Blog de celebridades, fofocas, opinião e notícias




23 de outubro
de 2014

rc

RC VIR0U UM PRODUTO E QUE DÁ MUITA GRANA....

* tou lendo o livro do biografo sobre seu rolo com RC

* quando RC vinha a tramandaí pros shows na SAT so a TV gaucha e o gilbertinho leal podiam fazer materia.

* sempre foi assim....

* deixa o homi ser assim e ponto final.

 

Tumelero

do capincho, e isto que ele é da ' base' do pdt...imagina se não fosse(olides)

De: letier12
Enviada: Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Letier Vivian
São Borja/RS

 

terlera

ate dom estava na CTI

De: mazzafotos
Enviada: Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Me manda notícias do Terlera.

grato,
mazzarino

 

URGS

na ozzetti toca nesta quinta no salão....20 hs...

* de graça

 

COMENTÁRIO SOBRE CASO NO MONT'SERRAT( 21/10 )

O caso me chamou a atenção mais pelo lado da fotografo não ter feito a foto.Do que propriamente a familia em si.

Eu nem sabia , nem conheço eles. MAS a fotografa negou-se a fazer a foto(olides) e nada aconteceu com ela.como se diz c...e andou...(olides)

From: EDUARDO LEITE LEAL
Sent: Qua 22/10/14 00:51

Bom dia, Olides. Interessante o teu relato envolvendo membro de família de P. Alegre em apuros no exterior. Citaste o nome de Ricco Harbich, advogado e professor; tenho um livro do Dr. Ricco, onde informa ter sido Diretor Superintendente das Indústrias Renner, além de outros postos de destaque. Preciso localizar o livro para te informar com mais detalhes, mas me parece que a informação correta é essa : executivo, não dono do negócio, como afirmaste em 21/10. Cordialmente, Eduardo L. Leal. Advogado e Téc. Contábil. P. Alegre/RS.

 

Nem tudo está perdido

dolaurinho da venancio...

De: trololo45
Enviada: Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

"Lima umida e friorenta com neblina sempre"! Poxa, até q enfim um fiapo de descrição. É curioso como tu só trabalha com narração nos reus textos. Já estava para comentar contigo sobre isso há algum tempo. Teus textos são só trololó na base do eu fiz isto, fiz aquilo, fulano(a) fez isto, fez aquilo, foi aqui, foi acolá. Vício de texto de jornalista? Ñ precisaria ser, pois no texto jornalístico sempre teve lugar para a "cor local" (nisso os textos do Caco Barcelos na Folhinha eram um exemplo; tu ñ cansa de escrachar ele, mas ñ dá para lhe tirar esse mérito) . E ñ é só na descrição dos cenários q tu nos sonegas detalhes; ao mencionar pessoas, tu também só te referes ao que eles fazem ou deixam de fazer, tu ñ diz nada sobre como elas são, os seus jeitos e seus trejeitos etc... Mas ainda dá tempo de recuperar o tempo perdido. Sempre dá, diria Marcel Proust!

 

Sartori

do capincho sobre ' sartoron da massa"!

De: letier12
Enviada: Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Na verdade, eu acho que o PMDB colocou ele como "tampão" de última hora na eleição, nem esperavam que ele fosse pro segundo turno. Aí o cara vai, por isso não tem proposta, não sabe nem falar o coitado...

Letier Vivian
São Borja/RS

 

do Último Segundo

Apoio de Lindsay Lohan a Aécio Neves vira piada na internet

Em rede social, atriz americana anunciou apoio ao presidenciável tucano, mas depois apagou mensagem

Uma das figuras mais controversas de Hollywood, envolvida em diversos escândalos, a atriz americana Lindsay Lohan causou barulho na web ao anunciar o seu apoio ao presidenciável Aécio Neves em mensagem no seu perfil Facebook, na manhã desta terça-feira (21).

"O Brasil precisa de mudança e eu apoio Aécio Neves. Ele merece ganhar a presidência para fazer mudanças positivas e políticas para todos do Brasil, país que eu adoro", escreveu ela, que pareceu mudar de ideia horas depois, ao apagar a mensagem.

Reprodução

Mensagem de apoio de Lindsay Lohan ao presidenciável Aécio Neves (PSDB)

Tanto o apoio quanto a decisão de apagar a mensagem viraram piada na internet, com internautas ironizando os problemas com drogas de Lindsay e a decisão de apagar a mensagem de apoio.

O apoio da atriz ao tucano ainda foi acusado de ser pago, após internautas identificarem a hashtag #HTVBR na mensagem de Lindsay.

A hashtag se refere agência de marketing Hollywood TV Brasil que atua com artistas internacionais. Internautas fizeram piada com a possibilidade do apoio ter sido pago.

Da mesma forma, eles ironizaram a curta duração do apoio de Lindsay. No Twitter, se tornou popular a hashtags #ApoioDaLindsayAoAécioDurouMenosQue.

 

Sartori

o que tá rolando no feice....isto tudo por causa da história do tumelero que nunca ganhou tanta propaganda de graça. tem sorte o gringo dono do jc....(olides)

De: letier12
Enviada: Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Letier Vivian
São Borja/RS

 

Foto

De: julio.pacheco
Enviada: Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Olides.

Vamos completar.

Na última foto, à direita, aparecem dois colegas.

Um dêles é um assistente de estúdio que conhecíamos como "Peninha" que está conversando com o Samuel Souza Santos que era, à época locutor esportivo da Rádio Gaúcha e participava dos tele-jornais juntamente com o Prof. Mendes Ribeiro. O Samuel, hoje é Advogado da Susepe e ainda, eventualmente, narra futebol para a Rede Vida de Televisão e emissôras de Rádio. Quanto ao "peninha" nunca mais tive notícias.

Quanto à segunda foto é anterior ou posterior ao incêndio pois foi tirada no estúdio "B", onde o incêndio iniciou. E mostra uma entrega de prêmios de algum evento da época.

Júlio César

 

O CHILE NA ESTRADA

por Eron Duarte Fagundes

A aridez dos elementos em cena e o modelo de uma viagem familiar a bordo de uma câmara-carro de De quinta a domingo (De jueves a domingo; 2012), produção chilena dirigida por Dominga Sotomayor Castillo, evoca dois filmes que o espanhol Carlos Saura fez nos anos 60, A caça (1965), por seus cenários desolados e seus longos planos vazios, e especialmente Stress es tres tres (1968), pelos mesmos motivos de A caça e também pela surdez dos conflitos familiares que transbordam dos não-acontecimentos diante da câmara.

A realizadora chilena põe em cena um casal e seus dois filhos em uma viagem pelo interior do Chile. Praticamente nada acontece na narrativa senão surdas e escondidas desavenças entre o homem e a mulher. Os planos acompanham os gestos triviais das personagens ao longo do itinerário; a possível tensão dramática (e aí se difere dos filmes de Saura em que se inspira) cede lugar a uma flacidez narrativa em que a linguagem parece carregar o peso do nada. Como em Saura, rigor e improvisação se contrabalançam no método de filmar. Trata-se de um filme que até certo ponto pode agradar ao observador, pelas nuanças de fugir às marteladas comerciais do cinema; mas, em muitos momentos, pode fatigar, pois não resolve convenientemente seus conflitos estéticos e dramatúrgicos.

 

de Serafina

Reformulação do Plano Diretor

O Prefeito Ademir Antonio Presotto, no uso de suas atribuições legais, nomeou, em 2013, a Comissão de Estudos para a Reformulação do Plano Diretor do município de Serafina Corrêa. O Plano Diretor de Serafina Corrêa foi elaborado em 1964 e, desde então, não houve uma consolidação das leis que tratam do assunto. Dessa forma, o Poder Público Municipal instituiu a Comissão composta por membros representantes do Poder Executivo Municipal e da Sociedade Civil, com o objetivo de estudar, envolver a comunidade e reformular o Plano Diretor do município. No dia 17 de Outubro de 2014, na Sala da Reuniões do Centro Administrativo Amantino Lucindo Montanari, aconteceu uma importante reunião da Comissão, onde a servidora Aline Treviso Feronato presidiu os trabalhos, explanando sobre o Plano Diretor de 1964, sendo que todos os municípios tiveram que adequar-se a Lei Federal 10.257/2001, denominada Estatuto das Cidades. Também foi estabelecido que o Plano Diretor será denominado Lei Macro e deverão ser definidas as leis complementares com as especificações técnicas. Após aprovado o Regimento Interno, houve eleição da mesa diretora da Comissão de Reformulação do Plano Diretor assim composta:

Presidente: Olderes Maria Piazza Santin
Vice-presidente: Sérgio Pinzetta
1ª Secretária: Aline Treviso Feronato
2ª Secretária: Francine Rostirolla

Em seguida, os presentes aprovaram o organograma dos trabalhos a serem feitos e as próximas reuniões que acontecerão às sextas-feiras, no mesmo local. A reformulação do Plano Diretor é, sem dúvida, um trabalho muito importante e que requer estudo, avaliação e muita participação da comunidade serafinense, a fim de que o município de Serafina Corrêa seja regido por um Plano Diretor Participativo e Sustentável.

22 de outubro de 2014

exclusivo

josé lauro de quadros vai se aposentar

* Já decidiu....

* ainda tudo na moita

* Espera um acordo....

* Já tem a cifra na cabeça.eu a tenho mas não vou ainda revelar...

* vamos esperar os homi se entenderem....

 

RBS

TANIA CARVALHO NO ACORDO QUE FEZ LEVOU 250 MIL REAIS....

* taTATA PIMENTEL 100 MIL REAIS....

 

SARTORI SALTO 15

EU JÁ SABIA QUE O SARTORON IA MIJAR FORA DO PENICO....

* ESTA DO TUMELERO É DE LASCAR....

* tEM TUDO PRA LHE CUSTAR A ELEIÇÃO....

* O SALTO 15 TOMOU CONTA DA ENTOURAGE....

* REPETIÇAÕ DE 98, NO PRIMEIRO TURNO

* É F.,..LIVRAR-SE DOS PUXA-SACOS, A POLITICA É ANSIN MESMO DIRIA O LULA....

NAO SOU POLITICO, MAS ENTENDI QUE ELEIÇÃO SE DECIDE NAS 24 HS FINAIS...OU SEJA, NADA AINDA ROLOU.....

 

Sartori tira sarro da professorada

Rekern que tava quietinho mostra as unhas kkkk(olides)

De: rekern
Enviada: Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Pois não que é o o candidato das elites no RS começa a mostrar ao que veio, disse que se os professores querem piso, que vão ao Tumeleiro, deixando bem claro o modo que pretende tratar a classe. este comentários já avalisa o arrocho que vem aí para os funcionários públicos se o gringo for eleito.

Renato Kern

 

excursão MARCOPOLO....


Chile. Antofagasta abril de 1988



Memórias Peruanas

EXPULSO DO EL RIMAC

Não foi propriamente uma expulsão, mas um convite pra que eu arrumasse outro local pra morar....

El Rimac é um rio, mas é também um bairro no centro de Lima, uma ' barriada', como eles chamam...Embora barriada seja mais ' favela' nossa.

Da av. Lima, 104, arrumei um dia minha mochila e fui pra casa do Julio e da Mariazinha....

Conhecidos de Porto, moravam lá.

Naquela Lima umida e friorenta com neblina sempre, eu procurava pegar um solzito quando dava. e botava um veio calção que tinha e subia pra ' zotea', que é a parte alta do edificio pra me banhar de sol.

Foi o suficiente pra que quando eu voltei pro porto,depois, ouvisse comentários de que havia enlouquecido totalmente. pera aí, não é pra tanto....

Mariazinha,querida conhecida , era diagramadora e trabalhava na Carretas. Julio estudava o dia inteiro e cuidava de uma gata.

Pobres como éramos todos ali, comiamos atum,e massa basicamente.

Um dia eles me comunicaram que ali não dava mais e que eu procurasse outro local.

Fui de novo pra casa da dona Rosa, na av. Barranco,104.

De lá é que meu destino me levaria a Monterico, que não sei bem hoje como seu deu.

De lá foi que voltei ao Brasil.

Minha Lima querida,Lima de tantos sofrimentos, privações,um pedaço de mim ficou por lá....

Se a minha ex-esposa não tivesse ido me buscar, eu teria deixado meus ossos no Peru, com certeza.

Por isto que quando voltei ao Brasil e voltei pra zero o gozador do aveline só dizia:
- tengo hambre, tengo hambre....

Era mais ou menos minha situação, quando vivia em Lima, perambulava meio caído de lacuna,como dizem os castelhanos.

Sobrevive e estou vivo pra contar estas histórias,tanto tempo depois de tudo...

As vezes me belisco pra ver se é verdade....(OC)

( em tempo. tenho uns relatos destes tempos, mas acho pouco provável que venham a lume)

 

Plantão de Polícia

o reporter PENA BRANCA que inspirou VALDOMIRO PENA DOPLANTÃO DE POLICIA

 

Livro


Diogenes de Oliveira, de pé, vai lançar livro na feira

 

TIRAR ZO I PORQUI'- BLASFEMAR

em serafina, os colonos quando batiam no arado com os dedões tiravam zo i porqui, ou seja, blasfemavam...

é porque tirar zo i porque é dizer porco dio, e dio can, ai afora.

 

O jacaré abriu a boca novamente

rEKERN NÃO SOU EU QUE TOU FAZENDO INTRIGA.TE ENTENDE AI COM OS COMPANHEIROS(OLIDES)

De: rekern
Enviada: Terça-feira, 21 de Outubro de 2014



A bocarra que já engoliu a Marina voltou e já degustando o playboy de Minas. Ontem a tarde, quando no maior salto alto escolhia seu ministério, o neto do Tancredo Neves teve um ataque de raiva quando soube que estava despencando nas pesquisas. Com as pupilas dilatadas colocou a culpa em seus assessores.

Renato Kern

 

dos leitores

De: julio.pacheco
Enviada: Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Grande Olides.

Duas observações. A primeira é de que o "galpúdio" era atrás do restaurante. Tratava-se de um depósito de materiais de cenografia e outros. A segunda é que o Cunha referido é o Raul Cunha, pai do Jorge Cunha e do Ivan Cunha (atual Gerente de Programação da Rede Vida em São José do Rio Preto).

Quanto às fotos obrigado por lembrar como eu era 42 anos atrás.

Um abraço.

Júlio César

 

dos leitores

Sim, graça, houve. está no arquivo do blog. 1 quinz de outubro(olides)

From: "Gal Lopes" gauana@gmail.com
Sent: Sáb 18/10/14 16:47

Boa tarde Olides Canton,

Mostrei ao Kolecza os relatos do dia 17pp.
Segundo um amigo em comum, em outro dia houve postagem referente ao Kolecza, não localizei.
Faria a gentileza de informar a data?

Assinado, a atual companheira. Smiley piscando

Graça

 

Flanando por Paris: La Defense

Flanando por Paris: La Defense - Até meados dos anos 1950, na chamada Paris Extra-muros, pelo lado oeste, havia uma bucólica rotatória ("rond-point") que distribuia o tráfego em direção à capital francesa. Numa praça, no centro do "rond-point", uma estuátua denominada " La Defense " homenageava a memória dos defensores da Paris assediada pelos soldados do Kaiser durante a guerra franco-alemã de 1871.
Após o término da II Guerra Mundial, o panorama por ali era de declínio econômico, com inúmeras fábricas desativadas, alguma área rurural e favelas ("bidonvilles). Os "gênios da raça" do planejamento urbano frrancês entenderam que algo precisava ser feito. Um grupo de arquitetos convocados pelo Governo resolveu criar o "Plan d'amémanagement du Rond-point de La Defense", para ser implantado ao longo da ligação Paris-Saint-Germain-en-Laye.

A concepção inicial respeitava razoavelmente a urbanização então existente, mantendo inclusive a rotatória com sua estátua. Uma das fotos que ilustra esta postagem mostra claramente isso. Ela e as demais, retratam ilustrações que estão no Museu de Arquitetura instalado no Palais de Chaillot, no Trocadero.

O problema é que também resolveran seguir as idéias do então afamado Charles-Édouard Jeanneret-Gris, arquiteto franco-suíço, autodenominado Le Corbusier, mencionado em postagem anterior. Cabe observar que este projeto a ser desenvolvido sobre o "axe Paris-Saint-German-en-Laye" - que, na prática, representa uma extensão do eixo histórico iniciado no Museu do Louvre e segue até o Arco do Triunfo - tem uma semelhança enorme com o "Plano-Piloto" da dupla Lúcio Costa/Niemeyer para Brasília (é só olhar a segunda foto da série que acompanha este texto para se verificara que a nossa esplanada dos Ministérios é praticamente um "control C - Control V" do "miolo" do projeto original francês).

O devairio "funcionalista" de Le Corbusier acabou deformando a concepção inicial, mediante a adoção dos princípios do "urbanisme de dalle", também já mencionado em postagem anterior, e que separa as funções de transportes dos pedestres, cobrindo as vias para os carros com enormes lajes de concreto, o que torna o entorno extremamente artificial (não obtante, no caso do La Defense, tentarem disfarçar com espelhos dágua, obras de arte e algum verde).

Por fim, a especulação imobiliária tomou conta de tudo e o que poderia haver de bucólico desapareceu por completo. Hoje em dia, estão desenvolvendo a terceira fase do projeto, com obras em andamento para erguer torres de até 55 andares. Enquanto isso, o bucólico "rond-point" desapareceu sob a "dalle", a estátua "La Defense" foi levada para uns 50m longe do local original e a Prefeitura de Paris, verificando que o acesso até "La Defense" fica cada vez mais congestionado, apesar de ligações via trem expresso e metrô, resolveu incentivar novos pólos de urbanização na cidade. Assim, mais uma vez, "o sonho acabou!". (Texto e fotos do Laurinho da Venâncio)

 

Curso "FILME NOIR: CINEFILIA & SEXUALIDADE" - CCCEV

Curso "FILME NOIR: CINEFILIA & SEXUALIDADE", de Fernando Mascarello
DATAS: 24 e 25 de Outubro (sexta e sábado)
HORÁRIO: Aula 1 (sexta) - 19h30 às 22h / Aula 2 (sábado) - 09h30 às 12h
LOCAL: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Porto Alegre - RS)
INSCRIÇÕES / INFORMAÇÕES: cenaum@cenaum.com.br Telefone: (51) 9320 2714
http://cinemacenaum.blogspot.com.br/2014/10/filme-noir.html

 

CINEMA: UM SOLO DE ARTIFÍCIOS

por Eron Duarte Fagundes

Ao introduzir para um pequeno e concentrado público, no Instituto Moreira Salles, no Festival do Rio 2014, seu filme Os maias, cenas da vida romântica (2014), extraído do original literário de Eça de Queirós, o realizador português João Botelho revelou que acredita no cinema como um artifício, que a vida mesmo é a que vivemos fora da tela, que o que está na tela é uma reprodução artificial, sombras elétricas somente. Apontava para a tela e parecia pedir que não esperássemos dele um cinema naturalista.

O conceito de artifício no cinema é também perseguido por um cineasta tão diferente de Botelho, o americano David Fincher. Como se volta a constatar em seu novo filme, Garota exemplar (Gone girl; 2014), obra que dividiu as opiniões por aí. É bem verdade que o artifício cinematográfico (o filme como um artefato visual) buscado por Fincher está muito distante do artifício intelectual buscado por Botelho, este meditando no cinema como pintura da literatura e expondo-se mesmo como artifício; Fincher está, opostamente a Botelho, bem ligado nos truques do cinema comercial (antes de mais nada, uma bem-feita narrativa de suspense) e o que se vê em cena é um artifício que quer mostrar-se ao espectador habitual dos filmes do gênero como algo natural, possível de acontecer na vida, ainda mais considerando-se que a vida moderna tem mesmo às vezes certas coisas mirabolantes, como estas travessuras que a personagem feminina do filme de Fincher propõe para divertir-se com seus parceiros de cena e com o observador na sala escura do cinema. A aceitação, parcial, total ou nula, dos artifícios de um formalismo comercial é que vai determinar como o assistente vai relacionar-se com um filme como Garota exemplar.

(Pode-se dizer que Garota exemplar segue o modelo de artifício cinematográfico criado pelo inglês Alfred Hitchcock em Um corpo que cai, 1958, especialmente ao construir a mulher de duas vidas que cria seus artifícios, que são encenações dentro da encenação, para ludibriar homens. É claro que Hitch é mais radical, estético e inventivo que Fincher.)

Lá pelo começo do filme, no diário de Amy, a garota malucamente exemplar, se lê, ouvindo na voz que articula uma narrativa paralela: “I’m crazy, stupid happy”. De uma certa maneira, esta criatura simboliza muito do que pretende o cinema de Fincher, aqui e sempre, sair atrás desta loucura de uma alegria um pouco estúpida dos seres. Ben Affleck, visto antes perdido nas densidades filosóficas de outro americano, Terrence Malick, Amor pleno (2012), é um pouco esta face da arte de Fincher: a alegre tolice de filmar, simplesmente. Se no filme anterior, Millenium, os homens que odiavam as mulheres (2011), a narrativa de Fincher naufragava junto com seus artifícios, e em A rede social (2010) ele atingiu o melhor habitat para exibir seus artifícios, o mundo da internet, em Garota exemplar ele permanece fiel ao conceito original de Botelho: cinema é artifício, não há o que fazer. Mas, embora parta de um original literário, escrito por uma badalada autora de suspense, Gilian Flynn, suas referências à literatura são transversas: para Marcel Proust, Fincher monta como personagem um caricato estudioso do escritor francês, afetado e pernóstico; para Jane Austen, a maravilhosa romancista inglesa da aristocracia rural, Fincher diverte-se com uma alusão de leitura de adolescente alienada para os tempos de juventude da protagonista. O que ocorre, de fato, ao longo de sua narrativa, é que, de artifício em artifício, o solo de Garota exemplar se mantém um pouco a duras penas: não assume inteiramente seus artifícios, mas os usa em abundância. Uma espécie de pequena hipocrisia formal: na qual embarcamos com algum prazer e hedonismo. Como em Botelho (ou em Proust), mas diferentemente.

 

Concerto da Orquestra de Flautas Transversas IPDAE - CCCEV

Convidamos você para o Concerto da Orquestra de Flautas Transversas IPDAE, Regência de Ademir Schmidt. Dia 23 de outubro de 2014, às 20h no Auditório Barbosa Lessa, 4º do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo.

 

Metade Sul do RS precisa de olhar mais atento do Estado, diz Sartori

Foto: Luiz Chaves

Em visita à Metade Sul nesta terça-feira (21), o candidato a governador José Ivo Sartori afirmou que a região precisa de um olhar mais atento do Estado e que a modernização do Porto de Rio Grande estará contemplada em sua gestão. Ressaltou que a modernização da frota naval em todo o mundo, com o uso de embarcações maiores, exige remodelação da estrutura do calado do porto.

Sartori esteve em Pelotas e Rio Grande, onde participou de carreatas. Nas duas cidades, recebeu um documento intitulado Manifesto da Zona Sul, contendo propostas para o seu plano de governo. O documento é assinado pelas Alianças de Pelotas e Rio Grande, formadas por entidades locais.

Em Rio Grande, Sartori disse que estará permanentemente atento a melhorias no terminal portuário e ao desenvolvimento do polo naval, que representa uma cadeia importante para a geração de renda e empregos. Durante a campanha do primeiro turno das eleições, ele havia estado duas vezes em Rio Grande, em agosto e setembro. A primeira foi antes do falecimento do presidenciável Eduardo Campos, que o acompanhou na visita.

 

de Serafina

Palestras na Empresa Maxiplast

A Prefeitura de Serafina Corrêa, através da equipe da Vigilância em Saúde participou, nos dias 14 e 15 de Outubro de 2014, da Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho na empresa Maxiplast Embalagens, localizada no Distrito Industrial, em Serafina Corrêa. A Farmacêutica Patricia Betineli falou sobre as Boas Práticas de Fabricação (BPF) para Indústrias de Embalagens e a Importância da Prevenção dos Agravos e Doenças relacionadas ao Trabalho, destacando as obrigações da Empresa, representada pelo responsável legal e pelo responsável técnico, assim como a importância do trabalhador na implantação das Boas Práticas, para que se consiga atingir o objetivo que é a produção de embalagens seguras e de qualidade. Já o Enfermeiro Maiquel Danzer de Souza trabalhou a prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), enfatizando a importância da prevenção e do diagnóstico precoce. As DSTs são consideradas um grave problema de saúde pública, em razão do grande número de pessoas que podem contraí-las ou que estão infectadas. As principais são a AIDS, Hepatite, HPV, Sífilis, entre outras.

21 de outubro de 2014

Aulinha de Jornalismo

TERROR NO MONTSERRAT

Era um sábado, isto lembro bem porque eu estava de plantão na ZH.

Lá pelo meio da tarde, o Lauro Schirmer me chamou pra ir na casa de um morador do Monteserrat que tinha gente da familia dentro de um avião da TWA que fora sequestrado na saída de Atenas pra Roma..data 14.6.1985.

Como não tinha fotógrafo, peguei a LISETE GUERRA que estava por lá dando banda porque teria alguma pauta à noite pela coluna social, que ela fazia.

Depois de muito rodar, achamos o edificio onde morava a familia HARBICH( acho que eram sócios da Renner) e o dono era oRico.

Um familiar deles estava naquele avião....

Quando consegui entrar no edificio - lembro até onde ficava só não lembro o nome da rua agora -meio na cara de pau dei uma desculpa pro porteiro e bati no apartamento.

Atrás de mim a LISETTE QUE ESTAVA de mau humor, como sempre....

Ao abrir a porta, eu me identifiquei e pedi uma entrevista. A mulher estava em prantos, por causa do drama do sequestro do avião.

A Lisette ao ver a cara da mulher, gritou na minha frente;
- NÃO VOU FAZER A FOTO, CONHEÇO ELA DA COLUNA SOCIAL....

virou-se e desceu em direção ao carro. quase me deixou a pé e já dava ordens pro motora pra voltar pro jornal.

ao invés de ser demitida, não fizeram nada....

Tive vontade de bater nela porque conseguimos entrar no prédio com muita sorte....isto é dificil...

Encontrei ela agora de manhã e lembrei disto. Não lembrou de nada....

- EU TINHA HORROR DE PAUTAS DA GERAL, me disse.

E ainda disse:
- Eu nunca seria demitida por isto.

Em tempo: o familiar da familia Harbich não morreu no sequestro.

O sequestro feito pelo Hezbollah, radicais árabes, só terminou muito depois , 30 de junho daquele ano. Os sequestrados foram resgatados pelos EUA e levados pra Alemanha. Vi um filme sobre isto.

Mas se a Lisette faz a foto seguramente corria o mundo porque as agencias só davam aquele assunto naquele sabado de tarde.

Eu bati uma materia contando o pouco do ambiente, mas muito frustado por não termos a foto dos familaires.

A Lisette se negou a fazer...

 

capincho (1)

depois que o vieirinha se foi, é visto um sujeito pelos bares gritando VIEIRINHA PRIMEIRO TURNO...

Dizem tratar-se deum vulgo chamado CAPINCHO...

* Tudo o que ele quer é ir pra pastelaria tomar umas qui outras com o FRENTE FRIA....

O ' GALPÚDIO"


Claudio Mazzoni,Valdeci Santos,Luiz Figueredo,Lauro Schirmer e o locutor Julinho Pacheco


no ' galpúdio" jayme Sirotsky fala aos espectadores


Prof Ribeiro,Júlio Pacheco e os bonequinhos Ritinha e Joãozinho, símbolos da TV Gaúcha

Um galpão de um restaurante serviu de estúdio no incêndio da TV Gaúcha.A data 9 ou 22 de junho de 1972. Uma sexta-feira.

Julio Pacheco que era o locutor de dois telejornais e morava na Barbedo tinha ido em casa e quando chegou ouviu pelo televisor seu colega JOÃO CARLOS SERRES, que era produtor de programas gritando por socorro;

ATENÇÃO BOMBEIROS SOCORRO....

ATENÇÃO CORPO DE BOMBEIROS, INCENDIO NA TV GAUCHA....

Julio voltou correndo pro Morro.

No fundo do prédio da TV Gaucha havia um galpão onde funcionava um restaurante. Ali foi montado o estúdio, que chamaram de ' galpudio".

- Quando eu ia ler os noticiários , os redatores não podiam bater a máquina porque senão se ouvia tudo, ia tudo ao ar, disse Julinho.

Pra poder montar o estúdio improvisado, entraram em campo Wladimir Victorio Sosa e umcolega de sobrenome Cunha

- O Wladimir e o Cunha juntaram um pouco do equipamento que tinha sobrado do incendio e com equipamento que foi conseguido junto a UFSM, como reitor Mariano da Rocha, voltou a funcionar a TV gaucha.

O ' galpúdio' durou cerca de 15 dias.

O dono da TV, Maurio, estava em NY quando se deu o incendio.

O reitor da UFSM relutou muito em ceder o equipamento, que ainda estava encaixotado...

- Depois foi devolvido ,diz Julinho.

Onde estão estes caras:

Julio está na Rede Vida.

Serres: está em SP, onde tem uma empresa.

Sosa está em POA e

Cunha também....

Além da TV gaúcha, funcionava lá também a rádio Gaúcha.

O incendio durou 2 horas.

A radio Gaucha voltou a fucionar em seguida, num estudio montado na redação da ZH.

 

de Serafina

O CARREIRO EM SERAFINA COM AS CHUVAS DOS DIAS ATRAS



FOTOS DE NELCIDIO ALBAN( O ' SOMBRA' DO BICO BRANCO...)

 

Ufrgs

o cinema da urgs fedia a mofo hoje....inundou com a tempestade de 5 passada.

 

de São Borja

a esquerda da pastelaria de sãoborja,depois de tomar 54 cevas se declara:

De: letier12
Enviada: Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Meu voto é um repúdio ao que o PSDB representa.

Letier Vivian
São Borja/RS

 

dos leitores

sobre dupla jornada

por marcio de almeida bueno

pois em 2009 eu me 'encstei' no INSS, e lembro que na primeira ida em perícisa, no predio da bento gonçalves, já me chamaram numa especie de purgatorio, que nao era a sala de espera para quem ia ser recebido por um medico. o funcionário já me olha como se eu fosse uma especie de estelionatário. "mas COMO assim voce tem duas carteiras assinadas?", perguntou em tom dramático, como se dissesse 'apanhei-te cavaquinho'. eu disse "ué, medico nao trablha em plantao, tem consultorio, faz clinica no interior, opera no hospital tal, dá aula em outro lugar? por que jornalista nao pode? tenho dois empregos". o cara foi ficando nervoso - me pareceu que ee esperava que eu caisse em choro, assumindo que eu era estelionatario mesmo. "mas COMO voce trabalha em dois lugares ao mesmo tempo?". eu segui tranquilo - porque já tinham me cantado a pedra que no INSS é assim. "de manha no jornal, de tarde no sindicato".

e olha que eu ainda tinha outros bicos sem papel assinado, como tenho até hoje. o cara soltava fumaça pelas orelhas, pq nao conseguiu me pegar no contrapé. ficou implicando, entao, com o número da minha RG - "voce trocou seu numero de RG, voce morou em outro estado e trocou seu RG". eu disse "sim, morei no paraná quando criança... nao tinha RG". me fizeram até assinar um papel sobre isso, chamaram um superior. aí o cara voltou a encher o saco, "ah, mas temos uma discrepancia... seu empregador diz que trabalhou até sexta, e outro diz q vc trabalhou até a quinta", falou largando os papeis na mesa, tipo 'agora peguei!'. expliquei q o jornal, semanal, de praxe tem um ciclo... como os caras sabiam q eu nao tava bem, me liberaram um dia antes, e provavlmente alguem deve ter anotado isso, na papelada.

um detalhe bobo, mas para quem tem apenas um 'emprgo-totem', deve seroa exótico ou como mentira...

 

A esquerda e o segundo turno das eleições no Brasil

Por Atilio A. Boron

Tradução de Renato Kilpp e Gabriel Eduardo Vitullo

Obedecendo a uma ordem direta de Adolf Hitler, em 18 de Agosto de 1944, Ernst Thälmann morria fuzilado pelas SS no campo de concentração de Buchenwald. Seu corpofoi imediatamente cremado, para que não sobrasse qualquer vestígio de sua passagem por este mundo. Thälmann havia chegado a este tétrico lugar depois de pasar onze anos de sua vida na prisão de Bautzen, para onde fora enviado quando a Gestapo o deteve – assim como a milhares de seus camaradas – pouco depois da ascensão de Hitler ao poder, em 1933. Nesta prisão foi submetido a um regime de confinamento solitário, cumprindo a pena que lhe foi imposta pelo imperdoável delito de ter sido o fundador e o dirigente máximo do Partido Comunista Alemão.

Thälmann era também um dos líderes da Terceira Internacional, que em seu VIºcongresso – realizado em Moscou em 1928 – havia aprobado uma linha política ultra-esquerdista, de “classe contra classe”. Esta orientação política se traduzia na absoluta proibição de establecer acordos com os partidos socialdemócratas ou reformistas, caracterizados como “socialfascistas” e considerados como sendo a ala esquerda da burguesia. Nem sequer o mortal perigo que representava o irresistível avanço do nazismo na Alemanha e a estabilização do regime fascista na Itália conseguiram mudar esta diretriz. León Trotsky se opôs a ela e a condenou imediatamente. Antonio Gramsci, na prisão, confessava a um prisioneiro socialista, Sandro Pertini, que este lema que debilitava a resistência ao fascismo “era uma estupidez”. Tanto o revolucionário ruso quanto o fundador do PCI eram conscientes de que o sectarismo dessa tática expressava um temerário desprezo pelas urgências da conjuntura e que sua aplicação terminaria por abrir as portas aos horrores do nazismo, comprometendo por muito tempo as perspectivas da revolução socialista na Europa.

A Terceira Internacional abandonou essa postura em seuVIIº e último Congresso, em 1935, para adotar as teses das frentes populares ou frentes únicas antifascistas. Mas já era tarde demais. O suposto subjacente da tese do “socialfascismo” era que todos os partidos, à exceção dos comunistas, constituíam uma massa reacionária e que não havia distinções significativas entre elas. Chama a atenção o profundo desconhecimento que esta doutrina evidenciava em relação ao que Marx e Engels haviam escrito no Manifesto Comunista.

Em seu capítulo II dizem, por exemplo, que “os comunistas não formam um partido à parte, oposto a outros partidos operários... Os comunistas só se distinguem dos demais partidos proletários quando, por um lado, nas diferentes lutas nacionais dos proletários, destacam e fazem valer os intereses comuns a todo o proletariado, independentemente da nacionalidade; e, por outro lado, quando, nas diferentes fases do desenvolvimento pelas quais passam as lutas entre o proletariado e a burguesia, representam sempre os interesses do movimiento em seu conjunto”.

Lenin, por sua vez, durante o curso da Revolução Russa, reiteradamente ressaltou a necessidade de que todos os bolcheviques elaborassem uma política de alianças com outras forças políticas, que, preservando a autonomia e a identidade política dos comunistas, pudesse, em certas circunstâncias, levar à prática ações e iniciativas concretas que fizessem avançar o proceso revolucionário. Havia, tanto nos fundadores do materialismo histórico como no líder russo, uma clara ideia de que poderia haver partidos operários, ou representantes de outras clases ou grupos sociais (a pequeña burguesia é o exemplo mais corrente) com os quais se poderia forjar alianças transitórias e pontuais e que nada poderia ser mais prejudicial para os interesses dos trabalhadores que subestimar essa possibilidade e, desse modo, abrir as portas à vitória das expressões mais recalcitrantes e violentas da burguesia. Voltaremos a este tema mais adiante.

Os parágrafos anteriores vem à mente porque nos últimos días muitos companheiros e amigos do Brasil me fizeram chegar mensagens onde anunciavam suas intenções de abster-se no segundo turno de 26 de outubro, ou de votar em branco ou nulo, com o argumento de que tanto Aécio quanto Dilma eram o mesmo, e que para a causa popular seria a mesma coisa a vitória de um ou de outro. O povo brasileiro, diziam estas mensagens, sofrerá os rigores de um governo que, em qualquer caso, estará a serviço do grande capital e contra os interesses populares. O motivo destas linhas é demonstrar o grave erro em que incorreria se assim fosse. Da mesma forma que a desastrosa política do “socialfascimo”, que pavimentou o caminho de Hitler ao poder, a tese de que Aécio e Dilma “são o mesmo” vai provocar, caso triunfe o primeiro, terríveis consequências para as classes populares do Brasil e de toda a América Latina, para além da obviedade de que Aécio não é Hitler e de que o PSDB não é o Partido Nacional Socialista Alemão.

A análise marxista ensina que, em primeiro lugar, resolver os desafios da conjuntura exige, como tantas vezes dissera Lenin, uma “análise concreta da situação concreta” e não somente uma manipulação abstrata de categorias teóricas. Dizer que Aécio e Dilma são políticos burgueses é uma caracterização tão grosseira como dizer que o capitalismo brasileiro é o mesmo que existe na Finlândia ou na Noruega – os dois países mais igualitários do planeta e com maiores índices de desenvolvimento humano, segundo diversos informes produzidos pelas Nações Unidas – para, a partir daí, extrair um lúcido “guia para a ação” que oriente a política das forças populares. Nenhuma análise séria do capitalismo, ao menos da perspectiva marxista, pode limitar seu exame ao plano das determinações essenciais que o caracterizam como um modo de produção específico.

Muito menos quando se trata de analizar uma conjuntura política. Cometer esse erro é cair no que Gramsci criticou como um exemplo do “doutrinarismo pedante” do infantilismo esquerdista que proliferou na Europa nos anos 20 e 30 do século passado. Por esta mesma razão dizer que Hitler e León Blum eran dois políticos burgueses não permitiu avançar um milímetro sequer na compreensão da dinâmica política da crise geral do capitalismo na Europa, por não falar da capacidade para enfrentar eficazmente a ameaça fascista. Em um caso tratava-se de um déspota sanguinário, fervoroso anticomunista, que submeteria seu país e toda a Europa a um banho de sangue; no outro caso, tratava-se de um primeiro ministro socialista da França, líder da Frente Popular, que acolhia os alemães e os italianos que fugiam do fascismo e que se opôs, sem sucesso para a desgraça da humanidade, aos planos de Hitler. Era evidente que ambos não eram o mesmo, apesar de sua condição de políticos burgueses. Mas o sectarismo ultra-esquerdista passou por cima destas supostas ninharias e, com sua miopia política, facilitou a consolidação dos regimes fascistas na Europa.

Em segundo lugar, qualquer um minimamente informado sabe muito bem que, por suas convicções ideológicas, por sua inserção em um partido como o PSDB e por sua trajetória política, Aécio Neves representa a versão dura do neoliberalismo: imperio irrestrito dos mercados, desmantelamento do “nefasto intervencionismo estatal”, redução dos investimentos sociais, “permissividade” ambiental e apelo à força repressiva do estado para manter a ordem e contera os revoltados. Foi por isso que nada menos que o Clube Militar – um antro de golpistas reacionários, nostálgicos da brutal ditadura de 1964 – decidiu brindar-lhe com seu apoio, dado que, segundo seus integrantes, o ex-governador de Minas Gerais possui “as credenciais necessárias para interromper o projeto de poder do PT, que marcha para à sovietização do país”.

Fora o desvario que manifestam os proponentes deste disparate, seria um gesto de imprudência que a esquerda não perceba o crescente processo de fascistização de amplos setores das camadas médias e o clima macartista que satura diversos ambientes sociais e que, em consequência, subestimasse a transcendência do que significa o explícito apoio a Aécio de parte dos militares golpistas, o setor mais reacionário (e muito poderoso) da sociedade brasileira. Que depois da vergonhosa capitulação de Marina, Aécio tenha prometido assumir como própria a “agenda social e ecológica” dela é apenas uma manobra propagandística que somente espíritos incuravelmente ingênuos podem levar a sério.

Em terceiro lugar, a indiferença de um setor da esquerda brasileira diante do resultado do segundo turno reedita o otimismo suicida com que Thälmann enfrentou, da prisão, a estabilização do regime nazista: “depois de Hitler” - dizia a seus companheiros de infortúnio, tratando de consolá-los - “viremos nós”. Equivocou-se tragicamente. Alguém pode pensar que depois de Aécio florescerá a revolução no Brasil? O mais certo é que se inicie um ciclo de longa duração onde as alternativas à esquerda, inclusive de um processo “light” como o do PT, desapareçam do horizonte histórico brasileiro por longos anos, como ocorreu depois do golpe de 1964. É ilusório pensar que, sob Aécio, as classes e camadas populares irão dispor de condições mínimas para reorganizar-se depois do fracasso experimentado pelas políticas suicidas do PT; também é ilusório imaginar que novos movimentos sociais poderão surgir e atuar com um certo grau de liberdade numa esfera pública, cada vez mais controlada e limitada pelos aparelhos repressivos do estado; ou ainda supor que novas forças partidárias poderão irromper para disputar, a partir das ruas ou das urnas, a supremacia da direita.

Em quarto lugar, é óbvio que a opção com que irá se deparar o povo brasileiro no próximo 26 de outubro não passa por reação ou revolução. Passa pela restauração conservadora que representa Aécio Neves ou pela continuidade de um neodesenvolvimentismo atravessado por profundas contradições mas levado ao Planalto por aquele que, na época, foi o mais importante partido de massas da esquerda na América Latina. Em que pese a sua lastimável capitulação perante as classes dominantes do Brasil, sua incapacidade para compreender a gravidade da ameaça imperialista que paira sobre o seu país – o país mais cercado por bases militares norte-americanas de toda a América Latina! – e o abandono de seu programa original, o PT conserva ainda a fidelidade de um segmento majoritário dos condenados da terra no Brasil e um certo compromisso, poucas vezes cumprido mas mesmo assim presente, com as aspirações emancipatórias das classes populares que em 1980 o fizeram nascer. Por isso, e diante da desaceleração da reforma agraria no Brasil, Dilma pelo menos tem que sair e explicar ao MST as razões do seu comportamento e prometer a adoção de algumas medidas para modificar essa situação. Já Aécio não tem nada a ver com o MST nem com os camponeses brasileiros, e frente aos seus reclamos responderá com a polícia militarizada.

Em quinto e último lugar, é bom ressaltar que o anterior não implica qualquer exaltação do PT, que na sua triste involução passou de uma organização moderadamente progressista a ser um típico “partido da ordem” e que sequer lhe serve adequadamente o adjetivo reformista. Também não se desprende da nossa argumentação a necessidade ou a conveniência de que as forças de esquerda estabeleçam uma aliança com o PT ou selem acordos programáticos com ele de olho para o futuro. Mas na atual conjuntura, definida pelo fato institucional das eleições residenciais e não pela iminência de uma insurreição popular revolucionária, o voto em Dilma é o único instrumento disponível no Brasil para evitar um mal maior, muito maior. Os companheiros que advogam pela neutralidade ou pela indiferença deveriam, para serem honestos, assinalar qual é a outra força política que poderia impedir a vitória do Aécio, e qual é a estratégia política para tal fim, seja eleitoral (que não existe) ou extra-institucional ou ainda insurrecional, algo que ninguém consegue enxergar no horizonte. Portanto não há outra arma para impedir a vitória de Aécio e a esquerda não pode se refugiar numa pretensa neutralidade.

E caso se consiga derrotar a reação conservadora liderada pelo PSDB (como muitos na América Latina e no Caribe esperamos ferventemente) caberá aproveitar os quatro anos que vem pela frente para reorganizar o campo popular desorganizado, desmoralizado e desmobilizado pelas políticas do PT. E submeter o segundo governo de Dilma a uma crítica implacável, empurrando-a, a partir “de baixo”, dos movimentos sociais e das novas formas partidárias, a adotar as políticas necessárias para um ataque a fundo contra a pobreza e a desigualdade, contra a prepotência dos oligopólios e contra as chantagens das classes dominantes aliadas ao imperialismo. No plano internacional o trunfo dos tucanos teria gravíssimas consequências porque colocaria no Planalto a uma força política submetida por completo aos ditames da Casa Branca; sabotaria os processos de integração supranacional em andamento como o Mercosul, a UNASUL e a CELAC; serviria como ponta de lança para atacar a Revolução Bolivariana e os governos de esquerda e progressistas da região; para isolar a Revolução Cubana e para oferecer apoio material e humano do Brasil para as infinitas guerras do império.

Este não se engana, e não por nada tem lançado, junto aos seus aliados locais, uma fortíssima campanha para que seu candidato, Aécio, triunfe no próximo domingo. Ninguém na esquerda pode ignorar que, se tal coisa chegasse a acontecer, uma longa noite cairia sobre a América Latina e o Caribe, abrindo um funesto parêntese que sabe lá quanto tempo demoraríamos em fechar. Sem exagerar nas analogias históricas, conviria meditar sobre a sorte corrida por Thälmann e seus camaradas comunistas graças à adoção de uma tese que sustentava a igualdade essencial de todos os políticos burgueses.

 

O SONHO BRASILEIRO DECEPADO

por Eron Duarte Fagundes

Segundo depoimento de André Ristum, nos debates sobre seu filme O outro lado do paraíso (2014) no Pavilhão do Festival, no Cais do Porto, em programação do Festival do Rio 2014, a temática do golpe militar sempre volta em seu cinema. No documentário Tempo de resistência (2004), baseado num livro memorialístico de Leopoldo Paulino, as marcas militares na sociedade brasileira são feridas abertas. Depois em Meu país (2011) Ristum fala dum homem cuja vida foi feita fora do país e, ao aqui retornar por motivos familiares, dá com um mundo onde se desloca com proximidade e distanciamento, um efeito de estranheza. Há relações entre a trajetória íntima das personagens e a trajetória do próprio país, em perspectiva histórica. Ristum explica sua obsessão para com a ditadura militar: em face dela, ele, Ristum, foi criado fora do Brasil; então, para entender seus próprios caminhos, tem de sempre voltar a estes tempos que lhe alteraram o destino.

Aquilo que é a essência do cinema de Ristum, como se encadeiam os laços entre o indivíduo e a história, se torna mais forte e cortante em O outro lado do paraíso. A base é uma novela infanto-juvenil do escritor mineiro Luiz Fernando Emediato, o mesmo autor que forneceu um conto para Verdes anos (1984), de Giba Assis Brasil e Carlos Gerbase. Presente na mesa de debates, o escritor revelou o divertido conflito em que quem escreve o livro é iludido pela aparente fidelidade que lhe presta o cineasta enquanto quem dirige o filme faz o filme que quer. Ristum contou também que o projeto de filmar O outro lado do paraíso começou sem o realizador. Foi Nilson Rodrigues quem propôs a Luiz Fernando fazer de seu conto autobiográfico um filme; Emediato resistiu inicialmente à ideia, mas só cedeu quando lhe deram um aparente domínio sobre o projeto. Houve uma tentativa com outro diretor, disse Emediato, evitando dar o nome, e somente depois de ver Meu país é que o ficcionista concluiu que estava diante do diretor de seu filme. Este “seu filme” é enganoso; quem conhece cinema e sabe das características do cinema de Ristum, vê logo que o filme é mesmo do cineasta. Estas relações nebulosas entre a literatura e o cinema perpassam um filme como O outro lado do paraíso.

O curioso em Ristum é que ele, como um criador de ficção cinematográfica, sabe tomar histórias alheias como suas; foi assim em Tempo de resistência, torna a ocorrer em O outro lado do paraíso, mas os dois filmes se articulam com a mesma linha de pensamento cinematográfico que vemos em Meu país, onde o exilado de Rodrigo Santoro tem uma convivência mais próxima daquilo que Ristum viveu, o exílio de seu país e a volta com estranheza. Ristum está contando em seu novo filme o processo do sonho brasileiro, estimulado pela construção recente de Brasília e pelas reformas de base incendiadas por João Goulart, e a forma como este sonho é decepado pelo golpe militar de 1964. Esta história, comum a muitos brasileiros, é trazida sob a forma da história de Emediato, o menino cujo pai é preso por ser um trabalhador ativista quando se dá o golpe. É por aí que acontecem as relações entre a trajetória coletiva e a individual no mundo que o cinema de Ristum busca retratar,

Pode-se dizer que Ristum segue adiante a depuração de suas influências rossellinianas que já víramos em Meu país. Mesmo um ator mais estelar como Eduardo Moscovis, vai obedecer ao despojamento e ao rigor estéticos que Ristum exercita em todas as latitudes de O outro lado do paraíso.

 

Nota Oficial da coordenação da coligação O NOVO CAMINHO PARA O RIO GRANDE

A direção da campanha O Novo Caminho para o Rio Grande esclarece que o candidato José Ivo Sartori, que também é professor, teve um trecho de 27 segundos - de uma entrevista de 54 minutos - retirada de um contexto onde ele fazia referência à promessa não cumprida de pagamento do piso salarial dos professores.

Sartori pede desculpas por qualquer mal-estar causado, reforçando o respeito que tem pelos professores e lembrando que quem não respeita o Magistério é o candidato Tarso, do PT, que assinou a lei e não cumpre ao não pagar o piso aos professores.

Coordenação da campanha da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande

 

Sartori participa de Caminhada da Mudança nesta terça-feira

A coligação O Novo Caminho para o Rio Grande promove nesta terça-feira (21) a Caminhada da Mudança, em apoio à candidatura de José Ivo Sartori ao governo do Estado. A mobilização terá a presença de Sartori e do candidato a vice-governador pela aliança, José Paulo Cairoli. Sairá da Praça Argentina (na Avenida João Pessoa, ao lado do Hospital Santa Casa), às 18h, e seguirá pelas avenidas Salgado Filho e Borges de Medeiros em direção ao Largo Glênio Peres, onde será realizado ato político com discurso de Sartori.

“A Caminhada da Mudança será mais uma ação de reta final, na qual o candidato Sartori falará para militantes e apoiadores da coligação e de seus projetos para o Estado”, enfatiza o coordenador da campanha, Sebastião Melo. Estarão participando também líderes políticos dos oito partidos que compõem a aliança e das outras 11 legendas que aderiram à candidatura de Sartori no segundo turno das eleições.

 

AGENDA DO CANDIDATO JOSÉ IVO SARTORI PARA 21 DE OUTUBRO – TERÇA-FEIRA

ALEGRETE

8h às 9h20 – Carreata, seguida de caminhada e entrevista coletiva na sede do PMDB.

BAGÉ

10h às 12h – Entrevista coletiva na sede do PMDB e caminhada desde a Rua Sete de Setembro até a Câmara Municipal.

PELOTAS

12h30 às 14h30 – Carreata desde o Aeroporto até a Associação Comercial, entrevista coletiva (Rua 7 de Setembro, 274 – Palácio do Comércio) e caminhada no Calçadão.

RIO GRANDE

15h às 16h30 – Carreata desde o Aeroporto até a Avenida Presidente Vargas, caminhada no Centro da cidade e entrevista coletiva na sede da Câmara do Comércio.

PORTO ALEGRE

18 horas – Caminhada desde a Praça Argentina até o Largo Glênio Peres, onde será realizado ato político.

 

Estado não extinguiu pedágios e estradas estão péssimas, afirma Sartori

O candidato ao governo do Estado José Ivo Sartori afirmou nesta segunda-feira (20), em entrevista ao portal Terra, que o sistema de pedágios adotado pelo governo federal é um modelo que pode ser seguido pelo Estado, porque possibilita a cobrança de menor valor aos usuários das estradas e retorno financeiro em tempo mais alongado aos investidores. “No Rio Grande do Sul, os pedágios continuam existindo. Não foram extintos. O que ocorreu é que lá atrás, quando se iniciaram as concessões de rodovias, foi fixado um período de 15 anos de vigência. Já os novos contratos não têm tempo definido para acabar”, disse ele.

Sartori enfatizou que as rodovias gaúchas estão em péssimas condições e mencionou uma pesquisa anual da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada na semana passada, para sustentar a afirmação. Conforme avaliação feita em 2014 pelo órgão em 8.295 quilômetros de estradas, apenas 302 quilômetros (o equivalente a 3,6%) podem ser classificados como ótimos. Na pesquisa anterior, o índice era de 5,3%.

A CNT aponta que a qualidade da malha rodoviária do Rio Grande do Sul está em queda progressiva. Em 2010, 66% das rodovias eram consideradas ótimas ou boas. O percentual baixou para 62% em 2011, 58,7% em 2012, 48,9% no ano passado e, agora, para 32,4%. Comparando com Santa Catarina (onde 40,3% das estradas são apontadas como ótimas ou boas) e o Paraná (onde o índice é de 49,3%), o Rio Grande do Sul tem a pior condição da Região Sul.

Sartori defende as parcerias público-privadas (PPPs) para investimentos em rodovias, já que hoje o Estado não dispõe de recursos próprios suficientes para isso. “Não se pode ter preconceito político ou ideológico com esta alternativa. Com as finanças combalidas, não teremos como fazer melhorias sem PPPs”, frisou, destacando que os serviços devem, no entanto, ser mantidos sob o controle do Estado.O candidato salientou ainda que dará continuidade às obras em andamento e também buscará recursos junto a organismos de fomento para recuperar as estradas, à medida que as finanças permitirem.

 

de Serafina

Mini Miss serafinense concorre a título de beleza internacional

Camilly Vitória Moccellin tem 5 anos e é filha de Mikaela Oliveira e Daniel Moccellin. É a atual Miss Brasil, título conquistado no mês de Novembro de 2013, no Rio de Janeiro. Camilly embarca rumo ao Peru, país da América do Sul, juntamente com toda comitiva do Brasil para concorrer ao título de Miss Mundial Mini, que acontece entre os dias 23 a 25 de Outubro de 2014, na cidade de Arequipa. Na programação para esses dias estão passeios turísticos, jantares, festas, entrevistas para emissoras de televisão de todo o mundo. No dia 25, o dia mais esperado, as candidatas farão apresentações com traje típico do seu país e desfile com traje de gala, após será feita a coroação das vencedoras. O Brasil estará representado por 6 Misses que disputarão ao título em diferentes categorias, entre elas a pequena Camilly que concorre na categoria Mini. Mais de 50 países de todos os continentes estão confirmados. O Poder Público Municipal, em nome da comunidade serafinense, parabeniza essa iniciativa e deseja muito sucesso à serafinense Camilly nesse importante concurso.

 

Campanha Cabelamor

O Gabinete da Primeira Dama e a Secretaria Municipal de Cultura comunicam que o evento da Campanha Cabelamor ? Seu Cabelo vale sorrisos, do dia 19 de Outubro, foi cancelado devido ao mau tempo. Sendo assim, a Campanha continuará até o final do mês de outubro, de acordo com as seguintes orientações: As pessoas que se inscreveram para doar o cabelo no dia do evento deverão entrar em contato com as seguintes cabeleireiras, para agendar o seu horário e, após, entregar suas mechas na Prefeitura Municipal, na Secretaria Municipal de Cultura ou Gabinete da Primeira Dama. As cabeleireiras parceiras da campanha são: Fátima Badalotti ( 3444 1998); Maria Teresa Zanini( 3444 2042); Elizete( 3444 3159); Neli Cenci (3444 9616); Mateus Piuco( 3444 1426); Márcia Piazza(3444 2043); estas possuem a lista com o nome das pessoas inscritas. As pessoas que já cortaram seu cabelo, devem dirigir-se à Prefeitura Municipal, na Secretaria de Cultura ou Gabinete da Primeira Dama, para entrega de suas mechas, durante os horários: 7h30mim às 11h30mim e das 13h às 17h30mim. Mais informações pelos fones: 3444 8131 ou 3444 8153.

 

Expo Prata e 4º Sindimostra

Na quinta-feira, 16 de Outubro de 2014, o Prefeito Municipal Ademir Antonio Presotto recebeu, em seu Gabinete, a comitiva da Expo Prata, Feira Comercial, Cultural e Industrial. As Soberanas fizeram o convite aos serafinenses para a Expo Prata e a quarta edição do Sindimostra, que acontecem de 06 a 09 de Novembro de 2014, na Associação dos Motoristas de Nova Prata/RS. Entrada gratuita para a feira, participe!

20 de outubro de 2014

AECIO MENOS UM VOTO

Meu irmão PAULO - com quem tenho uma relação de amizade - NÃO VAI VOTAR NO AECIO...

* estará coÇando o saco no Rio.....

 

senadora elegante...

nO RECENTE EPISÓDIO da CC da MEMEIA ela foi elegante....

* mAS ÀS VEZES ISTO TIRA VOTOS...

* ELA PODERIA TER JOGADO MERDA NO VENTILADOR.....

* BATOM EM CUECA TODOS TEM, É SO PROCURAR

* ' coçar e trair é so começar' diz aquela pecinha de teatro....

 

SOM_4

Prezado leitor:

o rapaz da foto é o MOLA(Nelson Matzenacher Ferrão).

Está hoje no grupo SINOS.

Foi da Continental eda ZH. lembra da rádio Continental. Tem um livro sobre ela.

Procure o livro eu não lei mas acho que é bom....

Nunca trabalhei lá.

Esta foto eu tenho das fichas ' do Dops" aqui ...Claro que não são do Dops....antes que entendam mal...

Um dia, seu deus quiser, quero fazer um pequeno dicionário dos colegas....

O mais enxuto possível..(olides)

From: Renato pinto rodrigues
Sent: Sex 17/10/14 09:28

ôi ... Bom dia !

O SOM_4 foi a primeira banda -beatle a ' circular ' por Porto Alegre , entornos e Interior , também .. e muito competente eram, sim ! Enfim...este o ' personnel ' .: Hermes Aquino + Claudio VeraCruz + Renato Pinto + Lauro Ney...

Estou lhe incluindo aqui, 1 anexo vindo do seu blog... pois esta foto anexada ...é bastante pertinente .... pois o rapaz da fotografia ... vendeu ( à época ) ao grupo SOM_4 um violão elétrico - Framus - .....
Obrigado pela atenção em me responder !

Abrç.

 

MURISTA(1)

LASIER MARTINS,senador eleito do RS, não deu as caras no evento do Aecio no sa´bado....

* Temos aí mais um murista....

* Já tem um no Senado, que largará o cargo a 31 de janeiro vindouro depois de 3 mandatos.

* Lasier vai abrir o voto quando???

* Garanto que sabado que vem, à meia noite....

* Assim não se queima....

 

Memórias peruanas....

RENATA QUASE NASCEU NO AVIÃO

Estas que eu escrevo o faço por insistência do ' Laurinho da venâncio..." não tava no meu script....

tínhamos que voltar de Lima porque a Renata ia nascer e estava mal colocada na barriga damãe...

Andavamos por Lima atrás de médicos pra arrumar a guria.

Quando fomos na Varig no centro de LIMA buscar os boletos pra volta as gurias da empresa não queriam deixar Angela embarcar porque se a Renata nascesse no avião ela teria direito a viajar o resto da vida de graça...

Depois de algumas negociações, elas nos deram os b oletos. A Angela estava tri barriguda....

Era a nossa situação da época....

Mas correu tudo bem e ela nasceu no Ernesto....

Hoje tá com 38 anos, que fez dia 13 passado. Mora no Rio e tem uma filha de 6 anos....

 

KOLECZA

o camargo que le o blog e depois fofoqueia pro kolecza quando falo dele.

* tenho uma recente...

convidei o Kolecza pra me ajudar a fazer um livro sobre a dona celeste penalvo....

ele pensou,andamos 50 metros e daí deu a resposta:

- OS ASTROS ME DIZEM QUE NÃO É O MOMENTO!!!!

toing.....

 

KOLECZA

o outro post é de 14 de outubro. está no arq do blog...

* Não faço isto, mas o fiz por uma deferencia ao kolezca que merece de nós todos o respeito....

* As minhas ' anotações" foram apenas comenta´rios ,sueltos, nada a ser levado tão a sério....

* mande meus abraços ao veio....

 

aulinha de jornalismo

E AGORA FAZER O QUE?

Minha demissão do Trensurb - dezembro de 1991 - foi provocada por uma notícia que me passaram uma tarde de lá.Eu era do trem e da ZH.De manha ia no trem, à tarde, no jornal.

Cortaram a luz no meio da tarde por falta de pagamento e uma colega da comunicação, Maria Cristina Lopes Pinto, hoje aposentada, me ligou pra ZH pra me informar.

Passei o assunto pra chefia de reportagem.

( estou contando o que lembro e a minha versão,claro)

( em tempo: o presidente da época, com quem hoje tenho boa relação andava pegando no meu pé por causa do horário que eu chegava...)

A ZH mandou fazer a matéria e no dia seguinte,quando cheguei no trem, desligado como sempre, nem notei nada.

Dias depois, o Fuscaldo, meu chefe- hoje dono da Coletiva - me avisou:

- O presidente disse que não perdes por esperar....

Não entendi...

Alguns meses depois me chamaram e me mandaram embora...
- A empresa não precisa mais de ti....

Em abril do ano seguinte, fui também demitido da ZH.

Este é o problema do chamado duplo emprego. Nem sei mais se nas redações ainda existe. Antigamente era mais comum que mijar em poste. Todos tinham. Por isto não entendi como a senadora ficou dando explicação no episódio recente. Eu no lugar dela teria dito:

- meus caros, isto era uma prática comum....

E ela sabe de muita gente do jornalismo que fazia isto(OC)

 

Futebol

FUI VER INTER E CORINTIANS....

FAZIA EXATOS 38 ANOS QUE NÃO VIA O CORINTIANS....

FUI NUM JOGO TAMBÉM COM O INTER, QUE NA OCASIÃO GANHOU O JOGO.

* NA SAIDA O PRESIDENTE LUIGI ESTAVA PUTO DA VIDA COM A DERROTA, DESCEU O ELEVADOR SEM DAR PAPO A NINGUÉM....

 

BONFA

NESTE SABADO DESCENDO PRA OSVALDO, ENCONTREI O ' TERRORISTA' JOVEM HEBREU E TOMAMOS UM CAFÉ. É O LIVREIRO JORGE SILVA.

* ALI TAMBÉM ENCONTREI O CARLINHOS CARAMEZ QUE VEJO DE VEM EM QUANDO....

* MORA NA CASA DOS PAIS AQUI E NO RIO....

* CHAMO O JOVEM HEBREU DE TERRORISTA POR CAUSA DE SUA BARBA....

* MAS É UM BOM AMIGO....

* fLÁVIO ALCARAZ GOMES DIZIA QUE ELE ' COMIA O MICROFONE'...

* GOSTA DE UMA LATINHA COMO POUCOS.

 

LEITORES

o ' compadre' Valter Silva e Silva mê lê aqui....

* Informo a ele que o Kolecza fez uma cirurgia. Está em casa e se recupera.

* Não conheço maior ouvinte de rádio que o Valter....

* Sabe tudo o que os ' latinhas' falam....

* Um abr eletronico pra ele....

 

Aulinha de Antropoligia:

No tempo do Olivo

Foi a Adriana Sabadin que me lembrou na 6: 'coa semo drio brusar olivo' ( 'estamos queimando olivo').

É um costume de Serafina e da região queimar olivo bento no tempo dos temporais...

O olivo era bento no Domingo de Ramos.

Cada casa conservava alguns galhos bentos que quando os temporais erammuito fortes, com granizo e vento, os católicos queimavam um pouco pra acalmar o tempo.

É uma devoção antiga. Então ta aí uma aulinha de antropologia..

A padroeira dos temporais é Santa Bárbara. O olivo é queimado quando há muito vento,ou chuva de granizo,especialmente.

Deve estar ligado a destruição das lavouras contra as quais os agricultores não tinham naqueles anos nenhumseguro agrícola.

Recorria-se a proteção superior, pra afastar os temporais.(OC)

 

CINEMA PARADO

ATÉ SEGUNDA ORDEM O CINEMA DA URGS TÁ FECHADO.

* ENTROU AGUA NO CARPETE E NA FIAÇÃO.

* a URGS TÁ RECUPERANDO ELE.

 

Convite para Lançamento Livro de Memórias

Prezado amigo,

Lhe envio o convite para o lançamento e sessão de autógrafos do meu Livro de Memórias que acontecerá na Feira do Livro de Porto Alegre.

E logo após, teremos um coquetel no Chalé da Praça XV.

Gostaria muito de vê-lo!

Abraços,
Diógenes Oliveira

 

AS COISAS NÃO MUDAM MUITO

por Eron Duarte Fagundes

Jimmy’s Hall (Jimmy’s Hall; 2014), o mais recente filme do inglês Ken Loach, não ganhou o principal prêmio do Festival de Cannes, onde concorreu, mas é tudo o que se pode esperar do melhor de Loach. Tem cuidados plásticos arrebatadores, desde a transcendência de cores de sua fotografia até a manipulação dos elementos cênicos (paisagem, objetos, atores) por Loach. E esta beleza plástica, como sempre no universo do realizador, serve a propósitos libertários e humanistas que Loach vai constantemente reiterando e depurando.

De que fala Loach em seu novo trabalho? Da ousadia jovem e das necessidades de mudança na sociedade; mas também sobre como, debaixo das aparências em ebulição, o conservadorismo viceja e as coisas não mudam tanto quanto deveriam. Jimmy, o protagonista de Loach, foi um jovem impetuoso nos anos 20, no interiorzão da Irlanda, que tentou criar um salão de dança para animar a juventude que lhe era contemporânea e acabou tendo de fechar em face dos murmúrios moralistas, liderados pela Igreja; Jimmy atravessou o Atlântico e foi respirar sua liberdade nas metrópoles norte-americanas. Quando Jimmy’s Hall começa, este tempo está no passado e Jimmy está tornando a seu torrão, atendendo a um chamado de sua velha mãe; passaram-se dez anos desde os episódios do salão de baile, referidos aqui e ali na narrativa, e Jimmy, encanecido, é procurado pelos novos jovens para que reabra o salão e dê a eles, rapazes e moças, a vida que lhes falta na comunidade rural marcada por arcaísmos e religiosidade não muito compatíveis com a mocidade. Jimmy, que recua inicialmente temeroso de que o passado volte nas mesmas formas, acaba enfim atendendo-os e recomeça, com o salão de baile. E novamente, apesar dos dez anos à distância, as forças conservadoras se põem em marcha. A violência do choque é descrita em cores vivas por Loach. E, melancolia das melancolias, revelando que numa década não mudou muita coisa no meio rural de onde Jimmy emergiu para o mundo: novamente Jimmy é forçado a emigrar para os Estados Unidos. Agora a força que o empurra para fora é mais brutal: deportam-no. Jimmy é então extraído de sua mãe, de seu amor, de seus amigos, dos cenários onde aprendeu a amar o mundo; Jimmy é transformado num estrangeiro em sua própria terra. Num certo sentido, Jimmy é a personagem de Loach para estabelecer os signos desta época de falsas mudanças e retrocessos insistentes.

Provavelmente um dos principais filmes vistos no Festival de Cinema do Rio 2014, Jimmy’s Hall repõe na ordem do dia a excelência formal e crítica de um dos grandes diretores de cinema de hoje, o inglês Ken Loach.

 

da Folha Popular de Teutônia

 

Sartori e Aécio defendem renegociação ampla da dívida dos estados

Foto: Luiz Chaves
Sartori e o presidenciável participaram de mobilização em Porto Alegre neste sábado

Em visita a Porto Alegre neste sábado (18), o candidato à presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, afirmou que a renegociação da dívida pública dos estados com o governo federal é uma necessidade urgente. Ele defendeu a redução do estoque e do fluxo da dívida, para que os estados voltem a fazer investimentos em infraestrutura e em serviços públicos, tão necessários para o crescimento da economia e da competitividade. O presidenciável e o candidato a governador José Ivo Sartori tomaram café da manhã juntos, concederam entrevista coletiva e depois participaram de uma mobilização na quadra da Escola de Samba Império da Zona Norte, que ficou lotada de apoiadores, líderes partidários e simpatizantes das candidaturas de ambos. Estiveram presentes também os senadores Pedro Simon e Ana Amélia Lemos e o deputado federal Beto Albuquerque.

Sartori ressaltou que o Rio Grande do Sul e outros estados brasileiros enfrentam a mesma condição financeira e defendeu um novo pacto federativo. “O modelo distorcido existente hoje precisa ser modificado, pois serve somente para cooptar, e não para engrandecer os estados e os municípios brasileiros”, frisou. “Nesta caminhada de renovação que estamos fazendo, temos um batalhão ao nosso redor. São 19 partidos conosco. Por isso, eu acredito que é muito melhor unir e agregar do que desconstituir e dividir. Estamos aqui para lutar pela mudança e pela alternância de poder no Brasil.”

Desafio da mudança

Para Aécio Neves, este é também o maior desafio que o Brasil tem pela frente - “o da transformação”. Na entrevista coletiva, disse que “estamos vivendo um momento de reencontro de homens e mulheres de bem que querem mudar o país”. Destacou também a união e o apoio às candidaturas dele e de Sartori em torno do desejo de mudança da população: “Não sou mais o candidato do PSDB ou de uma aliança de partidos. Sou o candidato desse profundo sentimento de transformação e de reconstrução do Brasil, a começar por seus valores: da ética, da seriedade, do respeito ao dinheiro público e até do respeito aos adversários”.

Mesmo com tempo chuvoso, não sobrou espaço vazio na quadra de samba da Império da Zona Norte. Uma multidão de cerca de 6 mil apoiadores dos 19 partidos aliados à candidatura de Sartori compareceu ao ato político, em que estiveram presentes em torno de 50 lideranças pluripartidárias. "Aqui vai começar a grande caminhada para a mudança. Todos nós somados e dispostos, vamos seguir para trabalhar até o dia 26 com a mesma convicção de transformar o Rio Grande e o Brasil", disse Sartori. "Tem gente que se incomoda com nosso slogan 'O meu partido é o Rio Grande'. Mas isso significa que vamos abraçar a todos, sem preconceito, porque os interesses do Rio Grande estão acima dos interesses partidários”, acrescentou. "Quando o Rio Grande fala, todos param e escutam os ensinamentos. Daqui de Porto Alegre, que me honrou com maior votação do que Dilma, busco a coragem e a energia para assumir meu compromisso com os gaúchos e brasileiros", completou Aécio.

 

de Serafina

Os Canarinhos em Farroupilha

O Instituto Cultural dos Pequenos Cantores de Farroupilha promoveu o IV Festival de Coros em Canto, em comemoração aos 100 Anos do Clube do Comércio. O Projeto Social da Prefeitura de Serafina Corrêa, Os Canarinhos, participou com quatro músicas e finalizaram cantando Amigos para Sempre com os demais Coros, juntamente com o Tenor Dirceo Pastori e o Maestro Celso A. O. Fortes. Nesse importante e tradicional evento, Os Canarinhos de Serafina Corrêa conquistaram o 2º Lugar pela terceira vez em Festivais no Rio Grande do Sul. Estavam presentes os Canarinhos de Barão; de Nova Prata; de São Pedro da Serra; de Farroupilha; Coro Infanto Juvenil Talentos de Farroupilha; e o Coro da CRT de Porto Alegre. A Prefeitura de Serafina Corrêa, através da Secretaria Municipal de Cultura, agradece e parabeniza todos os integrantes desse importante Projeto Social Os Canarinhos pelo empenho, dedicação e por tão bem representar o município nos eventos em todo o Estado.

 

RETIFICAÇÃO - Presidente Nelson é reconhecido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho

então tá feita a retificação(olides)

De: imprensa
Enviada: Sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

Bom dia!

Retificamos e complementamos a matéria, com a informação de que o Presidente da Câmara de Serafina Corrêa não foi o único representando do Município a ter recebido o Diploma Quero-Quero, edição 2014. Representando o CTG Sinuelo da Serra, também foi homenageada Valquíria Vivian.

Agradecemos a compreensão e enviamos uma foto da Serafinense e demais presentes do CTG Sinuelo da Serra que abrilhantaram este evento.

Att,

Deise Cristina Meneguzzi

Presidente da Câmara recebe honraria pelo comprometimento ao tradicionalismo gaúcho

Nelson Pedro Mezzomo foi agraciado com o Diploma Quero-Quero

Promovida pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho, através da Coordenadoria da 11ª Região Tradicionalista, a entrega do Diploma Quero-Quero reuniu autoridades e amantes das tradições gaúchas no Clube dos Motoristas de Paraí. Em evento na noite de 27 de setembro, foram entregues os reconhecimentos para as pessoas que contribuem com o tradicionalismo, nos municípios da região.

O Presidente da Câmara de Vereadores de Serafina Corrêa, Nelson Pedro Mezzomo, foi um dos representantes do Município a ter recebido o reconhecimento, na edição deste ano do Diploma Quero – Quero – “Guardião das Tradições Rio-Grandenses”. Representante do CTG Galpão da Saudade, Nelson recebeu a honraria pelas quatro décadas de trabalho, empenho e comprometimento na manutenção de hábitos, costumes e tradições, alicerçados no amor e dedicação à causa tradicionalista. A Serafinense Valquíria Vivian, representando o CTG Sinuelo da Serra, também recebeu a comenda nesta mesma solenidade.

17 de outubro de 2014

Kolecza (1)

Uma vez o motorista CAFURINGA(ERCIO) me chamou de umlado e me perguntou:

- Olides, o Kolecza é louco?

- Não, Cafu, só meio...porque?

- Porque eu vinha do interior com ele e mandou parar o carro. Quando vi ele tava falando com uma vaca e fumando seu cachimbo.....

Kolecza(II)

Na praia, na cobertura de praias, Kolecza não sentava nas cadeiras. se esparramava pelo chão, botava seu cachimbo de lado e dele papo com os repórteres.

O dono do Beira-Mar, Miro Weber, me comentou:

- Este cara é inimigo dos fabricantes de cadeiras....

Kolecza(III)

Florianão Correa chefiava a imprensa do Aldo Pinto, em 86. Deixou o Kolezca apenas pra pautas 500 na capital. O veio se molestou....não falava com ninguém no comite.

Florianão foi pra cima dele:

- O que há contigo?

- Po eu gosto de correr poeira, ir pro interior e tu me deixa no ar condicionado??
Vai entender!!!!

Kolecza (IV)

Ele e Juan Gomes foram pro Paraguai a mando do Maurício...Tinha um brasileiro lá preso. Ficaram fora 15 dias não dando nenhum sinal de vida....

Quando todos pensavam que estavam presos, apareceram....

Tinham desviado o roteiro na volta e foram fazer matérias no interior do RS ou sobre seca, ou sobre desertos, não lembro bem....

Kolecza(5)

Nas férias costuma ir pra Garruchos, a beira do rio Uruguai solito pescar. Dizem que é visto falando com os simios no alto das árvores...

Kolecza(6)

Uma vez me fez um artigo sobre a Ouro e Prata porque era amigo do veio Willy Fleck que fora seu fiador num tempo dificil do polaco na capital.

Eu mudei ao invés do Ouro e Prata que ele tinha escrito botei da Ouro e Prata. Ficou um ano sem me dar a palavra.

Kolecza(7)

Ao contrário do que pensam, o repórter não tem curso superior. Fez o Cientifico no Julinho. Depois foi pra Livramento onde estreou na Plateia, do velho Toscano Barbosa,se não tou enganado.

Kolecza(8)

Ele esteve naquele famoso episódio da ' guerra dos crachás..." não lembro se foi demitido, ou se pediu demissão naquela vez.

Kolecza(9)

Tem cinco filhos, um com cada mulher....Bertrand, o mais velho, é o dono da FOLHA DO PORTO.

Kolecza(10)

Atualmente está com nova companheira...

Kolecza(11)

Sua grande amiga Francis, o visitou quando morreu um cantor missioneiro, nome que não me vem agora...depois lembro....

Cenair Maicá...Ela foi lá na casa do amigo e viu a seguinte cena:

- Ele sentado no chão, ouvindo uma musica do Cenair e uma cruz missioneira na parede com um lenço vermelho...era o retrato da tristeza, do luto.....

Kolecza (12)

Foi amigo e compadre de Noel Guarany. O visitava em santa maria da boca do monte, quando este estava adoentado.

Kolecza(13)

sempre que vou a são borja, lhe trago alguma coisa da região principalmente que tenha a ver com missioneiros..


Kolecza(14)


Sua saída da zero hora, no começo dos anos 80, até hoje é um ' mistério'. aliás bem do seu feitio...

quando saiu, fundou um excelente jornal O DENUNCIA. quem quiser tem a coleção no MCHJC.

kolecza (15)

Todos nós torcemos pra que se recupere bem e o tenhamos no nosso meio....é um privilégio ouvi-lo com suas teses, embora muitos o achem um ' poeta', um ' astronauta".

 

Memorias peruanas

SEM RUMO EM LIMA

Zanzei pra lá e pra cá durante um bom tempo em Lima, quando lá vivi....

Minha impressão daqueles anos é que foram anos dificeis....

Andava meio sem rumo na vida....

aliás, sai daqui depois de pedir demissão da Folhinha, porque estava meio ' extraviado', não sabia bem o que queria....

Alguns amigos acharam até que eu tinha enlouquecido....

Que nada, como diria o Raul Seixas eu ' era uma metamorfose ambuente"

Morei na av. Lima, 104, em Barranco, bem pertinho do mar....

Ia no malecon todos os dias olhar o Pacifico...

Comia alguma coisa sempre naquela ' vieja casona da dona Rosa"

Pobre, depois de ter perdido tudo na desapropriação que os milicos tinham feito de suas terras, ela passava os dias tentando criar dois filhos pequenos. mas ninguém trabalhava naquela casa....

Mesmo assim, dona Rosa tinha um pedaço de pão pra todos....

Imagino sempre que a pobreza é que solidariza as pessoas..

Ali morando naquela casa peguei vários ' toques de queda', quando saia com um garção amigo, ou com o Mino,filho da dona Rosa....

Escrevia algum artigo num jornal de Lima pelo qual não ganha nada, pelo menos a autoestima....

Não tinha planos de voltar ao Brasil, andava meio sem rumo, ao sabor dos acontecimentos.Vivia um dia depois do outro....

Dios, ou una mano amiga me protegeu...(OLides canton)

 

QUAL DOS VIEIRA,AFINAL....

esta é boa. ligaram pro Ayres Cerutti perguntando se ele votaria no VIEIRINHA....

- SIM,CLARO,DISSE O GRINTO....

PENSAVA QUE ERA O VIEIRINHA DO PDT...

NÃO ERA O VIEIRINHA CANDIDATO A PRESIDENTE DA ARI....

 

Memória

Serginho Ros e Assis Hoffmann quando percorriam o interior junto com os milicos tentando pegar o cel. Jefferson Cardin, que tinha tomada a rádio Difusora de Tres Passos, na conhecida guerrilha de Tres Passos.

aqui,segundo Assis, eles estão em Sto.Angelo.

o proprio assis me deu esta foto...

eles estavam pela MANCHETE....

 

Brasileiro ou cidadão dos EUA?

O rekern acha que só tem eleição lá encima ....e aqui???(olides) embora eu não esteja nem um pouco entusiasmado com as candidaturas tanto lá como aqui

De: rekern
Enviada: Quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

Brasileiro ou cidadão dos EUA
Armínio Fraga, guru do mercado do playboy de Minas, tem cidadania americana. Quer dizer, você acha que ele e seu chefe estão preocupados com os brasileiros?

Renato Kern

 

BLOG DO CANTON

Va la fiol del zator....(olides)

From: m-rocha
Sent: Qui 16/10/14 15:41

OLIDES !

SÓ NO BLOG DO CANTON, PODEMOS APRECIAR FOTOS DA UNDEZE( CAPELA SANTANA) E DE PARIS, LADO A LADO. SOMOS NÓS,TEUS VISITANTES, OS PRIVILEGIADOS !!!!!E COMO NÃO LEMBRAR DO PROFESSOR ETELVINO BARP COM SUAS LIÇÕES DE FRANCÊS, PELO MÉTODO CONSTRUTIVISTA( ANTECIPOU-SE A FREIRE). A VIAGEM À PARIS !!! AVE VOU SOFRE DE MAL DE MER ? NON, NOS AVON SORFRER DE MAL DE MER ! TRADUZ PARA NÓS, TI QUE GA LA TÉNICA !

DA CAPELA SANTANA SAIRAM GRANDES PERSONAGENS, ATÉ ONDE LEMBRO; SÃO ELES: CASEMIRO MIOR E JOÃO PAULO, ATLETAS DE INTER E GRÊMIO, JOÃO MIOR, CANDIDATO A PREFEITO E O ZATOR DE VICE, EM 1982( TU NÃO LEMBRAS POIS ESTAVA MAIS PARA LÁ DA CORDILHEIRA !!!!). QUE IRONIA ! NA OCASIÃO NOSSO PROFESSOR EGÍDIO CHIARELLO VENCEU AS ELEIÇÕES, COMO DISSIDENTE DA ARENA !!!!!!!, PELO PMDB. E DA SANTANA TINHA UM PRODUTOR , GENTE BOA, MAS MUITO LOUCO, QUE FAZIA VERSOS( EX.; O MEU FILHO QUE VEIO DO QUARTÉ VALE MENOS QUE A MINHA MULHÉ !!!*SIC ) ELE ERA GÊNIO, E COMO TODO GÊNIO, MEIO LOUCO !!!!!!! SE LEMBRAR O SOBRENOME CITAREI !!!!. MORAVA QUEM SAI DA ESTRADA PRINCIPAL E SE DIRIGE À CAPELA SANTANA, ANTES DA SEDE - FRIZZON NÃO ERA, E ACHO QUE TAMBÉM ESTE ERA LOUCO !!!! E FEIZ, CREIO.

NEM PRECISA TE PERGUNTAR COM QUEM VAIS NO SEGUNDO TURNO( VIÚVO DA MEMÉIA E ITALIANO !!!!!!). SARTORI, ZIO CANELA !!!!!!! E A SALETE SERÁ A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO. TU NÃO REFERES ESTE VATICÍNIO EM TEU BLOG, PORQUE ÉS PRECONCEITUOSO, SÓ ISSO. ADESSO LA ZE DE PMDB !!!!!. E COMO BOM EX-ARENISTA......COM O PLAY BOY AÉCIO, APESAR DO RELATO SOSBRE SEU COMPORTAMENTO EM TEU BLOG , NA EDIÇÃO DESTA DATA.

UM ABRAÇO.

MAURO SANTOS ROCHA - FIOLDE ZATOR DA LENGENDÁRIA, CENTENÁRIA E ESPARTANA PALMEIRA - TERRA DOS DEPUTADOS: GERÔNIMO GÖERGEN E MISSIONÁRIO OLNEI E PARECE QUE DO RONALDO FERNANDES TAMBÉM. MAIOR BANCADA MUNICIPALISTA DA ASSEMBLÉIA, OS DOIS ÚLTIMOS FORMAM.

 

de Uruguaiana

 

UMA TERRA DE ESCRITORES

por Eron Duarte Fagundes

Ao apresentar o realizador português João Botelho diante do público que se deslocou para o Instituto Moreira Salles, que fica além da Lagoa Rodrigo de Freitas, o crítico brasileiro José Carlos Avellar lembrou que a literatura era familiar ao cinema de Botelho; tomando a palavra, Botelho fala de seu cinema como um jogo de artifícios, como algo que não deve ser confundido com a vida. Os maias, cenas da vida romântica (2014), o filme que Botelho buscou entre os vários filmes que o romance de Eça de Queirós ofereceria, confirma as duas assertivas, mesmo que o cinema de Botelho, sendo um sucesso de público em Portugal, seja praticamente ignorado pelos distribuidores brasileiros e não se possa dizer nada aqui do que Botelho fez antes pelo cinema. Primeiramente, fica claro, desde a cena inicial, que o cineasta não é um neófito em adaptar um texto literário para a tela: mantendo a força das intenções e dos episódios originais básicos, Botelho faz de seu Os maias uma questão cinematográfica essencial, o cinema literário que não é somente uma ilustração das palavras na página escrita mas detém uma energia visual própria que se vai construindo com a engenhosidade duma construção de quadros que se movem com grande beleza fílmica (a propósito deste Os maias, pode-se pensar no que fez o francês Eric Rohmer, há anos, em A marquesa d’O, 1976, também uma adaptação literária de época).

Botelho filma, de certa maneira, seu fascínio por algumas obsessões de Eça que são também obsessões de Botelho, um cineasta na terra dos escritores. Uma visão de Portugal decadente, pós-romântico, verborrágico e hipócrita em sua verborragia; uma destas personagens anacrônicas, cediças, desatualizadamente castiças é o Alencar, um poeta apanhado em suas metáforas frágeis pela brutalidade do naturalismo (aliás, dizem que o nome Alencar é uma ironia lusa para com a própria literatura brasileira, que naqueles anos ainda venerava os exageros do ficcionista cearense José de Alencar). Botelho mantém em seu filme esta caricatura crítica que é o Alencar de Eça. Mas é João Ega a criatura que encarna o sarcasmo virulento do narrador. Lá pelas tantas, Ega diz: “Sinto-me como se a alma me tivesse caído à latrina.” Momentos mais adiante, quando alguém evoca a frase de Ega, altera-lhe a construção: “Caiu-me a alma na latrina”. Duas alterações básicas. Substitui-se o pretérito mais-que-perfeito composto (“tivesse caído”, Ega se refere à queda de sua alma como um passado anterior ao passado) pelo passado simples (“caiu-me”, o citador aludindo à queda como um passado instantâneo, de há pouco, quase um presente). A outra alteração é a sintaxe do verbo “cair”: no primeiro caso usa-se a preposição “a” (“tivesse caído à latrina”), no segundo damos com a preposição “em” (“caiu-me na latrina”).

Aparentemente seriam sutilezas que não alteram muita coisa. Mas Portugal, lembremos sempre, é uma terra de escritores, assim como a Holanda o é de pintores: estas diferenças na escrita acabam fazendo muito sentido, mesmo quando pintadas por um cineasta que tenha lá sua herança pictórica, como se vê neste Os maias. Devemos sempre, nos filmes portugueses, atentar sobremaneira para as palavras; como disse João Botelho ao falar brevemente de si e de seu filme, os portugueses se expressam pelas consoantes (como os franceses, penso eu) enquanto os brasileiros se erigem em vogais.

Estas anotações que faço, embora se afastem do eixo central do filme de Botelho, acabam casando-se no propósito crítico de ajudar a entender como se edifica um filme como Os maias, cenas da vida romântica, que também se poderia chamar “Os maias, cenas de Eça no cinema de João”. Tratando-se duma produção entre Portugal e Brasil, a realização traz alguns atores brasileiros. Num dos papéis centrais, a irmã incestuosa é vivida com grande intensidade, simulando um sotaque intermediário entre o brasileiro e o português, a brasileira Maria Flor.

 

Candidatura de Sartori recebe apoio do PP e já tem 19 partidos aliados

Foto: Luiz Chaves

O Partido Progressista (PP) e outras seis legendas - PRTB, PRP, PTN, PSC, PV e PEN - declararam apoio oficial à candidatura de José Ivo Sartori ao governo do Estado nesta quinta-feira (16). Também já tinham formalizado adesão o PSDB, DEM, PRB e Solidariedade. Somando estes partidos aos oito componentes da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande (PMDB, PSD, PSB, PPS, PHS, PSL, PT do B e PSDC), que deu sustentação a Sartori no primeiro turno das eleições, o número de siglas aliadas chega a 19. Além disso, o PDT liberou os seus integrantes que optaram por estar ao lado dele. “Todos são muito bem-vindos. Não desprezamos nem desconstruímos ninguém. Queremos olhar para a frente e governar com todos e para todos”, disse Sartori.

A manifestação do PP, na sede estadual, em Porto Alegre, foi feita pelo presidente da legenda no Rio Grande do Sul, Celso Bernardi, com a presença da senadora Ana Amélia Lemos. Mais de 100 lideranças progressistas acompanharam o ato. “Esta aliança simboliza a unidade de forças políticas para mudar o Rio Grande. Até 26 de outubro, estaremos empenhados em uma campanha propositiva, de alto nível e de respeito aos adversários, sempre na busca da convergência política”, afirmou Bernardi. Ele ressaltou que a adesão ocorreu de forma natural e que o PP pretende ver os mais de 1,3 milhão de votos obtidos pela senadora Ana Amélia sendo transferidos agora para Sartori.

Ana Amélia Lemos falou sobre os ataques a sua candidatura e a de Marina Silva à presidência da República, ressaltando que “Sartori será a resposta dos eleitores a todas as injustiças e difamações nesta campanha”. “Quem não sabe fazer política ataca. Estamos nos unindo a uma campanha limpa, e o eleitor comprometido irá confirmar na urna a verdade, a ética e o tamanho do Estado que representa”, acrescentou. A senadora entregou a Sartori quatro volumes de seu plano de governo e pediu que as propostas sejam analisadas e incorporadas ao projeto do candidato.

O apoio do PRTB, PRP, PTN, PSC, PV e PEN foi anunciado na sede do Diretório Estadual do PMDB. Estiveram presentes mais de 70 líderes políticos. “As pesquisas apontam para a vitória, mas a eleição ainda não está ganha”, afirmou Sartori. “O trabalho continua, com bom senso e humildade, e só terminará dia 26 de outubro.” Todos os atos desta quinta-feira foram acompanhados pelo deputado Édson Brum, presidente estadual do PMDB, ao qual pertence Sartori.

 

Entidades relatam a Sartori o descaso com a segurança pública

O candidato José Ivo Sartori reuniu-se, na manhã desta quinta-feira (16), com entidades da segurança pública do Rio Grande do Sul. Representantes de sindicatos e associações apontaram uma série de problemas, como a partidarização das autarquias, o desmonte da estrutura pericial, o sucateamento de equipamentos e a defasagem do plano de carreira.

Uma das reivindicações emergenciais apresentadas ao candidato foi o ingresso imediato dos aprovados em concurso público, para suprir a falta de segurança e combater a criminalidade no Estado. "Se não houver a valorização do servidor, sobretudo na área de segurança, tudo fica prejudicado", afirmaram.

Sartori enfatizou que seu governo vai agir com coragem para devolver a dignidade aos servidores e proporcionar condições de trabalho. Defendeu a realocação de policiais, o aumento do efetivo da segurança e investimento em educação para combater a criminalidade. “Não dá para tratar a segurança como algo natural, é preciso encarar o problema de frente com profissionais qualificados, estrutura física e educação. Esta é uma preocupação de todos os gaúchos, que exigirá muita dedicação de parte do governo”, afirmou.

O candidato ressaltou ainda que o governo federal precisa cumprir a sua parte nesta área e defendeu as parcerias público- privadas – sem invadir as competências dos servidores – para mudar a política penitenciária nacional. “É necessário atenção especial neste aspecto. Hoje, o governo federal não chega a investir 0,5% em segurança. Então, como manter presídios seguros ou fronteiras controladas para evitar remessa de drogas?

 

Sartori e Aécio fazem mobilização na Capital neste sábado

Fotos: Luiz Chaves

O candidato ao governo do Estado José Ivo Sartori acompanha neste sábado (18) o presidenciável Aécio Neves (PSDB), que estará em Porto Alegre para uma grande mobilização na quadra da Escola de Samba Império da Zona Norte (Avenida Sertório, 1021, bairro Navegantes). O evento terá início às 9h, com a participação da senadora Ana Amélia Lemos (PP) e de lideranças, militantes e simpatizantes dos partidos da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande e das demais siglas que apoiam Sartori e Aécio.

Antes do ato de mobilização, haverá entrevista coletiva dos candidatos, a partir das 8h, na Sala Montevidéu do Hotel Sheraton (Rua Olavo Barreto Viana, 18, bairro Moinhos de Vento). Esta é a quarta vez que Aécio Neves vem ao Rio Grande do Sul nesta campanha eleitoral. Ele já participou de comício e caminhada em Porto Alegre, visitou a Expointer 2014, em Esteio, e esteve em São Leopoldo, Santa Maria e Caxias do Sul. Logo depois da agenda deste sábado na Capital, o tucano viaja para o Rio de Janeiro.

Agenda Aécio Neves e José Ivo Sartori

Sábado, dia 18

7h30 - Café da manhã para grupo reservado, no Hotel Sheraton

8h30 - Coletiva de imprensa, na Sala Montevidéu

9h30 - Ato político na Escola de Samba Império da Zona Norte (Av. Sertório, 1021)

 

de Serafina

Jogo Festivo em Serafina Corrêa

No domingo, 12 de Outubro de 2014, com apoio da Prefeitura Municipal, Serafina Corrêa teve a realização do jogo festivo entre o Clube de Veteranos Riograndense e o Master do Grêmio Foot-ball Porto Alegrense. O domingo que era também o Dia das Crianças teve temperatura alta, momentos de sol e tempo nublado, contando com aproximadamente 350 pessoas prestigiando o evento que aconteceu no Módulo Esportivo Municipal Laurindo Cadore, no Bairro Planalto. O jogo foi muito bom, sendo que os serafinenses tiveram a oportunidade de rever velhos ídolos Gremistas que marcaram época e conquistaram muitos títulos pelo Tricolor. O jogo foi bem disputado, sendo que o Grêmio saiu na frente com gol do Fábio de lo Santos e o Riograndense, time serafinense, buscou o empate na etapa complementar com Neguinho Caçapava e a virada com um lindo gol de Leinor, que marcou gol também em 2013 no empate em 1 X 1, decretando a vitória Serafinense por 2 X 1.

Atletas Participantes do Master do Grêmio

Estiveram em Serafina Corrêa: Ênio, Luiz Eduardo, Paulo César, Almir, Tefo, China, Fábio de lo Santos, o Serafinense CASEMIRO MIOR, Luiz Carlos, Fabrício, Evandro, Gilberto, Fábio Lima, Grapete e o Técnico: Flexa.

16 de outubro de 2014

TOU FORA.

com meus candidatos do coração fora - Meméia e Marina - perdi o tesão pra ver debates. fui....

 

memórias peruanas

POMBO CORREIO DA PATRICIA EMBARAÇADA!

TIVE QUE FAZER DE TUDO....um pouco, ou nada....

Até pombo correio de uma amiga que ficou grávida fiz....

Morava em Monterico e a Patricia ficou grávida de um gajo que ela andava...era uma guriazinha....

muito coqueta, como se diz no Peru....

Mas não era namoradeira.....

A preferida da avó que era uma chata de galocha, aquelas limenhas cheias de riquififis....

ter ficado grávida de um gajo com quem ela namorava escondido não era nada....

o problema que a patricia era casada....

E escondia a barriga do marido, que crescia,...crescia...um romance do GGMarques perfeito.

Mas a Patricia tinha uma filha, a Ursula, com o marido cujo nome não lembro mais...

Patricia começou a desaparecer do bairro não a via mais nos locais...aí um dia me disse:

OLI , assim ela me chamava, estoy EMBARAÇADA.....(GRAVIDA)

P QUE PARIU DE QUEM LHE PERGUNTEI( DE MIM NÃO ERA PORQUE NUNCA TINHA ME DADO....EMBORA EU TIVESSE TENTADO)

- DE JULIO, ME DISSE...

LOGO PENSEI..AGORA SIM A MERDA TÁ FEITA....

e ela me contava:

- Fulano de tal(o marido) no pode saber,seno me quita URSULA( ME TIRA A FILHA)

É QUE OS DOIS JÁ NÃO VIVIAM JUNTOS....

ERA UMA SEPARAÇÃO DRAMATICA....

vim me embora de Lima em setembro de 1976, sem saber que fim levou aquele drama....

mas o que me cabia era levar os recados da Patricia pro pai da criança que iria nascer, o Julio...que quando soube que eu sabia ficou mais puto ainda....(OC)

 

EXPEDIÇÃO MARCOPOLO....



foi em 88 na travessia dos andes, entre salta e o lado chileno.

só tinha carcaças de bichos ao longo do trecho...e os tripulantes da camionete em que eu estava diziam:

- são os restos mortais dos ultimos que passaram aqui....pura gozação,claro....

 

O que você precisa saber sobre o playboy de Minas

De: rekern
Enviada: Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

1- Morou no Rio de Janeiro enquanto era funcionário da Câmara dos Deputados em em Brasília. Traduzindo recebia dos brasileiros e não comparecia ao trabalho. O nome disto é roubo, é mais um caso de CCnador.
2- Em 1985 foi nomeado, pela indicação de um tio, para diretoria da Caixa Econômica Federal, segundo outros diretores da época, quase não era visto no local de trabalho.
3- Construiu um Aeroporto nas terras de seu tio, que fiou conhecido como Aécioporto.
4- Foi flagrado dirigindo bêbado no Rio de Janeiro, e não quis fazer teste do bafômetro
5- É acusado nas redes sociais de ser usuário de cocaína. A torcida mineira o homenageia em coro "Ô Maradona, vá se fo..., o Aécio cheira mais do que você".
O jornal o Estado de São Paulo colocou a seguinte manchete em suas páginas: "Pó para Aécio!"
6- É do mesmo partido que começou o Mensalão em Minas Gerais.
7- Foi acusado pelo jornalista Juca Kfouri, em seu blog, de ser espancado de mulheres.
8- Foi seu tio, Dornelles, que colocou Paulo Costa na Petrobras.

Renato Kern

 

Arena

Ouvi no rádio que o ex-pedet vai fazer um acordo e pintar todas as casas em volta do arena de azul...

* como é original!!!!!!!!!!!!!!

* igual ao que tem na boca em BAires.

 

Só para Gremistas

De: trololo45
Enviada: Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Só para Gremistas - Acho q o H. Bellini deu uma bola fora ao malhar a anunciada compra da Arena pelo Grêmio, dizendo q é eleitoreira. Devia ter elogiado a iniciativa e dito q o q mobiliza a turna dele é o futebol, é ganhar títulos, e ñ negócios imobiliários. Esse Bellini é do tipo q fabrica a corda em q vai ser enforcado. (Colaboração do Laurinho da Venâncio)

Po, Laurinho da venancio, se o koff não eleger o ' ex pedet" com esta bomba, vou ti contar....

* não tinha outro emprego pro ex-pedet arrumar que nao presidente do gremio...? este cara é um derrotado. não ganhou nada no pedet....

* arrumar outra boquinha pra ele continuar na midia....

 

do DiretodePortoAlegre.blogspot.com

Sobre trânsito

por Marcio de Almeida Bueno

A esquina da Independência com Garibaldi se transformou em roleta-russa. Senão, vejamos. O motorista que sobe a Independência não pode dobrar à esquerda e entrar na Garibaldi, conforme placa indicativa - ela aparece no lado esquerdo da foto, entortada. O motorista que desce a Independência não pode dobrar à direita e entrar na Garibaldi. Como há faixa exclusiva, geralmente são ônibus e lotações, mas eventualmente há automóveis que de alfuma forma estão nessa faixa. O que acontece é que quando abre o sinal para a Independência, fecha o da Garibaldi, acendendo o verde para a faixa de pedestres que ali está instalada, ao lado de uma banca de frutas. Nesse momento, é tão comum que motoristas - geralmente subindo a Independência - repentinamente dobrem à esquerda, que bastam alguns minutos para se fazer um flagrante. Na faixa de segurança, os pedestres precisam pular para escapar da investida cara-de-pau desses veículos, que comemtem erro duplo - dobram onde é proibido, e cruzam uma faixa de segurança com sinal verde para pedestres. A reclamação é geral, tal como o susto. Houve vezes em que os pedestres bateram palmas, de forma debochada, e em outras 'trancaram' o veículo bem no meio da infração. O local fica em frente ao Hospital Getulio Vargas, e nas proximidades há o Colégio Rosário, cursinhos pré-vestibulares e muita circulação de pedestres. Uma tragédia parece estar sendo sinalizada.

 

de serafina



se não estou enganado estas são fotos da capela santana!

 

Flanando por Paris: Le Village des Olympiades

A necessidade de restaurar o que foi destruído durante a II Guerra Mundial e acolher o crescimento de população (o "baby boom" do Pós-Guera) fez de Paris um paraíso para arquitetos e urbanistas. Influenciados pelas idéias de Le Corbusier - que igualmente inspirou Lúcio Costa e Oscar Niemeyer na concepção de Brasília - arquitetos e urbanistas franceses trataram de buscar novas soluções para a questão urbana levando em conta os princípios do Urbanismo Funcionalista definido na Carta de Atenas (1933). Na prática, isso significava separar vias urbanas de tráfego intenso das vias de tráfego local bem como das essencialmente destinadas a pedestres e favorecer a construção de prédios muito altos (30 andares), visando garantir maiores áreas livres no solo e melhor iluminação e aeração dos apartamentos. Para fazê-lo, optaram pelo Urbanismo da Laje ("dalle"). Um exemplo é "Le Village des Olympiades", erguido entre 1968 e 1975, no âmbito de um projeto mais amplo, denominado "Italie 13". Por sobre a antiga estação ferroviária de cargas denominada "Gobelins", que deixou de ser de superfície e passou a ser subterrânea, acabando por ser desativada (hoje é um depósito de cargas), construíram uma enorme laje de concreto que serviu de base para um conjunto de prédios residenciais e sobre a qual transitam apenas pessoas (os carros passam por baixo da "dalle"). Cada prédio recebeu o nome de uma das cidades que até então sediaram Jogos Olímpicos, daí o conjunto ser chamado de Olympiades. O primeiro problema é que justamente por esta época, aconteceram os Choques do Petróleo que abalaram a economia mundial. Também os parisienses não gostaram, como detestam até hoje, dos prédios erguidos na forma de altas torres. Resultou que houve caso de apartamentos ficarem vários anos sem serem comercializados. A salvação da lavoura foi a vinda em massa para a França de refugiados do Vietnã (que antes da guerra promovida pelos EUA era colônia francesa) e de outros países asiáticos. Por isso, o que foi concebido para abrigar jovens casais franceses, hoje em dia é um bairro essencialmente oriental. O urbanismo da "dale", da mesma forma que em outros locais da capital parisiense onde foi aplicado, deu com os burros n'água, pois criou ambientes muito artificiais com suas grandes áreas de concreto, porquanto foi esquecida a recomendação de Le Corbusier de serem criados parques de entorno. Tanto que, com exceção da área do "La Defense", os conjuntos de prédios de grande altura em Paris acabaram sendo proibidos a partir do governo Giscar d'Estaing. (Texto e fotos do Laurinho da Venâncio)

 

A ENVIESADA POLÍTICA

por Eron Duarte Fagundes

Os filmes diretamente políticos ficaram um pouco fora de moda: assim como os filmes intelectuais. Mas às vezes eles acontecem. Porém a evocação do que foi o melhor cinema político nem sempre permite encarar com plena satisfação certos ressurgimentos em que o anacronismo e a atualidade se põem em conflito. O estudante (El estudiante; 2011), dirigido pelo argentino Santiago Mitre, joga com esta ambiguidade temporal. As ideias políticas dos estudantes, falsas ou verdadeiras, atravessam as ações do filme em ziguezague; o processo circular, dispersivo, oscilando com alguma improvisação e divagação nunca se desgarra da cena. Como nos velhos debates políticos dos anos 60, o meio universitário é a cena ideal: é, afinal, onde se pensa o mundo. Mitre reproduz inclusive um conflito entre um estudante irrequieto e a aula de um professor; quem tem menos razão? o estudante que dispara argumentos a torto e a direito ou o professor que aliena suas lições da realidade circunstante? Mitre vai apertando a ferida; mas não o faz com vigor, preferindo deliciar-se com o próprio formalismo de sua exposição.

Mitre acaba fazendo as concessões amorosas de praxe em seu relato político: o protagonista apaixona-se por sua jovem professora, uma jovem ativista. Para quem pensa que Mitre atualizou as discussões políticas no cinema, é bom citar um filme brasileiro, recentemente exibido no Festival do Rio e que, espera-se, deve chegar aos cinemas comerciais por aqui: O outro lado do paraíso (2014), de André Ristum, um cidadão brasileiro que nasceu e se criou no exílio por causa das questões históricas e políticas do país, demarca bem mais a modernidade duma visão cinematográfica intensamente política.

 

Programação do Clube de Cinema para o próximo final de semana

No próximo Sábado (dia 18/10/2014) as 10h15min no Cine Santander Cultural "A Doença do Sono" (Schlafkrankheit-2011). Especialista no tratamento de doença do sono, Ebbo Velten (Pierre Bokma) faz uma viagem junto com Vera Velten (Jenny Schily) para a África, onde permanecem por 20 anos. Eles visitam uma comunidade em Yaoundé, capital de Camarões, e Vera encontra dificuldades para adaptar-se à cultura local, além de sentir falta de filha, que foi estudar no exterior.

No próximo Domingo (dia 19/10/2014) as 10h15min na Sala Paulo Amorim assistiremos ao filme "Viva a Liberdade" (Viva la Libertà-2013). A candidatura do secretário principal do partido da oposição, Enrico Oliveri (Toni Servillo), não esta indo tão bem quanto planejada. Uma noite, após um debate, ele desaparece. Seu assessor e sua esposa dão início a uma busca sobre o porquê do desaparecimento e se mais alguém esta envolvido nessa história. De repente, o secretário reaparece, agindo de forma diferente. Suas atitudes surpreendem a todos e fazem a cotação do partido subir. Tudo vai bem até que alguém resolve segui-lo.

 

Circuito Dandô com Paulo Matricó

Paulo Matricó será a atração do Dandô em Porto Alegre, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, sendo recepcionado por Ubiratan Carlos Gomes nesta quinta-feira, 16 de outubro.

Na temporada 2014, o “Dandô – Circuito de Música Dércio Marques” segue em caravana pelo Brasil com artistas que tenham seus trabalhos com base na cultura popular. A cidade de Porto Alegre integra o calendário mensal de atividades do projeto. O terceiro show do projeto na Capital ocorre no CCCEV e apresenta o músico pernambucano, Paulo Matricó, o anfitrião do espetáculo será Ubiratan Carlos Gomes. O espetáculo acontece neste quinta-feira, 16 de outubro, às 19h30. Ingressos podem ser adquiridos no local, a partir das 18h30. O projeto musical recebe esse nome em homenagem a Dércio Marques (falecido em 2012), um dos cantadores da arte nos “Brasis”, que revela músicos que estão fora do eixo de mídia de massa, unindo artistas de toda parte, de várias gerações, estilos e culturas.

Centro Cultural CEEE Erico Verissimo
Rua dos Andradas, 1223, Centro Histórico, Porto Alegre/RS
(51) 3226.5342 – 3226.7974 – 3228.9710 – 3221.6872
www.cccev.com.br / www.facebook.com/cccev.rs

 

Sartori visita o PP nesta quinta-feira à tarde

O candidato a governador José Ivo Sartori visita nesta quinta-feira (16) à tarde o presidente estadual do Partido Progressista (PP), Celso Bernardi, e a senadora Ana Amélia Lemos. O encontro será às 14h30, na sede do partido em Porto Alegre, na Praça da Matriz, 134 – Centro Histórico. Estarão presentes também lideranças da sigla. De acordo com Celso Bernardi, a visita reforça o sentimento de mudança dos progressistas gaúchos representada por Sartori neste segundo turno das eleições.

 

de Serafina

Presidente da Câmara recebe honraria pelo comprometimento ao tradicionalismo gaúcho


Nelson Pedro Mezzomo foi agraciado com o Diploma Quero-Quero

Promovida pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho, através da Coordenadoria da 11ª Região Tradicionalista, a entrega do Diploma Quero-Quero reuniu autoridades e amantes das tradições gaúchas no Clube dos Motoristas de Paraí. Em evento na noite de 27 de setembro, foram entregues os reconhecimentos para as pessoas que contribuem com o tradicionalismo, nos municípios da região.

O Presidente da Câmara de Vereadores de Serafina Corrêa, Nelson Pedro Mezzomo, foi o único representante do Município a ter recebido o reconhecimento, na edição deste ano do Diploma Quero – Quero – “Guardião das Tradições Rio-Grandenses”. Representante do CTG Galpão da Saudade, Nelson recebeu a honraria pelas quatro décadas de trabalho, empenho e comprometimento na manutenção de hábitos, costumes e tradições, alicerçados no amor e dedicação à causa tradicionalista.



ARQUIVO

2007
           
 Set
 Out
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014

Abr01
Abr02

Jun01
Jun02
Ago01
Ago02
Set01
Set02
Out01
Out02
   



OLIDES CANTON - JORNALISTA E ESCRITOR

Nascido em 16 de Janeiro de 1952 na cidade de Serafina Corrêa-RS, Olides Canton passou nesta cidade toda a sua infância. Mudando-se para Porto Alegre, cursou a Escola Julio de Castilhos, tornando-se Bacharel em Comunicação Social pela FABICO/UFRGS em 1982. Trabalha como Jornalista desde 1970. Trabalhou na Companhia Jornalística Caldas Júnior, Jornal Zero Hora. No Jornal do Brasil e Revista Carga e Transporte atuou como free-lancer. Editor do Jornal de Bordo e Revista Fitness. Possui 9 livros publicados. Ganhou quatro prêmios de Jornalismo, um do Badesul, dois do Setcergs e um da ARI. Registro no Sindicato dos Jornalistas RS: 2776 - Registro Jornalista - Mtb 4959.

Telefone: (51) 3330-6803
e-mail: contato@deolhoseouvidos.com.br

Autor de inúmeros livros, Olides Canton firmou-se como um
exímio contador de histórias contemporâneas.
Conheça agora as obras do autor
© "de Olhos e Ouvidos"  -  Todos os direitos reservados
Os textos e imagens publicados neste site são de inteira responsabilidade de Olides Canton.


EDIÇÕES DO FITNESS

Edição 179 - outubro 2014
Edição 172 - agosto 2014

Edição 171 - junho 2014

Edição 170 - maio 2014

Edição 169 - março 2014
Edição 168 - janerio 2014
Edição 167
Edição 166
Edição 165
Edição 164
Edição 163
Edição 162

Edição 161
Edição 160
Edição 159
Edição 158
Edição 157
Edição 156
Edição 155
Edição 154
Edição 153
Edição 152
Edição 151
Edição 150
Edição 149
Edição148
Edição 147
Edição146
Edição145
Edição144
Edição143
Edição 142

Edição 141
Edição 140
Edição 139
Edição 138
Edição 137
Edição136
Edição135
Edição134
Edição 133
Edição132
Edição 131
Edição 130
Edição129
Edição128
Edição127
Edição 126
Edição125
Edição 124

Edição 123
Edição 122
Edição 121
Edição 120
Edição 119
Edição 118
Edição 117
Edição 116
Edição 115
Edição 114
Edição 113
Edição 112
Edição 111
Edição 110
Edição 109
Edição 108
Edição 107
Edição 106
Edição 105
Edição 104
Edição 103
Edição 102
Edição 101
Edição 100
Edição 99


ESTÃO À VENDA


Cidades vizinhas (A briga entre cidades gaúchas) • R$ 15


Cosi la ze stata (Breves histórias de Serafina Correa/RS) • R$ 20


Getulio Vargas, depoimentos de um filho (Maneco Vargas fala de Getulio) • R$ 20


Estradas do Rio Grande (A história da construção pesada no RS) • R$ 50

Mais a postagem. Procure pelo olidescanton@bol.com.br.


ANUNCIE NO SITE

Entre em contato conosco

Edições Anteriores do Blog



LINKS QUE RECOMENDAMOS

Correio Do Povo
Claudio Humberto
Diário da Fronteira

DAiário Popular
Enfato
Folha de São Borja
Informativo
RedeCidade
RSUrgente
Jornal A Hora
Jornal do Comércio
Jornal do Mercado
Jornal O Sul
Jornal Panorama Regional
Políbio Braga
Prefeitura de Porto Alegre
Prefeitura Serafina
Correa

Ricardo Noblat
Rosane Oliveira
Sindicato dos Jornalistas
SUL21
Vide Versus

REPORTAGENS ESPECIAIS

Veja em "Memória"