"O Blog dos Colegas"

 

MEMÓRIA DA IMPRENSA

Jair Soares, em 31 de agosto de 1986, cumprimenta o novo dono do Correio, Renato Ribeiro...

O dia que Breno Caldas

se ajoelhou pra pedir papel

Contam que Antônio Mafuz, publicitário da MPM, - poderosa agência de propaganda - no final do Governo de Jair Soares, depois que um favor não fora atendido pelo governador, teria desabafado para um conhecido:

- O Jair não é amigo de ninguém!

Pois Breno Caldas, quando ainda dono do Correio do Povo,precisou de Jair Soares e se deu mal.

Como narra Valter Galvani, Breno foi a Catedral Metropolitana de Porto Alegre numa noite que o governador estava lá pedir-lhe, por favor, que liberasse algumas bobinas de papel pra ele poder rodar o jornal. Era uma missa da Brigada Militar e Jair, como governador, estava lá. Percebeu aquele cidadão - que era maçon e não costumava frequentar igrejas - que veio e se ajoelhou ao seu lado.Jair contou isto a Valter Galvani em 12 demaio de 1994 que percebera com o canto do olho que o Dr. breno vinha se aproximando e que sabial qual era o assunto que trazia.

Na verdade, Homero Guerreiro, presidente da Corag, só ia liberar mais papel com a autorização de Jair, mas Maurício Sirotsky já tinha protestado, querendo também.


- Escuta Jair, não liberaram o papel

- Depois nós falaremos. aqui não dá dr. Breno.
- Vou lá para o jornal. Providencia isto, em seguida( Breno ainda falava com a autoridade dos tempos que os governadores iam lhe beijar as mãos) Jair não liberou papel que Breno esperava e poucos dias depois tanto Folha da Tarde, como Correio do Povo fecharam(

Mais tarde, Breno já um homem totalmente derrotado, queixou-se

- O Jair fez uma ursada comigo. O Jair é igual aos outros políticos.

Jair depois contou como foi o lance da Catedral pra Valter Galvani:

- Eu estava na ponta do banco e ele tinha que entrar . Por isto eu estava de pé.Ou de joelhos, não me lembro bem.

Sei que estava perto da Consagração.Eu já tinha a informação de que o Homero Guerreiro tinha fornecido o papel. Uma irregularidade. Eulhe chamei a atenção. Naquele tempo ele não tinha mais papel pra receber da T. Janer que só lhe entregava papel cash

O TROCO DE BRENO

No dia 16 de junho de 1984, ultimo dia que o Correião circulou tendo Breno como dono a edição tinha 24 páginas. E uma denúncia( cois aque raramente Breno deixava o Correio fazer)Na última página, a manchete. Servidores do IPE na campanha de Fachin. Segundo a reportagem, o TCE achou vários funcionários admitidos pelo IPE, durante a gestão de Oly Fachin, exerceram em 1981 e 82 atividades meramente eleitorais em favor das campanhas dos candidatos Oly Fachin e Jair Soares".

Foi naquele dia que Breno anunciou aos seus subordinados o fechamento do Correião e da Folha da Tarde. O Correião voltou,agora como Correinho e a FT nunca mais voltou.

 

Minha neta no La Mole do Leblon, do Rio!

Domingo, se esbaldando toda no chocolate....


Helena, neta deste repórter, ontem, no La Mole, do Rio, localizado no Leblon.

 

BALAIO

DEPois de uma sexta muito fraca, o sábado e o domingo teria feito os livreiros rirem, ou seja, as vendas subiram. O tempo colaborou, dias bonitos, principalmente ontem,domingo.Informa a Jussara, da CRL.

Balaio um

É hoje, as 18h30 os autógrafos do Elson Furini, sobre um livro de receitas que a AGE está lançando na feira do livro.O nome do livro é DE Pai para Filha, porque foi feito em conjunto com a filha.( que por sinal mora em Nova Iorque...) Ninguém entendeu porque o filho do patrão do Barranco, o Junior,não entrou como autor também deste livro se é o rapaz que dá duro o dia inteiro bodegueando na churrascaria. Mas isto são coisas internas.

Os garçons ou ex-garçons do Barranco - a churrascaria da Protásio - costumam chamar do Elson, maldosamente, de " despues" porque quando ele ingressou no Barranco, como empregado, em 1972, ele falava assim mesmo. Agora se refinou....até livro já tem na praça...


Balaio Dois

A feira é um evento..onde também se vendem livros....

" FELIZ NATAL PRO CASAL"

JOÃO CARLOS TERLDERA continua na ativa com sua coluna de política no Jornal ABC dominical. Durante muitos anos foi da Rádio Guaíba e depois da ZH onde assinava a coluna Bastidores.

Saiu da Zero em 1993 e foi pra Gazetinha, como chamavam o jornal local da Gazeta Mercantil. Durante o governo Olívio Dutra, emque Hélio Gama era o diretor da Gazetinha, o pau no governo do PT era diário...Eles gostavam principalmente de incomodar o vice-governador Rossetto chamando de ' GOVERNADOR EM EXERCICIO" porque sabiam que isto irritava sumamente o vice-governador. É que nos bastidores do Poder se dizia que Olívio era igual a "rainha da Inglaterra", não mandava nada, quem mandava mesmo, quem decidia sobres as questões de Governo era o vice, Miguel Rossetto.

Até que Terlera esticou a corda demais. Leitor voraz do Diário Oficial do EStado - onde aprendeu a descobrir furos jornalísticos - um dia, num final de ano, descobriu que o chefe de Gabinete de Olívio Dutra, Laerte Meliga fora indenizado por ter lutado contra a ditadura. Saiu no DOE o valor de sua indenização. E no dia seguinte o DOE publica a remuneração em diárias que a mulher de Laerte, a jornalista Denise Mantovani, que assessorava Olívio Dutra, receberia para viajar para a Europa pra fazer convites a autoridades para participarem do Forum Social Mundial.

Foi uma festa para o repórter mas aquele tópico foi meio a gota dágua de uma crise. Não muito tempo depois, a Gazetinha, que não tinha anúncios oficiais, desaparecia.

COLEGUINHAS

Faltando pouco menos de um ano para se aposentar orepórter político Gustava Motta que trabalhava no setor de rádio da Assembléia Legislativa perdeu a CC que era do PMDB. Mas dizem nos corredores que o presidente da casa Adão Villaverde, segurou a barra do Gustavo até ele se aposentar.

Gustavo foi repórter a vida toda na Rádio Guaíba e na TV Guaíba. Seu sonho era entrevistar o Lula presidente, coisa que nunca aconteceu. Muito entrevistou o Lula candidato, o Lula sindicalista, mas nunca conseguiu entrevistar o presidente Lula.

Coleguinhas

Programa da Maria Luiza Benitez, no último sábado, dia 29.10 foi em compota....No fim ela chamou o programa do Rogério. Claro ela não foi trabalhar e o cara que tava de plantão tocou um programa que fora ao ar durante a semana..Mas bah, parece a casa da mãe Joana


*Muitos ouvintes que eram da Guaíba FM estão hoje na Princesa FM

Do Rio


Minha neta na praia no último sábado. Ontem choveu no Rio.

De São Borja


Mas fotos do mendigo na feira do Livro que encerrou no sábado!

De São Bojra

O mendigo dá uma paradinha para contemplar a feira do Livro

Foto de Neuza Penalvo

De São Borja


Na feira do Livro....que terminou no sábado de noite...

Fotos Neuza Penalvo.


26ª FEIRA DO lIVRO DE SÃO BORJA

Estimados amigos:
Envio o Link com um trabalho jornalístico de uma aluna da UNIPAMPA, a respeito da minha exposição de livros de autores São-borjenses na 26ª Feira do Livro de São Borja :
http://feiradolivrosb.blogspot.com/2011/10/lancamento-da-26a-feira-do-livro.html
Antecipadamente agradeço pela atenção que for dispensada pelo amigo.
Abraço


Ramão Aguilar

SEM PULO E TÚNEL DO TEMPO

Olá Olides,
Permita-me remeter a Sem Pulo e Túnel do Tempo deste
sábado, que escrevo na Folha Popular de Teutônia.
Em especial a matéria no Túnel do Seu Eugenio Noll, uma figura marcante em Estrela.
Abraço e bom findi
Rudimar Thomas

A CIDADE E O RIO....

CATAMARÃ

DEVOLVE RIO A POPULAÇÃO DE PORTO ALEGRE

fotos de Maria Miriam Pazelli, da ATM - as fotos do barco são do dia 27/10, dia do ato inaugural da travessia no qual participaram as autoridades


Uma vez fui numa coletiva do Roberto Eduardo Xavier( Bodoque,de apelido) na prefeitura de Porto Alegre, ainda nos anos 70....

Não recordo bem o que era o motivo de sua coletiva. Acho que ele tinha sido nomeado pelo Villela, o prefeito, titular da SMAM, a recém criada secretaria que implantaria os parques em Porto Alegre.. Mas ele no final ficou surpreso que nenhum repórter lhe tivesse perguntado sobre o Muro da Mauá.Como ninguém lhe perguntou, ele mesmo se perguntou e respondeu:
- Eu acho o muro feio mas necessário.


Pois é fui visitar o atracadouro inaugurado na quinta passada junto ao cais B-3 no porto de Porto Alegre e fiquei surpreso com o frisson que os portoalegrenses tiveram com a chance que agora têm de dispor do porto...Antes só entrava nesta área meia dúzias de privilegiados pra estacionar os carros.

COMO FICAM

OS BARCOS QUE VINHAM

BUSCAR AS ' NAMORADAS"

Na inauguração do atracadouro do catamarã que faz o transporte entre Porto Alegre e Guaíba, muitos ocupantes dos prédios localizados na av. Mauá se perguntavam na última sexta-feira como farão agora os donos dos barcos que vinham buscar às sextas de tardezinha as " namoradas" para levar pras festas que acontecem nas casas localizadas nas ilhas de Porto Alegre.

É que aquele cais agora está sendo usado pelo catamarã que faz a travessia Guaíba-POA.

Seguramente vão arrumar outro jeito de encostar em outro local para buscar as " namoradas" comentou uma secretária que trabalha no 12 andar de um prédio da Mauá e que sempre via aquela cena nas sextas de tardezinha.

De São Borja


O Letier Vivian me escreveu querendo saber porque não fui na feira do livro desta vez. É verdade, não fui mesmo. Fiquei com preguiça de viajar 1.200 km pra vender um ou dois livros....

Diz ele que o povo perguntava por mim na rua.....Mas olha se eu acredito numa barbadinha destas....

Gostaria de ter visto o seo Muniz, de novo, com sua irreverência e má criação...

Seo Muniz tem uma bodega, ou sei lá o que é, e um dia entrei pra tomar uma cachaça...

Lamentei que estivessem querendo levar o corpo do Jango. Adorei sua resposta:

- Que levem o Jango, o Getúlio e o negro Gregório.... Nós estamos neste atraso aqui porque esta gente nunca fez nada por S. Borja.

Viramos "amigos"

Sempre que ia a São Borja, ia lá papear com ele.

Grande Muniz....

Barraca da ARI na feira do livro


A barraca da ARI na feira do livro de Porto Algre, abriu hoje, sexta,dia 28.10 apenas com os livros da Já EDitores. E uma das atendentes é funcionária da própria editora.Havia um outro livro sendo vendido, da AGE, do Lucidio Castelo Branco.


Barraca da ARI


Foi uma negociação entre a ARI e o jornalista Elmar Bones que a barraca da ARI na feira do livro acabou sendo administrada pela Já Editores. Na segunda passada, o jornalista, que é o dono da Ja Editores, não queria "assumir" a barraca. Mas acabou ficando com ela mesmo....


Barraca da ARI


Na quinta feira de noite, dia 27.10 Elmar Bones viajou para o Santinho, em Floripa. Al mare, es mejor,sabe como es....


FEIRA MIXA


NÃO SE SABE SE FOI uma broxura ( no sentido mesmo de ficar brocha) ou o que mas a feira do livro de Porto Alegre abriu hoje, sexta, dia 28/10 num baixo astral tremendo. Havia pouca gente comprando. Mais os que catavam coisas de graça e baratinhas...Pelo que estou vendo, a feira do livro já era....


Feira Mixa


E a parte de imprensa nem funcionou na tarde de hoje, 28.10....Não tinham instalado nem os computadores.


Feira Mixa

Os preços nas bancas de comida estão um roubo. A Ellen Augusta minha blogueira foi comprar um suco numa tenda e pagou 7 reais por uma merdinha de suco....


Feira Mixa

Muita gente tá ganhando grana fácil com esta feira do livro de Porto Alegre.

 

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

COMO SEGUIRAN LOS PROCESOS POR LOS CRIMENES COMETIDOS EN LA ESMA QUE AUN DEBEN SER JUZGADOS
Un desafío para el Poder Judicial
El TOF 5 acumula distintos expedientes de 780 víctimas y 70 imputados. La Comisión Interpoderes, que se ocupa del seguimiento de las causas sobre el terrorismo de Estado, aspira a que el año próximo se realice un solo juicio oral con todos esos casos pendientes.
Por Diego Martínez

El miércoles se concretaron las primeras condenas para los represores de la ESMA.
Imagen: Leandro Teysseire.
Si el primer juicio a 18 represores de la ESMA por delitos contra 86 personas demoró casi dos años, la dimensión de los expedientes que acumula el Tribunal Oral Federal 5, con 780 víctimas y 70 imputados, constituye un enorme desafío para el Poder Judicial. La Comisión Interpoderes exhortó a los magistrados a agilizar los procesos e “incluir la mayor cantidad de casos a efectos de evitar su atomización, el desgaste de las partes, de los testigos y el inútil dispendio jurisdiccional” de los órganos que administran justicia. El criterio planteado por los fiscales, jueces y funcionarios que integran la comisión creada por la Corte Suprema de Justicia, un reclamo histórico de los organismos de derechos humanos, implicará probablemente trasladar el proceso de Comodoro Py a una sala acorde al número de protagonistas y convertirá al segundo juicio a Acosta, Astiz & cía. en un caso único, de dimensiones mayores al proceso a las juntas –que incluyó 700 casos, pero con sólo nueve acusados– y al juicio de Nuremberg, que tuvo a 24 dirigentes nazis en el banquillo.
“La idea es acumular la mayor cantidad de casos, aumentar la frecuencia y la duración de las audiencias, ganar en agilidad ante los planteos dilatorios”, explica Pablo Parenti, coordinador de la Unidad Fiscal de la Procuración General de la Nación. Los objetivos son múltiples: concretar el anhelo de víctimas que reclaman justicia desde hace décadas, resolver la situación de represores que llevan años procesados, garantizar la presencia de sobrevivientes que perdieron la cuenta de las declaraciones que prestaron. En el juicio que acaba de concluir, los testigos declararon sólo sobre las 86 víctimas incluidas en el proceso. La idea es que en el próximo, previsto para el primer semestre de 2012, se explayen sobre todas las víctimas y victimarios, y no tengan que volver a declarar.
El TOF 5 concentra cinco grupos de causas elevadas por el juez federal Sergio Torres. Los “casos 1976” incluyen a 186 víctimas y 17 imputados: once de los condenados más el absuelto Juan Carlos Rolón y otros cinco acusados: Víctor Francisco Cardo, Jorge Raúl González, Roque Angel Martello, Francisco Lucio Rioja y Pedro Antonio Santamaría. Por los delitos cometidos en 1977, en perjuicio de 350 víctimas, se sumarían Hugo Enrique Damario, Carlos Jaime Fraguio, Oscar Rubén Lanzón, Jorge Luis Magnacco, Rogelio José Martínez Pizarro, Roberto Pérez Froio, Eugenio Bautista Vilardo, Julio Antonio Torti y Antonio Vañek. Murió a tiempo Carlos Guillermo Suárez Mason (h) y quedaría fuera de juego por insania el penitenciario Carlos Orlando Generoso, alias “Fragote”.
La causa por delitos cometidos a partir de 1978 y hasta el fin de la dictadura tiene quinientas víctimas y veinte imputados: tres de los condenados, los citados Damario, Lanzón y Jorge González, más catorce nuevos acusados: Paulino Altamira, Julio César Binotti, Miguel Clements, Daniel Cuomo, Juan de Dios Daer, Carlos Eduardo Daviou, Rubén Oscar Franco, Ricardo Lynch Jones, Miguel Angel García Velazco (es el hermano de Pablo García Velazco, absuelto el miércoles y no está muerto), Eduardo Morris Girling, Víctor Olivera, Edgardo Aroldo Otero, Mario Pablo Palet y Miguel Angel Rodríguez.
Por la causa “Chacras de Coria”, que además de los crímenes tradicionales de la Armada incluye el robo de bienes, están acusados seis condenados más el cuidador de caballos Aldo Roberto Maver y la ex jueza Emilia García, quien paradójicamente deberá compartir el banquillo con los marinos que tomaron de rehén a su familia tras el secuestro de su hermana, con quien el miércoles vivió la sentencia en plena avenida Comodoro Py.
Las últimas dos elevaciones fueron en 2011. La primera, por el caso de la joven sueca Dagmar Hagelin, tiene 32 imputados. Sólo tres no estaban en elevaciones anteriores: Randolfo Agusti Scacchi, Orlando González y Hugo Héctor Siffredi. La segunda reúne casos de imputados que no habían sido identificados antes, delitos que incorporó el juez Torres (los abusos sexuales del Tigre Acosta) o que la Cámara Federal ordenó investigar. La causa abarca 460 casos, la mayoría comunes a elevaciones anteriores, y 56 imputados: se agregarían los de Daniel Humberto Baucedo, Héctor Francisco Polchi, Antonio Rosario Pereyra, Rodolfo Oscar Cionchi, Guillermo Horacio Pazos, Juan Arturo Alomar, Claudio Orlando Pittana, Jorge Manuel Díaz Smith, Carlos Galián y Emir Sisul Hess por los vuelos de la muerte.
REPERCUSIONES POR EL FALLO
Satisfacción en Francia
El canciller francés, Alain Juppé, afirmó que las condenas a 16 represores de la ESMA que se concretaron el miércoles “hacen honor a la Argentina”. La abogada Sophie Thonon, que representa a las familias de las monjas francesas secuestradas por el grupo de tareas de la ESMA, celebró también el fallo que condenó, entre otros, a los represores Alfredo Astiz y Jorge “El Tigre” Acosta.
“Francia ha aportado de forma permanente su apoyo al gobierno argentino en este proceso judicial, luego de la decisión tomada en 2003 de invalidar las leyes de impunidad”, dice una declaración de Juppé distribuida por el Ministerio de Exteriores de ese país. Mientras en la Argentina estaban vigentes las leyes de Punto Final y Obediencia Debida, Astiz fue condenado en ausencia en París por los secuestros y desapariciones de las monjas Alice Domon y Leonie Duquet, colaboradoras del grupo de familiares de desaparecidos y Madres de Plaza de Mayo que se juntaban en la Iglesia de la Santa Cruz. “Tanto las familias de Alice Domon y Leonie Duquet, y yo como abogada, nos alegramos mucho de que, 35 años después, la Justicia argentina haya entregado una decisión igual a la que Francia entregó hace más de veinte años”, declaró Thonon.
Amnistía Internacional señaló que la sentencia del miércoles fue “un fallo histórico” que “pone en evidencia el esfuerzo, la perseverancia, el trabajo y el valor colectivo de instituciones, sobrevivientes y activistas que nunca claudicaron en la búsqueda de Justicia”.
También el Centro Simon Wiesenthal elogió la decisión del tribunal que condenó a doce represores de la ESMA a prisión perpetua y otros cuatro a penas de entre 18 y 25 años. “Felicitamos a la Argentina por confrontar su pasado y hacer justicia”, afirmaron en un comunicado Simon Samuels y Sergio Widder, directores de la ONG. Es “un mensaje poderoso para las nuevas generaciones que deben saber que estas atrocidades no deben repetirse”.
Fuente: Pagina 12
@@@
"Yo sobreviví para dar testimonio de los escritos de Rodolfo"
Tras las condenas anunciadas ayer en el mega juicio a los genocidas que torturaron y mataron en la ESMA, Lilia Ferreyra compañera y mujer de Rodolfo Walsh compartió sus sentimientos en una charla con CN23.


Por Guadalupe Carril

El 24 de marzo de 1977 secuestraban a plena luz del día al periodista y escritor Rodolfo Walsh. Treinta y cuatro años después fueron juzgados los imputados de la causa ESMA como autores de delitos de lesa humanidad y por asesinatos a miles de argentinos que fueron desaparecidos como Rodolfo.

Lilia Ferreyra manifestó su pesar, su recuerdo y su alegría por haber llegado (por fin) a las condenas de prisión perpetua para 16 condenados. “Estos hombres secuestraron y asesinaron amparados en la impunidad y ayer se les dio el debido proceso" manifestó la compañera de Walsh.

En torno a la actitud de Alfredo Astiz la describió como “pueril” al presentarse con un libro de titulo ofensivo para la gente que estaba presente. También destacó que “la diferencia entre justicia y venganza, se ve con la escena de ayer en la que se diferencia la vida en democracia y en dictadura”, apuntó Ferreyra.

Lilia no pudo dejar de recordar a Rodolfo Walsh, “los recuerdos están muy vividos, la última imagen que tengo es del día en que nos separamos, en constitución, recuerdo que él levanto la mano cruzando la calle y sonrió”, evocó. “Estaba disfrazado con un sombrero de paja y contento de haber podido cumplir su apuesta de enviar la carta a las Juntas para el 24 de marzo”, continuó Lilia.

“Yo sobreviví para poder dar testimonio de los escritos inéditos que tenía en la casa de San Vicente. Rodolfo, en las épocas mas duras de la dictadura, me decía que se iban a necesitar 30 o 40 años para que la sociedad argentina pueda renacer y no se equivocó”, señaló la mujer de Walsh.

“En un sentido emblemático, él escribió una carta a su hija cuando la mataron: uno de los párrafos señalaba en el verdadero cementero de la memoria yo te celebro… por lo que yo elijo celebrar a Rodolfo y a nuestros compañeros desde la memoria presente” finalizó Lilia, quien año tras año continua comunicando el legado de Rodolfo Walsh. Ese hombre.

OS AGUIAS AUTORES DA ANTOLOGIA


Ana Stoppa – Antonio Bandeira – Áurea Miranda – Bheinditta Cuggiabinna
Carlos Roberto Saraiva da Costa Leite (Beto) – Débora Irion – Fernanda Xerez – João Gomes
Hildebrando Menezes – Isabel Tisott – Jackson Galgaro – Liti Belinha
Luiz Lopez – Margot Rost – Marlla – Roberto Bordin – Roberto Jung
Rosa Groisman – Rozelene de Lima – Vera Fisch
Convidam


DIA 4/11 ÀS 18h
MEMORIAL do RGS

A incúria da prefeitura de Porto Alegre

do blog do Pires de Miranda!

O verão ainda não chegou e a abusiva ocupação das calçadas de Porto Alegre já se disseminou novamente. Há bares impedindo com cavaletes o estacionamento na rua, de modo a colocarem mesas em todo o passeio.

* Essa foto é uma clara demonstração de incúria da prefeitura de Porto Alegre: uma calçada bloqueada, obrigando os transeuntes a se esgueirarem para caminhar em uma das mais valorizadas esquinas da cidade – a das ruas 24 de Outubro com Olavo Barreto Viana. Ali há um enorme quiosque, várias mesas, dezenas de cadeiras, um banco com floreiras delimitando o espaço invadido pelo comerciante. Um inocente orelhão e um contêiner fecham a conta.

Zezé Di Camargo e Luciano brigam antes de começar o show

Do site Espaço Vital http://www.espacovital.com.br

A briga entre Zezé di Camargo e Luciano pegou os fãs da dupla de surpresa. A polêmica começou logo que Zezé subiu ao palco sozinho, por volta das 22h, ontem (27) em Curitiba (PR), no Teatro Guaíra, que estava lotado.

Em um vídeo, já postado na Internet durante a madrugada, o cantor explicou a ausência do irmão: "hoje aconteceu algo inusitado; eu e o Luciano tivemos um problema no camarim e ele foi embora do teatro. Eu poderia ficar horas explicado os motivos, mas jamais vou deixar meus problemas pessoais envolver no meu trabalho. Então, espero que vocês me aceitem no palco sozinho e o resto a gente resolve. Eu respeito vocês e estou aqui", explicou Zezé, sob os gritos - de protesto e também de apoio do público.

Vaias, aplausos, assobios, palavras de inconformidade ocuparam alguns instantes.

Trinta minutos depois, já com o show de Zezé em andamento, Luciano apareceu de surpresa no palco e também justificou a sua ausência: "Eu vou abandonar os palcos porque, realmente, está impossível para mim. Há muito tempo que venho brigando com isso e não consigo mais lidar. É uma culpa minha, e talvez da minha saúde", desabafou.

O suposto fim da dupla é o assunto mais comentado nas redes sociais. No Twitter oficial de Zezé e Luciano, a equipe escreveu: "a história de Zezé Di Camargo e Luciano não acabou. Os dois, como todos irmãos, tem seus desentendimentos. A dupla continua!".

Outro show da dupla está marcado para esta sexta-feira (28) e, talvez, poderá contar com Luciano.
Uma das duplas sertanejas mais conhecidas do Brasil, os irmãos Zezé di Camargo e Luciano lançaram o primeiro LP em 1991, com o sucesso "É o Amor".

Vindos de uma cidadezinha do interior de Goiás, os dois realizaram o sonho do pai, seu Francisco, em ter dois filhos homens que pudessem formar uma dupla sertaneja. Em dois meses a música "É o Amor" alcançou o primeiro lugar nas paradas de sucesso. Em seis meses o disco de estreia ganhava disco de platina duplo por 750 mil cópias. Em pouco mais de um ano, atingiu um milhão de cópias.

Daí por diante a carreira da dupla cresceu cada vez mais. Em 2005 a história da vida e carreira de Zezé e Luciano foi contada no filme "Dois Filhos de Francisco", batendo recordes de bilheteria no Brasil, assistido por mais de 5,3 milhões de pessoas.

Hoje (28) pela manhã, jornalistas de Curitiba informaram que a dupla ficará ativa até fim de dezembro, cumprindo os contratos. Depois, cada um dos dois artistas seguirá carreira solo.

Sobre Remindo e Charqueadas

O mais legal do site é a briga dos dois... ainda bem q o Charqueadas voltou...

Ellen Augusta

AH!AH!AH!AH!AH!AH!

Olha só a troca que a VEJA obrigou a Dilma(Lula) a fazer, MAIS UMA VEZ:

A saída de Orlando Silva e a entrada de Aldo Rebelo no Ministério dos Esportes é, sem dúvida alguma, uma vitória da imprensa, com suas denúncias quentes, e não uma vitória do governo; um desmerecimento a Orlando Silva, figura bem menor que o Rebelo, que tem maior expressão política.

Assim é que deveria ter escrito a Velhinha de Taubaté.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Direita burra

TEMPO DA VERDADE


Nos Crimes da Ditadura - 50 Anos.
No Ministério dos Esportes - Em tempo real.
Como é bom viver na Democracia!
E os caducos burros da Direita ainda sentem saudades da Ditadura!

Abraços


Luiz Oscar Matzenbacher

BAÍA DOS PORCOS: 50 ANOS DO FIASCO AMERICANO EM CUBA
"sin perder la ternura jamás",

De Buenos Aires
Gelson Farias

Fidel Alejandro Castro Ruz nasceu em 13 de agosto de 1926 em Biran, província, ex-Maia Oriente, agora Holguín, Cuba, filho ilegítimo de Ángel Castro Argiz, um imigrante espanhol rico dedicado à produção de açúcar e Lina Ruz Gonzalez, copeira. Angel Castro teve dois filhos do relacionamento extraconjugal com Lina; Angela, Ramon e Fidel. Apelidado como Fidel Hipólito não é reconhecido por seu pai até a idade de 17, quando se adquire o seu nome definitivo. De seus estudos em Santiago com os dados que ele era um estudante excepcional com uma memória impressionante, fisicamente dotado, introvertido e com falta de humor.
Por essa altura tinha experiência com discriminação infligida por seus pares, tanto na sua origem e sua falta de batismo. Em 1945, ele terminou o ensino médio em Belen, em Havana, e entrou na Universidade de Havana para começar a faculdade de direito. Em 1948 ele foi enviado para a Colômbia como delegado da Federação de Estudantes Universitários. Em 1948 ele se casou com Mirta Diaz Balart, cujo irmão Rafael era um membro do general Fulgencio Batista, que havia voltado a Cuba do exílio. Fidel Castro tenta convencer o general para liderar um golpe de Estado. Isolado, decidiu se juntar às fileiras do movimento "ortodoxos". Em 1950 ele recebeu um advogado (doutor em direito civil e diplomática) da Universidade de Havana, onde participou na União insurreição revolucionária, o grupo violento atribuído, juntamente com o Movimento Revolucionário Socialista (contra) a morte de alguns líderes estudantis. Em 1951 ele assumiu a liderança do partido ortodoxo após a morte de Chibás, um amigo de Fidel e chefe do movimento.


Fidel

Em 1952, Batista decidiu organizar um golpe de Estado para interromper o processo democrático. Fidel Castro estava no outro lado. Em 26 de julho de 1953 executou o assalto ao quartel Moncada, com Abel Santamaría, depois de não conseguir ter sucesso em sua denúncia contra a Batista por violação da Constituição cubana. Fidel derrubou um regime, violento, e dizer que ele era inexperiente, seria subestimar sua inteligência. A lógica era cometer que voltasse a forçar a criação de uma unidade política e iniciar uma luta de outro ponto de vista, mesmo com o preço elevado. Ele foi condenado a 15 anos de prisão por ser o líder da insurreição. No curso de sua vida e no julgamento (suas alegações são discursos políticos) mostra que qualquer meio é válido para chegar ao poder: a morte, demagogia, mentiras descaradas. Seu próprio irmão se opõe à passagem da anistia.



Fidel Castro e Mirta Diaz


Cartas de Amor de Fidel


Em 1954 ele se separou de Mirtha Díaz Balart, que lhe deu um filho, Fidel começa um relacionamento com Nati Revuelta cujo fruto é a Alina Fernandez Revuelta nasceu em 1956. Atualmente e desde então partes a sua vida com Dalia Soto Vale com quem tem cinco filhos: Alexander, Alexis, Anthony, Alex e Angel. As cartas breves são também muito bonitas, e como elas vêm com mais freqüência eu as prefiro. A alegria de uma carta não consiste só no conteúdo quando a gente está presa, mas também na chegada de um envelopinho conhecido que esperamos com carinho e impaciência. Todas as tuas cartas são sempre amenas, interessantes e gratas; incansavelmente prazerosas. As formas delas são variadas como essas estrelinhas que parecem brilhar com uma luz diferente a cada dia.



Fidel Castro


Minha cara Natty Revuelta, Janeiro 31 de 1954

Mas se você escrevesse um mesmo parágrafo cem vezes, eu gostaria do mesmo jeito da última do que da primeira. Olha, já que eu falei de estrelas: qual a diferença entre um raio de luz e outro raio de luz? Nenhuma. Porém, neles sempre há uma cor diferente. Um beijo é igual a outro beijo, mas os amantes não cansam nunca. Há frases que são beijos, há um mel que jamais enjoa. Esse é o segredo das tuas cartas. Fazia dias que eu estava por te pedir para que de vez em quando deixasses a máquina e escrevesses à mão. Você pode fazer com as mais curtinhas para não levar muito tempo. Adoro os traços da tua letra delicada, feminina, inconfundível (...). Não interessa que eu demore mais em te dar um abraço apertadíssimo, tão forte que eu te esprema como uma flor entre as mãos, não foi preciso te ver para que agora eu deseje mais do que faz meses, tão só através da maravilhosa graça e o aceso carinho das tuas cartas, breves ou longas.


Natalia Revuelta e a filha Alina

Quando ainda era um jovem com idéias revolucionárias, Fidel Castro viveu uma grande paixão com Natalia Revuelta, conhecida como Natty. A história foi secreta, pois Fidel estava preso após a tentativa frustrada de assalto ao Moncada e Natty estava casada com um membro da burguesia cubana.
Com uma escrita poética, ao gosto de Che Guevara, ou seja, "sin perder la ternura jamás", o futuro comandante expressa o seu amor através de metáforas sobre o comprimento das cartas e o estilo da letra da mulher amada. Do relacionamento nasceu em 1953 Alina Fernández Revuelta, que depois virou inimiga do pai e foi para Miami. Natty continua morando na ilha...

Uma vez liberado para o exílio nos Estados Unidos e México, eles criaram o "Movimiento 26 de Julio", cuj2a a flamejante bandeira vermelha e preta seria vista tremulando por toda a ilha cubana. Mas a violência e o uso de armas necessário para encontrar um canal era muito mais coerente e organizada. Treinamento de guerrilha ocorreu no México, sob a direção de Alberto Bayo, espanhol Exército Republicano Capitão. Em 2 de dezembro de 1956, a bordo do Granma, lá estavam 81 escaladores, incluindo Che Guevara, considerado o migo inseparável do Hombre. Poucos dias após o desembarque são capturados e quase mortos por forças de Batista. Em 18 de dezembro daquele ano, voltam a se reagrupar em Sierra Maestra e continuar a luta que durou dois anos até o poder de decisão final, ocorrido no dia 8 de janeiro de 1859. Com a ajuda moderada, de parte da população, Fidel cria outro braço armado no norte da ilha. A idéia de Fidel fora importante, pois o grupo armado operacional, faz Batista fugir da ilha. Com isso, sob a liderança de Fidel Castro acontece à unificação dos grupos, que ele chamou de "Integrated Organizações Revolucionárias" base para o futuro Partido Unido da Revolução Socialista, depois do Partido Comunista Cubano. Assim, o tempo vai passando e Fidel é nomeado Primeiro-Ministro e Presidente da República de Cuba. Fidel é atualmente presidente do Conselho de Estado e presidente do Conselho de Ministros e Vice-Assembléia Nacional do Poder Popular. A principal medida introduzida foi a entrincheirar-se no coração do povo cubano-imperialismo, sentindo-se estranho para eles. Fidel Castro tem hoje, 85 anos de idade. Fidel está entre os líderes mundiais há mais tempo no poder - durante o período em que ele esteve à frente do governo cubano, os Estados Unidos foram governados por nove presidentes Seu irmão Raúl hoje o atual presidente de Cuba, está com 80 anos.

“Todos os métodos são válidos, com o apoio da ex-URSS. Nacionalismo para o comunismo e anti-imperialismo são os fatores essenciais de sua permanência no poder”.


Che Guevara, o amigo de Fidel


Che Guevara era grande amigo de Fidel Castro. Em nove de outubro de 1967, Ernesto Che Guevara morre na selva boliviana. Na foto, Fidel e Che, em 1960:

Em 1961, ele produziu a famosa Baía dos Porcos tentada por dissidentes cubanos apoiados pelos Estados Unidos, rejeitou sem muito esforço e graças à falta de determinação de Kennedy. Fidel dirigiu pessoalmente as forças na invasão da Baía dos Porcos. Em 1968 nacionalizou todos os estabelecimentos que estavam em mãos privadas. Mais tarde faz a publicação do seu primeiro livro "Pensamento Político, econômico e social", depois "A História me absolverá", "Fidel e a Religião" e "crise económica e social do mundo." A queda da União Soviética marcou o declínio de Cuba e o início de uma estrada difícil para Fidel Castro andar, desta vez sozinho, em um mundo crescentemente globalizado, que não acredita mais na propaganda populista. Em outubro de 2000, Castro faz ujm acordo concordou com a Venezuela para a implantação de um sistema de cooperação que incluía a compra de petróleo venezuelano em condições preferenciais. Em abril de 2002, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução sobre a situação dos direitos humanos em Cuba. Fidel Castro é, sem dúvida, um dos líderes mais famosos da história, que por si só não é sem mérito, é o mito da conjugada realidade.

50 anos do fiasco americano em Cuba

Aprovada pelo ex-presidente americano Dwight Eisenhower e assumida por seu sucessor John F. Kennedy, a operação começou no dia 13 de abril quando zarparam da Nicarágua os navios com os expedicionários da Brigada 2506, e treinados em bases secretas neste país e na Guatemala. Na manhã de 15 de abril seis aviões B-26 com falsas insígnias cubanas bombardearam duas bases aéreas em Havana e Santiago de Cuba (sudeste). Com o ataque, a CIA esperava liquidar a força aérea cubana. Em menos de 72 horas, os invasores foram derrotados: 156 mortos nas fileiras de Fidel, 107 entre os invasores; 1.189 prisioneiros foram trocados com os Estados Unidos por 53 milhões de dólares em medicamentos e alimentos, em 1962. A derrota se constituiu em um desastre político para Kennedy, que resistiu até o último momento a enviar apoio aéreo de que os invasores afirmavam necessitar.



Fidel Castro conversa com os invasores presos na Baía dos Porcos

Até hoje, os exilados cubanos que participaram da invasão à Baía dos Porcos custam a acreditar no enorme fracasso desta operação secreta organizada pela CIA para derrubar Fidel. Muitos lembram a confiança que tinham quando foram recrutados em Miami pela agência de inteligência americana, e a sensação de segurança de que teria por trás uma força militar americana que não aceitava derrotas. A baía, de águas turquesa e areia branca, é agora local obrigatório do turismo revolucionário, que abriga dois hotéis, dois museus e onde, nos últimos meses, proliferaram pequenos comércios em função da reforma econômica do presidente Raúl Castro. Uma anedota bem conhecido que Fidel era um estudante em suas apostas loucas brincando com seus companheiros, em uma aposta que ele pudesse bater a cabeça contra uma parede depois de ser expulso de sua moto a toda velocidade também aponta para sua cabeça e um minutos de inconsciência, ele ganhou a aposta. Quando em 1962 a Rússia pediu para ser o primeiro a usar armas nucleares contra os Estados Unidos, quando o país do Norte desafiou a histeria, talvez Fidel Castro jogou apostas, mas desta vez as feridas não voltaram a cicatrizar.

Findi

1) Vaiar o Ronaldinho no Olimpico

2) nova barca pra Guaíba


3) boa mostra de filmes no Santander

Imprensa


Começou a circular o Metro em Porto Alegre. jornal gratuito. Afora umas bobagens, como maior jornal do mundo, até que não é ruim...

Tiragem de 40 mil exemplares e impressão no Grupo Sinos.

Coleguinhas

Gelson Farias teve ontem uma longa conversa com o presidente do MJDH.

Farias está com muito material do tempo da repressão na Argentina.

- Engraçado, disse ele, ontem, depois que eu comecei a publicar estes artigos tenho visto muito coisa na imprensa de Porto Alegre. Antes não davam nada....


Pode ser Gelson, às vezes é mera coincidência, ou então é a lei do Lavoisier...tudo se copia.

Feira

Começa hoje a feira do livro de Porto Alegre.

A Barraca da ARI foi repassada para a Já Editores.Sem poder ter a sua própria, a editora Já vai vender na barraca da ARI os livros que edita e de outros jornalistas.

Memória do Jornalismo

Das Barrancas do rio Taquari


Eugênio Noll, morto na última segunda feira em Estrela, aos 88 anos, era mesmo um fanático pelo time que jogara, o Estrela e pelo qual torcia.

Durante os jogos, fumava às vezes alguns maços de cigarros Continental, por causa do nervoso.

E quando João Carlos Terlera, que fora da rádio Alto Taquari se mudou pra Porto Alegre, ele o orientava pra ir sempre nas quintas na Federação gaúcha de Futebol pra saber qual seria o juiz escolhido pra apitar o jogo do domingo seguinte do Estrela.

É que Noll queria ter uma conversinha com o juiz....

assuntos extra campo....

Eugênio dizia a Terlera:
- Vai lá na federação, eu te pago o táxi, Mulato( uma mania que ele tinha de chamar todo mundo de Mulato)

Só que Terlera não precisava de táxi: trabalhava numa rádio que ficava ao lado do prédio da Federação no centro de Porto Alegre.

Terlera desconversa pra não ir ver quem seria o juiz, porque sabia que Noll com seu fanatismo pro time poderia tentar fazer qualquer tipo de pressão antes do jogo sobre o mesmo...


*O fanatismo de Eugênio Noll pelo time do Estrela chegava ao ponto dele alugar parte de um colégio, o Cristo Rei, pra que os jogadores ficassem concentrados dias antes dos jogos. E que a turma gostava de beber, principalmente um centroavante muito famoso na época, o PREGO...

*Às segundas,depois dos jogos de domingo, era o dia que os jogadores do Estrela FC iam no cabaré Pingo Verde, que ficava no bairro Oriental.O cabaré era da dona Dileta e tinha umas 20 mulheres, lembra João Carlos Terlera. E a dona também era de Muçum, como o repórter da então rádio Alto Taquari.

* Mazzarino editou uma revista GENTE em Lajeado. Mas até a foto do colunista João Carlos Terlera foi feita pelo fotógrafo Marcos Couto, da Assembléia Legislativa.


*João Vilmar Borges de Quevedo tinha um programa na rádio Alto Taquari que tocava tango. Chamava-se A MEDIA LUZ....

Pra fazer um charme, ele passava a mão no microfone para fazer um barulhinho, pra dar um clima.

João Carlos Terlera seu colega na rádio, o advertia:

- Este teu ruído no microfone não tá com nada, Vilmar.

Os dois, além de colegas, eram amigos. Iam na moto do Quevedo pros cabarés da região....


*Eugênio Noll ficou cerca de um ano sem trocar uma palavra com João Carlos Terlera. É que o amigo escreveu uma matéria na Folha da Manhã " contra" op prefeito Gabriel Mallmann(PMDB) que era o xodó de Eugênio.

Tudo porque Mallmann tinha feito uma doação de um terreno pra uma fábrica de cachaça em Estrela. Deu CPI e Eugênio Noll não entendeu como o amigo foi fazer uma matéria contra o prefeito.

- Eu ia no restaurante do Lagemann, na rodoviária de Estrela e o Eugênio ficava passando ida e volta pra tomar seu cafezinho, Eu estava lá com minha mãe mas ele nem cumprimentava...

*Depois de um ano, Eugênio voltou a falar com Terlera.


*Rudimar Thomaz que escreve na Folha de Teutônia viu na segunda passada a popularida de Eugênio Noll. Quando chegou na rodoviária, o fiscal do EXpresso Azzul chegou pra ele e disse:

- Sabes quem morreu hoje? O velho Noll.

Rudimar foi no velório de Eugênio. Lá contaram muitas histórias a respeito do dono da rodoviária...como por exemplo, que ele colocava os colonos alemães a dormir dentro da própria rodoviária quando eles perdiam o ônibus ou não tinham dinheiro pro hotel. Na madrugada do outro dia, ele chegava ainda noite fechada e os acordava.

*João Carlos Terlera disse que Eugênio tinha um aparelho pra anunciar a partida dos ônibus e que ele colocou de forma a ouvir dentro da rodoviária sua própria voz.

Mas ficava muito alto e dava reverberação.

O pessoal da rádio Taquari arrumou para ele.


*A banca de jornais da rodoviária de Estrela foi fechada dias atrás pelo Denarc, por acusação de venda de drogas. EStá reaberta.


*Paulo Quevedo, dono da Folha de Estrela e seu pai, João Vilmar não mantém as melhores relações


*Será dia 26 a festa dos 80 anos do Estrela FC. Dos cinco ex-jogadores que seriam homenageados. dois morreram pouco tempo atrás: Eugenio Noll e Portinho. Os outros tres são Guaraci Fischer e mais dois.


DIA DE SOL PLENO

INAUGURA CATAMARÃ

Num dia de sol pleno foi inaugurado o barco que faz a ligação fluvial entre Porto Alegre e Guaíba. O ato inaugural ocorreu em Guaíba, junto a estação hidroviária. De lá um grupo de autoridades veio dentro do catamarã até o B-3 em Porfto Alegre.

O barco funciona hoje normalmente durante o dia...

ao preço de 7 reais por pessoa. Ele demora 20 minutos para realizar a travessia.

Pista

A raposa felpuda que me deu a pista de que o deputado Mike Breier estaria " mandando" na nova administração de Gravataí - prefeito Nadir Rocha, do PMDB - foi um dos que vi mais trabalhar na campanha de Antônio Britto, no comitê perto do aeroporto.

Enquanto aquela turma de " festivos" dava a eleição de Britto como certa, este assessor e Antônio Lorenzi - que até pouco tempo esteve na Carris - trabalhavam mandando material para o interior.

Depois ele trabalhou na assessoria do governador Germano Rigotto. É irmão de um jornalista da área esportiva, que tem um blog.

Tribuna

CASSAÇÃO DE RITA SANCO(GRAVATAI)


bastidores!


MIKE DÁ O TROCO

EM DANIEL BORDIGNON


Na cassação da prefeita Rita Sanco(PT) de Gravataí, tem muitos bastidores. Um dos que rola é que foi também um troco que o deputado do Mike Breier Volmir José, do PSB) estaria dando no deputado Daniel Bordignon por supostas escaramuças entre os dois. Como se sabe, Mike é de Cachoeirinha mas foi vereador e vice-prefeito de Gravataí, na gestão de Daniel Bordignon. Agora, os dois estão na bancada estadual e teriam quebrado os pratos, como se diz.

No gabinete do deputado estadual Mike Breier, a informação é de que ele " não se meteu no assunto". É que ele é marido da vereadora e professora Anabel Lorenzi( que ontem publicou artigo em ZH contrapondo ao artigo da ex-prefeito acusando a sua cassação como um " golpe") que votou pela cassação.

Rosane de Oliveira, em ZH, pouco antes da votação, deu uma pista: quem tinha tentado demover o PSB de votar pela cassação de Rita,encontrou o partido resoluto, não querendo voltar atrás, algo assim como de pratos quebrados.

Na verdade, a bronca é entre Mike Breier e Daniel Bordignon. E os dois estão em partidos que estão coligados no Governo Estadual.

Ontem, este repórter,enquanto caminhava na pracinha da Encol, pegou a pauta: ao cruzar com uma raposa felpuda , um assessor que trabalha na Assembléia Legislativa, pegou a pista de que não apenas o deputado Marco Alba(PMDB) está dando as cartas em Gravataí, na nova administração, mas também o deputado MIke Breier.

 

Tribuna


ADELI SE CONFORMA

E VAI DE NOVO A VEREADOR


Depois de 15 anos de mandato - que serão comemorados no dia 10 de novembro, as 19 horas, junto ao Mercado Público de Porto Alegre, com o lançamento de uma revista - o vereador Adeli Sell tinha aspirações a ser prefeito de Porto Alegre.

Mas já achou que não passará pelos empecilhos que o próprio partido lhe coloca - talvez numa outra oportunidade - e se conforma pra ser vereador de novo.

Mas quer fazer uma grande votação pra tapar a boca de alguns, segundo se comenta nos bastidores.

Há quem ache que ele pode ser o vereador da bancada mais votado....

SAIU NA IMPRENSA


clique na imagem para ler


NA ZH DE ONTEM, a vereadora Anabel Lorenzi, do PSB (são apenas dois) respondeu a um artigo da prefeita cassada de Gravataí, Rita Sanco(PT).

A " briga" entre PT e Oposição acabou com o mandato da prefeita, que por enquanto está sendo substituída pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Nadir Rocha.

Mas em 15 de novembro, os vereadores vão eleger o novo prefeito pra cumprir mais um ano de mandato.

Não necessariamente será o atual em exercício.

A Camara é composta por um vereador do DEM, 3 do PMDB, 4 do PT, dois PSB ,2 PV(vieram do PT) 1 do PP, um do PTB.

Seminário debaterá democratização da mídia

Mídia, democracia, regulação, liberdade de imprensa e de expressão: estes serão os temas centrais do seminário promovido pela Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (AJURIS), Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores de Comunicação (Altercom) e Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, no dia 3 de novembro, em Porto Alegre. O evento será na Escola Superior da Magistratura (rua Celeste Gobbato, nº 229, bairro Praia de Belas). A programação do encontro é a seguinte:


8h30min – credenciamento


9h às 12h – Abertura e 1º Painel


Democracia e Liberdade de imprensa


Presidente de mesa: Leoberto Narciso Brancher – Conselheiro de Comunicação da AJURIS


Participantes:


Claudio Baldino Maciel – Desembargador TJRS


Paulo Henrique Amorim – Jornalista do site Conversa Afiada


Pascual Serrano – Jornalista espanhol


Breno Altmann – Jornalista e Diretor da Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores de Comunicação (Altercom)


Juremir Machado – Jornalista do Correio do Povo e Rádio Guaíba e professor da PUCRS


15h às 18h – 2º Painel e Encerramento


Regulação e Liberdade de expressão


Presidente de Mesa: Ronaldo Adi Barão Castro da Silva – Assessor da Presidência da Ajuris


Participantes:


Eugênio Facchini Neto – Desembargador do TJRS e professor da Escola Superior da Magistratura e da PUCRS


Franklin Martins – Jornalista e Ex-ministro da Comunicação Social do Governo Lula


Venício Lima – Jornalista, Sociólogo e Professor da UNB


Luiza Erundina – Deputada Federal PSB (a confirmar)


Elton Primaz – Jornalista, chefe de Redação do jornal O Sul


Bia Barbosa – Jornalista e integrante do Conselho Diretor do Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social


As inscrições podem ser feitas

Troca com vantagem para o país

Remindo, vou te contar uma história com estas tuas provocações com o Serginho ( isto é amor enrustido,sabia....)

Uma vez o Protásio Alves, que hoje é nome de avenida aqui em Porto Alegre, se irritou com os três cachorros que tinha e que viviam brigando. Um vizinho foi aconselhá-lo a se desfazer de dois. Ele disse:
- Mas eu gosto dos três!

Troca com vantagem para o país


A saída de Orlando Silva e a entrada de Aldo Rebelo no Ministério dos Esportes é sem dúvida alguma, não uma vitória da imprensa e suas denúncias vazias, mas uma vitória do governo, sem desmerecer a Orlando Silva, Rebelo é uma figura de maior expressão política. Numa democracia, os ministros não são eleitos pelo povo e se um cai em desgraça, o governante promove outro, sem crises maiores dentro do governo. Dilma que tinha herdado grande parte dos ministros de Lula, e mais dia, menos dia, iria refazer o ministério com com suas indicações.
A volta
O Serginho de Charqueadas não resistiu e votou. Segura o homem, Olides, não deixa mais ele escapar.


Remindo Sauim

Coleguinhas


Gisele Ortolan, da assessoria do deputado (Volmir José) Mike Breier(PSB) estará neste findi em Guaporé onde sua vó comemora 95 anos de vida.


Gisele é filha de Mário Ortolan.

Depois de trabalhar 10 anos no Jornal do Comércio, agora está em assessoria.

ILHA DAS FLORES:
RETALHOS DE UM TEMPO
Há 47 anos serviu como prisão para presos políticos na ditadura

Gelson Farias
Jornalista


O Regime Militar foi instaurado de 1964 e estendeu-se até a Redemocratização, em 1985. O plano político foi marcado pelo autoritarismo, supressão dos direitos constitucionais, perseguição policial e militar, prisão e tortura. O AI-5 foi o mais abrangente e autoritário de todos os atos institucionais. Reforçou os poderes discricionários do regime e concedeu ao Executivo o direito de determinar medidas repressivas específicas, como decretar o recesso do Congresso, das assembléias legislativas estaduais e das câmaras municipais. O governo podia censurar os meios de comunicação, eliminar garantias de estabilidade do Poder Judiciário e suspender a aplicação do Habeas Corpus em caso de crimes políticos. No final de 1983, as oposições lançaram a campanha por eleições diretas para presidente.
O Ministério da Justiça liberou totalmente o acesso ao Arquivo Nacional para 12 representantes de perseguidos políticos e familiares de mortos e desaparecidos durante o regime militar, que, segundo o governo, procuram identificar torturadores e assassinos da ditadura. Os pesquisadores são ex-ativistas ou parentes de atingidos pelo período autoritário. O pedido de acesso foi feito pela Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. O trabalho não poderá sofrer nenhuma restrição do Estado. A decisão consta da Portaria 1.668, de 20 de julho de 2011, do ministro José Eduardo Martins Cardozo, publicada no Diário Oficial.
E por falar em ditadura, uma parte da história do Rio Grande do Sul se encontra a deriva no meio do Guaíba. A Ilha do Presídio, que foi depósito de pólvora nos tempos do Império e já se chamou Pedras Brancas, serviu como laboratório de pesquisa da peste suína na década de 1950 e hospedou prisioneiros a partir de 1956. Em l964, foi local de prisão para presos políticos no Rio Grande do Sul. Em quatro de abril de 1983, o governador Jair Soares mandou fechar a prisão.

Vista da antiga lha Presídio

Neste intervalo, vários inquéritos e depoimentos apontaram a tortura física e psicológica como expediente utilizado por membros do governo e grupos militares com o objetivo de controlar a população. A tortura com choques elétricos e o pau-de-arara, eram os métodos utilizados com freqüência. Assim, vou apresentar, nesta lista, 10 tipos mais conhecidos de tortura utilizados durante o Regime Militar. De certa forma, falar de Tortura Psicológica é redundância, considerando que todo o tipo de tortura deixa marcas emocionais que pode durar a vida inteira. Porém, havia formas de tortura que tinha o objetivo específico de provocar o medo, como ameaças e perseguições que geravam duplo efeito: fazer a vítima calar ou delatar conhecidos.


O pau-de-arara

O Pau-de-Arara consistia numa barra de ferro que era atravessada entre os punhos amarrados e a dobra do joelho, sendo o conjunto colocado entre duas mesas, ficando o corpo do torturado pendurado a cerca de 20 ou 30 centímetros do solo. Este método quase nunca era utilizado isoladamente, seus complementos normais eram eletro choques, a palmatória e o afogamento. O Choque Elétrico foi um dos métodos de tortura mais cruéis e largamente utilizados durante o regime militar. Geralmente, o choque dado através telefone de campanha do exército que possuía dois fios longos que eram ligados ao cor¬po nu, normalmente nas partes sexuais, além dos ouvidos, dentes, língua e dedos. O acusado recebia descargas sucessivas, a ponto de cair no chão. A Pimentinha era uma máquina que era constituída de uma caixa de madeira que, no seu interior, tinha um ímã permanente, no campo do qual girava um rotor combinado, de cujos termi¬nais uma escova recolhia corrente elétrica que era conduzida através de fios. Essa máquina dava choques em torno de 100 volts no acusado.

No Afogamento, os torturadores fechavam as narinas do preso e colocavam uma mangueira, toalha molhada ou tubo de borracha dentro da boca do acusado para obrigá-lo a engolir água. Outro método era mergulhar a cabeça do torturado em num tanque ou tambor cheio de água (ou até fezes), forçando sua nuca para baixo até o limite do afogamento. A Cadeira do Dragão era uma espécie de cadeira elétrica, onde os presos sentavam pelados numa cadeira revestida de zinco ligada a terminais elétricos. Quando o aparelho era ligado na eletricidade, o zinco transmitia choques a todo o corpo. Muitas vezes, os torturadores enrolavam na cabeça da vítima um pano molhado misturado com sal grosso, onde também eram aplicados choques. Vários tipos de Agressões Físicas eram combinados às outras formas de tortura. Um dos mais cruéis era o popular "telefone". Com as duas mãos em forma de concha, o torturador dava tapas ao mesmo tempo contra os dois ouvidos do preso. A técnica era tão brutal que podia romper os tímpanos do acusado e provocar surdez permanente. A grande maioria de mulheres e homens torturados, não resistiu.
Fonte: Tortura Nunca Mais.

O primeiro caso de fuga da ilha foi em 1956 do estelionatário Júlio de Castilhos Petinelli. Em menos de três meses, Petinelli ficou encarregado da cozinha e lavava os panelões no Guaíba. Ele descobriu que com dois panelões grandes e um remo improvisado poderia chegar ao bairro de Ipanema.. Em uma noite escura, ele e um companheiro remaram durante dez horas até chegarem a um barco próximo da margem. Em terra, contudo, a Polícia os esperava. Atualmente, a ilha abriga as ruínas do antigo presídio. Apenas as estruturas dos prédios onde ficavam a sala da guarda e as celas ainda resistem às intempéries. Além disso, as guaritas estão parcialmente destruídas.




Lembranças de um tempo ruim


Nos dois extremos da ilha, duas guaritas continuam em pé, apesar de quebradas. As pichações espalhadas lembram a todo o momento datas marcadas a tinta. Contrastam com o clima austero da prisão, com suas paredes grossas, grades deterioradas e minúsculas janelas no teto das 10 celas. Hoje, há silêncio entre aquelas paredes, quebrado unicamente pelo som do vento e da água batendo nas pedras. O tempo parece ter acumulado tristezas, e não desejos, de prisioneiros que conviviam com falta de espaço, água, comida, e excesso de sujeira. Outro inimigo eram as cheias do Guaíba, que lotavam as celas de água. Na penumbra das celas, sem nada para fazer, dezenas de presos somente tinha na cabeça a vontade de fugir.

Entre os muitos casos envolvendo a Ilha das Pedras Brancas que ganharam repercussão é do preso político e ex-sargento do Exército Manuel Raymundo Soares. Em 24 de agosto de 1966, ele foi encontrado morto nas águas do Guaíba, com as mãos amarradas e sinais evidentes de tortura. O crime, conhecido como “Caso das mãos amarradas”, motivou uma série de discussões quanto ao tratamento dispensado aos presos políticos no Estado. Manoel falava de um desejo constante: rever sua esposa. Sonhava em viajar com “Betinha”, logo que saísse da prisão. Um pedido era repetido seguidamente:
“Meu amor... Assim que eu sair da cadeia, mando um bilhete para encontrá-la”. Ele não teve esse tempo.


Entre os ambientes da ilha. Aqui nestas paredes cravada por balas, lugar em que os presos do passado foram torturados como alvos de um paredão.


Em 1964, com a ditadura militar, presos políticos passam a ser enviados à ilha;
1972 - Raul Pont e Carlos Araujo são transferidos para a ilha;
1973 - A prisão é desativada pela primeira vez, após a morte de Eduardo Alves da Silva, um ladrão de automóveis preso irregularmente;
1980 - O seqüestro do cardeal dom Vicente Scherer motiva a reativação do presídio pelo governador Amaral de Souza;
Abril de 1981 - Comissões de direitos humanos vistoria o local, após denúncias de maus-tratos a presos
Em seis de setembro de 1981, o estelionatário Jardelino de Barros foge da ilha de caiaque;
25 de fevereiro de 1982, o veleiro do juiz Monte Lopes é metralhado por guardas que suspeitaram ser uma tentativa de ataque à ilha;
18 de setembro de 1982, os traficantes João Carlos Faleiro e Hector Martins Thomaz morrem afogados durante fuga;
Por decreto do governador Jair Soares, no dia 4 de abril de 1983, a ilha e fechada oficialmente.


Policiais conduzindo presos.


“Uma coincidência”
Carlos Araújo


Carlos Araújo observa o cárcere onde esteve detido em 1972 de sua residência...
O ex-deputado Carlos Franklin Paixão de Araújo surgiu na primeira safra da resistência à ditadura militar de 1964. Foi preso em agosto de 1970 da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), organização de esquerda que propunha a luta armada e presa durante o regime militar.
“Fui pego em São Paulo e me levaram para o Dops. Fui torturado violentamente! Durante o processo de tortura tomei uma decisão: a de me matar. Durante um depoimento eu menti, e disse que tinha um encontro marcado com o Lamarca no dia seguinte pela manhã. Escolhi um lugar que era fácil para me matar: uma Avenida da Lapa (Bairro de São Paulo) que passava carros em altíssima velocidade. Eu havia decidido me jogar. E foi o que aconteceu comigo: eu me atirei embaixo de uma Kombi e fiquei bastante ferido. Fiquei no hospital, mas depois de um tempo voltei para a tortura. Sobre o que aconteceu com sua esposa, na época ele conta que...
Conta que conheceu Dilma Rousseff ( atual presidente da República) durante os deslocamentos para responder por crime político. Foi preso e interrogado por Romeu Tuma, ex-diretor do DOPS... Antes da VPR, militou no Partido Comunista Brasileiro (PCB). Aos 14 anos foi detido pela primeira vez, pichando muro em Porto Alegre em defesa de "O Petróleo é Nosso". Seu pai, Afrânio Araújo, foi um renomado advogado. Faleceu em 1974. Carlos namorava a atriz Bete Mendes, outra militante de esquerda. Depois viveu um tempo com a também militante Vânia Abrantes, até conhecer Dilma no presídio Tiradentes, em São Paulo. Os dois se apaixonaram na prisão.
“A Dilma foi presa em frente ao Jornal O Estado de S. Paulo. Como todos os demais, foi torturada na Oban (Operação Bandeirante). Ela foi condenada três anos e cumpriu toda a pena… A Dilma sente muito orgulho do que fez! Ela não ficou com seqüelas. Felizmente. Ela entrou na cadeia nova e saiu nova… Não deixa de ser uma ironia… Eu moro beira do rio Guaíba em frente à Ilha do Presídio, onde fiquei preso por quase um ano. A Dilma não participou de ações armadas. Não era o setor dela. Ela atuava em outros setores. Orgulhamos-nos do que fizemos, mas isso não quer dizer que somos desprovidos de uma visão crítica. Tínhamos uma visão idealista que entrava em choque com a realidade. Mas não renunciamos nada; temos orgulho do que fizemos. Mesmo agindo incorretamente, às vezes.” Disse.

Segundo o ex-deputado, a rotina dos presos era levantar pelas 8h e tomar café. Depois, uns iam trabalhar e outros, para o lazer. Trabalhavam como artesão, confeccionando objetos de couro para vender. Tinham espaço para bater bola e dava para nadar no verão. Entre as pessoas que costumavam visitá-lo na ilha estava a hoje presidente Dilma Rousseff. Nas visitas semanais, parentes e amigos podiam levar comida, livros e revistas. Muitas obras de autores, considerados de esquerda de eram acondicionados em meios a outros livros e assim passaram sem problemas. Além de Carlos Araújo, outros presos como o deputado Raúl Pont, Índio Vargas, Bona Garcia, entre outros, foram hospedes da Ilha Presídio. Carlos Araújo narra que: Eram uns 40 presos políticos e uma meia dúzia de presos comuns. Eram presos que estavam recolhidos no porão da Oitava Distrital, da Protásio Alves. Mas não era apenas do lado de dentro das celas que se sentia o isolamento. Por ordem superior, os brigadianos, por castigo, ficavam presos na Ilha, por semanas. O Ex-deputado lembra que havia um plano de fuga, montado dentro do presídio pelos presos políticos.


O que restou do presídio

“Teríamos que conseguir uma metralhadora e levar o armamento para dentro da prisão. A metralhadora seria utilizada para render o pessoal das guaritas. Tudo foi acertado e, discretamente, uma peça de cada vez chegava com a ajuda de um soldado que simpatizava com a causa”.
Em dezembro por causa de um episódio ocorrido lá no Rio de Janeiro, o plano de fuga, muda. Militantes, resolveram seqüestrar o embaixador suíço. Com isso, eles teriam condições de pedir a soltura de presos políticos. Por causa deste fato, tudo ficou mais difícil. As outras partes da metralhadora não vieram. Assim, ficamos mais isolados ainda, na Ilha. Precavidamente, os presos decidiram se livrar das partes da metralhadora que tinham conseguido juntar até então. Tudo foi jogado, peça por peça dentro do rio. Segundo ele, só pode se compreender uma situação assim, adversa, quem realmente passa por isso. Todos nós de alguma forma, ficamos com traumas das torturas sofridas anterior aos interrogatórios. Muitos dos presos, à noite, tinham pesadelos. Alguns gritavam como se estivessem sendo torturados.

E por falar em presídio, esta pequena Ilha, medindo 100 metros de extensão por 60 de largura, localizada entre o bairro de Ipanema, na zona sul da cidade de Porto Alegre e Guaíba. Entre os anos de 1857 e 1869, o governo construiu ali duas casas para servir de depósito de munição, que era monitorado por um tenente imperial. Também por ter sua ótima localização e uma visão privilegiada, servia para monitorar as embarcações que entravam no canal. Alguns anos depois, o arsenal foi transferido e a ilha caiu no abandono até que, no final dos anos 60, foi transformada num presídio de segurança máxima com o intuito de abrigar presos políticos. Inclusive estiveram presas ali algumas personalidades que depois vieram a se tornar grandes políticos da cena gaúcha. Vários fatos ficaram marcados na história do presídio, como o caso do policial que veio a falecer na própria ilha e acabou sendo enterrado por lá mesmo. Até pouco tempo atrás poderia ainda ser vista no local onde ele foi enterrado uma cruz e alguns dizeres com o seu nome. Há também a história de existir um poço onde dentro eram jogados os presos que morriam na ilha.


Somente as ruínas do antigo presídio mostram hoje o que sobrou ainda de pé das estruturas do prédio que abrigava a sala da guarda e o local onde ficavam as celas. O piso e o telhado da guarda já foram destruídos pela ação do tempo. Partes de todas as grades das celas foram corroídas e roubadas por vândalos.
Hiroxima
Cidades, igrejas esquinas, sobre o resto que sobrou das cinzas.
Mãos postas para o alto clamam... Deus salve Hiroxima.
O povo reza e proclama a alma, num choro lento numa voz infinda.
O que restou da fortaleza alvo... A morte lenta de um povo a minga.

Gelson Farias
Jornalista

Histórias de La Ùndeze


MARIDO MATA MULHER COM

14 FACADAS!

Ainda hoje, serafinenses que moram fora ou mesmo alguns na cidade, relembram o crime do Euclides Pavan, o " Nenê" ocorrido em 1/09/1966.


a primeira casa à direita, foi o cenário de um crime que abalou Serafina: Acervo de Olidia Bollis

Ambos os personagens estão mortos:vou transcrever a narração do crime conforme está no meu livro COSI LA ZE STATA.

" Na noite de 1/09/1966 o pedreiro Euclides Pavan("Nenê) - já falecido - estava na sua ronda noturna do Frigorífico Ideal S/A quando foram avisá-lo que sua mulher, Else Iesbik, estava com um funcionário do DAER( algumas versões dizem que era da CEEE) na própria casa.Ele andava desconfiado que ela o traía. Na noite do crime, o amante(ocasional) recém tinha entrado quando Pavan chegou e flagrou os dois. Deu um tiro no rival, que se jogou no chão, fingindo-se de morto. Em seguida, matou a esposa, com 14 facadas. Ato contínuo apresentou-se à Polícia dizendo os motivos pelos quais fizera o ato que acabara de cometer.O amante conseguiu fugir. Ninguém nunca mais soube o nome dele, muito menos seu paradeiro(alguns maldosos dizem que está correndo até hoje)


a única foto de Else está no túmulo do cemitério de Serafina!

A casa onde residia Else e Euclides, que está na foto, ao lado do Feijão Cru, ficava perto do frigorífico Ideal( hoje é a Perdigão e a casa ainda está lá....)

O pedreiro foi a júri popular, realizado no Salão Paroquial Paulo VI, nome do papa da época.

Seu advogado foi Trindade,de Guaporé( que veio a ser sogro de Irceu Gasparin, prefeito de Serafina).

Na cadeia em Guaporé, ele conheceu sua segunda esposa. Depois de solto, voltou a beber e morreu de cirrose depois de ter trabalhado para o engenheiro Luiz Roque Cervieri.

O pedreiro ficou mal após o crime.

O CORPO FORA DO CEMITÉRIO


O padre Francisco Lollato, um grande moralista e com grande força na época, não rezou missa para a defunta, muito menos queria que fosse enterrada dentro do cemitério:
- Foi a primeira grande injustiça a que assistia na vida, conta o hoje dentista Luis Carlos Montanari, filho do prefeito Amantino.
O irmão de Else, Delise, é mais condescendente com o padre Chico:
- Naquele tempo, disse ele, havia muita burocracia. Por isso, não rezaram a missa.

Mas não entrou em detalhes.
Oraldo Rodrigues, advogado,defende a atitude do Padre Chico.Rezar missa ounão, é um direito canônico, não civil, alerta Rodrigue.s

DIVISÃO DE

OPINIÕES


Foi um caso que tumultuou a cidade.

Uns ficaram a favor do marido( a maioria) outros acharam brutalidade demais no seu gesto.

Pessoalmente esta tragédia me afetou: vi meu pai e minha numa manhã, enquanto tomavam mate, discutindo sobre este assunto:

meu pai defendia a atitude do marido, minha era contra.

Em julho de 2008 conversei sobre o episódio com dois irmãos de Else. Um deles, Zelindo, que tinha um barzinho no Posto Pacassa ,fechado em 14 de março de 2009, depois de 14 anos de funcionamento, não quis dar opinião. Mandou procurar o irmão Delise, um grande contador de histórias nos bares de Serafina.

Delise me recebeu e foi gentil. Respondeu a minhas perguntas dizendo que ela era turca e não polaca, como muita gente dizia.Depois de morar na colônia, Delise veio para a cidade e ficou um tempo na casa do cunhado e da irmã. Me disse que o marido tratava muito mal a mulher. Chegou a abandoná-la um certo tempo e depois voltou.
O júri popular foi acompanhado por estudantes da Faculdade de Direito de Passo Fundo. O advogado de defesa do criminoso alegou legítima defesa da honra. O túmulo de Else, que fica na parte mais antiga do cemitério, tem uma foto dela. É a única dela que ficou. Nem a família tem ainda qualquer coisa. A que coloquei aqui eu copiei do túmulo. Seu irmão,ainda condoído com a tragédia da irmã, tantos anos depois, diz que a irmã era muito bonita.

Juarez Tosi, colega, que trabalha no Ministério Público Federal recorda o fato devido a repercussão na cidade que era formada na sua maioria por imigrantes italianos muito católicos.

Jantar de aniversário do Fortunatti

Convites feitos para a janta do aniversário do prefeito José Fortunatti estavam custando 30,00 reais . Alguns jornalistas receberam o comunicado mas só pagando. Mas jornalista sem espaço, bem entendido. Tá cheio por aí....

BOA PAUTA

IEDA VAI DE BARCA

BRUNO DE ONIBUS

( pAUTA EU ME ODEIO)

Hoje, lás pelas 9 e pouco da manhã, IEDA RISCO vai de barca até Guaíba e outro repórter BRUNO BERTUSSI fará boletim dentro de um ônibus. É a típica pauta EU ME ODEIO...O PROGRAMA É O GUAIBA CIDADES....

Mas a idéia é boa. Vamos ver no que dá a matéria.

TEATRO COLISEO: CRISTINA ENCERRA CAMPANHA ELEITORAL

CRISTINA DE KIRCHNER SERÁ REELEITA?


De Buenos Aires
Enriqueta Sollares


A certeza tem fundamento, pois na Argentina não há um sistema estruturado de partidos políticos, a oposição mostrou-se incapaz de forjar alianças. Por Gianni Carta, de Buenos Aires. Cristina Fernandéz de Kirchner será reeleita na presidencial de domingo 23. Ela adentrou o palco do Teatro Coliseo sexta-feira em Buenos Aires, com olhar de vitória. Confetes celestes e brancos, as cores da bandeira argentina, choveram na candidata do Partido Peronista. Ministros, governadores, dirigentes da central operária CGT e as Mães e Avós da Praça de Maio a aplaudiram de pé numa platéia apinhada de correligionários para prestigiar a futura presidente a encerrar sua campanha na capital.
Neste país isento de um sistema estruturado de partidos políticos, a oposição mostrou-se incapaz de forjar alianças e encontra-se fragmentada. E após as primárias de 14 de agosto legendas foram impedidas de formar coalizões, de acordo com a legislação em vigor. Nesse quadro pouco atraente para a oposição, os candidatos à presidência, incluindo o socialista e governador de Santa Fe, Hermes Binner, melhor colocado da oposição segundo pesquisas de intenção de votos, contentam-se com um segundo lugar – em miúdos, meros 15% dos votos, se muito. Duas pesquisas divulgadas nesta sexta-feira mostravam que o apoio a Kirchner está em 53,2%. Isso a coloca mais de 40 pontos à frente do rival mais próximo, o governador socialista da Província de Santa Fé, Hermes Binner. Binner tem um apoio de 12,4%, acima dos 11,6% do mês passado, e consolida sua posição como rival mais próximo de Kirchner, mostrou a pesquisa do Management & Fit.
Em terceiro lugar nas duas pesquisas apareceu o deputado social-democrata Ricardo Alfonsín, que tinha apoio de 7,8% e 9,5% nas sondagens.

Cristina Kirchner no seu último evento política da campanha eleitoral no Teatro Coliseo.

E, como é sempre o caso, a maior força de um candidato é uma economia bem engrenada, caso, pelo menos na aparência, da Argentina sob Cristina. Com crescimento do PIB de 9,2% em 2010, os argentinos “crêem que a economia vai bem”. Disse Adrian Ventura, articulista do diário centrista La Nación. O povo consome como se estivesse rico, emenda Ventura. Mas, infelizmente, não se dá conta que está protegido, pelo menos por ora, por meios de transferências, subsídios e acordos salariais generosos.
O futuro de Cristina no poder parece no mínimo turbulento, e, de forma geral, o argentino parece preferir não mexer no time enquanto ele vence. Essa linha política, de qualquer forma, parece render frutos para objetivos eleitorais. Pesquisas de intenção de votos apontam – já no primeiro turno – a vitória de Cristina, com entre 51 e 55% dos votos. “A questão não é se Cristina vai ganhar, mas por quantos votos a mais ganhará de seus adversários”, sintetizou Alfredo Catoira, diretor de informática da Corte Suprema de Justiça, de 60 anos. Para ser eleita, Cristina precisa superar 45% dos votos. Também vence se obtiver o apoio de 40% do eleitorado, caso o segundo colocado esteja ao menos 10% na retaguarda. De fato, já nas primárias, realizadas em 14 de agosto, Cristina angariou 50,07% dos votos. Em outras democracias, vale exprimir, obter pouco mais de 50% da confiança do eleitorado não é nada de notável. Na França de Nicolas Sarkozy, por exemplo, a oposição esquerdista continuou a ter forte impacto na política.

Alfredo Catoira, diretor de informática da Corte Suprema de Justiça,
Carismática, exímia oradora, essa advogada de 58 anos, tem méritos. Conheceu o marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, falecido no final de 2010, na universidade. Mudou-se de sua cidade natal, La Plata, capital de Buenos Aires, para Santa Cruz, na Patagônia, de onde era oriundo o marido. Lá, Cristina, como o marido, construiu sua carreira política. Juntamente com o marido, criou o Kirchnerismo, um suposto continuísmo do peronismo. Foi deputada, senadora, cumpriu um mandato como presidenta. Na Casa Rosada, já presidenta a partir de 2007, lidou com questões como abusos de direitos humanos, e legalizou casamentos do mesmo sexo. Forjou elos com sindicatos. Como o marido, promoveu o Kirchnerismo. No plano internacional, a presidenta Cristina voltou a negociar com o Fundo Monetário Internacional. Fez mais: deu início a novas negociações com as dívidas da Argentina com o Clube de Paris. Tanto na Argentina como a nível internacional, era inevitável que ela fosse comparada à mítica Eva Péron.


Eva Péron.
Evita, a lendária ex-dançarina de cabaré conquistou as massas ao lado de seu marido Juan Domingo Perón, mas jamais seduziu as classes médias e altas. Quiçá Cristina foi mais longe: ela conquistou todas as classes sociais, incluindo as mais endinheiradas. Só não conseguiu seduzir Buenos Aires. Assim como Evita, Cristina tem carisma, gosta de se vestir bem. Mas as comparações aí terminam. Cristina nasceu em berço da classe média, Evita, a dançarina de cabaré, vinha de meio pobre da sociedade rural. A carreira meteórica como política de Cristina distingue-se daquela de Evita, esta impossibilitada de aliar-se ao marido oficialmente no campo político devido à resistência dos militares – e das elites.

Carismática, Cristina Kirchner cultiva a memória do marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, falecido no final de 2010.
Ademais, Evita tinha um câncer que a matou aos 33 anos. Quando ocupou o cargo de presidenta pela primeira vez, Cristina tinha 54 anos. Seu filho já tinha 30 anos. Diferenças à parte, no final da tarde de sexta-feira no Teatro Coliseo, aqui em Buenos Aires, era difícil distinguir a oratória de Cristina daquela de Evita.
“Não tenho rancores de ninguém”, anunciou Cristina. “Temos de deixar de lado as questões menores”, para encontrar um “ponto de união com o objetivo de superar as diferenças sem perder a identidade.” Acrescentou Cristina:
“Convoco todos os dirigentes do país à unidade nacional para trabalhar uma Argentina diferente”.
A presidenta quis também mostrar como a Argentina está integrada nesse bloco emergente que é a América Latina. Faz sentido o posicionamento de Cristina. E é preventivo: diante de uma crise global que poderá afetar as commodities argentinas e deixar o Brasil vulnerável, melhor estreitar os laços com o poderoso vizinho.
Resumiu Alcadio Oña, do diário Clarín: “Dançamos ao ritmo da soja e da economia brasileira”.
“Somos gente do Mercosul, do Unasul (União das Nações Sul-Americanas)”, afirmou Cristina no seu discurso no Teatro do Coliseo. “Somos orgulhosamente latino-americanos e se fizermos uma integração inteligente poderemos ser protagonistas do século XXI porque como região produziu alimentos e energia.”

Trajando um vestido negro, em luto por Néstor, Cristina recordou o marido. Agradeceu aos “milhões de argentinos” que a ajudaram neste ano particular. “Tanto como presidenta como mulher.” Voltou-se então para os filhos, Máximo, de 32 anos, e Florencia, de 21, e, lágrimas nos olhos, disse: “Ele (Néstor) está em todos os lugares, mas neles está mais do que em nenhuma parte”. Uma fonte, professora de direito da Universidade de Buenos Aires, que prefere não ser citada por ter tido problemas para ser promovida no mundo acadêmico e jurídico devido às preferências de Cristina para certos postos, é crítica em relação ao uso da presidenta da imagem do marido morto. A oposição diz que ela usa um pieguismo do mais baixo nível para seduzir o povo.

Cartaz de Cristina Kirchner por toda a Buenos Aires.
Cristina continua a construir a imagem de seu falecido marido para ganhar maior popularidade. Por exemplo, o mausoléu de 600 metros quadrados de Kirchner, avaliado em milhões de pesos, a impor-se num modesto cemitério de Rio Gallegos, na Patagônia, com inauguração prevista pra dia 27, escassos dias após a eleição, tem um valor simbólico.
O Kirchnerismo vive, mas agora sob a tutela de Cristina.
O Kirchnerismo, de fato, é outro movimento que parece, no mínimio nebuloso. Baseia-se numa nostalgia por um passado ambíguo, no qual movimentos de diferentes tendências ideológicas se confundem. E, como disse Alfredo Catoira, o diretor de informática da Corte Suprema de Justiça, esse “pêndulo a oscilar entre direita e esquerda faz parte da sabedoria do hábil Perón”.
O motivo?
“Nos anos em que esteve no poder, Perón soube unir todos os movimentos para seu proveito.”
De Perón, admirador de Mussolini, nasceu essa corrente peronista que engloba nacionalismo, independência internacional e um governo forte. Como diz a professora de direito da Universidade de Buenos Aires, Perón trouxe coisas positivas como os direitos aos trabalhadores.
No entanto, o nacionalismo, “último refúgio do patife”, como já dizia no século XVIII o doutor Johnson, hoje é coisa para o lixo.
Se por governo forte entende-se ajuda ao povo em momentos de crise econômica, tudo parece correr dentro dos trilhos. Contudo, Perón, Mussolini e outros líderes com inclinações autocráticas não são exatamente flores que se cheirem.
Na adversidade são capazes de tudo. E por vezes não medem as conseqüências de seus atos. Em 1955, quando Perón quis passar legislação legalizando a prostituição e o divórcio, oponentes no exército bombardearam a Plaza de Mayo. Quase 400 pessoas perderam a vida.
“Sofremos muito sob Perón”, resumiu Angelita Catoira, professora e diretora aposentada de Segundo Grau.
Aos 81 anos, Catoira não aceita, ao contrário dos mais de 50% que votam em Cristina, o fato de os Kirchner terem se enriquecido, em suas palavras, “vendendo a Patagônia aos chilenos”.
Isso aconteceu em El Calafate, pequena cidade na província de Santa Cruz, na Patagônia. Lá os Kirchner fizeram fortuna comprando e vendendo casas, lotes, apartamentos, hotéis, etc. Desde que chegou à Casa Rosada, em 2003, o casal multiplicou em 1.000% o patrimônio da família. De 2,8 milhões de reais pularam para uma cifra de 29 milhões de reais.
Houve investigações sobre o enriquecimento dos Kirchner. Mas o processo foi arquivado. O motivo? Um judiciário que, parece claro, funciona mal. Mesmo assim, nas urnas não pesa esse suspeito enriquecimento dos Kirchner. Elisa Carriò, candidata presidencial da Coalizão Cívica, foi objetiva: ”Às vezes as máfias são eleitas”.
Talvez Carriò exagere. Mas até que ponto?
“Veja, a maneira como se enriqueceram os Kirchner é criticável, mas nada foi provado”, pondera Catoira, o diretor de informática da Corte Suprema de Justiça.
E por que ele vota em Cristina?

Inevitável comparar Cristina com Evita, embora um analista atilado possa perceber diferenças profundas. Foto: AFP
“Voto na sua política social, que tem crédito. Cristina construiu novos hospitais, escolas, cientistas argentinos no exterior estão voltando para este país. Voto, em outras palavras, na sua gestão. Além disso, os outros candidatos não têm credibilidade. Não sabem sequer falar.”
O engenheiro com especialização em informática e passado como militante da Juventude Peronista acrescenta: “Perón dizia que a realidade é a verdade, e quando os Kirchner chegaram ao poder a economista deste país era um desastre”.
A economia cresce, mas…
De fato, ao chegar no poder em 2003 Néstor Kirchner definiu a economia deste país como um “inferno”. O índice de pobreza era de 58%, o nível de desemprego superava os 20%, o PIB despencava.
O país havia se tornado um pária de mercados financeiros internacionais desde 2001, quando o governo anunciou o calote de cerca de 100 bilhões de dólares, o maior da História.
Os Kirchner conseguiram melhorar o quadro. Como dito acima, o PIB cresceu 9,2% no ano passado. Nos últimos três anos, o desemprego caiu de 10% para 7%.

DIFERENÇAS DE ESTILO


Por Carlos Chagas


Não poderia ser outro o desfecho da crise no ministério dos Esportes. Orlando Silva teve o tempo necessário para evitar o vexame de ser demitido, ainda que com a fórmula milenar de pedir demissão. Esperneou da mesma forma que Antônio Palocci, Armando Nascimento, Wagner Rossi e Pedro Novais. Nelson Jobim foi uma caso à parte, tanto por sua exoneração não estar relacionada com denúncias de corrupção quanto pelo fato de ter provocado a presidente Dilma até o limite da paciência dela.
De qualquer forma, são seis ex-ministros em dez meses, evidência de que alguma coisa mudou no país. A Fernando Henrique e ao Lula faltaram coragem e determinação para as correções necessárias ao bom funcionamento de suas administrações. Cada substituição motivada pelos motivos de sempre constituiu para eles, senão conivência com os malfeitos, ao menos complacência. A diferença de estilo entre os dois antecessores e Dilma está na rigidez com que ela conduz sua equipe. Mesmo dando a cada um a oportunidade de defender-se e provar inocência diante das acusações, a presidente demonstra ter um limite. Orlando Silva ultrapassou o dele. Não é mais ministro.
DEMOLIÇÃO, MAIS DO QUE FAXINA
Anuncia-se para os próximos dias decreto da presidente da República suspendendo por um mês todo repasse de verbas federais para as ONGs. No caso, todas, de modo a que os ministros tenham tempo de separar as fajutas das honestas. É tempo bastante para identificar as arapucas criadas por partidos e grupos empenhados em roubar os cofres públicos a pretexto de prestar serviços à sociedade. Tomara que seja o primeiro passo para o exercício da semântica, porque se são Organizações Não Governamentais, que vão buscar recursos fora do governo, na iniciativa privada.
Aguarda-se, também, medidas capazes de identificar as empreiteiras que matreiramente mamam nas tetas do tesouro nacional, super-faturando obras e impondo contratos aditivos de ante-mão programados para faturarem o dobro ou mais do acertado. Os escândalos, pelo jeito, seriam maiores do que os praticados pelas ONGs.
Chamou a atenção o reconhecimento do presidente da Associação das ONGs de que elas são 340 mil no Brasil inteiro. Claro que uma parte sã e outra podre. Infelizmente, sobressaem estas, cujas origens valeria identificar. Demolir as estruturas viciadas dará mais trabalho do que fazer faxina, mas como dizia autor hoje não muito citado em seu próprio país, toda grande marcha começa com o primeiro passo.
E OS DECRETOS SECRETOS?
Agora que o Senado aprovou projeto de lei já aprovado na Câmara, proibindo o sigilo eterno de documentos oficiais, inclusive os ultrassecretos, ressurge a esperança de virmos a saber, dentro de oito anos, o conteúdo dos decretos secretos assinados pelo então presidente Garrastazu Médici em 1970. Explica-se: aberrações como essas recebem no máximo 50 anos de segredo. Assim, em 2020 poderemos tomar conhecimento integral dos ridículos textos publicados no Diário Oficial, onde se lia: “Decreto Secreto número X. Assinado, Garrastazu Médici, Orlando Geisel Alfredo Buzaid e outros”...
Nem Kafka engendraria situação igual, ainda que os artífices dos decretos secretos justificassem sua existência citando o Vaticano. Vaticano? Isso sim, porque em especial quando inimigos da Igreja do Silêncio perseguiam e puniam padres atuando em seus territórios, o Papa dispunha do poder de nomear “cardeais in pectore” ou seja, sem que ninguém soubesse a não ser os próprios.
PUNIÇÃO, SIM, CENSURA, NUNCA
Excepcional intervenção fez o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, ontem. Para ele, abusos e até crimes praticados através dos meios de comunicação devem ser punidos com o máximo rigor. Mas, pela lógica, depois de praticados. Será censura estabelecer punições a priori, antes de os crimes e abusos terem sido cometidos. A imprensa não está nem acima nem além da sociedade. A Constituição é clara, preceituando a liberdade de expressão e a ausência de qualquer censura, mas remetendo à lei estabelecer a defesa do indivíduo e da sociedade.

FAXINA DA VEJA


Os cinco ministros que a Veja obrigou que saíssem do Governo Dilma, uma grande faxina, tendo em vista a corrupção, falcatruas, malfeitos, ou seja lá o nome que se dê, vieram do governo Lula; na verdade o dito governo Dilma nada mais é do que o terceiro mandato do Lula; como ele não pode concorrer diretamente, ela foi colocada em seu lugar como laranja.
Alguém, de sã consciência acredita que os votos dados para ela, na eleição de 2010, foram para ela mesmo?
No dia 23.10 o Jornal O GLOBO, para desgosto de velhinha de Taubaté, estampou esta manchete: A CORRUPÇÃO AUMENTOU MONUMENTALMENTE. Na matéria, um cientista político disse que o problema sempre existiu, mas foi intensificado no governo Lula, que "perdeu o controle".
Na Zero Hora de 27.10, no artigo Lições tardias do denuncismo, de Cleber Benvegnú (advogado e jornalista) que trata da grita do PT e seus periféricos pelas denúncias de agora, há a seguinte passagem:
"Durante as décadas em que foi oposição, o PT e seus afins - PCdoB aí incluído - foram useiros e vezeiros em protagonizar essas arenas. Pressupunham-se detentores de uma ética superior e intocável, algo que supostamente os alçava à condição de juízes finais da nação."
Depois, a partir do mensalão, viu-se que era tudo ILUSÃO DE ÉTICA, embora eles procurassem parecer honestos, ao invés de "serem honestos de verdade", ao contrário da mulher de César, à qual não bastava ser honesta, mas tinha que parecer honesta, também.


SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

AINDA A GUERRILHA

DO ARAGUAIA!

Na quarta fui assistir na mostra do Santander o Araguaya - a Conspiração do Silêncio de Ronaldo Duque. Havia meia dúzia de gatos pingados no cinema...um deles, meio louco, quando viu o que tratava o filme, caiu da boca...Quem vai se interessar por esta parte da História do Brasil? só um que outro professor, que vai levar seus alunos a ver este tipo de filme.
Ah, sim o filme tem até a recuperação da imagem do JN, da Globo, do dia que o presidente Emílio Médici inaugurou a Transamazônica...

Se não me engano divisei na imagem " um colega" nosso que ficou bastante marcado por ter trabalho com a ditadura...e não era o Serginho Ros.
Mas também tinha uma escola que havia agendado . O filme não era novidade pra mim, já o tinha visto...é aquele que tem um romance entre um padre frances que está na região e uma guerrilheira.

Fui ao apanhado do Elio Gaspari sobre a guerrilha do Araguaia e encontrei alguns relatos dele sobre a forma com que os combatentes foram trucidados.

Eis um deles:
Na tarde de 24 de outubro , numbanhado da grota da Borracheira, a guerrilha do Araguaia teve o seu mais famoso combate. Acompanhada por um menino, a guerrilheira "Sonia" resolveu descalçar as botinas e lavar os pés.`Por parteira e pelos conhecimentos de medicina, era uma das " paulistas" mais populares da região. Na volta não achou o calçado. Pensou que fosse brincadeira, até que se viu diante de uma patrulha. Esse encontro foi narrado pouco tempo depois pelo general João Baptista Figueiredo, chefe do Gabinete Militar de Medici:

- Houve uma menina (...) Vêm aqueles rastreadores na frente e eles vêm cem metros atrás. Desconfiaram de qualquer coisa e recuaram.Recuaram e então o pessoal veio. E veio um major na frente , pela picada no meio da mata.E encontrou uma moça escondida atrás de uma árvore com uma metralhadora na mão....

- Vem cá minha filha, o que tu estás fazendo aqui?

- A mulher respondeu:

Guerrilheira não tem nome. A resposta de guerrilheiro é esta. E deu uma rajada no major.Aí o pessoal começou a atirar nela...Quando ela caiu tinha quarente e poucas perfurações de calibre 22.

E Gaspari prossegue:

Sônia não foi surpreendida , mas emboscada por uma patrulha que achara as suas botinas. Não tinha submetralhadora.Atirou de revólver. Acertou o capitão Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, que quando chegara ao Araguaia levava o nome fictício de Marco Antônio Luchini, e era chefe do Incra.(despiste...)

Gaspari diz que a cena paternal narra antes foi pura fantasia de Figueiredo.
O diálogo entre eles não ocorreu antes dos tiros, mas depois que Sônia alvejara os dois oficiais e estava ferida no chão, ferida e satisfeira:" Uau,tem gente ferido aí..." Na lembrança de um mateiro de Exército, a conversa foi outra:

- Qual é o teu nome?

- Guerrilheiro não tem nome, seu filho-da-puta. Eu luto pela liberdade.


O General Hugo Abreu que comandava a tropa paraquedista, contou anos depois a seguinte história"

- Lembro-me de um casal que matamos. eles mataram um major e eu tive de mandar matá-los A moça devia ter uns vinte anos e era belíssima, o rapaz uns 25. Digo a vocês que não senti ódio dos guerrilheiros. No caso desse casal, o que senti foi pena ( entrevista dada em 23 de agosto de 1978).

Gaspari corrige o depoimento do general: Não morreu major nenhum no Araguaia.

A guerrilheira não foi morta por ordem de ninguém, mas na cena do combate em que feriu os dois oficiais. O acompanhante de Sônia não tinha 25 anos, nem morreu. Era um adolescente e fugiu. Foi achado depois e sobreviveu à guerrilha.

Gaspari vai narrando o fim da guerrilha:

No final de novembro ( de 1973) um grupo de oito combatentes dissolveu-se na cabeceira de uma grota. " Chico " foi abatido com um tiro no peito enquanto procurava jabutis. Por ordem do " Dr. Silva" o tenente-comandante da patrulha, foi degolado por um mateiro. Cícero Pereira, morador da região, lembraria: ajudei a carregar a cabeça dele num saco pelo meio da mata. Pesava tanto que até parecia um corpo inteiro".

O FIM DA GUERRILHA

A guerrilha do Araguaia começou a acabar na segunda semana de dezembro. Os quadros do PC do B no Araguaia eram 44.Camponeses, só dois.

A maior parte dos combatentes juntou-se numa só coluna de 23 pessoas. Outros quinze guerrilheiros convergiriam para um morrote na região de Palestina, perto da Transamazônica. Lá acampou a comissão militar.

Os guerrilheiros sabiam que deixavam rastro e se deram conta de que havia militares por perto.Encontraram papel higiênico no caminho.

Seus comandantes( da guerrilha) sabiam que o inimigo capturara e mantinha presas cinco pessoas que conheciam os hábitos, os objetivos e boa parte das trilhas dos combatentes. Um dos presos era " Josias" ex-estudante de medicina que acabara de completar 24 anos".

O NATAL FÚNEBRE

DOS GUERRILHEIROS

Em 25 de dezembro de 1973 os guerrilheiros foram surpreendidos e fustigados por três patrulhas - 30 homens bem armados - e ali perderam sua condição de força militar organizada.

Eram pelo menos 35, metade do efetivo que vira chegar o Exército em 1972. Dos quinze, ou dezesseis, combatentes do acampamento apenas quatro restabeleceram contato com o pedaço da guerrilha cujos movimentos foram registrados por um ex-combatente. Escaparam " Osvaldão" e a temida Dina, que padecia de uma crise de malária.

A ação das patrulhas dispersara os combatentes e desarticulara o seu sistema de comunicações.Os depósitos de mantimentos e pontos de referência tornaram-se armadilhas.

Narra o ex-combatente Arroyo que na floresta no dia 29 de dezembro de 1973 se reuniram 25 guerrilheiros. " Mostrou-se a gravidade da situação e destacou-se que este era o período mais crítico que atravessava a guerrilha. Acentuou-se que outros povos já tinham passado por momentos muito dificeis e vencderam porque persistiram na luta. Ninguém manifestou o desejo de sair..."

A guerrilha( o que sobrou dela) dividiu-se em cinco grupos, e cada um partiu na manhã de 30 de dezembro. Um foi emboscado à tarde e é possível que tenha se dissolvido.Outro dissolveu-se três dias depois. Seu chefe foi morto e os quatro combatentes restantes dispersaram-se. Entre eles " Rosa" e " Cristina"
Depois de duas semanas de caminhada, Arroyo e seus cinco acompanhantes acamparam numa capoeira.A guerrilha foi se extinguindo.

Dela só há um relato assumido de oficial combatente. É do capitão Pedro Cabral, feito 20 anos depois, já na reserva:

- A guerrilha já não era mais guerrilha. Era uma caçada levada a termo por verdadeiros monstros.

Cabral revelou que helicópteros sobrevoaram a selva com alto-falantes por meio dos quais se oferecia a rendição dos guerrilheiros. Quem a aceitou,foi assassinado.

Os comandantes militares produziram apenas um documento, da Marinha, no qual está registrada a suposta data da morte de cada guerrilheiro.

" Beto" o último dos 3 irmãos Petit da Silva foi preso em abril, com dois outros guerrilherios, quando foi à casa de um lavrador em busca de sal.

Um deles mal podia caminhar.( Nos cinco anos seguintes , vivendo em São Paulo, a costureira Julieta, mãe dos três Petit da Silva, acreditou que eles estariam no exterior ou na prisão. Pelo resto de sua vida colocou uma flor ao lado do retrado de Maria Lúcia no dia de seu aniversário, retirando-a somente quando as pétalas caíam . Restou-lhe um caal de filhos.

Coleguinhas


*Fiquei sabendo mais babados da demissão da EllenBraun da rádio Guaíba. Eles a convidaram pra fazer o programa da rua, junto com o Mendelski, mas ela segundo sua versão - ela contou prum amigo - não aceitou.

*Ellen Braun ganhava pouco mais que dois mil reais por mês na Guaíba. Antes de sair de lá já tinha entrado pro setor de rádio do TCE a convite de um ex-deputado do PT, que hoje cuida da imprensa do TCE.

Divisão dos bens de falecido entre suas duas companheiras

Do site Espaço Vital

A juíza da 3ª Vara de Família, Sucessões e Cível da Comarca de Goiânia (GO), Sirlei Martins da Costa, homologou acordo firmado entre duas mulheres companheiras do mesmo marido, já falecido, e determinou que o seguro de vida seja dividido igualmente. O homem faleceu em junho de 2010 e cada uma das mulheres entrou com uma ação de reconhecimento de união estável no juizado, com a intenção de receber o seguro de vida e a pensão previdenciária deixada por ele.

Segundo os autos, as companheiras do homem mantiveram união estável com ele ao mesmo tempo, sem que uma soubesse da existência da outra.

As mulheres concordaram em dividir os bens do falecido e o seguro de vida deixado por ele. O homem era motorista de ônibus e pela profissão precisava se ausentar de casa com frequência, em função de viagens. Isso lhe permitiu manter uniões paralelas sem o conhecimento das famílias envolvidas.

O Código Civil prevê em seu artigo 1.723 que, para determinar se uma união é estável, é necessária “a convivência pública, contínua e duradoura estabelecida com o objetivo de constituição de família”. Baseada no dispositivo, a magistrada entendeu que as duas mulheres mantiveram relacionamento duradouro com o falecido.

“Ambas as autoras juntaram documentos firmados pelos locadores dos imóveis em que viveram com o falecido, comprovando a convivência comum, sob o mesmo teto, durante anos”, pontuou a sentença.

Para a juíza, as duas mulheres viveram de forma ética e de acordo com o comportamento afetivo imposto pelo Direito, porque cada uma se relacionava com o falecido sem conhecer a outra. “O transgressor da boa-fé, o único que poderia, portanto, sofrer as consequências de seu comportamento desviado, faleceu”, explicou a magistrada. (Com informações do TJ-GO)

A PRESIDENTE DILMA

No telejornal "Bom Dia Brasil", na quarta-feira, 26, a apresentadora Renata Vasconcelos chamou a presidente Dilma Rousseff de "a presidente Lula". Ela e Chico Pinheiro comentavam a decisão do Senado de facilitar o acesso a documentos públicos nos três poderes da República.

Comento:

Nada mais correto. Como Lula não pode ser candidato ao terceiro mandato, a Dilma foi escalada como laranja, para representá-lo; os eleitores não votaram nela, mas no terceiro mandato do Lula; ela é o Lula na presidência.
Se ela tivesse continuado no PDT do Rio Grande do Sul e este a tivesse lançado como candidata à Presidência, qual teria sido seu percentual de votos? Ínfimo.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS-RS

ELEIÇÕES NA ARGENTINA E A CRISE ECONÔMICA DE 2001

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares

As eleições argentinas lembram o décimo aniversário da crise de 2001, que marcou o país. Depois de manter o peso argentino atado ao dólar norte-americano durante uma década e privatizar as estatais, a Argentina mergulhou em uma recessão no final dos anos 1990. Varias tentativas de adotar medidas de ajuste, para pagar os credores, fracassaram. A última medida, o congelamento das contas bancárias para evitar a saída de capitais, levou milhares às ruas em dezembro de 2001. Houve saques a supermercados, panelaços e protestos nas portas dos bancos. O resultado foi à renúncia do então presidente Fernando de La Rua e um vazio político. Naquele período, a Argentina teve cinco governantes em apenas duas semanas. Entre eles, o peronista Adolfo Rodriguez Saa, que ficou no governo apenas uma semana e decretou a moratória unilateral da divida externa. Foi sucedido por outro peronista, Eduardo Duhalde, que desvalorizou o peso, convocou eleições para 2003 e começou a colocar a casa em ordem. Em 2003, o governador de Santa Cruz, Néstor Kirchner, foi eleito com apenas 22% dos votos.
"Tomamos a decisão de sair da crise, sem programas do Fundo Monetário Internacional (FMI), que são sempre recessivos, veja o que está acontecendo na Grécia agora", explicou Roberto Lavagna, ex-ministro da Economia de Duhalde e de Néstor Kirchner, num programa de televisão na noite de sexta feira.
"O FMI sugere sempre tirar dinheiro da população para pagar os credores. Naquela época, nossa proposta foi reestruturar a dívida e dizer aos credores que não tínhamos de pagar mais porque precisávamos investir dinheiro no aumento dos salários, na criação de empregos e em planos sociais. O resultado foi que a economia começou a crescer 8% ao ano. A situação fiscal melhorou e conseguimos um superávit recorde de 18 bilhões de dólares".

Durante a entrevista, Lavagna, criticou os excessivos gastos públicos do governo de Cristina Kirchner. Segundo ele, até 2005, o governo gastava 3,5 bilhões de pesos em subsídios para gás, luz, transporte e programas sociais. Hoje, os gastos chegaram a 65 bilhões de pesos, vinte vezes mais. E, ao invés de superávit, temos déficit fiscal. O problema é que os subsídios não beneficiam apenas os pobres. “Os ricos também pagam eletricidade subsidiada”, disse ele.
Segundo analistas políticos os planos sociais reduziram o nível de pobreza de 54% em 2003 para 20% hoje. E isso explica a popularidade da presidenta. Pobre, na Argentina, é uma família de quatro pessoas que vivem com, no máximo, 2,8 mil pesos mensais (pouco mais de mil reais). Mas boa parte do sucesso da política econômica da Argentina deve-se ao aumento dos preços de produtos de agrícolas com grande peso na pauta de exportações do país, como carne e soja, e ao aumento da demanda de países como Índia e China por esses produtos. Agora, a presidente Cristina, com seu novo mandato, terá de cumprir, ao menos a metade das promessas que fez ao povo.

Histórias de La Undeze...


AS CHEIAS DO FEIJÃO CRU

ERAM UMA ' FESTA' NA VILA


Esta foto MANDADA POR UM LEITOR, que pede sempre o anonimato, é da Olidia Bollis.

Um antigo serafinense disse que a primeira casa à direita era de Euclides Pavan, o Nene (aquele que matou a mulher que o estava traindo com um funcionário da CEEE)- crime aconteceu em 1 de setembro de 1966 - a segunda a direita, que aparece só o telhado era de João Corso( conhecido por Joanin Corso, um forte comerciante local que a alugada para 3 familias dos assim chamados " soledades"( geralmente pessoas de cor que vinham trabalhar no Frigorífico Ideal e por serem da região de Soledade, ganhavam o apelido de " soledade") mais encima à direita era a casa de Mário Pan...

A esquerda eram as mulheres fofoqueando sobre o volume de água que descia pela Feijão Cru que geralmente transbordava nos dias de grande chuvas.

- Era bem assim, disse ontem o advogado Oraldo Rodrigues ao relembrar sua infância vendo a foto.

A primeira casa à esquerda morava Eugênio Meneghatti, cuja mulher Elide tinha o hábito de beber...( la zera uma ciuca" diziam os serafinenses...)
Elide costumava mandar a filha Joreida fazer um mate....quando a filha respondia que não tinha erva, ela dizia:
- A então deixa...

Oraldo lembra que estes dias de muita chuvas quando o Feijão Cru transbordava(saía do leito) as pessoas tinham o costume de ir ver a novidade: ia fofoquear sobre quanto o leito do rio tinha subido, disse Oraldo.
A segunda casa à esquerda era de Mário Pan,depois vinha a casa de Otávio Campanha,depois de João Pedro Vaz, que era guarda noturno do frigorífico Ideal,depois vinha a casa de Carmen Vivian, mãe do Rui Vivian(ex-vereador do PMDB de SErafina Corrêa) e a quinta casa pertenceu a Mário Fedatto, que faleceu no ano passado.

Pelos cálculos do número de casas existentes na rua o ano da foto foi entre 1962 e 1964.

Hoje, apesar de ainda existirem duas das casas, a rua está totamente mudada.


Coleguinhas

Muller está na Band News


Estes dias vi num anúncio da Band News, TV, que o Silmar César Muller é um dos seus comentaristas.


Muller começou na Zero Hora, no setor de Economia e fazia principalmente o chamado agronegócio que naqueles anos 70 não tinha este nome.

Ele nasceu em 08.12.1946. Filho de Aldemar Muller e Silvia Gonçalves Muller . Além da Zero Hora, trabalhou ainda em O Globo, Depois foi editor de um boletim chamado de Safras e Mercado.

Silmar iniciou fazendo cobertura da plantação de soja. Foi muito ligado a um dos pioneiros da agricultura no Mato Grosso, Aldair Heberle.

É casado com Iaraporan(13.01.1948)

MINISTÉRIO QUE RUI

E DEPOIS DO ORLANDO?

LUPI?

NEGROMONTE?

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

DISCUSSÃO ENTRE MENDELSKI

E ELLEN BRAUN POR CAUSA DA LINGERIE

ACABA EM DEMISSÃO.


Quem ouviu como eu ouvi uma discussão forte entre os dois apresentadores do Bom Dia na Guaíba imaginou que não iria terminar assim. Na última quinta -feira Ellen Braun pediu demissão da rádio Guaíba. Não apresenta nem mais o sábado total que fazia depois das 22 horas.
Ellen Braun foi chamada pela direção na semana passada para ver uma saída já que após a discussão que teve com Mendelski , ao vivo, por causa de um lingerie da Gisele Bundchen.


Ellen Braun está trabalhando no Tribunal de Contas do Estado(TCE) no setor de rádio.

Alguns ouvintes ligaram cumprimentando o apresentador titular pela ausência de bate-bocas agora no programa. Mas um outro observou que o bate-boca se dava sempre entre os dois.

Mendelski,como se sabe, é um bom jornalista e tem boas relações no mercado publicitário, por sinal, onde ele começou sua carreira, como vendedor de anúncios, em 1968.

Tribuna


*Otomar Vivian, ex-deputado estadual, deve concorrer a prefeito de Caçapava do Sul


*Turma do deputado Eliseu Padilha começa a ocupar posições na prefeitura de Gravataí. agora nas mãos do PMDB.

Um deles, ex-presidnete da Trensurb e ex-conselheiro da Agergs deve ser o secretário do Planejamento

Começa a funcionar o catamarã

Hoje, as 14h30minutos, na área portuária de Guaíba se dará a inauguração do catamarã CARLOS NOBRE QUE vai transportar passageiros entre Guaíba e Porto Alegre. É um sonho antigo do empresário Hugo Fleck, diretor da Catsul- ele é também da Viação Ouro e Prata. A empresa, ou o grupo, já possui transporte de passageiros no norte do país.


Hugo Fleck inaugura um sonho


No Sul, é dono da Viação Ouro e Prata.

A ligação Porto Alegre-Guaíba via fluvial custa 7 reais por passageiros.No centro, o embarque e desembarque é feito na estação localizada junto a estação central do Mercado Público.

A linha fluvial começou a ser discutida no tempo do superintendente da Metroplan Nelson Lidio Nunes.

-Começamos a discussão e ouvir a comunidade.Até a empresa de ônibus foi convidada a participar do projeto, adiantou ontem Lídio Nunes.

Ao que se sabe, o Expresso Rio Guaíba não entrou em sociedade para o transporte.

DESRESPEITO BRIGADIANO

do blog do Adeli Sell


“Lamentável a atitude de desrespeito e falta de consideração por parte de alguns membros da Brigada Militar da qual eu e mais umas 20 pessoas fomos alvo ontem. Em pleno fim de tarde com chuva forte, estava eu na parada da Praça Guia Lopes, sentido Bairro-Centro, quando por volta das 18:30h passou um camburão da BM a toda velocidade e sem o sinal de alerta ligado – portanto não se caracterizava emergência para ser necessário correr em um corredor de ônibus. A alta velocidade ocasionou uma ‘onda’ que molhou a todos que estavam ao longo de toda a parada. Azar de quem pega ônibus! Deve ser isso o que pensaram esses péssimos profissionais que estavam no veículo”. --- De um leitor


ACORDA QUE O ELEFANTE BRANCO ESTÁ NO JARDIM


Por Carlos Chagas


Ignora-se qualquer iniciativa da Abin ou do ministério de Assuntos Estratégicos. Muito menos do Gabinete de Segurança Institucional ou dos ministérios do Trabalho, da Integração Nacional e do Desenvolvimento. Todos parecem abanar as mãos e fazer ouvidos moucos, mais ou menos como o cidadão que placidamente lia um jornal na poltrona da sala e, olhando pela janela, viu um elefante branco. Ora, elefantes brancos não existem e ele continuou sua leitura. Só que o bicho destruiu os canteiros de flores do jardim, botou a tromba dentro de casa, quebrou os móveis e até derrubou uma parede. Naquela hora o indigitado cidadão percebeu que elefantes brancos existem e podem arrebentar com a vida dos desatentos.

Dos desatentos e do governo, porque normal não é essa onda de greves que assola o país. Alguma instituição precisa dedicar-se a examinar o elefante branco, perdão, o fenômeno que começa a transtornar a vida de todo mundo.

Só ontem paralisaram suas atividades
os médicos do Sistema Único de Saúde, em 22 estados. Os enfermeiros dos hospitais públicos de Brasília estão em greve. Os policiais civis, também. Sem falar nos juízes federais em operação-tartaruga, prelúdio da imobilidade total. Basta acionar a memória para poucos dias atrás, quando bancários, funcionários dos Correios, bombeiros e policiais militares também pararam.

Cada um, em sua cidade, lembrará centenas de outros movimentos eclodidos recentemente. Isoladas, as partes circunscrevem-se às suas aflições, com a imensa maioria optando mesmo pela greve. Mas reunidas, formam um todo preocupante. O país pode parar, em especial quando categorias essenciais cruzam os braços. Pior ainda, em se tratando das chamadas carreiras de estado.

Ponha-se de lado a paranóia da existência de um complô comuno-marxista, até porque o comunismo não existe mais. Nem ao menos uma articulação do PT ou da CUT, ambos transformados de tigres em gatinhos. Afaste-se, por absurda, uma conspiração da direita ou uma investida dos Estados Unidos para continuar dominando as riquezas dos países emergentes.

Então... Então, sobra a teoria do elefante branco. As greves pipocam em função dos reclamos generalizados em toda a sociedade. Algo que o governo não percebe, ou não quer perceber, levando especialmente a classe média a apelar para os derradeiros recursos de que dispõe. Não é preciso um sociólogo para concluir que os dois governos de Fernando Henrique cuidaram do andar de cima, e que mais dois do Lula preocuparam-se em atender o porão, depois de elevar os metalúrgicos e demais operários especializados de patamar. Sem esquecer as elites. Ficou exprimida a classe média, da baixa até o limite da alta. Não adianta dizer que a população melhorou, que está viajando mais de avião e fazendo todo o tipo de sacrifícios para comprar carros novos, submetida a esse abominável massacre publicitário nas telinhas, nos jornais e nas revistas. A classe média encontra-se em agonia.

Precisa acordar o governo Dilma Rousseff, ainda mais quando salta aos olhos ser a classe média a que mais vigia, protesta e exige ações de combate à corrupção. As centenas de bilhões desviados em negócios escusos, superfaturamento, aditivos contratuais e a farra das ONGs são computados dia a dia pelos médicos submetidos a salários ridículos, pelos enfermeiros, os policiais, os bancários, os carteiros e quantos outros que já entraram e mais entrarão em greve?

COMO ERA VERDE O MEU VALE
No espaço de apenas dois dias a presidente Dilma ensejou saudosas lembranças em dois de seus antecessores, daquelas que fazem despertar ao menos uma pontinha de inveja. Levou o Lula de Brasília a Manaus, segunda-feira, no ex-aerolula, agora aerodilma. E ontem recebeu Fernando Henrique para jantar no palácio da Alvorada, junto com líderes mundiais do grupo Elders.

Será humanamente impossível que os dois ex-presidentes não se tenham lembrado dos tempos em que um pontificava nos aposentos reservados da aeronave oficial e o outro percorria os salões da residência presidencial, da biblioteca ao cinema privativo. Fica a lição de que nada é permanente, a menos que as lembranças tenham despertado aquela força estranha do retorno. Só no Lula? Nem pensar. FHC também sonha.

DESGASTE INEXORÁVEL
A cada dia que passa o ministro Orlando Silva repete a trajetória de Antônio Palolcci, Wagner Rossi, Pedro Novais e Alfredo Nascimento. Agarra-se, como eles, às deterioradas estruturas de seus ministérios, assistindo surgirem sempre novas denúncias de irregularidades. Melhor faria o ministro dos Esportes se percebesse os efeitos do desgaste e tomasse logo a decisão de exonerar-se. Porque exonerado será, mais dia menos dia. Não há agenda positiva capaz de desfazer o que foi feito, tanto faz se com maior ou menor participação de Orlando Silva.
SALVOS OS VELHINHOS
Revela a Folha de S. Paulo estar a Fifa prestes a aceitar a meia entrada para os idosos, nos jogos da Copa do Mundo. Melhor assim, porque se trata do respeito a uma lei federal, impossível de ser atropelada. Falta examinar o reverso da medalha, a meia-entrada para estudantes, regulada por leis estaduais. Joseph Blatter e Jerôme Valcke precisariam negociar com os governadores dos estados onde se realizarão os jogos do certame. O importante nesse caso é não permitir que a Fifa dite as regras, mas negociando, menos mal.

Dos leitores


O Goulart me liga alertando algumas imprudências do blog.

E o Julinho Pacheco fazendo uma pequena correção.


Grande Olides bom dia.
Apenas um reparo, o nome do homem é GESTIDO, com G e não com R como constou.
Um abraço.
Júlio César

Novidades no Sonho de Natal

As festividades natalinas envolvem e integram as pessoas num clima de alegria, espiritualidade e paz. Universal e abrangente, o sentido do Natal pode ser compreendido e sentido por todos. Uma das mais coloridas celebrações da humanidade, época em que toda a fantasia é permitida, é o momento da celebração entre os povos e da vida.
Neste ano, a Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa promoverá uma apresentação inédita na região. Com o Projeto Janelas Sonoras, os organizadores pretendem contemplar todas as pessoas da comunidade de diferentes credos, religiões, etnias e correntes filosóficas num espetáculo de alegria, celebrando o Natal, festejando a vida.
O show Janelas Sonoras será uma apresentação de arte, cultura e música na qual os talentos serafinenses farão parte. Nos dias 22 e 24 de outubro, no Telecentro Comunitário, os grupos fizeram parte da gravação das músicas que serão apresentadas durante os dois espetáculos nas janelas da Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa. A comunidade serafinense pode preparar a emoção para assistir aos dois espetáculos das Janelas Sonoras que acontecerão nos dias 10 e 18 de dezembro, às 21h. Nesses dias, haverá apresentação da Igreja Mont Moriá, CTG Galpão da Saudade, Orquestra Os Serafins, Os Canarinhos de Serafina Corrêa, Coral Municipal, CTG Sinuelo da Serra, Escola de Ensino Médio Rainha d'Paz, Wizard, Coral Rosário, Challenge, Igreja Quadrangular, Grupo Speranza, Banda Municipal, Igreja Batista e CCAA.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

 

OR(RO)LANDO LERO SILVA


AH! AH! AH! AH! AH!

A VEJA É DEEEEEMMMMAAAAIIIISSSSSSSSSSS.
FEZ MAIS UMA FAXINA NO GOVERNO DILMA.

ACHO QUE DEVO CONTINUAR ESCREVENDO, MESMO, POIS É UMA DIVERSÃO
VER MAIS UM MINISTRO DESTE GOVERNICHO CAIR. NÃO TEM PREÇO. E NÃO É PRECISO O MASTERCARD.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Coleguinhas

Recebo um mail, via Goulart, escrito em abril pelo Roque Calage.

Diz assim: Olides é uma pessoa que realmente não tem o menor sentido de ética nem compreensão do que isto signfica.

Eu gosto de ler o blog do Olides quando ele faz uma cronica do jornalismo, que acho muito interessante. Ele não se dá conta( não sei se se dará alguma vez) que dá um enorme tiro no pé, quando faz a crônica da Inimizade no jornalismo, que só prejudica a ele, a crônica que ele faz e aos leitores que não tem nenhum interesse nisso - as partes em conflito a qualquer hora destas vão surrá-lo. Quando agride a memória de pessoas sem nenhum valor histórico, documental ou o que seja, está incorrendo em dano moral grave. Poderias mostrar isto a ele, eu talvez mostre em algum momento para cair a ficha como se diz.


Roque

OS GUERRILHEIROS

QUE " SONHARAM "

NO ARAGUAIA...

( À memória dos jovens idealistas que no começo dos anos 70 queriam com um Brasil com mais Justiça! E eram chamados de TERRORISTAS!")


Ditadura Escancarada, de Elio Gaspari


Ditadura Escancarada, de Elio Gaspari

Fui ver no Santander o Camponeses do Araguaia, a Guerrilha vista por dentro, numa mostra de cinema. Bom filme, com recuperação através das falas dos camponeses do que foi a Guerrilha do Araguaia.(começo dos anos 70, na região de Ximbioá, no Pará),Elio Gaspari em sua obra sobre a ditadura indica que para ter um conhecimento sobre esta guerrilha é preciso acessar www.desaparecidospoliticos.org.br.


Gaspari começa assim seu capítulo sobre o Araguaia:

Rosa, morena miúda, calçava 33. Chamava-se Maria Célia Corrêa, tinha 26 anos. Cristina, cearense de rosto redondo, abandonara o curso de biologia da UFF. Despediram-se dos pais dizendo que talvez nunca mais a tivessem. Era Jana Moroni Barroso. Tinha 21 anos.


As duas chegaram ao Araguaia em 1971, para mudar o mundo, diz Gaspari. Viviam em casebres e davam aulas( inclusive de tiro), para as crianças do lugar.

Desde 1996 o PCdoB estocavam militantes nas matas fechadas da região do Bico do Papagaio, numa das últimas frentes de expansão da sociedade brasileira.

Lá juntam-se os rios Araguaia e Tocantins.


Os quadros do PCdoB dividiam-se por três áreas numa extensão de 130 km. E mexiam-se numa superfície de 6,5 km quadrados.
Até o primeiro semestre de 1972 eles foram 59 homens e quatorze mulheres.

Quando o Exército chegou, havia 69 na mata e sete a caminho.

Cinco a menos que a força de Fidel Castro ao alcansar o litoral cubano, 26 combatentes a mais do que Guevara tivera na Bolívia pouco anos antes.Eles foram atacados pelo governo entre abril e outubro de 1972.
Mobilizaram uma tropa de 3200 militares das Três Forças Armadas.

Pelo conjunto foi a maior movimentação de tropas desde a formação da FEB. Maior do que a do levante de 1964, maior do que três das quatro expedições de Canudos.
A tropa voltou em outubro de 1973( é aqui que os depoentes do filme Camponses do Araguaia se baseia. Todos eles referem esta data) Nesta vez estavam com 750 homens, em grupos de 250 homens cada. Comandados por sargentos e oficiais da elite do Exército. Boa parte com treinamento para a guerra na selva.

Alguns depoimentos de como os guerrilheiros do PCdoB morreram estão no livro de Gaspari( e no filme também)

" Ela morreu o seguinte; eles andavam com uma equipe, a equipe do...chamavam de Dr. Terra, que tudo era uns nomes estrambólicos, que eles tinham...Aí toparam nela... Não no combate, ela..quando ela...eles pressentiram o pessoal do Exército ela correu...Um guia atirou nela. Era o Zé Catingueiro, atirou nela, deu chumbo, mas o chumbo era pequeno, e ela não morreu logo, mas ela morreu...A flor da subversão na boniteza"


A Lenda da Guerrilha

Se houve uma lenda da guerrilha, esta foi o Osvaldão, cujo nome era Osvaldo Orlando da Costa.

Negro,tinha 35 anos, 1,98 metros, barba enorme e calçava 46. Fora campeão de boxe no Botafogo e estudara engenharia na Universidade de Praga.

Chegara ao Araguaia em 1966 e vivia no mato como garimpeiro e caçador de peles, Aterrorizava os soldados a ponto do CIE ter recomendado aos seus agentes infiltrados na região que evitassem confrontos, salvo se o achassem " mas somente quando a possibilidade de êxito não tiver dúvidas". Teria matado um sargento. Organizara execuções de civis,(3) dois dos quais seus compadres.
Dizia-se que o Exército não pegava porque ao entrar na mata ele virava toco, mosquito, cachorro ou borboleta( Lenda semelhante acompanhara Luiz Carlos Prestes pelo interior do país nos anos 20. Seria imortal e os demais integrantes de sua coluna teriam o corpo fechado por feiticeiras...)

Morreu na tarde de 4 de fevereiro de 1974.

Osvaldão estava sozinho, na floresta. Arlindo Vieira, o Piauí, um jovem camponês que tinha colaborado com a guerrilha, vinha a frente de uma patrulha militar. Viu-o numa capoeira,sentado num tronco. Matou-o com um só tiro. O corpo enorme e depauperado do guerrilheiro morto foi pendurado num cabo e içado por um helicóptero. Despencou. Amarraram-no de novo e assim o povo da terra viu Osvaldão( uma lenda) que se acabara. Antes de sepultá-lo, cortaram-lhe a cabeça...


Ah, sim os guerrilheiros do Araguaia eram chamados pelos nativos de PAULISTAS....

 

O cacete do Remindo

Pau neles, companheiro!

Quanto ao jornal que parou, eu dei o nome foi a zero hora na ultima segunda das 14 as 15 a redação parada pra ouvir o diretor de produto da RBS, Marcelo Rech.

Meu feeling de repórter me diz que devem ser medidas mais rigorosas quanto ao produto, se me entendem...

As vezes a ZH tem boas matérias, outras nem tanto...

Mas isto seria trabalho para um ombudmann, não para este humilde(nem tanto) criado do jornalismo!


A imprensa não se entende mais


Estou morrendo de rir. As manchetes dos jornais on line dizem que foi aberto um processo no STF pedindo investigações contra o Ministro dos Esportes. No corpo das matérias falam em investigar o Ministério e logo em seguida em investigar os convênio. Afinal, quem é o alvo das investigações: Orlando Silva, o Ministério dos Esportes, os convênios ou as ONGs que assinaram os convênios? Se eles não se entendem, como é que o leitor vai entender. E o que apareceu de fonte em off dizendo que Dilma estava descontente. Descontente deve estar, mas não sei se é contra o Ministro. Tem até comentarista esportivo comentando o assunto como ele comenta o futebol, abre a boca e vai falando o que deu na telha, mesmo sem saber direito o que está acontecendo. Ou também pode ser que ele não queira perder a oportunidade de dar um pitaco que agrade o patrão.

Este negócio de pagar pela notícia e receber em troca do rico dinheirinho uma opinião sem nenhum fundamento acaba hoje em Porto Alegre. Não, as denúncias sem provas continuarão, mas é que o Grupo Bandeirantes lança o jornal METRO de graça hoje na capital. Só espero que chegue até aqui em Canoas. Li no teu blogue que a redação de um jornal aí da capital parou para um dos chefões dar uma palestra. Posso até jurar que o assunto é o novo produto gratuito da Bandeirantes.


Remindo Sauim

De serafina

Homenagem especial a quem faz a diferença na vida de muita gente!

Desde pequenos temos grandes sonhos...
Sonhamos que realmente podemos mudar o mundo.
Crescemos e muitos desistem no meio do caminho, outros alcançam seus
objetivos e fazem todo seu esforço valer a pena.

O Poder Público Municipal quer homenagear todos os servidores públicos
que nunca desistiram dos seus sonhos e muito contribuem com o
crescimen to de Serafina Corrêa, do estado e do país. Parabéns!

Mensagem do Gabinete do Prefeito Municipal de Serafina Corrêa: Viva
com Qualidade!


Adriana

Sobre a matéria ZH NÃO PUBLICA CARTA COM CRÍTICA A COLUNISTA

Legal, engraçado o comentário dele.... a ZH não publicou também um artigo que escrevi sobre o lixo que Capão da Canoa está virando, com desrespeito aos animais, maus tratos à luz do dia, e uma população idiota e mau educada que andava freqüentando a praia. Acho que é por que eles tem ‘sede’ lá...
Como nunca mais li o jornal e nunca mais botei meus pés naquela praia, p mim tanto faz...

Ellen Augusta, bióloga.

CORRUPÇÃO

Não ia escrever mais, mas..... No momento em que escrevo o ministro Orlando (Rolando, é só trocar as duas primeiras letras) Lero Silva subiu no telhado.
Mais uma vez a nossa REVISTA VEJA vai fazer a faxina, para desgosto da velhinha de Taubaté.

Escrevi este texto em 26.10.2011:

E o não cantor das multidões, Orlando Silva, o dos esportes via ONGS - Organizando Nossa Gente Socialista, continua com a história de que ' não há provas'; que tipo de prova? Um recibo com o CPF de quem recebeu alguma grana do 'malfeito', termo utilizado pela Dilma ( um gaiato já escreveu que ela refere-se a malfeito, porque, se tivesse sido bem feito, ninguém descobriria ) Uma nota fiscal com CNPJ? Registros contábeis? Livro Diário? Livro Razão? Balanço Patrimonial? Demonstração do Resultado?

Segundo a MP 449/08 e Lei 11638/07 a estrutura do ativo, grupo em que estão as contas representativas dos bens e direitos, ou seja a parte positiva do patrimônio, ficaria assim:
Ativo Circulante
Ativo Não- Circulante
- Ativo Realizável a Longo Prazo (ARLP)
- Investimentos
- Imobilizado
- Intangível

No imobilizado são contabilizados os valores referentes a prédios e terrenos, por exemplo.
Talvez se neste escândalo do Ministério dos Esportes tudo tivesse sido feito às claras (corrupção às claras; sou um piadista) o imóvel que menciono a seguir poderia estar contido no Balanço Patrimonial, no Ativo Imobilizado.

Em agosto de 2010, Orlando Silva Júnior comprou, por R$ 370 mil, um terreno no distrito de Sousas, em Campinas (SP). Pela área de aproximadamente 90 mil m² passa um duto de gás da Petrobras.
- O terreninho dele corresponde a 250 terrenos de 12x30, o normal nos loteamentos populares.
Silva, que é ministro do Esporte desde 2006 e recebia à época da compra R$ 10.748,43 mensais, pagou o terreno à vista. Conforme documento obtido pela reportagem, ele usou cheque administrativo ?modalidade que permite o uso do cheque sem que o pagador movimente sua própria conta. Por meio de sua assessoria de imprensa, porém, ele deu outra versão. Afirmou ter pagado o terreno com um cheque pessoal.
O ministro do Esporte, Rolando (Orlando) 'Lero' Silva, afirmou hoje ter usado a "economia de toda a vida" para comprar um terreno no distrito de Sousas, em Campinas (SP). Ele pagou à vista R$ 370 mil no terreno em agosto do ano passado. Há um duto da Petrobras em parte do lote e poderá haver desapropriação da área pagando um preço maior aos proprietários, segundo reportagem veiculada pelo UOL.
Disse que a casa que está construindo é modesta, com 110 metros quadrados.
Ele assumiu em 31 de março de 2006; até agosto de 2010, quando comprou o terreno, foram 53 meses, que, multiplicados por R$ 10.748,00, resulta num total de R$ 569.644,00. Deduzindo-se os R$ 370.000,00 temos R$ 189.644, que, divididos por 53, resulta numa sobra mensal de R$ 3.578,18 no período; foi o suficiente para ele comer, vestir-se, etc.? Onde morava? Já tinha uma casa anterior? Ou pagava aluguel? E os gastos com a casa que está construindo? Se ele economizou desde setembro de 2010 até setembro de 2011 os mesmos R$ 7 mil, já gastou na casa R$ 91 mil ?
Pesquisando na internet sobre uma casa de 110m2 em Sousas, Campinas, São Paulo, onde o Orlandinho está construindo a sua, o valor da mesma, à venda, é de R$ 300.000,00, claro que incluindo o terreno, mas, creio, com área bem menor que a do terreninho do Orlandinho.


O terreno comprado por Orlando Silva possui cerca de 90 mil m2 e custou R$ 370.000,00;
Se dividirmos os R$ 370.000,00 por 90 mil chegaremos a R$ 4,11 o m2, talvez um pouquinho mais.
Um terreno de 12 x 30, na mesma área, com 360 m2, portanto, custaria só R$ 1.479,60?
??????????????????????????
PREÇOS DE TERRENOS EM SOUSAS ? CAMPINAS ? SÃO PAULO, ONDE ORLANDO COMPROU O TERRENO
TERRENO - ZONA MISTA - SOUSAS - (OPORTUNIDADE) é DOS MELHORES PONTO DE SOUSAS PREÇO R$. 550,00 - O M2 TERRENO COM - 1.221, M2 COM - 20,47, M2 FRENTE-POR 60, M2 NAS LATERAL LEVE ACLIVE.
TERRENO COMERCIAL - LADO DIREITO DO CARTÓRIO OLHANDO DE FRENTE SOUSAS - CAMPINAS, SP - ESTE TERRENO TEM SAIDA PRAS 2 RUAS COM 16,M2 FRENTE DA RUA DOS EXPEDICIONARIO e 28, M2 PRA RUA CONSELHEIRO ANTONIO PRADO TOTAL DE 740, M2 PREÇO (R$. 580.000, MIL REAIS) - ESTUDA PROPOSTA. PREÇO DO M2 = R$ 783,78
TERRENO COMERCIAL ZONA 11 RUA: EMILIO NUCCI - RUA DO POSTO IPIRANGA JD CONCEIÇÃO - SOUSAS - CAMPINAS -SP - 1.200,M2 TERRENO - FRENTE - 50, M2 ÓTIMA ÁREA - PREÇO R$. 600,00 REAIS O M2 - PODE VENDER 50% DOC.TUDO OK.
Que barbada conseguiu o Orlandinho: R$ 4,11 o m2. Mesmo que estes terrenos estejam em zona central, comercial, sei lá, a diferença é muito grande.
Mais preços de terrenos em Sousas, Campinas:
Terreno à venda - Área do terreno: 721 m2ARMANDO EURICO STOCCO - Sousas
R$ 250.000 = R$ 346,74 o m2.
Terreno à venda - Área do terreno: 412 m2 ENDEREÇO NÃO INFORMADO - Sousas
R$ 200.000 = R$ 485,43 o m2.
Terreno à venda - Área do terreno: 490 m2 ENDEREÇO NÃO INFORMADO - Sousas
R$ 270.000 = R$ 551,02 o m2.
Terreno à venda - Área do terreno: 1350 m2 ENDEREÇO NÃO INFORMADO - Sousas
R$ 300.000 = R$ 222,22 o m2.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

BINNER: “EL FRENTE AMPLIO PROGRESISTA RECIÉN EMPIEZA”

Este es el camino que podemos perfeccionar".

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares

El candidato del Frente Amplio Progresista, Hermes Binner, afirmó que el segundo lugar conseguido en las eleciones nacionales demuestra que su espacio "recién empieza" a recorrer el camino político.
"Sabemos leer los números y felicitamos a la Presidenta, pero también le decimos que somos la segunda fuerza política argentina. Estamos convencidos de que este es el camino que podemos perfeccionar", destacó.
Además, se mostró satisfecho por haber obtenido "más de un millón de votos más que en las primarias" y agradeció "la muestra de respeto" que recibió. Prometió "trabajar para lograr una propuesta conjunta" y, al respecto, sentenció: "Tenemos la obligación de trabajar por una Nación que nos incluya a todos".
Binner agradeció la participación de los jóvenes y afirmó que su obligación es la de estudiar. Además, se refirió a los jubilados y remarcó que tienen derecho a cobrar el 82% móvil.

SAIU NA IMPRENSA!


clique na imagem para ler

No Valor Econômico de segunda, dia 24.10, saiu uma boa matéria sobre o assessor principal da presidenta Dilma Rousseff.

A primeira vez que ouvi falar no seu nome - Giles - foi da boca de uma jornalista que quando viu as duas páginas que a revista Isto É deu tempos atrás sobre o fotógrafo "Paparazzo" que a revista classificou como " fotógrafo da Dilma" que disse:

- A Dilma vai mandar o Giles deletar este cara!

Bom, se deletou ou não, não sei.

Mas eis a matéria do Valor Economico: um bom perfil.

Herzog, em Canudos, quando fez um filme

Tem início amanhã a 26ª Feira do Livro

DECOM/PSB

Lançamento Feira


Durante os próximos dias a cultura estará em evidência na praça XV de Novembro. Começa nesta quarta-feira (26/10) a 26ª Feira do Livro de São Borja. As atividades iniciam-se as 9h com exposições, apresentações de projetos pedagógicos, oficina de desenho, stands com venda de livros, entre outras atrações. A abertura oficial ocorrerá quinta-feira (27/10) às 18h.

Os alunos de Publicidade e Propaganda da Unipampa elaboraram o material de divulgação da Feira, tendo como slogan “Os livros vão invadir a cidade”. Os acadêmicos também serão responsáveis pela rádio Felivro Informa, transmitindo informações durante os quatro dias da Feira.

Programação completa da feira: http://www.saoborja.rs.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1015&catid=21


MULATO, um nome ligado a História

da rodoviária de Estrela e ao Estrela FC


O time do Estrela FC em 1944 quando Noll, apelidado de MULATO, jogava futebol

Eugênio Noll, enterrado ontem às 9 horas, em EStrela, nasceu em 17.12.1922, em Arroio do Meio.

Seu nome ficou ligado à história da rodoviária de Estrela e ao Estrela FC, time pelo qual ele tinha verdadeira paixão. O outro era o Grêmio.
Durante muitos anos Eugênio Noll acordava cedo e abria a sua rodoviária, a de Estrela.

Gostava particularmente de anunciar a saída dos ônibus: ele próprio, até quando trabalhou, ia pro microfone e anunciava a partida do ônibus. Conhecia a todos os passageiros que iam e vinham pela rodoviária.
E não poucas vezes dava orientações aos motoristas para que deixassem tal passageiro na tal localidade.

Como jogador e dirigente do Estrela deixou sua marca.

Um dia descobriu uma fórmula quase mágica pra fazer os jogadores se empenharem mais em campo: Eugênio pegava um durex e cortava a nota com a qual pagaria o bicho ao jogador. Ojogador só recebia a metade da nota: se jogasse bem ganharia a outra metade...senão ficava a ver navios...

Muito amigo de Gabriel Mallmann, o ex-prefeito, a quem considerava " grande benemérito da rodoviária de Estrela", Eugênio Noll costumava matear com o prefeito que chegava de madrugada das farras das redondezas.

Uma manhã, enquanto tomavam mate e conversavam, chegou um padre que viu os dois ali na maior amizade e foi apresentado por Noll ao prefeito. O padre foi logo a se adiantando:

- De um prefeito madrugador assim é que nós precisávamos lá na nossa cidade!

Mal sabia ele que o prefeito ainda não dormira.

Gafes

Noll também costumava contar a quem com ele privou, algumas gafes ocorridas na rodoviária. Uma vez ele estava lá e uma mulher foi comprar uma passagem.Noll ouviu a passageira reclamar para o atendente:
- Me bota bem na frente, porque da última vez o senhor me botou atrás e foi ruim...

Noll ria contando estas gafes...

Outra que o falecido " Mulato" também gostava de relembrar.

Uma passageira, que ele sabia que se virava em Estrela, foi comprar uma passagem para Porto Alegre. Mas o atendente não ouvia o nome completo porque ainda era necessário colocar o nome no boleto.

Noll gritou pro atendente: coloca " vida fácil"

A mulher ao ouvir isto se irritou

- Vai dar o c...na praça pra ver se é vida fácil!

Barraca da ARI


é " terceirizada" na feira do Livro

A ARI terceirizou sua barraca na feira do Livro. Quem vai administrar a barraca é a editora JA, do jornalista Elmar Bones, que nesta edição, não terá sua própria estande.


A informação foiconfirmada ontem por este site tanto junto a ARI, como junto a editora JA!

Coleguinhas


O repórter que

perdeu uma perna

no Vietnam!


José Hamilton Ribeiro foi cobrir pra revista REALIDADE a Guerra do Vietnam...E lá teve uma perna amputada por causa de uma bomba não desativada, num campo de guerra.

Grandes repórteres são assim: às vezes pagam caro pela sua ousadia!

Coleguinhas


Gelson Farias dá um tempo em Porto Alegre. Mas logo, logo volta pra sua base de Buenos Aires pra mandar matérias que eles são obrigados a chupar, porque são boas....

 

A PRIMEIRA FOTO A GENTE NUNCA ESQUECE!


A primeira equipe da revista Veja ( que se chamava Veja e Leia) na gráfica da editora Abril, em São Paulo, em 1968. Dentre eles, um gaúcho: Caio Fernando Abreu, o agora incensado Caio F...

Memória

AMARALZINHO X BRENO CALDAS

O repórter Valter Galvani foi ouvir, anos atrás( hoje não daria mais porque o ex-governador Amaral de Souza está sem saúde para tanto) ouvir o que afinal de contas José Augusto Amaral de Souza, o Amaralzinho, tinha a dizer sobre o fechamento da Caldas Jr. ele que acabou levando para si esta marca maligna para o resto dos seus dias.

Breno Caldas, o protagonista de todo este episódio, deu este depoimento para Galvani em 16.05.1994, quando Breno já não podia desmentir, ou se defender porque morrera em 10(setembro) 1989.

Na sequência de todo este rolo- suspensão da circulação do Correio do Povo em 16.06.1984 - houve a falência da empresa em 1985 e a venda da mesma( para o empresário Renato Bastos Ribeiro) em 1986.

Amaralzinho disse a Galvani que a execução foi um ato do banco(Banrisul) e não dele, como governador.

Disse que durante quatro anos envidou todos os esforços para achar uma solução.

Amaral sustenta que conversou várias vezes com o dr. Breno Caldas para que procurasse a diretoria do Banrisul porque o BC exigia uma normalização de uma dívida.

Amaral ainda contou que recebeu Breno Caldas no Palácio Piratini e que numa das vezes foi informado de que Breno Caldas estava arrumando um sócio. Foi feito contato com o Jornal do Brasil. Mas não deu em nada.

Amaral lembrou ainda a Galvani que a execução foi feita num dia em que ele estava " ocupadissimo". Havia a visita do presidente João Figueiredo pois estava sendo inaugurado o Pólo Petroquímico( uma grande conquista dos gaúchos)
Amaral afirma que só ficou sabendo quando a execução foi entregue a Breno Caldas.

Ele foi avisado por Júlio Brunelli, que era muito amigo de Breno Caldas de que naquele dia seria entregue a execução.

Amaral concluiu dizendo a Galvani que nem o Governo do Estado, nem o Banrisul tiveram culpa do desfecho.Amaral se queixou que na segunda-feira ao ligar na rádio Guaíba e ao ler os jornais da Caldas Jr. ouviu e leu uma catilinária contra ele.

Mas se esquiva dizendo que fez tudo " dentro da lei".Amaralzinho diz ainda que ficou magoado com os artigos contra ele e que tinha uma grande admiração pois como homem do interior ele apreciava o jornal.E conclui" acho que fui além do que podia!"

Histórias de la Undeze


MULLER, O QUE FEZ O CALÇAMENTO,

QUEBROU TODO O CAPITEL DE SÃO CRISTÓVÃO!


Na entrada de Serafina Corrêa, quem vinha de Guaporé, existe um pequeno monumento onde há um santo , uma imagem de São Cristóvão que nos anos 60 tinha muitos devotos em Serafina, principalmente de caminhoneiros e de famílias deles...

O padre Francisco Lollato, o vigário, sabia deste fervor dos caminhoneiros pelo santo e sempre no final do ano fazia uma grande procissão, reverenciando o santo, que,diziam protegiam os caminhoneiros em suas longas andanças pelo Brasil e pelo Exterior.

Aportou em Serafina um senhor, de sobrenome Muller, que foi encarregado nas duas primeiras gestões de prefeitos de botar as primeiras pedras nas ruas, ou seja, o calçamento que agora o prefeito BICO BRANCO, está substituindo por pavimento, por asfalto.

Segundo informa o advogado Oraldo Rodrigues - que tem pavor do nome de Arthur Oscar para aquela avenida onde estão agora colocando asfalto tanto que já mandou uma carta pra secretária da Educação sugerindo a substituição do nome por outro - o primeiro calçamento em Serafina foi feito em 3 de dezembro de 1965(ou teria sido 1964?) e foi feito na antiga avenida Dr. Júlio Campos,atual Miguel Soccol.

- As primeiras pedras foram colocadas onde está hoje o posto Gheller( na época era Atlantic...)

Outro que lembra da colocação das primeiras pedras de pavimentação é o veterinário Mauro Rocha, atualmente morando na sua centenária e espartana PALMEIRA DAS MISSÕES, pois por lá se aquerenciou.

- Eu recém tinha chegado em Serafina, quando começou o calçamento, lembrou Mauro Rocha, filho do " zator"( Mário Rocha)

O que o autor deste pequeno artigo lembra é dos operário suando em bicas batendo naquelas pedras que já vinham cortadas das pedreiras.

As maiores pedreiras fornecedoras eram as de Paraí e de Nova Araçá...

Serafina sofre hoje um processo de modernização com a colocação de asfalto, mas vale lembrar que um dia um calçamento foi uma coisa muito valiosa, pois deixava-se de caminhar pelos lamaçais principalmente durante o inverno.
Chinelos e tamancos eram muito mais uteis sendo usados no calçamento do que na terra molhada.

Coleguinhas

A Laura Peixoto informa que seu blog tem em média 650 acessos/dia..

Ok, mas um milhão como dizem alguns colunistas de jornal do interior, mesmo sendo mensal, é brabo. em todo caso, acredita quem quiser....me engana que eu gosto!!!

A AVENIDA ARTHUR OSCAR RECEBENDO PAVIMENTAÇÃO!

Serafinenses comemoram mais investimentos em infraestrutura

Mobilidade urbana, segurança, tranquilidade e infraestrutura são alguns dos benefícios que a população serafinense percebe dia após dia. Em três anos, a Administração Pública Municipal construiu cerca de 60.000 metros quadrados de calçamento e mais de 40.000 m² de pavimentação em parceria com os moradores. Foram construídas três pontes, na Capela Fátima, na Rua das Hortênsias e na Capela Aparecida.


A infraestrutura é um dos fatores essenciais para a qualidade de vida da população, por isso, a Prefeitura Municipal já instalou cerca de 10.000 metros de tubulação, mudando a realidade de centenas de famílias.
O asfalto, reivindicação antiga da comunidade, agora é realidade. Cerca de 45.000 metros quadrados de pavimentação asfáltica foram feitos em ruas centrais e dos bairros do município.
Nesta semana, a população serafinense comemora mais uma conquista: a pavimentação asfáltica de parte da Avenida Arthur Oscar, uma das mais antigas da cidade. Foram asfaltados cerca de 14.000 metros quadrados e os investimentos passam de R$ 800.000,00, em parceria com o Governo Federal.


Para o Prefeito Municipal, Ademir Antônio Presotto, os investimentos em infraestrutura e mobilidade urbana promovem o crescimento e desenvolvimento do município, além de proporcionar segurança e qualidade de vida a toda a população. Nesta semana, o Prefeito estará em Brasília, na busca de mais recursos e concretização dos projetos encaminhados pelo município.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

OS PARTIDOS NA CRISE QUE ATINGE O PC DO B

Por Carlos Chagas


Debaixo das cinzas tem brasa. Até fogo. Fala-se da situação do ministro dos Esportes, Orlando Silva. Na última sexta-feira ele recebeu da presidente Dilma uma espécie de licença provisória para seu estabelecimento continuar funcionando, como deixou claro o ministro Gilberto Carvalho. Jamais um certificado permanente, muito menos uma carta de alforria. Como as denúncias continuam, menos envolvendo o ministro, mais a lambança praticada no ministério através de ONGs fajutas ligadas ao PC do B, a conclusão surge desfavorável para Orlando Silva. Por quanto tempo suportará a pressão do Congresso, da mídia e do próprio governo?
Nessa novela de trapalhadas, todos os grandes partidos, menos um, posicionam-se contra a permanência do ministro: o PT, de olho na importância dada aos Esportes, pelas vultosas verbas agora descobertas em suas estruturas e pela Copa do Mundo de 2014; o PSDB, pela obrigação de fazer oposição; o DEM, vendo no episódio forma de recuperar-se, como tem deixado claro o líder ACM Neto; até o PDT, sequioso de ver queimada a casa do vizinho, imaginando salvar a sua.
Mas o PMDB, por que se mantém em respeitoso silêncio? Solidariedade do vice Michel Temer para com a hesitação da presidente? Malandragem para aspirar a um novo ministério? Demonstração de desconforto diante de Dilma, por conta da falta de nomeações para o segundo escalão?
Na realidade, os partidos assistem a fritura de um ministro isolado como se assistissem ao ensaio de um ato isolado da peça que em poucos meses vai estrear: a reforma ministerial. Cada legenda tem suas ONGs e suas empreiteiras atuando mais ou menos como o PC do B tinha as suas. A hora é de reforçarem as defesas, porque a tempestade vem aí.
NHAMBÚS E JACUS
Diz-se em Minas que em briga de nhambú, jacu não entra. Fica de lado, no outro galho, assistindo as bicadas entre os primos. Vale a imagem para a equipe econômica brasileira diante da crise que parece longe de terminar na Europa. A Grécia pega fogo, Portugal também. Na França, Espanha e Itália movimenta-se especialmente a classe média, para impedir a adoção da receita do FMI e da União Européia, de aumento de impostos, reduções salariais, demissões em massa e cortes nos investimentos sociais. Protesta-se, naqueles países, contra a blindagem estabelecida por seus líderes em torno dos lucros da especulação financeira. Aliás, nos Estados Unidos também, através da ocupação de Wall Street. Por enquanto, escapamos dos efeitos da confusão vivida pelas economias daqueles países. A presidente Dilma deu sucessivos sinais de que não adotaremos as soluções da ortodoxia das elites. Até quando?
TIRO PELA CULATRA?
Invadiram o Iraque, depuseram e mataram Saddam Hussein e agora vão embora, em choque com o novo governo títere que, em Bagdá, pretende cada vez mais enquadrar-se na lei islâmica. No Egito, incentivaram a queda desonrosa de Hosny Mubarack e assistem a população inclinar-se pelo estabelecimento de um estado teocrático, mais próximo do Irã e afastado de Israel. Agora, é o governo provisório da Líbia que anuncia a prevalência da lei islâmica na organização do novo estado, depois de uma guerra civil financiada e dirigida pelo Ocidente, coadjuvante no assassinato de Muhamar Kadaffi. Quer dizer: livraram-se de ditadores com os quais, mesmo a contragosto, mantinham relações comerciais e econômicas. Poderão encontrar surpresas.
MAIS UM GALO NO TERREIRO
Engana-se quem supõem o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, disposto a esperar a reeleição de Dilma Rousseff ou a nova eleição do Lula. Ele faz parte do rol dos novos políticos dispostos a suplantar os avôs. Neto de Miguel Arraes, que tinha tudo para ser presidente da República e não foi, Eduardo Campos está próximo de Aécio Neves, neto do presidente Tancredo Neves, que não pode assumir. Uma disputa entre os dois seria fascinante, mas há quem suponha uma conjunção explosiva para o PT: porque não Aécio para presidente e Campos para vice? Pernambuco, é claro, pensa na equação ao contrário. Afinal, PSDB e PSB devem ter mais identidades do que a vã filosofia pode supor.

Coleguinhas!


ZH NÃO PUBLICA CARTA COM CRÍTICA A COLUNISTA

Fiquei sabendo que o coleguinha Antonio Goulart achou estranho a Zero Hora não ter publicado uma carta que enviou para a redação com críticas ao Luiz Augusto Fischer. O conhecido professor, na página que ele mantém na ZH, chamada "Pesqueiro", do mês passado. abriu a matéria dizendo ser um "bronqueado" com o leitor, com qualquer tipo de leitor. O Goulart escreveu dizendo que ele, também, costuma ter bronca com colunistas que, por falta de assunto, aborrecem o leitor com divagações gratuitas e sem conteúdo. como foi o caso da coluna citada, com a metade do seu espaço classificada por AG como deslavado exemplo do antigo "nariz de cera", recurso para quem não tem o que dizer..

JULIO PACHECO E GERSON SCHIRMER

FORAM PRUMA FESTA:

VIRARAM CORRESPONDENTES DE GUERRA


No jornalismo de antigamente,quando a RBS ainda engatinhava, tudo podia acontecer. Mesmo estando num regabofe, o camarada poderia virar cooresponde de guerra, Júlio Pacheco lembrou ontem que ele e o fotógrafo GERSON SCHIRMER( FILHO DO DIRETOR LAURO SCHIRMER) no começo dos anos 70 foram a Montevideo para um regalito, ou seja, uma festa da nova sede da empresa TTL,.

Era bem no começo dos anos 70, e naquele dia os Tupamaros( movimento guerrilheiro cujo nome homenageava o líder peruando Tupac Amaru), que tinham desencadeado uma onda agressiva contra o governo, " havia matado uns 3 ou 4 soldados" lembrou Júlio.

- Nós tínhamos acabado de jantar e quando cheguei no hotel, recebi um telefonema de Porto Alegre do Lauro Schirmer(diretor da zero hora) que com aquele seu jeito de cumprimentar foi logo dizendo: e aí tudo ruim( O Lauro nunca dizia tudo bem, ele perguntava tudo ruim???)
Nós complementa Julio, nem sabíamso tanta coisa porque afinal estávamos regressando de uma festa. O Lauro pelo visto sabia mais do que nós.

É que o governo uruguaio decretara aquele dia O ESTADO DE GUERRA.

Lauro deu instruções a Julinho:

- EStou mandando pra aí uma camionete com um cinegrafista com auricom( GRAVAVA ofilme negativo que ia passar)

Acabaramn ficando uma semana mandando matérias tanto pro jornal ZH,como passando boletins pra rádio Gaúcha e matérias pra TV Gaúcha.

- O saco foi aguentar aquele piriri a noite toda do Gerson Schirmer, conta Julio Pacheco.

O piriri a que ele se refere era o barulho do filme que o Gerson revelava dentro do banheiro....

O material era trazido a Porto Alegre pelos vôos da Cruzeiro. Era levado ao aeroporto de Carrasco e lá quem o pegava era o filho do ex-presidente uruguaio, Oscar Restido.

De uma viagenzinha pra cobrir um regalito, como se dizia no jornalismo, a aventura virou cobertura jornalistica de grande responsabilidade porque o Uruguai entrou pro Estado de Guerra.

Coleguinhas


*Acordei com o estrilho no fone do Goulart, ontem...quer dizer, já estava de pé...há tempos...

ele diz que eu publico os recados....


*Na ARI me informam que este ano a Barraca é tudo com a editora Já...

*Liguei pra Já de manhã, mas ninguém atendeu


*Desde ontem está no Santander cultural um festival de filmes sobre Direitos Humanos.

Do blog do Adeli Sell

PORTO ALEGRE QUER MUDANÇA


"Estou farta de ver tantos altos e baixos, mais baixos do que altos nestes últimos anos de POA, de saber que perdemos verbas federais por falta de encaminhamento de projetos ou contrapartidas do município, de ver tanto morador de rua ocupando praças, calçadas e marquises, disputando espaço com cães abandonados ou sem dono, de não ver um policiamento eficiente e que nos transmita segurança ao transitar pelas ruas. Acho que Porto Alegre não tem mais um jeito legal, etc. e tal". --- Márcia


PT-POA (II)


Mais de 650 pessoas compareceram ontem à noite à Plenária Aberta que o PT-POA organizou. Estamos mobilizados para a volta ao Paço Municipal e a atividade reafirmou mais uma vez a intenção da nossa militância de lançar candidato próprio em Porto Alegre no ano que vem.


NOVO JORNAL

"Será dia 26 deste mês o começo de circulação do jornal diário, Metro, do grupo Bandeirantes em Porto Alegre, com distribuição gratuita. Seu foco é cidade, cultura e esporte, destinado às classes A e B. O Metro foi criado em 1995 em Estocolmo, Suécia, e após 16 anos o jornal já está presente em 22 países da América, Europa e Ásia e é o maior diário do mundo. Metade do conteúdo do Metro de Porto Alegre virá de São Paulo, sendo o restante complementado pela redação local, que fica na sede da Bandeirantes". --- http://www.affonsoritter.com.br/



Memória

A INCRÍVEL HISTÓRIA

DE ' ZÉ CALCINHA"


Os coletivos da VAP,da EStoril começaram a circular no domingo de manhã com uma tarja preta na frente, sinal de luto.Perguntei ao motorista e ao cobrador da linha 429 e ninguém sabia o motivo. Na segunda, como o coletivo ainda estivesse com a tarja quis saber: morreu um dos donos, me disse o motorista.

Finalmente, ontem, de manhã, na ATP veio a informação correta: faleceu seo José Geraldes, pai da Carmen, dona da Estoril, do Antônio, sócio da VAP e da Ana. Bom esta última não conheço.


Quando fui fazer meu livro QUEM DIRIA ASSIM TUDO COMEÇOU no já distante ano de 1992 conheci o então dono da EStoril, um português que chegaram aqui vindo de Trás os Montes,..Havia outros patrícios que haviam feito a mesma trajetória.

Entrevistei o seo Zé, como o chamavam - em 1992 ele tinha 76 anos - na garagem da Estoril. Chovia que Deus mandava naquela manhã primaveril.

Ele me contou que chegara a São Paulo, com 38 anos em 8 de abril de 1955.

Ganhava a vida mascateando roupas que os parentes lhe mandavam de Portugual( um parentesis: muitos dos pioneiros do transporte coletivo de Porto Alegre ganharam a vida assim, principalmente os portugueses...)

Zé Calcinha como o povo o chamava - porque ele usava uma calça de bainha larga - contou-me que no começo de sua vida de transportador as ruas de Porto Alegre era de paralelepídos onde estava o trilho do bonde e tudo isto colaborava pra cortar os pneus dos carros.

Foi em 1973 que Seo Zé comprou o Expresso Ayub...que operava a região da Vila Bom Jesus e o Beco do Salso.

- Os carros da Ayub eram uns cacos velhos,caindo aos pedaços, me disse ele.

Quem escolheu o nome de Estoril foi seu advogado, Eduardo Viana Pinto.

Naqueles anos as carrocerias eram feitas no Eliziário, em Porto Alegre.

Foi em 1985 que ele se tornou sócio na VAP junto com aViação Presidente Vargas.

- Aqui nas vilas,comentava orgulhoso, o povo dizia que o lambari engolira o tubarão.

Referia-se ao fato da Estoril ter comprado a VAP.

Dr. Breno x Amaralzinho


Capítulo 1

O dr. Breno proprietário do império jornalístico Caldas Junior queria colocar no ar sua TV Guaíba. Desde 1962 uma kombi da empresa já circulava com a inscrição TV Guaíba canal 2 pelas ruas da capital. Para conseguir esta façanha, o dr. Breno conseguiu levantar um capital por intermédio do então todo poderoso Delfim Netto. Em março de 1979 a emissora entrou no ar e para infelicidade da Casa de Caldas, o empréstimo tinha sido em moeda americana que logo depois da inauguração disparou com duas maxidesvalorizações da moeda brasileira. Tinha também a Caldas Junior dívidas com o Banco do Brasil, Caixa e Banrisul.
Capítulo 2
No início de 1980 dr. Breno e o Governador Amaral de Souza começaram a se estranhar, e dizem as lendas que o proprietário do jornal teria por telefone chamado o mandatário gaúcho de coqueirinho, em alusão a sua baixa estatura. Amaralzinho sem se levantar pegou o telefone e mandou o Banrisul cobrar a dívida do inadimplente. Começou assim o término de um reinado, por revide pessoal de um político da ditadura que sempre apoiou.

Remindo Sauim

Do Vale do Taquari


Do Blog da Laura Peixoto


Morre Eugênio Noll

Texto de Airton Engster dos Santos Estrela-RS


do livro ESTRELA FC DE OLIDES CANTON

Empresário da Estação Rodoviária de Estrela. Foi atleta e dirigente do Estrela Futebol Clube. Nasceu em 17-12-1922, em Arroio do Meio, filho de Germano Noll e Olívia Schneider. Faleceu em 24 de outubro de 2011.
A história de Eugênio Noll se funde a da Rodoviária e do Estrela FC.
A primeira Estação Rodoviária de Estrela estava localizada na Rua Fernando Abott, esquina com Marechal Floriano, no prédio onde funcionava o estabelecimento comercial de G. Gaussmann.
Mais tarde foi transferida para Rua Tiradentes, defronte ao Banco Pelotense, sob responsabilidade de Erni Sauer.
Depois assume a gerência o Sr. Oscar Noll e a Rodoviária é novamente transferida para próximo da Soges na Rua Tiradentes.
Quando da construção do Abrigo Municipal inaugurado em maio de 1943 pelo prefeito Cláudio Toledo Mércio, na Praça defronte a Prefeitura e Santuário Santo Antônio, a Estação Rodoviária é instalada no local.
Mas Oscar Noll estava sempre preocupado com o conforto dos passageiros, motivo pelo qual construiu uma nova Rodoviária na Rua Tiradentes ao lado onde hoje funciona a agência do Banco do Estado do Rio Grande do Sul. Em seguida Oscar Noll passou a gerência da Rodoviária para Eugênio Noll e Inácio Lenhardt.
A atual Rodoviária localizada na Avenida Rio Branco, próximo ao trevo da cidade e BR 386 foi inaugurada em 1975. Teve grande incentivo do poder público municipal. Considerada Rodoviária modelo, uma das mais bem estruturadas do Estado na época, com 13 box, ampla área de embarque e desembarque, banheiros confortáveis, lanchonete, restaurante e diversas lojas.
Na década de 1970 os ônibus já eram bem maiores. A cidade de Estrela teve um crescimento populacional jamais visto em tempo algum em função da construção do Porto, Cesa e das agroindústrias Farol e Granóleo. Uma nova Estação Rodoviária era absolutamente necessária para atender as exigências dos novos tempos. Eugênio Noll teve a capacidade de saber entender o momento e entra para história como grande empreendedor.
Hoje morreu o amigo de todos, e na Estação Rodoviária parece se ouvir a voz inconfundível de Eugênio Noll... “Atenção Senhores Passageiros com destino..., Favor tomar seus lugares e boa viagem”.


Estação Rodoviária de Estrela em diversas épocas.


Eugênio Noll na Equipe do Estrela FC


Eugênio Noll como dirigente do Estrela FC

No antigo abrigo da Praça Menna Barreto, depois na rua Tiradentes e construção e atual rodoviária de Estrela-RS.
Eugênio Noll como atleta do Estrela FC – Ano de 1944, na baixada. Empé: Quilote (Achyles Viana de Moraes) – treintador, Laurinho, Negrão, ..., Pistola (Gewehr), Talo (Antônio Carlos Porto), Elico. Agachados: Ado, Eugênio Noll, ..., ..., Schwambach, Nelsinho Nery e Markus.
Eugênio Noll como dirigente do Estrela-FC - O Gaiteiro é nosso, referência à saída do atleta do clube Lajeadense, voltando ao Estrela FC. Dia 25/04/1960. De pé: José de Freitas Bello - presidente, Loi Fauth – capitão da equipe, Thomas Pereira Netto – vice presidente, Eugênio Noll – diretor de futebol e o jornalista e comentarista esportivo João Carlos Terlera. Sentado Gaiteiro assinando o contrato, de forma oficial.
Pesquisa: Airton Engster dos Santos Fonte Fotos - Memorial da Aepan-ONG

Airton Engster dos Santos - Aepan-ONG

CRISTINA COMPRA SAPATO DE LUXO POR R$ 206 MIL REAIS PARA USAR NO DOMINGO DE ELEIÇÕES

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, gastou pelo menos R$ 206 mil (110 mil dólares) em um par de sapatos de luxo da marca Christian Louboutin na última quarta-feira. Para a filha, Florencia Kirchner, ela comprou dois vestidos do estilista Frances Pierre Ducó, de cor branca e verde claro, no valor de R$ 300, mil reais. Christian Louboutin é um dos maiores designers franceses de sapatos. Sua marca é reconhecida mundialmente e representam calçados glamorosos e caríssimos. O criador é conhecido por desenhar pares com saltos enormes que misturam o estilo clássico com o despojado.

Par de sapatos do estilista francês Christian Louboutin (esquerda) e Cristina Kirchner (direita), presidente da Argentina
Além dos sapatos e os vestidos, a presidente e a filha, contrataram um “assistente de loja” e compraram carteiras da marca Louis Vuitton e Hermès em lojas de grife da capital Portenha. O total de gastou da presidente e da filha, desta vez na compra de bolsas e careteiras, foi em torno de R$ 12.800 reais. O porta-voz da presidência da Argentina, Alfredo Scoccimarro, já veio desmentir a notícia, alegando que se trata de "uma total invenção". Segundo ele, o valor é facilmente explicado, quando se leva em consideração que a compra não foi feita pessoalmente pela presidente. Os sapatos, vestidos, bolsas e carteiras foram presentes de amigos.
Em março, quando esteve na Espanha, a presidente Cristina, fez várias comprar e nem precisou sair do hotel. O total foi de R$ 110 mil reais. A notícia sobre os gastos da presidente gerou uma denúncia apresentada por Manuel Garrido, na Oficina Anticorrupção da Argentina. Entretanto, a Casa Rosada desmente, procurando manter o favoritismo de Cristina Kirchner para as eleições presidenciais.

Coleguinhas


*Colega Adão Oliveira não anda bem de saúde.


*Ontem,dia 24.10, a redação da ZH parou das 14 as 15 horas pra ouvir o diretor de Produto da RBS, jornalista Marcelo Rech.

SAIU NA IMPRENSA

CLAUDEMIR , UM BOM COLUNISTA

NUM JORNAL DO INTERIOR

a coluna de Claudemir do último sábado!


NOS SÁBADOS, NEM SEMPRE, compro o jornal A RAzão,de Santa Maria da Boca do Monte na banca da rodoviária. Gosto principalmente da colunista Claudemir Pereira, que baixa o cacete nos políticos locais, sempre em alto estilo. No sábado passado, ele fez um bom artigo sobre a encruzilhada em que se encontra o deputado Jorge Pozebon(PSDB).O prefeito César Schirmer, por exemplo, detesta o colunista. Vai ver é porque ele incomoda as autoridades locais.

Mas lá no final ele colocou um dado que me intrigou: disse que em setembro teve 1,005 milhão de acessos em setembro em seu site www.claudemir pereira.com.br

Fui checar a Zero Hora on line e a diretora de Internet da RBS, Marta Gleich, me informou que a Zero Hora on line tem em média 10 milhões de acessos mensais.

E que alguns colunistas das áreas de esporte e entretenimento ( ela não deu nome, apesar de minha insistência) têm um milhão de acessos mensasis.

 

O CACETE DO REMINDO!

A imprensa e as denúncias


Pois, é, o Ministro não caiu. As provas contra a pessoa dele não apareceram e ele está prestigiado pela presidência da República. Jornalistas e radialistas gaúchos estão a ponto de terem uma hérnia de tanta frustração. É isso que dá cair na onda da revista Veja. O Lasier Martins, no seu programinha das 14 horas na Rádio Gaúcha reclamava nesta segunda-feira, que se não é a imprensa denunciar ninguém fica sabendo que estão passando por cima das leis. Se faz a denúncia, que apresente as provas, senão é palhaçada. O engraçado é que só começaram as denúncias depois que Lula foi eleito. Durante a corrupta e assassina ditadura que assolou o Brasil durante 20 anos ficaram bem quietinhos, inclusive o Grupo Folha já confirmou por ter colaborado com os torturadores de 1964. A Rede Globo estreou seu reinado em 1965, se associando ao grupo Time-Life, que como empresa estrangeira não poderia ser sócia de empresa de comunicação brasileira. E na Editora Abril, proprietária da Veja, o seu fundador era estrangeiro não naturalizado, e mesmo assim tocou seu negócio até a morte. Estes são apenas dois dos exemplos de im périos de comunicação que já em seus inícios passaram por cima das leis brasileiras. E agora querem ser os senhores da lei, da moral e da ética.
Pessoalmente, acho que desta vez a Veja se excedeu, no afã de meter pau no governo petista, ainda mais que o ministro Orlando Silva é afrodescendente e comunista, e quis acreditar nas palavras de um policial militar já denunciado por seus supostos crimes. Ou vai ter gente demitida na redação da revista por tal cagada ou as denúncias são promovidas pela direção. O pior nisto tudo é que os ânimos já estão alterados dos dois lados, imprensa e grupos jornalísticos. Mas nesta questão, a gente já sabe como termina, não custa nada lembrar ao lado mais fraco como terminou a briga do Amaralzinho com o dr. Breno Caldas.

A MARRETA DO REMINDO VAI

BAIXAR DE NOVO...DÁ-LHE REMINDO!

 

Olha só o que me mandaram agora por e-mail. Saiu na Carta Maior. As vezes sinto vergonha de ser gaúcho.


“Em evento para discutir a liberdade de imprensa, a própria imprensa comete atentado”


Juiz critica monopólios na mídia e aponta manipulação em cobertura da RBS
O presidente da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), João Ricardo dos Santos Costa, criticou a cobertura que o jornal Zero Hora fez de um seminário sobre liberdade de imprensa e Poder Judiciário, em Porto Alegre. A matéria sobre o evento omitiu a parte do debate relacionada aos monopólios de comunicação. “Esse é um caso paradigmático: em um evento promovido para discutir a liberdade de imprensa, a própria imprensa comete um atentado à liberdade de imprensa ao omitir um dos principais temas do evento”, diz o juiz em entrevista à Carta Maior.
por Marco Aurélio Weissheimer, em Carta Maior
No dia 21 outubro, a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) promoveram, em Porto Alegre, um seminário para discutir liberdade de imprensa e Poder Judiciário. O convite para o encontro partiu da ANJ que já promoveu um debate similar junto ao Supremo Tribunal Federal . Os interesses temáticos envolvidos no debate não eram exatamente os mesmos. Enquanto que a ANJ e as suas empresas afiliadas estavam mais interessadas em debater a liberdade de imprensa contra ideias de regulação e limite, a Ajuris queria debater também outros temas, como a ameaça que os monopólios de comunicação representam para a liberdade de imprensa e de expressão.
O jornal Zero Hora, do Grupo RBS (e filiado a ANJ) publicou no sábado (24/10/2011) uma matéria de uma página sobre o encontro. Intitulada “A defesa do direito de informar”, a matéria destacou as falas favoráveis à agenda da ANJ – como as da presidente da associação, Judith Brito, e do vice-presidente Institucional e Jurídico da RBS, Paulo Tonet – e omitiu a parte do debate que tratou do tema dos monopólios de comunicação. Na mesma edição, o jornal publicou um editorial furioso contra o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, acusando-o de querer censurar o jornalismo investigativo. No mesmo editorial, o jornal Zero Hora apresentou-se como porta-voz da “imprensa livre e independente” e afirmou que “a credibilidade é a sua principal credencial”.
Agora, dois dias depois de o governador gaúcho acusar a RBS de ter manipulado o conteúdo de uma conferência que proferiu no Ministério Público do RS, omitindo uma parte que não interessava à construção da tese sobre a “censura ao jornalismo investigativo”, mais uma autoridade, desta vez o presidente da Ajuris, João Ricardo dos Santos Costa, vem a público criticar uma cobertura da RBS, neste caso, sobre o evento promovido em conjunto com a ANJ. A omissão da parte do debate relacionada ao tema do monopólio incomodou o presidente da Associação de Juízes.
“Esse é um caso paradigmático: em um evento promovido para discutir a liberdade de imprensa, a própria imprensa comete um atentado à liberdade de imprensa ao omitir um dos principais temas do evento que era a discussão sobre os monopólios de comunicação”, disse João Ricardo dos Santos Costa em entrevista à Carta Maior.
Na entrevista, o presidente da Ajuris defende, citando Chomsky, que “o maior obstáculo à liberdade de imprensa e de expressão são os monopólios das empresas de comunicação”. A “credibilidade” reivindicada pela RBS no editorial citado não suporta, aparentemente, apresentar a voz de quem pensa diferente dela. “O comportamento do jornal em questão ao veicular a notícia suprimindo um dos temas mais importantes do debate, que é a questão dos monopólios, mostra justamente a necessidade daquilo que estamos defendendo”, destaca o magistrado.
Carta Maior: Qual foi o objetivo do seminário sobre Liberdade de Imprensa e Poder Judiciário e quais foram os principais temas debatidos no encontro realizado dia 21 de outubro em Porto Alegre?
João Ricardo dos Santos Costa: A Ajuris foi procurada pela Associação Nacional de Jornais (ANJ) para promover um evento com o objetivo de debater liberdade de imprensa e o Poder Judiciário. A relação se justifica pelo grande número de questões que chegam ao Judiciário envolvendo a atividade jornalística. Essas questões envolvem, muitas vezes, decisões que limitam a divulgação de certas matérias. Pois bem, fomos procurados para fazer esse debate que gira em torno de dois valores constitucionais: a liberdade de expressão e a independência do Judiciário. Para alguns haveria um aparente conflito entre esses dois princípios. Nós nos dispomos, então, a construir por meio do debate o que significa a convivência desses dois valores em sociedade democrática. Esse foi o grande desafio que esse evento pretendia enfrentar.
Há duas posições veementes neste debate. De um lado há aqueles que não admitem nenhum tipo de cerceamento à informação; de outro, há aqueles que não admitem qualquer tipo de restrição ao trabalho do Judiciário. Do ponto de vista constitucional, cabe ao Judiciário solucionar todos os conflitos, inclusive os que envolvem a imprensa. A imprensa não está fora das regulações judiciais. Há um embate muito forte entre essas duas posições. Se, de um lado, a ANJ buscou explorar o tema da liberdade de imprensa sob a ótica da atividade judicial, nós buscamos fazer um debate sobre a questão constitucional da liberdade de imprensa, no que diz respeito à distribuição de concessões aos veículos de comunicação.
Carta Maior: Por que a Ajuris decidiu abordar o tema da liberdade de imprensa sob essa ótica?
João Ricardo dos Santos Costa: Chomsky tem dito que o maior obstáculo à liberdade de imprensa e de expressão são os monopólios das empresas de comunicação. Não só ele, aliás. Vários pensadores contemporâneos dizem a mesma coisa. Para nós, esse é o cerne da questão. Hoje não há pluralidade, não há apropriação social da informação. O que existe é o interesse econômico que prepondera. Os editoriais são muito mais voltados aos negócios. Hoje mesmo, o editorial de um jornal local [Zero Hora/RBS] expressa preocupação com a vitória de Cristina Kirchner na Argentina dizendo que seria um governo populista que teria explorado o luto [pela morte de Néstor Kirchner] para se reeleger.
Há toda uma preocupação sobre o que representa esse governo para os negócios das empresas de comunicação, em especial no que diz respeito ao conflito entre o governo argentino e o grupo Clarín. A sociedade brasileira só tem conhecimento do lado da empresa de comunicação. A visão do governo argentino sobre esse tema nunca foi exposta aqui no Brasil.
E aí vem uma questão fundamental relacionada à liberdade de imprensa. O problema não é o que os meios de comunicação veiculam, mas sim o que omitem. Esse é o grande problema a ser superado.
Carta Maior: E esse tema foi debatido no seminário?
João Ricardo dos Santos Costa: No nosso evento, eu lembro de uma fala do deputado Miro Teixeira. Ele disse que a história da censura envolve o cerceamento de grandes pensadores da humanidade, como Descartes, Locke, Maquiavel, Montesquieu, entre outros. Citou isso para exemplificar os danos sociais dessa censura. Mas hoje o que nós observamos é que os grandes pensadores contemporâneos são cerceados não pelos censores que existiam antigamente, mas pelos próprios detentores dos meios de comunicação. Os grandes meios de comunicação não veiculam, não debatem hoje os grandes pensadores da humanidade. Nomes como Amartya Sem, Noam Chomsky, Hobsbwan, entre outros, não têm suas ideias discutidas na mídia, não são procurados para se manifestar sobre as grandes questões sociais. Não são chamados pela grande mídia para dar sua opinião e o que acaba prevalecendo é o interesse do capital financeiro, que é aquele que não vai pagar a conta da crise.
Eu dou esse exemplo para demonstrar a gravidade do problema representado por esse monopólio, esse interesse econômico preponderante sobre o direito à informação. Esse interesse diz incessantemente para a sociedade que a única saída para superar a crise atual é por meio do sacrifício dos mais pobres e dos setores médios da população. Não se toca na questão do sacrifício do setor financeiro. Este setor não pode ter prejuízo. Quem vai ter prejuízo é a sociedade como um todo, mesmo que isso atinja direitos fundamentais das pessoas.
Então, esse debate sobre a democratização dos meios de comunicação é extremamente importante e deve começar a ser feito de forma transparente para que a sociedade se aproprie do que realmente está acontecendo e que possa ter autonomia em suas decisões e mesmo influenciar a classe política que hoje está entregue aos grandes financiadores de campanha que são os mesmos que fornecem a informação enlatada que estamos recebendo. Nós, da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul, estamos propondo esse debate para a sociedade.
Carta Maior: Esse debate que o senhor relatou não apareceu na cobertura midiática do encontro pelo grupo RBS, que participou do mesmo. O jornal Zero Hora dedicou uma página ao encontro, com uma matéria intitulada “A defesa do direito de informar”, sem fazer nenhuma menção a essa parte do debate envolvendo os temas do monopólio e da democratização dos meios de comunicação. Como é que a Ajuris, que propôs esse debate, recebe esse tipo de cobertura?
João Ricardo dos Santos Costa: O comportamento do jornal em questão ao veicular a notícia suprimindo um dos temas mais importantes do debate, que é a questão dos monopólios, mostra justamente a necessidade daquilo que estamos defendendo. É como eu disse antes: o problema maior é aquilo que é omitido, aquilo que não é revelado. Esse é um caso paradigmático: em um evento promovido para discutir a liberdade de imprensa, a própria imprensa comete um atentado à liberdade de imprensa ao omitir um dos principais temas do evento que era a discussão sobre os monopólios de comunicação. Nós não vamos nos omitir em tratar desse assunto por mais dolorido que ele possa ser. É evidente que não é um assunto que deva ser banalizado. Ele é o mais importante de todos. Estamos tratando de pluralidade de pensamento.
Carta Maior: No debate, o deputado federal Miro Teixeira defendeu que a liberdade de imprensa é um direito absoluto. Qual sua opinião sobre isso?
João Ricardo dos Santos Costa: Eu compartilho a ideia de que não há nenhum direito absoluto, não pode haver. Neste contexto de monopólio, menos ainda. Liberdade absoluta de imprensa em um contexto onde sequer a Constituição Federal é cumprida. no sentido de proibir a existência de monopólios. É algo completamente daninho à democracia. Outra coisa com a qual eu também não concordo , envolvendo esse debate, é a afirmação do ministro Marco Aurélio Buzzi (do Superior Tribunal de Justiça) de que nós temos liberdade até para matar. Nós não temos liberdade para matar. Não vejo, dentro da nossa organização jurídica e de sociedade, que tenhamos liberdade para matar. Do fato de, no Código Penal brasileiro, “matar alguém…pena de tanto a tanto” aparecer como uma expressão afirmativa, não se segue o direito de matar. Nós não podemos matar e não podemos violar o Direito. Não temos essa liberdade. Não temos a liberdade de tirar a liberdade das outras pessoas. O direito individual não chega a esse radicalismo que se pretende com essa afirmação de que a liberdade de imprensa é um direito absoluto.
Carta Maior: A ANJ realizou recentemente, no Supremo Tribunal Federal (STF), um seminário semelhante a este realizado no Rio Grande do Sul. Há, portanto, uma óbvia preocupação com a posição do Poder Judiciário neste debate. Qual é, na sua avaliação, o papel do Judiciário neste contexto?
João Ricardo dos Santos Costa: O fato de se debater, em primeiro lugar, é um grande caminho para amadurecer esses institutos que, aparentemente, estão colidindo, na sociedade. É lógico que o Judiciário, nesta e em outras grandes questões da sociedade brasileira, tem sido provocado a se pronunciar. Muito pela ineficiência do Poder Legislativo. O STF tem decidido sobre questões que o Legislativo se mostra incapaz de resolver: união homoafetiva, aborto, demarcação de terras indígenas, células-tronco, entre outros. A pressão envolvendo esses temas está vindo para cima do Judiciário. E o Judiciário, por sua formatação de autonomia e independência, ele se mostra menos vulnerável a pressões. Decidir é da essência do Poder Judiciário, desagradando um dos lados em litígio.
Quando esse lado é muito poderoso, os danos à instituição podem ser pesados. Numa decisão, por exemplo, que contraria os interesses de um monopólio de comunicação, esse monopólio joga todo esse seu poder para atingir a credibilidade do Judiciário como instituição. Creio que aí aparece um outro grande debate que deve ser feito sobre até que ponto esse tipo de postura não corrói a nossa democracia.

DOM PAULO EVARISTO ARNS
DOM PAULO EVARISTO ARNS UM BALUARTE NA DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

COMANDOU UMA ATO ECUMENICO EM MEMÓRIA DE HERZOG

QUE ESVAZIOU ALGUMAS REDAÇÕES DE SÃO PAULO PORQUE OS JORNALISTAS

FORAM TODOS PARA LÁ....

A TRAGÉDIA QUE

DEU NA ABERTURA POLÍTICA ( LENTA GRADUAL E SEGURA)


Completam-se hoje, 25.10, 36 anos da tragédia que matou o jornalista Wladimir Herzog, o Vlado, e que acabou,indiretamente, iniciando a abertura lenta gradual e segura, preconizada pelo presidente Ernesto Geisel. Foram-se mais dez anos mas finalmente em 1985, elegeu-se, pela via indireta, um presidente Civil, Tancredo Neves, que acabou morrendo antes de tomar posse.

Foi em outubro de 1975 que amigos do jornalista Vlado que tinham trabalhado com ele na revista VISÃO começaram a ser presos.

Vlado previu que seria o próximo. Já era sexta,dia 24.10 e a mulher dele, Clarice, sugeriu que terminado o trabalho na TV Cultura, onde ele estava, eles mais os dois filhos pequenos fossem para um sítio que tinham.

" Ser preso num fim de semana é um problema. Você não consegue contato com ninguém, o advogado está viajando, está tudo desarticulado" relembrou ela numa entrevista a Paulo Totti, dias atrás, falando dos acontecimentos de 36 anos atrás.

A Polícia chegou antes.

Um dos que fora preso, na tortura, contara o endereço do jornalista da TV Cultura.

" Anoitecia quando os caras bateram lá em casa. Não se identificaram e disseram que procuravam o Vlado para encomendar um trabalho de free lancer queriam que fotografasse um casamento no fim de semana.Falei que ele não fazia free lancer, tinha emprego fixo na TV Cultura e não era fotógrafo. Falaram: " mesmo assim precisamos falar com ele. Onde é a Cultura? Disse que sabia ir até lá, mas não tinha o endereço. Eles disseram: 'a gente se vira' e foram embora".

Clarice ligou para o marido que estava pronto pra colocar o noticiário no ar. " Eles estão indo pra ai. mas acho que chego antes" disse ao marido.
Pegou os dois filhos e partiu. Chegou na TV e os " caras" já estavam lá. Os filhos testemunharam a discussão com os policiais - aí já haviam se assumido - e ficou claro que estavam ali para prender o seu pai. A intervenção de colegas, telefonemas para uma central" consultas às autoridades" resulturam na suspensão da prisão imediata e o compromisso do Vlado se apresentar ao DOI-CODI no dia seguinte.

Vlado dormiu em casa e às 8 horas da manhã chegou ao Paraíso, o bairro onde ficava o prédio do DOI-CODI na Tutóia.

Pouco depois do meio dia estava morto.

Ainda na manhã de sábado, Clarice teve que contar pra mãe do marido, dona Zora que o filho fora preso. Ela foi dormir na casa de um irmão." As 11 horas da noite,quando apareci na casa do irmão dela, nem precisei abrir a boca. Ela me viu e começou a chorar.
Clarice disse ao repórter Paulo Totti do jornal Valor Economico que todo o amor que a mãe tinha pelo filho transferiu para a nora e os dois filhos. Ela foi de uma coragem impressionante, disse Clarice.
Depois que Clarice casou de novo, ela passou a chamar o outro marido da nora, de " genro".

EMOCIONADA CRISTINA LEMBRA NESTOR DURANTE VOTAÇÃO

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares


Após votar, presidente atendeu ao pedido de fotos de admiradores


A presidente argentina Cristina Kirchner evocou, entre lágrimas, a figura de seu falecido marido, o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2009), ao votar neste domingo (23) em Río Gallegos (sul de Buenos Aires).
“Não posso dizer que seja um momento de felicidade porque estaria mentindo, mas também não é de tristeza, já que, esteja onde estiver ele deve estar muito contente que as pessoas estão votando e que está tudo em paz e harmonia”. Disse.

Vestindo preto, Cristina Kirchner deposita seu voto em urna de Río Gallegos, no sul do
Com lágrimas nos olhos, ela evocou o marido falecido no ano passado por causa de uma crise cardíaca. A presidente chegou à escola localizada no centro de Río Gallegos em meio a um forte esquema de segurança e foi recebida por centenas de partidários.
Usando um luto fechado, Kirchner emitiu seu voto e ficou vários minutos atendendo aos pedidos de fotos de admiradores.
”Emocionalmente vivo um momento muito particular, sou uma mulher que viveu com um homem que marcou a vida da política argentina e entrou definitivamente para a história”. A família teria preferido que fosse menos importante historicamente e que tivesse ficado mais conosco
"Não posso dizer que seja um momento de felicidade porque estaria mentindo, mas também não é de tristeza, já que, esteja onde estiver ele deve estar muito contente que as pessoas estão votando e que está tudo em paz e harmonia."

CAMINHOS DO SANTIAGO

Do blog do Adeli Sell


Minha amiga Susana Gastal convida para a exposição Caminhos do Santiago – Neltair Rebés Abreu organizada por ela, que será inaugurada amanhã, às 19h, na sala O Arquipélago (Centro Cultural CEEE Erico Veríssimo, na Rua dos Andradas, 1233). www.cccev.com.br
ELEIÇÕES NA ARGENTINA E A CRISE ECONÔMICA DE 2001

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares

As eleições argentinas lembram o décimo aniversário da crise de 2001, que marcou o país. Depois de manter o peso argentino atado ao dólar norte-americano durante uma década e privatizar as estatais, a Argentina mergulhou em uma recessão no final dos anos 1990. Varias tentativas de adotar medidas de ajuste, para pagar os credores, fracassaram. A última medida, o congelamento das contas bancárias para evitar a saída de capitais, levou milhares às ruas em dezembro de 2001. Houve saques a supermercados, panelaços e protestos nas portas dos bancos. O resultado foi à renúncia do então presidente Fernando de La Rua e um vazio político. Naquele período, a Argentina teve cinco governantes em apenas duas semanas. Entre eles, o peronista Adolfo Rodriguez Saa, que ficou no governo apenas uma semana e decretou a moratória unilateral da divida externa. Foi sucedido por outro peronista, Eduardo Duhalde, que desvalorizou o peso, convocou eleições para 2003 e começou a colocar a casa em ordem. Em 2003, o governador de Santa Cruz, Néstor Kirchner, foi eleito com apenas 22% dos votos.
"Tomamos a decisão de sair da crise, sem programas do Fundo Monetário Internacional (FMI), que são sempre recessivos, veja o que está acontecendo na Grécia agora", explicou Roberto Lavagna, ex-ministro da Economia de Duhalde e de Néstor Kirchner, num programa de televisão na noite de sexta feira.
"O FMI sugere sempre tirar dinheiro da população para pagar os credores. Naquela época, nossa proposta foi reestruturar a dívida e dizer aos credores que não tínhamos de pagar mais porque precisávamos investir dinheiro no aumento dos salários, na criação de empregos e em planos sociais. O resultado foi que a economia começou a crescer 8% ao ano. A situação fiscal melhorou e conseguimos um superávit recorde de 18 bilhões de dólares".

Durante a entrevista, Lavagna, criticou os excessivos gastos públicos do governo de Cristina Kirchner. Segundo ele, até 2005, o governo gastava 3,5 bilhões de pesos em subsídios para gás, luz, transporte e programas sociais. Hoje, os gastos chegaram a 65 bilhões de pesos, vinte vezes mais. E, ao invés de superávit, temos déficit fiscal. O problema é que os subsídios não beneficiam apenas os pobres. “Os ricos também pagam eletricidade subsidiada”, disse ele.
Segundo analistas políticos os planos sociais reduziram o nível de pobreza de 54% em 2003 para 20% hoje. E isso explica a popularidade da presidenta. Pobre, na Argentina, é uma família de quatro pessoas que vivem com, no máximo, 2,8 mil pesos mensais (pouco mais de mil reais). Mas boa parte do sucesso da política econômica da Argentina deve-se ao aumento dos preços de produtos de agrícolas com grande peso na pauta de exportações do país, como carne e soja, e ao aumento da demanda de países como Índia e China por esses produtos. Agora, a presidente Cristina, com seu novo mandato, terá de cumprir, ao menos a metade das promessas que fez ao povo.

4ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres

Com o propósito de participação, atuação e capacitação das mulheres, Serafina Corrêa, através da Coordenadoria da Mulher, tem incentivado as serafinenses a participarem das Conferências Regional e Estadual de Políticas voltadas para as mulheres.
Em 19 de agosto, um grupo de 40 mulheres esteve na Conferência Regional que aconteceu em Bento Gonçalves com participação de onze municípios da região. Várias propostas foram levantadas nas áreas de educação sexista, saúde, autonomia, mulheres no espaço de poder e enfrentamento à violência contra as mulheres. Serafina Corrêa teve grande participação na elaboração de propostas que foram encaminhadas também em âmbito estadual e elegeu para representar na Conferência Regional como delegada Sandra Elisa Manteze, coordenadora da Coordenadoria da Mulher, Prefeitura Municipal, e funcionária da EMATER.


Nos dias 22 e 23 de outubro de 2011 aconteceu, em Porto Alegre, a 4ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres “Enid Backes”. Representaram o município a Coordenadora da Coordenadoria da Mulher e Delegada Sandra Manteze; Ana Marin, a servidora Carolina Loaiza, Elia Paludo e Luiza Zanella. Na oportunidade foram elencadas propostas, buscando autonomia e igualdade para as mulheres.

Meio tarde

mas o Mazzarino manda a informação. Esta é velha, colega.!

A Rádio Alto Taquari foi comprada pelo Grupo Independente.
Enão por Oswaldo Carlos.

 

A imprensa e as denúncias


Pois, é, o Ministro não caiu. As provas contra a pessoa dele não apareceram e ele está prestigiado pela presidência da República. Jornalistas e radialistas gaúchos estão a ponto de terem uma hérnia de tanta frustração. É isso que dá cair na onda da revista Veja. O Lasier Martins, no seu programinha das 14 horas na Rádio Gaúcha reclamava nesta segunda-feira, que se não é a imprensa denunciar ninguém fica sabendo que estão passando por cima das leis. Se faz a denúncia, que apresente as provas, senão é palhaçada. O engraçado é que só começaram as denúncias depois que Lula foi eleito. Durante a corrupta e assassina ditadura que assolou o Brasil durante 20 anos ficaram bem quietinhos, inclusive o Grupo Folha já confirmou por ter colaborado com os torturadores de 1964. A Rede Globo estreou seu reinado em 1965, se associando ao grupo Time-Life, que como empresa estrangeira não poderia ser sócia de empresa de comunicação brasileira. E na Editora Abril, proprietária da Veja, o seu fundador era estrangeiro não naturalizado, e mesmo assim tocou seu negócio até a morte. Estes são apenas dois dos exemplos de im périos de comunicação que já em seus inícios passaram por cima das leis brasileiras. E agora querem ser os senhores da lei, da moral e da ética.
Pessoalmente, acho que desta vez a Veja se excedeu, no afã de meter pau no governo petista, ainda mais que o ministro Orlando Silva é afrodescendente e comunista, e quis acreditar nas palavras de um policial militar já denunciado por seus supostos crimes. Ou vai ter gente demitida na redação da revista por tal cagada ou as denúncias são promovidas pela direção. O pior nisto tudo é que os ânimos já estão alterados dos dois lados, imprensa e grupos jornalísticos. Mas nesta questão, a gente já sabe como termina, não custa nada lembrar ao lado mais fraco como terminou a briga do Amaralzinho com o dr. Breno Caldas.

Remindo Sauim

A NECESSIDADE DA REFORMA


Por Carlos Chagas


Estaria a presidente Dilma Rousseff disposta a antecipar para novembro a reforma ministerial antes prevista para janeiro? No Congresso, há quem acredite na hipótese. Afinal, dois meses perdidos podem fazer falta. O fim do ano aproxima-se com o governo desgastado. Claro que existem ministérios funcionando, e bem. Mas há ministros que até hoje não mostraram competência. Nem probidade, referência àqueles lambuzados por malfeitos. Parece claro que, com as exceções de sempre, fracassaram aqueles impostos pelos partidos ou pelo Lula. Cinco já se foram. Existem outros. Depois de quase um ano de exercício do poder, a presidente Dilma estará suficientemente forte para substituir aqueles que não indicou. Terá tido grata surpresa com um ou outro, mas deixa a desejar a média dos que recebeu como herança ou dos que foram pendurados no seu governo sem sua participação.

De qualquer forma, antecipada ou não a mudança, a expectativa é de que 2012 exprima nova fase na administração federal. Sem descuidar da contenção de gastos e sempre de olho no combate à inflação, seria hora da retomada de projetos de desenvolvimento econômico e social. Tempo para demonstrar a falência do modelo que o FMI tenta impor na Europa, combatendo crises com aumento de impostos, reduções salariais, demissões em massa e cortes nos investimentos sociais.
LIÇÃO OPORTUNA
“O objetivo supremo do Estado não é dominar os homens, nem conte-los pelo medo. É, sim, livrar cada um deles do medo, permitindo-lhe viver e agir em plena segurança e sem prejuízo para si e seu vizinho. O objetivo do Estado não é transformar seres racionais em feras e máquinas. É fazer com que seus corpos e suas mentes funcionem em segurança. É levar os homens a viver segundo uma razão livre,e exercita-la, para que não desperdicem suas forças com o ódio, a raiva e a perfídia,nem atuem uns com os outros de maneira injusta. Assim, o objetivo do Estado é, realmente, a liberdade.”

Quem assim se expressou foi Baruch Spinoza, em 1660. Pena que sua lição até hoje não prevaleça.
ORDEM NO NINHO
Começa a germinar no ninho dos tucanos uma proposta sensata: do jeito que as coisas vão, o PSDB continuará no fundo do poço. Por que não aproveitar, então, a campanha paras eleições municipais, para uma reordenada completa em suas estruturas e lideranças? Não se trata de substituir ninguém, mas, apenas, de encontrar uma linguagem única. Mais do que tudo, porém, torna-se urgente reunir Aécio Neves, José Serra, Sergio Guerra, Geraldo Alckmin, Fernando Henrique, Aloisio Nunes Ferreira e outros, de preferência numa capela sem teto e com portas e janelas muradas. Algo parecido com o que um rei francês fez com os cardeais em Avignon, deixando-os ao sol e ao sereno até que escolhessem o novo Papa.

MILAGRE DOS MILAGRES


Antes que o Goulart, ou o Matz, ou outro qualquer corneteiro de plantão, tipo estes DESOCUPADOS e muito BEM APOSENTADOS DO IRPAPOS o façam, esclareço; o clips que está na foto da baleia, foi um milagre que a Jéssica que escaneia as fotos pra gente aqui conseguiu fazer. A Jéssica escaneou o próprio clips....Então, por favor, não tem nenhum clips pendurado num osso de baleia na PATAGONIA...

Brizola sócio da ARI

Recebo e publico!


Olides:
Estou te mandando (anexo) esta notinha interessante. Podes aproveitar no teu site, junto com a cópia da ficha de sócio da ARI, que está dentro da revista Press que vou deixar hoje (dia 24) no Café Chaves. (Só assim tu publicas alguma coisa positiva sobre a ARI...)
Goulart


Leonel Brizola ao longo de sua vida pública, com exceção do período de exílio, sempre esteve ligado à Associação Riograndense de Imprensa. Sua admissão como sócio data de 17 de janeiro de 1957. Três anos antes, em 1954, já havia se registrado como jornalista profissional, quando fundou e dirigiu o jornal “Clarim”, em Porto Alegre.
Mesmo quando residiu no Rio, e lá foi por duas vezes governador, Brizola manteve seu vínculo com a ARI, não apenas como sócio, mas também como delegado da entidade naquele Estado. Consta que, em mais de uma oportunidade, ele participou de eventos ligados à área do jornalismo, esclarecendo que lá comparecia não governador, mas como representante da ARI.
As mensalidades foram sempre mantidas rigorosamente em dia, graças ao seu grande amigo e colaborador Danilo Groeff, que comparecia regularmente à sede da ARI para efetuar os pagamentos em nome do chefe.
Informações sobre o “Jornalista Leonel Brizola” estão na última revista “Press”, na série que o colega Antônio Goulart vem publicando sobre os 50 anos da Legalidade.

AEROLINEAS E GOL DECIDEM COMPARTILHAS VOOS

De Buenos Aires
Gelson Farias

A Aerolineas Argentinas e a Gol, estão negociando um acordo de compartilhamento de voos e programas de milhagem. As companhias assinaram um memorando de entendimento sobre o futuro acordo de codeshare, que permitirá a venda de assentos de uma empresa pela outra e que passageiros de ambas possam contabilizar milhas voadas nas duas companhias em um só programa. Além de mais opções de freqüência entre os dois países, a parceria permitirá que os voos domésticos da Argentina passem a ser vendidos pela Gol – e vice-versa para a Aerolíneas no Brasil.

Constantino Jr. e Mariano Recalde comemoram com suas equipes o selo do acordo, entre as duas empresas aéreas no Ezeiza
O que falta agora é somente a aprovação da Anac Brasil e da agência equivalente na Argentina, além de órgãos de defesa da concorrência dos dois países e a intenção das empresas é que ele passe a vigorar em um prazo de cinco meses. Com relação às milhas, os clientes da GOL poderão receber bonificações no Smiles quando voarem em qualquer trecho da Aerolíneas – mesmo os voos domésticos na Argentina. O mesmo valerá para os passageiros do programa Aerolíneas Plus com relação aos voos da GOL. Além disso, clientes GOL poderiam acumular milhas e resgatar bilhetes-prêmio na parceira, e vice-versa. “O acordo vai fortalecer ainda mais a presença da GOL no mercado argentino, rota em que já oferecemos o maior números de voos”, destaca Constantino de Oliveira Junior, presidente e fundador da GOL. “Queremos contribuir para uma aproximação cada vez maior entre os países, oferecendo aos usuários do transporte aéreo a melhor relação custo-benefício do mercado”.

“Trata-se de um acordo importante para as companhias fortalecerem sua oferta. Queremos oferecer aos passageiros uma grande quantidade de destinos dentro da Argentina e do Brasil. Essa aliança permitirá que a Aerolineas Argentinas incremente tanto o turismo doméstico, como sua presença em um mercado fundamental aos negócios, como o brasileiro”, diz Mariano Recalde, presidente da Aerolineas Argentinas.

Presente na Argentina desde 2005, a GOL é a empresa aérea com o maior número de voos entre o país e o Brasil, com 78 freqüências semanais. A companhia mantém operações regulares para Buenos Aires (aeroportos de Ezeiza, Ministro Pistarini e Aeroparque Jorge Newbery), Córdoba e Rosário. Do Brasil para a capital argentina são 11 freqüências diárias, com voos diretos que partem e se destinam a São Paulo, Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro e, com escala, para Curitiba. Há também ligações diretas de e para Santiago (Chile) e Assunção (Paraguai). Além de voos domésticos na Argentina, a Aerolineas realiza voos para 19 destinos internacionais nas Américas, Europa e no Pacífico Sul. A empresa está implantando um programa de renovação da frota, que começou em 2009, com a adição de 12 Boeing 737-700 Next Generation e a aquisição de 20 aeronaves Embraer 190. Em novembro do ano passado, a empresa iniciou o processo de adesão na SkyTeam.

Pitacos

Wolmer Jardim

ROTH, O PARDAL DO OLIMPICO

O Grêmio não fazia uma grande partida no sábado, mas desceu para o vestiário com vantagem no marcador e com o adversário e o jogo controlados. Tudo indicava que no segundo tempo a vitória seria consolidada. Não se contava, porém, que naqueles 15 minutos de vestiário baixaria em Celso Roth, mais uma vez, o espírito de Professor Pardal. Alegando uma suposta possibilidade de expulsão de Fernando, retirou do time o único jogador que marca no meio campo. Fez mais: adiantou Gilberto Silva, cuja lentidão se acentua com a idade, e ainda colocou na zaga Edcarlos ao lado de Rafael Marques, compondo a pior dupla de zagueiros que há no Olímpico. E deixou Saimon no banco... O que se viu então no segundo tempo foi o time adversário, lanterna do campeonato e com dez jogadores, avançar sobre o campo do Grêmio, dominando o jogo, pois não havia marcação pelo meio. Como já fizera em Curitiba, Roth vendo a besteira que cometera, tentou reequilibrar as coisas pondo Adilson em campo, mas este novamente pareceu uma mosca tonta, nem marcando, nem organizando as jogadas. E sem Marquinhos não havia quem segurasse a bola e pensasse o jogo. Enfim, a partida terminou com o lanterna do campeonato, com dez, jogando na área do Grêmio. Mais dez minutos e o Grêmio voltaria de Minas com uma derrota vergonhosa. Acho que brevemente o voto de confiança dado pela torcida a Celso Roth será retirado. No já conhecido processo de autoafirmação, ele recomeçou a inventar e quando inventa geralmente é para esculhambar com o time e irritar o torcedor.

A CANDIDATURA DE AFONSO MOTTA

Conheço razoavelmente Afonso Motta. Tenho-o na conta de homem sério e político promissor. Filho de um cerne do trabalhismo alegretense, Cassiano Paim da Motta, ele herdou do pai virtudes incontestáveis. Mas não sei se Motta, hoje secretário do Gabinete dos Prefeitos do governo estadual, não errou ao se candidatar a presidente do PDT estadual. Não que lhe faltem qualidades para o cargo. Acontece que como integrante do secretariado, está em posição subalterna em relação a Tarso Genro e, por extensão, ao PT. Já ouvi referências a essa circunstância. Raciocinam seus críticos: e se mais adiante, como presidente do PDT, Motta precisar fechar coligações visando às eleições estaduais, como poderá manter-se neutro e independente nas negociações com o conjunto dos partidos, se presta serviços ao governo petista, tendo Tarso, certamente um dos protagonistas do episódio eleitoral, como seu chefe?
Sei que não vale a comparação, mas quem aborda a questão por esse lado, certamente tem em mente Carlos Lupi, presidente nacional do PDT e ministro do governo petista. Lupi, todos dizem, usou o PDT como moeda de troca para integrar o governo, primeiramente agarrado às barbas (para não citar outro ponto anatômico) de Lula e agora na saia da presidenta.

De Brasília

Turma de empregados da Manchete, que lutam na Justiça do Trabalho, pra receber seus direitos esteve em Brasília conversando com autoridades da área trabalhista. O espólio da Manchete é hoje da Rede TV


Coleguinhas


Venda da rádio Alto Taquari levou uns seis meses pra ser concluída. Dizem em Estrela que o antigo dono, ex-deputado federal Nelson Proença tinha crescido muito o olho e pedira 2,5 milhões de reais. Parece que não levu tudo isto...

*A rádio Alto Taquari funcionava desde 1948. Agora é Rádio do Vale....820


*Muita gente boa pôs os pés na profissão na Alto Taquari: Antônio Carlos Porto, o Portinho, recentemente falecido, JCTerlera, Sérgio Zambiazi,Oscar Chaves Garcia(pai do Alexandre)Lauro Schmidt, Adauto de Azevedo entre outros...

*Apenas quatro funcionários ainda trabalhavam na antiga rádio e uma gerente.

*O que se comenta é que o passivo na Justiça do Trabalho é grande. Muitos ex-funcionários ingressaram com ações trabalhistas.


*Há cerca de um ano, a Alto Taquari perdeu o narrador espsortivo, Alexandre dos Santos, que foi pra Encantando e deu um baque na receita da rádio.

FOFOCAS DE BRASILIA


Celito de Grandi estará lançando no Congresso Nacional seu livro sobre o caso Kliemann.Lançamento será dia 27. Mas no dia 26 almoça no Stela Grill com a turma do Serginho, Claudio Humberto e cia...


*Carlos Chagas está terminando um livro sobre memória política....


*O Senado deverá encomendar ao articulista, um livro sobre Leonel Brizola.

 

OS RESQUÍCIOS DA DITADURA

Memórias


Logo após a instalação da NOVA REPUBLICA - assim batizada por Tancredo Neves e pela Aliança Liberal(antigo PFL)

alguns novos ocupantes de estatais em Brasília foram com muita sede ao pote, sede de poder, é claro. Isto estava previsto.

NA EMPRESA BRASILEIRA DE TRANSPORTES URBANOS- EBTU - assumiu a presidência o arquiteto Telmo Borba Magadan, que era do PMDB, mas que teve um grande empurrão pra chegar lá do PFL...indicação do senador Jorge Bonhausen, se não estou enganado.

Junto com Magadan, ele levou uma equipe de arquitetos muito competente do Sul. Entre eles, Augusto Portugual, e outro diretor de família tradicional, Alberto Martins Costa, o Beto.


Pra ser seu chefe de gabinete, foi o hoje famosa advogado José A. Pinheiro Machado, que em 1986 ninguém conhecia por ANONYMUS GOURMET, apresentador de tevê e articulista de jornal.

O jornalista para a imprensa foi um paulista..

Mas na imprensa tinha um empregado que incomodava a nova direção: chamavam a ele de " resquícios da ditadura".

Sergio Ros fora realmente coordenador de Comunicação Social do Ministro dos Transportes, do presidente Figueiredo, Cloraldino Severo.

Serginho ali era um estorvo para alguns....

E como desgraça nunca vem sozinha, Serginho passava por uma dificuldade muito grande na vida pessoal: sua mulher Iara, já falecida, estava em coma num hospital. Ele passava a noite lá, ia cedo pra casa de manhã, tomava um banho e ia pra EBTU embora lá não lhe dessem nem um clip pra ele usar...ficava o dia todo de varde, porque não lhe pediam serviço( é o jeito que se faz no serviço público para que o funcionário peça o bonè...)

Serginho lembrou-se de um amigo, que tinha dos tempos que ele dirigia a revista Manchete em Brasília.
E ligou pra o então deputado federal do MDB, Aluísio Paraguassu, que foi a Brasília...Lá foi direto falar com o presidente da estatal....Baixaram as pressões sobre o " resquício da ditadura"...

A EBTU, empresa que tratava dos problemas de transporte urbano nos grandes centros do Brasil, foi extinta pelo presidente Collor de Mello.

SAIU NA IMPRENSA


NA edição da VEJA da semana passada, uma boa matéria sobre o atual mercado das domésticas e baás.Tem caído o número de trabalhadoras de forno e fogão e de faxina, mas ainda é alto, revela Veja. se comparado a de outros países.


Na Europa e USA a primeira coisa que os imigrantes aprendem é que cada um faz sua limpeza. Ninguém pode pagar uma faxineira na Europa e USA...Só mesmo os muito abonados.

CRISTINA DEVERÁ SE REELEGER COM FOLGA

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares

Os argentinos votarão amanhã no próximo presidente do país, em um pleito cujo favoritismo é de Cristina Kirchner, atual mandatária do país. Cerca de 28 milhões de cidadãos depositarão seus votos para escolher também deputados federais, senadores e governadores de nove províncias do país.
De acordo com as pesquisas de intenção de voto, Cristina tem o voto de mais de 50% da população e deverá se reeleger com folga. Nas eleições primárias que ocorreram em junho, ela obteve 50,24% dos votos. Na Argentina, não é preciso conquistar mais da metade do eleitorado para vencer no primeiro turno. Caso o candidato consiga 45% dos votos válidos, ou ao menos 40% dos votos com uma diferença mínima de dez pontos percentuais com relação ao segundo colocado, está automaticamente eleita.

CACETE NELES!

COM REMINDO SAUIM

Aécio vota contra Minas

Aécio traidor
A Renata La Prete entregou o traidor Aécio Neves em sua coluna Painel, que sai também no nosso O Sul.
O senador mineirinho votou a favor dos interesses do Rio de Janeiro, produtor petróleo, na questão dos royalties. Votou contra portanto, contra contra Minas Gerais, que não é produtor de petróleo. Tancredo Neves e Tiradentes devem estar se revirando no túmulo.


Remindo Sauim

SEM PULO - TÚNEL DO TEMPO


Olá pessoal,
Permita-me remeter as colunas Sem Pulo e Túnel do Tempo
deste final de semana, que escrevo na Folha Popular.
Abraço e bom findi.
Rudimar Thomas

CRISTINA FERNANDEZ DE KIRCHNER: A DAMA ARGENTINA

De Buenos Aires
Enriqueta Sollares

Cristina Elisabet Fernández de Kirchner, atual presidente da Argentina, é uma política e advogada e ex-senadora pelas províncias de Santa Cruz, Foi também primeira-dama do país, pois é viúva do ex-presidente Néstor Kirchner, ao qual sucedeu no governo do país latino.
Em 28 de outubro de 2007 foi eleita 55ª presidente da Argentina, a primeira mulher eleita pelo voto direto, no país.

Presidente da Argentina, Cristina Elisabet Fernandez de Kirchner

Cristina Fernández nasceu em 19 de fevereiro de 1953, em La Plata Buenos Aires filha de Eduardo Fernández, descendente de espanhóis, e Ofélia Esther Wilhelm, descendente de alemães. Cursou os primeiros anos no Colégio Comercial San Martín e depois seguiu para o Colégio Nuestra Señora de la Misericórdia, ambos na cidade de La Plata. Cristina concluiu seus estudos superiores na Universidade Nacional de La Plata.
Cristina casou com o seu colega de estudos e de militância política Néstor Carlos Kirchner em nove de Março de 1975. Juntos foram residir na província de Santa Cruz, onde se dedicaram à atividade privada como advogados. Têm dois filhos, Máximo de 32 anos e Florencia de 19 anos. Cristina foi confirmada como candidata do Partido Justicialista (Frente para a Vitória, situação) para as eleições presidenciais de 28 de outubro de 2007 e despontara como líder em todas as pesquisas de popularidade, com grandes possibilidades de ser eleita ainda em primeiro turno, segundo os analistas políticos do país, fato este concretizado na eleição. Na madrugada de 29 de outubro, sua eleição em primeiro turno foi confirmada pela imprensa argentina com aproximadamente 45% dos votos válidos.

Controvérsias

A imprensa acusa a gestão de Cristina Kirchner de tentar intimidar opositores e direcionar a publicidade oficial do governo para veículos de comunicação aliados, em detrimento dos demais. Cristina reage às críticas acusando a mídia de "golpista" e evita entrevistas coletivas a jornalistas. Cristina é acusada de utilizar o sindicalista Hugo Moyano e a Confederação Geral do Trabalho da Argentina (CGT), como "tropa de choque" visando intimidar a imprensa. O governo Cristina Kirchner minimiza as ações dos sindicatos contra a imprensa, afirmando tratar-se de um conflito trabalhista e não atentados contra a liberdade de imprensa.

O sindicalista Hugo Moyano (CGT, amigo de Cristiana

Opositores

O escritor Mario Vargas Llosa fez duras declarações contra a família Kirchner, afirmando que o governo de Cristina é "um desastre total". Um grupo de escritores e intelectuais simpáticos ao governo pediu formalmente que o Nobel de Literatura fosse barrado da inauguração da Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, em abril de 2011, por "não ser adepto da corrente de idéias que abriga a sociedade argentina". A presidente Cristina Kirchner, ligou para o presidente da Biblioteca Nacional, promotora do evento, pedindo retratação e se colocando contrário ao veto.

FMI

O Fundo Monetário Internacional foi bastante crítico a forma com a qual o governo de Cristina Kirchner mensura os indicies de inflação. E ameaçou o governo de sanções caso não normalizassem os indicies oficiais de preço. Há discrepâncias entre os números divulgados pelo governo e institutos privados. O que levou membros do FMI a uma missão oficial na Argentina em abril de 2011.

“Fria. Soberba. Pedante”
Biografia não autorizada disseca Cristina Kirchner

Em entrevista pelo Canal 26, a escritora e jornalista Syvlina Walger, deu uma de médica cirurgiã e aplicou fundo o ‘bisturi verbal’ para analisar a anatomia do governo. O governo de Cristina começou com uma boa química, mas hoje é apenas uma associação política, simplesmente para conservar o poder. Há muito tempo a única coisa que a une a fortuna a dividir. É algo triste o que ocorre com ela. No passado parecia ser uma mulher acessível e agradável. Mas, transformou-se em uma mulher com uma persistente cara de amargura, que nunca está satisfeita. É um ser cheio de rancor.
Fontes de seu entourage sustentam que ela está cansada, que sofre desmaios freqüentes. Além disso, padece ataques de angústia. Parece que ela teria esse plano para depois de 2011. E esse plano é uma idéia que pensa cada vez com mais força, especialmente depois daquele sonoro sopapo que sua cara metade lhe desferiu na “noite das 125” (noite na qual – em julho de 2008 – a presidente sofreu uma dura derrota no Senado, que derrubou – por apenas um voto – o projeto de ‘impostaço agrário’ de Cristina e mergulhou o governo em crise política). É curioso, mas é verdade. Tem a ver com o caudilhismo, uma das ‘virtudes’ peronistas. O peronismo é profundamente machista, ao contrário da União Cívica Radical (UCR), que é intensamente misógina. Mas, apesar do machismo, as mulheres tiveram papéis protagonistas no peronismo.

Escritora e jornalista argentina Syvlina Walger

Dona de uma elegante língua viperina, a escritora e jornalista argentina Syvlina Walger lançou nesta semana “Cristina, de parlamentar combativa a presidente fashion”, biografia não-autorizada da presidente Cristina Kirchner. Walger, que ficou conhecida nos anos 90 ao publicar “Pizza com champanhe” – um raio - X implacável da frivolidade do governo do presidente Carlos Menem (1989-99) – volta à carga uma década e meio depois com esta obra que os assessores presidenciais evitam comentar. No livro a escritora, disseca a personalidade da presidente argentina, sua relação sentimental e política com o marido e ex-presidente Néstor Kirhcner, além da obsessão em renovar o guarda-roupa com vestimentas caras. Walger, que foi militante do grupo Montonero nos anos 70 – e conviveu com setores da elite – conhece por dentro os bastidores da política argentina. Em seus livros não hesita em destripar todo o leque ideológico, da direita neoliberal à esquerda. Nos anos 90 escreveu ”Pizza com champanhe”, obra que retrata de forma ácida a frivolidade e a ostentação do governo do ex-presidente Carlos Menem. O título da obra teve tanto impacto que, dizer “Pizza com champanhe” na Argentina equivale a referir-se automaticamente à “era menemista”.


CRISTINA X CLARÍN


Cristina costuma não apreciar as críticas e observações da imprensa nacional e estrangeira.


A presidente Cristina Kirchner alega que a nova lei é para acabar com os “monopólios” de comunicação existente na Argentina e gerar mais “pluralidade” na mídia é imprescindível. Além disso, sustenta que a nova lei favorecerá a produção nacional de conteúdos. A lei tem um objetivo claro, que é o de torpedear o Grupo Clarín, que foi aliado do governo entre 2003 e 2008 e com o qual está em estado de confronto desde abril do ano passado (segundo a presidente Cristina e seu marido e ex-presidente Néstor Kirchner, o “Clarín” está por trás de um ‘golpe de Estado’ contra o casal presidencial).
A oposição retruca e afirma que a nova lei implica nas maiores “restrições” à liberdade de imprensa aplicada à mídia argentina desde o fim da Ditadura. Além disso, alegam que a nova lei favorecerá o surgimento “novo monopólios”, cujos donos seriam amigos empresários do casal Kirchner. A oposição reclamou, já que o procedimento era explicitamente irregular. O governo ficou em silêncio e procedeu com a convocação da sessão. O ponto culminante da briga de Cristina e o Grupo Clarín, foi à blitz realizada pela Receita Federal argentina, no ano passado, à sede do jornal “Clarín”, o jornal de maior tiragem do país.
Eleições no domingo

Por isso, a grande incógnita é que tipo de personalidade política será Cristina sem a sua outra metade, após as eleições de domingo, onde ela vai tentar seu segundo mandato presidencial. Guardadas as devidas proporções, como lembra o El País, veremos uma dirigente atuante e agitada como Evita Peron ou uma presidente fraca que se deixou levar nos últimos anos de seu governo. Alheio ao que os espera no futuro, o povo argentino vai aguardar na fila a vez de votar, domingo.

O DIA QUE ZERO HORA PEGOU FOGO!!!!!!!!!!!!!!!!


Neste eu posso falar de carteirinha porque trabalhava no jornal. Recordo que foi num fim de tarde...daquele já distante ano de 1973,quando ainda engatinhava no jornalismo. Eramos todos jovens, focas e ainda tínhamos uma grande ilusão: que o jornalismo mudaria o mundo....

Até que um dia o editor-chefe naquele ano de 1973, Armando Burd, nos alertou:
- Isto aqui é uma empresa comercial pra dar lucro. Não pra derrubar a ditadura...

Foi um banho de água fria...

Mas vamos ao incêndio da ZH...por muitos anos comentado.

Não tenho certeza se eu estava na redação e ouvi todo mundo correndo em direção à saída: é que a redação ficava no primeiro andar, onde hoje me parece tem um setor do comercial.

Mas sei que voltara do meu plantão diário junto às delegacias de polícia e tinha acabado de bater as matérias e entregue ao Sérgio Becker, ou ao MOla, que era quem copidescava o material dos focas. Acho que era o Mola...O editor chefe da Polícia era o Renato Pinto da Silva...

Lauro Schirmer conta no seu livro da RBS que o fogo irrompeu por volta de 19horas 30 minutos.

Ele teria começado junto a uma pequena sala de reuniões no andar térreo.Lá também se localizavam salas de diretores.

Pode até ter começado com alguma ponta de cigarro em cesto de lixo. Outros diziam que fora do ar condicionado.

O fogo poderia ter sido apagado, mas os bombeiros demoraram e não havia água nos hidrantes na frente do prédio do jornal, na av. Ipiranga.

O fogo se alastrou rapidamente e levou três horas pra ser dominado pelos bombeiros.

A maior perda foram os negativos de fotos que incluia também oacervo do jornal ULTIMA HORA, que se queimou.

Nas baixas humanas ninguém morreu mas Nédio Cechin, do copyrigth, Renato Pinto da Silva e o locutor Celestino Valenzuela( que lance!!!!!!!!)
além do chefe da fotografia, Telmo Cúrcio da Silva acabaram tendo intoxicação pro monoxído de carbono e foram pro HPS.. No segundo andar funcionava a rádio Gaúcha que naquele dia ficou fora do ar duas horas e 15 minutos.

Só foi possível fazê-la funcionar com o caminhão de externas da TV Gaúcha.

A ZH rodou nas oficinas do Jornal do Comércio...Lá pelas 4 horas da madrugada, com dezenas de editores e repórteres em volta das oficinas cansados mas orgulhosos, rodava uma edição que acabou sendo histórica na vida de ZH: a manchete dizia INCENDIO NÃO PAROU JORNAL...

Sinal daqueles tempos bastante heróicos em que muita gente suava a camiseta pela empresa....

NAIRA DÁ ADEUS

AO TURISMO!


Num pequeno comunicado on line, a Naira Sanes, que trabalhou muitos anos no turismo, manda avisar que se aposentou...Do seu jeito " xiru" ela comunica: não mandem mais notícias por este mail.


- Chega de tolerar gente chata, gente que incomodava nos fins de semana porque o avião não saiu....e

outros problemas,como as cinzas do vulcão , contou ela um dia.

Entre as inúmeras viagens que fez durante sua vida de profissional do turismo, apresento estas duas fotos da Naira na Patagônia onde ela esteve na década passada.
Numa das fotos, Naira esta nas ILHAS FALKLANDS( as MALVINAS) numa pracinha, onde o adorno é formado por dentes de baleias.


Na outra foto, ela está num barco junto a um glaciar, também na Patagônia.

TV URBANA


DE QUEM É AFINAL A TV URBANA??

IMPRENSA

RADIO ALTO TAQUARI

FOI VENDIDA


Segundo o jornal A HORA, os detalhes da negociação e o futuro da rádio que muda de nome e de programação a partir do ano que vem.

RACHA


DIEGO CASAGRANDE E SEU EX-SÓCIO SÉRGIO MARTINS( QUE NO PASSADO FOI DONO DA ACADEMIA DO PARCÃO) DISPUTAM PALMO A PALMO AS COBERTURAS DE EVENTOS DE EMPRESÁRIOS. sÓ QUE SÉRGIO MARTINS ESTÁ COBRANDO A METADE DO QUE COBRA DIEGO CASAGRANDE...

*A cobertura para programas de TV está virando um filão para jornalistas que ficaram desempregados. De alguma coisa, a turma tem que viver.


*E os assessores de imprensa ficam nervosos com isto, porque concorrem com eles. Ou seja, o empresário paga o assessor de imprensa justamente pra ele fazer sair a matéria sem precisar pagar...e com a turma que cobra, aí a duplicata é dupla...


*NA ARI, comenta-se a boca pequena, que o Ayres Cerutti alugou muitas das alas sem deixar muito claro o quanto a reforma da mesma descontava de aluguel pra ser pago...

O Ayres ainda vai se incomodar por ter tirado aquela prÍ dio da masmorra e do abandono que estava.

BAR NAVAL


o CENTENÁRIO BAR NAVAL no Mercado Público de Porto Alegre está para ser reaberto. Tudo remodelado.


Não vai ser mais local de cachaceiros.....

MI CASA MIA VIDA! POBRE PATRIA MÍA!


“Um programa habitacional, com crédito para moradias, seria o novo trunfo eleitoral da presidente Cristina Kirchner, que se prepara para enfrentar a reeleição dia 23 deste mês. Qualquer semelhança com “Minha Casa, Minha Vida”, programa brasileiro habitacional, seria mera coincidência”.

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.
Os argentinos gostumam dizer por aqui, que as últimas palavras do general Manuel Belgrano, a 20 de junho de 1820, quando ele morreu, pobre, na cidade de Buenos Aires, foram...
“Oh Patria Mía!..
Esse ídeia, acaba de dar título ao livro do escritor e jornalista Marcos Aguinis, "Meu país pobre!, Esta expressão, ou uma pode dar volume alto a queixa que opovo argentino faz em coro da poítica atual da presidente Ctristina Kirchner. No livro, o escritor conta que a família Kirchner – ele se refere ao ex-presidente Nestor, que governou o país com austeridade e hoje, sua mulher, Cristina, que em vez de representar verdadeiramente o povo que a alegeu, trata os compatriotas como um inimigo. Segundo o escritor, Iesse jeito de governar, contribui para a destruição permanente das instituições democráticas.
Segundo o escritor, o título do livro segue a palavra "panfleto", "gênero popular do século XIX, usada para se rebelar contra a censura rigorosa e dar voz àqueles que não tem vez. Usando papel barato e com a ajuda financeira de amigos jornalistas, Marcos Aguinis conseguiu lançar seu livro. Marcos Aguinis, além de escritor e um psiconoanalista Referência intelectual argentinos hoje.

Escritor e jornalista Marcos Aguinis
“A Argentina está a caminho do inferno, passou de rica, culta e decente, a uma nação pobre, mal educada e corrupta”. Aguinis é autor também de “El atroz encanto de ser argentino”,
O escritor diz que o governo de Cristiana Kirchner usa o dinheiro dos aposentados para outros fins, e que seu respaldo vem dos arrabaldes da Grande Buenos Aires, onde os mais pobres vivem de subsídios, tipo bolsa-família.
"Dentro de algumas décadas a Argentina se fez pobre, ignorante e corrupta. Cool!" Escreve Aguinis no primeiro parágrafo do “Pobre Patria Mia”! Transcrição do título o lamento final de Manuel Belgrano. Assim, o autor tenta deixar estampada sua própria fúria, a partir da capa do livro.
"Eu queria perseguir a fúria e ser calmo. Eu não sou exceção. Há uma raiva que se tornou generalizada e quase constante. Devemos fazer alguma coisa, porque a Argentina merece outro destino. É da exclusiva responsabilidade deste governo que ficamos pobres, ignorantes e corruptos".

Distrito de La Matanza, abandono total

Marcos Aguinis faz denuncia sobre o abandono de muitas vilas pela grande Buenos Aires e usou o exemplo de do distrito de La Matanza para comentar. Ruas de terra, casas precárias que não têm acesso à rede de gás, esgotos a céu aberto que provocam irritações na pele e muito lixo abandonado. Assim vive os moradores de Villa Dorrego, uma das 156 favelas localizadas no distrito de La Matanza, no coração da Grande Buenos Aires, que com seus 325 quilômetros quadrados e 1,8 milhões de habitantes representa um poder eleitoral que desde 2003 é controlado pelos Kirchner. Apesar da pobreza que já se tornou crônica em vários bairros da região, 65% dos eleitores de La Matanza votou na presidente Cristina Kirchner nas primárias de agosto passado.
Segundo Aguinis, os votos de La Matanza foram fundamentais para que o ex-presidente Néstor Kirchner chegasse ao poder, em 2003. Na época, o então prefeito Alberto Balestrini - hoje aposentado da política após sofrer um AVC - decidiu respaldar o desconhecido governador da província de Santa Cruz, que terminou desembarcando na Casa Rosada com apenas 22% dos votos obtidos no primeiro turno da eleição presidencial. O ex-presidente Carlos Menem alcançara 24%, mas, ciente de que seria derrotado no segundo turno, renunciou à disputa. O Kirchner deve muito à La Matanza e foi lá que a presidente encerrou sua maratona de inaugurações durante a atual campanha eleitoral.

Aguinis comenta que num discurso, a presidente Cristina Kirchner disse para os moradores do distrito de La Matanza que seu marido, Nestor, tinha uma especial fraqueza pelo distrito. “Ele gostava muito de vocês”, declarou Cristina, com lágrimas nos olhos, pouco antes de abrir oficialmente as portas do Hospital Alberto Balestrini. Segue o escritor... A presidente disse ter conversado sobre as necessidades sanitárias de La Matanza com seu marido - falecido em 27 de outubro do ano passado, vítima de um ataque cardíaco - e ambos chegaram à conclusão de que "era mais importante construir dois hospitais (no distrito) do que comprar um avião novo".
O distrito de La Matanza é maior do que províncias como Mendoza, Tucumán, Entre Rios e Misiones. Lá estão 156 das 864 favelas que atualmente existem na Grande Buenos Aires, e que segundo estudo realizado nos últimos dez anos - dos quais oito corresponde aos governos de Néstor e Cristina Kirchner -, o número aumentou 16,7%. No mesmo período, a população total das favelas da região cresceu 55,6%.
“Qual foi a estratégia da Casa Rosada para preservar os preciosos votos de La Matanza, apesar das condições de extrema pobreza em que vive boa parte de sua população? Basicamente, usou de todos os tipos de ajuda que o governo dispõe para - dos programas de ajuda social. O dinheiro veio tanto da recuperação da economia como da estatização de fundos privados, do uso das reservas do Banco Central e do INSS argentino, o Anses. Em 2010, a presidente criou, por decreto, a chamada Ajuda Universal por Filho, que beneficia 3,6 milhões de crianças cujos pais recebem US$ 63,5 (R$ 110,29) por mês. A partir de maio deste ano, o plano passou a incluir grávidas com mais de três meses de gestação. Em agosto passado, já em campanha eleitoral, Cristina elevou em 22,7% a assistência, um dos grandes acertos de sua gestão. Na Villa Dorrego, localizada no bairro de González Catán, ( outro local de extrema pobreza) muitas mulheres dependem deste subsídio do governo para cobrir suas necessidades básicas de alimentação”. Disse.


Segundo ele, as crianças vivem com problemas na pele pelo lixo e a água contaminada que estão por todos os lados. O creme receitado pelos médicos custa o equivalente a outro subsídio cobrado pela família, o "cartão de leite", de cerca de US$ 18,8 (R$ 32,65) mensais.
Os principais programas sociais do governo consomem US$ 36 bilhões (R$ 62,5 bilhões) por ano. A assistência por filho não é o único programa que explica o bom desempenho eleitoral de Cristina em La Matanza e em outros distritos pobres da Argentina. Desde que a letra “ K”, Kirchner, chegou ao poder, a aposentadoria mínima, hoje de US$ 335 (cerca de US$ 582), subiu 361%. Atualmente, estima-se que 5,6 milhões de argentinos estão aposentados. Em meados deste ano, Cristina autorizou, ainda, um reajuste de 25% do salário mínimo, que subiu para US$ 540 (R$ 938). Paralelamente, o governo construiu uma complexa e milionária rede de subsídios a setores como energia e transporte, que impediu o aumento de tarifas e seu conseqüente impacto eleitoral, num país que este ano deverá, como em 2010, ter uma inflação real em torno de 30% (a inflação oficial é três vezes menor). Segundo economistas privados, o governo destina cerca de US$ 17 bilhões (R$ 29,5 bilhões) a subsídios, o que representa 3,7% do PIB. No ano passado, eram US$ 11,5 bilhões (R$ 20 bilhões). Do total de subsídios concedidos pelo governo, 61,8% vão para o setor energético e 33% para transportes.
Em setembro, a Secretaria de Transportes concedeu US$ 260 milhões (R$ 451,5 milhões) em subsídios às empresas de ônibus da cidade e da província de Buenos Aires. Em 2004, o mesmo montante foi usado para subsidiar durante todo o ano as empresas de ônibus, metrô e trens. Em média, todos os ônibus da capital e da província de Buenos Aires recebem US$ 12.800 (R$ 22 mil) por mês do Estado. Com esta intensa política social, O governo de Cristina, provocou um expressivo aumento do gasto público, que hoje representa cerca de 40% do PIB, de acordo com um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI). Em 2006, o percentual era de 30,9%

“Em nosso país hoje, a cultura, o trabalho, o esforço e a decência do nosso povo foram substituídas pela cultura da mendicância, e fcgilidade na corrupção. Os governos deveriam tentar aumentar a confiança dos seus cidadãos para evitar vazamento fora de poupança de capital e ... Há mais de meio século que aumenta a tendência para enviar dinheiro para o exterior: ninguém confia no que diz respeito à propriedade privada. Ela faz hoje ( Cristina) , o que o seu marido fez quando era governador de Santa Cruz, e depois como presidenete, então... agora, ela parece disposta a repatriar centenas de milhões de dólares que se transformaram em uma jornada global que produz informações claras (ou até mesmo obscuras), apesar de queixas persistentes e atitude ignóbil de promotores e juízes que não ousam enfrentá-la".
Segundo ele, a Argentina Society vem caindo em termos de valores e idéias por mais de meio século.
“Os governos infectaram o povo com pensamentos ultrapassados. Em vez de seguir o caminho do progresso sério os governos simplesmente ignoram a verdade. Hoje, devemos olhar para a Nova Zelândia e Austrália, por exemplo”
Ao falar claramente sobre corrupção, Marcos Aguinis, faz uma referência aos Kirchner,
“Vocês acham que eles o fazem para ficar ricso ou para permanecer no poder? Do ponto de vista psicanalítico, por um milionário casamento com todo o poder, como se costuma dizer, as necessidades de corrupção a que se refere? A ambição não tem limites, nem em termos de dinheiro ou poder. Além disso, ao entrar no campo da corrupção é como ir lentamente afundando em areia movediça que é muito difícil de sair. Este casal fez a sua riqueza com a especulação imobiliária e financeira, por isso não entendo os esforços da produção e sabotagem para essa democracia fraca. O Congresso é o tema de uma manipulação em curso, porque os legisladores se escondem sob a tempestade de facas que giram em torno de suas cabeças”.

Tudo isso e muito mais, ele escreve em seu livro... E Guinis continua:
"Quando era senadora, Cristina Kirchner tinha outro pensamento sobre o país.. Nos seus longos discursos no senado, ela parecia de ser uma verdadeira Argentina de sangue e alma... Será? Hoje, ela, como chefe da nação, esqueceu tudo isso. O seu passado foi por água a baixo. Justiça, força e poder. Este é o ponto que a faz governar. Todos que endam ao seu redor e costumam lember suas feridas, tem medo. Quando morreu o ex-presidente ( que o bom deus o recebe em paz) diz que no seu livro tem uma passagem sonbre a viúva Cristina. Ela reuniou todo so seus ministros e deu a seguinte ordem: não quero medir esforços para fazer o fineral do meu marido( Néstor) . O que vai custar não interressa. O dinheiro é da nação. Não há nenhum problema nisso. Afinal, ele foi e sempre será o maior presidente que a Argentina teve, até hoje...
E o escritor continua sua entrevista falando sempre sobre o que a presidente tentou fazer, queria fazer e não vai fazer.
“Os escândalos e corrupção para o casal Kirchner é como comer um cachorro quente em sua casa”.
Por mais de uma hora, Marcos Aguinis respondeu a inumaras pergumtas de telespectadores. Um deles, quis saber do escritor, por quê ele afirma que a democracia da Argentina é fraca!.

Simples, dusse ele. “A democracia é fraca porque o Congresso não é independente. É fraca, porque a justiça tem medo do Executivo. Porque não existem controles efetivos sobre a governança. Tudo é realmente uma fonte de sensura e medo...
Outra pergunta falava sobre separação de poderes no país.


Argentina. Meu país pobre!...


“Nem um pouco. É uma falha terrível, repondeu o escritor. O governo de Cristina é de mentiras, com rebelião do povo, descontentamento, pobreza e corrupção. Não se pode fazer nada a não ser ver o que o povo sente com tudo isso. Eu sinto pena de uma nação que pode ser grande, rica, generosa . Se continuar assim, nosso país vai chegar a miséria. O governo argentino diz que apenas 15% dos habitantes do país sofrem com a pobreza. Por outro lado, a Conferência Episcopal, fala ao contrário. A pobreza atinge 40% dos argentinos. Tanto é verdade que o Papa Bento XVI pediu o "esforço do governo argentino para reduzir a pobreza e a desigualdade social. O escritor diz que com esforço a boa vontade, é possível tornar uma sociedade mais justa e fratern”.
“Digo para que todos possam ouvir... O meu país esta ferido de morte. Uma morte anunciada há bastante tempo. Uma morte provocada pelos seu próprios governantes... Doentes de poder”! Hoje, os médicos em toda Buenos Aires entram em greve por três dias. Eles estão expostos, sem orçamentos, as pessoas estão morrendo... A Argentina continua morrendo, vítima da infame letra "K" do poder. Como tudo isso vai terminar? Existe um futuro para a Argentina? Como pode um país tão rico está condenado à miséria? MEU PAÍS POBRE!

Sumiço!!!!!!!

Sumiu uma térmica do café da salinha JCTerlera da ALE...

SERGINHO, VOLTA NÃO PRO PDT, PRO PMDB!!!!aí tu vais ser aliado da Dilma,sem ser do partido dela....

Pela última vez.
O cara não sabe de nada e se mete a comentar.
Por que não vai catar coquinho?

SERGIO OLIVEIRA

De São Borja


Assessores da deputada estadual JULIANA BRIZOLA, do PDT,passaram por São Borja na sexta passada. Foram comer um peixe na casa de um ex-cabo eleitoral que esperava uma CC na Assembléia Legislativa e não levou...nãolevou nem um muito obrigado.Cada um com seus problemas, diz um ditado..mas o cabo eleitoral aproveitou pra fazer alguns comentários sobre o mandato da deputada que ele de longe acompanha...


*Nesta conversa vazou o que a deputada está planejando: mais um mandato a deputada estadual e depois um cargo no executivo. Não se pode descartar até a governador do Estado..


*Pretensão e água benta não fazem mal a ninguém

*Amigos do poeta CLEMAR DIAS como o jornalista Wolmer Jardim estão surpresos com um boato que saiu no Bar do João: que o poeta, conhecido mão de vaca, estaria por oferecer um churrasco pros amigos na próxima feira do livro que se avizinha

 

De São Borja

CLAIR RIBAS, ex-presidente do PDT local, ganhará o titulo de cidadão honorário de São Borja que será entregue dia 12.12 próximos.


Proposta do vereador Celso Lopes....

NOTA DE ESCLARECIMENTO: Adeli Sell afirma que nada mudou

Eu fui o primeiro militante do PT de Porto Alegre a colocar
seu nome à disposição do partido para ser seu
candidato a prefeito, a fim de que nossa legenda que governa
a Nação e o Estado, que governou a capital por 16 anos,
pudesse se apresentar ao eleitorado, solicitando sua volta
ao Paço Municipal.

O companheiro Raul Pont foi à Executiva e também colocou
seu nome ao dispor. O deputado federal Henrique Fontana
pediu tempo, enquanto o deputado estadual Adão Villaverde,
apesar de ser citado como possível candidato, não se
apresentou à nossa direção. Este é o atual quadro do
processo para as eleições de 2012

Onte m, fui surpreendido com uma nota na mídia local
dizendo que eu estaria desistindo de minha candidatura, que
isto teria sido festejado por quem se opõe à candidatura
própria.

Eu sempre ajudei meu partido para que não houvesse
divisões internas, mas isto não significa que eu tenha
que me submeter a alguma facção para resolver
pendências internas ou interesses pessoais.

Neste episódio das eleições de 2012 minha postura
não será diferente. Eu me apresentei. Cabe ao partido
decidir. Foi assim quando me apresentei para ser presidente
do partido na capital.

Diziam que seria uma loucura, pois o partido passava por uma
grave crise, saído de duas derrotas eleitorais, sem
estrutura, com dívidas. Passados menos de 20 meses, nosso
partido se posiciona para uma nova disputa com muito vigor.

Se eu verificar em algum momento que minha candidatura possa
prejudicar, co locarei isto a meus apoiadores para uma
reflexão coletiva, podendo abrir mão, para que a disputa
se dê entre outros companheiros.

Como não me movo por interesses pessoais, meus atos vão
ser determinados pela defesa do Partido dos Trabalhadores e
pela cidade e seus cidadãos. O resto são fofocas. E acho
lastimável que companheiros plantem notas na mídia, para
tirarem proveito.

- Pela democracia do PT
- Pela defesa do PT
- Por Porto Alegre sempre!

Adeli Sell
Vereador e presidente do PT-POA
99335309

OS TIJOLINHOS DO BEIRA-RIO

Mesmo sendo gremista vou contar uma história sobre a construção do Beira-Rio que sempre me tocou o coração. Lá na década de 60, a direção colorada fez uma bela campanha para a torcida doar tijolos como ajuda ao clube. Naquele tempo, poucas pessoas tinham automóveis, e o povão ia a pé ou de ônibus, desciam no centro e caminhavam até o estádio dos Eucaliptos. Nesta época, em locais que estavam em construção era comum os tijolos ficarem na calçada e a torcida passava por alí e ia pegando alguns tijolos que eram entregues a Comissão de Obras. Muitos de nós gremistas, com obras no trajeto, ajudaram na construção do Beira-Rio.

OPOSIÇÃO ENFRAQUECIDA
Depois de tentar uma CPI contra nosso prefeito Jairo Jorge, a oposição tenta coloca-lo como réu na Justiça através de uma ação popular, que de popular não tem nada, é promovida pelas elites que foram corridas pelo povo da política local. A tentativa é pífia, mas levantam a bola para a imprensa chutar. Os autores, se escondem através de um advogado que lhes defende em diversos processos que a Justiça lhes move.

MINISTRO DOS ESPORTES

As tais provas que o policial militar tinha contra o Ministro Orlando Silva, não foram entregues a Polícia Federal. O denunciante não é bobo, já que está para lá de enrolado com a Justiça e sem provas, foi primeiro na imprensa e na oposição, que fizeram todo o trabalho sujo. Com esta bagunça toda, o que fica de positivo para o PCdoB é número de vezes que a sigla foi citada pelo país. Até as eleições ninguém mais vai se lembrar deste caso, mas o recall da sigla fica na memória do eleitor. Vai ganhar um monte de votinhos, acho que em vez de resmungar contra os jornalistas, devia era agradecer.

Remindo Sauim

Estrela FC comemora 80 anos

Olá Olides,
remeto a seguir a matéria da reunião inicial
para os festejos dos 80 anos do EStrela F.C.
Abraço
Rudimar


Este ano acontece o 3º Encontro de Ex-Jogadores, dirigentes e amigos
do Estrela FC, desta vez para comemorar os 80 anos do clube.
Será dia 26 de novembro, no CTG Estrela do Rio Grande, quando será
servido um costelão no jantar, sendo já definido o preço de R$ 15,00 o
convite.
Segunda-feira à noite, a Comissão Organizadora (foto) esteve reunida
no Restaurante Bar do Adão, tratando dos detalhes.
Segundo Leocir Borges (no centro da foto) uma subcomissão está
tratando da realização de uma partida de futebol na parte da tarde,
entre ex-jogadores interessados, a exemplo do que aconteceu ano
passado.
À noite, antes do jantar, serão entregues Diplomas em homenagem aos
ex-atletas que já completaram 80 anos de idade.
Segue-se sorteio de brindes e várias apresentações musicais.
No mural de fotos, também será exibido por Luiz Roque Schwertner,
dentro das comemorações de 90 anos de O Paladino, a ampliação de uma
cópia do original da ata de fundação do Estrela FC.
Até o final do mês serão enviados os convites com detalhes da comemoração.

Matéria e foto Luiz Carlos Freitag

ROTEIRO DO FINDI

Domingo estou ainda em dúvidas se represento ou não o MATZ no jogo do Inter X Corintias...senão vou ver um filmezinho bom que tem por aí....é que ir até a BOIA CATIVA me cansa...é longe, não tem transporte....não sei como vão fazer uma copa do mundo lá...

EIS PORQUE O BEIRA RIO ERA

TAMBÉM CONHECIDO POR BOIA CATIVA!

Estádio Beira-Rio - Porto Alegre
Telefones:
(051) 3230-4600
Endereço: Av. Padre Cacique, 891
Porto Alegre / Rio Grande do Sul

O Beira-Rio é o estádio do clube de futebol Sport Club Internacional e está localizado as margens do Lago Guaíba, em Porto Alegre.
Seu nome oficial é Estádio José Pinheiro Borba, nome de um cidadão português que durante muitos anos comandou as obras, morrendo antes que fossem terminadas.
O estádio possui capacidade para 56 mil pessoas. E estacionamento para 4,5 mil veículos. Oferece ainda: Loja InterSport, Agência Banrisul, Loja de Produtos Tradicionalistas, Churrascaria Montana Grill no Parque Gigante.

A construção
Exatamente no ano em que estava terminando uma longa hegemonia do Inter no futebol gaúcho, 1956, começou a história da construção de um grande estádio, o Beira-Rio. No dia 12 de setembro de 1956, o vereador Ephraim Pinheiro Cabral, um homem do futebol, que por várias vezes presidiu o Inter, apresentou na Câmara de Porto Alegre o projeto de doação de uma área que seria aterrada no rio Guaíba. Na verdade o Inter estava ganhando era um terreno dentro da água. Só em 1959 o clube fincava as primeiras estacas do Beira-Rio.
O Beira-Rio foi construído em grande parte com a contribuição da torcida, que trazia tijolos, cimento e ferro para a obra, inclusive do interior. Nesse sentido, havia programas especiais de rádio, para mobilizar os torcedores colorados em todo o Rio Grande do Sul. Consta que até Falcão, mais tarde ídolo colorado, chegou a trazer tijolos para a construção.

Na década de 60, uma época difícil para o Inter no futebol, o Beira-Rio, ironicamente chamado de Bóia Cativa parecia que jamais seria concluído. Cansados das derrotas do time nos Eucaliptos, ali pertinho, os torcedores saiam para ver as obras do novo estádio. A gente torcia por pedreiros, lembram os colorados daquele tempo.
Finalmente o Beira-Rio foi inaugurado no domingo de 6 de abril de 1969, dois dias e 60 anos depois da fundação do Inter. No jogo inaugural, contra o Benfica de Portugal, Claudiomiro faz o primeiro gol do Inter no estádio. E de repente um homem grande começou a chorar, e a abanar para a torcida, enquanto dava a volta olímpica no gramado: era Rui Tedesco, o engenheiro que concluiu o Beira-Rio. Emocionados estavam também os dirigentes, mas nada era maior do que o orgulho dos torcedores. Naquela tarde nascia o Gigante da Beira-Rio.

do site http://www.portoalegre.tur.br/index.php

ARI SEM BAR


O barzinho do térreo da ARI está fechado.


O novo dono não consegue abrir porque faltam assinar unspapéis.E ele já adiantou 2 mil reais ao antigo dono, o espanhol....

Na ultima quarta, ficou duas horas tentando resolver o asusnto com o presidente Batista Filho, que nada decidiu...Parece que falta assinar um contrato.

TUDO COMO DANTES NO QUARTEL DE ABRANTES


na ari, COM A NOVA DIREÇÃO NADA MUDOU...

mAS COMO IRIA MUDAR se Batista Filho era o eterno vice de Ercy Thorma.

O que se instalou lá é um grupo que controla o pequeno poder que a ARI ainda tem...

Há até um ex-militar da Marinha, que faz parte da diretoria.

Coleguinhas


A contratação de Núbia Silveira pra coordenação do Jornalismo na Prefeitura mostra que José Fortunatti não estava satisfeito com o trabalho de Flávio Dutra.

Já tinha cantado esta pedra aqui, de que a comunicação da prefeitura não funcionava. Faltava talento e havia muita preguiça.

Coleguinhas

Rádio Alto Taquari não é mais do Grupo Tchê. Foi comprada pelo empresário Osvaldo Carlos Van Lewen , dono do Informativo de Lajeado. Vai transmitir programas que a rádio Independente, do grupo, transmite.

Osvaldo Carlos, pra quem não sabe, é pai do repórter Paulo Alceu, que vive em Floripa.

Coleguinhas

Flávio Dutra pediu o boné da Coordenação da Comunicação Social da Prefeirua de Porto Alegre. No seu lugar,entra o jovem Juliano Thadeu.

Núbia Silveira vai assumir na coordenação da área do Jornalismo. Aline Kusiak continua na Propaganda.

Flávio Dutra informou que não fala sobre sua saída....

DEU NA IMPRENSA

NA ZH DE ONTEM, DIA 20.10, UMA SÍNTESE

DA COLETIVA NA BM SOBRE OS BRIGADIANOS INCENDIÁRIOS!


clique na imagem para ler

DEU NA IMPRENSA

VEREADOR é filmado de cueca em BH

 

Repetindo o célebre caso do deputado Edmundo Barreto Pinto, que perdeu o mandato após aparecer em uma foto na revista O CRUZEIRO - a mais importante do país - vestido de casaca e cueca.Conforme a Folha de São Paulo, a Câmara de Belo Horizonte poderá abrir umprocesso pra pedir a cassação do vereador Gêra Ornelas(PSB), 61 anos, que aparece num v´-ideo trabalhando em seu gabinete.

Do site do CP


Prefeito de São Borja é condenado por peculato


De acordo com a denúncia do MP, dinheiro foi desviado da prefeitura para custeio de informativos e material publicitário
O prefeito municipal de São Borja, Mariovane Weis (PDT), foi condenado nesta quinta-feira a dois anos e 11 meses de reclusão em regime aberto pelo crime de peculato. O Ministério Público denunciou o político por ter feito campanha publicitária pessoal com dinheiro público. A pena foi substituída por prestação de serviços à comunidade e multa no valor de dez salários mínimos. Além disso, foi determinada, por unanimidade, a inabilitação para o exercício de cargo ou função pública pelo prazo de cinco anos e, por maioria, decretada a perda do mandado eletivo ocupado por ele. Além de prefeito de São Borja, Weis é presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs).

Conforme a denúncia do MP, oferecida em 2008 pelo procurador de Justiça Gilberto Montanari e o promotor de Justiça Tiago de Menezes Conceição, entre os meses de julho e setembro de 2007, Weis desviou rendas públicas em proveito próprio no valor de R$ 7.587,00 para custeio da confecção e distribuição de 20 mil exemplares do informativo intitulado “Perspectivas”. O material continha 25 fotos nas quais Weis aparece, destacava o nome e a marca usada pelo pedetista e listava alusões elogiosas à administração dele como prefeito.

Mais tarde, entre novembro e dezembro do mesmo ano, a denúncia fala que o prefeito, mais uma vez, desviou rendas públicas, desta vez sem informar o valor, para custear a confecção e divulgação, em televisão, do material publicitário “Tá melhor”, no qual apareciam imagens dele e o símbolo da administração, para o fim de promoção pessoal. O denunciado não respondeu às requisições do MP para apresentar documentos comprovando ou indicando o montante gasto na campanha publicitária.

No entendimento do Ministério Público, nos dois casos, ao invés de limitar-se ao caráter educativo, informativo ou de orientação social, os materiais, por conterem nome, símbolo e imagens relacionadas a Weis, caracterizaram promoção pessoal.

Do site da rádio Guaíba

Bombeiro de Lajeado é o quinto militar supostamente envolvido em protestos por reajustes à BM


BM revelou que ele pagou R$ 240 para homem colocar duas faixas na BR-386
Um bombeiro de Lajeado, no Vale do Taquari, é o quinto integrante da Brigada Militar (BM) suspeito de participação nos protestos por reajuste salarial registrados no Estado, nos meses de agosto e setembro. O comando da BM na região confirmou a informação, mas não divulgou o nome do investigado. Além dele, outros quatro policiais – dois deles de Alvorada, sendo que um pertence à reserva - realizaram as manifestações, segundo a corregedoria da corporação.

De acordo com o comandante da BM no Vale do Taquari, tenente-coronel Antônio Scussel, o bombeiro pagou R$ 240 para um homem colocar duas faixas reivindicando melhores salários, em sete de setembro, na BR 386. Os brigadianos chegaram até ele depois de descobrir a gráfica em que o material foi impresso. Também há indícios de que o bombeiro tenha colocado fogo em pneus, na mesma rodovia, em 29 de agosto, disse o oficial.

A colocação de faixas é uma transgressão - não chega a ser crime - que pode resultar em punição administrativa ao investigado. Já o incêndio é um crime previsto no Código Penal (não no Código Penal Militar). Se for provado que o bombeiro participou da colocação de fogo em pneus, a investigação tratando desse ponto fica a cargo da justiça comum.

Os PMs identificados em Alvorada são suspeitos de atear fogo em pneus e colocar falsas bombas nos protestos, conforme o inquérito da Polícia Civil. Um dos indiciados é o sargento aposentado João Carlos de Souza, o Lilica, ex-cozinheiro do Piratini durante o governo de Olívio Dutra. O segundo, Marcelo Mayer, soldado da ativa do 24º BPM, é um dos autores, conforme a PC, do vídeo entregue à TV Record ameaçando o governador com uma bomba real, logo depois que um artefato de mentira foi encontrado no Centro da Capital, nas imediações do Palácio Piratini. A polícia não descartou que ele também tenha participação no caso envolvendo um explosivo colocado na rua Fernando Machado, nos fundos da sede do governo gaúcho.

Foram registrados 70 protestos no Estado desde 4 de agosto. O prazo é de 50 dias para que a BM conclua o inquérito policial militar aos cuidados da Corregedoria-Geral

Memória da Imprensa


MAURICIO VIAJAVA NOS DOIS INCENDIOS

(NO DA TV GAUCHA E NO DA ZERO HORA)

O QUE DAVA ORIGEM A PIADINHAS MALDOSAS!


O fundador e dono da RBS, Mauricio Sobrinho não estava em Porto Alegre nem quando incendiou a TV Gaucha(hoje RBS TV)em 9 de junho de 1972( estava em Nova Iorque) quando pegou fogo a Zero Hora( na av. Ipiranga, 1073) em 28 de março de 1973( este último eu conheço bem porque já era repórter da ZH e vi tudo de perto...um dia conto)


Segunda narra Lauro Schirmer em seu livro sobre a origem da RBS, o incêndio na TV Gaúcha irrompeu às 22 horas do dia 9 de junho de 1972, as 22 horas . Localizada no morro Santa Tereza, a televisão também abrigava os estúdios da rádio Gaúcha( por favor, entendam que então a RBS era uma principiante, não era o que é hoje...) O incêndio na TV Gaúcha durou duas horas, narra Schirmer e destruiu parcialmente as instalações do prédio, tirando do ar a TV Gaúcha e a rádio Gaúcha e Porto Alegre.Por azar, dois dias no prédio da ZH, na av. Ipiranga, 1075, uma inundação das águas do arroio Dilúvio obrigou o jornal a ter três edições impressas no Jornal do Comércio e na Corag.
No incêndio,segundo Schirmer, houve azar e sorte: uma semana antes havia chegado a Porto Alegre um navio trazendo os novos equipamentos de transmissão em cores para o Canal 12(TV Gaucha) que foram desembarcados e colocados num depósito nos armazéns do porto.
Assim se salvaram do incêndio.

A rádio Gaúcha funcionou pouco depois do incêndio no morro num estúdio improvisado na redação da ZH, enquanto o canal 12, com um caminhão de transmissões externas e utkoizando como estúdio um galpão( aquele que mostra na foto deste site o Júlinho Pacheco falando num microfone) próximo que servia de depósito, voltou ao ar no sábado, com o diretor da empresa, Jayme Sirotsky abrindo a transmissão e dizendo:" Aqui estamos com vocês. A violência das chamas e extensão devastadora do incêndio apenas nos separaram por algumas horas. Toda uma equipe de centenas de companheiros, de dezenas de amigos, com dedicação extrema se desdobrou noite adentro. O fogo ainda não havia sido apagado e nós já estávamos empenhados na recuperação da emissora. E assim realizados o milagre de reviver das cinzas e voltar ao ar em tempo quase inacreditável. O Canal 12, inspirado na liderança de Maurício Sirotisky, continuará trabalhando sem interrupção para realizar uma televisão cada vez melhor".

JULIO PACHECO

BUSCA IVO FACCA

NO URUGUAI

Segundo Júlio Dreyer Pacheco ele foi a Montevideo buscar o engenheiro italiano Ivo Facca que vivia Montevideo. Mas Ivo não queria vir porque não falava português.Ivo entrou na jogada por indicação da RCA Victor, de quem a TV Gaúcha havia comprado os novos equipamentos. Ele era técnico da TV Montecarlo, de Montevideo.
Ivo, sua mulher Sofia e as duas filhas que tiveram, acabaram se ambientando ao Brasil e ficaram por aqui durante duas décadas, lembrou Schiermer. Júlio Pacheco conta que Facca ainda vive, mas sofre do mal de Alzheimer.Hpje Ivo estaria vivendo na praia de Atlântida, no Uruguai( a mesma onde ficou confiando Leonel Brizola, nos primeiros anos de seu éxílio).
Em Porto Alegre, Ivo Facca construiu um prédio perto da Praça da Encol, na Bela Vista.As duas filhas moram em Porto Alegre. Segundo Schirmer,no incêndio da TV Gaúcha houve uma preocupação no levantamento dos prejuízos para ressarcimento do seguro.O técnico enviado do Rio de Janeiro pelo Instituto de Resseguros do Brasil( cujo nome era Mário) não criou dificuldades, embora a área administrativa tivesse sido toda queimada e muita documentação junto.
O jeito pra fazer que este técnico não complicasse, narra Schirmer, foi logo encontrado pelos donos da emissora: encostaram nele belas mulheres na noite portoalegrense, mulheres conseguidas por Jorge Aplub, que tinha a AGência Gaúcha de Modelos. O tratamento influiu tanto que ele acabou ficando mais tempo do previsto.
Ninguém imaginava que o mesmo funcionário Mário, do IRB voltasse um ano depois, pra uma missão idêntica, desta vez fazer os levantamentos do incêndio no prédio da ZH, na noite de uma quarta-feira(19horas 30 minutos,quando este repórter estava voltando da rua com sua pauta cumprida no plantão das delegacias na av. Ipiranga)dia 28 de março de 1973.

Maurício também não estava em Porto Alegre neste dia...

Por isto, o próprio Lauro Schirmer, tirava sarro da situação. Numa feita, seo Maurício e dona Ione, a esposa, foram viajar. Mauricio pediu um registro da " família imperial" como Lauro se referia aos patrões( Mauricio , Ione e os 4 filhos)no Salgado Filho. Lá foi ele com o fotógrafo Galeno Rodrigues. Assim que foram tiradas as chapas, o casal entrou pra parte privativa do aeroporto pra esperar o embarque.
Lauro, muito taciturno e desconfiado diante de uma nova viagem do patrão, comentou preocupado com Galeno Rodrigues:

- MEU DEUS, o que será que vai pegar fogo agora....

Tamanha coincidência era mera casualidade, porque desta feita, lembra Galeno Rodrigues, nada pegou fogo!

Bancada do PMDB leva apoio ao prefeito de Gravataí

Os deputados da Bancada Estadual do PMDB acompanhado do presidente da Executiva Regional do partido, Ibsen Pinheiro e do secretário-geral, João Alberto Machado (prefeito de Torres), estiveram na manhã desta quinta-feira (20) em visita ao prefeito de Gravataí, Nadir Rocha, para levar apoio partidário e solidariedade à sua administração.

Durante o encontro, o líder da Bancada, deputado Giovani Feltes, ressaltou o momento histórico e de grande importância que o município e toda a região estão passando. “Estamos aqui para demonstrar nosso total apoio à decisão da Câmara de Vereadores e para dar o respaldo político ao prefeito empossado. Mesmo com um período pequeno, o prefeito deve procurar corrigir o rumo da prefeitura que se desviou por caminhos não muito transparentes, arrumar a casa, as finanças e procurar dar apoio às reivindicações da comunidade para que ela resgate sua auto-estima e sinta orgulho novamente de ser gravataíense”.

FOTO DE MAURO L. MORAES


Álvaro Boéssio observou que a unidade dos partidos que fazem parte da atual administração deve ser preservado porque, antes de tudo, os vereadores sofreram as mais terríveis pressões psicológicas e financeiras para trocar de voto na hora da cassação da ex-prefeita do PT e se mantiveram íntegros. “Merecem nosso respeito e admiração porque não se venderam”, ressaltou.

Para Edson Brum, presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Assembléia Legislativa, o que importa é que foi respeitada a Lei e a Constituição. “Os vereadores que cassaram o mandato da prefeita agiram corretamente, pois esta é a função do Legislativo municipal, segundo a Carta Magna brasileira: fiscalizar as contas do município além de organizar as funções internas para legislar e exercer o controle da administração local, principalmente quanto aos atos e as contas do Poder Executivo do Município. Os vereadores possuem, ainda, a função administrativa e função judiciária, processando e julgando o prefeito cuja pena é a perda do mandato. E é o que foi feito!”, observou o peemedebista.

O futuro presidente da Assembléia, deputado Alexandre Postal, disse que o ato acima de tudo era de apoio moral, partidário, institucional além de respaldar a decisão da Câmara de Vereadores. “Temos conhecimento da campanha difamatória que estão fazendo pela cidade contra os vereadores que cassaram a prefeita, através de carros de som e pixações. É mais uma demonstração de falta de Democracia às decisões soberanas dos poderes constituídos. Se acontecesse conosco, poderíamos até recorrer à Justiça, mas nunca difamar as pessoas pelas ruas”, ressaltou Postal.

O presidente do PMDB/RS, Ibsen Pinheiro foi enfático na defesa da atuação dos vereadores apesar de destacar que foi um remédio amargo para preservar a Democracia no município. “O golpe é não exercer o Poder conferido pela população com correção, responsabilidade, transparência e adequadamente. A ex-prefeita não honrou o cargo e o remédio republicano para estes casos é a cassação do mandato pela comunidade, pela população, pois os vereadores em sua grande maioria estavam representados democraticamente pelo povo de Gravataí. Portanto, é mais do que legítimo o ato do Legislativo municipal”, observou Ibsen Pinheiro.

Conforme ainda o líder peemedebista, os ex-administradores da prefeitura usurparam os direitos da população, saíram da linha e não honraram o cargo. “O povo colocou o atual prefeito Nadir para comandar a prefeitura por um processo altamente transparente, coberto de legitimidade e por um instrumento criado pela Democracia, que é o de analisar os atos, as condutas dos governantes e julgá-los se estão de acordo com as leis ou não. Na realidade, a Câmara nada mais fez do que um contragolpe, pois o golpe havia sido dado pelo PT na última eleição, quando colocou a ex-prefeita no lugar do candidato que teve negado pela Justiça a participação para concorrer no pleito, inclusive sem a foto dela na urna. Um absurdo que foi reparado. Espero que seja o fim da eternidade e do aparelhamento do PT no poder”.

Também participaram do encontro o deputado Marco Alba, os vereadores peemedebistas Zilon Espíndola, Acimar Silva e Dr. Levi e o atual secretário Geral do Governo Luiz Zaffalon.

De São Borja

CLAIR RIBAS, ex-presidente do PDT local, ganhará o titulo de cidadão honorário de São Borja que será entregue dia 12.12 próximos.


Proposta do vereador Celso Lopes....

De São Borja


*Assessores da deputada estadual JULIANA BRIZOLA, do PDT,passaram por São Borja na sexta passada. Foram comer um peixe na casa de um ex-cabo eleitoral que esperava uma CC na Assembléia Legislativa e não levou...não levou nem um muito obrigado.Cada um com seus problemas, diz um ditado..mas o cabo eleitoral aproveitou pra fazer alguns comentários sobre o mandato da deputada que ele de longe acompanha...


*Nesta conversa vazou o que a deputada está planejando: mais um mandato a deputada estadual e depois um cargo no executivo. Não se pode descartar até a governador do Estado..


*Pretensão e água benta não fazem mal a ninguém

*Amigos do poeta CLEMAR DIAS como o jornalista Wolmer Jardim estão surpresos com um boato que saiu no Bar do João: que o poeta, conhecido mão de vaca, estaria por oferecer um churrasco pros amigos na próxima feira do livro que se avizinha

1ª Expo Evangelista

A comunidade Evangelista, Casca, realizou a 1ª Expo Evangelista. O evento ocorreu no dia 16 de outubro de 2011, reunindo expositores de produtos da indústria e comércio da região. Durante a Expo Evangelista os visitantes prestigiaram mostra de máquinas e equipamentos agrícolas, feira de produtos coloniais e de artesanato, shows artísticos e olimpíadas coloniais.
A Associação Amigos do Artesanato Linha Onze de Serafina Corrêa participou da exposição. Segundo a Presidente Mareni Catanio, a Associação sentiu-se bem acolhida, foram feitos bons contatos, vendas, encomendas e o dia foi de troca de experiências com os artesãos de Casca, Evangelista e Passo Fundo.

Serginho, um histórico


Diversas vezes me peguei na bateção de teclas com o Sergio Oliveira, de Charqueadas. Grande defensor de Getúlio Vargas, o homem que colocou o Brasil no século 20 e grande benfeitor do trabalhador brasilero. Getúlio, junto com Lula são os maiores brasileiros de todos os tempos, cada um a seu tempo. Um impôs suas idéias pela força e o outro pela negociação. Serginho é um histórico, apegou-se a visão de um PTD do século passado, um partido que só sobrevivia na imagem de Leonel Brizola. Morto o líder, o partido ficou órfão e cada afilhado perdido no tempo e no espaço.
Serginho, não te cala. Precisamos da tua voz para enfrentar o verdadeiro inimigo que é a direita, os filhotes da UDN, da Arena e dos torturadores de 1964. Estes são teus os inimigos, aqueles que levaram, já em 1954, a Getúlio sacrificar-se como aviso aos brasileiros contra forças terríveis que tramavam contra a nação. Temos que lutar contra eles com todas as vozes possíveis. Volta, Serginho. Mas pelo amor de Deus, para de ler a Veja e assistir a TV Globo.


Remindo Sauim, de Canoas

Coleguinhas


Na entrevista com a deputada federal do PCdoB, ontem,dia 20.10, no BOM DIA na Guaíba, ficou bem nítido a diferença de postura entre os dois que perguntavam: enquanto a Ellen Braun tratava a autoridade com uma intimidade espantosa( "Manuela, mas tu te lembra do ano passado"!!!!!!!!!!!!!! e por aí afora....) Rogério Mendelski ia devagar nas coisas, tratando a tratando a entrevistada por senhora deputada....

Gato escaldado tem medo de água fria....

A coleguinha Ellen ainda vai pisar numa casca de banana...logo ....logo...quem viver verá....!!!!!

UMA NAÇÃO CORROMPIDA

Por Carlos Chagas


Importa menos se João Dias for um bandido que inventa e acusa sem provas ou se Orlando Silva vem sendo vítima de um complô entre a Fifa e Ricardo Teixeira, por conta da Copa do Mundo. A verdade é que não dá mais para o ministro permanecer. Seu desgaste pessoal só não é maior do que o desgaste do governo. Da lambança restrita ao choque com o ex-policial, salta aos olhos o abuso que vem marcando o conluio existente entre o poder público e montes de ONGs fajutas e criminosas. Porque a farra não se limita ao ministério dos Esportes, como antes não se circunscrevia ao ministério do Turismo. A metástese generalizou-se, vinda do governo Fernando Henrique, passando pelo governo do Lula e mantendo-se no governo Dilma.
Inocente ou culpado, Orlando Silva lidera o noticiário e sofre a indignação nacional diante desse expediente primário da criação de organizações não governamentais feitas para mamar nas tetas do tesouro público e irrigar os caixas de partidos políticos, grupos próximos do poder, amiguinhos e até simples espertalhões empenhados em enriquecer.
Se há ONGs sérias, que prestam serviço à sociedade, seu número parece infinitamente menor do que as arapucas infiltradas na administração federal, estadual e municipal. Dizendo-se não governamentais, transformaram-se em penduricalhos do governo, sempre prontas a molhar a mão e o bolso das autoridades encarregadas de facilitar-lhes o assalto.
Raros são os ministérios onde ONGs não são financiadas pela corrupção, existindo também os dedicados a falcatruas ainda maiores, através das empreiteiras. Quatro ministros já foram triturados nas engrenagens que agora espremem o titular dos Esportes, tornando-se uma questão de tempo saber quando será expelido. Melhor faria se evitasse o espetáculo encenado por Antônio Palocci, Pedro Novais, Wagner Rossi e Alfredo Nascimento, que resistiram inutilmente antes de mergulhar nas profundezas.
MENSALEIROS EM AGONIA
A cada novo escândalo denunciado no país, diminuem as chances de absolvição dos 39 mensaleiros em julgamento no Supremo Tribunal Federal. Não se cometerá a perigosa ilação de presumir o voto dos ministros da mais alta corte nacional de Justiça, valendo apenas registrar terem sido raros os casos em que ela decidiu desligada da opinião pública. Os ventos que sopram na sociedade irrompem pelas frestas e até pelas janelas do Supremo, ainda que alguns de seus integrantes sustentem, teoricamente, a necessidade de decisões calcadas exclusivamente na lei e na jurisprudência. Estão os Meretíssimos atentos ao que se passa do lado de fora. A indignação nacional cresce a olhos vistos diante do espetáculo de corrupção encenado no país. Ficou para o primeiro semestre do ano que vem o julgamento dos réus implicados na mãe de todas as lambanças do governo Lula. É mais tempo para a descoberta de novas falcatruas, aumentando a reação nacional e levando os mensaleiros à agonia.
ADEUS REFORMA POLÍTICA
De forma lenta, a reforma política sumiu do noticiário. Na Câmara e no Senado arrastam-se bissextos debates e análises nas comissões técnicas, mas ninguém acredita mais na mudança das diretrizes eleitorais básicas. Até porque, passou o prazo para sua aplicação nas eleições do ano que vem, por impositivo constitucional. Como 2014 está distante e imperscrutável, senadores e deputados dedicam-se a deixar tudo como está, em termos institucionais. Até a mudança na data da posse dos novos presidentes da República ficou para um dia, no futuro...
SUMIU
Mesmo sem integrar a comitiva da presidente Dilma à África, quem sumiu foi a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti. Nenhuma intervenção teve a ex-senadora na crise porque passa o PC do B, a partir das denúncias contra o ministro Orlando Silva. Não é com ela se os comunistas históricos viram-se substituídos por capitalistas ditos não-governamentais, encarregados de impulsionar suas ONGs.
Duas explicações surgem a respeito: Ideli refluiu em sua atuação pela ausência de problemas político-partidários de vulto, nas relações da base parlamentar oficial com o governo, ou... Ou a ministra resolveu adotar a máxima que Mussolini aplicava para a Itália na primeira metade do século passado: “administrar os italianos não é apenas impossível, é inútil”.

Hélio Dourado receberá título de Cidadão nesta sexta-feira

A Câmara Municipal de Porto Alegre realizará sessão solene às 19 horas desta sexta-feira (21/10), no Plenário Otávio Rocha, para a entrega do título de Cidadão de Porto Alegre a Hélio Volkmer Dourado, ex- presidente do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Conforme o autor da proposta, vereador Tarciso Flecha Negra (PSD), Dourado merece a distinção por sua destacada atuação na cidade.

Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)

JA

EM SÃO BORJA


Durante a Fenaoeste o Jornal do Almoço foi a São Borja...

O" pacotaço" da RBS - além do JA, teve o Gaucha Debates e um programa da TV Com - teria sido patrocinado pelo Sindicato Rural e pelo arroz Prato Fino, do empresário Celso Rigo...

Valores?

Fala-se em São Borja desde 230 mil reais, até bem menos!

Memória da Imprensa


A FOTO ' ROUBADA"

Avani Stein tinha tudo naquele dia que saiu em começo de abril de 1985( ela recorda que a capa da Folha de S.Paulo,onde trabalhava na época só dava a agonia de Tancredo Neves, que faleceria no dia 21 de abril de 1985) pro julgamento do "famoso cabo Bruno"- um crime ocorrido em SP -pra voltar sem a foto que o jornal precisava.

- NãO Queriam deixar entrar com máquina porque era a Justiça Militar, lembrou ela, ontem,dia 19.10 antes de embarcar, hoje, dia 20.10 para Curitiba e São Paulo onde vai ministrar um curso.

E prossegue contando como " roubou" a foto:

- Entrei como uma espiã...bati a foto com uma máquina MINOX que coloquei debaixo do braço, escondida no soutien. Eu não uso soutien, mas naquele dia usei pra isto.

Dito e feito.

Avani conseguiu a foto tão desejada, voltou pra redação do chamado FOLHÃO. Assim que entregou a foto pro editor, bateu aquela fome...depois de almoçar,ainda voltou pro Tribunal onde ocorria o julgamento.
Ela guarda o exemplar onde saiu a foto - só não deu capa por causa da agonia do Tancredo Neves - com muito carinho.

Dois PMs são indiciados por protestos com queima de pneus e ameaças ao governador


Interceptações telefônicas foram determinantes na identificação dos suspeitos

A Polícia Civil indiciou dois policiais militares por ameaça ao governador Tarso Genro e por participação dos protestos com queima de pneus. As informações foram divulgadas em entrevista coletiva, na tarde desta quarta-feira.

Foram identificados, ao todo, seis suspeitos. Dois deles não são policiais, um é brigadiano da reserva e três são soldados da ativa, do município de Alvorada.

A polícia prendeu os dois indiciados nesta manhã, no entanto, as ações não estão relacionadas aos protestos. Marcelo Machado Maier, soldado do 24º BPM de Alvorada, foi preso por porte de drogas e José Carlos de Sousa, policial da reserva, por desacato.

A delegada Graciela Foresti diz que interceptações telefônicas foram determinantes para identificar os suspeitos. De acordo com o comandante-geral da Brigada Militar, Sérgio Abreu, os policiais envolvidos mancham a imagem da corporação.

Ao todo, são 26 inquéritos militares que devem ser instaurados para apurar mais de 70 protestos que ocorreram desde agosto no Estado. O inquérito com os dois indiciados será entregue nesta quinta-feira à justiça de

da zero hora on line

BM E PC

APRESENTAM

RESULTADOS CONTRA

BRIGADIANOS INCENDIÁRIOS

POLICIA CIVIL E BRIGADA MILITAR apresentaram,ontem,dia 20.10 os primeiros resultados contra os policiais militares que em agosto e setembro último provocaram incêndio de pneus e distribuíram um vídeo com ameaças a integridade física de familiares do governador Tarso Genro. Estvieram na coletiva a delegada Graciela Foresti, de Alvorada, o delegado regional de Alvorada,Leonel Carivali- porque os policiais indiciados são de lá,embora um deles more em Viamão - ,o comandante geral da BM, Coronel Sérgio Roberto de Abreu e o chefe de polícia delegado Ranolfo Vieira Jr.

Foram indiciados três policiais militares,segundo o comandante geral da BM: um da reserva e dois da ativa.

Ele citou o nome de Marcelo Maia e João Carlos Souza que ontem reagiu ao ser investigado e foi preso.

Um terceiro brigadiano foi preso ontem porque no seu armário segundo o comandante geral da BM foi encontrado uma porção de maconha.

Um terceiro nome não foi divulgado. Mas todos eles responderão a processo e poderão ser excluídos da BM.
No fim da coletiva, feita no auditório do quartel da BM na rua da Praia, foi quando se deu a maior confusão porque foram apresentados audios em poder da Polícia Civil onde mostra gravações feitas entre os brigadianos quando combinavam as ações de incêndio de pneus e dos contatos que foram feitos com as redações para a entrega de um video.

Todos os repórteres de tevê e de rádio ficavam com seus microfones tentanto " pegar " (gravar) o som que saía de um alto falante do auditório.

Pitacos de Wolmer Jardim

Diferenças

Comunistas de antigamente comiam criancinhas, os de hoje comem verbas oficiais. Mas diga-se a favor deles que fazem isso só no Segundo Tempo, enquanto muitos outros na vida pública brasileira não esperam sequer terminar o minuto de silêncio para se atracarem no erário.

Chances

Depois dos últimos acontecimentos, será que Manoela D´Ávila conseguirá ir pro Segundo Tempo, ops, segundo turno?

À espera do Fujão

Em cidades da Fronteira já estão sendo organizadas caravanas de gremistas para o jogo do dia 30 no Olímpico, contra o Flamengo. É o que acontece, por exemplo, no Bar do Alemão, em São Borja. Há, de fato, uma expectativa fora do comum cercando o (re)encontro do Fujão com o seu clube de origem. É de se prever um clima beligerante cercando a partida, pois até hoje o torcedor não conseguiu perdoar aquele que um dia optou por escafeder-se sorrateiramente pelos portões dos fundos do estádio que o viu nascer para o futebol. Antevejo a vaia descomunal com a qual o Traidor será recepcionado, um grito só, que troará do Oiapoque ao Chui, fazendo tremer o solo pátrio. Acho até que se esse jogo fosse realizado no Beira-Rio, haveria o risco de o estádio afundar, diante da magnitude sísmica da irada manifestação da nossa torcida.

COMPANHEIROS

LAMENTAM DECISÃO DO CHARQUEADAS ( Sergio Oliveira, de Charqueadas)


De São Borja, Neuza Penalvo lamenta a decisão do ex-companheiro "Charquedas".

O companheiro deve estar profundamente magoado! terá seus motivos.... para tomar tamanha decisão! ainda mais ele um profundo estudioso e pesquisador da história do PDT e do trabalhismo! Lamento Muito.

Neuza Penalvo.

Cidade Baixa: Cece debate proteção a crianças

A Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) da Câmara Municipal de Porto Alegre irá realizar reunião externa nesta quarta-feira (19/10) às 19h30 min. Os vereadores irão se reunir com representantes da comunidade e autoridades para discutir medidas de proteção a crianças e adolescentes em relação à na vida noturna do Bairro Cidade Baixa e entorno. Foram convidados integrantes da Brigada Militar, Polícia Civil, Fasc, EPTC, Smic, Smam, SMDHSU e do Conselho Tutelar responsável por proteger os menores naquela região. A reunião será realizada no salão térreo da Igreja Sagrada Família, à Rua José do Patrocínio, 954.

Fernando Cibelli de Castro (reg. prof. 6881)

RECEBO DO MATZ PORQUE CONTEI QUE SONHEI COM O ZAVASCHI

MAS SERÁ QUE SONHAR COM MORTO

É ESTAR MAL DE SAÚDE....

Amigão Olides;
Tudo bem, quando eu for até Porto Alegre eu te procuro.
Mas sonhar com morto é perigoso. Uma dessas tu não voltas do sonho e te encontra com ele. Sem brincadeira, amigo. Mas é um mau sinal. Procura um médico. Faz um check-up, pois é uma forma do teu inconsciente ou alma, ou espírito, avisar que teu corpo está precisando de reparos, um médico, uns remedinhos, antes que seja tarde.
Abraços
Luiz Oscar Matzenbacher

Historias de la Undeze....

A IGREJA SOBREVIVEU

POR POUCO

Muitos serafinenses lamentam que a Igreja Matriz local foi descaracterizada interiormente....Suas pinturas internas, muito originais, foram todas apagadas e hoje estão tudo pintado de branco...


A Igreja de Serafina Correa, com seu interior meio vazio....

Mas mal sabem alguns que a igreja MATRIZ ainda está de pé por obra de alguns serafinenses que descobriram nos anos 70 que os padres iriam derrubá-la e construir uma bem "modernosa" - do estilo de um estádio ..

Estes serafinenses foram Luis Carlos Montanari,sua prima a advogada Maria Luisa Montanari( que fora vereadora e é advogada)o fotógrafo Nelson De Villa, o médico Roberto Arroque, o Beto e Marieto Migliavacca(sempre ligado aos assuntos da Igreja local).

Eles conseguiram incluir a igreja no patrimônio Histórico Cultural do EStado e solciitaram sua preservação( é o que aconteceu no ano passado com a cantina da Sociedade Estrela Guaporense).

Mas os padres correram na frente e espalharam pela sua rádio Rosário que a preservação fora ordenada pelo Papa e por isto que ela acabou não sendo derrubada.

DIA DO MÉDICO

Tenho uma filha médica, que trabalha no Clínicas de São Paulo. Mas é a minha filha jornalista....

Ela é que lê, não a que fez jornalismo...

Mas mesmo assim, a cumprimentei no seu dia...

Obrigada, pai!
Beijo.

DESPEDIDA

OLHA, CHARQUEADAS, LAMENTO. POR MIM PODES CONTINUAR ESCREVENDO SOBRE OUTROS ASSUNTOS.


MAS RESPEITO TUA DECISÃO...

FOI UM PRIVILÉGIO, COMO DIZIA O FINADO MENDES RIBEIRO...

O EDITOR!


Resolvi me desfiliar do PDT.
NÃO, NUNCA, JAMAIS me filiarei em outro partido.
Política não mais me interessa, motivo pelo qual não vou escrever mais.
Felicidades.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

AEROLINEAS ARGENTINAS QUITA DÍVIDAS E ENCERRA PROCESSO DE FALÊNCIA

De Buenos Aires
Gelson Farias

O presidente da Aerolíneas Argentinas, Mariano Recalde, anunciou, durante apresentação do novo espaço vip no aeroporto de Ezeiza, o fim do processo de falência que recaía sobre a aérea desde junho de 2001. O valor das dívidas chegava a US$ 500 milhões, e a justiça argentina transitou em julgado o processo ontem.

Mariano Recalde.
Recalde afirmou que a companhia acumulou investimentos na ordem de US$ 740 milhões durante este período, o que, além de quitar as dívidas, propiciou a aquisição de novas aeronaves.
“Muitos pensavam que nossa empresa, por ser estatal e, até então, endividada, não conseguiria manter os investimentos em novas aeronaves. Bom que os fatos mostram o contrário”, disse.

Este é o novo espaço vip, o Salón Cóndor, da Aerolineas Argentinas, no aeroporto de Ezeiza, inaugurado ontem.

RENÚNCIA COLETIVA, UMA SOLUÇÃO


Por Carlos Chagas


Na dependência do que vier a acontecer nos Esportes, ganhará corpo na Esplanada dos Ministérios uma proposta tão singular quanto elogiável: por que todos os ministros, num gesto forma, não colocam seus cargos à disposição da presidente Dilma Rousseff? Se ela já deu sinais de promover no começo do próximo ano uma recomposição da equipe, melhor fariam seus ministros antecipando-se. Claro que não haverá uma substituição integral do ministério, é possível, até, que a maioria dos 38 ministros permaneça, mas a iniciativa engrandeceria todo mundo, se unânime.
Alguns recalcitrantes poderão alegar que seus cargos sempre estiveram à disposição da presidente, o que é verdade, mas, sem dúvida, a renúncia coletiva teria o efeito de evitar constrangimentos. Deixaria Dilma mais confortável para livrar-se de uns tantos ministros que não escolheu, engolidos como indicação dos partidos e do ex-presidente Lula.
Quanto aos novos, é evidente que serão objeto de sugestões da base partidária do governo, ainda que de forma bem diferente da formação do primeiro ministério. Seria a oportunidade de a presidente selecionar opções com base nas duas exigências que não conseguiu concretizar quando de sua posse: probidade e capacidade.
Por enquanto a renúncia coletiva é apenas uma idéia, mesmo vista de soslaio precisamente pelos que temem ser substituídos. Poderá prosperar, em especial se o ministro Orlando Silva não se agüentar, na hipótese de surgirem novas denúncias e acusações contra ele.
ABSURDO
Desencadearam os juízes federais uma operação-padrão, paralisando o julgamento de ações onde a União é autora. Trata-se do primeiro passo para a greve. Reivindicam aumento de vencimentos e tentam, assim, constranger o governo. Convenhamos, é um absurdo. Certas carreiras são incompatíveis com a greve, suas preliminares e seus desdobramentos. O Poder Judiciário não tem o direito de apelar para a prerrogativa concedida aos assalariados em geral.
TIRANDO O QUE NÃO PODEM DAR
Vencedor dos gregos em Queronéia, Alexandre tornou-se rei da Macedônia com a morte do pai, Felipe. Preparava-se para conquistar o mundo quando, em Atenas, soube da existência de um sábio para ninguém botar defeito, famoso advogado que doara todos os seus bens e fora morar num barril, dando lições de ética e filosofia. Alexandre quis conhecê-lo, postando-se diante dele com todas as reverências e homenagens. Ofereceu-lhe tudo o que quisesse: palácios, tesouros, mulheres e poder.
Diógenes, sem levantar-se da abertura de sua singular residência, respondeu apenas: “majestade, não me tires aquilo que não me podes dar”. Alexandre verificou estar entre o filosofo e o sol. Tão chocado ficou que retirou-se sem mais uma palavra.
A historinha se conta a propósito da informação de que o PT prepara uma patrulha virtual para atuar em redes sociais, fazendo propaganda de seu programa e rebatendo todas as críticas sofridas por parte dos meios de comunicação. Os companheiros vão invadir twitters, face-books, computadores e toda a parafernália eletrônica atual. Entrarão como intrusos na vida de milhares de pessoas. É o caso de perguntar se não estarão tirando de todos nós aquilo que não nos podem dar: tempo...
COMISSÃO DA VERDADE EM PONTO MORTO
Esbarra num obstáculo a votação da lei que cria a Comissão da Verdade: mesmo constituída para investigar a ação de agentes do poder público durante o regime militar, suspeitos de praticar tortura, violências variadas e até assassinatos, não haverá como os encarregados de tomar depoimentos evitem que os acusados deixem de referir-se ao outro lado. Traduzindo: ao defender-se, citarão ações igualmente condenáveis dos empenhados na luta armada contra a ditadura. Vão dar nomes e expor situações, coisa capaz de complicar a vida de muita gente hoje no poder. Porque seqüestros, assaltos e assassinatos também aconteceram por parte de seus adversários. A imprensa não deixará de reproduzir tudo, até mobilizando-se para ouvir réplicas e tréplicas.

ALÔ EPTC! Do Boletim do Adeli Sell


Luciana reclama da linha de ônibus Ponta Grossa 171, que segundo ela faz jus ao número. “Passa raramente e leva quase 2 horas para chegar”.

A ALEGRIA DO BICO BRANCO COM O NOVO CAMINHÃO


DIZEM EM SERAFINA, OS MALDOSOS, QUE A DONA CARMEN MANDOU O MARIDO BAIXAR LA PANÇA PORQUE SENÃO O CONFUNDIAM COM UM MOTORISTA DE CAMINHÃO.

MAS NESTA FOTO, BEM QUE ELE PARECE MESMO PELA ALEGRIA POSANDO NA FRENTE DO NOVO CAMINHÃO QUE COMPROU PRA SERAFINA. E PRA QUE NINGUÉM SE ESQUEÇA QUE SERAFINA FOI TERRA DE CAMINHONEIROS.


Caminhão para a Secretaria de Obras


Com o objetivo de melhorar e agilizar os serviços prestados pela Secretaria de Obras, a Prefeitura Municipal adquiriu um caminhão Ford Cargo 712. O veículo tem capacidade para 7.700kg e foi adquirido com recursos próprios, no valor de R$ 127.300,00. A aquisição representa um grande avanço nos importantes e contínuos trabalhos realizados pela Secretaria Municipal de Obras, com benefícios para toda a população.


Associação de Cegos do Rio Grande do Sul comemora 44 anos de atividade com programação especial


No mês de outubro a Associação de Cegos do Rio Grande do Sul (ACERGS) comemora seus 44 anos de fundação com uma programação especial. Até o dia 23 a Associação promove sarau, passeio de ônibus turismo, missa, mostra musical e festa. Todas as atividades têm entrada/inscrição franca.
A ACERGS é uma entidade filantrópica que presta atendimento ao deficiente visual e seus familiares, trabalhando em prol da sua capacitação e qualificação, e buscando sua integração à sociedade, apoiando-o e representando-o.
A Associação oferece diversas atividades direcionadas ao deficiente visual, com atendimento totalmente gratuito, como oficinas de informática, braille e música, que são ministradas por profissionais portadores de deficiência visual. Também realiza programa de orientação e mobilidade, que tem por objetivo proporcionar ao deficiente visual autonomia por meio da aprendizagem de técnicas que possibilitem o mesmo a se locomover com segurança e independência em locais internos e externos, além de disponibilizar acompanhamento psicológico ao beneficiário e familiares.
Por mês atende em média 600 pessoas, através de serviços e projetos sociais que contribuem para a inserção do deficiente visual no mercado de trabalho e permitem a capacitação, a acessibilidade e a independência desses indivíduos.

PROGAMAÇÃO

Dia 19 de outubro (quarta-feira)
“Palavra Guia” – Sarau Comemorativo ao 44º Aniversário da ACERGS
Horário: 20h às 21h30min
Centro Cultural CEEE Erico Verissimo – Auditório Barbosa Lessa

POETAS
Jorge Luís Borges
Romar Beling (Santa Cruz do Sul)
Waldin de Lima (POA)
Daniela Damaris (POA)
Mauro Ulrich (Santa Cruz do Sul)
Cristina Macedo (POA)
Élvio Vargas (POA)
Paulo Roberto do Carmo (POA)
Renato de Mattos Mota (POA)
Liana Timm (POA)
José Eduardo Degrazia (POA)

* Participação especial do intérprete e compositor Cristiano Hanssen.
Coordenação de Daniela Damaris

Dia 20 de outubro (quinta-feira)

>A ACERGS disponibiliza 40 lugares no 2° piso da Linha Turismo de Porto Alegre no dia 20/10, às 10h30. Trata-se de City tour pelos principais atrativos da Zona Sul de Porto Alegre, localizados nos bairros Praia de Belas, Cristal, Assunção, Tristeza, Ipanema, Vila Nova, Belém Velho, Glória e Medianeira, entre outros.
Um guia de turismo especializado e credenciado no Ministério do Turismo acompanha o passeio com informações históricas e curiosas sobre personagens, ruas, bairros, praças, monumentos e outros atrativos. O roteiro passa por 10 bairros, com mais de 30 atrativos, sendo os pontos altos o Calçadão de Ipanema, com sua paisagem tranqüila das águas do Lago Guaíba, e o Santuário Mãe de Deus, no alto do Morro da Pedra Redonda, que oferece uma vista de 360° dos morros e da cidade. Do roteiro Caminhos Rurais, a Linha Turismo Zona Sul contempla a casa de produtos coloniais La Pipa Nostra, os parreirais do Sítio Dom Guilherme e o Morro da Pedra Redonda.
Os bilhetes não terão custos, pois foram concedidos como cortesia pela Secretaria Municipal de Turismo. Os passageiros deverão chegar até 30 minutos antes da saída do passeio, na Travessa do Carmo, 84 - Cidade Baixa. Em caso de chuva o passeio é cancelado e as reservas podem ser reagendadas.
AS INSCRIÇÕES PODEM SER REALIZADAS NO ESCRITÓRIO DA ASSOCIAÇÃO DE CEGOS DO RIO GRANDE DO SUL – ACERGS. Falar com ADRIANA.

>Missa em Ação de Graças, às 18 horas e 15 min
Igreja Nossa Senhora do Rosário - Rua Vigário José Inácio, Nº 402 – Centro, Porto Alegre

Dia 21 de outubro (sexta-feira)
II Mostra Musical de Pessoas Cegas
Horário: 19 horas
Local: Casa de Cultura Mário Quintana (CCMQ) - Auditório Luis Cosme - Rua dos Andradas, 736 - Centro

PROGRAMAÇÃO
Andiara Mumbach - Canto Lírico
Delmiro Forte Tomaz - (Acelb): Clarinete
Gelson Casser - (Acergs) Voz e Violão
Antônio Hileno de Paula - (Abradesi) Voz e Violão
Gisele Oliveira - (Rumo Norte/Unimed Poa) Voz

Dia 23 de outubro (Domingo)
Festa de aniversário da ACERGS
Horário: Entre 11h e 18h.
Local: Sede Social: Rua Monte Cristo, 450 – Bairro Vila Nova –Porto Alegre/RS
O almoço será servido às 12h30.
Cardápio: churrasco, galeto, arroz e saladas variadas.
A partir das 11h haverá uma roda de chimarrão.

Associados em dia – R$ 10,00
Demais convidados (sócios não em dia, familiares e amigos): R$ 15,00
Crianças: de 07 a 12 anos de idade: R$ 8,00
Crianças: até 06 anos de idade: isento

Atrações:
Sorteio de brindes
Música ao vivo e Música eletrônica – Apresentações artísticas e culturais
Feira de artesanato - Grupo Luz
Recreação para crianças - Ônibus Brincalhão
Passeio a cavalo

Venda de ingressos no escritório da ACERGS (Rua Gen. Andrade Neves, 100, 5º andar – Centro – P. Alegre/RS), com a funcionária Adriana Kemer, até as 17h do dia 21/10. Não haverá venda de ingressos no local do evento.

www.acergs.org.br

Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch


NOVO ÔNIBUS MARCOPOLO VIALE BRT É EXPOSTO
NA INTRANS 2011, NO RIO DE JANEIRO

Veículo articulado vai circular no primeiro corredor BRT da cidade carioca e utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência
Caxias do Sul (RS), 19 de outubro de 2011 - O ônibus urbano Marcopolo Viale BRT, que será o primeiro a circular pelo novo corredor BRT da capital fluminense, estará na VII INTRANS - Exposição Internacional de Produtos e Serviços de Transporte e Trânsito, um dos maiores eventos destinados à mobilidade urbana do Brasil, que acontece de 19 a 21 de outubro, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro. O veículo, do modelo articulado, foi apresentado recentemente ao prefeito Eduardo Paes, durante a inauguração da estação Novo Leblon, que faz parte do sistema Transoeste.

Desenvolvido para aplicação nos avançados sistemas de transporte coletivo em grandes centros urbanos, o Marcopolo Viale BRT é o mais avançado já fabricado no Brasil e consumiu dois anos de pesquisas e desenvolvimento. A versão articulada tem até 21 metros de comprimento, capacidade para transportar 145 passageiros e foi concebida com inéditos conceitos de design, ergonomia, conforto, segurança e eficiência.

As áreas de engenharia de desenvolvimento e design da Marcopolo aplicaram a experiência e o conhecimento adquiridos nos quase 40 anos de fornecimento para os sistemas viários de transporte coletivo de diversos países. “Este é o grande diferencial do Viale BRT em relação a qualquer veículo da categoria, pois nenhum outro fabricante tem tamanha vivência e nem desenvolveu e forneceu tantos ônibus para sistemas como o BRT em todo o mundo. E isso faz uma enorme diferença na hora de definir as características do modelo, tanto na redução de custos e na eficiência operacional para o frotista, quanto no conforto, segurança e bem-estar para passageiros e usuários”, destaca Paulo Corso, diretor de operações comerciais para o mercado brasileiro.

Externamente, o Viale BRT tem desenho futurista, inspirado nos mais modernos trens de alta velocidade em operação no mundo. Os vidros laterais colados proporcionam visão panorâmica aos passageiros.

O veículo tem exclusivos conjuntos óticos dianteiro e traseiro em LEDs, que garantem melhor iluminação e reforçam a identidade da marca. Também é o primeiro ônibus urbano no mercado brasileiro a contar com Daytime Running Light, dispositivo de acendimento automático dos faróis mesmo durante o dia.

Conforto interno

Internamente, o Viale BRT inova nos conceitos de ocupação de espaço e de ergonomia. A maior largura interna, associada à configuração das poltronas, proporciona maior área livre e facilita a circulação dos passageiros, tornando a viagem mais cômoda e confortável. A altura interna também foi aumentada, permitindo a inclusão de eficientes dutos de ar, alto-falantes e amplo espaço para propaganda nas laterais superiores.

A concepção do Viale BRT é de um veículo robusto e extremamente confiável, imagem conquistada junto às pessoas que o utilizam, produto de excelente relação custo/benefício, atributo reconhecido pelos empresários do setor de transporte urbano de passageiros. Outras características importantes são a redução de custos, sustentabilidade do produto, praticidade e tecnologia embarcada.

Para atingir o objetivo de valorizar a viagem de ônibus, independente do percurso ou duração, e proporcionar ganhos operacionais para os empresários, o Viale BRT pode ser oferecido com GPS, televisão digital, internet sem fio (wireless), câmeras de segurança, computador de bordo, além de sistemas de indicação de parada áudiovisual e gerenciamento de frota.

Ideal para o transporte urbano, o Viale possui câmbio automático e sistema de segurança para que não se movimente com as portas abertas. O veículo atende a todas as exigências dos sistemas de plataformas de embarque existentes no País, com opção de porta com 1.100 mm de vão livre na frente do rodado dianteiro e piso elevado, adaptados à acessibilidade.

Crédito da foto: Oswaldo Palermo


Secco Consultoria de Comunicação
Tel. 11 5641-7407 | secco@secco.com.br

Feira do Livro em São Borja


Olá Olides!

A feira do livro vai de 26 a 29 de outubro e seu lançamento será nesta sexta-feira (21/10) às 21h.
Toda a programação está no site da prefeitura.

Atenciosamente,
Prefeitura de São Borja


MEMÓRIA DA IMPRENSA

O LOCUTOR IMPROVISA

O ESTUDIO!


Claudio Mazzoni, Valdeci Santos,Luiz Figueiredo e Lauro Schirmer ( os dois últimos sentados,redigindo)


O INCENDIO DA TEVE GAUCHA( ATUAL RBS TEVE)ocorrido em 22 de junho de 1972...

Julio Pacheco é o locutor do noticiário SHOW DE NOTICIAS, mas como o estúdio havia incendiado, ele fazia de pé mesmo, num microfone.

Sentados estão redigindo as notícias, o chefe de redação da TV Gaúcha, Lauro Schirmer e Luiz Figueiredo. Atrás os colegas Claudio Mazzoni e Valdeci Santos.

Quem guardou a foto foi o Júlio Pacheco, que a pegou na sua " pasta" na Zero Hora.

Quem não sabe o que é a "pasta", explico: na fotografia da ZH,funcionava assim: os contatos eram guardados dentro de um certo tipo de envelope. Assim, por exemplo, Júlio Pacheco( na época uma celebridade) tinha sua pasta. Todos os contatos que aparecia o famoso locutor iam pra lá. Quando um editor dizia me traz a pasta tal pro contínuo, se ele viesse com outra. levava um xingão...


A Copa e a denúncia requentada

A opinião do colunista não é a do editor deste site!

A Copa e a denúncia requentada


(17 de outubro de 2011 11:42) Por Luis Nassif, em seu blog:

Vamos tentar encaixar algumas peças nesse quebra-cabeças do Ministério dos Esportes.

Como tenho escrito seguidamente, a velha mídia tem sua prateleira de escândalos reais ou potenciais, com indícios ou sem provas, velhos ou novos, que são utilizados de acordo com as conveniências do momento.

Duas questões chamam a atenção: independentemente do mérito ou da veracidade, as duas denúncias contra o Ministério dos Esportes são velhas. A da Veja já tinha sido levantada na própria campanha eleitoral de Brasília – conforme vocês conferiram no Blog. A do Fantástico já tinha sido denunciada pelo Estadão no início do ano.

A ONG do PM de Brasília desviou R$ 4 milhões do Ministério e seus proprietários foram presos e respondem a processos. Na época contou para o Correio Braziliense a mesma história que contou para a Veja. O Correio queria atingir a campanha de Agnelo; Veja queria atingir Orlando Silva. Pelo próprio blog do acusado, fica-se com a sensação de que a revista pegou o mesmo depoimento e trocou o nome de Agnelo pelo de Orlando.

A tal ONG da pivô de basquete Karina tinha convênio antigo. Como as prefeituras podiam fechar convênio diretamente com o Ministério, é evidente que sua ONG se beneficiou dos contatos no Ministério para oferecer os serviços às prefeituras. Conseguiu atuar em 17 cidades.

É uma das ONGs investigadas no programa Segundo Tempo.

O Programa, de estímulo ao esporte nos municípios, tem 350 convênios, pelo menos 10 problemáticos. Nenhum convênio com prefeitura deu problema; todos os problemáticos são com ONGs.

Quando assumiu, Dilma Rousseff ordenou que fossem suspensos todos os convênios com ONGs. O que foi feito.

Qual o objetivo de requentar as denúncias?

Uma hipótese seria o endurecimento do governo com a Fifa, nas negociações da Lei Geral da Copa – normatizada há duas semanas.

Três pontos ficaram pendentes e foram questionados pela Fifa:

1. Meia entrada para idosos, que é Lei Federal.

2. Meia entrada para estudantes, que depende da legislação de cada estado.

3. Venda de bebidas nos estádios.

Mas houve um quarto ponto, que foi o direito de imagem a todas as emissoras de televisão, de filmar de dentro do estádio. Na Copa da África do Sul, a filmagem poderia custar sete anos de prisão para os envolvidos.

Este ponto pode ter sido o deflagrador do movimento requenta-denúncia.

"A humanidade só será feliz
quando aprender a incluir os excluídos."
(Laurinda-70 anos
Catadora de papel nas ruas de SP).

RODA VIVA COM NOVO

COORDENADOR

Mário Sérgio Conti, autor do best seller NOTICIAS DO PLANALTO,- que faz uma análise do período de Collor de Mello na presidência da República - estreou na segunda como novo coordenador do programa Roda Viva, da TV Cultura, de São Paulo.Conti também foi da revista Veja( onde guardou muito material pra escrever seu livro) e criador da revista Piauí.

É hoje uma griffe do jornalismo brasileiro.


MARIO SERGIO CONTI na redação da revista VEJA... EM 1997!

De S. Borja

No seminário do PDT realizado sábado,dia 15.10, as aparências indicavam que os dois mais prováveis candidatos a prefeito pelo partido no ano que vem pra prefeitura serão os vereadores Farelo de Almeida e Roque Feltrin, este como cavalo do comissário...

Mas há quem ache que deverão surgir mais " uns dois"!

Festival de Canarinhos


A Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa, através da Secretaria de Educação/Divisão de Cultura, promoveu o Festival de Canarinhos no dia 15 de outubro de 2011, sábado. O evento que reuniu grupos de cinco municípios agradou a todos os que prestigiaram as belíssimas apresentações no Santuário Nossa Senhora do Rosário em Serafina Corrêa.


A arte, em todas as suas formas de expressão, é parte inerente do ser humano e a música é algo essencial em sua vida. Cantar é algo que cada pessoa traz dentro de si, uma inspiração provida de partes desconhecidas da alma. As canções que encantaram os serafinenses foram apresentadas pelos Canarinhos de Arvorezinha, Canarinhos de Ilópolis, Canarinhos de Serafina Corrêa, Canarinhos de Barão e Coro Infanto-Juvenil Canarinhos de Farroupilha. Com a regência do Professor Celso Fortes, crianças e jovens participaram de um grande festival de canto, promovendo cultura, alegria e lazer.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

TV RODA VIVA...


PRA QUEM NÃO VIU, COMO EU, O PAPO ESTÁ NO SITE TVCULTURA.CMAIS.COM/RODAVIVA/VIDEOS
Carta O Berro

Delator da ditadura será primeiro entrevistado de novo "Roda Viva"
Publicidade
DE SÃO PAULO
Após exibir uma série de entrevistas históricas em comemoração aos seus 25 anos, o "Roda Viva" volta a ter novos entrevistados. O primeiro da nova leva será José Anselmo dos Santos, o cabo Anselmo, ex-militar que denunciou perseguidos políticos para a ditadura militar brasileira nos anos 1970.
Folhapress
José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo
O programa vai ao ar às 22h da próxima segunda (17) na TV Cultura.
A entrevista marca a nova fase do jornalístico, que agora será comandado por Mario Sergio Conti, ex-diretor de redação das revistas "piauí" e "Veja" e do "Jornal do Brasil", além de ex-repórter especial da Folha. Ele chega à bancada após a saída de Marília Gabriela, que se tornou apresentadora exclusiva do SBT.
Com Conti, o "Roda Viva" volta a ser exibido ao vivo e a contar com um time de seis entrevistadores convidados diferentes a cada programa.

De São Borja

Seminário do PDT do último sábado

INDICA

QUE A VACA vai PRO BREJO...em 2012 !

Quem viu o seminário do PDT de São Borja no último sábado,dia 15.10, com a participação da chamada " militância CC's" conclui que em 2012 a vaca vai pro brejo...ou seja, tem tudo pra perder a eleição. O PDT perder a eleição na Terra do Trabalhismo é de última, como dizem os jovens...Quem viver, verá!

LEITOR DE OLHO (III) – ALÔ EPTC!

“Dia desses passei por um azulzinho multando uma moto mal estacionada. Ele estava com um caminhão guincho parado no meio da Av. Mauá trancando toda uma fila de carros, na maior cara de pau. Interpelei-o dizendo que estava dando um bom exemplo e ele respondeu "é isso aí" e riu debochado. Maravilha 1!” --- Enio

LEITOR DE OLHO (IV) – ALÔ EPTC!

“Outro dia, eu vinha pela Av. Siqueira Campos e uma Kombi da EPTC cortou minha frente e parou em segunda fila, sem dar sinal e quase provocou acidente, além de trancar toda minha fila. Maravilha 2!” --- Enio

Do boletim do Adeli Sell


Serafina comemora o dia do Idoso

 


Envelhecer é descobrir uma nova etapa da vida, com experiência e sabedoria. Os Grupos da Melhor Idade coordenados pela Secretaria Municipal de Assistência Social, Prefeitura de Serafina Corrêa, estiveram reunidos no dia 14 de outubro de 2011, para festejar o dia do idoso.


A alegria e vivacidade estiveram presentes no evento que reuniu cerca de 100 pessoas, com brincadeiras, jogos populares, dança e integração. Os artistas serafinenses Edgar Maróstica e Sidi Canton apresentaram um show em talian, língua co-oficial do município, contando piadas, alegrando os presentes e lembrando dos hábitos e costumes de antigamente.
Após o almoço, houve apresentações dos Grupos de Convivência, com música, dança, teatro e muita diversão. Um dia para lembrar e comemorar os idosos, sua alegria e vivacidade.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

 

MATZ NÃO VEM PRO GRANDE


JOGO DO CORINGÃO


COM UM CARRINHO XUMBREGA, UM GOL 1.0 2001 QUE SEGUNDO O PROPRIETÁRIO PEDE GRANA E OFICINA - O NOSSO COLEGUINHA LUIS DONAT MATZENBACKER cancelou sua vinda a Porto Alegre pro ver o seu INTER ganhar do CORINGÃO....

AINDA BEM, MENOS UM COLORADO NO BEIRA-RIO PRA SOFRER.....

ATÉ ACHO QUE VOU NESTE JOGO, PRA COMPENSAR A NÃO VINDA DO MATZ...MAS VOU TORCER PRO CORINGÃO, É CLARO....(olides canton)


O fim dos hinos em estádios gaúchos

Do site Espaço Vital http://www.espacovital.com.br/

A Câmara de Vereadores de Porto Alegre aprovou ontem (17) um projeto de lei que - revogando lei municipal anterior - determina a obrigatoriedade da execução do Hino Nacional Brasileiro apenas nos jogos de caráter internacional e nos jogos da Seleção Brasileira. A proposta faculta ainda a execução do Hino Rio-grandense em jogos esportivos locais e de caráter nacional.

O autor do projeto é o vereador Alceu Brasinha (PTB). A intenção do parlamentar, de acordo com o projeto, é modificar a legislação vigente, que determina a execução dos hinos em todos os jogos federados realizados em Porto Alegre.

“A execução desses hinos em todos os jogos esportivos está, de certa forma, tornando corriqueiras as suas apresentações, quando a intenção anterior é justamente enaltecer a cultura do povo e a lembrança de nossa história”, justifica Brasinha.

Ultimamente, em função dos compromissos de horários da CBF e dos clubes com a Rede Globo, a execução do Hino Nacional estava limitada à metade e o Hino Farroupilha vinha sendo executado pela metade.

O projeto de lei vai, agora, à sanção do prefeito José Fortunati.

PROBLEMA PARA O SUCESSOR DE DILMA


Por Carlos Chagas


ONGs e empreiteiras estão envolvidas nas denúncias de corrupção no governo, atingindo agora o ministério dos Esportes, como antes o ministério do Turismo, sem esquecer os Transportes, a Agricultura e até a Casa Civil. É a velha regra de não haver corruptos sem corruptores. O diabo está em que, apesar da defenestração de ministros e montes de funcionários, prevalece a impunidade relativa aos que superfaturaram obras, impuseram aditivos contratuais sem prestar os serviços contratados e distribuíram comissões e propinas, ficando com a maior parte dos recursos públicos.
A lógica e as evidências indicam a mesma prática em outros ministérios, ainda não denunciados, e em altos patamares da administração pública. Seria necessário atacar o mal pela raiz, ou seja, proibir toda e qualquer ONG de celebrar contratos com o governo. Ou não se intitulam entidades não governamentais? Vão buscar dinheiro na iniciativa privada. Ao mesmo tempo, cancelar a participação das empreiteiras flagradas em ilícitos e malfeitos na execução de obras e na prestação de serviços.
Só que tem um problema: se a presidente Dilma optasse por essas ações cirúrgicas, o país iria parar. Boa parte da economia é movida por esses dois pilares de sustentação das lambanças, obviamente que erigidos com o cimento da esperteza de partidos políticos, maus funcionários, grupos e quadrilhas encasteladas no poder. Numa palavra: sem a corrupção viria de imediato a recessão.
Fazer o quê? Apelar para o Judiciário, aguardando a imediata apuração e punição de cada denúncia seria sonhar acordado. Esperar que corruptos e corruptores abandonem suas práticas por medo da cadeia ou por arrependimento ético, outra ilusão. Arrancar do Legislativo profunda modificação nas leis, de modo a fechar as brechas por onde escoa a impunidade? Nem pensar.
Conclusão: Dilma precisa adotar a lição daquele velho Papa que ao ser abordado por um místico, informando haver o anti-Cristo nascido em Roma, perguntou que idade tinha o rebento. Ao saber que estaria com três anos, respondeu: “então não é problema meu, mas do meu sucessor...”
ENGANAÇÃO
Da Europa vem a informação de que os grandes bancos decidiram ajudar ainda mais a Grécia, Portugal, Espanha e outras nações à beira da falência. Verdade? Não. Mentira pura e deslavada. Os bancos não ajudam ninguém. Os recursos que supostamente adiantarem aos governos referidos e outros nem sairão de seus cofres. Servirão para pagar dívidas atrasadas, com a peculiaridade de gerarem mais lucros, tendo em vista os juros impostos a essas nações. O endividamento só fará aumentar. “Me engana que eu gosto”, deveria chamar-se essa nova fase da crise econômica mundial, mesclada ao aumento de impostos, a redução de salários, as demissões em massa e a supressão dos investimentos sociais.
ACABA DANDO REPETECO
Vão de mal a pior as relações de cúpula entre o PT e o PMDB. Dificilmente será cumprido o acordo da inversão de presidências, quer dizer, os companheiros entregariam aos peemedebistas a presidência da Câmara e, no Senado aconteceria o inverso. Pelo jeito, para o biênio 2013 – 2014, permanecerão em seus postos o deputado Marco Maia e o senador José Sarney. Há uma certa lógica na hipótese, porque o PT continua a maior bancada na Câmara e o PMDB, no Senado.
A MÁGICA E O MÁGICO
Disse o general Golbery do Couto e Silva, depois de haver deixado o Gabinete Civil, rompido com o presidente João Figueiredo, que a única mágica boba era aquela que fazia desaparecer o mágico. Guardadas as proporções, aplica-se esse princípio nas preliminares da regulamentação da Copa do Mundo de 2014. O Brasil pode lutar e espernear o quanto quiser diante das exigências da Fifa, mas de jeito nenhum deverá levar a disputa até o cancelamento do torneio em nosso território. A platéia ficaria decepcionada, sem o mágico no palco.

Do Blog do Brizola Neto


Como eu sei que os nossos jornais não sabem acessar o Google, reproduzo abaixo um bom trecho de uma matéria do Correio Brasiliense, que relata as circunstâncias em que este policial militar José Dias Ferreira foi preso, ano passado, o que mal e mal tem sido informado aos leitores.
Ter sido preso não quer dizer que o que ele diz não seja investigado, mas deveria fazer pensar duas vezes antes de, sem provas – havendo, é outra coisa – se dê automaticamente foros de verdade ao que ele diz.
Leiam só (a íntegra está aqui):
Fachada da academia This Way Fitness, em Sobradinho, de propriedade do soldado da PM João Dias
Cinco pessoas estão presas na Divisão Especial de Combate ao Crime Organizado (Deco) suspeitas de participar de desvio de dinheiro repassado pelo Ministério do Esporte. O policial militar João Dias Ferreira, Demis Demétrio Dias de Abreu, Flávio Lima Carmo, Miguel Santos Souza e Eduardo Pereira Tomaz foram detidos às 6h da manhã desta quinta-feira (1º/4) por agentes da Polícia Civil do Distrito Federal, numa operação chamada Shaolin, que tem a participação do Ministério Público do DF.
O grupo, que era liderado pelo PM, falsificou 49 notas frias para retirar o dinheiro repassado pelo Ministério dos Esportes a entidades sociais convenadas com o Programa Segundo Tempo do Governo Federal. A verba aproximada, ao longo de três anos (2006/07 e 08), foi de R$ 3 milhões. O dinheiro seria destinado a programas sociais, em atividades esportivas para 10 mil atletas carentes de núcleos situados em Sobradinho, mas pouco menos de R$ 1 milhão foi realmente destinado a eles.
O derrame de verba pública saia da Federação Brasiliense de Kung-Fu (Febrak) e da Associação João Dias de Kung-Fu, Esportes e Fitness. Esta última é uma organização não-governamental e leva o nome do soldado da 10ª Companhia de Polícia Militar Independente. Ele é dono de duas academias em Sobradinho: Thisway Fitness e Wellness Ltda., usada para lavar dinheiro desviado, situada no primeiro piso do Sobradinho Shopping.
Além das academias, os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão, autorizados pela 3ª Vara Criminial de Brasília, nas residências dos acusados, entre elas, na luxuosa casa onde reside o casal João Dias e Ana Paula Oliveira de Faria, 33, também apontada como integrante da quadrilha. O imóvel do PM fica num condomínio luxuoso de Sobradinho e foi arrestado pela Justiça.
Vamos com calma, portanto. O cidadão deve ser ouvido, mas com muito cuidado, face a estes antecedentes. E com o cuidado com que se deve ouvir quem levou três anos para “denunciar” um acordo que diz não ter aceito. Aliás, um dos presos já tinha feito acusações da mesma ordem contra o atual Governador de Brasilia, Agnelo Queiroz, inclusive com episódios idênticos de entrega de dinheiro em automóvel. E, na época (e na revista Época), o mesmo acusador de hoje negou tudo. Teria mudado de ideia?
A história é velha, só trocaram os personagens. Basta ir ao Google.

PROVÍNCIA DE SALTA: TRÊS REPRESSORES CONDENADOS A PRISÃO PÉRPETUA
A acusação é de seqüestro e desaparecimento do ex-governador Miguel Ragone


De Buenos Aires Parte I
Gelson Farias

O Tribunal Federal de Salta condenou a prisão perpétua três repressores ligados no desaparecimento e assassinato do ex-governador Miguel Ragone, da província de Salta, ocorrido em 11 de março de 1976. Os condenados são Charles Mulhall, ex-chefe da guarnição local, Miguel Gentil, um ex-chefe de polícia e Joaquin Guill, ex-chefe da Força de Segurança Provincial. Enquanto isso, Jorge Hector Zanetto, antigo porta-voz para a Triple A, e o ex-policial Soraire Andrés del Valle, foram absolvidos, tiveram aceito o benefício da dúvida, e os ex-policiais Raul Herrera, Pedro Javier e Nelson Herrera, foram condenados a dois anos, pena de prisão, em regime fechado.
Durante suas alegações, o Ministério do Escritório de Direitos Humanos, que atua como uma das partes no processo, e o Ministério Público, solicitaram a prisão perpétua de todos os acusados., o que foi negado pelo tribunal. Uma testemunha importante -- e que se encontra sob proteção policial -- o ex-policial Manfredo Aies, não conseguiu convencer os jurados de tudo o que contou duranate seu seu depoimento. Revelou que, nas reuniões, que participava com o Chefe da Polícia Civil, (na época, em 1976), Miguel gentil, ouvia o Chefe dizer ao berros...
“Eu não quero subversivo por aqui, ao meu lado, na minha província no meu país. Sei que existem muitos deles. Mas que seus dias estão contados. Eu mesmo vou tratar de mandar todos eles para o inferno”.
No depoimento, Manfredo foi mais além... Disse que não tinha conhecimento que o seu Chefe, Miguel gentil, estava envolvido com os militares, principalmente o coronel Vilela que estava a frente de um chamdo golpe militar. Antes de finalizar seu depoimento, contou que membros do Cobra Coral – formada por homens de alta patente do Exército, agentes da Polícia Federal e outros policias civis -- estavam na noite que entecedeu o 11 de marçode pela cidade de Salta. Segundo ele, foi durante a noite pouco antes de terminar o dia 10 de março, de 1976, quando estava nas proximidades do parque Nautico, ouviu tiros, que pela sequência deduziu que eram de metralhadora. Depois, conseguiu, mesmo no escuro visualizar que eram luzes de um carro que se afastava do local dos tiros. No dia seguinte, ele ouviu pela televisão que o governador Ragone, havia sido sequestrado.


O senador peronista Marcelo López Arias ( foto), participou da oitiva de Victor Hugo Vilter, testemunha chave do sequestro e morte do ex-governador Miguel Ragone.

Segundo a promotoria, fontes consultadas pelo jornal Clarín revelou que a testemunha é chamada Victor Hugo Vilter, que não estava nos registros oficiais sobre as violações de direitos humanos. As fontes afirmam que o homem quer dinheiro. A validade de sua confissão é uma questão a ser decidida pelo Tribunal, mas a gama de funcionários que ouviram (havia mais pessoas nessa reunião, por exemplo, o senador peronista Marcelo López Arias) e os movimentos que se seguiram depois, um vislumbre de que pelo menos em parte, o homem acreditou falou averdade. Em 23 de Junho, mais de 30 anos de sequestro, o ministro do Interior Aníbal Fernández, estabeleceu a recompensa de 50 mil pesos, diz, que... “Considerando a resolução de número 1106 da Constituição federal, onde diz que: se no estado ataual de uma investigação surgir fatos e pistas que possam levar a verdadeira elucidação do caso e tiver testemunhas que precisem de proteção onde existe a privação ilegal de liberdade e que esta testemunha esteja de acordo em depor, o Estado tem o direito de dar essa proteção que é legal.”. O incentivo é como uma delação premiada oferecida pelo governo visando a qualquer pessoa fornecer informações substanciais sobre o sequestro do ex-governador Miguel Ragone”. Disse.

Ex-governador Miguel Ragone


Miguel Ragone foi eleito governador de Salta nas eleições de 25 de maio de 1973 pela Frente Revolucionária peronista por mais de 57 por cento dos votos, mas a 24 de novembro de 1974, o governo nacional do então presidente Maria Estela Martinez de Perón Ir interveio e mudou-se para Ragone, como fez em outras províncias governadas por setores da esquerda peronista: Buenos Aires, Córdoba, Mendoza e Santa Cruz. Ragone, em seguida, retornou a prática como um médico, até 11 de março de 1976 foi seqüestrado quando saía de sua casa em um carro que ele dirigia-se e foi interceptado por três veículos, o que reduziu os homens armados tomadas pela força.


Carlos Alberto Mulhall, chegando ao tribunal.

O coronel Mulhall também foi indiciado pela humilhação sofrida por um adolescente que foi detida, estuprada e ficou gravida de um policial da estação de metano, onde ele era o chefe. Esta mulher (REG), que sofre de graves problemas psicológicos, foi capturada em dezembro de 1976, quando regressava de uma viagem a Buenos Aires, e foi encontrado entre seus pertences um livro de "Che" Guevara e descrito como "guerrilha". Tinha 16 anos. No depoimento na justiça ( na época) ela acusou o comissário Humberto Sona de mantê-la presa num cativeiro por três semanas. Mais tarde, foi levada para uma casa particular, onde sofreu humilhações idênticas, reclamou. Segundo a mulher, em fevereiro do ano seguinte, ele encontrou o policial Orlando Hugo Mena, que prometeu ajudar, mas tudo o que ele fez foi abusar dela e engravidá-la. Ela foi então levada para Rosario de la Frontera, onde hivou trancada em um quarto de hotel, e que apanhava todos os dias do comissário. Por causa das surras, acabou abostando o seu filho. Seu calvário terminou em 1977. Pelo que se sabe, hoje, a mulher vive na companhia de um senhor, rico, com 78 anos, que cuida dela. Seu filho, está com 48 anos.


Ex-chefe de polícia civil, Miguel Gentil


Contra Miguel Gentil, também existem inumeras acusações de abuso de autoridade. Na ditadura militar, no período mais violento e criminoso ele atuava como chefe de polícia. Tinha ordem para mandar prender, condenar e posteiormente mandava executar os presos. Num dos casos, ele mesmo, matou a tiros, dentro da Chefatura de Polícia de Salta, um médico que havia sido acusado de pertencer a um grupo de terroristas.


Ex-policial, Joaquin Gil, acusado de muitas mortes


Ex-Chefe da Polícia de Segurança Salta, ( homens de farda) Joaquin Gil, uma figura emblemática das violações dos direitos humanos na província também deve atender o seqüestro e assassinato do jornalista Héctor Jaime Luciano, possivelmente, de fato cometido na noite de 12 de Fevereiro de 1975, o dia que ele foi seqüestrado, a saída do seu trabalho, no antigo jornal El Intransigente.

Caso Ragone

Para que se consiga compreender o caso: Miguel Ragone nasceu em família humilde de origem napolitana, que na época estava em Tucumán. Ele foi o terceiro de oito filhos. Quando tinha doze anos, sua família mudou-se para a cidade de Salta. Depois estudou medicina durante cinco longos anos freqüentou a escola médica da Universidade de Buenos Aires. Ele se formou em 1948. Era conhecido como “o médico da aldeia”. Ragone era médico e sempre tinha lutado no peronismo. Ele foi o último governador a ser eleito democraticamente na Província de Salta. Como estudante foi secretário particular e assessor do chamado Plano de Saúde -- um dos fundadores da medicina social e neurocirurgião, Dr. Ramón Carrillo, Primeiro Secretário e Ministro Saúde Pública da Nação (1946-1954). Dr. Ragone, em seguida, foi diretor do Hospital Neuropsiquiátrico de Salta, participando nas decisões do peronismo no nível nacional.


A casa d Dr. Miguel Ragone. Local do sequestro

É aí que a política entrou plenamente em Salta, juntando-se a outros líderes como Thomas Ryan e ex-governador Carlos Xamena. Perón foi deposto em 1955. Após o retorno de Perón, Miguel Ragone um peronista forte, era o candidato natural a governador de Salta FREJULI (Frente de Libertação da Justicialista), compreendendo a fórmula Ragone-Rios. Nessas eleições, em março de 73 ele obteve mais de 57% dos votos, e até é o maior percentual de votos para um candidato a governador de Salta.
Em 25 de maio de 1973 Miguel Ragone tomou posse como governadaor da Províncaia de Salata. Homem de origem humilde, não era relacionado para as festas e reuniões nas famílias aristocráticas de Salta, nem era um membro do Clube 20 de fevereiro, local onde somente tinha acesso, membros de famílias aristocratas, como ex- governador, deputados, senadores e até ex-presidentes da república. "O médico do povo" como era mais conhecido, Miguel Ragone, estava sempre ao lado do povo 24 horas do dia e noiete. Ele tinaha amesmo jeito de se dirigir ai povo, como Perón, costumava dizer, referindo-se ao povo..."leite bom" - independente de posição social, religiosa, étnica, Miguel Ragone seguia seu caminho, sempre na ajuda ao povo e aos mais pobres. Gostava de visitar Evita Perón, porque ela sempre tinha uma saída boa para as crises. Uma das frases que sempre a primeira Dama gostava de utilizar era:
"Onde há uma necessidade surge um direito".
Por isso (e para dar um quadro coerente para essa situação) Ragone, não tinha muito gosto pelos aristocratas, o alto clero e dos membros da política fascista. Ele era uma homem sem papas na língua. Falava direto sem medo. Por causa de seu jeito de covernar foi ganhando espaço no ódio de seus inimigos polítcos. Seu governo durou apenas um ano, cinco meses e 22 dias: 23 de novembro de 1974, estando já à frente do governo nacional Isabel Martínez de Perón, que ordenou a intervenção da província, cedendo à pressão do lopezrreguista direito.


Miguel Ragone nos braços do povo.

Assim, para muitos o governador Miguel Ragone tinha de ser retirado de ação. Suas ações estavam fazendo mal para todos do lado de lá. Não teve dúvidas. Sua morte estava selada. Ás 8 horas da manhã do dia 11 de março de 1976 Ragone foi seqüestrado quando deixava sua casa para ir à clínica. Em uma tentativa de eliminar testemunhas do rapto, os seqüestradores atiraram em Margarita Martinez Leal, que passava pelo local, e Arredo James, um vizinho, de Ragone que acabou morfendo. que morreu. A mulher, conseguiu sobreviver. Essa foi a última vez que Ragone foi visto vivo. Seu carro, um Peugeot 504, foi encontrado abandonado em Cerrillos, uma cidade 15 quilômetros ao sul da cidade de Salta. Suspeita-se que seus restos mortais estão em algum lugar do Valle de Lerma. O que é mais amplamente aceito pelos homens que até hoje continuam fazem a investigaçõa sobre ocaso. Um ponto é certo. Ragone, foi sequestrado e morto a mando da Triple A.


No tribunal, familiares de desaparecidos com as fotos das vítimas.

A TRIPLE ‘A’
Juan Perón morreu no dia 1° de julho de 1974. A sua morte acelerou a atividade da Triple A, que já havia começado a funcionar. A Aliança Anticomunista Argentina era o grupo terrorista paraestatal encarregado de amedrontar e matar os críticos do grupo encabeçado por José López Rega dentro e fora do peronismo. López Rega chegou a Argentina como secretário pessoal de Perón. Adquiriu maior poder quando, em 13 de julho de 1973, após somente 50 dias, o então presidente Héctor Cámpora foi obrigado a renunciar. Também renunciou o vice, Vicente Solano Lima. O terceiro na sucessão, o senador Alejandro Díaz Bialet, foi afastado do país. Assumiu então o genro de López Rega, Raúl Lastiri. De imediato demitiu o ministro das Relações Exteriores, Juan Carlos Puig, e nomeou Alberto Vignes em seu lugar.
Vignes tinha um antecedente notório: Eva Perón afastou-o quando descobriu que se apropriava de bens de judeus perseguidos pelo nazismo. Como López Rega, Vignes era membro da organização fascista internacional Propaganda Dois (P-2), com sede em Roma e uma forte ramificação na Argentina. Vignes não só alimentou a Triple A, como foi um dos principais artífices da colaboração de serviços de inteligência do Cone Sul para que Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai e Brasil se convertessem em um inferno único. É o que, com o tempo, passou a se chamar Operação Condor e que consistiu na viagem dos assassinos e a transnacionalização do seqüestro, da tortura e do homicídio.
O chefe da Marinha, Emilio Massera, também era membro da P-2. Massera e Vignes firmaram uma colaboração poderosa dentro do governo. Os dois respondiam a Licio Gelli, um dos chefes da P-2. Vignes foi chanceler até agosto de 1975, quando López Rega deixou o governo por pressão dos sindicatos. De todo modo, já havia cumprido seu papel. A Triple A estava em funcionamento, começou a preparar o golpe militar, que era um destino inexorável. Massera foi designado chefe da Marinha pelo governo peronista e exerceu uma forte influência pessoal sobre Isabel Perón. Qualquer um que conheça o mínimo de história argentina sabe que esse momento foi nos anos 1970, quando a extrema-direita (Triple A) e a extrema-esquerda (Montoneros) do peronismo travaram verdadeira guerra civil, com tragédias nacionais como o padre terceiro-mundista colombiano, integrante do ELN, Ejército de Liberación Nacional, morto em 1966), seqüestrou e assassinou no dia 1º de junho de 1970 o general Pedro Aramburu – o responsável pelo golpe dado contra Perón em 195 – e o massacre de Ezeiza no dia 20 de junho de 1973 não foi à euforia da conciliação nacional, mas a explosão de uma bárbara desavença e morte. A resposta fardada ao assassinato de Aramburu ocorreu em 22 de agosto de 1973, com o fuzilamento de 16 integrantes dos Montoneros. O fato aconteceu dentro da Base Naval situada no sul, na província de Chubut, na Patagônia, por ocasião da tentativa de uma fuga em massa das lideranças presas.

A extrema-direita (Triple A) X extrema esquerda (Montoneros)


A primeira organização extremista com proposta de travar um combate até as suas derradeiras conseqüências foi o PRT (Partido Revolucionário de los Trabajadores), fundado em 1965 por Mário Santucho, Rodolfo Matarollo e Enrique Gorriaran Merlo. O trio que iriam compor a futura Junta de Coordenação Revolucionária. Tratava-se de uma agremiação trotsquista, filiada à IV Internacional. Todavia, após algumas tentativas frustradas de ação guerrilheira, foi somente em 1970, na esteira dos violentos eventos sucedidos em Córdoba contra a ditadura do general Ongania, que o PRT decidiu lançar mão do seu braço armado, o ERP (Exército Revolucionário del Pueblo). Esse era uma versão platina dos grupos radicais de extrema esquerda que então proliferava na Europa e na América Latina, cuja fundação deu-se no V Congresso do PRT realizado em 1970, como "uma organização de massas para a guerra civil... dirigida contra o Estado burguês e seu exército", os odiados "gorilas"; Brigadas Vermelhas, na Itália; os Tupamaros, no Uruguai, grupo Baader-Meinhoff, na Alemanha Ocidental; e o Var-Palmares, no Brasil, etc... Era Aa radicalização do peronismo

O presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, do Rio Grande do Sul, Jair Krischke tornou-se o primeiro depoente ouvido pela Justiça da Argentina em sistema de vídeo conferência durante o julgamento, em salta. Krischke depôs durante uma hora, no consulado argentino, em Porto Alegre, como testemunha no processo da justiça federal do Brasil, que investiga o desaparecimento, em 1976, do ex-governador da província de Salta, Miguel Ragone.


Jair Krischke

“Fui testemunha nesse processo porque constam de nossos arquivos um documento do 1º Exército, no Rio de Janeiro, datado de outubro de 1976, com uma lista de nomes de cidadãos argentinos procurados no Brasil a pedido de policiais militares argentinos. A alegação era de que ‘haviam praticado atos subversivos’. A lista tinha 149 nomes, entre eles o de Miguel Ragone”, Disse.
O depoimento, segundo Krischke, ajudou a comprovar que havia estreita colaboração entre os aparelhos de repressão brasileiros e argentinos, a famosa Operação Condor. Ele citou casos de brasileiros que foram presos na Argentina em 1970 e 1973, e também o depoimento do coronel argentino Antonio Herminio Simon, que foi chefe da Inteligência de Los Libres. Este confirmou, segundo Krischke, que o “trabalho de Inteligência gravitacionava em torno do Comando do 3º Exército, hoje Comando Militar do Sul”.

Pitacos

Wolmer Jardim

Música para o Grêmio

Uruguaiana, terra da Califórnia da Canção, terá um inédito festival musical. O consulado do Grêmio naquela cidade anuncia para os dias 2 e 3 de dezembro a realização de um concurso de músicas cujo tema único será o Imortal Tricolor. O cônsul, médico Augusto Conte, informa que a iniciativa tem cunho benemerente e que a premiação para a música vencedora será de R$ 3 mil, cabendo R$ 2 mil para a segunda e R$ 1 mil para a terceiro melhor classificada. A música mais popular terá prêmio de R$ 1 mil. Mais informações serão acessadas no site do consulado.

Alienígenas

O Brasil elegeu presidenta Dilma Rousseff, que é búlgara, mas quem manda no país é Joseph Blatter, que é suiço.

Assim não dá

Escrevi que em vista do estilo peladeiro de Rochemback, o Grêmio havia adotado o sistema 4-1-4-1. Errei. Na verdade o time vem jogando no 4-1-4-zero, pois Brandão e André Lima são duas abstrações, miragens, eles não existem no plano material. O treinador Celso Roth diz não “ver” Miralles nos treinamentos, mas cabe perguntar se ele “vê” André nos jogos. Se o técnico tiver tal capacidade é porque tem o dom de se comunicar com o além. Em defesa do centro avante se diz que ele joga muito isolado, o que em parte é verdade. Mas quando a chance de marcar aparece ele fracassa bisonhamente, como aconteceu no domingo, contra o Santos. Sozinho na cara do goleiro ele conseguiu o feito de cabecear varzeanamente, errando um gol que até o Olides faria, de barriga. Como diria FHC, “assim não dá”.

Bi polar

Em São Borja o filólogo, escritor, músico e repentista Clemar Dias costuma ir todos os dias à La Barca, onde religiosamente consome duas cervejas, ao fim do que se retira, silenciosa e sorrateiramente. Por causa desse hábito de consumir diariamente duas cervejas, já há quem esteja dizendo que o Clemar é um bi Polar.

NOTAS de São Borja

Cultura - São Borja recebe nesta semana o projeto Migrações Temporárias: Fronteiras Reais e Imaginárias do Brasil. Serão realizados vídeos de dança pela cidade e um Workshop de Vídeodança com uma exibição final em parceria com a Prefeitura, através da Secretaria de Turismo, Cultura e Eventos, a 35ª Coordenadoria Regional de Educação e a Academia de Ballet Salete Maurer.

Contemplado pelo prêmio FUNARTE de Dança - Klauss Vianna 2010, o projeto conjuga a dança e o teatro à linguagem audiovisual. Concebido pela bailarina e atriz Roberta Savian, já transitou por Havana (Cuba), Paris, no Centre National de La Danse (CND), Petrópolis (RJ), no Palácio de Cristal, Niterói (RJ) no Museu de Arte Contemporânea (MAC) e no Tempo Festival no Rio de Janeiro.

A artista propõe interagir com o espaço público para a composição de coreografias para o vídeo. A projeção de paisagens do Brasil e Exterior na cena da performance sofre interferência ao vivo da bailarina que conduz a audiência, a reconstituição de registros e notas de viagem.

Coleguinhas

Uma das atuais estrelas da reportagem da Veja, Tais Oyama entrou na revista em 1999.

No começo dos anos 70, do século passado, ingressou na editoria de Polícia do DIÁRIO DO GRANDE ABC, mas não pode ficar porque não tinha registro profissional e na época o Sindicato dos Jornalistas Profissionais exercia grande vigilância nas redações.Thais trabalhou depois na TV Globo,(sucursal de Brasília) , na revistas Marie Claire e República(extinta) e nos jornais FSP(Folha de São Paulo) e EStado de São Paulo(Estadão).

Thais Oyama na redação da "Marie Claire" ( foto Sindicato dos Jornalistas-SP)

NA "VEJA-SÃO PAULO" uma reportagem sua foi capa. Tratava dos barões do transporte urbano de passageiros. Um dos " barões" estava de óculos escuros, de corpo inteiro na porta de um ônibus e a reportagem tinha por título;ELES TEM MEDO DE SEQUESTRO"! Na época era comum o sequestro de empresários de ônibus.A reportagem saiu antes do sequestro do empresário Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açucar, cuja rotina diária havia saído dias antes do sequestro numa matéria da revista Exame, da mesma Editora Abril e um exemplar da revista com a matéria do Diniz foi encontrado com os sequestradores).
A outra matéria de Thais com empresários do transporte ela fez também para a revista VEJA, com o empresário Nenê Constantino, dono da Gol e o maior proprietário de ônibus do Brasil.

HISTORIAS DE LA UNDEZE

OS CASAMENTOS NA ROÇA...


Nos anos 50,60 do século passado, os casamentos no interior eram de uma simplicidade grande, quase " franciscanos".


Paula Vivian, Aldo Perin e Bruno Marocco

Os colonos chegavam de todo tipo de condução, mas ainda principalmente a cavalo. Antes, muito antes, até a noiva ia a cavalo. DEpois passou a ser conduzida por jipes, como o que se vê nestas fotos do Artusi, de Serafina Corrêa.

Artussi foi o principal fotógrafo dos casamentos do interior e da cidade de Serafina. O que se fez com seu acervo, será dificil de recuperar.


O casamento na capela: realizado com a presença da camionete Bulameck, comprada por Ricardo Vivian em P.Fundo.Havia,diziam, apenas duas: um do Vivian,outro do cantor Teixeirinha... Fotos de Iraldo Artussi. Acervo de Marcos Ricardo Vivian

Havia gaita e muita cerveja( birra) e vinho,churrasco e festa depois da cerimônia religiosa com a missa rezada pelo padre.

Havia alguns ditados na colônia curiosos: quando o galo cantasse antes da meia-noite, " uma dona la zera robada"( a noiva tinha sido roubada) e por aí afora...

Hoje em dia os casamentos são muito mais " profissionais" digamos assim...

Há tudo muito bem preparado, a festa custa tanto e acho até que estão cobrando de quem participa deles. Coisa inimaginável no ´século passado, nos grotões e adjacências...Fica a recordação...

ÔNIBUS

A VIDA COMO ELA É...

QUEBROU TODO O

CARRO DO " FALECIDO "!!!

nA FRENTE DO T-9, no qual ia pro centro, ontem,dia 17.10, lá pelas 9 horas da manhã, horário novo, ia um carro com a parte traseira do veículo toda espatifada....

O motora e a cobradora entabularam um diálogo:
- Esse aí apanhou no fim de semana,disse o motora.

Silêncio...

Pouco depois a cobradora conta pro colega na direção:

- Sabes do que estou me lembrando???( da fulana, aí dá o nome que não guardei..era uma cobradora da Carris) Um dia ela
demoliu todo o carro do "falecido"- é como as mulheres se referem ao ex-marido - Ele chegou em casa, tinha aprontado, e deu a desculpa de sempre que o problema tinha sido o carro...Ela não teve dúvidas: foi lá e demoliu os vidros do carro dele...

- Agora sim tu podes dizer que o problema é teu carro...teria dito a mulher,enfurecida....

Do boletim do Adeli Sell

ÔNIBUS (I)
Impossível pegar ônibus entre 07h e 08h em direção ao centro, na Protásio Alves quase rótula da FAPA!

ÔNIBUS (II)
Tem atraso na sua linha? O ônibus vem lotado? Tem desrespeito aos direitos? Mande sua queixa para o nosso e-mail: adelisell@camarapoa.rs.gov.br Nós vamos cobrar soluções. Este é o papel do vereador.

ÀS ESCURAS

Av.Goethe, no trajeto do Parcão, totalmente às escuras. Esta é a cidade da Copa? - pergunta uma cidadã.

II Encontro Estadual Artístico Social

Serafina Corrêa realizará o II Encontro Estadual Artístico Social no dia 26 de Outubro de 2011, às 19:00, no Ginásio Municipal Irceu Antônio Gasparin.
Nesse encontro de gerações, integração e muita alegria, os municípios terão a oportunidade de divulgar importantes projetos sociais que estão sendo realizados através das oficinas de dança, música e canto. Será um momento de valorização das pessoas que fazem parte das atividades, motivando-as e incentivando essas práticas tão urgentes nas sociedades.
O I Encontro, realizado em 2010, foi um sucesso, com a participação de cerca de 1000 pessoas de 10 municípios. Segundo os organizadores, a expectativa para este ano é de 2000 pessoas, tendo confirmados os municípios de Serafina Corrêa, Farroupilha, Santiago, Nova Araçá, Nova Prata, Veranópolis, Bento Gonçalves, Casca, Paraí, Cruz Alta, São Jorge e Dois Lajeados.
Unindo os povos pela inclusão social é o tema que motiva o II Encontro Estadual Artístico Social, valorizando os talentos da região e promovendo cultura, alegria e integrando as gerações.
O evento é gratuito e todos estão convidados a participar desse grande Encontro Estadual Artístico Social, prestigiando e valorizando os talentos de todas as gerações.

 

OPINIÃO - Germano Rigotto*

Turbulências no caminho

As recentes notícias da Europa e dos Estados Unidos subsidiam um prognóstico muito claro – e nada alentador: vem mais crise por aí. Em outro sinal da crescente desconfiança sobre os bancos europeus, a agência de classificação de risco Moddy’s rebaixou as notas de 21 instituições financeiras, sendo 12 do Reino Unido e nove de Portugal. O Fundo Monetário Internacional (FMI) fez um alerta de que a recapitalização dos bancos é necessária para que continuem fazendo empréstimos uns aos outros.
Esse temor todo gera um efeito cascata nos EUA, cujo sistema financeiro está fragilizado: de acordo com o Serviço de Pesquisas do Congresso Americano, a exposição dos bancos locais à crise das dívidas europeias gira em torno de U$ 640 bilhões, o que equivale a 5% dos ativos bancários do país. É como uma bola de neve que leva consigo tudo o que vê pela frente.
Em verdade, essas instituições realmente precisariam ser socorridas. O grande problema é que seus países, por uma situação fiscal complicada – envolvendo altos déficits e baixa capacidade de endividamento –, estão com poucas condições de realizar essa ajuda. E é exatamente nisso que reside o epicentro do turbilhão atual. Em 2008, com a quebra do Lehmann Brothers, o governo injetou pesados recursos para segurar a onda dos mercados. Agora, tal possibilidade já não mais existe.
Infelizmente, como se verifica hoje, as lições parecem não terem sido aprendidas. As agências de rating continuam dando duvidosos palpites. As empresas de auditoria permanecem assinando balanços de maneira pouco criteriosa. E o pior de tudo é que os governos das maiores potenciais mundiais, em que pese algumas modificações pontuais, não mexeram num dos pontos essenciais tanto daquela quanto desta crise: a falta de regulamentação do sistema financeiro.
E o paradoxal disso tudo é que exatamente da Europa e dos EUA vinham as grandes “receitas de bolo” para as economias dos países emergentes. Banqueiros e especialistas passavam teorias prontas para a evolução dos BRICs. Executivos condenavam a suposta irresponsabilidade de nações como o Brasil. Duvidavam de alguns indicadores, desdenhavam de certos avanços, olhavam o progresso com o nariz torcido da incredulidade. Enquanto isso, debaixo de seus próprios olhos, ocorria uma grave crise sistêmica que iria atingir todo o universo corporativo. E suas próprias finanças se revelaram falsamente sólidas: organizações podres, títulos sem lastro, carteiras de créditos corrompidas, executivos com proventos exorbitantes.
A grande diferença quanto à nossa consistência para enfrentar a crise está numa lição simples que o Brasil passou a seguir rigorosamente há quase duas décadas: sistema financeiro regulado, capitalizado e com baixa alavancagem. Responsabilidade micro e macroeconômica. Claro que isso não significa que estejamos imunes. Além de não haver ilhas de isolamento na economia global, mantemos sérios defeitos estruturais que, se sanados, tornariam nossa economia mais ativa e competitiva. Porém, ainda assim temos mais musculatura para autodefesa.
A Europa e os Estados Unidos precisam começar a fazer o dever de casa, principalmente no que concerne a regular seus sistemas financeiros. A propósito, esse foi um dos compromissos que o presidente Obama assumiu durante a campanha eleitoral, e não está conseguindo cumprir – o que figura dentre os motivos de seu desgaste. Claro que ele não é o culpado por anos seguidos de equívocos, muitos dos quais patrocinados pelos republicanos, mas quem exerce o poder não pode eximir-se de enfrentar a realidade tal qual ela está posta. É preciso agir logo e certo, ou todo o mundo continuará pagando essa conta, inclusive quem nada tem a ver com ela – como é o nosso caso.
*Presidente do Instituto Reformar de Estudos Políticos e Tributários e ex-governador do Rio Grande do Sul - www.germanorigotto.com.br

Do PT POA

"A vitória do PT em Porto Alegre passa por um amplo
debate com a militância partidária e com a população
na construção de um programa de governo democrático e
popular".

A afirmação, inserida na Carta de Porto Alegre
(lançada em julho de 2011), traduz o espírito do ato que
o PT metropolitano irá promover na próxima segunda-feira
(24/10), a partir das 18h:30, no Ritter Hotel, em frente à
Rodoviária.

Na pauta, conjuntura e mobilização para as eleições
de 2012. Contamos com a sua participação e militância
na organização e mobilização desta plenária.

OS MOTOQUEIROS E A PROCISSÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA


FOTOS DE AVANI STEIN...

Na manhã sonolenta,de feriado( dia 12.10) ninguém queria ou esperava ser importunado junto ao centro de Porto Alegre, por uma procissão de motoqueiros, que sabe-se lá de onde vinham...

( vinham na verdade da Ponta do Gazometro, de onde partiram...)

Quatro "azuizinhos" da EPTC - atualmente os azuizinhos estão meio embaixa por causa de um escândalo que estourou dias atrás e provocou a demissão por justa causa de um colega) ficaram embaixo do camelódromo pra controlar os ônibus que naquele horário não podiam seguir pela Júlio de Castilhos.O trânsito estava interrompido. Só podiam seguir as motos...


A mulher de " rabo de cavalo" loira, segue célere...não dá bola pra procissão...deve estar seguindo pro trabalho.

Os motoqueiros seguem seu curso em direção ao Porto Seco

O popular, de camisa vermelha, parece não ter pressa...é feriado nacional. Ele fica olhando a procissão passar.

A loira de "rabo-de-cavalo" finalmente se dá conta que o trânsito está todo interrompido e pára pra ver as motos passarem

O "casal" abraçado, sob a marquise, observa o zum das motos...

FOTO DE AVANI STEIN...

OS MOTOQUEIROS

PASSAM VOANDO PELO CAMELODROMO!!!!

Avani estava por lá na manhã do dia 12.10 indo pra Gravataí( ia reservar canil pros seus dois cachorros, pois ela viaja a Curitiba e a São Paulo esta semana, onde vai dar cursos de arte) quando viu aquelas motos passando em direção ao Porto Seco..Era a procissão da santa dos motoqueiros. Então ela sacou de sua máquina e clicou!!!!

O que saiu na imprensa

VEJA de suas semanas atrás enche e bola deste filme

Não há como não ficar com vontade de vê-lo depois de ler o que VEJA disse. Fui conferir neste domingo, 16.10 e não me arrependi. Na Casa de Cultura, meia dúzia de gatos pingados vendo a película na sessão das 17 horas...Entre eles o escritor João Gilberto Noll...então estávamos todos bem recomendados.

O que saiu na imprensa

NO GLOBO de 10.10, uma critica de um documentário que trata do futuro do jornal mais influente do mundo, o NYT...que passou dentro do Festival do Rio 2011..

Comissão recebe denúncia de discriminação contra cadeirante

A Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana (Cedecondh) da Câmara Municipal de Porto Alegre debaterá nesta terça-feira (18/10), às 15 horas, denúncia de discriminação contra uma portadora de deficiência física. De acordo com a denúncia, a cadeirante teria sido agredida verbalmente e impedida de frequentar o Cinemark do Shopping Bourbon Ipiranga. Além da denunciante, foram convidados para a reunião, a ser realizada na sala 302, representantes da Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social (Seacis), da Secretaria Municipal de Produção, Indústria e Comércio (Smic), da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas Portadoras de Deficiência e de Altas Habilidades no Rio Grande do Sul (Faders) e do Bourbon Ipiranga.

Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

“SONS DA CIDADE” DE OUTUBRO APRESENTA GISELE DE SANTI E IAN RAMIL



O projeto “Sons da Cidade”, realizado pela Coordenação de Música da Secretaria Municipal da Cultura, apresenta neste mês de outubro, dois integrantes da nova geração da música popular feita no Rio Grande do Sul: Gisele De Santi e Ian Ramil. O show acontece no Teatro Renascença no dia 18 de outubro, a partir das 20h, com entrada franca, sendo recomendada a entrega de um quilo de alimento não-perecível a ser destinado às entidades assistenciais do município.

Gisele de Santi iniciou sua carreira cantando nos bares e gravando jingles. Aos 18 anos, trocou a Faculdade de Letras pelo curso de graduação em Música pela UFRGS. Seu primeiro disco foi lançado em 2010 e teve financiamento do FUMPROARTE. Nele, Gisele faz um passeio por vários estilos musicais, como bossa nova, jazz, blues e até mesmo chamamé. O disco – intitulado Gisele De Santi – foi produzido por Gilberto Ribeiro Jr., co-produzido por Fabricio Gambogi e pós-produzido por Leo Bracht. Neste ano de 2011, ela foi um dos destaques do Açorianos de Música 2011, recebendo os prêmios de revelação e de melhor intérprete de MPB.

Filho de Vitor Ramil e sobrinho de Kleiton & Kledir, Ian Ramil está se lançando no mercado musical. Ele começou como ator ainda em Pelotas, sua terra natal, em 1999. Depois, fez cursos de teatro e entrou na UFRGS para cursar o bacharelato em teatro, mas abandonou. Integrou a equipe do espetáculo infantil “Pé de Pilão”, de Cláudio Levitan, inspirado em Mário Quintana. Tem algumas faixas gravadas e pretende lançar seu primeiro disco em 2012.

A curadoria do projeto “Sons da Cidade” é do jornalista e radialista Paulo Moreira.

SONS DA CIDADE
GISELE DE SANTI & IAN RAMIL
TEATRO RENASCENÇA – 18/10/2011 – 20H
ENTRADA FRANCA – UM QUILO DE ALIMENTO NÃO-PERECÍVEL
SENHAS: 1H ANTES DO ESPETÁCULO


Assessoria de Imprensa
Coordenação de Música
Secretaria Municipal da Cultura


ESQUECERAM

DE MIM???!!!!


O relógio do letreiro da entrada do prédio da Assembléia Legislativa, ontem,dia 17.10 ainda não estava no horário de verão...

A não atualização terá sido provocada pela " estafa" do trabalho da sexta passada, quando a presidenta Dilma passou pela casa?

Ou será que que demora assim pra atualizar o relógio com o novo horário...

O quadro do Zorra Total na vida real

Do site

Rede Globo (Divulgação)


Um advogado de 46 anos - acusado de ter molestado uma estudante de 21 anos no início da noite de sexta-feira (14) - está preso no 31º DP (Vila Carrão, na zona leste), para onde foi enviado depois de passar por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A estudante foi molestada dentro de um vagão do metrô da Linha Vermelha, no sentido Corinthians-Itaquera, em torno das 18h40. O abuso teria ocorrido no percurso da estação República até a estação Belém.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o suspeito teria colocado o órgão genital para fora da calça e se esfregado na vítima. Em pé, dentro do trem lotado, ele impediu que a estudante saísse do vagão. Ela então começou a passar mal e os passageiros descobriram que a vítima estava sendo molestada.

O suspeito foi preso em flagrante e levado pelos seguranças do metrô para a Delpom (Delegacia de Polícia do Metropolitano), onde duas mulheres prestaram depoimento como testemunhas.

O homem vai responder às acusações por violação sexual e está preso no 31º DP por ter curso superior.

Ainda segundo a polícia, a OAB-SP recusou-se a fazer a defesa porque o crime não ser funcional - ou seja, por não estava ligado às atividades profissionais dele. (Com informações da Folha Online).

"Esse quadro nojento é o maior sucesso"...

No ar desde junho deste ano com o quadro do metrô, no Zorra Total, Valéria (Rodrigo SantAnna) e Janete (Thalita Carauta) são um sucesso. O espaço é o carro-chefe do programa e o transformou na menina dos olhos da Globo, que estuda criar um programa só para eles. O curioso é que, por pouco, o quadro não foi ignorado.

"Escrevo esse quadro nojento que é o maior sucesso. A que ponto chegamos?", brinca o roteirista Bernardo Jablonski. "Quase que não vai ao ar porque é grosso para cacete, mas é um sucesso", diz ele, com orgulho.

"Quando estou na rua e transeuntes me identificam, dizendo brimncando que vão me bolinar" (referência ao assédio a Janete, no vagão), conta a atriz Thalita Carauta. Ela conta que, pessoalmente, já sofreu com esse mal. "Isso já aconteceu comigo no metrô, a caminho da escola. É problema de lotação. Foi aquela coisa de homem encoxando".

Ela própria dá a solução:

"Você dá uma cotovelada, um empurrão e resolve" - revela.

ROUBALHEIRA

LUGAR DE COLORADOS É NO BEIRA-RIO.
DOMINGO 23/10/11.
INTERNACIONAL X corinthians.
*DIA DA VINGANÇA CONTRA A ROUBALHEIRA DE 2005.
QUERO O TIME RUBRO CORRENDO MAIS
QUE EM GRENAL DECISIVO DE GAUCHÃO!
Jogo vale a LIBERTADORES/2012.
MAS SÓ NA BOLA!
Saudaçoes esportivas.


Luiz Oscar Matzenbacher

VOU MORRER E NÃOT ER VISTO TUDO!!!

Congresso Brasileiro de Poesia aconteceu no começo deste mês em Bento Gonçalves.Mas, bah, não sabia que tinha que ter congresso de poesia...O que fizeram lá???

Têm a santa paciência???!!!!!

XIX Congresso Brasileiro de Poesia


Aladir Ferro(diretor da Escola Agrícola) Leocádia Zanini, Assessora Admninistrativa e a primeira-dama do município, Maria Carmen Montanari Presotto

De 03 a 08 de Outubro de 2011, em Bento Gonçalves, foi realizada da décima nova edição do Congresso Brasileiro de Poesia. Com o tema “A Poesia Vivida”, o evento homenageou o escritor Affonso Romano de Sant'Anna.
A abertura do encontro de poetas ocorreu no dia 03 de Outubro de 2011, com a presença do casal de escritores Marina Colassanti e Affonso Romano de Sant'Anna. Participaram da cerimônia representantes da Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa, prestigiando tão importante Congresso de Poesia.

 

GOLBERY & COMISSÃO DA VERDADE
Histórias de tirar o sono

Por Luiz Cláudio Cunha em 27/09/2011 - edição 661

“Me sinto extremamente ofendido, com o artigo do Sr. Luiz Cláudio Cunha. Em parte pela infantilidade que entorta os fatos rumo ao que se deseja, ou seja: Demagogia. Em parte pela covardia de ofender o caráter de quem já não pode mais defender-se. Obrigado. (Golbery do Couto e Silva Neto, e-mail ao Observatório da Imprensa, 9/9/2011)
O sr. Golbery Neto, compreensivelmente, não gostou do que foi publicado neste Observatório (ver “Golbery: benfeitor em Rio Grande, malfeitor no Brasil“) sobre o avô. Gastou quatro linhas e 44 palavras, sem nenhum argumento, para tentar desqualificar um texto de 221 linhas e 2.552 palavras calcado em fatos e na ficha do general gaúcho, inventor do golpe de 1964 e prestes a ser homenageado com um monumento em sua terra natal, Rio Grande.

Quase nada se sabe do neto, que diz residir no Rio de Janeiro e se identifica profissionalmente como ‘internacionalista’, seja lá o que isso possa significar. Mas muito se sabe do avô, que, aliás, sabia muito mais. Sabia quase tudo sobre todos nós, como criador e chefe primeiro do SNI, o Serviço Nacional de Informações que bisbilhotava a vida dos brasileiros em geral, e dos opositores em particular. A vida pregressa de Golbery do Couto e Silva (1911-1987) ganhou súbita atualidade em agosto passado, com a desastrada ideia dos vereadores e do prefeito de Rio Grande (RS) de homenagear o general no mês do centenário de seu nascimento, cravando um monumento na praça central da cidade.

A oferenda sangrou como uma estaca na memória dos brasileiros, especialmente dos gaúchos, que justamente nesse agosto festejavam o cinquentenário da Campanha da Legalidade – o movimento popular de 1961 liderado pelo governador Leonel Brizola em defesa da posse de João Goulart na presidência da República, vaga com a renúncia inesperada de Jânio Quadros. A transição constitucional foi vetada pelos três ministros militares que leram um manifesto golpista redigido, ironicamente, pelo então coronel Golbery do Couto e Silva. Essa brutal contradição entre as poucas benfeitorias municipais e as muitas malfeitorias nacionais do general teve baixa repercussão na imprensa – com exceção de alguns blogs e opiniões isoladas, contra ou a favor – e nenhum eco entre os políticos brasileiros, desconectados com a coerência histórica e descomprometidos com a memória nacional.

O jovem prefeito de Rio Grande, Fábio Branco, de 39 anos, nem justificou a homenagem intempestiva: “Não vou fazer juízo da ditadura militar. Eu nem era nascido…”. O neto do general, talvez ainda mais jovem, também evita qualquer consideração sobre a obra política do avô, sob o infantil argumento de que seria “covarde” avaliar a biografia dos mortos. Sob este prisma obtuso, prefeito e neto se eximem, portanto, de julgar episódios como a escravidão e o nazismo ou de opinar sobre personalidades já finadas como Hitler, Stálin, Pinochet ou Médici.

Imprensa complacente

Esta omissão deliberada não contaminou os cidadãos mais conscientes, de Rio Grande ou não. Uma pesquisa online do jornal local, o Agora, mostrou que mais da metade (58,5%) da população discorda do monumento. Um abaixo-assinado na internetregistra mais de 1.600 assinaturas de todo o país condenando a homenagem. Indignados, movimentos de sindicatos, estudantes e populares de Rio Grande formaram uma Comissão “Ditadura Nunca Mais” e, na semana passada, entregaram às autoridades locais dois livros do jornalista Elio Gaspari: A Ditadura Escancarada foi ofertadaao prefeito sem juízo e A Ditadura Derrotada foi agraciada aos vereadores sem tino. Nas duas obras, parte de uma magistral tetralogia de 2002 – portanto escrita quando o general, morto em 1987, já não podia mais se defender, para desencanto do neto – o feiticeiro Golbery refulge merecidamente como personagem central, dividindo a cena com o sacerdote Ernesto Geisel.

A mesma imprensa complacente de hoje com o passado tenebroso do general lembra muito a imprensa conivente de ontem com o general golpista de sempre. Golbery carrega na sua ficha a proeza de ter derrubado Jango duas vezes do poder. A primeira, em 1954, quando redigiu o manifesto de 82 coronéis e tenentes-coronéis que levou à demissão de João Goulart, então ministro do Trabalho de Getúlio Vargas, criticado pelos militares pelo aumento de 100% do salário mínimo. A segunda, dez anos mais tarde, quando depôs Jango da presidência da República no golpe vitorioso de 1964, resultado final de uma científica, pensada e cara conspiração civil-militar que juntou o grande empresariado nacional e multinacional com a direita dos quartéis sob a fachada do dissimulado IPES, o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais. O coordenador do IPES, que deu em 1964 o troco n o golpe frustrado em 1961 pela brava resistência dos seus conterrâneos gaúchos, era o incorrigível Golbery.

Seria útil que o jovem neto de Golbery aprendesse sobre os fatos da tortuosa carreira do avô lendo um livro, pelo menos um livro, o clássico1964: a conquista do Estado – ação política, poder e golpe de classe (Editora Vozes, 1981), do professor uruguaio René Armand Dreifuss (1945-2003). Ali, em 814 páginas irrespondíveis, Dreifuss desentorta os fatos para revelar ao neto distraído. Com documentos do próprio IPES, a lenta, gradual e segura conspirata do vovô Golbery para derrocar um governo democrático e botar no seu lugar uma ditadura de 21 anos sob o rodízio de cinco generais-presidentes – três deles (Castelo Branco, Geisel e Figueiredo) tendo o próprio Golbery como inquilino e feiticeiro-mor no Palácio do Planalto.

O IPES nasceu em novembro de 1961, três meses após a vitória popular da Legalidade – quando nem o prefeito de Rio Grande, nem o neto do general, haviam nascido. Parecia um inocente clube de homens de negócios. Entretanto, na sua face oculta, sob siglas e codinomes, o IPES concentrava a execução metódica de um pensado plano da burguesia nacional para combater de forma clandestina os seus três principais inimigos: o governo Jango, a aliança nacionalista do PTB e o comunismo, que aparentemente resumia tudo aquilo.

O braço político ostensivo do IPES de Golbery era o IBAD, Instituto Brasileiro de Ação Democrática, que apesar do nome tinha ligações com o MAC, Movimento Anticomunista, e com a organização da direita católica Opus Dei. O fundador do IBAD em 1959 foi o integralista Ivan Hasslocher, dono da Promotion, uma agência de publicidade que promovia o lobby do IBAD e seu braço parlamentar, a ADP – Ação Democrática Popular, um núcleo conservador de 160 parlamentares da centro-direita no Congresso Nacional reunido em torno da UDN, PSD e PSP. Segundo Dreifuss, a ADP tinha sua ação política patrocinada pela estação no Rio de Janeiro da CIA, a agência de inteligência americana focada em campanhas políticas e grupos de pressão.

Assalto sincronizado

Homens da mesma linha de pensamento e com igual propósito juntaram, a partir de 1962, as duas entidades: nascia o complexo IPES/IBAD, matriz ideológica e operacional da conspiração que daria o golpe e, depois, forneceria os quadros e dirigentes do aparato estatal que sustentou o regime militar. O IPES operava como centro estratégico e o IBAD, como uma unidade tática. O monstro crescia junto com a conspiração. Em 1963, os 80 membros originais do IPES pularam para 500. Eram sócios 26 dos 36 líderes da FIESP, a maior federação industrial do país. A entidade se espalhava pelas capitais do país.

A articulação dos empresários com os militares era feita pelo Grupo de Levantamento da Conjuntura (GLC) do IPES, comandado pelo general Golbery, que atuava sobre o I (Rio) e III (Porto Alegre) Exércitos. A “ordem de serviço com calendário” do GLC, que definia a estratégia de ação, tinha uma edição limitada de 12 exemplares, que não eram registrados nas atas do IPES. A equipe de Golbery distribuía nos quartéis uma circular bimestral mimeografada, sem citação da fonte, avaliando a atividade “comunista” no país, apontando o dedo para subversivos infiltrados no governo e mapeando suas ações.

Só no Rio de Janeiro o clandestino GLC de Golbery tinha três mil telefones ilegalmente grampeados. O grupo dirigente do general ocupava quatro das 13 salas que o IPES havia alugado no 27° andar do edifício Avenida Central, na Avenida Rio Branco, então o prédio mais moderno no centro da cidade. A conta do telefone era faturada em nome do general da reserva Henrique Geisel, irmão de Ernesto, futuro sacerdote no Planalto.

O GLC do vovô Golbery escrutinava a produção diária da imprensa do país, um total de 14 mil edições no ano, e produzia mensalmente cerca de 500 artigos, disseminados pelos jornais ou divulgados em forma de palestras. O Grupo de Atuação Parlamentar (GAP) do IPES tinha vergonha do que fazia. Proibia qualquer menção à sigla, que era camuflada como “Escritório de Brasília”. Ele coordenava a campanha anti-Jango na capital, mas quem aparecia publicamente era o IBAD e o fazendeiro baiano João Mendes, deputado udenista e líder ostensivo da Ação Democrática Parlamentar.

O plano era simples e mortal: o IPES de Golbery, por intermédio do IBAD e da ADP, emparedava o governo no Congresso, criando um beco sem saída parlamentar e um ponto morto do Executivo. A inércia legislativa levaria ao clamor popular pelo poder “moderador” das Forças Armadas, única instituição capaz de tirar o país daquele atoleiro fabricado pela conspiração urdida pelo general no Parlamento.

Neste trabalho era fundamental manipular a opinião da sociedade. Na dura expressão de René Dreifuss, “o IPES conseguiu estabelecer um sincronizado assalto à opinião pública” pela relação especial com os principais veículos da mídia nacional. O objetivo central do Grupo de Opinião Pública (GOP) do IPES era disseminar seus objetivos na imprensa falada e escrita. Dissimulado, o grupo evitava o nome “opinião pública”, preferindo as expressões “divulgação” e “promoção”. José Luís Moreira de Souza, dono da Denison Propaganda, dizia que “conquistar a opinião pública” era a essência da ação política do grupo. O principal articulador do GOP era um ex-comissário de polícia, José Fonseca, que começou na vida como “tira” no 16° Distrito Policial de São Cristóvão, um subúrbio operário da zona norte do Rio, no révei llon de 1952.

Conspiração sem twitter

Em 1958, trocou a delegacia por um cargo de relações públicas da Light, a empresa americana de energia que se tornaria uma das líderes do IPES e da conspiração. Em 1963, um ano antes do golpe, o ex-comissário José Rubem Fonseca deu aos 38 anos seu primeiro tiro certeiro na literatura: lançou o livro de contos Os prisioneiros com o nome literário de Rubem Fonseca. O festejado autor de Feliz Ano Novo, A grande arte e Bufo & Spallanzani tornou-se nas décadas seguintes o maior contista vivo do país, ganhador em 2003 do Prêmio Camões, uma espécie de Nobel para escritores da língua portuguesa.

Outros destaques do GOP no Rio eram os jornalistas Glauco Carneiro e Wilson Figueiredo, este do corpo editorial do Jornal do Brasil.Em São Paulo, o GOP atuava com Geraldo Alonso, dono da Norton Propaganda, e nomes ilustres de O Estado de S.Paulo, como Ênio Pesce e Flávio Galvão. Contava ainda com Jorge Sampaio e Alves de Castro, os dois nomes centrais do Repórter Esso da TV Tupi, o equivalente ao Jornal Nacional da Rede Globo de hoje, patrocinado pela Esso do Brasil, membro importante do IPES do vovô Golbery.

Em tempos sem e-mail ou twitter, o GOP se valia da tecnologia da época: enviava milhares de cartas e telegramas e fazia chamadas telefônicas, antecipando em décadas o odiado telemarketing. Em novembro de 1962 chegava a três mil nomes a lista de organizações de rádio e TV mobilizada pelo GOP. Aliado a ele funcionava o GPE, Grupo de Publicações/Editorial, que disseminava material impresso pelo país. Esta campanha de guerra psicológica era tarefa do ex-comissário e contista Rubem Fonseca, que incluía intelectuais respeitados como Augusto Frederico Schmidt, Odylo Costa Filho e Rachel de Queiroz, prima do general Castelo Branco, líder do golpe que derrubou Jango. Rachel foi presa no golpe do Estado Novo, em 1937, acusada de subversiva, e teve seus livros queimados. Um quarto de século depois, a comunista de Fortaleza era uma intelectual engajada na equi pe de propaganda de direita de Rubem Fonseca no IPES. O primo Castelo Branco, já ex-presidente, morreu num acidente aéreo em 1967 quando retornava de um passeio à fazenda da prima Rachel.

Os propagandistas do GOP atuavam em três frentes: artigos para jornais e revistas, panfletos para circular entre estudantes, militares e operários, e livros que comparavam a democracia com a empresa privada. Em comum, eram todos anticomunistas, antitrabalhistas e antinacionalistas – a tríade que embalava o cérebro do vovô Golbery. Nomes fortes do mercado editorial, como Saraiva, Cia. Editora Nacional e GRD Editora, colaboravam na publicação da chamada “literatura democrática”.

Balcão de deputados

A escolha dos candidatos agraciados com o apoio financeiro pelo IPES de Golbery obedecia a uma regra rígida, quase um contrato de compra e venda. Quem se habilitava a integrar a lista de “democratas convictos e anticomunistas de primeira ordem” passava pelo crivo dos analistas do complexo IPES/IBAD. Mais importante do que a filiação partidária era a orientação das ideias. Cada candidato era compelido a assinar um “ato de compromisso ideológico”, pelo qual prometiam lealdade ao IBAD acima da fidelidade ao seu partido, prometendo ainda lutar contra o comunismo e a defender o investimento estrangeiro.

Mas a mercadoria custava caro. O chefe do GAP (Grupo de Ação Parlamentar) do IPES, o banqueiro Jorge Oscar de Mello Flores, avaliava os candidatos pelo coeficiente eleitoral. De início, ele calculava que cada deputado “custaria” cerca de 6 milhões de cruzeiros (cotação atual: R$ 317 mil), mas percebeu que esta seria a conta de nomes da Paraíba e outros Estados menores. O preço aumentava no Ceará e ainda mais na Bahia. Os candidatos de Rio e São Paulo eram mais caros, explicou Mello Flores, avaliando a conta per capita dos deputados no balcão do IPES do vovô Golbery: 15 milhões de cruzeiros (cotação atual: R$ 792 mil).

O orçamento de um candidato pouco conhecido e de limitada agressividade eleitoral incluía despesas com equipamento de som, 40 mil cartazes, 600 faixas, fotografias, espaço em jornais, mensagens no rádio e TV, discos de jingle, gasolina, correspondência e pessoal de apoio… Tudo isso ao custo de uns 10 milhões de cruzeiros, o que não era pouca coisa. Dez milhões, que hoje valem R$ 528 mil, equivaliam então à renda diária de 20 mil trabalhadores de salário mínimo, número de votos atualmente suficientes para eleger vereador em capital.

O IPES de Golbery recebeu apoio financeiro de 297 corporações americanas. Passavam o chapéu entre empresas britânicas, suecas, alemãs. A Fundação Konrad Adenauer, órgão do Partido Democrata Cristão alemão, canalizava recursos pelo sólido complexo siderúrgico Mannesmann e pela gigante Mercedes Benz. O neto certamente não sabia, mas o vovô Golbery encarregou-se pessoalmente do contato com o presidente da Mercedes.

Grampo na Casa Branca

Os amigos do general estavam ativos, também, em Washington. Na segunda-feira, 30 de julho de 1962, o presidente John Kennedy entrou no Salão Oval e ligou pela primeira vez seu novo brinquedinho, instalado no fim de semana: o sistema secreto de gravação de voz da Casa Branca. A estréia prometia: era uma conversa cabeluda de Kennedy com o seu embaixador no Brasil, Lincoln Gordon, parceiro de Golbery no caminho para o golpe militar que derrubaria João Goulart dois anos depois. Começava pelo gasto não contabilizado de US$ 8 milhões nas eleições de 1962, adubando secretamente candidatos apoiados pela CIA e simpáticos aos EUA. A conexão americana do mundo político brasileiro com os militares golpistas era feita por outro amigo do peito de Golbery – o discreto adido militar da embaixada, coronel Vernon Walters, que chegaria a vice-diretor da CIA no auge do Caso Watergate que derrubou Nixon, em 1974.

A transcrição das fitas foi revelada no livro do jornalista americano Tim Weiner, Legado de Cinzas – Uma história da CIA (Ed. Record, 2008), outra leitura instrutiva que poderia iluminar a cabeça de Golbery Neto. Ela mostra, numa frase de Gordon para Kennedy, que o alvo central da conspiração era o mesmo de Golbery – o próprio Jango:

– Para expulsá-lo, se necessário – disse o embaixador, esclarecendo – O posto da CIA no Brasil deixará claro, discretamente, que não somos necessariamente hostis a qualquer tipo de ação militar, em absoluto, se ficar claro que o motivo da ação militar é…
–… contra a esquerda – completou o presidente Kennedy, dando o sinal verde para o golpe que aconteceria vinte meses depois.
Na véspera da eleição de 1962, a Promotion de Ivan Hasslocher, líder do IBAD, arrendou o jornal carioca A Noite por 90 dias, ao custo mensal de 2 milhões de cruzeiros (cerca de R$ 100 mil no câmbio atual) para propaganda direta. A revista Repórter Sindical também era operada pela entidade. O órgão oficial do IBAD, Ação Democrática, circulava mensalmente com 250 mil exemplares e textos de gente graúda como o economista Eugênio Gudin e o líder udenista Aliomar Baleeiro. Era gratuita e, ainda assim, não tinha um único anúncio. No início de 1963, um manifesto de 500 profissionais de prestígio, organizados pelo Centro Democrático de Engenheiros, ligado ao IPES, foi publicado no Jornal do Brasil e em O Estado de S. Paulo.

Manifestos variados, todos “democráticos”, proliferavam na imprensa e eram retransmitidos pela dupla IPES/IBAD. Eles tinham uma agência de notícias, a Planalto, que redistribuía o material a 800 emissoras de rádio e jornais do país. Tudo gratuito, tudo pela pátria, tudo pela “democracia”. Um milhão de cópias da Cartilha para o Progresso, feita pelo IPES, exaltando os benefícios da Aliança para o Progresso do governo americano, foi encartada como suplemento da Fatos & Fotos, revista na época de grande circulação da Editora Bloch.

O extremista do Estadão

Num país de elevado analfabetismo, o esperto vovô Golbery percebeu a importância do rádio e da nascente televisão. O IPES gastou 10 milhões de cruzeiros para produzir 15 programas de TV para três canais diferentes. Eram entrevistas de questionários preparados pela entidade, com jornalistas de confiança e gente selecionada para responder sobre reforma agrária, custo de vida, democracia. Estavam escalados nesse time alguns ilustres conterrâneos de Golbery, como o senador Mem de Sá (presenteado com a cadeira de ministro da Justiça no governo Castelo Branco), os deputados Daniel Faraco, Egydio Michaelsen e Raul Pilla, o prefeito de Porto Alegre Loureiro da Silva e o arcebispo dom Vicente Scherer.

Em 1962, o IBAD operava diariamente mais de 300 programas de rádio no horário nobre das principais cidades do país. A rede de mais de 100 estações ligadas a ele formava a “Cadeia da Democracia”, sob o comando do senador João Calmon, dos Diários Associados, que tinha o cuidado de ir ao ar no mesmo horário das transmissões do líder trabalhista Leonel Brizola, que derrotara Golbery um ano antes com a “Cadeia da Legalidade”.

O maior produtor de filmes comerciais do país, Jean Manzon, foi contratado por Golbery para produzir filmes como Que é a democracia, Deixem o estudante estudar, Uma economia estrangulada, Criando homens livres. Eram filmetes de 10 minutos, projetados antes do vibrante faroeste exibido nas matinês do interior do país, onde se espalhavam três mil salas de cinema. Quando a plateia não aparecia, o cinema ia até o público. O IPES montou o projeto do “cinema ambulante” em caminhões abertos e ônibus com chassis especiais, que percorriam favelas, bairros populares e cidades distantes. Era um mutirão democrático: a Mesbla fornecia os projetores, a Mercedes Benz emprestava os caminhões e a CAIO montava a carroceria dos ônibus.

Na medida em que avançava a conspiração, crescia a presença militar sobre a base parlamentar. Era hora de sair do discurso para a prática. O IBAD cede seu lugar de destaque para outra sigla – a ESG, a Escola Superior de Guerra, de onde provinham Golbery e o núcleo fardado do golpe. O novo complexo IPES/ESG alinhava 330 oficiais, de majores a generais de Exército, fazendo a ligação do mundo empresarial com os quartéis. Sempre sob a liderança do vovô Golbery, lá estavam nomes que, mais tarde, fariam parte do poder revolucionário, como ministros ou até presidentes. Orlando Geisel, Mário Andreazza e Walter Pires formulavam planos com Castello Branco, Ernesto Geisel e João Figueiredo.

Um grupo que Dreifuss nomeia como “Extremistas de Direita” juntava fanáticos anticomunistas com adeptos da modernização industrial conservadora. Curiosamente, o grupo era mais ligado ao jornalista Júlio de Mesquita Neto, expoente da “linha dura” paulista que pregava uma forte mensagem anticorrupção e contra a esquerda. Com Mesquita estavam seu irmão Ruy e os deputados Abreu Sodré e Paulo Egydio Martins, mais tarde governadores indiretos de São Paulo indicados pelos quartéis.

Os três ministros militares que Golbery transformou em locutores de seu manifesto no golpe frustrado de 1961 – o marechal Odylio Denys, o almirante Sílvio Heck e o brigadeiro Grun Moss – mandaram emissários da conspiração a São Paulo para um encontro, no início de 1962, com Júlio Mesquita Filho, a quem entregaram um documento sobre as normas que iriam orientar o governo militar após a queda de Jango. O grupo, integrado pelos generais Cordeiro de Farias e Orlando Geisel, foi mais explícito com o dono do Estadão: o regime discricionário teria de ficar no poder por pelo menos cinco anos. Animado com a conversa, Mesquita chegou ao ponto de sugerir oito nomes para o futuro ministério revolucionário. Com o jurista Vicente Rao, advogado da mineradora americana Hanna, Mesquita chegou a fazer o rascunho de um Ato Institucional para fechar Senado, Câmara e Assembleias e cassar mandatos – o mesmo instrumento de força que a ditadura anos depois faria seu jornal engolir com o AI-5, na forma de versos e receita de bolo.

Ciência e violência

No Rio Grande do Sul, quartel-general do III Exército, a maior concentração de tropa terrestre do país e foco principal da resistência de Brizola na Campanha da Legalidade, dois terços da oficialidade já estavam engajados na rebelião. O coronel da Brigada Militar Peracchi Barcelos (PSD), eleito deputado pela máquina do IPES do general Golbery, tratava de sublevar a força pública do estado.

O general Armando Cattani – que comandou no período 1958-59 a poderosa 6ª Divisão de Exército em Porto Alegre, exatamente quando Brizola deixava a prefeitura da capital gaúcha para assumir o governo do estado – organizava grandes fazendeiros no interior do Rio Grande do Sul em unidades paramilitares que seriam acionadas na hora precisa do golpe.

O general Cattani era tão amigo do general Golbery que foi selecionado por ele para assumir como interventor a prefeitura de sua terra natal, Rio Grande. O posto ficou vago de repente graças à quartelada de março de 1964, que transformou a cidade portuária em “área de segurança nacional” e cassou o mandato do prefeito do PTB, Farydo Salomão, no cargo havia apenas três meses. Não é a juventude, mas a alienação, que pode explicar o desconhecimento que o atual prefeito de Rio Grande e o neto do general têm sobre as violências praticadas pela ditadura de Golbery e seus comparsas nos primeiros dias do golpe exatamente na cidade onde ele nasceu.

Golbery, evidentemente, não tem nenhum envolvimento pessoal com as truculências na sua terra. Mas o general tem tudo a ver com o regime de força que permitiu esses abusos. Como porto e área estratégica no extremo sul do país, Rio Grande coordenava a repressão ali pela SOPS-RG, a Seção de Ordem Política e Social que unia forças do 6º Grupamento de Artilharia de Campanha (GAC) do Exército, o Batalhão de Polícia Motorizada, a Polícia Federal e a Polícia Civil, que cobriam seis municípios da região, de Pelotas a Chuí.

A SOPS era subordinada ao DOPS de Porto Alegre, onde brilhava o nome mais importante do aparato repressivo gaúcho, o delegado Pedro Seelig. Foi pelo Chuí que ele devolveu à ditadura uruguaia os ativistas Lilian Celiberti e Universindo Diaz, sequestrados em Porto Alegre em novembro de 1978 por um comando binacional da Operação Condor, integrado por agentes de Seelig e militares enviados por Montevidéu. A SOPS de Rio Grande e o DOPS de Seelig eram todos membros fraternais da “comunidade de informações”, gerenciada desde Brasília pelo SNI criado pelo grande-irmão Golbery.

O neto ainda não deve saber, mas as brutalidades do regime não poupavam nem os conterrâneos do avô. Um bom exemplo foi relatado por Leandro Braz da Costa, mestrando em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, num trabalho sobre repressão publicado este ano na Jornada de Estudos sobre Ditadura e Direitos Humanos, do Arquivo Público do Rio Grande do Sul. O historiador ouviu em 2009 um inspetor lotado em Rio Grande, na década de 1970, na 7ª Delegacia Regional da Polícia Civil, dotada de celas especiais com pau-de-arara e choque elétrico para a prática de torturas. A sofreguidão por informações do preso excitava a criatividade, como revela o inspetor:

[...] quando o delegado exigia que obtivéssemos rapidamente uma confissão ou uma informação, tínhamos que apertar o cara ainda mais… levávamos o indivíduo vendado e sem roupa lá pra praia do Cassino, na madrugada. Daí amarrávamos as mãos e os pés dele com uma corda e entrávamos com ele no mar. Afogávamos o cara… contávamos a passagem de seis ou sete ondas e depois retirávamos ele da água. Repetíamos isso várias vezes, até quase ele não aguentar mais. Se mesmo depois disso ele não falasse nada, nós eletrocutávamos ele com os fios ligados no dínamo [do motor] do Opala. Isso sempre funcionava [...]

Tortura no mar

Na terra de Golbery, o terror vinha do mar. Em 28 de março de 1964, três dias antes do golpe, o NHi Canopus (H22), um navio hidrográfico da Marinha de 1.800 toneladas e 78 metros de comprimento, concluiu seu trabalho científico de 30 meses para o levantamento da costa sul brasileira desde Torres até Chuí. Missão cumprida, tomou o caminho de Rio Grande, onde ancorou ao largo do porto. Era comandado pelo capitão-de-fragata Maximiano da Fonseca, que na década de 1980 seria colega de ministério de Golbery, como almirante e ministro da Marinha do governo Figueiredo. Levava a bordo 116 tripulantes, um helicóptero e 14 cientistas. Mas, naqueles dias agitados dos idos de março, o barco abrigou uma carga inesperada: presos políticos.

Transformado em navio-prisão, o Canopus de Maximiano virou o cativeiro do prefeito cassado Farydo Salomão, ali submetido a torturas por ser amigo de Brizola e Jango. A violência é denunciada no livro Centenário do Colégio Lemos Júnior, escrito pelo jornalista Willy Cesar, riograndino como Golbery e que hoje defende o preito ao general. Outro depoimento, ainda mais forte, é do ex-capitão da Brigada Militar Athaídes Rodrigues, vereador e aliado do prefeito. No dia 7 de abril de 1964, 50 homens cercaram sua casa e o levaram preso, ainda de pijama, num jipe que rodou pela cidade até chegar à Capitania dos Portos. Dali, o vereador trocou o jipe por uma lancha e foi transportado à prisão flutuante do Canopus, onde se juntou a vários ferroviários detidos, incluindo o presidente do sindicato, Miguel Gomes.

Incorporado à Marinha em 1958, seis anos antes do golpe, o Canopus sobreviveu ao regime, aposentando-se doze anos após a queda da ditadura, em 1997. Nesse período, passou 3.342 dias no mar e navegou mais de um milhão de quilômetros, o suficiente para 26 voltas ao mundo. A longa, impecável ficha funcional do Canopus ficou manchada, contudo, pelo desvio de rota ética que o imobilizou no porto de Rio Grande, abandonando por uns tempos a ciência das águas para lançar âncora na violência das mágoas políticas.

O navio-prisão na terra de Golbery era um resumo preciso do país-presídio a que Golbery e sua conspiração reduziram a terra dos brasileiros. O cativeiro temporário do Canopus em Rio Grande não era uma exclusividade do sul, mas uma fatalidade que se reproduzia em outras águas, em outras terras. No maior porto do país, Santos, no litoral paulista, estava fundeado o caso mais notório de navio-prisão do país, o Raul Soares. Era um velho transatlântico alemão construído em 1900, comprado pelo Lloyd Brasileiro em 1925 e transformado em navio de carga e passageiro para a rota Santos-Manaus.

Faca para o bife

Quase duas vezes maior que o Canopus, com 125 metros de comprimento, o Raul Soares tinha 110 tripulantes e acomodação para 580 passageiros. Os 80 da primeira classe tinham cabine reservada, salão de jantar e orquestra a bordo com pista de dança. Os outros 500 se acomodavam em redes e cobertas nos quatro porões, e comiam ali mesmo, disputando espaço com a carga – homens na proa, mulheres na popa. No espaço de dez anos, o Raul Soares navegou ao sabor das marés da história: serviu de prisão para os comunistas da fracassada rebelião de 1935 e trouxe para casa em 1945 os pracinhas da FEB que, aliados aos comunistas da União Soviética, derrotaram o Eixo nazifascista.

Em 24 de abril de 1964, o navio lúgubre de casco negro e uma enorme chaminé fumegante foi rebocado pela nova ordem militar até um banco de areia na ilha do Barnabé, em Santos. Cinco dias depois recebeu ali sua primeira leva de passageiros compulsórios: 40 sargentos do Exército que se opuseram ao golpe. Outros mais – militares e civis, sindicalistas e suspeitos em geral – chegariam depois, num total de quase 500 presos políticos, todos sem processo legal, sem direito a cabine reservada, nem orquestra, nem pista de dança. Ousaram desafiar a partitura desafinada da ditadura e foram jogados como carga nos seus porões infectos.

O Raul Soares tinha três calabouços, batizados pelos presos com nomes de boates famosas da época. O “El Morocco”, um salão metálico sem janelas, ventilação ou luz ao lado da caldeira, tinha uma atmosfera irrespirável de mais de 50 graus. O “Night and Day”, colado à geladeira, era uma sala menor onde os presos ficavam com água gelada na altura do joelho. O “Casablanca”, talvez o pior deles, era o depósito de fezes, onde a elas se misturavam os presos que precisavam ter a resistência quebrada, pela humilhação ou pelo mau cheiro. Este era o fedor institucional e jurídico emanado pela desordem militar manipulada no caldeirão malcheiroso do vovô Golbery.

Os detalhes escabrosos dessa história foram publicados em 1979 pelo repórter Mauri Alexandrino no jornal Preto no Branco, da Cooperativa dos Jornalistas de Santos. A desordem gerada pela prepotência da nova ordem foi percebida no dia em que 16 presos receberam uma boa notícia: haviam recebido habeas-corpus do juiz da 2ª Vara Criminal de Santos, Antônio Granda. À noite, aliviados, embarcaram na lancha e deixaram para trás aquele inferno. Foram direto para a sala do capitão dos Portos de São Paulo, Júlio de Sá Bierrenbach, encarregado dos inquéritos policiais na área sindical e política. O capitão chamou a imprensa, autorizou fotos, dispensou os jornalistas e, a sós com os presos, avisou:

“Quero comunicar que vocês estão soltos. Agora que estão em liberdade, estou dando nova voz de prisão. Vocês saíram do processo da Aeronáutica, mas ainda não enfrentaram o da Marinha. Estou abrindo novo inquérito.”

Os soldados reconduziram os presos para a lancha que os devolveu ao inferno. Muitos deles choravam, afogados num sentimento que mesclava tristeza e ódio. Jornalistas só tinham acesso ao Raul Soares como prisioneiros ou pelo filtro rigoroso do servilismo. Certo dia, dois jornalistas da Gazeta de Santos, escolhidos a dedo pelos militares, foram convidados a visitar a prisão flutuante. Elogiaram muito os comandantes pelas “ótimas condições carcerárias” e, na edição do dia seguinte do jornal, lembraram-se de uma única queixa dos prisioneiros: “Não existiam facas para cortar os bifes”, anotaram.

Caneta e metralhadora

Um jornalista subiu a bordo a contragosto: Nelson Gatto, repórter policial dos Diários Associados, penou ali 43 dias encarcerado. Sobreviveu para contar seu martírio em 1965 num livro – Navio Presídio – que ninguém leu. Foi apreendido pelo DOPS antes de alcançar as livrarias. A Justiça mandou liberar, a Aeronáutica mandou apreender de novo. No Superior Tribunal Militar (STM), Gatto ganhou por 10 a 0, com voto do ministro Olympio Mourão Filho, o general de Juiz de Fora que botou os tanques na rua em 31 de março.

O movimento militar desfechado em nome da santa hierarquia se convertera, naqueles dias agitados, num constrangedor foco de subversão: os oficiais-generais da suprema corte militar do país mandaram liberar o livro, um reles oficial da Aeronáutica fez exatamente o contrário. O coronel-aviador Francisco Renato de Melo invadiu a gráfica, recolheu toda a edição e a jogou no mar. Escapou um único exemplar. O coronel da Aeronáutica justificou assim a truculência: “Os juízes têm canetas, nós temos metralhadoras”. Em 1967, cumprindo a maldição do capitão Bierrenbach, Gatto foi preso novamente para responder sobre o livro que nunca circulou.

Os defensores de Golbery, sem a ingenuidade do neto, lembram sempre o seu papel na distensão e na abertura do regime executadas pelos dois generais – Ernesto Geisel e João Figueiredo – que lhe deram o longo reinado de sete anos como poderoso ministro da Casa Civil, entre 1974 e 1981. É verdade. No entanto, indulgentes, esquecem-se de dizer que Golbery estava também na outra ponta do processo político, fechando o ciclo democrático em 1964 e inaugurando uma ditadura que sobreviveria 21 anos.

A diástole que descontraía o sistema, segundo seu cardíaco pensamento político, foi antecedida pela contração da sístole. O general que comandou a sístole de 1964 não conseguiu pilotar a diástole de 1984, que acelerou com a hipertensão popular das multidões nas praças e avenidas das Diretas-Já e terminou com o surto de Tancredo Neves em pleno Colégio Eleitoral. Os amigos não lembram, e o neto não diz, mas é sempre bom repetir que o candidato de vovô Golbery no colégio era Paulo Maluf, confirmando sua teimosa vocação para estar sempre do lado oposto aos interesses populares.

Príncipes do bruxo

O teórico da “doutrina da segurança nacional” instaurou, por ardis, aparatos e artimanhas, uma rotina de insegurança pessoal que sacramentou o medo e a delação num país intimidado pela repressão e assustado pela síndrome da intriga, do grampo, da denúncia. Essa inclinação para o mal, como já deve ter suspeitado o jovem Golbery Neto, reforça a tese de que o avô tinha forte inclinação por dois príncipes – o de Maquiavel e o de Lampedusa.

O ardiloso general tinha a consciência da fortuna, a idéia romana de sorte, definida pelo gênio florentino como algo inevitável, que pode levar alguém ao poder ou tirá-lo de lá. Como se sabe, uma obsessão muito golberyana. E, como o autor de O Leopardo, o generaltentava “tudo mudar para que tudo ficasse como está”. A desastrada campanha de Maluf no Colégio Eleitoral mostra que Golbery tentava “mudar para preservar”, dando uma sobrevida civil ao regime militar que definhou como a aristocracia siciliana do século 19 desenhada por Lampedusa.

Maluf, na cabeça de Golbery, era o meio que justificava – ou adiava – o fim.

Golbery Neto provavelmente era nascido em 1977, quando o vovô Golbery cometeu sua derradeira bruxaria bem sucedida, o “Pacote de Abril”. Como de hábito, contra o povo. Sob o comando do sacerdote Geisel, o feiticeiro e meia dúzia de áulicos cozinharam uma sulfúrica emenda constitucional e seis decretos leis que, em resumo, dissolviam a vontade popular, um estorvo permanente aos planos de Golbery. Fecharam o Congresso para ruminar em paz seus feitiços, cancelaram a eleição direta de 1978 para governadores, inventaram um monstrengo sem voto (o senador-biônico), ampliaram para seis anos o mandato do sucessor de Geisel e aumentaram o peso de Estados menos populosos e politizados no Congresso Nacional.

Era Golbery, de novo, num surto de Lampedusa.

Mito na granja

Dois anos depois vovô Golbery recrudesceu, cada vez mais assustado com o crescimento do MDB, que pela força do voto emparedava a ARENA, a sigla da ditadura. Era preciso mudar o quadro partidário, implodindo a frente oposicionista, para que tudo ficasse como estava.

A ARENA virou PDS (o povo não esquece) e o MDB virou um caco, rachado entre cinco legendas: o PMDB de Ulysses, o PTB de Ivete Vargas, o PP de Tancredo Neves, o PDT de Leonel Brizola e o PT de Lula. A fortuna do mago florentino sorria para o bruxo riograndino. O marido de Ivete, Paulo Martins, trabalhava com Golbery no Gabinete Civil.

Ivete, que tinha o apoio de Golbery para arrebatar o PTB das mãos de Brizola, foi chamada em 1979 à Granja do Ipê, residência do general em Brasília, para ouvir este satânico raciocínio do feiticeiro:

– Precisamos trazer o Brizola de volta para o Brasil, porque ele está se tornando um mito muito forte fora do país. É melhor que ele volte e dispute eleição, porque assim perderá prestígio político.

O ex-deputado federal Sinval Boaventura, um radical arenista mineiro, foi lá na granja conferir a ideia com Golbery. O general ampliou sua tese, apostando num nome:

–A estratégia é estimular a imprensa para projetar Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, um grande líder metalúrgico de São Paulo, uma liderança inteligente e expressiva. Ele precisa ser preparado para ser o anti-Brizola.

Todo esse prontuário de Golbery passou em branco pela grande imprensa, que não abriu espaço para a atrevida homenagem ensaiada em Rio Grande. Um historiador da terra, Chico Cougo, 24 anos, portanto bem mais jovem que o alienado prefeito de sua cidade, nasceu dois anos após a queda da ditadura. Nem por isso deixa de abastecer seu blogpara emitir seu juízo ferino sobre o conterrâneo general, alinhando textos inteligentes, devastadores numa série imperdível sobre “Golbery e a cidade surreal”.

Outra exceção à regra do silêncio é o jornalista e escritor Juremir Machado da Silva, que acaba de lançar o livro Vozes da Legalidade, tem programa na rádio Guaíba e coluna no Correio do Povo, onde provocou:

“Rio Grande quer homenagear o ‘Rasputin’ nacional. Por que não uma estátua para os ministros militares que tentaram dar o golpe em 1961?… O mais incrível é que [o prefeito] Fábio Branco pertence ao PMDB, que se orgulha de ter combatido a ditadura… Resta uma hipótese radical: Branco quer expor Golbery às pombas da praça Tamandaré…”

A maior corrupção

Duas vozes expressivas da imprensa gaúcha discordam. Lasier Martins, âncora da RBS TV, o principal grupo de comunicação do sul, acha que a homenagem é parte da democracia. Indaga: “É tão difícil assim entender isso?”. É, é muito difícil entender, considerando que nenhuma democracia deve exaltar quem conspirou contra a democracia.

O experiente jornalista Érico Valduga, dono do Periscópio, um respeitado blog políticodo sul, acha que a homenagem “é uma questão local legítima” em que “a sociedade de Rio Grande preferiu ver no conterrâneo o governante que beneficiou a cidade com obras públicas importantes”.

Há dois graves problemas nesse raciocínio. A sociedade riograndina, pelo que se vê na pesquisa do jornal local, vê mais as malfeitorias nacionais do que as benfeitorias municipais, condenando como ilegítima a homenagem por maioria de quase 60%. A proposta ainda foi aprovada por menos da metade dos vereadores da Câmara, apenas seis em 13 representantes.

Valduga arrisca uma tese mais ousada para condenar os que se opõem ao louvor a Golbery: “É uma irresponsabilidade diversionista, que contribuirá para desfocar as lutas contra a corrupção”. O jornalista esquece que não há maior exemplo de corrupção do que um golpe que fecha o Parlamento, castra a vontade popular pelo veto ao voto, cassa mandatos políticos, censura, prende, tortura e mata, impondo ao país uma treva de 21 anos, consagrando a impunidade e estimulando a corrupção. Foi o louvado Golbery quem pensou esta irresponsabilidade que nos privou da democracia por duas décadas.

Nada mais diversionista.

O que espanta, de fato, não é a voz condescendente de alguns jornalistas, mas a afonia das principais lideranças do PMDB gaúcho, herdeiro do mais aguerrido e mais atingido MDB do país, que lutou e sangrou contra a ditadura gestada pelo general Golbery. O autor da proposta indecente é vereador do PMDB de Rio Grande, Renato Albuquerque, que viu seu PLV (projeto de lei de vereador) nº 93/2009 aprovado pela minoria da casa na sessão de 21 de dezembro de 2009. Cinco dos 13 vereadores estavam ausentes, só seis (menos da metade) aprovaram, contra dois votos. O prefeito Fábio Branco, também do PMDB, apôs sua assinatura na lei nº 6.835 exatos dez dias depois, em 31 de dezembro, quando a cidade e o país, desatentos, só estão preocupados com o réveillon damadrugada. Cobrado pela homenagem ao general, o prefeito que veio ao mundo em 1972 evocou o calendário para se eximir de um juízo sobre a ditadura de 1964: “Eu não era nascido…”

Tributo à treva

Não se conhece nenhum juízo, qualquer manifestação pública ou privada das principais lideranças, dos nomes históricos do PMDB gaúcho – todos nascidos e crescidos bem antes das malfeitorias antidemocráticas de Golbery. O Congresso Nacional, três vezes fechado e pesadamente mutilado pelo golpe engendrado pelo general desde os idos de 1961, recebeu a decisão de Rio Grande com um atordoante silêncio. À esquerda e à direita, nenhum dos 513 deputados, nenhum dos 81 senadores emitiu uma palavra, um só discurso, um mísero aparte, a favor ou contra.

Do PMDB nacional não se podia esperar nada de mais. Afinal, o MDB velho de guerra que um dia foi comandado por gente como Ulysses Guimarães, Teotônio Vilela, Tancredo Neves, Alencar Furtado, Itamar Franco, Mário Covas, José Richa e Franco Montoro hoje é um PMDB rebaixado a gente como José Sarney (o último presidente do PDS, que o povo não esquece), Michel Temer, Renan Calheiros, Romero Jucá, Jáder Barbalho, Henrique Eduardo Alves, Newton Cardoso, por aí.

O alheamento do Parlamento a uma questão moralmente tão grave mostra o grau de desmemória a que se relegou a política brasileira, talvez o derradeiro legado do general Golbery para um país que não preza sua história e não consegue nem identificar os malfeitores da democracia. O desastrado, debochado ensaio de louvor a Golbery do Couto e Silva no sul coincide com a criação de uma Comissão da Verdade em Brasília que, em tese, irá dissecar a obra mais monstruosa do general: a ditadura de 21 anos. Um país que se recusa a discutir um tributo infeliz ao mentor da mais longa escuridão da República pode estar, na prática, erigindo um mausoléu da decência, da justiça, da consciência política.

Golbery Neto, antes de se ofender com um simples artigo baseado na história, devia ler e estudar um pouco mais para entender a real dimensão de seu avô, um contumaz cérebro do arbítrio que deve ser conhecido, debatido e lembrado pelos brasileiros – jamais exaltado.

Afinal, se a omissão paralisa até a sociedade politicamente organizada, essa sanção moral ficará por conta dos pombos da praça Tamandaré.

TROCA DE PARTIDO

Alguns daqueles que foram para o PSD, ao serem questionados sobre a troca de partido, dizem que, na verdade, não trocaram de partido, mas criaram um novo partido. Ora, ora, ora....
Criaram um novo partido? Não. Usaram uma sigla de um partido que já existiu, criado por Getúlio Vargas na década de 40.
Um partido que, sem participar de qualquer eleição, passa a ter representantes em nível municipal, estadual e nacional, bem como no executivo e no legislativo, tendo ido buscá-los em outros partidos ou, como poderiamos dizer, em outros ninhos, agindo tal qual o pássaro preto, conhecido por chupim ou vira-bosta ( Molothrus bonariensis), que coloca seus ovos no ninho de outros pássaros, na verdade não tem a menor dignidade.
Alguém, de repente, caçoando, poderia sugerir um nome original para o partido, ao invés de se usar uma sigla que já existiu: PVB - Partido Vira-Bosta. Ou PC - Partido Chupim.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

TV DO LULA

Lauro jardim, de Veja, importantissima revista, aquela que obrigou Dilma a fazer faxina (o Orlando Silva será o próximo?):

A televisão do PT paga com nosso dinheiro conseguiu outra façanha: em um ano, caiu ainda mais o número de aparelhos ligados na TV Brasil entre 7h às 2h. Segundo o Ibope, no Rio de Janeiro a emissora caiu de 0,45 ponto em agosto de 2010 para 0,36 ponto no mesmo mês deste ano. No Distrito Federal, a queda foi ainda maior (de 0,31 para 0,2 pontos). Em São Paulo, o índice é mais constrangedor ? de maio a agosto, o ibope está estacionado em 0,07 ponto.

A TVE-RS fez acordo com a TV Brasil, para transmitir os programas da mesma, a maioria de péssima qualidade.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

AEROLINEAS ARGENTINAS QUITA DÍVIDAS E ENCERRA PROCESSO DE FALÊNCIA


De Buenos Aires
Gelson Farias

O presidente da Aerolíneas Argentinas, Mariano Recalde, anunciou, durante apresentação do novo espaço vip no aeroporto de Ezeiza, o fim do processo de falência que recaía sobre a aérea desde junho de 2001. O valor das dívidas chegava a US$ 500 milhões, e a justiça argentina transitou em julgado o processo ontem.

Mariano Recalde.

Recalde afirmou que a companhia acumulou investimentos na ordem de US$ 740 milhões durante este período, o que, além de quitar as dívidas, propiciou a aquisição de novas aeronaves.
“Muitos pensavam que nossa empresa, por ser estatal e, até então, endividada, não conseguiria manter os investimentos em novas aeronaves. Bom que os fatos mostram o contrário”, disse.


Este é o novo espaço vip, o Salón Cóndor, da Aerolineas Argentinas, no aeroporto de Ezeiza, inaugurado ontem.

Coleguinhas


CARLOS CHAGAS

Nascido em Três Pontas( Minas Gerais, terra de Milton Nascimento) em 1937, Carlos Chagas é formado em Direito pelo PUC-RJ.

Trabalhou em O Globo,TV Rio, e revista MANCHETE.

Também dirigiu a sucursal do ESTADÃO de Brasília de 1972 a 1988.

Foi secretário de Imprensa de Costa e Silva por um breve período:16 de junho a 30 de outubro de 1969. Seu livro mais conhecido é 113 dias de angústia. Tem uma coluna diária em que publica em blogs e jornais.

É o pai de Helena Chagas, atual ministra da Comunicação da Presidenta Dilma Rousseff.

Cenas urbanas


1) No sábado,15.10, a pracinha da Encol, na Bela Vista, foi tomada por um barulho ensurdecedor de uma empresa privada( Red Bull) enquanto as pessoas faziam sua caminhada. Pergunto A SMAM não controla poluição sonora em praças públicas?


2)Ontem,domingo,dia 16.10, por volta de 16 horas, ônibus da linha 429( Iguatemi) no sentido bairro-centro quase atropelou um ciclista perto do HPS, na Osvaldo....Motora distraído vinha no maior papo com o cobrador e por pouco não mata um ciclista...

Sem Pulo e Túnel do Tempo

Boca-livre high-tech


Apresentado como 'ativista do software livre', uma espécie de MST digital, um tal de Richard não-sei-o-quê ganhou seu megabyte de fama ao se declarar feliz com a morte de Steve Jobs, 'um pioneiro do computador que parece ser cool, mas é uma prisão, projetado para privar os tolos de sua liberdade'.
Ele descobriu a conspiração capitalista: o i-Pad, o i-Pod, o i-Phone e as maravilhas tecnológicas criadas por Jobs para facilitar a comunicação entre as pessoas, a troca de ideias, o conhecimento, o acesso à diversão e à arte, foram criados para escravizar os tolos como nós, que nos viciamos na eficiência e beleza das suas máquinas e temos que pagar pelos benefícios que recebemos. Ele queria que tudo fosse livre, aberto, para cada um usar e modificar à vontade, em nome da justiça e da igualdade. Que fofura. Mas quem paga a conta das pesquisas, desenvolvimento e produção dessas máquinas maravilhosas? Quem paga o gênio que as inventa? Assim como os almoços, não há conexões grátis. Deviam convidar esta besta para uma mesa com o Stedile no Fórum Mundial.
Ainda que Jobs tenha sido um canalha nelson-rodrigueano, um tirano ganancioso, um explorador do suor alheio, um Sarney do Vale do Silício, ele seria o único caso em que concordo com o Zé Dirceu: os fins justificaram os meios. Mas Jobs não foi nada disso, todas as evidências são de que era apenas um homem, muito especial, mas com as precariedades da condição humana e sua impotência diante do nosso destino inexorável. Duro, rigoroso e perfeccionista, pode até ter infernizado a vida de algumas pessoas, que provavelmente mereceram, mas seu legado é o de um grande benfeitor da humanidade. No nosso tempo, ninguém contribuiu mais para a liberdade de ver, ouvir, pensar e se comunicar do que Steve Jobs.
Esses ativistas parecem saídos do tempo dos hippies, de tanta fraternidade e solidariedade, paz e amor, bicho, dinheiro é só papel, quando os ativistas da boca-livre viviam alegremente às custas do trabalho alheio. E tem mais, seus cafonas: além de cool, os produtos criados por Jobs foram e são uma educação visual para a beleza e a harmonia.


(*) Nelson Mota, O Globo.

ZELO NA PRESENÇA DA PRESIDENTA

NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Na Assembléia Legislativa do Estado, na manhã de sexta passada, dia 14.10 o bar Café Tribuna ficou fechado por imposição da segurança da presidência da República.O café só foi liberado depois das 13 horas, quando a presidenta se retirou para outro compromisso. Apenas entraram no café algumas policiais da Polícia Federal para fazer um leve lanche...

No mais, as portas da Assembléia Legislativa, por medida de segurança, ficaram fechadas. Os funcionários tiveram que chegar até as oito horas da manhã, porque senão ninguém entrava.

SAIU NA IMPRENSA!


NO CADERNO DE FIM DE SEMANA DO VALOR DOS DIAS 7,8 DE OUTUBRO ULTIMO, UMA MATÉRIA DE ALBERTO CARLOS ALMEIDA SOBRE O ESTILO DE CADA PRESIDENTE, DEPOIS DO FIM DA DITADURA. NÃO ESTÁ INCLUIDO JOSÉ SARNEY.

 

MARCHEZAN E RAMALHO

NÃO SE FALAVAM

da esquerda para a direita: Nogueira Saraiva(falecido) deputado federal da Arena Nelson Marchezan(falecido) Julio Pacheco(diretor da RBS Brasília) Talhes Ramalho( deputado federal, líder do MDB moderado e Joao Emílio(REPÓRTER da RBS)Acervo de Júlio Pacheco.

Em agosto de 1976, em Brasília, os repórteres da RBS, Nogueira Saraiva e João Emílio, mais o diretor Júlio Pacheco reúnem numa mesma mesa dois deputados que naquela altura não se falavam: Nelson Marchezan e Thales Ramalho. Era ainda o tempo do Governo Ernesto Geisel e a abertura política ainda engatinhava.

É DANDO QUE SE RECEBE ( SÃO FRANCISCO DE ASSIS....)

DO SITE TERRA
A presidente Dilma Rousseff (PT) nomeou a advogada Luciana Christina Guimarães Lóssio para o cargo de ministra substituta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em uma das vagas destinadas aos advogados. Segundo o tribunal, Luciana advogou nas eleições de 2010 para a então candidata Dilma. A nomeação foi publicada na quinta-feira no Diário Oficial da União.
A advogada vai substituir o ministro Joelson Dias, nomeado em março de 2009 então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está no fim do mandato. Para a vaga, o Supremo Tribunal Federal (STF) elabora uma lista tríplice, que é encaminhada à presidente. Além de Luciana e Dias, integrava a lista Evandro Pertence, juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal.
Luciana será a primeira mulher a ocupar uma das vagas destinadas à advocacia. Como ministra substituta, ela atuará na ausência de integrante efetivo que tenha como origem a advocacia.
Ela também atuou na defesa dos então governadores José Roberto Arruda (sem partido-DF), cassado após o escândalo do mensalão do DEM, e Rogério Rosso (PMDB-DF), que assumiu o governo com a saída de Arruda; e da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB). A advogada é especialista em Direito Eleitoral e membro do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral (Ibrade).

Pitacos

Por Wolmer Jardim

CASA VALDUGA EM URUGUAIANA

A Vinoeste – cooperativa de vitivinicultores criada há cerca de sete anos em Uruguaiana com apoio da municipalidade, está por trocar de mãos, passando ao controle da Casa Valduga, de Bento Gonçalves. As negociações estão praticamente concluídas. No início das tratativas houve impasse, quando o prefeito Sanchotene Felice pediu R$ 1,2 milhão à Valduga, a título de ressarcimento de investimentos feitos. A barrica quase entornou. Felice voltou atras e agora a mudança deve acontecer. A Vinoeste mantém cantina e vinhedos na localidade de São Marcos.

A VOLTA DO BUGRE

O empresário Celso Rigo, o homem mais rico de São Borja, investiu em torno de R$ 300 mil em um Centro de Treinamento e agora, em acordo com a Prefeitura, assumiu o uso do Estádio Vicente Goulart, até há alguns anos considerado dos mais modernos do interior do RS. Rigo mandou trocar o gramado e a iluminação e moderniza o estádio, com capacidade para cerca de 10 mil pessoas. Segundo se comenta, a intenção de Celso Rigo é promover em dois anos o retorno da Sociedade Esportiva São Borja – Bugre Missioneiro, como o clube era conhecido nos áureos tempos - à primeira linha do futebol gaúcho. E, principalmente, revelar atletas que ele possa negociar para clubes brasileiros e do exterior.

RIVALIDADE PUERIL

Uruguaiana e Alegrete se mobilizam, cada qual pretendendo ganhar um hospital público federal, para atender exclusivamente pelo SUS. Em Uruguaiana o movimento é liderado pela Câmara Municipal e em Alegrete a mobilização é mais ampla, envolvendo quase todos os segmentos da sociedade local. O que talvez aconteça é que o governo federal, para não desgostar nenhuma nem outra cidade, destine o hospital para outra região do Estado. Aparentemente, mais uma vez a Fronteira-Oeste demonstra não saber ou não querer marchar unida em torno de uma demanda que é de interesse regional. A rivalidade pueril entre cidades a falta de sintonia entre suas lideranças são historicamente os entraves mais sérios ao desenvolvimento daquela parte do Estado.

SOBRE O GREMIO

Dizem os analistas que o Grêmio joga num 4-5-1, quando, na verdade, vem usando um 4-1-4-1, pelo fato de Rochemback estar invariavelmente na intermediária adversária, na companhia de Marquinhos, Escudero e Douglas. Quando volta ao campo do Grêmio é só para iniciar a preparação das jogadas ofensivas do tricolor. Fernando é o único que realmente marca, no meio. Assim, tem sido comum os zagueiros gremistas ficarem no mano a mano com o ataque inimigo. Disso resulta ter o Grêmio uma das defesas mais vulneráveis do campeonato. Ademais, errando passes como costuma errar, Rochemback é um grande armador de contraataques...para os adversários. Por tudo isso, gostaria de ver algo que Celso Roth não terá coragem de fazer: armar o meio campo defensivo com Gilberto Silva e Fernando, deixando o dispersivo Rochemback no banco.

Nota Premiada

A Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa, através da Lei 2813, instituiu a campanha para aumento da arrecadação do município, valorização do comércio, da indústria e da prestação de serviços locais, através da Nota Premiada. Concorrerão a um carro 0km os consumidores, os usuários de serviços, os produtores rurais e os contribuintes municipais, na operação de compra/venda ou liquidação de seus produtos.
O sorteio acontecerá no dia 30 de Dezembro de 2011 e para concorrer ao carro, os contribuintes e os consumidores receberão cautelas caracterizadas, mediante a troca das notas fiscais na Prefeitura Municipal e na ACISCO.
A troca de notas ou recibos por cautelas obedecerá os seguintes critérios:
-Uma cautela para cada R$ 50,00 de Notas de Venda ao consumidor;
-Uma cautela para cada R$ 150,00 de Nota de Produtor;
-Uma cautela para cada R$ 500,00 de Notas de Comerciante para Comerciante;
-Uma cautela para cada R$20,00 de Nota ou Recibo de Prestação de Serviços.
O beneficiário deverá apresentar, obrigatoriamente, a 1ª via da nota fiscal e/ou nota fiscal eletrônica, ou guia de recolhimento de tributos municipais, cujos documentos receberão o carimbo identificador da campanha. Para fins de participação no sorteio, terão valor os documentos fiscais emitidos no município de Serafina Corrêa, no período de 1º de Junho de 2011 a 29 de Dezembro de 2011.

Adriana Sabadin

A CARAPUÇA....

Fotos de Fernanda Pereira

Não lembro bem quando foi a primeira vez que ouvi este nome, mas ele me soou poético....Acho que foi numa daquelas noites que eu e o Licínio e o Emílio ficávamos na casa do Licínio numa rua ali perto do arroio Dilúvio, próximo a PUC...no bairro Partenon, ou no " baixo Petrópolis" como dizia uma colega minha de Julinho, envergonhada de dizer que morava no Partenon...

A Carapuça agora esta a venda, me escreve a Fernanda Azevedo, casada com um meio-irmão do Licínio que vive há muitos anos em Maputo, Moçambique.

A Fernanda anda atrás de contatos dos parentes porque a venda está a venda - são 400 hectares - e eles precisam fazer os papéis para que a transação se concretize... parece até mentira, mas a Carapuça de nossa juventude sairá das mãos dos herdeiros.

Carias Azevedo, pai deles todos, morreu há muitos anos. Lembro-me porque era um homem muito quieto. Ficava sentado ao lado do fogão, mas raramente trocava conversa conosco.

Isto era no começo dos anos 70,quando nos fins de semana, uma turma começou a ir muito pra lá pra ...não era assim muita gente. Talvez tenha ido pra lá o Nelson, Emílio, este repórter, o Licínio, e uma única guria que enfrentava sozinha aquela bando de marmanjos, a Marília, uma ruiva, colega do Julinho do Licínio, acho...

O chato de tudo isto foi o uruguaio EDUARDO, o Dudu, que se incorporou ao grupo no Julinho e não largava o pé. Ia junto mas tinha medo de atravessar uma densa floresta de eucaliptos, quando saímos a caminhar pelo campo em noite de lua cheia.

Este uruguaio era uma mala sem alça...Ora dizia que era fã do Benito Mussolini, ora dizia que idolatrava CHE e fazia cenas choramingosas...

Eu sinceramente nunca o levei a sério. Depois entrou pro Dmae e as vezes ainda pecho com ele por aí...Mas muito raro...

Na Carapuça ouvíamos os Stones, numa eletrola que o Emilio Chagas levava junto.Ficavámos até tarde conversando e bebendo um vinho tri do vagabundo, mas tudo era festa...Da turma, recordo ainda o Celso Velusa, hoje ligado ao teatro...

O Caco Barcellos foi lá algumas vezes, tanto que o Celso Velusa guarda uma foto dele, com a namorada da época, a Goretti e a uruguaia que casara com o Licínio em Montevideu...

Fazia muitos anos que não ia a Carapuça até num sábado de 2001 voltei lá com o Licínio e sua mulher de então, a Brigitte.

Lá morava o Miguel, tio do Licínio, sua esposa e o meio-irmão dele, o Fernando, cuja esposa, Fernanda, agora me escreve pedindo socorro pra localizar alguém da família.

Achei a Carapuça bonita, era um sábado cheio de sol de um dia de inverno. No regresso,sempre com a pressa do meu amigo pra chegar na hora de devolver o carro na locadora, paramos no restaurante COXILHA VELHA, na localidade do mesmo nome, em Montenegro.

Neste dia, Licínio tinha se programado para ir visitar o túmulo do pai, Carias, que está enterrado no pequeno cemitério local.

Acabou não indo, porque o papo estava bom, acabamos dando umas voltas a cavalo e a tarde se foi...

Chegamos em Porto Alegre pouco antes de expirar o prazo pra entrega do automóvel, locado.

Mas a notícia da venda da Carapuça me deixou tristonho...embora lá nunca mais tenha voltado.

É assim como que um pedaço da memória fosse passado adiante.

SAIU NA IMPRENSA

NA CAPA DO SUPLEMENTO DIGITAL DO O GLOBO, DE SEGUNDA PASSADA,DIA 10.10, O EDITOR PEGOU O POEMA DE JOHN DOYLE pra titular a matéria..Boa sacada do cara....como se recorda, este poema originou um livro de Ernest Hermingway sobre a Guerra Civil Espanhola.

SONHO COM O OLYR

na foto, do mar de Bombinhas, no começo dos anos 80, Olyr é o último da esq. para a dir...de cavanhaque...

Raramente sonho com mortos, mas na noite passada(13.10) sonhei com o colega Olyr Zavaschi. Pois hoje, enquanto caminhava fiz uma cartinha mental pro finado colega que agora tento transcrever:

Prezado colega:

Desde que tu te fostes, naquele junho, ou julho passado, pouca coisa mudou...

Já morreram outros colegas, o inverno foi embora e já vivemos os dias primaveris...Os sábias cantam alta madrugada...a vida,amigo, segue seu curso...

Naquele sábado de tarde, depois que saí do crematório, sentei num banco de uma praça que tem na descida da Lomba do Cemitério e me pus a ver o sol descer no rio Guaíba...Pensei como é tudo tão efêmero...

Da dimensão que o amigo se encontra, não sei se sabe mas o Almanaque, depois de um tempo nas mãos do Boró, como interino, agora tem um titular: um fotógrafo...

A Dilma continua presidente,e fala-se em um metrô pra Porto Alegre...

Como sempre faço quando sonho com amigos que já se foram, vou mandar rezar uma missa...não acredito em padres, em nada disto, é apenas um gesto pra me lembrar de quem sonhei...

Inté a próxima vez que nos encontrarmos num sonho!

DOIS FORTES CANDIDATOS


Por Carlos Chagas


A celebração pelo Dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, serviu para fazer emergir na nem tão plácida assim comunidade católica, dois nomes de vulto e prestígio não apenas nacionais, mas internacionais: os cardeais Raimundo Damasceno, de Aparecida, e Odilo Scherer, de São Paulo. Ambos se pronunciaram contra a corrupção. Como ambos, antes, haviam sido secretários-gerais da CNBB. São figuras exponenciais nessa nova fase da Igreja Católica e, malícias à parte, dois fortes candidatos a Papa se, no futuro que ninguém almeja venha logo, o comando do Vaticano se transferira para a América Latina. Um do Sul, outro do Nordeste.
ELE TAMBÉM NÃO SABIA
Divulga o governo do Distrito Federal que o governador Agnelo Queirós não sabia da aquisição, pelo Detram, de dezenas de pistolas elétricas que paralisam por cinco segundos o cérebro das vítimas. Vai proibir que agentes do trânsito local possam utilizar essas maquininhas diabólicas, mas completa trocando o seis pela meia-dúzia: destinará as pistolas às polícias militar e civil de Brasília...
Trata-se de tuculência explícita armar funcionários do poder público de instrumentos cujas consequências, se utilizados, ninguém sabe ao certo. Sequelas poderão sobrevir, agora não mais em motoristas embriagados ou em transgressores dos sinais de trânsito, mas em usuários de drogas, assaltantes de botequins e suspeitos de toda ordem.
UM FIM DE SEMANA TRANQUILO
A presidente Dilma viajou ontem para Curitiba e Porto Alegre. Aproveitará o fim de semana para celebrar com atraso o primeiro aniversário do neto, na capital gaúcha. Brasília já estava vazia de parlamentares, por conta do feriado de quarta-feira, e mais ficou com a saída da presidente da República, seguida por diversos ministros, para diversos pontos do território nacional. Como Dilma só retorna domingo ou segunda, a placidez toma conta da capital federal, já que nos tribunais superiores também se registra a ausência de seus integrantes. Melhor assi
A HORA DA ANÁLISE
Interrompida a greve dos funcionários dos Correios e diante da perspectiva de os bancários também suspenderem a paralisação de suas atividades, logo começarão análises reunindo não apenas essas greves, mas as dos professores, dos motoristas, dos policiais e de uma penca de profissionais espalhados pelo país.
Por que esse surto de manifestações acentuadas durante o primeiro ano de mandato da presidente Dilma? As centrais sindicais, mesmo permanecendo em cone de sombra, participaram das negociações que redundaram nas greves. Como não agiam assim no governo Lula, há quem suponha o dedo do PT nas manifestações. O partido não hesita em criar problemas para o governo que nominalmente compõe, mas nem tanto quanto o anterior. Vamos aguardar as teses e os ensaios.

“LA SANGUE YA LLEGÓ AL RIO”
(O SANGUE JÁ CHEGOU ATÉ AO RIO)

“É uma expressão tipicamente argentina para ilustrar uma situação que chegou a um ponto sem retorno”

De Buenos Aires
Gelson Farias
Olides.
A frase que ilustra a chamada da matéria é atribuída ao ex-diretor do Comitê Federal de Radiodifusão (Comfer, organismo que regula a mídia, Julio Bárbaro (foto). Segundo ele, o “Grupo Clarín valia US$ 4,7 bilhões a quatro anos (antes dos choques com o governo). “Os Kirchners não tentarão acabar com o conservador ‘La Nación’, pois precisa desse jornal como ‘a voz do inimigo’, como os representantes de um setor da sociedade, a oligarquia”.


Julio Bárbaro
“Acho difícil que possa ser feita uma negociação entre o governo Kirchner e o Grupo Clarín, a não ser que ocorresse uma mudança no comando do jornal. Os dois lados tentaram aproximações em diversas ocasiões depois da votação da Lei de Mídia. Mas, do jeito que estão às tensões hoje em dia, é muito difícil, pois os dois lados possuem posições fundamentalistas”, disse.

Lidia Papaleo Graiver

Na guerra contra o Clarín o governo abriu diversas frentes. Além da Lei de Mídia, também tenta intervir na fábrica de papel de jornal Papel Prensa, do qual o Clarín possui quase metade das ações. Para o governo, a intervenção na Papel Prensa é estratégica. Desde 1976, a empresa que abastece a maior parte dos jornais argentinos é controlada pelo Grupo Clarín (49% das ações), o jornal “La Nación” (22,49%) e o Estado argentino (27,46%). O governo tenta, desde o ano passado, expulsar o “Clarín” e o “La Nación”. Para isso, argumenta que Lidia Papaleo Graiver, viúva do banqueiro David Graiver, vinculado ao grupo guerrilheiro Montoneros, teria sido obrigada em 1976 a vender sua parte na empresa ao “Clarín”, ao “La Nación” e ao “La Razón”, que faliu em 2000.

De quebra, o governo tenta levar a presidente do grupo, Ernestina Herrera de Noble à cadeia por suspeitas de que seus filhos adotivos sejam filhos seqüestrados de desaparecidos da ditadura (1976-83). A capacidade de defesa do Clarín complica-se pela idade de Ernestina Noble, de 85 anos, e os problemas graves de saúde (câncer de laringe) de seu braço direito e CEO do holding, Héctor Magnetto, de 66 anos. Ricardo Roa, editor-adjunto do “Clarín” disse que “o jornal está sofrendo com o custo econômico da ofensiva do governo”.

Ricardo Roa

“transmitimos a nossos jornalistas que a diretriz é a de manter a linha editorial, apesar dos enormes custos que isso implica ante um governo que ignora a necessidade de existência da imprensa independente. Vamos agir mais na internet. Este é um grupo de mídia. Sempre foi assim, e assim continuaremos”.
O governo também imputa às fraudes com fundos de pensão (o que é negado pelos advogados do jornal) e cancelou a licença concedida à Fibertel, do grupo Clarín, para atuar como prestadora de serviços de internet. Para os opositores e boa parte da população, a censura é intolerável. Apesar do impacto que o caso pode provocar na popularidade da presidente, o governo tem se esquivado. Pelo que se desenha o caso está muito longe de terminar.
O projeto de lei complica a situação dos atuais grupos de mídia, mas favorece as empresas telefônicas – com as quais os Kirchners possuem boas relações – entre as quais a Telefônica e a Telecom, que poderão entrar no mercado do triple pay. O deputado Claudio Lozano, do esquerdista Projeto Sur – e que ocasionalmente votava a favor de projetos dos Kirchners – declarou perplexo e indignado: “isso abre as portas às telefônicas. O Grupo Clarín faturou US$ 1,48 bilhão. Mas a Telecom faturou US$ 4,55 bilhões!”. O projeto também favorece os sindicatos, majoritariamente vinculados ao governo. As organizações sociais (parte das quais também estão na órbita dos Kirchners, como o caso das Mães da Praça de Mayo) também poderão estar presentes na mídia. As universidades públicas possuem lugar garantido na nova divisão do mapa da mídia. No entanto, as privadas dependerão da aprovação de um comitê.

Analistas indicaram surpresa com a cláusula que permite que a Igreja Católica possa contar com canais de TV e rádio sem necessidade de passar por concurso público. Segundo eles, trata-se de uma manobra para restabelecer as estremecidas relações dos Kirchners com o Vaticano, e assim, neutralizar um dos muitos setores críticos do governo. A cláusula refere-se especificamente à Igreja Católica, e não a outros cultos religiosos. O argumento é que a Igreja Católica na Argentina é uma entidade pré-existente ao próprio Estado argentino, por ter estado no país antes da própria independência nacional.
A oposição argumenta que esse cenário provocará um “leilão” dos canais de TV do interior, que poderiam ser comprados por empresários aliados dos Kirchners, que esperam sua chance de abocanhar empresas da área de mídia. Além disso, os pequenos canais independentes teriam que depender – em um contexto de crise econômica como o atual – dos subsídios do governo em publicidade oficial. Outra conseqüência das restrições seria o surgimento de empresas regionais de mídia, em detrimento de grupos nacionais. Por um lado, estimularia a produção local de conteúdos. Mas, por outro, afirmam os analistas, acabaria com a integração nacional da mídia argentina (o país não contou com redes nacionais de TV tal como ocorreu no Brasil de forma intensa desde os anos 70).

Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul lança livro com imagens raras de seu acervo

“...por vezes, a fotografia pode nos fazer pensar que o mundo é mais
acessível do que é na realidade.”

Susan Sontag (2004)

O Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul lança, no dia 20 de outubro, às 19h, no Memorial do Rio Grande do Sul, o livro O Tempo e o Rio Grande nas imagens do Arquivo Histórico RS.

A obra reúne mais de 200 imagens do acervo do Arquivo Histórico, desde o século XIX até a contemporaneidade. Estão presentes as fotografias mais significativas e exclusivas que, junto a textos de renomados pesquisadores, contam a passagem do tempo sob diferentes contextos de crises, mudanças e permanências. Trata-se de uma jornada histórica que proporciona ao leitor um painel da diversidade e complexidade do Rio Grande.

As imagens selecionadas contemplam quatro temas principais: antepassados, espaços/natureza, sociabilidade e luta/política. A Diretora do Arquivo Histórico, Caroline Heck, afirma que este trabalho não é um mapeamento definitivo da coleção. Ainda há um farto material para ser apurado. “Escolhemos contar um fragmento da história de nosso Estado através de imagens do acervo do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul e será esse recorte (ou recortes) que será possível alcançar através dessas imagens: uma totalidade impalpável convertida em um volume consistente de instantâneos”, reitera Caroline.

Publicada em parceria com o Instituto Estadual do Livro (IEL), esta obra é resultado do trabalho de pesquisa do AHRS e sua equipe técnica, sob a organização da Drª. Rejane Penna, historiógrafa do Arquivo Histórico do RS. O livro tem o patrocínio do Banrisul, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

AHRS
O Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul é uma instituição pública da Secretaria de Estado da Cultura que, desde 1903, mantém sob sua custódia documentos que datam desde o século XVIII, registrando a vida política, administrativa e econômica do Rio Grande do Sul. Além da documentação proveniente das várias funções exercidas pelo governo Estadual, existe um numeroso acervo, constituído de imagens fotográficas, com potencial para a leitura dos diversos contextos históricos.

O Tempo e o Rio Grande nas imagens do Arquivo Histórico RS
Organização: Rejane Penna
168 páginas, 2011.
Edição IEL e AHRS, com patrocínio do Banrisul, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura

Lançamento
Dia 20 de outubro de 2011, às 19h
Memorial do Rio Grande do Sul – Rua Sete de Setembro, 1020 - 1º andar

Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch (51) 3029.6390 / 9803.4420

EVENTO DEBATE PAVIMENTAÇÃO
URBANA EM PORTO ALEGRE


Será realizada de 18 a 20 de outubro no Hotel Plaza São Rafael a 17ª Reunião de Pavimentação Urbana, numa promoção da Associação Brasileira de Pavimentação ? ABPv e da Secretaria Municipal de Obras e Viação de Porto Alegre (SMOV). O evento tem por objetivo criar um fórum de discussão de pesquisas e de projetos em desenvolvimento na área de pavimentação. Outra finalidade é dar oportunidade aos participantes (profissionais e técnicos da área, professores, pesquisadores, engenheiros, dirigentes públicos e alunos) de se atualizarem sobre os desenvolvimentos recentes e as inovações tecnológicas aplicadas à pavimentação urbana e obras públicas. Igualmente, tem por finalidade criar um intercâmbio de conhecimento científico e prático entre os participantes. Entre os temas que serão abordados incluem-se financiamento para municípios; materiais para pavimentação urbana; estudos e projetos de pavimentos; manutenção, restauração e gerência de vias; técnica de construção e controle de qualidade de pavimentos; segurança e meio ambiente em vias; abertura e reaterro de valas de redes subterrâneas; segurança, meio ambiente e saúde; e preparação das cidades para a Copa de 2014. Maiores informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3231.0311 ou e-mail abpv@abpv.org.br

Todt Comunicação

 

CUIDADO ONDE PISA! (I)
Marco A. Birnfeld escreveu em sua coluna no Jornal do Comércio: A jornalista francesa Marlène Duretz, do jornal Le Monde, saía de casa, em Paris, quando distraidamente pisou num cocô de cachorro. Chateada, levantou dados oficiais sobre o assunto: na Cidade Luz, 200 mil cães produzem, por dia, 16 toneladas de dejetos. A prefeitura dali recolhe grande parte.

CUIDADO ONDE PISA! (II)
Em Porto Alegre, por criação do vereador Adeli Sell (PT), felizmente temos, desde 2002, a Lei nº 8.840 que “torna obrigatório recolhimento de dejetos de animais por seus donos”. Não é, até hoje, a solução definitiva - mas principalmente por falta de educação de muitos responsáveis pelos espécimes caninos. http://verd.in/r42o

do blog do Adeli Sell

 

Por Remindo Sauim!

Steve Jobs e o computador pessoal
Não quero polemizar, mas o Senador e Professor Emérito da UnB, em seu artigo, publicado beste blog na sexta-feira-passada com o título "Jobs e o conhecimento" demonstra pouco conhecimento ao falar da criação dos microcomputadores. Até chegarmos ao computador pessoal foram avançadas diversas etapas, uma das quais a criação dentro dos laboratórios da Xerox de uma estação de trabalho com ambiente gráfico com uma ferramenta que hoje chamamos mouse. Como o negócio da Xerox era a reprografia, não levou fé nesta criação. Steve Jobs comprou esta idéia da Xerox e criou a empresa Apple, onde o gênio da informática, Steve Wosniak melhorou o invento da Xerox com a criação do Lisa, primeiro computador pessoal da nova empresa dos dois Steves. Steve Jobs deve ser reconhecido como um homem com a visão do seu tempo e um grande empreendedor, mas nunca como o criador dos produtos da Apple.


BARRANCO(1)


Na foto, Tânia Carvalho(apresentadora de tevê) ELSON FURINI, SÓCIO DO BARRANCO E Diego Casagrande(apresentador de tevê, do site do Barranco)


ELSON FURINI LANÇA

LIVRO DE RECEITAS


Pelo editora do professor Ledur, a AGE, o sócio-proprietário da churrascaria tradicional, o Barranco, lança junto com a filha um livro de receitas.

Garçons antigos que trabalharam com Furini, na casa, lembram dele quando chegou de Três Passos, com uma mão na frente e outra atrás, como se diz, mas logo, muito adulador e trabalhador, conquistou a confiança do fundador do Barranco, Santo Tasca.

Raulino Felipe, que depois teve algumas churrascarias, como a Moenda e hoje é dono do Metropolis, ao lado do Olímpico, lembra que os primeiros donos e fundadores do Barranco foram o Santo Tasca e um arquiteto de nome Osvaldo que ainda vive e é dono de um hotel, no interior de São Paulo. Raulino começou a trabalhar no Barranco assim que chegou do interior de Santa Catarina, onde era agricultor.


OS QUATRO MOSQUETEIROS


ELSON FURINI E CHIQUINHO TASCA, UM ENTROU LÁ COMO EMPREGADO

O OUTRO É FILHO DE UM DOS DONOS...

Os irmãos Tasca, os primeiros donos do Barranco, viviam as turras entre si...Santo,Albino,Ernesto e Vicente. Dos quatro só restou Vicente, como sócio, que ainda vive mas que está em idade avançada. Seu sucessor dentro do Barranco é o filho ILMAR , que ninguém conhece pelo nome e sim pelo apelido de CHIQUINHO...

- De tanto eles brigarem entre si a gente chamava eles de os quatro mosqueteiros, conta,divertindo-se Raulino Felipe.

Do fim da sociedade entre os parentes restaram sequelas. Alguns dos filhos dos outros donos, que venderam sua parte, não vão mais na casa, com ressentimentos com o primo que lá ficou.
" Ele foi meio que acusado de se aliar ao Elson Furini, em detrimento dos parentes" conta um ex-garção, parente dos fundadores, mas que não quer declinar o nome.

O fato é que naquele gringo tosco e gritão, que é Elson Furini, Santo Tasca deve ter visto um possível herdeiro. Seu filho, que ele não queria bodegueiro - " ele não queria pros filhos a mesma vida que ele levou"- conta alguém que o conheceu, um sobrinho seu, hoje trabalha num outro ramo. E a filha é professora. Nada a ver com trabalhar a vida inteira servindo carne pra quem tem fome, às vezes as duas da manhã.

GARÇÃOS

QUE SÃO VIRAM

O BARRANCO NASCER!

O primeiro deles já faleceu há cerca de um ano:trata-se de Antônio Carlos Vieira, o popular Xumbinho, que faleceu o gerente da casa, Joelson Luizelli.

XUMBINHO era o mais antigo garção do Barranco

Xumbinho,seu apelido, teve um câncer no instestino, se recuperou, mas depois levou um tombo em casa e acabou morrendo no hospital para onde foi levado.

Não havia quem não o conhecesse, pois estava no Barranco desde 1969,data da fundação da casa.

Xumbinho conhecia os Tasca,fundadores do Barranco, desde os anos 60, de Passo Fundo.Ele trabalhava no Turis Hotel daquela cidade e foi convidado pra vir a Porto Alegre porque os Tasca estavam montando o Barranco(já eram donos da Churrasquita, no centro da capital)

Xumbinho ia sempre de manhã trabalhar e podia ser visto na frente da churrascaria,na Protásio, arrumando mesas e às vezes até varrendo.

No início dos anos 90 sofreu um derrame mas se recuperou.

SADI, O QUE NÃO

CONTA NADA DO CLIENTE


Sadi

Não pergunte nada sobre clientes do Barranco pro Sadi, considerado o garção mais antigo em atuação no Brranco depois da morte do Xumbinho. Ele não entrega os fregueses...Apenas dá uma dica:

- O pior é quando um casal está mal, nem se olha nos olhos. É porque vão reclamar de tudo,até da carne que costumam comer sempre.
Esta sabedoria de boteco o Sadi já tem.

Foi carteiro e nos fins de semana fazia bicos como garção no Barranco. Em 1978, acabou contratado. Com a morte de Xumbinho,seu colega, ele acabou sendo o mais antigo em atuação na casa.

 

AINDA

QUANTO DURA O BARRANCO?


Esta é a pergunta que muita gente se faz, principalmente depois que os jogadores de futebol, principalmente do Inter, passaram a frequentar a churrascaria uruguaia que fica bem próxima do Barranco...

Alguns garçãos que sairam da casa sustentam que o Barranco não tem fim porque ninguém tem aquelas árvores.

Mas a Nova Bréscia também parecia não ter fim....

O fato é que constatam os observadores, o Barranco deixou de ser local que as pessoas vão para serem vistas. E isto pruma casa que cobra os preços que o Barranco cobra, é um fator complicador.


Roteiro do findi...

Sempre nos domingos tem um showzinho no Santander Cultural, ás 18 horas.

Tem também uns filmes argentinos passando que estão falando(bem) deles....um deles é MEDIANEIRA...

A REVERÊNCIA

AOS MOTOQUEIROS...

No feriado da quarta,dia 12/10, a fotógrafa Avani Stein pegou um ônibus e foi pro centro. Cedinho da manhã - 7h30min -porque ela tomaria outro no camelódromo pra ir a Gravataí, fechar contrato com um canil que vai cuidar dos dois cachorros enquanto ela estiver viajando. Só que ela não contava com a procissão dos motoqueiros que acabaram atravancando o trânsito e impedindo que seu ônibus saísse no horário da s8h05 minutos. A barulheira era tanta diz a fotógrafa que ela pediu abrigo dentro de um outro já que o seu coletivo devido a procissão não conseguiu estacionar no horário...Então a Avani fez o que todo fotógrafo tem que fazer: sacou a maquininha e saiu fazendo fotos...

Por gentileza, mandou seis pra cá....


PROCISSÃO DOS MOTOQUEIROS

A ALEGRIA DA POPULAR PELA PASSAGEM DOS MOTOQUEIROS. nA SIMPLICIDADE UM GESTO POPULAR....!

FOTOS DE AVANI STEIN.....


SAIU NA IMPRENSA

Na Zh de ontem,dia 13.10, a notícia da procissão dos motoqueiros!

 

Cristovam Buarque: Jobs e o conhecimento


É possível que muitos jamais tenham escutado o nome de Steve Jobs, que morreu na semana passada aos 56 anos. Foi ele quem fez possível o uso de computador para fazer jornais. Foi ele quem tornou o computador um produto acessível para milhões de pessoas ao criar o microcomputador MAC, o iPod. o iPhone e o iPad. Antes dele, o computador era um objeto gigante, só de grandes empresas, e para usá-lo era preciso ser um especialista treinado ao longo de anos em cursos especializados.
Faz apenas 30 anos que ele inventou os microcomputadores, logo depois inventou a maneira fácil de usá-los, provocando uma mudança radical na forma de ler o jornal, o contracheque, as cartas para quem usa internet e até jogar na loteria.
Além de mudar o mundo em poucos anos, ele se transformou também em um dos homens mais ricos da terra. Mas ele não nasceu filho de rico. Steve Jobs foi adotado por uma família de metalúrgico, estudou e teve uma boa educação de base, até o final do ensino médio, e entrou em uma boa universidade. Era tão brilhante que deixou a universidade e passou a estudar por conta própria. Ele inventou um novo conhecimento, não quis ser professor, mas o estudo fez Jobs mudar o mundo e permitiu que ele se tornasse um homem rico. Sem o estudo na escola, na universidade e o esforço pessoal, Jobs teria sido como os milhões de outros de sua geração, alguns com sucesso, outros sem, mas nenhum conseguiu mudar o mundo como ele mudou, sem armas e sem votos porque Steve Jobs não mudou o mundo por meio de guerras nem pela política, mas pelo conhecimento.
Provavelmente seu filho já ouviu falar de Steve Jobs. Mesmo assim, converse com ele sobre as notícias desse grande homem, lembre o que ele fez, graças aos estudos e dedicação. Além disso, fale sobre o que ouviu no rádio e na televisão, chame a atenção de cada um de seus filhos para o significado da dedicação ao estudo. Steve Jobs mudou o mundo e ficou muito rico, você pode mudar a vida do seu filho, da sua filha, com insistência para que eles estudem, pesquisem, aprendam e tenham capacidade de inovação.
Vá à escola de seus filhos, converse com os professores, pergunte aos seus filhos o que estão estudando e aprendendo, se for preciso vá à diretoria da escola, reclame até para o governador e a presidenta da República. Não deixe seus filhos sem estudar. Cite o exemplo de Steve Jobs que, por meio do conhecimento, mudou o mundo e ficou rico.


*Cristovam Buarque é professor da UnB e senador do PDT-DF.

De Serafina Corrêa


PREFEITO DE SERAFINA

RESPONDE A DOIS PROCESSOS


O prefeito municipal de Serafina Corrêa, Ademir Antônio Presotto responde neste momento a dois processos movidos pelo Ministério Público.Um terceiro processo é movido contra o município pelo ex-vereador Pedro Fozza.

COMO CAMINHAR PELO CENTRO DE BUENOS AIRES SEM PROBLEMAS

Olides. Nesta matéria, tem fotos da Enriqueta ( estamos sentados ) pode publicar... Um abraço gelson. Mando mais esta semana. estou separando, porque tem outras que... não dá. Tu sabe como é...

Aqui chuva e calor, agora... 20 graus.

Eu vi pela Internet.. Na zero. ( na Argentina, Cristina vencerá eleições, diz cientista político ) Ora, já temos isso, no teu blog, até com mais detalhes.

( Nota. da redação. Em tempo. Hoje foi novamente internado o CEO do Grupo Clarín. Olha a matéria que mandei. A informação foi da Enriqueta).

Gelson Farias

De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides.

Em março deste ano, numa conversa com um amigo, em Porto Alegre, ele me perguntou se era difícil caminhar pelo centro nervoso de Buenos Aires. Posso dizer com tranqüilidade que quando cheguei aqui, olha meu amigo, tive cautela ao andar na cidade. Não era medo, isso não, mas apreensão de estar num lugar totalmente estranho, e falando quase nada em espanhol. Com o passar dos meses e com a ajuda de uma grande amiga a jornalista Enriqueta Sollares filha de mexicanos e naturalizada argentina, foi que comecei a conhecer melhor a cidade de Buenos Aires pelo lado mais tranqüilo. É como comer mingau pelas beiradas. Bem devagar. Hoje, posso dizer que é muito fácil caminhar por Buenos Aires, a cidade é plana e razoavelmente planejada. O meu espanhol, já faz sentido, nas conversas.

Dica Importante

Desde a Praça de Maio que é o centro político e turístico da cidade, saem ruas e avenidas que, na maior parte do caminho são retas, com quarteirões bem quadrados e numerações padronizadas. As quadras possuem uma numeração fixa – todos os quarteirões possuem 100 números. Por exemplo, o primeiro quarteirão de qualquer rua vai do nº 1 aos 100, o segundo, dos 101 aos 200 e assim por diante. Não importa o tamanho ou a quantidade de edifícios. Assim, se você está no número 1500 da Avenida Corrientes e o café que está procurando, nos 1800, sabe que terá de caminhar três quadras.



Buenos Aires. Uma cidade plana.


Buenos Aires é uma imensa reta, não há ladeiras para atrapalhar. Lembre-se em Dezembro e Janeiro faz MUITO calor em Buenos Aires. Vou dar uma dica importante. É que a cidade está dividida em quatro cantos. Todas as ruas mudam de nome ao chegarem à Avenida Rivadavia, que é a “divisora de águas”. O engraçado é que não parece uma avenida importante ali no centro. Assim, a cidade sofre uma divisão muito evidente entre sul e norte. Por exemplo, a Calle Florida ao cruzar a Rivadavia muda de nome para Perú. A Defensa, do outro lado da Rivadavia, muda para Reconquista. E assim por diante. Esse é um dos principais motivos para as pessoas se perderem no centro. E a numeração sempre começa nesse cruzamento de uma rua com a Rivadavia.

Assim, Florida nº 1 é nesse cruzamento e vai aumentando para o norte. As ruas do sul começam no cruzamento com Rivadavia e aumentam (é claro) para o sul. O mesmo acontece no leste-oeste quando as ruas se encontram com a Avenida La Plata. Passando na Calle Florida não deixe de assistir tango na rua, todos os dias em vários horários em frente à Galeria Pacifico. Eu sempre dou uma paradinha, não resisto.

Um passeio novo

Toda essa história teve inicio quando eu resolvi querer dar uma volta por toda a cidade de Buenos Aires. Consegui emprestado um carro com um amigo e saímos. Era, sábado pela manhã, bem cedo dia de 12 de fevereiro – no outro dia, eu tinha passagem marcada para Porto Alegre. Saímos da capital federal para conhecer outras cidades que ficam na Buenos Aires província. Ao todo, o país é formado por 23 províncias, o que corresponderia às cidades do Rio Grande do Sul. Aqui, uma curiosidade. A longa da Avenida nove de Julho - a mais larga da América do Sul - há 23 praças entre as pistas, que representam as províncias do país. Ao sair da cidade, beiramos o Rio da Prata, que separa a Argentina do Uruguai e cuja margem oposta não se pode ver. Na região mais periférica da cidade está o Aeroparque, Jorge Mewnber para vôos domésticos e vôos internacionais ( somente para países limítrofes) e o gigantesco estádio do River Plate, com capacidade para mais de 80 mil torcedores. Enquanto passamos pelos principais pontos da cidade, a Enriqueta ia explicando primeiro em espanhol, depois em portunhol, cada detalhe interessante. As cidades na província são mais parecidas com lugarejos europeus. A vegetação ajuda a criar esse clima "Europa". Geralmente elas têm somente uma rua principal, uma avenida que é o centro comercial, e as ruas transversais e paralelas são residenciais.

Aqui neste lugar, que parece grã-fino, que nada... Baratíssimo

Tradicionalmente, os argentinos adoram sair pra almoçar ou jantar - o que justifica a quantidade de opções tanto em Buenos Aires quanto em outras cidades do país. Há também aqueles que preferem uma cerveja (cerveza). Foi o que resolvemos fazer. Fomos até a cidade de Tigre, às margens do Rio da Prata par almoçar, porque até então só tínhamos degustado cereais/ sanduiches. Depois do almoço, descansamos e retornamos para Buenos Aires, pois eu tinha que viajar no outro dia. Estávamos viajando pela Avenida general Paz e, quando passamos pela cidade Autônoma de Buenos Aires, Enriqueta pediu para paramos no Café do Antiquário localizado, na Rua Joan Miró, 3102, Vila Raffo, próximo ao Golfe Clube Sáenz Pena. O bom é que ela conhece tudo por aqui.
O lugar, é herança e orgulho no bairro de Villa Raffo. O Café é mais do que a continuação de uma tradição familiar com uma barra de memória, um museu de fotografias ou um refúgio para os itens obsoletos. Um verdadeiro intiquário. Mais um dos famosos ‘ bodegones’, que lembra aos velhos armazéns da nossa infância. O local foi fundado em 1937, e possui um salão/museu repleto de objetos antigos. Uma abastada refeição que se deve reservar com uma semana de antecedência, e que, segundo um dos proprietários, só deve ser encarado por quem não almoçou, pois é servida das 20 às 23 horas, e consiste em mais de trinta pratos.

Olha só quanto coisa antiga nas paredes...

Acessando por uma porta lateral do café, se encontra o que era o antigo quarto duplo da familia. O cardápio é composto por trinta ingredientes, cheios de azeitonas recheadas, almôndegas, berinjela marinada, pimentos assados, batatas fritas, frios variados e outras iguarias de dar água na boca de apenas imaginar. Apenas na quinta, sexta e sábado à noite nesta área tranquila do bar, onde, por último mas não menos importante, há ornamentos tantos ou mais, no salão principal. Claro que naão comemos nada de toda essa comilanaça. Tomamos apenas um bom café, que foi anosaa janta. Ou melhor, a minha, por exemplo.


A foto tirada por uma pessoa da casa. Eu e a amiga Enriqueta.

De tudo maravilhosa na casa, foi este lugar, ( na foto) com mesas tipo bar, cheia de quadros antigos e outros trecos pendurados na parede e teto e, outros itens à moda antiga, em sua maioria doados por clientes e vizinhos. Ficamos naquele canto meio apertado, mas o que fezer. Era somente para tomar café, e não ficar morando. O lugar é um verdadeiro museu, com troféus de caça, utensílios de cozinha, garrafas de óleo, cestas, rádios antigos, um gramofone, fraldas e até mesmo um pão de queijo perfumado para ralar. Uma monte de quinquilharias. Parecido com este lugar, conheci uma casa, um museu, na cidade de Sçao Gabriel. Meio parecido. Tem de tudo, quase não se consegue andar pelos corredores. A única coisa é que não é um café. Pena.
Olides. Depois de andar tudo isso...
Buenas noches mi amigo. Y hasta luego. Gelson

Próxima edição dos Concertos Lúdicos da Orquestra Sinfônica de Santa Maria tem como tema música gaúcha


No dia 20 de outubro, no Park Hotel Morotin, acontece o terceiro concerto do projeto Concertos Lúdicos. Música gaúcha é o tema desta apresentação, que tem regência do maestro Ênio Guerra e Júlio Pereira (acordeon e voz) e Douglas Rodrigo Bonfante Weiss (acordeon) como solistas.

Neste concerto, a Orquestra Sinfônica de Santa Maria executa Rodeio Crioulo, Canto Negro, Querência, Canto Alegretense, Céu, Sol, Sul, entre outras obras. A entrada é franca e os convites já estão disponíveis para retirada nas lojas Eny.



A iniciativa cultural tem patrocínio da Eny Calçados e conta com o financiamento das Leis de Incentivo à Cultura de Santa Maria e do Estado do Rio Grande do Sul. A promoção é da Associação da Orquestra Sinfônica de Santa Maria e da Universidade Federal de Santa Maria. E a realização do projeto é da Cida Planejamento Cultural e Chilli Produções, com o apoio cultural do Park Hotel Morotin.

SERVIÇO
Concertos Lúdicos da Orquestra Sinfônica de Santa Maria
20 de outubro (quinta-feira), às 20h
Park Hotel Morontin - RST 287 - Km 6,2 - Bairro Camobi – Santa Maria
Entrada franca – os convites estarão disponíveis para retirada nas lojas Eny a partir do dia 10 de outubro

crédito: Paulo Coser
Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch (51) 3029.6390 / 9803.4420

 

COLEGUINHAS


OS LOKOS DA GUATEMALA!


Caco, angela maria e Licinio, nos anos 70 em São Paulo.


Produzir várias capas do famoso JORNAL DA TARDE, do grupo ESTADÃO, não é pra qualquer um...pois uma viagem de aventura acabou dando nisto, mas temos que convir que havia ali três repórteres de muito talento e obstinação pro trabalho, como é o Caco Barcellos( hoje em dia na TV Globo), e o Licínio Silveira, mais a então companheira de Caco, Avani Stein, que estava começando ali sua carreira de fotógrafa.

Foi depois da crise na FOLHINHA DA MANHÃ, da Cia Jornalística Caldas Jr.onde grande parte da redação se demitiu em solidariedade a um problema na editoria policial( Caco e Licínio eram desta editoria) que os dois, mas Avani partiram em direção ao México...Tinham encasquetado que iriam ao México, mas um terremoto mudou sua viagem.

O destino era o México, mas sabe como é podia-se dar uma paradinha na Colômbia, terra do Gabriel Garcia Marques, que naqueles anos 70, ainda era um ícone da juventude escritora, ou com ambição de sê-lo. Aquela era uma nova geração de jornalistas que caprichavam na reportagem e que gostava de se esmerar num texto...

Caco e Avani tinham acabado de engatar um romance e Avani já estava grávida de três meses, mas mesmo assim...foi-se...

( Choraram Marias e Clarisses...mas a Avani foi...)é que ela desfizera um casamento tranquilo e deixara aqui em Porto Alegre,três filhos pequenos que ela tivera do casamento anterior, com o industrial Bernardo Stein.


Rumo ao México, com o Caco e a Avani já esperando um filho, que nasceria em junho de 1976, em São Paulo....

Licinio Silveira lembrou a pesquisadora Sandra Moura, 30 anos depois, como foi aquela aventura...

- Em Belém pegamos,diz Licínio, um navio e viajamos dormindo em terceira classe.
Em Manaus fomos de avião até a fronteira com a Colômbia.

Ficamos lá, disse Licínio num depoimento a pesquisadora Sandra, um tempo.... na Colômbia sempre inebriados pelo clima do escritor colombiano sempre atrás de suas pegadas...Andaram em toda aquela região de Valledupar, onde Garcia Marques perambulou durante sua juventude com a desculpa de vender livros de enciclopédias, mas na verdade estava atrás das raízes dos seus antepassados. Foi isto que lhe proporcionou escrever, depois, em treze meses no México( que coincidência, os três aventurerios estavam justamente indo pra lá) o CEM ANOS DE SOLIDÃO...que daria a Gabo Marques o NOBEL DE LITERATURA...

Mas voltando a vaca fria: No Panamá, Licínio, Caco e Avani foram tratados com o desprezo reservado naquela região do canal aos ianques...tudo por causa dos longos cabelos de Caco e do Licínio e dos olhos azuis da Avani.

Foi em El sALVADOR( ou talvez na COSTA RICA) que o plano dos três de ir até o México ruiu...Quando acordaram de manhã, depois de uma grande bebedeira coletiva com amigos de ocasião( Avani não recorda dela...) deram-se conta que eram os únicos que ainda estavam dentro do hotel: os demais hóspedes tinham fugido por causa de um terremoto que assolara a Guatemala, país vizinho. O terremoto foi em fevereiro de 1'976.Movidos pelo instinto de repórteres, foi pra lá que foram...

- Quando chegamos, começamos a ver as primeiras vítimas. Eramos nós três e um repórter do Estadão que até já morreu recordou 35 anos depois para este repórter a fotógrafa que participou da aventura.

Avani lembrou que assim que apareceram os primeiros sinais de vítimas, Caco olhou pra ela e falou apenas : fotografa. Ela saiu fazendo fotos e mais fotos, que renderam depois várias capas do JORNAL DA TARDE, DO GRUPO ESTADÃO.

Licinio ainda lembrou pra Sandra Moura:

Caco e Avani partiram com equipes de socorro para uma zona e eu para outra. Queríamos uma cobertura maior do terremoto. Depois de alguns dias de trabalho, já completamente sem dinheiro, nos encontramos num local combinado, na capital. Estávamos tão cansados quando nos encontramos que fomos dormir nas camas enquanto a população dormia na rua por causa do terremoto.
Pegávamos, conta Licínio, garrafas de coca-cola e colocávamos uma encima da outra.Bem próximo da nossa cara de forma que se a terra tremesse a garrafa cairia na nossa cabeça e a gente sairia correndo para a rua...

Os três entraram em contato com Marcos Faermann, do Estadão, que conseguiu passagens pros eles voltarem direto para São Paulo. Fizeram matérias para várias edições do JORNAL DA TARDE.
rETORNAndo da Guatemala ficaram abrigados na Capote Valente,376, sede da revista Versus, que Marcão acabara de fundar. Adeus México, adeus México rebelde. Pouco depois, com o dinheiro das reportagens alugaram um apartamento na mesma rua, que este repórter conheceu, ao regressar de Lima em setembro de 1976...

"Chupa o meu..." - diz Rafinha, sem papas na língua, a repórter da Folha de S. Paulo

do site Espaço Vital

O humorista Rafinha Bastos não para de causar polêmica. Depois de ter sido afastado do "CQC" por fazer uma piada sobre a gravidez da cantora Wanessa Camargo, o humorista mostrou que não tem papas na língua e xingou uma integrante da equipe da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo.

Uma repórter questionou Rafinha, por e-mail, sobre piadas que ele fez no domingo em um show em São Caetano do Sul.

"Chupa o meu grosso e vascularizado cacete", afirmou ele à coluna por e-mail.

No fim-de-semana passado, durante apresentação que fez na cidade do ABC, Rafinha fez piadas com o ator Fábio Assunção e com a Nextel, que o contratou para anúncios publicitários.

Ao dizer que uma operadora de telefonia móvel teria um serviço usado apenas por "prostitutas e traficantes", o apresentador - de acordo com relato publicado pelo saite da revista Veja - disse: "É celular usado por traficante, e o pior é que eles sabem disso. Não é à toa que têm Fábio Assunção como garoto-propaganda."

Fábio já admitiu que usou drogas. Foi afastado do trabalho e chegou a ser internado para tratamento médico. Hoje está em cartaz em São Paulo com a peça "Adultérios" e no programa "Tapas e Beijos", da TV Globo.

A Nextel em nota disse: "Acreditamos em personalidades como Fábio, que superam limites e que constroem uma nova história de vida. E, principalmente, em todo ser humano que acredita na transformação e na evolução".

Ontem (12) a imprensa paulista informou que Wanessa Camargo e Marcus Buaiz vão ingressar com ações cível e pinal contra Rafinha Bastos, pela piada em que ele dizia que "comeria" a cantora, que está grávida, e também o bebê.

Segundo informações da coluna Olá!, do jornal Agora São Paulo, Rafinha Bastos entregou uma carta de demissão à Band. O humorista - que afirma "não saber o que poderia ou não falar durante o programa" - tem contrato com a emissora até 2013.

Já a Band, detentora dos direitos do CQC até 2015, diz que o contrato dele segue em vigor e que, no momento, ele está apenas temporariamente fora do programa.

Leia a íntegra da mensagem de Fabio Assunção

"Eu repudio, de todas as maneiras e em nenhum caso, qualquer manifestação que provoque constrangimento a qualquer pessoa, seja o motivo que for.

Imagino o desconforto do público tendo que engolir um alimento tão estragado e enjoativo, levado a acreditar que isso é bacana. O que é perecível passa, não resiste ao tempo. E é um desafio de gente grande, de grandes artistas, não preterir a inteligência...e o bom gosto quando os risos estão sendo conquistados com tão pouco, com migalhas, por um público com a crítica ainda em formação.

Isso para mim traz à discussão que existem tarefas muito mais grandiosas para um artista brasileiro hoje, além de fazer sua própria arte. Há um público a ser conquistado, carentes de humor, que merecem outro approach, consideração e encaminhamento".

Rafinha Bastos agride repórter da Folha
Por Altamiro Borges

http://altamiroborges.blogspot.com/

O CQC é um programa invasivo, agressivo e intolerante. Seu humor explora o "politicamente incorreto", criando cenas constrangedoras para todos os "entrevistados". Ele abusa dos preconceitos étnicos e de gênero. Ele também beira as idéias fascistas, fazendo a negação da ação política e ridicularizando as instituições democráticas da sociedade. Ele generaliza as críticas e destrói reputações. É adepto da "presunção de culpa", tão em voga na mídia brasileira - num total desrespeito à Constituição.


Tremem diante das críticas

Mas os "homens-de-preto", que adoram esculhambar os outros, não aguentam qualquer tipo de crítica. Na verdade, eles não têm senso de humor. São autoritários, arrogantes e presunçosos. Fazem tudo, custe o que custar, por audiência e grana, muita grana. Quando pressionados, eles revelam a sua mediocridade.

Que o diga Rafinha Bastos, que pediu demissão da Band após ser questionado por suas piadas de péssimo gosto - “Eu comeria ela e o bebê, não tô nem aí”, afirmou ao ser perguntando sobre a gravidez da cantora Wanessa Camargo; "mulheres feias deveriam agradecer caso fossem estupradas, afinal os estupradores estavam lhes fazendo um favor, uma caridade”, respondeu à revista Rolling Stone.

Agora, pressionado, ele revela seu verdadeiro caráter. A própria Folha, que também investe na negação e na escandalização da política, sentiu na carne a "humor" de Rafinha Bastos. Veja a nota publicada ontem na sua versão online:

*****

"Chupa o meu cacete", diz Rafinha a repórter da Folha

DA REDAÇÃO

Rafinha Bastos, do "CQC", respondeu hoje com palavrões a repórter da equipe da coluna de Mônica Bergamo, da Folha, quando questionado sobre piadas que fez no domingo em um show em São Caetano do Sul.

"Chupa o meu grosso e vascularizado cacete", afirmou ele à coluna por e-mail.

Ontem, durante o stand-up que fez na cidade do ABC, Rafinha fez piadas com o ator Fábio Assunção e com a Nextel, que o contratou para anúncios publicitários.

Ao dizer que uma operadora de telefonia móvel teria um serviço usado apenas por "prostitutas e traficantes", o apresentador, de acordo com relato publicado pelo site da revista "Veja", disse: "É celular usado por traficante, e o pior é que eles sabem disso. Não é à toa que têm Fábio Assunção como garoto-propaganda."

O ator já admitiu que usou drogas. Foi afastado do trabalho e chegou a ser internado para tratamento médico. Hoje está em cartaz em São Paulo com a peça "Adultérios" e no programa "Tapas e Beijos", da TV Globo.

Assunção não quis se manifestar sobre os comentários de Rafinha.

A Nextel disse: "Acreditamos em personalidades como Fábio, que superam limites e que constroem uma nova história de vida. E, principalmente, em todo ser humano que acredita na transformação e na evolução".

A coluna enviou hoje de manhã e-mail ao apresentador do "CQC" pedindo que comentasse e explicasse a declaração que fez em São Caetano.

Ele enviou o xingamento como resposta. A mensagem chegou depois do fechamento da coluna.

 

CENA URBANA

O AZULZINHO QUE DIRIGIA O CARRO PLACAS IKY 1122 ONTEM POR VOLTA DAS 16 HORAS NA PERIMETRAL ENTRE A AVENIDA TERESÓPOLIS E OSCAR PEREIRA ESTAVA A 80 KM POR HORA, SEGUNDO O COLEGA ARNO MACIEL...E NÃO ESTAVA COM PISCA LIGADO....

O “ESTUPRADO”


Da periferia das cidades nasce quase sempre, além dos fatos criminosos diversos e das intrigas habituais constantes, as histórias pitorescas e hilárias mais estranhas possíveis e assim as Delegacias dessas localidades vivem incessante problema com grande monta de Inquéritos Policiais, Termos de Ocorrências Circunstanciados, além de um número imenso de audiências realizadas nas tentativas de compor as intermináveis contendas a fim de evitar que os casos sigam para a Justiça já tão abarrotada de Processos.
Em boa parte dessa população, o cidadão considerado pobre, além de pobre financeiramente é pobre também de espírito e não releva nada do seu semelhante ou tampouco procura saber da verdade ou razão dos fatos geradores das intrigas para resolução em conversa com a parte adversa, como pessoas civilizadas. De tudo procura a Delegacia, sempre pensa estar com a razão e quer solução imediata, por vezes relacionada a problemas esdrúxulos e sem sentido algum, como é o presente caso em que um cidadão chegou aflito querendo providencia da Polícia em uma das unidades que trabalhei:
- Doutor, eu amanheci vestido com essa calcinha e com a regueira da bunda toda “melada” de gala e quero as providencias da Polícia porque fui estuprado ontem à noite por três fuleiros que eram meus amigos... Quero que aqueles fios do cabrunco e do estopô balaio da peste sejam presos...
Observando de relance (sem encostar perto) a calcinha que o cidadão mostrava e até cheirava dizendo ter cheiro de gala e que trazia consigo como prova material do pretenso crime, aparentemente estava com resquícios de uma substancia meio grudenta, gosmenta, parecendo realmente ser esperma. Entretanto, pela compleição física da suposta vítima não dava margem de quaisquer suspeitas para a prática do crime de estupro, vez que o cidadão apesar de ter 55 anos de idade demonstrava ter uns 67, além de ser maltrapilho, imundo, fedorento, desdentado, zarolho, esquelético, mas de barriga inchada cheia de vermes, zambeta, bunda seca, barbudo e cabeludo parecendo ter vastas criações de piolhos de toda espécie e qualidade possíveis, um estrupício chupando limão, uma verdadeira bagaceira em final de feira, um arremedo de defunto em decomposição que tinha se esquecido de se enterrar. Então confabulei para não rir da excêntrica situação:
- Quer dizer que o senhor amanheceu vestido com essa bonita calcinha de rendas vermelha e supostamente com a bunda cheia de uma substancia parecida com esperma, por isso acha que foi estuprado pelos seus amigos?... Conte-me esse fato direito para ver se eu entendo como é que foi esse crime.
- Eu e mais três amigos invadimos um terreno lá no Goré, na beira do rio e construímos um cercado no mangue seco onde guardamos o que de melhor achamos pelas ruas e nas lixeiras, como latinhas de cervejas, metais, garrafas de plástico, papelão e tudo mais que se aproveita na reciclagem, e quando já tem uma boa quantidade a gente vende, divide o dinheiro e compra os mantimentos para o nosso viver...
- Então vocês fizeram uma espécie de cooperativa, não é verdade?... Mas vamos ao que interessa... Ao estupro.
- Cada um de nós tem um barraco separado e moramos vizinhos ali mesmo na invasão onde juntamos o material. Dois deles tem mulher e uma ruma de filhos, eu e o outro não... Quando a gente vende o estoque sempre há comemoração e ontem foi esse dia... A gente comprou duas garrafas de cachaça pra se divertir, daí não sei mais o que aconteceu porque fiquei bêbado e dormi. Quando me acordei estava nessa situação... De calcinha e todo melado de gala... Fiz a maior arruaça lá, mas aí eles ficaram mangando da minha cara dizendo que tinham arrancado meu cabaço... Como não quero matar ninguém estou aqui pedindo ajuda da policia... Ainda nem me lavei e estou com a bunda toda grudada e melada de gala... Se o senhor quiser pode mandar fazer exame...
- Vamos fazer o seguinte cidadão: Primeiro eu quero ouvir também esses seus amigos antes de tomar qualquer posição... Eles estão lá agora ou estão pelas ruas catando lixo?...
- Com toda certeza que eles estão lá, doutor, porque todas as vezes que a gente ganha algum dinheiro passa dois dias sem trabalhar, só bebendo...
Mandei duas viaturas ao local. Os policiais trouxeram além dos três acusados, as duas mulheres que fizeram questão de acompanhá-los como testemunhas e no meu gabinete um deles explicou o pretenso estupro do cidadão:
- Foi só uma brincadeira, doutor... Como ele não aguentou a cachaça e apagou de vez, então tiramos a roupa dele, colocamos a clara de três ovos na regueira da bunda dele e vestimos essa calcinha vermelha nele que foi da minha mulher... Era tudo pra ele pensar que realmente a gente tinha comido o rabo dele... O senhor nos desculpe doutor...
E então desabafou a suposta vítima:
- Eu não gosto desse tipo de brincadeira, por isso vou embora e quero a minha parte do barraco e das coisas que vão ficar com eles...
Daí uma das mulheres interferiu:
- Deixa de besteira rapaz!... A idéia da brincadeira foi minha... A gente gosta de você... Além do mais você não tem pra onde ir... Você é que nem um urubu no mundo, sem casa, sem ninguém, sem nada, só tem a gente... Prefere morar debaixo de uma ponte só por causa de uma besteira dessa?... Vamos voltar pra lá e “rebater a bucha”... Botei o arroz e o feijão no fogo e até tira-gosto já aprontei... Vamos deixar o doutor trabalhar em paz que ele tem mais o que fazer.

Autor: Archimedes Marques (Delegado de Policia Civil no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela Universidade Federal de Sergipe) archimedes-marques@bol.com.br

Encontro Regional de Controle e Orientação


Aconteceu, no dia 05 de Outubro de 2011, em Passo Fundo, o X Encontro Regional de Controle e Orientação (ERCO) promovido pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) em parceria com Ministério Público Estadual (MPE-RS). O encontro reuniu 284 agentes públicos, entre prefeitos, vereadores, administradores e servidores da região.
Na ocasião, esteve presente o conselheiro Cezar Miola, presidente do TCE, que alertou os gestores sobre a importância do Controle Interno na administração pública. Representantes da Prefeitura Municipal e da Câmara de Vereadores de Serafina Corrêa estiveram participando da X ERCO, obtendo importantes informações para os trabalhos no setor público.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

 

ARGENTINA: GOVERNO E A IMPRENSA

Olides. A coisa aqui esta feia, meu caro. Para as eleições de Crstina Kirchner, vale tudo. A lama esta aparecendo debaixo do tapete.
Um abraço Gelson

breve estarei ai...

Gelson Farias


A propaganda para reeleição de Cristina Kirchner está espalhada pelas repartições públicas e esse é apenas um exemplo da confusão entre governo e eleições na Argentina. O desenho institucional colabora para isso: não há desincompatibilização e é o governo quem organiza as eleições e define suas datas. Cristina lançou o Televisão para Todos, com crédito do Banco de la Nación para a compra de TVs LCD. A presidente deve se reeleger no primeiro turno.

De Buenos Aires
Gelson Farias


Cristina Kirchner... “Ajude-me senhor a me reeleger”.

No primeiro quarteirão da avenida está o luxuoso edifício do jornal “La Prensa”, referência internacional durante décadas. Em 1951 foi confiscado pelo presidente Juan Domingo Perón e entregue a sindicatos. Em 1955 voltou às mãos dos donos, mas entrou em decadência (hoje é a Secretaria de Cultura, cujo edifício pode ser visitado. Perto dali está a antiga sede do “Crítica”, que chegou à marca de 900 mil exemplares diários em 1926. Pressionado por vários governos, fechou em 1962 (atualmente o edifício pertence à Polícia). A tensão entre mídia e governos permaneceram com o passar das décadas e intensificaram-se nos últimos anos. Na Avenida de Mayo não existe a sede de jornal algum, atualmente. No primeiro quarteirão, na frente da Secretaria de Cultura, está o “Pasaje Roverano”, uma galeria pitoresca, construída em 1918, que atravessa essa quadra da Avenida de Mayo até o Hipólito Yrigoyen. O prédio era freqüentado nos anos 30 pelo autor de “O Pequeno Príncipe”, o francês Antoine de Saint-Exupéry, que na época era piloto dos aviões da Companhia Aérea Nacional.

Abalado pelo intenso confronto com o governo nos últimos dois anos, o Grupo Clarín a maior holding multimídia da Argentina, sofreu uma drástica perda de valor na bolsa portenha. Em outubro de 2007, uma semana antes das eleições presidenciais – quando era aliado do casal Kirchner – suas ações valiam 30,45 pesos. Na semana seguinte às eleições, com a vitória de Cristina Kirchner, haviam subido para 32,10 pesos. Mas, em 2008, com o início do conflito do governo com os ruralistas a aliança Kirchners-Clarín se desfez. A presidente Cristina acusou o holding de estar por trás de um “golpe de Estado” em conjunto com os produtores agropecuários e os partidos da oposição. Na seqüência seguiu-se uma série de pressões aos jornalistas do Clarín, que incluíram outdoors nas ruas com suas fotos.
O efeito imediato da campanha foi a queda das ações, que despencaram para 14 pesos em julho daquele ano. Doze meses depois, no dia 26 de junho de 2009, o cenário era ainda pior, já que as ações eram cotadas em 5,55. No entanto, dois dias mais tarde, os Kirchners foram derrotados nas eleições parlamentares, conseguindo apenas 30% dos votos, fato que permitiu leve recuperação das ações do Clarín, que subiram para oito pesos. O alívio durou pouco, pois o grupo havia tornado-se no principal inimigo dos Kirchners, que – para reduzir o poder do Clarín – criaram a Lei de Mídia, definida pela presidente Cristina, como “a mãe de todas as batalhas”.
Com a doença do maior homem da mídia da Argentina, Hector Magnetto, “o Grupo Clarín valia US$ 4,7 bilhões há quatro anos (antes dos choques com o governo). Hoje vale pouco mais de US$ 1 bilhão”. Segundo ele, “o ‘Clarín’ continuará existindo, mas não terá o mesmo predomínio dos últimos 20 anos. “Seu problema foi concentrar muitos veículos, que atraíram o ódio de setores políticos e empresariais”.

A mídia sob pressão do governo

A Associação de Entidades Jornalísticas Argentinas (Adepa), que reúne a maioria das empresas privadas de mídia do país, alertou ontem para "as sombras que nos últimos anos pairam sobre a liberdade de imprensa na Argentina, que adquirem novas e perigosas formas". Em seu relatório anual, a entidade diz que o país caminha no rumo da "consagração de um discurso único e o enfraquecimento da crítica e da divergência como elementos centrais do sistema democrático".
A Adepa sustenta que, embora os jornalistas argentinos "formalmente possam dizer o que pensam quem faz isso fica exposto à represália e à perseguição". Nos últimos anos associações jornalísticas reclamaram de grampos telefônicos aos jornalistas, redução drástica (ou eliminação completa) da publicidade oficial aos meios de comunicação não alinhados com a presidente Cristina Kirchner, piquetes de sindicatos aliados do governo nas portas das gráficas dos jornais para impedir a saída de exemplares (com a omissão da Polícia), além de blitze sem justificativas da Afip, a Receita Federal argentina. Organizações sociais vinculadas à presidente realizaram "tribunais populares" com simulacros de julgamentos de jornalistas não alinhados com o governo.
Enquanto os meios de comunicação críticos do governo sofrem pressões, diversos empresários aliados da administração Kirchner adquirem canais de TV, jornais e rádios. Além disso, o governo conta com uma ampla rede de comunicação estatal. Com ironia, a oposição denomina o conjunto desses grupos amigos e próprios de "o amigopólio". Para se ter uma idéia, as Rádios Belgrano, Splendid, FM Rock& Pop, FM Metro, Revista El Federal (e outra meia dúzia de meios, pertencentes ao Grupo Moneta, de Raúl Moneta, um empresário no passado intensamente vinculado e sócio do ex-presidente Nestor Kirchner).

O empresário Raul Moneta é conhecido em Buenos Aires, por conspirador, homossexual e abusador de menores.

A justiça de Buenos Aires, esta fazendo uma grande investigação sobre este rumoroso caso do empresário Raúl Moneta. O telefone e conta de e-mail foram interceptados. A promotoria e a justiça desejam chegar mais perto e expor os atos ilegais de Raul Moneta. Aqui, o que conseguimos com exclusividade:

Esta é a íntegra da carta ( sem cortes e com todos os erros de grafia e concordância), feita pelo promotor que investiga o caso. “Quando você ler o relatório sobre as relações sexuais com jovens menores Raul Moneta (não vamos dar os nomes reais de menores ou publicar quaisquer imagens, mas se um promotor assim o exigir, teremos tirar fotos, telefones e tudo que for necessário para esclarecer a causa). Reiteramos o que dissemos na introdução de modo que se um promotor quer trabalhar automaticamente, você pode simplesmente enviar um e-mail solicitando a evidência dessa reclamação e enviá-los com segurança.


Uma foto de Raúl Moneta, com um jovem.. Passeando.

Raul Moneta normalmente tem pelo menos uma reunião por semana com as crianças. Quando dizemos que as crianças estão falando sobre pré-adolescentes. As crianças são lideradas por Edward, seu guardião pessoal em um apartamento na Rodriguez Peña e Córdoba. Apenas o seu guardião, Eduardo, foi quem nos deu essa informação. Eduardo, literalmente, nos pediu para não divulgar a fonte, mas vamos fazer desde que ele era cúmplice de um crime terrível. Eduardo nos disse textualmente • Dr. eu comprar a casa, eu devo tudo que tenho, eu quero Raulzinho como um filho, mas este é o meu limite. As crianças são 13, 14 e 15 anos comparando disse: ¨ foi enviado para procurar áreas muito humilde em troca de pesos.

Eu honestamente posso tolerar tudo, mas tirar a inocência de uma criança, eu não vou consentimento. • Como são as reuniões As reuniões são às terças ou quartas-feiras à hora do almoço. Eduardo a bordo de um Mercedes Benz leva o menino ou a menina de meia hora antes da reunião no departamento de Córdoba rua e Rodríguez Peña. Moneta Em seguida, vem o ponto de encontro a bordo AUDI Echevere propriedade, que entendem que também é cúmplice na situação. As reuniões duram aproximadamente duas horas. Nós não vamos dar detalhes do que acontece dentro daquelas paredes, porque somos respeitosos dos jovens abusados e mães dessas crianças, mas tudo o que podemos dizer é que Edward, seu motorista, ele ressaltou que os jovens gritando ou espancados a reunião.

Chamadas telefônicas Interceptadas por ordem da justiça
nos últimos quatro meses, feitas por Raúl Moneta.

Daniel Vila 4806-5310 Duração 300 min
Alberto Petraqui 4331-9566 Duração 78 min
155-4043214 Alarcón Rep. duração min 223.
Alexander MacFarlane 4329-5711 Duração 120 min.
154-071-8701 Ritondo Cristian Duração 100 min.
Felipe Sola 0221-4294006 Duração 45 min.
Federico Polak 4313-8304 Duração 136 min.
15-4-9932732 Echevere Duração 223 min.
Julio Cobos 0261-4492006 Duração 57 min.
Martin Menem 15-5-120 3323 Duração 108 min.
Luis Nofal 15-4-4471087 Duração 120 min.
Peter Poe 15-5-808 7196 Duração 40 min.
Diego Videla 6329-6439 Duração 111 min.
Alejandro ramal 15-5-3884455 Duração 78 min.
Alejandro Torres 4807-1364 Duração 76 min.
Fernando Archimbal 4-315-9500 Duração 52 min.
Enrique Nosiglia 15-4-0566002 Duração 70 min.
Carlos Carballo 15-5-369-1396 Duração 120 min.
Alejandro Michel 15-5-0641728 Duração 110 min.
Luis Remayi 4312-4465 Duração 45 min.
Alberto Greco TEL 15-4-4465778 Duração 53 min
Eduardo Picolo 0261-156512236 Duração min 129.
Luis Maria Casero 15-6-5153360 min Duração 210.
Raver 15-4-4791249 Duração 34 min.
Thais Isabel 6338-8980 Duração 84 min.
Jack Gavin 001-310-556-1478 Duração 56 min.
Jaime col 15-4-048 6151 Duração 65 min.
Javier Iriguren 4806-7554 Duração 66 min.
Hector Alderete 4973-6034 Duração 23 min.
Criança Marcelo 15-4-196 2680 Duração 119 min.

Na investigação, os promotores também descobriram através de escutas telefônicas ( com ordem judicial ) que Raúl Moneta também fazia o papel de um grande conspirador.

Este o texto sem corte e sem a devida correção, a íntegra das gravações: O empresário falando com se interlocutor. ...Colocar todos os seus dispositivo jornalísticos (www.seprin.com, urgente 24.com Edição I, Rádio Belgrano, o federalismo, etc.) Para desestabilizar o governo de Cristina Fernandez de Kirchner, mesmo um de seus lados, Javier Blanco, informou-lhe por telefone: Muito em breve vamos papering o país com a imagem de Nestor Kirchner, com esta frase: Eu tenho 100 milhões, mas não trabalho •

A edição de 01 de julho do semanário vou dedicar todo o seu conteúdo difamar o presidente Nestor Kirchner, mesmo Javier Blanco acrescentou: "Nós vamos sair com 120 mil cópias. Uma quantia exorbitante para uma revista de curto prazo, mas a realidade é que, por trás. esta é uma operação muito bem pagar por Francisco de Narvaez. "A estratégia não vai ser a edição que eu vender apenas nas bancas, 40 000 cópias serão distribuídas nas bocas do metro diferentes.


Edgar Mainhard emahinhard@urgente24.com
Postado em: segunda-feira 12 de junho, 2006 16:34:06 pm
Para: Javier Blanco jblanco@infomedia.com.ar
Assunto: às 18:00 na república Javier, parece perfeito, com Nacho para ir para a república 18. Eu disse algo para falar com pessoas de La Rioja, Salta e San Luis. Para distribuir K edição gratuita Especial I, nós colocamos uma moeda interessante, mas deveríamos ter 40 000 cópias, mas será possível?

abrazo
Edgard
OSSO DURO DE ROER

Deputada Patrícia Bullrich
A deputada Patrícia Bullrich, da Coalizão Cívica, de oposição, sustentou que "o Poder Executivo está avançando, como uma mancha de óleo, sobre todos os meios de comunicação independentes para integrá-los em seu exército midiático que reproduz de forma regular e sistemática a palavra oficial. A presidente Cristina Kirchner decidiu mexer em um assunto explosivo. Foram cometidos crimes de lesa a humanidade, uma serie deles, segundo consta ma denúncia da promotoria argentina. Uma família foi violentada, torturada e dela foi esbulhado um bem material – A Papel Prensa, da família Davide Graivier”. Disse a deputada.


Sede da “Papel Prensa”
E para colocar mais lenha na fogueira o governo da presidente Cristina de Kirchner está retomando os movimentos no Congresso Nacional para, nos próximos meses, aprovar um projeto de lei elaborado no ano passado que declara que a produção, distribuição e comercialização de papel de jornal sejam declaradas de “interesse público”. O projeto, da autoria do partido de centro-esquerda Livres do Sul, contou com o respaldo enfático da presidente Cristina. Em 2010, os partidos da oposição conseguiram brecar a aprovação do projeto. No entanto, perante a possibilidade de o governo conseguir uma confortável maioria no Parlamento nas eleições presidenciais e parlamentares do dia 23 de outubro, desta vez o projeto promete ser aprovado. A nova lei atingiria a única empresa de papel do país, a "Papel Prensa", que é controlada pelo jornal Clarín (49% das ações), o La Nación (22%) e o Estado argentino (27,5%), além de sócios minoritários. O projeto determina que empresas de jornais impressos não possa ter ações da "Papel Prensa".

 

O QUE SAIU NA IMPRENSA

NO DIA 4 ULTIMO, EM MATERIA DE SILVANA DE CASTRO, O JORNAL PIONEIRO ENTROU NA HISTÓRIA DA CANTINA E DO ESPIGÃO DE SERAFINA CORREA..QUEM PASSOU A PAUTA PRO JORNAL FOI A SALETE CADORE, QUE É DO MOVIMENTO PRESERVACIONISTA DE SERAFINA. MAS LEVARAM UM ANO PRA FAZER...

BOM EM SERAFINA O PIONEIRO VENDE TRES EXEMPLARES DO JORNAL POR DIA...E SÓ....

O PIONEIRO, DEPOIS DE UM ANO,ENTRA NA HISTORIA DA CANTINA DE SERAFINA. Clique na imagem para ampliar.

Coleguinhas


Colega concursada que trabalhava na assessoria de imprensa do PT, na Assembléia Legislativa , foi transferida para outro setor da casa porque houve como se diz "incompatibilidade de gênios" com o novo chefe do setor, Paulo Riccordi.Perguntado, Ricordi respondeu que o assunto já foi contornado..

Riccordi é autor de um livro básico pros jornalistas que fazem cobertura de política; TENHO DITO, da editora Tchê. Procurando bem, ainda se acha algum exemplar extraviado em sebos da capital e do interior.

FORA DO HOSPITAL

o COLEGuinha

Moisés Mendes já deixou o hospital SANTA RITA onde se tratou de um câncer nos intestinos. Está em casa, se recuperando. Todos torcem pra sua pronta recuperação e volta ao batente...

SEMANA DOS DEPUTADOS


Geralmente a semana dos deputados estaduais,que moram no interior, tem dois dias na capital. Terça e quarta...com o feriado de quarta ultima, a semana se reduziu a um dia na capital....


A exceção dos deputados PP que ficarão na capital por causa da convenção....e dos que ficarão para encontrar-se com a presidenta Dilma que estará sexta na capital...para questões do metrô....

Alô Gelson, me traz de BUENOS AIRES "LOS NINOS DE DOLORES"


A partir de uma velha fotografia feita por volta do início da década de 40, quando Fidel Castro ainda era um jovem estudante, o pesquisador americano Patrick Symmes, localizou a maioria dos amigos do ex-presidente cubano e desses relatos traçou um completo panorama de Cuba, de Fidel e de seu irmão Raul, que assumiu o governo cubano em 2008, por causa da frágil saúde do irmão. Todos estudaram juntos no colégio jesuíta de Dolores, na cidade de Santiago, daí veio o nome do livro, Os Meninos do Dolores, lançado neste mês pela editora Record (450 pág.).
"Localizei um desses estudantes, hoje com mais de 70 anos, que me disse onde estava o outro e assim por diante", explica por e-mail o autor de seu escritório nos Estados Unidos. "Eles ainda mantém contato mesmo depois de muito tempo. A maioria ainda vive no mesmo endereço e tem o mesmo número de telefone. É incrível como dentro de Cuba existem pessoas que não se mexerem um centímetro desde 1942, ou se exilaram."
Na obra, o autor mostra os resultados da revolução em Cuba e seus efeitos catastróficos na vida daqueles alunos. Symmes desvenda ainda a obscura história de Fidel e seu irmão Raul. "Os jesuítas ajudaram a moldar Fidel, mas há relatos de que ele já dizia, desde os 13 anos, que queria ser presidente de Cuba", diz Symmes. Nas páginas de Os Meninos do Dolores, o desenvolvimento de Fidel e Raul desde a infância até a revolução estão bem explorados. Sua liderança nata junto aos colegas e as brincadeiras pelas ruas de Santiago também são descritas.
Como já era de se esperar, o livro de Symmes é proibido em Cuba. "Nenhum livro investigativo que critica o país é vendido lá. O governo controla as bibliotecas. Por ordem da justiça, meus livros foram queimados. Recentemente soube que a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Declaração de Independência dos Estados Unidos são considerados subversivos." As informações são do Jornal da Tarde.

ESCASSEZ DE LEITURA....

Tem gente das assessorias dos partidos na Assembléia Legislativa que estão achando o atual superintendente André Pereira muito pão duro, porque não compra os jornais do Rio pra eles lerem....

QUEM É CLEITON METZ???

Perguntei pra Núbia Silveira quemfoi CLEITON METZ CITADO PELO CARLOS BASTOS NA entrevista dada para o Sul 21...

Resposta da núbia: um repórter daquela época...

Adiantou muito????

"MINHA FILHA"

COMPLETA HOJE 35 ANOS

Sempre chamei a filha mais velha de MINHA FILHA....ela foi concebida num parque,em Lima, mais precisamente no parque de Monterico , um bairro bem retirado do centro de Lima......numa noite de verão...

quando estava na barriga da mãe estava virada e em Lima , no Peru, não tínhamos onde cair mortos, atrás de recursos. No Brasil, nasceu nas mãos do médico NILO LUZ, um cobra em partos...


em 1977, pouco tempo depois de nascer, Renata marina visita a roça em Serafina Correa. Detalhe para o autêntico chapeu de palha,feita do trigo, pendurado na parede. da esquerda pra direita, Francisco Canton, Renata, no colo e o Paulo Canton( foto arquivo do autor)

 

Mas quase que a Varig não deixa a mãe da Renata embarcar no avião de volta porque tinham medo que nascesse dentro do vôo e ali ela poderia andar pelo mundo de avião de graça pelo resto de sua vida...

A Renata, que é minha filha, já nasceu com o nome dado...pois seu nome foi escolhido numa viagem que fiz com a mãe dela a São Francisco de Paula...Ali eu disse que um dia teria uma filha que se chamaria Renata. E tive...

|Hoje a Renata já é mãe...tem uma filha, Helena, minha neta, de 3 anos...As duas fazem aniversário bem próximo uma da outra...

Parabéns a minha filha...sei que ela vai comemorar os 35 anos com amigas...


O amor de cada um...

Olides.

Palavras que chegam a ondas, envoltas no cheiro da maresia

O amor não esmorece com o tempo, não se vai com o vento, não se apaga com a chuva. Se há amor, há uma infinidade de sonhos e desejos que se renovam a cada dia. Há sempre um encanto no sorriso, um brilho no olhar, um carinho a cada toque, uma palavra exata no momento certo.
Porque o amor... O verdadeiro amor não se desgasta, pelo contrário, é fortalecido dia após dia. Há quem diga que os anos retiram a paixão e o encanto. Penso que não. O que acaba com isso são as rotinas e o pensar que já está tudo feito no caminho a dois. Encarar as coisas como adquiridas é um erro grave e responsável pela perda de interesse na vida comum. Todo o dia tem de encontrar formas de alimentar o amor. Não são precisas jóias, nem casacos de peles, nem perfumes caros. São precisas coisas muito mais valiosas que isso. O quê? Cada um de nós é que sabe. O amor não tem modelos, nem fórmulas, nem guias de orientação. O amor de cada um é único.
O amor pede sempre mais, mas quem ama tem sempre esse mais para dar. Quem ama consegue sempre surpreender.
O amor, o amor...
O amor transforma a nossa vida e enche o nosso lar.

Gelson Farias
Jornalista


Hiroxima

Cidades, igrejas esquinas, sobre o resto que sobrou das cinzas.
Mãos postas para o alto clamam... Deus salve Hiroxima.
O povo reza e proclama a alma, num choro lento numa voz infinda.
O que restou da fortaleza alvo... A morte lenta de um povo a minga.
Gelson Farias
Jornalista


Enriqueta Sollares, periodista, Free do Grupo Clarín


Foto é do meu serviço. A Enriqueta esta atrás, perto do meu ombro.


Hiroxima

Cidades, igrejas esquinas, sobre o resto que sobrou das cinzas.
Mãos postas para o alto clamam... Deus salve Hiroxima.
O povo reza e proclama a alma, num choro lento numa voz infinda.
O que restou da fortaleza alvo... A morte lenta de um povo a minga.
Gelson Farias
Jornalista


A menina que virou símbolo de desgaste da ditadura

Do site Espaço Vital

Belo Horizonte, setembro de 1979. O general João Baptista Figueiredo – último presidente do regime militar – fazia uma viagem com cara de campanha. Tomou cafezinho em um bar no centro, fez discurso. Estava tudo indo conforme o planejado até que uma menina de apenas cinco anos surpreendeu o presidente-general. Ela rejeitou o cumprimento do general.

A foto imediatamente virou símbolo da luta contra a ditadura. Foi publicada em vários jornais e revistas, no Brasil e no exterior.

“Aquilo ali lavou a alma da nação. Pra nós soou como uma vingança nacional. É a magia da criança. Se fosse um adulto não teria, nunca teria o mesmo valor”, disse o ex-secretário nacional de Direitos Humanos, Nilmário Miranda.

Foi a foto mais famosa do fotógrafo Guinaldo Nicolaevsky. Mas ele morreu em 2008 sem conhecer a garota. “Ele ficou um pouco frustrado de não ter conhecido a garota. Saber quem era ela, como ela estava”, diz a viúva de Guinaldo, Sílvia Nicolaevsky.

Os amigos também tentaram encontrar a menina. Fizeram até campanha em blogs na Internet meses antes da morte de Guinaldo.

“Minha ideia era mais fazer uma homenagem ao Guinaldo. Pela carreira brilhante que ele teve”, diz o fotografo Ricardo Medeiros.

A iniciativa virou notícia e reascendeu a curiosidade em torno da foto. A foto foi feita no Palácio da Liberdade em Belo Horizonte e 31 anos depois, em junho passado, o Jornal da Globo localizou a garota da foto.

Rachel Clemens Coelho cresceu em Belo Horizonte, se formou em comércio exterior, fez pós-graduação no Instituto Tecnológico da Aeronáutica e morou e trabalhou em vários países, teve uma filha de nome Clara, que hoje está com 13 anos, e nunca teria descoberto essa história toda se não fosse por um e-mail.

“Minha mãe recebeu um powerpoint das 100 fotos que marcaram o século. Eu sempre tive curiosidade de ver essa foto. Pelo Google eu vi que estavam me procurando tem um tempão, não tinha a menor ideia”, conta.

Perguntada sobre como ela se encontrou com o general Figueiredo, Rachel lembra que, na noite anterior, o pai dela comentou no jantar que iria almoçar com o presidente.

“Aí acordei no outro dia de manhã: mãe, eu quero falar com o presidente”. Ela insistiu tanto que a mãe a levou ao Palácio da Liberdade.

Quando ela chegou lá:

“Virei pra ele: você sabia que você vai almoçar com meu pai hoje? Aí todo mundo ficava assim: ´dá a mão pra ele, dá a mão pra ele´. Eu detestei. Detesto que me mandem fazer as coisas. Não dei a mão porque eu não queria dar a mão pra ele, eu queria dar um recado pra ele”.

Depois do encontro, Rachel foi correndo para a escola e o que ficou foi a imagem da menina que recusou a mão do general-presidente. Para quem admira a foto desde aquela época, a história de Rachel não diminui a importância da imagem.

“Ela pode dizer que não era nada disso. A imagem é muito mais significativa de um momento político que o Brasil vivia”, fala o cineasta Silvio Tendler.

"A situação está tão séria que cumprimentar um político hoje é o de menos - diz Rachel. O difícil é ter que conviver com tanta coisa errada e injusta que você vê por aí. E não é só com políticos". (Fonte: Jornal da Globo).

FUTUROLOGIA 2


Vou explicar por que acho que o PT não tem chance como cabeça de chapa nesta eleição para a prefeitura de Porto Alegre no ano que vem:

1 - Tirando as velharias de sempre, o PT não tem um candidato de nome forte.
Teria a Maria do Rosário, mas ela agora está em nível federal.
2 - Se o candidato do PT conseguir ir para o segundo turno com a Manuela, provavelmente não vai ter os apoios do PDT, PMDB e PSB
que estão mais afinados com a comunista.
3 - Se o candidato do PT for para o segundo turno com o Fortunatti, enfrentara a mesma coligação que o derrotou nos dois últimos pleitos
para a prefeitura. PMDB e PDT ainda tem muitos eleitores aí na Capital.
4 - E se o PT não conseguir passar para o 2º turno vai ficar mais magro em nível municipal. Novas migrações para cargos em Brasília
esvaziarão mais ainda o partido em Porto Alegre.
Aqui em Canoas o atual prefeito Jairo Jorge emplaca tranquilamente a reeleição e parece que o mesmo deve acontecer na maioria dos municípios da Região Metropolitana. Cá entre nós, algo me diz que se não surgir nenhuma novidade no PT até 2018, o Jairo Jorge é candidato natural para substituir o Tarso. Dá-lhe, Jairo!!!
MEIA-ENTRADA SEM MEIA-SAÍDA
Sem a meia-entrada para jovens estudantes, as bilheterias das casa de espetáculo ficariam menores ainda. Depois de pagar a faculdade, o transporte e os lanches, sobra pouco no salário dele para a cultura e a diversão. E é principalmente na juventude que se cria o hábito de ir ao cinema, ao teatro e aos espetáculos de música. Se não incentivarem a gurizada, vão ficar na frente da TV (NET é claro) ou do computador baixando filmes da internet. E a polêmica da Copa é só para cutucar o PT, não tem como ignorar a lei da meia-entrada. Mesmo que o governo concorde, é só alguém entrar na justiça que mela tudo.
E A CRISE?
Sempre me disseram que CRISE é sinônimo de OPORTUNIDADE. Pois é, mas só quando a crise é dos outros, que temos a oportunidade de faturar encima deles. O mundo super-capitalista lá de fora cada vez mais se afunda e as exportações brasileiras cada dia aumentam mais. Para coisa ficar melhor ainda é a hora do verdadeiro custo Brasil que é o lucro do empresário baixar da casa dos 30% para uns razoáveis 10%. Iriam vender muito mais e faturar mais dinheiro, ou seja iriam ganhar no volume das vendas.


Remindo Sauim


ARLINDO PALUDO REELEITO PARA O
FÓRUM DE LÍDERES EMPRESARIAIS

Crédito foto / claudio Bergman


O presidente do Conselho de Administração do Grupo Vipal, Arlindo Paludo, foi novamente eleito para integrar o Fórum de Líderes Empresariais do país, instituído há 33 anos. A indicação foi feita através do voto direto dos mais importantes dirigentes empresariais da região. Arlindo Paludo lidera o processo de expansão do grupo Vipal, que está implantando uma fábrica de pneus em parceria com a Fate, da Argentina, no Rio Grande do Sul. O empresário preside o Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha do Rio Grande do Sul (SINBORSUL), que congrega o segundo principal polo produtor de artefatos de borracha do país. A entrega do Prêmio Fórum de Líderes Empresariais ocorrerá no dia 28 de novembro próximo, em São Paulo.

Todt Comunicação

A PROPÓSITO


Chopim, Chupim, Melro, Merro, Molothrus bonariensis


Em São Paulo, e particularmente no Rio Grande do Sul, o chupim é mais conhecido como "vira-bosta". Da espécie Molothrus bonariensis, "este pássaro, totalmente preto com reflexos brilhantes, tem duas peculiaridades: sua associação com o gado comendo no chão, perto dele, e de cujo hábito adquiriu o nome deselegante; e o seu parasitismo notório nos ninhos de outros pássaros, pois nunca constroi ninhos próprios. Ao invés, as fêmeas, que são menores do que os machos e têm plumagem cinzenta opaca, depositam indiscriminadamente os seus ovos nos ninhos de outras espécies, dependendo assim dos pais adotivos para chocá-los e criar os filhotes. Isto explica um caso comum no verão: um pequeno pássaro, muitas vezes um tico-tico, é visto com um filhotão muito maior e inteiramente diferente, correndo atrás dele e pedindo comida. O vira-bosta é um residente permanente que pode ser encontrado em qualquer parte do Estado" (do livro Aves Silvestres do Rio Grande do Sul, de William Belton e fotos de John Dunning. Editado pela Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul).
O chupim deposita os ovos não apenas nos ninhos do tico-tico, mas também nos de outros pássaros como os da pombinha-das-almas, dos sanhaços, dos papa-cupins e dos canários-da-terra. O pesquisador Alexander Wetmore encontrou num ninho de sabiá laranjeira três ovos de Molothrus bonariensis, o que comprova o tipo de parasitismo do chupim.


SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


AÉCIO SAI DA CASCA E INTIMIDA TUCANOS


Por Carlos Chagas


Mudou o panorama político a partir da iniciativa do senador Aécio Neves de lançar sua candidatura presidencial em 2014, “mesmo que precise enfrentar o Lula ou Dilma”. O ex-governador de Minas quebrou a casca por dentro do ovo, botou o bico para fora e sinalizou estar disposto à disputa. Seu gesto obriga outros hipotéticos candidatos a se mover. José Serra, para começar. Geraldo Alckmin também. Até Fernando Henrique.
Percebeu Aécio Neves estar a metade do quadro sucessório ocupado. Definiram-se, faz muito, o governo, o PT e forças afins, as lideranças sindicais e boa parte das cúpulas empresariais. Será Dilma a candidata, se seu governo prossegur como vai, chegando aos 81% de popularidade. Ou será o Lula, caso a sucessora malogre diante de algum obstáculo.
Quanto mais o tempo decorresse sem um gesto inicial do senador pelo PSDB, pior seria para o partido. Menos pela guerra surda entre seus possíveis pretendentes ao palácio do Planalto, mais pela distância crescente entre eles e os companheiros, que sabem o que querem. Por que os tucanos, até agora, querem o que não sabem.
Caso Serra, Alckmin, Fernando e outros mantenham-se em silêncio, estarão favorecendo Aécio. Não poderão ignorar impunemente sua entrada no palco. E se começarem a admitir pretensões proprias, reconhecerão ter o neto de Tancredo Neves saído na frente.
O MAL DAS PROLIFERAÇÕES
Ganha uma viagem ao Afeganistão, ainda que só de ida, quem traduzir as siglas dos 29 partidos políticos autorizados pela Justiça Eleitoral a funcionar. Como até agora ninguém venceu concurso parecido, de dar o nome dos 39 ministros do governo Dilma, a conclusão é de que brasileiros não viajarão tão cedo a Kabul. Também, não há notícia de proliferação tão grande de partidos e de ministros em nossa História.
De obras públicas supérfluas, cujo preço se multiplicava por conta de comissões, propinas e malfeitos, recomendava o então ministro Mário Simonsen que constassem do orçamento apenas os recursos para as maracutaias, a ser religiosamente pagos. As obras não seria feitas, ficando mais barato para o erário e para o país. Assim estão os partidos: melhor deixar que recebam apenas o dinheiro do Fundo Partidário, desobrigados de disputar eleições.
Quanto ao vertiginoso número de ministros, bem... (deixa para lá).
PRÉVIA NECESSÁRIA
Caso algum instituto de pesquisa decidisse consultar os paulistanos para saber se já ouviram falar em Fernando Haddad ou em Henrique Meirelles, os resultados certamente surpreenderiam. Um jogou no Corintians, nos anos setenta, outro está sendo contratado pelo Palmeiras. Depois, resolvem lançar o Tiririca para prefeito, e acontecerá o quê, se ele ganhar a eleição? Nada. Toma posse e começa a nomear.
COMPETIÇÃO ÀS AVESSAS
Discute-se qual a mais nefasta das exigências das Fifa para a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil: se a extinção da meia-entrada para velhinhos e para jovens, nos jogos de futebol, ou se a obrigação de ser vendida nos estádios apenas uma marca de cerveja, aliás, abominável se não estiver gelada. Bem que o Congresso poderia engrossar, agora que começa a votar a Lei da Copa.

Sobre a entrevista com Carlos Bastos:

1) Bendedito Tadeu César é um cientista político da UFRGS, que colabora com o Sul21 e é um dos diretores da empresa que mantém o site.

A fragilidade dos bancos europeus

A semana começa com desdobramentos em relação à crise dos bancos na Europa. A Bélgica anunciou a compra, por 4 bilhões de euros, da divisão belga do banco franco-belga Dexia e na reunião entre os presidentes de França e Alemanha no domingo foram acertadas medidas de recapitalização de instituições financeiras europeias. Na semana passada, de uma só tacada, 18 bancos europeus – 12 britânicos e seis portugueses – tiveram suas notas rebaixadas se juntando aos dois maiores bancos da Itália que também tiveram redução em sua nota. Para amenizar a crise, o Banco Central da zona do euro lançou um programa de compra de titulo no valor de 40 bilhões de euros, e o do Reino Unido informou que vai expandir seu programa de compra de ativos para 275 bilhões de libras, com a compra de 75 bilhões de libras em títulos do governo.
Minha Opinião: Essa necessidade de injeção de recursos públicos para socorrer bancos, como ocorreu com o Dexia, é só o início. Outras instituições europeias e americanas também terão que ser socorridas. O problema é que os países, por sua situação fiscal (déficit e dívida), estão com poucas condições de realizar este socorro. Aí está o epicentro de toda a crise global. Muita turbulência nos mercado pela frente.

do site de Germano Rigotto

 

ESQUENTA DISCUSSÃO SOBRE SEGURO DE VIDA PARA JORNALISTAS

Olides.

Tnha deixado um pedido, no e-mail do Schroreder a respeito do seguro de vida para jornalistas, e o Celso me passou alguns dados precisos sobre a discussão deste tema que tramita no Congresso. Ele também me passou dadsos sobre o encontro dos Jornalistas da América Latina e Caribe, que foi no México. No Brasil, pelo que fiquei sabendo, a situação -- a não ser o caso do Tim Lopes -- esta em banho maria, somente com ameaças veladas. Por outro lado, no México, os jornalistas estão sendo mortos com a família. Para trabalhar na rua, eles usam máscara e os carros não tem identificação. Por sorte, aqui em Buenos Aires - eu comentei este assunto no e-mail que enviei para ele -- a siatuação dos jornalistas é tranquila, claro, bem depois da repressão, que resultou no desaparecimento de cerca de 40 profissionais. Comentei que estou preparando um material para o teu blog, Oldes, ( matéria ) sobre o desaparecimento de jornalistas, aqui em Buenos Aires e principalmente em Córdoba --- ele pediu uma cópia da matéria -- como em toda a Argentina.

Um abraço Olides. Gelson

 

De Buenos Aires
Gelson Farias

Para quem não tomou conhecimento, o ano de 2011-- que ainda não terminou, -- foi tenso para alguns profissionais de imprensa no Brasil. Mortes, agressões e até helicópteros alvejados foram noticiados, fatos que contribuíram para discussões recentes relacionadas ao projeto de lei que prevê seguro de vida para jornalistas em áreas de risco, o PL 239/11 que tramita em caráter conclusivo em comissões da Câmara dos Deputados.


Celso Schröder
Apesar de o projeto servir para correspondentes ou enviados em viagem ao exterior, ela também contempla áreas de risco no Brasil, como em coberturas de tragédias climáticas. Celso Schröder, presidente da Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ, diz que a iniciativa é mais uma maneira de garantir direitos mínimos aos jornalistas que atuam sob risco.

"O seguro de vida, agora na Câmara, é uma forma de legitimar a compreensão de que muitos jornalistas estão sendo submetidos a pressões, perigos e exposições e que precisam ser protegidos", destaca.
No Rio de Janeiro, desde a época do assassinato de Tim Lopes (2002), o Sindicato dos Jornalistas tenta negociarem com as empresas uma espécie de adicional para jornalistas que atuam em situações de perigo, mas sem definição. Afirma Schröder que o PL é bem vindo, pois complementa o esforço da categoria em conseguir algo.

"No Rio de Janeiro – foi citar a cidade maravilhosa como exemplo -- percebemos que não somente os jornalistas de policia que estão suscetíveis ao perigo, mas todos, desde o de economia até um plantonista. Nossa briga sempre foi de conseguir um adicional, mas infelizmente nunca funcionou. Acredito que o projeto ajudará se aprovado", comenta.

Violência

Divulgado nesta semana, o relatório da Sociedade Interamericana de Imprensa, acendeu uma luz vermelha em relação à atuação dos jornalistas no Brasil, pois aponta que o país é o segundo da América Latina em número de jornalistas mortos no primeiro semestre de 2011, empatado com Honduras e atrás apenas do México. Das 19 mortes no continente latino-americano, quatro foram no Brasil. Entre as vítimas estão Luciano Leitão Pedrosa de Pernambuco, Valério Nascimento do Rio de Janeiro, Edinaldo Filgueira do Rio Grande do Norte e Auro Ida no Mato Grosso. A diretoria da SIP disse estar em "estado de alerta e preocupação", além de ter criticado a "perseguição judicial" aos jornalistas no Brasil.
O jornalista Celso Schröder que também é Presidente da Federação dos Jornalistas da América Latina e do Caribe, disse que a imprensa no México tem sido alvo nos últimos anos de ataques crescentes o que levou organismos como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização dos Estados Americanos (OEA) a qualificar o país como o mais perigoso para o exercício do jornalismo no continente. A Comissão Nacional de Direitos Humanos registrou até agora o assassinato de 68 jornalistas desde 2000. O governo de Vera Cruz instruiu a procuradoria do Estado para que esclareça o caso com rapidez. "Em Vera Cruz não será aceita a impunidade para crimes, por isso este crime não ficará impune e será investigado até as últimas conseqüências", afirmou o governo do Estado.

O governo mexicano se comprometeu a não censurar a atividade jornalística no país. Felipe Calderón (foto) disse que no México "nunca haverá nem mordaças nem censuras para se fazer jornalismo".
O líder mexicano assegurou, ainda, que a grande ameaça sofrida pela imprensa do país é o crime organizado:
"A delinqüência é o maior risco para o exercício do jornalismo que deve contar com um entorno de liberdade e segurança".
Calderón classificou a liberdade de imprensa como um "direito inalienável" para a cidadania. Nos últimos 10 anos, mais de 65 jornalistas foram mortos em solo mexicano, sendo que 21 desses assassinatos aconteceram em 2010. Outros 12 profissionais estão desaparecidos, e 17 meios de comunicação do México sofreram atentados desde 2003. "Nenhuma nação pode permanecer alheia aos ataques à imprensa", disse o presidente do México. "O crime é o inimigo da imprensa e não o governo", declarou, lembrando que é "dever" do Estado se empenhar nas investigações de crimes contra a imprensa e punir os responsáveis.

Miguel Angel López Velasco, de 55 anos
Em junho, último, o jornalista mexicano Miguel Angel López Velasco, de 55 anos, foi assassinado junto com sua mulher e o filho do casal, de 21 anos. Miguel era editor do diário Notiver, em Veracruz, e escrevia uma coluna sobre política e criminalidade. Seu filho, Misael López, trabalhava como fotógrafo para o jornal. A família foi morta a tiros na casa onde vivia no subúrbio de López Arias. Segundo funcionários do jornal, Miguel, a mulher e o filho dormiam quando homens não identificados invadiram a casa e mataram os três a tiros. O jornalista trabalhava no diário há 20 anos; começou como repórter policial, tornou-se colunista e atualmente editava as seções policiais e de notícias locais. Em sua coluna, escrevia sobre crimes, seqüestros, casos de corrupção e de abuso de autoridades na região de Veracruz; também chegou a escrever sobre o caso de Evaristo Ortega Zarate, jornalista que desapareceu em abril de 2010.
Segundo Schröder, o México foi escolhido este ano, como sede do encontro de Jornalistas da América Latina e do Caribe, por ser um dos países mais perigosos para o exercício da profissão de jornalista, onde sete profissionais foram assassinados. A Confederação que representa 600 mil jornalistas de 120 países lançou campanha contra a impunidade, em especial no que diz respeito aos latinos, pois se estima que aproximadamente 300 profissionais da informação tenham sido assassinados durante a última década no exercício de sua função.

No encontro, além da liberdade de expressão, foram discutidas estratégias para proteção de profissionais da comunicação. A sociedade vítima da violência, no México, "não é livre, mas escrava dos assassinos": "Não é possível trabalhar com a autocensura do medo, não se pode permitir que organizações criminosas controlem a informação e que digam o que é notícia".

GRUPO CLARIN: HÉCTOR HORACIO MAGNETTO ESTA COM CANCER

A GRAVE DOENÇA DO CEO DO GRUPO CLARÍN PREOCUPA O GOVERNO

Olides. esta notícia é um furo. Foi a Enriqueta que descobriu. Ela trabalaha como FREE, no Clarín. O caso é grave. O homem forte da mídia da argentina, esta muito doente e não volta mais a falar. Tiraram parte das cordas vocais. Com isso, a presidente Cristina corre na frente para tomar do grupo a GlobVision, fazer fusão com a Nulticanal empresa de comunicação do governo. Como o caso se arrasta há bastante tempo, não ´pe danoite para o dia que será resolvido. Mesmo com amorte de Hector Magnetto, Cristina não vai conseguir o que deseja, assim tão facilmente. E os herdeiros, como ficam?

Um abraço Olides. gelson. Deixa os caras chupar, depois que sair no teu Blog... Ha,ha, ha...

Gelson Farias


De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides.


O anfitrião bem-sucedido do maior grupo de mídia na Argentina esta perdendo sua voz para um carcinoma da laringe, diagnosticado ano passado. Héctor Horacio Magnetto, CEO do Grupo Clarin, continua lutando hoje para sua cura final e re-educar a função mais importante, voltar a falar outra vez, após a cirurgia que fez em maio último no hospital da Universidade de Chicago. Semana passada, o empresário pediu para seus familiares que desejava fazer um esclarecimento público sobre sua saúde, por meio de uma carta aos leitores dos jornais Clarín, La Nación e a outros tantos veículos da mídia impressa do grupo.
"A intervenção cirúrgica produziu uma afetação em minha dicção, uma situação que altera de forma significativa o modo de falar claramente, por isso resolvi dar uma satisfação aos leitores, amigos e colaboradores do grupo Clarín, com esta carta aberta à população”.


Magnetto


Assim, diante deste quadro da gravidade da doença do homem que foi mais poderoso da mídia argentina, volta a causar uma atmosfera, a essa altura cheia de especulações sobre a gravidade da doença e seu possível impacto sobre a venda de uma participação de 30% do grupo ou a sucessão interna eventual que poderia do presidente do Grupo. Notícias dos bastidores da Casa Rosada, revelam que Aníbal Fernandes, secretário de gabinete presidencial, revelou durante uma conversa informal que a presidente Cristina Kirchner, diante da doença de Hector Magnetto, teria alegado a vontade de fazer com mais rapidez a fusão da GlobVision do grupo Clarín e Multicanal, veículo de comunicação do governo. O caso se arrasto a bastante tempo pois a GlobVision teria serias pendências na justiça por atraso nos repasses de pagamentos atualmente a Comissão de Defesa da Concorrência. Da para ver claramente que a doença do homem mais poderoso da mídia da Argentina esta deixa seriamente preocupado o governo.

Foto de Magnetto, hoje com a doença


Já havia uma desconfiança de que algo estava acontecendo com o presidente do grupo Clarín, pois os gestores multimídia notaram a ausência do CEO em reuniões de gestão. A princípio Magnetto não aceitou que estaria com câncer depois de um exame feito pelo médico da família. Ele não queria aceitar que estive doente ter que realizar uma cirurgia tal a gravidade do caso. Na verdade, apenas Magnetto sabe que o diagnóstico de sua doença e a cirurgia pode lhe proporcionar permissão para executar, com boas perspectivas de sucesso, um tratamento de quimioterapia intensiva. A cirurgia, conseguir remover parte de u tumor e preservar parcialmente a funcionalidade do órgão afetado. A voz.

Futurologia

Aqui em Porto Alegre o PT vai ter que apoiar mesmo a Manuela e talvez consiga indicar o vice.
No Estado, o Tarso deve se reeleger, os partidos que o apóiam estão satisfeitos com seu governo.
Para presidente, também graças a montagem da coligação que a apóia, passando pelo legado do Lula e também por seu desempenho pessoal, vai encarar a reeleição. A oposição (PPS, PSDB e DEM) está sendo desmontada pelo novo partido do Kassab. Neste fim de semana o Aécio tirou a cabeça para fora e se anunciou candidato, mas só se for pelo PSD do prefeito paulista. O PSDB está sumindo em diversos estados e o DEM provavelmente vai trocar novamente de nome e minguar cada vez mais.
Primavera Árabe
Enquanto algumas bestas quadradas da internet propunham que a juventude protestasse também no Brasil, esta se transferiu para o antes todo poderoso Estados Unidos da América. A meninada sem emprego, sem a perspectiva de cadilaques, mansões e uma América Latina para explorar, resolveu sair as ruas e ocupar os centros financeiros de diversas cidades americanas.

Jogando com nove
O Grêmio, sem um bom centro-avante lá na frente já jogava com dez desde o início do Brasileirão. No jogo contra o Coritiba, com o Brandão e o Diego Clementino em campo, jogou com nove e assim mesmo só perdeu de 2 a zero.
Quando a torcida colorada acha que se livrou do Índio, ele vai lá e faz um golzinho. O mesmo serve do lado tricolor para com o zagueiro Rafael Marques.

Remindo Sauim


Governo quer acabar com quadro humorístico
Divulgação/TV Globo

Do site Espaço Vital

A Secretaria de Políticas para as Mulheres manifestou repúdio à forma como são tratadas as mulheres no Metrô Zorra Brasil, do Zorra Total.

O Governo Federal, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres, enviou uma carta de apoio ao Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que já há algum tempo vem pedindo que o quadro Metrô Zorra Brasil, do programa Zorra Tota, seja retirado do ar.

Segundo o sindicato, a maneira como as mulheres são retratadas na atração seria prejudicial ao supostamente incentivar assédios sexuais dentro dos vagões. Parabenizamos a iniciativa e endossamos a necessidade de ações como esta que visam desconstruir discursos de uma cultura que, até camuflada no humor, perpetua a violência simbólica contra as mulheres, diz o texto de apoio.

Em momentos do programa reclama: "Ô, Valéria, esse cara aqui de traz está me bolinando. Deve ser jogador de basquete, pois estou sentindo o pulso dele forte".

Comandada pela ministra Iriny Lopes, a pasta recentemente se tornou foco das atenções ao se opor à veiculação de uma propaganda na qual a modelo Gisele Bündchen aparece de lingerie.

Em sua defesa, a Rede Globo alega que o objetivo do quadro do Zorra Total é o entretenimento.

 

PARTIDO CHOPIM

O Molothrus bonariensis conhecido popularmente como chopim, possui este hábito: a ave não constroi ninho nem cuida dos seus filhotes.
Seria o PSD um Partido Chopim? Não participou de nenhuma eleição e já tem vereadores, prefeitos, governadores, vice-governadores, senadores, além da terceira maior bancada na Câmara dos Deputados. Foi buscá-los em outros ninhos.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Eu e Outras Consequências

O monólogo estrelado por Tanussi Cardoso, Eu e Outras Consequências, encantou quem prestigiou a atuação desse ator de renome nacional no Cine Teatro Carlos Gomes, dia 04 de Outubro de 2011. A mistura de poesia e música e a modalidade teatral pouco comum no município fez com que a plateia aplaudisse de pé a peça. Com entrada gratuita, o evento reuniu pessoas interessadas em arte e cultura, proporcionando momentos de aproximação e apreciação de um monólogo muito bem produzido.
Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

Feira do Livro 2011

Leitura: o fantástico mundo da imaginação. Com a magia que o universo dos livros proporciona, a Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Educação, realizou a Feira do Livro 2011. A abertura ocorreu no Cine Teatro Carlos Gomes, no dia 07 de Outubro, sexta-feira. O evento contou com a presença do escritor Mario Pirata, do homenageado da Feira: o Padre Giovanni Simonetto e demais autoridades. Durante a cerimônia de abertura oficial, os estudantes apresentaram peças teatrais e houve momentos de muita emoção com o destaque ao Padre Giovanni.
Durante o dia, o escritor Mario Pirata realizou oficinas de poesia, arte e cultura, envolvendo os estudantes das escolas do município, incentivando ainda mais a leitura. À noite, os professores também participaram de uma formação, com o tema Educando para a Paz. No sábado, 08 de outubro, a feira do livro movimentou o município, convidando a população para o universo da leitura e o seu fantástico mundo da imaginação.
Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

DE Serafina


Enquanto esperava o ônibus neste último domingo pra viajar a Porto Alegre, fiquei sabendo das últimas da rodoviária local:

1) o próprio prefeito Bico Branco ligou pra saber do negócio de vender apenas passagens nos bancos traseiros. Já foi solucionado.Diz a Terezinha Rampanelli que a empresa Bento já tinha tomado providências. Duvido tive eu que ligar pro prefeito e ele pra rodoviária pra que se mexessem. Depois todos dizem que já tinha sido providenciado.

2) E como a prefeitura mandou algumas perguntas pra rodoviária, a mulher de Leoldemar Bassani, o concessionário, Terezinha, aproveitou e reclamou da poeira que os caminhões provocam na av. Ipiranga. Havia buracos e a prefa já mandou tapar.


3) Caiu um torró no domingo lá pelas cinco que vou te contar...Saete e tempesta( raios e tempestade...) mas durou pouco, não mais que 15 minutos. Depois já tinha sol.


4)Fui caminhar e minhas caminhadas foram de oito quilômetros por dia....Daqui uns tempos farei 16 Km por dia..


5)Cerca de três anos atrás, uma fiscal do DAER chegou na rodoviária de Serafina. Havia ali apenas a mulher do dono, a Tereiznha Rampanelli, sem crachá nenhum. A fiscal queria multá-la. Ela não aceitou a multa, apenas a advertência.

Agora anda com crachá na bolsa, não o usa....

Diz ela que não precisa, porque todos a conhecem...

6) Enquanto esperava o bus, passaram o médico BETO ARROQUE e sua mulher, Neiva Calza, caminhando.Depois vi a secretária municipal Olderez Piazza fazendo o mesmo...

7) A prefeitura está colhendo dados pra fazer um livro sobre a cidade. Já era hora. O último foi nos anos 80 e a edição está esgotada.

9) Vi o POLACO caminhando pelo centro, como sempre...Mas a quem o interroga se será candidato, ele responde:
- SOU FICHA SUJA!

Bastos

Aí vai o link da entrevista do Bastos ao Sul21:
http://sul21.com.br/jornal/2011/10/carlos-bastos-um-militante-do-jornalismo-da-politica-e-do-esporte/

Abraços,
Nubia

Do boletim do Adeli Sell

AGENDE-SE
Na quinta-feira, participarei de mais um seminário da revista Voto. Falarei sobre o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) e Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) – Um olhar para o futuro. http://verd.in/i4yf

ALÔ DMAE!
"Gostaria de saber se na Prefeitura e no DMAE, existem ‘dois pesos e duas medidas’? Quando aluguei um prédio e fui pedir um ramal de água, uma das exigências, além da documentação toda, era de que quando viessem fazer a ligação, eu já deveria estar com o ‘nicho’ de proteção do hidrômetro instalado, conforme está no manual de instalação do DMAE. Andando pelas ruas da cidade, vejo várias ligações novas de água, sem a devida proteção. Fica aqui a minha pergunta: A regulamentação é para um ou para todos?” ---Marcelo

Chupa matéria

Olides, presta atenção. Fiquei sabendo, através de um e-mail, quem me mandou pediu para seu nome não ser citado, por que um tal de Rodrigo, que trabalha na rádio Gaúcha, e juno com outros dois do jornalismo para o corresponde Ipiranga, estaria sim, chupando matérias aqui da Argentina, que estão no teu blog. Este meu amigo que é também jornalista, me contou que vai seguiamente na Gaúcha e é amigo destes três jornalistas de lá. Um dia, ele contou que eu estava em Buenos Aires e eles teriam acessado o teu Blog para ver as notícias daqui. O que vou fazer, deixa assim.
Um abraço Gelson

Gelson Farias

Coleguinhas

*Então quer dizer, conforme o Gelson Farias, que a Fonte da Informação, não é tanto assim....deixa eles... não vale a pena perder tempo com isto....Gelson


*Matz não manda mais suas judiciosas opiniões nem quando o INTER mete 3 a zero no VASCÃO...Bah, isto é grave. Há algo de grave com o nosso OUTRORA conhecido de Matzenberger (mistura de" Matz com Lutzenberger"...)

SEM PULO - TÚNEL DO TEMPO

Olá Pessoal,
Permita-me remeter as matérias que escrevo na
Folha Popular de Teutônia do último sábado.
Abraço
Rudimar Thomas

Coleguinhas

*Do longo depoimento do colega Carlos Bastos, faltou, a meu ver, apresentar ao leitor quem eram os entrevistadores. Afinal, não somos tão importantes quanto nos achamos....


*Mas o tipo de entrevista que a Nubia e os outros colegas estão fazendo me lembrou muito as entrevistas do Pasquim...


*Aguardamos outras....ou só tem esta do Bastos?


Idealizador do Fórum Social Mundial participa do 1º Seminário Estadual de Transparência e Controle Social

No próximo dia 13, a Rede Escola de Governo e a Subchefia de Ética, Controle Público e Transparência da Casa Civil promovem o 1º Seminário Estadual de Transparência e Controle Social, em parceria com o Unilasalle. O Presidente emérito do Instituto Ethos e um dos idealizadores do Fórum Social Mundial, Oded Grajew; e o Diretor da Escola Superior de Gestão e Controle Francisco Juruema, do TCE-RS, Sandro Trescastro Bergue apresentarão o painel Controle Social e Institucional na Gestão Pública.

Na ocasião o Diretor-Presidente da FDRH, Jorge Branco apresentará a Rede Escola de Governo e a Subchefe de Ética, Controle Público e Transparência da Casa Civil, Juliana Foernges apresentará a Consocial. A atividade contará com as presenças do governador Tarso Genro; do procurador-Geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga; do Secretário do Planejamento, João Motta; do Chefe da Casa Civil, Carlos Pestana; e do Chefe da Controladoria Geral da União (CGU), Fábio Valgas.

Oded Grajew ? Além de idealizador do Fórum Social Mundial e um dos fundadores e presidente emérito do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, o israelense Oded Grajew é o fundador da Grow Jogos e Brinquedos. Foi presidente da Abrinq e nesta condição criou a Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente. É coodernador geral da Rede Nossa São Paulo e membro do Conselho Consultivo do Global Compact que procura mobilizar a comunidade empresarial internacional na promoção de valores fundamentais nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho e meio ambiente. Sua trajetória é marcada pela defesa da responsabilidade social da empresa e a maior interação entre as empresas e o movimento social.

Saiba mais:
1º Seminário Estadual de Transparência e Controle Social ? Encontro de Sensibilização e Formação
Data: 13 de outubro
Hora: 14h
Onde: Salão de Atos do Unilasalle - Avenida Victor Barreto, 2288 | Canoas.
Informações: (51) 3210 4302 e consocial@casacivil.rs.gov.br

Acesse o convite aqui!
Inscreva-se aqui

Atenciosamente,

Daiane Evangelista
Assessoria de Comunicação - FDRH
(51) 3233.9606 | (51) 8495.4967
www.fdrh.rs.gov.br
daiane-evangelista@fdrh.rs.gov.br

Leia Angélica Rizzi - As mais recentes notícias a respeito do trabalho da jornalista, cantora, compositora e escritora gaúcha


Aproveitando o mote do lançamento do novo livro de Angélica Rizzi "O poeta mais velho do mundo" (VCS Editora) nesta sexta-feira (14.10), 19h, na Palavraria (Vasco da Gama, 165, Bom Fim POA), abaixo vai o link para o número 2 do news a respeito de seu trabalho como escritora, ela que faz agora sua estréia também como romancista
http://issuu.com/gutovillanova/docs/ang_lica_rizzi_news___2_ok_mesmo
Obrigado
Abraços
Guto Villanova
Jornalista
Assessor de Imprensa

DE SÃO BORJA


EXCLUSIVO!!

CASSIA VAI ENFRENTAR

CANDIDATO DE MARIOVANE?

O deputado estuadual do PTB, Cassiá Carpes, transferiu seu domícilio eleitoral para São Borja. Isto quer dizer que há boas chances dele concorrer a prefeito em 2012.

Como identificar os corruptos?


Por Carlos Chagas


Quando a população inteira foi para a rua, no início de 1984, não era apenas para reivindicar o direito de votar para presidente da República. A campanha das “diretas já” significava mais. Exprimia o cansaço e a indignação nacional diante do regime militar. Cada cidadão que engrossava os comícios monumentais estava dizendo para os detentores do poder algo como: “vão embora!”, “eu não gosto de vocês!”.
Ainda que possa crescer e multiplicar-se, a movimentação prevista para continuar amanhã em diversas capitais, “contra a corrupção”, lembra apenas pela metade sua ancestral das “diretas já”. Porque há 27 anos havia um sujeito específico para os protestos populares, o regime militar. Agora, qual o objeto das manifestações contra a corrupção? Não dá para ser o governo, tendo em vista recentes demissões de ministros e muitos altos funcionários. Muito menos o Congresso, onde convivem personalidades de todos os matizes. Seria injustiça, também, fazer pontaria apenas nos políticos, porque, conforme a natureza das coisas, onde há um corrupto haverá também um corruptor, empresário ou funcionário público. Não há mais ditadura, para acusar os ditadores.
Sendo assim, a “campanha contra a corrupção”, para prosperar, precisa encontrar logo o seu alvo principal. Que tal os bancos? O Poder Judiciário? A imprensa? Quem quiser que arrisque um palpite, mas é preciso classificar os corruptos para que as manifestações prossigam.

CARONA PRA" MODELOS"

nO DOMINGO, NA VINDA DE SERAFINA PRA PORTO ALEGRE, O ONIBUS DA EMPRESA BENTO GONÇALVES TEVE QUE DAR CARONA PRA 9 MODELOS( ou promoters) que tinham ido trabalhar na corrida de formula TRUCK em Guaporé de tarde.

O onibus fretado que vinha no sentido Guaporé Porto Alegre estragou e o motorista ficou sozinho com aquele monte de gurias, apavoradas, na pista...

Quando o coletivo da empresa Bento parou, elas correram todas. Mas só havia vaga pra sete, duas vieram em pé e foram deixadas no shopping de Lajeado, na parada de ônibus.


Motorista solidário está aÍ?

RS: filiado ao DEM, ídolo do Grêmio quer ser vereador 'limpo'

Mauricio Tonetto
Direto de Porto Alegre
Um dos maiores ídolos da história do Grêmio filiou-se ao Democratas (DEM), em Porto Alegre (RS), e vai concorrer ao cargo de vereador na próxima eleição, em 2012. O sergipano Edi Wilson José dos Santos, o Dinho, símbolo de raça e dedicação da equipe gaúcha multicampeã com Luiz Felipe Scolari na década de 1990, disse que, por ter uma história "limpa", conta com a admiração dos gremistas e o respeito dos colorados para "fazer alguma coisa" na política.
"Não tenho nada de sujo na minha vida, ninguém pode falar nada, e o que me motiva a ingressar na política é a vontade de fazer alguma coisa para ajudar a melhorar um pouco a saúde e as pessoas mais carentes. É claro que a base do meu trabalho é o esporte, onde atuei por 20 anos, mas não vou deixar outras coisas importantes de lado", afirmou Dinho.
O ex-jogador, que foi bicampeão da Libertadores da América e do Mundial Interclubes pelo São Paulo, vive há mais de 15 anos na capital gaúcha e se diz totalmente identificado com o Rio Grande do Sul. "Aqui, tenho um tanto de admiradores pelo que fiz e pela minha pessoa, por isso quero retribuir um pouco do carinho que todos têm me dado. Até mesmo os colorados me respeitam pelo meu jeito", disse ele.
O anúncio da filiação de Dinho foi feito pelo deputado Paulo Borges (DEM-RS), que já havia atraído para o partido o ex-jogador do Internacional Jair Gonçalves Prates, o Príncipe Jajá, destaque colorado dos anos 1970. "Com esse reforço no nosso time, estamos prontos para um verdadeiro Gre-Nal nas eleições de 2012", brincou Borges.
Atualmente, Dinho atua com o também ex-gremista Carlos Miguel no agenciamento de jovens jogadores e tem um escritório para empréstimos consignados. Ele encerrou sua carreira como atleta profissional no Novo Hamburgo (RS), em 2002, e chegou a ser treinador do Luverdense, equipe de Mato Grosso.

 

EM ALTA

Gosto muito de ver na VEJA aquela seçãozinha EM ALTA, EM BAIXA..

pOIS EU ACHO QUE O DEPUTADO PAULO BORGES, DO DEM, ESTÁ EM ALTA....O HOMI NÃO É SÓ DO TEMPO, É DO RAMO....

EM ALTA ( DOIS)

pOIS ONTEM, DIA 10.10 O DEPTUADO paulo borges, do DEM, ESTAVA NO SITE TERRA COM A FILIAÇÃO DO DINHO, EX-CRAQUE DO GREMIO. JÁ TINHA FILIADO O PRINCIPE JAJÁ DO INTER. mAS ESTE ÚLTIMO ESTÁ TOTALMENT ESQUECIDO DA NOVA GERAÇÃO.

 

De Serafina


DELEGADO CICERO

DEIXOU SUA

MARQUINHA NA CIDADE

O delegado Cícero Loureiro deixou sua marquinha na cidade. Ele esteve lá depois de 1964, quando foi transferido de São Borja para Serafina, como " castigo" porque era getulista e brizolista.

Pelo menos assim conta Nelson Assoni, que o conheceu.


Da esquerda para a direita, Laurindo Marocco, Ricardo Vivian, delegado de Polícia Cícero Loureiro e José Zanella(acervo de Marcos Ricardo Vivian)

Numa cronica recente publicada no jornal Gazeta Regional- 01.07.2011 - o médico Roberto Arroque - um bom contador de causos da cidade - relata: " fin el giorno chel delegado ghe gá tocá star via arcoanti giorni a Porto Alegre, par despiegar par cosa che adesso ghe zera una novas cartera de motorista válida solche pal munissipio de Serafina, e che la podeva esser paga de tante maniere, anca con formaio, salame e ossa e que no ocore a gnanca chel motorista el savesse dirigir un auto....

Bom, este era o problema do delegado Cícero, pelo menos o que diziam dele...vou tentar traduzir o que o Beto Arroque diz, mas ele não citou o nome:

Até odia que o delegado teve que ir a Porto Alegre explicar uma coisa: a nova carteria de motorista que funcionava em Serafina Correa que era paga com queijo,salame e ossacol e que não precisava que o motorista soubesse dirigir para tê-la". No meu livro Cosi la ze stata, conto que um colono foi tirar sua carteira para dirigir o jipe do pai - coisa que na colônia dava muito status nos anos 60, mas bota status nisto - e o delegado Cícero apenas lhe pediu uns fardos de alfafa pros seus cavalos que ele tinha no haras de Guaporé....

Outro delegado que se tornaria famoso e que passou por Serafina, no começo da sua emancipação, foi o delegado Pedro Seelig, mais tarde famoso por causa do episódio do SEQUESTRO DOS URUGUAIOS..mas isto eu conto numa outra ocasião.

Agora quanto ao delegado Cícero, que o poeta Clemar Dias em S. Borja, conheceu, há uma versão de que teria falecido no ano passado. Mas até pouco tempo ele andava por aí e visitava alguns serafinenses.

Calendário eleitoral

PT POA

A Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores esteve
reunida nesta segunda-feira (10/10) para definir seu
calendário eleitoral. Reafirmou a data do dia 5 de
novembro
para a inscrição de suas pré-candidaturas. Também
definiu que
no dia 3 de dezembro fará seu encontro municipal, quando
escolherá democraticamente seu candidato ao Executivo
Municipal.

De acordo com o presidente da legenda, vereador Adeli Sell,
os integrantes da Executiva decidiram, por unanimidade,
descartar o processo de prévias. Adeli também salientou
que
está fazendo um grande esforço para unificar todas as
correntes internas do PT, evitando disputas, para que todas
as energia s sejam empregadas no debate de linhas de programa
e na busca de uma forte chapa de vereadores e pela
organização interna.

Recebo da colega Valdir dos Santos

que está indignada porque vão fazer um memorial pro Golberi em Rio Grande..Ora, fazem pro Prestes, porque não pro Golberi? Não houve uma anistia???


Caros amigos:
Neste momento em que a sociedade mobilizada consegue a aprovação da Comissão da Verdade (ainda falta passar pelo Senado), atitudes como a dos gaúhos da cidade de Rio Grande é preocupante.

Acabei de ler e assinar o abaixo-assinado online: «Abaixo-assinado contra o monumento em homenagem ao Gal. Golbery do Couto e Silva (Rio Grande, RS)»

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N13643

Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que você também pode concordar.

Assine o abaixo-assinado e divulgue para seus contatos. Vamos juntos fazer democracia!

Obrigada,
Valdir dos Santos

Memória da Imprensa

Sempre que vejo abaixo-assinados, como este que a colega Valdir mandou, me recordo de uma fria que entrei, logo após a redemocratização....

A partir daí, nunca mais assino nada...

Foi o seguinte: O colega Carlos Pires de Miranda( que hoje escreve sobre gastronomia) andou pedindo umas assinaturas mas não sei bem porque que era....Sei lá, sei que acabei assinado, naqueles tempos a gente assinava tudo e poucos dias antes das eleições daquele ano, tive o desprazer de ver meu nome na capa do jornal, num abaixo-assinado pedindo votos pro ODACIR KLEIN, por Senado. Como é que fui parar ali,bom assinado meio sem me informar bem o que era....Desde então, eu fora....

Serafina é um dos 20 no Ranking da Transparência

O Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul divulgou, no último dia 04, um levantamento das informações disponibilizadas na rede mundial de computadores pelos legislativos e executivos municipais do Rio Grande do Sul.
O controle social, compreendido como a participação do cidadão no planejamento, na fiscalização e no controle da gestão pública, é um dos temas de maior destaque na Administração Pública contemporânea e tido como elemento essencial para a consolidação da democracia do país. Nesse sentido, a internet passou a ser uma das maiores ferramentas de controle social.
O levantamento junto a todos os legislativos e executivos municipais do Estado do Rio Grande do Sul levou em conta dados sobre quadro de pessoal, concursos públicos, licitações, obras, execução orçamentária e financeira, estatísticas sobre gastos com educação, saúde, legislação, estrutura organizacional e notícias veiculadas.
A Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa, através do site: www.serafinacorrea.rs.gov.br está entre as 20 primeiras posições no ranking da transparência das prefeituras municipais. Mais uma conquista da comunidade serafinense, pois através de uma administração transparente, as informações são acessíveis a toda a população, uma forma participativa e democrática de governar. Confira a pesquisa completa no site: www.tce.rs.gov.br


COLEGUINHAS

DO PMDB!


Eunice Flores, Celso Bender(atrás,de óculos) Carlos Sávio, (de barba e com crachá) Moema Bauer e Paulo Gerson Antunes de Oliveira, o " Paulinho Fumaça".


Em 1998,quando na presidência da Assembléia Legislativa do Estado era ocupada pelo hoje prefeito de Caxias do Sul, José Ivo Sartori, os coleguinhas que trabalhavam na assessoria de imprensa do PMDB bateram esta chapa com o senador Pedro Simon, na sala da presidência do legislativo estadual.Onde estão hoje em dia cada um deles:

Eunice Flores: Está no Movimento Feminino do PMDB

Celso Bender : ainda está no PMDB, trabalha hoje como assessor de imprensa do deputado estadual Alexandre Postal


Carlos Sávio: trabalhou na Zero Hora e hoje vive em Imbé(RS)

Moema Bauer: trabalha na taquigrafia da Assembléia Legislativa do Estado

Paulo Gerson Antunes de Oliveira: depois de ter sido superintendente de Comunicação da Assembléia Legislativa, hoje está no ramo empresarial. Tem uma firma.

O autor da foto pediu anonimato.

De Serafina
Corrêa


PMDB tem novo presidente


Herculano Dal Magro, um empresário, é o novo presidente do pMDB de Serafina. Após muitas controvérsias,a ex-presidente Salete Cadore deixou o cargo.

POLACO É

O CANDIDATO

se se livrar dos

processos da ficha suja!

Se se livrar dos processos - tem seis contra ele - o ex-prefeito Valcir Segundo Reginatto, o Polaco, é o candidato declarado do PMDB a prefeitura de Serafina em 2012.Quem garante isto é uma fonte ligada ao partido. Mas estão sendo costuradas outras saídas, como Eduardo Matielo(foi candidato a deputado federal e não se elegeu)e a própria ex-presidente do partido, Salete Cadore.

MEMÓRIA DA IMPRENSA

ROMANO DEU O BOLO no Paulo Gerson


Quando Paulo Gerson Antunes de Oliveira foi superintendente de comunicação da Assembléia Legislativa instituiu o plantão de fim de semana para a imprensa. E escalou o então jovem repórter Vicente Romano pra ser o primeiro a cumprir o castigo. Vicente não veio trabalhar( o que é raro...) e na segunda alegou que tinha trocado com o colega Moacir...que por sua vez estava no Rio de Janeiro, onde fora levado pelo governador Leonel Brizola.

É verdade....

o Karnas me disse que tinha este material que agora torna publico.


Os bilhetes dos Anos de Chumbo no meu blog
Olides.

Daquele nosso último encontro e conversa na Feira do Livro, ano passado, eis o resultado: os bilhetes da prisão de frei Betto e de religiosos em 1969.

Dá uma olhada no meu blog "crítica & afago":

http://criticaeafago.blogspot.com/

O material está liberado para ser citado e aproveitado por outros blogs e sites parceiros, desde que com referência a fonte.

Carlos Karnas

AS TATUAGENS do OTTO BEDE

FOTOS TIRADAS POR SUA ESPOSA

nome completo: Prefiro Otto Bede, nos tempos de hoje privacidade é um luxo que temos de
manter.
onde nasceu: Porto Alegre
é casado com quem: Com a Pedagoga Rosemari Ribeiro
qtos filhos: Dois filhos
sempre foi produtor: comeci como operador de áudio, depois gravação, produtor, editor de
vídeo e diretor de estúdio
como conheceu o rogerio: conhecia o trabalho dele, na Guaíba, Pampa e depois Gaúcha. Por
intermédio de Paulo Sérgio Pinto, comecei a trabalhar com ele, pois trabalhava na Pampa e ele
foi contratado.
desde quando trabalha com ele: Novembro de 2002
onde trabalhou:comecei como office boy, depois trabalhei como garçom, cozinheiro, balconista,
padeiro, vidraceiro, servente de pedreiro, quadrinista, depois fui para a Equipamentos
Audiovisuais do Zé Antonio Zaniratti, Meridional FM, Litoral Sul FM, FM Cultura, Guaíba, Ulbra,
Pampa, Projedes (Produtora) e agora, pela terceira vez, na Guaíba.
como é atender as malas na produção: Não existem, mas infelizmente não tenho paciência para
pessoas que ficam se repetindo, insistindo no mesmo ponto.
conte uma grande gafe que cometeu como produtor. tem que contar sim: Em um Dia
Internacional da Mulher, liguei para as esposas dos, então, presidentes do Inter e do Grêmio,
Amoretty e Guerreiro, e convidei-as a dar uma entrevista sobre o Dia das Mães. Só fui sentir a
gafe, quando, depois de ligar para minha madrinha, liguei para a minha mãe e ela caiu na
gargalhada, pois minha madrinha já tinha ligado para ela e falado que eu deveria estar variando
da caeça.
pq a fama de esquerdista. isto te incomoda: militei no PT, durante vinte anos. Depois assinei
ficha no PSTU. E a fama nunca me incomodou, mas me trouxe vários prejuízos profissionais, de
pessoas que não sabem separar profissionalismo de idealismo.

Ódio nutrido por 22 anos matou a juíza Patricia Acioli

Do site http://www.espacovital.com.br

Um ódio nutrido por 22 anos, que começou no dia 3 de setembro de 1989 no estádio do Maracanã, durante uma partida de futebol entre o Brasil e o Chile, “foi a principal causa da morte da juíza Patrícia Acioli”, executada com 21 tiros no dia 11 de agosto de 2011, em Niterói (RJ).

Esta é a conclusão - do comissário José Carlos Guimarães, chefe da investigação da Divisão de Homicídios - num relatório que aponta o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira, ex-comandante do 7º BPM (São Gonçalo) e do 22º BPM (Maré), como o mentor do assassinato. A informação está no jornal O Globo, edição de hoje, em matéria assinada pelos jornalistas Sérgio Ramalho e Antônio Werneck.

Naquele disputado jogo pelas eliminatórias da Copa do Mundo da Itália, uma confusão na arquibancada levou a então defensora pública Patrícia Acioli e o então tenente Cláudio Luiz Oliveira a uma violenta discussão.

O fato foi parar na 18ª DP (Praça da Bandeira) e o rancor permaneceu, ainda segundo o investigador da DH, até o assassinato da juíza.

O documento de 30 páginas, com um resumo de toda a investigação, já foi entregue ao Ministério Público estadual, que tem até segunda-feira (10) para apresentar a denúncia.

Pelas conclusões da polícia, não há dúvida que os dez policiais militares comandados pelo tenente Daniel Benitez, que chefiava o Grupamento de Ações Táticas do 7º BPM, agiram a mando do tenente-coronel Cláudio.

O tenente Benitez era uma espécie de “pupilo” do comandante e foi quem organizou a execução. Uma das provas para o contado estreito e constante entre o tenente e o tenente-coronel é o número de ligações telefônicas que um fez para o outro.

O tenente-coronel ligou 170 vezes para Benitez entre os dias 18 de junho e 13 de agosto (dois dias depois da morte da juíza) deste ano.

Por sua vez, o tenente falou telefonicamente 237 vezes com o ex-comandante de São Gonçalo entre maio e o dia 13 de agosto deste ano. Ainda segundo a conclusão da polícia, o tenente-coronel “é um dos oficiais mais arrogantes da Polícia Militar, que costumava punir toda a tropa perfilando os militares sob chuva no pátio do batalhão de São Gonçalo".

Para os policiais da DH, o plano de matar a juíza ganhou força este ano, depois das prisões - por ordem da magistrada - de policiais da P-2 (serviço de inteligência) do 7º BPM acusados de homicídio e de um boato: a juíza investigava o tenente-coronel e pretendia determinar sua prisão.

Um zagueiro gremista na confusão futebolística

Da redação do Espaço Vital

Fernando Enrique Astengo Sanchez, conhecido por Astengo e nascido em Santiago (Chile), é um ex-futebolista e atual treinador. Em 1987 foi contratado pelo Grêmio FBPA.

No ano seguinte foi eleito o melhor zagueiro central da América em 1988, pelo jornal uruguaio El Pais daquele ano.

Em 3 de setembro de 1989, nas eliminatórias para a Copa do Mundo (Itália 1990), depois da partida do Chile contra o Brasil, Astengo foi apontado como o autor da ideia de simular uma suposta grave lesão do goleiro chileno. Este teria sido atingido e se ferido por um sinalizador jogado da arquibancada e de comandar a retirada, de campo, da seleção chilena. As imagens posteriores mostraram que o sinalizador caiu a 1,5 m de distância do atleta.

Astengo terminou banido do futebol na condição de atleta, por decisão da Fifa. Mas ele permanece lembrado como um dos melhores zagueiros do futebol chileno.

 

ESTATUTO DA JUVENTUDE


O tal estatuto caracteriza jovem os que estão na faixa etária dos 15 aos 29 anos. Como chegaram a ela? Algum estudo científico albanês, já que o partido da relatora, o PCdoB, segue a linha albanesa do comunismo, ou coisa que o valha?
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS



DEZESSEIS ANOS

Agora sim vou ver junto com os leitores uma briguinha boa...o Charqueadas inticando com o homi do chapéu. vai sair faísca!!!!


O vereador Adeli Sell (PT) protocolou na tarde desta quinta-feira (06/10) projeto de lei que torna obrigatório o uso
de redes de infra-estrutura subterrâneos nas ruas e praças do Centro Histórico. O projeto engloba as redes de
transmissão de energia elétrica, telefônica, comunicação de dados via fibra óptica, televisão a cabo, dentre outros
cabeamentos.

UÉ, MAS O PT NÃO FEZ ISTO NOS DEZESSEIS ANOS EM QUE GOVERNOU PORTO ALEGRE. QUE FALHA !

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

 

RÉQUIEM PARA A REFORMA POLÍTICA

Por Carlos Chagas

No Senado, graças às manobras de José Sarney, foram aprovados apenas três itens da reforma política, importantes para os políticos mas sem maior significação para as instituições. Vai mudar a data de posse dos presidentes da República, governadores e prefeitos: não será mais no primeiro dia de janeiro seguuinte às eleições, quando todo mundo celebrou o Ano Novo, encontrando-se a maioria sem fôlego nem estômago para novas festividades. Otimo, as posses ficarão para 10 ou 15 daquele mês. Potentados estrangeiros poderão vir.
A outra unanimidade no Senado refere-se aos suplentes. Os próprios senadores acharam que dois é demais. Além disso, o suplente não poderá ser filho, pai, neto, marido, mulher, tio ou sobrinho do titular. Mais ainda, não sucederá, no caso de impedimento definitivo do senador, quando precisará haver nova eleição. Suplente será apenas para substituir, em períodos curtos.
A terceira contribuição do Senado para a reforma política será a obrigatoriedade de referendo popular para essas ou quaisquer outras alterações que o Congresso venha a promover.
Convenhamos, é muito pouco, mas nas demais propostas em debate não houve acordo, nem na Comissão de Constituição e Justiça, quanto mais no plenário, se lá chegassem. Muitas foram rechaçadas por unanimidade, como a redução dos mandatos de senador, de oito para quatro anos. Nada de financiamento público das campanhas, muito menos de votação em listas partidárias para deputado federal, deputado estadual e vereador. Proibição de coligações nas eleições proporcionais tornou-se questão para a Câmara resolver. Conversão de cada estado num imenso distritão, também.
Em suma, o Senado fingiu fazer a sua parte, na reforma política, mas ficou nas perfumarias. Uma demonstração a mais de que mudanças para valer, sem a emissão de juízos de valor sobre cada uma, jamais serão promovidas pelos que não querem mudar...
NA MARCA DO PÊNALTI
Contra a natureza das coisas, ninguém investe impunemente. Numa de suas campanhas, em carta a Josefina, Napoleão resolveu saber com quantos cortesãos poderia contar na corte em Paris, ou melhor, quais seriam os traidores que atuavam contra ele. Escreveu que na próxima carta mandaria o nome daquele que mandava nele, que ditava todas as suas iniciativas fundamentais e era desconhecido de todos.
Como Josefina lia as cartas do marido perante aquele monte de sangue-sugas, Paris entrou em paroxismo, à espera da próxima carta. Muitos já abandonavam o Imperador, ávidos de aderir ao novo senhor. Os espiões de Napoleão, é claro, anotavam as reações.
Quando o Correio chegou, a Imperatriz leu a mensagem do marido: “cumpro minha promessa ao nomear aquele a quem obedeço sem vacilar, meu Amo e Senhor. É a natureza das coisas, contra a qual jamais me insurgí...”
Pois é. A natureza das coisas impõe à presidente Dilma razoável reforma do ministério, no fim do ano ou início do próximo. Trata-se da necessidade dela livrar-se daqueles ministros que não escolheu, engolidos em função de indicações partidárias ou pessoais, da parte do Lula. Ministros com os quais ela nem despacha, que não conhecem o interior de seu gabinete. Aqueles que chegaram ao governo sem que a presidente examinasse seus requisitos de probidade, capacidade e confiança. Com os agradecimentos de praxe, serão dispensados e substituídos por outros que, com ou sem indicações políticas, venham a enquadrar-se no triplo perfil referido.
Será fantasia supor que Dilma não tenha pensado na reforma ou definido quem vai sair e quem vai entrar. Por certo que mesmo na intimidade presidencial, não há quem se arrisque a avançar a lista dos quase ex-ministros e dos possíveis futuros. Prevalece a natureza das coisas: antes da hora não é hora, depois da hora, também não. A fórmula napoleônica já funcionou com Antônio Palocci, Wagner Rossi, Pedro Novais , Nelson Jobim e Alfredo Nascimento. Funcionará com... (quem quiser que especule)
PRÉVIAS QUE INCOMODAM
O PT paulistano ainda não decidiu se realiza ou não prévias para escolher o candidato a prefeito da capital. O grupo majoritário, “Construindo um Novo Brasil”, apoia o ex-presidente Lula em gênero, número e grau, já tendo aderido à indicação de Fernando Haddad. Não quer saber de prévias. Mesmo assim, Marta Suplicy e os outros pretendentes insistem na consulta preliminar.
O ministro da Educação admite exonerar-se do governo Dilma para cuidar de sua candidatura, mas não chega a defender a manifestação interna. Se perder, serão dois pássaros voando e nenhum em suas mãos.

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

cumpra-se sentença da OEA caso ARAGUAIA

Cumpra-se - Publicado no Coversa Afiada de Paulo Henrique Amorim e Vi o Mundo de Conceição Lemes e Luiz Carlos Azenha na internet e no Jornal Brasil de Fato nas bancas.

Republique em seu site, blog e redes sociais o artigo e este email. Colabore.

CAMPANHA
A proposta de cumprimento parcial da sentença condenatória da Corte Interamericana de Direitos Humanos
(OEA) sobre o caso Gomes Lund e outros x Brasil (Guerrilha do Araguaia), que vem sendo executada pelos três poderes (judiciário, legislativo e executivo), é equivocada e ilegal.
Nega-se um dos principais aspectos da sentença, que é a desobstrução da justiça para que os crimes de lesa-humanidade apontados sejam investigados e os responsáveis punidos, através da correta interpretação da Lei de Anistia contida na ADPF 153 proposta no STF pela OAB ou pelo PL 573/11 da Deputada Luiza Erundina.

Convidamos todos e todas a participarem da Campanha Virtual de Esclarecimento do Cumpra-se, cujo objetivo é promover o debate sobre o tema e levar ao conhecimento do maior número de pessoas, coletivos e instituições a necessidade de exigirmos do Estado brasileiro uma posição clara e coerente em direitos humanos, pois negar a jurisprudencia da Corte Interamericana, como está sendo feito, é destruir trabalho de décadas e bloquear avanços para a cidadania, hoje e amanhã.

Para reafirmarmos a importância dos direitos humanos no desenvolvimento de nossa sociedade, pedimos que encaminhem este email a seus amigos, familiares, contatos de email, facebook, orkut, twitter etc... e os convide a ler, repassar e publicar na internet o artigo Cumpra-se que saiu no Jornal Brasil de Fato, que já está nas bancas (anexo em pdf), em apoio à nossa campanha.

CADASTRE-SE no formulário on-line e ajude a organizar a campanha. CLIQUE ABAIXO.

https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?hl=pt_BR&formkey=dC1haFV0OHNEYmJlSlhZWDJsYkxtMnc6MQ#gid=0


Participe, colabore, venha construir esta rede.

Convidamos as instituições que participaram da luta pela aprovação da ADPF 153 a retomarem a atuação no Comitê Cumpra-se.

Reunião Comitê Cumpra-se - Dia 14/10/2011 às 16h na sede da Associação Juízes para a Democracia - Rua Maria Paula, nº 36, 11º andar - conj. 11B
Confirme presença através do email cumpra-se@gmail.com

Convocam: AJD - Associação Juízes para a Democracia, CJP-SP - Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, GTNM-SP - Grupo Tortura Nunca Mais - SP, KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço (ligada ao Conselho Mundial de Igrejas) e Coletivo Manifestação.Org.

Calendário em discussão:
1. Até dia 23/10/2011 estruturação do Comitê Cumpra-se e da campanha pela internet, da construção da rede através do cadastramento on-line de parceiros, criação do site, produção de vídeos, e campanhas virtuais de esclarecimento e etc...
2. Dia 24/10/2011 (1 mês para o cumprimento da sentença) Lançamento da petição on-line e ação em massa de envio de emails às autoridades envolvidas.
3. Dia 24/11/2011 - data indicativa de manifestação pelo CUMPRA-SE - aniversário de um ano da sentença


CUMPRA-SE
Marcelo Zelic e Anivaldo Padilha*


A posição dissimulada do estado brasileiro em não cumprir integralmente a sentença da OEA, impõe fronteiras aos direitos humanos, negando a responsabilidade coletiva que temos junto aos demais países membros em zelar e desenvolver os instrumentos do direito internacional dos direitos humanos.

A não apuração dos crimes de lesa humanidade praticados nos anos de 1964-1985 e a manutenção dos mecanismos de impunidade dos torturadores, atinge a todos os brasileiros e brasileiras, de ontem, de hoje e de amanhã, pois nega o caráter especial do direito internacional dos direitos humanos e a jurisdição da Corte Interamericana em nosso país. Destacamos trechos muito claros do voto do Juiz ad HOC Roberto de Figueiredo Caldas na sentença que condenou o Brasil em novembro de 2010, que mostram nossas responsabilidades.

“Se aos tribunais supremos ou aos constitucionais nacionais incumbe o controle de constitucionalidade e a última palavra judicial no âmbito interno dos Estados, à Corte Interamericana de Direitos Humanos cabe o controle de convencionalidade e a última palavra quando o tema encerre debate sobre direitos humanos. É o que decorre do reconhecimento formal da competência jurisdicional da Corte por um Estado, como o fez o Brasil.”

“Para todos os Estados do continente americano que livremente a adotaram, a Convenção equivale a uma Constituição supranacional atinente a Direitos Humanos. Todos os poderes públicos e esferas nacionais, bem como as respectivas legislações federais, estaduais e municipais de todos os Estados aderentes estão obrigados a respeitá-la e a ela se adequar.”

“Mesmo as Constituições nacionais hão de ser interpretadas ou, se necessário, até emendadas para manter harmonia com a Convenção e com a jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos.”

“Portanto, em prol da garantia da supremacia dos Direitos Humanos, especialmente quando degradados por crimes de lesa-humanidade, faz-se mister reconhecer a importância dessa sentença internacional e incorporá-la de imediato ao ordenamento nacional, de modo a que se possa investigar, processar e punir aqueles crimes até então protegidos por uma interpretação da Lei de Anistia que, afinal, é geradora de impunidade, descrença na proteção do Estado e de uma ferida social eternamente aberta, que precisa ser curada com a aplicação serena mas incisiva do Direito e da Justiça.”

“É preciso mostrar que a Justiça age de forma igualitária na punição de quem quer que pratique graves crimes contra a humanidade, de modo que a imperatividade do Direito e da Justiça sirvam sempre para mostrar que práticas tão cruéis e desumanas jamais podem se repetir, jamais serão esquecidas e a qualquer tempo serão punidas.”

A posição “vice-versa” do STF, sobre a interpretação da Lei de Anistia, questionada tanto na ADPF 153 pela OAB, como na sentença condenatória da OEA no caso Guerrilha do Araguaia, exige-nos recordar a clareza e objetividade do juiz Cançado Trindade ao se referir à questão da jurisdição da Corte, diz ele:

“A convenção Americana, juntamente com outros tratados de direitos humanos, foram concebidos e adotados com base na premissa de que os ordenamentos jurídicos internos devem se harmonizar com as disposições convencionais, e não vice-versa”.

O STF por força de embargo de declaração feito pela OAB e dos tratados assinados pelo Brasil, mesmo depois de votar a questão em 2010, ainda segue apreciando a ADPF 153. O Ministro Luiz Fux recentemente solicitou informações aos poderes da república, sobre a questão e aguarda contra resposta da Presidência da República e do Congresso Nacional. Com o prazo legal vencido, os poderes da república buscam uma “saída” que não existe.

A sentença é clara e diz, por unanimidade, que:

“As disposições da Lei de Anistia brasileira que impedem a investigação e sanção de graves violações de direitos humanos são incompatíveis com a Convenção Americana, carecem de efeitos jurídicos e não podem seguir representando um obstáculo para a investigação dos fatos do presente caso, nem para a identificação e punição dos responsáveis, e tampouco podem ter igual ou semelhante impacto a respeito de outros casos de graves violações de direitos humanos consagrados na Convenção Americana ocorridos no Brasil.”

“A jurisprudência brasileira firme, inclusive placitada por decisão recente do mais alto órgão do Poder Judiciário, o Supremo Tribunal Federal, esbarrou em jurisprudência tranqüila desta Corte ao deixar de observar o jus cogens, ou seja, normas peremptórias, obrigatórias aos Estados contidas na Convenção Americana sobre Direitos Humanos (também conhecida como “Pacto de São José da Costa Rica”, doravante indicada também somente como Convenção”). Em apertada síntese, é por esta razão que o País está sendo condenado nesta sentença, pelas violações à Convenção.”

É preciso denunciar que a Câmara dos Deputados acaba de violar o “Pacto de São José”, agindo na contramão das obrigações assumidas na Convenção Americana, ao negar seguimento ao projeto de lei da Deputada Luiza Erundina, que propunha adequar a norma interna produzida com a Lei de Anistia de 1979, à jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos e à sentença que condenou o Brasil na OEA em 2010.

O governo perdeu a oportunidade de resolver a questão no legislativo, ao ausentar-se das audiências públicas e derrubar a proposta da Dep. Luiza Erundina. Se tiver a mesma postura frente à ADPF 153, poderá estreitar as possibilidades de um efetivo cumprimento da sentença e a consequente obstrução da justiça, deixando escapar a solução do impasse junto à OEA, também no judiciário.

Com as negativas do legislativo e do judiciário ao cumprimento da sentença, resta ao executivo mudar a interpretação da Lei de Anistia por decreto, o que aponta o tamanho do retrocesso no campo de direitos humanos que vivemos em nosso país e quão distantes os poderes do estado estão da tarefa de construir e fortalecer práticas democráticas e de respeito aos direitos humanos.

Não se pode presumir limitações ao exercício dos direitos consagrados em tais instrumentos, criando fronteiras e impedimentos para sua concretização.

Pelo cumprimento integral da sentença condenatória da Corte Interamericana de Direitos Humanos
CUMPRA-SE

Do Boletim Vereador Adeli Sell


BELOS EXEMPLOS

O arquiteto Marcelo Gotuzzo, mestrando do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura da Ufrgs, defende que os prédios ociosos nos centros das grandes cidades precisam ser aproveitados, de modo sustentável, para a criação de habitações populares e espaços culturais. http://verd.in/xr0j

DIA DAS CRIANÇAS
A Creche Comunitária Sonho Meu da Vila Tronco Postão organizará festa do Dia das Crianças no dia 11 de outubro. A instituição precisa de brinquedos e bolo para 100 pessoas. Quem quiser e puder contribuir entre em contato conosco por telefone ou e-mail.

ALERTA
“Aos moradores do bairro Santana: no enorme prédio da esquina da rua Monsenhor Veras com Rua São Manoel, foi colocado veneno de rato junto a duas palmeiras em plena via pública! Ah, e ainda colocaram um bilhetinho avisando: "Cuidado! Veneno de rato!". Gostaria de saber quem vai dar o aviso às crianças, cachorros, gatos e pássaros que passam por ali e quem será responsabilizado no caso de acontecer algo com eles?” --- De uma leitora

 

Instalação de microdestilarias para produção de etanol será tema de reunião em São Borja

Na próxima segunda-feira, dia 10, às 9h30, por iniciativa do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP/RS) será realizada, em São Borja, no restaurante do parque de exposições General Serafim Dornelles Vargas, uma reunião para debater a viabilidade técnica para instalações de microdestilarias para produção de álcool na região oeste do Rio Grande do Sul. A transformação de arroz e sorgo em etanol também consta na pauta do encontro.

PITACOS DO WOLMER


Cenários Fronteiriços


URUGUAIANA

Em Uruguaiana, a sucessão de Sanchotene Felice passa, obrigatoriamente, pela decisão do deputado Frederico Antunes(PP) de concorrer ou não. Ele até agora não anunciou nada e isso elva os demais partidos de Oposição ao estágio de banho maria, à exceção do PMDB, que pretende indicar o vereador e advogado Kiko Barbará como candidato.

Também não se sabe se Sanchotene irá ungir como candidato do pSDB, mas dois nomes são cogitados, o do consultor jurídico da Prefeitura, Cassiano Ferreira e do vereador Rafael Alves. O fato mais recente na pol´tiica local foi a troca de partido do ex-prefeito Antônio Brasil Carus que saiu do PSDB para o PP, mesmo caminho tomado pelo vereador Mauro Brum, que deixou o PMDB.

Especula-se que também a vereadora Josefina Soares - campeã de votos na cidade - abandonará o ninho tucano, indo pousar no Partido Progressista.

SÃO BORJA


Já em São Borja segue a incógnita em torno do candidato do PDT. Diz-se que os vereadores Farelo Almeida e Roque Feltrin irão para a convenção,sendo Feltrin o nome preferido do prefeito Mariovane Weis. No lado oposicionista, a cogitação mais forte é a de que o deputado Cassiá Carpes (até o dia 7 de outubro o gabinete do deputado não divulgava se ele tinha ou não transferido o domícilio eleitoral para São Borja) disputará mesmo a prefeitura, com o PP indicando o candidato a vice.]]
Kiko Olea, vice-prefeito e secretário da Saúde, não poderia concorrer pelo PTB por mante relacionamento estavel com uma familiar do prefeito Weis(trata-se da irmã do prefeito) O PT está dividido entre os que apoiam coligar-se com o pDT e og rupo liderado pelo ex-vice-prefeito René Ribeiro, que defende candidatura próprio. O ex-vereador João Manoel Bicca( chamado na fronteira de " Bicão" ) sonha disputar asucessão pelo Partido Verde(PV) enquanto o lojista e ex-vereador Gilberto Prado já se anunciou pré-candidato a prefeito, pela legenda do PSB. O ex-vereador e radialista Ibaro Rodrgiues tende a ser o primeiro a aderiar ao partido de Gilberto Kassab, trocando o PP pelo PSD.

ALEGRETE


A cena política de ALEGRETE com vistas às eleições de 2012 tende a uma polarização entre as candidtaruas de Erasmo Guterres Silva( PMDB) e Preta Mulanazzi(PT) que tentariam a reeleição e a candidato do ex-prefeito José Carlos Jardim(PSDB) que concorreria ligado com o PP. O PDT tende a engrossar a colitação PMDB/PT.

O maior probelma de Erasmo, no momento, está dentro de seu próprio partido, onde o vereador Leonardo Gonaçlves aspira ir a convenção disputando a indicação a prefeito. Há ainda uma ala do PT que defende a candidatura própria. Caso se confirme a dobradinha Erasmo/Preta, ela é favorita,afirmm os que acompanham mais de perto o processo sucessório na terra de Osvaldo Aranha.

Estrela

Comissão Organizadora, encabeçada por Leocir Borges, realizou mais uma reunião segunda-feira,
no Restaurante Bar do Adão, para tratar da realização do 3º Encontro de Ex-Jogadores e Ex-
Dirigentes do Estrela FC, dia 26 de novembro. E 2011 é o ano em que o Clube completa seu 80º
Aniversário. Vai ser uma festa inesquecivel, com homenagem aos ex-jogadores que já tem mais de
80 anos de idade. Vai ser no CTG Estrela do Rio Grande.

Mazzarino

CENAS URBANAS

Esta é a nossa Porto Alegre???!!!!!

tumulto dentro do T-7

Na quinta,dia 6/10, enquanto rolava o show do Eric Clapton ( para os que puderam pagar,evidente) o onibus 0562, da linha T-7 da Carris , lá por 21 horas, apresentava outro cenário: totalmente lotado, ia no sentido SUL-NORTE. QUANDO CHEGOU NA FRENTE DO PRÉDIO DA REITORA. Não se sabe o motivo, mas o fato é que a superlotação provocação um banzé. Quando chegou na parada do corredor da Osvaldo, na frente do IE, mais de 20 passageiros, ansiosos, esperavam pelo coletivo. E quando viram que estava lotado, como em horário de rush, alguns foram ao debate com o cobrador, que nestas horas teve que bancar o estúpido....com uma passageira, ele bate-boca feia, ninguém me disse, eu estava no coletivo.

Foi com apenas uma cobradora que a discussão se acalorou porque ela exigia uma cópia dos horários dos ônibus. A passageira estava muito atrasada e o cobrador não sabia lhe explicar porque não havia vindo outro coletivo antes.

Enfim, esta é a NOSSA PORTO ALEGRE, ou a deles, do prefeito Fortunatti e sua equipe????

A resposta se vier da Carris terá seu espaço garantido, mas ele não dão bola mesmo....

A comunicação da prefeitura não funciona....

SAIU NA IMPRENSA(1)


clique na imagem para ampliar

No correinho de sexta,dia 7.10, a bronca do Paulo ODONE em Renato Portaluppi. Mas o que me impressionou foi a resposta do ex-jogador, o principal ídolo da torcida gremista. Diz o Renato que não responderia em RESPEITO A FAMILIA DO PRESIDENTE DO GREMIO..BAH, SE O CARA RESOLVER FALAR, VAI ROLAR MUITA LAMA....

Saiu na imprensa(2)

Eis ai o testemunho de que a notícia da ida dos dois deputados ao Rio era pra sair só na pagina do LAK...

a matéria veio enviada pelo assessor do deputado Frederico Antunes(PP) com a ordem de SO PARA O LAK DO CORREIO DO POVO. eis que senão a agência da propria Assembléia Legislativa postou a matéria ainda no dia 6.10..

Bah, o site oficial furou o jornal....Também tem disto, né!

DE SERAFINA!

PROCESSOS CONTRA POLACO

PODEM IMPEDIR SUA CANDIDATURA...


em 22.07.2007, num domingo que chovia a cântaros em Serafina, foi inaugurado o nome do centro administrativo da prefeitura municipal. O prefeito POLACO, é o terceiro da esquerda para a direita...

No momento, o ex-prefeito de Serafina Corrêa, Valcir Segundo Reginatto, o POLI, OU POLACO, - ninguém nunca soube a origem do apelido - enfrenta no foro de Guaporé 6 processos. Quatro movidos pelo Ministério Público- ação civil pública - e dois por Execução de Título Extrajudicial. Um movido pela prefeitura de Serafina e outro pelo Governo do EStado.

pOLACO É TIDO PELO PMDB DE SERAFINA como seu principal candidato no ano que vem. Existem outros, como a presidenta do PMDB local, Salete Cadore( que trabalha na bancada do PMDB na Assembléia Legislativa do Estado) mas o candidato competitivo seria mesmo o Polaco que foi prefeito durante dois mandatos e vice em um deles.

Se houver candidatura de Polaco - ele corre o risco de continuar inelegível no ano que vem por causa dos processos - a disputa com o atual prefeito Ademir Presotto será no focinho com focinho, avaliam os observadores da política serafinense.

Ademir fez muitas obras, está coligado com o PT- e a coligação deve ser mantida - mas Polaco tem muito prestígio político na cidade.

Na última eleição, Ademir venceu de Luiz Gheller, que já fora prefeito do PMDB e vice numa outra gestão.

 

Memória da Imprensa


Jorginho Mendes, o " rei da onda" como ele próprio se intitula tem muitas histórias do passado. Aos 88 anos, ainda lembra de várias, como esta:
- Maurício Sirotsky Sobrinho, Oscar Fontoura e Ballvé( pai) tinham um apê na Riachuelo quase esquina com a Caldas Jr.

Era o mocó deles...Deixaram lá um homossexual como cuidador e ele levou pra lá uns rapazotes. Acabaram matando o guardador do apê e a indenização saiu muito salgada.

*Outra que o Jorginho lembra: MSS( o Mao-Mao) quando alguém chegava pra trabalhar com uma camisa nova, ele pegava na roupa e perguntava:
- ah, camisa nova, quanto custo?

*Jorginho lembrou que em 1970 havia um grupo de cinco desportistas que quiseram assumir a Federação Gaúcha de Futebol. Entre eles estava Rubens Freire Hoffmeister, o general Plácido Nogueira, que fora da direção do Farroupilha, de Pelotas, oCel. Vitor da Rosa e outros dois...que ele nem lembrou do nome.

Mas na cabeça deu RUBIs....de vice o general Plácido e o Coronel Vitor da Rosa.


*Nestes anos, diz Jorginho,quem cobria futebol era pela rádio Gaúcha Eldio Macedo,Raul Portanova,Matzenbacker,
pela difusora Estevão Romano e Valtair Santos, pela Guaíba, Adroaldo Streck, Jorge Alberto Mendes Ribeiro, Pedro Pereira e Milton Ferretti Jung.

Sobre Rubens Hoffmeister, com quem teve uma grande briga por causa da ACEG Jorge Mendes diz ele " metia os peitos mesmo. Quando queria uma coisa, ia e fazia".

Depois do rompimento, os dois nunca mais se falaram...

E durante os anos 70, depois do litígio, por três anos o nome de Rubens Hoffmeister não saía na imprensa. Quem quebrou o acordo foi PEDRO ERNESTO DENARDIM, que numa matéria no Jornal do Comércio, citou o nome do presidente da FGF.

 

Coleguinhas

ROGERIO LUIZ Böhlke, plantonista de esportes da Guaíba, manda news: está com pressão alta, largou o trago,agora só na ceva.

Coleguinhas

Julio Sortica está rengueando de uma perna que parece o Jango....E tá com problemas no " bobo" também.

Precisará fazer pontes de safena...

O Julio é o sujeito mais lento que conheço...

Uma vez na editoria de Esportes de O SUL ele deixou a editora chefe Núbia Silveira quase se borrando literalmente. É que a Núbia foi acometida de uma vontade louca de ir pro banheiro e o Júlio ali explicando pra ela o que tinha na edição do dia seguinte...Quando ele parou de falar, a Núbia saiu correndo em direção a patente, ou banheiro. No outro dia foi uma gozação geral na redação....

Memória da Imprensa

UM MONOQUINI PROVOCA

SENSAÇÃO NA RUA DA PRAIA, MAS

O BROSSARD TIROU A TV GAUCHA DO AR....


A TV Gaúcha, hoje RBS TV ficou 24 horas fora do ar, em 1964( unico caso de uma tevê sair do ar por atentado a moral e aos bons costumes) É que narra Lauro Schirmer em seu livro RBS: Da Voz do Poste à multimida uma loja da Rua da Praia resolveu fazer um desfile com monoquini. A loja era a Esquina Modas.
Monoquini era um traje de banho no qual duas tiras se cruzavam sobre os seios soltos da modelo.

O desfile foi filmado e à noite, apresentado num programa de muita audiência e prestígio, o SHOW DE NOTICIAS.

o TELEJORNAL, do qual Lauro era o editor, foi ao ar naquela noite às 23 h 30 minutos.
Dom Vicente SCherer, arcepisto também se mostrou indignado e o mesmo Paulo Brossard.O secretário de Justiça resolveu punir a emissora tirando do ar.

O fato ocorreu no dia 07.07.1964.Mas a novela durou algum tempo se prolongando até 31' de agosto de 1964.A TV Gaúcha foi obrigada a cumprir a suspensão no dia 11 de setembro( olha aí a data,sempre maligna...!!!!)
O canal 12 saiu do ar à meia-noite mas de tarde voltou.

CASSIA SAI POR SÃO BORJA


Na sexta à tarde, dia 7.10, a imprensa do deputado Cassiá Carpes(PTB) informava que ele ainda não divulgaria se transferiu ou não o domícilio eleitoral pra São Borja.

NoTRE, a assessoria de imprensa informou que eles sabiam , mas não podiam divulgar.


BANCADA DO PSD NA CAMARA DE PORTO ALEGRE


TARCISO FLECHA NEGA, nELCIR tESSARO E BERNARDINO VENDRUSCULO SÃO OS VEREADORES QUE MIGRARAM PRO PARTIDO DO PREFEITO DE SÃO PAULO, GILBERTO KASSAB.

O primeiro saiu do PDT, o segundo do PTB e o terceiro do PMDB.

 

OS PILOTOS DE AVIÃO E SEUS SEGREDOS NOS VOOS

Olides. veja que para se fazer uma matéria até numa conversa de bar, poderá se tirar uma, não é. Ainda lembro com saudade das boas matérias que fiz na Zero e no Correio que.. Fazer o quê?

Um abraço. Aqui muita chuva e um pouco de frio. temperatura.. 13 graus...

Gelson Farias

De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides.

Assim como o técnico de futebol diz durante preleção que uma partida é totalmente diferente da outra, a máxima serve para os pilotos de avião. Vou contar para vocês o que fiquei sabendo de um piloto da Aerolineas Argentinas. Fernando de Sare tem 30 anos, é natural de Córdoba e trabalha na AA cerca de seis anos. Disse ele numa conversa, quando estávamos no Café Tortoni. Segundo ele, todo o piloto de avião tem seus segredos. Com um ar espanto eu fiquei ali, ouvindo o que ele dizia -- e eu que tenho medo monumental de viajar de avião – fiquei esperando pelo final da estória. Ele somente trabalha em vôos internacionais.


No café Tortoni, Fernando de Sare e eu.

Ele diz que os acontecimentos são tantos que não é nada bom dizer nada. Para que relembrar das coisas ruins. (Por outro lado, os segredos que os pilotos não contam, diz ele em tom de brincadeira é talvez porque ninguém lhes pergunte. Eu quis saber quais são os segredos mais intrincados durante um determinado vôo.
"Em alguns aeroportos com pistas muito curtas, você não vai ter um pouso suave e não importa o quanto o piloto é bom ou não... Se o piloto disser para as comissárias de bordo que se sentem, isso significa que vem uma turbulência das grandes pela frente. Nesta hora, dentro do avião, não há lugar seguro para se sentar. Em um acidente, os passageiros que estão sentados nas proximidades da cauda do avião, são os primeiros a morrer; depois, são os passageiros da frente. Posso dizer com total certeza que, dentro de u avião, num acidente não existe lugar seguro... Mas, num momento destes, quem estiver sentado nas poltronas junto das asas do avião - por ser a parte mais forte da aeronave – tem mias chance de sobreviver”. Eu quis saber mais e ele, não se fez de rogado. Contou tudo.

“Um avião é como uma gangorra, se você ficar no meio, durante uma forte turbulência, não vai balançar tanto. O fluxo do ar no avião é da frente para trás. Então, se você está realmente preocupado em respirar o ar mais puro possível, deve sentar-se à frente. Os aviões são geralmente mais quentes atrás".
Portando, meu amigo Olides, quando eu digo que tenho realmente medo de voar a coisa é séria. Mas veja o meu caso. Ele é Sui Generis, por quê? Ora, simplesmente por que trabalho numa companhia aérea. Quer mais!!

DE S. Borja

HOJE,SEGUNDA, TEM MISSA DO PADROEIRO

SÃO FRANCISCO DE BORJA!

É FERIADO MUNICIPAL

Feriados - Repartições públicas municipais estarão fechadas de segunda à quarta-feira (10 a 12/10). Na terça-feira (11/10) vão funcionar apenas os serviços essenciais, como o atendimento médico e de enfermagem na unidade de saúde Ricardo Pinheiro (Passo) e no Centro Municipal de Atendimento Especializado (Cemae). O Serviço de Atendimento Médico de Urgência, o SAMU 192, funcionará normalmente, não havendo interrupção.

Segunda-feira (10/10) é dia do padroeiro do município, São Francisco de Borja. Já na terça-feira (11/10) foi adiantado o ponto facultativo pelo Dia do Servidor Público, comemorado em 28 de outubro. No dia 12, quarta-feira, é feriado nacional em homenagem à Nossa Senhora de Aparecida.

Missa do padroeiro - Na próxima segunda-feira (10/10) a rua Aparicio Mariense estará fechada no trecho em frente a Prefeitura. A partir 16h o trânsito será interrompido para a realização da missa do padroeiro São Francisco de Borja.

Moto-táxi – A comissão do processo seletivo de moto-táxi divulgou a lista dos classificados da primeira fase. Os candidatos têm até 5 de dezembro para o cadastro e apresentação dos documentos exigidos pelo edital. Todas as informações estão disponíveis no site da Prefeitura: www.saoborja.rs.gov.br

Seminário de educação - Será realizado de 13 a 15 de outubro o Seminário Regional de Educação Inclusiva, com o tema 'Direito à diversidade'. Todos os professores e funcionários das escolas municipais de ensino fundamental e infantil participarão. Portanto, a secretaria de Educação informa que não haverá aula nos dias de realização do seminário.



Os bilhetes dos Anos de Chumbo no meu blog

A MATERIA DOS BILHETINHOS DO KARNAS ME FEZ LEMBRAR UMA GRANDE MATEIRA QUE A REVISTA REALIDADE FEZ ACHO QUE EM 1968 SOBRE OS FREIS DOMINICANOS. NA MATERIA FALAVA EM CARLOS MARIGHELLA. QUANDO A LI AINDA MORAVA EM SERAFINA CORREA( ALIAS DE ONDE ESCREVO ESTE POST) E NEM SABIA QUEM ERA ...MAS LEMBRO BEM DA MATERIA....

TINHA O FREI TITO NO MEIO QUE DEPOIS FICOU LOUCO E SE MATOU NA FRANÇA....
REMENBER UM FILME SOBRE ISTO CHAMADO BANHO DE SANGUE....

O LIVRO DO BISSON, SOBRE O BAIRRO MOINHOS DE VENTO REFERE A PRISÃO DO FREI BETTO, QUE PARECE TERIA SIDO ESCONDIDO NA IGREJINHA QUE TEM NA VASCO DA GAMA, POR ALGUÉM DA FAMILIA CHAVES BARCELLOS.

E O CARLOS KARNAS AGORA QUER MEXER NOS ARQUIVOS DO VATICANO...PORRA SE NEM A DILMA ABRE OS DAQUI, IMAGINA DAQUELA CAMORRA,SE VÃO DEIXAR MEXER NAQUILO.QUANTA LAMA SAIRIA DALI???!!!!MAS COMO DIZ O JOÃO BATISTA MARÇAL, EU QUERO LAMA...



Olha, Olides, acho que edições da revista Realidade de 68 só vais conseguir diretamente com a Abril. Não tenho a mínima idéia onde encontrar exemplares da Realidade.

E então, o que você me diz da matéria dos bilhetinhos? Frei Betto, a CNBB e algumas entidades de direitos humanos já me mandaram e-mails a respeito. Pra CNBB já falei que quero informação sobre os tais "documentos secretos do Vaticano". Aí eles se fecharam em copas.

Karnas

Diário de Serafina...

Hoje, sábado,dia 8.10, tem feirinha do livro aqui, mas muito pequena, mais da editora Paulinas.

O que importa é que começou a primeira e tem que continuar


*Pouco depois das oito da manhã, o prefeito BICO BRANCO, passou apressado em direção a feirinha do livro.

Os assessores do BICO BRANCO todos dormiam,ainda e o prefa foi conferir se a feirinha já tava funcionando. E tava..


*BICO BRANCO vai concorrer sim a reeleição, embora na ZH ele tenha dito que está indefinido. Esta é a tática dele, ficar escondido atrás do toco...

 

De Serafina


*A Feira do Livro aqui terminou antes do prazo. No sábado de manhã, tinha pouco movimento e de tarde levantaram a barraca que vendia...

*Voltei a conversar com a freira Terezinha. Ela me contou algumas coisas boas, jornalisticamente falando, da construção das usinas da Rondônia.Diz Terezinha que as empreiteiras prometiam fazer muita coisa pra depois da obra mas que terminada ela em sí, caíam da boca. Ora bolas, empreiteiro quer obras, não xurumela....tão lá eles preocupados com a questão social....!!!

*A um ano da eleição, já se começa a ouvir comentário sobre quem serão os candidatos. Tomei um mate no sábado com dois vereadores. Um do PP e outro do PMDB...

*Pelo que senti, se ex-prefa POLACO , do PMDB, não puder ser candidato - tá com vários processos no lombo - o PMDB irá de Salete Cadore mesmo....Olha, com esta onda de mulher, pode até ser que emplaque.Mas a Salete é muito antipática, não dá tapinha nas costas de ninguém, porém tem fama de competente. Seu forte é a educação e a Saúde...
Quando ouço falar da Salete - candidata me lembro que seu pai, Laurindo(hoje nome de parque esportivo) foi vice pela Arena( o partido que dava sustentação a ditadura militar) e ela está no PMDB, que durante muito tempo foi esteio da
resistência democrática no país. E que tempos atrás ela cobrava, num enterro, coerência política ao Mauro Rocha, que hoje está no PDT e que seu pai foi um dos primeiros candidatos do MDB de Serafina. Então, é bom olhar-se no espelho, às vezes!!!!


*Mas não tenho nada pessoal contra a Salete e acho até que ela faria uma boa gestão em Serafina. Só que haveria muita polêmica com certeza. Graças a ela, por exemplo, que o prédio da cantina foi tombado.Ela tanto mexeu os pauzinhos que conseguiu seu tombamento. Claro que a Salete também seria uma candidata das chamadas " elites" de Serafina. Seu pai foi um migrante que chegou em Serafina sem praticamente nada, anos atrás, botou um mercadinho onde vendia bananas,e outros mantimentos ( no porão de onde fica a casa deles atualmente) e construiu um forte poder econômico, com transportadora e fazendas.Ambos os pais de Salete são falecidos. A mãe é nome de escola.

*Não se fala muito em Haras na Câmara de Vereadores local. Haras em Serafina quer dizer outra coisa...mais precisamente uma casa de tolerância, como diziam antigamente que fica na saída para Guaporé e que pertence...bom deixa pra lá, um vereador de um partido , bom deixa pra lá....

*A apresentação dos coros na Igreja de Serafina na noite de sábado foi muito bonita. Me chamou a atenção a qualidade de alguns deles.

*Mas a igreja está totalmente mudada, por dentro.Não tem mais aquelas pinturas de antigamente.E pelos padres deveria ter sido derrubada muitos anos atrás. Um movimento local é que não deixou.

 

Histórias de um

porteiro da noite....

O Seo Jorge, que fica à noite no hotel Cá dei Monti, em SErafina, é um atrapalhado. Isto à primeira vista...A primeira impressão que tive disto é que um dia o cara iria botar fogo em tudo e sumir durante a noite.

Me enganei....

O Jorge que fica de noite no hotel Ca dei Monti é o cara que se aposentou, e agora cuida do hotel...Das onze em diante, ele dorme no sofá....quando chega um hóspede fora de hora, ela se acorda e vai abrir a porta, sempre sonolento.

Ele já viu muitas histórias de gente bêbada chegando depois das cinco da manhã no hotel e fazendo uma enorme aruaça...querendo isto, querendo aquilo, querendo champanhe coisa que no ca dei monti evidente que não tem...

O hotel que Jorge é plantonista da noite é de viajante. É deles que ele gosta:
- Os viajantes chegam, jantam e vão dormir. Pior é os que chegam das festas as cinco da manhã e querem continuar...

Numa cidade do interior, com os costumes ainda conservadores, seo Jorge tira de letra muita saia justa. Ele não dá nomes, mas já foi surpreendido com alguns fatos que ele não esperava.

Tem bronca principalmente de uma das duas colegas que cuidam do hotel de dia. Ela o deixa sempre na mão, ele tem que ir buscar toalha, lençol pros quartos, porque a atendente não fez isto no seu horário.

No dia seguinte, ele promete falar tudo pra sua empregadora, mas fica tudo por isto mesmo. Briga de empregados entre si...

As regras no hotel ca dei monti são dadas pelo seo Jorge. A porta da frente ele tranca..tem que saber que o ingresso é pela porta dos fundos...

Assim fica melhor pra ele que já está no sofá dormindo...

Vocês queriam o que , que hotelzinho de viajante tivesse mordomia de cinco estrelas???

Que nada, com seo Jorge é no tacão mesmo....até porque ninguém vai ligar pra dona do hotel as 3, 4, 5 da manhã...

E as seis horas, ele desaparece...só volta na noite seguinte....


DE Serafina

Ganhei um vinho tinto do Fernando Lazari que é o vinho do padre. Ele tirou da bordoleza direto pro litro..não é o vinho aquele falcatrua de Bento, do Serginho Ros...

Este do Fernando cheira a uva....tomei meio copo só e senti o aroma da uva...

*Uma vez fui no Polentaço, de Monte Belo do Sul. Quando cheguei na rodoviária de Bento perguntei onde tinha vinho bom. O cara matou a pau:
- Os velhos que sabiam fazer vinho bom morreram. Os vilhos só fazem água,açuçar e corante. Tenho dito.

*Vinho de Bento é vinho pra turista paulista que não entende xongas...eles pagam uma fortuna e ainda acham a sétima maravilha do mundo...bauci i ze( burros são ...)


*O vinho que ganhei do Farnando Lazari em Serafina é daqueles que antigamente os colonos só levavam pro padre e pro médico..Ou então que se tomava na cantina de cada colono quando em cada casa se fazia vinho,mascando a uva com os pés nos tinaços..fiz muito isto


De Serafina


A esposa do Fernando Lazari me contou que anos atrás, antes de conhecer o atual marido, ela teve um "ficante" em Cadorna, onde ela nasceu. E o camarada dava carteiraço dizendo que era parente do CACO BARCELLOS.Fui averiguar e não é nada, nunca ouviram falar do caloteiro que queria mostrar importância.

Seu marido o chama de CACO mesmo!!!

ARGENTINA: ANALISTAS POLÍTICOS DIZEM QUE CRISTINA DE KIRCHNER VENCERÁ ELEIÇÕES

Não sei se era isso..
...Cuidado para eles não chuparem... Um abraço Gelson.

Gelson Farias


Eleições gerais acontecem no dia 23 deste mês

De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides.

Faltam poucos dias para as eleições presidenciais na Argentina e os cartazes nas ruas são vistos com indiferença pela população. A oposição não mostra força suficiente para reduzir a diferença de 40 pontos com relação à Cristina Kirchner. As eleições gerais na Argentina em 2011 serão realizadas no domingo 23 de outubro. Será proclamado presidente no primeiro turno aquele que obter mais de 40% dos votos válidos e tiver uma diferença mínima de 10% em relação ao candidato que o segue O candidato que for eleito irá assumir a presidência em 10 de dezembro de 2011 e vai permanecer no Executivo por um período de quatro anos.
Também ocorreram em 23 de outubro, juntamente com a eleição presidencial. Serão renovados 130 membros da Câmara dos Deputados e 24 membros do Senado. Os legisladores eleitos tomarão posse em 10 de dezembro e permaneceram neles por quatro anos para deputados federais (2011-2015) e seis anos para os senadores (2011-2017).
Para os analistas políticos, os resultados mostram a debilidade da oposição - fragmentada - no cenário político argentino. "Ou a oposição se reorganiza e apresenta uma proposta mais atraente ou repetirá a derrota na eleição presidencial.
E mais. Dizem que a oposição parece não ter um líder para enfrentar a reeleição de Cristina. Foi a primeira vez que a Argentina votou em eleições primárias para as eleições presidenciais de outubro. Os eleitores votaram em listas de pré-candidatos à Presidência e vice, deputados de províncias e na capital, Buenos Aires, e senadores em Buenos Aires.


Frente para a Vitória
Cristina Fernandes de Kirchner, a atual presidente da Nação Argentina. Em 21 de junho de 2011 confirmou publicamente sua candidatura à reeleição, foi uma decisão que, em suas próprias declarações, havia tomado desde a morte prematura no final de 2010 de Néstor Kirchner, que foi seu cônjuge desde 1975, o ex-presidente da Nação (2003-2007), presidente do Partido Justicialista e um forte candidato da Frente para a Vitória para as eleições presidenciais.
A atual presidente é apoiada por vários líderes, incluindo: Hugo Moyano, o secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Antonio Caló, o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos (UOM) Luis D´Elias, o Secretário-Geral da Federação de Terra e Habitação (FTV) e Central de Movimentos Populares (CMP assim como os governadores, vários legisladores, funcionários, as associações Mães da Praça de Maio e Avós da Praça de Maio, (dirigidas por Hebe de Bonafini e Estela de Carlotto). Seu companheiro de chapa é Amado Boudou, o atual Mini