"Longos dias têm cem anos..."



3 de agosto
de 2015

HJ SEGUNDA É O DIA D DA GREVE OU AMEAÇA DOS BRIGADIANOS

SABADO NO ANTONIO LANCHES O LUIZ GARANTIU QUE IRIA TRABALHAR ARMADO COM SEU ' TREISOITÃO"..

É DE VER.

E HJ NO ANTONIO TEM CARNE DE PANELA, DAS MELHORES POR 12 PILAS.

* NA 6 COMI PICADINHO E CEVA NO PERIMETRAL...MAS CUSTA OS OLHOS DA CARA. O TASCA QUE PAGOU ACONTA DEIXOU LÁ 140 CONTOS.
O PERIMETRAL É DO BUFFET QUE É DONO DE MEIA PORTO ALEGRE.

SE EU ENTENDI É UMA GREVE DOS BRIGADIANOS E DA Pc?????

NAO ENTENDO DE CONSTITUIÇÃO MAS ACHO QUE GREVE DE FORÇA PÚBLICA É CASO DE SEGURANÇA NACIONAL. TEM QUE TER INTERVENÇÃO....

OS BRIGADIANOS FORAM A PÉ AO BEIRA RIO. EU OS VI ALI COM OS CAPACETES JUNTADOS NUM CANTO.

COM TODO O RESPEITO AOS PRAÇAS, ELES TÃO APENAS PAGANDO O PATO....

 

ACEG

DESCONTRAIDO, CHEGUEI HJ PRA VER INTER X CHAPECOENSE....

O FUNCIONA´RIO DA ACEG NÃO ME CREDENCIOU PORQUE EU NÃO TINHA SOLICITADO ISTO ATÉ 6 PASSADA.

DEIXA ELES NO FIM DO ANO VIREM ME PEDIR DINHEIRO....(oc)

 

cOLEGUINHAS

LAMENTO INFORMAR COMO DISSE O BRITTO QUANDO ANUNCIOU A MORTE DO TANCREDIS NEVER MAS A ROSANE, COM TODO O RESPEITO, PISOU NA BOLA NO FEICE DA MANUELA...

* SE ELA TIVESSE OUVIDO O CONSELHO DE ALGUÉM, TERIA DEIXADO A RAIVA PRA LÁ....

* VAI SE INCOMODAR...

* O ADOLFO NÃO LEVA LIVRE...

 

ESCLARECIMENTO

DANIEL KONDORFER, GARÇÃO, NÃO TRABALHA MAIS NO AGAPIO LANCHES DA JOSE DE ALENCAR.

* MAS AINDA É UM GRANDE PROFISSIONAL. DOS MELHORES DA PRAÇA....

 

SARTORON DAS MALDADES

O CORREINHO TÁ FAZENDO UM BOM PAPEL. A CAPA DELE NO SABADO TAVA OTIMA...

* NÃO SEI QUEM TÁ FAZENDO MAS TÃO SAINDO DE CIMA DO MURO, COMO A ' OUTRA'.

* A OUTRA É A RBS....

* ALIAS A IURD-RECORD TÁ MORDIDA COM O SARTORON. ELES ACHAM QUE O SEC DA COMUNICAÇÃO DÁ PRIORIDADE À OUTRA.

* BRIGINHA DE ' FULANIZAR', COMO RESPONDEU O SEC FELTES AO REPORTER GABRIEL JACOBSEN QUE PERGUNTOU PORQUE SARTORI TINHA DADO ENTREVISTA A OUTRA EMISSORA E FORA NA COLETIVA.

* DEIXA ELES FICAREM ' MORDIDOS'. NOS OUVINTES GANHAMOS. MAS O TASCA ME DISSE QUE NO SALA DE SEXTA, DERAM UM PAU NO SARTORI, PORQUE SEGUNDO ELES O SARTORON ' SE ESCONDE'....(oc)

 

NUCLEO DURO DO GOVERNO SERIAM ESTES TRES?



pelo menos é o que os colunistas politicos tãod izendo. o "Nucleo duro do Piratini...."

Feltes já era temido pelos petistas. quando ele ocupava a tribuna na gestão passada, o funcionário da salinha JCTERLERA, que era petista, parava e ia pra frente da teve ver o que o ex-prefeito de Campo Bom tinha a dizer:

- IH, LÁ VEM O XIITA, DIZIA O NOSSO CUIDADOR DA SALINHA TERLERA.

HJ Feltes está num cargo muito importante. cuidar do caixa do gov. Sartori.

 

MAIS MALDADES DO SARTORON

Um assessor do dep federal LUIZ CARLOS HEINZE esteve pouco tempo atrás com o gov.

e comentou as medidas que viriam:

- Ih, a coisa vai piorar, disse, realista, SARTORON DAS MASSAS.

FALAR NISTO ONDE ANDA O BRUXO DA CAMPANHA DO SARTORI...????

PQ ELE NÃO CHAMA A MÃE DO SARTORON PRA DAR CONSELHOS PROS FUNCIONA´RIOS NA TEVE????

 

CHORORO SARTORIANO

1. nos ultimos 44 anos, 37 deram prejuizo no governo do estado...

2. caso os projetos na ALRS sejam derrotadas, não será ' uma derrota do Governo"(marcio Biolchi...)

3. chamamos todos os partidos na sec da fazenda, ng tinha feito isto( Feltes, o xiita...)

4. Cristiano Tatch, secretário do planejamento,entrou pelos fundos, quando a coletiva já tava começando

5. Grupo sinos e gabriel jacobsen, da guaíba, se queixaram da não presença de sartori na coletiva de 6. os demais perguntaram coisas objetivas.

6. a coletiva foi bem organizada, depois que começou.

7 o sec da comunicação sentou na mesa dos secretários, os chamados de ora em diante aqui ' nucleo duro do governo'...

8 este PMDB nada tem a ver com o simon, do b ritto, do qual só sobrou nela o cristiano tatch...

9 apenas o gov era da turma do simon, foi seu sec de obras sociais, ou do trabalho, ou ação social, sei lá que nome tem isto.

10. sartori tem os coleguinhas engasgados...tudo porque durante a campanha eles os esnobaram. achavam que o gringon da serra era um tosco que ficaria no primeiro turno.

- não sou conhecido, por isto vou me apresentar, disse um dia na federasul numa coletiva onde eu estava.

11. a opinião pública pelo que ouço nas ruas tá meio diviida. mas ele tem apoio no que táfazendo. ele errou ao se aumentar, isto eu ouço o pessoal reclamando.

12. e se vender trolhos como o palacio de canela, a corag, a tve, e outras terá mais apoio ainda.

13. mas não é louco de mexer no banrisul, aí ele se estrepa. o banrisul é meio como o hino riograndense que comemora uma guerra que os gauchos perderam..

14. o gringon da serra sabe se esconder muito bem.deve ter alguns conselhos do turco da protásio.(OC)

 

O TURCO DA PROTASIO

é conhecido o folclore em torno do estilo de não decidir de pedro simon...

contam que um dia o garção quis saber se o cafezinho ia com açúcar ou sem ao que simon retrucou,furioso:

- po até isto tenho que decidir....

* um dia o nestor fedrizi que tinha entrado com 14 assuntos pra decidir na audiencia, na saída encontrou o filho, presidente da TVE e desabafou:

- meu filho, olha aqui o que é o simon. e mostrou...dos 14 todos ou praticamente todos, simon mandou fedrizi falar com o Koff, que era chefe da casa civil, ou coisa que o valha...

* faraco queria saber se simon iria ou não ao senado, largando o governo e deixando guazzelli no posto.

- olha, faraco, disse o enigmático simon, eu não fico um dia sem mandato.

ficou só agora que não foi reeleito senador.

 

o turco da protasio...

durante a campanha de 98 fiquei louco pra perguntar pro simon o negócio do daudt. mas o xuvisco tinha me dado ordens de não falar com ele, se ele não falasse comigo.

mas perguntei sobre uma greve de delegados num carnaval. ele me disse.

- na 4 feira de cinzas chamei a imprensa e disse que aquele tinha sido o carnaval mais tranquilo dos ultimos anos. eles,os delegados, voltaram ao trabalho no outro dia.(OC)

 

coletiva de FELTES VIRA RONHA ENTRE GAUCHA E GUAIBA...



quando o repórter Jacobinsen da Guaíba pegou o microfone pra perguntar ao sec Feltes na coletiva desta 6 feira sobre atraso de salários, ele tava mais afim de cutucar o Sartori por não ter ido a coletiva.

- Porque o gov não está aqui? quis saber o representante d rádio da IURD.

Feltes deu uma resposta dizendo que o gov já tinha se comunicado com a sociedade( na verdade, uma saída lateral...)

- Ué, rematou o repórter, mas pra outro veículo ele falou hoje de manhã.

Era pra gaúcha, claro...

A Record guaiba, correio tão mordidos com o sartoron pq os bruxos do governador tão mandando ele falar mais pra RBS.

Ué, mas não é a mais ouvida???(olides canton)

 

COLETIVA DO FELTES VIRA PRAÇA DE GUERRA



QDO CHEGUEI POUCO ANTES DAS 11 DESTA 6 NA COLETIVA NO PRÉDIOD A FAZENDA - O VELHO PREDIO A BEIRA DO GUAIBA - ENCONTREI TUDO FECHADO. TRANCADO. ACHEI ESTRANHO. ESPERAVA VER MOVIMENTAÇÃO...QUE NADA. O GUARDA MANDOU CHAMAR UMA SENHORA QUE LOGO VEIO ME DIZENDO:
- O SENHOR É DE QUE VEICULO.
- O MEU RESPONDI.

DEI MINHA CARTEIRA DE JORNALISTA DO SINDICATO.

ELA FOI, FICOU UM BOM TEMPO. POR SORTE TINHA TIRADO A CINCO MINUTOS UM XEROX DO MEU JORNAL DE AGOSTO. DEI PRA ELA.

ELA DEMOROU...DEMOROU...E DEPOIS VOLTOU.
AI QUANDO LHE PEDI DE VOLTA MEU DOCUJMENTO ELA ME DISSE. MAS O SR. NÃO VAI ENTRAR.

AI ENTREI.

ENQUANTO ISTO CHEGOU O SILVIO, MEU AMIGO E COLEGA QUE TAVA COM A CARTEIRA DA ACEG NO PESCOÇO. NÃO SEI O QUE A ACEG TINHA A VER COM A COLETIVA DO FELTES MAS ELE ENTROU COM ELA.
ACEG É PRA JOGO DE FUTEBOL, NÃO PRA COLETIVA DE CORTE E NÃO PAGAMENTO DE SALÁRIO.

NA SUBIDA NO ELEVADOR, EU COMENTEI:

- PO,AGORA NOS SOMOS OS CULPADOS DO ATRASO DO SALÁRIO.

UMA FAXINEIRA QUE TINHA PEGO O ELEVADOR, RIU BAIXINHO. A DANADA ENTENDEU MINHA IRONIA.

AH, EM TEMPO.
ENQUANTO TAVA NA PORTARIA CHEGOU O CRISTIANO TATCH, SEC DO PLANEJAMENTO.TENTEI ENTRAR COM ELE, MAS UMA ASSESSORA DELE DISSE PRO SEGURANÇA QUE EU NÃO ERA DA COMTIIVA DO SECRETARIO. ME CORTARAM.

PO ME LEMBREI DE COBERTURAS DO TEMPO DO MILICOS. PO QUE IRONIA, NUMA COLETIVA DO SARTORI, QUE FOI DO PCB, TODA ESTA TENSÃO,ESTA SEGURANÇA. É O PODER MUDA MESMO AS PESSOAS E AS CIRCUNSTANCIAS..

ISTO ME LEMBROU DO DIA QUE FUI NUMA AUDIENCIA COM UMA EX-COLEGA QUE IA REPRESENTANDO A ZH NA JUSTIÇA DO TRABALHO. ELA CHEGOU LÁ E QDO ME VIU ME ENCAROU COM OLHOS DE ODIO E ME DISSE:
-AGORA ESTAMOS EM LADOS OPOSTOS. NUNCA ESQUECI A FRASE DELA.
POIS É SARTORI,VELHO COMPANHEIRO. AGORA ESTAMOS EM LADOS OPOSTOS. EU CONTINUO REPORTER, O SR. VIROU GOVERNADOR COM SUAS RESPONSABILIDADES. NÃO É O PODER QUE MUDA AS GENTES, SAO AS CIRCUNTANCIAS.(OLIDES CANTON)

AH E O SARTORI NEM FOI NA COLETIVA. COMO ACHARAM ELE MUITO ' CAGÃO' - DESCULPEM A EXPRESSAO - PARECE QUE ELE VEIO A PUBLICO E DEU UMA COLETIVA + TARDE. NÃO FIQUEI SABENDO. MAS O FELTES JÁ TINHA EXPLICADO TODAS AS MALDADES QUE O GOV TINHA APRONTADO. QUE EU NÃO ACHO TANTO MALDADES. É ISTO...NÃO TEM GRANA, NÃOS E PAGA.

 

A COLETIVA DO FELTES EM SI FOI BEM ORGANIZADA



DISTRIBUIRAM TODOS OS DADOS QUE FORAM APRESENTADOS, IMPRESSOS.

* pERGUNTEI AO FELTES SE O RS PODE LANÇAR DE NOVO ' BRIZOLETAS'.

ELE DISSE QUE NÃO. NÃO SE PODE...

* E NÃO HOUVE NENHUMA BAIXARIA DURANTE A COLETIVA.

* QDO TERMINOU AS TEVES FORAM GRAVAR COM O SEC DA FAZENDA.

* DEPOIS DA COLETIVA PENSEI: PQE TANTO STRESS PRA ENTRAR????

- ISTO SÃO OS ' BOZO DA GROBO' QUE INVENTAM PRA SE DAR IMPORTANCIA PENSEI PRA MIM MESMO.(oc)

 

coletiva do feltes



Marcio Biolchi, chefe da casa civil, tb falou na coletiva.

o mesmo chororó.....

* o sec burigo não abriu o bico....

* o sec da comunicação explicou pq o sartoron não pintou no pedaço....

na coletiva das ' maldades' o gov "Sartoron das massas" sumiu.escafedeu-se.....

deixou tudo com o ' XIITA ' GIOVANE FELTES....

e como a imprensa oficial que anda por chama ' O NUCLEO DURO DO GOVERNO'....

como eles, digo a mídia que chama assim, sabem que eles são duros???

isto é uma bobagem que começa a ser dita e depois todos copiam nem saber o que quer dizer...

pra entrar pra coletiva foi pior que muitos tempos da DITADURA, que aliás o SARTORI MUITO COMBATEU. ELE TEM QUE DAR UMA OLHADA SOBRE QUEM ESTÁ EM VOLTA DELE.SE NINGUEM DIZ PRA ELE, EU DIGO.(OLIDES)

 

PARIS CARA

MINHA FILHA ESTÁ SE MUDANDO UM ANO PRA PARIS. TÁ VENDO ALUGUEL DE UM APEZINHO. TÁ EM CERCA DE MIL EUROS.

* MAS QUE BELA CIDADE. IMAGINA ACORDAR UM DOMINGO E IR A MISSA NA NOTRA DAME....OU DE TARDE QUANDO TEM CONCERTO DE ORGÃO.

 

CONCERTO NA MARTIN LUTHER

FOI ESTA MANHA COM A VOLTA DA PROFI ANNE SCHNEIDER NO ORGÃO. DEPOIS SE APRESENTOU UM CORAL....

 

FOGO DE PALHA

DE ONDE MENOS SE ESPERA DAÍ QUE NÃO SAI NADA MESMO...

* quemachou que iria sair algum coelho daquele mato, se enganou.

* O GREMINHO CONTINUA O MESMO......

 

Catamarã

O CATAMARÃ ENCOSTANDO E SAINDO NO GUAIBA DE PORTO ....

 

do Sul21

‘A retirada de 330 árvores nos assusta’, diz presidente da Agapan sobre obras do Cais Mauá


As obras no Cais do Porto irão implicar no corte de 330 árvores, segundo aponta o Estudo de Impacto Ambiental|Foto: Guilherme Santos/Sul21

por Jaqueline Silveira

As obras de revitalização de Cais do Porto reacenderam o debate quanto à preservação ambiental de Porto Alegre. Recentemente foi entregue à prefeitura o Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) do empreendimento. Com 2,5 mil páginas, o documento aponta o corte de 330 árvores no trecho entre o Cais e a Usina do Gasômetro. Em compensação está previsto o plantio de 769 mudas, porém não há informações sobre o local onde será feita a reposição. O número de mudas a serem plantadas leva em conta a altura e o tipo de árvore removida. O estudo, realizado pela empresa ABG Engenharia e Meio Ambiente, analisou ainda a vegetação da área que receberá a obra e constatou que 90% dela se encontra na área em que deve ser erguido o empreendimento – 75% dela constituída de espécies exóticas.

Assim que tomou conhecimento de algumas das conclusões do EIA-Rima, a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) divulgou nota criticando os projetos de revitalização do Cais Mauá e da Orla do Guaíba que, segundo a entidade, não privilegiam a cidade e também trazem prejuízos ao meio ambiente. Além disso, a nota alerta que Porto Alegre está menos verde. Em 2014, conforme a Agapan, foram cortadas 2.951 árvores e foram plantadas 2.275, porém nem todas as mudas sobreviveram. Com base em dados fornecidos pela própria Secretaria de Meio Ambiente (Smam), a associação informa que, nós últimos 10 anos, foram derrubadas mais de 34 mil árvores na Capital. “Porto Alegre tem cada vez menos árvores nos bairros e mais carros circulando, congestionando e poluindo o ar”, diz um trecho do texto.

Atualmente, de acordo com estimativa da Smam, Porto Alegre tem 1,2 milhão de árvores. Novo presidente da Agapan, o engenheiro agrônomo Leonardo Melgarejo argumenta que o corte de árvores preocupa a entidade, uma vez que a derrubada ocorre em locais concentrados e a reposição é feita em locais dispersos. Embora a associação não atribua o mesmo peso às espécies nativas e exóticas, ele sustenta que não “é um bom negócio” substituir uma “árvore adulta” por muda, já que não há garantia de vida da planta reposta. “A retirada de 330 árvores nos assusta. O índice de depredação é grande e a consolidação é baixa”, observa o presidente da Agapan.


Na região da Usina do Gasômetro está a maior quantidade de vegetação removida para as obras. Estimativa é que Capital tem 1,2 milhão de árvores|Foto: Guilherme Santos/Sul21

Nova lei regra a compensação

Secretário do Meio Ambiente da Capital, Mauro Moura afirma que a prefeitura fiscaliza a reposição e que cada “árvore cortada é compensada”. No momento da entrega da obra, segundo ele, a Smam verifica se todas as medidas de compensação previstas foram cumpridas, já que a secretaria precisa emitir “um termo de recebimento” no encerramento do processo da licença. Ele acrescenta que os licenciamentos também são fiscalizados pelo Ministério Público e pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Além disso, Moura ressalta que, desde janeiro deste ano, está em vigor uma nova lei que aperfeiçoa as regras sobre a compensação e que a Sman está trabalhando para colocá-las em prática, uma vez que é uma legislação nova. Antes, a lei que regulamentava a compensação era de 1983. “As normas são de forma bem intencionada, mas as práticas nem sempre são bem intencionadas”, avalia o presidente da Agapan, citando o corte das mais de 300 árvores para revitalização do Cais. “É trocar o útil e necessário por uma promessa”, exemplificou Leonardo Melgarejo, sobre a futura reposição de 769 mudas.

O secretário do Meio Ambiente frisa, entretanto, que a quantidade de árvores a ser derrubada para a revitalização do Cais do Porto não é definitiva, pois o assunto ainda será discutido com a comunidade em audiência pública neste segundo semestre. “É uma proposta que não passou pelo crivo da Smam”, acrescenta Moura. O parecer da Secretaria do Meio Ambiente, segundo ele, só poderá ser emitido depois do debate com a população. Já sobre a obra de revitalização da Orla do Guaíba, o secretário afirma que está sendo feita “uma reavaliação” do projeto de arborização.


Secretário do Meio Ambiente diz que a quantidade de árvores a serem removidas para a revitalização ainda será discutida com a população |Foto: Guilherme Santos/Sul21

Quanto ao conflito sobre o corte e reposição de árvores, Moura frisa que é natural a polêmica quando se trata desse assunto. “Às vezes, um morador não quer, por exemplo, uma árvore em frente a sua casa por questão que pode servir para o ladrão se esconder”, exemplifica o secretário, sobre os conflitos envolvendo o tema.

Corte e reposição de árvores para obra do Cais

Total de árvores a serem cortadas – 330

Total de árvores preservadas ou realocadas – 19

Total de árvores compensadas – 760

Usina do Gasômetro

Árvores derrubadas – 227

Árvores preservadas – 3

Compensação – 515

Praça Brigadeiro Sampaio

Árvores derrubadas – 15

Árvore transplantada – 1

Compensação – 46 mudas

Setor das Docas

Árvores Derrubadas – 57

Árvores realocadas – 14

Compensação – 145

Passagem Ramiro Barcelos

Árvores derrubadas – 23

Compensação – 47 mudas

Setor dos Armazéns

Árvores derrubadas – 8

Árvore transplantada – 1

Compensação – 16

Reposição da Avenida Beira-Rio está em andamento

Em 2013, a derrubada de árvores para a duplicação da Avenida Beira-Rio (Edvaldo Pereira), obra da Copa do Mundo, gerou protestos, batalha judicial, marchas e até o movimento “Ocupa Árvores”, que por 43 dias permaneceu acampado nos arredores na tentativa de impedir o corte. Porém, numa ação surpresa para evitar protestos, na madrugada do dia 29 de maio, a prefeitura, com o auxílio do aparato da Brigada Militar, retirou as árvores.


Em 2013, foram removidas mais de 200 árvores para a duplicação da Avenida Beira-Rio, obra da Copa do Mundo. Para evitar mais protestos, prefeitura removeu a vegetação na madrugada |Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Ao total, conforme a assessoria de imprensa da Secretaria do Meio Ambiente, foram removidas 215 árvores correspondendo a uma área de 4,8 mil metros² de vegetação. Em contrapartida, deveriam ser plantadas 1.379 mudas, além da compensação em dinheiro destinado ao fundo que financia ações e equipamentos para área ambiental.

O secretário Mauro Moura afirma que o plantio das mudas está sendo feito e que parte da reposição vegetal ocorreu nos arredores da Avenida Beira-Rio. O restante seria realizado em outros lugares da cidade. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria do Meio Ambiente, a maior parte da compensação em dinheiro já foi cumprida (leia mais abaixo) – o que ocorre quando há inviabilidade de reposição na própria região. Já a compensação vegetal, exceto a entrega de 165 mudas ao viveiro municipal, está em andamento e irá se prolongar até o final do mês de outubro. Já quanto às áreas do plantio das mudas, a obtenção dessas informações revelou que a fiscalização da prefeitura é precária. O secretário pediu que as informações das áreas fossem solicitadas à assessoria de imprensa, que, por sua vez, repassou a outros setores. De terça-feira (21) até a tarde desta sexta (24), a Secretaria do Meio Ambiente não conseguiu disponibilizar os dados solicitados pelo Sul21.

Aliás, o acesso a esse tipo de dado é motivo de reclamação tanto da Agapan quanto do coletivo “Cais Mauá de Todos”. “Nós temos a mesma dificuldade de vocês só que há mais tempo”, afirmao sociólogo João Volino, representante do coletivo, sobre as áreas de reposição da vegetação.


Secretaria do Meio Ambiente não conseguiu informar as áreas onde foram ou estão sendo plantadas as mudas em substituição às árvores derrubadas na avenida|Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

“Depois desse conflito (derrubada de árvores na Avenida Beira-Rio) parece muito temerário cortar mais de 300 árvores”, avalia o presidente da Agapan, adiantando que haverá protestos dos ambientalistas com o fim de barrar a remoção dessa grande quantidade de árvores. Melgarejo afirma que assim que a entidade analisar detalhadamente o estudo do impacto ambiental pedirá uma agenda com a Smam para tratar do assunto.

Audiência popular

Já o coletivo “Cais Mauá de Todos” promoverá um audiência popular no dia 1º de agosto, às 15h, na Praça Brigadeiro Sampaio, um dos locais atingidos pelas obras de revitalização. Representante do grupo, o sociólogo João Volino diz que a ideia é debater com a população dos arredores para discutir o assunto. “A população entender que os espaços públicos precisam de uma ampla discussão com a sociedade”, argumenta ele, acrescentando que, se for necessário, deve ser realizado referendo ou plebiscito sobre obras em lugares públicos da Capital. Na Praça Brigadeiro Sampaio, há previsão de um estacionamento e a construção de uma alça elevada, mas a audiência quer oportunizar a exposição de diferentes pontos de vista sobre o modelo de revitalização de todo o Cais Mauá. “Esse modelo de projeto nós não concordamos. Nós queremos a revitalização da área, mas não ao preço de shopping e de estacionamento”, ressalta Volino, sobre as obras previstas em um dos cartões postais de Porto Alegre.

Na Praça Brigadeiro Sampaio serão derrubadas mais de 15 árvores para revitalização. Em agosto, será realizada uma audiência popular para tentar barrar a obra no local|Foto: Guilherme Santos/Sul21

Fiscalização do MP

Promotora de Justiça e de Defesa do Meio Ambiente da Capital, Josiane Camejo explica que o Ministério Público não faz uma fiscalização direta em relação às licenças concedidas. Isso corre, segundo ela, quando, no curso de alguma investigação, vem à tona a notícia de que foi concedida licença a um cidadão ou a uma. Foi o que ocorreu no caso da remoção das árvores da Avenida-Beira, motivando o ingresso de uma ação civil pública pelo MP contra a prefeitura da Capital. O MP chegou a obter uma liminar para suspensão do corte, mas depois a Justiça liberou a remoção.

A promotora ressalta que o poder público não tem obrigação de encaminhar relatório sobre o cumprimento da compensação, como o plantio das mudas e os locais, entretanto, quando requisitado, em caso específico, os dados são encaminhados para análise do MP.

Confira mais fotos de locais onde será removida a vegetação, entre o Cais Mauá e a Usina do Gasômetro:

Fotos: Guilherme Santos/Sul21

 

do mironneto.com

Aumento do número de turistas também reflete no hospital

O aumento de 20% no número de turistas em Gramado na atual temporada de inverno reflete, também, no número de atendimentos do Hospital São Miguel. Somente na segunda-feira (27) pela manhã, até às 10 horas, havia 43 atendimentos pelo SUS no setor de emergência. Entre os turistas, os casos mais frequentes são de crianças que já saíram doentes de suas cidades de origem, cardíacos que esqueceram de trazer remédios e - pasmem, até grávidas de oito meses que, em alguns casos, acabam tendo que fazer o parto em Gramado.

Novo diretor do Natal Luz anuncia: "Meu time é de craques"

Em entrevista para a colunista Fernanda Pandolfi, de Zero Hora, o novo diretor artístico do Natal Luz, Edson Erdmann, disse que a decoração da cidade será diferente neste ano. "Meu time é de craques. A luz é de Ricardo Fujii - que faz o Rock in Rio-, as coreografias são da Janice Botelho, e Dudu Trentin está na direção musical", anunciou Erdmann. De acordo com Edson Erdmann, o show de acendimento - que antes acontecia às 21 horas, será realizado às 20h30min.

 

do Jornal Panorama Regional

Preso denuncia tortura em Nova Prata

A Polícia Civil de Nova Prata investiga um suposto caso de tortura que teria acontecido no final de semana. Um jovem, com cerca de 20 anos, foi apresentado pela Brigada Militar na Delegacia de Polícia por tráfico de drogas. Durante o depoimento, ele teria dito que foi torturado por policiais militares, através de empalamento. O delegado André de Mattos Mendes disse que começou as investigações e que aguarda o resultado do Instituto Geral de Perícias. O homem está no Presídio de Nova Prata.

A comandante da segunda companhia da Brigada Militar, capitã Helena Beilfuss Santana, afirmou existir a denúncia e que na segunda-feira, 28, foi aberto um procedimento administrativo para averiguar as circunstâncias.

Dois meses depois, segue o mistério da morte de 'Baker'

O assassinato da psicóloga veranense Izabel Siviero Dal Ponte completa dois meses. Durante esse período, as investigações ainda não apontaram suspeitos. Conforme o delegado de Carlos Barbosa, Leônidas Augusto Reis, que substitui o titular de Veranópolis em férias, continuam sendo ouvidas pessoas ligadas à vítima, como familiares e colegas de trabalho, buscando encontrar uma motivação para o crime. Porém, ainda não existem informações concretas sobre o assassinato.

Na última semana, o delegado esteve em Veranópolis fazendo diligências. Ele declarou que não descarta as possibilidades para o crime, como assalto, latrocínio ou outra circunstância. Filmagens de câmeras também são analisadas, mas não apresentam imagens que possam contribuir na investigação.

 

da Folha Popular de Teutônia

 

do Sul21

“Estamos vendo o desenvolvimento de um embrião fascista no Brasil”, diz Roberto Amaral


Roberto Amaral esteve em Porto Alegre na última sexta-feira para lançar e debater seu mais recente livro, “A serpente sem casca. Da crise à Frente Popular”. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

por Marco Weissheimer

O Brasil está assistindo ao crescimento de uma onda conservadora e autoritária, de cunho fascista, que pode lançar o País em um grave retrocesso político, econômico e social nos próximos anos. Toda vez que o país se deixou dominar pelo pensamento de direita, acabou sendo tomado pelos valores do autoritarismo, que vem das raízes escravocratas das nossas chamadas elites, preguiçosas, incultas e profundamente perversas. A advertência é do cientista político, escritor e um dos fundadores do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Roberto Amaral, que esteve em Porto Alegre na última sexta-feira para lançar e debater seu mais recente livro, “A serpente sem casca. Da crise à Frente Popular” (Altadena Editorial) . O lançamento ocorreu no início da noite de sexta-feira, no auditório do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e região, reunindo lideranças políticas e sindicais, jornalistas, estudantes e professores universitários.

O fio condutor do livro de Roberto Amaral tem a forma de um alerta. A escolha do ovo da serpente como metáfora para falar da atualidade brasileira, enfatizou, é pela possibilidade de enxergamos a gestação de um embrião fascista no Brasil. “O fascismo não começa pela sua exasperação, ele começa lento, com ofensas verbais, e depois evolui para agressões físicas e coletivas. Esse conservadorismo é tão mais perigoso na medida em que ele está presente em todos os meios de comunicação e é destilado dia e noite junto à população”.

Para Amaral, a sociedade brasileira está sendo preparada diariamente para a interrupção do governo Dilma. “Já estamos vivendo uma série de golpes. Essa eleição vai se resolver em cinco ou seis turnos”. Neste contexto, ele defende a necessidade de formar uma frente popular, de caráter amplo e democrático, capaz de erguer uma barragem ao avanço do pensamento de direita no País.


Ao final do encontro no Sindicato dos Bancários, Tarso Genro leu um manifesto em defesa da construção de uma frente democrática e popular e colocou-o aberto para receber assinaturas de apoio. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Autor da apresentação do livro, o ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, destacou a existência hoje no Brasil de um conjunto de movimentos frentistas que partem de uma mesma constatação: a forma pela qual se estabeleceram as coalizões políticas no País nos últimos anos está esgotada, o que exige pensar uma nova forma de organização, mais programática e que tenha uma estrutura frentista clara. Na mesma linha, Raul Carrion, da direção estadual do Partido Comunista do Brasil, assinalou que o momento é para avançar na direção da construção de uma frente popular e democrática ampla no Brasil, em torno de objetivos programáticos e não meramente eleitorais.


Céli Pinto: “Não podemos mais ficar dizendo que somos de esquerda porque estamos à esquerda da direita. Precisamos retomar algum conteúdo importante.” (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

A coisa mais importante dessa frente, disse a cientista política Céli Pinto, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é que ela precisa dar conteúdo à palavra “esquerda”. “Não podemos mais ficar dizendo que somos de esquerda porque estamos à esquerda da direita. Precisamos retomar algum conteúdo importante. Nós perdemos a nossa condição de esquerda e precisamos reconstruir isso”.

Ao final do encontro no Sindicato dos Bancários, Céli Pinto leu um manifesto em defesa da construção de uma frente dessa natureza e colocou-o aberto para receber assinaturas de apoio.

Roberto Amaral conversou com o Sul21 sobre o seu novo livro e sobre o atual momento político do País. A seguir, um resumo dessa conversa e de alguns dos principais pontos apresentados pelo autor durante sua fala no SindBancários:

O ovo da serpente e o embrião fascista

“O ovo da serpente tem uma característica especial: ele não tem casca, mas sim uma película muito fina e transparente que permita que se veja o embrião se desenvolvendo. O que quero dizer com essa metáfora é que nós estamos vendo o desenvolvimento de um embrião fascista no Brasil. Está em nossas mãos a decisão. Podemos deixar esse embrião crescer, sair desse ovo e amanhã picar o nosso calcanhar, ou podemos esmagá-lo agora. O ovo da serpente permite que vejamos à frente. Estou tentando chamar a atenção, não só da esquerda, mas das forças progressistas e democráticas em geral, para a ameaça de um grave retrocesso político e ideológico no País. Esse retrocesso não se mede apenas pela crise dos partidos, em particular pela crise dos partidos de esquerda e, de modo mais particular ainda, pela crise do PT. Tampouco se mede apenas pela crise do governo Dilma. Ele se mede, fundamentalmente, pela ascensão de uma opinião, que já está se tornando orgânica, de retrocesso conservador.”

“Já há um baluarte institucional perigosíssimo desse processo, que é a Câmara dos Deputados. Eduardo Cunha não foi colocado ali pelo acaso, ele representa um núcleo pensante conservador brasileiro. Esse núcleo, na Câmara, está representado pela chamada bancada BBB, ou seja, os grupos do boi, do agronegócio atrasado, da bala e da Bíblia, que reúne os evangélicos primitivos e midiáticos. Isso tudo se juntou”.


Roberto Amaral: “Nós metemos na cabeça que essa gente não formava mais opinião. Nos descuidamos e ficamos assistindo à construção de um monopólio ideológico, destilando conservadorismo de manhã, de tarde e de noite.” (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Esquerda não levou a sério o tema da comunicação

“Mas é preciso dizer que a grande responsabilidade por isso é da esquerda e dos nossos governos de centro-esquerda. Há mais de 40 anos, eu e outras pessoas – aqui no Rio Grande do Sul havia uma pessoa que lutava muito por isso, o Daniel Herz – viemos alertando sobre o poder dos meios de comunicação de massa no Brasil, sobre o monopólio da informação e a cartelização das empresas. A esquerda nunca acreditou nisso.”

“A primeira eleição do Lula serviu para mascarar esse problema. Nós metemos na cabeça que essa gente não formava mais opinião. Nos descuidamos e ficamos assistindo à construção de um monopólio ideológico, destilando conservadorismo de manhã, de tarde e de noite. Aqui, não estou me referindo apenas à Rede Globo, ao Globo, Estadão e Folha de São Paulo. Pior do que isso talvez sejam as rádios evangélicas, as rádios AM e FM, despejando diariamente xenofobia, racismo, machismo, homofobia e tudo o que é atrasado. Paralelamente a isso, nós não construímos uma imprensa nossa. E nem estou falando de uma imprensa nossa para falar com a sociedade. Não construímos uma imprensa nossa sequer para falar conosco mesmo. Os militantes do movimento sindical e dos partidos se informam das teses de suas lideranças pela grande imprensa. Nem criamos uma imprensa de massa, nem criamos uma imprensa própria.”

“Nos anos 50 e 60, nós tínhamos O Semanário, que circulava no Brasil inteiro defendendo as teses do Petróleo é Nosso e da Petrobras, tínhamos Novos Rumos, do Partido Comunista, a imprensa sindical e circulava também a Última Hora. Havia, então, um esforço para garantir um mínimo de debate. Isso tudo desapareceu e nada foi colocado no seu lugar. Com a chegada de Lula ao governo, os principais quadros do PT foram transferidos da burocracia partidária para a burocracia estatal e o partido acabou se esfacelando. Os principais quadros do movimento sindical também foram transferidos para os gabinetes da Esplanada”.

“A grande dificuldade que temos hoje para promover a defesa do governo Dilma é que perdemos o diálogo com a massa. Eu conversava dias atrás com uma ex-presidente da UNE e ela me dizia: ‘Professor, como é que eu posso entrar em sala e chamar os estudantes para uma passeata quando o governo está reduzindo as verbas para as bolsas de estudo’. Há um paradoxo entre a nossa política e a nossa base social. A Dilma não foi eleita pela base com a qual está governando. Ela atende os interesses dessa base com a qual está governando e não tem o apoio dela. Por outro lado, ela contraria os interesses da base progressista, a qual nós temos dificuldade de mobilizar para defendê-la. Esse paradoxo precisa ser enfrentado.”


Ex-governador Olívio Dutra também participou do lançamento do livro de Roberto Amaral que o apontou como uma referência ética e política para o presente do país. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

“Não devemos nos iludir com os compromissos democráticos da direita”

“Ninguém deve se iludir com os compromissos democráticos e legalistas da direita brasileira. É uma direita que sempre apelou para o golpe e para o desvio democrático. Está aí a história dos anos 50 e 60 repleta de exemplos disso. Ela não tem compromisso com a democracia. Seu único compromisso é com seus interesses de classe. E, lamentavelmente, parece que a burguesia no Brasil tem mais consciência de classe do que muitos setores proletários.”

“Há um segundo paradoxo, que é difícil explicar a não ser que você use aparelhos ideológicos. Nós já sofremos, de fato, dois golpes nos últimos meses. A direita perdeu as eleições, mas ganhou a política. Esta política econômica que está sendo aplicada é a política da direita. O segundo golpe foi a implantação de uma nova forma de parlamentarismo, que vive de subtrair poderes do Executivo. E há ainda um terceiro golpe em curso que consiste em refazer a Constituição sem ter poder originário para tanto, retirando da Carta de 88 conquistas que levamos décadas para aprovar e consolidar”.

Sobre a construção de uma frente ampla, popular e democrática

“Diante deste cenário, precisamos articular a formação de uma frente ampla, de uma frente popular que reúna os setores progressistas e democráticos do País. Eu não estou falando de uma frente de esquerda, pois com isso estaríamos nos encerrando em um casulo, voltando a ser ostra. Precisamos retomar um discurso para a classe média, que perdemos em função dos desvios éticos do PT. Nós não estamos pagando o preço de erros de governo, mas sim dos desvios éticos. Precisamos retomar um discurso que fale para os trabalhadores, para os setores médios, para as forças progressistas, que não são necessariamente de esquerda, falar com a empresa nacional que, neste momento, está sendo destruída neste País. Há uma tentativa de acabar com as principais empresas brasileiras, detentoras de know how, não por uma questão moral, mas para colocar no lugar delas empresas espanholas, chinesas e americanas.”

“Não estou pensando a constituição desta frente com objetivos imediatos e de caráter eleitoral, mas sim na perspectiva da reconstituição das forças progressistas. O ponto de partida para essas forças é construir uma barragem para conter o avanço do pensamento e da ação da direita. Para isso, precisamos voltar às ruas e voltar a debater com a população. Na minha opinião, o modelo no qual devemos nos inspirar não é o da Frente Ampla uruguaia. Esta tem algo que nós temos, partidos. É uma frente de partidos. Nós temos que construir uma frente de movimentos, da sociedade, preparada para receber os partidos e oferecer a eles um novo discurso, uma nova alternativa. Mas não trabalho com a ideia de um modelo pronto e acabado. O que vai decidir isso, como sempre, é o processo histórico”.


“A direita vem avançando e preparando ideologicamente a ideia do impeachment”.
(Foto: Guilherme Santos/Sul21)

A ameaça do impeachment

“Irrita-me o fato de nossas forças estarem acuadas por fantasmas. O nosso governo está acuado, enquanto ele tem o que dizer. Em face disso, como não há espaço vazio, a direita vem avançando e preparando ideologicamente a ideia do impeachment. Precisamos por isso a nu e exigir que a direita assuma publicamente se é golpista ou não. O senhor Fernando Henrique Cardoso tem que ser chamado às favas. O PSB e o PMDB têm que ser questionados a assumir se são golpistas ou não. Creio que a melhor forma de enfrentar a ameaça do impeachment, seja ela pequena ou grande, é dizer que ela existe. Dizer que ela não existe é perigoso. E o objetivo principal nem é mais a Dilma, é o Lula. Querem liquidar o Lula e o PT. Não se iludam. Se isso acontecer, não atingirá só o PT, mas toda a esquerda brasileira. Temos responsabilidades distintas pelo que está acontecendo, mas estamos todos no mesmo barco”.

 

Cinema

LITERATURA E CINEMA DE PAPEL

por Eron Duarte Fagundes

John Green é um americano que faz sua literatura de papel. Quer dizer, uma falsificação. Sucesso de livraria (o que hoje quer dizer: entre os jovens), o cinema inevitavelmente chegaria até ele. Cidades de papel (Paper towns; 2015), de Jake Schreier, é o segundo filme que sai da ficção de Green. A plateia que vai ver os filmes é praticamente a mesma que corre às livrarias. Apesar de incrustadas numa literatura e num cinema de massa (conceito largo, como se percebe atualmente), estas produções expõem citações eruditas.

Superficialmente: citação sem adequação ou reflexão narrativas, mero floreio ilusório. No caso de Cidades de papel são os poemas de Walt Whitman que fornecem uma espécie de charadinhas em corrente sobre o desaparecimento da principal personagem feminina, Margo (o desaparecimento desta criatura em crise nada tem que ver com mulheres insatisfeitas que sumiam no começo de certos filmes do italiano Michelangelo Antonioni...). Em busca dela, Quentin e outros colegas partem rumo duma dita “cidade de papel” onde a desaparecida estaria escondida, curtindo suas encucações longe da badalação social que a enfastiara em certo ponto.

Segundo minha filha, uma adolescente de quinze anos, que leu o livro, o filme inseriu na viagem coisas que acontecem antes da viagem, meteu na viagem a personagem da garota negra (o que não acontecia no livro, ela se recusava a ir) e acavala os acontecimentos do meio para o fim. Não posso avaliar isto ao passar os olhos pelas páginas do romance. O que vejo é uma linguagem e uma narrativa feitas de acordo com uma trivialidade contemporânea destes tempos de telegrafismo internáutico.

Bem, Cidades de papel mostra uma das ingenuidades da cultura de massa de nossos dias. Fazer com que se pense que é possível incluir Whitman no universo atoleimado de uma certa juventude. Não creio que isto possa ocorrer naturalmente.

 

Artigo

Poder, cegueira e arrogância

por Christopher Goulart, advogado, primeiro suplente de Senador (PDT-RS)

Vivemos uma crise política e econômica, dizem alguns, sem precedentes. Guardadas as proporções da realidade contemporânea, diversas tentativas de golpes – e golpes consumados, já ocorreram em nossa história. Considerando o próprio levante político-militar de 15 de novembro de 1889, verifica-se a natural luta pelo poder no transcorrer dos tempos e suas nefastas consequências para a população. Seja na República Velha, na consolidação do Estado brasileiro após a Revolução de 30 até o percurso do longo caminho dos dias atuais, não foram poucas as crises republicanas.

Entre tantos obstáculos superados, comparações nem sempre precisas apontam a data de primeiro de abril de 1964, alegando a similaridade do momento. A polarização radicalizada de ambos os períodos são consequências de causas diferentes, pois as razões da deposição do Presidente João Goulart são exatamente as mesmas exigidas hoje pela sociedade brasileira: Refiro-me às profundas reformas estruturais de Estado. Lá, avançamos pela ação. Aqui, estagnamos pela omissão!

Incompreensível lógica de poder, cego e arrogante, que perpetua o confronto entre “comunistas” e “liberais”, ou “petralhas” e “coxinhas”, enquanto o país se afunda na lama. Convivendo todos dentro dos mesmos limites geográficos, raríssimas lideranças buscam um entendimento entre as partes.

Certo é que a história ensina caminhos, fundamentados em experiências vivenciadas. Logo, sabemos que os momentos de crise são importantes igualmente para percebermos o verdadeiro compromisso dos políticos com a paz da Nação. Entre o desejado projeto popular e o defasado projeto elitista Colonial, também resta evidenciada a pregação inglória dos que aniquilam o conceito de pátria.

No furacão desta crise aguda de valores, interessa ao Brasil os poucos que restam com fortalecido sentimento de união, de busca de diálogo, mesmo quando ninguém dialoga. Interessa a compreensão de que somos sim um país forte. A justiça, aliada ao bom senso, devolverá o nosso orgulho de sermos brasileiros.

 

de Serafina

Nave del Imigrante

Este ano de 2105 a Nave del Imigrante completou 29 anos.Eis aqui fotos do dia que foi instalada em SCorrea. inauguração foi em 20.7.1986, quando o prefeito Sergio Massolini fez a inauguração do monumento feito pelo artista plástico Paulo Batista de Siqueira ( 26.07.1949/ 30.07.1996(nasceu em Soledade/RS Faleceu em Chapecé (SC) Ele chegou a morar dois anos em Serafina numa casa que ficava na ida pro Rio Carreiro que foi derrubada(hoje seria um monumento da História do municipio com a fama que a nave adquiriu mas fazer o que se em Serafina tudo o que ' velho' é derrubado pela fúria da especulação imobiliária....

Mas voltemos a nave....Sérgio Massolini viu uma obra do artista me parece que em Sarandi(RS).
Foi atrás do seu autor. O barco foi trazido de São Sebastião do Caí, se não estou enganado, porque a parte histórica da cidade ainda é meio precária.



O restante do monumento o artista catou pela cidade, nas oficinas mecânicas e ajudado por moradores locais que se mobilizaram para isto(olides canton)



as fotos são da PMSC

 

a inauguração da Nave Del Imigrante em SCorrea 20.7.1986



Diviso na foto maior, Sergio Bechelli, Sérgio Massolini(prefeito)seu
pai, o ex-prefeito Guerino,Germano Bonow,Arnaldo da Costa Prieto,Nelson Assoni..



o radialista, ou é da Odisseia, ou da Rosário ou da Aurora de Guaporé.



as fotos são da PMSC



ao fundo as casas de madeira,típicas que já não existem....

 

FALTA UM ESPELHO EM CASA...

UM DOS PARTCIPANTES DO "ENCONTRO DOS AMIGOS DE SERAFINA" - ACHEI MUITO LEGAL O TITULO DO ENCONTRO DADO AO ACASO PELA KIKA TRUCULLO, PODIAM ATÉ OFICIALIZA-LO, ACHOU QUE O EX-PREFEITO SERGIO MASSOLINI, TÁ MUITO ' VEIO'..

PO, TEM QUE BOTAR UM ESPELHO EM CASA!!!!

 

A NOITE DOS CASACOS VERMELHOS!!

PARECE QUE FOI COMBINADO KKKK(OLIDES)

dA LEITORA CARMEM MARIA TRUCULLO CONCI, A KIKA...QUE FOI AO ENCONTRO DOS AMIGOS DE SERAFINA DIA 25.7 NO CLUBE GAUCHO EM SERAFINA....

Tinham tres de casaco vermelho. Uma é a Silvia Pasqualotto que o cabelo também é vermelho, a outra é a Gilmara Zancanaro e a Sitânia Pasqualotto.A que esta na foto com o Lalo, é a Gilmara, logo a outra é a Sitania

A "bonitona" de casaco vermelho, é esposa do Badim, acho que é Irineu Badim, não tenho certeza, mas ela é muito linda mesmo.

 

A TERE RAMPANELLI COLOCOU MINHA MATERIA NO SEU FEICE...

CONHEÇO BEM ELA....FALAVA MUITO COM A MESMA QUANDO IA A SERAFINA. NA RODOVIÁRIA DISCUTÍAMOS A SITUAÇÃO DA RODOVIÁRIA DE SERAFINA.

ELA FEZ UM BOM TRABALHO PRAS ESCOLAS SOBRE A HISTÓRIA DA RODOVIÁRIA DE SERAFINA. QUE TENHO AQUI PRA PESQUISAS.

 

dos leitores

De: paulokons1
Enviada: Sexta-feira, 31 de Julho de 2015 17:14

Brusque-SC, 31 de julho de 2015.

Caro jornalista Olides - Paz e Bem!

Com a satisfação de cumprimentar-te, leitor que sou de teu blog em Brusque/SC, informo que ao contrário do publicado no texto intitulado "PARA LA VOSTRA RUINA, VO DARTE EL ACOA IN CUSINA....", a celebração do Dia de Sant'Ana é 26 de julho, e não 30 de julho, como informa o blog.

Abaixo, informe sobre o Dia de Dia de São Joaquim e Sant'Ana, pais da Virgem Maria e avós de Jesus; assim a razão do Dia dos Avós ser comemorado anualmente em 26 de julho.

Fraternalmente e à disposição,

Paulinho Kons

Dia de São Joaquim e Sant'Ana, pais de Nossa Senhora

São Joaquim e Sant'Ana Com alegria celebramos em 26 de julho a memória dos pais de Nossa Senhora: São Joaquim e Sant’Ana. Em hebraico, Ana exprime “graça” e Joaquim equivale a “Javé prepara ou fortalece”.
Alguns escritos apócrifos narram a respeito da vida destes que foram os primeiros educadores da Virgem Santíssima. Também os Santos Padres e a Tradição testemunham que São Joaquim e Sant’Ana correspondem aos pais de Nossa Senhora. Sant’Ana teria nascido em Belém. São Joaquim na Galileia. Ambos eram estéreis. Mas, apesar de enfrentarem esta dificuldade, viviam uma vida de fé e de temor a Deus.
O Senhor então os abençoou com o nascimento da Virgem Maria e, também segundo uma antiga tradição, São Joaquim e Sant’Ana já eram de idade avançada quando receberam esta graça. A menina Maria foi levada mais tarde pelos pais Joaquim e Ana para o Templo, onde foi educada, ficando aí até ao tempo do noivado com São José.
A data do nascimento e morte de ambos não possuímos, mas sabemos que vivem no coração da Igreja e nesta são cultuados desde o século VI.

São Joaquim e Sant’Ana, rogai por nós!



ARQUIVO

2007
           
 Set
 Out
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014

Abr01
Abr02

2015
Mar01
Mar02
Abr01
Abr02
Mai01
Mai02
Jul01
Jul02
         



OLIDES CANTON - JORNALISTA E ESCRITOR

Nascido em 16 de Janeiro de 1952 na cidade de Serafina Corrêa-RS, Olides Canton passou nesta cidade toda a sua infância. Mudando-se para Porto Alegre, cursou a Escola Julio de Castilhos, tornando-se Bacharel em Comunicação Social pela FABICO/UFRGS em 1982. Trabalha como Jornalista desde 1970. Trabalhou na Companhia Jornalística Caldas Júnior, Jornal Zero Hora. No Jornal do Brasil e Revista Carga e Transporte atuou como free-lancer. Editor do Jornal de Bordo e Revista Fitness. Possui 9 livros publicados. Ganhou quatro prêmios de Jornalismo, um do Badesul, dois do Setcergs e um da ARI. Registro no Sindicato dos Jornalistas RS: 2776 - Registro Jornalista - Mtb 4959.

Telefone: (51) 3330-6803
e-mail: contato@deolhoseouvidos.com.br

Autor de inúmeros livros, Olides Canton firmou-se como um
exímio contador de histórias contemporâneas.
Conheça agora as obras do autor
© "de Olhos e Ouvidos"  -  Todos os direitos reservados
Os textos e imagens publicados neste site são de inteira responsabilidade de Olides Canton.


EDIÇÕES DO FITNESS

Edição 180 - julho 2015
Edição 179 - maio 2015
Edição 178 - março 2015
Edição 177 - feverero 2015
Edição 176 - janeiro 2015
Edição 175 - dezembro 2014
Edição 174 - novembro 2014

Edição 173 - outubro 2014

Edição 172 - agosto 2014

Edição 171 - junho 2014

Edição 170 - maio 2014

Edição 169 - março 2014
Edição 168 - janerio 2014
Edição 167
Edição 166
Edição 165
Edição 164
Edição 163
Edição 162

Edição 161
Edição 160
Edição 159
Edição 158
Edição 157
Edição 156
Edição 155
Edição 154
Edição 153
Edição 152
Edição 151
Edição 150
Edição 149
Edição148
Edição 147
Edição146
Edição145
Edição144
Edição143
Edição 142

Edição 141
Edição 140
Edição 139
Edição 138
Edição 137
Edição136
Edição135
Edição134
Edição 133
Edição132
Edição 131
Edição 130
Edição129
Edição128
Edição127
Edição 126
Edição125
Edição 124

Edição 123
Edição 122
Edição 121
Edição 120
Edição 119
Edição 118
Edição 117
Edição 116
Edição 115
Edição 114
Edição 113
Edição 112
Edição 111
Edição 110
Edição 109
Edição 108
Edição 107
Edição 106
Edição 105
Edição 104
Edição 103
Edição 102
Edição 101
Edição 100
Edição 99


ESTÃO À VENDA


Cidades vizinhas (A briga entre cidades gaúchas) • R$ 15


Cosi la ze stata (Breves histórias de Serafina Correa/RS) • R$ 20


Getulio Vargas, depoimentos de um filho (Maneco Vargas fala de Getulio) • R$ 20


Estradas do Rio Grande (A história da construção pesada no RS) • R$ 50

Mais a postagem. Procure pelo olidescanton@bol.com.br.


ANUNCIE NO SITE

Entre em contato conosco

Edições Anteriores do Blog