se aposenta...Nos anos 90, Mário fez a opção : largou o CLINICAS pra ficar só na Zero.

*Alberto Blum, que sempre caminhava na pracinha da Encol, sentiu-se mal dia destes e desmaiou. Agora só caminha nas ruas em volta de sua casa...


*Nilson Mariano é outro coleguinha adepto dos exercícios, assim como Lauro Quadros..Sempre os vejo caminhando na Pracinha da Encol.

Coleguinhas

Adilson Porto Alegre apareceu dias destes no lançamento do livro Infiltrados, na Livraria Cultura.

Está fazendo uma revista sobre surf.


De São Borja


Além da TERRA DOS PRESIDENTES, São Francisco de Borja pode ser também chamada de TERRA DOS VIGARISTAS...SEGUNDO A fOLHA DE SÃO BORJA, prenderam este cara aí, que era procurado por um monte de locais, mas foi dar com os costados em São Borja.

Numa das vezes que estive em São Borja, tinha um PICARETA, mas daqueles, hospedado no Hotel EXECUTIVO, do Celso Lopes. O cara dava uns cursos, saía pra rua, botava anúncio nas rádios..Era um grandalhão e ele passava as tardes dando os tais cursos dentro do próprio hotel mesmo...

Depois fiquei sabendo que era um baite de 171....

qUANDO foi embora, queria pagar a estadia com um CHEQUÃO, que devia ser mais frio que o Polo Norte, mas os caras da portaria não toparam:

- Aqui nós só aceitamos pagamento em dinheiro, em cheque não disse o esperto do porteiro.

Se safaram de um calote!


Coleguinhas


Os novos talentos


Pude constatar com que apuros a Larissa Rosso faz uma matéria durante a última feira do Livro de Porto Alegre.Ela fazia suas matérias na salinha da imprensa e vi com que dedicação conferia os dados tantas vezes quantas fossem necessárias.

Li neste domingo que em março ela fará um estágio nos USA, mais precisamente no Washington Post.

Espero que algum veterano aí da redação da ZH lhe conte a história do WATERGATE....

Novidade!


QUIOSQUE DA BRAHMA CHEGA
AO RUA DA PRAIA SHOPPING

Os amantes do chopp agora têm uma nova opção para apreciar a bebida no centro da cidade. Já está funcionando desde o último dia 10, o Quiosque Chopp Brahma, no Rua da Praia Shopping. Com estilo Boteco, a franquia da maior cervejaria do mundo, abre sua terceira unidade na capital.

O empresário Flaviano Gastão Júnior, responsável pela franquia, informa que a equipe do Quiosque foi treinada pela Real Academia do Chopp, especializada em garantir a qualidade do produto, desde o armazenamento até a hora em que o chopp chega ao copo do consumidor.

“O diferencial está no colarinho que é formado por um creme de chopp e não pela tradicional espuma do gás, permitindo que a bebida fique gelada por mais tempo”, garante.Outra atração do Quiosque será o cardápio de petiscos tradicionais como bolinhos de bacalhau, aipim e carne seca.


Beto Bottega Mtb 5626
Sabrina Ortacio Mtb 11002
Imprensa Rua da Praia Shopping


Livro sobre Marchezan


Luis Fernando Aquino está produzindo um livro sobre o falecido presidente da Câmara dos Deputados, Nelson Marchezan, falecido num feriadão de 2001.


Forum Democrático

Não foi por nada que a chapa dois do PMDB fez 40 por cento dos votos. Olha a movimentação deles dias antes!


FOTO: MARCO COUTO


Deputado Marco Alba lança oficialmente a chapa Renovar Faz Bem

FOTO: MARCO COUTO - AG/ALRS



Chapa do Alba movimentou-se anteriormente!

O deputado estadual Marco Alba oficializou, na manhã desta sexta-feira (10), a chapa Renovar Faz Bem, para concorrer às eleições do Diretório Estadual do PMDB, que será realizada no próximo dia 19 de dezembro em Porto Alegre. O ato, que contou com a presença de 70 prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e lideranças peemedebistas de todo o Estado, aconteceu na Sala da Convergência da Assembléia Legislativa.

Entre os presentes, estavam o líder da Bancada do PMDB no Parlamento gaúcho, deputado Gilberto Capoani, e o presidente da Associação dos Prefeitos e Vices do PMDB, prefeito de Quinze de Novembro, Clair Kuhn além de prefeitos de todas as regiões do Rio Grande do Sul. Conforme Alba, a chapa foi feita para que as bases peemedebistas formada pelos prefeitos, vereadores e líderes municipais pudessem participar do processo eleitoral do PMDB e reconstruir o Partido após a última eleição aonde não participou da disputa no segundo turno ao governo do Estado.

“Queremos rediscutir o Partido a partir de suas lideranças municipais, que estão mais perto das comunidades e conhecem melhor a realidade da sociedade gaúcha. É hora de acabar com o ciclo em que apenas os “cardeais” do PMDB ditavam as diretrizes do Partido. Nosso é o novo Movimento Democrático da Base - MDB– que prega a democracia, participação e liberdade de expressão”, resumiu Marco Alba.

PRESENÇAS:

Gilberto Capoani – dep. Estadual

Constantino Orsolim- prefeito de Canela
João Carlos gediel – prefeito de Quaraí
Erasmos G. da Silva – Prefeito de Alegrete
João Paulo Beltrão dos Santos – Prefeito de Boa Vista do Cadeado
Pedrolivio Porto Prado – prefeito de Jari
Jorge Fonseca – Prefeito de Balneário Pinhal
Roberto Pires – prefeito de Cidreira
Zilmar Vanones Han – Prefeito de Boa Vista do Cadeado
Neitor Martins dos Santos – Redentora
John Régis dos Santos – Derrubadas
Nei dos Santos – prefeito de Caraá
Antonio de Souza – prefeito de Água Santa
Amélio F. Kwiecinski – prefeito de Erval Grande
Benone Dias – prefeito de São Nicolau
Leonir Perlin – prefeito de Pejuçara
Clair Tomé Kuhn – prefeito de Quinze de Novembro
João Alberto Machado – prefeito de Torres
Daiçon Maciel da Silva – prefeito de Santo Antonio da Patrulha
Nilo Moraes – vice-prefeito de Cachoeirinha
Luiz Carlos Hiedrich – vice-prefeito de Três Coroas
Luiz Antonio Palharim – Vice-prefeito de Balneário Pinhal
Gilson Nunes - Vice-prefeito de Cachoeirinha

Nivaldo Soares – ex-deputado de Uruguaiana


Bernardino Vendruscoho – vereador de Porto Alegre
Paulo Marques – vereador de Porto Alegre

José Valido dos Santos Alves – Redentora
Peter Linhares – vereador de Caçapava do Sul
Edinho – vereador de São Nicolau
Leoncio Teixeira- vereador de Três Cachoeiras
Felipe Costella – vereador de Esteio
José Sirlon – vereador de Esteio
Valdir Jorge Elias (Russinho) – vereador de Viamão
Manoel Stringhini – ex-prefeito de Guaiba
Cátia Garcia – coordenadora do PMDB Mulher
Daniel Shaefer – vereador de São Leopoldo
Luiz Fernando Carvalho – coordenador JPMDB Sapucia do Sul
Nadir Rocha – vereador de Gravataí
Carlos Martins – presidente em exercício do PMDB Gravataí
Sonia Oliveira- pres. PMDB Mulher Gravataí
Henrique Wasilenski – sub-delegado de Barra do Ribeiro
Deoclécio Mello – vereador de Cachoerinha
Gérico – vereador de Quinze de Novembro
Francisco Neto – coordenador da bancada PMDB São Leopoldo
Antonio Machado – vereador de Torres
Jair Paulo Cardoso – Sec. de Obras Torres
Iuri Camargo – pres. JPMDB Viamão
Paulo Garcia – pres. PMDB Taquarí
Glademir Sarico – pres. da Coord. Vale do Gravataí
Zilon Bnorba Espindola – 1º suplente de vereador de São Nicolau
Emerson Birmann – pres. PMDB de São Nicolau
Ermo E. Konk – vereador de Quinze de Novembro
Anderson Riegel – suplente de vereador Quinze de Novembro
Neverton Andrade – Sec. Saúde de Três Cachoeiras
Sergio Bertol – Sec. Obras de Balneário Pinhal

Coleguinhas


Volta e meia me pedem onde anda o Vitor Hugo Sperb. Morreu há tempos. Alguns confundem com o dono do site Videversus.


Zalmir Chwartzmann recebe nesta terça título de Cidadão

A Câmara Municipal concederá, durante Sessão Solene a ser realizada nesta terça (21/12), a partir das 19h, no Plenário Otávio Rocha, o título de Cidadão de Porto Alegre ao engenheiro civil Zalmir Chwartzmann, fundador da empresa Chwartzmann Construções. Zalmir também presidiu Sindicato das Indústrias da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), no período de 1997até 1999.

Leonardo Oliveira (reg. prof. 12552)


Prefeito Mariovane passa o cargo para o vice



O prefeito Mariovane Weis passou, na manhã desta segunda-feira (20/12), o cargo para o vice prefeito e secretário da Saúde, Jefferson Homrich. Devido às férias de Weis, Jefferson ficará no exercício do cargo até 4 de janeiro de 2011.
Ainda durante as férias, Mariovane participará da posse do novo governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, e dos secretários estaduais.

Crédito: DECOM/PSB

Atrás, de pé, o FIEL ESCUDEIRO DE MARIOVANE...MAS QUE BARRIGA HEIN!!!!!!

TEM QUE FAZER UMA DIETA,AÍ CARA!!!!!

Inter chegando...


Vi umas motos da BM correndo a milhão na avenida Mauá,ontem, por volta de 16 horas. Atrás vinha o ônibus dos colorados com o rabo no meio das pernas.

Que diferença de quando saíram daqui que tiveram que fazer festa no Beira-Rio porque temiam invasão do aeroporto. Ontem, ninugém foi esperá-los.....


É isto que dá cantar de galo antes da hora!!!

As grandes derrotas são as que ensinam....

 


Pinga fogo


Adeli Sell, presidente do diretório do PT municipal não vai a posse da presidenta Dilma....


Ainda não é certo, mas talvez compareça a posse dos deputados federais e dos senadores.


Sell trabalhou pra eleger Paulo Ferreira, tesoureiro do PT, a deputado federal, mas ele ficou como terceiro suplente.


Coleguinhas

André Pereira não deverá ser o Superintendente de Comunicação da Assembléia, embora seja o assessor de imprensa de Adão Villaverde, que será o presidente do legislativo estadual em 2011.


Memória


TOCA A GAITA, gaiteiro!!!!

Nesta época dissiminam-se os amigos secretos. É mais uma praga do comércio pra vender neste tempo de fim de ano.

Na segunda metade dos anos 90, eu fazia um boletim do cartório Manica, localizado no centro de Porto Alegre e fui convidado a participar da festa de fim de ano dos funcionários.

Foi um churrasco num lugar longe do centro, lá onde o diabo perdeu as botas....

Não sei o que houve, mas peguei o apelido de OLHA A GAITA neste churrasco. Tudo porque os funcionários disseram que eu prometi levar uma gaitinha de boca prum funcionário que me tocou tirar, o Paulo Gregório, de Estrela. E nunca dei esta gaita, primeiro porque estava sem grana, depois porque ganhei uma implicância com aqueles caras me enchendo o saco toda vez que entrava no cartório , eles gritavam baixinho um pro outro, como se fosse uma senha:

- TOCA A GAITA, GAITEIRO....

Esta gozação pra cima de mim durou anos, até que fui ao cartório.

Ontem, sem lembrar o apelido que me apanhara naqueles anos fui lá no cartório saber e encontrei dois ou três funcionários reminiscentes daqueles anos 90. Eles me lembraram que a vitima do meu calote, no caso a gaitinha de boca que nunca dei, voltou pra Estrela.

E, pra meu alívio, ninguém mais gritou baixinho; TOCA A GAITA, gaiteiro, que aquilo me irritava profundamente!

 

ABRO AQUI UMA CAMPANHA


FORA RONALDINHO!!!!!!!


Memória.


A venda de Ronaldinho....

Era 1998,ou 97, por aí..O Grêmio estava indo pras cabeças num campeonato brasileiro. Na rua da Praia, um conselheiro do Inter, Raul Ferri, que chamávamos de PORTÃO 8, um deboche por causa das derrotas coloradas, me assoprou que o Grêmio não tinha dinheiro pra segurar o Ronaldinho Gaúcho.

Fazia as férias do José Mitchell no Jornal do Brasil e fui atrás do assunto, porque o Ronaldinho Gaúcho já era nome nacional.

Liguei pro Serginho Schuller, assessor de imprensa do Grêmio, que reagiu da maneira que eu queria;

- O GREMIO NÃO TRATA DESTE ASSUNTO AGORA.


Botei na condicional, como ensinou-me o titular do JB, José Mitchell, mas o editor de ESportes do Jornal do Brasil, VICENTE SENA, foi sensível e num sábado não lembro agora se de novembro ou dezembro(mas era fim de ano) deu uma pequena coluna no JB sobre o assunto.

Os demais foram atrás depois....

PARAPENTE:VOAR ACIMA DE TUDO
Por Gelson Farias


Aluno: Voar curtindo a paisagem.



O parapente é um esporte que chama atenção pela sua versatilidade. Logo de cara, algumas pessoas enquadram esta modalidade em “esportes radicais”, mas a verdade é que o parapente pode muito bem ser (e é na maioria das vezes) o oposto polar do radical. Se, apenas para iniciar, fizermos uma análise no aspecto técnico veremos que o parapente é a aeronave que tem a menor velocidade de deslocamento possível. Em termos práticos, isto significa muita suavidade tanto para decolar, pousar, quanto para voar.

Imagine que na maior parte do tempo, nas rampas de decolagem o vento sopra de intensidade calma para moderada, o que em números, significa cerca de 20 km/h. Se lembrarmos que o parapente se desloca no ar a cerca de 40 km/h, teremos uma resultante (velocidade absoluta) de apenas 15 km/h quando o piloto se desloca contra o vento. Na prática isto significa quase flutuar sobre o chão, algo como o que os anjos fazem após o almoço... Mas logo no inicio deste texto, falamos sobre versatilidade de vôo de parapente:... Então vamos lá. Conhecido por Osmar Coragem piloto credenciado e já formou diversos alunos diz que... A vista do Ninho das Águias privilegiada dos vales aliado ao encantamento do próprio espaço de nova Petrópolis, atrai a curiosidade e a atenção do visitantes. Há de salientar que as pessoas que quiserem fazer um voo duplo tem a oportunidade de procurar p Osmar Coragem, instrutor credenciado pela Federação Gaúcha de Voo Livre, pelos telefones, (51) 9877.8472 (54) 9123.1225, que oferece o curso de voos duplos .. Quando conversamos com ele, estava em Torres, naquela paisagem monumental, dando instruções ao seu mais novo aluno, (foto) abaixo



Instrutor e o aluno, Sender, apreendendo a voar em Torres

Ascendente

Segundo Osmar Coragem o vôo de lift, chamado pelos pilotos, é praticamente o mais comum, mais fácil e praticado no mundo todo. Consiste em aproveitar o desvio para cima que o vento faz ao passar por uma montanha e utilizar a corrente ascendente resultante para permanecer voando sem perder altura. É fácil entender, já que o parapente é um tipo de planador e, conseqüentemente, não possui propulsão - ele está sempre descendo se o ar não se move verticalmente. Neste caso, o ar está se movendo para cima forçado pela saliência da montanha criando uma espécie de colchão de ar que serve de sustentação extra para o parapente. Ele mesmo diz que é preciso ter um conhecimento sobre meteorologia para se instruir ao vôo de parapente. O instrutor em primeiro lugar deve ter um bom senso e um bom nível intelectual de responsabilidade. Por ser um especialista em ensinar a voar de parapente, Osmar Coragem participou de festividades relativas ao esporte em diversas localidades do Brasil. Mas admite que a cidade de Araxá em Minas Gerais, do Horizonte Perdido, -- uma linda rampa de acesso para vôos -- devido a sua geografia é ponto ideal para praticar vôos de parapente.
“Imagine você pendurado no céu a cerca de duzentos metros de distância de uma linda montanha com um maravilhoso final de tarde, num vôo absolutamente liso e confortável. Dá para passar todos os momentos de sua vida em segundos numa hora destas”.



Curtindo a paisagem

Aluno Sender, voando como pássaro


Durante o vôo de lift, dependendo das condições da decolagem, é possível aproximar-se das pessoas na rampa como que flutuando sobre elas, inclusive efetuando pousos na própria rampa de onde você decolou. Dá para imaginar que excitante deixar o chão como que erguido aos céus, ficar um tempão curtindo a paisagem e depois fazer uma manobra e retornar exatamente para o mesmo local. Tudo isto faz do vôo de lift uma delícia que apaixona qualquer pessoa seja ela aficionada ou não do esporte



Osmar Coragem e o cuidado de voar com os ventos

A primeira vista, o leigo é levado a pensar que o parapente é um também um para quedas, porém mais comprido. Entretanto este possui um comportamento bastante diferente e conseqüentemente, um universo de aplicações igualmente diferentes. Enquanto quem salta de pára-quedas o faz a partir de um avião, quem voa de parapente sobe até o topo de uma montanha, abre o equipamento e somente aí, corre e decola de uma maneira muito parecida com a asa delta.


Osmar Coragem: A grande sacada e curtir a adrenalina

A grande sacada do pára-quedismo e curtir a adrenalina que é cair no vácuo para finalmente abrir o pára-quedas eventualmente executar as manobras que o velame permite para finalmente pousar (um salto dura cerca de 2 minutos). Já a proposta do parapente é o voo, a pilotagem do equipamento. O piloto dirige sua máquina pelos céus como um avião, podendo subir milhares de metros até descer de pouso, permanecer às vezes várias horas voando. Como se vê, o parapente plana no céu como um pássaro. Uma vez aberto tranforma-se em uma aeronave capaz de planar por horas ao sabor das correntes ascendentes percorrendo dezenas até centenas de quilômetros. É inteiramente dirigível e o piloto decide aonde quer ir ou parar. O equipamento. Dá para ficar muito tempo voando. Mesmo no primeiro vôo, o piloto voa quase quinze minutos sem parar. Dá tempo de olhar a paisagem, sentir o vento no rosto, sentir a temperatura do ar, olhar os outros pilotos e pássaros que estão voando perto.

Recebo e publico!


Olides

Agora é serio. Eu já estava com saudades do teu blog.Valeu...
Sergio

Recebo e publico


Prezado Olides.
Parabenizando-te pelo belo blog que manténs, presto alguns
esclarecimentos que, acredito, podes apreciar e que certamente
servirão para informar ainda mais o pessoal da "velha" imprensa a
relembrar.
Sobre o que informas sob título "O reporter policial que virou
pastor", algum reparo e pequenos adendos:
1 - Não sou pastor. Apenas faço participo da Igreja Adventista do 7º
Dia. Creio que há confusão pelo fato de outro ex-repórter policial de
ZH, o Carlos Henrique de Oliveira Nunes, ter cursado teologia e
coincidentemente ser pastor na minha Igreja.
2 - Minha esposa atual não é Ilza Maria e sim apenas Maria;
3 - Não fui assessor de imprensa da Polícia Civil na gestão do Colares
mas sim do Jair de Oliveira Soares e do então secretário Augusto
Borges Berthier, da Segurança Pública:
4 - Além dos filhos Lúcio Alex (major da BM) e Michele (pós-graduada
em Educação Física e atualmente prestando serviços no Ministério da
Educação, em Brasília), tenho a caçula Fernanda Ruzicki (19/05/90);
5 - Na foto, o repórter que aparece recebendo o abraço do Galdino é o
Sérgio Lima (o "Sapatão"), e o "baixinho" de chapéu, que aparece meio
encoberto pelo Roberto Hirtz, é o falecido comissário de polícia Irami
Ferreira Martins:
6 - O comandante geral da Brigada Militar que aparece na mesma foto é
o coronel Milton Weirich;
7 - A festa documentada se referia ao aniversário do Roberto Hirtz.
Me desculpa se o "lead" foi meio extenso.(imagina se resolvo escrever
a matéria inteira), mas achei que gostarias de er estas informações.
Se me conseguires um meio de contato com o Gelson Farias, com o José
Danter Ripol e com o Vilmo Medeiros, fico desde já muito grato.
Um abração e continua sempre com este belo blog trazendo as coisas
boas à nossa lembrança.

Leopoldo Ruzicki


Teixeirinha


Olides
Estou feliz por ter sido convidado pelo Dr. Isarel Lopes para participar de forma direta da homenagem ao Teixeirinha, dia 1° de dezembro, no Centro Nativista Boitatá, em São Borja. O evento 3ª Charla ao Pé do Fogo - "Querência Amada, 25 anos sem Teixeirinha" foi em homenagem na passagem dos 25 anos de morte do cantor, com organização do Departamento Cultural do Boitatá. Em meio a tantos artistas locais, fui concidado e interpretei a música Tropeiro Velho. Fico grato pelo convite e divido minha alegria com você amigo Olides. Envio a foto também como testemunha.
Grande abraço
Edson Arce MTb 15015 - Rádio Cultura AM e jornal Folha de São Borja


MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

O Brasil pode acertar as contas com a história
Maria Jandyra Cavalcanti Cunha *

“Para virar a página, é preciso lê-la”
Baltazar Garzón


Na terça-feira, 14 de dezembro de 2010, duas semanas antes da troca presidencial no Palácio do Planalto, o Brasil foi condenado por crimes praticados durante a ditadura militar que sufocou o país entre 1964 e 1985.
É o último constrangimento internacional do Governo Lula e o primeiro do Governo Dilma.
Na palestra realizada em outubro passado na Universidade de Brasília (UnB), numa mesa composta pelos ministros Luiz Paulo Barreto (Justiça) e Paulo Vanucchi (Direitos Humanos), Baltasar Garzón emitiu um alerta sobre a iminente condenação do Brasil. O juiz espanhol é um especialista sobre o longo braço da lei, que atravessa os tempos e as fronteiras, em busca da justiça para crimes imprescritíveis de lesa humanidade, como a tortura e os maus-tratos a presos políticos.
Foi Garzón quem alcançou o general Augusto Pinochet em Londres, em 1998, numa ousada ação judicial que punia os responsáveis pelo desaparecimento de cidadãos espanhóis abatidos pela sangrenta repressão que se instaurou no Chile em 1973, após a derrubada do governo constitucional de Salvador Allende. Pinochet amargou 503 dias de uma inédita, constrangedora prisão domiciliar na capital britânica, até ser devolvido ao seu país, onde morreu oito anos depois, aos 91 anos, exatamente a 10 de dezembro de 2006 – por ironia da história, o Dia Internacional dos Direitos Humanos.
Agora, por unanimidade, a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) decidiu reconhecer a responsabilidade do Estado brasileiro na prisão, tortura, morte e desaparecimento forçado de 70 camponeses e guerrilheiros caçados pelas forças militares brasileiras nas matas da região do Araguaia, no sul do Pará, entre os anos de 1969 e 1974.
Com sede na capital costa-riquenha, San José, a CIDH é um órgão judicial autônomo que aplica e interpreta a Convenção Americana de Direitos Humanos. O Brasil é signatário dessa convenção – um detalhe que parece ter ficado tão esquecido pelas autoridades brasileiras quanto as atrocidades cometidas, entre 1971 e 1974, em três fases distintas da luta no Araguaia a cargo de cinco mil soldados (entre eles fuzileiros navais, tropas da infantaria, unidade de elite da guerra na selva e batalhões da brigada de paraquedistas), reunidos para combaterem não mais que 80 guerrilheiros do PCdoB embrenhados na densa floresta do Bico do Papagaio, nas proximidade da cidade de Marabá.
A sentença emitida contra o Brasil estabelece que o Estado brasileiro violou o direito à justiça, no que se refere à obrigação internacional de investigar, processar e sancionar os responsáveis pelos desaparecimentos causados pela repressão do regime militar. A violação ganhou roupagem legal com a chamada Lei da Anistia, promulgada em agosto de 1979 ainda no mandato do general João Figueiredo (1979-1985), o último do ciclo de cinco generais-presidentes que tutelou o país durante 21 anos.
Em agosto de 2008, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma ação que solicitava a revisão da Lei da Anistia, cassando os seus benefícios sobre os agentes da repressão acusados de crimes de tortura, desaparecimento e morte e, ainda assim, anistiados pelo próprio regime a que serviram. “Esta ação da OAB visa evitar que os torturadores fiquem a salvo da história”, justificou o advogado Cezar Britto, presidente nacional da Ordem.
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, posicionou-se contrário à revisão. Alegou que no final da década de 1970, na campanha por uma ‘anistia, ampla, geral e irrestrita’, a OAB tinha “perfeita consciência do contexto histórico [da proposição da Lei] e de suas implicações”. O procurador-geral parece ignorar que a anistia, na verdade, não foi produto de um consenso nacional e, na verdade, refletia uma desigual correlação que beneficiava a força da ditadura contra a vontade da maioria do povo brasileiro.
A Lei da Anistia nasceu nos gabinetes do Congresso Nacional em uma comissão mista onde o partido governista, a Arena, tinha um folgado controle sobre 13 das 20 cadeiras. No Senado, o partido da oposição, o MDB, detinha apenas 25 cadeiras contra 41 da Arena — 21 delas carimbadas popularmente como “biônicas”, vagas de senadores sem voto e escolhidos de acordo com a fidelidade de seus ocupantes à vontade dos quartéis.
Apesar de toda a pressão militar do regime, a lei de anistia cuidadosamente desenhada pelos militares passou apertada na Câmara dos Deputados, vitoriosa por uma maioria de apenas cinco votos: 206 da Arena contra 201 da oposição, engrossada no último momento pela deserção de 15 arenistas liberais, rebelados diante da ordem unida do Palácio do Planalto.
Ao contrário do que imagina o procurador-geral, portanto, a Lei de Anistia de 1979 não foi amplamente debatida pela sociedade, sequer motivo de uma discussão popular. Com filigranas jurídicas e imposições políticas claras, o regime estabeleceu a figura dos “crimes políticos ou conexos”, invenção de texto que permitiu que torturados e torturadores tivessem o mesmo benefício de uma lei feita de cima para baixo por um regime indulgente com os seus próprios crimes. Sem força parlamentar para reagir, a oposição aceitou a solução jurídicamente equívoca, que permitia a volta de exilados à custa da impunidade dos agentes do Estado que abusaram da força.
No dia 29 de abril de 2010, o STF teve a oportunidade de remover esse entulho jurídico, acatando a ação corretiva da OAB que retirava a anistia das mãos ensanguentadas dos torturadores. Mas o tribunal perdeu sua chance. Acompanhando o relatório do ministro Eros Grau, ele próprio um ex-preso político submetido a maus tratos no DOI-CODI, o centro de tortura dos comandantes militares—, o Supremo Tribunal rejeitou o pedido da OAB por sete votos contra dois — os ministros Ricardo Lewandowski e Ayres Britto. “O torturador não comete crime de opinião, portanto, não executa um crime político. É um monstro, um desnaturado, um tarado”, explicou, sem convencer seus pares, o ministro Ayres Britto.
A falta de coragem da mais alta corte de justiça do país tromba, agora, com uma decisão incontrastável de um tribunal continental a que o Brasil, por força de tratado, é obrigado a acatar. A revisão 31 anos depois de uma anistia feita sob medida para proteger criminosos — e, por definição, injusta — foi colocada sob a mira da consciência jurídica internacional, forçando a comparação entre o Brasil impune e os países vizinhos cada vez mais ciosos na busca da Justiça contra seus torturadores.
Um fato agrava ainda mais a situação do STF e do Brasil: a partir de janeiro, a cadeira de presidente será ocupada por uma ex-guerrilheira que passou pelos porões da ditadura, onde sangrou 22 dias sob inclemente tortura no centro repressivo paulista da ‘Operação Bandeirante”, a Oban, a sigla que antecedeu no final dos anos de 1960 ao notório DOI-CODI. Dilma Rousseff carrega no corpo e na memória a experiência vivida de tempos e homens que, hoje, colocam o Brasil no banco dos réus. Em São Paulo, o Ministério Público Federal acaba de abrir um processo contra três militares do Exército e um da PM envolvidos diretamente na tortura. Um dos depoimentos usados pela acusação é de uma presa política chamada Dilma Rousseff.
Com a decisão da corte judicial da OEA, o Brasil poderá enfim acertar suas contas com a história. Afinal, ao contrário de seu inocente antecessor, Dilma Rousseff nunca poderá dizer que não sabia…
* Linguista, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade de Brasília (UnB)


O JOGO ESTÁ “1 X 1”

Por Carlos Chagas

O novo presidente do Tribunal de Contas da União repetiu de forma mais dura, em entrevista à imprensa, aquilo que sustentara em discurso no dia de sua posse, na presença do presidente Lula e de Dilma Rousseff. Para Benjamim Zymler, o TCU será duro na fiscalização das obras públicas e até ampliará o leque das investigações, denunciando qualquer irregularidade comprovada e promovendo seu embargo.

Mais de uma vez o presidente Lula queixou-se dos entraves burocráticos que vem prejudicando a ação do governo federal e algumas obras do PAC. Suas farpas tiveram dois endereços: o TCU e o Ibama. Com todo o respeito, em se tratando do Tribunal de Contas, o primeiro-companheiro não tem razão. Fundado por Rui Barbosa, essa instituição tem prestado relevantes serviços à moralidade pública, mesmo em parte formado por políticos derrotados. Zymler não é um desses, nunca foi deputado, mas funcionário de carreira do próprio TCU. Vai ser carne de pescoço para Dilma.

Quanto às intervenções e embargos de obras públicas promovidos pelo Ibama, a conversa é outra. Não dá para ver a implantação de anéis rodoviários da importância do que circundará o Rio de Janeiro paralisada porque uma raça especial de sapinhos amarelos anda perdendo a tesão. É isso mesmo. Interromperam a obra sob a alegação de que num pequeno trecho os sapinhos estavam se reproduzindo menos... A relação não tem fim, citando-se hidrelétricas interrompidas e ferrovias desviadas por intervenção do Ibama. Preservar o meio ambiente é um dever de todos, mas com a devida atenção ao desenvolvimento nacional.

Coisa bem diferente do que sustar obras onde a roubalheira é explícita. Nesse jogo que o presidente Lula pôs em campo, está dando “1 x 1”...

TOMARA QUE FIQUE

Multiplicam-se as especulações a respeito do ministério, ou das vagas que faltam para Dilma Rousseff preencher. Com uma singularidade: pouca gente especula a respeito da Coordenadoria Geral da União,ocupada por Jorge Haje. Trata-se de uma pasta que ninguém quer, não tem verba para investir nem obras para realizar. Sua importância, porém, supera boa parte dos outros ministérios, encarregada de fiscalizar toda a administração pública. Coisa, aliás, que vem sendo feita diligentemente por seu titular. Como não tem ninguém de olho na CGU, nenhum partido lutando para ocupá-la, tomada que fique assim mesmo e que Jorge Haje permaneça...


Tarso anuncia chefe da Polícia Civil e presidente do Banrisul

Em entrevista na manhã desta sexta-feira, Tarso Genro confirmou os nomes de Túlio Zamin como presidente do Banrisul e do delegado Ranolfo Vieira Júnior como chefe da Polícia Civil durante seu governo. A coletiva foi realizada na casa do governador eleito, em Porto Alegre.

Túlio Zamin – Formado em Ciências Contábeis pela PUCRS, foi secretário adjunto da Fazenda do governo Olívio Dutra de 1999 a 2000, ano em assumiu a presidência do Banrisul. Foi o titular da Secretaria da Fazenda de São Leopoldo durante a primeira gestão de Ary Vanazzi, é o atual chefe de Gabinete da Prefeitura de Gravataí e integra o Conselho Fiscal da Petrobras. Natural de Nova Prata, tem 52 anos.
Ranolfo Vieira Júnior – Nascido em Esteio, tem 44 anos e é formado em Direito pela Unisinos. Tem especialização em Segurança Pública e é professor da Ulbra e da Academia da Polícia Civil na área de Investigação Criminal. Ingressou na Polícia Civil em 1997, integrando diversos órgão da instituição, como o Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc). Desde março de 2005 comanda o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Foto: Caco Argemi

Recebo e publico

do colega alemão Knack!!!



Sim, caro Olides
Estamos aqui, batalhando, uma dupla de dois, o Eduardo Fehn Teixeira e o Horst Knak (eu mesmo), auxiliados por uma tropa de boa gente, fazendo jornais de empresas.
Mais um ano que se vai, bem trabalhado e lutando para manter a clientela, né, sempre é uma briga a cada início de ano e fom de ano...
Sempre de olhos e ouvidos bem abertos, abraço forte (hehe)
Horst Knak


Histórias de La Ùndeze.

Gasparin morreu sem ser diplomado...


na av. Miguel Soccol, nos anos 70, o governador Synval Guazzelli e o prefeito Irceu Gasparin caminham depois de um evento .

No último dia 14/12 completou-se mais um aniversário da morte do prefeito de Serafina, Irceu Gasparin. Ele tinha sido eleito pela primeira vez nos anos 70, depois do terceiro mandato, ou seja, depois que Amantino Montanari, Guerino Massolini e de novo Amantino Montanari fossem os prefeitos. Irceu, na primeira eleição teve grande ajuda de sua mãe, dona Hercília Fonini Gasparin, um misto de parteira com curandeira, com grande prestígio junto aos mais necessitados. Um pedido dela dificilmente não era atendido e ela virou a principal cabo eleitoral do filho...


Sérgio Massolini, vice de Irceu na eleição de 1982, inaugura o busto na Praça Pio XII, em homenagem ao prefeito falecido.

Mas na eleição de 1982, Irceu se elegeu novamente, mas já estava bastante doente, com problemas renais. Ele fez transplante de um rim, que sua mãe lhe doou, em Nova Iorque, mas teve rejeição.

Veio a falecer no Hospital Lazarotto em Porto Alegre.

GRANDE COMPARECIMENTO

a mISSA de corpo presente realizada na Igreja Nossa Senhora do Rosário foi com grande acompanhamento. Segundo meu pai, Alfredo, que esteve na missa, as pessoas saíam pelo ladrão de tanta gente que havia.

A missa foi oficiada pelo padre Roberto Ciotolla. Como era uma época em que estava, de novo, havendo grande número de suicídios em Serafina, conforme lembra a sobrinha de Irceu, Marlusa Pierotto, Ciotola disse no seu sermão que ali estava uma pessoa que havia lutado muito pela vida, mas que infelizmente viera a falecer.


O busto do prefeito Irceu na Praça Pio XII. Ele está enterrado em Vila Oeste, no pequeno cemitério da localidade. Hoje Vila Oeste, juntou-se a sua arqui-rival Pulador e juntas formam o município de União da Serra.

E o padre conclamava,então, os serafinenses a não se matarem por problemas. É que havia ocorrido outra das grandes secas na região e muitos colonos haviam ficado endividados no banco o que os levava ao desespero.

OPOSIÇÃO TENTOU

Os que perderam a eleição,no caso, do PMDB, tentaram junto ao TRE que houvesse uma nova eleição, mas o juiz que analisou o assunto deu como diplomado o vice, Sérgio Massolini.

Massolini, por sinal, fez com que o corpo de Irceu fosse velado em local público, no caso o prédio da prefeitura municipal, na avenida Miguel Soccol, onde hoje funciona a APAE.

Hoje, da família de Irceu restam poucos em Serafina.
Apenas as sobrinhas porque os demais residem em Porto Alegre. Irceu e sua então esposa, Isar Trindade, tiveram um casal de filhos, a Letícia e o Ricardo.


TELEFONIA MÓVEL E DESRESPEITO


Adeli Sell*

O que fazem nossos órgãos de Defesa do Consumidor e nossa Justiça que não multam sistematicamente as empresas de telefonia móvel, para, assim, atormentar um pouco aqueles que tanto atormentam a vida de consumidores indefesos? Como perguntar não ofende, eu pergunto: o que faz a Anatel para enquadrar as empresas de Telefonia? Até quando teremos que conviver passivamente com tudo isso? Desdém total e absoluto. Eu me rebelo em seu nome! Vou lutar pelos que não têm condições de enfrentar esse desrespeito, os que não têm vez nem voz.
Os vereadores de Porto Alegre também sofrem com este mal que inferniza a todos, tendo prejudicado inclusive o trabalho que devemos à cidade, aos sermos privados de um instrumento fundamental de contato com a população. De algum tempo para cá, a empresa que ganhara a licitação de telefonia móvel da Câmara vinha apresentando um serviço impossível de adjetivar sem fazer corar pessoas de bem. Recentemente, em nova licitação, uma concorrente apresentou proposta que conseguiu derrubar a anterior, mas os problemas só aumentaram. Os serviços, que eram péssimos, ficaram ainda piores.
Bastou passar a ponte do Guaíba, noite destas, para participar de uma reunião na Ilha das Flores, para que o sinal do meu celular desaparecesse, me deixando sem comunicação. Um colega, que mora na Zona Sul, nunca pega o sinal da tal empresa. À noite, quando trabalho respondendo e-mails com demandas da população, do senhor e da senhora contribuinte, desaparece totalmente o sinal do famigerado 3 G, ou seja lá o nome dado ao aparelhinho que se conecta no computador e deveria mantê-lo ligado “ao mundo”. E isso que moro no entorno da praça da Matriz!
Começo esta semana uma ampla e ousada campanha, sem papas na língua, dando “nome aos bois” e levando a crítica a todos os níveis em que se aplique. Não vou me furtar a usar os termos que cabem a estas empresas que fazem do desrespeito e da prepotência sua moeda de troca às reclamações. Direi o que são: incompetentes! Estou encaminhando ofício ao meu presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Câmara Municipal propondo, inicialmente, a ouvida da empresa que nos "presta" serviços, para depois ouvir também as outras. Em requerimento, peço ao Presidente da Câmara que abra processo de rompimento de contrato, com pedido de ressarcimento de perdas e danos para a Câmara e aos/às 36 vereadores/as.
É o mínimo que posso fazer para iniciar esta cruzada contra o desserviço das empresas de telefonia móvel.

* Adeli Sell é vereador do PT / Porto Alegre

O fogo intestino


A entourage em volta da vereadora,agora deputada estadual diplomada Juliana Brizola, do PDT,descobriu de onde veio boa parte da munição do colega Mauro Zacher(PDT) contra a Secretaria da Juventude: de assessores do deputado federal Vieira da Cunha...

Por isto ela não estaria disposta a perdoar tão fácil !!!!

O Gordo Ucha


Danilo Ucha foi suficientemente homenageado neste final de ano. O gordo, como é chamado pelos colegas, já tem muita estrada. Conheci Danilo no distante ano de 1973/74,quando ele assumiu como editor de Polícia da ZH.

Não lembro mais agora se foi uma emergência(sempre acontecia isto) ou se foi mais uma escolha mesmo.

Me lembro que o Gordo me mandou a Dom Pedrito fazer uma matéria tri complicada. Uma professora teve o marido acusado de abigiato na cidade, mas a profi era pessoa muito distinta na cidade....Seguramente alguém tinha passado esta pauta pro gordo Ucha.

Lá me fui no fusquinha da ZH, com o fotógrafo Guto Pereira que foi queimando um atrás do outro de Porto Alegre a Dom Pedrito.

Quando chegamos, descobri a professora e o Guto tinha que fazer as fotos,como se dizia, fotos roubadas porque a pauta era tri difícil. Mas o cara tava tão nas nuvens que esqueceu de engatar direitinho o filme na máquina.

De volta a Porto Alegre, o Guto foi ver o filme e não tinha batido uma chapa....

No outro dia, o Gordo Ucha estava puto da vida...

Bom, o Guto nem se apresentou ao Telminho Cúrcio,chefe da fotografia, pra trabalhar. Simplesmente pediu demissão.

E eu tive que retornar a Dom Pedrito pra fazer as fotos, porque a matéria eu já tinha. Tive que ir junto. Não lembro mas acho que foi o Paulinho Franklen que foi ....e com muito esforço conseguimos fotografar a professora de novo.

CARNEIRO LOPES

OUTRA que lembro deste tempo do Gordo como editor de Polícia aconteceu com o José Carneiro Lopes.

O Lopes ficou fora oito dias,dizendo que estava no interior, me parece Rio Grande, que ele tinha ido fazer grandes matérias.

Quando o Gordo descobriu, o Lopes estava era em Porto Alegre, mesmo...

Bah, o editor ficou puto da vida, de novo.

Assim, ele ia contornando aquela turma boa de reportagem, mas meio complicada de administrar.

AS AGRURAS DO NOVO GOVERNADOR


Por Carlos Chagas


Diplomado ontem o novo governador de Brasília, Agnelo Queiroz, voltam-se as atenções para o primeiro dia de janeiro, quando assumirá. Fazer o quê,diante do caos em que se transformou a capital federal? Pode ser que ele saiba, mas quanto aos resultados, fica a interrogação. Senão vejamos:

O serviço de saúde pública naufragou. Hospitais e postos carecem de tudo, a começar pelos médicos, dos mais mal pagos de todo o país. As filas estendem-se desde o dia anterior. Intervenções de emergência são marcadas para seis meses depois, mas rotineiramente adiadas quando chega o dia. As UTIs não funcionam, faltam os remédios que o governo deveria distribuir gratuitamente. Equipamentos caríssimos permanecem nos caixotes por anos a fio. Acresce que não apenas a população de Brasília e do entorno goiano valem-se dos serviços locais, ou tentam valer-se. Municípios existem em Goiás, Minas, Bahia, até no Maranhão e no Piauí, cujos prefeitos, em vez de construir postos de saúde, compram ambulâncias: fica mais barato mandar seus doentes para Brasília. A única exceção em termos de saúde pública é o Hospital da Rede Sarah, uma referência mundial para doenças no aparelho locomotor, mas situa-se no plano federal, sem sofrer interferência do poder local. Ainda bem.

O trânsito virou uma loucura. Logo haverá mais veículos do que habitantes, no Distrito Federal, mas guardas, sejam do Detram ou da Polícia Militar, de jeito nenhum. Engarrafamentos multiplicam-se nas horas do rush e, no centro da cidade, estaciona-se até em fila tripla. Os transportes coletivos pouco ajudam ainda que a máfia das empresas de ônibus continue estimulando greves de motoristas e trocadores para conseguir sempre aumento de tarifas. Aliás, as mais caras do país. Na rodoviária do Plano Piloto as escadas rolantes não funcionam e a sujeira é uma constante, paraíso de drogados, desocupados e indigentes. Mil vezes reformada, ela permanece a mesma pocilga de sempre.

Em Brasília não há cracolândia definida. Espalha-se o uso do crack por todas as superquadras, setores habitacionais, centros comerciais, condomínios, invasões e cidades-satélites. Uma praga de fazer inveja aos antigos donos do Complexo do Alemão, pelo potencial de fregueses. Maconha e cocaína são oferecidas abertamente, até nos salões do Congresso.

Depois do pôr-do-sol tornou-se um risco ficar na rua, na periferia da capital. Sucedem-se os assaltos com abominável rotina, sem falar no temor dos pequenos comerciantes de terem confiscada a féria do dia por marginais de toda espécie, em especial menores de idade. Roubos em residências são freqüentes, nos bairros mais luxuosos não há casa onde não se encontre um segurança contratado. Desdobram-se as polícias civil e militar, mas o número de meliantes cresce em progressão geométrica, enquanto os agentes, sequer em progressão aritmética. Brasília acaba de ocupar os primeiros lugares nas estatísticas de assassinatos, estupros e seqüestros-relâmpago.

Os tais quinze milhões de empregos que o governo Lula disse haver criado passaram longe daqui. Basta parar num sinal de trânsito qualquer para se contar o número de pedintes, camelôs que vendem panos de chão, bolas e bonecos de toda espécie. Além de mendigos e distribuidores de folhetos de propaganda. Com prevalência de maiores de idade, apesar da quantidade considerável de crianças e de velhos.

A maior área verde urbana do país consegue, também, tornar-se a maior concentração nacional de gambás e ratazanas, infestando os setores nobres de habitação, os bairros de classe média e as vilas mais modestas.

Como começamos, vamos concluir essa rápida resenha das agruras visíveis de Brasília com a saúde pública: os casos de dengue batem recordes a cada mês e até uma abominável bactéria infensa a antibióticos acaba de ser detectada, espalhando-se pelos hospitais locais.

O problema é que Agnelo Queiroz precisará enfrentar o maior de todos os males, invisível mas tão ou mais solerte que os demais: a corrupção. Antes, dizíamos que os corruptos vinham de fora, até chegavam às terças-feiras e iam embora às quintas, uma forma de os brasilienses revidarem a má-vontade e as agressões de jornalistas, empresários e bobalhões de São Paulo e do Rio. Infelizmente, não é mais assim. Já temos bandidos de colarinho branco estabelecidos em nossos limites. Um senador foi cassado, outro renunciou para não ser e um governador acabou preso. Imagine-se quantos sócios, coniventes, aproveitadores e asseclas orbitavam em torno deles. A maioria continua livre até das denúncias públicas, impávida, continuando a fazer negócios escusos, amealhando comissões e conseguindo contratos às custas dos dinheiros públicos e das contribuições privadas. Tem muita gente honesta no governo do Distrito Federal, mas, meu Deus, quantos ladrões, também!

O novo governador que se cuide, porque por muito menos Napoleão perdeu a guerra...


O governador eleito Tarso Genro foi diplomado

 

O governador eleito Tarso Genro foi diplomado nesta-sexta feira (17), durante a solenidade no salão de atos da UFRGS. Na sessão solene do TRE, também foram diplomados o vice-governador Beto Grill, além dos senadores e deputados estaduais e federais eleitos em outubro.

Foto: Caco Argemi


Tarso garante diálogo com a Farsul



O governador eleito visitou, nesta sexta-feira (17) a sede do sistema Farsul em Porto Alegre. Tarso Genro foi recebido pelo presidente da entidade, Carlos Sperotto. Também participaram da reunião o futuro secretário da agricultura, Luiz Fernando Mainardi, e o vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira.

Durante o encontro Tarso garantiu que irá manter o diálogo permanente com a Farsul. "Vamos trabalhar juntos em vários momentos. Queremos que o Estado se consolide como o maior e melhor produtor de carne do mundo e pra isso é fundamental a relação concertada com os produtores. Também teremos a parceria na organização das edições da Expointer", ressaltou o governador.

Tarso também garantiu que atuará de maneira preventiva para evitar conflitos no campo.



FOTO: CACO ARGEMI


Repercute...

Folgo em saber que nos leem...tanto que no sábado,dia 18/12, coluna da Rosane, na ZH, deu suite da matéria da vereadora Juliana Brizola que publiquei com 24 horas de antecedência.

Elogio melhor que este não tem....


*Sábado foi inaugurado café do Espanhol no térreo do prédio da ARI.


*Timóteo Lopes esteve no sábado no barzinho da ARI.

Mora no Rio.


Coleguinhas


*Edgar Schmidt entrou em férias da Guaíba. Só retorna dia 19/01/12.


*Benito Giusti,que sai pouco de casa, lembrou-me que costumava ir na casa do Carlos Nobre, no Guaruja.

- Era um chalé que ele tinha lá.

E diz Benito, os ladrões gostavam de levar os aparelhos de telefone do Nobre, que se irritava sempre com isto.

Affair


O que todo mundo comentava a boca pequena, foi tornado público pelo colega Políbio Braga, em seu blog, ontem,domingo,19/12.
Juliana Brizola e Mauro Zacher, protagonistas de um grande debate na Câmara Municipal no dia 6/12 passado, tiveram um "caso" - na expressão do c olega - antes dela casar com Alexandre Rambo.

Pronto: desfeito o mistério. Não sei porque as pessoas fazem tanto suspense....


PMDB


Da convenção de ontem, no Embaixador:

1) Não vi nem o Pedro Simon, nem o deputado Mendes Ribeiro. Vi Fogaça( que tava com cara de constrangido, também não é pra menos) Sartori, Lélio Souza, Rospide Neto, Padilha e outros próceres do velho MDB DE GUERRA. MAS O AUTOR DA FRASE, sifu, sumiu....


PMDB!

A chapa do deputado Alba, a dois, meio que de Oposição fez 200 votos,c ontra 301 digamos da cahpa Um, espéce de situação.


PMDB!

O deputado Giovani Feltes(PMDB) depositou o voto em urna errada.


PMDB!

Os irmãos Postal - alexandtre e fernando - estavam sentados juntos e na frente deles, o ex-prefeito de Serafina, Luis Antônio Ghelller.

PMDB


Salete Pinto Cadore, presidente do partido de Serafina, acompanhou tudo, desde as 9 da matina. Cruiz credo...


Memória da Imprensa


O " assaltante" de ônibus

Rogério Luiz Böhlke.


Encontrei ontem na convenção do PMDB, o repórter-plantonista Rogério Boelcke, de Turrusu do Sul. Agora ele trabalha pra ABC,rádio do Grupo Gusmão, de NH.

Mas foi da Guaíba muitos anos.


E quando estava na Guaíba, foi protagonista de um episódio pra lá de hilário. Ele ia sempre gravar comerciais no Morro Sangta Tereza pra TV2 Guaíba.

Numa sexta, depois do serviço, dia que de tardezinho o morro desce todo pros bailes da João Pessoa, Rogério entrou no onibus TV e sentou na frente. Do seu lado sentou um brutamontes. Rogério, instintivamente, passou a mão no bolso e sentiu um arrepio. Cadê a sua carteira.

Olhou pro brutamontes que o ladeava e falando baixinho criou coragem:

- ME PASSA A CARTEIRA E DESCE LOGO NA PRIMEIRA PARADA SEM FAZER ESCANDALO SENÃO TE PASSO FOGO!!!!

O colega do lado pensou que fosse um assalto. Passou a sua carteiro pro alemão de Turrussu e em seguida sem fazer o menor alarde desceu pela porta da frente, na parada junto ao quartel.

Rogério pegou a carteira e nem a olhou. Botou no bolso.

Quando chegou na portaria do prédio da Caldas, no centro, pra onde voltou porque tinha algo pra fazer, ele viu que o porteiro o esperava:
- Seo Rogério o senhor esqueceu sua carteria. Acharam e deixaram aqui.

Aí lhe caiu a ficha que ele tinha assaltado o brutamontes.

Dentro tinha lá uns pilas e documentos. Fez que outra pessoa a devolvesse ao dono.


Memória Política


Quando uma secretária entrega o jogo....


Encontrei ontem na convenção do PMDB a Leocádia Jung, velha guerreira do PMDB. Está sempre e em todas. Em 1986, quando Pedro Simon se instalou no prédio do IPe, na Borges, com seu gabinte de transição, Leocádia me passava cada informação exclusivida sobre o secretário. Eu ligava no fim de tarde e dava alguns nomes. Ela apenas dizia:
- É por aí, não é....


Eu apresentava pros editores de Política e eles não entendiam como eu sabia daquilo se o colega Carlos Sávio era o setorista do PMDB e ficava no gabinete o dia inteiro.

É que uma "garganta profunda" destas não é sempre que se consegue.

COMO ERA ANTIGAMENTE


O historiador Sérgio da Costa Franco, dias atrás, folheando a GAZETA DO COMERCIO, jornal de 1907, encontrou esta errata;

- FELIZMENTE não foi exata a notícia da morte de JOÃO MACIEL. O mesmo encontra-se em bom estado de saúde!

Agradecimento

Na preocupação do Volmer, agradeço aos vários leitores que demonstraram preocupação querendo saber o que havia com o blog. Publico apenas a cartinha dele. Nada demais, problemas técnicos da blogueira....

Aos que não mostraram preocupação, eu digo que não me importo já faz tempo que não dou mais bola para isto... Fui o único repórter que chegou no cemitério da Santa Casa de Misericórida, na tarde de domingo quando lá chegou pra ser velado o corpo de Breno Caldas, que tinha sido o mais poderoso dono da imprensa durante décadas no RS. Tinha 3 pessoas esperando por ele, é que a família estava toda falida.Assim que vamos tocar o barco...

Preocupação

Alguém pode me informar o que está acontecendo com o Olides? Estou verdadeiramente preocupado com a falta de atualização de seu blog, o que pode significar que algo tenha lhe acontecido.

Wolmer Jardim.

O que fazer no findi

algumas dicas


a) Show gratuito no Santander, as 18 horas de domingo.

b) filme da Elza Soares no Sindibancários


c)" Gozar" os colorados que já tinham o palco montado pra festa do BI no Parcão.....

Carregadores são acusados de furtar
Bagagem no aeroporto de Ezeiza.

Por Gelson Farias


Furto foi descoberto durante inspeção de rotina em Ezeiza.Compartimento de carga tinha malas cortadas e fechos quebrados.


Matéria de capa do jornal O Clarin.


Quatro carregadores foram detidos no aeroporto internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, o maior da Argentina, acusados de tentar furtar dinheiro e objetos de valor da bagagem de um avião que viajaria para São Paulo, informou a Polícia de Segurança Aeroportuária. O furto aconteceu na terça-feira e foi descoberto em uma inspeção de rotina, quando a polícia percebeu "manobras incomuns" em um avião.
Os agentes encontraram no compartimento de carga do avião malas cortado e com os fechos quebrados, e um dos carregadores detidos estava com uma bolsa com jóias e um canivete.
Esta é a notícia do Clarin.
Quatro carregadores foram detidos no aeroporto internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, o maior da Argentina, acusados de tentar furtar dinheiro e objetos de valor da bagagem de um avião que viajaria para São Paulo, informou a Polícia de Segurança Aeroportuária nesta quarta-feira (28).
O furto aconteceu na terça-feira e foi descoberto em uma inspeção de rotina, quando a polícia percebeu "manobras incomuns" em um avião. Os agentes encontraram no compartimento de carga do avião malas cortado e com os fechos quebrados, e um dos carregadores detidos estava com uma bolsa com jóias e um canivete.
No vestiário usado pelos carregadores foram encontrados relógios, jóias, notas de euro e dólar, artigos eletrônicos e oito navalhas. Os carregadores eram funcionários de duas empresas terceiriza
Olides. Está matéria, até vai servir de alerta para muitos turistas, aqui do Rio Grande do Sul, em viagem de férias para a Argentina, ou com viagem para outro país com escala no aeroporto internacional de Ezeiza, em Buenos Aires. Posso adiantar que não é nenhum bicho de sete cabeças terem a preocupação com a bagagem quando se esta no saguão do aeroporto, pois quando ela é despachada, ai, meu irmão, tudo pode acontecer com elas. A imigração é amistosa e em pouco tempo você já está em frente à esteira de bagagens. Todo mundo por ali (e em todos os negócios voltados ao turista da cidade inteira) vai tentar entender português, então essa é uma preocupação a menos.
Já se perguntou qual é o caminho da sua bagagem dentro do aeroporto?


Esteira de Bagagens do Ezeiza


Estudos mostram que os roubos e furtos ocorrem em vôos do México, Panamá, Caribe, Cuba, Buenos Aires Chile, peru e ouros países, com escalas no Salgado Filho e, Porto Alegre. São Mia de 600 casos por mês. E nem todos conseguem reaver seu pertences roubados.
Quem não conhece ou já vivenciou um caso típico de extravio de bagagens? Não é difícil presenciar passageiros desolados, olhando esperançosamente para a esteira do aeroporto, à espera de malas que não chegaram. Antes de se irritar com o sumiço e perder a cabeça com o funcionário da companhia aérea, saiba quais são alguns dos motivos que levam uma bagagem a ser extraviada e como proceder para que tudo se resolva da melhor maneira possível.
Afinal de contas, onde foi parar a minha bagagem?
São inúmeros os fatores que podem levar a sua mala para um destino diferente do seu. Os principais são;
.: Erros de etiquetagem: apesar da informatização dos aeroportos e por conta do volume de bagagens, os erros de etiquetagem ainda são inevitáveis. Os funcionários do check-in lidam com uma infinidade de volumes e nos horários de pico tudo pode se complicar, especialmente se eles deixarem para por as etiquetas depois que você abandonar o guichê. Outros passageiros virão com suas malas para cima da balança e aí pode surgir uma confusão;
.: Erros de distribuição: nos principais aeroportos brasileiros, depois que a sua mala é etiquetada, cai numa esteira central da qual é levada para o carro que fará o transporte até o avião. Vários carros ficam dispostos lado a lado, com placas que identificam o número do voo e o destino. Com aeroportos designados por códigos tão parecidos (CGH para Congonhas, São Paulo; CGB para Cuiabá e CGR para Campo Grande, por exemplo), sua mala pode ser carregada no carro errado para o avião.


Passageiros no check-in do aeroporto de Ezeiza


Erros de carregamento: os porões das aeronaves são divididos por destino. Assim, os funcionários dos aeroportos sabem que malas devem ser retiradas em que lugar. Sua bagagem pode ser acomodada no porão errado caso, por exemplo, você tenha chegado atrasado para o check-in. As chances de ela ser colocada num porão diferente por falta de espaço ou para não atrasar o voo são remotas, mas existem; Outro passageiro pegou sua mala na esteira: as bagagens são todas tão parecidas que é comum ver casos de gente que vai embora com a mala de outra pessoa. Caso perceba o erro a tempo, provavelmente ela voltará ao aeroporto. Um sinal óbvio de que isso aconteceu é quando uma bagagem parecida com a sua sobra na esteira; Você precisou usar o banheiro do aeroporto e não foi buscar a sua mala: os funcionários das companhias aéreas têm um tempo limite para permitir que as bagagens fiquem na esteira. Como evitar problemas Para reduzir as chances de um problema como esses acontecer, você pode tomar pequenas atitudes que surtem efeito.
Chegue com a antecedência solicitada ao aeroporto. Esse pedido por parte das companhias tem fundamento: tudo em aviação precisa ser feito com muita antecedência, por conta dos cálculos que envolvem o peso e o centro de gravidade do avião. Há prazos certos para ter tudo isso em mãos e garantir que o voo decole no horário. Apesar de trabalharem com margens de erro e variação, às vezes todo o trabalho é perdido por conta de um atrasadinho que faz com que tudo precise recomeçar do zero.
Identifique a sua bagagem com nome, endereço, telefone, e-mail, companhia, voo, data e horário de cada viagem. Dá trabalho, mas além de ganhar a adoração dos funcionários caso sua mala apareça no destino errado, vai facilitar muito que ela volte com rapidez para as suas mãos. Além disso, fique de olho na etiqueta que é posta no check-in. Confira o código do aeroporto de destino, especialmente se houver conexão. Personalize a sua mala: coloque um enfeite chamativo para diferenciá-la das demais. Muitas pessoas amarram fitas nas alças ou colam adesivos no corpo da bagagem, evitando que outras pessoas cometam enganos. Por fim, evite levar papéis importantes, jóias, remédios, equipamentos eletrônicos e dinheiro na bagagem despachada.
Caso passe por algum problema, tanto de extravio quanto de dano à mala, lembre-se de localizar um funcionário e formalizar sua reclamação antes de sair da sala de desembarque. Reclamações de danos só são aceitas enquanto o passageiro ainda se encontra na área restrita do aeroporto. Quanto aos extravios, você deve preencher o Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB) fornecido pelas companhias e acompanhar o processo de rastreamento através do telefone, com o protocolo entregue no ato da reclamação.
As principais companhias aéreas de todo o mundo investem pesado em sistemas informatizados de localização de volumes perdidos e todos os aeroportos contam com procedimentos específicos e bastante avançados para lidar com esse tipo de problema. Apesar de poderem manter uma mala na situação de extraviada por até 30 dias, as companhias têm conseguido resolver tudo em prazos muito inferiores.

Extravio de bagagem - Dicas

Aqui, que começa os furtos de objetos na malas nos aeroportos

 

Podem concordar comigo que uma das maiores aflições no aeroporto é quando esperamos, ansiosamente, colado na esteira ou, às vezes, com a cabeça quase que enfiada na "boca" da esteira, a sua tão esperada mala de viagem. Neste momento, diga-me se não é bem comum ouvir dos passageiros, frases do tipo: "putz! que bom, lá está ela (minha mala)" ou "graças a Deus lá vem ela". Não importa só a mala chegar. Importa que ela chegue intacta ou não violada.


Aeroporto Internacional de Ezeiza


Ano passado estive fazendo uma viagem, junto com a minha esposa, para Nova Zelândia Quando cheguei, na. Volta com escala no aeroporto de Ezeiza, para Porto Alegre, tive uma de minhas malas cortada na parte lateral.. Mas, eu somente fui perceber isso, quando estava pegando a mala na esteira do salgado Filho. Bom, não tive dúvidas: fiz a reclamação perante a Cia. Aérea, guardei bem os tickets de passagem e o protocolo da reclamação. Ah! E rezei bastante também. Um mês depois, fui chamado, para comparecer na Avenida Bahia, um prédio de três andares, onde fica o escritório da Aerolíneas Argentinas, em Porto Alegre. ( Fui indenizado pela Cia aérea, sim senhor. É o que importa !).


Eu e minha esposa, junto com a filha na chegando da Nova Zelândia no salgado Filho.


Depois deste fato, resolvia fazer uma pesquisas na internet e no Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei nº 7565/1986) para deixar aqui algumas dicas caso a sua mala se extravie, mas a melhor dica fica para o final por conta de uma decisão judicial que li a respeito e que poderá lhe ajudar caso tenha que ir à Justiça buscar a sua reparação. Vamos lá:

a) Guardar "bem" o ticket da passagem aérea e o respectivo comprovante de entrega da bagagem;

b) Fazer uma reclamação da Cia. Aérea por meio do Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB);
c) Saber descrever bem a mala (até tirar uma foto da mala antes de despachá-la vale a pena), pois irão pedir para você descrever como é a mala. (Por isso que, às vezes, você vê malas verdes com fitas vermelhas ou até malas estampadas com bolinhas coloridas nos aeroportos, pois certamente malas deste tipo ajudam na identificação e localização pela Cia. Aérea. Acreditem);

d) A sua mala extraviada poderá ser entregue onde você desejar (destino ou origem);
e) Na hora do despacho você pode declarar os bens que estão na sua mala, desde que não sejam de altíssimo valor. Terá que preencher um formulário e pagar uma taxa, que depende de cada Cia. Aérea. Assim, você será indenizado, no caso de extravio, no valor acordado com a Cia. Aérea neste documento;

Porém, a melhor dica é esta: caso não declare os bens que leva na mala, leve contigo em sua bagagem de mão os itens de mais valor (lógico), e caso tenha feito alguma compra de material eletrônico, p.ex., guarde o folder do aparelho eletrônico em sua bagagem de mão, juntamente, com a nota fiscal ou comprovante de pagamento do produto.

Estes documentos poderão servir como uma ótima prova em juízo de que você comprou aquele produto durante a sua viagem (a data da compra "baterá" com a data da viagem) e você terá, ainda, as informações completas do produto extraviado de sua mala por conta do folder guardado ou no caso da mala nunca mais ser localizada.

Lembrete: a Cia. Aérea tem 30 dias para localizar sua mala. Esperar este tempo é bem razoável antes de tomar qualquer atitude judicial. Estas dicas servem muito bem para vôos nacionais ou vôos internacionais do exterior para o Brasil. Para vôos internacionais algumas dicas valem, mas há outras regras em questão como a Convenção de Varsóvia. Por exemplo, uma indenização fixa de 20(vinte) dólares americanos por quilo extraviado (de acordo com a Convenção citada).

Lembranças...


"A lembrança da minha superação estava naquela mala", conta a advogada Andrea Silva Araujo, de 37 anos, que após realizar uma cirurgia na coluna decidiu correr os 21 km da meia maratona no Chile.. Ao retornar ao Brasil em um voo da companhia Lan, teve a bagagem extraviada e hoje luta na justiça para ser indenizada. "É desesperador ficar na esteira e a mala não chegar", diz ela.
Encontrei a advogada Andrea, no saguão de embarque no aeroporque, em Buenos Aires. Ela estava indignada. Disse que na mala havia documentos e fotos de seu casamento e outras recordações de sua família. Sua vida estava naquela mala. E tudo foi perdido. A bagagem de Andrea é apenas uma das 90 mil extraviadas a cada dia no tráfego aéreo mundial, segundo estudo recente da Comissão Européia. De acordo com o documento, uma em cada três mil malas extraviadas nos aeroportos do mundo nunca mais volta às mãos do proprietário. Problemas de organização, erros e roubos são as causas mais freqüentes.
Para evitar o problema, a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) recomenda que malas, sacolas, pacotes e bolsas de mão sejam identificadas - dentro e fora - com etiquetas que contenham nome, endereço completo e telefone. "Também é recomendável usar um cadeado resistente e embalar a mala", explica a assistente de direção do Procon, Valéria Cunha.
Bagagem extraviada. E agora?

O primeiro passo é preencher o Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB) no balcão da companhia aérea e, em caso de problemas, recorrer a um fiscal da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Atualmente, a Anac possui postos de atendimento nos principais aeroportos do País e oferece um serviço online, para os passageiros que quiserem registrar queixas sobre as empresas. Confirmado o extravio, a companhia tem um prazo máximo de 30 dias para a localização e entrega da bagagem. Após esse período, o passageiro deve ser indenizado pela empresa. Como forma de prevenção, o viajante pode declarar o valor dos itens presentes na bagagem. Para tanto, a empresa tem o direito de cobrar uma taxa suplementar e verificar o conteúdo das malas. O valor da indenização, neste caso, será o declarado e aceito pela companhia.

Nos voos internacionais, a Convenção de Montreal limita a responsabilidade da companhia em 1.000 Direitos Especiais de Saque (DES) por passageiro. O DES é a moeda do Fundo Monetário Internacional (FMI), cujo valor oscila diariamente conforme as cotações de um conjunto de moedas. Já no transporte doméstico, a reparação dos danos obedece aos limites estipulados no Código Brasileiro de Aeronáutica (CBAer), de cerca de R$ 36 por quilo.



Cuidando das bagagens de mão


Uma resolução não está acima de uma lei federal. Nestes casos de extravio de malas e roubos e objetos nestes casos prevalece o Código de Defesa do Consumidor. O passageiro deve ser ressarcido na medida do seu dano e recorrer judicialmente caso não esteja satisfeito com o valor ressarcido.


Na tendas de café, do aeroporto de Ezeiza, leve sempre a sua bagagem na mão. Se deixar no chão, corre o risco de ser roubado.


Deu na Folha de São Borja!


O vereador Celso Lopes, que neste momento " veraneia" no Litoral de " Santa" antes deixou este primor de projeto aí encaminhado.
Inicialmente, alguns mal informados andaram espalhando que o projeto era do assessor do Celso, Letier Vivian. Mas não é , não, é do próprio....

Quem sabe, sugerem alguns, os " dragões da independência" ficam hospedados no hotel do Celso,as suas expensas!

 


Coleguinhas


Vera Spolidoro será a secretária de Comunicação do Futuro governo do Estado e Pedro Luiz Osório o diretor-presidente da TVE. Tudo dentro do previsivel. Era aquilo que o mercado trabalhava.


Coleguinhas

Alguns setores do PT chegaram a apostar em Gilmar Eitelwein pra presidir a TVE. Não levou. Talvez uma diretoria da FM Cultura.Bem que o " Xineco" merecia, mas as pressões aí vem de todo o lado.

Coleguinhas

Beto Bottega, da assessoria de imprensa mais badalada nos botecos de Porto, andou no lançamento do livro da Patrícia Knebel, do JC, na livraria do shopping aquele que fica na Zona Sul. Diz ele que tinha fila pra caramba. Também o prefácio do livro é do Jorge Gerdau. Estava lá a Carla Lubisco, a mais badalada personal , que eu conheci dez anos atrás, quando ninguém sabia quem era....Só que era filha da Rosa Lubisco.


TRÊS RECEITAS PARA AJUDAR A ACABAR COM A POBREZA


Por Carlos Chagas


Ao ser diplomada presidente da República, sexta-feira, Dilma Rousseff deverá enfatizar a idéia-base que norteou sua campanha: acabar com a pobreza no país. Meta de realização difícil, quase impossível para um ou dois mandatos, mas elogiável quando se trata de dar mais um passo na penosa marcha até a realização da justiça social.
Vão, descompromissadamente, três sugestões capazes de ajudar, já que o uso racional de recursos públicos insere-se na primeira fila da concretização do objetivo da presidente eleita:
Por que não restringir às exigências legais, às campanhas mercadológicas e à prestação de serviços essenciais, a publicidade das empresas estatais e da administração direta? É impossível calcular tudo o que o poder público repassa anualmente aos meios de comunicação, grandes e pequenos, na maior parte de maneira fajuta, apenas para garantir simpatia ou atenuar críticas. A Petrobrás, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica e os Correios, por exemplo, não tem porque patrocinar telejornais, financiar jornais e revistas anunciando planos e realizações incapazes de conquistar-lhes um simples freguês ou correntista. Que patrocinem esportes, artes e atividades comunitárias, tudo bem. Mas notícias e informações, de jeito nenhum. A mídia, no sistema capitalista que tanto defende, que vá buscar patrocínio nas empresas privadas. Jamais nas tetas dos cofres públicos.
Grande economia faria o estado brasileiro caso mandasse suspender todo e qualquer repasse de dinheiro para as Organizações Não Governamentais. Nem se fala das ONGs fajutas, fantasmas, criadas apenas para sugar o tesouro nacional através de emendas parlamentares ao orçamento e outros expedientes. Mesmo as sérias, aquelas que prestam serviços comunitários ou servem aos direitos humanos e sucedâneos, se são “não governamentais”, porque atrelam-se aos recursos do governo? Vão buscar na sociedade os meios de prestar-lhe serviços. Quantas centenas de milhões seriam economizados para aplicação no combate à pobreza?
Por último, nesse arremedo de sugestões quase impossíveis de viabilizar-se, por que não extinguir de uma só vez os famigerados cartões corporativos que fazem a festa de muitos ministros e ministérios, além de empresas estatais e instituições públicas como a Abin e outras? A proposta pode ter sido boa quando criada, mas os abusos sucedem-se em ritmo alucinante. Se era para agilizar a ação da máquina administrativa federal, e acabou num buraco sem fundo, que tal voltar ao modelo antigo, de verbas empenhadas para despesas urgentes, só que dentro de padrões modernos e sem burocracia? Possível é, ainda mais ao atentar-se para o volume de gastos supérfluos, quando não marotos e ilegais.
Até a posse, no primeiro dia de janeiro, outras receitas poderão reunir-se a estas, ainda que, vale repetir, só por milagre poderão quebrar a barreira de abomináveis fatos consumados aos quais os governos acostumaram-se.
O SINO E A PROCISSÃO
Saiu-se com bela imagem o senador Mão Santa, por sinal não reeleito para a próxima Legislatura. Disse que “ou se toca o sino ou se acompanha a procissão”. As duas coisas, não dá.
Dilma Rousseff anunciou, logo depois de eleita, que seu ministério seria meio técnico, meio político. A prática vem sendo cruel, nesse período de montagem de sua equipe. A predominância está sendo para a política, não obstante a solidez até agora registrada no grupo técnico. No correr da semana a presidente eleita deve escolher os 21 ministros que faltam, pois até agora 16 foram anunciados. Pelo jeito, a maioria virá da procissão de pedintes que integram os partidos, quase todos atrás das graças e dos milagres da Santa, incapazes de tocar o sino. O perigo é desfazer-se a imagem de um ministério eficaz e competente, atropelado por indicações partidárias fisiológicas.
CINCO PARTIDOS NUM SÓ
Reúne-se amanhã a bancada do PT na nova Câmara, com direito à presença de líderes que não são deputados. Apesar de a pauta indicar os entendimentos finais para a escolha do futuro presidente da casa, na verdade estará acontecendo mais um capítulo da guerra de foice em quarto escuro travada entre os companheiros. Porque o PT não é um. São cinco, a saber: “Construindo um Novo Brasil”, “Mensagem”, “Democracia Socialista”, “Movimento PT” e “Articulação de Esquerda”.
Cada grupo se apresenta de goela aberta, em busca da nomeação de ministros. Os “construtores” já emplacaram oito, os “mensageiros”, três. Os demais permanecem à mingua, mas ávidos de um lugar ao sol. Enfrentam-se com mais gana do que com outros partidos, insensíveis ao apelo do presidente Lula para unirem-se em torno de Dilma Rousseff. União estranha, essa prevista para amanhã.

DIFICULDADES NA PACIFICAÇÃO
Desde as preliminares da invasão do Complexo do Alemão, no Rio, milhares de fotos e de imagens televisivas vem mostrando fenômeno singular: o emaranhado de fios envolvendo postes e casas como numa imensa teia de aranha. Perigosa, por sinal, já que os curtos circuitos estão a um minuto de registrar-se. Trata-se de obra de eletricistas profissionais e de amadores, tudo para as comunidades receberem, sem pagar, ligações capazes de permitir-lhes acesso gratuito à energia que alimentará lâmpadas, fornos de micro-ondas, aparelhos de televisão e até computadores. São os célebres “gatos”. Faz décadas que os fiscais da famigerada Light não sobem o morro. Nem subirão, mesmo com as áreas pacificadas. Arrisca-se a ser posto para fora aos ponta-pés quem se propuser a reordenar aquele caos, passando a cobrar pelo consumo. As comunidades iriam preferir até mesmo o retorno dos traficantes, mas pagar contas de luz, de jeito nenhum. E agora, fazer o quê, quando a Força de Pacificação está prestes a assumir?

Coleguinhas

Gerson Anzolin da Guaíba pegou 13.12 a evacuação do prédio do Foro Central de Porto Alegre. Ele teve sorte: ia passando por ali e viu a movimentação....

repórter tem que estar é na rua...sempre acontece algo.


Coleguinhas


Jornal O SUL de 14/12 tem como primeira aniversariante, a figura ilustre da nova presidente da República,Dilma Rousseff.

*Burca, véu usado pelas mulheres árabes foi sugestão que Juremir Machado deu a Luis Carlos Reche, da Guaíba pra presentear sua esposa.


De São Borja


Celso Lopes, vereador do PDT, que está de férias em Santa( gastando as oncinhas que guardou no inverno)
é outro que pleiteia ser prefa de sua terra. Do lado do PP, está o vereador Eugênio Dutra!


Recebo e publico...

Aí gente, alguém aí sabe da Angela Peroba?


contato com a jornalista ângela Peroba
Sr. Olides Canton

Sou Antônio Batista, profº da UFBA, Instituto de Biologia e amigo da jornalista Ângela Peroba. Há muito tempo perdi o contato com Ela.
Foi em busca desse contato que cheguei ao seu Blog e tive o prazer de conhecer alguns dos seus livros.
Como verifiquei que Ela escreve no seu Blog, com a sua licença, estou lhe solicitando o envio de um telefone ou um
e-mail que eu possa contactar com a Ãngela Peroba.

Saudações
Antônio Batista

O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÕES (I)

Por Carlos Chagas

Mesmo com o ministério ainda incompleto e sem que se tenham detalhes do que será o discurso de posse de Dilma Rousseff, dá para especular por nossa conta e risco a respeito do futuro governo.
Como será o processo de tomada de decisões na nova administração? Pelo jeito, bem diverso dos oito anos do presidente Lula, quando tudo passava pela Casa Civil, primeiro com José Dirceu e, depois, com a própria Dilma, que funcionavam como uma espécie de filtro capaz de levar ao presidente da República problemas e soluções já equacionados, livres de detalhes julgados pouco importantes.

Com Dirceu houve exagero. Nos primeiros meses ele centralizava ostensivamente a coordenação administrativa e a coordenação política, ou seja, constituía-se na via de uma mão só, no relacionamento do palácio do Planalto com os ministros, com o Congresso e com os partidos, dando seus palpites também na economia e na política externa. Coube a ele, antes da posse em janeiro de 2003, viajar para os Estados Unidos e convencer os americanos de que nada mudaria na política econômica. Fosse o Brasil um quartel, com o Lula de comandante, e Dirceu seria o subcomandante. Registraram-se reações, menos por sua capacidade de trabalhar dezesseis horas por dia, mais pelos ciúmes gerados no Congresso. Para compor a situação, o presidente Lula nomeou Aldo Rebello ministro da Coordenação Política, mas, apesar de seu espírito de conciliação, o representante do PC do B enfrentou resistências ostensivas e veladas do chefe da Casa Civil.

O processo de tomada de decisões, assim, chegava ao chefe do governo pelas mãos de Dirceu, ainda que o Lula, cioso de sua autoridade, desse sempre a última palavra e às vezes até contrariasse seu primeiro-ministro. Um exemplo, apenas: a muito custo Dirceu havia costurado o apoio do PMDB ao governo, mas foi cortado pelo presidente. Gilberto Carvalho e Luís Dulci, também ministros palacianos, tinham atividades específicas e davam seus palpites. No campo econômico, apesar da participação de Dirceu, o controle ficou nas mãos de Antônio Palocci, na Fazenda, com Guido Mantega, no Planejamento, olhado meio de soslaio. E com Henrique Meirelles, no Banco Central, dirigindo uma praia onde Palocci preferia não aportar senão para confraternizar com os nativos. Os demais ministros assistiam, estimulados a apresentar planos e a tocar projetos que estivessem de acordo com o comando econômico e que contassem com o apoio de Dirceu, além do imprescindível entusiasmo do chefe. Em setores especiais, os titulares dispunham de um pouco mais de autonomia, como na Defesa, na Agricultura e nas Minas e Energia. A maioria despachava com o Lula, não tanto quanto seria desejável, ainda que com as contas sendo sempre prestadas na Casa Civil, cada vez mais assoberbada pelas exigências do setor político, PT à frente.

Foi quando sobreveio a crise do mensalão, conforme o Procurador Geral da República, “urdida e supervisionada por José Dirceu”. Dentro de sua característica de contemporizar (ou de fritar auxiliares em fogo lento), o presidente Lula assistiu o desgaste de seu chefe da Casa Civil prolongar-se até o desfecho final. Também, detinha poder demais e já surgia como sucessor natural...

Erodiu-se o edifício construído segundo o modelo até então vigente e o Lula demonstrou capacidade para dar a volta por cima ao reconstruir o edifício preservando o modelo. Foi buscar Dilma Rousseff nas Minas e Energia, conhecida pela severidade de sua ação administrativa e pela rudeza no trato com iguais e desiguais. Como havia acontecido com Dirceu, o presidente entregou-lhe a coordenação administrativa, ou seja, o governo, preferindo decidir sobre o atacado e deixando o varejo para a companheira. O processo de tomada de decisões continuaria igual, mesmo sem os exageros de Dirceu. Lula preferiu Dilma voltada para dentro em vez de alguém como o antecessor dela, voltado para fora. Desde os primeiros meses nas novas funções, Dilma desmentiu os reparos que ainda hoje lhe fazem, de não possuir traquejo e experiência política. Possuía, sim, como possui, mesmo sem conviver com o Congresso,que continuou não convivendo até hoje. Plantou sua horta ao lado do jardim do presidente, ensejando-lhe até mais tempo para aumentar a popularidade e cuidar da imagem do primeiro governo petista da História. Cobrou, admoestou e se impôs, dando todo apoio à banda social do governo sem descuidar da infra-estrutura. E monitorou a política econômica, mesmo depois que o raio atingiu pela segunda vez o quintal do Lula, na forma da crise do caseiro, responsável pela renúncia de Antônio Palocci. Dilma respeitou Meirelles, mesmo discordando dele, aproximando-se de Guido Mantega, levado à Fazenda para fazer o contrapeso.

Nesse momento o Lula, mais sagaz do que todo o PT reunido, terá respirado com certo alívio pelo desaparecimento de dois pratos-feitos que precisaria engolir na sucessão, Dirceu ou Palocci. Afastada por decisão própria a hipótese do terceiro mandato, a ser obtida com toda facilidade, imbuiu-se da certeza de que tudo dependeria de sua escolha, por conta de sua popularidade. Até um poste, como se comentou.

Dilma quietinha, obtendo sucesso e brilhando na coordenação do governo, mesmo sem imiscuir-se nas tertúlias partidárias, até desprezando-as, mostrou-se um poste com energia própria. Veio a temporada do PAC, ignorando-se apenas se como conseqüência de uma candidatura já delineada no recôndito do travesseiro do presidente ou se, ao contrário, candidatura consolidada por conta do sucesso da apresentação de tantas obras velhas com a aparência de novidade. Tanto faz.

A verdade é que o Lula inventou Dilma candidata. Ou Dilma se fez inventar?

O processo de tomada de decisões continuou o mesmo, na Esplanada dos Ministérios, com a chefe da Casa Civil enfeixando os controles de uma administração cada vez mais reconhecida pela população, no caso massas e elites reunidas.

Vieram a candidatura e a vitória, até com certo viés de descompressão do perfil rígido, austero e áspero da candidata, sempre fiel ao chefe maior. (Amanhã: como poderá ser o processo de tomada de decisões no governo Lula.)

 

 

Memória Política


Marcelo Carvalho

exagerou na dose !


Marcelo Carvalho, pai do atual cartola do Inter, Fernando, era trabalhista. Foi um dos que em 17/06/1979 Lisboa, assinou a famosa "Carta de Lisboa" em que os trabalhistas, liderados por Leonel Brizola, se comprometeram em fundar um partido com bases populares.

Quando finalmente Brizola se elegeu governador do Rio, em 1982, ele mudou-se para a capital carioca e alugou um apartamento no bairro Copacabana de grande suntuosidade. Seria o erário público que pagaria o aluguel, finalmente.

Três meses depois de estar lá instalado trabalhando no governo de Brizola, o líder foi conhecer finalmente o imóvel alugado. ESpantou-se com o tamanho do imóvel e pediu para que fosse trocado por um de menor suntuosidade.

 


Memória de repórter


Terlera se estranha

com assesssor do PP


Muitas histórias políticas pertencem ao folclore político e aos bastidores do legislativo estadual. João Carlos Terlera sabe de muitas e em algumas, voluntária, ou involutariamente, foi partícipe.

Alguns anos atrás, quando o presidente do legislativo estadual era o deputado Frederico Antunes(PP) - sob cuja presidência deram a Terlera uma sala com seu nome( eu acho que os deputados com esta homenagem pensavam que o Terlera definitivamente se aposentasse mas ele comparece ao prédio todos os dias, até aos domingos, quando não viaja) deram a Terlera uma missão de levantar alguns dados pra fazer uma revista sobre a Fronteira Oeste região onde o deputado Frederico tem bases eleitorais.

Terlera subiu para o andar da presidência e lá " chocou-se" com o Roberto Scussel - quando lhe pediu alguns elementos e nomes para poder fazer o material com o qual seria composta esta revista.

- Mas como assim que tu vais me pedindo nomes e dados?
reagiu Roberto diante dos pedidos de Terlera que se irritou com o Roberto.

Neste exato momento, para sorte de Terlera, estava chegando ao gabinete o presidente .

- Estás vendo aquele cara aí, disse Terlera apontando para Frederico, te entendes com ele.

Antunes fez o meio de campo e os dados e nomes que o Terlera foram liberados pra ele poder compor a revista.


Da memória de um repórter

Na Caldas, de jeep e kombi

pelo interior!


Mendes Ribeiro foi repórter

da Folha da Tarde e andava de Jipe!


No programa de esportes do meio-dia da rádio Guaíba, de 15.12, um dia depois que o Inter perdeu pros congoneses, João Carlos Belmonte e Edgar Schmidt, mais Milton Ferretti Jung deram uma " aula" de como era a Caldas Junior antigamente.

Tudo começou quando Belmonte, que está de volta a Caldas Junior, depois de muitos anos na Gaúcha e na Band, contou que uma vez fora a Bagé, de jeep pela Caldas Junior e isto ainda quando a estrada não tinha asfalto. Aí Vinicius Sinotti puxou também assuntos do interior e Milton Ferretti recordou como a Caldas Junior mandava os repórteres para fazer coberturas jornalísticas.

- Tu repartiu quarto com o ex-governador, lembrou Belmonte a EDgar Schmidt que confirmou que quando Britto trabalhou na Caldas Junior eles repartiram um aluguel de um apartamento.

E foram relembrando histórias antigas, da velha Caldas Junior.

- Eu fui a Cascável de kombi, disse EDgar Schmidt, pra relembrar como viajavam antigamente os repórteres.

Realmente o trio tem história e ainda mais de Caldas Junior. Bem que poderiam dar um depoimento pra memória do rádio porque estas histórias eles viveram,todos trabalhando pela Guaíba e pelos jornais da outrora poderossa Caldas Junior que editava o Correio do Povo, a Folha da Tarde, a Folha da Tarde ESportiva, a Folha da Manhã.


Coleguinhas


Azarado mesmo é o Antônio Goulart que foi a DUBAI achando que iria voltar BI....quero ver ele chegar no Irpapus,agora....

Bem que a esposa dele Maria do Carmo não quis ir....é a chamada intuição feminina...


Juliana I


A vereadora Juliana Brizola(PDT) depois do rolo com o colega Mauro Zacher está se bandeando pro PSOL....


JULIANA II


nA quarta passada, a vereadora, agora eleita deputada estadual esteve no TRE em companhia de Pedro consultando se ele poderia mudar pro PSOL e continuar com seu mandato na Assembléia Legislativa do Estado. Vai ver ficou com medo que o PDT lhe cassem ,ou tirem o mandato


Juliana III

A neta de Brizola está magoada com os altos próceres gaúchos do pDT, como Vieira da Cunha. Vieirinha teria não dado o apoio que a neta de Brizola esperava de quem em vida tanto BAJULOU seu avó. É que Vieira da Cunha pratica a lei da praticidade, pra ser redundante: ele faz DOBRADINHA COM MAURO ZACHER, que no bairro BOM FIM se apresenta como HERDEIO POLITICO DE ISAAC AINHOR, tanto que na última campanha pra vereador a viúva de Ainhor, dona Landa, trabalhou pedindo votos pro Mauro Zacher....


Memória Política

O AI-5

No dia 13/12/2010 completaram-se 42 anos da decretação do AI-5 .
No depoimento que deu para o livro No Planalto, com a Imprensa Carlos Chagas, porta-voz do presidente Costa e Silva, fala do episódio. Eis seu relato:

- Quando vem o AI-5 , acaba tudo. Veio o AI-5, terminou., Era uma ditadura, os jornais se fecharam. E nós, o que a gente tinha para conversar com ele?Nada... Tinha acontecido o 13 de dezembro de 1968, depois do " episódio Marcito", que fez um discurso bobo. Foi pretexto,claro. Mas,quem manda dar pretexto, não é?
Aí é que está.

O Marcito fez um discurso pedindo às moças, às donzelas casadoiras pra não dançarem com os jovens cadetes e tenentes , nos bailes da Independência do 7 de Setembro pra mostrar a repulso do povo contra a ditadura. E conclamava o povo a não ir ao desfile de 7 de Setembro. Uma besteira - tanto que ninguém respondeu. O líder do governo era o Ernani Sátyro, nem tomou conhecimento. Só que 24 horas depois esse discurso estava mimeografado - naquele tempo era mimeógrafo - e distribuído por todos os quartéis do Brasil, com um preâmbulo: " Veja, colega companheiro militar, como o Congresso trata as Forças Armadas". Não era o Cognresso, era um discurso do Marcito. Esse foi o pretexto, e daí veio o AI-5, a reunião do Conselho de Segurança Nacional, no dia 13 de dezembro. Dia 12, o Congresso se reúne e nega licença para processar o Marcito. Tinha que negar porque a Constituição pregava a inviolabilidade e a imunidade. Inviolabilidade é o deputado poder dizer tudo o que ele quiser, da tribuna e não poder ser processado peloque diz.

A imunidade é outra coisa.

É quando alguém está sendo processado por um crime, mas se elege deputado, é suspenso o processo, ele é imune. Isso era antes, agora mudou. Se ele comete um crime durante o período em que é deputado, também só pode ser processado se os colegas derem licença. O Ministro da Justiça, um gorila fenomenal, era o professor Gama e Silva, direitista terrível, um sujeito que queria fechar o Congresso Nacional, queria fechar tudo. Ele que devia conhecer a Constituição, já que os ministros militares não conheciam, devia ter mandado dizer: " Arquive-se, porque ele não pode ser processado".

Mas não, ele manda para o procurador - geral da República, o procurador-geral da República que devia conhecer a Constituição pega a batata quente e joga para o Supremo Tribunal Federal, para saber se o Supremo abriria processo ou não. O Supremo mistura inviolabilidade com imunidade e joga para a Câmara.

O relator foi o Aliomar Baleeiro, grande democrata, mas ele envia para o presidente da Câmara, o Zezinho Bonifácio, marcar dia e hora para que a Câmara se reúna e vote sedá ou não dá licença para processar o Marcito.

Não podia.

Tudo aquilo devia ter ido para o lixo, porque não havia jeito de ele ser processado pelo que tinha dito da tribuna. Mesmo assim, o Zezinho Bonifácio marca dia ehora - já é 12 de dezembro(1968) e a Câmara se reúne. Até o pessoal da Arena, o partido do Governo, o Aureliano Chaves, Gustavo Capanema, Hélio Garcia, todos dizem: não podemos dar a licença, a Constituição diz que o mandato é inviolável. Resultado: a Câmara nega a licença no dia 12. Aí há também os excessos da esquerda, a turma que estava nas galerias: " Acabou a ditadura , hoje é o dia da Redenção brasileira! O Congresso salvou o Brasil, canta o Hino Nacional!. Todo mundo cantando o Hino Nacional e o Zezinho Bonifácio sentado na cadeira de presidente , depois de proclamar o resultado, e todo mundo gritando:" Levanta, canta"!
Aí ele se levanta e vai embora , porque todo mundo sabia o que ia acontecer : estava dado o pretexto.

No dia 13 acontece a reunião do Conselho de SEgurança Nacional, no Palácio Laranjeiras.O Costa e Silva diz: " Bem, o que vamos fazer?" Os generais, todos pressionado: " Tem que ser um ato,, tem que fechar!" , numa pressão violentíssima.

Ele sozinho.
Até ministros que pareciam democratas enfiaram o galho dentro...Hélio Beltrão, Magalhães Pinto...todoss: " Tem que ser um ato".

O Passarinho, que era ministro do Trabalho, diz " às favas os escrúpulos, é um ato mesmo!" Até hoje, ele se desculpa disso: " Às favas os escrúpulos democráticos", algo do tipo.

E o vice-presidente, Pedro Aleixo, foi o único que disse:
Um ato é tirar o Brasil do regime constitucional. EXiste remédio constitucional, que é o estado de sítio.

Vamos decretar o estado de sítio.

Tinha falado isto logo no começo. Quando o último terminou de falar, oúnico a ser contra o ato era o Pedro Aleixo. Mas o Dr. Pedro estava com dor de garganta. O Costa e Silva era muito zeloso pela amizade e disse: Já que ele está muito gripado, chama o ajudante de ordens. Chamou o ajudante de ordens e disse: Roda a fita de novo.

Estava tudo gravado. Ele roda a fita com o pronunciamento do Pedro Aleixo contra o ato.
Mas enquanto está rodando a fita, os ministros nem estão dando bola. Termina e o Costa e Silva diz: E agora, o que vamos fazer?
Todo o Ministério, menos o Pedro Aleixo,diz : É o ato, é o ato!

O Costa e Silva conclui:
- Então é o ato mesmo!

O Costa e Silva fraquejou nesta época. Se não queria o ato- como não queria - devia ter dito:
- Vai todo mundo embora.

Mas não disse porque estava pressionado,, cairia, seria deposto.

Baixa o ato no dia 13, é um horror total. A partir daí a censura é total à imprensa, censura completa, exercida pelo Ministério da Justiça, pelo SNI.

Até O Itamaraty censurava. Um embaixador, tempos depois, suicidou-se , lá na Europa, e proibiram que a imprensa noticiasse o suicídio do embaixador. Por que isso?

Da memória de um repórter

"Feliz Natal", para Meliga

e "Próspero Ano Novo" para Denise Mantovani!


João Carlos Terlera, depois que deixou a ZH, em 1994, passou a fazer uma coluna política na Gazeta Mercantil, edição local. E durante o Governo Olívio, dava furos na concorrência, porque ele se dá, por exemplo, o trabalho de ler o Diário Oficial do Estado, coisa que poucos repórteres fazem. De lá tira notícias.

No Governo Olívio, à vespera de um Natal, Terldera descobriu no DOE que o governador assinara um pedido de indenização por danos no tempo da ditadura de cerca de 35 mil reais para seu chefe de Gabinete Laerte Meliga.

E poucos dias depois, Terlera descobriu que a mulher de Meliga,a jornalista Denise Mantovani tinha ganho várias diárias internacionais porque fora a Europa fazer convites para o Fórum Social Mundial.

Terlera não teve dúvidas. Na sua coluna, deu um tópico dizendo FELIZ NATAL para a notícia da grana que saíra para Meliga e PRÓSPERO ANO NOVO para as diáiras de Denise.

Deu um bode que só vendo!

Coleguinhas


Mesmo em DUBAI, onde foi ver o INTER fazer aquele fiasco, Antônio Goulart teve ontem um consolo: o CH publicou na sua coluna uma historinha do Quintana do livro do Goulart sobre Leonel Brizola.


*Torci pra que no dia seguinte ao fiasco do Inter, algum jornal de Porto Alegre tivesse culhões e publicasse uma manchete refletindo o sentimento da torcida colorada. Algo como

- VEXAME EM DUBAI ou


- FIASQUEIRA DO INTER

Não, mas não fizeram!

Coleguinhas


" Irmãos" tomaram conta do Correinho, principalmente da parte administrativo financeira, ou seja, do comercial. E há também a política da Record de empregar muitos surdos e mudos....Estes dias um contato comercial que não conhece o sinal das LIBRAS foi lá cobrar sua parte e não conseguiu se entender porque encontrou apenas surdos e mudos na sala...

De Canoas para o Mundo

A Folha de S. Paulo está só nos chutes. Ou a chefia da redação é muito
incompetente ou estão fazendo reportagens no estilo Veja. Escrevem o
que dá na cabeça e o jornalismo que se dane. O modo como estão
tratando a indicação do Marco Maia para presidência da Câmara é um dos
exemplos.

A imprensa está furiosa com o aumento dos deputados, uns 26 mil por
mês, muito menos que qualquer executivo de empresa média. Foram
entrevistar o Tiririca que magistralmente respondeu que estava com
sorte.

Está cada vez mais difícil agüentar os jornais impressos. Tudo o que
sai neles já foi narrado e mostrado na rádio e na TV e contestados e
criticados na internet. Estou olhando só pelos anúncios.

Canoas está as mil maravilhas, com um prefeito ativo e inventivo, se
continuar assim ele pode tentar pulos mais altos na política no
estado. O Tarso está vendo nele um grande aliado para os próximos 4 ou
até 8 anos. Paro por aqui para não cometer nenhuma inconfidência.


Remindo Sauim


Coleguinhas


O banheiro do primeiro andar da Assembléia Legislativa não é propriamente o local pra se entrevistar alguém, principalmente um governador eleito. Mas para o bom repórter, todo o local é válido....João Carlos Terlera,velho raposa jornalística, encontrou esta semana com Tarso Genro no banheiro do primeiro andar do legislativo estadual. Depois dos cumprimentos protocolares, Terlera quis saber de Tarso as linhas gerais do seu discurso de posse.

E o veterano repórter político, que já se escondeu dentro de armários na própria Assembléia pra ouvir o que se discutia em importantes reuniões, está dando na sua coluna do ABC de domingo as linhas gerais do discurso de posse de Tarso no dia 1 de janeiro de manhã...


Memória

Isto me faz lembrar o esquentado presidente João Figueiredo. Ele foi inaugurar a ITAIPU BINACIONAL nos anos 80....O repórter fotográfico Antônio Mafalda destacado pra seguir o Figueiredo foi com ele até quando FIFI foi mijar. O velho e xucro cavalariano tirou o pau pra fora da bragueta e apontando o dito cujo pro Mafalda, que o seguia, disse:

Fotografa,fotografa, vai.....

MEMÓRIA


25 anos

sem NOBRE


Fim de tarde da sexta-feira,dia 11/12/1987, dois anos depois de morto, os amigos inauguram o busto do NOBRE no Morro Santa Tereza.Entre eles, Paulo Santana, de microfone(claro), Ênio Rockembach,Tio Marquinhos( MarcosRachewsky), Nobrinho, filho de Nobre( que além de colorando doente, é assessor de imprensa do Inter)Foto extraída do livro do Tio Marquinhos


Quando morreu Carlos Nobre, Lauro Schirmer, diretor da ZH,disse que sua página era insubstituível e que ninguém deveria ocupá-la. Por isto encerraram.

Nobre era dono de um estilo único, às vezes, chato, às vezes brilhante, às vezes eu o achava de um humor pequeno. Mas vamos lá, que fazer humor todo o santo dia não é fácil.Ele gostava era de pegar no pé do Rubens Hoffmeister, o RÚBIS, como o chamava, porque o grosso de Palmeira das Missões era uma fonte inesgotável pra fazer humor....Quando o Rúbis brigou com ele, por causa das piadas, NOBRE se magou e nunca mais falou no presidente da FGF. Até que um dia houve um encontro casual, me contou o NObrinho, e este encontro foi num posto ferradura, aquele que ficava ao lado da Igreja Santa Terezinha, alí na Osvaldo Aranha e o Rúbis teria suplicado pro Nobre voltar a falar nele. Então fizeram as pazes...Dois bicudos não se beijam, diz o ditado.
Aproveitando o gancho da mágoa do Nobre com o Rúbis, meu falecido amigo Ernani Reichelt sempre contava que uma vez o NOBRE foi contratado pros empresários do transporte de carga pra ir fazer suas palhaçadas e eles rirem. Nobre fazia palestras, ou seja, fazia imitações, gostava muito de imitar as bichas( se fosse hoje tomaria processos das ONGS) mas naquela época ele tirava sarro das bichas...

Fazia o tipo e como fazia. Pois então nesta palestra, entrou no salão onde ele falava o Avelino Andreis, dono da Transportadora Aurora e sócio da Unesul. O Avelino quis cumprimentar algumas pessoas em voz alta, interrompendo o show do Nobre que se magou, parou de falar, e pegou suas coisas e foi embora. Não aceitou nem o cachê que havia acordado com o SETCERGS.

Me lembro do NOBRE entrando na ZH, quando ela era no primeiro andar, ou térreo, e de piteira na boca, ia lá nos fundos, onde de tarde ficava a cozinha do jornal, ou seja, o Gaguinho, que era secretário de redação, o Pilla Vares,entre outros.

Era inverno e de manhã ali batia um solzinho manero que o Nobre,sempre muito caprichoso com sua coluna, sentava pra redigir. Ele vinha se não me engano do programa do Celso Ferreira, na rádio Gaúcha, que ficav ano segundo andar(nãosei mais em que andar fica....Mas antes ele dava um papinho com o Carlos Kolecza que era pra saber quais os assuntos mais do momento pra ele fazer sua coluna.

E foi o Kolecza que muito infogueirou o NOBRE quando durante dias e dias ele pegou no pé do governador Amaral de Souza porque este ficou alguns dias numa praia, quando foi pra Hong Kong, ou algo assim. O assunto era o tal do FUSO HORARIO, QUE O aMARALZINHO tinha que descansar e por isto ficou numa praia. O Nobre deitou e rolou...

Nobre morreu cedo, aos 56 anos de um infarto, no dia 16 de dezembro de 1985. Foi velado no Palácio Piratini, grande honra...

Minha irmã Alenir, lia o NOBRE todas as manhãs na ZH. Ela não começava a trabalhar, como milhares de leitores, sem antes ler a coluna do NOBRE

E aquelas mulheres peladonas que ele publicava na sua coluna era a Vânia, secretária do jornal, que mandava vir de uma agência de São Paulo....


O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÕES (II)


Por Carlos Chagas


De forma incompleta e apressada, tentamos ontem apresentar como se desenvolveu o processo de tomada de decisões nos oito anos do presidente Lula. Em nossa concepção, um modelo onde o chefe do governo, mantendo o controle decisório e a autoridade advinda das urnas, avocou o atacado mas deixou o varejo para um auxiliar maior e outros igualmente importantes, subordinados ao primeiro. Ao período de José Dirceu na chefia da Casa Civil, mesmo exagerada a sua atuação, seguiram-se os “anos Dilma”, na medida certa, mesmo consideradas as diferenças de personalidade e experiência de cada um.

Buscamos alinhar um preâmbulo, que a prolixidade tornou tão longo a ponto de tomar uma coluna inteira, ontem, ficando para hoje o objetivo maior destas considerações, ou seja, como se dará o processo de tomada de decisões no governo Dilma Rousseff. Uma aventura a que nos lançamos sem base nos fatos, que ainda não aconteceram? Uma previsão capaz de ser desmentida nas primeiras semanas da nova administração? Quem quiser que venha cobrar depois, mas a especulação, se tem feito poucos videntes, consiste numa das molas mestras da Historia.

Seguirá a nova presidente a cartilha do primeiro-companheiro, delegando a formulação de planos e projetos a auxiliares de confiança, em especial um maior, optando pelas diretrizes fundamentais e dedicando-se a conquistar o apoio nacional pela auto-exposição permanente?

Ou, no reverso da medalha, Dilma ficará enclausurada em seu gabinete, negando a delegação do varejo a um ministro, para cuidar dele, atendo-se ao atacado?

A crônica recente, mesmo dos tempo bicudos do autoritarismo, apresenta dois exemplos: o general Garrastazu Médici deixava ao ministro Leitão de Abreu, chefe da Casa Civil, a condução política e administrativa do país, ainda que delegasse ao general Orlando Geisel as questões de segurança e ao ministro Delfim Netto as surpresas da economia. Era sua a palavra final, mas por conta dessa divisão tripartite, encontrava tempo até mesmo para algumas partidas de “biriba” às quintas-feiras à tarde e nos fins de semana. Já o general Ernesto Geisel, mesmo tendo o general Golbery do Couto e Silva como chefe da Casa Civil, era tido como “o ministro de todas as pastas, o diretor de todos os departamentos e o chefe de todas as seções do serviço público”, conforme monumental diagnóstico do saudoso Pompeu de Souza.

E Dilma, com todo o respeito ao seu passado de guerrilheira, estará mais para Médici ou para Geisel?

Tudo leva a crer que a nova presidente abandonará o modelo Lula, ou seja, não terá um primeiro-ministro como foram José Dirceu e ela mesma. O processo de tomada de decisões seguirá a linha que adotou no ministério de Minas e Energia e, depois, na Casa Civil? Vai querer saber de tudo, cobrar tudo? Tomara, pelo menos, que de forma mais amena do que quando ministra, exigindo, gritando e exasperando-se, mas, no final, com o domínio completo de todas as iniciativas, acompanhando quaisquer desvios ou fracassos diante de suas diretrizes.

Por que, então, Dilma escolheu para chefe da Casa Civil um personagem talhado para comportar-se tanto quanto Disraeli ou Gladstone, isto é, um perfeito primeiro-ministro? Ignoram-se as atribuições do ex-titular da Fazenda, mas tudo indica que senão um controlador ou um cobrador, será pelo menos um formulador. Sua presença como principal elemento da comissão de transição entre os dois governos demonstra estilo peculiar. Prefere atuar de modo macio, sem confrontos nem conflitos, mas com a firmeza que o caracterizou à frente da política econômica na primeira fase do governo Lula. Nesse aspecto, serve de contra-ponto à própria Dilma, porque não grita, não se exaspera e nem pretende impor-se pela hierarquia. Talvez repouse nessas qualidades ou nessas fraquezas a razão maior de porque a presidente eleita o escolheu: uma instância de tranqüilidade em meio às crises que fatalmente virão.

De qualquer forma, tudo o que for decidido terá a participação de Palocci. Não a exclusividade de José Dirceu ou a centralização da própria Dilma, mas a palavra de cautela necessária em todos os debates e embates.

Gilberto Carvalho, na Secretaria Geral da presidência, poderá dispor de inúmeras atribuições, mas a principal será de ponte entre o passado e o presente. Jamais um espião do Lula infiltrado no novo governo, mas alguém capaz de evitar as intrigas que fatalmente se registrarão logo nas primeiras semanas da nova administração.

Quanto ao ministério, devem precaver-se os escolhidos. Decidirão muito pouco e serão cobrados pela própria presidente. Especula-se sobre quem será o primeiro a ser flagrado em incorreções ou desvio de conduta. Coitado. Será catapultado mais depressa do que um tiro de meta.

A indagação persiste, no entanto: o processo de tomada de decisões fluirá a partir da discussão entre o grupo palaciano em condições de voltar a reunir-se todas as manhãs ou chegará ao palácio do Planalto já pronto, vindo do palácio da Alvorada, dentro da viatura presidencial? Terão os ministros que entrar no gabinete de Dilma com a lição decorada na ponta da língua, temerosos de cobranças inflexíveis ou, tendo passado antes pela Casa Civil, para conquistar um aliado?

Outra dúvida a dirimir refere-se ao relacionamento da nova presidente com o Congresso. Ela atravessa período de sofrimento, obrigada a compor-se com o que há de mais fisiológico nos partidos da base oficial. Está obrigada a abrir mão da disposição de escolher os melhores para o ministério, os mais capacitados para cada setor. Não é o que acontece quando a gente lê que determinado líder partidário estava cogitado para uma pasta social e agora poderá ocupar outra, ligada à infra-estrutura. Como não tem preparo para uma nem outra, o escolhido dá de ombros. Mas tomará parte no processo das decisões governamentais?

Há que aguardar a posse, ficando uma última questão: popularidade é valor imprescindível a qualquer governo democrático. Embora sem repetir a performance do Lula, Dilma precisará apresentar-se. Viajar um pouco, ainda que não viajar muito. Que decisões apresentará à população, e como serão tomadas?

CPI


CHAPA BRANCA


A CPI que a Câmara Municipal de Porto Alegre vai instalar pra investigar irregularidades na Secretaria da Juventude e purante CHAPA BRANCA( OU SEJA OFICIal, PRO GÓVERNO) ou mais ainda, não vai dar em anda. O presidente é o vereador Luiz Braz.


Os sobreviventes de Jango!

Parte I


" MANECO BIGODE "



Da esq. para a dir...Mário Roque Weis(ex-prefeito de São Borja, pai do atual prefeito, Hugo Robin Pereira ex-presidente do pDT sãoborjense, Alceu Collares, na época governador do Estado), Telmo Motta Júnior, o então deputado federal Carlos Cardinal, o Carlinhos,( de Santiago do Boqueirão) Manoel Pinheiro, Clair Ribas, foi presidente do PDT de São Borja, Adriano Piegas, o então deputado estadual João Luis Vargas e Manoel Fernando Motta dos Santos, o Maneco Bigode, que tinha esta ligação com o ex-presidente Jango Goulart porque era sobrinho do conhecido Tio Bijuja( Deoclécio Barros Motta) amigo de infância e cuidador das fazendas que Jango Goulart tinha em São Borja)

Fonte: Jornal ALTERNATIVO.

 

Manoel Fernando Motta dos Santos, conhecido pelo apelido de ' MANECO BIGODE" é um dos sobvreviventes de Jango Goulart.Trabalhou com o ex-presidente no Uruguai.Casado com uma uruguaia, com ela tem dois filhos. Atualmente, até onde estou informado estaria morando perto de Capané, no município de Cachoeira do Sul(RS) para onde teria ido no tempo do governador Alceu Collares para trabalhar numa barragem.
Era uma espécie de emissário de Jango.


um uruguaio, Manoel Fernando Motta dos Santos, o Maneco Bigode, dois deputados brasilieiros não identificados, Francisco Carlos Bandeiro, Luthero Fagundes(contador de Jango) e Laudir Rech no dia do aniversário de Jango em 1 de março de 1975, em Maldonado, República Oriental del Uruguay.Acervo de Luthero Fagundes.

Coleguinhas


Renato " Fogo" Ranzolin estava horrível na quarta no Sonoridades, da rádio da UFRGS. Não se entendia o que ele dizia....Dicção péssima.....



MINISTROS DE PRIMEIRA E DE SEGUNDA CLASSE

Por Carlos Chagas

Tantas tem sido as exigências feitas, as protelações aceitas e as humilhações sofridas pelos partidos na formação do ministério Dilma Rousseff que o resultado não poderia ser outro: vai-se delineando o perfil de um frankstein, no que se refere às vagas postas à disposição dos políticos. Não se fala da chamada cota pessoal da presidente eleita, corretamente preenchida, ainda que não se torne necessário concordar com os conceitos dos escolhidos. Mas formam um time coordenado, pronto para entrar em campo. Já os indicados pelo PMDB, PT, PSB, PR, PDT, PC do B e penduricalhos, com raras exceções, dão a impressão de jamais terem sido apresentados à bola, às chuteiras e às traves.

Assim, estabelecida a diferença, a pergunta que se faz é sobre qual o primeiro desses ministros pela metade será catapultado sem hesitação nem misericórdia. Quantos meses vai durar esse plantel até que um ou mais de seus expoentes receba o bilhete azul? O temperamento da presidente eleita não deixa dúvidas sobre a inflexibilidade de suas cobranças e a consequência de sua frustração.

Estamos diante de singular dicotomia, porque serão empossados em janeiro ministros de primeira e ministros de segunda classe. Raras vezes, no passado, registrou-se fenômeno igual: atores competentes, de um lado, figurantes indecisos, de outro.

Fulanizar será falta de caridade, mas basta ver como certos nomes passam da área social para o setor de infra-estrutura, ou deste para o de serviços, como quem muda de camisa. Imaginam-se prontos para executar a partitura que lhes cair sobre o nariz, jamais tendo praticado com um oboé, um clarinete ou um bumbo. Ainda bem que não lhes está sendo oferecido o violino ou o piano.

Uma conclusão lateral a tirar parece de que o governo funcionaria melhor com menos ministros.

LONGOS INTERREGNOS

Não dá para aceitar o presidente Lula declarando que nem um centavo será retirado das obras do PAC, no governo Dilma Rousseff, sem ter combinado a observação com a presidente eleita. Pode ter sido uma forma de deixar claro que as divergências entre eles serão naturais, que não haverá um comandante oculto no palácio do Planalto. A manutenção de Guido Mantega no ministério da Fazenda foi uma sugestão do Lula. Como explicar, assim, que tenha sido desmentido por seu próprio mentor?

Tem gente achando que esses desencontros são reais, devendo-se ao longo período entre a eleição e a posse, quando passam a conviver dois presidentes da República, o que entra e o que sai. Devem conformar-se porque no passado já foi pior. As posses costumavam realizar-se no último dia de janeiro, não no primeiro. Mas o que dizer da República Velha, quando as eleições aconteciam a Primeiro de Março e as posses, a Quinze de Novembro? Só para refrescar a memória de quem ignora porque: na primeira data comemorava-se a vitória do Brasil na Guerra do Paraguai; na segunda, a Proclamação da República. Já imaginaram oito meses e meio para Dilma esgrimir com os partidos e escolher o ministério, com o Lula governando? Seria bom que no bojo da reforma política sempre anunciada e nunca realizada um parlamentar apresentasse emenda constitucional estabelecendo a posse do eleito uma semana depois de proclamados os resultados pela Justiça Eleitoral.

MENOS VIAGENS

A primeira viagem de Dilma Rousseff ao exterior será em janeiro, aos Estados Unidos, para encontro com o presidente Barack Obama. É claro que no correr de seu governo a presidente atenderá a uma série de compromissos externos, na medida de suas necessidades, mas, pelo jeito, viajará menos do que o Lula. Sua prioridade maior será o território nacional.

PERSEGUIÇÃO

Decidiu o Tribunal Superior Eleitoral, através da ministra Carmem Lúcia, também integrante do Supremo Tribunal Federal, não reconhecer a eleição do casal Capiberibe, votado no Amapá, João para senador, Janete para deputada federal. Sua votação foi considerada nula e no Senado assumirá o derrotado Gilvam Borges.

Com todo o respeito, à luz da voz rouca das ruas de Macapá, a decisão é injusta. Primeiro porque venceram a eleição. Depois porque haviam sido objeto de discutível cassação quando ocupavam os dois cargos, acusados de comprar três eleitoras, no pleito de 2002, por 26 reais cada uma. Ficou provado, depois, que elas mentiram à Justiça Eleitoral, sendo subornadas pelos adversários dos Capiberibe. Mesmo assim, 26 reais por voto, sendo apenas três, é ridículo. Por conta daquela cassação, agora foram impedidos de receber o diploma a que tem direito pelo voto.


Coleguinhas


Adão Conceição Dornelles Faraco

Formado em Jornalismo pela PUC-RS e em Advocagacia, pela UFRGS, Adão Conceição Dornelles Faraco completou 76 anos no último dia 8/12. Liguei pra ele , à noite, e se ouvia uma barulheira dentro de casa. Era seguramente a comemoração do seu aniversário.
- Faraco, lhe disse, hoje é feriado no Alegrete porque é teu aniversário ou porque é dia de Nossa Senhora da Conceição...

- Mas, tchê, me respondeu, tu sabes que ainda estamos discutindo isto!!!

Conheci o " colega" como ele gostava de se intitular, quando veio assumir a pasta dos Transportes, em 1987, na gestão do governador Simon.

No dia da posse de Faraco, o 18 andar do prédio do DAER,onde fica o auditório, estava lotado e metade seguramente dos presentes eram do Alegrete. Bairrista como é, Faraco deve ter mandado convites até pro bodegueiro da esquina.

O conterrâneo Eroni Carus, o Sapo, se encarregou naquela dia ainda de tocar o Canto Alegretense, pra festa ficar mais alegretense ainda.

Mas Faraco foi jornalista. Trabalhou na Gazeta do Alegrete. Filho de José Lúcio Zácaro Faraco e de Nair Faraco, ele é casada com Laura Maria(04.07.1936) com tem os filhos Adriana(26.09.1962), Guilherme( 03.12.1963) e Marcelo( 30.12.1964).
Um dos filhos do Adão veio a falecer,vítima de um acidente automobilistico o que deixou o pai muito tempo abalado...Isto ele contou no dia de sua posse na secretaria dos transportes.

CASSADO

Adão Faraco esteve na China Comunista o que lhe valeu a cassação dos direitos políticos em 1964. Anos depois haveria de reavê-los e se elegeu prefeito de Alegrete. Tinha uma disputa política sensacional com o Rubens Pillar, o Padre, que era da Arena. Os dois sempre se degladiavam nas urnas.

Quando venceu um processo de indenização por lhe terem surrupiado os direitos políticos, Faraco, há alguns anos atrás, doou toda a indenização para uma entidade humanitária.

Na secretaria dos Transportes, tinha um jeito centralizador, não tomavam sem decisões sem que passasse por ele. Alguns o acusavam de tratar a secretaria como se fosse uma prefeitura do interior...Como era da confiança irrestrita do governador, costumava despachar sempre fora dos horários de expediente normal. Geralmente ia pro Palácio Piratini depois das 7 d anoite, quando o gabinete de Simon estava mais vazio, ou estava se esvaziando...Convocava o diretor de Planejamento da Secretaria, Valdir Cóccaro e naquele seu jeito simplório dizia:
- Vamos levar uma alegria pra este pobre homem. É que Simon estava sob um bombardeio das professoras que acampadas na Praça da Matriz não iam embora, exigindo cumprimento de salário mínimo de 2,5 de piso, assinado no apagar das luzes do Governo Jair Soares.

Pouco tempo depois de ter iniciado sua gestão na Secretaria dos Transportes, ele quis trocar o seu subdiretor, Amauri Menezes porque ele não estaria em consonância da gestão da secretaria. Só que não comunicou ao subordinado o fato e quando fui entrevistar Menezes para o jornal que trabalhava, a ZH, este levou um choque ao saber que seu nome iria sair no Diário Oficial que já estava por ser impresso na Corag. Menezes mexeu os pauzinhos na Assembléia Legislativa e negociaram então sua ida para lá, enquanto a subsecretaria foi ocupada pelo engenheiro Daniel Lena Souto, que levou a gestão até o final.

Coleguinhas

Rippol mandou a matéria

do candidato ao senado

e só falava no bêbado do comício....


José Danter Rippol


Na campanha ao senado em 1978, a Arena concorreu com três candidatos: Mario Ramos, Fernando Gay da Fonseca e Mariano da Rocha. Mas ganhou o senador Pedro Simon, do MDB.

A Zero Hora destacou um repórter pra cobrir cada candidato ao senado, porque senão dava chiadeira. Um reclamava que o outro tinha mais espaço do que ele...a tal da centimetragem...

João Carlos Terlera que coordenada a cobertura recebeu da redação o repórter José Danter Rippol, o DOGÃO, pra ir cobrir um comício de um dos três candidatos da ARENA, no interior do EStado, parece que era Santiago do Boqueirão..

Rippol, que tinha experiência de reportagem policial, mandou de lá, no domingo de tardezinha, uma matéria mas o foco principal não era propriamente o que o candidato dissera e sim o folclore em torno de um bêbado que como em todo comício roubara a cena...

Terlera pegou a matéria e a mandou ao editor chefe Carlos Fehlberg que não gostou de ver aquilo.

Do interior Rippol ligou( não havia ainda internet nem celular) e as matérias eram enviadas via telex....

- Mas tu só mandou matéria do bêbado reclamou Terlera pro Rippol...

Rippol nasceu em Porto Alegre em 11.06.1943. Filho de Pedro Dias Rippol e de Paulina Souza Rippol; Morou na rua Cristóvão Colombo, 724/5.

Trabalhou também no gabinete de imprensa da prefeitura municipal de Porto Alegre.
É casado com Lourdes( 19.05.1940) e tem os filhos Pedro( 30.09.1965) e Daniela( 16.05.1976).

Atualmente, o Dogão está aposentado.

O repórter policial

que virou pastor!


em pé, de bigodinho, Leopoldo Luiz Ruzicki, Vilmo Medeiros( de óculos) Gelson Farias, de bigodes, Milton Galdino, cumprimentando um colega, e Roberto Hirtz, o Beto Bironha, recebendo dos colegas de ZH, um " abacaxi"!Sentado é um comandante da Brigada Militar.Anos 70. acervo de Gelson Farias.


A última notícia que tive de Leopoldo Luiz Ruzicki é que virou pastor e reside em Viamão. Ele foi sub editor de polícia de ZH, nos anos em que a editoria era comandada pelo Vilmo Medeiros.

Leopoldo nasceu em Pelotas(RS) no dia 27.10.1945 filho de Leopoldo Ruzicki e Tschaffon Ruzicki. Morou na rua Duque de Caxias, 1623/407 em Porto Alegre.

Também foi repórter policial do Correio do Povo e foi assessor de imprensa da Polícia Civil na gestão do Governador Collares.

É casado com dona Ilza Maria( 21.04.1955) e tem os filhos Lúcio Alex( 03.07.1968) e Michele( 23.06.1977).


Coleguinhas


Claudio Medina de Souza

No almoço de fim de ano da imprensa, na Fiergs, alguns colegas lembraram de Claudio Medina de Souza,que durante alguns anos foi um dos principais comentaristas econômicos de imprensa no Estado. Tinha espaço no Correio do Povo , na rádio Guaíba e na Folha da Manhã. Foi assessor de imprensa do Banrisul.

Nascido em 30.04.1943, Claudio Medina foi casado com Halina(30.03.1941) de quem ficou viúvo alguns anos atrás.

Os colegas e alguns ouvintes lembram dos seus comentários lúcidos sobre acontecimentos econômicos.

De São Borja

Segundo a FSB, o segurança da Câmara Municipal Olivaldo Motta Carvalho, de 41 anos, foi quem se matou na última segunda, dia 6.12.
Ele vinha sofrendo de depressão,informa o jornal.

Deixou uma carta se desculpando pra filha e pra mãe....

Foi enterrado no cemitério Jardim da Paz.


De São Borja

Betinho pode ir
a voos mais altos!


vereador Betinho Souza sentado, e o vereador Celso Lopes, em pé.

Num encontro do PTB de 4.12 ultimo, o PTB de São Borja colocou três nomes como possíveis candidatos a prefeito em 2012: o do deputado Cassiá Carpes, do vereador Beto Souza e do atual vice prefeito Jefferson Homrich, segundo informa a FSB.

Beto Souza, um ex-borracheiro de São Borja que tinha fama de bom profissional tanto que era procurado até por moradores da vizinha Santo Thomé pra conserto da " goma" pode estar se cacifando para ser candidato do seu partido a prefeito da Terra dos Presidentes. Vai depender das circunstãncias...como dizia Ortage Y Gasset...

Quando entrou pra política, o ex-borracheiro o fez através do PDT. DEpois passou para o partido que tem em Cassiá Carpes a principal liderança em São Borja.

Beto Souza está concluindo seu mandato frente a presidência da Cãmara Municipal do município nos próximos dias.


Vitimas mereciam

uma pequena biografia do jornal

a RAZÃO de sábado passado.

A edição do sábado, 4.12 do jornal a Razão de Santa Maria, trouxe uma boa matéria da repórter Manuela Vasconelos sobre a inauguração da ponte sobre o Rio Jacuí, na RSC-287, pela governadora Yeda Crusius.
Mas faltou o lado humano da reportagem, a meu ver...

Está certo que não era mais o momento dos cinco mortos que a queda em 5 de janeiro último provocou serem o centro das atenções, mas um pequeno box com 3, ou 4 linhas sobre cada dos falecidos e em que circunstâncias pereceram iria agradar ao leitores em geral.
É verdade que a repórter lembrou que o nome da ponte é Hilberto Boeck, ex-vice-prefeito de Agudo, um dos que morreu naquela tragédia.
E os outros quatro quem são?
A Razão ficou devendo ao leitor!

Cunhados em choque( parte três)


O repórter Luiz Fernando Mercadante encontrou o ex-presidente Jango Goulart no inverno de 1966 quando esteve no Uruguai pra produzir uma matéria pra revista REALIDADE ( DA EDITORA ABRIL) sobre como estavam vivendo os dois principais exilados brasileiros do momento - Jango e Brizola - que estavam rompidos , um homem mais dissimulado, que não queria, sob forma alguma fazer qualquer pronunciamento político, nem dar qualquer declaração que pudesse comprometê-lo.

Vejam só,aqui eu tenho quatro espécies de trevos diferentes, comentavam Jango com o repórter e o fotógrafo, não querendo entrar em assuntos da política, nem brasileira, muito menos uruguaia, porque era um exilado.

Tudo quanto Jango deixou transparecer foi um homem preso a dois compromissos: um com o passado,outro com o futuro.

O primeiro com a carta testamento do presidente Vargas, do qual ele foi o herdeiro político, aliás, o legítimo.E a sua outra preocupação era com o futuro sobre o que seu filho João Vicente que um dia seria homem ia ler nos livros sobre seu pai.

De qualquer modo, o repórter captou que naqueles dois anos em que Jango tinha estado longe do Brasil, se mantinha muito bem informado sobre tudo o que vinha ocorrendo no país.


E o ex-presidente já tinha claro, ao contrário de Brizola que naquele momento ainda acreditava numa saída revolucionária, que os chamados caminhos radiciais naquelas circunstância eram totalmente inviáveis...

E claro que o repórter captou que Jango gostaria muito de voltar ao Brasil mas acreditava já naquela altura dos acontecimentos que isto somente se tornaria viável caso um governo civilista fosse assumir o Brasil.

E torcia para que Carvalho Pinto se tornasse presidente do Brasil.

Jango também dissimulava pra não mostrar queda nem pelos blancos, nem pelos colorados, os dois tradicionais partidos políticos do Uruguai.

Amigo de muitos blancos e não menos de colorados, os uruguaios brincavam com o presidente exilado:
- O doutor acaba deputado por Tacuarembó.

Já Brizola, acuado no balneário de Atlântida, estava mais apegado a livros de Sociologia, Filosofia e Política.

Brizola, que até os 30 anos se ressentia de uma maior formação intelectual - fora engraxate e ascensorista - queria neste ano de 1966,quando foi visitado pelo repórter da Realidade, estudar para ter mais os pés no chão.
Já andavam dizendo naqule ano que suas botas - marrons e militares - que ele fazia questão de usar cobertas pelas calças ,era naquele ano seu único acento de guerrilheiro. Brizola, no entanto, desconversava que tivessem qualquer conotação com Sierra Maestra, ou que quisessem mostrar simpatia pelo movimento que levou Fidel e Che ao poder emCuba
- Eu sempre gostei de botas, declarou ao repórter, quando se despediram.


Comentário sobre a violência no Rio



Prezado Coronel de Engenharia, Hiram Reis e Silva (Porto Alegre), recebi seu comentário sobre a violência no Rio de Janeiro. Acho que de fato houve uma exibição pirotécnico para as TVs mundiais. Por que esperaram queimar mais de 100 veículos para começar este circo com 20 mil policiais e tanques blindados da Marinha? A tal "inteligência" destes aparatos só pegou uns traficantes pé de chinelos, pretos, pobres e analfabetos. Estes traficantes são apenas atravessadores. Por que não usaram a "Inteligência" para pegar os grandes traficantes do asfalto?

As "inteligências" das forças armadas só serviram na ditadura militar para perseguir, prender, torturar e suicidar os tais impatriotas subversivos. Por que os agentes do DOI-Codi, Oban, DEOPs, Cenimar, Ciex, SNI não usam as suas "inteligências" para pegar os grandes traficantes de armas e drogas? Os agentes foram treinados pela CIA e Mossad eram só para matar os subversivos? Aliás, o que estes soldados patriotas estão fazendo na vida, se não tem mais os inimigos comunistas para persegui-los e matá-los. E os militares lutaram para defender a Pátria dos EUA, o Progresso dos banqueiros, a Soberania das multinacionais, a Ordem para o povo sempre calado?

Uma vez, voltando de Cusco (Peru) em 1985, uma amiga foi revistada 3 vezes na Bolívia, entre La Paz e Porto Suarez. Na fronteira, em Porto Suarez, os militares tiravam até as palmilhas dos tênis para ver se tinha cocaína. E ao passar pela fronteira do Brasil, não ví um soldado, nem da Polícia Federal, do Exército ou da Marinha. E aí? E ainda culpam o Leonel Brizola pelo aumento do tráfico de drogas no Rio de Janeiro, vão culpá-lo pela venda de drogas no Brasil inteiro? Aliás, nos 510 CIEPs contruidos por Leonel Brizola teriam estudados nos últimos 25 anos, 12 milhões e 750 mil crianças nos horários integrais, construídos nas beiras das favelas. Foram construídos para estes jovens terem oportunidades de serem seres humanos e não farrapos humanos, como vímos ao vivo e a cores pelas TVs.

Ninguém lembra dos culpados pela destruição dos CIEPs: os ex-governadores Moreira Franco, Marcello Allencar e o sistema Globo, (Rádio Globo/CBN, TV Globo e Jornal O Globo). Anos atrás, o jornal O Globo publicou que 6 mil crianças trabalhavam de aviãozinho para o tráfico nos morros do Rio. Não era para estas crianças estarem estudando nos CIEPs do Darcy Ribeiro e Leonel Brizola? O Coronel Hiram não acha que as SEIS MIL escolas construídas no governo do Leonel Brizola no Rio Grande do Sul tenha constribuído para tornar-se um dos estados mais evoluidos do nosso Brasil?

Sergio Caldieri - Niterói - RJ
publicado na Rede PDT



De São Borja


PRESO NA SEXTA,DIA 10/12,

ESTELIONÁTARIO QUE

SE DIZIA PASTOR !


Numa simples abordagem da Brigada Militar na sexta-feira, dia 10/12 acabou prendendo um dos maiores estelionatários do Brasil.O nome não foi revelado. No ato da prisão, ele portava documentos falsos, descobriram os brigadianos.

Com quatro mandados de prisão expedidos contra ele, o falso pastor aplicava o golpe da arrecadação de fundos para uma FACULDADE DE TEOLOGIA, que iria fundar.

Na verdade, o expediente do estelionatário consistia em chegar em determinada cidade dizendo que instalaria uma igreja ou clínica de recuperação de drogados, ganhava o terreno, doações e depois vendia tudo e se mandava...

Até no ACRE tinha aplicado seus golpes....


DE BRASÍLIA
ESPECIAL – PARA OLIDES IV


Sergio Ross


Muita grana


Os donos de hotéis e pensões aqui de Brasília,vão tirar a barriga da miséria,neste fim de ano e
nos meses de janeiro e fevereiro.
No inicio do ano vai ter a posse da nova presidenta. Em janeiro e fevereiro,além do turismo,já existem centenas da reservas para reuniões e congressos
a serem realizados por aqui. Logo,é muita grana já em espectativa.
Ao longo do ano, a ocupação média nos hotéis de Brasília fica em 58%. Os dias uteis são mais movimentados que nos fins de semana. De terça a quinta-feira,parlamentares e pessoas que estão na capital a trabalho, lotam os estabelecimentos. As diárias são mais caras que no fim de semana,fenômeno inverso ao que ocorre em outras cidades. De acordo com a última medição, a capital federal oferecem 22 mil quartos.

Cerimônia


A posse de Dilma Rousseff como presidente da República deve ocorrer às 14h30, do dia 1º de janeiro de 2011.
Cerca de 1,7 mil convidados,entre parlamentares,membros do Judiciário,ministros de Estado,representantes estrangeiros e familiares de Dilma e de seu vice, Michel Temer,devem participar da cerimônia no Congresso Nacional,onde a presidente eleita e o vice prestam, individualmente,juramento. Depois da solenidade, Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretendem falar ao povo diretamente do parlatório do Palácio do Planalto.


As vaias já começaram


Meu caro Remindo

Não quero ser um desmancha prazer,mas as vaias contra o nosso “cumpanheiro” Lula começaram bem antes do que eu esperava e bem antes também do que os “cumpanheiros” do PT imaginavam. Isto que estou te dizendo,eu ouvi na quinta feira, durante o meu almoço no Stella Grill ( o Olides não quer que eu cite o nome do restaurante onde eu almoço todos os dias e pago. Não é permuta...),dito por um amigo, que é um dos comandantes do PT. Na segunda feira passada,durante todo o evento da inauguração do Memorial Darcy Ribeiro, batizado de “Beijódromo” na Universidade de Brasília (UnB), foi marcado por protestos de estudantes da Universidade o que levou um constrangimento muito grande ao presidente Lula e aos integrantes de sua comitiva, que incluía o Presidente do Uruguai, José Mujica.
Lula começou sua fala sob os gritos de “demagogo”,Cadê a Casa do Estudante??? E o Pronto Socorro???, A UNB sucateada... e “abaixo da repressão” expressões usadas pelos alunos ao som de uma bateria. Lula então demonstrou irritação durante o seu discurso.
O Palácio do Planalto, tentou amenizar as vaias,alegando que a manifestação era contra o Reitor
da Universidade que não é muito bem visto pelos estudantes.

Mas tudo bem Remindo, o povão é muito injusto. Ele esquece do dia para a noite os seus ídolos. Vamos esperar o que vem por aí...


Por quem os sinos dobram


A Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou uma mudança na Lei do Silêncio. Com isso, as igrejas poderão utilizar os sinos para anunciar as horas
ou a realização de atos e cultos religiosos.
Todos os deputados presentes à sessão-14 ao todo – foram unânimes com a relação à decisão. Agora basta a sanção do governador do DF para a nova legislação entrar em vigor.
A mudança na lei foi motivada pela decisão judicial que proibiu, em 22 de novembro, a Paróquia São Pedro da Alcântara,localizada na QI 7 do Lago Sul, de utilizar os sinos. Com a alteração na lei,a proibição deverá ser revogada e os sinos poderão ser ouvidos novamente.




Salinha dos jornalistas

na pobreza
franciscana....


O Cherini pagou o 13 salário dos funcionários no dia 10/12...em compensação a salinha aqui da imprensa, a JCTerldera não tem nem tinta pra tirar um xerox....uma cópia de um mail que a gente precise. está tudo cortado até a próxima gestão!!!


E a Yeda liberou a grana

Na undécima hora, a governadora Yeda Crusius mandou o BANRISUL liberar a grana do Prêmio Ari de Jornalismo. Mas fez cu doce até o último momento....

Recebo um chasque do CYBORG!!!!

Olá meu caro amigo Olides.
Tudo bem com você.


Budapestes, na Humgira, em 2009

Num raro momento de ócio, deparei-me com uma nota a meu respeito em seu blog. Confesso que fiquei feliz ao ver meu nome sendo mencionado, e o do Mazeron, também.
Tomo a liberdade para atualizá-lo das minhas atividades.

De fato, trabalhei na Gazeta Mercantil, como correspondente em Porto Alegre, até 1990, e depois, em Caxias do Sul, onde abri um “posto avançado” e onde moro até hoje. Vim para cá no começo de 1991, mas dois anos depois houve a decisão de fechar a sucursal.


Budapeste, tendo por fundo o rio Danúbio

Por coincidência, isso aconteceu na mesma época que a RBS adquiriu o controle do Pioneiro. Atendendo convite do José Barrinuevo ajudei o Thomas a fazer a transição, na condição de secretário de redação. Foi uma bela experiência. Todavia, fiquei um ano no Pioneiro, pois a Gazeta Mercantil me chamou para reabrir a sucursal.

Resumindo: trabalhei com carteira assinada até o ano 2000 e retornei quatro anos depois, já na gestão do Tanure, desta vez como prestador de serviço pessoa jurídica, permanecendo até maio de 2009, data do encerramento definitivo do jornal.

Em seguida comecei a fazer matérias para o Brasil Econômico, lançado em outubro do ano passado, sempre destacando conteúdos de economia & negócios, turismo, gastronomia e lazer. Contudo, em fevereiro deste ano o Valor Econômico me chamou para ajudar a fazer um Caderno Especial sobre o Rio Grande do Sul e, por questões éticas, deixei de escrever para o Brasil Econômico.


Porto de Pecem, no Ceará, em 2008

Atualmente, continuo fazendo matérias para o Valor Econômico e também faço frila para uma revista do setor automotivo, de São Paulo, focado nas áreas de transporte e logística. Paralelamente, estou tocando outros projetos. O mais interessante deles é uma ferramenta nova, chamada Inteligência Competitiva, na qual pretendo me dedicar daqui para frente.

É isso. Anexo, envio algumas fotos feitas recentemente.
Grande abraço

Guilherme


BRASÍLIA POSTA EM FRANGALHOS

Por Carlos Chagas

Há que começar com a premissa de que todo mundo é inocente até que se lhe prove a culpa. Caso provada, a Justiça deve seguir o seu curso.

A imagem de Brasília já se encontrava em frangalhos, depois da cassação do senador Luís Estevão e da renúncia do senador Joaquim Roriz, ambos por roubalheira. Sobreveio depois o maior de todos os escândalos, levando o governador José Roberto Arruda à prisão e deputados distritais a perderem seus mandatos por transformarem a coisa pública em cosa-nostra.

Pois quando já se imaginava a possibilidade de uma penosa reconstrução, eis que outro representante da Capital federal no Congresso é acusado de improbidade no exercício da importante função de relator do Orçamento da União para 2011. Suplente de Roriz, Gim Argello assumiu sua cadeira no Senado e passou a responder a processo junto ao Supremo Tribunal Federal, acusado de fraudar licitações quando presidente da Câmara Legislativa local. Mesmo assim, tornou-se a principal figura na condução da lei que sempre foi a causa maior da existência de todos os parlamentos.

O diabo é que acaba de renunciar, não ao Senado, por enquanto, mas à relatoria, forçado pela unanimidade de seus companheiros. É acusado de ter apresentado emendas pessoais ao Orçamento beneficiando entidades-fantasma, ONGs inexistentes ou sem endereço.

A ainda senadora Ideli Salvatti, cujo mandato não foi renovado, é a nova relatora, mas apenas até fevereiro, quando se inicia nova Legislatura, na qual Argelo dispõe de quatro anos. Ele pertence ao PTB, dizem que é amigo da presidente Dilma Rousseff, mas o PMDB já anuncia nova temporada de caça. A intenção do partido majoritário é de levar o senador a julgamento pelo Conselho de Ética, forçando-o à renúncia ou tendo a cassação como alternativa. Sua posição não é nada confortável, até porque o segundo suplente desse malfadado mandato de Joaquim Roriz é do PMDB...

Vale terminar como iniciamos: todo mundo é inocente até que se lhe prove a culpa. Mas se culpa tiver havido no comportamento de Gim Argelo, ele que se prepare.

FISCALIZAÇÃO E INDEPENDÊNCIA

Na presença de dois presidentes da República, um que sai e uma que entra, tomou posse o novo presidente do Tribunal de Contas da União. Benjamim Zymler provou que vai ser carne de pescoço quando discursou. Com educação e firmeza, disse que aquela corte não irá retroceder na fiscalização das obras públicas. Continuará duro e com independência, exercendo suas funções na expectativa de que, em seu diálogo com o governo, estará contribuindo para o aprimoramento da democracia.

Há uma singularidade na carreira de Zymler: ele é oriundo do quadro de funcionários do TCU, em meio a colegas em maioria provenientes do Congresso. Sua formação é rígida e certamente sem a intenção de entrar em atrito com o governo, será objetivo na denúncia de eventuais obras públicas em desacordo com as normas da administração federal.

SUBMISSÃO

Submeteu-se o Banco Central aos objetivos da presidente Dilma Rousseff, de ver baixarem os juros. Na recente reunião do Copom foram mantidos os índices atuais, permanecendo a taxa Selig em 10.45%, contrariando as tendências do ainda presidente Henrique Meirelles, pela sua elevação. O fato de não ter havido aumento pode significar reduções, a partir do ano que vem. Pelo jeito, o perigo da volta da inflação não será combatido pela alta dos juros, fórmula, aliás, repudiada pelas maiores economias do planeta.

FÉRIAS

Nos tempos do presidente Mao, em viagem à China, este que vos escreve perguntou a um dos dirigentes do “bando dos quatro”, naquela época todo-poderoso, Yau-Wen-Yuan, porque os chineses não tinham direito a férias. Indignou-se o depois posto em desgraça responsável pela comunicação social do governo. Respondeu que todo trabalhador chinês tinha 53 dias de férias anuais. E explicou: aos domingos eles não trabalham...

Não precisamos chegar a tanto, mas esta semana a Comissão de Constituição e Justiça do Senado debateu a questão das férias de 60 dias para os magistrados. Insurgiu-se o senador Demóstenes Torres, na presidência dos trabalhos, achando injustificável o privilégio da categoria. Por que o pedreiro, o motorista e o marceneiro, entre tantos outros trabalhadores, não dispunham dessa prerrogativa? Dividiram-se as opiniões, com os senadores que são advogados defendendo os dois meses para os juízes, porque também representariam igual período de descanso para os causídicos.

A questão é delicada, mas, convenhamos, se os magistrados andam sobrecarregados de processos para julgar, nem por isso as demais profissões devem ser consideradas mais amenas.



Brasil TeleCom



caga e anda pros seus clientes...


A Brasil TeleCom está desde a última terça-feira, dia 7/12,tentando consertar os fones de uma determinada área do bairro Auxiliadora. Por isto que este blog não foi atualizado deste esta data.

É vergonhoso, pra não dizer outra coisa, como os consumidores são tratados " neste país"...

E o que é pior: eles nem uma resposta vão dar....

E TUDO TERMINOU EM PIZZA

QUER DIZER
NÃO HOUVE FATO DETERMINADO!

Acabou em pizza , uma boa pizza, por sinal, o pedido que a vereadora Juliana Brizola(PDT) fez pra que se instalasse uma CPI na Câmara Municipal de Porto Alegre em função das denúncias na secretaria da Juventude. Como ninguém tem nada a ganhar com isto, a Procuradora Geral do legislativo , Marion Alimena, disse que a requisitante não apontou fato determinado pra pedir a CPI.
O presidente Nelcir Tessaro(PTB) claro que concordou e diz que a sua não instalação " não afeta a imagem da Câmara Municipal".

O velho colocar " panos quentes"!

Mas a Comissão de Constituição e Justiça se manifestará na terça-feira, próxima.

Pedro Ruas, do Psol, diz que a CPI poderá sair, sim.

Tarciso Flecha Negra e Thiago Duarte ,ambos do PDT, retiraram as assinaturas de apoio a CPI, mas ainda assim há assinaturas suficientes pra que a CPI saia.

Pinga Fogo!


TV Câmara Municipal recebeu alguns telefonemas pra saber quando seria reprisado, neste fim de semana, o debate entre Juliana Brizola e Mauro Zacher, ambos do PDT,acontecido na segunda feira, dia 6.12

Quem asssitiu o debate entre os dois ouviu mais algumas farpas entre Zacher e Juliana logo após as farpas ditas da tribuna.
ele teria dito :
- Não sei onde estou estou que não te dou uns tapas!

E ela teria respondido:

- Faz, faz que tu estás acostumado a bater em mulher....

No programa Agora, da Guaíba, foi apresentado uma espécie de " OS MELHORES MOMENTOS" do debate entre os dois pedetistas...


O último grande debate, digo pugilato, que tinha acontecido na Câmara Municipal tinha sido entre os outrora colegas Pedro Ruas, do PDT, agora no Psol, e Isaac Ainhorn, do PDT.Mas aí não foi na tribuna. Foi no cafezinho, onde os dois se deram uns tapas....Isto foi alguns anos atrás....

Paulo Tigre

nunca foi ministeriável....

Ninguém na coletiva do Paulo Tigre lhe perguntou se ele ser ministro ou não....Acho que coleguinhas ficaram apenados, porque a presidenta já anunciou todos os " empregos"....

Perguntei a assessora de imprensa da entidade sobre isto e ela me disse:

- Era pura intriga da Oposição...
Então tá!

Mais uma da série nomes que condicionam destinos:

O Embaixador Antônio de Aguiar PATRIOTA é o futuro Ministro das Relações Exteriores, convidado por Dilma.

Dá-lhe Laurinho....

O Laurinho Dieckmann resolveu me COPIAR e o aluno está saindo melhor que o MESTRE...

Ele que tem uma bolsa cancer pode viajar de vez em quando...eu só vou a Serafina, de Bentinho...


Mas quando estou de mau humor( o que meus infinitos detratores ) dizem que é sempre, leio o Lauro pra rir um pouco. Ele senta um cacete nesta imprensa de merda que temos aí, que é até bom de ler....

Bares que viraram lenda

Carlos Alberto Pires de Bittencourt e Joãozinho, na frente do Chaparral, na Protásio Alves, 3216, lá por 1970.

Quando conheci João Carlos Martins Prado, o Joãozinho, garção, ele já estava bastante adoentado, com problemas de saúde. O colega que me deu a dica me avisou que o Joãozinho nãoe estava bem de saúde. DEpois de uma longa entrevista, ficamos algumas vezes conversando pelo telefone. Sempre que tinha alguma dúvida, ligava pra ele, que mesmo com a saúde precária sempre me atendeu com presteza. Cheguei nele porque precisava pesquisar sobre a chamada Barlândia, que existiu no Protásio Alves, nos anos 70...Foi uma indicação de um colega dele, garção como ele.

O Joãozinho, que trabalhou praticamente em todos aqueles bares da Protásio e mais no Sandália de Prata( de uma zanponês, ou melhor, de um japonês, que trocou seu nome por um nome português) sabia muitas histórias da noite de Porto Alegre,de lugares que hoje só existem na memória. Falva do Sherezade, do Zimbaloo, do Chaparral e de outros bares da Protásio com a maior intimidade.
- O primeiro bar da avenida Protásio Alves foi o Varanda, que ficava logo passando a rua Montenegro, contou-me ele.

Era um restaurante-dançante.

Depois tinha o Pudibundo( mencionado estes tempo pelo radialista Lauro Quadros, num email que me mandou...)

que era um restaurante, o Prinz( que ainda existe e que o Serginho Ross quando vem de Brasília vai pegar mostarda pra levar pra casa....) o Chaparral,que era frequentado por muita gente pública, gente famosa,como jogadores de futebol, tipo Falcão, do Inter, O Niger, de comida árabe e a Pizzaria Vêneto. Também havia uma boitezinha que Joãozinho não lembrava o nome. Depois mais encima, do lado esquerdo quem sobe a avenida, tinha o famoso Sherezaade,uma churrascaria e em frente ao Chaparral, do outro lado da avenida, o Viscaia, da Ieda Maria Vargas. Era tudo praticamente um grudado no outro, lembrou-me o Joãozinho, tudo numa quadra. E o famoso VAN GROGH, onde conheci o garção que me falou do Joãozinho e um local onde muitos procurados pela ditadura procuravam refúgio porque era de um parente do presidente Jango Goulart, que nestes anos estava exilado.

Joãozinho lembrou-me muitos feitos, mas especialmente uma noite em que ele viu o cantor Gilberto Gil com duas gatas. Era verão e os três ficaram sentados ali a noite inteira, tomando choppinho, batendo papo, comendo salgadinho. Eu volta e meia,contou-me Joãozinho, vinha na porta do Chaparal e oolahva, lá estava ele no Niger, do lado. Minha mulher, naquela noite(era um sábado) estava na casa da irmã dela, na rua Mal. Floriano, no centro de Porto Alegre. Eu saí do Chaparal e peguei um ônibus na avenida Protásio Alves para ir até o centro.
No caminho, no início da avenida Osvaldo Aranha, perto do que hoje é o túnel da Conceição, que ainda não existia, eu passei peloGilberto Gil, caminhando, com as duas, com as mãos nos ombros delas, a passito, a pé e pé....Eles saíram do Níger pelas quatro,quatro e meia e se foram a pé, de certo o papo estava muito bom, a madrugada estava maravilhosa, lembra Joãozinho. E na época a cidade ainda era muito tranquila, dava para caminhar a pé pelas ruas mesmo madrugada alta....

Nascido emTupanciretã em 27.07.1944, ele morreu no HCPorto Alegre no dia 27 de setembro passado.

Foi enterrado em Porto Alegre.
Ele chegou a trabalhar na Cooperativa Serrana de Tupanciretã e depois fez concurso pro Minístério da Agricultura. Passou mas não quis regressar a terra natal tendo ficado a vida inteira trabalhando na noite de Porto Alegre.

Morava no Jardim Botânico e era um celeiro de histórias dos bares e restaurantes dos anos 60 e 70.


E "O" RODOVIÁRIA

CHEGOU LÁ....

Luigi sonhava com uma

placa onde estivesse seu nome!


NÃO IA ME meter no assunto Inter já que o Matz escreve sobre isto: porém a eleição do Luigi, ou o rodoviária, como a torcida o chama, me obriga a isto:conheço o Luigi desde os anos 70,quando era gerente da rodoviária de Porto Alegre e ia sempre lá fazer entrevistas.
O Gelson Farias recorda que ia lá pela Farroupilha e que tinha uma escadinha que a gente subia...era mais ou menos isto mesmo....

A rodoviária não era informatizada e naqueles anos havia muitas queixas contra o terminal porque ele servia de depósito de vagabundos, sem teto, cachaceiros em geral que não tendo pra onde ir pra esperar o outro dia, acabavam dormindo nos bancos da rodoviária. E no dia seguinte lá vinha a ZH, o Diário de Notícias e a Folha da Tarde com fotos e mais fotos denunciando a precariedade do terminal rodoviária da capital.

Luigi, como gerente da Veppo, comandou toda esta revolução que aconteceu e que hoje deixa o terminal rodoviário de Porto Alegre em boas condições. Raramente se ouve na imprensa hoje em dia reclamações contra o terminal de Porto Alegre. Tudo isto tem o dedo do Luigi, que agora transferiu, de alguns anos prá cá, seu foco pro Internacional, até que dentro de uma escalada no sábado passado acabou eleito presidente do clube, que dentro de alguns dias disputa um BI Mundial( tomara que não ganhe!)

Luigi, quando o conheci naqueles anos e trocávamos conversas, me contou que era colorado, pra minha surpresa. Ele era moço naqueles anos, como todos nós éramos...

E uma tarde não sei porque acabou me confessando que um sonho seu era um dia poder ver seu nome inscrito numa placa alususiva ao clube para quem torcia, mas disse isto como quem diz: isto pra mim é um sonho, um sonho distante.

Pois o sonho do " rodoviária" agora se concretizou.

Mas há quem diga que ele não tem talento pra lidar com os jogadores, dentro do vestiário, requisito pra o qual também se exige uma disponibilidade especial...

Quando começou no Inter, ouvi alguns comentários do tipo:
- Ele pensa que jogador de futebol é que nem o pessoal da rodoviária, lá é diferente...

O Luigi deu a volta por cima e acabou eleito presidente do Inter, claro que dentro de uma combinação toda....

Quando a claque começou a gritar no sábado, lá pelas 10 e meia da noite, Luigi fica , Affatato vai pra casa, o próprio Luigi se encarregou de cortar os naipes da turma e dizer:
- Não, não, não é isto. Eu não gosto disto....

Estava já tentando aparar as arestas da eleição que acabara de fechar as urnas e que lhe deu uma votação consagradora.

Desejo tudo ao Rodoviária, menos que volte do Dubai, com o BI mundial!

Foto


Nos anos 70, Grêmio e Inter resolver disputar beleza também em churrascarias. O Inter tinha a Saci e o Barril(bar) enquanto que o Grêmio abriu a Mosqueteiro....

Ficava na av. Carlos Barbosa,325. O fone era 223.41.20.

Tinha até ar condicionado...

Era mantida pelo clube( depois ela foi assumida pelo ecônomo Régis, que veio a ter também galetos, um em Porto Alegre, na Dom Pedro II e outro em Torres, perto do rio Mampituba). Seu ambiente era descrito como " agradável". Só os colorados é que não o achavam, mas vá lá dá pra entender...

Servia com sistema de rodízio( ou seja o tradiconal ESPETO CORRIDO) . tINHA UM buffet com saladas...

O Mosqueteiro fazia otradcional Grenal de churrascarias em Porto Alegre.

Ambas desapareceram....tragadas por vários fatores.


da esq. para dir... Airton Pimentel( Patineti) de uma gravadora,

Luís Carlos Neves, Berê, cantora, e Pachequinho(divulgador) mais Gelson Farias na antiga churrascaria Mosqueteiro.

De São Borja

O que dizem por aí é que a sucessão
municipal está na rua....


Renê Ribeiro, do PT, tem procurado muito a mulher do deputado federal Luiz Carlos Heinze(PP) , Sandra,pra fazer uma aliança em 2012 para o Palácio João Goulart.

Mas o PT sãoborjense estaria dividido. A turma do Renê Ribeiro e os outros.

Renê Ribeira teria pego o partido pra ele....Houve uma reunião dias atrás para indicar companheiros em cargos e só deu indicação dele...
Só entrou na lista os indicados dele.

Teria sobrado até para sua mulher, a vereadora Sandra Ribeiro, que teria indicado o próprio marido na base do " eu como única vereadora do partido indico o companheiro Renê, meu marido" É o que transpirou do encontro.

A outra " fatia" do PT sãoborjense quer uma coligação de maior " identidade ideológica",não eleitoreira, como seria a do PP.

No PP há uma versão de que parte do partido também não estaria muito inclinado a este casamento político:Coligar com o PT, logo em São Borja, onde existem grandes propriedades rurais produtivas, mas onde também existem sete assentamentos, coligar com o PT?
Como ficaria o pessoal do Sindicato Rural, onde estão aninhados os proprietários rurais que fizeram o prefeito Mariovane Weis(PDT) durante seu primeiro mandato, exonerar seu Secretário da Agricultura do PT o ex-vereador Claudio Gomes.


Já no PDT, todo mundo que tem assento no Palácio Getúlio Vargas( Câmara Municipal) seria, em princípio, pré-candidato a prefeito.

Roque Feltrin, no caso, está sendo apontado como o " cavalo do comissário" - uma expressão bem da campanha - ou seja teria o apoio de Mariovane Weis.
Feltrin, que é "político de primeira viagem" e " cristão novo" no PDT, estaria fazendo um bom trabalho como vereador. Na eleição de outubro último, Feltrin apoiou Adroaldo Loureiro a deputado estadual e Affonso Motta para deputado federal.


Romildo Bolzan Jr.

teria dado um para-te quieto em Juliana e Zacher....


Transpirou ontem que o presidente regional do PDT, Romildo Bolzan Jr.teria dado um para-te quieto na vereadora Juliana Brizola e no seu colega Mauro Zacher.

Segundo a mesma fonte, a ronha é entre eles dois e a disputa vem desde o tempo da Juventude Socialista.

Nada então a ver com a bancada do PDT.

O parate quieto do presidente regional foi em função de que o barulho provocado na Câmara Municipal de Porto Alegre está atrapalhando as negociações com o governador Tarso Genro.

Záchia


O prefeito José Fortunatti confirmou ontem que convidou o deputado estadual Luis F. Záchia pra integrar o seu secretariado. Convite teria partido no dia seguinte ao resultado das eleições em outubro passado.


Fiergs


*Estatística do IBGE: entre 2015 em diante, o Brasil precisará produzir 1.200 mil empregos ao ano....

*A India e a China são os países mais emergentes do momento. Na China, haverá a formação de uma " nova classe média" que vai querer consumir


*No Brasil, no momento está se consumindo muito e produzindo de menos, dizem os especialistas.


*Paulo Tigre, presidente da entidade, gostou do novo ministério, ou seja, o da presidenta Dilma:

diz que passaram por uma crise mundial e que saíram dela tarimbados. Além do que o grupo criado pra enfrentar a crise mundial continuou se reunindo e procurando soluções. Tanto assim que foi dele que saiu o programa MAIS ALIMENTOS, que resolveu a situação das máquinas agrícolas no RS.

Desgostosos!!!

Tem gente do PDT desgostosa com o prefeito José Fortunatti....


Desde 1983!!!!

O almoço da Fiergs com a imprensa nasceu em 1983, na gestão do presidente Luís Otávio Vieira( que era médico e genro do dono do curtume Vacchi).

Quando ele começou a comida era do tipo da campanha e a sobremesa ambrosia, doce de coco, doce de leite,abóbora...

Júlio Magalhães era o assessor de imprensa da entidade.


Fiergs


Os veinhos no almoço da imprensa ontem eram Affonso Ritter, Danilo Ucha, Valter Todt( que uma vez o loko do Arthur Monteiro escreveu no JC que ele era o Valter LODT) e Isnar Ruas....


Grêmio agradece ao Inter pela Libertadores alcançada


Por Luiz Oscar Matzenbacher


Colorado, Colorado, sempre vou te agradecer...
Eis a frase de agradecimento ao Internacional, que deveria ter amanhecido no Estádio Olímpico, depois da derrota do Goiás em Buenos Aires, contra o Independiente:
"A TORCIDA GREMISTA AGRADECE PENHORADAMENTE AOS COLORADOS.
O GRÊMIO ESTÁ NA REPESCAGEM DA LIBERTADORES GRAÇAS AO INTER, QUE JAMAIS ENTREGARÁ JOGO".
Ao vencer o Botofogo no Maracanã, em jogo que nada mais significava para o Internacional, os colorados abriram as portas dos fundos para o Grêmio ingressar na Libertadores, como quarto representante brasileiro. O Goiás fez as honras da casa, ao perder a Sulamericana nos pênaltis para o Independiente. Assim, graças à valentia e a garra dos colorados, é do Grêmio a quarta vaga brasileira na Libertadores.
A Caravana Rubra segue rumo ao Oriente. A delegação do Internacional já está em Abu Dhabi. O Internacional é o Brasil na Copa do Mundo de Clubes da FIFA/2010. O primeiro jogo foi entre o representante da Oceania e o representante dos Emirados Árabes, mas os gols anotados por atletas que se destacaram na dupla Gre-Nal (Fernando Baiano, ex-Inter e Hugo, ex-Grêmio), que deram a vitória ao Al Wahda dos Emirados (ex-clube do treinador Tite em 2010), contra o Papua, da Oceania.
O Inter estréia na terça-feira, dia 14. Estou muito bem representado na caravana de torcedores e jornalistas. Infelizmente eu tenho compromissos inadiáveis e importantíssimos em solo pátrio e não poderei ir torcer pelo Inter no local dos jogos. Oferecerei, como de costume vitoriosamente, desde 2006, a taça de vinho tinto seco gaúcho às estrelas e às divindades do futebol, pelo sucesso da competição e pela deferência de concederem mais um título internacional para o Sport Club Internacional. Tem dado certo.


De São Borja


Colegas do Clemar Dias estão se cotizando pra lançar um livro seu, leio na Folha...de São Borja.

Pô,o cara escreve e os outros tem que pagar o papel da impressão...que arriado,hein....

BOM

É irônico que a classe artística e a categoria dos jornalistas estejam agora na, por assim dizer, vanguarda da atual campanha contra a violência enfrentada pelo Rio de Janeiro. Essa postura é produto do absoluto cinismo de muitas das pessoas e instituições que vemos participando de atos, fazendo declarações e defendendo o fim do poder paralelo dos chefões do tráfico de drogas.

Quando a cocaína começou a se infiltrar de fato no Rio de Janeiro, lá pelo fim da década de 70, entrou pela porta da frente. Pela classe média, pelas festinhas de embalo da Zona Sul, pelas danceterias, pelos barzinhos de Ipanema e Leblon. Invadiu e se instalou nas redações de jornais e nas emissoras de TV, sob o silêncio comprometedor de suas chefias e diretorias.

Quanto mais glamuroso o ambiente, quanto mais supostamente
intelectualizado o grupo, mais você podia encontrar gente cheirando carreiras e carreiras do pó branco. Em uma espúria relação de cumplicidade, imprensa e classe artística (que tanto se orgulham de serem, ambas, formadoras de opinião) de fato contribuíram enormemente para que o consumo das drogas, em especial da cocaína, se disseminasse no seio da sociedade carioca – e brasileira, por extensão. Achavam o máximo; era, como se costumava dizer, um barato.

Festa sem cocaína era festa careta. As pessoas curtiam a comodidade proporcionada pelos fornecedores: entregavam a droga em casa, sem a necessidade de inconvenientes viagens ao decaído mundo dos morros, vizinhos aos edifícios ricos do asfalto.

Nem é preciso detalhar como essa simples relação econômica de mercado terminou. Onde há demanda, deve haver a necessária oferta. E assim, com tanta gente endinheirada disposta a cheirar ou injetar sua dose diária de cocaína, os pés-de-chinelo das favelas viraram barões das drogas.

Há farta literatura mostrando como as conexões dos meliantes
rastacuera, que só fumavam um baseado aqui e acolá, se tornaram senhores de um império, tomaram de assalto a mais linda cidade do país e agora cortam cabeças de quem ousa lhes cruzar o caminho e as exibem em bandejas, certos da impunidade.

Qualquer mentecapto sabe que não pode persistir um sistema jurídico em que é proibida e reprimida a produção e venda da droga, porém seu consumo é, digamos assim, tolerado. São doentes os que consomem. Não sabem o que fazem. Não têm controle sobre seus atos. Destroem famílias, arrasam lares, destroçam futuros.

Que a mídia, os artistas e os intelectuais que tanto se drogaram nas três últimas décadas venham a público assumir:

“Eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro.”

Façam um adesivo e preguem no vidro de seus Audis, BMWs e Mercedes.

Fim do artigo.

Falta dizer mais alguma coisa? Acho que não!

Sylvio Guedes, editor-chefe do Jornal de Brasília


Histórias de la Ùndeze...

Não é época de pinhão, mas pinhão faz lembrar o inverno, na Serra...

Lá na Onze, como diz o Serginho( ele não gosta que se faça gracinha...., só ele pode fazer, isto é mania de cara que foi chefe da Manchete ....) no inverno comíamos muito pinhão, feito em sapecadas...

Ainda existem pinheiros(araucárias ) mas elas são raras e quem tem pé de pinheiro não pode cortar, porque o Ibama proibe....

Os Morandi na capela São Pedro possuem ainda muitos pés de pinheiro, intacto...Meu velho pai, de 82 anos, diz que eles tem mais de 100 anos porque ele sempre lembra que os pinheiros existiram...

Aqui era tudo pinheiro, lembra ele...
Tanto que os primeiros moradores da capela São Pedro, que fica numa espécie de vale, tinham a sensação de poder caminhar por cima das copas, "de tanti fissi que i zera"( de tão juntos que os pés ficavam um do outro, ou seja, uma copa batia na outra...)
Foram-se grande parte dos pinheirais de Serafina, mas ainda sobram algumas espécies.

De São Borja

Assessor dorminhoco...


Pedro Simon costumava chamar o prefeito de Caxias, Mansueto Serafini, de soneca, porque gostava de acordar tarde...

Mas a deputada Juliana Brizola poderá ter um assessor dorminhoco em seu gabinete a partir do ano que vem: Letier Vivian , que comandou a campanha da deputada estadual em São Borja, gosta de acordar tardito...Ontem dormia depois das 7 e meia da manhã, apesar do circo ter pegado fogo na véspera. Não acordou nem pra ouvir o noticiário nas rádias da capital...

É verdade que está de férias da Câmara Municipal e que na véspera deve ter tomado uma borracheira, como eles dizem em São Borja.


Mário Lima

Como diz o Folhão, esteve hoje (ontem) visitando nossa redação, no caso a salinha JCTerlera, o narrador Mário Lima que estava em Criciúma desde 2001. Está na Guaíba, no lugar do Haroldo de Souza. Fpi trazido pelo Luis Carlos Reche.


Memória Política


VAMOS PRA BAIXO DA ÁRVORE

QUE ELES JÁ NOS VIRAM AQUI!!!!


Danilo Groff, bioquímico, morreu eum 4.08.2010 e seguramente com ele perdeu-se o que mais ainda tinha por aí de memória sobre o ex-governador Leonel Brizola.

Mas Danilo, que passou por poucas e boas, tinha lá seu resquício de paranóia. Ontem João Carlos Terlera me lembrou que sempre que eles conversavam na Praça da Matriz, Danilo pediu pra ir pra baixo de uma árvore porque achava que os helicópteros dos milicos o haviam descoberto...

Nascido em Passo Fundo em 26 de fevereiro de 1934, ele teve seu grande momento de fama no dia 25 de junho de 1987, quando na Praça XV de Novembro, no Rio de Janeiro, ele tentou atingir o presidente José Sarney com uma pedrada. Era uma revolta popular contra o então presidente, que após a eleição de 1986( eleições estaduais e proporcionais) quando o Plano Cruzado ajudou o governo a obter grande vitória mas veio o congelamento dos salários e subiram de um dia pro outro preço da gasolina, telefone,energia, bebidas, automóveis, num mesmo dia.

Danilo acabou descoberto pelo Serviço Nacional de Informações( SNI) que ainda estava vigente e o pessoal do general Otávio Medeiros acabou enquadrando o Danilo e outros na famigerada Lei de Segurança Nacional(. No episódio o presidente Sarney acabou levando uma pedrada e feriu levemente a mão.
Nos últimos anos de sua vida, apesar da vida frágil, Danilo sempre estava presente nos eventos do PDT. Manteve a vida de militante estando sempre presente nos eventos do seu partido. Viajava a São Borja, junto de sua esposa, dona Ione - e com os netos - para os compromissos oficiais do partido quando das homenagens aos líderes desaparecidos e enterrados na Terra dos Presidentes.

Pinga fogo.


Respingos de baixarias...

O espírito na Cãmara Municipal de ontem - um dia depois do bate boca entre Juliana Brizola e Mauro Zacher - era de resquícios de baixaria.

Nenhum dos dois quis falar com a imprensa....

Devem ter entrado em campo os bombeiros....


Libretos lança o Projeto Coojornal

Um dos mais importantes jornais da imprensa alternativa no período

do regime militar ganhará um registro histórico em livro e DVD

A Libretos está desenvolvendo um projeto de resgate da memória do Coojornal, mensário de marcante atuação na luta pela redemocratização do país. O Coojornal, editado pela Cooperativa dos Jornalistas de Porto Alegre, circulou entre 1974 e 1982 e se caracterizou pela valorização da reportagem e a coragem de retratar a realidade brasileira no momento em que o país vivia sob uma ditadura militar.

A trajetória do Coojornal será recuperada através de um livro que reúne a história do jornal e uma coletânea das principais reportagens e entrevistas publicadas ao longo de sua existência. Acompanhará um DVD com depoimentos dos jornalistas que participaram do Coojornal. O projeto se completará, a médio prazo, com a digitalização e respectiva catalogação de todas as edições do Coojornal, com a finalidade de pesquisa. A coleção digital será doada para os centros de pesquisa em Comunicação do RS.

Esta iniciativa, com patrocínio da Petrobrás e da Caixa Econômica Federal, promove um evento-reportagem, no dia 18 de dezembro, que reunirá repórteres, colaboradores, ilustradores, associados e apoiadores para trocar ideias, lembranças e para coletar depoimentos para a elaboração do livro e do DVD.

O projeto pode ser acompanhado através do site www.coojornal.com.br, que já está mobilizando os ex-integrantes e leitores do jornal, a partir da postagem de comentários e do envio de fotos.

Assessoria de Imprensa:

Simone Lersch (51) 3029-6390 / 9803-4420


AUMENTAR OU REDUZIR O CONSUMO?


Por Carlos Chagas

Mestre Hélio Fernandes, mais uma vez, acertou na mosca: para evitar a crise, Barack Obama colocou mais 600 bilhões de dólares no mercado. Pelos mesmo motivos, Henrique Meirelles tirou de circulação 61 bilhões de reais. Lá, a estratégia é aumentar o consumo. Aqui, reduzi-lo.

Some-se à nossa política restritiva as sucessivas ameaças de Guido Mantega, que continuará na Fazenda promete cortes nos investimentos, diminuição de gastos públicos essenciais, ajuste fiscal e até a possibilidade de aumento de impostos.

Alguém anda pisando no tomate e, pelo jeito, não é o presidente americano. A principal alegação para a popularidade do presidente Lula repousa na inclusão de milhões de cidadãos na sociedade de consumo. Quem jamais possuiu um fogareiro agora compra fogões, geladeiras, máquinas de lavar e aparelhos de televisão. Muitos que viajavam de trem e de metrô adquiriram automóveis, mesmo usados, em prestações a perder de vista. Os que iam de ônibus vão de avião. Aqueles acostumados a duas refeições por dia fazem três.

Se a estratégia é reduzir o consumo, a redução atingirá primeiro os emergentes. Junto com a impopularidade previsível para o novo governo e a nova presidente da República. Dá para entender?

PREMONIÇÃO

Coincidência ou não, o presidente Lula foi vaiado pelos estudantes da Universidade de Brasília, segunda-feira, ao inaugurar um pavilhão que homenageia a memória de Darcy Ribeiro. A prioridade, para os jovens, era outra, numa instituição que cada dia mais deixa a desejar. Não passou recibo, o primeiro-companheiro, acompanhado do presidente do Uruguai. Sem referir-se aos apupos, ateve-se ao texto do discurso preparado antes, surpreendendo pela falta de seus peculiares improvisos. Raríssimas vezes nos últimos oito anos o Lula recebeu vaias. Estariam os estudantes reagindo às medidas de contenção anunciadas pela equipe econômica de Dilma Rousseff?

CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO

Aferram-se os meios de comunicação na defesa da proibição constitucional de restrições à liberdade de expressão do pensamento. Nada mais justo e necessário. Censura, nunca mais! Anuncia-se estar o poder público, também pela Constituição, buscando mecanismos para evitar excessos e abusos praticados através da mídia. Fala-se numa agência a ser criada, composta e mantida pelo Poder Executivo, com a função de analisar e determinar punições para abusos e excessos. Sempre a posteriori, depois das matérias divulgadas, para não exprimir atentado ao conteúdo jornalístico.

Mas quem garante que depois de sucessivas multas, suspensões e até cassação de concessões, os meios de comunicação não venham a suprimir determinado tipo de matéria descritiva ou opinativa que desagrade aqueles a quem coube aplicar as punições? Estará o conteúdo, então, sofrendo restrições. Solução, mesmo, para evitar o mau uso dos meios de comunicação, só pode estar no Poder Judiciário. Estimular preconceitos de raça, classe ou religião, induzir ao crime, à violência e ao tóxico, contrariar os bons costumes, ofender a honra alheia – tudo isso precisa ser punido, depois de acontecido. Mas apenas por decisão da Justiça.

UM VERBO PERNICIOSO

Volta à moda o verbo “refundar”, aliás, um atentado à semântica. Porque se uma determinada instituição vai ser “refundada”, é porque deixou de existir a que foi “fundada”. A palavra certa seria reformar. Ou então fundar outra instituição.

O raciocínio vale para os partidos políticos, no caso, para o PSDB. Seus líderes, a começar pelos luminares, os portadores de mil diplomas, estão falando em “refunda-lo”. Com todo o respeito, uma bobagem, até porque como seria o novo ninho tucano? Adotaria agora, ou deixaria sair pelo ralo, se já adotada, a social-democracia? No máximo deveriam ser revistos o programa e os estatutos do PSDB, bem como renovada sua direção. Ou, então, programe-se o enterro do partido e providencie-se a troca ornitológica: em vez de tucanos, a Fênix...


De São Borja


Um funcionário da Câmara Municipal na última segunda-feira resolveu se matar. No meio da tarde, tinha decidido matar primeiro sua mulher( a atual) mas ele tinha bronca com a ex....

Ela fugiu amparada por algum parente, se não me engano...

O rapaz, que tinha lá seus 40 anos, era funcionário da Câmara Municipal de São Borja. Deu-se um tiro. DEixou um bilhete pra filha e um pra mulher....

Problemas com a ex e dívidas, ao que estou informado...


Colegas ficaram chocados com o episódio porque o rapaz parecia tão normal.....,segundo quem o conheceu....

Almoço da Fiergs

Estou regressando do almoço de fim de ano da Fiergs. Na mesa sentou, de novo, o Paulinho Boa Nova que eu conheço há 40 anos, acho....

O Paulo fazia na PUC, nos anos 70, um jornalizinho tri loko, junto com a Berenice Otero...

Ele tem banda de rock, ainda hoje. É da velha geração do IAPI. Me disse agora há pouco que é de 1951....

Pois o Paulinho era tri reaça pra nós que fazíamos o DLUCT, que vinha a ser no nosso entender, um jornal revolucionário. Num artigo feito pelo Carlinhos Caramez, um guri na época, ela mandava a merda o presidente Médici. Claro que no terceiro número o SNI foi na gráfica e proibiu a impressão e nós todos nos escondemos alguns dias, meno seu que não tinha onde ir a não ser a JUC-5 onde morava....


Almoço na Fiergs...

*Quando íamos indo embora, vi o Jurandir Soares, da rádio Guaíba passando e tive que lhe dizer: escuto teus comentários mas quando falas do Chaves é de um modo muito reacionário. ele apenas riu....


*Antônio Goulart, que também foi pegar esta copa franca, disse-me que embarca na sexta pra Dubai, onde vai acompanhar o Inter...tomara que volte com as mãos abanando...


*Este ano tinha menos gente que nos anteriores. Não sei o que houve...


*Linei Zago podendo. Na hora de ir embora, ligou e pediu -prum carro ir buscá-lo.

Estava a serviço,segundo ele. Trabalha na imprensa do Piratini....


*Não convidem pra mesma mesa, ou pro mesmo jantar, duas celebridades do jornalismo gaúcho: não se topam. Júlio Cesar Magalhães( hoje ainda na Fiergs) e Marco Antônio Kramer, ex-Fiergs e que foi porta voz de Figueiredo.


*Os dois estavam ontem no almoço de fim de ano....


*Affonso Ritter sentou na coletiva do presidente Paulo Tigre ao lado da Nathália Fruet...Ah, se a Dorzila descobre.....

*O que mais perguntou na coletiva do Tigre, foi Sérgio Bueno, do Valor Econômico. É o marido da deputada federal Luciana Genro(Psol)

*Como haverá troca de presidentes na Fiergs, o ano que vem seguramente não será mais a mesma assessora de imprensa que comandará o espetáculo.

Mas dificilmente Júlio Magalhães não estará na Fiergs.

É uma espécie de eminência parda....

* Rosane de Oliveira, colunista política de ZH chegou um pouco atrasada, mas perguntou sobre a reforma da previdência e tributária ao Paulo Tigre.

Já Marta Sfredo fez as perguntas sobre economia....


De São Borja


Companheiros do PDT

esvaziam sessão solene

em homenagem a Jango


A votação que fez em São Borja o neto de Jango, Cristhopher Goulart - e cerca de 3 mil votos - e uma entrevista que deu na rádio Cultura se colocando a disposição do PDT pra ser candidato a prefeito mostrou que a direção local do partido não estaria muito a fim dele.

Sintoma claro disto foi a pouca presença na última segunda, di 6.12 da sessão solene em homenagem ao seu avó, que completou 34 anos de morte.


Neta de Brizola

é de faca na bota!

No frio de São Borja, no sábado, dia 21.06.2008, Juliana Brizola participa das homenagens a Getúlio Vargas. Na verdade , os próceres do PDT tinham ido a São Borja para homenagear seu avó que está enterrado no cemitério local.

Aparecem, da esq. para a dir...Pompeo de Mattos( com quem Juliana rompeu em 2004) Vieira da Cunha, Matheus Schmidt, Mariovane WEis, prefeito de São Borja, Juliana Brizola,Celeste Penalvo, e dirigentes do PDT de São Borja. Fazia muito frio naquela tarde de inverno, quando foram levar rosas no túmulo de Getúlio na Praça XV de Novembro. Num dos integrantes da comitiva, pode-se ver o adesivo: BRIZOLA VIVE!


Já deu pra ver, né: Juliana Brizola , a vereadora do PDT, 34 anos,filha de José Vicente Brizola, um roqueiro, que na última segunda bateu de frente com o colega Mauro Zacher, na Câmara Municipal de Porto Alegre, não leva desaforo pra casa...Foi assim em abril de 2004 quando ela abriu um berreiro contra Pompeo de Mattos, deputado federal do seu partido e presidente do PDT gaúcho, quando Juliana o acusou de tentativa de assédio. Pompeo teve que renunciar a presidência do PDT. Brizola ainda vivia....

Ao se tornar a deputada estadual mais votada do PDT - mesmo que não tenha feito lá um mar de votos - a neta de Brizola mostra que vai pras cabeças.
Seu discurso na Câmara Municipal sobre o colega Zacher impressionou pela veemência e pela coragem. Não é todo dia que uma mulher sobe nas tamancas neste tom....

Agora é de se esperar pra ver os resultados deste imbróglio todo. Na Câmara Municipal a procuradoria já disse que não há como abrir-se sindicância apenas " com recortes de jornais" que seriam a base de sua documentação contra o colega Zacher.


Oito de dezembro

é dia da padroeira de Porto Alegre.


É feriado no Alegrete, porque é dia de Nossa Senhora da Conceição. Antigamente era feriado religioso, mas a santa foi cassada, assim que hoje em dia não é mais....

E Nossa Senhora da Conceição é a padroeira de Porto Alegre e não Nossa Senhora dos Navegantes, como muita gente pensa...

Houve até um erro histórico na gestão do Guilherme Villela na prefeitura. Colocaram de novo PROJETO PADROEIRA quando foram fazer melhorias no bairro Navegantes. Aí foram pesquisar e viram que a padroeira do município é N.S. da Conceição.

Hoje é aniversário do ex-prefeito de Alegrete, Adão Faraco , que se chama também Conceição.

Conhecido por " doutor Massaroca" porque enrolava muito bem os prefeitos quando estava na Secretaria dos Transportes, Adão hoje vive em sua terra, onde é advogado.

Pinga Fogo


Sessão caliente....

Muitos lembrarão por muito tempo o bate-boca entre os dois vereadores do PDT., da última segunda...E o melhor é que foi de imprevisto....como dizia o João Batista Marçal, o Voz das Vilas, eu quero é lama....


Sessão entrará pra história do legislativo municipal. Gerson Anzolin apresentou no Mendelski na Guaíba os principais trechos dos dois pronunciamentos.Trabalho correto e bem feito....Abotoadinho. Mendelski que é um cara chato pra burro elogiou o Anzolin...Estes dias o mestre ganhou até um CD do pupilo pra tocar no seu programa de domingo( não é do Teixeirinha, assim que o Flávio Fontela, de São Borja, não precisa se preocupar....)


Sessão caliente....(1)

- A cidade não pode ficar à mercê de uma quadrilha que se instalou na pasta da Juventude( Juliana Brizola)

- O secretário não poderá se esconder debaixo da saia de ninguém( Mauro Zacher...)


Serginho bola murcha...

A ZH do dia 6 de dezembro deu na capa o Jonas, do Grêmio, ganhando troféus ...


Mas o Serginho passou o ano todo falando mal dele e do Douglas.


Por coincidência no domingo foram os dois, mas Paulão, que deram a coletiva no Olímpico.


Quase perguntei se eles já tinham ouvido falar de um " aspirante" do Grêmio, que andava de bonde e que jogava na Baixada do Grêmio. Mas poupei os craques de tamanho vexame....


Coleguinhas


Dia 7, ao meio-dia, almoço da Imprensa na Fiergs.

Este já tradicional encontro, antecedido de uma coletiva, começou com um pequeno carreteiro,anos atrás, pra meia dúzia de pessoas. Hoje reúne cerca de mil....


Coleguinhas

O Luz no fim do túnel, ou também conhecido por A. Goulart afivela as malas pra ir pra Abu Dhabil...colorado fanático, junto com o Cristiano Darsch, é um dos poucos colorados que frequentam o IRPAPOS DA RUA DA PRAIA....

*FICOU BONITO E ESTÁ POR SER INAUGURADO o bar que o Espanhol montou no térreo do pre´dio da ARI. O probelma é que ele vai bater de frente com o zelador ADOLAR e com o gerente do bar lá de cima...um dos diretores mais pé no saco que a entidade teve até hoje....


*Dia 8 a noite é a entrega DO PREMIO ARI DE JORNALISMO NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO. Ninguém sabia até ontem se haveria grana do Banrisul, que sempre paga os prêmios. Dona Yeda não tinha liberado...Alguns disseram que a governadora " mandou os jornalistas votarem no Tarso!"


Inauguração

Fotógrafo Claudio Bergman


Dia 8 de dezembro diretores da Green Pallet do Brasil deram coletiva no Plaza sobre a nova indústria que inauguram no mesmo dia no Km 11 da RS 118, em Gravataí.

O investimento é de 100 mil pallets por ano. O investimento é de 10 milhões de reais...com a geração de 50 empregos.


A inauguração do empreendimento vai ser às 10 horas da manhã.

O investimento é feito entre um grupo de Toronto, no Canadá e parceiros do Brasil.

Ontem, depois da coletiva, um dos canadenses disse que deixou o país, há dois dias, sob forte nevasca e que chegou aqui num clima de verão, com calor escaldante...

Mas que quando viu a árvore de entrada do hotel, lembrou-se que é véspera de Natal.


Da memória de um repórter


O dia que a Jandira

dormiu mais que a cama!


Logo que Leonel Brizola voltou do exílio, em 1979, começou uma ronha entre ele e o senador Pedro Simon. Foi um acusa que acusa...Tu me traiu, não foi tu que me traiu....

Brizola dizia que Simon, em Nova Iorque, onde o visitou, teria dito que entraria no PTB( depois acabou virando PDT mesmo....)

Simon negava...

Os dois foram as vias de fato, durante um debate na TV 2 Guaíba, num programa apresentado pelo Rogério Mendelski, em que ficou famosa a cena em que Simon unca encara Brizola de frente. O " turco " só cachimbava e Brizola só fumava.

O rolo foi tão grosso que pedetistas e emedebistas viraram inimigos figadais, tipo assim Juliana Brizola e Mauro Zacher, no momento....

Tudo isto estou lembrando o leitor pra dizer que num domingo de manhã, num 24 de agosto, dia que tanto emedebistas( muitos dos quais vindos do PTB antigo) como pedetistas iam ao memorial de Getúlio na Praça da Alfandega, e era um domingo. a ZH preparou uma cobertura. João Carlos Terlera ficou intrigado porque a turma de Brizola marcou pra ir na carta testamento as 8h30 e Simon e sua turma as 9 horas.

Jandira Cesar, que cobria o PDT, ficou de cobrir a ida de Brizola, mas dormiu demais e não foi ao encontro ...Só que Simon e Brizola se encontraram e se deram um longo abraço e fizeram,digamos, as pazes.Ainda bem que o Loir Gonçalves, o fotógrafo destacado estava lá e registrou porque alguém da Caldas Junior que passava por ali, viu os dois lá e mandaram fazer cobertura oo evento.

A Guaíba deu com destaque no Renner das 13 horas e quando o Fehlberg chegou na redação montou num porco quando ficou sabendo que a setorista do PDT não tinha ido cobrir o evento.

- mas falando com o Brusa Neto, com o Simon e com outros conseguimos recuperar a matéria lembra Terlera.

Mas Fehlberg ficou tão brabo que queria demitir a " magra", que sempre cobria muito bem seu setor....


Da memória de um repórter

Deu uma dor de barriga na Núbia

e o Nico ali naquele lenga lenga....


Nico Noronha era editor de esportes, de O Sul, logo que foi fundado. Todos fins de tarde, a Núbia Silveira, editora geral do jornal, reunia seus comandados pra discutir a edição( A Núbia adora uma reunião,sempre gostou....)

E um dia lhe deu uma enorme dor de barriga e precisa ir correndo ao banheiro, mas acontece que quem pegou da palavra foi o Nico Noronha que é mais lento que jamanta subindo a Serra da Mantiqueira....Fica naquela lenga, lenga, explicando tudo, sem pressa.

E a Núbia, ali, quase se cagando....

E o Nico não se desenredava....

Até que ela não se aguentou e levantou-se foi correndo rumo ao banheiro.

No dia seguinte, todos riram na hora do novo encontro....

 

PARANÓICOS SÃO ELES


Por Carlos Chagas

Das mais de 200 mil mensagens de embaixadores e altos funcionários dos Estados Unidos transmitidas ao Departamento de Estado, agora reveladas pela ONG Wikileaks, perto de 2 mil foram oriundas de representantes americanos no Brasil. Muitas óbvias, mais ainda de tolas, algumas de valor e outras de considerável teor maléfico.
Tome-se uma das mais perigosas, na medida em que, em Washington, tenham sido consideradas essenciais para o relacionamento entre os dois países. Referiu-se o então embaixador Clifford Sobel, dos tempos do governo George W. Bush, à “tradicional paranóia brasileira” diante das ameaças de conquista e internacionalização da Amazônia.
Não se trata apenas de uma distorção da realidade, já que paranóia não há, entre nós, senão cuidados mais do que necessários para a preservação da região. O que o embaixador quis alimentar foi a estratégia de camuflar a ameaça sempre presente contra nossa soberania. Difundir a impressão de que, no Brasil, apenas “uns paranóicos” preocupam-se com a defesa da floresta, patamar capaz de estimular ainda mais a evidente cobiça internacional. Sobel mandou um recado, um estímulo a que o governo americano não esmoreça na tentativa de apoderar-se da Amazônia. Para ele coisa fácil, apenas enfrentada por uns poucos. Falso diplomata que era, empresário de goela aberta que continua sendo, certamente empenhava-se em obter vantagens pessoais.
Ficamos sabendo, por aquele aparentemente singelo comentário, que o perigo permanece. Desnecessário se torna repetir as sucessivas declarações de líderes americanos a respeito da internacionalização. George W. Bush, quando em campanha para a Casa Branca, revelou-se por inteiro ao sugerir que os países com amplas dívidas externas viessem a trocá-las por territórios, “em especial florestas tropicais”. Bill Clinton falou da soberania relativa que Brasil, Peru, Bolívia e outras nações teriam sobre a Amazônia, enquanto Al Gore foi mais adiante, sustentando que a região pertencia à Humanidade, só ela em condições de evitar o desmatamento e a poluição mundial.
Se é verdade que Barack Obama até agora não abriu a boca para enfrentar a questão, também é certo que o olho de Washington continua voltado aqui para baixo. A lei de aquisição de terras na floresta continua aberta a estrangeiros, as ONGs do Hemisfério Norte dominam vastas reservas indígenas e a Quarta Frota da Marinha de Guerra dos EUA permanece navegando no Atlântico Sul.

A HERANÇA DO LULA
Fosse feita uma pesquisa junto ao brasileiro médio a respeito do que mais caracterizou os oito anos do governo Lula e o resultado não iria diferir muito de quatro ítens principais: o bolsa-família, a criação de novos empregos, a estabilidade na economia e agora, por último, o ingresso das forças armadas na defesa da segurança pública.
São quatro pilares que só o futuro mostrará se sólidos ou capazes de ser corroídos, mas, de qualquer forma, evidências que marcam os dois mandatos do primeiro-companheiro.

CORAGEM, DIGNIDADE E PRESSÃO
Ernest Hemingway escreveu certa vez que “a coragem é a dignidade sob pressão”. Dignidade a presidente Dilma Rousseff possui em altas doses, bastando atentar para sua biografia. Pressão, ela está sofrendo aos montes, de partidos e grupos empenhados em obter vantagens e benesses de toda ordem. Está na hora da coragem para espantar os urubus que tentam voar em torno de seu governo.

PAX ARMADA
Previsto para acontecer esta semana, o encontro entre o governador Geraldo Alckmin e o senador Aécio Neves poderá selar uma espécie de armistício no ninho tucano. Mesmo sem querer, os dois ocupam o comando dos bicos e plumagens em choque. O paulista, assentado nas estruturas que, mesmo derrotadas, ainda exprimem a força maior do PSDB. O mineiro, como representante dos demais contingentes tucanos ávidos de renovação e empenhados em livrar-se da tutela do grupo fundador da legenda. Como nem Alckmin nem Aécio desejam a guerra, ainda que comandando as respectivas legiões, é possível que venham a estabelecer uma pax armada.


Coleguinhas

Ocupando o espaço que está vazio, o Diário Gaúcho tem dado cobertura a assuntos municipais. Na sexta passada, deu duas páginas sobre brigas de Rambo, Juliana Brizola e Mauro Zacher.

Ontem, deu a manchete sobre o bate-boca no legislativo municipal entre os dois vereadores do PDT....


Pinga Fogo...

Chamou-me a atenção da presença da vereadora Juliana Brizola no ato em favor da Luciana Genro( que quer ser candidata a vereadora em 2012..) E por coincidência, na segunda, Pedro Ruas, do Psol, foi o a segundo a assinar o pedido da CPI pedida pela própria Juliana, momentos antes. Então são aliados.....


Boa pergunta?

Porque será que o apelido do Alexandre,ex-secretário da Juventude de Porto Alegre é RAMBO????


O amor que vira ódio....

De um eleitor da governadora Yeda, no segundo turno de 2006:

- Ué, mas algumas pessoas ganhando medalhas? Ué, sinal que aí tem, diz ele,surpreso....


Histórias de La Undeze

O casarão do Assoni não existe mais....

Este casarao que se vê aí foi derrubado este ano....



A corrida de calhambeques que ocorreu pelas ruas da cidade, tendo aos fundos o casarão do assoni, atual buzon.

Quando o chamado movimento preservacionista de Serafina - na verdade constituído de três abnegadas mulheres que ainda se importam pelo que sobrou da herança patrimonial e cultural de Serafina,principalmente de seus antigos prédios que contam ainda a história da localidade porque até o museu de Serafina desapareceu - ingressaram no Ministério Público pedindo a preservação do prédio da cantina de vinho( que nunca sofreu ameaça de derrubada, apenas teve um espigão construído na sua frente) Nelson Assoni, dono deste belo prédio de madeira antiga, na surdina o derrubou e mandou guardas as tábuas pra que seja reconstruído em outro local.

Ali seguramente surgirá um edifício...é questão de tempo....

Na frente do prédio, o Nelson Assoni está construindo junto do seu filho, Pachu, um bar que será show de bola, pelo que dizem: se chamará Calabria e deverá ser inaugurado neste final de ano.

Foi inspirado nos moldes do Pedrini, de Porto Alegre.

O arquiteto do projeto foi o Marieto Migliavacca....


DÚVIDA


Na Coluna Repórter Brasília, de Edgar Lisboa, no Jornal do Comércio de 22.11.10, há o seguinte:
Conversa com Getúlio
No discurso da inauguração do Centro de Referência do Trabalhador Leonel Brizola, em Brasília, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva contou uma história de quando foi visitar o túmulo de Getúlio Vargas em São Borja, acompanhado de Brizola. Fiquei espantado. Ele ( Brizola ) ficou conversando com uma admiração, era como se o Getúlio estivesse ali ouvindo , relatou o presidente. Lula ainda disse que o Brizola o apresentou para o ex-presidente e perguntou: Quer conversar com o Getúlio? . Para Lula, foi tudo muito estranho. o Brizola transcendeu minha compreensão .

Há testemunhas disto ? É um elogio ? Ou é uma maneira, sutil de, a pretexto de elogiar o Brizola, insinuar que estava caduco, ou coisa que o valha?

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


JANGO: INFARTO OU ASSASSINATO

De Buenos Aires
Gelson Farias


O ex-presidente João Goulart morreu em Mercedes, província de Corrientes


O presidente João Goulart, o Jango, foi deposto em 31 de março de 1964 (ou seria 1º de abril?). Depois do golpe militar, ele exilou-se no Uruguai e depois na Argentina, onde morreu a seis de dezembro de 1976. O motivo da morte dele é suspeita: infarto ou assassinato? Leonel Brizola, ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, cunhado de Jango, coloca em dúvida a causa. Em entrevista à Folha, em 28/8/1982, admitiu como “suspeita” a morte de João Goulart. Segundo o jornal, “as declarações do ex-governador gaúcho referiam-se às recentes denúncias de que o ex-presidente teria sido assassinado, na cidade argentina de Mercedes, onde passara a residir, por ingestão de remédios para cardíacos.



Presidente João Goulart ( foto de sua posse)


“De fato, afirmou Brizola, por que nem o governo da Argentina e nem o do Brasil deixaram que fosse feita uma autópsia [pedida pela família dele] no corpo de Jango?”. Afirmou ainda: “desde o momento da sua morte até o enterro, tudo foi feito sob pressão, no sentido do episódio ser encerrado o mais rapidamente possível ( na época, existia Ditadura Militar também na Argentina ). Acho mesmo que esse caso não foi o único. Pessoalmente, recebi avisos de diversas origens sobre a eliminação de lideranças políticas no Continente. Por isso mesmo é que eu estranho igualmente a morte de Juscelino, Lacerda e até do Petrônio Portela ( Ministro da Justiça do presidente João Figueiredo. Faleceu de infarto em 6/1/1980 ). Todas ocorreram em circunstância suspeitas. É possível que o tempo nos venha trazer algum esclarecimentos sobre tais fatos”. Em 1982, quando Brizola concedeu essa entrevista, ainda estávamos na Ditadura Militar e o presidente era o general João Batista Figueiredo. A democracia só voltou em 1985, vinte e um anos depois do golpe de 64. Como previu Brizola, o tempo está trazendo alguns esclarecimentos, como veremos.
É bom lembrar aos leitores deste Blog, que o jornalista Carlos Heitor Cony e Anna Lee escreveram um “romance”, questionando as mortes de Juscelino (JK), João Goulart (Jango) e Carlos Lacerda ( líder civil do Golpe de 64 ): natural ou assassinato? O personagem, pesquisaram as possíveis causas dessas mortes ocorridas em pequeno lapso de tempo, quando haviam criado a Frente Ampla, unindo esses três adversários perseguidos pelo Golpe de 64 e visando a volta da democracia. Nesta época, existia a Operação Condor, supostamente responsável pelo assassinato de várias autoridades no Cone Sul. Coincidências ou não? É o que trata o romance O Beijo da Morte. Com alguns assassinatos comprovados Em sei livro, Cony revela: “A família de João Goulart deu entrada na Justiça a uma ação sobre a morte do ex-presidente, que teria sido assassinado, no Uruguai ou na Argentina, por membros de uma Operação Escorpião, que foi a antecessora da Operação Condor, destinada a eliminar pessoas que pudessem perturbar a paz no Cone Sul da América Latina, então governada por regimes militares As três décadas passadas desde as mortes de João Goulart, Juscelino Kubitschek e Carlos Lacerda mais alimentaram, com a seqüência de esquivas investigações, do que atenuaram as suspeitas de triplo assassinato sobre os quais, enfim, há um ponto de partida substanciosa. Já está entregue à Procuradoria Geral da República. E a recusa a aceitá-lo, para abrir investigação sobre as circunstâncias da morte de João Goulart dificilmente seria compreensível. (…) A longa e até agora inútil batalha da família Goulart pela exumação do corpo ex-presidente, morto no exílio em 1976 e enterrado no Rio Grande do Sul, teve o seu fundamento agora comprovado pela inesperada confissão de um ex-agente uruguaio, em depoimento para um documentário de João Vicente Goulart , filho de Jango
LEMBRANÇAS

Diante de milhares de pessoas, de tanques de guerra, de faixas e cartazes referentes às reformas, o Presidente João Goulart fez o seu último comício, em frente à Central do Brasil - no mesmo lugar em que Getúlio Vargas tinha declarado o Estado Novo. Tendo ao lado sua esposa, Dona Maria Teresa, e a proteção de um aparato militar nunca vestem quase cinco mil soldados, o Presidente João Goulart anunciou que dois decretos tinham sido assinados: o da SUPRA, sobre a reforma agrária e o da encampação das refinarias de petróleo.

A suspeita geral era de que o Presidente, convocando o comício, pretendia implantar uma ditadura consentida: daria uma demonstração do seu prestígio pessoal e passaria a governar através de decretos, sem ouvir o Congresso.O Comando-Geral dos Trabalhadores convocou "todos os trabalhadores à Central". As forças armadas de todo o País já haviam recebido ordens de prontidão. Às 14 horas, toda a frente da Central estava ocupada. O comício, marcado de início para as 20 horas, começou uma hora antes. O povo se comprimia sob a floresta de faixas exigentes, entre o palanque e o cordão de isolamento. As faixas pediam reformas. O comício começou com a chegada do professor Darci Ribeiro. O Sr. Leonel Brizola, um dos mais aplaudidos, pediu a substituição do Congresso por uma assembléia constituinte. Depois de anunciar a assinatura de decretos - do Supra e da encampação das refinarias - identificarem nos inimigos do seu Governo os inimigos do próprio povo, distribuir ameaças, críticas, promessas, o Sr. João Goulart tentou afastar dúvidas afirmando que a reforma da Constituição era uma exigência do povo.


O Golpe Militar a caminho

Nesta sexta-feira 13, depois do Comício das Reformas de Base realizado em frente ao Ministério da Guerra, o general Castelo Branco engajou-se de vez na ação dos que conspiravam pelo golpe. A direta e a extrema direita tomaram a iniciava com as Marchas da Família com Deus e a Liberdade. Logo depois estourou no Rio a rebelião dos marinheiros, que constituiu o pretexto final para o golpe militar, desencadeado na noite do dia 31 de março para o dia 1º de abril. No final deste dia, o dia o poder estava nas mãos do general Arthur da Costa e Silva, que assumiu o Ministério da Guerra e destituiu oficiais leais a Jango.

POR QUE ELES E NÃO EU?


Por Carlos Chagas


Dos 37 ministros do presidente Lula, pelo menos onze vão continuar no governo Dilma Rousseff: Guido Mantega fica na Fazenda, Fernando Haddad, na Educação, Wagner Rossi, na Agricultura, Alexandre Padilha, nas Relações Institucionais, Nelson Jobim, na Defesa, Carlos Lupi, no Trabalho e Orlando Silva, nos Esportes, somando-se a eles Paulo Bernardo, que passa do Planejamento para as Comunicações, Gilberto Carvalho, da Chefia de Gabinete para a Secretaria Geral, além de Antônio Palocci, que foi da Fazenda e vai para a chefia da Casa Civil e Edison Lobão, que volta às Minas e Energia.

Caso outros não consigam atravessar o campo minado, sobram 26 malas prontas para retornar à planície. Ministros que, pela escolha dos onze companheiros, fatalmente estarão remoendo a óbvia pergunta: “por que eles e não eu?”

Os governos de continuidade tem dessas coisas. Geram, senão ciúmes, ao menos amuos. Muitos dos que partem podem não deixar saudades. Os que permanecem precisam cuidar-se, evidência que nos leva a uma situação maior: vai-se o presidente Lula, chega a presidente Dilma. Sabe muito bem a primeira mulher a galgar a chefia do governo que sem o primeiro-companheiro seria impossível sua ascensão. Deve tudo ao Lula e, por isso, o relacionamento entre eles será especial. Mas a presidente eleita não pode imaginar-se um vídeotape ou papel carbono do antecessor. Precisará navegar com carta própria de marear, mesmo mantendo o rumo.

Exemplo dessa situação está na entrevista que Dilma Rousseff concedeu ao Washington Post, publicada no fim de semana. Suas concepções sobre política externa diferem daquelas sugeridas pelo ainda chanceler Celso Amorim e endossadas pelo Lula. Maior aproximação com os Estados Unidos, maior distância de ditaduras como a do Irã. Multiplique-se esse quadro por outros setores da administração e se terá a receita de como serão delicados os próximos meses.

JUSTIÇA A UM PROFESSOR DE DEMOCRACIA

Proposto pelos três senadores de Minas, aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e no plenário do Senado, seguiu para a Câmara projeto que dá ao ex-vice-presidente Pedro Aleixo o status de ex-presidente da República. Faz-se justiça a um professor de democracia, garfado nos idos bicudos de 1969 por uma Junta Militar que usurpou o poder, impedindo o substituto e sucessor constitucional do enfermo presidente Costa e Silva de assumir. Pedro Aleixo será inscrito na galeria que começa com Deodoro da Fonseca e chegou ao Lula.

Há precedente. Tancredo Neves, eleito, não chegou a tomar posse, mas por ato do Congresso a memória nacional já o tem como presidente da República. Nada mais correto do que a Câmara, ainda este ano, aprovar a reparação que se faz necessária a outro mineiro ilustre.

PREJUÍZO COISA NENHUMA

Não parece fácil a Dilma Rousseff escolher o novo ministro da Previdência Social. O PMDB refuga a indicação, primeiro por não dispor de um técnico à altura, em sua bancada, depois por fugir de rabos de foguete. Porque a Previdência Social continua acusada de a causa de todos os males, mesmo sem ser. Toda proposta de aumento salarial e de melhoria das condições dos aposentados esbarra na mentira de que a Previdência dá prejuízo e será responsável pela volta da inflação, a bancarrota da economia e o naufrágio do país. Mentira. A Previdência Social equilibra-se porque milhões de cidadãos passam a vida contribuindo para receber, depois, a justa retribuição pelo seu trabalho. Excessos podem registrar-se, aqui e ali, mas como exceção. Além do mais, o governo não é constituído de compartimentos estanques e independentes. Forma uma só unidade, ou seja, com caixa único. Se um setor não dá lucro, eventualmente ou de forma permanente, existirão os que jamais deram prejuízo. É o sistema de vasos comunicantes. Penalizar e até tentar substituir a Previdência pública pela privada constitui malandragem. As Forças Armadas não dão lucro contábil, muito pelo contrário. Vamos extingui-las ou privatizá-las? E os bebês?

BOBAGEM ABANDONADA

Parece abandonada a idéia de alguns tontos do DEM de extinguir o partido, incorporando-o a outro. Nem PMDB nem PSDB, porque apesar de sucessivas derrotas, a legenda que já foi Arena, PDS, Frente Liberal e PFL tem seu lugar no cenário nacional. Não é preciso concordar com seus postulados, de resto muitas vezes reacionários e prejudiciais ao país. Mas seus integrantes tem o direito de existir, se vivemos um regime democrático. A fusão com outros partidos maiores só aumentaria a confusão. Graças ao seu ex-presidente, Jorge Bornhausen, o DEM continuará. Quem quiser sair que saia.

DE BRASÍLIA
ESPECIAL PARA O OLIDES III



QUEM MANDA??????

A coisa começou a esquentar entre a cumpanheira Dilma e Lula.
Pela primeira vez, desde que iniciou a montagem de sua equipe ministerial, a presidente eleita
contrariou duramente o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Contra a opinião do seu criador Dilma, resolveu
anunciar a nomeação do deputado José Eduardo Cardozo
(PT-SP) para o Ministério da Justiça. Lula não gosta do petista paulista, que é um dos três coordenadores da campanha de Dilma.
O José Eduardo,um cara bonitão,foi durante
muito tempo o namorado da Manuela D´Avila, que será uma forte candidata a Prefeitura de Porto Alegre.

Já cansei

Tenho 77 anos,77 anos bem vividos. Quando
tinha uns 15 anos comecei a me envolver em política. Comecei em Bento a fazer campanhas para o meu velho amigo Aquiles Mincarone que era o pai do Paulo Mincarone(velho PTB).
Então comecei a querer saber tudo sobre a
politica gaúcha e nacional. Comecei a ler,depois de cada eleição as entrevistas dos governadores e prefeitos eleitos O que eu lia é o que continuo lendo até
hoje, o seja declarações como estas que eu li agora da Dona Dilma e de sua equipe econômica, em relação a
promessa de cortes e gastos:
O GOVERNO NÃO VAI CRIAR NOVOS GASTOS. VAMOS POUPAR E REDUZIR A DÍVIDA PÚBLICA... e por aí vai...
Pô!!! os caras não mudam o disco,agora CD. No fim do primeiro ano de governo,já esqueceram das promessas e a grana das despesas,continuam subindo...Viva o Brasil...

Rachaduras em Brasília

O Banco do Rio Grande do Sul,tinha uma agencia na Avenida W3 Sul,uma avenida movimentada boa de se andar e estacionar. Mas apareceu,como sempre alguem, mais inteligente, que resolveu transferir a representação do bnaco para um imenso e movimentado shopping na mesma avenida.
O pior, a agencia está instalada no andar onde funciona a área de alimentação. Ali estão instalados todos os restaurantes,os bares e não sei mais
o que. È um movimento dos diabos a qualquer hora do
dia.
Pois bem, na agencia do Banco eu guardo
os meus troquinhos que o Olides me paga,quando eu reclamo muito e ameaço entrar na Justiça. Não gosto da nova agencia,como muitos gaúchos que anda por aqui,também não gostam. E sabem agora o que está acontecendo na nova casa do Banco do Rio Grande do Sul: as paredes estão rachando. Não que o shopping vá desabar. Mas que as paredes estão feias isto estão E não é por descuido da gauchada que trabalha lá dentro ou do gerente que cuida muito bem de tudo. É porque o acabamento é horrível e mal feito...


Que crime é este?????

O Olides me reclamou que a Polícia de Brasília,não consegue elucidar o crime da SQS 113. Ele tem toda a razão. Este crime, era para ter sido resolvido
24 horas depois do acontecido. Agora faz um ano que o crime aconteceu e a policia não consegue dobrar os amigos da família, que insistem em não querer condenar a filha do casal assassinado Adriana Villela.
Quando a Polícia do Distrito Federal,ordenou a
prisão preventiva de Adriana,filha do ex ministro do Tribunal Superior Eleitoral(TSE), José Guilherme Villela e de sua esposa Maria Carvalho Villela por atrapalhar as
investigações do assassinato do casal e da empregada da
família, Francisca Nascimento da Silva, deram-se praticamente por encerradas as investigações a respeito do surpreendente e brutal crime,em uma área nobre da cidade. Adriana foi apontada pela polícia como a principal suspeita do triplo assassinato.
Segundo a delegada Mabel de Faria (é a terceira delegado que assume as investigações):”Adriana
não é suspeita do crime. Para a polícia ela é autora”.
E agora,durma-se com um barulho desses...

Helena a nova ministra

Sexta feira pouco antes do meio dia,eu estava no escritório conversando com o Chagas, quando
o telefone tocou. A secretaria anunciou, que do outro lado da linha estava a Helena a sua filha. O Chagas se transfigurou. Ele me olhou assustado e balbuciou: é a
Helena.... Atendeu o telefone e assim que desligou me disse: a Dilma confirmou a Helena para ser a Ministra
Chefe da Secretaria de Comunicação Social(Secom).
Eu conheço o Chagas e trabalho com ele a 38 anos. Assim que a Helena foi para o gabinete da Dilma no início da campanha, ele conversava sempre comigo, demonstrando uma grande preocupação,com as novas
funções dela. Ele falava de sua experiência,quando foi o porta voz do nosso conterrâneo General Costa e Silva. Ele me dizia que foi uma das piores fazes de sua vida. Me dizia sempre,que apesar de ser um Brizolista
fanático,aceitou o convite do Presidente Costa e Silva,porque o general garantiu a ele, que assinaria antes do fim de seu mandato o fim da ditadura que era o regime no país. Costa e Silva quando estava pronto para executar o seu desejo,teve um enfarto fatal que lhe roubou a vida. Me diz o Chagas, que o nosso conterrâneo teve a doença,quando soube que as três forças militares não haviam concordado com a decisão que ele pretendia tomar.
O Chagas, no fundo do seu coração,e em silencio,curtia muito bem a a história da Helena. Ele tinha medo sim, mas confiava no taco da filha.
Eu conheço a Helena também. Ela é uma mulher educada. Escreve muito bem e é muito bem relacionada com os coleguinha. Eu não acredito que a Dilma vai ter chance de cometer qualquer grosseria com ela,como costuma fazer com os seus subordinados mais
diretos.
Já a Helena deverá adotar a mesma postura
do Franklin,ou seja, não mexer com a verba publicitária do governo, que deverá continuar sob o comando do jornalista Ottoni Fernandes Junior, atual secretário executivo da Secom,favorito para continuar no cargo.
Antes de se tornar a assessora de Imprensa
de Dilma,Helena foi gerente da Empresa Brasil de Comunicações (EBC), a empresa pública criada pelo presidente Lula em substituição à Radiobrás. Foi também diretora das sucursais de Brasília de O Globo do
SBT, repórter e colunista do Jornal de Brasília.

Outro gaúcho na guerra do Rio

Não gosto do Ministro Nelson Jobim. Mas,hoje tenho que dar a minha mão a palmatória. Logo que começou a guerra no Rio, contra os traficantes, foi pedido o apoio da Policia Federal,da FAB e da Marinha. Todo mundo mergulhou de cabeça no combate. O Exercito também foi convocado mas tirou de cara o time de campo. Alegaram os generais que o exercito era só para fazer guerra contra outro tipo de inimigo. Na verdade, tinham medo de que alguma coisa desse errado e os seus soldados,fossem responsabilizados e criticados.
Aí surgiu mais um gaúcho macho, o Ministro Jobim, que “discretamente” deu um soco na mesa e anunciou que o exercito entraria sim na guerra,ou ele
mandava demitir o alto comando... Pô,foi uma zorra. Todo meteu o rabo entre as pernas. Os soldados
foram para as ruas e ajudaram a limpar os traficantes dos morros cariocas.

Sergio Ross

GREVE NÃO SE FAZ CONTRA O POVO

Por Carlos Chagas


Bem que o Congresso poderia aprovar uma das leis mais simples do planeta, mas de monumental conteúdo: “É proibido fazer greve ou movimento correlato que prejudique o povo. Revogam-se as disposições em contrário.”

Greve se faz contra patrão, seja ele o poder público ou a empresa privada. O estado ou o empresário devem sentir no bolso e na imagem os efeitos da paralisação efetuada por seus empregados ou funcionários.

Não só no Brasil, assiste-se cada vez mais a greve e seus filhotes realizarem-se contra a população. Tome-se o setor dos transportes. Quando motoristas e trocadores de ônibus interrompem o trabalho, as empresas dão de ombros, quando não se encontram estimulando o movimento para pressionar o governo a aumentar as tarifas. Mas quem se prejudica é o cidadão comum, aquele que não possui carro e fica impedido de comparecer ao trabalho. Quase sempre justamente indignados pelo desrespeito a cláusulas trabalhistas ou a promessas descumpridas, trocadores e motoristas atingem na moleira a massa assalariada à qual pertencem. Poderiam fazer diferente, ou seja, continuar circulando, mas com as catracas abertas, isto é, transportando os passageiros de graça, sem o constrangimento de piquetes, depredações de viaturas e choques com a polícia. Pelo jeito, essa iniciativa não lhes passa pela cabeça. Seria fulminante para o sucesso da greve.

Multiplique-se o exemplo acima por centenas de outros, cada qual, é claro, com suas peculiaridades. Ainda agora aeronautas e aeroviários lançam-se numa “operação padrão”, ante sala da greve nos transportes aéreos. Pilotos e comissários de bordo, no ar, bem como recepcionistas, atendentes e outros, em terra, decidiram cumprir à risca os regulamentos, demorando-se nos procedimentos de vôo e de atendimento nos balcões, fazendo atrasar e cancelar uma série de viagens, além de entupir os aeroportos. Como se já não bastasse a desídia das empresas aéreas, agora são os trabalhadores a aumentar as agruras dos passageiros. Que alternativa teriam os aeronautas e os aeroviários? Continuar funcionando, mas, quem sabe, ocupando os escritórios das empresas e proibindo seus diretores e proprietários de ter acesso ao movimento e ao faturamento? Pode ser, ainda que outras opções venham a emergir da imaginação dos manifestantes. Tudo, menos levar os passageiros ao desespero...

TRISTEZA

Quem se dedica a acompanhar os trabalhos do Congresso terá notado, de outubro para cá, um relacionamento singular entre deputados e senadores. São tratados com reverência exagerada aqueles que não se reelegeram, pelos que conseguiram mais um mandato. Um certo constrangimento atinge os dois grupos, uns abatidos pela iminência de deixarem o convívio dos outros que parecem pedir desculpas por terem vencido a eleição. Senão de velório, o clima é de tristeza, atingindo até estrelas de primeira grandeza. Começaram as despedidas formais, com discursos pronunciados nas tribunas pelos que, a partir de fevereiro, darão outro rumo às suas vidas. Em meio a apartes plenos de elogios até entre adversários ferrenhos. O fenômeno mereceria uma tese de mestrado ou de doutorado.

ALEGRIA

Não tendo podido candidatar-se a um terceiro mandato, o presidente Lula aproveita seus últimos dias de poder esbanjando alegria. Fala mais do que falava antes, coisa que se não surpreende, entusiasma seus partidários. O homem dá mostras de que permanecerá no palco, e não como coadjuvante. Sem pretender ofuscar a estrela por ele mesmo criada, continuará objeto das atenções gerais. Percorrendo o país, reforçando o PT, dedicando-se a analisar soluções para ajudar países pobres da África e da América do Sul, impulsionando a reforma política – tudo manterá o Lula ocupado pelos próximos quatro anos. Caberá a Dilma Rousseff acostumar-se sem melindrar-se. E aos veículos de comunicação, criar uma nova editoria para acompanhar o já então ex-presidente.

CONSELHO REPETIDO

Por diversas vezes os principais assessores de Dilma Rousseff devem ter tido vontade de lembrar à presidente eleita a máxima que atravessa a crônica política desde a proclamação da República: não nomear quem não puder demitir. Ignora-se se algum deles teve coragem de avançar o conselho, até porque ela deve conhece-lo. Dos nomes confirmados ou lembrados para o ministério até agora nenhum configurou a situação, mas é preciso aguardar a formação completa da equipe. O presidente Lula queixou-se, dias atrás, que sua maior dificuldade no governo foi de demitir ministros. Sofreu em cada uma das vezes. Talvez, para Dilma, não possa vir a ser tão difícil assim. O temperamento dela é mais rígido, mas vale esperar pela primeira vez em que terá de livrar-se de algum.




Odir Tonollier será secretário da Fazenda no governo Tarso Genro


Tarso Genro anunciou, em entrevista na manhã desta segunda (6), Odir Tonollier como secretário da Fazenda em seu futuro governo. Arno Augustin, que havia sido convidado a assumir o cargo, permanecerá em Brasília como secretário do Tesouro Nacional. O governador eleito está na capital federal onde se reúne com o presidente Lula, mas retorna a Porto Alegre à tarde.
Odir Tonollier (PT)– Natural de Santana Livramento, é economista e auditor externo do Tribunal de Contas do Estado. Foi o segundo homem da Secretaria da Fazenda durante a primeira gestão de Tarso Genro na prefeitura de Porto Alegre e assumiu a Secretaria de 1999 a 2000, no governo Raul Pont. Deixou o cargo no ano seguinte para ser secretário adjunto da Fazenda no governo estadual. Tem 53 anos.


--
Tarso Genro - Assessoria de Imprensa
51 3311.9346
www.rs13.com.br
www.twitter.com/tarso13

PT/RS reúne diretório


O PT gaúcho reúne a direção regional do partido no sábado (11), a partir das 9 horas, na sede do Comitê de Campanha, na Rua Barros Cassal, 68. O Diretório do PT/RS vai debater conjuntura; composição de governo e fazer um balanço da transição. Os petistas também encaminham a discussão da reforma estatutária – organização e calendário, pauta nacional que deverá ser concluída em agosto de 2011, no quarto encontro nacional do PT. Preparam ainda a agenda dos 31 anos da fundação do Partido dos Trabalhadores celebrada em 10 fevereiro.

jornalista Tina Griebeler nº 5131

Linha Onze

O Serginho vestiu o chapéu....

Deixe de ser mau carater. Tu nem eras nascido e eu ja tinha amigos na Linha Onze. Já jogava futebol contra o Gauhco e não perdia uma. Se tens dúvida,pergunte ao meu amigo Janguta..
Então,,como é que vou torcer para que a tua cidade não cresça.

Sergio

Coleguinhas

Rádio Guaíba continua no seu ritmo...

Ontem,segunda, andavam fazendo chamadas comerciais do Correio de sábado...Não é a primeira vez que ouço isto....


E o EDgar Schmidt se esmerou: disse que o Luigi fora eleito presidente do Grêmio. Vai ver estav a com sono, mas em seguida se corrigiu...Estão acordando o homem muito cedo..


E ouvintes reclaram que o som do boletim do Fábio Marçal estava ruim...ruim, estava péssimo!!!!!


Pô, a Jeanne que manda as notas do Chagas aqui é que é eficiente. Até no sábando manda....

Ao contrário do Sergio, que se enrolava todo naqueles três pares de óculos que tem, e mandava tudo errado.

Parabéns a Jeane...

O Serginho nós vamos fazer uma vaquinha pra mandar ele pra aquele lugar que os colorados vão, porque é colorado enrustido...Uma passagem só de ida.....que fica por lá...nem em Bento o querem....


Rambo, na mira....!!!!

A rádio Guaíba estava dando,ontem, matérias sobre investigações do Ministério Publico Estadual sobre a SEcretaria da Juventude, da capital....

E de tarde a Gaúcha também estava no assunto....

Não sei não, mas o Rambo, depois destas, dificilmente se segura no cargo....


Coleguinhas


Jornal a ARAZAO fez uma boa reportagem sobre a inaugurçaão da ponte sobre o Jacuí, na sexta passada...Faltou um porenzinho: colocaram as vitimas (fotos) da queda de janeiro passado, sem no entanto dar umas poucas linhas sobre quem são eles....


*Campanha do Pedro Affatato teria custado 1.500 mil reais segundo disse o Luiz Carlos Reche, ontem na Guaíba. Sim, as Guaíba também levou, né tanto que a propaganda era nas duas...né...


Ou o Reche está reclamando da fatia que foi paga a Guaíba...???Aí vale o IBOPE, né...


*O Reche às vezes é um destemperado. Mas que é um lutador, é....O que seria da Guaíba, do ESportes, sem ele..Se fosse com a malemolência do Edgar Schmidt e de outros, já teria fechado o departamento há muito tempo...


*Tem outros bons repórteres de esporte na Guaíba. No sábado de domingo, o Dall Pizzol e o Ernanni Campelo deram conta na eleição do Inter.......


*Na coletiva dos jogadores do Grêmio, no domingo, depois do Renato falar, tinha várias " marias-chuteiras"( e bem bonitinhas) esperando sua vez de dar o bote. Não falo de coleguinhas, não....Estas eu sei que se levam a sério.

Falaram o Douglas, o Paulão e o Jonas....Ficaram chamando o Paulo de Feio, o tempo todo e dizendo que o treinador Renato dizia que no Grêmio Prudente ele já era um " cavalo morto"!


FOLHA DE ESTRELA

O LOKO DO PAULO QUEVEDO - EDITOR DA FOLHA DE ESTRELA - me disse no domingo que mandou retirar da internet o seu jornal, que faz com tanta luta...

Ele descobriu que ela estava encalhando nas bancas, porque o pessoal lia no computador....


Coleguinhas

Paulo Quevedo, editor da Folha de Estrela pensa em abrir um tipo de associação de jornalistas em sua cidade. É que não chegam lá nem o Sindicato, nem a ARI.

- Tínhamos aqui um grupo que se reunia, mas nos últimos cinco anos isto não vem acontecendo, lamentou ele.


Memória de Jornalista

MEMBRO DE UM EPISÓDIO, NA DÉCADA DE 70, QUANDO COLOCAVA NO AR UM JORNAL DA BAND, EM PORTO ALEGRE. NO ESTÚDIO, DOIS COMENTARISTAS INSISTIAM,DIA-APÓS-DIA, EM ULTRAPASSAR OS DOIS MINUTOS AUTORIZADOS A CADA UM, ,FAZENDO OUVIDOS DE MERCADOR AOS AVISOS SOBRE A POSSIBILIDADE DE UM CORTE NO ÁUDIO.

E FOI EXATAMENTE UM CORTE QUE DETERMINEI NUMA DAS EDIÇÕES. QUAL FOI A REAÇÃO/

OS DOIS SE DIRIGIRAM Á DIREÇÃO DA EMPRESA, MUITO INCONFORMADOS, E UM DELES TENTOU JOGAR A CULPA SOBRE OS OMBOS DO ASSISTENTE DO ESTÚDIO. " ele não avisou que o tempo estava terminando". MENTIRA. EU TINHA VISTO O RAPAZ SINALIZANDO ,ATRAVÉS DO VIDRO QUE SEPARAVA A SAL DO SUÍTE DO ESTÚDIO"


eSTE EPISÓDIO FOI NARRADO PELA COLUNISTA MARIA WAGNER NO JORNAL DO COMERCIO, NO DIA 17 DE ABRIL DE 2007 NA SUA COLUNA DAS SEXTAS( QUE SAUDADES DAQUELA COLUNA...) Hoje a Maria está no Sebrae....

Fui tirar a limpo quem eram os dois debatedores. Eram o deputado estadual do PDS, Pedro Américo Leal( o coronel, como dizia o Flávio Alcaraz Gomes) e o ex-candidato a governador do PMDB, José Alberto Fogaça.

O episódio se deu entre 1980 e 1982.

Na época, na Band, o assistente de estúdio era o COBRINHA e o diretor de programação da Band era o Giancarlo Sartorello( um paulista que a Band matriz havia mandado pra cá...)
Estes debates eram ao meio-dia.Isto acontecia porque a emissora local, no caso a Band Tevê, tinha que entrar em cadeia com a nacional( ou seja entrava em rede com São Paulo) para transmissão das notícias geradas na capital paulista.

A contagem de tempo era feita de forma exata. E era. Apesar disto, a intemperância dos dois( Leal e Fogaça) causou alguns estragos.
Houve pelo menos duas edições em que as matérias chamadas nas manchetes não entraram no ar.

Até que um dia a editora, Maria Wagner, fez o corte,deixando Pedro Américo Leal sem som. Porém não foi ele quem acusou o assistente de estúdio. nesta hora pesou a solidariedade entre os dois debatedores. Fogaça foi na sala do Giancarlo Sartorello. Maria Wagner ficou sabendo através da secretária do Sartorello que Fogaça foram pedir a cabeça do Cobrinha.
O que chamou a atenção da Maria Wagner, naquele momento, foi que apesar dela ter mandado cortar, Fogaça foi pedir a cabeça da parte mais fraca, ou seja, a corda arrebenta sempre do lado mais fraco, diz o ditado popular. Porém ninguém foi atrás da queixa do debatedor e o Cobrinha continuou no emprego.


CPI: Juliana pede investigação na Secretaria da Juventude


No período de Lideranças da sessão plenária desta segunda-feira (6/12) foi apresentado ao Plenário da Câmara Municipal de Porto Alegre pedido de instalação de CPI para investigar a Secretaria Municipal da Juventude. O pedido partiu da vereadora Juliana Brizola (PDT), ex-secretária da pasta e esposa do atual secretário.
CPI I - Juliana Brizola (PDT) atribuiu a um grupo político dentro de seu próprio partido as acusações falsas contra ela sobre supostas irregularidades em sua gestão na Secretaria Municipal da Juventude. "A cidade não pode ficar à mercê de uma quadrilha que se instalou na pasta da Juventude", disse Juliana, apresentando um requerimento de abertura de CPI para investigar a administração atual e anterior da secretaria. Juliana alertou que, se algo de ruim acontecer com ela ou sua família, a culpa deve ser atribuída a esta quadrilha. (MAM)
CPI II - Mauro Zacher (PDT) disse que assinará o pedido de instalação de CPI para investigar sua gestão na Secretaria municipal da Juventude, Para ele, será a oportunidade de comparar o que foi feito no ProJovem na administração dele e na gestão do marido de Juliana Brizola (PDT). "Na gestão atual, o ProJovem foi um fracasso. Os alunos foram embora", disse, acrescentando que, assim, como a vereadora, tem interesse em descobrir a verdade. Zacher também acusou a "quadrilha coordenada por ela" de agredir um de seus assessores a pauladas. (MAM)
BAIXARIA - João Bosco Vaz (PDT) disse que ficou perplexo com a atitude dos vereadores Mauro Zacher e Juliana Brizola, ambos do PDT, de discutir baixarias na tribuna da Casa. Revelou que tentou de tudo para evitar o confronto público entre os dois e afirmou que ambos erraram ao trazer o assunto a público. "Lavaram a roupa suja do PDT aqui. Não imaginam a repercussão que isso terá e o que esta atitude representa para o partido e para a Câmara." Para Bosco, Juliana e Zacher deveriam ter procurado os conselhos de ética tanto do partido quanto da própria Casa. (MAM)
CPI III - Fernanda Melchionna (PSOL) parabenizou Juliana Brizola pelo pedido de CPI para investigar a Secretaria municipal da Juventude. Na avaliação dela, a vereadora do PDT demonstrou garra e decência ao propor a investigação. "A vereadora teve a firmeza de não aceitar ataques fortuitos de um grupo que a persegue e que já é investigado. Juliana demonstra a mesma coragem de seu avô, Leonel Brizola, que sempre foi atacado por ser um homem coerente." Acrescentou que considera a atitude de Juliana uma aula de dignidade.

CPI IV - Luiz Braz (PSDB) disse que, se houve malversação na Secretaria da Juventude, o assunto diz respeito a toda Câmara e à cidade. "Se não houve, fica no PDT", frisou. "Mas acho lamentável que os dois, os quais admiro, estejam nessa briga." Conforme Braz, o que deve ser apurado é qual o prejuízo ocasionado pela Secretaria da Juventude. "Não temos como não assinar o pedido de CPI", anunciou, destacando a necessidade de apurar as denúncias. (CB)

CPI V - Maristela Maffei (PCdoB) definiu como "muito triste o que aconteceu hoje no plenário". Mas, na sua opinião, "não se pode fazer proselitismo de uma coisa horrorosa, em que dois integrantes de um mesmo partido estão se digladiando". Na opinião da vereadora, as divergências entre os dois vereadores do PDT deveriam ter sido resolvidas no âmbito partidário. Maristela ainda defendeu que a CPI da Secretaria da Juventude seja levada adiante. (CB)

CPI VI - Idenir Cecchim (PMDB) lamentou o episódio entre Juliana Brizola e Mauro Zacher, ambos do PDT, quando a Câmara tem tantos projetos importantes para votar, como o do Orçamento. Cecchim disse que não irá se posicionar a favor de um ou de outro, mas afirmou que, caso soubesse da intenção dos dois vereadores, teria os aconselhado a resolver o assunto antes de divulgá-lo no plenário. Cecchim admitiu, entretanto, que é favorável à instalação da CPI sobre a Secretaria da Juventude. (CB)

CPI VII - Adeli Sell (PT) declarou que, dentro da necessidade de ética e transparência na política, as questões relatadas pelos vereadores Juliana Brizola (PDT) e Mauro Zacher (PDT), que envolvem gastos públicos, devem ser verificadas. Adeli garantiu que sua bancada assinará o pedido de CPI na Secretaria da Juventude. "Mas aviso que não será uma CPI de panos quentes", anunciou. (CB)

CPI VIII - Paulinho Rubem Berta (PPS) se disse triste com a discussão entre Juliana Brizola (PDT) e Mauro Zacher (PDT). “Mas, no momento em que os dois vereadores vêm a essa tribuna e solicitam que seja aprovada uma CPI, não resta outro caminho a este vereador e a essa bancada a não ser apoiar”, ponderou. Segundo Rubem Berta, o PPS será integrante da CPI “não a favor de um ou outro lado”, mas exercendo o “mandato fiscalizatório da cidade, em favor da transparência, da verdade”. (CK)

CPI IX - Reginaldo Pujol (DEM) informou que tinha em mãos o requerimento de abertura de CPI e que naquele momento o documento já continha onze assinaturas, “entre as quais a minha, e certamente terá a do Paulinho Rubem Berta (PPS), pelo seu depoimento da tribuna”, o que somaria as 12 assinaturas necessárias. Pujol frisou ainda que seu apoio à CPI acontece em função do que foi dito na tribuna pelos vereadores Juliana Brizola (PDT) e Mauro Zacher (PDT): “As denúncias na imprensa não seriam motivo suficiente para uma CPI”. (CK)


Marco Aurelio Marocco (reg. prof. 6062)
Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)
Carla Kunze (reg. prof. 13515)


Domingo Espetacular

Como anunciado, o “Domingo Espetacular”, da Record, levou ao ar uma reportagem especial em homenagem a Silvio Santos com nada modestos 50 minutos de duração. Narrada por Marcelo Rezende, a matéria relembrou a trajetória do dono do Baú e exibiu reportagens com astros do SBT como Raul Gil, por exemplo. O tributo da concorrência, levado ao ar por ocasião do aniversário de 80 anos do apresentador – e da crise do banco Panamericano, claro – deve ter dado um gosto doce e amargo ao mesmo tempo ao rei dos domingos. Afinal, apesar do belo trabalho, a atração deixou o SBT em terceiro lugar de audiência.
Já a Record deve estar rindo à toa. Segundo dados prévios do Ibope, a emissora atingiu um pico de 23,5 pontos durante a reportagem, o maior índice da história de seu jornalístico dominical. O programa apresentado por Paulo Henrique Amorim deu de lavada no ˜Fantástico”, que amargou 14 pontos. Já o SBT, que exibia – vejam vocês – o “Programa Silvio Santos”, ficou com 9 pontos. Ou seja: o Silvio Santos da Record venceu o do SBT, que bateu de frente com a reportagem com pegadinhas e o famoso “Jogo dos Pontinhos”.
Números a parte, a homenagem foi mais do que merecida. Melhor só se o próprio dono do Baú desse um depoimento exclusivo. Um belo trabalho de Marcelo Rezende.
Em tempo: esperta como é, a Record levou ao ar logo em seguida um teaser da minissérie “Sansão e Dalila”. A emissora sabe que, dentro ou fora do SBT, Silvio Santos é audiência garantida.
Um detalhe: tão logo terminou o “Domingo Espetacular”, os espectadores correram para assistir o próprio Silvio Santos em seu programa no SBT. O canal passou direto para o primeiro lugar, empatando com a Globo com 13 pontos. A Record caiu para 11. É, pelo visto, ninguém tira do dono do Baú a coroa de rei


Dica do Serginho

Os livros são muito bons e tem passagens inéditas. Já os li!!!!


Olides

para comprares o livro dos porta vozes é só entrar no site da Livraria Cultura e pedir...
sergio


Pinga fogo


Pelo que fi, pegou fogo na Câmara Municipal,ontem, o assunto da Secretaria da Juventude....


Pinga Fogo


Pelo visto, a vereadora Juliana Brizola está desconfiada de um ' FOGO AMIGO' contra ela....


Pinga Fogo


" As brigas intestinas são as que mais fedem". O ditado se encaixa como uma luva na briga da vereadora Juliana com Mauro Zacher(PDT).


Pinga Fogo


A imprensa foi chamada ontem pra Câmara Municipal. Estava meio previsto que haveria lavação de....bom deixa pra lá....

*Mauro Zacher é o terceiro suplente dos deputados estaduais do PDT

Foi ele que chamou a colega vereadora Juliana Brizola,ontem, de MIMADA.....


jÁ jULIANA Brizola, que é conhecida por seu temperamento forte referiu-se a

Mauro Zacher, como CANALHA...


hAVIA GENTE DENTRO DO pdt QUE ACHAVA QUE O PREFEITO JOSÉ FORTUNATTI TINHA QUE TER AGIDO ANTES e tirado o Alexandre Rambo já na quinta passada, quando começaram os rumores ....Aí não teria havido esta lavação de roupa suja que aconteceu,ontem entre Juliana Brizola e Mauro Zacher...


*Mauro Zacher foi o secretário da Juventude de |Porto Alegre antes de Juliana Brizola. Depois dela, ocupou a pasta Alexandre Rambo, seu esposo.

Agora o prefeito José Fortunatti já convidou LUISINHO, secretário da juventude nacional, que é de Carazinho e que quase ele elegeu deputado este ano.


Pinga fogo


Assessores do PDT, ontem, na Assembléia Legislativa, lamentavam que o" incêndio" entre Juliana Brizola e Mauro Zacher não tivesse sido apagado antes. As divergências entre a vereadora Juliana e o vereador Mauro Zacher eram sabidas há tempos dos colegas do partido, que ontem lamentavam que tenha extrapolado para o grande público." Podia ter sido evitado" lamentou um assessor. Agora é juntar os cacos, desabafou outro.


EStilhaços no ônibus !

Sai do Olímpico por volta de 21 horas no último domingo, depois de mandar minha matéria pro meu site....Estava sem a menor pressa e peguei como sempre faço quando estou nas margens do Olímpioco um T2 ou T2A. Conheço o itinerário de ambos, mas prefiro o T2.

Como era domingo, quando chegou o T2A,entre,sentei atrás do motoristas, no primeiro banco.

Estilhaços no ônibus 2

Quando estávamos numas ruas bem escuras, numa subida, noto que o vidro que está acima da minha cabeça começa a se derreter, comos e fosse neve. Como estava distraído, não ouvi barulho de tiro ou pedra no vidro. Minha sorte é que atingiu o vidro que estava acima de minha cabeça, no o que estava na minha altura...


Estilhaços no ônibus 3

O vidro desceu literalmente todo encima da minha cabeça, em farelo de vidro, mesmo. Virou pó, com a porrada. O que permaneceu na lateral, foi caindo aos poucos.

O motorista que se identificou por Chiquinho falou com agaragem e mandaram eles parar o veículo na Protásio Alves.

Se isto servir para algo, é o seguinte

Onibus da linha T2A, da Carris, 21 horas de domingo,sentido S-N.

A rua do ocorrido. Paulinho Azurenha,. no Partenon, uma rua muito escura.

Diz o Chiquinho que é bem comum estes apedrejamentos nos ônibus...

Ah, o cobrador me pediu o nome pra servir de testemunhas deles....

Acho que ficaram com medo que a empresa lhes cobrassem o vidro.]

A violência está por toda a parte


Coleguinhas

Roberto Appel, que foi da RBS TV, está em Salvador, na Bahia, onde dirige a TV Bahia, associada da TV Globo. Appel já foi da Folha da Tarde e do Estadão....

Appel,quando era da Folha da Tarde, fazia humor negro com a musiquinha simbolo da ditadura militar, aquela do Dom e Ravel...

Appel dizia:

As cadeias do Brasil são mais ensolaradas...

Lá só se ouvem gritos de horror!!!!


Da memória de um repórter


Cherini foi vetado por Sereno

pra presidente da Emater...


Em 1990, o PDT ganhou o Governo do Estado e estava preenchendo os cargos das estatais. O presidente regional do partido era Sereno Chaise - que saiu em março de 2001 - que conhecia os companheiros como a palma de sua mão. Sereno fora candidato a deputado estadual e não se elegera. Um que lhe tirou votos foi então um jovem agricultor, filho de agricultores, com curso de técnico agrícola, chamado Giovani Cherini. Ele fora candidato também, não se elegeu, mas ajudou a tirar votos de Sereno na região.

No gabinete do então governador Alceu Collares, o repórter João Carlos Terlera viu quando Collares tentou emplacar Cherini na Emater, mas Sereno vetou,alegando um outro motivo. Collares " pescou" que era uma restrição velada como consequência da eleição que se dera pouco tempo antes....

E remeteu o assunto então para o secretário da Agricultura, Aldo Pinto para resolver, que acabou colocando na presidência da importante estatal um quadro técnico.



Cada um com seus problemas....

O marechal Costa e Silva iria assinar a abertura????

Bah, mas esta eu já ouvi....várias vezes.....

"O problema são os companheiros sinceros mais radicais....."( Frase do presidente Ernesto Geisel, ao ter que demitir Sylvio Frota, do Ministério do Exército, diante de mais uma crise em São Paulo)


O HOMEM QUE DEIXOU
JANGO VOLTAR AO BRASIL


O Presidente João Goulart estava morto. Seu corpo dentro de um caixão chegou de madrugada de carro a Libres na Argentina. Ali,foi parado pois não podia continuar a viagem para São Borja,via Ponte Internacional de Uruguaiana.
Era muito cedo e todo mundo foi pego de surpresa. Então um amigo de infância do Coronel Washington Bermudez, que foi Secretário de Segurança no Rio Grande do Sul e que esteve envolvido no caso do sargento que apareceu morto nas aguas do Guaíba,com as mão atadadas,resolveu ligar para ele aqui em Brasília. O Coronel,estava servindo na vice presidência da República com o General Adalberto Pereira dos Santos,também um gaúcho de Taquara.
O Coronel falou com o general e perguntou se podia liberar o corpo do Presidente e autorizar que seguisse de carro para São Borja,onde seria enterrado. O general Adalberto sem consultar ninguém autorizou a entrada de Jango no Brasil.
Quando o dia clareou a notícia chegou ao Presidente Geisel,por intermédio do Ministro do Exercito,General Sílvio Frota.
Ai a coisa pegou fogo. Foi um Deus nos acuda,mas já era tarde. O Presidente Geisel ficou furioso e teve uma briga muito feia com o seu Vice Presidente. Mas na verdade quem ficou na pior, foi o Coronel Bermudez que dias depois deveria ser promovido a general e teve seu nome cortado na lista de promoções. Eu era amigo do Coronel Bermudez e me recordo de te-lo visto e ouvido várias vezes se lamentar,por sua carreira ter sido interrompida. Mas nunca eu ouvi ele dizer, que estava arrependido da sua decisão de ter permitido a volta do Presidente Jango ao Brasil. O Coronel Bermundez morreu aqui em Brasília alguns anos atrás.

Sergio Ross

A morte de Jango

34 anos hoje( dia 6.12.2010)


Charge do SANTIAGO sobre a morte de Jango diz tudo....


A Folha da Tarde de 6.12.1976( jornal vespertino) repercute a morte do ex-presidente no exílio....Jango morreu as 2 da madrugada.

 

Depoimento de Maria Thereza Goulart, ex-primeira dama, ao Teledomingo dado em 2003.

" Nós chegamos em Libres,almoçamos e fomos embora para a fazenda. No caminho, vi que ele estava muito cansado....com olheiras, cansado...Eu falei:
- Jango,você não quer que eu dirija um pouco?
Ele disse:
- Não estou bem ainda, se eu precisar , te digo.


A fazenda era muito bonita,mas era um buraco.
Não tinha ninguém por perto. Eu estava sozinha.


Era um casarão enorme, um horror.

Só nós dois, tinha uma casa de caseiro lá do lado....Aí começou a bater a janela.

O Jango disse: " Vou dormir, porque estou cansado". Eu disse: " Vou apagar a luz,então"...

Ele falou:
- Não podes ficar lendo....

Fiquei lendo uma revista e a janela batendo,batendo...

E eu louca de medo de ir fechar esta janela, porque a casa era assim um negócio que ia daqui até aquerla outra esquina, de tão grande. Pensei: ah, não vou me levantar, não,sair por esta casa, com essa janela batendo...A essa hora da noite..."

Ai, eu apaguei a luz e fiquei algum tempo acordada.

De repente, vi que o Jango estava respirando diferente. Acendi a luz de novo e comecei a chamar: jango, Jango. Mas quando chamei, eu vi que tinha virado o corpo assim( sabe, quando segura com uma força incrível o travesseiro....)

E ele nunca dormia assim de lado....

Aí, fui pra o outro lado da cama dele e comecei a chamar, chamar. Aí, ele soltou o corpo,assim...Eu vi quando ele faleceu".

Aí abri a porta e saí correndo e comecei a gritar pelo caseiro: Júlio, Júlio. E o cara veio aramado, porque ele pensou que alguém tinha invadido a casa. Foi uma cena terrível. Vocês já imaginaram, perder uma pessoa,dentro de uma cvasa que não tem a ver contigo, sem ninguém por perto , e o caseiro...Que nem sabia falar direito..."


O médico veio, um médico de algum lugar dali, que não sei bem.

Nem vi a cara dele direito. Ele me falou: Dona Maria Tereza, ele teve um enfarte total:aquele que parte o coração". Em seguida, ficou uma mancha assim...."

Aí começaram as pessoas: porque o Jango morreu assim, porque Jango morreu assado. Porque foi enterrado assim, porque estava de pijama...Quem disse que Jango estava de pijama?
Ele estava vestido com uma camisa branca, uma calça jeans, que era o que tinh aali, na hora. Arrumamos ele, fizemos o velório ali na casa. Não, mas as pessoas ficam inventando umas coisas que não tem explicação. Aí veio o tal do envenenamento...


Disseram que eu impedi a aut´´opsia..eu nem sabia que se fazia autópsia, nunca tinha visto ninguém morrer na minha vida....

Eles disseram que o Jango não podia sair...Se quisesse trazer o Jango para São Broja, tinha de sair de barco pelo Rio Uruguai, mas era um calor de não sei quantos graus....

O corpo teria que ser embalsamado.

Mas em um buraco daqueles quem é que saberia fazer isto?

Então fomos de carro para São Borja, passando por Libres.


Eles mandaram descer o corpo, depois disseram que não podia descer, que não podia isso, que não não podia aquilo...Mas o Almino Affonso já estava lá e ligou para o Presidente, ou para sei lá quem , e disse:
- Não podemos fazer uma coisa dessas. stou aqui com a família, dona Maria Tereza está sozinha, os filhos estão na Inglaterra, o corpo está mal-embalsamado e tem de seguir para São Borja para ser enterrado. Então eles liberaram...

Mas até liberar, foi uma cena..


Meus filhos estavam em Londres. Quando chegaram nõa puderam ver o Jango porque o caixão já estava fechado por causa do calor, não chegaram a ver o Jango".



Sérgio Jockmann fala do ex-presidente

na sua coluna da extinta Folha da Tarde....
(clique na imagem para aumentar)


Quem é o autor da frase?

Esta foto, que também está no Museu João Goulart, em São Borja, tem autoria desconhecida....

Mas o que mais me intriga é a faixa...Já tentei descobrir o autor da frase, e não consegui...

A faixa da anistia posta sobre o caixão do Jango,ainda dentro da Igreja, foi posta pelas militantes do movimento da Anistia, entre elas, Licia Peres, Quita Brizola,Neusa Goulart, entre outras...

Nesta foto, já dentro do cemitério municipal Jardim da Paz, de São Borja, aparecem os deputados Getúlio Dias(falecido), do MDB,Nelson Marchezan, da Arena, Maneco Leans,piloto de Jango,( que trouxe alguns exilados para o enterro de Jango) o filho do ex-presidente, João Vicente

 

No dia 7 de dezembro de 1976, Sérgio Becker, Danilo Ucha e o fotógrafo Antônio Vargas, o " Bebê Chorão" foram a São Borja cobrir o enterro do Jango...

Chegaram pouco antes do anoitecer e o corpo de Jango ainda não tinha chegado na cidade. Instalaram-se num hotel(Charrua) e Ucha foi tomar banho enquanto que Becker foid dr uma volta na cidade pra sentir o clima....

pra mandarem naquele mesmo dia matéria, via telex, pro Estadão, em São Paulo.

No livro de entrada da portaria do Charrua, Becker se deu ao trabalho de contar seis nomes, que ao lado diziam como profissão: policial do DOPS. Sérgio foi então ao diretório do MDB e la encontrou uns poucos militantes e funcionários tomande mate( o que em São Borja e na região toda é muito comum...)

A bandeira do partido estava hasteada a meio pau....

No dia seguinte, no entanto, - 8.12 - quando o caixão de Jango deixou a Igreja São Francisco de Borja,depois da missa, e os policiais queriam tomá-lo pra que não acontecessem manifestações, e a intenção era pô-lo no carro do caminhão de bombeiros para levá-lo ao cemitério Jardim da Paz, a multidão mostrou sua força: tomou o caixão para si e o levaram em procissão lenta e silenciosa até o jazigo da família Goulart, onde está enterrado há poucos metros do jazigo dos Vargas e onde até 2004 estavam também os restos mortais do padrinho político de Jango, Getúlio Vargas.

Segundo Florencinho Guimarães, o chita, dono do La Barca, quem pegou o caixão do Jango foram os jogadores do São Borja Futebol Clube que como tinham preparo físico enfrentaram os policiais....

6 de dezembro: a História não morre

“A história não se detém nem com a repressão nem com o crime”. A frase foi proferida pelo presidente Salvador Allende, em seu último discurso diretamente da sede do Governo do Chile, transmitido por rádios, antes de o Palácio La Moneda ser bombardeado e Allende ser assassinado.
No Chile, assim como no Brasil, muitos gostariam de deter a história, ou quem sabe esquecer-se de boa parte dela. Então, aos esquecidos, que um dia acreditaram que a repressão e o crime de Estado poderiam gerar amnésia na população brasileira, vai um aviso: dia 6 de dezembro é dia de lembrar de um ilustre brasileiro.
Há exatos 34 anos, morria João Goulart – o Jango – vítima de um infarto fulminante, aos 57 anos de idade. Meu avô jamais pôde retornar ao seu país, depois de ser arrancado do governo pelo golpe de 1964 por ser considerado um subversivo. Qual o motivo de tamanha condenação? Jango se empenhou para ver uma pátria livre, mas principalmente uma nação mais humanitária. As reformas de base apavoraram as elites na década de 1960. Até hoje, falar em reformas políticas é um pavor para segmentos e indivíduos privilegiados pelas injustiças que meu avô combatia.
Este artigo não tem a intenção de fazer um apanhado histórico da vida de meu avô. Quero apenas fazer uma homenagem. Por mais cruel que tenha sido a repressão no Brasil, ela não evitou a transmissão de sangue para as veias das novas gerações. E, nesta data de aniversário de morte de meu avô, preciso falar do orgulho que tenho de ser neto de um mártir da democracia brasileira. Poucos lembram. Mas eu não esqueço jamais.
Uma ditadura de mais de 21 anos se encarregou de vasculhar com eficiência a vida pessoal e pública de meu avô. Nunca encontraram nada para macular sua imagem. Tanto que Jango não ficou marcado na história como corrupto, ladrão ou outros adjetivos que servem para muitos políticos de ontem e de hoje. Não. Meu avô foi taxado de fraco. Um fraco que teve a coragem de enfrentar a um Império. Quem fraquejou mesmo foi seu coração, por não agüentar tamanha injustiça. Morreu como um peão sem encontrar o caminho de volta à sua estância.

Nesta data, não quero lembrar da tristeza de seu enterro em São Borja. Era o fim da vida de um homem bom e querido pelo povo. Sua mensagem interessa mais, pois ela continua viva. Ao assumir a Presidência da República em 7 de setembro de 1961, mesmo com tanto ódio desencadeado por parte das elites, com toda sua simplicidade, meu avô proferiu em seu discurso de posse: “Prefiro harmonizar a acirrar ódios, prefiro pacificar a estimular ressentimentos”. Saudades de João Belchior Marques Goulart.


Christopher Goulart
Presidente do Memorial João Goulart – São Borja.


ZH mandou sete

cobrir morte de Jango

Vilmo Medeiro primeiro da esquerda para direita com colegas e delegados de polícia


A Zero Hora estava mais antenada que os veículos da Caldas Junior naquele começo de dezembro de 1976, época em que o regime militar começava a abrir (embora fosse durar até 1985) tanto que pro enterro do Jango ( assunto tabu na época) mandou pra São Borja sete profissionais: deles, cinco estão vivos e dois, por coincidência ambos fotógrafos, estão mortos.

Estiveram em São Borja Vilmo Medeiros, Carlos Alberto Kolecza, Jandira Cesar( que cobria política na Assembléia Legislativa) e Mário Marona. De fotógrafos foram Telmo Cúrcio da Silva, ( que é falecido), Maurecy Santos( o Santinho)- que também já faleceu - e Luís Avila, que por uma grande coincidência também fez depois as fotos do enterro de Leonel Brizola em 2004.

A Caldas Junior foi bem mais modesta e mandou para São Borja dois repórteres e um fotógrafo.


Mário Marona

O destino dos repórteres da ZH guardou para Mário Marona, que naquele ano era um repórter em começo de carreira, ser um dia editor do principal noticioso brasileiro, o JN da TV Globo.


Telmo Curcio da Silva

Kolecza sairia da ZH poucos anos depois, Vilmo Medeiros mudou-se no começo dos anos 80 para a Caldas Junior - e anos depois foi para Santa Catarina - e Jandira Cesar atualmente trabalha na estatal CGTEE.


Morte de Jango!

No ernterro de Jango, em 7 de dezembro de 1976, estiveram políticos de expressão nacional,estadual e local.


Estiveram lá Carlos Augusto de Souza,Porfírio Peixoto, Lélio Souza, Pedro Simon, Tancredo Neves,Nelson Marchezan, entre outros.

Leonel Brizola, cunhado do falecido, foi desaconselhado a vir, porque temiam que seria preso.


E um detalhe interessante:

Todos os filmes que a TV Uruguaiana, da RBS , fez desde que o corpo de Jango entrou no Brasil,até o enterro foram recolhidos pelo Exército de Uruguaiana....

Os amigos de Jango que estavam na carreata que se formou de Uruguaiana a São Borja no dia 6/12 foram atrasando o cortejo de modo a chegar em São Borja quando o cemitério já estivesse fechado. Os militares, pra evitar aglomeração, queriam forçar o enterro para o mesmo dia....

ESTADAO

O ESTADO DE SÃO PAULO, pra cobrir o enterro do Jango, mandou dois repórteres: Sérgio Becker e Danilo Ucha e o fotógrafo " Bebe Chorão", ou seja Antônio Vargas.

Eu X morte de Jango

Algum tempo depois da morte do presidente Jango Goulart, estando em Uruguaiana pra fazer outras matérias que não recordo, resolvi por conta e risco ir a Curuzu Cutiá( que era uma daquelas cidadezinhas do interior argentino onde dormem até as 4 da tarde) a procura de algum vestígo sobre a morte de Jango. Se havia alguma suspeita de assassinato,algo assim.

Basta dizer que não levantei nada ....Recordo isto sim que era plena ditadura militar....

Mas a Argentina vivia um perído de muita importação de cerveja e o que eu e o motora, o PAI( Fernando Naibert) bebemos de ceva importada não foi mole...Já o fotógrafo GOIANO( Rubens Borges) muito nervosão, não conseguiu largar a pauta....voltamos de mãos abanando...


O Enterro de Jango


A morte do ex-presidengte João Goulart numa fazenda na província de Corrientes, na Argentina, surpreendeu o Brasil. Jangio morreu vítima de um enfarte às 2h30minutos do dia 6 de dezembro de 1976, na Estância de la Vella, em Mercedes, a 170 km de Uruguaiana. Trazê-lo pra ser sepultado em São Borja, como era seu desejo, passou a ser gestionadop por maigos e a autorização do presidente Ernesto Geisel foi afinal conseguida, por intermédio do coronel Washington Bermudez,natural de Uruguaiana e ex-secretário de Segurança do RS, que estava servindo em Brasília.

O Corpo do ex-presidente podia etnrar, conduzido numa ambulância, pela ponte internacional que liga Paso de los Libres a Uruguaiana, mas foram adotadas excep0cionais medidas de segurança, ditadas pelo General Euclides Figueiredo, comandante da guarnição de Uruguaiana e pelo coronel Solon Rodrigues D'Avila, superintendente da Polícia Federal,que estabeleceram restrições quase impeditivas para a a cobertura da imprensa.
]
Mas essas autoridades abriram uma exceção: chamaram o gerente daq TV Uruguaiana , Francisco Solé, autorizando-o a providenciar a cobertura de toda a passagem do cortejo.

E com exclusividade, que ogereente, eufórico, comunicou a porto Alegre. Solér e o cinegrafista e fotógrafo José Carlos Finkler passaram a cobrir, num jipe do Exército, a chegada do corpo do presidente desde a ponte internacional, passando por Uruguaiana e por Itaqui até a igreja matriz de São Borja, onde teve lugar o velório.

Os repórteres, no entanto, começaram a se preocupar com os rumos da cobertura quando o oficial que os acompanhoava pediu a Finkle5r que filmasse e fotografasse as placas de todos os carros - mais de 100 - que seguiam a ambulância convertida em carro fúnebre.

E o desfecho, na volta a Uruguaiana, foi a frustação pela perda da memóravel cobertura exclusiva, que em vez de ser passada para Porto Alegre e exibida no JOrnal Nacional, acabou tendo todos os filmes,der TV e fotografias, retidos no quartel do 8 Regimento de Cavalaria, de Uruguaiana.

Certamente gtermianram sendo encaminhados à 2 seção do III EXército, em Porto Alegre, ou diretamente ao SNI em Brasília....

EXCLUSIVO


HELENA CHAGAS

SERÁ MINISTRA DA COMUNICAÇÃO

INFORMA O CORRESPONDENTE SERGIO ROSS


DE BRASILIA.

ELA ACEITOU O CONVITE DA PRESIDENTA ELEITA DO BRASIL

PARA O CARGO....

CONFIRMA-SE AS ESPECULAÇÕES QUE SAÍRAM EM VÁRIAS COLUNAS E NESTE BLOG....


Olides

A Helena aceitou o convite da Dilma

Sergio Ross


De Serafina

Mesmo que os corneteiros de plantão - como o Mazzarino, de Encantado, o Serginho, de Brasília - não queiram, a nossa La Undeze cresce a olhos vistos.

E olha o espigão que já tapa toda a vista da velha cantina, de 90 anos. A BI la ze cativa( a BI está braba) me disse um morador local...A BI é a professora Rosa Maria Cervieri, cuja cantina era do seu pai....

E agente que ainda sonha em que se vá implodir o espigão pra poder se ver a cantina, que agora está tombada pelo IPHAN...

Não sei onde isto tudo vai parar...

Fofoqueiros de plantão dizem que um ex-prefeito seria sócio oculto do espigão.

Será que é verdade????

Fotos atuais do espigão. E a cantina vai sumindo. Pra aparecer novamente, só implodindo o espigão.

Pinga fogo....


Quem tem batão em cueca precisa se cuidar...

Já estão dizendo cobras e lagartos, por aí, da Adriane Rodrigues, que trabalhou no gabinete da vereadora Juliana Brizola e que disse no Ministério Público que tinha que entregar pro gabinete 50% do que ganhava. Isto segundo o que a imprensa publicou na última sexta-feira.

Adriane foi candidata a deputada...


Coleguinhas


Políbio Braga e a petista Beatriz Fagundes não estão mais no O SUL...

Será que eram os supersalários que ganhavam que iriam quebrar o Gadret?

A mesa do estella

Olides

Fazia tempo que a mesa não estava tão boa como hoje. Estava todo mundo lá. Pô, eu nunca vi tanta gente com informações.
Falou-se de tudo. As melhores notas não posso publicar.Por exemplo, alguem citou um monte de gente que é viciada em drogas aqui em Brasíla.Inclusive políticos bem posicionados
Falou-se que o Piantella,logo depois da posse da "cumpanheira" Dilma,vai passar por uma grande reforma.
Falou-se da invasão de restaurantes e churrascarias famosos de São Paulo no mercado de Brasília. Ontem a noite fui jantar no Gero e que coisa...é uma loucura.Come-se bem. Mas com o salário que tu me pagas,não da para encarar.
E falou-se muito do famoso crime da SQN 113, A opinião geral é que a filha do casal é mesmo a responsável pelo assassinato.Ela contratou os assassinos e estava no apartamento quando o pai, a mãe e ampregada foram estupidamente mortos com mais de 70 facadas. A polícia sabe de tudo.Já tem prova mas não consegue concluir pela condenação da moça,que é arquiteta.
Sergio Ross


Briga entre leitor e

dono do jornal FOLHA DO PORTO


O JOVEM BERTRAND KOLECZA,FILHO DO LEGENDÁRIO JORNALISTA CARLOS ALBERTO KOLECZA, tem um jornal há vários anos que circula no bairro MENINO DEUS. o jORNAL SE CHAMA FOLHA DO PORTO e a graça do Bertrand e dar pau nos comunistas e nos petistas em geral....

Já arrumou um processo no tempo do governo Olívio Dutra - que gostava de processar jornalistas - quando Bertrand sentou as botinas naquele caso de São Leopoldo onde um brigadiano acabou matando um jovem tenista.


Mesmo tendo contratado o jurista Paula Couto Bertrand acabou condenado a pagar cestas a comunidade.

O jornal do Bertrand era até poucos anos atrás famoso por ter uma tira onde se podia ler

ESTE JORNAL RECUSA PUBLICIDADE DE ORGÃOS OFICIAS...

iSTO DUROU um tempo mas agora o Bertrand e sua Folha do Porto estão aceitando sim publicidade tanto da Prefeitura Municipal, como do Governo do Estado.

Mas um morador do Menino DEus, um petista de carteirinha - embora não seja filiado ele vota sempre no PT e tem horror do FHC, o dentista Luis Carlos Montanari, filho de Serafina, como eu, - começou a ver aquele jornal na sua caixa de correspondência e ficar horrorizado com as manchetes do Folha do Porto.

Principalmente quando lia uma expressão que o redator dizia: a égua do comissário, Montanari se sentia particularmente ofendido.

Um dia depois de receber o jornal na sua caixinha de correspondência Montanari exasperou-se pegou o fone e ligou pro Bertrand, que atendeu. Pediu pra não mais deixar o j0rnal na sua caixa de correspondência.

Desculpem leitores mas sou obrigado a dizer o que o Montanari ouviu do outro lado da linha

- Se tu não gosta de ler o jornal, usa ele pra limpar a bunda.....

Em seguida desligou...

Minutos depois, Montanari ligou de novo pra ele e deixou um monte de desaforos na caixa postal.

Espera-se um confronto entre ambos quando se encontrarem numa das ruas do bairro Menino Deus


Zulke destaca avanço das obras na BR-116 e BR-448

O Comitê de Acompanhamento das Obras de Infraestrutura Viária da Região Metropolitana de Porto Alegre realizou a última reunião do ano nesta sexta-feira, 3, na capital. Na pauta , a atualização do calendário das obras de melhorias na BR-116 e de construção da BR-448, a Rodovia do Parque. O encontro foi proposto pelo coordenador do comitê, deputado estadual Ronaldo Zulke (PT). Estiveram presentes o diretor do departamento de Infraestrutura Terrestre, Hideraldo Caron, e o superintendente regional do órgão, Wladimir Casa, prefeitos, vereadores e representantes das empresas que executam as obras.

As obras já são uma realidade no cenário da Região Metropolitana e significam o compromisso do governo Lula para com os gaúchos?, avalia Zulke. Hideraldo Caron destacou que as obras estão dentro dos prazos previstos e que algumas, inclusive, já estão em vias de serem entregues, como o alargamento da Ponte sobre o Rio Gravataí, com 95% da obra concluída. Caron sublinhou que o Serviço de Atendimento ao Usuário, a ser implantado para auxiliar os motoristas da BR-116 em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal, será uma experiência inédita no País.

Wladimir Casa apresentou a atualização do calendário das obras. Entre elas, a série de melhorias operacionais na BR-116 no trecho de 38,4 Km entre a saída de Porto Alegre (Avenida Farrapos) e Novo Hamburgo, que deve ter início em 2011 com prazo de conclusão de 18 meses e custo de R$ 250 milhões. Outras obras, segundo ele, estão em ritmo mais adiantado, a exemplo do Viaduto do Rincão, em Novo Hamburgo. Em abril de 2011 teremos a obra totalmente entregue?, adiantou. O viaduto da Unisinos, em São Leopoldo, deve, segundo Casa, ser entregue em abril de 2011. Já o viaduto de Sapucaia deve ter o edital lançado ainda em dezembro de 2010.

Caron informou ainda que está em fase de estudo projeto para segunda ponte sobre o Guaíba e que as câmeras de monitoramento da BR-116 devem ser inauguradas ainda este mês.

Zulke entregou em mãos a Caron documento para estudo técnico do DNIT com fotos e traçado definido para inclusão no Plano Nacional Viário da ligação entre a BR-386 com a RS-239 no sentido oste para completar o anel viário sob a Região Metropolitana de Porto Alegre.


BR 448

Os diretores do DNIT apresentaram o cronograma atualizado das obras de construção da BR-448, a Rodovia do Parque. A nova estrada terá 22,34 Km ligando Porto Alegre ao Vale dos Sinos e deve absorver cerca de 40% do tráfego da BR116. Tem custo de R$ 824 milhões garantidos no PAC.

De acordo com o DNIT, do primeiro lote de obras correspondente a 11Km do total de 22,3 Km do trecho já contam com serviços sendo realizados, a partir do Km zero, no entroncamento da BR-116 com a RS-118, em Sapucaia do Sul. Tanto o lote 1 quanto o lote 2 apresentam grandes áreas de aterro e valas de drenagem.

O comitê visitou o canteiro de obras da BR-448 no entroncamento com a BR-290, a Free Way. Ali estão dezenas de pilares e estacas que sustentarão o trecho em elevada da nova estrada. Os pilares estão prontos e as colunas já estão sendo elevadas, mudando drasticamente o cenário da região. Segundo o DNIT, até março de 2012, a obra deve estar concluída. A obras está na fase do pé no barro?, avaliou, mencionando as dificuldades técnicas enfrentadas em razão da grande quantidade de água no solo. Casa acredita que o prazo estipulado para a entrega da BR-448 seja bom.

Lula e Dilma no RS

Zulke articulou ainda reunião com os prefeitos da Granpal no dia 16 de dezembro, com a presença do presidente Lula e da presidente eleita Dilma Rousseff, quando estarão no Estado para inauguração do programa Minha Casa, Minha Vida, em Canoas. Segundo expectativa de Zulke, o presidente Lula deve fazer o percurso de 2Km do túnel da BR-101 nesta visita ao RS.

Presenças

Além dos diretores do DNIT e do deputado Ronaldo Zulke, estiveram presentes o deputado federal Luiz Carlos Busato, PTB, os prefeitos Jairo Jorge, de Canoas, Vilmar Ballin, de Sapucaia do Sul, Miguel Schwenbger, de Dois Irmãos, Gilmar Rinaldi, de Esteio, Francisco Brandão, de Nova Santa Rita, Egon Kirchheim, secretário geral de governo, acompanhado da assessora de Relações Institucionais, Lorisete Dias, ambos representando o prefeito de Novo Hamburgo, Tarcísio Zimmermann, os deputados estaduais eleitos pelo PT, Luís Lauermann e Nelsinho Metalúrgico, a vereadora do PT de Cachoeirinha, Rosane Lipert, o vereador do PT de Ivoti, Joracir Filipin, e representantes das empresas que executam as obras.

SEM NATAL NA PRAÇA DA MATRIZ


Este ano, diante do borococho geral do Governo do EStado, não haverá nem o Natal na Praça da Matriz, que todos os anos acontecia.....


Que brochura geral!!!!!!!!

Coleguinhas

O SINDICO DA

PRAÇA DA MATRIZ!!!!


João Carlos Terlera na sua mesa de trabalho na Assembléia Legislativa.

UM ENTARDECER QUALQUER DE UM DIA DE SEMANA. Sentado na mesa da imprensa da Assembléia Legislativa, nos fundos dela, o veterano jornalista João Carlos Terlera, um dos mais competentes repórteres políticos do Estado, começa seu ritual de controle dos deputados que vão saindo pelos fundos: a cada um ele faz um aceno, um gesto e com alguns tenta quebrar o silêncio que o grosso vidro da parede proporciona. Quando o deputado do outro lado está mais interessado na conversa com ele - geralmente o Alexandre Postal, ou o Ronaldo Zulke - eles chegam e falam pela fresta.

Terlera pega com eles alguma informação que vai passar pro NH, do grupo Gusmão, ou então que vai usar na sua coluna política do ABC, do mesmo grupo, que sai aos domingos.

Depois deste contato cenográfico com os deputados que saem do prédio, Terlera começa o ritual de despedida,não sem antes manter alguns contatos diários. São geralmente telefonemas de ordem pessoal que recebe de toda parte, principalmente do interior...

Perto das oito da noite, inicia a retirada de mais um dia de expediente:levanta-se faz várias vezes o sinal da cruz na frente de ima estátua de uma santinha que mantém no seu armário...

Passo seguinte, quando a sala está praticamente deserta, vai se retirando e quando passa pela segurança dá uma paradinha pra conversar com os funcionários que farão plantão aquela noite/madrugada.

Na Praça da Matriz, vai cruzando lentamente e não há dia que não páre pra conversar com algum conhecido....

- Desta praça sei tudo, diz Terlera, que mora num apartamento de frente da área pública mais famosa da capital...

Terlera está há anos entre o Palácio Piratini, a Assembléia Legislativa e o Palácio da Justiça.

Durante toda sua vida profissional, muita notícia ele pegou neste pequeno quadrilátero que é um território onde caminha o poder....


Tão conhecido ele é nas imediações, que alguns colegas já o chamaram de " síndico da Praça da Matriz".

Muçum

Bairrista por excelência, Terlera - este seu nome de guerra e não utilize o Casarotto, que ele detesta - se alguém quiser pegar Terlera pelo coração, traga alguma coisa de Muçum, sua terra natal.

Nos fins de semana, quando não vai a Gramado - onde até já manteve um apartamento - Terlera pega o carro e vai passear em Muçum ou no Vale do Taquari.

Nascido em 10.03. 1941,Terlera começou sua vida de repórter na rádio Alto Taquari, em Estrela, onde fez de tudo:narrou até velórios.

Suas aventuras em narrações dos jogos tri disputados entre Lajeadense e Estrela são homéricas.

Uma fez, de tão identificado que era com o Estrela, ele foi narrar um jogo no Florestal e foi proibido de entrar. Teve que narrar o clássico das barrancas de cima de uma carroceria de um caminhão postado estrategicamente num morrinho ao lado do estádio do Lajeadense.

Quando veio a Porto Alegre, trazido pelo deputado Adão Fett, do PRP - partido integralista -de Estrela, ele fez concurso na Assembleia Legislativa para datilógrafo e foi aprovado.

Trabalhou na Guáíba, na Folha da Tarde , na rádio Farroupilha.
E muitos anos assinou a coluna Bastidores, da Zero Hora, onde foi importante colunista de política.

Segundo Elvino Remussi, seu colega na imprensa da Assembléia Legislativa, diz que viu muitos deputados quase se ajoelharem pedindo pro Terlera dar uma nota dos seus projetos aprovados...

Terlera saiu da ZH no começo dos anos 90, para dar lugar a José Barrionuevo, que passou a assinar a Página 10.

Solteiro até sua mãe falecer alguns anos trás, Terlera hoje está casado...

- Ela é de Santo Angelo, me disse no dia que lhe perguntei, bisbilhoteiro, querendo saber com quem ele havia casado, afinal....

Bem do Terlera....

Historinhas
Há muitas lendas sobre o colega:
Uma delas diz que somente Jair Soares e Adilson Motta podiam ser seus dentistas. E como o Jair era Minsitro da Previdência e morava em Brasília,Terlera comia diariamente as " pápinhas" que sua mãe lhe fazia e lhe trazia no trabalho porque ele praticamente estava sem dentes.

Sobre furos que deu na imprensa são diversos.

Um foi sobre a decisão do presidente Geisel de colocar o III Polo Petroquímico no RS. Terlera foi de manhã no gabinete do governador Synval Guazzelli porque fora chamado pela sua mulher, Eclea.
E o governador não estava.Terlera olhou encima da mesa de Guazzelli e lá estava o telex de Geisel anunciando aquilo que todo o Estado queria ouvir....

Terlera copiou o teor, foi pra sua máquina e redigiu a notícia pro Renner, das 13 horas, na Guaíba

A coletiva que Guazzelli deu de tarde, no Palácio Piratini, com a finalidade do anúncio perdeu o sentido. Mesmo assim foi mantida, mas o assessor de imprensa de Guazzelli, Salomão Kirjner, estava por aqui com o repórter furão....


DÚVIDA

Algum sanborjense quer socorrer o Charqueadas, por favor?

Na Coluna Repórter Brasília, de Edgar Lisboa, no Jornal do Comércio de 22.11.10, há o seguinte:
Conversa com Getúlio
No discurso da inauguração do Centro de Referência do Trabalhador Leonel Brizola, em Brasília, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva contou uma história de quando foi visitar o túmulo de Getúlio Vargas em São Borja, acompanhado de Brizola. Fiquei espantado. Ele ( Brizola ) ficou conversando com uma admiração, era como se o Getúlio estivesse ali ouvindo , relatou o presidente. Lula ainda disse que o Brizola o apresentou para o ex-presidente e perguntou: Quer conversar com o Getúlio? . Para Lula, foi tudo muito estranho. o Brizola transcendeu minha compreensão .

Há testemunhas disto ? É um elogio ? Ou é uma maneira, sutil de, a pretexto de elogiar o Brizola, insinuar que estava caduco, ou coisa que o valha?

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

PUBLICADO EN CARAS&CARETAS
MOMTEVIDEO, VIERNES 3 DE DICIEMBRE DE 2010
LA FAMILIA DE JANGO NO DESCARTA PRESENTAR DENUNCIA PENAL EN URUGUAY PARA QUE SE INDAGUE

La conspiración Goulart

A 34 años del fallecimiento del ex presidente brasileño Joao Goulart, surgen nuevos indicios de su sospechosa muerte, que podrían derivar en una denuncia penal en Uruguay para que se indague sobre la existencia de una conspiración en la que participaron represores brasileños, militares uruguayos y agentes de la CIA norteamericana. 15 testigos que sospechaban de su asesinato fallecieron consecutivamente de ataques al corazón.

ROGER RODRIGUEZ
(rogerrodriguez@adinet.com.uy)

Desde que Joao Goulart falleció el 6 de diciembre de 1976 de un ataque al corazón en su estancia de Las Mercedes, en la provincia de Corrientes, Argentina, han existido dudas y sospechas sobre si su deceso fue por causas naturales (sufría del corazón) o había sido víctima de un atentado, similar al sufrido por otros políticos opositores a las dictaduras del cono sur.
Las autoridades argentinas no permitieron que el cuerpo de Goulart fuera sometido a una autopsia, sus restos fueron trasladados rápidamente a su natal San Borja, Brasil, sin pompas ni grandes cortejos. El entierro solo se demoró para esperar a su hijo João Vicente, que se encontraba radicado en Londres. Sólo sus familiares y algunos políticos estuvieron presentes en el entierro.
En el entorno de Goulart se generaron dudas sobre su muerte. Las sospechas, entre ellas la de su cuñado Leonel Brizola, derivaron años mas tarde en la creación de una Comisión Especial Investigadora sobre la muerte del ex presidente, de su antecesor Juselino Kubitscheck y del opositor Carlos Lacerda, quien también fallecieron en un breve plazo de tiempo.
En 1982, el uruguayo Enrique Foch Díaz –amigo de Goulart a quien le vendió su estancia “El Milagro” en Maldonado- intentó recopilar datos para hacer un libro donde contaría su relación con Jango. Inició entonces un trabajo con los periodistas Luis y Marta Viale que derivó en una imprevista indagación y un libro nunca editado que pudo constituirse en una importante denuncia.
Durante varios meses, los periodistas y Foch Díaz, entrevistaron a personas allegadas a Goulart y recogieron sospechas que no pudieron confirmar con pruebas, hasta que en su viaje a Corrientes, Argentina, fueron detenidos por agentes de la dictadura y vivieron un momento de sinsabores. Foch llegó a denunciar la muerte de Goulart ante la justicia de Corrientes.
Los Viale finalmente escribieron un libro titulado “Joao Goulart, muerte dudosa”, basado en las horas de grabación que habían recogido, pero la publicación que inicialmente había interesado al grupo Manchete de Brasil, que estaba dispuesto a comprar el texto y las grabaciones, finalmente no fue publicado. Los Viale y Foch tuvieron entonces discrepancias y se separaron.
El libro también fue enviado a Argentina, a través del entonces representante de editorial Planeta en uruguay, Enrique Piquet, pero en esos tiempos estallaba el escándalo de la “Propaganda Due” que comprometía a varios altos jerarcas de la dictadura militar y las editoriales consideraron que no era momento de publicar un libro que sospechara de la muerte de Goulart.

“El Crimen perfecto”

En el año 2000, Foch Díaz publicó en Arca el libro “Joao Goulart, el crimen perfecto”, donde –sin el apoyo de las grabaciones realizadas por los Viale- relata su versión de la investigación efectuada en los años ochenta e incluye la sospecha de que la muerte pudo estar en marcada en el “Plan Cóndor” cuya existencia se denunciaba a fines de los años noventa.
Junto a la publicación, Foch hizo una denuncia penal contra allegados a Goulart a quienes acusó de malversar fondos y bienes de la familia. Como respuesta, recibió una denuncia por difamación e injurias. Su principal testigo, el piloto Ruben Rivero, falleció de un ataque al corazón cuando viajaba a Uruguay. Nunca se recuperaron los documentos que traía como prueba.
En 2002, en una cárcel de Porto Alegre, el ex agente uruguayo Mario Barreiro Neira confesó que había participado de una “Operación Escorpión” por la que se provocó la muerte de Goulart al colocar dentro de su medicación para el corazón una pastilla preparada que provocaba el efecto contrario. Meses habría tardado en tomar la píldora envenenada.
Desde el año 2005, cuando se comienzan a desclasificar documentos secretos de la dictadura uruguaya, aparecieron datos que hicieron relevantes las sospechas sobre la muerte de Jango, quien murió cuando pretendía regresar a su país y que efectivamente era vigilado de cerca por los servicios de inteligencia de Uruguay a pedido de Brasil.
En su prontuario en la Dirección Nacional de Información e Inteligencia, consta que el 9 de noviembre de 1976 había renunciado al asilo político que Uruguay le otorgó tras ser derrocado en 1964. Esa renuncia, requerida por la dictadura uruguaya para darle la radicación, lo dejó indocumentado y lo obligó a viajar a Corrientes, donde un mes y tres días más tarde murió.
La indocumentación también había sido una de las características que antecedieron las muertes de Zelmar Michelini y Héctor Gutiérrez Ruiz, cuyos pasaportes fueron anulados poco antes de ser asesinados. Lo mismo ocurrió al ex ministro de Defensa del gobierno de Salvador Allende, general Carlos Prats, asesinado junto a su esposa el 30 de setiembre de 1974 en Buenos aires.
En los últimos años, la familia Goulart pasó a convencerse de que existían elementos que les hacen presumir que Jango fue en realidad asesinado y obligaron a reabrir la investigadora parlamentaria en Brasilia, donde se concluyó que existen evidencias fuertes para sospechar el magnicidio aunque no se hayan logrado pruebas concluyentes al respecto.

La grabación de Foch

En agosto de 2006, Enrique Foch Díaz, decide hacer la grabación en la que registra –con perspicacia y preocupación- los nombres de 15 personas que fallecieron por ataques al corazón (salvo una) y que estaban estrechamente ligadas a su investigación sobre la muerte de Joao Goulart. Con esos decesos consideraba perdidos definitivamente los testimonios (y las sospechas) que habían recogido durante meses de trabajo a principios de los años ochenta, cuando aún regían las dictaduras militares en la región.
En su testimonio Foch Díaz recuerda que entre 1975 y 1976 se produjeron los asesinatos en Argentina de los legisladores uruguayos Héctor Gutiérrez Ruiz y Zelmar Michelini, éste residente en el mismo Hotel Liberty donde solía hospedarse el derrocado presidente de Brasil, y que paralelamente se sucedieron las muertes sospechosas de los ex presidentes brasileños Juselino Kubitscheck (una accidente carretero) y Joao Goulart, como del ex candidato Carlos Lacerda. (tras una sencilla intervención quirúrgica)
En forma paralela a los antecedentes de lo que hoy se ha confirmado como la coordinación represiva de las dictaduras del cono sur conocida como el “Plan Cóndor”, Foch Díaz dejó registrado en audio la curiosa sucesión de muertes de allegados a Goulart y a su indagatoria, en lo que se asemeja a la lista de víctimas de una suerte de “maldición” faraónica:

“1) Cayetano Fior del Mondo Goulart, “Tito”, brasilero, cocinero durante diez años de la familia del presidente. Domiciliado en Artigas, Uruguay, muere de un ataque al corazón (…) integraba el grupo que prestó declaraciones grabadas sobre los hechos que rodearon la muerte de su patrón y amigo”
“2) João Alonso Minteguy, brasilero, ex diplomático en Uruguay, domiciliado en Montevideo. Actuaba de mediador con el gobierno militar de Brasil a los efectos de llevar a cabo un eventual regreso de Jango a su país. (…) se niega a grabar la entrevista sin dar razones (…) al cerrar la puerta, dice textual: “Al doctor lo mataron”. Muere poco después de un ataque al corazón”.
“3) La señora esposa de Minteguy, brasilera, presente en la entrevista, muere también del corazón sin poder yo precisar si fue antes o después que su esposo”.
“4) Jack Bloch, Jakito, brasilero, propietario de la revista Manchete. Compró (…) los derechos del libro “João Goulart, muerte dudosa” y los cassettes conteniendo las grabaciones de los entrevistas. El libro nunca fue publicado. Bloch murió del corazón”.
“5) Luis Viale, uruguayo, periodista. Fue autor, con su hermana Marta y el suscrito del libro. Es de hacer notar que tres copias de ese libro, como correspondía, fueron depositadas en la Biblioteca Nacional uruguaya. Esas tres copias desaparecieron. (…) Viale murió del corazón.”

Los pilotos de Jango

“6) Marcelino García Castro, Loyo, primer piloto uruguayo y empleado de Goulart. Estando detenido por integrar filas tupamaras en la cárcel de Libertad, muere del corazón (N. de R.: infarto al miocardio el 24 de julio de 1977)”.
“7) Hugo Wilkie, tercer piloto uruguayo empleado por Goulart. Contaba con buenas referencias por parte de la Fuerza Aérea. Tiene importante información grabada en los cassettes sobre el entorno a Goulart, en especial de su secretario Ivo Magalhaes y Claudio Braga. Murió del corazón.”
“8) Francisco Perossio, Pinocho, cuarto y último piloto empleado por Goulart. Testigo de los últimos momentos de Jango. Portador del aviso del coronel Davalos jefe de la policía militar brasilera en Porto Alegre sobre el peligro de la vida que corría el doctor tanto en Uruguay como en la Argentina, sugiriendo que debía regresar a Brasil o viajar a Europa. (…) Al recibir este aviso Goulart dispuso que sus hijos viajasen a Europa. (…) Peroccio participaba activamente de las grabaciones de las cintas dando testimonio y apoyo económico. También muere del corazón.”
“9) Ruben Rivero, segundo piloto uruguayo empleado por Goulart. (…) A poco del golpe de Estado, Rivero fue detenido por la SIFA, Servicio de Inteligencia de la Fuerza Aérea, y procesado por su vinculación al Movimiento Tupamaro (…) Cuando salió en libertad retomamos los contactos en Punta del Este donde yo me encontraba a la espera de realizar un negocio. (…) Fue el primero que me habló de su certeza de que el doctor fue asesinado y de la pasividad de sus deudos ante el fragante delito de robo y apropiaciones por gente del entorno de Goulart. A partir de ese momento realizó una seria investigación al respecto contactando con todas las personas del circulo de amistades y colaboradores de Goulart. En el año 2000 inicio acciones legales en el juzgado de Maldonado. Por estas acciones Ruben Rivero debía comparecer en calidad de testigo. Tenía que trasladarse desde la ciudad de Buenos Aires, lugar de su residencia. En el viaje, a sólo seis horas de su comparecencia en el juzgado, a bordo del aliscafo murió de un ataque al corazón. La documentación referente al caso que portaba en el viaje frustrado, desapareció”.
“10) Maneco Suáres Leais, brasilero, piloto en Porto Alegre, empleado de Goulart desde su presidencia, (…) manejaba las entregas de dinero que los diferentes negocios rurales generaban (…). En oportunidad de un encuentro casual en la confitería La Fragata de Punta del Este me contó que también sabía que el doctor había sido asesinado. Murió del corazón.”

El entorno de Goulart

“11) Carlos De León, uruguayo, administrador de la estancia El Milagro. (…) Pocos días antes de su muerte, acaecida el 30 de abril del 2000, me llamó con la noticia de que estaba en formación una comisión investigadora en la Cámara de Diputados brasilera sobre los hechos que rodearon la muerte del doctor Goulart. (…) murió de un ataque fulminante al corazón.”
“12) Percy Penalvo, brasilero. Fiel administrador de la Estancia Rincón de Tacuarembó. Es la primera persona que me comenta junto con Rivero de las amenaza de muerte que recibió Goulart. Estas amenazas llegaron trasmitidas por Claudio Braga ex diputado en Pernambuco, Brasil, asilado político en Uruguay, que dependía de la ayuda económica del doctor y se desempeñaba como su secretario. (…) Murió del corazón.”
“13) Richard Rafael Ferrari, argentino, médico pediatra residente en Mercedes, provincia de Corrientes. Buscado en su casa en la madrugada del 6 de diciembre de 1976, atiende al doctor Goulart y certifica su muerte. Concurre a la comisaría de Mercedes donde hace denuncia y pide la realización de la autopsia y que quede constancia de su pedido. En oportunidad de la visita que le realizamos con Marta Viale y Juca Shepard grabamos sus declaraciones. La Comisión Investigadora brasilera lo visitó en Mercedes. No murió del corazón, su muerte ocurre a través de un extraño accidente automovilístico que solicito sea investigado”.
“14) General Antonio Cirilo, uruguayo, presidente de UTE y presidente de la represa del Palmar. En oportunidad de la visita que le realice (…) en su domicilio, le comento de que cómo es posible que el ingeniero Ivo Magalhaes, refugiado político, secretario de Goulart, esté al frente de la construcción de la represa de Palmar, emprendimiento más importante del gobierno militar uruguayo, realizado con crédito del Banco do Brasil. Cirilo me contestó: Me fue enviado por el general Aguerrondo. (…) El general Antonio Cirilo murió del corazón algún tiempo después.
“15) Leonel Brizola, ex gobernador de Río Grande, primero y luego de Rio de Janeiro, cuñado de Goulart. Fue alertado en 1977 por el general (Abdond) Raimundez, presidente del BROU de que su vida corría peligro y se asiló en Europa. Fue el principal impulsor de las investigaciones brasileras respecto a la muerte de Goulart, propiciando la creación de la comisión investigadora de diputados en el año 2000. Muere en el ascensor saliendo del consultorio médico que acababa de atenderlo.”
Allí finaliza el testimonio grabado de Enrique Foch Díaz, quien también falleció de un ataque al corazón en el año 2007, constituyéndose en el decimosexto testigo muerto que no podrá prestar declaración ante un juez que indague si en Uruguay, efectivamente, existió una conspiración para asesinar a Joao Goulart.


Foch Díaz

Enrique Foch Díaz, nacido en Bella Unión (1918) estudió en la Escuela Militar y realizó cursos de piloto aviador. Durante la segunda guerra mundial se alista como voluntario y es designado al África Ecuatorial Francesa (hoy Camerún) donde se desempeña como piloto de pruebas. Durante una misión fue derribado y rescatado por una patrulla. A su regreso a Uruguay ingresa a la Dirección de Aeronáutica como instructor. Compra un avión e invierte en tierras. Conoce a Joao Goulart al venderle en 1966 la estancia “El Milagro” en Maldonado. En 1982 pretendió hacer un relato de su relación con Jango e inició una indagación junto a los periodistas Marta y Luis Viale, quienes escribieron el libro “Goulart, muerte dudosa”, que nunca se llegó a editar. Finalmente escribió el libro “Joao Goulart, el crimen perfecto” (Arca,2000). Ese año denunció a miembros del entorno de Goulart por la apropiación y malversación de sus bienes y terminó siendo procesado por difamación.


Barreiro Neira

Desde el año 2002, el ex agente uruguayo Mario Ronald Barreiro Neira ha sostenido que João Goulart fue asesinado en el marco del Plan Cóndor, dentro de una “Operación Escorpión”, por la que se le realizaron seguimientos, escuchas telefónicas y, finalmente, se le hizo un cambio en la medicación que Jango tomaba para provocarle el infarto por el que murió en 1976.
En su testimonio, realizado por primera vez a este cronista en una cárcel de Porto Alegre, Barreiro Neira sostiene que la mortal medicación fue preparada por el médico forense uruguayo Carlos Milies, allegado a un grupo represivo llamado “Gamma”. Milies también habría preparado los vinos envenenados que en 1978 provocaron la muerte de Cecilia Fontana de Heber.
Barreiro Neira afirma que la muerte de Goulart se decidió en Montevideo en una reunión entre el represor brasileño Sergio Paranhos Fleury del DOPS (quien traía el pedido de asesinato del presidente brasileño general Ernesto Geisel), el general uruguayo Luis Vicente Queirolo y el agente norteamericano Frederik Latrash, jefe de la estación de la CIA en Montevideo.
Barreiro Neira dice que a Goulart le colocaron pastillas falsas en varios de los frascos de la medicación que utilizaba. Uno de ellos en el Hotel Liberty donde solía hospedarse y estaba radicado Zelmar Michelini. Un agente argentino que vigilaba al legislador uruguayo habría realizado el cambio del medicamento.
Barreiro Neira cumplió recientemente su condena en Brasil (fue preso por el asalto a un camión de caudales) y será extraditado en poco tiempo a Uruguay donde era requerido desde el año 2001 por su presunta participación en acciones de la llamada “polibanda” durante los años noventa.


“Subversivos”

Dos archivos desclasificados de la Dirección Nacional de Información e Inteligencia (DNII), a pedido del activista brasileño Jair Krischke del Movimiento Justicia y Derechos Humanos de Porto Alegre, dan cuenta de que en 1974 la dictadura uruguaya realizó seguimientos a Goulart y su entorno, al sospechar que se había contactado con el “subversivo” brasilero Fernando Soares, a quien se le tipificaba intermediar en el asilo de opositores hacia Suecia.
El “Parte Especial de Información Nº 28/974” del Estado Mayor del Ejército, firmado por el entonces coronel Ángel D. Barrios y el “Diligenciado Nº 233” de la DNII, suscrito por el entonces subcomisario Mario E, Fernández Fleitas, dan cuenta de la indagatoria realizada en febrero de aquel 1974 sobre ciudadanos brasileños que se encontraban radicados en Uruguay.
Entre los “subversivos” se incluye a Dagoberto Rodríguez, Edmundo Ferrao Moniz de Aragón, Ivo de Magalhaes, Joao Alonso Minteguy, Juan Carlos Parodi Minteguy, José Gimaraes Neiva Moreira, Carlos Olavo Da Cuña Pereira y el propio ex presidente João Melchor Marquez Goulart.
El documento del Ejército es el que registra que durante su visita a Argentina, Goulart se reunió con Zelmar Michelini, Enrique Erro y el ex presidente boliviano Juan José Torres. También se indica que Torres –a quien acusan de tener contacto con Montoneros- se había reunido con Perón.
Perón murió el 1º de julio de 1974 de un paro cardíaco. Zelmar Michelini fue asesinado en Buenos Aires el 18 de mayo de 1976. Juan José Torres fue asesinado en Buenos Aires el 2 de junio de 1976. Joao Goulart murió de un ataque al corazón en su estancia de Corrientes el 6 de diciembre de 1976.


“Tengo los cassettes”

La periodista Marta Viale confirmó a Caras&Caretas que en los años ochenta junto a su hermano Luis y su esposo Juca Sheppard, realizaron con Foch Díaz aquel trabajo de investigación sobre la muerte de Goulart, pero sostiene que nunca pudieron vender el libro, donde no se llegaba a nada concluyente.
Viale se indigna cuando se le explica que existe una grabación del fallecido Foch Díaz, quien le acusa de haber vendido a Manchete el libro original “João Goulart, muerte dudosa” sin compartir regalías. “Era un delirante, que nos costó tiempo y dinero a mi, mi hermano y mi esposo”, afirma al negar la denuncia.
Enrique Piquet, también confirmó la existencia de aquel libro que no pudo vender en Argentina por la situación política que se vivía y que había interesado a Jakito Bloch de Manchete. Piquet sostiene que nunca pudo confirmar por qué ese negocio no cerró en la publicación del trabajo.
Viale también afirma que en su casa de Punta del Este se encuentran (“en una caja de zapatos”) aquellas grabaciones realizadas hace 28 años (“siempre que Juca no les haya grabado música encima”) y se comprometió a buscar esos testimonios que se constituirían en prueba ante la justicia.
Miembros de la familia Goulart, señalaron por su parte que la familia analiza concretar una denuncia penal para que finalmente se indague en la justicia uruguaya si efectivamente en Montevideo existió una conspiración de Brasil, Uruguay y Estados Unidos que provocó la muerte de Jango.

Reunião entre Tarso e Lula ocorre nesta segunda-feira



Acompanhado da esposa, Sandra Genro, o governador eleito chegou a Porto Alegre na tarde desta sexta-feira (03), após uma semana de férias em Buenos Aires. Na chegada, Tarso Genro concedeu uma breve entrevistas aos jornalistas que aguardavam o seu retorno.

Tarso lembrou que na próxima segunda-feira estará em Brasília para uma audiência com o presidente Lula. "Quero apresentar uma visão de como será o nosso governo, que tem base nas experiências dele. E é claro que vamos tratar de assuntos do interesse do Estado e que podem ser encaminhados ainda na gestão do presidente Lula", ressaltou o governador.

Ainda na segunda-feira na capital federal, ocorre a assinatura de projetos do PAC 2, com a presença de outros governadores e prefeitos. A solenidade também terá um tom de despedida de Lula.

Os futuros Chefe das Casa Civil, Carlos Pestana, e chefe de gabinete do governador eleito, Vinícius Wu, também participarão da reunião.


FOTOS: CACO ARGEMI

O governador eleito Tarso e sua esposa, Sandra, na sexta passada, chegando de férias.

Pinga fogo


Cancheira....

Andrea Rodrigues, filha do ex-prefeito de Pelotas( que em 1988 era azarão e venceu a eleição de Irajá Andara Rodrigues, o cabeça branca, do PMDB) Anselo Rodrigues já fez dobradinha com o pai, que concorreu a federal e ela a estadual, mas não se elegeram.

E ela também concorreu uma vez a deputada estadual.

Pois foi ela que criou este imbróglio que agora o Ministério Público EStadual investiga contra a vereadora do PDT, JUalina Brizola.

Pinga Fogo


O " governaço" de Pelotas - o prefeito Anselmo Rodrigues, acabou tendo o mandato cassado...Deu muito trabalho ao Ministério Público.

Seu assessor de imprensa era o Gordo João Garcia, hoje comentarista esportivo da Band.


Desejo sorte ao Senhor Rodoviária no Inter

Por Luiz Oscar Matzenbacher

O Sport Club Internacional elegeu no final de semana o novo presidente e toda a diretoria. Votei secretamente pelos Correios, mas não declino o meu voto. O importante é que quase 17 mil sócios colorados e sócios contribuintes votaram. Talvez tenha sido um record mundial, em clubes de futebol - soccer - profissionais, da 1ª Divisão.
Eu gostaria que o vencedor, Giovanni Luigi, incorporasse, na sua diretoria formal e informal, os dirigentes das três chapas. Pois um clube é antes de tudo uma união de esforços. Desejo sucesso ao Senhor Estação Rodoviária. É assim,que, carinhosamente, os sócios e os torcedores do Inter o chamam.
Mas tenho inveja do Luigi. Imaginem, quem poderia hoje assumir a presidência de um clube de futebol que está disputando o Mundial de Clubes da FIFA, já classificado para a Libertadores e para a Recopa de 2011 e sem correr o risco de ficar de fora do Brasileirão. E, de, quebra, com o Estádio Beira-Rio escolhido como a sede da Copa do Mundo de 2014 em Porto Alegre. Só não será o campeão do Brasileirão de 2011 se não quiser.

Luiz Oscar Matzenbacher


*Causou estranheza aos ouvintes a virulência com que o Luiz Carlos Reche entrou no ar no sábado de noite,logo após a eleição do Luigi no Inter....

Bah,mas o Reche estava com muita coisa engasgada,hein...!!!!!!!!!!!!!!!

Ontem,no Olímpico falei pra ele o que achei da intervenção dele. Ele me disse apenas:

- Tu achou mesmo??!!!


Renato,depois do jogo,

pede aos repórter que o esqueçam até janeiro !


Depois do jogo contra o Botafogo (em que o Grêmio ganhou por 3 golos de diferença,apesar do Serginho,o ponta esquerda aspirante do Grêmio nos anos 50 dizer que o Jonas não joga nada....) Renato Portaluppi deu coletiva aos repórteres aqui no estádio Olímpico,onde redigo estas linhas.

Sempre vaidoso,disse que ainda é o rei do Rio-título que ganhou quando foi campeão carioca pelo Fluminense -e que Joel Santana é apenas "um príncipe". Joel é o treinador do Botafogo que perdeu,ontem, pro Grêmio....

Renato não abriu muito o jogo e disse que já fez novas indicações aos futuros dirigentes do Grêmio.

E viajou ontem mesmo, no mesmo vôo da delegação do Botafogo,pro Rio,porque entrou em férias.

Em tempo:

de 15 perguntas que lhe enviei sobre um livro que escrevo,me respondeu apenas duas....


Coleguinhas


O MAGRO RURAL

que chegou ao poder....


André Luis Simas Pereira


Com a provável ida do deputado Adão Villaverde(PT) para a presidência da Assembléia Legislativa do Estado no ano qure vem, crescem as chances do seu assessor de imprensa, André Luis Simas Pereira se tornar Superintendente de Comunicação do legislativo estadual...

André integrou a redação da ZH nos anos 70,quando uma turma de repórteres que gostavam de ir para o interior fazer matérias sobre questões agrárias( nascimento do MST, invasões) do qual é o expoente o repórter Carlos Wagner, ganhou do chefe de redação, João Aveline, o ferino apelido de MAGROS RURAIS....
Magros, porque era gíria daqueles anos aqueles tipos serem conhecidos por magros e rurais porque gostavam de assuntos do interior...


Os expoentes dos magros rurais eram o próprio André, o Humberto Andreatta( Betão) Carlos Wagner e Rosina Duarte..

André nasceu em Porto Alegre em 13.03.1952, filho de Mário Lopes Pereira e de Cecília Simas Pereira.

Trabalhou na ZH, no Diário do Sul, no COOJORNAL,( onde fez uma reportagem sobre o Caso Kliemann que ganhou prêmio) na revista da FECOTRIGO( RUA gENERAL Vitorino,25/5 andar). Foi casado com a fotógrafa Jaqueline Joner( 04.01.1953) e com ela tem o filho Pedro( 23.05.1977).
Há anos assessora o deputado estadual Adão Villaverde. Casou novamente e reside na Zona Norte de Porto Alegre.

É conhecido por seu estilo reservado....


O imprudente Grêmio Prudente

Volência do Grêmio Prudente desfalca o Inter

Por Luiz Oscar Matzenbacher

O Grêmio Prudente foi, com o perdão do trocadilho, imprudentemente violento contra o time principal do Inter, em jogo antecipado da última rodada do Brasileirão. O jogo, realizado em Presidente Prudente, não mudaria a situação do lanterninha ou a do representante brasileiro no Mundial de Clubes. O resultado foi Grêmio Prudente 0 x 3 Inter.
Porém, a esperança colorada em Abu Dhabi, o goleador Rafael Sóbis saiu de campo, visivelmente mancando e com feridas profundas pelo corpo inteiro. Parecia apresentar ferimentos mais graves que os soldados e oficiais que participaram da retomada do Complexo do Alemão, no Rio.
O Inter preservou os titulares para o Mundial, enquanto ainda era candidato ao título do Brasileirão. Mas, quando já não podia ser mais o campeão e estava classificado para a próxima Libertadores, deixou de preservar os titulares para o Mundial de Clubes.
Dá para entender esse Planejamento Estratégico do Departamento de Futebol do Internacional? E, qual é a causa da violência insana e desnecessária do Grêmio Prudente, ex-Barueri, a barriga-de-aluguel dos "empresários" donos dos passes de jogadores no futebol brasileiro?


Pinga fogo


A bola da vez é a vereadora do PDT e deputada eleita Juliana Brizola, neto do homem...

Gerson Anzolin, da rádio Guaíba, deve dar hoje,segunda mais uma matéria sobre investigações que o Ministério Público Estadual e o Ministério Público doTrabalho está fazendo sobre ela e seu marido, o Alexandre Rambo, da Secretaria da Juventude

Há quem diga que este tiroteio todo seria um tal de fogo amigo, por causa da eleição que a vereadora fez....

Será já disputa pela presidência da Assembléia Legislativa na vez do PDT?


De São Borja


Na FSB do dia 27/11, o poeta CLEMAR DIAS faz leves insinuações contra a minha pessoa, como diria o sujeito aquele...


Devo dizer ao colega que tenho municão guardada mas que ele se salva por ter me pago, de uma feita, um churrasquinho de gato, que comprou ali na esquina da Presidente Vargas, perto da Praça XV de Novembro...

Ele havia solicitado meus livros, pra pagar mais barato, mas um outro mão de vaca, maior do que ele, já os tinha reservado....


Tu não perdes, por esperar....A vingança é um prato que se come lentamente, pelas bordas, como dizia o sujeito aquele....


Pinga Fogo

O suplente Marlon Santos deve ir pra vaga do Ciro Simoni na Assembléia Legislativa do Estado. Com isto Paulo Azeredo, o Paulo Melancia, -planta acácias e melancias na região de Montenegro - deve ser o coordenador da bancada do PDT em 2011. Mas se ele vier a assumir a vaga, fica no seu lugar, um jovem arquiteto, Vinicius Ribeiro, que fez 29 mil votos na região de Caxias, onde é vereador. O PDT também elegeu por lá o deputado Alceu Barbosa Velho...

Mansueto Serafini Filho fora do PDT e depois trocou o partido de Brizola pela PFL....
Brizola,quando era candidato a presidente em 1989, descia no aeroporto e lá estavam as rádios com os microfones abertos....

- Tem um traidor aqui nesta terra, que não sei o que, naquele estilo ferino do Brizola ...

No gabinete de prefeito, com o rádio ligado, Mansueto escutava tudo e engolia.

Até que um dia Brizola foi a Caxias mas mandou uns emissários dele querendo que o Mansueto o recebesse no gabinete porque isto ficaria bem pra ele e lhe renderia votos...

Mansueto mandou dizer:
- O recebo lá no Pavilhão da Festa da Uva, como prefeito tenho este dever, ele é candidato a presidente,afinal, mas aqui no gabinete ele que vive me chamando pelo rádio de traidor, aquilo ele não vai ser recebido por mim...

Mansueto havia entendido que os recados do Brizola eram a ele endereçados....


OLIDES – QUE PENA...


Sabe quem deverá almoçar conosco nos próximos dias??? É ele mesmo:o Jorge Tonay.
O Tonay,sempre que vem ao Brasil, é um dos
companheiros da mesa famosa de um certo restaurante de Brasília. É assim que tu queres que eu escreva,não é?
Pois bem,gostaria de passar a ele o recado que pedistes no teu blog. Mas como estou proibido de
falar no Stella Grill(ops,viu falei sem querer),não vou poder falar nada.
Ah! Me lembrei agora: o Claudio Humberto
lê o teu blog. Vou lembrar a ele, para dar o teu recado
ao Tonay...afinal de,contas ele te cita na sua coluna.

São Borja na luta contra a AIDS

Município acredita que informação é a melhor aliada contra o preconceito e a prevenção das DSTs


Créditos: DECOM PSB

Luta-contra AIDS blitz educativa

Créditos: DECOM PSB

Luta contra AIDS

No Dia mundial de luta contra a Aids (1º/12) a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realizou diversas atividades na Praça da Lagoa, no período noturno, horário de grande movimento no local. O objetivo principal foi informar a população sobre as maneiras de prevenção e tratamento das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Integrantes da secretaria e voluntários distribuíram camisinhas e panfletos. A campanha deste ano teve como foco o preconceito, uma vez que os números do Ministério da Saúde apontaram que caiu a transmissão do vírus HIV de mãe para o filho, mas cresceu entre jovens.

São Borja recebe anualmente mais de 500 mil camisinhas para distribuição gratuita, além de realizar mais de 340 testes de HIV ao ano. A SMS regularmente faz a distribuição de preservativos nas festividades no município, realizam palestras e outras atividades pelo Programa de redução de danos.

De acordo com o secretário adjunto da Saúde, José Volnei Pires, atualmente 350 pacientes são tratados gratuitamente e a cada três meses realizam exames para o controle da doença. “O número não é grande se considerarmos que notificamos todos os casos da doença”, pondera. “Seis desses pacientes são gestantes, mas que há três anos não registram a transmissão vertical em São Borja (da mãe para o filho)”, comemora o médico. Volnei explicou ainda que o problema é maior no Rio Grande do Sul, pois culturalmente o gaúcho têm restrições no uso da camisinha.

Os preservativos são distribuídos gratuitamente em todas as unidades de saúde do município. Os exames para identificar a doença são realizados no Centro Municipal de Atendimento Especializado (Cemae), de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h e das 13h às 16h. Mais informações: (55) 3431-1669.

Os números da AIDS

Em 2005 a cada três pacientes infectados no país, um era homem. Já em 2010 os números se igualaram e passaram a ser um para um, o que demonstra o aumento de infecção em mulheres, “principalmente as casadas e acima de 40 anos”, ressalta Volnei.

Dados informam que existem mais de 33 milhões de pessoas infectadas no mundo, sendo mais de 500 mil casos no Brasil e 30 mil no Rio Grande do Sul.

Santo Tomé homenageia Andrés Guacurari


Vice-prefeito prestigiou o evento e hasteou bandeira do Mercosul

Um evento em 30 de novembro lembrou os 232 anos de nascimento do heroi argentino Andrés Guacurari e pela primeira vez foi hasteada a bandeira do Mercosul em Santo Tomé. O ato foi promovido pela Prefeitura de Santo Tomé e contou com a presença de seu intendente, Victor Giraud; vice-intendente, Mariano Garay; e o secretário de governo, Pedro Zacarias, além de autoridades argentinas e brasileiras e do tataraneto de Guacurari. No mesmo ato também foi inaugurada uma placa comemorativa em homenagem ao comandante Guacurari na rótula da Rota Nacional 121, que dá acesso a Ponte da Intregração.

O vice-prefeito de São Borja, Jefferson Homrich, prestigiou o evento junto com a secretária de Educação e Cultura Ana Claudia Gattiboni Dutra e o secretário de Desenvolvimento Econômico e Relações Internacionais, Sani Carpes Junior. “Queremos sempre trabalhar em harmonia, em paz e só assim vamos vencer as dificuldades que inclusive muitas vezes são conjuntas”, ponderou Homrich. Ele destacou ainda que a atual administração procura melhorar cada vez mais a integração entre as cidades fronteiriças vizinhas. “Vamos fazer com que a água do rio Uruguai una nossos povos e realizem mais atividades juntas”, completou.

Em um ato ocorrido em agosto deste ano, o prefeito Mariovane Weis hasteou a bandeira do Mercosul pela primeira vez em São Borja e presenteou o vice-intendente de Santo Tomé com um exemplar. A bandeira representa o bloco econômico formado pelo Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, contendo quatro estrelas que simbolizam os países-membro.

Quem foi Andres Guacurari

Mais conhecido como Andresito, Andres Guacurari foi um índio guarani nascido provavelmente em 30 de novembro de 1778 em Santo Tomé ou São Borja. Viveu na cidade argentina com sua mãe a partir da invasão luso-brasileira de 1801, sendo educado para curar seu povo. José Artigas foi seu padrinho e o adotou em 1811. A partir daí passou a ser conhecido como Andrés Guacurarí e Artigas ou Andrés Artigas.

Sua luta em pról do povo argentino foi marcado pela defesa do território missioneiro da invasão estrangeira e pela defesa dos princípios federalistas sustentados por Artigas. Participou de quatro importantes batalhas. Na última delas e a mais violenta, a segunda batalha do rio Uruguai contra a invasão luso-brasileira (1819), foi levado e preso pela tropa inimiga. O espanhol Francisco de Borja Magariños conseguiu libertá-lo em 1821. A partir daí não há mais registros posteriores dele. Não se sabe se ele morreu em Montevidéu, se voltou para as Missões ou se morreu na viagem.


Créditos: DECOM PSB

Evento Santo Tome

Pinga fogo


Vem chumbo grosso aí pra cima da vereadora Juliana Brizola , do PDT....

DORVAL, UM CRACÃO DO SANTOS



Olides

Aqui, algumas notas do Dorval,um cracão do Santos, na época de Pelé.

Foto Sergio Ross


Em 55 eu já havia deixado do futebol,ou melhor,o futebol havia me deixado (é a única coisa que o Olides pode falar de mim). Eu já estava na Faculdade fazendo jornalismo. Uma noite passando pelo Bar Líder,que ficava em frente a PUC, onde eu estudava e que era freqüentado pela diretoria do Grêmio, encontrei o Mendes Ribeiro, irmão do radialista, estrela da TV Gaúcha e deputado federal. O Ribeiro tinha sido meu treinador, quando eu jogava no juvenil do Grêmio. Agora,ia começar a treinar o Força e Luz, que era o time da Carris e ficava na Tibaúva.

O Nenê ( era assim que nós o chamavamos),conversou comigo e me perguntou se eu continuava jogando. Respondi que não. Disse que só estava fazendo o meu curso de jornalismo. Ele então, quis saber se eu toparia dar uma mão para ele.
E me convidou para bater uma bola no Forcinha,pois não tinha 22 jogadores para fazer treinos de conjunto. Topei na hora e no dia seguinte já estava na Timbaúva treinando.


Lá,conheci um negrinho,magrinho que jogava uma barbaridade. Era o Dorval que um ano depois,foi para o Santos, onde formou o ataque mais famoso do mundo,com ele,Coutinho,Pelé, Mengalvio e Pépe.
Quando terminava o treino, eu ia para a parada do bonde para seguir para o centro da cidade,onde morava. O Dorval como morava perto da parada do bonde, caminhava comigo,pois morava alí pertinho. Uma tarde,antes de chegar na parada,entrei com o
Dorval para fazer um lanche. Meu lanche era uma taça de café com leite um sanduíche de
mortadela e queijo,que chamávamos de
farroupilha. Numa tarde,convidei o Dorval para me acompanhar. O “neguinho” comeu com uma vontade impressionante. Perguntei se ele queria repetir? Seus olhos brilharam e eu pedi mais um “farroupilha” para ele, que o devorou num minuto.
Daí para a frente,o Dorval,todas as tardes,comia comigo os dois “farroupilhas” que depois eu descobri, que aquilo era o seu almoço.


Passados alguns dias o Dorval foi para o Santos. E aí deu no que deu,passou a integrar o ataque mais famoso do mundo.
Em 83 ou 84,não me recordo bem,fui a São Paulo. Andando pela cidade com um amigo,velho torcedor do Santos,passamos por um grupo de pessoas que me pareciam que estava ali mendigado ou coisa parecida. Ele me parou e apontando para uma pessoa me perguntou:” sabe quem é aquele cara alí???
Disse que não. Não sabia não.

 

Ele completou dizendo que era o gaúcho Dorval. Parei e fui conversar com ele,que me disse que não estava passando um bom momento. Fiquei preocupado. Dei o meu endereço e me ofereci para ajudá-lo no que fosse possível. Nunca mais vi o Dorval. Só há poucos dias atrás é que li que ele estava trabalhando na escolinha de futebol da Prefeitura de São Paulo.
Li ainda que ele anda muito triste pela falta de apoio no projeto em que trabalha e
pela falta de reconhecimento com os craques do passado,principalmente por parte do Santos F.C.
Ele diz: “é complicado. Eles esquecem de tudo que nos fizemos. Uma vez,fui ver o Santos jogar e me barraram na entrada. Tive que pegar a fila e comprar um ingresso. Dá para acreditar? Não é pelo dinheiro do bilhete,mas por tudo o que fizemos”. Ele também não se conforma com o fato de não poder utilizar o espaço dos camarotes “Artilheiros da Vila”,localizados no quarto andar da Vila Belmiro.
“Esses camarotes levam o nome dos artilheiros do Santos. O meu nome está lá e eu não tenho o direito. Poxa...é mais justo nem colocar nosso nome então...” afirmou entristecido”.



Olides: Não deixe de Procurar o Mendes Ribeiro. Ele sabe como foi feita a venda do Dorval e como ele descobriu o cracão.

Sergio Ross

Pinga fogo


Maus odores devem ser sentidos nesta segunda,dia 6/12 na Câmara Municipal de Porto Alegre. A assessora aquela que deu uma de bugio não é encontrada pela rádio Guaíba pra dar entrevista sobre o caso do gabinete da vereadora Juliana Brizola(PDT)


Pinga fogo


Andrea Rodrigues, que trabalhava no gabinete da vereadora Juliana Brizola(PDT) e que jogou m....no ventilador é filha do ex-prefeito de Pelotas, Anselmo Rodrigues, aquele do GOVERNAÇO, lembram?????


Coleguinhas

Pra mim o Prêmio PRESS não tem a menor importância....

Mas como o Prévidi o ganhou, passa a ter, porque é um dos poucos sites que

quando posso leio...Claro que não todo, né....


Tem algumas coisas nele que gosto!!!!!


Lama, eu quero lama...

Sempre que encontro o JBMarçal, denominado de VOZ DAS VILAS... ELE me pergunta:

- E a lama, onde tem lama???


Pois é, agora tem.....


DE GOELAS ABERTAS E GARRAS AFIADAS...

Por Carlos Chagas

Vale insistir: ou Dilma Rousseff dá um grito de independência, se possível com um murro na mesa, ou seu governo se tornará refém do que há de pior na política nacional. De goelas abertas e garras afiadas, PMDB, PT e penduricalhos exigem ocupar ministérios e impõem nomes sem a menor preocupação de indicar os melhores e os mais capazes. Disputam pastas pelo volume dos recursos orçamentários de cada uma. Tornam-se inconvenientes.

Terá sido um erro a disposição da presidente eleita de dividir com os partidos a composição de sua equipe, iniciativa que faz emergir o que há de pior na futura base parlamentar. Trata-se de fisiologismo explícito, descarado. Tempo ainda haverá, mas cada vez mais escasso, para virar o jogo e selecionar seus ministros pelo critério da eficiência.

Muita gente se acomoda, lembrando que se os partidos não forem atendidos o novo governo enfrentará imensas dificuldades no Congresso. Não é bem assim. Deputados e senadores precisam mais do Executivo do que o contrário. No início de seu primeiro mandato o presidente Lula decidiu excluir o PMDB das negociações para a formação de uma sólida base. Houve pânico no palácio do Planalto. Desnecessário, porque num sistema presidencialista não se governa um país a partir dos plenários da Câmara e do Senado, ao contrário do parlamentarismo. Governa-se do meio do povo, aqui e ali atendendo alguns pleitos de deputados e senadores.

OS CAVALEIROS DE GRANADA

Nunca é demais repetir os versos de Cervantes sobre os Cavaleiros de Granada, aqueles que “alta madrugada saíram em louca cavalgada, brandindo lança e espada. Para que? Para nada...”

É essa a concepção que Dilma Rousseff deveria ter das bancadas do PMDB, do PT e de outros partidos que a pressionam para ocupar ministérios e altos postos da futura administração. Não há mais mouros a combater, as oposições estão reduzidas à sua menor expressão e nem o novo governo, para obter sucesso, precisará promover amplas reformas na Constituição e nas leis.

CRUELDADES DA HISTÓRIA

O Congresso realizou sessão solene, esta semana, homenageando a memória de Petrônio Portella. Raras vezes a História terá sido tão cruel para com a Política como há trinta anos. Fulminado por um enfarte quando dava os últimos retoques ao processo de abertura política, o senador pelo Piauí pontificava como um Tancredo Neves do lado de lá, quer dizer, se vivo seria candidato à presidência da República, iniciando o período da democratização. Aliás, nesse caso, Tancredo não se apresentaria.

O PILOTO SUMIU

É totalmente do presidente Lula a iniciativa de o governo adquirir um novo, mais potente e mais luxuoso avião para servir seus sucessores. A presidente eleita não disse uma palavra a respeito. Não pretende contrariar o chefe que a elegeu, mas, uma vez no poder, não deverá tomar qualquer iniciativa para viabilizar o Aerodilma. Existirão outras prioridades. Quem vier depois dela que retome a idéia.

Trem-bala: o projeto da discórdia


O Governo anuncia a licitação para construção do TAV – Trem de Alta Velocidade, que se propõe a ligar as cidades do Rio de Janeiro, S. Paulo e Campinas. Já envolto em polêmica, o projeto tem demonstrado elevada propensão para a cizânia, para a discórdia, angariando críticos ferozes e a desaprovação de especialistas e até mesmo de pessoas relacionadas, de alguma forma, com sua construção.
Com efeito, o trajeto do trem cruza áreas habitadas – segmentando subúrbios e isolando concentrações urbanas –, agride ecossistemas detentores de biomas diversos e de preservação importante, compromete áreas publicas, além de outros inconvenientes; senão vejamos, para citar apenas alguns exemplos.
Os habitantes de S. José dos Campos repelem a programada passagem do trem pela Concha do Banhado, área de grande relevância ambiental para o município e orgulho de preservação ecológica. Caieiras rechaça o traçado, pois divide a cidade ao meio, obrigando a derrubada da sede da Prefeitura e de um grande Hospital, recém-inaugurados, além de inúmeras outras construções. Itupeva já se manifestou contra a passagem prevista do trem pela cidade, pois atravessa subúrbios importantes, segmentando-os, bem como cruza a região recentemente preparada para a expansão industrial local.
Na Capital, os usuários do Campo de Marte não admitem a desativação do aeroporto local para ali construir a principal estação do trem-bala em S. Paulo. O aeroporto é muito importante para a aviação executiva regional, além de manter escola de pilotos. Prometem lutar na Justiça, se for preciso, apelando para o apoio da INFRAERO, que ficará em confronto direto com o Ministério dos Transportes, no particular.
Por outro lado, reivindicações de cunho político vêm-se avolumando. O prefeito de Campinas apresentou 14 demandas à ANTT, algumas bastante onerosas, como a construção de túnel não incluído no projeto original e de difícil implementação. Pindamonhangaba exige a construção de estação do trem-bala na cidade, não prevista, para compensar o ônus da passagem pelo seu território. O mesmo pleito é defendido, no estado do Rio, por Resende, só para citar duas cidades que já se manifestaram oficialmente perante a ANTT. Outras cidades vão nessa mesma direção, com seus políticos se movimentando para pressionar as autoridades, em Brasília, em apoio de suas paroquiais reivindicações.
O trem-bala devastará aproximadamente 900 hectares de matas, incluindo trechos da Serra da Mantiqueira, Serra dos Cristais, Serra das Araras e Serra do Bananal. Serão agredidas áreas de proteção de mananciais, áreas nativas de proteção silvestre e outras de interesse ambiental. Os ecologistas, sempre aguerridos no combate às afrontas à natureza, prometem mobilizações contra a expedição das licenças ambientais para a obra, bem como ingressar em Juízo para defender suas causas, o que certamente emperrará o curso normal do projeto.
A implantação do trem-bala apresenta o inconveniente de desalojar inúmeras famílias (aproximadamente 5.000), que terão suas casas desapropriadas para dar lugar aos trilhos. Esses moradores, com certeza, deplorarão o projeto. Da mesma forma, haverá indesejáveis deslocamentos de estabelecimentos industriais, comerciais e agrícolas, além de instalações públicas, procedimentos altamente condenáveis.
O projeto do trem-bala prevê a alocação de R$ 34,6 bilhões para sua implementação, previsão essa que muito provavelmente dobrará ao final da construção, constituindo-se em fonte de críticas dos especialistas em contas públicas, dada a falta de recursos orçamentários para o atendimento das prioridades nacionais em educação, saúde, habitação e saneamento básico.
As disputas pelo valor das desapropriações se arrastarão por anos na Justiça, em demandas para aumentar as correspondentes propostas governamentais, criando esqueletos orçamentários para as futuras administrações.
Por sua vez, os defensores da reestruturação da esfacelada malha ferroviária brasileira estão perplexos diante da concentração elevada do investimento numa só linha férrea, que, ainda por cima, não transporta carga, levando em consideração que têm sido sistematicamente negados recursos para a renovação da precária rede férrea nacional. A construção do projetado anel ferroviário de S. Paulo, por exemplo, tão importante, arrasta-se há anos sem solução.
O custo da tarifa para os passageiros, de acordo com o projeto, será, em média, o triplo da tarifa do ônibus, colocando em dúvida a procura de passageiros pelo uso do trem-bala, que em verdade competirá com as tarifas aéreas, muito atrativas e em franco processo de redução.
No seio do Ministério dos Transportes o projeto do trem-bala não apresenta unanimidade. O trecho de S. Paulo a Campinas não preenche as condições que justifiquem a construção de trem de alta velocidade. Além do mais, o projeto paulista denominado Expresso Bandeirantes, para o mesmo trecho (inclusive ligando o aeroporto de Viracopos), apresenta condições bem mais favoráveis e custo muito mais baixo, por aproveitar parte do leito antigo da ferrovia existente e desativada para passageiros.
Politicamente, o Governo Federal e seus adeptos chancelam a iniciativa de “projeto de Nação”, enquanto a oposição o considera eleitoreiro, mais uma fonte de corrupção, que fará a alegria das empreiteiras, assim como dos fornecedores internacionais de material ferroviário.
O Ministério Público aguarda as notícias e as denúncias para entrar em cena, com seu arsenal jurídico disponível para sopesar os argumentos sobre a conveniência do projeto.

Rubens Pellicciari

Clique aqui para ver PDF da Folha de São Paulo


Coleguinhas


O que vale é o cargo!!!!


Na coluna da Rosane de Oliveira, da sexta, 3/12, nota diz:"Nasceram quarta-feira os filhos do presidente do Banrisul,Matheus Bandeira, e de sua mulher, Daniela"

Por supuesto, coleguinha: quem pariu não foi a mãe????!!!!!!!

Ou o cargo,agora está dando filhos, ou parindo filhos?????

De Canoas para o Mundo

Os moradores no trajeto da Rodovia do Parque, aqui de Canoas, serão transferidos para novo local. A idéia da secretária de Desenvolvimento Urbano e Habitação é iniciar as obras em fevereiro de 2011. Serão 256 apartamentos e 343 casa. A prefeitura não soube informar exatamente onde será o loteamento, mas garantiu que vai ser no entorno da rodovia. Vamos lá, Prefeito Jairo e Secretária Joceane, aproveitar a ocasião e dar incentivo às empresas para que se estabeleçam ali perto e dêem emprego aos habitantes da região.

O governo está querendo permitir 110 km/h na BR-101, depois da duplicação. Dizem que a estrada apresenta condições para trafegar a esta velocidade. Ora, caro Olides, a rodovia é recheada de pontos que vendem bebidas alcoólicas. Já pensaram o garotão indo para Garopaba, toma umas cevas em Osório e sai a 110 no velocímetro. E os veículos de carga a 90 por hora, quanto tempo levam para freiar a esta velocidade? No mínimo é uma deseducação aos nossos motoristas esta proposta vir do governo.

O Tarso vai ter uma folga a até março, até a oposição vai para o litoral fazer seu veraneiozinho. Coisas do RS.

Faltam uns 25 dias para terminar o pior governo que o estado já teve. É isso que dá se candidatar sem as mínimas condições e achar que não vai ser eleita. De repente se elege e está feita a besteira. Mas, como estamos numa democracia e ela foi ungida com o voto povo, aqui me calo.

Pelo que ll nos documentos diplomáticos do Wikilears, os americanos consideram o resto do mundo seus inimigos, basta não se deixar explorar. E internamente a coisa está feia, a taxa de desemprego está na faixa dos 9,8%, número de novembro deste ano.

Remindo Sauim


COLEGUINHAS


RECEBI DO COLEGA DE LAJEADO

ESTE CHASQUE...

QUER DIZER QUE O ' FURO ' DE ZH

TINHA SIDO DADO 4 DIAS ANTES PELO

INFORMATIVO DO VALE!!!!

Falha no Coletiva.Net

Boa tarde, caros. Como conheço o blog de ambos, e creio que gostam de ajudar os "fracos e oprimidos" (hehehe), deixo aqui uma sugestão para vocês:

O Coletiva publica hoje (quinta-feira, 2) a seguinte matéria: Sugestão de jornalista atento rendeu furo à Zero Hora (http://www.coletiva.net/site/noticia_detalhe.php?idNoticia=38372), enaltecendo o trabalho da ZH em relação ao "furo" no caso da Mega-Sena - matéria publicada pelo diário na edição de quarta-feira, 1º de dezembro).
O que acontece é que o jornal O Informativo, de Lajeado, já havia publicado a matéria no sabado (27 de novembro), 4 dias antes do "furo" da ZH.
Já encaminhei comentário ao site Coletiva, que o publicou mas não retificou a informação.
Portanto, fica a deixa para os senhores.

Um grande abraço
OBS - Estou encaminhando o PDFs de nosso jornal que comprova o que digo... Se quiserem acessar a matéria (e nossa capa) o link é o seguinte: http://www.bancadigital.com.br/infovale/reader2/


Clique aqui para ler o Jornal.

Emilio Rotta - Ed. Polícia
DRT/RS 14.396
Jornal O Informativo do Vale
Lajeado / RS

Roteiro do findi....


Pros aficionados do futebol, tem o jogo do Grêmio, mas já esgotaram os ingressos...


E muita gente deve tomar o rumo do Litoral, com o calorão que começa a fazer.....


Sempre tem o show do Santander, no domingo de tardezinha e os filmes na Casa de Cultura....


Também o sindibancários pega-se bons filmes...

Quem sabe aquele livrinho que há tempos se quer ler? não seria uma boa??!!!


Roteiro do findi(2)

Como no sábado,dia 4/12, completam-se 25 anos da morte de Teixeirinha, tem filmes passando no Paulo Amorim....

Aproveitem porque se pode ver toda uma época,e não é sempre que estes acervos são tirados das tocas onde ficam guardados....

De Canoas para o Mundo

A grande reclamação dos embaixadores americanos nos documentos revelados pela Wikilears é de que o Brasil é contra eles. E não são só os EUA que fazem esta reclamação, ela está diariamente nas páginas de nossos jornais. Ora, o Brasil é apenas a favor do Brasil, o que convenhamos, é a melhor política externa do mundo, não somos contra nenhum país, temos relacionamento diplomático com todos e comercializamos com todos. E viva o Brasil.

Nestes papéis constam algumas bobagens que teriam sido ditas pelo nosso ministro Jobim. É a chance do governo para promover sua saída. E, se ficar, vai ter que comer pela mão da Dilma.

Quero ver como é que vai ser quando a Wikilears começar a revelar os papéis secretos das grandes corporações multinacionais.

Remindo Sauim


Pobre Dilma. Pobre Lula.


Ricardo Noblat

Fez todo o sentido durante a campanha eleitoral a blindagem da candidata Dilma Rousseff. Afinal, sua rala experiência em matéria de campanha poderia ter posto tudo a perder.
Nada mais razoável, pois, que fosse monitorada de perto por assessores e publicitários. E que a maioria de suas entrevistas se parecesse mais com extensos monológos.
Uma vez eleita, imaginou-se que o tratamento mudaria. Que uma Dilma mais à vontade circularia por aí e adiantaria um pouco sobre o que será o seu futuro governo.
Que nada!
Dilma fez voto de silêncio. Raramente sai de casa. E quando sai evita esbarrar em jornalistas.
Curiosa a forma que adotou para anunciar a composição do seu ministério. Ela nada diz a respeito. Ninguém em torno dela diz algo de oficial. Mas todo dia se conhece mais um ou dois ministros.
Enquanto foi candidata, Dilma não passou de uma incógnita. Presidente eleita, mas não empossada, permanece uma incógnita.
Enquanto isso...
Enquanto isso Lula continua falando o que deve e o que não deve.
Poderia emplacar ministros no novo governo sem fazer tanto alarde.
Pouparia Dilma de constrangimentos. Mas não tem sido assim.
Faz questão de dar repetidas provas do seu poder. Recusa-se a sair de cena devagar. Marca inaugurações de obras para seus últimos dias de governo.
Pobre Dilma.
Pobre Dilma, não: pobre Lula. Está destinado a sofrer mais do que ela a partir de 1º de janeiro próximo.


Frente defende novos investimentos na Refap



A Frente Parlamentar Refap 100% Petrobras, representada pelos deputados Raul Pont e Ronaldo Zulke, do PT, Raul Carrion, do PC do B, e Paulo Azeredo, do PDT, reuniu-se com o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, no início da tarde desta quarta-feira (1), no Rio de Janeiro. De acordo com Zulke, a frente reafirmou a ideia de novos investimentos na Refap que, segundo ele, devem girar em torno de U$ 500 milhões.

Ao sair da reunião, Zulke informou que o diretor da Petrobras acolheu positivamente a reivindicação, dizendo que a Petrobras está em sintonia com esta reivindicação e está trabalhando para isto .

Privatizações de FHC

O deputado Raul Pont relata que o diretor da Petrobras elogiou a iniciativa do Parlamento gaúcho, já que o governo do Estado não tomou nenhuma atitude para defender os investimentos para o Rio Grande do Sul. Segundo Pont, Paulo Costa confirmou que estes investimentos estão trancados em função do veto da Repsol. Este impasse é um preço alto que o Rio Grande está pagando pelas privatizações realizadas pelo governo FHC , lamentou.

Pont disse ainda que, a partir de agora, a frente intensificará a mobilização para que a sociedade gaúcha entre na luta em defesa desses importantes investimentos para o RS.


INFRAESTRUTURA


Comitê de Acompanhamento das Obras realiza última audiência do ano

Está marcada para a próxima sexta-feira (3), a última reunião do Comitê de Acompanhamento das Obras de Infraestrutura Viária da Região Metropolitana de Porto Alegre, coordenado pelo deputado estadual Ronaldo Zulke (PT). A audiência está marcada para as 9h no Ritter Hotel, em frente à estação rodoviária de Porto Alegre e contará com a presença do diretor de Infraestrutura Terrestre do DNIT, Hideraldo Caron.

De acordo com Zulke, estão na pauta as atualizações do calendário das obras na BR-116, de construção da BR-448 (Rodovia do Parque), além da extensão do Trensurb até Novo Hamburgo. Também discutiremos encaminhamentos das ações do comitê de obras para o ano de 2011 , adianta o deputado.

Visita

Após a audiência, Zulke convidará os participantes para uma visita ao canteiro de obras da BR-448 nas imediações do terceiro lote (ponte da BR-290/Free Way).

A NOVA TÁTICA DO NARCOTRÁFICO

Por Carlos Chagas

Eufórico, o governador Sérgio Cabral anunciou que o Exército permanecerá no Complexo do Alemão até outubro. Valeu-se da declaração do presidente Lula de que as forças armadas atuarão em defesa da segurança pública pelo tempo que for necessário.

Trata-se de uma decisão que desperta os aplausos gerais. Os paraquedistas transformaram-se em heróis da população carioca, fluminense e de todo o país. Quebrou-se o tabu de que soldados não foram feitos para subir o morro, porque subiram, lá permanecem e, pelo jeito, não sairão tão cedo.

É bom, no entanto, tomar cuidado. Apesar de muitos praças, sargentos e oficiais ostentarem experiência de guerrilha urbana adquirida no Haiti, não foram preparados para continuadamente lidarem com a bandidagem. Vivem para a extinção do inimigo. Além do que, pela lei 117 de 2004, do uso das Forças Armadas em atribuições subsidiárias, sua ação deve ser episódica e por tempo limitado. Mesmo assim, vale raciocinar com as esperanças de Sergio Cabral e com as promessas do Lula.

Dúvidas inexistem de que os narcotraficantes darão o troco. O primeiro movimento foi deles, os bandidos, ao deflagrarem o animalesco episódio da queima de carros e ônibus. Tiveram que engolir a ocupação dos morros e a desmoralização. Deve a sociedade preparar-se para a tréplica, ainda que o objetivo maior do narcotráfico seja continuar com seu negócio, mais faturando do que guerreando.

Caso, no entanto, comecem a atacar soldados do Exército, até para tentar recuperar espaço e faturas perdidas, monumental obstáculo se levantará diante das comemorações gerais pela vitória no primeiro round. Como sempre, os animais agirão de surpresa, covardemente, atirando e agredindo os soldados num minuto e fugindo no outro. Estarão provocando precisamente o que pretendem: a reação daqueles que foram preparados para a guerra, treinados para destruir o inimigo. Nessa hora, depois de choques e entreveros, fatalmente com vítimas entre a população, quem estará sendo mais atingido do que as comunidades até agora felizes com os acontecimentos do último domingo?

Numa palavra, a tática do narcotráfico parece de trocar o asfalto, onde queimavam carros, pelo alto do morro, onde tentarão demonstrar que as comunidades viviam melhor com eles do que com o Exército. Não é de graça que a mídia, nas últimas 48 horas, começa abrir espaços para denunciar abusos, saques e excessos de parte da tropa que subiu o morro. Foram fatos inevitáveis, próprios da natureza humana e da tensão diante de confrontos cujo resultado não podia ser previsto, mas é bom prestar atenção como e porque estão ganhando dimensão. A estratégia dos bandidos continuará sendo de exercer o controle da venda de drogas, já que fregueses, infelizmente, continuam não faltando.

SUSTENTANDO A AFIRMAÇÃO

Choveram e-mails, telefonemas e mensagens endereçadas a este velho escriba, protestando por conta da afirmação de que o narcotráfico está longe de ser debelado pela simples razão de existirem usuários e viciados aos montes. Enquanto eles estiverem dispostos a se drogar, não haverá como impedir a ação dos que vendem drogas.

Verdadeiros tratados de sociologia, psicologia e ciência política povoaram nosso computador, uns indignados na defesa dos drogados, outros alegando que os viciados e usuários sempre existiram na Humanidade, devendo ser desconsiderados como agentes motores dos confrontos. São coitadinhos, fatores desimportantes no entrevero entre a autoridade pública e o crime organizado.

Com todo o respeito e humildade, vale sustentar o raciocínio, sem conclusão nem fórmulas mágicas para mudar o mundo: as drogas não desaparecerão enquanto existirem drogados, sem que isso represente a estultice de concluirmos pela solução de interná-los no hospital ou na cadeia...

SURTO DE SENSATEZ

No Maranhão, terça-feira, o presidente Lula surpreendeu com uma palavra de simpatia por Fernando Henrique Cardoso, ao dizer que ele só não fez mais, no governo, por conta das dificuldades econômicas.

O sociólogo reagiu de bate-pronto, comentando: “até que enfim o Lula pisou no real, não na moeda, mas na realidade, num surto de sensatez”. Acrescentou que isso aconteceu antes mesmo de seu sucessor tornar-se ex-presidente.

Há quem imagine estar sendo criado um clima de menos beligerância entre os dois, por conta de um cenário que dependerá das concepções de Dilma Rousseff. Afinal, a Constituição prevê uma série de organismos auxiliares do chefe do governo, como o Conselho da República, que nunca se reuniu. Caso a nova presidente, diante de uma crise qualquer, decidir valer-se dos conselhos não apenas do antecessor, com cadeira cativa no palácio do Planalto, mas dos demais ex-presidentes, precisaria convocar ao redor da mesma mesa o Lula, Fernando Henrique, Itamar Franco, Fernando Collor e José Sarney. Uma salada mista para ninguém botar defeito.

ELEFANTE BRANCO

Conhecedores dos meandros da luta pelo poder mundial são unânimes em afirmar que um país só ingressa no clube dos poderosos quando detém, senão a bomba atômica, ao menos um submarino nuclear, eufemismo para concluir que possuindo este, disporá da tecnologia para chegar àquela.

Pois descobre-se que o ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Clifford Sobel, comentou com Washington que o esforço de nosso país para ter um submarino nuclear equivale à busca de um elefante branco. Com todo o respeito, o diplomata quis mesmo nos fazer de bobos. Fica evidente estarem os americanos utilizando todos os expedientes possíveis para impedir o Brasil de chegar lá, tanto que precisamos celebrar um acordo com a França.

HUMILHAÇÃO NÃO É

Passando do mar para o ar, pegou mal o comentário do Lula em favor da compra de um novo avião para a presidência da República, acentuando ser uma humilhação o Aerolula precisar aterrissar para abastecer, em toda viagem superior a 12 horas. Humilhação não é, mas apenas cautela diante de gastos não prioritários. Beira as raias da ostentação aplicar meio bilhão de reais na compra de uma aeronave moderníssima, só para Dilma chegar a Pequim ou Moscou sem precisar descer em algum aeroporto intermediário.


DE BRASÍLIA
ESPECIAL PARA O OLIDES II



O livro de Dom Lorenzo

O Núncio Apostólico no Brasil,Dom Lorenzo Baldisseri, escreveu um livro que intitulou A coragem de anunciar Cristo.