Noticias e comentários sobre política, Gafes, episódios e causos dos que fazem a notícia Estradas, ônibus, restaurantes e histórias familiares, são parte da literatura do autor
 

Arquivo: Fevereiro de 2008



 
 

Jango, se vivo fosse, faria 90 anos neste dia 1 de março


Jango, atrás de Tancredo (careca) no enterro de Vargas em 26.08.1954

O ex-presidente do Brasil - o único presidente brasileiro  que morreu no exílio - João Belchior Marques Goulart comemoraria 90 anos neste sábado, dia 1 de março. Ele nasceu em casa  às 19 horas, no segundo distristo de S. Borja, localidade conhecida por Itacurubi. Era filho do Cel. Vicente Goulart e de dona  Vicentina Marques Goulart. Jango, como era chamado,entrou pra política por influência do presidente Getúlio Dornelles Vargas que por sinal, o viu pela primeira vez fazendo um discurso na fazenda Itu, se impressionou como ele falava bem  e perguntou pro seu velho amigo Cel Vicente Goulart:
- Quem este aí, Coronel?
- Este é meu filho Jango,respondeu o pai.
- Ele vai ser político, fala muito bem, observou a " águia" que era Getúlio.
- Não, respondeu o coronel. Eu já estou muito velho e Jango vai ficar cuidando dos campos que comprei em vida. Ele tem cinco irmãs e a mãe e precisa cuidar delas quando eu não estiver mais aqui, sentenciou o Coronel Vicente.

Nada disto, porém, aconteceu. Jangou elegeu-se deputado estadual pela primeira vez em 19 de janeiro de 1947 com 4.150 votos. As relações de Jango com Getúlio na política local começaram a se estreitar em 29 de outubro de 1945,quando Getúlio Vargas, deposto pelos militares, foi para seu " auto-exílio" na sua fazenda do Itu, em S. Borja. Jango foi o responsável pela recepção que os partidários locais,tanto do PSD( presidido pelo irmão de Getúlio, Protásio Vargas) como o PTB local, presidido por Jango, fizeram ao ex-presidente.

Jango seria depois Ministro do Trabalho de Getúlio Vargas e  ocuparia depois duas vezes a vice-presidência da República, uma de Juscelino Kubistchek de Oliveira e outra de Jânio Quadros, a quem substituiu na presidência da República, depois de sua renúncia em 1961.Depois só saiu do poder em 31 de Março quando uma revolução comandada pelo General  Mourão Filho, desde Minas Gerais o tirou do poder. Jango ainda tentou uma solução mediada e voou de Brasília para Porto Alegre, pensando que na capital gaúcha, reduto de trabalhistas, pudesse haver alguma resistência. O dentista José Nelson Gonzales, hoje com 83 anos, lembra que no dia 31 de março de 1964 foi com um amigo até o paço municipal de Porto Alegre pra ver se o então prefeito trabalhista, Sereno Chaise, esboçaria algum movimento de resistência contra o golpe. Mas não houve nada. É Nelson quem lembra: " nós estávamos lá na frente da prefeitura, o Sereno saiu lá de dentro do gabinete e havia um grupinho ali na frente que começou a gritar palavras de ordem pra resistir. O Sereno com as mãos fez sinal de pedir calma, e saiu sem dizer nada pra ninguém", lembra a testemunha .

Jango foi para S. Borja depois de uma noite inteira reunido com algumas lideranças militares na casa do Comandante militar na rua Carlos Von Koseritz,esquina com Av. Cristovão Colombo.Nesta reunião, Jango teria recebido a sugestão do então deputado federal pela Guanabara, Leonel de Moura Brizola de resistir com o que tinha ao seu lado no RS.Jango teria sido ácido com a proposta e teria dito:

- É por ir atrás de tuas propostas que eu me encontro no lugar que eu estou, teria desabafado. Ao que Leonel Brizola, diante da decisão do cunhado de exilar-se e não resistir, teria dito algo que depois se sucedeu:

- Vai rengo (Jango mancava de uma perna) filho da puta tu nunca mais vais voltar vivo ao Brasil. Jango viajou a S. Borja e de lá para Montevideo vivendo  12 anos no exílio. De Curuzu-Cutiá,na Argentina, onde ficava sua fazenda, voltou morto a S. Borja em 6 de dezembro de 1976.Morreu de um enfarte fulminante do coração,segundo o atestado da época. Agora, alguns movimentos estão querendo provar que ele teria sido envenenado dentro da chamada " Operação Condor" O enterro de Jango em S. Borja   teve que ser muito bem negociado com o regime militar, do presidente Ernesto Geisel. O prefeito de S. Borja - então nomeado porque era área de segurança nacional - João Carlos  Escobar participou destas negociações.E os carros que vieram trazendo o cortejo de Jango desde Uruguaiana vieram lentamente pra poder chegar tarde em S.Borja e velar o ex-presidente durante a noite toda. Os militares tinham pressa que Jango fosse enterrado pra evitar possíveis tumultos.

Celeste Penalvo, vúva de Percy Penalvo, é uma das testemunhas da volta do corpo de Jango. Disse ela que durante o velório, realizado na Igreja Matriz de S. Borja, não aconteceram manifestações. Os soldados da Brigada Militar faziam com que as pessoas andassem rápido na fila que se formou para ver pela última vez o corpo do ex-presidente.Em cima do caixão do ex-presidente, apareceu pela primeira vez uma bandeira  com a palavra anistia, que os militares de então não queriam nem ouvir falar.

No 30 dia da morte de Jango,em abril de 1976, na Catedral de Porto Alegre, foi rezada uma missa e após o ato alguns manifestantes começaram em coro,ainda dentro da catedral, a gritar anistia "ampla,geral e irrestrita". Entre estes manifestantes estavam Mila Cauduro, Lícia Peres, Glênio Peres, e outros líderes trabalhistas. A tropa de choque da Brigada Militar cercou a Praça da Matriz e em alguns minutos os participantes da missa de 30 dias da morte de Jango desapareceram.Nos jornais do dia seguinte apareceram apenas algumas linhas sobre episódio. Cada um tomou o rumo de suas casas, porque os tempos não estavam para brincadeira.

Quem imaginaria que três anos depois, um presidente de estilo franco, chamado General João Figueiredo fosse dizer que quem se oporia à anistia ele " prenderia e arrebantaria"?

Documento

Em anexo, telegrama da CIA – Central Intelligence Agency, datado de Porto Alegre, 02 de abril de 1964, comunicando a partida do Pres. João Goulart, rumo ao exílio em Montevidéu.
Fonte: Acervo documental do Movimento de Justiça e Direitos Humanos.

Coleguinhas

Encontrei o diretor do Museu de Comunicação Social José Hipólito da Costa Lauro Schirmer na posse da diretoria da Câmara Riograndense do Livro(CRL). Lauro desistiu de escrever um livro sobre Osvaldo Aranha. Está mais inclinado a escrever um sobre o próprio Hipólito da Costa.

Entre os motivos da desistência do Lauro, um seria que já existe um livro de um brasilianist sobre Osvaldo Aranha, "que seria muito bom". O outro motivo é que Osvaldo praticou muito o anti-semitismo quando Getúlio Vargas abriu a  imigração para o país.

Na posse da diretoria da CRL - noite de 27/02 no Memorial do RS - encontrei o colega valter Galvani que não sei se por nobreza ou não me disse que lê este site. Obrigado Galvani. Eu ainda acho que tu terias que " desovar" algumas coisas sobre o fechamento da Caldas Junior, ou então o período em que ela esteve nas mãos dos Ribeiro. Te entusiasma, índio!

Fazia um calor senegalesmo na noite da posse da diretoria da CRL no Memorial. Porque não escolhem um lugar com ar climatizado? Será que é tão caro assim? Pô tem tanta grana nestes patrocínios das feiras dos livros de Porto Alegre...

O ex-governador Rigotto visita a Festa da Uva de Caxias do Sul e é recebido
pelo diretor corporativo da Marcopolo, Valter Gomes Pinto


O ex-governador Germano Rigotto visitou as stands da Festa da Uva em Caxias do Sul.
Foto de Nabor Goulart.

Coleguinhas

O site brasil imprensa livre, do colega Wilnei Herbstrith traz interessante entrevista com o supervisor de imprensa da ALE, jornalista Carlos Bastos.

Bastos, ou Bastinhos, ou pros mais íntimos "Nenê" vivenciou muito o jornalistmo gaúcho das últimas décadas tendo atuado em órgãos importantes como, Última Hora, rádio Guaíba, RBSTV, TVE, ZH,JC, Palácio Piratini(gestão Collares) com uma passagem por Brasília chefiando a sucursal quando da Constituinte de 1988.

Nada tirava mais o Bastos do sério na redação da ZH, onde fomos colegas, do que os impropérios ditos pelo Paulo Santana no Salão de Redação principalmente quando diziam respeito ao Grêmio, onde Bastos é conselheiro. Quando o Santana saía do " Sala" Bastos o aguardava no cafezinho pra dar-lhe informações de cocheira e algumas escaramuças pelo que havia dito no " Sala".

Tenho uma boa do Bastos, embora já seja conhecida. Quando o Santana foi operado, o patrão, Maurício Sobrinho, queria logo que ele voltasse a TV Gaúcha. Foi falar com seu subordinado, dizendo-lhe:
- Olha, Bastos, gostaria que o Santana voltasse logo a trabalhar no Jornal do Almoço. Tu sabes eu não gosto de me meter no teu trabalho, é apenas um conselho. Ao que dizem que o Bastos respondeu ao patrão:
- Maurício, só seu eu colocar na tela um lado do rosto do Santana e o outra metade do Celestino Valenzuela.

Na edição do dia 27/02 do Jornal O SUL, Paulo R. Gasparatto chama Ruy CASTRO de Ruy PORTO!!!

O canetinhas e microfones (blog da Lu Winck) voltou a se atualizar e conta uma história do Gustavo Motta. Digo aqui pros meus leitores, leiam a história que a Lu conta e dou a pista de quem é o outro repórter que ela omite o nome: o colega hoje é âncora de um programa de jornalismo comentado, numa rádio AM, que inicia as 7h30 da manhã,e tem entre os colegas o apelido de " brigadeiro". Ufa...já disse muito.

Rigotto percorre o Rio Grande como candidato!

Qual será o futuro político do ex-governador  Germano Antônio Rigotto? Bela pergunta e que nem ele tem a resposta. Um mês depois da morte dos gaúchos na tragédia do avião da TAM,.de Congonhas, no inverno do ano passado, eu estava na minha terra natal, S.Correa e como geralmente faço parei num hotelzinho lá chamado " Cá Dei Monti"( é um nome romântico: numa tradução literal daria pra dizer que significa atrás dos montes. Era um sábado de manhã e notei que a dona do hotel, Lucimar Magon, estava mais agitada que de costume. Vi nos fundos do hotel um carro com placas de C.do Sul, mas até aí nada demais. E depois vi a vereadora Lucimar mais preocupada do que sempre está e dava ordens especiais. Até que ela disse pruma funcionária;
- Capricha no suco de laranja, tu sabe como é o Rigotto.

Enquanto ainda tomava ´meu chimarrão na salinha dos hóspedes  pensei: " será que o ' avião supersônico' - como o chamam alguns colegas do PMDB - está aqui neste hotelzinho num sábado de manhã? Vai pra casa Padilha pensei, me lembrando daquele famoso personagem do Jô Soares.

E não é que quando estava tomando meu café - por sinal excelente café que servem naquele hotelzinho  de viajantes - o ex-governador entrou, simpático como sempre, cumprimentando a única funcionária do café acompanhado apenas do seu motorista.Era o ex-governador mesmo que estava lá e na noite anterior prestigiara junto com o deputado Alexandre Postal ( da sua tropa de choque) a adesão de dois secretários municipais de Serafina Correa que sairam do PTB pra ingressar no PMDB.

Mas depois de pouco conversar, naquele sábado, Rigotto já deu mostras de sua pressa: descobriu que sua amiga Nadja de Paula que morrera no acidente da TAM iria ser enterrada em Porto Alegre e ele não poderia perder. Disparou lá alguns telefonemas e ao invés de ir a Guaporé prestigiar uma mostra agropecuária rumou no seu carro direto a Porto Alegre pro velório da que fora presidente do Sindicato dos Técnicos Cientificos.

Tudo isto aí decima é pra dizer Germano Rigotto não está dormindo nas palhas. Percorre o Estado e há até quem diga que onde a atual governadora vai, ele passa em seguida, como se estivesse ainda fazendo um " terceiro turno".Rigotto não quer é sair da mente do eleitorado e por isto percorre todas as festas,casamentos,eventos a que possa ganhar alguma foto no jornal, ou algum espaço no rádiou ou na tevê.

Dias atrás, num programa de tevê, disse que é candidato ao senado em 2010.O RS vai ter duas vagas, já que os senador Sérgio Zambiazi e Paulo Paim concluem ali seu mandato. Vai ser uma guerra de gente grande pra ocupar estas vagas. Se Rigotto for mesmo ao Senado, não se pode subestimar sua capacidade de fazer grandes votações.

 

Rigotto sempre foi bom de voto!

Casado com Claudia Eberle Scavino Rigotto, Germano Rigotto é pai de dois filhos. Ele começou sua carreira política aos 26 anos,como vereador de Caxias do Sul - onde nasceu - pelo MDB, em 1976.Ficou de vereador até 1982. Neste ano concorreua deputado estadual peloMDB fazendo 31.248 votos. Reelegeu-se em 1986 com 53.837 votos e em 199o tentou vôo mais alto para a Câmara Federal. Não fez feio, principalmente depois de ter feito uma forte campanha a favor da não privatização do bancoMeridional( ex-Sulbrasileiro.Rigotto fez neste ano  em sua primeira eleição como deputado federal 94.077 votos perdendoapenas pelo candidato do seu partido, Mendes Ribeiro.

Em 1994, Germano Rigotto fez 108.334 votos para deputado federal. Filho de Julieta Vargas é primo-irmão do ex-prefeito e atual deputado federal Pepe Vargas para quem perdeu em 1996 a eleição para prefeito de Caxias do Sul por apenas 4 mil votos numa eleição em que teve segundo turno.Germano Rigotto concorreu a prefeito de Caxias do Sul depois de já ter destaque nacional comolíder doGovernoFHC no Congresso Nacional.Não foi a primeira vez que Rigotto perdeu ueleição a prefeito de sua terra natal. Em 1988 perdeu a prefeitura para um candidato forte no município, Mansueto Serafini Filho por uma diferença de cerca de 12.500 votos.

Em 2002, Germano Rigotto ganhou a eleição para governador do Estado quando ninguém dava nada por ele.  Fez nosegundo turno 2.426.880 votos,pela coligação PMDB/PHS/PSDB. E em 2006, depois de se meter numa disputa com Antoninho Garotinho pra ver quem seria o candidato do PMDB a presidência da República, Germano Rigotto perdeu a eleição estadual para governador, quando todos diziam que ele era o nome imbatível. Ficou em terceiro lugar como candidato doPMDB fazendo 1.679.902 votos. Sua mulher, naquele domingo ao meio-dia,já tinha sentido que o marido enfrentaria adversidades: ao almoçarem na churrascaria Barranco, em Porto Alegre,ela saiu de lá com a sensação de que havia nuvens negras no céu, confessaria semanas depois numa reportagem de ZH.

Coleguinhas

Osiris Marins e Fernando Albrecht foram convidados pela Record pra integrarem seus quadros. Não aceitaram: motivo: muita dúvida sobre o que vem por aí...

Caco Barcellos foi convidado a participar de um debate na briga entre Folha de S.Paulo X Igreja Universal. Não aceitou.

Gilmar Eitelwein, o " Chineco" deixou a imprensa da Assembléia Legislativa onde estava indicado pela   deputada estadual Stela Farias(PT). No seu lugar,entrou uma colega.

Vilnei Herbstrith, diretor do site Brasil Imprensa Livre está tirando a bunda da cadeira e indo à luta...

A polêmica do amendoim no barzinho da ARI continua. No IRPAPUS, formado por um grupo de gozadores que se reúne todos os dias na rua da Praia, formaram até um bukimequi pra ver quem ganha a aposta de saber quantos amendoins cabem na mão do coleguinha que é acusado de comer muitos amendoins pelo "gerente" do barzinho da ARI, o " comandante" Verdi Fachini.Atenção senhores: os amendoins no barzinho da ARI são gratuitos e por isto o " controle" sobre seu consumo...

A TVE deverá continuar, com OSCIPS ou não, nas mãos do RS. O ministro da Comunicação Franklin Martins e a diretora da TV Brasil, a estatal, Teresa Cruvinel, fizeram recentes contatos com o secretário estadual da comunicação Paulo Fona e com a Governadora Yeda Crusius pra incluir a TVE na TV Brasil. Mas a governadora não concordou...

O Jornal Gente, da Band, pegou forte ontem (26/02) na governadora tudo porque ela não foi segunda-feira, dia 25/02 na inauguração de uma fábrica da Piá, em Nova Petrópolis. Segundo o Palácio, Yeda estaria com "otite", ou " conjuntive". Até onde eu sei é que a governadora tem sofrido de bursite. Na versão dos coleguinhas da Band, a maioria das cerca de duas mil pessoas que estavam lá na tarde de segunda esperando a Yeda tinham votado nela. Ué, mas eu achava que o voto era secreto. Como é que eles sabem até isto?

Ex-governador Rigotto visitou Festa da Uva

O ex-governador Germano Rigotto, o prefeito José Ivo Sartori (Caxias do Sul) o deputado Alberto Oliveira(PMDB), entre outros convidados, estiveram no stand da Marcopolo, na Festa da Uva de C. do Sul onde tiraram esta foto junto ao diretor corporativo Valter Gomes Pinto. Foto de Nabor Goulart.


Jazz - 6 lança álbum


Luiz Fernando Veríssimo é o mais famoso integratne do Jazz-6

O grupo de Jazz 6 está lançando um novo álbum " Four". O Jazz-6 na verdade tem cinco integrantes:Luis F.Verissimo, Jorge Gerhardt, Luis Fernando Rocha,Adão Pinheiro, e Gilberto Lima. Neste último findi eles tocaram em P.Fundo, Tchê onde foram lançar o " Four".

Hoje já consolidado, o grupo de músicos começou em1995 mas no início comeram o pão que o diabo amassou. Uma vez foram a Gravataí tocar contratados pela secretaria da Educação de lá e o Jorge Gerhardt teve que usar toda a sua habilidade depois pra receber o cachê . Mas com o Jorge, que no grupo tem o apelido de " Judeu" não é mole. Ele conseguiu cobrar dos caras, embora durante um tempo tenha recebido ameaças via telefone.

Numa outra feita em Belo Horizonte o Jorge,depois do show, pegou o cheque que não veio com todas as assinaturas necessárias porque era uma fundação e no Banco do Brasil não queriam descontá-lo.Mas na lábia deu um jeito. Senão dificilmente veria a cor do dinheiro daquele baita trabalhão que foi deslocar todo o grupo até a capital mineira.

Tem uma historinha boa do conjunto que é a seguinte; Eles tinham um show em Vacaria, já contratado. Foram num domingo prá lá mas a volta demorou e chegaram aqui quase raiando o dia até porque o motora fez o favor de errar parte do itinerário na volta.O Verissimo teria que ir na segunda a Sampa, onde à noite gravaria o show do Gordo, com os irmãos Caruso. Por isto no domingo a mulher do Verissimo, Lúcia, não queria deixá-lo ir.

Em S.Paulo o Verissimo, que não é mais guri, sentiu o cansaço e quase adormeceu durante o show que gravou com o Jô Soares.

Na primeira vez que Jorge Gerhardt ligou novamente pro Verissimo pra agendar outro show, que ele já havia marcado, a Lúcia entesou com ele: - Olha, Jorge, vocês com estes shows ai...Jorge teve que ter habilidade pra desdobrá-la.

Gerhardt diz no entanto que a mulher do escritor-músico gosta do conjunto tanto que num dos aniversários dele( ou um fim de ano) eles foram todos comemorar na casa dos Verissimo, a Lúcia fez um bolo e encima ainda escreveu: Parabéns Jazz-6!

Se há um segredo que faça o Jazz-6 durar tanto é que todos ali são extremamente profissionais,embora pareça o contrário. E Jorge que cuida dos cachês paga a cada integrante antes da apresentação, o cachê do show anterior.

Coleguinhas

No café a Brasileira, da rua Uruguai, no centro de POA, conversavam dia 25/02 de manhã três ex-militantes do jornalismo gaúcho: "Paulo Fumaça", José Nelson Moura, e Monteirinho. Os dois últimos foram anos da " Folha da Tarde" e Paulo Fumaça além de veículos da Caldas,onde fazia Esportes na Folhinha da Manhã trabalhou também no Globo onde chefiou a sucursal local.

Paulo Fumaça aproveitou o encontro pra contestar uma nota minha do livro, Pauta, o Avesso das Redações. Digo ali que a sucursal do O Globo, do RS, bobeou no episódio da prisão do seqüestrador Santino Ferreira da Silva, em novembro de 1977 e não deu a notícia junto com os demais veículos. Paulo Fumaça diz que não: que foi ele que descobriu que o seqüestrador fora o Santino porque o pobre rapaz ficara sem dinheiro e andava alugando carro em locadora  com sua carteira de identidade e pagando o aluguel do veiculo com dinheiro que obtivera mediante o seqüestro e que ao delegado Pedro Seelig havia mandado numerar.Pronto: está assim dada a versão do Paulo Fumaça. 

Outra reclamação do Paulinho foi que chamei no mesmo livro sua filha Edith de Judith. Está feita correção.

O estado de saúde do colega Wellington Landerdhal preocupa seus amigos. Ele sofreu ataque cardíaco na quarta-feira da semana passada e está em coma na UTI do HPS de Porto Alegre.

Rodoviária sem luz

No sábado 23/02, a rodoviária de Porto Alegre permaneceu cerca de uma hora sem luz, entre 19h30 e 20h30 minutos. Não se sabe os motivos.

Porto Alegre em 2008!

Foto: Espanhol
Esta tomada está em primeiro plano a rodoviária fotografada do norte para o sul.

Idéia de Jerico, ou tiro no pé!

De quem foi a idéia de jerico de tirar da entrada da Assembléia Legislativa do Estado o galpão do nativismo que foi posto lá no tempo que o Zambiazi era Presidente da casa? Acabaram mexendo num enorme abelheiro, sem precisar. Agora vão sofrer um desgaste e vão acabar deixando o galpão onde está. Bem feito. Quem manda querer ser gênio todo dia.

Marcopolo apresenta sofisticado Paradiso 1550 ld na Festa da Uva 2008

Veja a matéria.

Coleguinhas

O Sindicato dos Jornalistas-RS e ARI tiveram na quinta,dia 21/02, uma reuniãocomos diretores da Record-RS. Tudo pra saber das últimas demssões. Não se sabe o resultado deste encontro.

Rogério Mendelski se diz "embaixador" de Bom Jesus em Porto Alegre. 

Há quem tenha feito o cálculo e veja nos sete meses em que o chefe do jornalismo da Rede Record-RS Marcos Martinelli ficará longe justamente o tempo de se fazer uma campanha eleitoral.

O Governo do Estado publicou,sexta-feira, dia 22/02 paginas de anúncios em todos os jornais da capital. A Governadora abriu as burras...

Governadora Yeda Crusius abre a Festa da Uva


Foto: Jefferson Bernardes / Palácio Piratini
Veja a matéria


Sindicato se reúne com direção da Record

O direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul esteve reunida nesta quinta-feira, dia 21 de fevereiro, com o diretor da Rede Record no RS, João Batista Rodrigues. A pauta da conversa foi a nova plataforma de trabalho da emissora no Estado, a partir da substituição de Marcos Martinelli por Douglas Tavaloro na gerência de Jornalismo. Estiveram presentes no encontro o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, José Maria Rodrigues Nunes, a vice-presidente Marcia Camarano e o segundo secretário Léo Nuñez, além do vice-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas - Fenaj, Celso Schröder, e do presidente da Associação Riograndense de Imprensa - ARI, Ercy Torma. Fonte: Site do Sindicato dos Jornalistas.

Intriga!

Pô Previdi, li no site Coletiva Net que um diretor da Record disse que quem disse que o Juremir Machado  fora demitido é porque é  jornalista que não fala com as fontes (portanto é tendencioso segundo este diretor e mal informado). O recado foi pra ti?

Colaboração do nosso leitor Célio Romais

Na quinta-feira (21/2), o apresentador Josmar Leite iniciou o programa Gaúcha Estação Verão, como sempre, chamando os correspodentes da Rádio Gaúcha nas cidades litorâneas do Rio Grande do Sul. O script é sempre o mesmo: o primeiro faz o seu relato e, ao final, dá a assinatura e chama o próximo correspondente. O primeiro correspondente entrou no ar, fez o boletim e chamou o correspondente da Rádio Nativa AM, da cidade de Rio Grande. O correspondente começou bem. Na metade do boletim, entretanto, uma palavra não saiu e ele saiu-se com essa: "deleta tudo isso aí!". A trilha ficou no ar e obrigou o apresentador Josmar Leite a intervir rapidamente para chamar o próximo correspondente. Menos mal que Cid Martins - um dos que também participou desta edição do Estação Verão - passou um boletim discreto, bem ao contrário de algum tempo atrás, quando utilizou o som de uma descarga de banheiro como efeito especial.   

Falcatrua no Agápio

Sexta-feira,22/02,no bar Agápio, na redondeza da rodoviária de Portinho. Chega um camarada, vestido com trajes dos Correios e diz que é funcionário da empresa em Panambi (RS). Vem com uma conversa trololo.que comprara um cachorro no Agápio, levara pra praia e deixara dentro da geladeira. E que durante 15 dias que o cachorro ficou lá dentro, cresceu um bicho tão grande que quase dava voltas em toda a geladeira. Parecia o realismo mágico do escritor Garcia Marques.
- Quem é o César, perguntou o conversador. O dono do Agápio se apresentou. Então, tá pega outro cachorro,ofereceu ele. Não, quero o dinheiro de volta disse o conversador. Pra não haver mais encrenca, o César tira 5 pila e devolve ao conversador. O César ainda conta: não é comum isto acontecer, mas dei o dinheiro pra ele parar de encher o saco! 


Porta-larga em 2004


Fotos de Ricardo Stricher.
Antigos e novos frequentadores se reencontraram num revival no porta.


Histórias do " Porta-Larga"


Da esquerda para direita Juarez Fonseca em pé, José Antonio Ribeiro de barba com violão,
Paulinho da Viola com cavaquinho, Chuvisco de barba, Antonio Manuel de Oliveira, de costas,
entre outros. Foto de Fernando Gomes em 13.04.1983

Pra começo de conversa, este bar, localizado na av. Érico Verissimo, ao lado do cabaré Regine´s foi tão importante, que na redação da Zero Hora haviam pensado em colocar um ramal telefônico lá pra chamar os repórteres diagramadores e editores que se acotovelavam nas mesas do boteco quando estavam com um tempinho. "Vamo no Porta" era a senha pra um intervalo, entre a edição de uma matéria e outra.

O porta - larga original não ficava onde está o atual. Segundo o colega Roberto Azevedo,que trabalhou no Esporte de ZH no começo dos anos 70, quando começou a ZH Dominical eles iam no porta larga original localizado bem onde está hoje o prédio dadministrativo da RBS pra beber trago, comer salamito cortado com queijos. E aquele porta- larga  original era de chão batido. "Nós, recorda Roberto, sentávamos encima dos sacos de feijão, arroz, e batatas enquanto tomávamos uma cerveja, esperando que os diagramadores terminassem seu trabalho da ZH Dominical.

Segundo Beto Azevedo, o nome Porta-Larga foi dado justamente porque era um botecão que tinha uma daquelas portas totais de ferro que subia e abaixava.

Só de causos ocorridos no "porta" daria um livro. Lembro apenas de um ocorrido com um motorista da direção da RBS. O cara foi lá, numa sexta-feira, roubou um saquinho de leite ou algo assim e ficou por lá tomando seu trago. Cansado, pegou no sono e quando afrouxou-se tudo o que tinha escondido embaixo do casaco caiu pelo chão. Foi uma gargalhada geral dos gambás que estavam por lá tarde da noite. E ele pegou o apelido de " Beto...." pro resto da vida.

Podem me contestar, se quiserem:mas os maiores freqüentadores do "porta" que eu conheci foram o Gaguinho (J.A.Ribeiro) Wanderley Soares, Valdir Friolin, o " marimbomdo" Penna Fróes, Fernando Albrecht," Cascatinha" , " Negão Jorge" Paulo Maciel(falecido), o fotógrafo Arivaldo Chaves,Antônio Oliveira, " Diabão"(Fernando Saes) " Xuvisco" ( Luis Fonseca), Paulo Santana, José Carlos Torves, Haroldo de Souza,Clóvis Ott, Melchiades Stricher (falecido) e de Ricardo Stricher, e o Luiz Paulo Pilla Vares. O carnavalesco Pernambuco ( A banda DK nasceu dentro do Porta-larga), Juarez Fonseca, Carlos Bastos, o diagramador Jorge Fraga. Não frequentemente, mas o falecido Maurício Sobrinho e seu filho Pedrinho às vezes pintavam no "porta". Nunca vi Carlos Fehlberg, nem João Aveline, nem Lauro Schirmer no "porta" mas o Gerson Schirmer o frequentava. Não recordo de mulheres freqüentando o " porta" mas sei que a Solange Bittencourt acompanhava o marido, o Gaguinho.

Uma antiga redatora da ZH conta um caso estranho:um boy da zero hora  foi no "porta-larga" comprar um litro de leite pra levar pra redação que precisavam pra tomar um remédio. Os bebuns do " porta" e seu dono, parece que chamavam de Zezinho, caíram na gargalhada. O boy não entendeu o motivo. É que no porta não se vendia leite...

Nega ser candidata

A ministra Dilma Roussef, da Casa Civil, negou no dia 21/02, no Palácio Piratini, que seja candidata a Presidente da República. Sim, mas ela não ia dizer logo agora...

Como mineira, a ministra chefe da Casa Civil deve estar trabalhando em silêncio, imagino eu.

Uma boazinha

Esta quem me contou no dia 21/01 foi o advogado Antõnio Carlos Cortes. Então qualquer reclamação é tudo por conta do Cortes, que além de advogado é jornalista formado pela Fabico. Deu-se os seguinte: Havia um programa na TUPI-FM de São Paulo destes em que o ouvinte tem que adivinhar. O locutor lançou o desafio:
- Qual o país cujo nome tem uma sílaba que é muito bom de se comer?
E o ouvinte rápido no gatilho:
- CUba!
- Olha,desculpou-se o apresentador, eu tinha aqui como JaPÃO!

Marcopolo reinaugura restaurante da unidade planalto

Novo restaurante atende aproximadamente 1.500 colaboradores diariamente.
Imagem: Janete Kriger

Caxias do Sul, 20 de fevereiro de 2008 - A Marcopolo S.A. reinaugurou hoje, dia 20, o restaurante da sua unidade Planalto. A empresa promoveu uma ampla reforma, realizada nos últimos dois meses, que envolveu mudanças no layout, colocação de novas persianas e cortinas de design mais moderno, troca do piso de madeira por lajotas, substituição do sistema de ar-condicionado, pintura texturizada em gesso e a substituição de mesas, cadeiras, bandejas, louças e talheres. O novo restaurante atende diariamente aproximadamente 1.500 colaboradores e adota um novo conceito de serviço em refeições industriais, como a denominação de Mundo dos Sabores e com cinco opções de cardápio: Órbita do Sabor, Sabor Universal, Planeta Alternativo, Sabor com Leveza e Atmosfera do Lanche. O serviço é fornecido pela Vinhedos Refeições Coletivas, tradicional parceira da Marcopolo no fornecimento de refeições industriais. Secco Consultoria de Comunicação

Central de Informações do Cidadão

O vereador Leandro Soares (PP) por sugestão do titular deste site, encaminhou ao Sr. Prefeito Municipal, José Fogaça(PMDB) a sugestão de que se crie uma central de informações ao cidadão localizada na esquina democrática, centro de porto alegre. Veja aqui o documento.

Coleguinhas

Desde 16/02 que o blog canetinhas e microfones não é atualizado.

Coleguinhas

Dia 20/02, www.previdi.com.br volta a afirmar que dia 18/02 nenhum site "especializado" de comunicação sabia da saída do Martinelli de Record. Vamos ver se entendi: ele tá querendo dizer a coletiva.net?

Imara Stalbaum escreve dizendo que agora tem um site: www.mafaldapress.com.br

Sob o signo da dor II

Ainda não foram presos - até dia 20/02 - os dois assaltantes que mataram na noite da segunda, 18/02, em frente à casa localizada na Rua Caetano La Porta, 26 no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre, o jovem Cristiano  Sieburger Neto, de 26 anos. A delegada que cuida do caso disse que havia alguma pista, mas nada adiantou.

O enterro do jovem foi realizado às 18 horas de terça, dia 19, no cemitério Evangélico em Porto Alegre com grande acompanhamento. Muitos amigos do Crisitano foram dar seu último adeus. Ele foi enterrado vestindo a camisa do Grêmio, que tanto amava. Despedidas à parte, agora é tocar o barco para  frente para quem o conheceu, seus amigos e familiares. A verdade é que não é fácil para uma família superar uma dor deste tamanho. Vamos esperar que a Polícia descubra quem foram os dois autores do bárbaro assassinato.

Como desgraça pouca é bobagem, o pai do jovem Cristiano, que também se chama Cristiano, andou adoentado tempos atrás mas está se recuperando. E na noite do assassinato do filho ele não parava de se consolar: quem devia estar morto era eu,dizia...

Porto Alegre está hoje entre as capitais brasileiras de maior violência. Espera-se uma reação das autoridades! 

Cadê o postinho

Enquanto o prefeito José Fogaça(PMDB) promove grandes eventos na PUC trazendo gente de fora pra discutir o futuro das cidades, uma solução bem simples e prática do povo que usa o transporte coletivo no dia-a-dia que o postinho de informações da EPTC na praça Parobé está fechado desde o começo de janeiro. Não se sabe ainda se vai reabrir em março.

Estas coisas como o fechamento do postinhode informações sobre o transporte coletivona Praça Parobé me faz lembrar algo incrível: os tecnocratas sentados em seus belos bureaus discutindo o que é bom ou pro povo. E o povo na real fica privado de um serviço tão útil que é saber pra onde ir quando se quer locomover dentro da cidade.

Na noite de 12/02,quando houve aquela famosa palangana no Gambrinus de 48 comensais pra comemorar a abertura do simpósio na PUC que tratava do futuro das cidades, a governadora Yeda Crusius era esperada, mas não pinto no pedaço.

Coleguinhas

Flávia Menna Barreto casou e hoje vive em Floripa. Seja Feliz,colega!

Novas regras na sala de imprensa J.C. Terlera da Assembléia Legislativa do Estado. Funciona apenas 2 horas pra cada jornalista e apartir de hoje, 20/02 fechará de 12 às 13 horas.

O leitor Elcio Guzzo, de Bento tcho...pergunta o que é IURD. Olha sem traumas. Igreja Universal do Reino de Deus. Sugestão de leitura ao Guzzo, meu livro "Cidades vizinhas, amor e ódio", que conta as brigas entre Bento e Caxias...tcho...

Uma importante fonte me contou que dentro da TV Record canal dois os que vieram de São Paulo pra trabalhar aqui, mormente o editor, o apresentador e uma repórter do Balanço Geral, do meio-dia, são vistos pelos colegas como " os paulistas".

Não adianta; Gaúchos e paulistas nunca se deram desde a revolução de 30...

Marcos Martinelli saiu da direção do jornalismo da TV 2 e com ele devem sair muitos de suas "ovelinhas" que ele contratou . Gente que ele conhecia de quando trabalhava na RBS TV.

Pô Previdi, escrevestes que ninguém sabia na segunda, 18/02, da saída do Martinelli da Record. Só tu e a torcida do FLAMENGO sabiam. Desculpe, coleguinha, mas no sindi dos jornalistas só se falou disto a tarde toda. Não te elogia tanto que fica feio, meu amigo.

Amendoins na ARI

Na quinta-feira, dia 21/02, será a vez de conferir se o barzinho da ARI ainda mantém os amendoins gratuitos que o diretor Verdi Facini ameaçava cortar.

Parece uma sina: a ARI geralmente tem problemas com quem cuida do seu bar. O gestor anterior, Benigno Rocha, costuma interpelar alguns freqüentadores com a célebra frase: e tu, qual é teu negócio aqui? O conselheiro Luis Carlos Vaz ficou anos sem ir no barzinho por causa de um incidente destes.

Ainda o jantar do Sinborsul

Jantar do dia 16/01 do Sinborsul, no Barranco, ainda hoje repercute pelo sucesso e presenças de coleguinhas difíceis de serem vistos em eventos de jornalistas. Dois exemplos: Rogério Mendelski e Lurdete Ertel, do Informe Econômico da ZH, que chegou bem no final do jantar no Barranco.

No começo deste jantar - realizado sempre depois do final do ano - havia não mais do que cinco ou seis jornalsitas. Hoje a presença é tanta que há gente querendo inscrevê-lo num case da ADVB. Todas as corrrentes partidárias participam dele e nisto talvez esteja o segredo do seu sucesso.

Grana com Mendelski

Na rádio Guaíba AM o que se sabe é que não só a audiência do Rogério Mendelski aumentou. Aumentou também a grana da patrocinadores que a IURD gosta pra caramba!

Correio X IURD

Na sexta-feira última, Correio do Povo foi usado pra dar notícia a favor da IURD que a FSP contestou ontem.

Os  "ecochatos"

O núcleo de jornalistas de ecologia já tem 15 anos mas seu blog está em andamento desde agosto do ano passado e segundo Juarez Tosi com muitos acessos. Diz ele que as pessoas procuram todo tipo de informação a respeito de ecologia, como o que fazer com pneus velhos, entre outras coisas.

O apelido de ecochatos surgiu há anos porque eles são radicais e não abrem mão de seus princípios, explicou Tosi. E por isto trabalham para o site todos como voluntários, não tendo ninguém contratado. Muitas empresas ligadas ao ramo de exploração agropecuária e florestal os procuram pra colocar anúncios no site, mas são recusadas. Só aceitam da Petrobrás.

Os ecojornalistas estão pensando em profissionalizar seu site, que inclusive sofreu proposta de uma grande empresa de comunicação que costuma comprar tudo.Mas não aceitaram, disse Tosi.

Correinho livre, leve,solto

Conversei, ontem, com o chefe de redação do Correio do Povo, Eugênio Bortolon sobre as mudanças na linguagem do jornal. Ele me disse textualmente: "não é acaso. É mudança pensada mesmo." Ele diz que  o objetivo é tirar do Correinho a forma rigorosa e conservadora com que tratava os assuntos nos seus títulos.

Sob o signo da dor...

É uma guerra onde os que sofrem são os que se vão e seus familiares, parentes e pessoas queridas. Mais uma pessoa de bem foi morta por uma dupla de assaltantes na noite do dia 18/02 por volta de 21h30min em frente ao número  26 na rua Caetano Laporta, no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre  numa tentativa de assalto: no caso o jovem Cristiano Sieburger Neto. Ele, segundo a Brigada Militar que atendeu a ocorrência, chegou na casa da namorada  em seu carro Logus. Ela desceu para abrir o portão de entrada e em seguida, quando voltou, ouviu um tiro. Dentro do carro Cristiano, com um tiro no peito, agonizava. A BM acha que Cristiano resistiu ao assalto. A namorada viu dois sujeitos pulando um muro.

Agora seguramente vão prender os dois suspeitos. Cristiano era funcionário da Aços Favorit e como vendedor seguramente teria um brilhante futuro pela frente. Porque a família não processa o Estado por danos exigindo que como não dá segurança aos cidadãos cumpridores da lei ele repare durante os anos que a Justiça determinar com dinheiro, tudo o que a vida do jovem de 26 anos produziria? Só quando a morte de cidadãos de bem começar a pesar no bolso do Estado, quem sabe ele resolva dar segurança. No lugar da família, enlutada, faria isto.

Conhecia o Cristiano, com quem falava semanalmente porque passava no escritório onde exercia sua profissão. Raramente tinha tempo prum bate-papo já que o telefone estava sempre tocando e ele precisava atender os clientes que ligavam do interior. Mas o Cristiano às vezes tinha um tempinho pra falar do Grêmio,clube de sua paixão e lembrava o Renner, pelo qual seu pai, o corretor Cristiano, também torceu em idos tempos. Aliás, semana passada, Cristiano  disse uma coisa da qual não gostei.

- Vistes o filme de horror ontem de noite depois do Big Brhoter?perguntou-me à queima-roupa. Não entendi em seguida pra depois me dar conta que ele estava se referindo à péssima partida que o Grêmio fizera no Mato Grosso.

Quando ouvi esta madrugada (19/02), ainda noite estrelada, às seis da manhã a notícia de sua morte, conservei um fio de esperança que não fosse ele, por causa do Neto no sobrenome. Mas o indicativo de que o jovem tinha 26 anos me alertou e achei que poderia sim ser o meu conhecido. Fica a sua lembrança de mais uma vida ceifada, nesta banalidade que se tornou uma guerra não declarada na qual os perdedores geralmente são pessoas de bem. 

Porto de Rio Grande em obras com chegada da plataforma da Petrobrás.
   
Fotos do "Espanhol”

Rio Grande recomeça um novo desenvolvimento com as reformas  do Superporto e a chegada da P53 da Petrobras. A cidade já mostra uma pulsação de metrópole e o comércio com muito movimento. No caso da hotelaria estão todos os hotéis lotados de funcionários não só da poderosa Petrobras mas como também do Tecom  que recentemente comprou mais quatro transportadores de conteiners que deverão dar mais rapides na carga e descarga de 5000 containers semanais. Também está em construção o peer flutuante e o novo Estaleiro.  

Crise na TV Record, canal 2

Ontem à tarde a notícia correu como rastrilho de pólvora. O diretor de jornalismo Marcos Martinelli, da TV 2 , Record, entrou em férias ontem por 30 dias. Depois ficará 6 meses em licença. Quem vai assumir será um profissional vindo de São paulo, de nome Barollo.

Faltam chuvas no interior!

Pelo menos em S. Correa(RS) a 230 km de Porto Alegre, pelas informações que tenho tem chovido pouco. E a soja está precisando, o milho também.

Correinho, livre,leve e  solto

Um leitor e anunciante do Correinho(Correio do Povo)- o Jorge, mais conhecido por " jovem hebreu" - me chamou a atenção para uma linha de apoio que o jornal publicou no sábado,dia 16/02 na página do caderno Arte e Agenda que é esta: " Ih, lá vem aquela chata da Britney arrumando encrenca outra vez..." num tom coloquial, não comum na grande imprensa. No domingo, dia l7/02, na página 16, outro título usa o tom coloquial: uruguaios curtem praias gaúchas" Digamos que há uma mudança de mentalidade dentro do jornal, ou então os editores estão perdendo o medo.

Seria valioso para a história da imprensa gaúcha e acho que o Valter Galvani poderia fazer isto, fazer um levantamento sobre o que foi a Caldas Junior nos 20 anos em que ficou nas mãos dos Ribeiro.

Sou testemunha da pressão que alguns chefes de veículos da Caldas Junior fizeram junto a direção da ARI pra que não se dissesse lá que a IURD a comprara. Queriam só que se dissesse que era a Record. Mas a quem pertence a Record? senão a IURD...

O Sindicato dos Jornalistas emitiu dias atrás nota forte contra a demissão de 20 correspondentes da Rádio Guaíba no interior do Estado. Seria economia ou uma remodelação da rádio?

Mau cheiro coletivo...

Em local onde jornalistas se encontram pra atualizarem seus sites, dias atrás, apareceu um colega que há muito não freqüentava as rodas. Ele viu na tela o que precisava e depois foi embora. Ao que alguém do lado comentou sua passagem. Não deu tempo de terminar a conversa,quando uma colega que estava na sala foi rápida no gatilho:
- Sim, mas a "asa" reclamou ela, referindo-se seguramente ao mau odor que a falta de banho no verão provoca em alguém. Digo eu se fosse na França ninguém notaria, mas no Brasil isto cheira mal mesmo...

Pedágios

Como um dos próximos nós que o Governo do Estado tem pela frente neste ano de 2008 será a renovação dos contratos dos pólos de pedágio, será que a substituição do diretor de concessões do DAER, Eudes Missio, já teria algo a ver com isto?

Nossa repórter no front norte-americano

Artigo de Heloiza Golbspan Herscovitz.*
Na foto nossa correspondente com a Familia

O próximo presidente dos Estados Unidos será uma mulher ou um negro, segundo indicam as eleições primárias dos Estados Unidos. John McCain, ex-veterano do Vietnã que passou dois anos confinado em uma cela, não consegue o apoio dos independentes e nem mesmo dos conservadores do Partido Republicano. Suas chances são mínimas depois do grande fracasso da administração Bush, principalmente na política externa. A grande briga é entre Hillary Clinton e Barack Obama, que disputam a candidatura pelo Partido Democrata. Obama vence em número de estados, Hillary ganha nos estados maiores. Obama tem até agora 1276 delegados e Hillary tem 1220, sendo que ela lidera em número de super delegados– membros do Congresso, ex-presidentes e funcionários do partido cujo voto vale mais nesse complexo quadro que é a eleição por aqui. A situação é indefinida até que todos os estados façam sua escolha nas eleições primárias. O vencedor com um total de 2025 delegados só será oficialmente anunciado na convenção do partido democrata em Agosto, em Denver, Colorado.

No imaginário do eleitorado, tem mais peso a impressão que cada candidato transmite do que propriamente o seu programa de governo. Hillary “vende” experiência; Obama “vende” a promessa de mudança, a esperança. Hillary faz mais sucesso entre os mais velhos, as mulheres e parte da classe trabalhadora. Obama faz mais sucesso entre os jovens e aqueles com nível de educação mais alto. Ambos disputam ferozmente os votos dos afro-americanos, dos hispanos e dos descendentes de asiáticos. Independente de quem ganhe, muitos eleitores torcem para que ambos façam uma dobradinha na chapa que concorrerá às eleições presidenciais. Afinal, seus projetos de governo não são incompatíveis. Esperança e experiência formam uma receita capaz de recuperar o interesse do povo norte-americano pela política. Como no Brasil, os políticos daqui estão desmoralizados. Só que quando condenados, vão mesmo para a cadeia. A democracia norte-americana funciona no piloto automático, mas quase sempre surpreende os desatentos. Hillary or Obama, qualquer um dos dois fará história no controle do país mais poderoso, mais odiado e menos compreendido no mundo.

* Heloiza Golbspan Herscovitz - Assistant Professor - Journalism Department
California State University at Long Beach - hherscov@csulb.edu

Memórias da JUC-5, ou uma Porto Alegre que não existe mais...


Parque Farroupilha, conhecido como "Redenção", em 07.09.1965.
Na foto da esquerda para a direita aparecem Colling, Darci Trombetta e outros moradores da JUC-5.


Em janeiro de 1965, ao lado da Casa 5 da JUC(Juventude Universitária Católica) na av. Venâncio Aires, 1022,
em Porto Alegre. Da esq para a dir: Colling(sobrenome dele)foi seminarista, Darci Trombetta,
Isaías Ortiz Pinto( " Torão") desconhecido,Geraldo Prior e desconhecido.


Na JUC-5 em 07.09.1965 em frente à casa. Darci Trombetta,
Coling (de óculos, fora seminarista, e restante o pessoal de Criciúma(SC).


Ao lado, da esq. para direita, Darci Trombetta e o pessoal de Criciúma(SC) que moravam na JUC-5
jogando futebol na Redenção em 1965. Todas as fotos são do arquivo pessoal de Darci Trombetta.

Quando cheguei em Porto Alegre, no verão de 1969, por esta época, vindo de S.Correa, fui morar na JUC-5, localizada na Av.Venâncio Aires,1022,esquina com a rua Sta Terezinha. Foi o ano em que o Inter inaugurou o Beira-Rio e lembro do foguetório daquele 6 de abril.

Na JUC não nos davam moleza. Horário de comida era horário de comida,depois não tinha mais, cada um tinha que se virar por fora. Mas a bóia sempre vinha bem servida e quentinha preparada pela cozinheira, dona Antônia. À noite, quem estudava, principalmente no Julinho, chegava em casa e os pratos estavam ainda quentes encima do fogão à lenha que havia na cozinha. Às vezes as baratas passeavam encima dos pratos...

Em 07 de fevereiro de 2006 fui entrevistar um ex-colega da JUC-5, o dono de oficina mecânica Darci Trombetta pra me ajudar a reconstituir a memória daquele local. Devo dizer que era um costume muito em voga os estudantes que vinham do interior, com poucos recursos, hospedarem-se nestas " repúblicas" pra sobreviver.A grande maioria eram filhos de pequenos agricultores, como era meu caso, e procuravam emprego num banco por causa do turno de apenas 5 horas de trabalho.

O Darci Trombetta chegou na JUC-5 em 10 de dezembro de 1962,um domingo.Ele conhecia um pessoal que morava lá e foi parar junto no mesmo quarto ( em cada quarto cabiam até 4 ou 5 moradores).No caso do Darci ele foi prum quarto onde haviam outros 3 moradores, dois de Pelotas, da família Ortiz, um estudante de engenharia e o outro,Isaías Ortiz Pinto, futuro médico conhecido pelo estranho apelido de " Torão".

Trombetta disse que um dos detalhes que mais o marcou foi que o " Torrão" dormia encima de uma cama e embaixo dela havia duas malas cheias de remédios de amostra grátis." Era incrível porque os livros dele praticamente eram todos em inglês.Ele sempre lia estes livros com uma naturalidade que eu desconhecia" conta Trombetta.

Trombetta lembrou  que o colega de quarto, o " Torrão" tinha apenas duas calças de brim." Ele lavava a roupa de 15 em 15 dias" disse Trombetta.Segundo o colega, o " Torrão" era uma pessoa extremamente simples,com quem ele conviveu durante muitos anos até seu casamento quando a Trombetta coube a nobre tarefa de fazer o nó da gravata já que o noivo não sabe fazê-lo.Quando casou, " Torrão" era médico formado. Seu casamento religioso foi na Igreja da Rua Cabral.

- Eu fui convidado pro seu casamento,conta Trombetta. E segundo o narrador, o que lhe chamava a atenção era que mesmo já médico formado " Torrão" não conseguia se desvincular da JUC-5 onde vivera nos seus sofríveis tempos de estudante de Medicina." Ele fez sua especialização em Medicina em Porto Alegre e mesmo já casado ia jantar e almoçar na JUC-5".

Anos depois, lá por 1972, ou 1973, a casa da JUC-5 foi vendida porque os prédios estavam se alastrando na região.Mas " Torrão" comprou um apartamento com o sucesso na Medicina e durante anos visitou Trombetta em sua oficina mecânica.

A padaria Cestari

Na av. Protásio Alves, havia a Padaria Cestari. E lá os estudantes que moravam na JUC-5 compravam sacos de bolachas quebradas.Isto acontecia sempre aos domingos porque era o dia em que não havia nem almoço e nem janta." A gente ia na Cestari e comprava um quilo de bolacha quebrada. Depois a gente comprava uma Pepsi( na época não havia Coca em Porto Alegre) e a gente jantava bolacha e Pepsi. E dormíamos mais cedo no domingo, pra levantar mais cedo pra poder tomar o café da manhã, conta Trombetta.

Na sala das refeições havia uns bancos duros de madeira, onde os moradores sentavam pra conversar, ver tevê ou simplesmente ler o jornal." O banco de madeira não era tanto o problema" lembra Trombetta.O que incomodava era a tevê,disse ele. O aparelho era em preto e branco.Este aparelho de tevê não havia semana que não estragasse.Numa das reuniões que os moradores fizeram a televisão foi trocada por quilos de massa. Sim, massa." Tinha um italiano que morava conosco, da Itália mesmo, que estava estudando e ele propôs uma troca da televisão por um estoque de massa e a pessoa que comprou a tevê aceitou" lembrou Trombetta.

Sobre o fim da JUC-5, Trombetta lembra que havia várias construtoras querendo o terreno." Ela foi vendida pra construir o edifício que tem lá hoje", lembrou o ex-morador. A família Trombetta foi muito grande na JUC-5. Eram seis. Altair, Darci,João Carlos, Ademir, José Carlos e o Luis Carlos Trombetta." Era uma família" lembrou Darci.

Trombetta lembra de uma história triste a respeito de um morador que conheceu  lá. Era de Guaporé como ele. Ex-seminarista, muito católico,inteligente, ele desconhecia a cidade grande e sofreu muito para se adaptar-se.Quando chegou à capital, tinha apenas uma muda de roupa. Ele sempre falava em mulheres, mas nunca tinha transado com uma.Mais tarde foi advogado,famoso,chegou a  procurador do Estado, mas Trombetta ficou surpreso quando este seu colega de JUC-5 morreu.Ficou sabendo ali que o ex-amigo era homossexual.E tinha uma pessoa com que tinha uma relação estável.E era muito católico.Este ex-morador, já falecido,sempre teve o apoio do padre da Paróquia de Santa Cecília.

Trombetta diz que este conterrâneo era uma pessoa muito humana, muito querida, uma vez até lhe mandou um cartão da Itália. Era culto e falava o inglês, francês e espanhol,além do português.

Assembléias

Na JUC-5 as decisões eram coletivas. Tomadas durante assembléias de todos os moradores. Era assim que funcionava. Chegaram a morar nela 28 pessoas,todos estudantes. Só homens. Não havia o sistema misto.Quando eu cheguei na JUC-5 ninguém levava mulher para lá. Depois virou  gandaia geral. Tudo era decidido em votação dos participantes. Sobre empregados, sobre alimentação, sobre aluguel e sempre um dos moradores era eleito o diretor da casa.Era o presidente. Também havia o vice e no caso do Trombetta ele foi duas vezes vice-presidente da JUC-5.

Trombetta morou na JUC-5 de 1962 a 1967. Saiu um ano e voltou. " Eu voltei pra JUC-5 duas vezes" relembra. Numa das vezes que saiu, ficou apenas sete dias fora. Sentiu saudades e regressou para a casa da Av. Venâncio Ayres,1022.

A JUC-5 funcionava como uma família para aqueles jovens vindos do interior.A gente era uma família muito grande, lembra Trombetta,embora recorde que também havia brigas,sempre contornadas o mais rápido possível.

Essa união fazia com que nos sábados à tarde - quando não havia trabalho ou não havia colégio -os grupos da JUC-5 fossem bater uma peladinha na Redenção, que fica ao lado." Sábados de tarde,domingos de manhã. Fazíamos campeonatos que começavam no sábado e terminava nos domingos" lembra Trombetta.

Como local onde moravam estudantes, as principais festas eram sempre quando havia vestibular. Os moradores  que passavam nos vestibulares  festejavam muito. Não havia na JUC-5 reuniões dançantes. Estas - chamadas de " reunas" onde só iam  " dosas"|(empregadas domésticas)  eram sempre realizadas na Casa do Estudante, na Riachuelo, no centro de Porto Alegre. Jamais  participei de uma. Minha praia estava bem distante disto.

Trombetta recorda nos finais de ano as festas pelas aprovações nos vestibulares." isto sempre era uma festa grande e sempre se buscava chopp" diz ele.Era uma das coisas que a gente mais gostava,relembrou o ex-morador, hoje um próspero comerciante.

Trombetta diz que estas aprovações em vestibulares eram muito importantes porque o pessoal que residia na JUC-5 praticamente só estudava. E havia gente cu de ferro barbaridade.A maioria passou a fazer cursinhos preparatórios ao vestibular, que estavam nascendo por estes ano. Lembro principalmente  dos mais famosos: Mauá e IPV. Lembro de um ,o Darci Corbellini, de Garibaldi, que só estudava, da manhã à noite.Era o presidente, mas era um sujeito estranho.Autoritário, falava mal do regime militar.E chamava  os demais colegas que só falavam em futebol,  de " anarfas"(analfabetos).Quando saía do seu quarto,depois de estudar a mão inteira, e ia pra sala de refeições, dizia uma frase que ficou célebre: vamos alimentar o cadáver. O sujeito  tomou pau no vestibular de Medicina, pra seu desencanto.

Trombetta lembrou que a JUC-5 foi um gueto de moradores vindos de Cricúma, SC." O pessoal de Criciúma" lembra ele, só queriam passar na Medicina.

Os moradores da JUC-5 que eram de Criciuma tinham um privilégio. Todos os sábados à noite iam na estação rodoviária de Porto Alegre buscar o jantar do domingo que suas famílias enviavam deste Criciúma.

Os bons de bola

Havia dois moradores da JUC-5 que se destacam no futebol.Dois irmãos. E tinham muita rivalidade entre si. Eram de Serafina Correa, como o redator deste site.Um era Euclides( o Quide) e o outro o Bruno.Nãose sabe o destino que tomaram, mas poderiam ter seguido a carreira de jogadores profissionais,se fosse hoje em dia. O Quide chegou a jogar no Gaúcho de Serafina.

Trombetta tem lembrança da primeira batida que tomou assim que chegou na JUC-5. Ela foi feita no Bar do Beto - na esquina da Viera de Castro com Av. Venâncio Aires." Uma das coisas que me marcou deste tempo foi a primeira batida que eu tomei de morango quando cheguei de Guaporé, no dia 10 de dezembro de 1962.Foi ali pelas 20h e 50 min no Bar do Beto, na Venâncio Aires. O bar do Beto era um boteco de esquina. tinha sanduíche,batidas, tinha um quartel ao lado . Me marcou que a primeira batida da minha vida era muito saborosa, lembra Trombetta.

Na JUC-5 haviam alguns moradores cativos. Estavam lá há anos. Um deles foi o hoje arquiteto  Luiz Ortiz Pinto, natual de Pelotas.Ele estudava na Arquitetura da UFRGS e era o único que se aventurava a ter um poster do CHE na parede. Ninguém mais tinha esta coragem, nem tavam aí pra revolucionários.O Luiz era magrinho,morava sozinho num dos quartos do andar térreo. Trombetta lembra de uma história ligada a este morador. Ele teve um affair com uma vizinha que morava na frente, na av. Venâncio Aires, e esta mulher tinha um namorado. Num domingo à noite, o namorado da vizinha entrou na JUC-5. Houve uma briga feia entre os dois rivais.Andaram até se ferindo. Trombetta diz que Luiz era uma pessoa excêntrica.

Outro incidente com um morador da JUC-5 aconteceu com o Peixoto, outro estudante de Medicina. Depois se formou médico. Trabalhava no Hospital de Clínicas.Ele teve uma namorada que residia na rua Jacinto Gomes. Ela era judia e seus pais se opuseram ao romance.Ele se formou e a namorada venceu a resistência dos pais e os dois casaram. Não se tem notícia se foram felizes para sempre.

Trombetta lembra ainda dos dois irmãos Giacomini, moradores da JUC-5.Mediam cerca de 1m95 cm.Um era magro,outro mais forte.O Giacomini mais velho se especializou em fazer concursos.Em seis meses deve tem feito uns 10 concursos.E passou em todos. Não se sabe se pegou o serviço.Hoje ele tem uma empresa de grande porte, e o irmão sumiu de vista.Boite os moradores da JUC-5 só iam nos domingos à noite. Não era propriamente boite e sim um inferninho localizado na Rua José do Patrocínio,1227, bem perto da Igreja Sagrada Família,bem pertinho da av. Venâncio Aires. " Nós íamos em seis,sete,lembra Trombetta. O Eugênio Spigiroim(falecido) queria ir também, mas ele não tinha 18 anos.então nós convencemos ele de levar a certidão de nascimento. Só que um outro morador, também de Guaporé, o Ari Guizi falou com o porteiro e ele deixou o Eugênio entrar pra conhecer. Tinha muito esta de aprontar pra quem vinha de fora,lembrou Trombetta.

Outro morador da JUC-5,conhecido pela sua fama de pão-duro(atravessa o rio Guaíba com um sonrisal na  mão) natural de Santo Antônio da Patrulha, foi o hoje médico cardiologista Salvador Ramos.

Morava lá em 1969, dia 29 de julho, num domingo à noite, quando comecei a ter vômitos e enjôos. Por sorte já tinha a carteira do trabalho assinada pela Mallmann. A data é importante.Foi o dia em que o Homem pisou na Lua. No dia seguinte fui pro HPS por volta do meio-dia, muito mal, de lá numa ambulância fui pro Cristo Redentor, onde no final da tarde fui operado de uma apendicite aguda. Fiquei oito dias no Cristo até me recuperar.Não sei o médico que me operou, lembro apenas que fui me apagando pela anestesia geral e ele disse: " nous allons comancee".

Houve uma vez uma confusão. Dois sujeitos, argentinos, passaram pela JUC-5 lá pelos anos 70. Eram muito reservados. Dias depois houve um comentário de que pertenciam ao ERP(Exercito Revolucionário del Pueblo) uma organização terrorista,de esquerda, da Argentina. Eles estavam a caminho da Europa. esta história nunca foi confirmada por ninguém porque os dois sumiram. Nem nunca se soube quem os encaminhou a JUC-5, mas seguramente alguém da Igreja Católica que estava por trás destas organizações.Da casa da JUC-5 fui morar numa comunidade hippie, formada de jornalistas, no alto da Oscar Pereira, mas isto é um capítulo pruma outra oportunidade.

Coleguinhas

No Jornal Gente de 15/02,na Band AM, dia que completou 13 anos, o entrevistado foi Antônio Britto Filho que era governador em 1995,quando começou o programa. Britto lembrou suas quezílias com o dono do Correio do Povo, Renato Ribeiro a quem acabou processando. O processo era porque Britto se sentiu censurado já que seu nome não aparecia no jornal do Ribeiro. Por sugestão de amigos, o ex-governador acabou retirando o processo anos mais tarde. Pivô da briga: a venda da CRT para a RBS que Ribeiro nunca engoliu.

O advogado Raul Ferri, conselheiro do Inter de Porto Alegre, também conhecido no grupo Irpapus por " Portão 8 " é um dos advogados da IURD no RS.

A polêmica dos amendoins( também chamados de " viagra dos pobres") no barzinho da Associação Riograndense de Imprensa(ARI) está mais acesa do que nunca. O diretor do Bar, o conselheiro Verdi Fachini, ameaça não colocar mais as guloseimas gratuitas na reabertura do bar agora na segunda semana de março.

Alguém precisa dizer ao Luiz C.; Reche que agora a Guaíba pertence a IURD. Estes dias,antes do jogo do Grêmio no Mato Grosso, ele chamava o João Garcia de " João de Deus". João de Deus era como era conhecido o saudoso Papa João Paulo II.

Como passaram rápidos os 13 anos que nos separam do começo do Jornal Gente, na Band AM. Naquele ano eu fazia o Jornal de Bordo, que era distribuído dentro dos ônibus do interior. Tirava 50 mil exemplares por edição e sempre que ele ficava pronto chamava o "Taquari" motorista da Cooptaxi que o distribuía nas garagens das empresas. Sinceramente esperava mais do blog microfones e canetinhas. 

Na quinta,dia 14/02 à tardinha, Jimi Azevedo, da Band AM gravou para o " Tempo Real, para Band News, para Band SP tudo sobre a CPI do Detran. E vá ligar pra sua produtora. Entra um colega pouco depois e ele desabafa:- Tudo isto e a galera em casa não tá nem aí. Querem mais é saber do Grêmio. Não é que pouco depois estoura a notícia da queda do treinador Mancini e a rádio se dá isto mesmo...

Ônibus T-7 da Carris não respeita passageiro que paga passagem

Aconteceu comigo, na linha de ônibus que uso regularmente porque passa perto de minha casa. Peguei o ônibus da linha T-7 da Cia Carris Portoalegrense(empresa estatal) na quinta,dia 14/02 lá pelas 21 horas. Quando ia chegando na parada, na esquina da Nilópolis com Ijuí, me apressei em descer. O cobrador, corretamente, perguntou se eu tinha cartão de isento. Tentei passar rápido pela roleta, dei 20,00 reais e o trocou demorou. O motora arrancou alegando que eu não havia tocado na campainha. Realmente, envolvido com o pagamento não toquei. Só que na outra parada, ele ainda não queria parar. Começou um bate-boca meu com ele e com o cobrador e entesei: achei estranho o jeito que a tripulação encara os passageiros. Parece que todos querem fugir da roleta. Com a palavra a EPTC, a Carris, ou alguém que ainda se interesse por quem paga passagem. E os leitores que também tiverem queixas contra o transporte coletivo podem mandar seu relato que vou publicar. 

Pra alegrar a segunda dos leitores aí vão estas piadinhas

Um senhor ia sempre com suas camangas num mesmo motel. Mas um dia por uma infelicidade a patroa também quis ir pro motel e ele ao invés de trocar de casa, foi lá que era conhecido e bem tratado. Na saída, na hora de pagar a conta na portaria, ele foi lá e o recepcionista chegou nele com uma cara lamurienta: - Doutor, lamento lhe dizer mas tenho que lhe cobrar a toalha. O freguês não  gostou mas depois de um curto bate papo aceitou pagar. Assim que o camarada assinou o cheque, o porteiro o consolou: - Doutor, desculpe lhe dizer, mas puta é puta...


Esta aconteceu com um garção do Barranco, desastrado que só ele. Chegou um freguês no domingo com a "filial" e foi servido no " mato" - a parte das árvores. No dia seguinte, o desgraçado ao invés de levar a legítima esposa num outro restaurante, voltou no Barranco. Encontrou o  garção do dia anteiror que de cara foi perguntado:- Dr. O mesmo de ontem? O garção notou que a esposa começou a olhar com estranheza pra cara do marido. Tinham se passado cinco minutos o garção foi ao banheiro e o freguês foi correndo pro banheiro. Deu um gravataço no garção e disse: -Agora tu vai lá na mesa e desfaz o que tu fez senão te quebro a cara... Não se sabe como terminou a história. 

Caipirinhas de cachaça!

A Conferência Mundial Sobre Desenvolvimento de Cidades chegou ao fim no último sábado, dia 15/02 com resultados seguramente bons para todos. Mas principalmente para alguns restaurantes que faturaram bem com os muito estrangeiros no pedaço tomando principalmente capirinha de cachaça, que  fez o maior sucesso entre os estrangeiros vindos para o conclave.

Na terça-feira, dia 12/02, por exemplo, no restaurante Gambrinus,no Mercado Público, muitas delas foram tomadas pelos 48 comensais que se reuniram num jantar de boas-vindas que durou das   21 horas até a uma da madrugada. O restaurante só fechou as portas as 2 da madrugada. A Capacita Eventos,que fez a organização do congresso, colocou vários seguranças(alguns de dois metros) e recepcionistas para a palangana.Não houve incidentes.

O prefeito José Fogaça, de Porto Alegre, o organizador do evento, Cézar Busatto, estiveram entre os participantes do jantar no Gambrinus do dia 12/02. Quando foi procurado o restaurante não queria assumir o jantar porque está com muitos empregados em férias. Contratou garçons eventuais e até cozinheiros extras pra dar conta da palangana.

Não se sabe o que custou o total deste jantar, mas sabe-se que o restaurante vai mandar a fatura a Brasília para o depósito na conta corrente dos gastos. Não sei se o pagamento será feito pela Unesco, ou por outro órgão promotor do evento.

Um dos garçons que trabalhou nesta noite ficou impressionado pela avidez com que os estrangeiros pediam caipirinhas de cachaça.Mormente, um dos " cabeças" do evento.

O Gambrinus comemora vários títulos conseguidos em 2007. Entre eles dois da revista Gula,entregues dias atrás no restaurante Germânia. Um de segundo lugar em serviço de mocotó e outro dado também por esta revista de circulação nacional.

Jornal Gente, da Band AM completa 13 anos! Ritter participa do Gente desde sua fundação.

Hoje, dia 15/02, o Jornal Gente da Band Am - 7h30min às 9 hs, completa 13 anos no ar. Formado inicialmente por uma bancada enxuta, hoje já tem mais gente colocando o pitaco nele, inclusive o metereologista que eles chamam de consultor do tempo. Renato Martins, Fernando Albrecht, Affonso Ritter ( único dinossauro do programa, ele o começou) e Osiris Martins levam o programa com informação, palpites, tempo, serviço de rua e muita propaganda, o que segundo o Ritter, é "o que nós mais queremos". 

Quando nasceu, em 1995,o Jornal Gente, na Band AM, tinha o Hélio Gama, o Bira Valdez, como o âncora, e o Affonso Ritter. Com o tempo, entrou o Políbio Braga que se demitiu num incidente em pleno ar  como  é de seu estilo de pouco jogo de cintura.

Durante este longo período Affonso Ritter não lembra de um grande furo jornalístico que se tenha dado. Mas recorda deuma gafe. Deixo ele falar: " O Bira Valdez era o mediador e me chamou de Márcia de Windsor pelo meu estilo de ser. Não pensei em me demitir por isto. Mas à noite ele me ligou, me pediu desculpas e disse que a primeira coisa que faria no dia seguinte assim que abrisse o programa seria me pedir desculpas públicas. E foi o que ele fez".

Diego Casagrande nunca foi de sua bancada. Há um membro dele que tem restrições ao colega. Não se sabe de entrevistados que sejam vetados pelo programa.

Não se sabe se o fundador do programa, o Bira Valdez quis ou não copiar o Sala da Rádio Gaúcha. Mas a idéia era justamente debater de forma livre e espontânea assuntos como economia e política.

Os âncoras foram Osiris Marins, Felipe Vieira, Bira Valdez, Leonardo Meneghetti e um profissional que hoje está em Curitiba.  

Hoje, 15/02, completa-se quatro anos da morte do
fundador( oficial e reconhecido como tal )  da SAPA

O publicitário Jesus Iglesias, o famigerado fundador da SAPA - uma entidade virtual, com brasão e tudo - fundada em 1985 por um grupo de gozadores entre os quais estão nomes ilustres como José A. Pinheiro Machado, Luis F. Verissimo, entre outros nomes  menos conhecidos - completa 4 anos de sua morte, hoje 15/02.

Iglesias morreu em circunstâncias nunca esclarecidas pelos familiares. O que se sabe é que vivia sozinho, num apartamento em Petrópolis. Foi encontrado morto,dia depois. Deixou um filho adolescente.No dia em que não manteve mais contatos com ninguém, ele tinha uma consulta marcada com um médico. Não compareceu ao compromisso, o que provocou estranheza por parte do profissional.

Jesus era um sujeito ou que despertava paixões, ou que despertava ódios. Havia quem gostava dele, havia quem fugia dele como o diabo da cruz.Muito polêmico, no final da vida, vivia de um emprego que tinha arrumado junto a Secretaria de Cultura do Estado. Me parece que assessorava o então secretário da Cultura, Roque Jacoby.

Haydee Porto, atriz e produtora cultural, foi sua grande amiga no final da vida de Jesus. Ele ia seguidamente visitá-la e para isto pegava o ônibus T-6 da Cia Carris  motivo pelo qual  Haydee ironizava: " vocês publicitários e jornalistas só andam de ônibus e não dirigem".Haydee Porto disse que Jesus estava sempre preocupado com o nível cultural da cidade.

Mas Jesus Iglesias ( era espanhol ) ficou conhecido durante muito tempo no meio publicitário. Chegou a presidente da Associação Riograndense de Propaganda(ARP). Nos seus áureos tempos dirigia uma empresa de publicidade, a Ampla, que pertenceu ao Supermecados Real.

A sede da Ampla ficavanuma casa  na Rua Mata Bacelar,no bairro Auxiliadora,  local onde hoje há inúmeros restaurantes. O publcitário Beto Callage, hoje um dos donos da DCS , trabalhou na Ampla como redator quando começou  na segunda metade dos anos 70.

Beto lembrou que Jesus de manhã dormia.Chegava no serviço lá pelas 14 horas,de óculos escuros,porque geralmente dormia as 6 da manhã.

Lá pelas l8 horas, Jesus começava os preparativos para fazer churrasco nos fundos da casa, onde havia uma churrasqueira.Era mais ou menos a hora em que os amigos começavam a chegar.Muitos musicos como o pianista Geraldo Flack, o flautista Ayres Pothoff e outros.  Calalge as 18 horas pegava seu fiatizinho e ia pra casa porque as 8 horas da manhã do dia seguinte tinha que estar na agência para redigir os textos. Jesus convidava Callage para participar dos churrascos que ele realizava e insatisfeito pela negativa do empregado,reagia de mau humor: " lá vai o burocrata".

Coleguinhas

Rogério Mendelski conversava com Renato Rossi,ontem,dia 14/02, ao vivo na Guaíba sobre cores de carros e de perfumes. Mendelski queria saber qual o perfume preferido do Rossi. Foi quando o especialista em carros do CP  no seu estilo livre,leve e solto soltou: " O que é Rogerão?"

Cristiano Darsch foi visto na Praia de Capão da Canoa,descansando, num apê que comprou lá. E dizem que mesmo depois do carnaval, ele foi pular a marchinha das corujas que virou o grande hit da praia.

Betto Bottega, da Replay Comunicação, voltou de um tour pela praia do Siriu, em Garopaba. Quem pode pode, os outros que fiquem aqui nesta canícula que é o Porto no verão.

Um advogado que jogava sinuca com o colunista Fernando Albrecht, quando este estava no clero baixo, anda amuado com o colunista porque ele não tem mais tempo para ele.

Juarez Tosi, dos ecojornalistas,digo ecochatos, disse que o objetivo deles é fazer trabalho voluntário. Já tentaram até incorporar o seu site, mas não levaram.

A foto do dia

O colega Ricardo Stricher colabora hoje com esta foto que é a Usina do Gazometro refletida numa poça d'água.

Coleguinhas

No dia em que o deputado Alexandre Postal(PMDB) chutou o pau da barraca e tentou ser presidente da Assembléia Legislativa do Estado,um repórter, afoito transmitia ao vivo desde um estúdio improvisado na sala de imprensa da Assembléia: " o deputado ALCEO Postal..."

Dizem por aí que quem escreveu o livro de memórias do ex-governador Jair Soares foi o J. DACCANAL.

Ontem,13/02, no café da manhã do Banrisul, muita gente confundiu o colega Diego Casagrande com o secretário da fazendo, Aod Cunha de Morais. Em comum duas reluzentes carecas.

Outra confusão de ontem no Banrisul: teve gente que chamou Fernando Postal por Alexandre . São gêmeos e a confusão se justifica pela semelhança.

Na coletiva do Banrisul de ontem, não havia a presença do nosso " eterno" presidente Ari Torma, digo Ercy Torma. Acho que deve ter ido na abertura do fórum das cidades na PUC.

Políbio Braga e Affonso Ritter conversavam ontem no Banrisul. Alguém se aproximou e lascou : 150 anos de jornalismo vos contemplam. Affonso riu, mas Políbio fechou a cara.

Em volta das rodoviárias

Repercutiu a matéria que fiz estes dias sobre uma "quadrilha do dedal" que fica na passarela da rodoviária de Porto Alegre enganando os trouxas e lhe tirando dinheiro.O episódio me fez lembrar que rodoviária sempre é um assunto complicado. Na de Porto Alegre, havia e há uma senhora que criou um filho dentro dela. Em pleno inverno esta senhora, que engravidou ninguém sabe de quem, dormia num banco da rodoviária segundo me contou um taxista que conhece bem o ponto porque trabalha nele. Até que o Juizado da Infância e Juventude lhe tirou o filho por absoluta falta de condições que ela tinha de criá-lo. Mas a mulher fez do local seu lar e está sempre por lá.

Quando pesquisei para uma publicação a história das rodoviárias do RS, em 2003, estive em Vacaria e o concessionário de lá, Melchior Chedid me disse que lá também havia este problema da vagabundagem e da malandragem se firmarem em volta da rodoviária.

Já na rodoviária de Cruz Alta, o concessionário, sr. Jost, me disse que além da malandragem ele sofria outro problema.Os sem-terra e os índios ocupavam os banheiros e os deixavam em absoluta sujeira e na impossibilidade dos usuários de ônibus utilizá-los. Ele mandava limpar de manhã e lá pelas nove já estavam todos sujos. E a rodoviária era multada pelo daer e pela Agergs por isto...Durma-se com um barulho destes.

Olga Benário chega aos 100 anos!

Olga Benário Prestes completou 100 anos em 12.02.08

Graças ao comentário do colega Scliar, na ZH, fiquei sabendo que Olga Benário Prestes fez 100 anos no dia 12/02.Figura do comunismo internacional, ela nasceu em Munique,Alemanha e na sua curta existência teve muitas peripécias mormente a que empreendeu com seu companheiro Luis Carlos Prestes no começo de 1935 quando veio ao Brasil para realizar aqui a Revolução Comunista.

No Brasil, como todos sabemos, foi presa e  foi deportada em setembro de 1936 já grávida de sete meses(sua filha se chamou Anita Leocádia)  para a Alemanha nazista. Quando saiu daqui deveria saber que estava caminhando para a morte.  Nas mãos da Gestapo,dificilmente escaparia da câmara de gás. E foi o que aconteceu na Páscoa de 1942 quando ela morreu na câmara de gás, em Bernburg,na Alemanha.

Perguntei em 1993 ao Maneco,filho de Getúlio Vargas, o que ele achava do pai ter liberado a prisioneira para a Alemanha. Maneco foi taxativo:
- O Getúlio era presidente do Brasil.O Brasil tinha relações diplomáticas com a Alemanha e o governo alemão a exigiu. Na minha interpreção,Olga foi vítima daquela política prática do Getúlio de agradar aos dois lados pra tirar proveito. Isto sou eu que digo, não o Maneco.

Olga não era uma covarde. Quando o capitão Luis C. Prestes foi preso em novembro de 1935, depois do fracasso da chamada Intentona Comunista, ela se colocou à sua frente pra que a polícia de Felinto Müller não  dessem um tiro no companheiro.

De uma beleza estonteamte, ninguém sabia em Ipanema,RJ, onde morou um tempo,clandestina, junto com Prestes, o que fazia aquela alemã linda que ia cedo pra praia mas que não dava bandeira e voltava cedo pra casa...

Pra não xaropear muito meus ( 5 ou 6 ) leitores, digo que quando fui ver o filme sobre ela, do diretor Jayme Monjardim,tendo a Camila Morgado, como Olga, chorei pra caramba. Não imaginei, embora já houvesse lido o livro, que o filme entrasse tanto em detalhes. Aquelas cenas do carnaval de 1936, no RJ, com o Prestes e a Olga, clandestinos,se escondendo da Polícia que literalmente os caçava, são magistrais.E no final, quando ela estava nos campos de concentração, me emocionou pra burro a força que tinha de naquelas condições ainda encontrar uns fios de esperança e de se arrumar pra receber a visita da filha no dia seguinte.

O filme me fez pensar que se há covardes neste mundo, há também gente forte. No caso, a Olga foi uma. Chorei da sala do cinema até a parada do ônibus e as pessoas não entendiam o que ocorria com um transeunte lamurioso aquela hora da noite.

Por fim e para homenagear sua memória neste centenário - quantos de nós terão seu nome lembrado quando fizerem 100 anos?- aí vai a carta que ela escreveu a Prestes e a filha na noite em que ainda em Ravensbrück, véspera da viagem de ônibus para Bernburg,onde morreria.Prestes só recebeu esta matéria anos depois.


" Queridos: Amanhã vou precisar de toda a minha força e de toda a minha vontade. Por isso, não posso pensar nas coisas que me torturam o coração  que são mais caras que a minha própria vida. E por isso me despeço de vocês agora.É totalmente impossível para mim imaginar, filha querida, que não voltarei a ver-te, que nunca mais  voltarei a estreitar-se em meus braços ansiosos. Quisera poder pentear-te, fazer-te as tranças - ah, não, elas foram cortadas. Mas te fica melhor o cabelo solto, um pouco desalinhado. Antes de tudo, vou fazer-te forte. Deves andar de sandálias ou descalça, correr ao arl ivro cdomigo. Sua avó em princípio não estará muito de acordo com isso, mas logo nos entenderemos muito bem. Deves respeitá-la e querê-la por toda a tua vida, como o teu pai e eu fazemos. Todas as manhãs faremos ginástica...Vês? Já volto a sonhar, como tantas noites e esqueço que esta é a minha despedida. E agora, quando penso nisto de novo, a idéia de que nunca mais poderei estreitar teu corpinho cálido é para mim como a morte.

Carlos, querido, amado meu: terei que renunciar para sempre a tudo de bom que me destes? Confortar-me-ia, mesmo que não pudesse ter-te muito próximo, que tens olhos mais uma vez me olhassem. E queria ver teu sorriso. Quero-os a ambos, tanto,tanto. E estou tão agradeci9da à vida, por ela haver-me dado a ambos. Mas o que eu gostaria era de poder viver um dia felz, os três juntos, como milhares de vezes imaginei. Será possível que nunca verei o quanto orgulhoso e feliz te sentes por nossa filha?

Querida Anita, meu querido marido, meu garoto: choro debaixo das mantas pra que ninguém me ouça, pois parece que hoje as forças não conseguem alcansar-me para suportar algo tão terrível. É precisamente por isso que esforço-me pra despedir-me de vocês agora, pra não ter que fazê-lo nas últimas e difíceis horas. Depois dessa noite, quero viver para este futuro tão breve que me resta. De ti aprendi,querido, o quanto significa a força de vontade, especialmente se emana de fontes como as nossas. Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo. Prometo-te agora, ao despedir-me que até o último instante não terão porque se envergonhar de mim. Quero que me entendam bem:: preparar-se para a morte não signfiica que me renda, mas sim saber fazer-lhe frente quando ela chegue...Até o último momento manter-me-ei firme e com vontade de viver. Agora vou dormir para ser mais forte amanhã. Beijo-os pela última vez. Olga "

Assaltos em ônibus assustam moradores de Porto

Os assaltos dentro de ônibus em Porto Alegre viraram corriqueiros. Na tarde/noite de 12/02 o adolescente Rafael Overdeck estavam indo pra casa dentro do ônibus da linha JUCA-Batista quando ocorreu um verdadeiro arrastão dentro do ônibus. Armados, um casal - ela begra, ele branco e alto - assaltaram e levaram tudo dos passageiros. do Rafael levaram o relógio, segundo sua mãe, Clarrisse, v agabundo,comprado dos camelôs. " O guri chegou em casa muito assustado" contou a mãe.Os dois assaltantes desceram na parada em frente ao BIG Cristal, porque em seguida há um fiscal da linha que pára o ônibus pra fazer contagem e controle. Onde está a segurança do cidadão comum? 

Memória Jornalística 
As Histórias das Redações contadas por quem tinha que consertar e limpas as máquinas de escrever

Ebanês Flores é um sobrevivente de um tempo em que as redações de jornais,rádios e tevês faziam tudo por meio das máquinas de escrever.  É o único profissional que ainda conserta todo tipo de máquina de escrever. Sua oficina fica na rua Espírito Santo, 376( fone 51.3221.5378). Lá o Ebanês está sempre a postos pra atender você( atenção esta matéria não é um comercial disfarçado, é um texto jornalístico) a não ser ao meio-dia quando ele dá uma saída pro almoço.

Além de consertar máquinas ( com as quais parece que ele ´conversa´ ) Ebanês também comercializa. Então se você tem aquela máquina de escrever encalhada,há muito tempo que quer ver-se livre dela, ligue para ele que ele dá um jeito.

Como foi parar em conserto de máquinas de escrever é uma história um pouco engraçada, mas vamos lá. Ele era vendedor de perfume,viajava pro interior do Estado e naquele tempo, na década de 60, do século passado, eles pediam uma ligação pro interior demorava o dia inteiro pra ser feita.Então para passar o tempo, - a firma de  perfumes em que Ebanês trabalhava se chama " Doroty Gray" - e o supervisor dele tinha um irmão que tinha uma oficina que consertava máquinas de escrever. Localizava-se nas cercanias da Rua Caldas Junior." Nós pedíamos uma ligação pro interior e pra passar o tempo eu ia na oficina do irmão do meu supervisor e dali nasceu esta minha afeição por conserto de máquinas de escrever" contou Ebanês para este site.

Ebanêsd trabalhou nos anos de 1970 e 1971 como vendedor de perfumes e em 3 de agosto de 1972 ele abriu a sua firma de conserto de máquinas.Atendeu muitas firmas importantes entre as quais recorda, ZH, Caldas Junior,Zivi Hercules,Unibanco,Diário de Notícias.Uma cunhada o ajudava sendo uma espécie de " RP" da sua firma.

Pra atender tanto o conserto de máquinas de escrever, Ebanês Flores recolheu muitas histórias de redações que chegavam até ele. Vou contar algumas, mas os nomes ficam preservados por motivos óbvios:

1) Ebanês Flores visitava um jornal onde tratava com  um gerente( hoje falecido) um uruguaio que falava num portunhol brabo. Ebanês Flores dava algum conselho e este uruguaio atirado na sua cadeira de sentar,atrás da cadeira, assim respondia: " Aca nesta empresa, senhor Flores, no se puede hacer certas cosas, porque se gritam pela el ladrón, pega el ladrón, salem todos a correr puerta afora..."

2) Ebanês Flores levou um dos diretores da Olivetti pra reunião numa empresa de comunicação. O diretor levou um contrato pra ser assinado. Só que na hora que este diretor tirou da pasta o contrato pra assinar, a pessoa que tratava do assunto, mandou-o enfiar o tal contrato naquele lugar...

3) Ebanês Flores lembra que muitas das máquinas das redações que ele recolhia pra consertar e limpar vinham até com mijo dentro. " Principalmente as das editorias de Polícia,lembra ele. Acho que os repórteres ficavam com raiva, batiam com força nas teclas e alguns deles até mijavam dentro da máquina.

Pauta, livro lançado em outubro de 2007 é notícia no Jornal da Noite

O amigo e colega Danilo " Gordo" Ucha colocou nosso livro Pauta, o Avesso das Redações, lançado na última Feira do Livro de Porto Alegre como notícia em seu prestigiado Jornal da Noite que tem 20 anos ininterruptos de circulação.Aí vai a notícia que o Ucha colocou.

Gauderiada em pé de guerra!

Os gaudérios estão em pé de guerra com a possibilidade do novo presidente da Assembléia Legislativa do Estado, deputado Alceu Moreira(PMDB) mandar desmanchar o galpão gaudério que funciona dentro do prédio da " Casa do Povo".Seria pra dar espaço pro Fórum Democrático. Brigas à vista...

Jango

Sobre este episódio de que teriam envenenado Jango - sobre o que tem se falado muito ultimamente - me recordo que no final dos anos 70 estive pela ZH, junto com o colega Rubens Borges, o Goiano, em Curuzu-Cutiá, na Argentina pra ver se havia algo que pudesse denotar que o ex-presidente fora vítima de alguma espécie de atentado.Sinceramente, deu com os burros na água.

O que me chama a atenção é que durante anos ouvi em entrevistas a viúva Maria Thereza Fontella Goulart assegurar peremptoriamente que seu marido morrera de um " enfarte" e que não passavam de bobagens as suposições das gentes dos Direitos Humanos de que ele fora envenenado. Agora estranho que ela esteja no mais absoluto silêncio.O que houve? Um acordo com os filhos e netos?

Com certeza, se algo for provado e o Estado brasileiro for condenado quem pagará a conta será a " viúva" como diz o jornalista Élio Gaspari.

Outra evidência: nenhum dos repórteres que cobriram a morte do Jango e seu enterro em S. Borja estão tentando provar que ele foi envenenado.Tem alguma coisa aí que não estou entendendo bem o que é.

Leandro Soares assumiu

O vereador Leandro Soares(PP) que esta semana está na Câmara Municipal de Porto Alegre ficou como primeiro suplente da bancada em 2004 com 2.380 votos. Em 2000 ele ficara na sétima suplência com 1.679 votos.

Coleguinhas

Giovani Grizzotti, da RBS, andava ontem,12/02/ pelos corredores da Assembléia Legislativa. O que poder ser? Operação Rodin?

O Previdi colocou no seu site,ontem,11/02, a notícia que dei aqui sobre a " quadrilha do dedal". Obrigado,Previdi. Estou preparando outra, mas esta um assunto um  pouco mais complicado.

O saudoso João Aveline abominava o termo mídia. Eu tenho horror de fazer matérias sem dar nomes. Não acho isto jornalismo. Mas como já levei processo, agora estou um pouco mais cauteloso. Digo isto porque senti não poder dar os nomes das duas pessoas que protagonizaram um romance que descrevi aqui com o título de " Ressaca de carnaval". A história toda nos seus detalhes dava um livro e dos bons. Optei por contá-la  ( é verídica) sem citar os atores.

Hoje, 13/02, coletiva, às 9 horas, no Banrisul sobre o balanço do banco.

Me bandeei pra Guaíba ou Gaúcha no horário das 7h30 às 8hs. Há 10 anos era  ouvinte fiel do Jornal Gente, da Band AM! Enchi. Virou um " tijolaço" de comerciais.

Suplente assume no lugar de Nedel

O suplente de vereador de Porto Alegre pelo Partido Progressista(PP) Leandro Soares assumiu uma vaga na Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre por um período de cinco dias. Nedel teve que se desincompatibilizar do cargo por este período. Soares trabalha no Fórum Democrático na Assembléia Legislativa do Estado. 

Segue a Coluna “ de Olhos e Ouvidos “ publicada na ultima edição do FITNESS

 O zelador de carros, André, do Barranco foi chamado dias destes por clientes de Juan Carlos “Abadia”, por causa de sua nova fisionomia, depois de aparar os bigodes.

 Dia 17/01, Celso Schoreder e demais colegas que trabalharam na Prefeitura de POA quando o PT governou o município jantavam no Barranco.

 Dia 21/01: Osiris Marins voltou das férias e reassumiu jornal Gente na Band AM.

 Dia 21/01: Fernando Albrecht do J. Gente na Band reconheceu que nenhum colunista político tinha acertado na escolha de MARTINI para supersecretaria no gov. do Estado.

 O fotógrafo Jefferson Bernardes, do Pal. Piratini, já tocou numa banda na qual também tocou Renato Martins, do Jornal Gente da Band. Quem contou isto foi o próprio Renato, dia 24/01 no “Gente” da Band AM.

 Dia 17/01/2008, Ênio Rochembach completou 74 anos.

 O INSS negou aposentadoria ao garção SADI, do Barranco!

 A reporter Ivani Schütz, (nascida no bairro Floresta) em POA, foi assaltada dias atrás na frente do edifício Condado de Porto Alegre, na rua Conde de Porto Alegre, onde reside sua mãe. Eram cerca de 10hrs da manhã e ela foi descarregar compras. Foi assaltada por uma dupla numa moto. O “carona” saiu dirigindo o carro roubado da repórter.E ninguém da guarita fez nada.

Ela contou aos policiais que ainda tentou argumentar com os bandidos.
— Mas eu sou da RBSTV?
— E nós com isto? teria respondido o marginal.

Seu carro não fora localizado até dias atrás. O guarda da guarita conseguiu anotar a placa da moto mas era “clonada”.

 Uma editora cobrou 14mil reais à vista pra editar dois mil exemplares de um livro de memórias de um veterano jornalista. O livro, lançado em novembro de 2006, ainda não rendeu grana pro jornalista. Depois de muito relutar, ele conseguiu que o editor lhe depositasse R$ 450,00 de direitos autorais. E a editora depositou como despesas pro jornalista-escritor até os envelopes, postagem dos convites de lançamento feito numa livraria do Praia de Belas. É claro que o escritor está puto da vida...

 Dia 4/12: Pres. da ARI, Ercy Torma tem suado pra cumprir o que se chama de “liturgia do cargo”. Apenas neste dia tinha 6 compromissos todos agendados para as 9hs.

 Dia 4/12: Fiergs distribui presentinho muito útil: carteira, em couro puro, feito pelos alunos do SENAI. Antes do final da coletiva do presidente da entidade, Paulo Tigre, o gongo teve que soar porque a algazarra do lado de fora da sala da coletiva estava braba. Muita “badalação” neste almoço de fim de ano da Fiergs.

 Programa religioso de madrugada que era passado na TV Pampa agora foi pro Canal 2, TV Record. Perda de muita grana pro Grupo Pampa.

 Dia 14/12 na inauguração do quiosque do Barranco Sérgio Couto da R. Guaíba recebeu ligação pelo celular: um amigo o advertia que ele havia dito naquele dia “PRA CARALHO” no ar. E estava indignado. Couto negava. “Pra Caralho no ar, eu não cara, devo ter dito pra caramba”. Pra tirar a dúvida é só ir na gravação do Dentel.

 Numa solenidade da AJURIS, sua presidente chamou o presidente Ercy, da ARI, de “ARI TORMA”. O que faz o tempo... Alberto André que ficou 34 ano na ARI - era chamado de “Dr. ARI”. Vê-se que o cargo na entidade é VITALÍCIO.

 Dia 07/01: Fernando Albrecht disse no Jornal GENTE da BAND AM que os bondes terminaram em Porto Alegre em 1968. Foi em 1970.

 Dia 07/01: Edgar Lisboa citou nosso site www.deolhoseouvidos.com.br na sua coluna do JC.

 Dia 13/02 Jornal Gente da Band AM completa 13 anos.

 Dia 15/01 Rogério Mendelski contestou ouvinte na rádio Guaíba, sobre mudanças suas a respeito de meteorologistas. “Nunca fui contra eles” disse o radialista. Na BAND AM meteorologista virou “CONSULTOR DO CLIMA”...

 Dia 02/12 Segundo um expert em CP a capa do mesmo está “mais pra Eugênio Bortolon” do que pro Telmo Flor. Eugênio é editor de Economia e Telmo editor-chefe. Outro colega que tambem faz capa do CP é Luiz Schuck.

 Valdir Zwetsch, que no começo dos anos 70 trabalhava no Segundo Caderno de ZH almoçou aqui em 01/12 com grupo de ex-colegas. Quando o conheci, na ZH, morava na Rua Laurindo e era casado com uma japonesa (linda) a Arumi.

 E a OPERAÇÃO GUTTEMBEG da PF heim? O que teve de gente apavorada por aí... alguma culpa no cartório? Teve jornalistas que ligaram para o del. Ildo Gasparetto, da PF, pra saber o que havia de fato.

 Dr. ARSÊNICO 1: Onde escrever alguns dos membros do Clube de Editores e de Opinião? Dr. ARSÊNICO 2: quando foi governador do estado, Antônio Britto Filho não podia ser importunado às 18hs. Diziam os coleguinhas maldosos que ele estava “ocupado” escrevendo uma coluna de jornal muito conhecida.

 Dia 29/01 Rogério Mendelski na Guaíba citou Amaro Pereira de Taquari. É o dono da rodoviária local e já foi repórter em 1964 da “Última Hora” - RS.

Veja a Edição completa do FITNESS, clicando aqui


Paraty, cidade de turistas!

Localizada ao sul do Estado do Rio de Janeiro, Paraty é conhecida por muitos aspectos,entre os quais ser a terra natal do navegador Amir Klink. Em setembro, nos últimos anos, tem sido realizada a FestaLiterária Internacional, o que é outro atrativo que leva muita gente do Brasil e de fora para lá.

 
Foto 1 - Casas típicas de Paraty
Foto 2 - Capela Nossa Senhora das Dores - Paraty

A foto Um mostra casas típicas de Paraty. Ela foi feita em novembro de 2005. A foto dois é da Igreja Nossa Senhora das Dores de Paraty, também feita na mesma época.

O laçador

O fotógrafo Alfonso Abraham (espanhol) fez esta foto que ele diz que é o do pôr-do-sol mais lindo do mundo!  Uma vez em Alegrete, o Osvaldo Aranha fez um discurso comparando sua cidade natal a Nova Iorque, ou algo assim, um exagero. À   noite, no hotel, Getúlio Vargas o interpelou:
- Osvaldo tu dizes que Alegrete é tudo isto. O que eu vou dizer de S. Borja? Enfim, o Espanhol fez esta bela foto do monumento do Laçador, que quem chega de avião ou pela Br-116 sempre enxerga. Vá,então a imagem do pôr-do-sol que a sensibilidade do espanhol captou para nossos leitores.

Ressaca de carnaval rides again...

Aquele história que contei aqui do envolvimento de um empresário e de uma estagiária de imprensa de uma secretaria municipal de Porto Alegre - cujos nomes não dou nem sob tortura - começou como uma brincadeira - ele era casado - ela não e ficou séria.Óbvio que se conheceram por causa do trabalho. Ele precisava ir na secretaria ver assuntos de sua empresa e poing.... Ela, durante o romance, se fez passar de vendedora de Avon pra poder conhecer os filhos dele. Entrou na casa do sujeiito, com a maior cara de pau, dizendo-se vendedora de produtos de beleza. Queria conhecer os filhos dele. O amor é lindo...

E ela tinha ciúmes sim da " titular" a quem se referia com muito ironia pela " Gorda".

O romance ficou tão sério que durou sete anos. Por estas coisas do destino acabei virando colega dela num segundo trabalho que eu tinha. Na nova empresa ela me "obrigou"a eliminar dos arquivos de ZH uma foto que havia lá dele e que os editores sempre colocavam. Ela tinha horrror da foto. Um dia depois de tanto me encher o saco, fui na pastinha das fotos do sujeito - antigamente os arquivos eram assim, cada sujeito importante que saía no jornal tinha sua pasta de fotos e quando o editor precisava berrava pro contínuo: me traz a pasta do fulano.Fui lá e dei um basta na foto.

O fim do romance foi triste. Ela, já morando sozinha, no centro, conservava a esperança de que ele se separaria um dia...só ela.Foi numa cartomante que lhe disse:
- Ele vai voltar mas é apenas pra te dizer que não vai ficar contigo.

Essa mulher sofreu horrores. Tomava porres homéricos sozinha em casa, e do sofá às vezes não conseguia se arrastar até a cama pra dormir. O amor é  lindo mas cobra um preço elevado.Como eu me dava bem com os dois e continuo me dando, um dia ele comentou o assunto comigo. Disse apenas que ela fora a mulher que ele mais amou na vida.

Ele continuou casado com a mesma mulher, que dúvida. Teve muita projeção,ficou muito mais conhecido do que na época que rolou este romance com minha amiga.Pra ser justo sempre lembro que findo o romance entre eles ele não demitiu uma irmã dela que fora empregada num local onde ele tinha grande ascendência.Ela ficou um tempo ressabiada, aquela baita mulherão não querendo saber de homem. Que desperdício. Aí deu umas ficadas com um engenheiro, colega da empresa onde trabalhava,- hoje tem uma empresa de engenharia própria saiu de lá faz anos -  mas nada engatou.

Então por estas coisas do destino, conheceu um sujeito, viúvo do Banco do Brasil. Não se mostrava apaixonada pelo cara, nem nada. Até desdenhava dele, no serviço.

O funcionário do Banco do Brasil recém ficara viúvo e sua esposa falecera de um câncer. Ela já estava de história com o cara e já arrumou um apelido pra ex-mulher que havia falecido. Referia-se a ela como a " falecida" ou a " defunta" não recordo bem. Só que a coisa andou,andou, os dois casaram tiveram dois filhos - um casal - e ela ajudou a criar os dois filhos dele, como se fossem seus. Eu enquanto a acompanhei a via telefonando pra casa de hora em hora do serviço pra dar ordens à empregada que ficava cuidando dos dois filhos porque os dois trabalhavam. Seu futuro estava bem distante de onde ela havia imaginado.Hoje ainda trabalha na empresa - mas deve estar por se aposentar - continua morando na zona sul. Ah, um detalhe: os dois saíam cedo de casa e vinham ouvindo o Rogério Mendelski na Gaúcha. Só que ele gostava do radialista, ela não. Então brigavam o caminho inteiro até ele a deixar na empresa e depois ir para o Banco do Brasil, na rua Uruguai.

Do empresário, ela ela nem quer ouvir falar( sua terapeuta vive lhe dizendo que isto era sinal de que ela não se havia desgrudado dele ainda). Depois de um período com grande exposição na mídia, agora fazem dois ou três anos que anda sumido( da mídia). Só de vez em quando ouve-se falar dele. Mas está muito mais rico de que quando rolou a história das fotos feitas no camarote do Petrópolis Tênis Clube lá pelo começo dos anos   80.

Memória da cidade: Morre um dos pioneiros do transporte de POA!

Edgard Dutra Pinheiro, o segundo à direita, ao lado de Innocêncio Michelon. Na sua frente,
o Cel. Ari Lampert e ao lado Antônio Demarchi Chula. Foto feita na Churrascaria Mosqueteiro.

Morreu no dia 02/02 em Porto Alegre, o diretor e fundador da Viação Belém Novo, Edgard Dutra Pinheiro, que vem a ser um dos pioneiros no transporte de passageiros de Porto Alegre.Em 1993,quando o entrevistei na garagem da sua empresa, a Viação Belém Novo Ltda, localizada na av. Beira-Rio,175, na Zona Sul de Porto Alegre ele já tinha  37 anos de transporte coletivo, mas se comportava como se estivesse no seu primeiro dia.

Edgard Dutra Pinheiro fazia parte de um grupo de transportadores que começou a racionalizar o transporte de passageiros da capital(antes eram camionetes que disputavam os passageiros em qualquer lugar na rua) nos quais estão  incluídos Antônio de Marchi Chula ( falecido em 23.10.2005) Innocêncio Michelon(dono da empresa Gazometro,ainda vivo), Jean Vardaramatos, José Amorim, Silvestre Sauter(falecido em 1996), José Marzotto(falecido num acidente automobílistico nos anos 80), e outros tantos, principalmente os de origem portuguesa que se localizaram mais na Zona Norte de Porto Alegre.

Edgard Dutra Pinheiro orgulhava-se da Viação Belém Novo ser a primeira empresa de ônibus de  Porto Alegre de ter construído " uma garagem". Antes era tudo meio improvisado, na rua. A garagem da Viação Belém Novo foi construída em 1962, no mesmo local onde está hoje.

Em 1947, Edgard Dutra Pinheiro tinha 17 anos e recém saíra do Colégio Rosário. Não tinha lhe passado pela cabeça nunca ir trabalhar com transporte de passageiros. Foi o acaso que o jogou neste meio.Ele e Erany Eugênio Ricardo(falecido em 25 de agosto de 1986, com 63 anos)-que era de Criciúma(SC) meteram-se no negócio de ônibus porque um acidente provocara a cassação da licença da empresa Jaeger que deixou de circular entre Poa e Floripa.Érico Becker, colega de serviço militar de Erany o procurou e os três compraram dois F-600 e mandaram fazer a carroceria no Eliziário, em Porto Alegre, pra explorar a linha entre Poa e Floripa.Só que deu zebra.Os 3 sócios já tinham os dois veículos até com licença do DNER mas o contador da Jaeger,Marcos Leão, conseguiu reaver a linha para a empresa.

E o que fazer agora com os dois micros bonitinhos?Venderam os dois ônibus pra duas empresas diferentes e Edgard voltou a vender autopeças que era o que fazia antes de meter-se nesta aventura.Em seguida pintou nova oportunidade no transporte de passageiros. Desta vez para a linha São Caetano em Porto Alegre.Os três sócios eram Edgard Dutra Pinheiro, Erany Eugênio Ricardo e um minoritário, Álvaro Almeida.

Dali Edgard Dutra Pinheiro nunca mais largou o transporte. Esteve transportando na vila Santa Isabel, em Viamão e foi estabelecer-se na zona sul de Porto Alegre quando o prefeito José Loureiro da Silva - o " Charrua" -em 1960, resolveu dar um jeito no DATC(Departamento Autônomo de Transporte Coletivo) o que deu-se na entrega de linhas exploradas pela autarquia para transportadores particulares.

Até falecer poucos dias atrás, Edgard Dutra Pinheiro sempre manteve-se discreto. Mesmo na época da intervenção em 1989,quando sua empresa foi uma das atingidas. Muito gentil, sempre que me encontrava, me cumprimentava e perguntava pela família, cavalheiro que era.Nunca fui seu amigo, até porque não mantenho vínculo de amizade com fontes, mas sempre mantivemos um respeito muito grande um pelo outro, mesmo nos piores momentos.

Quando o entrevistei para um livro meu, ele se definiu numa frase simples: " o transporte coletivo  é um desafio,mexe contigo, e,se tu gostas, todo dia tem coisa nova" disse-me na sua simplicidade. Como diria o falecido Mendes Ribeiro, foi um privilégio ter conhecido Edgard Dutra Pinheiro.  

Coleguinas - Dicas de Vilnei Herbstrith

O site Brasil_Imprensa_Livre que iniciou há poucos meses, já tem 75 mil assinaturas (e-mails) sendo enviados diariamente.

Adjori-rs já está com seu site provisoriamente no ar ( www.adjori-rs.com.br ) em breve também ponto org. A estréia oficial deve acontecer nesta semana que inicia. Tem como editor este jornalista que vos fala.

Adjori lança ainda no primeiro semestre pelo menos um livro no estilo dos que faço para o Prêmio ARI. O título ainda é uma surpresa, mas terá milhares de endereços de jornais, sites, TVs, rádios e e-mails de comunicadores do Estado Gaúcho e até alguns do resto do País.

ARI e empresa de comunicação se reúnem segunda ou terça para acertar rumos para seus produtos, livros, jornal, site, seminários, que deixaram de ser produzidos pela Millenium que atuava junto à entidade desde 2002.

Arfoc-rs deve seguir o mesmo caminho e em breve lançar produtos com a mesma empresa que atualmente faz parceria com a Adjori.

Há negociações também iniciando com a AGERT-RS e com a ACEG. Isto ainda a se desenrolar nás próximas semanas pós carnaval. Tudo aí, em primeira mão para você. Aproveite.

Jornalista Vilnei Herbstrith - rg. 5982
Diretor-editor do Site Brasil Imprensa Livre
Site: www.brasilimprensa.com.br

Memória Jornalistica

O colega Wilson Muller, que completa oitentinha proximamente, estava contando umas que outras dia destes no barzinho da ARI. Disse que de certa feita com o seu patrão, Maurício Sobrinho a New York mais o engenheiro Ungaretti comprar equipamentos de tevê. No final do dia se reuniram na sala da diretoria e um dos executivos de lá quis dar ao Maurício um cheque de 2.500 dólares como comissão pela compra. Não sabia que Maurício era o dono. Ele aceitou - ora se Maurício iria rasgar dinheiro - mas quis o valor em equipamento.

Outro do Wilson: Ele e mais quatro procuradores de um instituto federal ( acho que era o INPS ) foram demitidos pela Revolução de 1964. Walter Perachi Barcellos era ministro do Trabalho do presidente Humberto Castelo Branco e no aeroporto Salgado Filho Wilson pediu pra falar com Perachi,depois de passar por um coronel que era segurança do Ministro.

Segundo Wilson, Perachi mandou reintegrar ele e os outros quatro procuradores( eu sei quem são, são jornalistas conhecidos, não vou dar o nome porque o Wilson não os citou.

Coleguinhas

Depois de longo período momesco, o colega Prévidi voltou à carga na sexta dia 08/02 e em alto estilo. Realmente, como dizia o finado Brizola, havia vários políticos " vetados" no Espaço Aberto, da Guaíba.Quanto à boquinha ao que o Prévidi se refere, bom isto é adjetivo dele...

O Luis Carlos Reche bailou na curva na TV Guaíba. Talvez ele neste momento se enquadre melhor em outra emissora.

Heidy Gherard da TVE voltou ao batente no meio da semana passada e já fez uma matéria sobre pobreza em Porto Alegre.Ela tirou férias e aproveitou para ir a Foz do Iguaçu com a família.Foi por dentro, pela Argentina, onde viajou 350 km e diz que encontrou boas rodovias, sem a polícia incomodando e sem pedágio.O resto das férias a Heidy passou na praia das corujas, isto é, Capão, que Carlos Nobre dizia ser a saída do Bom Fim para o mar.

Marne Barcellos, que apresenta um programa na rádio Pampa, ao amanhecer, mora no hotel Conceição , perto da rodoviária de Porto Alegre.

" A quadrilha do dedal"

Na passarela  da rodoviária de Porto Alegre, na Conceição, funciona há anos a quadrilha do dedal. Eles enganam os incautos que chegam do interior ou que vão para lá, encima da passarela com um jogo de dedal. Eles mesmo simulam que apostam e os abobados caem na deles direitinho.Tiram o dinheiro dos caras no mol. É falcatrua pura.

Já enganaram um velho que cruzava a passarela, estes dias, do qual tiraram 750 reais e o relógio. Pelaram o sujeito. E se o cara não quer pegar, aparecem uns quatro ou cinco, ninguém sabe de onde e enchem o cara de porrada.

Na sexta última, diaq 08/02, a quadrilha tomava cerveja a rodo lá pelas sete da noite no Agapio Lanches, ao lado da rodoviária. De repente fechou o tempo entre dois deles. No mínimo foi acerto de contas. Saiu porrada de tudo quanto era lado. O segurança do Ágapio - um brigadiano a paisana - mandou os caras embora, eles foram brigar na rua e quando o dono, o César Tasca, disse " chamei a Brigada" eles largaram a mesa e foram todos correndo em direção a outro local das redondezas. Diziam: vamos lá pro....mas o último que saiu da mesa teve solidariedade: chamou o vendedor de amendoim pra tomar a cerveja que eles haviam pago e não poderiam beber porque se a Brigada chegasse sujaria o lado deles...

Rua do Perdão teve carnaval
 

O leitor deste blog e fotógrafo Ricardo Stricher mandou-nos estas fotos feitas por ele do recente carnaval da Rua do Perdão de Porto Alegre.

Escritório

O escritório, no edifício Glycério Alves, na Praça da Matriz, em Porto Alegre, que pertenceu ao ex-deputado federal e ex-secretário de estado, Waldir Walter foi vendido a Associação dos Servidores da Assembléia Legislativa do Estado.

No edifício Glycério Alves, na Praça da Matriz, em Porto Alegre, têm escritório muitos advogados ilustres. Entre eles, Nereu Lima, o ex-governador Amaral de Souza, o ex-presidente do TRE, Marco Aurélio e Waldir Walter tinha.

Coleguinhas

Até ontem, dia 07/02 , o site do colega Prévidi, continuava com aquele " tijolaço" falando que ele não gosta de carnaval. Onde anda nossa metralhadora giratória?

E o colega Betto Botega, do Replay, deve estar com a guaiaca forrada. Tanto que saiu do ar e só volta dia 11/02. Coisa outra é gente fina!

Não entendo o colega Cristiano Darsch. Ele comprou há anos um apê em Capão e agora nunca o usa. Nem no carnaval(ficou de plantão)e nestes dias calorentos aqui em Porto Alegre o Cristiano ao invés de se mandar pra praia, fica tomando cervejinha na galeria Chaves. Deus dá a faca e o queijo a quem não quer cortar.

Ressaca de carnaval

Como ressaca de carnaval, vale lembrar esta historinha, mas perdoem os leitores, não posso dar nomes já que ambos são casados(não entre eles) e isto me complicaria. Sucedeu o seguinte. Um empresário namorava uma assessora de imprensa, ainda estagiária, de uma secretaria municipal, mas a mulher era um avião, como se dizia no meu tempo.Posso apenas dizer que iam ao Carlitus dançar. Quando ela ia na ZH me levar releases( naquele tempo não havia emails), os coleguinhas, principalmente o Gilbertinho Leal, ficava babando. Era de fechar o comércio. Os caras achavam que era cacho meu, não era nada, era de outro que eu sabia quem era.

Este empresário era ligado a um clube de futebol, grande, de Porto Alegre. Não vou dar nome, senão me complico.Ele tinha junto a " matriz" , que veraneava com ele em Imbé, o seguinte álibi: como era responsável pelo setor infanto-juvenil   do clube, deixava a  mulher e os quatro filhos na praia e vinha a Porto despachar no clube. De noite, saía com a gata pro Carlitus.

Só que o empresário veio numa véspera de Carnaval e não conseguiu voltar. O romance rolava muito quente. Eles dois foram para um camarote no Petrópolis Tênis Clube e no dia seguinte estavam num jornal da capital, como dois dos foliões mais animados...O resto o leitor deduz.

O atual presidente da ARI,Ercy Thorma, cobria, no carnaval, pela ZH, os chamados inferninhos. E numa noite foi avisado pelo dono da casa que apareceria lá uma autoridade pra se divertir e que não eram permitidas fotos. A autoridade era simplesmente o prefeito da capital.

Memória
Carlos Bastos, indicado pela SETA, assiste governador Leonel Brizola
assinando encampação da CEEE, em 1959

À Sombra do Poder: - " Agora o Bastos foi pro PMDB!" desabafou no bar e churrascaria Barranco, o amigo inseparável de Leonel Brizola, Danilo Groff, na noite em  que o jornalista Carlos Bastos, o Bastinhos - para os amigos -, 73 anos, foi anunciado como Superintendente de Comunicação Social da Assembléia Legislativa do Estado na gestão de Alceu Moreira(PMDB), em 2008.Na última sexta-feira, dia 01.02, ao dar posse a Bastos no novo posto, o próprio Moreira respondeu a Danilo:

- Eu tenho só um ano de mandato como presidente. Não posso ficar fazendo experiências,disse pelo fato de ter convidado alguém ligado a outro partido.

O histórico pedetista Matheus Schmidt, amigo de todas as horas de Leonel Brizola, se fez presente à posse de Bastos, assinando à esquerda a indicação pelo partido.

A longa trajetória do já veterano e respeitado jornalista político começou em 1955 no jornal O Clarim, fundado por Brizola para eleger-se prefeito de Porto Alegre.E perdura até hoje. Ele deixou o Jornal do Comércio,depois de 9 anos, para assumir seu novo posto. Há quem veja na indicação de Bastos o dedo do colunista Adão Oliveira, a quem Bastos chefiava no ex-jornal e também ajudava a fechar a coluna que Adão assina.

O próprio Bastos se encarregou de explicar que ele sempre esteve ao longo destes anos ocupando chefias." Em três quartas partes da minha carreira fui chefe.Isso foi acontecendo.Começava a trabalhar e era chefe,outra vez chefe.Tive sorte.Passaram por mim muitos profissionais que depois se consagraram. Isso me gratifica muito", afimrou ao tomar posse no novo posto.

A seguir algumas historinhas recolhidas por mim  sobre o colega Bastos:

1. Uma das mais conhecidas eram suas seguidas brigas com o colunista Paulo Santana, tudo por causa do Grêmio pelo qual os dois são apaixonados. Bastos é conselheiro,até.Ou era.Um dia na redação da ZH se pegaram feio numa discussão acho que sobre o Renato Portaluppi. Bastos quando se irrita com Santana costuma chamá-lo de " boca -torta" por causa da seqüela de uma cirurgia, mas tudo dentro da intimidade que possuem como grandes amigos. Santana foi no fígado do Bastos:

- Bastos, tu tens cultura, mas não tens talento nenhum. Ao que o Bastos respondeu:
- E tu Santana, tens talento mas não tens cultura nenhuma.


2. No meu livro Pauta, o Avesso das Redações conto que o empresário Maurício Sobrinho, dono da RBS TV - TV Gaúcha,antes - logo que o Santana foi operado queria que ele voltasse a trabalhar logo. E chamou o chefe da TV Carlos Bastos:
- Olha, Maurício, disse Bastos ao patrão, só se eu colocar na tela um lado do rosto do  Santana e o outro do Celestino Valenzuela!


3. Outra tirada do mesmo livro: Maurício Sobrinho costumava passar boas pautas para o Bastos, que chefiava a RBS TV. Quando as matérias saíam, as vezes incomodavam alguns clientes. Eles iam ao Maurício reclamar  e ele jogava a culpa no Bastos:
- Não consigo controlar o Bastos dizia. E quando o cliente ia pra cima do Bastos, ele jogava a culpa no repórter.


4. Esta quem me contou foi o dentista José Nelson Gonzalez que trabalhou lá. No Jornal A Hora, na av. S. Pedro, o chargista Sampaulo interrompia o trabalho lá pelas oito da noite e ia num boteco do outro lado da av. S. Pedro tomar uma cervejinha. Carlos Bastos,então um foca, o acompanhava.


5. Logo que a Zero Hora e a rádio Gaúcha se mudaram para a av. Ipiranga, foi inaugurado um Posto Schell. Distante uns cem metros da sede da ZH. O interessante é que esse era o primeiro posto de gasolina a implantar um mini-mercado no seu interior. Com bar e tudo. E mais: estava lançando a cerveja em lata em Porto Alegre. Era um sábado e o trabalho na redação terminava por volta do meio-dia. Paulo Santana subiu até a Rádio Gaúcha que ficava no segundo andar(ainda fica) e convidou o Carlos Bastos para uma cervejinha.Na frente do prédio, a dúvida: o " porta" ou outro bar? Outro bar. E foram caminhando pela avenida quando depararam com o bar do posto Schell. Junto ao balcão fala o Santana:

- Salta uma bem gelada...
- Só tem em lata.
- Melhor ainda. Vamos experimentar. Traz logo duas....

Nisso entra no posto uma senhora dirigindo uma veraneio cheia de crianças. Um dos garotos foi até o bar comprar bala e ficou olhanbdo, demoradamente, para o Santana e o Bastos, que tomavam cerveja em lata.Muito admirado o garoto voltou para o carro e disse para a mãe:

- Mãe, eles tão bebebendo gasolina... ( Do livro  Bares) de Ayrton Fagundes)


6. Eu conheço outra versão desta história e me foi contada pela Regina Lemos, que trabalhou com o Bastos na TV Gaúcha. Diz a Regina, que a primeira esposa do Bastos, a Regina, foi procurá-lo na ZH. Não o encontrando foi até o posto da avenida Ipiranga e ao ver o marido e Paulo Santana, mais o Gaguinho(José Antônio Ribeiro) tomando cerveja no boteco ela não se conteve:

- Vocês agora tão bebendo gasolina, é?


7. José Antônio Ribeiro(Gaguinho)e Carlos Bastos ficaram no Gruta Azul até o amanhecer.Quando Bastos foi deixar o Gaguinho em casa, ouviu-o dizer:

-Se eu bater na porta serei posto para fora.Não deu outra. Quando ele chegou encontrou a esposa Cinara Hach com duas malas prontas, esperando o marido.

- Não vamos discutir, não vamos brigar. Pega tuas coisas e vai embora. Gaguinho ligou as duas da tarde do mesmo dia para a casa do Bastos avisando que estava morando  num hotelzinho da rua Lima e Silva.


8. O ex-governador Leonel Brizola visitou os estúdios da RBS TV no morro Sta. Teresa. O chefe de jornalismo, Carlos Bastos, pediu para uma repórter fazer o registro da visita e uma entrevista com o Brizola. De noite, na parte local do Jornal da Globo, entrou a visita, a entrevista e uma imagem onde o próprio Bastos aparecia ao lado de Brizola. No dia seguinte, a editora do jornal, Lúcia Fontanive quase levou um gancho do chefe que não gostou.


9. No seu livro de memórias, Macaco Preso para Interrogatório, da Agê Editora, o jornalista João Aveline conta uma historieta sobre seu colega e amigo. Deixemos Aveline falar: "  Uma particularidade que merece ser  revelada. O Bastos, como todo jornalista, profissão e vocação, além de curioso, é o tipo da pessoa que sofre quando tem que guardar um segredo. Certa vez eu lhe contei um fato.( Tratava-se de um romance extraconjugal entre duas pessoas muito conhecidas)Pedi sigilo.Já meio arrependido pela inconfidência, fiz ele jurar por todos os santos que aquilo morria com ele. Certo de que não seria assim, fiz uma concessão:" Pelo menos  segura isso até quinta-feira da semana que vem". Na terça, ele me telefonou: " Por favor, me libera que eu não agüento mais. Tu sabes que é da nossa profissão não esconder nada".

Bloco de carnaval de rua anima rua Machado de Assis

Fotos: Maria Siliprandi

Fazia um friozinho gostoso por volta de 17hs do domingo de carnaval,dia 03/02 quando os moradores da rua Machado de Assis - no Partenon - foram alegrados pela presença de um bloco de rua chamado Bloco OdoModé, que tem sede ali na av. Ipiranga. A finalidade deste bloco carnavalesco é segundo um dos integrantes "ensinar aos brancos a cultura negra". Então valeu, para os moradores foi um belo presentinho de fim de tarde de um domingo frio para um começo de fevereiro.

Banco do Brasil

Ontem, 06/02, como todo brasileiro fui ao meio-dia na agência Júlio de Castilhos, do " nosso" Banco do Brasil, na própria av. Júlio de Castilhos, em Porto. A agência tava cheia. Bom isto é compreensível. Não se entende, porém, que a máquina de uma das três caixas - a de número 1 - estivesse estragada. Não tinham todo o feriadão pra consertá-la?

Coleguinhas

Se alguém souber de algum trabalho para o colega Gilmar Eitelwein avisem-no porque a CC que ele tinha na imprensa da Assembléia Legislativa bailou na curva. Mas por enquanto você ainda pode encontrá-lo por lá.

Está bom e cumprimentos a Lu Winck e ao Rosa pelo seu novo blog sobre fofoquinhas jornalisticas. Sou leitor!

O fotógrafo Nabor Goulart, do site agência Freelancer, estava contente ontem - dia 31.01 - porque a ZH usou sua foto da prisão do comissário de Polícia Ubirajara Quintana Ribeiro. Nabor disse que o fato - a prisão do policial por brigadianos - acontedeu perto de sua casa. Alguém o avisou do que estava ocorrendo e ele pegou a máquina e foi correndo pra lá. Sobre o fato de ZH ter usado sua foto, ele apenas comentou: " tinham dito que eles não baixariam fotos de graça. Mas agora usaram".

Na manhã do dia 01/02, Flávio Del Mese chutou o pau da barraca, como se diz, com o Rogério Mendelski que não o deixa falar na Guaíba, dando pouco tempo. Del Mese disse: vou querer entrar antes, mudar de horário.

Dia 01/02 tomou posse na Assembléia Legislativa como Supervisor de Comunicação Social, o jornalista Carlos Bastos.

Lotações rebeldes

O Colega Joabel Pereira, que trabalhou direto na rádio Guaíba durante os dias de carnaval - antes dos Ribeiro venderem, a Guaíba, no carnaval, só colocava marchinhas, agora dá duro cobrindo tudo, como a Band e a Gaúcha - dedurou os donos do lotações da linha Rio Branco,dizendo que eles não trabalharam nem dia 04/02, nem dia 05/02. nem domingo nem sábado. E a EPTC faz o quê?

Sapucaiense

Segundo o garção Jaques, que trabalha no Agapio da rodoviária, a Sapucaiense está sendo patrocinada pela Real Rodovias, de Esteio.

Posse

Na manhã do dia 01/02, tomou posse,entre outros, o novo superintendente de Comunicação da Assembléia Legislativa, Carlos Bastos, ou Bastinhos. No ato, o presidente do poder legislativo aproveitou a oportunidade em que estava presente o presidente regional do PDT, Matheus Schmidt, e lembrou-o de quando Matheus esteve em Osório - onde Moreira nasceu e iniciou na política - porque na ocasião andava se decididindo quem " ficaria com o Simon ou quem ficaria com o Brizola". E Moreira acrescentou: quem sabe um dia ainda estaremos no mesmo barco.

Moreira,sem querer,ou querendo, lembrou um período crítico da política riograndense, aquela briga entre o " turco" Simon e o Brizola. Brizola dizia que em Nova Iorque Simon lhe havia prometido ir para o PTB, ou PDT e Simon sempre negou.

As lideranças que havia ficado o tempo todo no MDB dividiram-se no RS. Uns foram para o PTB,depois PDT comandado pelo Brizola e outros ficaram com Simon.

Celeste Penalvo, viúva de Percy Penalvo,- um brizolista e janguista de S. Borja (já falecido) contou-me em depoimento que gravei com ela em 03.12.2006, em S. Borja que no dia que Brizola voltou ao Brasil - 7 de setembro de 1979, ela notou que os dois já estavam rachados.  " Brizola, meu marido e Matheus Schmidt sentaram num canto para o almoço que eu preparara e o Simon ficou sozinho no outro llado da sala. Ali eu abri uma cerveja pra ele que naquele dia na minha casa ele bebeu", disse-me ela. 

Rogério!

Afinal Rogério Mendelski onde que teu amigo o advogado Nestor Hein foi mesmo no carnaval? porque no teu site dizes que ele iria a Xangri-lá curtir as corujas e no teu programa na rádio Guaíba dissestes que ele ia a Punta del Este(e que se apresentava na praia comendo galinha com farofa).

Mutuca

No sábado de carnaval ,dia 02, pude ouvir o programa do Mutuca, na Ipanema FM, que ouvi durante anos no passado. O velho Mutuca continua bom de bola e não deixa peteca cair.

Guaíba Narrador

Quem é este narrador horroroso que a Guaíba AM botou pra narrar no sábado,dia 02/02 o jogo do Grêmio com o Caxias, em Caxias? Santo Deus, o cara é tão horroroso que tive que ouvir o Marco A. Pereira na Gaúcha.

 
 

 

 
 



Espaço dos leitores do Blog

Meu caro Canton, que belas lembranças! Gostei muito. Um abração, Salvador.

Sr. Olides Canton. Obrigado pela atenção. Seu blog é leitura obrigatória de minha parte, todos os dias. Por ele se sabe de muita coisa que a chamada "grande imprensa" jamais publicaria. Quanto ao seu livro "Cidades vizinhas, amor e ódio" vou em busca do mesmo a fim de me inteirar como era nos outros tempos a rivalidade entre Caxias e Bento, porque hoje parece estar tudo calmo.Mas esse pessoal da IURD veio para cá a fim de esculhambar tudo? Que coisa. Nos enganaram bonito.
Abraço e sucesso. Elcio Guzzo.

Prezado sr. Olides Canton . Sabedor de seu Blog, fui firme nêle. Fazem poucos dias. Gostei demais. Sou por natureza um emérito curioso por coisas que a gente não fica sabendo pela chamada grande imprensa. Será que seria grande?? Então todos os fins de tarde dou uma passada no Blog "de Olhos e Ouvidos" a fim de me inteirar das histórias contadas. Onde tem gente conhecida, outras não tanto, e também desconhecidas, pelo menos para mim. Mas as leio com muita atenção. Principalmente aquelas dos "coleguinhas". De politicos também. Todavia lendo seu blog de hoje (18/2) constatei de que a Guaiba e etc. pertemcem a IURD. Tomo a liberdade de pedir o significado de IURD. Alguma coisa do Bispo com certeza. Através do blog ou de e-mail gostaria de matar minha curiosidade. Parabenizo seu Blog que está ótimo. Estarei sempre atento todos os dias. Abraços. Elcio Guzzo - Bento Gonçalves-RS.

Sobre a reportagem " Sobrevimentes dos Andes"
Gostaria de fazer uma crítica sobre o seu texto. Na parte em que o senhor diz "...jogar uma partida de rugby (futebol norte-americano)..." está completamente errado. Rugby não é futebol-americano, é um esporte totalmente diferente, e com suas origens na Europa, que foi trazido para o Brasil junto com o futebol por Charles Mueleer. Nós, jogadores de rugby, ficamos sempre ofendidos por comentários como esse, comparando rugby ao futebol-americano, sendo que são esportes distintos, e que quase sempre, é generalizado pelas pessoas como "esporte violento" ou como o senhor fez, o chamou de futebol americano sem ter a mínima base do que ele realmente é. Não venho aqui querendo te ofender, muito pelo contrário, gostaria de que o senhor se informasse mais, e tivesse uma cultura mais ampla sobre esse esporte que vem crescendo cada vez mais no Brasil.
Abraços, Renato Ken - Jogador da Seleção Brasileira de Rugby Juvenil.


 
 


Olides Canton - Jornalista e Escritor


Nascido em 16 de Janeiro de 1.952 na cidade de Serafina Corrêa-RS, Olides Canton passou nesta cidade toda a sua infância e adolescência. Mudando-se para Porto Alegre, cursou a Escola Julio de Castilhos, tornando-se Bacharel em Comunicação Social pelo FABICO em 1.982. Trabalha como Jornalista desde 1970. Trabalhou na Companhia Jornalística Caldas Júnior, Jornal Zero Hora. No Jornal do Brasil e Revista Carga e Transporte atuou como free-lancer. Editor do Jornal de Bordo e Revista Fitness. Conseguiu quatro premios de Jornalismo, um do Badesul, dois do Setcergs e um da ARI. Registro no Sindicato dos Jornalistas RS: 2776 - Registro Jornalista - Mtb 4959.

Telefone: (51) 3330-6803
e-mail: contato@deolhoseouvidos.com.br

Autor de inúmeros livros, Olides Canton firmou-se como um
exímio contador de histórias contemporâneas.
Conheça agora as obras do autor


® Agosto 2007 - © De Olhos e Ouvidos - Olides Canton - Todos os direitos reservados
Os textos publicados neste site são de inteira responsabilidade de Olides Canton.


 


Alto da página


Brulars





ANUNCIE NO SITE!
Entre em contato conosco



contato@replay.com.br






LINKS
QUE RECOMENDAMOS


Coletiva.net
Política para Políticos
Sindicato dos Jornalistas
Comuniquese
Políbio Braga
Affonso Ritter
Fernando Albrecht
Percival Puggina
Blog do Noblat
Eu acho que
Felipe Vieira
Diego Casagrande
Rogério Mandelski
Gilberto Simões Pires
José Luiz Prévidi
Via Política
José Dirceu
E aí beleza?
Fernando Gabeira
Agenciafreelancer
Blog da Rosane Oliveira
Blog do Ucha
Valeria Reis
Bancada Gaúcha
College of Liberal Arts
www.estado.rs.gov.br
Brasil Imprensa Livre
Partido Progressista
Prefeitura de P.Alegre
Jornal Sierramar
Assembéia Legislativa RS

Canetinhas e Microfones
RS Urgente
Esquina Democrática
www.ecoagencia.com.br
Blog das Américas


REPORTAGENS
ESPECIAIS


Exposição sobre Collares
Os sobreviventes dos Andes
São Borja pode perder Tumulo de Jango
Porque o "Rei" proibiu a biografia
Metade sul espera reflorestamento


EDIÇÕES DO FITNESS

Edição 105
Edição 104
Edição 103
Edição 102
Edição 101
Edição 100
Edição 99





amplie a imagem www.marcopolo.com.br http://www.teubilhete.com.br belmar.jose@terra.com.br amplie a imagem amplie a imagem