"O blog das novidades"

Arquivo  fitness

 

 

Caros Amigos,

 

Meu desejo é que 2010 seja um ano mágico e

que possamos encontrar o equilíbrio perfeito para a realização
de todos os nossos sonhos.

 

 

Especialistas criticam eventual reavaliação de Lula em pontos de programa de direitos humanos

 

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2009/12/31/politica,i=163648/ESPECIALISTAS+CRITICAM+EVENTUAL

+REAVALIACAO+DE+LULA+EM+PONTOS+DE+PROGRAMA+DE+DIREITOS+HUMANOS+QUE+DESAGRADAM+A+MILITARES.shtml

 

Danielle Santos

 

O desconforto criado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, dentro do governo após questionar o Programa Nacional de Direitos Humanos intrigou especialistas, que classificaram o episódio como um retrocesso para a democracia. No último dia 22, Jobim se encontrou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e colocou o cargo à disposição. O mesmo fizeram os comandantes das três força nacionais, Marinha, Exército e Aeronáutica.

 

Os trechos que contrariaram o bloco militar referem-se à apuração de crimes e violações de direitos humanos no período da ditadura, entre 1964 e 1985. O principal deles trata da criação de uma comissão que terá amplos poderes para apurar casos de violação dos direitos humanos durante a ditadura e, se preciso, punir. Outro pede a revogação de leis remanescentes do período do regime. Na visão dos militares, a medida abre uma brecha para mudanças na Lei da Anistia. Por último, o documento sugere uma lei que proíba o nome de pessoas que tenham praticado crimes de lesa-humanidade em prédios públicos e ruas, além da alteração de nomes já atribuídos.

 

A indisposição do ministro da Defesa com o tema e a tentativa de reformular o texto já haviam conseguido atrasar o anúncio do programa, que deveria ter ocorrido na véspera da 61ª Declaração Universal dos Direitos do Homem, em 9 de dezembro. Contrariando a lei do silêncio instaurada na Secretaria dos Direitos Humanos para evitar mais desgastes ao governo, o subsecretário de Direitos Humanos, Perly Cipriano, falou ao Correio sobre o assunto. Cipriano observou que a decisão de Lula em reavaliar parte do texto que desagrada a Jobim vai enfraquecer a luta pelos direitos humanos. "Sem os pontos questionados pela Defesa ficamos sem o direito à verdade e à memória, que são direitos fundamentais numa democracia", afirma.

 

No Ministério da Defesa ninguém comenta sobre o assunto. Procurado pelo Correio, o ministro não atendeu às ligações. "Os comandantes de hoje parece que têm medo de uma coisa singela que é a verdade. Não é com ameaças de renúncia que se constrói um cenário de democracia", rechaça o fundador do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke. "Conforme a saída que for dada, a presidência da República passará a ser tutelada pelo ministro da Defesa e pelos militares. Quando ele (o presidente) anuncia um plano, um decreto, e com um ditado da área militar ele retira, é um arranhão fortíssimo na autoridade dele. Ele pode ter muita popularidade, mas a autoridade está sendo retirada", analisa o professor de Ética na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Roberto Romano.

 

 

O autor visitou o Museu do Jango em 5/12/2009

 

Caco Barcellos joga na PUC


mas não faz gol.....

Na terça-feira, dia 29/12,  Caco Barcellos ,que veio passar o reveillon em Porto Alegre, jogou bola na PUC junto com seus antigos amigos do bairro Partenon.

- Não fiz gol nenhum, mas dei três bolas de onde saíram os três gols do nosso time, disse ele.

Antes de ir jogar bola na PUC, Caco esteve no CLICK RBS onde teve uma conversa com os profissionais da RBS. 

 

Os reveillons tristes e 
alegres da minha vida( I )

Houve uma vez os reveillons com finalidade política....

Estes aconteciam na rua Antônio Parreira,322, no Montserrat...um bairro que na época não era tão chique como hoje em dia. ERa feito pela turma do Caco Pinheiro Machado e demais colegas da Agronomia da UFRGS,dos quais lembro o Henrique,que chamavam  de " DEPI " - codinome de " dependente"  tudo porque chegava sempre na hora do almoço - e um outro estudante da Agronomia da UFRGS, o Moreira.
A finalidade destes reveillons era arrecadar grana pra refundar o Partidão, do Luis Carlos Prestes - que estava voltando do exílio  - e a Central Unica dos Trabalhadores(CUT)...

Muita gente participava dos reveillons,entre eles jovens, mas havia também adultos porque os convites eram muito bem distribuídos...

Num destes reveillons deu zebra com o som porque o  discotecário,   Emílio Chagas( o " Black Boy" como o Licínio Azevedo havia apelidado ele -magoou-se não se sabe porquê, acho que foi porque o Caco foi lá e quis botar um som que ele queria ouvir   e o Emílio achou aquilo uma intromissão no seu trabalho. Além do mais, o Emílio era meio radical e achava todo mundo que não concordava com ele de " BUNDÃO".

A comissão do reveillon trabalhava direitinho. Controlava a festa, que geralmente ia até de madrugada e no dia seguinte, reunia-se para a limpeza da casa, que era grande...500 metros quadrados com piscina e tudo( pra ti ver Laurinho que eu já fui um pobre luxento, hoje sou um pobre pobre...)

Por uma zebra destas da vida, numa noite, roubaram um anel,ou algo asim da irmã do dono da casa, o Caco Pinheiro Machado...Foi um fuzuê dos diabos...A Denise, no caso a pessoa que teve o anel furtado, queria chamar a Polícia. Ela tinha era bronca com aqueles bailes todos...

O banho na piscina...

Uma mulher, muito charmosa, parente do dono da casa,- perdão leitores, hoje ela está casada, é uma pessoa quase pública(jornalista bem conhecida) e o marido é tri conhecido do meio publicitário por isto omito o nome  - entusiasmou-se no meio da festa de um destes reveillons e com um corpo escultural simplesmente se atirou na piscina...Saiu dela com o vestidinho colado no corpo, aquele monumento...Os véios babaram....foram todos dissimuladamente apreciar aquele espetáculo...E ela, muito dona de si, sabendo o material que tem em casa, ficou ali se fazendo...até que alguém lhe trouxe uma toalha e a levou para trocar-se...

No almoço do dia seguinte, evidente que o " assunto " era só este....

São pequenas lembranças de reveillons passados....  

 

Rumores de que Polícia teria 

impedido a cremação do cadáver do dono 

do Gambrinus


Foi sepultado ontem de manhã, dia 31/12, o corpo do empresário Antônio Dias de Melo, o Antoninho, que morreu em circunstâncias ainda não bem esclarecidas junto a fazenda onde morava  em Eldorado  do Sul.Conforme amigos do falecido que foram ontem de manhã ao crematório Metropolitano São José a Polícia teria suspendido a cremação que estava marcada para o dia 30/12, às 17 horas.

O sepultamento do corpo do dono do Gambrinus deu-se as 10 horas da manhã do dia 31/12 no cemitério da santa casa de misericórdia em Porto Alegre. A Polícia Civil determinou que o cadáver não fosse cremado porquje se precisar fazer alguma exame pos mortem isto ficaria impedido.

Antoninho Mello, como era conhecido, foi dono do Gambrinus e nos últimos anos se retirou do restaurante e estava apenas cuidando de uma fazenda que havia adquirido em Eldorado do Sul. Ontem, algums comentários eram de que ele seria dono de mais de 100 apartamentos no centro de Porto Alegre.

 

i rapaz,
agora, sim, posso comentar algumas das notícias do teu blog

Sobre o Afonso Liks; perdeu mais carguinho somente. Logo logo estará em outro. Esse gira muito em torno de nomes de projeção no cenário político gaúcho.

Sobre as Casas Bahias: cadê as manchetes garrafais "PSDB manda as Casas Bahia embora". Tô sentindo falta!

Sobre o Antônio Dias de Melo, do Gambrinus: foi infarto? E a notícia na ZH sobre um acidente estúpido que o vitimou!

Sobre o Lula: que maldade! Não tá parecendo coisa daqueles viúvos e viúvas que sentem uma saudade imensa do poder e do dinheiro?

Sobre a ministra do STF: que babado esse namoro, hein!

Sobre as calcinhas: oh céus, até de calcinha estais falando?

findi/abs/Josi

 

O solo derreteu outra vez.
Por Luiz Oscar Matzenbacher.
Essa Tragédia da Virada do Ano, no litoral fluminense e no litoral paulista, lembra muito a Tragédia Catarinense de novembro de 2008. O 'derretimento' do solo em encostas montanhosas, causado pelas chuvas verdadeiramente excessivas e concentradas em poucas horas, tipo trombas de água repetitivas, tem como culpado principal o aquecimento global.
Antigamente também ocorriam deslizamentos de terra, mas não nas proporções e repetições atuais. Aliás, a previsão dos ecologistas é exatamente o aumento das proporções das tragédias climáticas. Chuvas cada vez mais fortes, secas mais rigorosas, derretimento das geleiras e das calotas polares e enchentes cada vez mais impiedosas.
Em todo o vasto litoral brasileiro, existem áreas de muito risco, como as regiões montanhosas predominantes nas regiões costeiras no Sudeste e parte do Sul. Preservar as florestas das encostas é a solução, embora paliativa. Com o aquecimento global e chuvas cada vez mais copiosas, até os solos florestados estão derretendo. A solução definitiva é reverter o aquecimento global e ponto final.


Luiz Oscar Matzenbacher 

Fala-se muito na popularidade do Lula, muitas vezes comparando-o com Getúlio Vargas.

Mas qual foi o grande feito do Lula para os mais pobres ? O Bolsa Família: junção do Bolsa-Escola, Vale Gás e outros penduricalhos criado por FHC, com uma pequena alteração nos valores. E para ser ter direito ao Bolsa Família não é necessário que se trabalhe. Tudo bem.

E Getúlio Vargas ? Criou o Salário Mínimo,a Carteira Profissional,  a CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, a Justiça do Trabalho, a Previdência Social nos moldes hoje existentes ( antes havia apenas a Lei Eloi Chaves; ele criou vário Institutos de Aposentadoria que, hoje, formam o INSS ), só para ficar nestes cinco itens. Tudo ligado ao trabalho, ou seja, diferentemente do Bolsa Família, estas ações de Getúlio tinham por meta a dignidade das pessoas através do trabalho e perduram até hoje.

Bem, mas o Lula é o mais popular presidente que o Brasil já teve: 72 % de aprovação. Com a mídia existente hoje é fácil. Já imaginaram Getúlio nos dias de hoje, com todas as suas ações, feitas nas décadas de 30,50, com toda esta mídia ? Teria uma aprovação de mais de 300%. Claro que estou forçando, para demonstrar que Getúlio fez muito mais do que Lula pelo povo brasileiro. Não podemos esquecer de João Goulart que sancionou em 1963 as Leis originadas de dois projetos do então Deputado Federal gaúcho Floriceno Paixão, um em co-autoria, que criaram o 13ª salário para os trabalhadores da ativa e apara os aposentados e pensionistas, sempre levando em conta a dignidade do trabalho. E que, também, perduram até hoje.

Não há comparação que possa ser feita entre Lula e Getúlio. Getúlio sempre estará na frente.

 

SERGIO OLIVEIRA

APOSENTADO – CHARQUEADAS – RS

ASSINANTE JC

 

Fala-se muito na popularidade do Lula, muitas vezes comparando-o com Getúlio Vargas.

Mas qual foi o grande feito do Lula para os mais pobres ? O Bolsa Família: junção do Bolsa-Escola, Vale Gás e outros penduricalhos criado por FHC, com uma pequena alteração nos valores. E para se ter direito ao Bolsa Família não é necessário que se trabalhe. Tudo bem.

E Getúlio Vargas ? Criou o Salário Mínimo,a Carteira Profissional,  a CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, a Justiça do Trabalho, a Previdência Social nos moldes hoje existentes ( antes havia apenas a Lei Eloi Chaves; ele criou vário Institutos de Aposentadoria que, hoje, formam o INSS ), só para ficar nestes cinco itens. Tudo ligado ao trabalho, ou seja, diferentemente do Bolsa Família, estas ações de Getúlio tinham por meta a dignidade das pessoas através do trabalho e perduram até hoje.

Bem, mas o Lula é o mais popular presidente que o Brasil já teve: 72 % de aprovação. Com a mídia existente hoje é fácil. Já imaginaram Getúlio nos dias de hoje, com todas as suas ações, feitas nas décadas de 30,50, com toda esta mídia ? Teria uma aprovação de mais de 300%. Claro que estou forçando, para demonstrar que Getúlio fez muito mais do que Lula pelo povo brasileiro. Não podemos esquecer de João Goulart que sancionou em 1963 as Leis originadas de dois projetos do então Deputado Federal gaúcho Floriceno Paixão, um em co-autoria, que criaram o 13ª salário para os trabalhadores da ativa e apara os aposentados e pensionistas, sempre levando em conta a dignidade do trabalho. E que, também, perduram até hoje.

Não há comparação que possa ser feita entre Lula e Getúlio. Getúlio sempre estará na frente.

 

SERGIO OLIVEIRA

APOSENTADO – CHARQUEADAS – RS


Regulamentação0001.jpg (403.2 Kb) attached Profissão0004.jpg (255.3 Kb) attached

Amigo Olides, boa tarde!
Como tinha prometido durante uma de nossas habituais caminhadas, achei e estou encaminhando uma foto da campanha pela regulamentação, em 68, em pleno regime de exceção. Na época tínhamos apoio da Ari, Sindicatos e empresas de comunicação que divulgaram todos os eventos. Conseguimos a regulamentação, mas com o tempo, ao invés de aprimorar a Lei, simplesmente acabaram com ela. Um abraço.
Alberto


 

A GAFE do TOSCO do Boris Casoy.....


Afora as enxurradas da vida, este reveillon de 2010 ficou marcado na imprensa pela monumental gafe preconceituosa do jornalsita Boris Casoy, aquele de é uma vergonha....Vergonha é o que ele disse na Band TV onde está se apresentando.Reproduzo a noticia que ZH deu no sábado, dia 2/1/2010


" O apresentador Boris Casxoy se desculpou ontem à noite devido a comentário que fez sobre dois garis que participaram de uma chamada  no Jornal da Band de quinta-feira. Após o jornalista anunca uma reportagem sobre a Mega Sena, o vídeo dos trabalhadores, desejando feliz Ano-Novo,entrou no ar Ao final, Casoy diz:

- Que merda, dois lixeiros desejando felicidades do alto das suas vassouras ...Dois lixdeiros, o mais baixo da escala de trabalho.

Casoy afirmou que a frase foi " infeliz" e pediu " propfundas desculpas aos garis e aos tlespctadores ".

Agora o comentário é meu
- Este literal cagou pela boca!!!!

 

Me libera, me libera a fofoca por favor....


O Laurinho Dieckmann me mandou um comentário sobre um texto meu onde ele faz a diferença entre ficção e jornalismo. Mas não libera a sua publicação. Invoco o santo nome de Deus pra que me libere o comentário. Lembro do falecido e querido João Aveline que quando quando tinha uma fofoca muito boa, conhecendo o Nene como poucos, contava pra ele, mas com uma ressalva: não podia contar , nem passar adiante. Geralmente eram assuntos de alcova que os dois são bem chegados a isto....

Um dia o Aveline contou uma fofoca tri boa pro Bastos, que envolvia o relacionamento de dois graúdos da sociedade, claro fora do casamento, por supuesto...Bastos aguentou dois dias aquilo e no terceiro quase morreu de curiosidade, queria passar o assunto adiante. Ligou num domingo à noite pra casaq do velho J.Aveline suplicando pro colega e amigo::
- Não aguento mais, me libera pra passar adiante a fofoca....

Claro que foi liberado!

 

Gosto do que esta mulher escreve....

Sempre a leio na revista Amanhã, que me mandam...Chama Dulce Magalhães....

Neste comentário da edição que recebi tem um paragrafo que gostei sobremodo:

"CADA DIA SE DERRAMA SOBRE NÓS COM SEGUNDOS,MINUTOS E HORAS ESCORRENDO ESCORRENDO PELO ESPAÇO DE NOSSAS VIDAS  E SE NÃO BEBERMOS DESTA FONTE INCESSANTE PODEREMOS PERECER SEDENTOS EM MEIO AO BANHO PRECISOSO DA VIDA.O SER HUMANO FOI DOTADO DE UMA CAPACIDADE QUE O DIFERENCIA DE TODA A CRIAÇAO,  O L I V R E    A R B I T R I O  , O DOM DE DEFINIR O QUE, COMO QUEM , E QUANDO E DESTA FORMA CRIAR CAMINHOS NOVOS EM ANTIGOS TERRITORIOS".

Pois é, CFAbreu dizia sempre que literatur ae religão andam lado a lado....O texto da Dulce parece uma oração, mas rezada com fervor, diferente de quem reza de modo mecânico e não sabe nem o que está dizendo.....

 

Histórias de La Úndeze

El ZE RIVA GARRINCHA


( CHEGOU GARRINCHA)

Chegou ontem de Rio Claro, interior de sampa, meu irmão José Paulo, que é talvez o dos irmãos homens com quem eu tenho mais intimidade....

Veio passar o fim de semana e alguns dias em Serafina com seus velhos pais....ele e o casal de filhos que teve com sua falecido esposa....Sandra...

O Paulo já juntou as escovas de dente de novo, com uma mulhar muito mais nova que ele, que também tem dois filhos pequenos frutos de relacionametnos anteriores....

Mas o que quero dizer - ah, ele pagou o almoço o Barranco,claro - é que quando nasceu,em 1963, Paulo nasceu com os pés tortos, completamente virados...A sola do pé era pra cinma, se é que me entendem...

Daí foi um calvário....assisti minha mãe, revoltada, com a situação e meu pai querendo levá-lo ao médico porque como o Paulo nasceu em casa, acho que só se deram conta alguns dias depois que estavam com os pezinhos tortos. Por isto que eu o chamava de Garrincha....

Minha mãe ainda estav amuito traumatizada pela perda de uma filha, a Maria, em 1960, de leucemia. E estava muito revoltada....

Meu pai bateu pé e levaram o guri ao médico, no caso ao dr. Carlos Alberto Benincá...

Começou ali uma longa luta que só meus pais sabem o que sofreram....Sem dramatizar muito, a criança foi praticamente estaqueada pra que os pés ficassem no lugar certo....

E engessados. Lembro como se fosse hoje do gesso..de quando em quando tinha que ir trocar o gesso e os pezinhos da criança ficavam com feridas....

Mas o sofrimento valeu a pena...Naqueles cafundós do judas naqueles anos e com poucos recursos o sofrimento de meus pais , a luta deles, e a do médico, hoje já falecido, tornaram os pés do meu irmão mais preferido, perfeitamente normais...Ninguém diria hoje que ele nasceu com os pés tortos, como Mané Garrincha. E o animal ainda virou um bom jogador de bola ao ponto de dizerem quem o viu jogar - não eu porque eu saí quando eles eram guris - que se fosse hoje seria um atleta profissional....

 

Noticia não tira feriado...

Viram como são as coisas? Noticia não tira feriado....Eis a tragédia de Anfra pra não me deixar mentir....

 

Coleguinhas


Perdi um corresponsal em Passo de Torres. O Laurinho só coloca aquelas lindas fotos que me dão uma inveja de morrer nos seus seis blogs...antes mandava pra cá, mas agora me deixou a ver navios...ainda bem que tenho um corresponsal em Porto Belo,senão os leitores ficariam purfa sobre os nossos lindos veraneios....

 

Feliz Ano Novo....

Desejo a todos meus leitores, um feliz ano novo....

E isto não é apenas um jargão...ou um bordão ou como dizem mais modernamente , um mantra....



Desecontro com o Caco Barcellos

Convidei o Caco Barcellos que andava pelo Sul - saiu até na RS VIP da ZH - prum churrasquinho embaixo das árvores forndosas da Praça Antônio João, na tarde do dia 31/12. Mas ele chegou atrasado,ou nós nos adiantamos e saímos antes. OCaco v inha de um compromisso em Viamão...

Fica pra outra, irmão....

 

ANO NOVO , VIDA NOVA!!!!


Eu não sou poeta, mas arrisco umas frases de efeito,às vezes...

Olhe o cotidiano, olhe o pássaro que pousou no chão pra pegar uma migalha que será seu alimento....

Olhe o espetáculo das estrelas se esmaecendo todas as manhãs....

Olhe o pôr do sol, de todas as tardes...

E porque não, até a beleza que há numa tormenta....

A vida é feita de pequenos gestos...

Não fique aí esperando que as coisas caiam do céu


Lute por elas....

Lute por um amor

Lute por uma conquista

Vá em frente

Ou como diz Geraldo Vandré, o louco admirável que compôs Pra não dizer que não falei de Flores,


Vem , vamos embora, que esperar não é saber,

quem sabe faz a hora
não espera acontecer....

É isto aí....

 

 


Foto da Eduarda Rufatto, com os padrinhos Erico e Vanira, no encerramento das atividades de 2009 da escola maternal, em Porto Alegre, no Lindóia Tênis Clube.

 

Muito boa a materia do Lula pé frio. Isto que é jornalismo....Nada de frescura em bater em pessoas se achando engraçadinhos.
Quanto a noiva que apareceu mostrando os seios,não consegui identtifcar. Só sei que ela casou com um gaucho que é Secretário de Educação do Arruda.
Sergio

 

O autor deste brog visita o Museu do Jango em 



São Francisco de Borja em 5/ 12/ 2009!

Nas duas chapas, batidas pela Neuza Penalvo( la corresponsal informal deste brog) aos fundos pode-se ver a capa da revista Manchete onde o ex-presidente aparece. ( Serginho não vais cobrar,agora direitos autorais das tuas chapas, né camaradinha!!!) Ah, já sei, vão dizer que estou barrigudo, desleixado isto e aquilo...a mim poco se me importam lo que digam de mi....carrajo!!! 

Um brinde à gaúcha. Saúde, vivente!

Brindemos com vinhos brasileiros.

Por Luiz Oscar Matzenbacher.

Fiquei frustrado ao percorrer os corredores entre as gôndolas de diversas redes de supermercados nesse final do ano, em busca dos champagnes e vinhos espumantes mais baratos e de boa qualidade, pois percebi a imensa predominância de marcas importadas. Perdi algumas horas, nesse passatempo agradável, nos ambientes bem refrigerados e em penumbra, onde se localizam as “adegas” dos supermercados.

 Os preços dos vinhos argentinos, chilenos e uruguaios estão bem acessíveis. E, mesmo os vinhos franceses, portugueses e espanhóis famosos, conseguem competir em preço com os melhores vinhos brasileiros. Aliás, alguns vinhos brasileiros ostentam preços superiores a similares estrangeiros.

 É fácil entender. O câmbio, hoje, é totalmente favorável aos produtores “lá de fora”.

 Fiquei frustrado e triste, com esse dólar mantido artificialmente, pela equipe econômica, abaixo de R$ 1,80.

 Durante muitos anos eu percorri, cumprindo minhas pautas da profissão de repórter, a belíssima paisagem natural e humana da Serra Gaúcha e da Serra Catarinense. Nessa região, na qual cheguei a morar por três anos, mais de 100 mil famílias de pequenos proprietários de terras cultivam a uva para a produção de vinhos, espumantes, conhaques, grappas e vermutes.

 A média é de oito a dez filhos, nessas famílias, predominantemente descendentes de italianos e alemães. Mas, o que sempre me deixava alegre e feliz, era ver que em 10 hectares, essas famílias conseguiam manter um poder aquisitivo e um sistema de vida superior às classes médias urbanas. Pois, a produção de uvas e vinhos, feita com carinho, dedicação arte e ciência, pode retirar em apenas um hectare de terras, a mesma renda anual que um fazendeiro obtém em 100 hectares na pecuária extensiva; ou em 50 hectares de agricultura de soja.

  Confesso que cheguei a derramar lágrimas, ao ver a volúpia com que os clientes desses supermercados atiravam-se aos vinhos e espumantes importados, que nesse final de ano, somem rapidamente das gôndolas e prateleiras. Chorei pelas centenas de milhares de gaúchos e catarinenses que estão ficando mais pobres, ao teimosamente, persistirem lutando contra esse câmbio insensível e perverso da equipe econômica do Governo Lula, mas não abandonam suas parreiras. É gente de boa cepa. Luiz Oscar Matzenbacher 

Coleguinhas


* Fui ontem visitar o Ataides Miranda, da Guaíba. Me disse que a rádio tem só seis sucursais no interior que são Pelotas,Bagé,Rio Grande,Santa Maria, Passo Fundo e Caxias do Sul....

* O estúdio da Guaíba é algo muito moderno.Coisa de primeirissimo mundo....

* Não fiz mais questões sérias porque estava passando por lá, como quem não quer nada....a la miguelão...( eu não me dou tanta importância....)

 

TROCOU TODA A

COMUNICAÇÃO DO BRDE!!!



Faz cerca de 60 dias que trocou toda a diretoria de comunicação do BRDE(Banco Regional Desenvolvimento do Extremo Sul). Saíram Affonso Licks e Manuel Petrik. Entraram  Melissa Louruz e Rosi Mara Guilhen, que foi trazida de Curitiba pelo atual presidente da instituição,Airton Carlos Pissetti.

Gaúchos que estão na diretoria do banco são Celso Bernardi, na diretoria de Operações e  Mário Bernd na diretoria administrativa.

 

Exclusivo!


Museu do Jango já
apresenta rachaduras....

Inaugurado com pompa e circunstância no dia 1/10/2009  o Museu João Goulart já apresentava rachaduras no dia 5/12/2009. As fotos  não deixam dúvidas.  A  casa ,agora transformada em Museu, teve um custo de recuperação de quase 1 milhão de reais com verbas públicas da Lei do Incentivo à Cultura(LIC).

Ao ato da inauguração compareceu a secretária da Cultura do Estado, Mônica Leal.

Histórico

A casa localizada na av. Getúlio Vargas, a poucos metros do Museu Getúlio Vargas, destaca-se pela sua " beleza arquitetônica". Nos últimos anos, depois que a família Penalvo saiu dela - Percy Penalvo, um ex-exilado, ex-vereador de Itaqui, cassado pela Revolução de 1964 , residiu nela com a família a partir de 1978, quando, com a morte de Jango, regressou de Taquarembó onde trabalhava  para o ex-presidente - a casa chegou a ficar em desleixo, principalmente numa das laterais.

O imóvel que pertencia ao filho de Jango, João Vicente Goulart - com a morte do fazendeiro Jango, os bens do Uruguai ficaram com a filha Denise, e os do Brasil, com o filho João Vicente( ainda não tinha entrado em cena Noé Silveira, que ganhou na Justiça parte da herança como mais um filho do ex-presidente).

As obras de restauração da casa onde viveu Jango ( na verdade, Jango viveu ali pouco tempo. Quem mais morou lá foram suas irmãs), iniciaram em junho de 2008.A casa foi construída em 1927 e seu tombamento como patrimônio cultural do Estado deu-se em 1994, quando era governador Alceu Collares, do PDT. A secretária de Cultura era Mila Cauduro.
O patrocínio da recuperação da casa de Jango Goulart  foi da AES Sul e o financiamento por meio da Secretaria da Cultura do Estado do Rio Grande do Sul(SEDAC), por meio da Lei de Incentivo à Cultura. Nele foram investidos cerca de 1 milhão de reais.

O chamado Memorial de Jango é formado  por salas de exposição composto por painéis e imagens, vitrines de documentos e reconstituição de ambientes através do restauro do mobiliário original existente no local.

Além do memorial, a casa restaurada tem uma seccional do Instituto João Goulart, o Departamento de Cultura da Prefeitura de São Borja, uma sala para exposição de produtos artesanais feitos na região, sob a chancela da Emater/RS.Está previsto  um café que atenderá os visitantes. Até o dia 6/12 este café ainda não estava funcionando. 

Opinião do autor: do ponto de visto histórico- cultural, foi um grande ganho para S. Borja. Há todo um potencial (embora a cidade, localizada ao lado do rio Uruguai fique distante dos grandes centros urbanos)  de turismo histórico a ser desenvolvido,embora isto venha ocorrendo nos últimos anos espontaneamente. 

A ponte Santo Thomé-São Borja também ajuda nisto!!!

 

Mega Sena 
movimenta população!

Ontem pela manhã, cheguei cedo ao centro de Porto Alegre e na lotérica do seo Geanarino, no prédio do Citi Hotel, havia uma fila enorme de povo. Todo ele querendo jogar na Megasena...Uma guria que passava ao lado, comentou:
- Como gostaria de ganhar nesta loteria....

 

Os Reveillons....tristes e 
alegres de minha vida....


Como tudo, estamos sempre divididos: há os tristes e alegres e no meio os amenos....

Bão, primeiro como eram as noites do dia 1 do ano na minha infância...começava sempre com meus primos passando lá em casa ( a casa da qual jamais me afastarei até devolver estes ossos à terra ) pra dar " EL BOM PRINCIPIO DEL ANO( Feliz ano novo ) pro meu avó Giuseppe que se levantava e respondia:
- ALTROTANTO TOSATTI....( da mesma forma, crianças....)

Minha  mãe,que ainda vive, graças a Deus, servia aos visitantes uns biscoitos(biscoti) e eles seguiam viagem porque era no meio da madrugada e passavam em várias casas....No dia seguinte, de manhãzinha, quando os colonos passavam para ir à missa, na antiga estrada( cujos vestígios ainda existem....) todos se cumprimentavam com o Bom Principio del ano....( bom começo do ano...)

Depois tive os reveillons aos quais eu não dava a mínima...ia a Garopaba e queria só curtir....não tava nem aí pra festas,foguetórios e afins...

Num deles fui pra Garopaba com uma namorada, a Nara, que me incomodou o tempo todo. Brigamos as 24 horas e era um horror....Lembro-me da Igrejinha de Garopaba com poucos moradores soltando foguetes lá pelas oito da noite e nós dois ali brigando...que saco....

Depois teve os reveillons de Lima,no Peru, onde ficava trabalhando numa padaria,quase até a meia-noite...Nada de especial....

Passei por reveillons bem família, vamos dizer assim. Quando se tem um companheiro(a) geralmente o programa é conjunto. Num deles - acreditem se quiserem - fui ao Country Club, sim Laurinho, pra ti ver, né - e na hora do café da manhã,adivinhe quem estava ao meu lado se servindo???Ieda Maria Vargas Athanásio, a ex-miss Brasil. Era bonita mesmo.... 

Enfim, um colono como eu ( não minto, meu biotipo é este mesmo) num reveillon do Country...????Depois de ter sido hippie, mochileiro(quase guerrilheiro,aí sim faltou coragem....)!!! Não é pra qualquer um....

Mas um reveillon que lembro com saudades foi um que fomos parar na casa do livreiro Mário Lima, em Belém Novo. Não sei quem deu a dica. Morávamos na rua Antônio Parreiras, 203 e combinanos o reveillon de tardezinha, num pequeno hall dos fundos do apê que tínhamos...

A casa em Belém Novo era muito interessante...Mas havia muito mais gente do que imaginávamos...Quando vi lá pela meia-noite, a casa havia virado uma esquadrilha da fumaça, se me entendem....rolava mais isto do que champgne pelo qual tínhamos pago e comida....
De repente, começaram a pular um muro que havia nos fundos e aí a lotação ficou maior ainda....

Terminamos o fuzuê tomando café da manhã no Plaza...descobrimos ali que o Plaza tinha um café da manhã excelente e quase ao nosso alcanse...

Os reveillons dos últimos anos tem sido uma solidão só....

Como morava ao lado do Barranco, lembro de um em 1999, que deu um frio...parecia inverno...Os donos do Barranco quiseram fazer uma festa de reveillon,botaram um conjuntinho gaudério e foi um fracasso. Não foi ninguém, muito menos eu fui porque não tinha dinheiro...

Como serão os reveillons daqui pra frente....Ora bolas, eu quero é PAZ!!!

 

 

Antoninho Melo,aos fundos, com as mãos atrás dos vigiava tudo do seu Gambrinus...

Os reveillons tristes e 
alegres da minha vida( I )

Houve uma vez os reveillons com finalidade política....

Estes aconteciam na rua Antônio Parreira,322, no Montserrat...um bairro que na época não era tão chique como hoje em dia. ERa feito pela turma do Caco Pinheiro Machado e demais colegas da Agronomia da UFRGS,dos quais lembro o Henrique,que chamavam  de " DEPI " - codinome de " dependente"  tudo porque chegava sempre na hora do almoço - e um outro estudante da Agronomia da UFRGS, o Moreira.
A finalidade destes reveillons era arrecadar grana pra refundar o Partidão, do Luis Carlos Prestes - que estava voltando do exílio  - e a Central Unica dos Trabalhadores(CUT)...

Muita gente participava dos reveillons,entre eles jovens, mas havia também adultos porque os convites eram muito bem distribuídos...

Num destes reveillons deu zebra com o som porque o  discotecário,   Emílio Chagas( o " Black Boy" como o Licínio Azevedo havia apelidado ele -magoou-se não se sabe porquê, acho que foi porque o Caco foi lá e quis botar um som que ele queria ouvir   e o Emílio achou aquilo uma intromissão no seu trabalho. Além do mais, o Emílio era meio radical e achava todo mundo que não concordava com ele de " BUNDÃO".

A comissão do reveillon trabalhava direitinho. Controlava a festa, que geralmente ia até de madrugada e no dia seguinte, reunia-se para a limpeza da casa, que era grande...500 metros quadrados com piscina e tudo( pra ti ver Laurinho que eu já fui um pobre luxento, hoje sou um pobre pobre...)

Por uma zebra destas da vida, numa noite, roubaram um anel,ou algo asim da irmã do dono da casa, o Caco Pinheiro Machado...Foi um fuzuê dos diabos...A Denise, no caso a pessoa que teve o anel furtado, queria chamar a Polícia. Ela tinha era bronca com aqueles bailes todos...

O banho na piscina...

Uma mulher, muito charmosa, parente do dono da casa,- perdão leitores, hoje ela está casada, é uma pessoa quase pública(jornalista bem conhecida) e o marido é tri conhecido do meio publicitário por isto omito o nome  - entusiasmou-se no meio da festa de um destes reveillons e com um corpo escultural simplesmente se atirou na piscina...Saiu dela com o vestidinho colado no corpo, aquele monumento...Os véios babaram....foram todos dissimuladamente apreciar aquele espetáculo...E ela, muito dona de si, sabendo o material que tem em casa, ficou ali se fazendo...até que alguém lhe trouxe uma toalha e a levou para trocar-se...

No almoço do dia seguinte, evidente que o " assunto " era só este....

São pequenas lembranças de reveillons passados....  

 

Eles não se bicam...

Não adiantou eu querer que os dois fizesem as pazes...O Lauro e o Serginho simplesmente adoram se ODIAR...

Ontem,no comentário elogiando a matéria das fotos do Lula, eu senti a " maldade" do Serginho com a puada que deu no Lauro...

Durma-se com um barulho destes...

 

BYE-BYE CASAS BAHIA

 

         Vocês lembram da  perda da Ford no Rio Grande do Sul, durante do governo do PT? Claro, todos se lembram. Menos a grande mídia local. Tudo era culpa do PT. Agora, as Casas Bahia se vão, acusam a Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul da Governadora Yeda, mas a culpa para a maior parte da mesma mídia local foi a falta de sotaque gaúcho.

         Sim, é óbvio que falou sotaque gaúcho, na marca, naquela publicidade chata, grosseira, de enlouquecer pessoas com um mínimo de sanidade.

         Faltou ao empreendedor um  conhecimento maior do mercado, especialmente  do consumidor gaúcho. Nosso consumidor prefere consumir produto de qualidade mínima do que consumir juros sem fim embutidos num produto de quinta categoria.

         Mas vamos ser claros,mesmo fazendo dura oposição ao atual governo, tenho a convicção que a Secretaria da Fazenda agiu certo. Pois, chega de sonegação. Chega de enrolação. Vamos pagar os tributos como todos pagam. Há pouco o Wall Mart teve que recuar de uma posição de privilégio obtida na Justiça, por causa da pressão e das denúncias iniciadas pelo meu colega Mauro Pinheiro.

         Finalmente, a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul tomou uma atitude corajosa e acabou com a farra do Wall Mart.

         Não se trata de preconceito contra os empreendimentos estrangeiros, desde que respeitem nossas leis, não persigam funcionários sindicalizados, respeitem nossos cidadãos e de modo especial o Código de Defesa do Consumidor.

         Vimos agora o profundo desrespeito com que as Casas Bahia tratam nosso povo. Fecharam as lojas, não avisaram os seus clientes, como não avisaram os que já pagaram por produtos ainda não recebidos.

         Seria de bom alvitre que o Procon-Poa tivesse uma ação ousada, buscasse auxílio na Procuradoria especializada do Consumidor de nosso Ministério Público. Deveriam  o sindicato dos empregados e o patronal chegar a um acordo de uma imediata busca de colocação destes demitidos em outras lojas locais. Realizar um trabalho para não apenas garantir empregos, mas buscar novos empregos.

         De resto não ficaremos com saudades das Casas Bahia, pois aqui temos lojas de alta qualidade, de empreendedores locais, de famílias tradicionais, só para citar os Colombo e os Manzoli nesta área. Como poderia citar o Zaffari na área mercadista e as redes Aampa, Unisuper, Unimax entre outras.

         Neste caso, mesmo como catarinense, mas gaúcho por adoção, prefiro o sotaque local do que o embuste externo, seja nacional ou internacional.

 

         ADELI SELL – Vereador do PT, POA.

 

 

 " OMBUDSMAN"

Sobre o furo que ZH e Correinho levaram do Folhão no episódio do   Santo São
  Francisco de Borja!

Sobre o fato de que foi o Folhão que deu no dia 25/12 a notícia exclusiva  sobre a volta de um santo que teria sido roubado quando da guerra da Triplice Aliança lá no século XIX e que depois o ditador Strossner a devolveu ao presidente Jango( por sinal os dois mantinham ótimas relações ) tanto que o ditador deu a Jango um passaporte, que a ditadura brasileira teimava em negar, o presidente do Movimento de JUstiça e Direitos Humanos(MJDH) Jair  Krischke disse: " Os jornais do RS perderam a noção do que é notícia. ESperam ser pautados pela imprensa do centro do país"!

 

Deixo aos meus leitores no final deste ano de 2009 esta mensagem tão linda do Vandré...
esperando que ela não seja apenas uma letra morta, mas sim muito presente no nosso dia-a-dia,na nossa pequena revolução diária. Quando penso em CHE, por exemplo, fico imaginando como el comandante era no seu dia-a-dia, o que fazia nas suas horas de folga, de lazer...eu conheci revolucionários que sempre só pensam naquilo, vivem e respiram a revolução...mas nosso cotidiano também é uma pequena revolução. Tenho dito...Saúde e Paz...

 

Morre o empresário que impediu 
a demolição do Mercado Público Central

Foi cremado ontem dia 30/12/2009, Antônio Dias de Melo, o Antoninho, que junto com o irmão João era o dono do restaurante Gambrinus,no mercado público central de POrto Alegre.
Antoninho morreu de um infarto,no dia anterior, no sítio de Eldorado do Sul, para onde tinha se retirado nos últimos anos tendo virado comprador e criador de gado." A gente estava fazendo um happy hour no Gambrinus, eu e o Sérgio Seppi e de repente vieram nos avisar que iriam fechar porque o Antoninho tinha falecido" relatou ontem o jornalista Valter Todt, um dos mais assíduos frequentadores da casa.

Melo morreu aos 65 anos. 
Em 1970, ele comandou a resistência contra a decisão do engenheiro Severo Dullius( hoje nome de avenida perto do aeroporto Internacional Salgado Filho) que como secretário municipal dos transportes queria abrir uma avenida ligando a Sete de Setembro com a rodoviária...

" O mercado realmente estava abandonado. Nós tínhamos relaxado muito mas fizemos uma comisão, fomos ao prefeito Thompson Flores nos comprometendo a restaurá-lo" disse-me em outubro de 2006 oAntoninho num depoimento para um livro sobre a noite de Porto Alegre que estou concluindo.
Antoninho já tinha por conta e risco próprios assumido o compromisso de que o lançamento do livro seria no seu restaurante tudo por sua conta...
Não deu tempo, ou eu me atrasei muito ou ele se adiantou...

Histórico

O Gambrinus foi um restaurante - confraria de alemães que frequentavam muito o Mercado de Porto Alegre para tomar chopp...Mas quando Mello o comprou era um verdadeiro antro de cachaceiros...um boteco de quinta categoria. Sua liderança é que o tornou o que é hoje, uma grife da culinária portoalegrense.

Frequentado por jornalistas como Valter Todt, Ruy Carlos Ostermann,Sergio Seppi,Jurema JOsefa,DEnise Nunes e por empresários como José Martins, presidente da Associação do Aço do RS, o Gambrinus tem no seu forte o prato de frutos do mar.
A jornalista Virginia Rigatto que reside no exterior,sempre que vem a Porto Alegre procura ir no Gambrinus porque acha o local muito original. 
No livro que deveria lançar em breve, há muitos mais detalhes tanto sobre o Gambrinus, sobre a história pessoal deste empresário falecido no dia 29/12 e ontem cremado. Antoninho reproduz umpouco a história do Mercado Público Central, da colÔnia portuguesa em Porto Alegre( era sócio da Casa de Portugual) e ontem no centro de POrto Alegre o assunto entre os portugueses donos de pequenos biroscas, de padarias, de bancas do mercado era a morto do patrício.

O dono do ABC CaféBar, na rua Sete de Setembro ficou sabendo pela manhã que o patrício tinha morrido na véspera:
- Pues, pues, fue na padaria e lá ma disseram que el morrera, comentou no  sotaque da terrinha.

 

* Presidente ZéNunes, do sindicato dos jornalistas, foi trabalhar, ontem dia 30/12 de bermudas...Já o gerente Cristiano Nunes foi dispensado mas de meia em meia hora ficava ligando pra saber " se estava tudo dentro dos conformes"...

 

 

 

A turma pega pesado com ele!!!!

Pense Num Pé Frio...

1. Campeão, o tenista Gustavo Kuerten presenteou-o com uma raquete e nunca mais foi o mesmo.

2. O boxeador Popó jamais venceu uma luta importante após presentear o petista com seu par de luvas.

3. O mega-star Lenny Kravitz até sumiu do show-business após presentear o petista com sua guitarra famosa.

4. O presidente do Botafogo, Bebeto de Freitas, foi ao Palácio do Planalto levar uma camisa do time, às vésperas da decisão da Copa do Brasil, em 2007, e na final aconteceu o que parecia impossível: perdeu o título para o Figueirense, em pleno Maracanã, com dois gols roubados pela bandeirinha.

5. O Corinthians caiu para a segundona, logo depois do petista ser homenageado pela diretoria do clube com uma camisa 10 e seu nome grafado.

6. Antes de partir para a última Copa do Mundo, Roberto Carlos foi o único jogador a visitar Lula, levando para ele uma camisa da Seleção autografada pelos craques. O lateral-esquerdo ajeitava o meião quando Thierry Henry, nas suas costas, fez o gol francês que tirou o Brasil da final.

7. Após uma campanha espetacular na Copa Libertadores da América, o time do Fluminense recebeu a visita de Lula, antes da final com a LDU. O petista até posou para fotos exibindo a camisa do time. No jogo, em pleno Maracanã, o Flu perdeu três pênaltis e o título.

8. Há algumas semanas, a antes imbatível seleção masculina de vôlei esteve com o petista. Perdeu os dois jogos seguintes diante da torcida brasileira, e o título da Liga Mundial.

9. Lula, a caminho de Pequim, levando a sua 'bênção' para o maior favorito brasileiro nos Jogos Olímpicos, Diego Hypólito. Deu no que deu...

10. E finalmente.. . O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, esteve com dirigentes do Coritiba no Aeroporto Afonso Pena participando de um pré-lançamento das medalhas comemorativas do Centenário do clube.

Se um dia você encontrar com ele, saia correndo... Meus caros Amigos, podem acrescentar na lista o nome de Fábio Barreto, diretor de "Lula, o filho do Brasil"... Tá na UTI do Copa D'or entre a vida e a morte (e o filme ainda nem estreou...).

 

Câmbio, juros e impostos afundam Dilma.

Por Luiz Oscar Matzenbacher.

Aumentam as queixas de todos os setores econômicos das atividades relacionadas com a área primária, indústria de transformação e agroindústria dos três estados do Sul. Não é só o setor de vinhos e espumantes que sofre com o real sobrevalorizado. Os prejuízos mais graves alcançam os setores de calçados, móveis, malharias de roupas de inverno e verão, vinhos, frutas de clima temperado e turismo - los hermanos estão cada vez mais ausentes das praias gaúchas e catarinenses.
Enfim, está cada vez mais difícil para os gaúchos, catarinenses e paranaenses exportarem ou conseguirem competir internamente com os baixos preços - provocados pelo dólar abaixo de R$ 1,80 - das mercadorias importadas. O câmbio, os impostos e os juros bancários estão acabando com as pequenas, médias e grandes empresas industriais genuinamente brasileiras dos estados do CODESUL.
Por isso, o presidente Lula tem no RS, SC e PR, as mais baixas taxas de aprovação das pesquisas de opinião feitas no país inteiro. Dilma, a candidata do PT, está presa às âncoras econômicas e corre cada vez mais em desvantagem no páreo presidencial.
Vejo essa desvantagem dessa candidata eficiente e de boa conduta pessoal, até mesmo nos supermercados. Fiquei frustrado ao percorrer os corredores entre as gôndolas de diversas redes de supermercados nesse final do ano, em busca dos champagnes e vinhos espumantes mais baratos e de boa qualidade, pois percebi a imensa predominância de marcas importadas. Perdi algumas horas, nesse passatempo agradável, nos ambientes bem refrigerados e em penumbra, onde se localizam as “adegas” dos supermercados.
Os preços dos vinhos argentinos, chilenos e uruguaios estão bem acessíveis. E, mesmo os vinhos franceses, portugueses e espanhóis famosos, conseguem competir em preço com os melhores vinhos brasileiros. Aliás, alguns vinhos brasileiros ostentam preços superiores a similares estrangeiros.
É fácil entender. O câmbio, hoje, é totalmente favorável aos produtores “lá de fora”.
Fiquei frustrado e triste, com esse dólar mantido artificialmente, pela equipe econômica, abaixo de R$ 1,80.
Durante muitos anos eu percorri, cumprindo minhas pautas da profissão de repórter, a belíssima paisagem natural e humana da Serra Gaúcha e da Serra Catarinense. Nessa região, na qual cheguei a morar por três anos, mais de 100 mil famílias de pequenos proprietários de terras cultivam a uva para a produção de vinhos, espumantes, conhaques, grappas e vermutes.
A média é de oito a dez filhos, nessas famílias, predominantemente descendentes de italianos e alemães. Mas, o que sempre me deixava alegre e feliz, era ver que em 10 hectares, essas famílias conseguiam manter um poder aquisitivo e um sistema de vida superior às classes médias urbanas. Pois, a produção de uvas e vinhos, feita com carinho, dedicação arte e ciência, pode retirar em apenas um hectare de terras, a mesma renda anual que um fazendeiro obtém em 100 hectares na pecuária extensiva; ou em 50 hectares de agricultura de soja.
Confesso que cheguei a derramar lágrimas, ao ver a volúpia com que os clientes desses supermercados atiravam-se aos vinhos e espumantes importados, que nesse final de ano somem rapidamente das gôndolas e prateleiras. Chorei pelas centenas de milhares de gaúchos e catarinenses que estão ficando mais pobres, ao teimosamente persistirem lutando contra esse câmbio insensível e à perversa tributação interna da equipe econômica do Governo Lula, mas não abandonam suas parreiras. É gente de boa cepa.

Luiz Oscar Matzenbacher 

 

Serafinenses...

1) Passei o Natal em Serafina...fui comer "peru" ( era cheester) na casa do"mala" do meu primo Calixto Stefenon...
2) O rio Carreiro tava bombando de tanta gente com este caloron. Um dia fui lá, no outro fui na capela são Piero,que é onde tenho minhas lembranças e raízes afetivas mais profundas....

3)o prefeito Ademir Presotto(PP) tem um apelido engraçado: " BICO BRANCO". Tudo porque seus bigodes já estão esbranquiçando...

4)No regresso,ontem de manhã por volta de 10h30 minutos um fato estranho: uma procissão de caminhoneiros trancou por meia hora quem passava em Guaporé pela RS-129. E o trancamento era comandado pela Brigada Militar...( ora bolas, quando o MST tranca estradas, eles caem de pau encima....)

 

EXCLUSIVO!

Ministra do STF e jornalista
Roberto DÁvila passaram Natal em Porto Alegre



Voaram,ontem,domingo,dia 27/12 para o Rio de Janeiro, o jornalista Roberto DÁvila - do programa Conexão Internacional, da TV Brasil - e sua namorada, a ministra do STF  Ellen Gracie.
Ela veio paparicar a filha, advogada, que está grávida. Ele veio visitar a mãe que reside na capital gaúcha. Roberto, que é gaúcho de P.Fundo, morou em Bento Gonçalves, e nestes tempos ia num bailes em Serafina Correa.
Depois de algumas turbulências no namoro  atribuídas principalmente ao fato de que os dois " viajam muito", o casal tem sido visto sendo só felicidade....Roberto tem duas filhas de outro casamento.
Ellen uma.

 

CARROS DE DIPLOMATAS EM

BRASÍLIA AGORA SOB CONTROLE

 

Os diplomatas estrangeiros, que vivem em Brasília, e que usam e a abusam de suas prerrogativas,com seus carros de placas azuis, vão entrar nos eixos. É que eles vão ter que entrar no Registro Nacional de Veículos.

Isto quer dizer, que qualquer irregularidade que cometam,vão ser multados como todos o mortais nacionais.

Hoje,1,8 mil carros rodam com suas placas intocáveis,pelo Distrito Federal segundo o Departamento de Trânsito( Detram).

É a primeira vez na historia, que as autoridades de transito do Brasil, terão total controle sob a frota de placas azuis que circulam no pais.

E impressionante o que essa turma de estrangeiros faz no transito em Brasília. Eu duvido,que um diplomata brasileiro faça qualquer irregularidade na Alemanha ou Inglaterra,sem levar uma puta multa.

 

O furo que o Folhão deu 
no Correinho e na ZH!!!!



Desde o dia 6 de dezembro passado que eu sabia da história do santo missioneiro que voltará a São Borja em primeiro de maio de 2010.

Mas por questões técnicas - como dizia o Paulo Santana , não se choca notícia - acabei não postando a notícia e a primeira vez que ela veio a público foi atraves da FSP no dia de Natal(25/12).A matéria assinada por Mário Magalhães está bem completa...
Faltou só uma foto que não sei porque não foi feita. Pelo que entendi a imagem do santo missioneiro continua na casa da Denize Goulart, filho do ex-presidente Jango ...
É meio chato pra ZH, um jornal que se considera quase de circulação nacional, tomar um furo deste tamanho....Nas barbas do jornal, porque aqui em São Borja tanto sabiam disto que eu voltei de lá na noite do dia 6/12 pensando em como iria redigir os dados,embora não os possuísse completos....Como fiquei sabendo? Ora bolas, eu sou curioso e as pessoas acabam me contando...E não foi o Prato Fino( Eduardo Belmonte) da Rádio Cultura quem me contou o fato...assim que até o Prato Fino de vez em quando toma furo na sua própria região

Recado ao Mazzarino se é que ele acordou da comilança do Natal....

Mazza veio de guerra,quando riva el GUAXO!!!!!



Encontro de velhos amigos...

Encontrei ontem na Nova Roma uma amiga muito querida de muitos anos...a médica Glacy Loureiro. Andamos muito juntos pelas ruas de Porto Alegre nos doces anos do começo da década de 70....O paraíso vivido aqui na terra costuma cobrar caro....

 

O EMBAIXADOR DO GOLPE BAIXO

“Chega de intermediários, Lincoln Gordon Presidente!” Esta era uma das frases que se viam pichadas pelos muros do Brasil entre os anos de 1961 e 64, período em que o gaúcho João Goulart presidia o País. A interferência dos Estados Unidos nos assuntos de ordem interna brasileira era tão intensa que deixou sua marca na nossa história republicana, tendo contribuído de maneira decisiva para a quartelada de 1964. Passados 45 anos deste golpe baixo, patrocinado pela CIA e a Embaixada dos EUA no Brasil, a notícia recente do falecimento de Lincoln Gordon traz à tona fatos que devem ser relembrados para que as novas gerações não permitam que se repitam.
A nação brasileira precisa lembrar da atuação de entidades ligadas ao círculo empresarial, como o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES) e o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD), em estreito contato com a CIA e seu Embaixador da época, que se dedicavam exclusivamente a desestabilizar o governo reformista de Jango.  No livro do professor Luiz Alberto Moniz Bandeira, O Governo João Goulart, consta a confissão do embaixador americano sobre um gasto da ordem de US$ 5 milhões, visando alterar o resultado das eleições ao Congresso Nacional em 1962. O objetivo desta ingerência inescrupulosa era financiar os candidatos da oposição ao presidente Jango. Tal confissão foi reafirmada em 2002 durante entrevistas para programas de televisão, e a compra de políticos brasileiros corruptos foi o “grande aporte cívico” de Gordon para nosso país. Uma vergonha!
Mesmo assim, dentro de nossas fronteiras, não se ouviram as vozes de FHC ou Lula manifestando repúdio à confissão e à atitude de Lincoln Gordon. Assistimos pacificamente, em rede nacional, ao americano se orgulhando de ter rasgado nossa Constituição.

Mas Gordon foi além. Como Embaixador golpista, intermediou a Operação “Brother Sam”, que consistia no envio, por parte dos Estados Unidos, de navios de guerra e porta-aviões de ataque pesado em direção às águas brasileiras, para o caso de o Presidente brasileiro oferecer resistência ao golpe. A operação foi descoberta pela pesquisadora Phyllis Parker, autora do livro “1964: O papel dos Estados Unidos no Golpe de Estado de 31 de março”.
Lincoln Gordon faleceu. Jango faleceu no exílio, e evitou aquela guerra civil que se desencadeava em abril de 1964, ao optar por não resistir e não sacrificar a vida de milhões de brasileiros em detrimento exclusivo de seu cargo de presidente. Mas a luta por um Brasil soberano, livre e inclusivo segue viva. E na mão de cada um de nós.

Christopher Goulart
Presidente da Associação Memorial João Goulart

 

 

Agnaldo Rayol...

Na sauna do Ritter Hotel - ele estava hospedado no Hotel Embaixador mas foi pra lá - o cantor Agnaldo Rayol contou estes dias que Frank Sinatra tinha horror a ter que cantar sempre Stangers in The Nigth, enquanto que amava cantar sempre New York, New York....

 

Histórias de La Úndeze!

Ministério Público notificou

Pizzaria Grão de Bico...


Localizada na av. Miguel Soccol, em frente à antiga cantina de vinho da Sociedade Estrela (onde se produziam os vinhos Brilhante)  a pizzaria Gr~´ao de Bico, de Beto Chiarello entra em férias neste final de ano e para sempre...É que a partir do dia 15 de janeiro de 2010,quando os funcionários voltam das férias, eles irão para um novo endereço, localizado na av. Imigrantes com Vivaldi, fora do centro da cidade. Onde está a atual pizzaria( que virou point dos jovens na cidade) Beto ( que escriturou o terreno) pretende construir um prédio para alugar imóveis. Porém o Ministério Público o nofificou de que em princípio ele não poderá por que taparia o prédio da cantina que está para ser tombado como prédio histórico da cidade.(Atualmente a cantina é usada por uma igreja que faz ali sua pregação) . " 85% do assunto posso dizer que já está encaminhado" disse o Beto num dos dias de Natal que estive falando com ele.

 

E X C L U S I V O !!!!!!


TEMPO DE DOR 
NA GUAIBA !!!!!

As mudanças feitas na programação da rádio Guaíba estão trazendo dor para muitos funcionários principalmente os mais antigos...

Nomeio alguns:

Fernando Veronese: está lá quase desde a fundação....Não tem o que fazer no momento e a rádio nem o demite e ele nem pede demissão. Ao meio dia vai dar uma volta na rua da Praia pra desopilar um pouco....A rádio espera que ele peça pra ir embora, mas ele não toma esta iniciativa...querem matar no cansaço....


Celso Costa: também um dos mais antigos da rádio. Está lá desde 1957,ano da fundação...Também está praticamente sem ter o que fazer....

Gustavo Motta: o repórter político que durante anos deu furos sensacionais na área da política agora está com pouquissimo espaço na rádio....tem seu blog, mas não é a mesma coisa...e os políticos que antes o bajulavam tanto pelos corredores da Assembléia Legislativa,onde Gustava trabalha também, não mais o procuram como antigamente..." rei morto,rei posto...."

Gerson Anzolin: é um repórter que faz a área municipal e não é tão antigo assim: se salvou da fritura porque cobre a Câmara Municipal e um dos enfoques da nova Guaíba, como eles estão chamando, é dar notíciais do municipio e da Grande Porto Alegre( devem ter pesquisas que indicam que é onde a Farroupilha, que é com quem a Guaíba quer concorrer,é muito forte,digamos poderosissima....)
Os três meses de mudanças dirão que resultados a rádio vai ter em termos de audiência na guinada popular que está dando...

Em tempo:

colegas da Guaíba me informam que se surpreenderam com o bom caratismo do Alexandre Motta, o Gordinho....Não o conheciam e estão gostando do colega....e tem cancha, porque vem de São Paulo onde já rodou muito....

Rogério Mendelski: faz um jornalismo de qualidade( eu particularmente acho que já fez mais, mas ainda tem qualidade) e por isto seu programa de manhã é tão diferente do do Faridinho, que vem logo depois...tem gente lá dentro da Guaíba achando que por isto existem hoje " Duas Guaíbas"!!!!

 

Coleguinhas


O repórter Caco Barcellos, do programa Profissão Repórter, da TV Globo , chegou ontem,dia 29/12, a Porto Alegre onde deve ficar até pelo menos dia 1/01/2010.Foi homenageado pela RBS e de noite jogou futebol com os " amigos" do bairro Murialdo num dos centros esportivos da PUC,aliás, onde Caco entrou como aluno da Matemática pra depois se formar na Famecos.

Explicação...

Nos últimos tempos, este site teve pouca atualização por motivos de férias da blogueira oficial. Pedimos escusas aos nossos leitores e prometemos atualizar o blog como sempre esteve desde que entrou no ar em agosto de 2007.

 

A calcinha certa para o final do ano....

Para cada objetivo uma cor diferente  para a noite de Reveillon


Branco: associa-se à idéia de paz, de calma,de pureza.Também está associado ao frio e à limpeza. Significa inocência. Traz leveza,equilíbrio,não absorve as energias do ambiente. Ótima para quem que rum ano de muita paz!

Preto: está associado ao mistéria e à fantasia, sofisticação e luxo. Cor que absorve o máximo de energia. É quente e ativa. É muito usada na lingerie para estimular a sedução.

Bege : é uma cor que transmite calma e passividade.

Vermelho: é a cor da paixão e do sentimento. Simboliza o amor, elegância e requinte. É a cor mais quente de todas. Remete à vida( estimula a circulação) e é sensual( estimula a reprodução). Mas também pode estimular agressividade e nervosismo. É a cor das emoções.Atrai a paixão e esquenta os relacionamentos!

Verde: significa vigor,juventude,frescor,esperança e calma. Verde é a cor da construção,da absorção e do crescimento. É essencialmente a cor da juventude e do rejuvenescimento,viogr e esperança. Bom para quem quer cuidar da saúde no ano novo!

Amarelo: transmite calor, luz, descontração. Simbolicamente está associado à prosperidade. Tem muita energia e movimento, é sempre claro e alegre. Promove a mente , sem dispersar a atenção. Está associada à intelectualidade, à cura e a luminosidade. Para quem quer abundância em todos os sentidos!

Laranja:  é a cor quente, significa movimento e espontaneidade.  Revitaliza e dá energia, mas sem irritar. Evoca calor suave e conforto. É acolhedor, a cor do conforto corporal, da descontração e do prazer. É a cor da potência, da fertilidade e fecundidade.

Azul:  é a cor do céu, do espírito, do pensamento. Simboliza a lealdade e a sutileza. Azul simboliza tudo o que se refere ao mundo espiritual. Por ser fria, é a cor da razão, da mente desligada, das emoções, da percepção, da vontade, da clareza e da ação. É uma cor calmante, tranquilizante, analgésica e equilibradora. Perfeita para quem quer harmonia.

Anil( azul marinho) : Combina racionalidade com espiritualidade. É puramente abstrato e mental. É a cor da organização, da autoconfiança, da firmeza e da liderança. Purifica a mente.

Castanho: significa maturidade, consciência e responsabilidade, resistência e simplicidade.

Roxo:  transmite a sensação de tristeza. Significa prosperidade, nobreza e respeito. É a luz mais penetrante e age como um cauterizador.É a cor da transmutação, da espiritualidade,da contemplação e meditação. Traz nobreza.

Lilás: significa espiritualidade e intuição.

Rosa: está ligada à beleza, saúde, sensualidade e também romantismo. Por ser uma energia ligada ao amor incondicional e ao afeto, rosa é a cor mais sutil. Desperta a sensibilidade e os sentimentos puros. BOm para cultivar a amizade, a beleza e o amor.

Salmão: está associado à felicidade e plena harmonia.

Prata: é uma cor associada ao moderno, às novas tecnologias, novidades, inovações. A cor prata é leve e calmante, produz uma sensação agradável.

Dourado ou cor ouro: está simbolicamente assodciado ao ouro e à riqueza, a algo majestoso. O dourado dá a sensação de aquecer e encher de energia.É a cor da riqueza. 

 

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

 

 

IMAGEM DE SÃO FRANCISCO DE BORJA REGRESSARÁ.............FOLHA DE SÃO PAULO

Em anexo, matéria publicada na Folha de São Paulo, 25/12/2009.

Um forte abraço,

Jair Krischke

ver arquivo

 

Coleguinhas

* Me  entusiasmei tanto no churrasco do sindicato dos jornalistas que troquei as bolas: o presidente atual é zé nunes, não zé torves, como acabou saindo. o último é o ex....

* Nasceu o filho do Chagas, diretor do sindicato dos jornalistas, na segunda, dia 28/12. Pesando quatro quilos. E o Chagas jura que o garoto será gremistão como o pai....O que a mãe tem a dizer disto?

 


Coleguinhas

* Na coletiva.net desta semana tem a história rica de vida do Florianão Correa. Ele podia ter tido a dignidade de dizer que a companheira atual que ele conheceu durante um telefonema 12 anos atrás era comigo que falava pelo telefone quando entrou a linha cruzada de duas amigas. Elas nos convidaram pra ir na Redenção. O redator que estava saindo de um casando de uma forma muito traumatizante, não queria nem ouvir falar em novos relacionamentos mas as duas mulheres nos convidaram para tomar chimarrão na Redençaõ. O Florianão foi e se engatou......

 

Mosquedo na 

salinha J.C.Terlera...]

As " varejeiras" tomaram conta da salinha da assembléia legislativa chamada J.C. Terlera. E ninguém faz nada...diz o funcionário que cuida da salinha que é o " café" que as libras(tradutoras) fazem ou trazem. sei lá, mas mosca às pampas assim é brabo....

 

 

Histórias de La Úndeze



A solidão da prima

Maria Canton



 Filha de João Aquiles Canton e Maria Catarina Cervieri,- ambos já falecidos -  Maria Canton vive em frente a casa dos meus pais  na rua Orestes Assoni, em S. Correa. Quando seus pais compraram aquela área,há mais de 30 anos atrás,  era zona rural. Hoje é urbana e o valor do terreno que ela herdou por baixo vale 500 mil reais. Mas que sentido tem este valor todo, se a Maria, aos 66 anos é uma mulher só que se prepara para morrer? Quandso sua mãe Catarina faleceu, em 2001, ela ficou tão traumatizada que não conseguia ficar só em casa para dormir. Durante três meses atravessou a VRS-321 e ia dormir na casa dos meus pais.
   Provavelmente ela vai deixar seus bens ou  para Paróquia Nossa Senhora do Rosário que é um costume no meio dos colonos católicos, ou então vai dividir com seus irmãos, a grande maioria ainda vivos.Ou ficará com os sobrinhos, porque ela tem muitos.
A história dela valia um grande romance de Gabriel Garcia Marquez não um pequeno tópico meu.A Maria ficou pra cuidar dos pais e principalmente da mãe. Todos os outros seus irmãos casaram,tiveram filhos. Mesmo as irmãs que ela teve...

Quando eu era criança, a Maria era uma mulher bonita, mas muito tímida, muito acanhada. Boto uma mão no fogo que ela nunca teve um homem..( ou se teve é segredo de Estado).

Uma vez, quando eu era criança e visitava muito a casa dos primos e dos tios, a ouvi dando uns lances de namoradeira, mas sua mãe,sempre vigilante, não a deixava muito soltar a franga...Numa noite de filó - um costume que os colonos tinham de se visitar de noite para rezar para a capelinha que passa de casa em casa - ouvi alguém comentar com ela um assunto de namoro e ela responder:
-  É vou dormir, se me deixarem...

Acho que ela tinha um namorado, ou na sua cabeça, ou então oculto....

No dia que seu irmão Laurindo casou com Maria Zilio, em 1970, ela foi madrinha de casamento. E ousou avisar à mãe Catarina:
- A próxima sou eu!

A mãe deu-lhe uma olhada de cima abaixo e ela entendeu o recado: fica pra me cuidar, filha. Mas nem mesmo um genro dentro de casa foi permitido...

Triste a história da minha prima Maria...

Mas muito farta para um belo romance, porque são as histórias tristes as fornecedoras de elementos para se escrever...

Ou como diz o filósofo popular: só os idiotas são felizes!!!

 

O Edson esta preparando um grande material sobre o trem bala, para mandar para ti. Aguarde. Segundo o edital a passagem do Rio para o centro de São Paulo,custaria em torno de R$ 200,oo. Mas a espectativa é de que o preço fique por perto de R$ 180,oo, em função da concorrência com o preço promocional usado habitualmente pela aviação na ponte aérea. O tempo maximo da viagem entre as duas capitais,será de 1 hora e 37 minutos e o consórcio será obrigado a disponibilizar linhas diretas a cada 20 minutos nos horários mais cheios do dia.. O edital também estabelece que o trem deverá ter,necessáriamente,estações no centro do Rio de Janeiro,no Aeroporto Santos Dumont, na cidade de Aparecida do Norte(SP),no centro de São Paulo,no Aeroporto de Guarulhos,no centro de Campinas e no Aeroporto de Viracopos,também em Campinas. Além disso, outras duas cidades - uma no Rio e outra em São Paulo - deverão obrigatóriamente ter estações,mas a escolha ficará a critério do consórcio vencedor. Segundo tecnicos da área, a escolha de Aparecida como estação obrigatória se deu em função do fluxo complementar de passageiros para lá. O turismo religioso leva milhares de fiéis à Basílica de Nossa Senhora Aparecida,na cidade,no mês de outubro. Sergio

PS: estas informações tirei do edital de licitação do Trem de Alta Velocidade - TAV, que foi publicado no Diáario Oficial da União(DOU) para consulta pública.

 

Histórias  de La Úndeze!



" Parece uma maldição" disse-me no domingo,dia 27/12 um revendedor de gás que fica na frente do terreno da antiga Sociedade Estrela Guaporense localizado na zona urbana e nobre de Serafina.É que os oito herdeiros não chegaram a um acordo na repartição dos bens deixados por Fioravante Cervieri, que presidiu a Sociedade Estrela Guaporense.

O terreno da Sociedade Estrela Guaporense na  zona urbana de Serafina tem 128 terrenos.Vai da principal avenida da cidade,a Av. Miguel Soccol,até a RS-129. O valor é inestimável. O processo de  repartição da herança do dirigente da Sociedade Estrela percorre tribunais há muitos anos. Fioravante morreu em 1973.

E no domingo, o revendedor de gás - cujo nome vou preservar - me contou uma "história" sobre este terreno. Segundo ele, imóvel pertencia a Sociedade Estrela e foi feita uma janta...Nesta janta deram muito vinho aos colonos que bebuns assinaram a transferência do imóvel para o nome do dirigente da entidade....

 

Coleguinhas...


* Dia 28/12: enquanto Rogério Mendelski diz na Rádio Guaíba que passou o domingo anterior no Lami comendo pão com uma salsicha no meio, o comentarista internacional Jurandir Soares transmite seu boletim desde Punta del Este...que pros íntimos é simplesmente " PUNTA"!!!

 * O mosquedo anda brabo aqui na salinha J.C. Terlera. E a assembléia tá tão devagar que nem um repelente colocam na sala pra que as moscas se mandem....

 

 From Serafina!

Divisão....


Não está fácil a divisão da herança do agrônomo Clodinei Grandi, morto este ano...Seus filhos Indianara que estuda Medicina e vive em Uberlândia e Fernando que reside em Serafina ainda não chegaram a um entendimento....


Caracas



Pelo visto, o ex-prefeito de Serafina, Luís Antônio Gheller, sentiu mesmo a derrota na última eleição,quando tentou voltar a prefeitura pelo PMDB. Como funcionário da Caixa Econômica Federal(CEF) ele está trabalhando como soldado raso em Guaporé. E tentou ir para Caracas,onde a CEF mandou alguns funcionários, mas não obteve êxito...


 

 

 

O retorno de São Fransisco de Borja

 

Matéria sobre o retorno de São Fransisco de Borja a sua cidade natal, publicada na Folha de São Paulo em 25/12/09.

 

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Após 145 anos, santo volta à terra de Jango. Escultura de são Francisco de Borja, que paraguaios teriam roubado na guerra em 1865, será devolvida pela família de Jango ao RS em 2010. A imagem foi um presente do ditador Stroessner para o ex-presidente na década de 70, e deve retornar a São Borja em 1º de maio de 2010.

A ex-primeira-dama Maria Thereza Goulart conta que se lembra bem de quando, no Palácio de los López, sede do governo em Assunção, o ditador paraguaio Alfredo Stroessner presenteou o presidente brasileiro deposto João Goulart com uma imagem de são Francisco de Borja. Alvorecia a década de 1970. Stroessner foi eloquente com o casal, diz a mais bela mulher de um chefe do Executivo que o Brasil conheceu: o santo de 1,40 metro de altura, padroeiro da cidade natal dos Goulart, fora levado pelos paraguaios nos saques que varreram São Borja (RS) em junho de 1865.

Principiava ali o ataque em solo gaúcho das tropas do caudilho do Paraguai, Francisco Solano López, no conflito em que a aliança entre Brasil, Argentina e Uruguai o esmagaria. Aqui, passou à história como Guerra do Paraguai (1864-70). Com os Goulart no exterior desde o golpe de 1964, a escultura oca em madeira foi endereçada por Stroessner ao sítio do Capim Melado, propriedade da família na zona oeste do Rio. Jango decidiu que devolveria o santo para a igreja de São Borja, assinala a viúva. Ele sonhava regressar ao Brasil, mas se tornou, em feito da ditadura, o único ex-mandatário nacional a morrer no exílio -em 1976, na Argentina. Assim como Goulart não retornou à sua terra, o santo perambulou por destinos distantes de São Borja, a 595 km de Porto Alegre. O ex-presidente vendera o Capim Melado. Promoveu-se no sítio rapina de objetos da antiga primeira-dama, ela denuncia. Ignora-se se o são Francisco de Borja ficou ou sumiu.

 

Pacote anônimo

Conforme Maria Thereza, em 1982 certo remetente anônimo enviou um pacote gigantesco ao seu apartamento, em Copacabana. O santo reaparecia. Como ela se mudou para uma habitação pequena na capital rio-grandense, mandou a escultura para a casa do filho, João Vicente, no bairro local de Vila Conceição. De volta ao Rio, carregou o santo consigo. Até transferi-lo para espaço maior, na zona sul carioca: a residência da filha, Denize, onde hoje a estátua repousa.

A peregrinação do santo findará no ano que vem, quando a família Goulart o deixará em São Borja, após restauro. A data prevista é 1º de maio, cara ao trabalhista Jango, com festa. Se os fatos se passaram como Maria Thereza ouviu de Stroessner (1912-2006), são Borja reencontrará a imagem do padroeiro 145 anos depois de 50 carretas atravessarem o rio Uruguai para a Argentina, fornidas com o butim de guerra. Em um romance do realismo fantástico, o mistério do santo poderia ser alinhavado a partir de uma coincidência: nomeado superior geral da Companhia de Jesus em 1565, Francisco de Borja e Aragão teve a imagem afanada três séculos adiante, em 1865. Em 2010, celebram-se os 500 anos do seu nascimento.

 

Invasão

No século 17, São Borja constituiu o primeiro dos sete povos das missões jesuíticas. O município granjearia fama como terra de presidentes. Dois vieram de lá -além de Goulart (de 1961 a 64), Getúlio Vargas (1930 a 45; 51 a 54). O pai de Getúlio combateu como cabo na resistência à investida paraguaia na então província do Rio Grande do Sul. O estopim da guerra que provocou centenas de milhares de mortos foi as desavenças regionais acerca da disputa pelo poder no Uruguai.
Logo depois do meio-dia de 12 de junho de 1865, 10 mil militares iniciaram a incursão em São Borja -menos de 1.500 formaram na defesa. Em dezembro haviam entrado em Mato Grosso. Em narrativa de 1867, o cônego João Pedro Gay anotou que os saques foram até dia 22.

Os registros da guerra são limitados, em especial pela aberração de o Brasil manter em sigilo arquivos sobre o confronto em que foi dizimada parcela expressiva da população vizinha.

 

O sumiço do santo

Não se conhece papel fixando o saque do santo. O que há são relatos sem detalhes. "[Os paraguaios] reuniram tudo o que havia de precioso, inclusive os objetos pertencentes à igreja", rememorou em 1935 o oficial do Exército Osorio Tuyuty de Oliveira Freitas em "A Invasão de São Borja". O vigário Pedro Gay contou que mais de meia centena de soldados arrombaram a igreja matriz: "Algumas imagens pequenas desapareceram".

Uma nota que o major Sousa Docca acrescentou à obra do padre na primeira metade do século 20 estimula outra hipótese. Ele disse que permanecia na igreja uma escultura de José Brasanelli, artista italiano que viveu nas missões na virada do século 17 para o 18. Escreveu o militar: Brasanelli "esculpiu em um toro de cedro das matas do Uruguai a magnífica e preciosa imagem de são Francisco de Borja que por longos anos várias gerações de são-borjenses veneraram no altar-mor".

Se era a mesma criação em posse dos Goulart, um tesouro com mais de 300 anos, não se sabe como acabou no Paraguai. Um dos mais qualificados historiadores brasileiros da Guerra do Paraguai, autor de "Maldita Guerra" (2002), o professor da UNB Francisco Doratioto diz ser "provável que a história [o saque do santo em 1865] seja mesmo verdadeira". "A estátua é muito parecida com a iconografia clássica de são Francisco de Borja", analisa o professor da Unisinos Luiz Fernando Medeiros Rodrigues, que por 23 anos esteve na cúria dos jesuítas em Roma.

O santo compunha o acervo do palácio de Assunção, diz Maria Thereza. Stroessner o teria prometido em visita a Jango quando o gaúcho governava. A conversa que consagrou a doação destinava-se a tratar do passaporte paraguaio com que Goulart viajava, já que lhe privaram de um brasileiro. Sua administração dera cobertura ao ditador. E era hábito de Stroessner mimosear amigos com obras sacras.

 

"Somos todos peregrinos"

A primeira-dama lamenta as vezes em que tentou entregar o santo, mas religiosos e políticos fizeram pouco. "Um dia alguém vai se interessar", pressentia. Quem se interessou foi o neto Christopher Goulart, filho de João Vicente. Advogado em Porto Alegre, foi quem mais se empenhou pela restituição. Christopher levará à terra do avô o padroeiro cuja imagem deu tantas voltas. O retorno - ou chegada - evoca o santo. Francisco de Borja escreveu: "Todos nós somos peregrinos".

 

por Mário Magalhães / Folha de São Paulo

 

 

 

 

 

Olha só! O Arruda é DEZ.

 

 

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Xuvisco (Luís Fonseca), assessor de imprensa do senador Pedro Jorge Simon (PMDB), esteve no serpentário da Uruguai dia 22/12...

* Espanhol também frequenta o serpentário...

 

 

 

 

 

De mãozinha! No que estavam pensando?

 

 

 

 

 

 

Churrasco e palestra encerra ano dos jornalistas

 

Foi em clima de descontração (o cartunista Santiago chegou de bengala e estava borocochô) que o sindicato dos jornalistas promoveu um churrasco (no sindibancários) na noite do dia 22/12. Estava ótimo, descontraído... uma pena que o Lauro Dieckamann não ficou para o regabofe...

O presidente Zé Torves se entusiasmou tanto que pegou espetos e ele próprio foi servir os comensais...

Mas como jornalista tá sempre no meio de bronca, antes houve uma palestra com os advogados Luis Gonzaga Adolfo e o Chagas sobre direitos autorais.
Palestra, por sinal, de muita utilidade.

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* E a campanha pra "salvar" o "JÁ", como vai? Então era só fogo de palha?

 

 

 

 

 

EXCLUSIVO: saia Justa na Cultura...

 

Não foi propriamente pacífica a entrega do Prêmio Açorianos dias atrás. Como dos seis jurados quatro pertenciam aos quadros da RBS (Claudia Laitano, Carlos Alberto Moreira, Kátia Suman e Eduardo Veras) e a "maratona literária" (uma idéia trazida da Espanha pelo filho do secretário Sergius Gonzaga), dois comunicadores da Band chiaram (Felipe Vieira e Lúcia Mattos, que é enteada do escritor Assis Brasil). O secrétário optou por lavar as mãos, qual Pôncio Pilatos diante de Cristo e mandou suspender o prêmio.
Já há quem ache que jornalista não lê mesmo e que o mais sensato seria não colocá-los em júris...

 

 

 

 

 

O guaxo

 

Olha o Natalzinho que nós preparamos pros leitores (bão pras leitoras temos que procurar...). O Guaxo é coisa do Mazzarino lá de Encantado...

 

 

 

 

 

 

 

EXCLUSIVO! Suspensa cobrança judicial na JÁ Editores

 

Atendendo a um recurso interposto pelo advogado do jornalista Elmar B. da Costa (o Bicudo), foi cancelada a cobrança judicial na empresa JÁ Editores que vinha sendo executada desde agosto passado. Todos os meses um oficial de Justiça, por determinação do juiz, se apresentava na editora JÁ para efetuar o recolhimento de 20% do faturamento da empresa para pagamento de uma sentença a que Elmar Bones da Costa foi condenado.
A ação contra Bicudo foi feita pela mãe de Lindomar Rigotto, o Tetti, Julieta Vargas Rigotto, por causa de uma reportagem feita em 2001 sobre Lindomar Rigotto.
Este site procurou a JÁ Editores na terça-feira, dia 22/12, mas a empresa não atendia. Havia apenas uma secretária eletrônica. Ao que se sabe, o editor Elmar Bones estaria viajando.

 

 

 

 

 

Suspenso despejo de Mary Terezinha

 

O advogado Luís Gonzaga Adolfo, especialista em direitos autorais (e professor), disse dia 22/12, numa palestra para integrantes do Sindicato dos Jornalistas, que ele conseguiu suspender o despejo de Mary Terezinha (ex-companheira do cantor Teixeirinha e de Ivan Trilha), que passava por dificuldades financeiras porque as gravadoras não estão pagando para ela seus direitos autorais. "Temos oito ações contra gravadoras" informou o advogado. Mary Terezinha mora na zona norte de Porto Alegre. Foi companheira de Teixeirinha e sua parceira musical durante 20 anos.

 

 

 

 

 

O colar da Ana Amélia Lemos

 

Diante do bom desempenho da Ana Amélia Lemos nas pesquisas de intenção de voto para o Senado da República, resolvi procurar informações sobre o currículo de mais uma jornalista da RBS que está por se lançar na vida política, pois não tive muita convivência com ela.
O primeiro que procurei foi o Lauro Dieckmann, que foi contemporâneo dela na Famecos/PUC e trabalhou como jornalista de Economia na época em que ela brilhava como jornalista da área financeira em Porto Alegre. Eis o relato do Lauro:

"Conheci a Ana Amélia na PUC, na Famecos. Ela já era veterana e chamava a atenção por ser uma mulher bonitona, exuberante, loirosa e tal. Chegou, na época, a fazer uma ponta num filme do Teixeirinha, no papel de uma equilibrista de corda-bamba. Ao longe, usavam uma dublê, equilibrista profissional; de perto, focavam a Ana Amélia, de maiô cor-de-rosa, em plano americano (plano americano é aquele que pega a pessoa de um pouco acima do joelho para cima). Caminhando sobre uma tábua, que não aparecia, claro, e segurando a barra de equilíbrio, ela fazia que ia andando na corda.
Nessa época ela já andava pela Intermédio do Ruas (Isnar), Braga (Políbio) e Canalli (Geraldo). Não demorou muito, e ela estava no Jornal do Comércio, fazendo a capa do Segundo Caderno, contratada que tinha sido para cobrir o setor financeiro (que na época era muito ativo no Estado, pois ainda havia vários bancos locais e a bolsa estava no auge, assim como começavam a tomar corpo as cadernetas de poupança). Os outros setoristas do JC na época eram o Walter Todt, que fazia indústria e construção civil, o Camilo Sinon, que fazia setor primário, e o Mário Santarrosa, que fazia comércio, antes de ir para o BRDE e abrir a vaga, acho que, para o Egídio Gamboa.
Ainda quanto estava no JC, numa vez em que foi fazer uma coletiva para a qual foram convidados coleguinhas do Centro do País, a Meméia -- como o pessoal a chamava carinhosamente -- encantou o emissário da Visão, que convidou-a para ser a correspondênte da revista em Porto Alegre, na vaga deixada pelo correspondente anterior, Antônio Barata.
Até que, um dia, ela foi cobrir, no Salgado Filho, a chegada de um ministro da área financeira, possivelmente o Delfim Netto. A Ana Amélia era muito desembaraçada e impetuosa -- além de bonitona --, de modo que tinha facilidade em se aproximar dos figurões da Ditabranda.
Pois bem, na tal entrevista, ela deu um show (os concorrentes eram o Erci Torma, o Otálio Camargo e o rapaz aquele que faleceu depois de levar uma bronca do Fehlberg, episódio que já contastes no De Olhos e Ouvidos ou no Pauta, o Avesso das Redações).
Eu não vi, mas me contaram, talvez tenha sido até a própria Ana Amélia em algum evento que reunia jornalistas, que, estando presente à chegada do tal ministro, o Seu Maurício Sobrinho (que depois virou Sirotsky, quando a RBS tornou-se uma empresa séria), que ficou encantado com o desempenho dela.
O Carlos Bastos diz que foi ele que contratou a Meméia. Pode ser, mas, com a mentalidade dele, de esquerdinha e de bava-ovo do Brizola e do Jango, ele jamais tomaria a iniciativa de contratar uma jornalista da área financeira. Para ele se mover neste sentido certamente houve ordem de uma mente superior e mais atilada.
Então, lá foi a Meméia trabalhar na RBS (e, entre outras coisas, abriu a vaga da Visão para o Canali, que voltava do exterior, onde havia ido tentar a sorte na BBC de Londres, vaga esta -- de correspondente da Visão -- que ele passou para mim, quando foi trabalhar na RBS-TV, fazendo o Jornal do Almoço).
Na RBS, a Ana Amélia fazia um comentário de uns dois minutos, de noite, após a novela das oito. O comentário era gravado e aí é que entra a história do colar que te falei dia desses.
Certo dia, eu estava assistindo o programente da Meméia -- era muito melhor que essa coisa oficialesca que ela, hoje em dia, passa para o Jornal do Almoço -- e vi quando, inesperadamente, o colar de contas que ela usava -- por estar com o fecho mal ajustado -- se despreendeu do pescoço dela.
Com a maior tranquilidade e presença de espírito, a Meméia recolheu o colar e continuou falando normalmente até o fim do comentário, como se nada tivesse acontecido.
Sequer piscou.
Por coincidência, no outro dia, houve um daqueles almoços que faziam parte do cotidiano dos jornalistas de economia da época e eu comentei com ela o lance do colar.
Ela explicou, toda vaidosa, para mim e para os outros colegas que estavam por perto, que até chegar a propor ao diretor do programa que gravassem novamente, por causa da falha do colar, mas que o tal diretor falara para deixar assim, pois tinha ficado muito bom.
E, segundo a Méia, o episódo serviu para medir a força do programa, pois, naquela manhã, muita gente havia comentado que vira o episódio do colar.
A Ana Amélia ficou na TV até ir para Brasília, onde reina absoluta na sucursal da RBS.
No lugar dela ficou, mas sem o mesmo brilho, a economista-criadora-de-confusões que hoje ocupa o Palácio Pratini.
A propósito da AAL, tem ainda a história do jantar com o executivo da RBS, que foi a Brasília com a intenção de dispensar a Meméia, na época em que o Augusto Nunes agitava o 'passaralho' na redação da ZH (repetindo o que havia feito quando ocupara o mesmo cargo no 'Estadão', ou seja, dispensar os que já tabalhavam, para colocar no lugar gente da confiança dele), que também é um episódio saboroso. Acho que foi o Mafalda (o fotógrafo) quem me contou. Mas, como aí eu sou fonte secundária, deixo a pauta para investigares com quem possa ser fonte primária.
Em tempo: a Meméia gostava muito de usar a palavra "bursátil", quando escrevia sobre a bolsa de valores, e o pessoal tirava muito sarro dela por isso, pelas costas, claro."

 

 

 

 

 

Crise dos panetones

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O cachimbo da Paz do PMDB!!!

 

(com o perdão do trocadilho, porque o senador Simon anos atrás fumou muito cachimbo)

 

(Exclusivo)

No domingo dia 13, cerca de 20h30, um perdigueiro deste brógui viu a cena: os principais líderes do PMDB chegando ao hotel Embaixador no centro de Porto Alegre.
Pela ordem chegaram Fernando Lemos (presidente do Banrisul), Rospide Netto, diretor do mesmo banco, o ex-deputado Luis Roberto Ponte, o deputado estadual Luis Fernando Záchia, o prefeito de Porto Alegre, José Fogaça, o deputado federal Mendes Ribeiro, em seguida Germano Rigotto e por último o senador Pedro Simon.

Quando Simon chegou, Rigotto convidou:
- Pessoal, vamos lá pra cima...

E desapareceram dos olhos do observador que passou esta dica a este site...

Foi, então, fumado o cachimbo da paz no PMDB.

A mim me chamou a atenção a ausência de dois deputados federais: Ibsen Pinheiro e Eliseu Padilha...

 

 

 

 

 

Aparício, o treinador

 

O Olides continua duvidando de que eu joguei no Grêmio. Isto não tem importância, pois ele sempre foi colorado, desde o tempo em que morava na Linha Onze, então um povoado localizado na grande Guaporé.

Mas voltando ao assunto: eu cheguei na Baixada em 1951. Fiz um teste no time juvenil, que tinha MiltonKuelle, Delém (um cracaço), Heráclito, Azambuja e o Paulistinha, que depois brilhou no Renner, o Sergio Preto entre outros...

Quando cheguei na Baixada, fiquei sabendo por um amigo meu o Camelinho, também muito conhecido de vocês, todos leitores do Blog do Olides, que o time não tinha ponta esquerda. Nem nos juvenis e nem nos profissionais.

Quando me apresentaram o sr. Otto Pedro Bumbel, uma figura histórica no Grêmio, ele me perguntou duas coisas: meu nome e em que posição eu jogava. Disse o meu nome completo, Sérgio Ross. Ele parou, pensou e falou: "Sérgio não pode ser, pois já temos o nosso goleiro que chama-se Sérgio. Você vai ser chamado de Ross".

Logo fez a segunda pergunta: "Em que posição você joga?”. Respondi então rápido: "Ponta esquerda”. Certo, completou o sr. Bumbel. "Vamos então para o treino..."

Naquele tempo, o ponta esquerda era aquele que corria feito um doido pela lateral e era sempre abastecido pelo meia esquerda, que vestia a camisa 10. O camisa 10 que estava ao meu lado, era um craque, o Delém, que ficou muito amigo.

O Delém lançava a bola como ninguém e como eu só corria muito, comecei a fazer sucesso (modéstia a parte).

Depois de alguns meses no Grêmio, já era titular do time. Aí tivemos uma mudança na direção. O sr.Bumbel foi embora para treinar, não me recordo se a seleção da Costa Rica ou Panamá. O velho Apáricio Vianna e Silva que na época não era tão velho assim foi escalado como treinador. Conhecia como ninguém um time de futebol. Conhecia mais do que o Teté, Froner e Selvirio Rodrigues, astros na época. O Foguinho ainda não tinha enveredado o caminho para treinador. Era um ídolo do Grêmio, mas era ainda um grande alfaiate...

Aparício treinador e eu, na falta de outro, continuei ponteiro esquerdo. Alias, o meu caro amigo Edson Pires, um velho repórter da Caldas Junior, o Rei do Furo e que cobria o Grêmio, me chamou várias vezes de "uma grande promessa, veloz, irrequieto e endiabrado ponteiro esquerdo". Eu sei, não tenho culpa. Amigo é para essas coisas...

Mas o Aparício, muito gozador, não me poupava. Num jogo contra os juvenis do Renner, na época o nosso grande adversário (o estádio do time era lá nos Navegantes), o Delém fazia cada lançamento de deixar o Rivelino e mesmo o nosso famoso Didi, o Folha Seca, morrendo de inveja. Mas quando o Delém jogava a bola na minha frente, o Aparício levantava do banco dos reservas, ia a até a beira do campo e começava a gritar: ”sai,sai,sai...” Sinceramente, eu não estava entendendo nada. Na terceira vez que gritou eu fui até ele, para saber o que ele queria. Rindo então, ele me disse: “eu estou gritando para tu saíres, por que se não a bola vai bater nas tuas costas...”

Apesar disso, o velho Apa teve que me engulipar por vários anos e ficou uma grande amigo, de quem eu tenho muita saudades. O futebol sem ele, Bumbel, Teté, Froner e o Capitão Cunha, perdeu o seu charme...

 

por Sérgio Ross

 

 

 

 

 

Aposentados e pensionistas, novamente

 

Em texto anterior tentei demonstrar a falácia do "déficit da Previdência Social", escrevendo como o próprio Ministério da Previdência Social a vê, ou seja, como um dos três componentes, de forma integrada, da Seguridade Social (os outros dois são a Assistência Social e a Saúde); o Ministério informa que as receitas por mim enumeradas (existem outras mais), também de forma integrada, constituem as fontes de custeio da Seguridade Social, inclusive aquelas computadas no resultado do RGPS – Regime Geral da Previdência Social, sendo que as despesas deste fazem parte das despesas totais da Seguridade Social. Tudo bem explicadinho, creio.

Citei, ainda, que os estudos da ANFIP (Análise da Seguridade Social) de 2000 a 2008 mostram um Superávit Total (sobra) de R$ 392,2 bilhões, dos quais foram deduzidos os valores da DRU – Desvinculação das Receitas da União, no valor de R$ 237,7 bilhões e, mesmo assim, sobraram R$ 154,5 bilhões. Onde foi parar toda esta grana ?

Segundo a COBAP – Confederação Brasileira de Aposentados, no primeiro semestre de 2009 a Seguridade Social teve um Superávit de R$ 20 bilhões, ou seja, arrecadadas todas as receitas de custeio da mesma e pagas todas as despesas com Assistência Social, Previdência Social e Saúde, sobrou todo este dinheiro.

Aí tivemos o anúncio dos aumentos para aposentados e pensionistas para o ano de 2010: 6,2% para quem recebe mais de um mínimo e 8,7% para o salário mínimo.

Segundo o Ministério do Planejamento não é possível dar aumento igual ao do salário mínimo (deveria ser maior, até, tendo em vista a grande defasagem faz tempo existente) aos que recebem mais, pois isto acarretaria "aumento do déficit". Ah, ah, ah, ah ...

O Ministro informou que os 6,2% para os que recebem mais que o mínimo aumentará o gasto total anual em R$ 3 bilhões.

E os 8,7 % de aumento do salário mínimo ?

Segundo o RGPS de outubro, no setor rural tínhamos 7,8 milhões de benefícios de um salário mínimo, que multiplicado por R$ 40,00 (diferença entre o mínimo futuro – R$ 505,00 – e o mínimo atual – R$ 465,00), resultará num aumento de gasto em 2010 de R$ 4,056 bilhões.
No setor urbano tínhamos 6,7 milhões de beneficiários recebendo um salário mínimo, que multiplicado por R$ 40,00, resultará num aumento de gasto em 2010 de R$ 3,484 bilhões. Somando os dois valores temos R$ 7,540 bilhões.

Se tivesse sido dado para quem ganha acima do mínimo o mesmo percentual dado ao salário mínimo (8,7%), o gasto total em 2010 passaria de R$ 3 bilhões para cerca de R$ 4,2 bilhões, os quais, somados ao total de aumento de gastos do salário mínimo, resulta em R$ 11,740 bilhões, que, perfeitamente, poderia ser suportado, por exemplo, pelo superávit da Seguridade Social do primeiro semestre de 2009 (R$ 20 bilhões, segundo a COBAP) e ainda sobrariam R$ 8,260 bilhões.

Não esquecendo do superávit que deverá ocorrer no segundo semestre.

Só que esta novela continuará por muito tempo, até que, aqueles que um dia cometeram o crime de contribuirem para a previdência sobre valores bem acima do salário mínimo, sejam penalizados por este crime, passando todos, sem exceção, a receberem apenas e tão somente um salário mínimo.

 

por Sérgio Oliveira
Bancário aposentado - Charqueadas / RS

 

 

 

 

 

O fel de Lauro Dieckmann

 

Matéria do blog do meu filho - olha o detalhe: um grande jornal local copiou a enquete que ele fez no blog dele. Eles não admitem concorrência nem de blog - e copiam TUDO.

 

" Talvez devesse ter feito como um blog de um grande jornal local que, depois de eu ter lançado a enquete sobre o melhor guitarrista de todos os tempos, fez uma enquete igual, com a diferença de ter excluído desde já Jimi Hendrix.
De qualquer maneira, serviu para confirmar minha noção particular de que Hendrix é o melhor guitarrista de todos os tempos, independentemente de suas músicas serem ou não as melhores de todos os tempos. Afinal, dos 21 votos durante os 30 dias disponibilizados, Hendrix recebeu 11 indicações. Curiosamente, três guitarristas ficaram empatados com 4 votos: Jimmy Page, Eric Clapton e David Gilmour.
Em último lugar, com apenas 2 votos, ficou Eddie Van Halen.
Entretanto, caso essa votação tivesse lugar nos EUA, é possível que o resultado fosse diferente. Afinal, a julgar pelas capas da melhor revista de guitarra do mundo, a Guitar World, Eddie Van Halen deve ser garantia de altas vendagens.
Eddie é capa da edição mais recente (acompanhado de Tony Iommi), comemorativa de 30 anos do lançamento da revista, apesar de (a) não ter lançado nada novo nos últimos anos, e (b) sequer ter feito turnê com a banda que leva o seu nome.
Das 27 edições disponíveis no google livros, Eddie é capa de 4 (Hendrix e Kirk Hammett, no mesmo período, têm dedicadas apenas 2 capas). Embora essas edições com Van Halen não tragam nada de novo a não ser descrições de novos equipamentos com o nome do guitarrista (amplificadores, guitarras, efeitos, etc.), parece-me que é certo que uma capa com Eddie Van Halen é certeza de vendas expressivas, pois deve haver muito interesse sobre o que o cara tem a dizer. Devo dizer que não votei na enquete, pois teria dificuldades de fazê-lo. O meu favorito, dentre os 5, é o próprio Eddie Van Halen, mas me parece impróprio defini-lo como melhor guitarrista de todos os tempos.
Esse título é merecidamente de Jimi Hendrix, pois é o único que se pode dizer que sem ele a guitarra não seria tocada do mesmo jeito pelos outros 4 e por todos nós guitarristas. "

Publicado originalmente em
http://erga-omnes.blogspot.com/2009/12/resultado-da-enquete-melhor-guitarrista.html

 

por Lauro Dieckmann

 

 

 

 

 

A fotonovela do Piratini

 

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Carlos Bastos, o Nenê, costuma sair no meio do expediente e dar uma descida na rua da Ladeira... não é nenhuma infidelidade conjugal que vai fazer: vai no edifício Tribuno confabular com André Krieger... sabem sobre o quê??? Sobre o Grêmio...

Por isto que uma vez o falecido Gaguinho que estava prestes a receber no restaurante Copacabana conselhos do Bastos pra baixar a bola mandou ele dar conselhos lá no Grêmio...

 

* Sou depositário de inúmeros histórias do Bastos que o Falecido João B. Aveline me passou, com uma condição: que só as revelasse quando eles dois tivessem morrido. O Bastos dá tudo por uma informação de cocheira e já tá querendo saber o que o Aveline me deixou confiado principalmente a seu respeito. "quero dar uma penteada nestes textos" me disse...

* Quando vai a São Borja cuidar de sua imensidão de campo, Bastos toma um calmante porque não consegue pegar no sono no ônibus durante a viagem...

 

 

 

 

 

Mensagem de Natal

 

 

 

 

 

 

Churrasco em São Borja

 

No dia 4/12/2009 participei de um belo almoço na churrascaria do Posto do Imigrante, tudo por conta do Lantier, chefe de gabinete do vereador Celso Lopes(PDT). Acompanhava o Lantier o Paulinho, também do gabinete do Celso, e um outro colega da Câmara Municipal que trabalha no gabinete do vereador Reolon.

Depois continuamos o trago na "padaria", como o Lantier chama... era uma bela tarde de sol em São Borja, terra que já meio que adotei... e como diz o poeta Clemar Dias, e eu concordo, de mulheres bonitas...

 

 

 

 

 

Conheci televisão como um 'milagre' da Copa

 

As recentes definições sobre a futura Copa do Mundo na África do Sul me remeteram a um rápido passeio ao passado. Com saudades, remonto a minha adolescência e minha primeira Copa, a de 1970, quando o Brasil conquistaria o tricampeonato no México. Confesso, ainda cultivo doces lembranças da emblemática passagem.
Não apenas em função do exemplar desempenho da nossa Seleção, provavelmente o melhor da história dos mundiais. Eu estava despertando para a vida e cursava o 1° ano no antigo Ginásio em Nova Esperança do Sul, no acolhedor Vale do Jaguari.
Embalava, pois, os verdes sonhos que se fariam conquistas.
E a mesma Copa que me fez sonhar, gostar de futebol, igualmente me permitiu, por sua magia e 'milagre', conhecer a televisão.

Era um único aparelho e em torno dele, no clube da vila, toda a comunidade se reunia para aplaudir o Brasil. Ver a seleção de Carlos Alberto, Tostão, Gérson, Rivelino e Pelé.
E naquele televisor assistimos – e ganhamos - as seis partidas disputadas. Na estreia, um susto, porque a Checoslováquia largou na frente, mas o Brasil viraria o jogo, vencendo por 4 a 1. Através da nossa gloriosa TV foi possível festejar os gols de Rivelino, Pelé e Jairzinho. Era só o começo.

O jogo seguinte foi emocionante, um dos decisivos para os canarinhos no México. Com a credencial de campeões do mundo em 58 e 62, batemos por 1 a 0 a temida Inglaterra, campeã de 66. Jair fez o histórico gol brasileiro, enquanto o goleiro inglês, Gordon Banks fez verdadeiros milagres.

Nova Esperança do Sul se enche de confiança e entusiasmo, já superlotando o clube no centro da vila. Todo mundo em torno de um único e vitorioso televisor ligado. Depois, 3 a 2 na Romênia, gols de Pelé e Jair. Já nas quartas-de-final, o Brasil ganhou do Peru, por 4 a 2, tendo Tostão como o destaque. Jair e Rivelino completariam a festa.

A esta altura, Nova Esperança era uma determinada afirmação e expectativas. Não se fala de outra coisa que não nas chances brasileiras. Lembro que no Ginásio, entre a garotada, a equipe de Zagallo é o assunto dominante de todas as rodas.
Vêm as semifinais e, com elas, duas verdadeiras batalhas: Itália 4 a 3 sobre a Alemanha Ocidental, decisão na prorrogação; e Brasil 3 a 1 sobre o Uruguai. Um jogo violento, mas que permitiu ao Brasil ‘vingar’ a derrota sofrida na Cope de 50.

Na vila, uma colônia de origem italiana predominante, e eis que chega a hora da final, e não poderia ser mais emocionante e emblemática. Reúne Brasil e Itália.
A vitória foi brasileira por 4 a 1 numa antológica partida para a história dos mundiais. O estádio Azteca emociona o mundo e a taça Jules Rimet é, finalmente, nossa.

Até pode parecer pouco relevante, mas o fato é a magnitude desse pequeno grande evento marcaria, para sempre, minha trajetória e minha alma juvenil. A cada nova Copa reconstituo este passado, enriquecedor e pontilhado de lembranças. Doces lembranças!

 

por Alberi Cogo
jornalista – Reg. Prof. 8373

 

 

 

 

 

Crise dos panetones

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Sindicato dos Jornalistas vai cancelar, no final do ano, a assinatura do "Folhão", como chamam em Sampa, e vai assinar o Estadão. Estou dando isto em primeira mão... Presidente não gostou do artigo do César Benjamin...

 

 

 

 

 

Os egos inflados da salinha J.C. Terlera...

 

Trabalho aqui na salinha desde que ela foi inaugurada... mas este ano os "egos" estão super inflados. O Nelson, por exemplo, do factus e fhotus, deixa três telas abertas só pro seu blog... não diz nada das bocas dele, foi ver a Ivete Sangalo e nós aqui mortais, nada...

Um outro colega num dia anterior chegou aqui se exibindo que o chopp que tomara no Palácio Piratini, na festa de fim de ano dos jornalistas, tinha feito ele fazer muito xixi... tudo querendo se exibir que foram convidados pra isto, pra aquilo...

Já outra coleguinha chegou aqui toda ressabiada, ameaçando fazer uma crônica que iria "botar a Martha Medeiros no chinelo"... faz, então... mas para de te recalcar tanto...

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* o PUM do Assis...

Já que estamos em época de Copenhague e acusam os bois do Brasil de peidar muito e produzir muito gás metano, prejudicando a natureza, vou contar esta histórinha que o fotógrafo Assis Valdir Hoffmann contou dias atrás no serpentário. Uma vez ele vinha do interior onde fora fazer uma matéria pros veículos da Caldas Junior. O táxi era do comandante Ercilio Caleffi e ele tinha uma copilota (de Pelotas) que morreu com ele naquele acidente perto de Chapecó anos atrás...
O Assis mesmo dormindo deu um peido tri fedorento...
Quando ele tava se acordando ouviu o Caleffi dizendo pra copilota:

- Me dá o bom ar, me dá o bom ar....
O fedor no jatinho tava insuportável....

Assis fez que voltou a dormir de novo, malandramente....

 

O ronco do Assis

Em outubro de 1992 - foi bem na época em que o Collor de Mello foi cassado - levei o fotógrafo Assis Hoffmann comigo pra fazer uma reportagem pruma revista paulista. Andamos daqui a Santiago dentro de um ônibus da Marcopolo que o Expresso Mercúrio tava levando... Nunca ri tanto na vida...
O Assis vivia tirando sarro do motorista, seu Manoel Carabotta e de sua dona Maria, que ele apanhou no meio do caminho e levou junto pra explicar pra ela como era a vida de caminhoneiro...
Mas em Santiago ficamos num hotel tri chique, pequeninho, era uma casa antiga, transformada em hotel. Mas nunca me arrependi tanto de ter ficado no mesmo quarto. De noite o Assis roncava tanto que parecia uma patrola... rosnando... E eu com grana pra alugar um quarto pra cada um, que a Mercurio pagava...

Assis, nesta viagem, tremeu nas bases: os caras de lá iam alugar um helicóptero pra ele sobrevoar a Cordilheira dos Andes e fotografar a fila de caminhões que tinha esperando pra passar do outro lado dos túneis. Com medo dos ventos, Assis tirou o time de campo. Ali vi que o véio tinha era só fama, coragem muito pouco, ele só ia nas seguras...

 

O ronco do Tarso...

Indio Vargas conta que uma vez foi a Brasília com o Tarso de Castro e que este roncava tanto que ele pediu a suite presidencial do Hotel Nacional pra fugir do barulho do colega...

 

 

 

 

 

Crise dos panetones

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMITIVA GAÚCHA APRESENTA EM BRASÍLIA PROJETO DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO PARA COPA 2014

 

14 de dezembro de 2009 - O representante do BID no Brasil, José Luis Lupo, afirmou nesta segunda-feira, em Brasília, que a instituição poderá aprovar, no final de 2010, caso não haja restrições técnicas e constitucionais (ano eleitoral), a liberação de empréstimo para o Grupo Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) executar melhorias das instalações do sistema e da qualidade de fornecimento de energia elétrica na região metropolitana de Porto Alegre com vistas à da Copa 2014 do Estado.

Para tratar desse assunto, o secretário extraordinário da Copa 2014 do Estado, Paulo Odone, e o diretor-presidente do Grupo CEEE, Rubens Selinke, estiveram em audiência na terça-feira passada à tarde, em Brasília, com o representante do BID e também com o secretário de Assuntos Internacionais, Alexandre Meira da Rosa, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, onde entregaram a carta-consulta solicitando que a demanda seja incluída na primeira reunião da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex) em março de 2010. Mário Nogueira, da Representação do Rio Grande do Sul em Brasília, também participou da audiência.

A comitiva gaúcha entregou o projeto da CEEE: Pró-Energia RS, programa de expansão e modernização do sistema elétrico da região metropolitana e área de abrangência da companhia, que visa a fornecer infraestrutura de energia elétrica para a Copa 2014.
O valor total do investimento será de 408 milhões de dólares, sendo 60% financiado pelo BID (244 milhões de dólares) e 40% com recursos próprios da CEEE (164 milhões de dólares). "O programa de investimentos de geração, distribuição e transmissão é para cinco anos", afirmou Selinke.

Paulo Odone lembrou que a Fifa não admite falhas nem interrupções de sinal de energia elétrica nos estádios de futebol e nas áreas de imprensa, onde haverá transmissão da Copa do Mundo. "Precisamos aumentar a oferta de energia e melhorar a qualidade com a segurança de não haver falhas na transmissão". O secretário adiantou que a Copa das Confederações de 2013 será realizada no Brasil e servirá como teste para realização da Copa do Mundo de 2014.

O secretário de Assuntos Internacionais, Alexandre Meira da Rosa, que elogiou o governo Yeda Crusius "pela estupenda recuperação econômica do Estado", disse que a solicitação será analisada pela equipe técnica do Ministério do Planejamento e depois encaminhada para apreciação da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex).

 

por Edison Castêncio

 


Agência Edison Castêncio

 


Agência Edison Castêncio

 


Agência Edison Castêncio

 

 

 

 

 

Palácio Piratini: melhor iluminação...

 

Este ano a Governadora pode ter errado em muita coisa, mas na iluminação natalina do palácio Piratini ela acertou em cheio; certamente não foi um político que fez o projeto, mas um técnico em luz.

Foto de Alfonso Abraham

 


Alfonso Abraham

 

 

 

 

 

Crise dos panetones

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Esclarecimento sobre o pai de Assis Hoffmann

 

Ele faleceu no asilo São Francisco de Paula, em São Borja, mas segundo o Assis, "tinha abandonado a família quando eu (Assis) tinha dois anos"... Pronto, explicado então porque o filho foi tão ingrato com o pai...

 

 

 

 

 

Vozes Natalinas

 

Sábado retrasado, estando em São Borja (terra de mulheres bonitas uma barbaridade...), participei do pequeno-grande evento do DAC da Prefeitura realizado na av. Getúlio Vargas, ao lado do Museu do Jango. Alguns dos pequenos corais que cantavam ali, saíam depois para outro evento também natalino... que bom, tinha dois, então...

 

 

 

 

 

Carta do Luiz Oscar

 

Amigo Olides:

 

Ao enviar texto e fotos sobre a presença do navio Costa Mágica em Porto Belo (SC), acabei empastelando o texto.
Mas eu queria destacar é que em Porto Alegre na minha infância, navios de passageiros ou mistos de carga/passageiros, eram peresença comum no Portão Central do Cais do Porto. Eu os via semanalmente, pois meu avô Pedro Matzenbacher e a avó Olga moravam na Praia da Alegria, município de Guaíba e o único meio de transporte para visitá-los antes de 1960 era pelos barcos Santa Cruz e outros menores.
O embarque e o desembarque do 'vapor' Santa Cruz, aos sábados e domingos, era ao lado do Portão Central, antes mesmo da existência do Muro da Mauá.
Naquele tempo nenhum navio que visitava Porto Alegre, vindo do exterior, tinha as dimensões do Costa Mágica, mas era lindo ver o Santa Cruz ao lado daqules gigantes. Bons tempos em que se viajava de barco entre Guaíba e Porto Alegre. Regredimos, não é?

 

Abraços
Luiz Oscar Matzenbacher

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Tudo em paz (não será o espírito de Natal???) na salinha J.C. Terlera, da Assembléia Legislativa!!! No sábado casou uma das libras (apresentadoras) e a Rosa Loureiro, que cuida da na parte da tarde da salinha, até foi ao casamento... então é o que eu já aprendi na vida... não dá pra se meter em briga alheia... que sobra pra gente.

* O ex-prefeito Mansueto Serafini filho largou o microfone de vez. Já apresentou um programa numa rádio AM de Caxias, mas depois botaram ele numa FM.

- Aí larguei. Quando fazia um comentário na AM, todo mundo comentava. Na FM ninguém falava nada... diz o ex-prefa que agora está só na boa em Caxias...

* Quando era diretor da Trensurb, Serafini vivia recebendo "ordens" de Clóvis Jacobi. Um dia se irritou e disse umas que outras.
Aí o senador Carlos A. Chiarelli ligou pro Mansueto, que disse:

- Não recebo ordens de gente de fora da Trensurb!

E o Chiarelli dava risadas, lembra Mansueto...

 

 

 

 

 

A entrevista de Antônio Carlos Resende na Revista Press

 

A matéria de capa da última edição da Revista Press - sem data (!), nunca vi disso, mas de número 123 (será brincadeira?), que o Olides Canton me alcançou cortesmente (o Olides cortês, vejam só!) - é uma interessante entrevista com o escritor Antônio Carlos Resende, que foi loucutor comercial e de esportes das principais rádios de Porto Alegre e até da Rádio Nacional do RJ (embora já não estivesse mais nos seus áureos tempos).

 

Destaques da entrevista:

- referências iniciais a como era o rádio em Porto Alegre em meados do século passado, inclusive com o registro de nomes que foram importantes na época e que, atualmente, ninguém lembra mais;

- que a Guaíba, do (falecido) Breno Caldas, sempre deu um banho na Gaúcha do (falecido) Maurício Sobrinho (hoje em dia é mais conhecido por Maurício Sirotsky) - a Guaíba transmitia em 50 quilowatts na antena e a Gaúcha operava com apenas 5 KW (comentário do blogueiro: mas quem tinha a maior potência e, consequentemente, alcance era a Farroupilha, que operava com 100 kw e tinha um canal internacional, que depois, quando os Sirotsky a compraram, passou para a Gaúcha);

- o show que a Guaíba deu na Gaúcha nas transmissões das Copas do Mundo de 58 e 62, transmitindo direto, com seus próprios locutores, enquanto a Gaúcha ia na carona das rádios do Centro do País;

- a avaliação que faz sobre as personalidades e o estilo de narração dos principais locutores esportivos da época (Mendes Ribeiro e Pedro Pereira) em Porto Alegre;

- a morte súbita que liquidou com o Departamento de Esportes da Gaúcha em 1969, ficando todos locutores, repórteres e comentaristas desempregados - o Maurício, na verdade, deixou a Gaúcha no limbo durante vários anos, dedicando-se mais à TV e ao jornal, de modo que a rádio só voltou com força quando o Flávio Alcaraz Gomes assumiu o comando, depois que saiu da prisão - o Flávio sempre foi craque no rádio;

- as observações sobre os estilos de narração dos principais locutores esportivos do País na época em que havia excelentes narradores de futebol;

- a avaliação sobre os atuais locutores, tanto os gaúchos como os "de fora" (leia-se Rede Globo), onde não sobra para ninguém;

- a revelação do impacto das promoções da RBS na indústria cultural (com promoção, os livros vendem, sem promoção, vendem uma mixaria);

- reveladoras entrelinhas sobre a situação e condições de trabalho da TV pública do Estado;

- revelação de como uma boa amizade com um governador serve para arranjar um bom emprego no Estado;

- revelações sobre como o entrevistado realiza o trabalho de escritor; as fontes de inspiração, as influências, as implicações;

- lembranças sobre Garrincha, Pelé e Zico, com pertinentes observações;

- justas e agradáveis referências a Paulo Hecker Filho, uma personalidade hoje totalmente desconhecida, ou o grande intelectual gaúcho que poderia ter sido e nunca foi, ou não deixaram ser pois era bom demais;

- uma preciosidade: ao responder à pergunta sobre se existe jornalismo isento, ele responde que "Não, isso não existe. É coisa inventada pelo Breno Caldas para não se comprometer, mas dominava o Estado";

- outra preciosidade: "Os caras temiam o Breno Caldas, até que ele se ralou com o Amaralzinho" (na verdade, a coisa não foi tão simples assim, não foi só o Amaralzinho que ralou o Breno, conforme se lê no livro do Galvani Silveira e por informações em 'off' que se tem; a derrocada do impéro Caldas Júnior deveu-se a vários fatores adversos, alguns endógenos e outros exógneos à empresa - endógenos e exógenos, huuum...);

- a revelação de um aspecto que eu desconhecia da personalidade de Guimarães Rosa.

Resumo da opera: afora alguns equívocos, muito bons os pontos de vista (parece que agora não tem mais hífen) do entrevistado.

Todavia, quanto ao escritor em si, apesar de uma certa inventividade na composição dos personagens e das tramas, na minha opinião, no trato da linguagem ele não chega nem perto, por exemplo, de um Sérgio Jockyman (só para citar outro escritor gaúcho e da mesma geração etária e cultural).
Mas a entrevista é uma boa leitura para a velharada do Serpentário. Portanto, corram às bancas (se é que a Press é vendida em bancas) ou consigam de cortesia com o Olides.

 

(Texto e foto de Lauro Dieckmann)

 


Lauro Dieckmann

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Sindicato dos Jornalistas está pensando em fazer uma coluna de Ombudsmann no seu jornal Versão pro ano que vem... tomara que o façam...

* Guaíba FM está realmente mudada... outro público... dizem que tem chegado muito convite de enterro pra rádio de ouvintes descontentes com a nova programação. Isto sempre me faz lembrar o velho e saudoso Maurício Sirotsky um dia que o ingênuo do Florianão Correa foi lhe pedir pra colocar mais matéria no lugar de anúncios:

- quando eu e o Jaime estávamos na Ladeira (no cartório de protestos de títulos) o povo não foi lá nos ajudar. Agora que ouçam anúncios, dizia o velho Maurício...

* E a " Meméia ", hein, ponteando as pesquisas pro Senado!!! E isto que dizem que ela é "antipática" - imagine se ela fosse simpática!

* Dizem as bocas bem informadas que o "Gente da Noite" da TV Com, Tatata Pimentel , e o Miguel da RBS TV não se bicam muito... será briga de egos inflados?

* Miguel, da RBS TV, apresentava o Hip Hop na TVE... quem o levou pra RBS TV foi a Alice Urbim...

* E o Lasier Martins, hein, atrás da Meméia na pesquisa pro Senado... pra desgosto do Mazzarino "Guaxo" de Encantando!

 

 

 

 

 

Rigotto, que é candidato ao Senado,
nunca ganhou eleição pra prefeito de Caxias...

 

Duas vezes o ex-governador Germano Rigotto tentou ser prefeito de Caxias do Sul, sua terra natal. A primeira em 1988, quando perdeu pra Mansueto Serafini Filho (que fora prefeito eleito em 1976) por uma diferença de quase 13 mil votos. A segunda derrota de Rigotto a prefeito de Caxias foi em 1996, quando perdeu pro seu primo Pepe Vargas(PT) numa eleição super disputada. A diferença pró-Pepe foi mínima...

Quando perguntavam ao prefeito Serafini Filho porque Rigotto ganhou a eleição em 2002 ao governo do Estado e perdeu duas em Caxias, irônico, o prefeito dizia:

- É que aqui já o conheciam. No restante do estado, não!

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Com esta barulheira toda que o Bicudo fez sobre o JÁ, o que os coleguinhas mal informados comentam é que o JÁ está sob intervenção... não é bem isto, mas vamos lá...

* Laura Peixoto, a blogeira mais famosa do Vale do Taquari, manda dizer que "adora minhas histórias...." Pronto, agora o Lauro (Dieckmann vai ficar um mês amuado com ela...)

*Que bom que a Laura tocou no assunto do Gabriel Mallmann. Ouvi tantas histórias a seu respeito quando fiz o livro do EFC que quase desviei a rota, e escrevi um livro sobr o ex-prefa e ex-deputado. Uma das acusações que fizeram ao Gabriel é que ele tratava muito bem os jogadores do Estrela; mandava dar carne de primeira quandos os alemães de lá, tri racistas como são, queriam que os jogadores comessem era carne de pescoço (literalmente)...

* Não sei se a Laura tem conhecimento disto: mas em 1976, quando Geisel foi a Estrela, como presidente, o Mallmann que era candidato a prefeito não cedeu o horário eleitoral pra aquela cupinchada da ARENA transmitir ao vivo a presença do presidente da "lenta, segura e gradual anistia" no porto local durante a inauguração do roteiro rodohidroferroviário... ou do porto, era por aí. Geisel marcou na paleta o Gabriel que depois vencendo a eleição foi tratado a pão e água pelo Planalto...

* Geisel não é de Estrela, é de Bento. Quem é de estrela era sua esposa...

 

 

 

 

 

Rosana Hermann: dez anos na blogosfera brasileira

 

A blogueira e apresentadora Rosana Hermann, gerente de criação e produto do R7, um dos maiores portais da internet brasileira, descreve através de sua própria história o desenvolvimento da blogosfera brasileira.

 

No último ano do século 20, registrei um domínio na internet e abri um site chamado Farofa. A ideia do Farofa surgiu porque o site tinha como objetivo ser um complemento, não um prato principal. O Farofa cresceu, recebeu propostas comerciais e, em poucos meses, passei a escrever profissionalmente para a internet.
Um dos canais do site era uma crônica diária chamada Querido diário, que logo foi renomeada para Querido Leitor.

Escrever no site era uma operação complexa. Para fazer as páginas era preciso ter programas específicos. Depois de prontas, as páginas tinham que ser enviadas para um servidor, através de um "upload". Esses programas ficavam no meu computador (Dreamweaver e FireFTP) e eu só podia atualizar o site quando estava em casa.
Manter a "farofa" quentinha era uma missão quase impossível e exigia esforço hercúleo para fazer jus à promessa de oferecer não só a farinha como também garantir o "n'ovo" na web.

No começo do ano 2000 conheci uma nova ferramenta de publicação de páginas chamada blog. O termo "blog" veio de "weblog", o livro de registros (log book) da navegação pela web, numa analogia à navegação marítima e aos diários de bordo.

O blog, baseado na própria internet, permitia a atualização a partir de qualquer lugar. Bastava entrar na internet, fazer "login" e subir posts para o blog.
Parecia um pergaminho eletrônico que se desenrolava diante dos nossos olhos.
Aquilo parecia mágica, um grande progresso, tão importante quanto o surgimento do telefone celular, que deu mobilidade ao antigo telefone fixo. Aderi ao sistema de blogs carregando ainda a dúvida: um blog para o Farofa ou um blog para o Querido Leitor?
Fiz dois. A farofa, o vento levou. Já o Querido Leitor fincou sua bandeira no território do meu coração. Entrei para o século 21 com a palavra blogueira cravada na testa. E tatuada no peito.

Aprendi a enviar mensagens de texto, áudio, vídeo e fazer streaming ao vivo, tudo pelo celular. Passei a levar meu netbook na bolsa, com WiFi e modem 3G, tudo para ficar em contato permanente com o blog. Quase uma década fazendo o primeiro post do blog antes de tomar o café da manhã. Muitas vezes levantei da cama porque havia me esquecido de dizer boa noite aos leitores. Foi através dos blogs que conheci amigos, fiz viagens, aproveitei oportunidades, consegui trabalho, ganhei prêmios.

Além do meu espaço pessoal, conheci blogs de jornalistas, atores, cidadãos, ativistas,
políticos, humoristas. Vi pessoas com mais de 80 anos redescobrindo a vida nos blogs. Conheci um motorista de táxi que fotografa a cidade para fazer posts. Acompanhei campanhas de doação de órgãos, apoiei movimentos ecológicos, participei de flashmobs. Adotei a Laika, minha cadela vira-lata querida, através de uma amiga que conheci na blogosfera. Recebi e enviei presentes. Criei promoções, dei prêmios, fiz uma biblioteca com livros doados para Maria, que trabalhava como caixa de um supermercado no bairro onde moro. Mais recentemente, fui a Bonn para receber o honroso prêmio The Bobs 2009 em nome do Querido Leitor, premiado como melhor weblog em língua portuguesa. Como diria Roberto Carlos, são tantas emoções.

Ao fechar a primeira década dos anos 2000, podemos dizer que a principal "revolução" dos blogs foi a reflexão ampla e irrestrita gerada a partir desse novo tipo de publicação cidadã, a informação direta e pública, sem intermediação. Os blogs mudaram a linguagem dos textos online, aproximaram-se dos leitores, desenvolveram o diálogo através dos comentários.

No Brasil, o papel das redes sociais é essencial. No Orkut, por exemplo, o Brasil está em primeiro lugar em número de usuários no mundo. O site, uma rede de relacionamentos, disputa com o Google o primeiro lugar como o mais acessado em nosso país. Se você entrar em qualquer LAN house, centro comunitário com acesso à web ou mesmo em ambientes de trabalho, escola, certamente você encontrará pessoas acessando o Orkut.

Os blogs também têm grande destaque. A blogosfera brasileira tem hoje poder equivalente a grandes portais de mídia. Hoje, um blog individual pode pautar grandes emissoras de televisão. Os exemplos são muitos e vão desde vídeos de humor que ganham destaque em redes de televisão nacionais até movimentos políticos que resultam em movimentos que chegam até as ruas.

Entre os blogs influentes eu citaria: Blog do Noblat, Blog do Milton Jung, Pensar Enlouquece, Contraditorium. No Brasil os blogs de humor são os recordistas de visitas, como é o caso do KibeLoco.

O processo está longe de se esgotar. Ao contrário. A cada dia, mais e mais artistas, políticos, ONGs, cidadãos comuns, aderem aos blogs. No ano de 2010, ano de eleições, vamos presenciar este novo fenômeno, a presença forte de candidatos e campanhas em blogs e redes sociais na internet.

Para nós, brasileiros, é um triunfo. Quanto mais informação e mais transparência, mais diálogo e, consequentemente, mais democracia.

Ao ver o final do ano de 2009, quase saudando a chegada de 2010, vejo a primeira geração de blogs chegando à puberdade, prontos para a idade adulta. Ainda há muito para ser vivido, aprendido e descoberto.

Hoje, sou blogueira profissional. Mas continuo sendo passional como antes. Postando antes do café, dizendo boa-noite antes de dormir, compartilhando descobertas e aprendendo com os leitores. Sempre mantive a mesma paixão. Porque sem paixão pelo blog não há publicação. Ou, para ser fiel a origem do termo weblog, sem paixão, não tem registro.

 

Rosana Hermann é escritora, roteirista, apresentadora de TV e uma das mais populares blogueiras brasileiras. Em 2008, ela ganhou o prêmio BOBs na categoria Melhor Blog em Português. Ela estudou física nuclear e jornalismo. Trabalhou paras as redes de TV SBT, Rede Globo e Band. Atualmente, ela é gerente de criação e produto do R7, um dos maiores portais da internet brasileira.

 

 

 

 

 

MEU AMIGO DETTI

 

Eu tenho um amigo em Bento Gonçalves, que chamo pelo apelido de Detti.
Como hoje ele é um grande e vitorioso empresário na área de transporte de cargas e como eu não vou querer identificá-lo na historinha que vou contar dele, vou só chama-lo pelo apelido.

O Detti como eu é neto de imigrantes italianos. Crescemos juntos em Bento. Estudamos no Colégio Nossa Senhora Aparecida.

O Detti não tinha uma vida muito fácil. Assim que terminava a aula, corria para casa, ou melhor, para o sítio que o seu pai tinha, e começava a trabalhar com os irmãos na roça ou na criação de galinhas e porcos, que o chefe da família vendia todas as manhãs na cidade. Modesto, carregava tudo em uma pequena carroça, puxada por uma velha mulinha, já caindo aos pedaços. O tempo passou e uma graninha entrou no orçamento da família.
Foi comprado então um velho “fordeco” que tinha pequena carroceria onde a carga da colonia passou a ser transportada.

O Detti, aí já com uns 16 ou 17 anos, começou a dirigir escondido do pai o velho carrinho. Passado mais uns tempos, deu para comprarem um caminhão já usado e que ficou sob o comando do Detti, que então passou a vender uvas, galinhas, porcos, nas cidades vizinhas como Garibaldi, Carlos Barbosa, Veranópolis e arredores. O caminhão servia também para nos fins de semana carregar o nosso time de futebol, que jogava um bolão, e servia também, quando o Detti estava de bom humor, para nos levar para a zona, ou mais precisamente para a casa da Dona Zica, na época a grande cafetina de Bento.

O Detti tomou gosto pelo que fazia e logo, logo comprou um caminhão mais incrementado. Comprou o segundo, o terceiro, e hoje tem uma das maiores frotas de caminhões de transporte de carga frigorificada do país.

Hoje eu vejo o Detti muito pouco, mas continuamos grandes amigos.

Em 1982, deixei as Empresas Bloch. Eu fui contra a entrada do grupo na área de televisão. Perdi a guerra e dei uma de macho, pedindo demissão do emprego.
Perdi o emprego, mas infelizmente vi aquele império desmoronar. Nós eramos gráficos e não entendiamos nada de televisão. Mas isso é outra história.

Desempregado, corri para Brasília. Fui convidado para ser o homem de imprensa do Ministério dos Transportes, que tinha como Ministro o Cloraldino Severo, um gaúcho bom de Uruguaiana (pô, foi brabo o que eu tive de aguentar do Olides Canton, então repórter da Zero Hora e que achava que entendia de tudo sobre o Trensurb e rodovias do sul.)

O Cloraldino viajava muito. Tinha realmente o controle de tudo o que se passava na sua área. Corrupção com ele, nem pensar. Eu vi ele mandar prender um diretor do DNER que resolveu fazer uns "cálculos errados"...

Num sábado, bem cedo estávamos em Recife. Ficamos hospedados em um hotel que estava em frente ao mar na avenida Boa Viagem. Como o nosso compromisso só seria à tarde, resolvi descer e dar uma caminhada pela praia.

Caminhava tranquilo, pensando nas saudades que eu tinha do Imbé, quando vi a alguns metros de mim uma figura que eu tinha certeza de que conhecia. Não errei.
Era o meu amigo Detti, que como todo bom bentogonçalvense que vai à praia de mar, a primeira coisa que faz é rolar na areia e ficar parecido com um bife a milanesa. Dizem que é para não ficarem parecidos com camarões.

Quando o Detti me viu, foi uma festa. Ele tinha um isopor cheio de gelo, com garrafas de champagne do nosso amigo Airton Giovanini, que fabrica uma das melhores champanhes do país.

Sentei com ele para conversar e matar a saudades de Bento. E é claro que o assunto foi a mulherada que desfilava na nossa frente. Ele se queixava, dizendo que no nordeste não tinha mulher bonita como nos tínhamos no sul. A conversa foi se alongando e chegou perto de nós o homem de imprensa do governo pernambucano. Um cara simpaticíssimo, muito educado e competente, que era meu amigo.

A conversa voltou para a mulherada. Aí, já fiquei com medo, pois o Detti sobre o assunto não era muito confiável. E não deu outra. O Detti falava sobre as moças que passavam na nossa frente e baixava o cacete. Lá pelas tantas, vinham cinco moças caminhando na nossa direção, quando o Detti não teve dúvidas e mandou brasa: "porca miséria, olha só que bagulhada aquelas ali". O meu amigo educadamente, em voz bem baixa, deixou escapar entre os dentes: "aquela que está na ponta é a minha irmã..."

O Detti não deixou a bola cair e emendou: "mas, bah, tchê! Tu sabe que aquela ali era a unica que eu comia..."

Eu tive vontade de me jogar no mar. O meu amigo, que hoje é Ministro do Tribunal de Contas, levantou-se discretamente e foi saindo de mansinho, alegando que tinha um compromisso muito sério naquele horário.

Quatro semanas atrás fui a Bento, mas não vi o Detti. Foi bom, porque ainda tenho vontade de matá-lo. Aí fiquei sabendo que hoje, ele todo poderoso, acompanha o movimento de suas cargas, pelo alto. Tem um jatinho e cuida lá de cima a viagem da sua gigantesca frota.
Me disseram que continua não entendendo nada de mulher. Ele continua mesmo, entendo e muito, de caminhão de carga...

 

PS: estive na semana passada em Recife e como não podia deixa de ser, fui todas as manhãs à praia.
Pô, o Detti tem razão. As mulheres de Pernambuco que me perdoem, mas como são feias...

 

por Sérgio Ross

 

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Quase 300 jornalistas almoçaram na Fiergs dia 8/12 no evento de final de ano...

* Será no dia 13/01/2010 o evento do Geraldo, mais conhecido como o churrasco da Borracha... é sempre no Barranco, vamos ver se este também será lá...

* No ano passado deu confusão porque "alguém" pediu um vinho muito caro... vamos ver se este ano haverá restrição de preço no vinho... pô, porque jornalista não pode beber vinho caro? Ou então este vinho caro pode ser bebido somente por alguns jornalistas?
Não pelos outros... é que tem gente que se acha mais que os outros... né...

* Lauro Dieckmann vai participar no debate dos direitos autorais dia 22/12 no sindibancários, promoção dos sindicatos dos jornalistas...

 

 

 

 

 

Ecos do Prêmio ARI de Jornalismo

 

* Quando chamaram o Carlos Bastos pra entregar prêmios lhe conferiram o status de Superintendente de Comunicação Social da ALE. Hoje o titular do cargo é o jornalista Celso Augusto Schoreder, que está em Brasília, na conferência de comunicação...

* Cena hilária entre o presidente do sindicato dos jornalistas Nunes e o Periclo da rádio Gaúcha. Este último tem dois metros de altura, deve pesar uns 150 kg... o nunes é baixinho... um entregando o prêmio pro outro...

 

Destaques:

1) Foram inscritos 177 trabalhos.

2) O auditório Dante Barone estava semiocupado. Nos outros anos tinha mais gente.

3) Ayres Cerrutti, o " Almirante" Verdi, Ercy Torma, e Batista Filho fizeram o papel de mestres de cerimônia...

4) Quando o repórter Andrei Rossetto, do SBT, foi receber seu prêmio, o Carlos Bastos comentou: "quando eu estava na TVE, ele um dia sonhou que eu tinha morrido.
Veio me contar todo preocupado. Eu o tranquilizei: Andrei isto é bom, tu ter sonhado com minha morte é bom". Aí a maldade do Bastos foi cruel:

- Mas vem cá, Andrei, me diz uma coisa: neste teu sonho tinha muita mulher bonita chorando em volta do meu caixão???

 

 

 

 

 

Prêmio ARI de jornalismo: a noite da choradeira.

 

Foi uma noite de choro, o da segunda, dia 14/12, no auditório Dante Barone.
Era a noite da entrega dos prêmios ARI de Jornalismo, mas foi uma chiagem só...

Começou com o Bicudo (Elmar Bones) quando lhe foi entregue o prêmio pela matéria "O alvo é a orla". Ele desfilou um rosário de queixas sobre o Judiciário por ter sido condenado a pagar uma indenização por causa de uma matéria que publicou em 2001...

A outra parte da choradeira foi com o Antônio Cioccari (TVE) quando foi receber o prêmio de uma matéria. Desfilou um discurso de pastor (nada a ver com representantes do Correinho e da Record que foram receber seus prêmios...); ladainha daqui, ladainha dali, terminou por constranger a própria Secretária de Estado, Mônica Leal, que representou a governadora Yeda Crusius no evento. É que o prédio da TVE foi comprado pelos Correios.
Havia uma dívida com o INSS, e agora o terreno foi comprado pelos Correios...
Cioccari pediu a Monica Leal pra não deixar os funcionários da TVE sem teto...

Teve até choradeira quando os funcionários da Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul, foram receber um prêmio sobre os 200 anos de Rio Pardo...

- Rio Pardo que já foi próspera, agora está abandonada...

É, foi uma noite de choro.....

 

 


Alfonso Abraham

 

 


Alfonso Abraham

 

 

 

 

 

Crise dos panetones

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MARÉ MANSA: NAVIO Costa Mágica DESEMBARCA 4 MIL TURISTAS EM PORTO BELO.

 

por Luiz Oscar Matzenbacher,
Porto Belo (13/12/2009)

O transatlântico Costa Mágica, da empresa marítima internacional MSC, com mais de 200 metros de extensão e 86 de boca, e nove andares, chegou ontem à Enseada da Encantada, em Porto Belo (SC), com quatro mil turistas brasileiros e estrangeiros e mais 1.300 tripulantes a bordo. Essa é a terceira escala do Costa Mágica em Porto Belo nessa temporada 2009/2010, na qual estão programadas 43 escalas copme cerca de 86 mil turistas ao total.

 

Fotos da assessoria de imprensa da prefeitura local.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

José Alencar recebe homenagem e carinho em Brasília.

 

O Vice-presidente da República José Alencar foi homenageado pela Câmara Brasileira da Construção, em jantar festivo, no Clube de Engenharia de Brasília, quando recebeu o abraço fraterno de inúmeros amigos de todo o Brasil. O Rio Grande do Sul trouxe seu carinho através do ex-Ministro Luiz Roberto Ponte (foto), amigo de longa data e jornadas de companheirismo na democratização e desenvolvimento do país.

 


Agência Edison Castêncio

 

 

 

 

E OS 50 ANOS DE BRASÍLIA?

 

A turma aqui em Brasília anda meio assustada com o cinqüentenário da Capital do país. Acham que o Arruda, que está metido nessa confusão toda até a raiz do cabelo, gastou todo o dinheiro da festa comprando "panetones" para os pobres e que não tem dinheiro para o ano que vem.

Mas podem não acreditar, como eu também não acreditei, quando fiquei sabendo que o vice governador, Paulo Octávio, que também pegou uma graninha das boas nessa história toda, convocou uma entrevista coletiva para informar que os festejos do cinqüentenário não serão prejudicados pela zorra que acontece hoje em Brasília.
Disse o Paulo Octávio que as negociações para vermos, num palco monstruoso aqui na Esplanada dos Ministérios, os famosos Roberto Carlos e Paul McCartney cantando juntos, continuam de pé e que existem grandes chances disso acontecer.
O vice governador, cheio de "moral", contou ainda que a iniciativa privada (graças a Deus...) deverá arcar com 100% das despesas dos shows e que as negociações estão já quase concluídas, ou seja, já estão em 90% acertadas.
Segundo uma fonte do Palácio do Burití, o governo e os empresários entenderam que esta festa nada tema ver com política, até porque não sairá um centavo dos cofres do GDF (Governo do Distrito Federal) para as contratações dos artistas e outras despesas da festa.
E vocês aí no sul gozando a gente...

 

por Sérgio Ross

 

 

 

 

33 anos sem Jango

 

“Sob a miséria do povo não se constrói a paz social”

(João Belchior Marques Goulart)

 

A semana que passou foi marcada por homenagens à memória de meu avô João Goulart em praticamente todo o Rio Grande do Sul.
Peço permissão ao leitor para, ao menos neste texto, referir-me ao Presidente João Goulart apenas como meu avô.

Em São Borja, na Fronteira Oeste, na Capital e em muitas cidades, seu sacrifício em prol da pátria foi saudado com reverência.
Sem dúvida, um herói da República, a quem, gradativamente, o Brasil reforça o reconhecimento ao seu legado político reformista.

Jango foi um injustiçado. Um líder de vanguarda.
Um fazendeiro próspero de São Borja, que teve a coragem de contrariar os interesses econômicos de sua própria classe ao propor uma reforma agrária capitalista em nosso país. Mas ele foi além.
Seu projeto de nação, amparado nas reformas estruturais e institucionais do Estado brasileiro, visava uma mudança profunda na concepção de interesse público.

Meu avô sonhou que, para lograr um desenvolvimento soberano em nosso país, com reais chances de ser considerado “primeiro mundo”, uma consciência coletiva deveria ser aplicada na prática.
Por isso transcendeu ao discurso e ousou comprometer-se publicamente com as conhecidas reformas de base, no maior comício registrado na história nacional, em 13 de março de 1964.
Sonhou com a efetiva justiça social, contrariando interesses das elites dominantes que mandam até hoje no Brasil. Morreu pela pátria, na solidão do exílio, no dia 6 de dezembro de 1976.
Não é pouca sorte lutar e morrer pela pátria, em busca da realização de um sonho libertário.

Passados 33 anos do assassinato de meu avô no exílio – ele começou a morrer lentamente quando foi forçado a deixar sua terra natal – saudamos a sua luta. Esse é o nosso compromisso.
O legado de meu avô não será em vão. Podem ter silenciado sua voz, através de sua morte programada por uma conspiração dos serviços secretos do Brasil, Uruguai, Argentina e Estados Unidos, mas jamais calarão o sentimento transmitido de geração para geração.

Sua lição transforma-se em caminho a ser seguido, neste momento tão singular da perda de valores éticos e morais que atravessa o nosso país. Momento de tantos exemplos negativos para as novas gerações, descrentes dos políticos e sem esperanças, que não conheceram o passado dos que, como meu avô, tombaram no caminho da liberdade, democracia e justiça social.

Por tudo isso reafirmamos nosso pacto de continuar lutando por um país que ofereça oportunidades iguais a todos os brasileiros.
Continuamos a escutar a voz de Jango! Jamais esqueceremos as palavras pronunciadas por meu avô, no comício do dia 13 de março de 1964:

“... quero dizer que me sinto reconfortado e retemperado para enfrentar a luta que tanto maior será contra nós quanto mais perto estivermos do cumprimento de nosso dever.”

 

Jango Vive!

 

por Christopher Goulart,
Presidente da Associação Memorial João Goulart

 

 

 

 

Confirmada a venda do prédio da TVE para a EBC.

 

O secretário Estadual da Administração, Elói Guimarães, confirmou, em reunião realizada na manhã desta segunda-feira (14/12), na Câmara Municipal de Porto Alegre, que o governo do Estado não tem interesse na aquisição da área que abriga a TVE e a FM Cultura. Elói informou, ainda, que até 31 de março as emissoras da Fundação Piratini deverão deixar o local. Acrescentou que trata-se de uma decisão de governo, de utilizar os seus próprios imóveis. Anunciou que muitos prédios estão sendo analisados para servirem de sede para a TVE e FM Cultura.

No encontro, o chefe de Serviços Administrativos do INSS, Luís Cândido, observou que as negociações com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) estão praticamente concretizadas. O valor da área está estimado em R$ 4,7 milhões. Atualmente, o gasto com aluguel é de R$ 24 mil mensais. Destacou que muitas tentativas de negociação foram feitas, mas que o governo do Estado não apresentou imóveis que pudessem interessar ao INSS.

O presidente da Câmara, vereador Sebastião Melo (PMDB), está solicitando uma agenda, em caráter de urgência, com o chefe da Casa Civil do governo do Estado, Otomar Vivian. "A Câmara não pode se omitir, precisamos encontrar uma solução. Neste momento, o nosso partido é a TVE", salientou. Já o deputado Adão Villaverde informou que está sendo buscada uma saída para o impasse. Disse que embora o ministro das Comunicações, Franklin Martins, tenha lhe confirmado a compra da área pela EBC, existe a possibilidade da TVE permanecer no local. Lembrou que o Rio Grande do Sul é o único estado que não assinou, até o momento, contrato de parceria.

A reunião, solicitada ao presidente Sebastião Melo pelo Sindicato dos Jornalistas e Sindicato dos Radialistas, para tratar do assunto, reuniu os vereadores Adeli Sell (PT), Ervino Besson (PDT), Sofia Cavedon (PT), Haroldo de Souza (PMDB), Airto Ferronato (PSB), Maria Celeste (PT), Luiz Braz (PSDB), João Dib (PP), Mauro Pinheiro (PT) e Aldacir Oliboni (PT), e os presidentes José Nunes, do Sindicato dos Jornalistas, Antônio Édisson Caverna Peres, dos Radialistas, Délcio Black e Maria Inês dos Santos Senna do INSS, além de funcionários da TVE e da FM Cultura.

 

 

Manifestações

 

Durante as manifestações, o presidente do Sindicato dos Radialistas, Antônio Édisson Peres, queixou-se da falta de diálogo do governo do Estado e frisou que a TVE e a FM Cultura não pertencem a governos. O presidente do Sindicato dos Jornalistas, José Nunes, também criticou a forma como o governo vem conduzindo o assunto criando uma situação de incertezas quanto ao futuro. Alexandre Laud, do Conselho da Fundação Cultural Piratini, disse que a forma de agir do governo demonstra desinteresse com a instituição. Segundo ele, os investimentos nos dois veículos de comunicação são insignificantes, sendo o início da extinção.

A vereadora Sofia Cavedon também criticou o desinteresse do governo e enfatizou que "o Estado não pode operder esses dois equipamentos públicos de comunicação". Haroldo de Souza questionou por que os funcionários da TVE e FM Cultura não foram consultados, e criticou a transferência para áreas que não sejam próprias para as emissoras. João Dib lembrou o valor histórico dos prédios que abrigaram a primeira emissora de TV do Rio Grande do Sul. Também Airto Ferronato observou que a transferência não é a melhor solução.

 

por Vítor Bley de Moraes (reg. prof. 5495)

 

 

 

 

BRIZOLA: UMA HISTORINHA E UMA RECEITA.

 

Brizola era muito amigo do Carlos Chagas. Nos últimos anos, antes de morrer, sempre que vinha à Brasília, dava uma chegada no nosso escritório para bater um papo. Não pedia conselhos, mas só queria saber o que o Chagas pensava de determinados assuntos.
Eu algumas vezes ficava ouvindo o papo dos dois.
Certa ocasião ele contou a seguinte história: no auge da Legalidade, ele mandou colocar ao redor e no terraço do Piratini, sacos de areia e metralhadoras (dias atrás vi uma foto no Correio do Povo mostrando isso); não satisfeito mandou, sem consultar ninguém, colocar também sacos de areia e metralhadoras na torre da Catedral.
O Dom Vicente Scherer ficou puto da cara, já que na época não estava muito favorável ao movimento dos gaúchos ou mais precisamente do Brizola. Foi então caminhando até o Piratini para falar com o Governador. Na saída, os coleguinhas cercaram Brizola para saber que conversa ele tinha tido com o Dom Vicente. Brizola contou então que o Dom Vicente tinha ido até ele para se solidarizar com o movimento legalista...

Brizola contava essa historia e achava muito engraçada.
O Chagas me lembrou da historinha dias atrás quando escrevia num dos seus artigos, a luta dos gaúchos pela legalidade.

Em uma outra visita do Brizola ao Chagas eu tinha na véspera tomado uns guaranas a mais e estava ruim do estômago.
Como eu não estava com uma cara boa, ele me perguntou o que eu estava sentindo. Contei que estava enjoado.
Ele me receitou então uma fatia de melancia. Mandei comprar imediatamente meia melancia.
Comi um belo pedaço e, como por milagre, fiquei curado.
Hoje tenho sempre na minha geladeira algumas fatias da fruta para caso de uns guaranás me fazerem mal... sbandonei o Sonrisal, o Sal de Fruta e outros remédios para curar ressacas.

 

por Sérgio Ross

 

 

 

 

Da série "Fotos que ninguém tira".

 

Aí vão alguns aspectos do centro de Porto Alegre num domingo de fim de primavera.
Em que pese o consenso de que o centro está morto, na verdade não é nada disso.
Tem muita vida, sim.

O que ocorreu é que, porque os gênios-da-raça da Prefeitura resolveram desestimular o acesso ao centro, a partir do governo Vilella, a área tornou-se reduto da população de renda mais baixa (os "ricos" foram para Chácara das Pedras, Higienópolis, Praça da Encol, como é o teu caso, etc...).

No domingo passado (06-12) o centro revivia os velhos tempos em que os grandes jogos do Colorado (argh!) galvanizavam a atenção do povão. Desde cedo, os torcedores do Inter (xô, Satanás!) se deliciavam em cevinhas geladas esperando a transmissão pela TV, ocupando as mesas dos bares das redondezas. Povo pobre, mas, enfim, feliz e esperançoso. Para flagrantes como estes, os "hijitos" da vida e demais coleginhas, esnobes como são, não dão a menor pelota. Talvez também seja porque não dá "plata".

Texto e fotos de Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 


Lauro Dieckmann

 

 

 

 

Carla do Lauro Dieckmann!

 

Coloquei um 'post' sobre o caso 'Já-Bicudo' no meu blog de mídia, além de outras cositas mais. Andava meio parado porque estava deslumbrado com as facilidades do meu celular novo, mas agora voltei a dar atenção aos blogs.

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* A Laura Peixoto blogueia meu livro sobre o EFC e junta outros dados do ex-prefeito Mallmann. No verão de 1976, eu fui a Rainha do Mar fazer uma entrevista com o senador do MDB, Pedro Simon. A sua primeira mulher, Tânia Schanan era viva... lembro que tinha uns caras do MDB por lá e que ouvi o Simon comentando com um deles:

- Temos que ver um bom advogado pro Mallmann...

Eram os rolos do prefeito de Estrela que preocupavam o cacife do "velho MDB de guerra" como Simon gosta de chamar o partido que preside...

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Affonso Ritter, com aquela sua "sutileza" de elefante, dia destes elogiou no Jornal Gente, na Band AM, o doce de leite CONAPROLE...

Logo no programa que é patrocinado pela PIÁ...

O Osiris Marins, que media o programa, queria se botar na jugular do PADRE!

 

 

 

 

Esta quem conta é o fotógrafo Assis Valdir Hoffmann

 

Logo que seu colega Hajimu Hirano casou com a Ceci (hoje estão separados), ele perguntava:

- Hirano, como é a Ceci???

E o japa respondia:

- Assim ó, fininha, fininha...

 

Serpentário em estado de beligerância...

O serpentário não se aquietou... A mesa onde se reuniam os jornalistas está em quezília... O Nelson Moura não se junta mais a um colega... dias destes romperam os pratos porque o cara vivia pentelhando o Moura... por causa do que tinha gasto com isto, com aquilo...

 

 

 

 

Natalinas...

 

Sem me dar conta, o período pré- natalino (o da hipocrisia) quase passou... arggg...

Mas aguardo outra crônica triste de natal da colega Rosane de Oliveira, igual ou melhor da que ela escreveu no ano passado, que foi magistral. Chamava-se: porque não gosto de natal...

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Deputado Cássia Carpes(PTB) regressou no domingo, dia 6/12 de São Borja. Não ficou nem pra sessão solene em homenagem a Jango...

* Núbia Salete Silveira, que chefiava a imprensa da Câmara Municipal de Porto Alegre, deixou a casa. Está num projeto da Unesco...

 

*Ecos da festa da Fiergs:

A chefe da comunicação da entidade, Enir Maria Grigol (que também é de Vacaria, como o presidente da entidade, Paulo Tigre) fez a mediação da coletiva: e saiu-se bem...

Rosane Aparecida Oliveira, cronista de ZH, usou um tailler cor vinho...

Gladis Berlatto, da Froes e Berlatto, está magrinha, magrinha...

Lizemara Prates, do agronegócios da rádio Guaíba, foi de preto. Estava bem elegante...

O cronista Jaime Cimenti, do JC, falando muito sobre um episódio que o deixou impressionado: a solidariedade dos colonos de Mato Perso na reconstrução de um parreiral derrubado por um torró...

 

 

 

 

Coleguinhas na Fiergs

 

* O almoço de 08/12, na Fiergs, virou point dos coleguinhas. No de ontem, até dois "papadores de coquetéis" - o ratão e uma amiga dele - foram; sinal de que o evento era bom, segundo ensina do amigo Arthur Zanella do Itaqui. Na volta, quando fui pegar uma carona do Vitor Bley de Morais, a amiga do Ratão se enfiou dentro do carro dele.
Ainda bem que o vitor é um gentleman e a trouxe... eu a teria jogado à beira da free way e ela viria a pé até o centro pra aprender a ser menos cara de pau... então que pegue o bus, né...

* Gladis Berlatto, da Froes e Berlatto está magrinha, magrinha...

* A chefe da imprensa da Fiergs, ex-coleguinha do Lauro Dieckmann no JC, Enir Grigol, foi só simpatia, ontem, com os coleguinhas... tem que ter fairplay...

* Nikão Duarte, ex- chefe de imprensa da Fiergs, não saiu amuado da entidade; ele que ficou seis anos lá com o presidente Renan Proença...

* Quem inventou este almoço de fim de ano foi o Júlio César, hoje assessor da diretoria da entidade. No começo, lembra Ronny Blas, fotógrafo, era apenas uma comidinha campeira... hoje evoluiu...

* Uma vez, durante um destes finais de ano na Fiergs, chegaram junto o fotógrafo Uda e a apresentadora Balala Campos... Ise Maria Silveria estava lá, sentadinha, e olhou os dois atravessando todo o salão e comentou:
- Mas que desfile de vaidades....

* Cronista Jaime Cimenti, do JC, ficou impressionado com história publicada em ZH no dia 7/12 do parreiral de Mato Perso que foi destruido pelo ciclone dias atrás. Vamos ver se escreve sobre isto...

* Presidente da Fiergs, Paulo Tigre, viu que o repórter Simões Pires (Gilberto) estava impaciente pra perguntar. Mandou ele molhar a boca com água, porque ele ainda estava explicando o ano econômico gaúcho...

 

 

 

 

Fiergs espera ano melhor!

 

O presidente da Fiergs, Paulo Tigre, disse ontem no almoço com jornalistas que "2009 se encerra com a percepção de que o pior já passou, como mostram os indicadores do PIB do terceiro trimestre".

Tigre disse ainda que a economia dá sinais de que os custos da crise ainda serão pagos nos próximos anos...

Tigre enfatizou que o Brasil melhorou " no vetor do mercado interno".
Enfatizou ele que a herança para 2010 a economia internacional está em recuperação...

O presidente da Fiergs aposta, porém, num cenário onde os países com economias desenvolvidas terão uma recuperação econômica "lenta e gradual".
Já países emergentes como Brasil, China, e Índia deverão ter em 2010 bons números...

 

 

 

 

CONTATO SURPRESA

 

Caro Olides,

Segunda, 07/12, eu estava buscando na internet informações sobre Nova Bassano. Dou de cara com teu blog.
Como meus pais moram em Serafina, onde vivi de 1974 até 1980, fiquei realmente surpreso e muito feliz por tê-lo acessado.
Confesso que passei algumas horas lendo e rindo muito. Foram muitas lembranças boas que vieram à tona.
Eu me chamo Ênio Pesenatto (mãe é Boccalon), nascido no dia 02/06/1962 em Nova Bassano (quando ainda era distrito de Nova Prata). Em 1974 minha família mudou-se para Serafina Corrêa.
Dentre as muitas pessoas que convivi em Serafina Corrêa, onde trabalhei no Posto Pacassa e na Credeal, destaco, e por isso ri muito de saudades, o Polaco, seu irmão Leta (Reginato), os Santin, Valter Benvegnu, Arnaldo Pacassa, os Zanini (Renato), enfim, um monte de gente. Em 1980, terminado o 2º grau, vim à Porto Alegre.

Daí é outra história....

Moro em Eldorado do Sul-RS, no lado de Porto Alegre. Em outra oportunidade, para não te encher o saco, nos falaremos. De pronto, muito obrigado. Você faz a diferença na sua atividade, parabéns.

 

Ênio Pesenatto

Rua Dona Martha, 59 Sans Souci
92.990-000 Fone 34991509 e 99617957
Iogurte Sans Souci www.sanssouci.com.br

 

 

 

 

Coleguinhas

 

* Na sexta, dia 11/12, na reunião da diretoria do sindicato dos jornalistas o assunto Jornal JÁ X Poder Judiciário foi tratado...

* Colega Núbia Silveira deixou a assessoria de imprensa da Câmara Municipal...

* Domingo,dia 13/12 , a partir das 10 horas no Brique da Redenção movimentação de jornalistas em prol da manutenção do Jornal JÁ...

* Carlos Bastos esteve na quarta-feira passada na homenagem prestada a Isaac Ainhorn na secretária do planejamento do município...

 

 

 

 

O ponto de táxi do Sheraton é um manancial de notícias para fofoqueiros de plantão!

 


 

 

 

 

Hirano no Brasil

 

HAJIMU HIRANO CHEGA AO BRASIL

Estávamos correndo para fechar o malote com a correspondência da sucursal da Manchete. Eram quase quatro horas da tarde e o pessoal dos Correios já estava chegando.

De repente, "adentra" a porta do escritório da revista, que ficava na Senhor do Passos, um japonês magrinho e com dificuldade para se comunicar. Não tive dúvidas, passei o problema para o Elcy Nunes, que dizia falar muito bem inglês, que "aprendeu" na Costa Rica, quando foi para lá com a seleção gaúcha de futebol que representou o Brasil num Pan Americano, isto por volta de 64 ou 65.
Achei que o japa falasse inglês. Que nada, o homem também não falava inglês. Aí surgiu o Jairo Bradenburski, um fotógrafo com curso de malandragem na Faculdade da Rua da Praia.
O Jairo começou a fazer mímica. Cinco minutos depois, já sabíamos tudo o que o japonês queria.
Ele era fotógrafo, estava chegando de Tóquio e queria trabalhar na na "mansete"...
Pedi que ele voltasse na semana seguinte, com algumas fotos que ele disse que trazia na mala e que ainda não havia chegado a Porto Alegre. Pensei, esse cara não volta mais. Que nada.

Uma semana depois o japa já estava de volta à sucursal. Trazia uma bela Nikon pendurada no ombro (que nos matou de inveja) e um envelope com um monte de fotos em preto e branco e alguns slides. Nós ficamos curiosos pela câmera fotográfica, que ainda tinha o cheirinho de nova. E para nossa surpresa, o cara já falava algumas palavras em português. A coisa começou a ficar mais fácil e uma semana depois o Hajimu Hirano, como disse ser o seu nome, já estava fazendo "freelancer" para a Bloch.

O japonês, como passou a ser chamado, dois meses depois da sua chegada já conhecia tudo de Porto Alegre. A malandragem então, aprendeu com uma velocidade incrível e tornou-se um grande gozador. Quando queria sacanear alguém, só falava em japonês.

Uma tarde precisei ir até o INSS, se é que era INSS na época. Era para tratar da aposentadoria de um funcionário da sucursal. A pessoa com quem eu iria falar era um velho amigo meu e um tremendo gozador. Como o Hajimu estava por perto e sabendo quem eu ia enfrentar, carreguei ele comigo.
Bolei então a seguinte gozação. Ele entraria comigo. Eu diria que ele queria se aposentar, já que havia no Japão descontado para o INSS de lá. Não deu outra coisa.
O Hajimu se prestou para a farra. Entrou falando japonês. Já aos berros reclamava que estavam demorando para atendê-lo.
Meu amigo já estava começando a ficar puto da cara e louco para da uns tapas nele. Aí eu entrei na gozação. Disse que sabia falar japonês e que poderia traduzir. Pô, a nossa gozação levou mais de uma hora. Quando o chefe da seção resolveu aparecer para saber que zorra era aquela, eu resolvi confessar que era tudo brincadeira e que eu queria mesmo era ver a situação do funcionário da sucursal. Este meu amigo, vítima do Hajimu, está aposentado e até hoje não me perdoa.
Sempre que me encontra, ameaça me dar umas porradas...

Este foi o Hajimu que conheci. Largou a fotografia e virou um empresário bem sucedido...

 

Por Sérgio Ross

 

 

 

 

Agradecimento

 

Estimado Conterrâneo,

 

Não trabalho mais no gabinete 734 da Câmara dos Deputados.

Aproveito para te agradecer a ajuda que me destes neste período em que fui assessor de imprensa.

Meus contatos agora são:

(61) 3344.0041 e 9986.3153
e-mail: ofvaladao@hotmail.com

Abs.,
Roberto Rodrigues

 

 

 

 

Brizola se despede de São Borja vivo, pra só voltar depois, morto...

 

Poucos meses antes de morrer, em 21 de junho de 2004, Leonel Brizola estivera em São Borja... Andava meio acabrunhado, mas ninguém imaginava que o velho estivesse no fim...
E no dia que teve que embarcar no aeroporto João Manoel para regressar ao Rio de Janeiro, não queria ir...

Chegou, relembra Celeste Penalvo, a mandar desembarcar sua malinha do jatinho que o aguardava. Mas aí os assessores falaram mais forte e disseram que no outro dia ele tinha um importante encontro no Rio ao qual deveria comparecer...

Houve quem se despedisse dele no aeroporto de São Borja, que tantas vezes o vira descendo e subindo em jatinhos, achando que aquela seria a última vez que ele poria os pés naquele local... pressentimentos... seja lá o que for...

 

Só uma vaga....

No túmulo da família Goulart, onde estão Jango e Brizola, além de dona Neusa Goulart, só há mais uma vaga para um familiar. Assim, ou será para dona Maria teresa, viúva de Jango, ou então para dona Landa, a única irmã de Jango que ainda vive...

 

Rumores...

Um dos rumores mais fortes de São Borja é que os restos de Jango já foram levados do túmulo onde foram enterrados há cerca de 15 anos...

 

Semiaberto

O agente da repressão uruguaia, que afirma ter participado do envenenamento do ex-presidente João Gouart, Mário Neida, está cumprindo pena no Instituto Pio Buck, em Teresópolis. Saiu do Presídio de Segurança máxima de Charqueadas... Estes dias foi ouvido num depoimento para um novo filme sobre Jango Goulart... No começo ele não queria mais falar, mas depois cedeu, segundo uma pessoa que acompanhou seu depoimento.

 

 

 

 

O dia em que Brizola voltou do exílio...

 

Poucos que ainda vivem tem tantos detalhes da volta de Leonel de Moura Brizola do exílio em 7 de setembro de 1979 quanto Celeste Penalvo, viúva de Percy Quartiero Penalvo (que agora será nome de vila em São Borja).

Celeste lembra bem que a comida da recepção de Brizola tinha ficado a cargo do PMDB local, mas que quando ela chegou no aeroporto João Manoel naquele dia para encontrar Brizola e o marido que o ciceroneava, ouviu de Percy:

- Corre pra cidade e vai arrumar umas galinhas pro almoço...

É que nada do que havia sido combinado fora feito e ali, naquele dia, deu pra ver que Brizolistas e peemedebistas estavam rachados... não iriam marchar mais juntos...
Com a anistia ampla, geral e irrestrita, tinha acabado também a união das oposições e cada um riria pra seu lado...

Mas e os jornalistas que acompanharam todo este fuzuê, porque não se deram conta que naquele dia Simon e Brizola nem sentaram na mesma mesa pra comer as galinhas que a Celeste tinha mandado fazer?

- É que com a experiência que a gente tinha, a gente colocou os jornalistas pra comer bem longe, foram embaixo de uma parreira que tinha no pátio.

No outro, nenhum jornal registrou que Brizola e Simon tinham comido separados...

Brizola almoçou naquele seu primeiro dia em São Borja ao lado de Doutel de Andrade, Percy Penalvo, e outros companheiros, menos de Simon...

Escaldado pelo exílio (16 anos), Leonel Brizola também não quis mostrar que podia mais do que realmente podia: assim que uma grande carreata que nasceria em São Borja e iria até Porto Alegre e que segundo alguns cálculos chegaria a ter 6 mil veículos foi suspensa pelo próprio Brizola que, cauteloso, não queria cutucar leão com vara curta...

- O Pedro Simon ficou num canto naquele dia, na minha casa (ele morava onde agora é o Museu do Jango)

 

 

 

 

OCULTAÇÃO DA HISTÓRIA BRASILEIRA

 

“Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu, a gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu.”

Assim inicia a composição de Chico Buarque na música intitulada Roda Viva.

E o mundo realmente dá voltas. Ao compasso do fortalecimento de nossa democracia, conquistada com tanto sacrifício do povo brasileiro, gradativamente, a história se impõe. Crimes cometidos num passado recente ressurgem literalmente das cinzas, como denota a denúncia recente que o MPF de São Paulo ofereceu contra o Ex-governador Maluf e o Senador Romeu Tuma, entre outros.

A realidade perversa dos tempos do regime ditatorial que acossou nosso país hoje choca a população brasileira. Segundo a Procuradora de São Paulo, “ambos contribuíram para que ossadas permanecessem sem identificação, em valas comuns dos cemitérios, e atestaram falsos motivos de morte a vítimas de tortura”.

Enquanto Maluf chama a acusação de “ridícula”, o corregedor do Senado – pela quarta vez, provavelmente ainda não tenha recebido a intimação do MPF de São Paulo sobre o caso. Também não deve ter recebido o ofício remetido pelo MPF do Rio Grande do Sul, no mês de agosto, indagando sobre questões ligadas ao provável assassinato do Presidente Jango, pois até a presente data, não se tem nenhuma resposta do Corregedor do Senado.

Ridículo mesmo é a insistência de muitos personagens principais do regime autoritário, senhores como Tuma e Maluf, em ocultar uma página vergonhosa da história do Brasil. Denunciar estes crimes, e tantos outros ocorridos, não pode ser caracterizado como revanchismo, como muitos saudosistas da ditadura gostam de taxar.

Uma interligação do passado ao presente, no tocante à inadmissibilidade de atos de violação de direitos humanos, aponta para a construção de regimes democráticos sólidos e estáveis, fundamentados na justiça e no direito, e jamais no medo e na violência.

 

Christopher Goulart,

Presidente da Associação Memorial João Goulart

 

 

 

 

Cara, tu não és só pobre luxento, mas também és folgado.

 

O Lauro me dá uns conselhos, mas já explico: não quis dar mijada na Laura, não... é que achei que podia contribuir dando algumas informações sobre o Trem a Las Nubes... só isto... nada demais... talvez o meu jeito um pouco troglodita tenha feito o Lauro entender isto...

 

Cara, tu não és só pobre luxento, mas também és folgado.

Olha, não dá para vencer na vida só com um cursinho de Jornalismo feito nas coxas. É preciso estudar mais.

Para andar de Mercedes que não seja encarroçada pela Marcopolo é preciso muito mais do que umas aulinhas na Fabico ou Famecos.

Ou então (para se dar bem e rodar com uma Mercedes que não seja ônibus) tem que ser picareta ou casar com filha de fazendeira.
Ou conseguir polpuda aposentadoria no Estado entrando "pela janela" (sem concurso, com cargo em comissão e faturando incorporações).

No "mol" só rende mesmo busão da Carris e aguentando motoras e cobradores desaforados em carros sucateados (governo Fogaça é isso aí!).

Para melhorar na vida tem que fazer "qui nem eu"; estudar, caprichar e dar duro, porque é aquele negócio: quem estuda aprende, quem aprende sabe, quem sabe vence. No fundo, tudo é bibliografia.

Da minha parte, fiz sete vestibulares e passei em cinco, fiz dois cursos de graduação, gabaritei a prova do Detran (para tirar carteira de motorista), fui o jornalista mais bem informado que uma pesquisadora da USP entrevistou (Ela perguntou até seu eu sabia o que era bidin. E eu sabia. Sabes o que é bidin? Não sabes? Não te preocupa, nenhum dos teus 11 mil acessadores devem saber também).
Ah! Entrei no serviço público através de (um difícil e disputado) concurso.

Outra coisa: achei que pegou mal aquele lance de dar um chega-prá-lá na Laura sobre aquele negócio dos Andes. Cara, tu andou por lá há 30 anos. Águas passadas não movem moinhos. Querer que a Laura te consulte para colocar alguma coisa sobre os Andes no blog dela é muita prepotência. "Menas", Olides, "menas".

Aliás, deverias escrever sobre esta experiência. Aquele lance do americano cantando na praça enquanto tu viajavas está muito bom. Minha sugestão é que escrevas na terceira e não na primeira pessoa. Deixa o ego de lado e cria um personagem, aí tu podes colocar nele todas as tuas vivências, e também adicional as vivências de outras pessoas sobre as quais tu sabes coisas. E, assim, não vais chocar as filhotas com o relato tuas aventuras e desventuras. Fica como sendo ficção.

Tu tens um material muito rico nas mãos (e na cabeça), uma vivência que nenhum desses mijões do tipo Assis Brasil e Scliar, ou as Martinhas e as Claudinhas não têm.

Na literatura, quando não se consegue ir por um caminho, tem-se de ir por outro. Faz isso, cria personagens e conta as tuas histórias.

 

 

 

 

MENSALÕES E MENSALINHOS DE BRASÍLIA

 

Olides,

Só hoje ao meio dia é que vou encontrar a minha turma, no Stella Grill. O que eu sei do mensalãozinho de Brasília é o que eu tenho lido nos jornais de fora daqui e visto nas televisões.
Os coleguinhas daqui, tanto do Jornal de Brasilia, como do Correio Braziliense, estão tratando o assunto, meio sem tesão.
São coisas que a nossa vã filosofia explica$$$$$$$$$$$$.

De Recife, tenho pouca coisa. Só saía da casa da minha filha para ir a praia que fica a duas quadras do mar. Fiquei amigo de infância de um vendedor da caipirinha.
Ele um dia, depois de me servir a quarta dose e beber comigo também uns quatro copos, me perguntou se eu como gaúcho sabia a onde começava a Oceano Atlântico.
Disse para ele o que eu aprendi no Conceição de Guaporé, onde eu tinha como coleguinhas os teus conterraneos da Linha Onze.
Ele olhou para mim e disse que eu estava errado.
Aí então, fiquei louco para saber e ele lascou esta: o Oceano Atlântico começa onde os Rios Capiberibe e Jaguaribe se encontram e aí formam o Oceano Atlântico...

Olides, deixa eu sair do choque do mensalinho, que eu volto a colaborar com o teu blog. Por enquanto, estou enojado com o que está acontecendo aqui na minha volta (leia o painel da Folha de hoje...).

 

Até,

Sergio Ross

 

 

 

 

Domingo, dia 6/12, a Câmara Municipal de São Borja lembrou em sessão solene os 33 anos da morte de Jango...

 

 

E esta foto, de onde e quando será???

Alguém se habilita pra identificar alguém além do próprio presidente?

 

 

 

 

O dia da volta de Fogaça ao PMDB

 

Foi 27 de setembro de 2007, que Fogaça retornou ao PMDB, depois de uma cantilena de meses de dúvidas e incertezas o Prefeito se decidiu.
As fotos em anexo mostram sua entrada na sede do Diretório Municipal, no seu discurso disse uma frase que muitos peemedebistas se emocionaram no dia "voltei de onde nunca saí".
Tanto Simon como Fogaça já tinham na mira o governo do Estado, inclusive o senador no dia da vitória da reeleição na frente do Cine Avenida comitê central da campaha em 26 de outubro de 2008 , o Senador disse bem claro que ele seria candidato ao governo.

 


Alfonso Abraham

 


Alfonso Abraham

 

 

 

 

Tormenta ainda é o assunto de São Borja

 

Estive em S. Borja para os 33 anos de Jango mas o assunto da cidade foi a tormenta da madrugada do dia 30/11. O táxi que me levou pra rodovária no domingo de noite tinha pego a tormenta que se abateu precisamente sobre S. Borja 15 minutos antes das duas horas da madrugada de segunda passada.
Ele achou que seu carro iria para o ar e viu cenas dantescas durante o furacão.

Um motoqueiro enrolado no meio dos fios de luz que tinham caído todos,árvores caídas por todas as partes,correria em busca de socorro em plena madrugada...

O poeta Clemar Diuas( muito ligado a carnaval) depois do temporal de vento e de chuva saiu para caminhar na avenida Getúlio Vargas, onde mora e diz que não havia ninguém nas ruas mas que árvores caídas era o cenário que mais se via....

" O telhado do colégio das freiras( onde hoje está a UERGS) voou até o Banco do Brasil, " contou uma moradora....

A rádio cultura ficou fora do ar e o repórter Eduardo Belmonte, o famoso PRATO FINO( porque é patrocinado pelo arroz Prato fino do celso rigo) comandou em parte as necessidades da cidade, utilizando celular, que ainda funcionou....

O prefeito Mariowane Weis, numa tentativa de imitar Leonel Brizola, montou uma mini cadeira da Legalidade, usando uma antena pra transmitir aos moradores como procurar e oferecer socorros aos necessitados. Foi uma tormenta histórica que as fotos de Juliano Jaques registrou para a posteridade...

 


Juliano Jaques

 


Juliano Jaques

 


Juliano Jaques

 


Juliano Jaques

 

 

 

 

Fogaça, quem diria, foi lançado ao Governo do Estado!!!

 

Acabou o jogo de cena: ontem, dia 7/12, no diretório municipal do PMDB, foi dito aquilo que o presidente regional do PMDB, senador Pedro Simon, sabia desde que o assunto começou a ser discutido:
depois que José Fogaça voltou ao partido - ele saiu pra fundar o PPS por onde se elegeu prefeito a primeira vez - seria ele o candidato em 2010 ao governo.

Germano Rigotto, também postulante, fora em 2002(ganhou a eleição) mas em 2006 também foi e nem chegou ao segundo turno. Então era a vez de outra estrela do partido, porque a roda anda, como se diz em política.
Aliás, o choro seguido e compulsivo de Germano Rigotto no dia que disse que não era candidato sinalizou que perdera a disputa com o prefeito da capital, embora todos eles digam que nunca existiu...

O senador Pedro Simon e José Fogaça foram os dois únicos a falar na coletiva do dia 7/12, quando Simon disse que o único assunto da coletiva era anunciar José Fogaça como candidato ao governo do Estado pelo partido...

Ecos do lançamento de Fogaça...

* Estiveram presentes ao ato os deputados federais Eliseu Padilha, Mendes Ribeiro, Emídio Perondi, Ibsen Pinheiro; o ex-chefe da Casa Civil de José Sarney, Luis Roberto Ponte, o deputado estadual Alexandre Postal (este um "Rigottista", de quem foi secretário dos transportes, mas que se apresentou no dia do lançamento da candidatura de Fogaça).

* O Banrisul também se fez presente: estava lá seu presidente Fernando Lemos e o diretor Rospide Netto.

* Do staff do prefeito José Fogaça compareceram seu secretário da fazenda, Cristiano Tatch, o assessor de comunicação, Anílson Costa, entre outros.

* A coletiva foi interrompida pelo menos duas vezes quando Simon anunciava que Fogaça era o candidato do PMDB.
A turma gritava Fogaça, Fogaça... entraram em clima de campanha... mesmo em coletiva de imprensa...

* Antes da coletiva dos jornalistas, houve uma reunião no andar debaixo do auditório Ulisses Guimarães, local do anúncio para a imprensa: como cheguei cedo, fui um dos primeiros, ouvia-se a toda hora palmas e vivas. Quando Simon chegou com José Fogaça, senti que era o anúncio oficial.

* Simon só ficou realmente sério quando lhe perguntei se teme a participação da Polícia Federal na campanha. Ficou com o semblante carregado e mandou perguntar ao candidato do PT, alguma coisa assim... alguns dos seus correligionários também não gostaram da pergunta e pelo menos um ficou falando baixinho:

- Vá perguntar ao Ildo Gasparetto (referia-se ao delegado titular da PF no RS).

* Sem citar seu nome, Simon criticou a presidenta da CPI da Corrupção Stela Farias, que, segundo o cacique do PMDB, "botou a CPI no porta-malas e saiu por aí no Rio Grande do Sul".

* Fogaça chegou a titubear e parecia que ainda queria recuar: se atrapalhou e disse que ele era o candidato em construção, tentou deixar uma porta-aberta caso não concorra... mas Pedro Simon FOI incisivo e disse que o prefeito de Porto Alegre é o candidato do partido e pronto...

 

 

 

De S. Francisco de Borja

 

1) O que ninguém está entendendo muito aqui é porque o prefeito Mariowane Weis tem "batido" tanto no deputado federal Luis Carlos Heinze(PP)... será que é porque Mariowane já pensa numa candidatura a deputado federal logo ali a frente... ???
Outros acham que ele bate que é justamente pro Heinze fazer emendas e trazer grana para região. Depois Mariowane inaugura as obras e fatura politicamente com elas...

2) Já está em andamento em S. Borja e na região a campanha de Affonso Motta a deputado federal pelo PDT... muitos acham que ele fará um balaio de votos... outros que não... já concorreu uma vez e não chegou lá...

3) O vereador Celso Lopes(PDT) é que quer ir a deputado estadual. Quinta passada, dia 3/12, no diretório do PDT local, Celso chegou dizendo que era candidato a deputado estadual.
O problema é que Bruno Contursi (ex-prefa de Itaqui) também quer ir e embola o meio-de-campo.

 

 

 

O triste fim do Assis Brasil Hoffmann!

O fotógrafo Assis Valdir Hoffmann me pediu em Porto Alegre pra dar uma olhada no asilo de S.Borja (escrevo da terra dos presidentes) se seu pai, que se chamava Assis Brasil Hoffmann, ainda vivia, ou não...

Foi a primeira coisa que fiz quando cheguei nesta manhã, linda, ensolarada, com um vento friozinho (quando estive aqui em outubro passado também fez frio de noite) de sexta-feira, dia 4/12.

Cheguei cedo na rádio Cultura, na hora que o Edson Arce, o Alberi Cogo e o infatigável repórter motoqueiro Eduardo Belmonte abriam o noticiário mais ouvido na São Francisco de Borja e na região toda.

Pois o Belmonte ligou pra sua amiga Solange, que cuida do velhinhos no asilo S. Vicente de Paulo, e ela lhe informou que faz mais de quatro anos que o senhor Assis Brasil Hoffmann havia falecido.

Pois então aí está...

Pois eu também tenho um tio, Benjamin, que morreu aqui em S. Borja, em 1930, quando ia largar o quartel. Já procurei se achava a cova dele pra colocar uma cruz com seu nome, mas não encontrei onde foi enterrado. Este era um desejo do meu avó José, que queria vir até S. Borja pra fazer isto, mas foi desaconselhado naqueles anos pelo padre Luiz que o aconselhou a mandar rezar missas em lugar de gastar dinheiro com viagens...

 

 

O lado briguento de
Rubens Hoffmeister!!!

O legado de Rubens Freire Hoffmeister ( morto em 01/12/2001) deixou muitas brigas pelo caminho...Jorginho Mendes ,aos 85 anos , o mais respeitado e antigo cronista esportivo ainda vivo,lembrou que foi com Rubens à frente da FGF(Federação Gaúcha de Futebol) que terminou uma promoção que a ACEPA,depois ACEG( a entidade que reune os jornalistas ligados ao esporte) fazia todos os anos, ou seja, um jogo chamado Dia do Cronista. A arrecadação destes jogos, com jogadores da dupla GRENAL era toda destinada a entidade e suas despesas...Jorginho e Rubens tiveram um arranca-rabo muito feio....Depois disto nunca mais foi realizado o Dia do Cronista porque Rubens Hoffmeister o suspendeu.

Na verdade, segundo Jorginho Mendes, o presidente da FGF pegou esta promoção pra si e a fazia como uma promoção da FGF.

- Nos atracamos feio um dia lá na FGF,contou Jorginho....hoje já menos revoltado com todas as brigas que teve com o falecido presidnete da FGF.
Jorginho disse que lá pelos anos de 1971 e 1972 houve por iniciativa dele e de um argentino chamado Spinetto um jogo entre argentinos e jogadores da dupla Grenal que foi até hoje o segundo maior público da história do estádio da Beira-Rio( O maior público até hoje teria sido o jogo entre seleção gaúcha e seleção brasileira, nos anos 70).

- Aquele jogo foi 2 a 2....

Depois do jogo, foram todos comemorar,lembrou Jorginho, no Barril que ficou aberto para os jogadores até as 5 horas daq madrugada. De lá os jogadores argentinos, que eram todos de primeira linha, foram dormir e no dia seguinte voltaram a B.Aires.
Mas o jogo de volta, que seria entre uma seleção da dupla Grenal e o combinado argentino não saiu mais porque os presidentes dos clubes e o presidente da FGF não quiseram mais liberar...

- Fui lá na FGF e me peguei feio com o Hoffmeister.

Jorginho não contou se foi às vias de fato....

Como represália, a ACEG e todos os narradores de futebol aboliram o nome de Rubens Hoffmeister. Mendes Riberiro, Armindo A. Ranzolin, Lauro Quadros e outros só diziam" o presidente da FGF" sem nunca citar o nome....Hoffmeister foi ficando puto com isto e pediu penico....

Pegou como intermediário o promotor de eventos David Berlim que promoveu uma janta no Floresta Negra( o melhor restaurante da cidade com certeza naqueles anos) mas depois do jantar enquanto Rubens Hoffmeister queria que o o jogo do Dia do Cronista voltasse, Jorginho pela ACEG não topou e a promoção não voltou...

- Eu deixei a presidencia da ACEG, mas os que pegaram depois como o Fruet(C.Alberto), o Vianey(Carlet) e outros não trouxeram de volta a promoção,contou Jorginho...

Briga apartada no ônibus

Alberto Blum, jornalista, conta que um dia estava num ônibus em Teresópolis e Rubens vinha nele acompanhado com a sua namorada e futura esposa, Conceição:
- Um homem se meteu com uma mulher e na hora o Rubens selevantou e deu voz de prisão nele.Acho que o Rubens era inspetor de Polícia, lembrou Blum.

Já um dos fatos folclóricos envolvendo o falecido desportista foi quando ele suspendeu o campeonato gaúcho em 1973 porque o fotógrafo Hipólito Pereira, de ZH, a mando do chargista Marco Aurélio Carvalho fotografou o ídolo colorado de então, dom Elias Figueiroa no banho depois de um treino e Marco Aurélio colocou a foto no seu espaço.
Sentindo-se ferido, Rubens Hoffmeister suspendeu a rodada do domingo seguinte do campeonato gaúcho....

 

 

A grande jogada de marketing do primeiro transplante de coração

 

Há 42 anos, a 03/12/67, um médico sul-africano (Christiaan Barnard) provocou um enorme rebuliço na mídia, que, na época, ainda era conhecida apenas e simplesmente por "imprensa".
Até hoje a experiência do sul-africano causa impacto, pois a Deutsche Welle, por exemplo, deu-se ao trabalho de incluir uma memória do fato na sua "home page".
Pois bem, quando ocorreu o famoso e pioneiro transplante, eu nem havia ingressado na faculdade de jornalismo. Apenas trabalhava numa livraria que já não existe mais e que se situava na Avenida Borges de Medeiros, quase esquina com a Rua Andrade Neves, aqui em Porto Alegre. Ao lado, outra curiosidade, situava-se o "Mata-Borrão", uma construção de madeira, mandada construir pelo Brizola, quando governador do Estado, para ser a sede central da Universíade, uma olimpíada de universitários (no local, atualmente, está o prédio que já foi da Caixa Econômica Estadual, que também já não existe mais, e está sendo usado pelo Tudo Fácil e por outros órgãos estaduais).
Quando ocorreu o feito do Dr. Barnard, eu morava numa pensão na Rua Fernando Machado (antiga Rua do Arvoredo, como sempre a ela se referiam os meus tios Deodoro e Idílio). Meu companheiro de quarto era o Luís Carlos,um ex-colega no Ginásio Gonzaga, de Pelotas. O meu amigo Carlos estudava Medicina na Ufrgs e, contrariamente ao oba-oba da mídia criticava acremente a peripécia do sul-africano. O que muito me surpreendeu, face à unanimidade dos aplausos que se lia e ouvia nos jornais e nos noticiários de rádio e TV. Cheguei até a comentar que isso seria inveja ou despeito dos demais médicos pelo "avanço" conquistado por Barnard.
Só anos mais tarde é que me convenci que tudo fora mesmo uma jogada de marketing e uma estratégia para usar pacientes de países subdesenvolvidos ou marginais como cobaias, o que depois foi denunciado até em filmes de cinema (o Jardineiro Fiel, por exemplo). Ou seja, nenhum país civilizado permitiria uma coisa daquelas; só na África do Sul que vivia o "auge" do "apartheid" e do isolamento em relação à comunidade internacional.
Muitos anos mais tarde até Porto Alegre foi "pioneira" nesse tipo de experiência, ao testar uma droga mais moderna para ajudar a conter a rejeição do corpo em relação ao coração transplantado. Também se comentou que fora uma jogada de marketing, para recuperar a imagem de uma clínica que estava perdendo mercado para um hospital concorrente (pelo sim, pelo não, o concorrente acabou quebrando).
E, como repórter, certa vez ouvi de um médico pesquisador do Hospital de Clínicas que "o único transplante ético era o de rim", pois pode ser feito entre doadores vivos - com doação por desprendimento e solidariedade - e não às custas de jovens mortos em acidentes.
Claro que os políticos adoraram a idéia e resolveram legislar sobre o assunto, chegando ao cúmulo de tornar a todos doadores compulsorios (o que já foi amenizado, felizmente). Por fim, agora, transplante é coisa para os tribunais, com os preteridos buscando na Justiça uma forma de furar a fila que obedece às prioridades estabelecidas pelos esculápios.
Tudo isso me faz lembrar um filme italiano que fez muito sucesso no final dos anos 50 e cujo título era "Mundo Cão".
Em tempo: o primeiro transplantado sobreviveu apenas 18 dias!
Text de Lauro Dieckmann

Histórias da Ùndeze(1)

 

A diaspora da família Santin

Irceu Santin tirou 40 dias de férias em 1996 pra ajudar a eleger seu cunhado, Valcir Segundo Reginatto, o Polaco, vice-refeirto, pelo PMDB. Em 2007, a esposa de Irceu, Olderez Piazza Santin era vereadora do PMDB, o partido que estava no poder com Polaco.
Ele entrou em rota de colisão a Olderez, que, é simplesmente casada com um cunhado seu.

Irceu estava um dia em Uruguaiana porque é diretor da Soma e de lá falou por telefone com Ademir Presotto que seria o candidato do PP na eleição de 2008. Fechou apoio a ele.

Polaco procurou o cunhado Irceu para tentar contornar a situação mas era tarde....

Olderez tinha se mudado de mala e cuia para a Oposição e não mais concorreu a vereador...

Sempre que alguém mistura negócios com a situação política da mulher, Irceu, prático responde:
- Em casa, nós não falamos em trabalho....


A família Santin antes da diáspora.


A dispora da familia Santin(II)

Alguns anos atrás Irceu Santin trabalhava com o irmão Nestor, conhecido por Toli. Irceu e o irmão Jurides saíram da Toli e junto com outros sócis - são 1'3 ao todo - fundaram a Soma, que atua no mesmo ramo da Toli(distribuição de componentes para automóveis).
A saída de Irceu não foi amigável, mas a de Jurides sim.

Morando na mesma cidade, inevitavelmente os dois irmãos - Irceu e Nestor - teriam encontros sociais....

Nestor é do Lions Club que em Serafina é frequentado por quem é contra o PMDB) e Irceu
é do Rotary que agrega quem é do PMDB...

Numa recepção,depois do rompimento dos irmãos feita pelo Lions Club e ocorrida no Clube Gaucho( o clube da elite serafinense) Irceu compareceu ao encontro acompanhado da mulher, Valderez Piazza,então vereadora do PMDB.
Quem fazia as honras da festa eram justamente o irmão Nestor e sua esposa,Suzana Trombetta.

Quando Irceu e Olderez chegaram, ela estendeu a mão mas Irceu, mais radical, negou o cumprimento ao irmão e foi entrando de ré na festa.

Quem viu a cena, ri até hoje....

Diantes das rusgas dos irmãos, Jurides, o mais velho deles todos e o mais brincalhão( gosta de um trago e de um baralho,igual ao seu falecido pai Affonso ) lembra da frase de um antigo morador de Serafina,Laurindo Cervieri, o IEGUI, que quando está nas bodegas jogando um carteado e ouve contar estas histórias de desavenças entre famílias, fica perplexo e pergunta:
- MA DE QUE FAMEIA SEO VALTRI???( Mas vocês são de que família???)

Agencia Edisoncastencio


Brasília, 2 de dezembro de 2009 – O deputado federal Cláudio Diaz (PSDB-RS) e o deputado estadual Frederico Antunes (PP), juntamente com o secretário estadual da Agricultura, Pecuária, Pesca e Agronegócio, João Carlos Machado, reuniram-se nesta quarta-feira com o ministro da Agricultura e Pecuária, Reinhold Stephanes. Também participaram da audiência os deputados federais Afonso Hamm (PP-RS), Luiz Carlos Heinze (PP-RS), Vilson Covatti (PP-RS). A comitiva, formada também pelo prefeito do município de Três de Maio, Olívio Casali, entre outras lideranças, solicitou recursos para minimizar as perdas dos produtores gaúchos.

Agencia Edisoncastencio


No caso do arroz, os cálculos apontam a necessidade de R$ 220 milhões para o plantio e o replantio da cultura e para a aquisição de máquinas destinadas à reconstrução de barragens e das estradas que dão acesso às propriedades.

Agencia Edisoncastencio


Cláudio Diaz disse que o governo federal está subestimando a crise dos produtores gaúchos, que é muito grave. João Carlos Machado acrescentou que a situação do Estado é crítica porque mais de 100 mil hectares estão debaixo d'água. No caso do arroz, destacou que ainda resta 30% da safra a ser plantada, e, no trigo foram afetados 30% da produção gerando perda na qualidade e queda no preço.

 

 

Amigos

 


O Valter G. Pinto não esquece dos amigos....

A Leonice mandou este bilhete pelo computador...


Bom dia! O Papai Noel passo por aí hoje por volta de 09h30min. não achou ninguém em casa, então ele deixou o teu pacotinho na portaria do Plaza, se tu puderes passar lá para apanhar.
Me avisa se deu tudo certo.

Feliz Natal!!

Leonice Lucena de Oliveira
Secretária

 

Historias de La Undeze

 

A diaspora dos Santin(3)


As irmãs gêmeas Rosa Helena(LODI) e Maria Isabel(BEI) Santin romperam relações em 2008 por causa da política. As irmãs são ou eram sócias de uma butique que fica no andar térreo da casa da " BEI".

Aconteceu assim: na convenção do PMDB local, que escolheria o candidato a vice na chapa do partido cujo candidato a prefeito era Luis Gheller era certo que o agrônomo César Matiello,tio do marido de " BEI",Eduardo Matiello(dentista, nada a ver com política) seria o indicado a vice-prefeito. " Lodi" como primeira-dama na ocasião propôs que o candidato a vice fosse o vereador Pedro Fozza(PMDB)- se era cobra mandada do marido,Polaco,então prefeito, ninguém sabe....) Por poucos votos na convenção ganhou a posição da " Lodi", mas a gêmea sentiu-se ofendida e rompeu com ela...

O pior estava por vir.Nas eleições o candidato do PMDB perdeu a eleição e César Matiello, que concorreu a vereador se elegeu, mas dizem que por questões políticas foi transferido para Vila Oeste, onde exerceu as funções de agrônomo da Emater(Ascar). E como o vice-prefeito eleito é da Emater,ligado ao PT, César Matiello denunciou na Câmara Municipal que está sendo perseguido politicamente.....

A diaspora dos Santin(4)

No terreno que foi de Affonso Santin, foi construído um prédio de dois andares onde morava a viúva Catarina Sgnaolin Santin. Um apartamento é do filho Irceu e o outro era da irmã " Lodi", a Rosa Helena e do marido Valcir Reginatto, o Polaco.

Mas Nestor Santin, irmão de Irceu e da Lodi pegou pra si o apartamento da irmã como pagamento de dívidas que Polaco tinha com ele do tempo das campanhas políticas( Valcir foi 2 vezes prefeito de Serafina) Agora, no mesmo prédio convivem os dois irmãos, rompidos, Nestor e Irceu....

 

 

O lado " brigão" de Rubens Hoffmeister...

 


Quando fui fazer minha pesquisa pro livro sobre o Estrela F.Clube peguei o depoimento do atleta Renegado(Adroaldo Eckert). Eis seu depoimento que está na pagina 79 do livro editado em 2005

" Gabriel Mallmann( falecido, presidente do Estrela e depois prefeito da cidade) foi a Federação Gaúcha de Futebol)(FGF). Tinha lá um julgamento de um atleta do Estrela. Aproveitou a ocasião e, no corredor, procurou o presidente da entidade, Rubens Freire Hoffmeister " pra puxar o saco dele, pra nós conseguir subir de uma vez por todas",segundo me contou Renegado.
Era o terceiro ou o quarto ano que o Estrela, segundo ele, era roubado em Venâncio Aires sempre da mesma forma: Nós chegava lá, eles tinham 10 só pra jogar, eles chamavam o ´Barriga´, um cara que tomava cachça lá no boteco e chegava, roubava de nós e ganhava o jogo", lembrou o Renegado.

O diálogo na FGF entre Gabriel Mallmann(também um sujeito de personalidade forte) com o então presidente da FGF segundo me contou Renegado foi este:
- Agora chega, tá na hora de nós ganhar, disse Mallmann.

Hoffmeister respondeu:

Com uma cidade de 25 mil habitantes jamais vou deixar vocês subir...

Teutônia,Languiru, Canabarro, Colinas, Arroio da Seca pertenciam a Estrela. Gabiel resolveu colocar iluminação no " Walter Jobim" e convidou Rubens Freire Hoffmeister para inaugurá-la. " Ele começou a se afrouxar aos poucos, mas custou pra nós subir, porque eles não queriam, não deixavam, roubavam de nós em todo o jogo" recordou Renegado"

 

A eleição municipal de 1988...

 


Pois o leitor Sérgio Pessôa levantou um quesito bem importante: diz ele que foi o então deputado federal Mendes Ribeiro(PMDB) conhecido no meio jornalistico por BOm Cabelo - que fez " corpo mole" e não quis ir pra prefeitura de Porto Alegre.Era uma pedreira pro PMDB a campanha e quem entrou nela foi o então deputado federal Antônio Britto Filho, que tinha feito um mar de votos encima de sua notoriedade pós morte de Tancredo Neves( que um general apelidou de Tancredo NEVER)...


Luis Alberto Spina de óculos é convidado a concorrer a vereador em 1988.

 

Foi esta eleição que despontou a Frente Popular em Porto Alegre com Olívio Dutra e Tarso Genro, formando uma dupla que ocupou os espaços do PT por muitos anos depois, junto de Raul Pont....O atual vice prefeito da capital, José Fortunatti, também era da turma que despontava no PT mas foi rifado e mudou-se pro PDT....

Nesta eleição um conhecido meu,simples en genheiro da SMT de Porto Alegre entendeu,convivado pelo cacique Odacir Klein que deveria tentar a vereança. Mas aí o Luis Alberto Spina - que é de quem falo - viu que fazer votos não é tão simples assim.Ele não chegou lá....Depois largou a política, aposentou-se do serviço público e hoje é um próspero banqueiro( não bancário....)

 

 

Histórias de La ùndeze

 

O porco que estourou a boca do balão....


Em 1993, Sueli Vicente Vivian tinha dois açougues em S. Correa.Ele abatia porcos que comprava dos colonos na região, transformava em produtos e os revendia...


O corpo de 501kg

Lá por 1991, ele comprou do colono Antônio Marcon um porco da marca large white, criado na linha Júlio de Castilhos,no município de Montauri,vizinho de Serafina.
Poisa o porcão pesou 501 kg vivo, quase o dobro da média dos porcos que são criados na região.
Com aquele porcão, Vivian fez 218 kg de salame,38 de copa,115 kg de banha,. A cabeça do animal pesou 38 kg e os ossos 17 kg.

Eu mandei a foto para a revista Globo Rural que a publicou em janeiro de 1994. Meu pai guardou a cópia xerox até estes dias, quando me deu de presente....

Hoje Vivian vive ainda em Serafina, mas ficou alguns anos em São Paulo construindo casas e edifícios. Ele largou os dois açougues e hoje é porteiro da noite do hotel Ca dei monte, do Nestor e Lucimar Magon....Separou-se da esposa, mas vive sua vida numa nice....

 

O tabulheiro da sucessão....

 


Áreas próximas ao prefeito José Fogaça interpretaram a retirada da candidatura ao palácio Piratini do ex-governador Germano Rigotto como um movimento provocado pelas recentes notícias sobre o " velho" caso Lindomar Rigotto, motivo de uma reportagem do Jornal nanico JA, publicada em maio de 2001 e que rendeu um processo contra o editor do jornal, o jornalista Elmar Bones da Costa....

O problema foi que revivo este imbróglio judicial - na verdade o processo contra o jornalista é movido pela mãe de Lindomar Rigotto, Julieta Vargas Rigotto - ganhou dimensões nacionais com sua publicação na prestigiada coluna do ex-assessor de imprensa de Collor de Mello, Claudio Humberto....Isto,segundo estes assessores de Fogaça, motivou a retirada da candidatura de Rigotto. Com isto, ele também deixa de ser alvo....

 

Homenagem a Sampáulo


No dia 14/11, penultimo dia da feira do Livro de porto alegre, a grafar,entidade de cartunistas prestou homenagem durante a feira do livro ao chargista sampaulo. Estiveram presentes, LFVerissimo, sua esposa, Lucia, Edgar Vasques,Santiago( que se atrasou)entre outros. A homenagem foi simples,segundo quem a viu: cantaram musicias de dor de cotovelo, de Lupcinio Rodrigues, que o falecido chargista gostava....

Historinha

 

Como domingo,dia 6/12, completam-se 33 anos da morte do Jango, na Argentina, vou aproveitar esta histórinha que o Sergio Ross me contou pelo telefone...

Diz ele que em 1967 recebeu uma pauta pra Manchete de ir fotografar o Carlos Lacerda que se encontraria com o presidente Jango, que não podia deixar o Uruguai(estava exilado) numa fazenda perto da fronteira com o Chui...


O "Corvo" negocia a formação da Frente Ampla com Jango em Montevideo em 1967.

Serginho chegou lá com aqueles jipes antigos, mas chegou....E quando Lacerda, o terrível tribuno que Samuel Wainer um dia cunhou de O CORVO,chegou pro encontro com Jango, não é que ocorre a morte do primeiro presidente militar, o Castelo Branco. Ficamos por lá, contou Serginho,e o Lacerda foi caçar...eu fui com ele e preparei uma reportagem dele caçando que foi usada pela Fatos e Fotos....

- O Lacerda chegou a me apontar a espingarda, mas eu fiquei com a máquina fotográfica apontada pra ele....Eu achava que ela não estava carregada, mas depois disparou e estava, recordou Serginho....

 

São Borja

 

O autor estará em São Borja neste findi para participar do ato solene na câmara dos vereadores da cidade na lembrança dos 33 anos da morte do ex-presidente Jango. Mas como assistente. A palestra lá é de um professor....

Aproveito ainda para outra missão: descobrir se o pai do fotógrafo Assis Valdir Hoffmann, que é de Santiago, ainda vive num asilo onde foi morar,anos atrás...

E outra ainda:prosseguir minhas pesquisas com a intenção de publicar um livro sobre o rompimento de Jango e seu cunhado Brizola, nos 12 anos que viveram no Uruguai....

 

 

Hoffmeister brigão!!!

 

Um longo tempo na FGF

Ao todo, Rubens Freire Hoffmeister ficou 18 anos como presidente da entidade mater do futebol gaúcho. Foram dois períodos. O primeiro que vai de 29/01/1970 a 12/03/1982 e o segundo perído que compreende 07/06/1985 a 11/03/1991.
Segundo Jorge Mendes,cronista do JC durante muitos anos, João Giuliani Filho, que era vice de Hoffmeister na FGF ficou de presidente e depois houve um período em que a entidade esteve sob intervenção. Ficou um presidente nomeado , o advogado Antônio Pinheiro Machado Neto.

" Depois assumiu o Perondi(Emídio) e o Hoffmeister largou a entidade e se retirou a cuidar dos seus negócios, disse Jorginho Mendes.

 

 

Memória da Imprensa

 

 

O triste fim da Coojornal!!!

Em época que alguns coleguinhas estão voltando a falar em formar uma cooperativa, ou salvar o JA - acho que tem muito mérito nisto - é bom recordar um pouco como foi degringolando a situação da Cooperativa dos Jornalistas um " fantasma" que passados mais de 20 anos ainda ronda as cabeças dos jornalistas gaúchos e brasileiros que se envolveram no assunto. É bom lembrar que quando ela entrou em crise, nos primeiros anos da década de 80, do século passado, os principais dirigentes se mandaram. Elmar Bones da Costa, temendo ser preso por causa da matéria do periódico em que foram revelados segredos de como foi a Operação do Vale da Ribeira, em SP,- na verdade o serviço secreto do Exército usou um cabo de D. Pedrito pra armar uma arapuca ao Coojornal e mesmo sabendo disto, os diretores resolveram pagar o preço e publicar a matéria - mudou-se para Santana do Livramento e caso a coisa complicasse pularia pra Rivera, como muitos exilados do Brasil fizeram em 1964.
Bicudo,como é conhecido Elmar entre os colegas, não precisou disto.
Osmar Trindade e Antônio Manoel de Oliveira, sem qualquer chance de voltar ao mercado local partiramem fevereiro de 1984 para um projeto de comunicação longe dos pagos, ou seja, em Maputo, Moçambique. Foi uma grande guinada em suas vidas, já que por aqui a barra pesou....

No único trabalho de pesquisa feito passados tantos anos sobre o melancólico fim da Coojornal, Danilo da Silva Ucha conta por exemplo que no dia 19 de novembro de 1983, uma assembléia geral extraordinária feita no sindicato dos jornalistas para decidir pela liquidação da Coojornal só foram nove associados. O secretário Mauro César Silveira disse que não havia condições de realizar a assembléia.

Embora nunca tivessem tido postos de mando dentro da Coojornal, três associados dela - J.B.Aveline, Marques Leonam Borges da Cunha e o professor Vieria da Cunha( pai do deputado Vieirinha) como fiadores do imóvel da Comendador Coruja, 372 não precisaram arcar sozinhos com os 12 milhões de cruzeros de aluguel atrasado que havia. A comunidade artistico cultural de porto Alegre fez alguns shows e arrecadou alguma grana pra cobrir o rombo. Pior destino teve o membro do conselho fiscal da Coojornal, Antônio Gonzalez e Clarice Aq uistapace que como fiadores de um empréstimo da Coojornal junto a Caixa Econômica Estadual marcharam com seus bens particulares para quitá-lo.
João B. Aveline, de quem não tenho procuração para defender, sempre me mencionava o episódio, mas nunca se queixou pelo fato de ter que arcar com o aluguel atrasado. Apenas me dizia:
- Durante um bom tempo, todo final de mês, eu me encontrava com o Marques Leonam e com o pai do Vieirinha porque íamos pagar o aluguel da Coojornal,disse o velho João.


Coleguinhas

 

* Roberto Thomé andou por Porto Alegre. Está na Record, de SP.Tinha aqui nos tempos da TV Gaúcha o apelido de " homem aranha" por causa de uma " fuga" espetacular que teve que empreender uma vez no Hotel Beira-Mar em Tramandaí....

 

 

 

Deputado Cassiá entrega à governadora Yeda relatório sobre a prática desportivas nas Escolas Estaduais



O deputado Cassiá Carpes (PTB) encontrou-se, na tarde desta quinta-feira (03), com a governadora Yeda Crusius para lhe entregar em mãos o relatório final da Comissão Especial que analisou a prática esportiva nas Escolas da Rede Pública Estadual. Presidente da Comissão, o deputado explicou à governadora os principais pontos conclusivos do relatório, e solicitou que fossem analisadas as sugestões para melhorar as condições do esporte nas escolas. “Fizemos visitas técnicas em mais de quarenta escolas e vimos de perto a precariedade de material e espaço físico para o esporte”, observou Cassiá. A governadora irá analisar o relatório e encaminhar as conclusões para a Secretaria Geral do Governo.



Conclusões Finais
Importância da criação de uma Secretaria do Esporte, como existe em outros 14 estados, incorporando a estrutura da Fundergs (Fundação de Esporte e Lazer do RS) para que o esporte possa ser tratado de maneira independente;?
Revisão da grade curricular com carga horária específica para a prática da educação física; retorno da aula de educação física nas séries iniciais (1ª a 4ª), de acordo com? a Lei nº 8.747/88;
Destinar 20% dos recursos oriundos da Lei Pelé para os JERGS (Jogos Estudantis do RS);?
Incentivo ao desenvolvimento de projetos de infraestrutura, utilizando os benefícios da lei de incentivo ao esporte, nº 11.438/06 e dos projetos esportivos sociais do Ministério do Esporte e desenvolvimento de uma campanha para envolver o empresariado gaúcho para firmar parcerias legais para projetos de infraestrutura nas escolas.?

Atenciosamente,

Renata Cerolini

Assessoria de Imprensa Dep. Cassiá Carpes (PTB)

 

 

Na ponte

 


sobre o Rio Ibicuí, que liga o município de Itaqui a Uruguaiana foi interrompido o tráfego à partir desta tarde. Segundo informações, a água está a 20 cm de cobrir o leito da ponte. Para ir até Uruguaiana a solução é ir por Alegrete, aumentando em mais de 200Km para quem está em São Borja, ou ir pela Argentina, via Santo Tomé.

Neuza Penalvo

Sopa de letrinhas

 

Caros amigos de resistência cultural, contamos com a valiosa ajuda de vocês na divulgação de nosso evento. O "Sopa de Letrinhas" é um projeto beneficente, e para que seja bem sucedido, depende da colaboração de todos nós.
Encaminhamos, em anexo, o convite para o evento.

"Não vamos perguntar o que podem fazer por nós, mas sim o que podemos fazer pelos outros!"

Abraços...e esperamos vocês no sábado!


Marco Zero


MEIAS E CUECAS (NADA DE NOVO)

 

 

"Não devemos transformar a mediocridade em valor de vida". ( Lauro de Oliveira Lima )

Nada de novo. Corrupção. Do Latim “corruptus”; quebrado em pedaços. O verbo corromper, conseqüentemente, significa “tornar pútrido”. Através do significado deste verbo, tão constante nos jornais de todo o país, fico impressionado com o esforço de detentores de mandatos públicos para apodrecer a credibilidade da política. Já vimos dinheiro nas cuecas de um dos réus do mensalão e, agora, nas meias do Presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, no esquema de propina deflagrado pelo inquérito da operação Caixa de Pandora. Sabe-se lá onde os demais envolvidos guardam dinheiro. Analisando os últimos acontecimentos da política nacional, não duvido de mais nada.
De novo mesmo, só os lugares engenhosos para esconderijo de dinheiro podre, pois a história da corrupção remonta à nossa colonização. Ao menos, enquanto o país vai sendo saqueado descaradamente por políticos corruptos, resta-nos o divertimento das justificativas descaradas. Afinal, qual Governador não gastaria R$ 50 mil em panetones?
Inédito seria um malfeitor de recurso público assumir sua falta de vergonha publicamente. Poderíamos imaginar uma manchete: “Roubei da minha pátria” ou então “mereço ser punido”. Isso seria uma novidade até certo ponto louvável, pois ao menos constataríamos o mínimo de respeito com a população brasileira. Porém, enquanto o Brasil reelege figuras adeptas ao “rouba, mas faz”, em outros países como Coréia do Sul e Japão, políticos acusados de corrupção optam pelo suicídio. Imaginem se essa moda pegar por aqui.


O corrupto sabe que o seu enriquecimento pessoal ilícito é nocivo para as instituições democráticas, as economias nacionais e o Estado de Direito. Sabe também que o que está em jogo é a segurança das sociedades, ao enfraquecer os valores da ética e da justiça com seus achaques ao erário público. Sabe de tudo isso, mas está “pouco se lixando”.
Corrupção é um problema cultural. A nação sofre com a ausência do incentivo à cultura do coletivo, enquanto a tendência de um mundo extremamente competitivo é transformar os seres humanos em máquinas egoístas. O “eu” é mais importante que o “nós”. Tal vício se generaliza com facilidade; faz adeptos e cúmplices. Daí para a corrupção é um passo.
É preciso que a população se una para acabar com esse malefício. A mediocridade de poucos não pautará os valores de vida de muitos. Certo é que não se muda a cultura de um povo sem mexer na educação de um país, e a solução deste problema, depende diretamente das famílias e de uma reforma profunda na educação nacional. Talvez, então, nossos filhos vejam que meias e cuecas são apenas roupas íntimas e não depositário de valores surrupiados.

Christopher Goulart
Presidente da Associação Memorial João Goulart

 

 

O Lauro não quer saber de veados

 



Eu, heim! Tô fora dessa. Não vem com esse negócio de veado para o meu lado que eu sou pelotense e não quero cair em tentação.
Se queres saber algo sobre escritores veados ingleses ou fanceses, coloca no Google (Sabes o que é? Se não sabes, pede ajuda lá no cyber. Também tem um negócio que se chama Wikipedia, que é ótimo para quebrar esses galhos).
Mas se quiseres que eu conte a história do meu bisavô que foi herói da guerra franco-prussiana, aí eu eu escrevo com satisfação. Ou do general Bento Gonçalves da Silva, que era tio-avô da minha avó, também.
Coisa de veado, porém, tô fora!
LD


 

Uma piadinha para alegrar o ambiente

 



Essa história do Oscar Wilde me fez lembrar aquela piadinha do gauchão desconhecido que apareceu lá no Café Aquário, em Pelotas.
O jeitão de macho do sujeito logo chamou a atenção dos rapazes alegres que estavam por perto e se aproximaram para puxar assunto. Até que um deles resolveu perguntar qual era a procedência do guapo. Que respondeu que era de Bagé. Então, perguntaram o que ele tinha vindo fazer em Pelotas. Ele explicou que viera dar com os costados por ali porque fora expulso de Bagé.
Os rapazes de maravilharam, ah!, oh!, que machão. E um, muito curioso, ainda arriscou: "Expulso porque?" - já imaginando que o motivo tivesse sido alguma barbaridade que ele tivesse cometido por lá.
Pois o gauchão nem se abalou e respondeu na lata:
- Fui expulso porque sou puto!
E pano rápido, como se diz no teatro...

 


CÉSAR BENJAMIN
ESPECIAL PARA A FOLHA

 

Ih, vão continuar com esta novela?
Olha, que isto não termina bem,hein!!!

"Por que agora?


DEIXO de lado os insultos e as versões fantasiosas sobre os "verdadeiros motivos" do meu artigo "Os Filhos do Brasil". Creio, porém, que devo esclarecer uma indagação legítima: "por quê?", ou, em forma um pouco expandida, "por que agora?". A rigor, a resposta já está no artigo, mas de forma concisa. Eu a reitero: o motivo é o filme, o contexto que o cerca e o que ele sinaliza.
Há meses a Presidência da República acompanha e participa da produção desse filme, financiado por grandes empresas que mantêm contratos com o governo federal.
Antes de finalizado, ele foi analisado por especialistas em marketing, que propuseram ajustes para torná-lo mais emotivo.
O timing do lançamento foi calculado para que ele gire pelo Brasil durante o ano eleitoral. Recursos oriundos do imposto sindical -ou seja, recolhidos por imposição do Estado- estão sendo mobilizados para comprar e distribuir gratuitamente milhares de ingressos. Reativam-se salas pelo interior do país e fala-se na montagem de cines volantes para percorrerem localidades que não têm esses espaços. O objetivo é que o filme seja visto por cerca de 5 milhões de pessoas, principalmente pobres.
Como se fosse pouco, prepara-se uma minissérie com o mesmo título para ser exibida em 2010 pela nossa maior rede de televisão que, como as demais, também recebe publicidade oficial. Desconheço que uma operação desse tipo e dessa abrangência tenha sido feita em qualquer época, em qualquer país, por qualquer governante. Ela sinaliza um salto de qualidade em um perigoso processo em curso: a concentração pessoal do poder, a calculada construção do culto à personalidade e a degradação da política em mitologia e espetáculo. Em outros contextos históricos isso deu em fascismo.
O presidente Lula sabe o que faz. Mais de uma vez declarou como ficou impressionado com o belo "Cinema Paradiso", de Giuseppe Tornatore, que narra o impacto dos primeiros filmes na mente de uma criança. "O Filho do Brasil" será a primeira -e talvez a única- oportunidade de milhões de pessoas irem a um cinema. Elas não esquecerão.
Em quase oito anos de governo, o loteamento de cargos enfraqueceu o Estado. A generalização do fisiologismo demoliu o Congresso Nacional. Não existem mais partidos. A política ficou diminuída, alienada dos grandes temas nacionais. Nesse ambiente, o presidente determinou sozinho a candidata que deverá sucedê-lo, escolhendo uma pessoa que, se eleita, será porque ele quis. Intervém na sucessão em cada Estado, indicando, abençoando e vetando. Tudo isso porque é popular. Precisa, agora, do filme.
Embalado pelas pré-estreias, anunciou que "não há mais formadores de opinião no Brasil". Compreendi que, doravante, ele reserva para si, com exclusividade, esse papel. Os generais não ambicionaram tanto poder. A acusação mais branda que tenho recebido é a de que mudei de lado. Porém os que me acusam estão preparando uma campanha milionária para o ano que vem, baseada em cabos eleitorais remunerados e financiada por grandes grupos econômicos. Em quase todos os Estados, estarão juntos com os esquemas mais retrógrados da política brasileira. E o conteúdo de sua pregação, como o filme mostra, estará centrado no endeusamento de um líder.
Não há nada de emancipatório nisso. Perpetuar-se no poder tornou-se mais importante do que construir uma nação. Quem, afinal, mudou de lado? Aos que viram no texto uma agressão, peço desculpas. Nunca tive essa intenção. Meu artigo trata, antes de tudo, de relações humanas e é, antes de tudo, uma denúncia do círculo vicioso da extrema pobreza e da violência que oprime um sem-número de filhos do Brasil. Pois o Brasil não tem só um filho.
Reitero: o que escrevi está além da política. Recuso-me a pensar o nosso país enquadrado pela lógica da disputa eleitoral entre PT e PSDB. Mas, se quiserem privilegiar uma leitura política, que também é legítima, vejam o texto como um alerta contra a banalização do culto à personalidade com os instrumentos de poder da República. O imaginário nacional não pode ser sequestrado por ninguém, muito menos por um governante.
Alguns amigos disseram-me que, com o artigo, cometi um ato de imolação. Se isso for verdadeiro, terá sido por uma boa causa.

CÉSAR BENJAMIN, 55, militou no movimento estudantil secundarista em 1968 e passou para a clandestinidade depois da decretação do Ato Institucional nº 5, em 13 de dezembro desse ano, juntando-se à resistência armada ao regime militar. Foi preso em meados de 1971, com 17 anos, e expulso do país no final de 1976. Retornou em 1978. Ajudou a fundar o PT, do qual se desfiliou em 1995. Em 2006 foi candidato a vice-presidente na chapa liderada pela senadora Heloísa Helena, do PSOL, do qual também se desfiliou. Trabalhou na Fundação Getulio Vargas, na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Prefeitura do Rio de Janeiro e na Editora Nova Fronteira. É editor da Editora Contraponto e colunista da Folha."

 

O rival do Teixeirinha...

 

 

Francisco Woitchumas era o namorado que Mary Terezinha teve antes de conhecer Teixeirinha. Era locutor da rádio Gaúcha e o cantor exigiu de Mendes Ribeiro que ele saísse da emissora. A Gaúcha topou o desafio e mandou o locutor adiante, pro Rio. Quando ele regressou morreu de um acidente na av. Ipiranga....

 

Coleguinhas

 

* Nelson Moura insiste que coloque as fotos dele no brog....calma Mourinha...

* Julinho Pacheco a milhão na Rede Vida( Julinho andou sumido uns tempos atrás, mas agora recupera com todo o gás)

*Filha do Julinho, que era leiloeira, a Andrea e o marido foram pro Canadá alguns anos atrás e ficaram por lá....

* Me impressionou nas fotos que recebi da Ingrid Schumacher a elegância das pessoas na Europa...é por isto que quem vai ,gostaria de ficar por lá....

* Quando é mesmo o almoço de fim de ano da FIERGS? Não veio um convite, até agora....qu e assessoria fraca!!!!

* Claro que não vai ser o presidente Tigre que vai convidar as pessoas. São os assessores que não funcionam mesmo!!!!

* Tem uma outra assessoria de uma outra entidade empresarial que também não manda convite...deixa eles pra lá....eu vou pra são borja e depois vou comer chicharones em santo tomé....

*Quando é mesmo a entrega do Prêmio ARI de Jornalismo? a entidade não manda nada, é outra que , " não dá sinal de vida"!

* Que saudades do jornal Kronica...Ele baixava o cacete e lê-lo era sempre um bálsamo. Esses nossos jornais daqui são todos a mesmice, já até largei de mão de lê-los com rarissimas exceções...que gente sem graça, ...sem fairplay...sem personalidade.

 

 

33 anos da morte de Jango será lembrada na Câmara

 




A Câmara Municipal de Vereadores da Terra dos Presidentes deve marcar os 33 anos de morte do ex-presidente João Belchior Marques Goulart, no próximo domingo, 06 de dezembro, a partir das 10 horas no plenário Apparício Mariense.

A Sessão Solene, organizada pelo Poder Legislativo acontece em conformidade com a Lei Municipal 2.681/99 e contará com palestra proferida pelo professor Dr. Domingos Sávio Campos de Azevedo, da Universidade Federal do Pampa.

Sandra Parzianello
Assessora de Imprensa da Câmara Municipal de Vereadores de São Borja/RS

 

 

Olímpio, Ney Ortiz, Dario Futuro e Pádua serão homenageados na Assembleia

 



Figuras de destaque na política gaúcha nas últimas décadas, os trabalhistas Olímpio Albrecht, Ney Ortiz Borges, Dario Futuro e Antônio de Pádua, serão homenageados nesta quinta-feira, dia 03, às 16h30, na Sala da Presidência da Assembleia Legislativa, com a Medalha da 52a Legislatura.

O proponente da homenagem é o deputado Adroaldo Loureiro. ?São personalidades que merecem nosso respeito e distinção, por tudo que fizeram e ainda fazem. É uma homenagem singela, mas de profundo valor simbólico, especialmente para nós trabalhistas. Três deles, o Olímpio, o Ney e o Dario, passaram pelo Legislativo gaúcho. Já o professor Pádua, é a história viva do trabalhismo gaúcho, detentor de uma mente privilegiada que continua a nos iluminar? , destacou Loureiro.

Veja a seguir um breve currículo dos homenageados:

Olímpio Albrecht
Nascido em São Leopoldo em 1931, Olímpio Albrecht formou-se em Medicina em 1956 pela então Faculdade de Medicina de Porto Alegre. Durante décadas, atuou no Hospital Centenário (local de seu nascimento) e também em seu consultório no Centro da cidade, até se aposentar, no ano passado.

Olímpio tem uma extensa e profícua trajetória política. Sua marca está em todos os bairros de São Leopoldo. Foi iniciativa dele a criação do Serviço Municipal de Água e Esgotos (SEMAE), a construção de diversas escolas e loteamentos populares, bem ao estilo das melhores administrações trabalhistas.

Sua carreira política começou em 1955, como vereador pelo antigo PTB, sendo reeleito em 1959. Em 1968 elegeu-se prefeito da cidade pela primeira vez, concorrendo pelo extinto MDB, partido do qual foi presidente e um dos fundadores. Em 1976, é eleito prefeito pela segunda vez. Em 1982, conquista uma das vagas do recém criado PDT na Assembleia Legislativa.

Em 1986, assume a Secretaria da Saúde de Porto Alegre, na gestão do prefeito Alceu Collares. Em 1988, vence pela terceira vez a eleição para prefeito de sua cidade natal. Entre 1993 e 1994, durante o governo Alceu Collares do Piratini, participou do Conselho Administrativo do Banrisul. Em 1995, assumiu o cargo de secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e Social. A política sempre correu nas veias deste médico que, aos 78 anos, mantém-se firme em seus ideais.


Ney Ortiz Borges
Natural de Soledade, Ney Ortiz Borges atuou como parlamentar na Assembleia gaúcha de 1959 a 1962 pelo PTB. Antes de assumir a cadeira no Legislativo Estadual foi vereador em Porto Alegre, eleito em 1955. Em 1962, foi eleito deputado federal. Simpático à política de Getúlio Vargas e amigo de Leonel Brizola e João Goulart (Jango), Ney Ortiz Borges apoiou o Movimento da Legalidade e defendeu as reformas de base. Por defender essas ideias, teve o mandato de deputado federal cassado em 10 de outubro de 1964 pela ditadura militar.
Como deputado estadual, defendeu com muita determinação o direito às emancipações. Foi dele o projeto para emancipar Sapucaia do Sul, Catuípe, Boa Vista do Buricá e Colorado, por exemplo. ?Na época, havia uma verdadeira guerra para impedir as emancipações?, diz Ney.

Aos 85 anos, continua na luta como integrante dos diretórios nacional e estadual do PDT, e membro do conselho político do partido. Neste ano, viajou todo o Rio Grande do Sul, juntamente com a direção estadual do PDT, fazendo palestras e formação política e história do trabalhismo.

?Eu comecei minha atividade política no dia 29 de outubro de 1945, quando o ex- presidente Getúlio Vargas foi deposto pelo golpe militar. Simpático à política de Vargas passei a apoiá-lo integralmente. Neste mesmo ano, conheci Leonel Brizola e João Goulart. Desde então, simpatizei com Brizola e fundamos a antiga Ala Moça do PTB. Em 1946, elegemos Brizola para deputado estadual. Em 1955, fui eleito para a Câmara de Vereadores de Porto Alegre e Brizola assumiu a prefeitura da Capital. Quatro anos depois, assumi a cadeira de deputado estadual e, em 1962, fui eleito para a Câmara dos Deputados. Fui líder e vice-líder de governo na Câmara de Vereadores, na Assembléia Legislativa e na Câmara Federal?, relata Ney.

Professor Pádua
Antônio de Pádua Ferreira da Silva nasceu me Porto Alegre em abril de 1922. Presidiu a União dos Estudantes do RS, entre 1944 e 1945. Formado em Matemática, foi professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) entre 1953 e 1964. Também lecionou no Colégio Júlio de Castilhos (Julinho) entre 1952 e 1984. Em 1964, teve os direitos políticos suspensos por 10 anos pela ditadura militar.

Competente e dedicado, professor Pádua atuou em diversos órgãos da administração pública, como IBGE, DAER e IAPI. Foi chefe de gabinete da Secretaria de Estado do Interior, entre 1953 e 1954. Também foi secretário de Saúde e Ação Social de Viamão, na década de 80, quando elaborou o Plano Municipal de Saúde.

Pádua foi presidente do Conselho Fiscal do Banrisul, na gestão 1992/1994, e presidente do Conselho Estadual do FUNDEF. Fundador do PDT, é atual integrante do Diretório Estadual, onde exerce intensamente seu papel de militante, percorrendo o Estado realizando palestras sobre a origem do trabalhismo.

Dario Futuro
Colega de Leonel Brizola na Escola de Técnicos Agrícolas (ETA) de Viamão, Dario Futuro nasceu em 1922, em Mostardas, mas fez sua carreira política em São José do Norte, onde em 1946 já atuava com garra e dedicação em favor do desenvolvimento de toda aquela região, sendo presidente da Associação Rural de São José do Norte.

Em 1951, assume como vice-prefeito do município, cargo que volta a ocupar em 1958. No início da dácada de 60, concorre a deputado estadual, ficando na suplência, mas assumindo o mandato por duas vezes ao longo daquela legislatura, até ser convocado para concorrer a prefeito de São José do Norte. Eleito, assume em 1964, destacando-se como um dos políticos de grandes realizações em prol do município. Foi dele a brilhante iniciativa de criar a Festa Nacional da Cebola. Incentivou a implantação de empresas do ramo do pescado, que trouxeram emprego e renda aos moradores.

Em 1961, no episódio da Legalidade, Dario Futuro fica de prontidão no Palácio Piratini, de revólver em punho, em defesa da Constituição e da posse de João Goulart na Presidência.

Em 1993, elege-se prefeito novamente e outra vez faz uma gestão determinada, conseguindo ampliar o sistema de telefonia e energia elétrica.



 

Histórias de La Úndeze....

 

 

El tumulo que piande( o túmulo que chora!!!)

O túmulo de Fiorvante Cervieri,um rico comerciante que presidiu durante várias de´cadas a Soc. Estrela Guaporense virou motivo de visitação para ver se chorava ou não. Espalhou-se pela região que depois de morto, Firovante estaria pagando os pecados e por isto chorava. Tanto se espalhou que no túmulo do cemitério não uma placa indicativa de que seja seu túmulo, porque tinha virado motivo de piada e de visitação anos atrás.;...Até uma assinatura dele retiraram do túmulo do cemitério local....

Fioravante Cervieri foi um dos fundados da Sociedade Estrela Guaporense e durante muitos anos comandou com mão de ferro a economia local. Comprava tudo dos colonos e vendia pra eles. Mas quem fazia as contas era ele...

Vendia o açúcar, oc afé, as roupas e comprava uvas, milho,trigo,arroz, somente não comprava porcos que estes eram do Frigorífico Ideal,onde Fiorvante também tinha grande parte das ações....


- Fioravante Cervieri o último sentado da esquerda para a direita. Data: +/- 1920.

Filho de um agricultor da capela S.Pedro, ele nasceu em Santa Terea e no começo do século passado mudou-se para Serafina com a família. Era o mais velho dos filhos...Ele ainda tem dois irmãos vivos....

Sobre o túmulo dele que chora, minha irmã Ana Maria, que ainda morava na cidade quando o boato se espalhou ditou o seguinte:
- O túmulo eu vi....Isso é verdade....mas não se sabe o motivo. Os técnicos fizeram a cruz de mármore disseram que a retenção de água da chuva porque o mármore estava retendo a água e depois que parava de chover e saía o sol ele " secava". Seria,portanto, um fenômeno do material empregado no túmulo. Não sei, prossegue Ana Maria, qual das versões é a real, mas que pingava, pingava água numa das pontas da cruz e pingava mesmo porque eu vi....

Os netos de Catarina Cervieri, irmã de Fior avante, estavam proibidos de ir até o túmulo ver o fenômeno. Se formaram excursões para vê-lo e alguns chegam a afirmar que vinha gente do Rio pra isto...

O capeta...

Outro fenômeno, este menos nobre, envolveu o comericante anos antes de morrer em 1973, de um câncer de próstata...

Disseram que numa manha de um inverno o diabo apareceu para Fioravante ...Encima do cofre o capeta se apresentou e deixou um forte cheiro de enxofre, bem como mostram as fotos em que o capeta aparece pros condenados...

Mas a família, principalmente os filhos desmentem estas versões. ...Ewaldo Carlos Cervieri, o filho mais velho de Fioravante diz que tudo isto é bobagem e que ele sempre quis se encontrar com o diabo, mas que ele nunca lhe apareceu....

Já há quem diz, a voz pequena, que Fioravante não precisava mesmo ver o diabo." Ele era o próprio" diz um deles, que pede o anonimato....

Enfim,sabe como é que é, por vi a das dúvidas e diante desta boataria, a filha Terezinha ameaça retirar os restos mortais tanto do pai como da mãe, que estão no cemitério local e traze-los para um cemitério de Porto Alegre. O problema é que alguns filhos do casal ainda moram em Serafina e tudo pode terminar na Justiça, como terminou a divisão do espólio de Fioravante que continua nos tribunais até hoje....

- É que ele deixou alguma coisa e tu sabes como é quando isto acontece, disse-me condescendente a Terezinha, a filha mais velho do casal de comerciantes que marcou uma época na pequena Undeze de Guaporé....Não havia morador naqueles anos do se´culo passado que não se abastecesse no seu comércio e talvez daí tenha surgido o fermento para todas estas estórias que inventaram do casal depois que desapareceram do cenário....

 

33 anos da morte de Jango....

 

 

No domingo,dia 6/12, haverá sessão solene com palestra na Câmara Municipal de S. Borja sobre o falecimento do presidnete João Goulart, o Jango, em Curuzu-Cutiá, uma cidadezinha argentina, onde tinha passado a residir....

Pra lembrar a data, transcrevo o que disse no meu livro Pauta,O avesso das redações...publicado em 2007.

" Em 07.12,1976m Sérgio Becker, Danilo Ucha e o fotógrafo Antônio Vargas foram pelo Estadão( EStado de S.Paulo)a S. Borja cobrir o enterro do presidente Jango. Chegaram pouco antes do anoitecer e o copro de Jango ainda não tinha chegado na cidade. Instalaram-se num hotel e Ucha foi tomar banho enquanto que Becker foi dar uma volta na cidade e sentir o clima da mesma para o velório e o féretro que somente deveria ocorrer dali a 24 hs.No mesmo dia mandaram uma matéria,via telex, para S.Paulo. No livro de entrada que estava na portaria do Hotel Charrua,atual Obino, Becker contou seis ou sete nomes, que ao lado davam a procedência: DOPS, a polícia política de então. Becker foi até o MDB e lá encontrou alguns poucos militantes a maioria tomando chimarrão. Mas notou que a bandeira do partido estava a meio pau....
No dia seguinte, quando o caixão de Jango deixou a Igreja são francisco onde foi velado a noite toda, os policiais queriam coloca-lo num caminhão do corpo de bombeiros pra levá-lo ao cemitério Jardim da Paz. Aí a multidão entrou em campo e mostrou sua força: tomou o caixão e a pé o conduziram até o cemitério Jardim da Paz onde foi enterrado no túmulo da família""

Alguns tópicos:

* Nas minhas idas a S. Borja nos últimos tempos tenho recolhido dados sobre isto:Não houve nenhum grande lance de heroismo no enterro do Jango. Houve, e isto quem me disse foi o dono do bar La Barca ( filho de um exprefeito local) o fato de que os jogadores do São Borja, com preparo físico tomaram o caixão do Jango e o conduziram. Senão os milicos o fariam...

* Quem primeiro colocou a bandeira da Anistia no caixão do ex-presidente foi Ione Groff, esposa do dr. Danilo, junto com Mila Cauduro e a esposa do Glênio Perez...Foi a primeira vez que se viu a bandeira com a palavra anistia naqueles anos que ainda eram de chumbo...

* O que houve foi uma estragégia dos partidários de Jango: quando o corpo chegou da Argentina ele demorou pra ingressar em território nacional. Agora são vários os pais que se apresentam como autorizadores do ingresso do falecido. Inclusive o Cel Bermudez....Mas o que se sabe é que o ato teve o aval do presidente Geisel, senão não teria acontecido...

* A estratégia foi ir vindo devagar de Uruguaiana a S. Borja pra chegar bem tarde e então não poder enterrar o defundo e poder velá-lo a noite toda....porque os milicos queriam que o corpo de Jango fosse enterrado ainda no dia 7/12( o foi no dia 8/12).

* Há um relato interessante resgatado pelo colega Lauro Schirmer em seu livro sobre a RBS: A TV Uruguaiana pode filmar tudo, só que depois o comandante militar de Uruguaiana tomou as fitas deles todas....

* Involuntariament,e é claro, Jango deu um pontapé pra abrir a porta da democracia brasileira, que ele nunca mais viu....Mas tem muita falação aí, muita gente posando de herói e protagonista dos fatos, quando nada disto foram....

* O corpo de Jango ainda está no túmulo da família. Agora com o Museu local, dificilmente vão tirá-lo como haviam falado tempos atrás...

 

Coleguinhas

 


* Telefonei ontem longamente pro J.B. Marçal, que só atende o fone à tarde, porque de manhã dorme...

* No telefonema, o Marçal inventou um bordão pro caso do Bicudo: O JA já era....

* Tem gente( e não vou dizer) que tá aproveitando esta situação do Bicudo( que é lamentável sob todos os aspectos mas que não é o único jornalista processado no país e no mundo) pra fazer demagogia e da grossa.Me lembra a história do Caco Barcellos e suas heróicas jornadas como motorista de táxi...

*Eu trabalhei na matéria do caso Rigotto e sei em que condições fizemos aquela reportagem: pra dizer o mínimo, precárias....sendo condescendente, amadoras , no sentido lato da palavra, que quer dizer por amor...eu não vi a cor do dinheiro daquele frila....se vi foi 100,00 reais que o filho do Bicudo me alcansou depois de muito vira e mexe...

* Assim que não me venham com demagogias pro meu lado agora, porque senão digo umas coisas que estou louco pra dizer e não quero....e tenho autoridade pra isto...

* Tenho dito!!!!

 

Ainda o JA

 

* Dos manifestações que vi por aí, a mais prática foi a do " direitoso" como os outros chamam, não eu, Mendelski,que não precisa de minha procuração pra defendê-lo: ele pediu que passem logo a lista de colaborações e que parem de faturar midiaticamente sobre isto...já está enchendo o saco, se não se deram conta....

 

Ainda o JA(II)

 

Além do que, cada um com seu sproblemas. Eu quando tive que pagar processo, não sai por aqui me fazendo de vítima. Paguei e pronto!

 

Ainda a morte do Jango(II)

 

Pouco tempo depois da morte do presidente Jango, na Argentina, estava em Uruguaiana e inventei de ir a Curuzu-Cutiá atrás deste assunto da morte do ex-presidente pelo jornal ZH. Claro que não sabia se chegaríamos lá....mas os milicos na Argentina não nos pararam e deixaram o carro andar...mesmo com o Goiano( Rubens Borges) com um tremendão de uma máquina de fotografar nas mãos. Mas o Goiano era discreto e não intimidava os milicos....

Lá andei pelo cartório enão consegui entrevistar viva alma sobre isto...ninguém queria falar...

Restou aproveita que a cerveja estrangeira estava liberada e tomamos muitos copos e da boa...de toda a parte do mundo...eu e o motora pai (Fernando Naibert) Porque o Goiano não desligava do trabalho, nunca e queria vir embora....Mas tudo terminou bem e não fomos presos, como muitos torciam que acontecesse conosco na própria redação....

 

Ainda o Caso JA!!!

 

Os "faturadores" de ocasião agora que o Jornal JA está quase fechado estão se mostrando como salvadores da pátria. Porque não apareciam 10 anos antes pra, por exemplo, fazer a reportagem que colocou a empresa em destaque...ali como sabiam que a editora praticamente não pagava ninguém, sumiam....Isto tá me parecendo o caso da Coojornal sobre o que não tenho autoridade pra falar, porque nunca trabalhei lá, apesar de associado....

 

O choro & mendes ribeiro

 


Faltou eu lembrar que Britto foi pro sacríficio nas eleições de Porto Alegre. Me lembro do Britto fazendo campanha, era quase um desconhecido. Na eleição do Britto pra Porto Alegre, que ele perdeu,claro, um amigo meu, o Luis Alberto Spina era candidato a vereador e mesmo com o chazinho das veinhas,irmãs,tios,simpatizantes não se elegeu. Conheces o Luis Alberto, amigo ~João...Obrigado pela correspondência, com ela eu ganho.....

O choro & mendes ribeiro
Olá, Olides ( até que rima!)

N"O porque do choro de Rigotto" mencionas a rasteira que o falecido Mendes levou do partido, depois de ter metodicamente, ao longo de três anos, lançado livros, palestrado, comparecido a batizados, churrascos, inaugurações de salas de tudo pelo interior do estado, além de coletar o que ele pensava fossem apoios.

A frase foi, mais ou menos : "No momento em que mais precisamos dele, ele recusou. Dentro do PMDB ele nunca será nada além de deputado, com os votos que conseguir."

Acontece que o Mendes se fez de desentendido e não foi para o sacrifício nas eleições para a prefeitura de Porto Alegre. Britto se dispôs a concorrer, perdeu e ganhou, na sequência, o Piratini.

Abraço
Sérgio Pessôa



 

Discos Essenciais - Rolling Stones "Steel Wheels" (1989)

 

já que tu gostas destas tralhas, se quiseres aproveitar, aí vai um comentário que o meu filho fez no blog dele sobre os stones. afinal, certamente muitos dos deus 11 mil acessadores gostam de rock e também destas tralhas (stones).

Lauro Dieckmann

 


Discos Essenciais - Rolling Stones "Steel Wheels" (1989)



"Pelo que ando lendo, parece que se formou um consenso de que (a) ?Tattoo You? foi o último grande disco dos Stones, e que (b) ?Start Me Up? é o último clássico composto pela banda. Durante os últimos 10 anos convivi com a noção de que todo o material lançado desde então (início dos anos 1980) não prestaria. A leitura do ?Rough Guide?, por si só, não contribuiu decisivamente para alterar essa ideia, então resolvi aproveitar os remasterizados a partir dos anos 1970 e escolher alguns para aquisição. As primeiras escolhas foram boas, então, como geralmente acontece, me empolguei e estou trazendo para casa esses discos todos, na medida do possível. Dentre estes, o que se destacou foi ?Steel Wheels?.

Lançado em 1989, ?Steel Wheels? representou a reativação da parceria entre Jagger e Richards, que andava conturbada nos anos anteriores (Jagger decidiu concentrar-se na carreira solo e queria incorporar novos sons ao estilo dos Stones, para torná-la mais contemporânea). A turnê subsequente foi um daqueles grandes exemplos de mega espetáculo, não tendo escapado o registro em disco (?Flashpoint?).

O mais importante, no entanto, é que ?Steel Wheels? é um disco com excelentes composições. Há um número significativo de bons momentos de guitarra, tanto nas músicas rápidas quanto nas baladas. Gosto bastante de ?Rock and a Hard Place?, seguramente a melhor faixa, que é um baita rock com belo refrão (os backing vocals femininos são muito efetivos). Nota de rodapé: alguém reparou que no filme dos Simpsons há uma cena na qual Homer está pendurado junto a uma bola para destruição de prédios, e fica batendo numa grande pedra (rock), de um lado, e em um bar chamado ?A Hard Place? de outro? A faixa de abertura, ?Sad Sad Sad? é outro rock acelerado dos bons, e ambas as faixas constam do álbum ao vivo ?Flashpoint?.

Parece-me que se a segunda faixa de um disco dos Stones for boa, então o disco inteiro é bom, e esse é o caso de ?Steel Wheels?, no qual a segunda faixa é ?Mixed Emotions?, com um som típico da banda (as guitarras soam minimalistas e os acordes aparecem em blocos induzidos pela linha de baixo e pelos teclados e pianos).

Em algumas músicas o timbre das guitarras é magnífico, e é precisamente isso que melhor aparece em ?Terrifying?: trata-se de uma música com um acorde staccato repetido durante os 3min e meio da faixa; o timbre da guitarra é limpo e cremoso, característico de uma Fender Strato/Telecaster com um pouco de chorus.

O melhor riff do disco é o de ?Hearts for Sale?, com uns hammer-nos e pull-offs hipnóticos. Esse riff espetacular inicia a música e aparece no refrão, com boa melodia no vocal (com backings femininos). Por sua vez, o melhor solo de guitarra aparece em ?Hold On to Your Hat?, com frases rápidas condizentes com o andamento acelerado da música (aparentemente todos os solos são de Keith nessa faixa, pois Ron Wood não é creditado no encarte do CD).

?Almost Hear You Sigh? é uma das minhas balada favoritas dos Stones, com bons vocais e excelentes complementos guitarrísticos entre os versos (até a Sabrina curtiu ouvindo no carro). Nessa categoria há ainda uma outra composição bonita: ?Blinded By Love? lembra músicas dos Eagles (tipo ?Tequila Sunrise?, dentre outras), e os vocais alcançam graves bem baixos para Mick Jagger, e me parece que é difícil para alguém cantar mantendo a afinação em todos os versos.

Reparei que Keith Richards costuma cantar umas duas faixas em cada disco, e entendo que suas melhores contribuições (pelo menos do que ouvi até agora) estão em ?Steel Wheels?. Então, diria que o melhor rock cantado por Richards é ?Can´t Be Seen? (que também se destaca pelas guitarras, com riffs e licks legais com timbres típicos de Stratocaster/Telecaster, e ainda um timbre muito bom; gosto bastante também do timbre dos teclados, que é bem conhecido e datado ? ou brega - , mas se encaixa perfeitamente para sublinhar os versos ?I Just can´t beeeee?), e a melhor balada cantada por Richards é ?Slipping Away? (é uma faixa lenta de muita categoria, com um solo de violão de cordas de aço que começa matador; os vocais de Keith são muito bons, rasgados e sofridos, bem de acordo com a música).

?Continental Drift? me pareceu longa demais, embora pareça uma tentativa de Jagger de escrever uma música mais diferenciada e em homenagem a Brian Jones (pela utilização de músicos orientais). ?Break the Spell?, por sua vez, é como um exercício de rock/blues acelerado e marcado do tipo Bo Diddley (destaque para a linha de baixo de Ron Wood).

Acredito que sempre será o caso, mas é bom enfatizar os excelentes vocais de Mick Jagger, backing vocals posicionados em algumas faixas com moderação, e umas guitarras muito boas de Keith Richards e Ron Wood. Embora Wood tenha registrado o baixo em algumas faixas, percebe-se que Bill Wyman é um baixista competente, como se ouve em ?Mixed Emotions?, ?Terrifyng?, ?Hearts For Sale? e ?Rock and a Hard Place?.

Ouvindo discos dos Stones como ?Steel Wheels? é que comecei a compreender o que deve significar AOR (adult oriented rock), sobretudo pelas composições maduras e consistentes da maior parte do repertório desse álbum. "

Publicado originalmetne em

http://erga-omnes.blogspot.com/search/label/Resenhas%20de%20CD

Coleguinhas

 


* REKERN fez 35 anos de ZH e o Gilbertinho, que o falecido Norberto Silveira chamava de Suzy Freeway( com todo o respeito) fez 40 anos de ZH!

Coleguinhas

 

* Segundo o REKERN, o Gilbertinho Leal é "quase sócio da ZH"!

 

 

A decadência das Lojas Renner

 



Uma coisa que os atuais controladores das Lojas Renner podiam fazer é trocar o nome do estabelecimento.
Do jeito que está, é uma afronta à memória de A.J.Renner, o patrono da indústria gaúcha.
Caiu-me nas mãos, por estes dias, uma publicação impressa dessas "Lojas Renner" (assim, entre aspas), que me motivou este comentário.
Coincidentemente, na semana passada, cheguei a entrar por alguns minutos numa loja da rede aqui em Porto Alegre.
Pois bem, o panorama é desolador: a oferta é toda de marcas próprias de baixa qualidade.
Nada a ver com as Lojas Renner que temos, os gaúchos, na memória. As Lojas Renner dos bons tempos, que vendiam produtos de boa qualidade, do babeiro de criança ao piano de cauda, naquela loja da Praça Otávio Rocha.
Tudo bem que o mundo mudou, mas, no caso das Lojas Renner mudou para muito pior.
Do jeito que está, qualquer designação genérica serve: quem sabe Lojas Sorriso.
Quando comentei com uma amiga esta situação, ela observou que, pelo menos, nas Lojas Renner a coisa é mais organizada que nas C&A. Aí, eu fiquei pensando: credo, em que mundo vivemos!
Mas também me ocorreu que está acontecendo com esse tipo de grande magazine o mesmo fenômeno que acomete as grandes redes de supermercados. Pelo gigantismo, tornam-se empreendimentos de difícil controle (muita roubalheira, muito descontrole) e a maioria acaba dando prejuízo. Tome-se, por exemplo, o Pão de Açúcar, do Rio e SP, que volta e meia está indo para as cucuias, mas acaba tomando um ar e volta à tona. Aqui pelo Rio Grande do Sul, dos grandes, só sobraram o Záffari e o Nacional/Wallmart. A pujança do setor, pelo que se nota, está nos pequenos, que se mantêm sob o olho do dono. Aí a coisa vai.


Texto de Lauro Dieckmann

 

Sarau dos Jornalistas

 

Fui o primeiro a me inscrever. Então vamos lá!!!!

Sarau dos Jornalistas - workshop com professor Luiz Gonzaga Silva Adolfo - dia 22 de dezembro de 2009

 

 

Coleguinhas

 

* O fotógrafo Assis Valdir Hoffmann e a viúva de Coi Lopes de Almeida, a diagramadora Graça Guindani são apenas bons amigos.

 

Coleguinhas

 

* Viu Adão Oliveira, tu fostes debochar das barbas do Papai Noel do Serginho Ross e agora ele ficou amuado. Não mandou mais nenhuma matéria da Novacap mesmo com toda a lambança do Arruda que tem lá. Fico eu e os leitores aqui sem os comentários tri irônicos do nosso bentogonçalve...pára de ser maldoso, Adão!

 

 

Chinelagem na Carris....

 

Como ando de ônibus, embora o Lauro me chame de " pobre luxento" ,- em Serafina eles chamam a esta categoria de gente de " pedoci refati" isto é, piolho recriado, -fui tomar o coletivo na tardezinha de terça pra ir ao Barranco . Precisava ir lá....

Quando vejo na Praça Parobé encosta uma " caiera" braba na parada da linha Carlos Gomes. Os 15 passageiros que tavam lá se olharam entre si e estranharam que a Carris apresentasse aquela porcaria pruma linha de " nobres" ou seja, publico que não é de vila...

Um dos passageiros entrou e como está de bofes azedos foi reclmar qualquer coisa pro motora....Mas bah, este cara foi tão insultado pelo motora e pelo cobrador que cheguei quase a me meter na conversa....

- Desce do ônibus, vagabundo, se queres um ônibus com ar condicionado espera o próximo, berrava o motora...

Não anotei a placa do carro, mas eram pouco antes das 19 hs e era um coletivo antigo,sem arcondicionado,claro....

Se fosse no tempo do Jarbas Haag, na SMT, os dois trabalhadores levariam uma multa por aquilo que o Jarbas chamava de " FALTA DE URBANIDADE" ae que eu sempre achei uma expressão curiosa....

Em tempo:
Cobrador e motora ameaçaram o passageiro com brigadianos!!!!

 

Coleguinhas

 

* Francisco Paulo Santana,cronista de ZH, foi condecorado,dias atrás com o mérito da Brigada Militar, dado pelo Governo do Estado....( seu pai era brigadiano,até que faz sentido,digo eu....)


Coleguinhas

 

O Pedro Simon faz os outros levarem-no para onde ele quer ir...." diz um ditado...

Pois ao ver,tempos atrás, o presidente da Juventude do PMDB( que é filho do SAPO, o falecido vereador de Alegrete, Eroni Carus) lançando José Fogaça num evento em que Simon e Fogaça estavam, uma conhecida raposa felpuda da política gaúcha, que já foi do MDB,sentenciou:

- Eu vi que aquele lançam ento do Fogaça ao governo do Estado em 2010 era coisa do Pedro Simon. Porque o filho do Sapo é funcionário dele....

 

AO GRÊMIO NÃO BASTARÁ SER HONESTO,
TERÁ QUE PROVAR QUE É HONESTO

 

Por Luiz Oscar Matzenbacher


A maior traição esportiva anunciada antecipadamente na História da Humanidade, poderá ser confirmada pela TV, no próximo domingo. Já é uma certeza, pois foi oficialmente declarada pelo presidente do Grêmio, Dado Kroeff, a entrega do jogo e do caneco ao Flamengo. Logo o Flamengo, da influência vicinal na CBF. Mas ainda existem terceiros clubes interessados - o Palmeiras, o São Paulo e o Cruzeiro, além do Internacional.
Graças ao Corinthians, traíra enrustida, e, ao Grêmio, traíra confessa, o Flamengo já mandou fazer as faixas. Ao Grêmio, no entanto, só resta vencer o Flamengo, para provar que não entregou o jogo e assim preservar a credibilidade do futebol brasileiro e a própria inocência. Não custa lembrar à diretoria gremista que não se trata da decisão do “Gauchinho”, mas da decisão do mais importante campeonato de futebol nacional do mundo – o “Brasileirão”.
Mas, lá da Itália chega uma boa notícia. O Internazionale - de Milão - fundado um ano depois do Internacional brasileiro, está com tudo para voltar a mandar na Europa. Fico imaginando aqui na Enseada da Encantada, em Porto Belo, SC, nesse dia de muito sol, de verde das matas e do tom esmeralda nas águas marinhas, se eu seria sonhador demais, pedindo que o Inter vença o glorioso Santo André e que o Grêmio derrote o Flamengo. Seria demais? A diretoria do Grêmio, os principais jogadores e a torcida tricolor, já escreveram, com declarações públicas e notórias, a ‘Crônica de Uma Derrota Anunciada Para o Flamengo no Maracanã’.
- Mas é no Maracanã - responde meu lado fanático. O jogo vai ao ar direto, para o Universo inteiro. Seria a maior traição já vista pela Humanidade, na era da TV e da Internet digitais.
Meu sonho de ver Internazionale x Internacional, no Mundial de Clubes de 2010 ainda é possível, mesmo com a entrega já anunciada do jogo por parte do Grêmio. A classificação do Internacional, para a Libertadores da América de 2010, já está garantida em 99,9%. Seria preciso perder para o Santo André, por diferença de 14 gols ou o Cruzeiro vencer o Santos na Vila Belmiro, por diferença de 13 gols, caso o Inter perca por 1 x 0. Mas o São Paulo e o Palmeiras teriam que vencer seus jogos, para que o Colorado dos Pampas fique em quinto lugar em função dos placares improváveis de Cruzeiro e Santo André.
O Inter ficar de fora da Libertadores, é muito mais difícil que o Grêmio não entregar o jogo para o Flamengo. Mas, em se tratando de Maracanã, vale citar o inesquecível Neném Prancha: “O Sobrenatural de Almeida pode ressuscitar no Maracanã lotado”.
Aos supostos entregadores de jogos, lembro que um STJD atento, vai apreciar tudo nos telões HD, aos quais nada escapa. Nem mesmo o sorriso de deboche do goleiro do Corinthians, que escancarou os quatro paus para o Flamengo vencer em Campinas.
Se o Flamengo for o campeão em um título entregue confessadamente por Grêmio e Corinthians, o banimento dessas supostas agremiações traíras, por um bom tempo da Série A, não é de todo improvável.
Por isso tudo, o Internacional Tetra Campeão, ainda é um milagre possível. Pois agora, o Grêmio terá que vencer, para provar que não entregou o jogo. Vale lembrar que na Cultura dos Pampas, quem foge da cancha não é chamado de Gaúcho.


Luiz Oscar Matzenbacher

 

Sessão Solene

 

Prezado Senhor;

Informamos através deste que a Sessão Solene em homenagem ao presidente João Goulart, acontece no próximo domingo, 06 de dezembro, na Câmara de Vereadores de São Borja, a partir das 10 horas. Na ocasião, haverá palestra com o Prof. Dr. Domingos Sávio Azevedo da Universidade Federal do Pampa.

Sem mais;
Sandra Parzianello
Assessora de Imprensa da Câmara Municipal de Vereadores de São Borja/RS

 

Os brogui da companheirada....

 

* Laura Peixoto: o que mais gosto é a fotografia da igrejinha que ela garimpa. Olha Laura, tem uma igrejinha, de madeira, na estrada que vai para Vila Oeste, saindo da RS-129(atual rodovia Sinval Guazzelli) que é um espetáculo. Se um dia for fazer um filme naquelas bandas, sugerirei esta igrejinha,ainda de madeira, como 50 anos atrás...como está no meio do mato, numa propriedade rural, se esqueceram de derrubá-la porque seguramente a cham feia...pega o carro e vai lá num domingo que dá pra ir e voltar....

*Mendelski, como sempre,curto e grosso....

* Impressionante a agilidade do Correinho, no seu brogui....e a programação da emissora de rádio também melhorou e muito.....era hora....

* Previdi, continua sendo básico, porque às vezes tem bons furos, principalmente na hora da imprensa, onde está seu forte. Tem fontes dentro delas e já se tornou conhecido...

* Tijolaço do neto do Brizola também é interessante pra quem gosta de política...

* Eu não vi ainda um brogui sobre gastronomia....

 

 

Coleguinhas

 


* Ontem,dia 1/12, na hora da abertura do Jornal Gente, na Band AM, Affonso Ritter se engasgou ou tossiu sei lá...mas levou um pito do apresentador Osiris Marins que vou te contar...." com sonoplastia e tudo" disse Osiris,brincando,brincando...e que às vezes não brinca em serviço.

* Ontem, no serpentário( um café da Uruguai) reuniu-se Otácilio Gonçalves, que foi fotógrafo da Caldas Junior e da prefeitura de Porto Alegre, mais o Nelson Moura, o Leo Guerreiro e o Floriano Bortoluzzi...Boas histórias, principalmente da velha guarda da fotografria de porto alegre rolou aí....Otacílio seguere que se grave tudo,eu também acho...

* Santos Vidarte tinha um apartamento ou estúdio no edifício Ouvidor, ao lado da Caldas. Quando o patrão Breno ia lá, ele sabia que era pra "matar" alguma....então saía fora. Mas na fachada era um estúdio de revelar fotos....Aliás, na recente Press, o gago, Antônio Carlos Resende diz que Breno foi um grande " putanheiro". Expressão dele, não minha, por favor....

*Estas histórias de alcova não são meu forte...nem me interessam muito...

 

Coleguinhas

 


* Cascatinha disse no JC que Raul Randon é da Marcopolo....Deve ser o efeito da festa de arromba que o Irpapus promoveu na última sexta, no sítio da Asfivec, na zona sul...e isto que o Cascata não bebe há muitos anos....Mas ele ontem, no JC, deu a correção do cargo do Randon....

*JC de ontem, na pagina 25, deu nota sobre BICUDO X Mãe do Rigotto,ou seja, Julieta Vargas Rigotto....Diz a matéria do JC que a edição de novembro foi a última do JA que tem 24 ou 25 anos....então o JA, JAZ.....


* Jornais de jornalistas sempre são problema. O ideal seria que o dono não o fosse. Vide Samuel Wainer, Ari de Carvalho, Breno Caldas....Maurício era radialista, o que é diferente....

*O Papyrus( jorge silva, o jovem hebreu) tem um sonho: ter um jornal. Mas ele diz que os repórteres de lá terão que pagar pra trabalhar...Durma-se então com este barulho....

 

 

Histórias de La Úndeze(1)

 


" Selvageria em Serafina"""

Poucos entenderam aquela manchete do Diário de Notícias publicada nos finais dos anos 60....è que dias antes, houve um jogo entre o BASSANENSE, de Nova Bassano e o Gaucho, de Serafina, no estádio que pertenceu ao último, que ficava ao lado do frigorífico Ideal...

O dentista Sérgio Bechelli, tri conhecido da área desportista - é dentista e foi secretário da saúde interino do Estado - conta como isto aconteceu porque ele participou como jogador do time visitante.


O time do Gaúcho em 1958

- Um dos zagueiros do Gaúcho que era meu cliente e que morava no Caçador( localidade junto ao rio Carreiro,pertencente a N.Bassano) me pediu pra não fazer gol senão não saíriamos vivos de lá naquele dia, recorda Bechelli.

O Gaúcho ganhou o jogo por 1 X 0 ,ainda bem. No final do jogo, o time visitante foi quase linchado por uma turba de serafinenses enfurecidos comandados por Bruno José Marocco.

Pra saírem vivos do estádio do Gaúcho, os visitantes fugiram pela janelinha que havia no vestiário dos visitantes...E um caminhão encostou junto ao seu vestiário para levá-los.

Quem apitou o jogo foi o juiz Dal Ré que também apanhou e foi levado ao hospital Paroquial de Serafina.

 

Histórias de La Ùndeze(2)

 

 

O dentista Dino Soccol, colega de Bechelli, de profissão, lembra como foi construído o " campinho" do Gaúcho, ao lado do frigorífico Ideal.

_ Fui trabalhar um ano de dentista em Serafina pra preparar a freguesia pro meu irmão, Rony. Aí pedi pro meu Pai, Miguel Soccol(d0no do frigorífico) e para o sócio dele, o Affonso Martinelli, um potreiro para fazer um campo de um time de futebol.Eles não gostaram muito da idéia mas depois deixaram eu colocar, lembra Dino, que hoje tem 79 anos e vive em Porto Alegre.

Dino treinava o Gaú cho, mas também jogava.
Uma vez ele se machucou feio e conta como foi:
- Pisei num buraco. Minha sogra Luiza Marin Cervieri me levou pra o hospital. O Dr. Mafuz me deu uma arrumada no pé. Mas meu pai mandou preparar um cavalo e na segunda-feira, de manhã, bem cedo eu fui pra " TREZE"(linha) onde havia um justaossi(massagista) que me atendeu. Mandou eu botar o pé num balde onde havia uma salmoura e aí puxou daqui,puxou dali. Enfaixou-me o pé e em 15 dias eu estava jogando bola de novo....

 

 

Minha neta é MENGO e eu vou torcer pelo time dela....

 


Minha neta, Helena, carioca da gema, nasceu Mengo, portanto, vou ter que trair meu time e torcer pelo rubronegro....

Fazer o quê.....


Homenagem ao Flamengo

A Dinda dela, que nesta foto está com a camisa do Mengão, também torce pelo Mengo...

Que sorte que a Helena, no seu primeiro ano, vai ganhar um campeonato brasileiro....

 

 

Memória da Imprensa....

 


O estilo contundente de Hoffmeister


O falecido presidente da FGF, Rubens Freire Hoffmeister, tinha um estilo contundente...Em maio de 1968, a ZH ESportes reproduziu várias trocas de " elogios" entre eles e o árbitro de futebol,Agomar Martins, que era capitão do Exército...

As brigas entre Agomar e o " Rúbis" como o falecido Carlos Nobre o apelidou
foram longe..."AGOMAR é corrupto e covarde" disse Hoffmeister, que a ZH tocou na capa, dando grande repercussão...


As brigas de Hoffmeister eram cotidianas.

Trazendo para a capital gaúcha o estilo de Palmeira das Missões, Rubens Hoffmeister ameaçava " banir" Agomar do time de árbitros da FGF.

Nesta época - maio de 1968 - Rubens Hoffmeister era presidente do Esporte Clube Cruzeiro.

O juiz Agomar Martins que não é de levar desaforo pra casa. Esta briga acabou no III Exército porque Agomar era militar.O III Exércit o mandou abrir um inquérito. Não é de esquecer que se vivia a época do endurecimento do regime militar pois em dezembro deste ano houve a decretação do AI-5 que fechou o regime...

Hoffmeister disse que Agomar,como capitão do Exército, mantinha duas funções remuneradas, o que seria fora do regulamento.

Não foi só com Agomar Martins que Rubens Hoffmeister manteve polêmicas. Outra foi com o jornalista Jorginho Mendes, da ACEG,capítulo que contaremos numa outra oportunidade...

 

 

TEIXEIRINHA!!!!

 

 

exigiu que Mendes Ribeiro retirasse o locutor Francisco Woitchumas....


Dia 4/12 completa-se 29 anos da morte do cantor Vitor Matheus Teixeira,o mais popular cantor gaúcho, conhecido por Teixeirinha....

Quando começou seu affair com sua parceira de canto, Mary Terezinha, Teixeirinha tinha um programa na rádio Gaúcha chamado " Teixeirinha amanhece cantando". E o cantor não deixou por menos: apaixonado pela parceira de canto, ele entrou na sala do diretor da Gaúcha,Mendes Ribeiro e " impôs" que o locutor Woitchammas, por quem Mary estivera apaixonada em tempos idos, fosse mandado embora da rádio Gaúcha....

Ribeiro negociou com Woitchumas e mandaram ele para o Rio de Janeiro, para a Jovem Pan...Ficou lá por um bom tempo e quando regressou morreu de um acidente de carro na avenida Ipiranga.... O locutor da rádio Gaúcha, quando foi embora ainda se conformou:
- Eu não ia ficar com a Mary mesmo!

O colega Israel Lopes fez um livro sobre o cantor...Muito boa pesquisa...Publicou até neste livro uma foto do Teixeirinha quando foi maquinista no DAER. Eu conhecia a foto, mas não a obtive para colocar no meu livro Estradas do Rio Grande...
Teixeirinha morreu perto da meia-noite do dia 4/12/1985. O repórter Gelson Farias de ZH chegou pro plantão pouco antes da meia-noite encontrou o editor-chefe Carlos Felhberg o aguardando:

- Vai lá, que morreu o Teixeirinha!

Gelson foi até a casa do cantor, que ainda residia com a esposa Zoráida,em Teresópolis,e voltou de lá com um monte de dados, mas aquela altura da noite, entrou apenas uma foto com alguns dados e a manchete anunciando a morte do cantor.

No outro dia, pelo Olímpico, onde Teixeirnha foi velado, passaram 50 mil fãs....

Teixeirinha ficou conhecido com sua música Coração de Luto - apelidada por Flávio Cavalcanti de " Churrasquinho de mãe" - quando ele ainda residia em P.Fundo.

Teixeirinha nasceu em Rolante,então distrito de Sto. Antônio da Patrulha em 3/3/1927.

Coleguinhas

 


* Celso Ferreira, que durante muitos anos comandou um programa de manhã na rádio Gaúcha reside em Blumenau(SC). Seu fone é 047.3041.9699

 

Memória da Imprensa


As fotos sobre Paris me faz lembrar do Cândido Norberto.Quando estive na capital francesa, em 1986, por aí -era época do Plano Cruzado - na volta um dia o Cândido Norberto me perguntou seu tinha comido uma francesa. Disse que não: fui honesto, pra que me gabar....

- Ah, não são tudo isto que dizem,não,me disse o velho colega que viveu na capital francesa....

 

 

" Sociedade secreta da rua da praia comemora final de ano com jantar"

 

É isto mesmo. No íntimo, a chamam de Irpapus, mas é uma sociedade secreta,não tem estatutos, não tem CNPJ,então é igual ao MST..

Quem a encabeça é o Paulinho Quarta-feira( Paulo Bueno) mas tem outros integrantes igualmente ilustres, tipo o Cascatinha(F. Albrecht), o ex-cônsul da Suécia Mário Landgraf,Cristiano Dartch, Eugênio Lageman( o teutão) o advogado antônio augusto Bandeira, o professor Edison, Ayres Cerutti,ultimamente conhecido spor ayres imobiliária, o Killing, Nelson CRT( que dizem que no jantar final deste ano até elogiou alguém),entre outros e outros como o árbitro Grejeanin,o advogado Ferri( não é o Omar, é apenas parente distante dele), o antonio Goulart( ex-almanaque).


O "Irpapus' na Rua da Praia.

Pois esta sociedade que se encontra diariamente na rua da Praia, entre 13 e 14 horas, tinha até chamadas por telefone feitas pelo orelhão que fica do lado porque na época não havia ainda o celular...
E tem esposa que não acredita na conversa do marido( como são desconfiadas sem motivo) e de vez em quando passam pelo local pra ver se o marido está lá mesmo como disse em casa antes de sair...

O encontro da turma deu-se na sexta passada, na colônia de férias da Afisvec, na zona sul.Foram 13 comensais e cada um pagou 30,00( não se sabe o destino do que sobra da arrecadação).Faltaram o Eugênio Lageman e o Cristiano Dartch que alguns acham que não foi porque achou que tinha gremista demais no grupo....

Em março, eles voltam aos convescotes, uma vez por mês, mas o encontro é diário....

 

Oscar Wilde

 

 

Lauro, socorro, escreve umas linhas sobre o Oscar Wilde. Eu apenas sei que escreveu o Retrato de Dorian Gray...e que era homossexual assumidissimo, não ficou atrás do armário que que pegou uma cana pesada por causa do que escreveu....não sei porque está enterrado em Paris, ele era ingles, não era?


OI OLIDES

Envio fotos curiosas.. Estas duas são do tumulo do Oscar Wilde no Pére Lachaise em Paris, onde as mulheres depositam beijos com muito batom. Jovens lindas e modernas são as maiores frequentadores, como podes ver numa das fotos.
Ingrid /

 

 

 

 

O velho Breno foi "putanheiro"?

 

Na entrevista que o escritór Antônio Carlos Resende deu a Press diz que o velho breno Caldas foi um " putanheiro". O fotógrafo Floriano Bortoluzi concorda com o " gago" escritor:
- Comia e comia muito bem....disse Floriano em conversa informal.

Segundo ele, Breno Caldas tinha seus encontros num estúdio que havia no Edificio Ouvidor que pertencia a Santos Vidarte.

 

 

Visitantes de novembro

 

No último mês de novembro, as estatísticas de visita em nosso site registraram o número de 11,174.00 visitas.

Agradecemos aos leitores a preferência!!!

 

 

Vereadores aprovam construção de edifícios com 20 andares em Torres

 

A semana foi toda de dias radiosos e quentes em Porto Alegre, mas bastou resolvermos vir para a praia e o tempo mudou radicalmente. Mesmo assim, foi um fim de semana agradável. Na sexta-feira, por aqui pelo Passo e por Torres, ainda havia bastante sol. O sábado, porém, foi nublado o dia inteiro. Menos mal que a temperatura não caiu muito.


Os valentes


As fotos que vão em anexo mostram que quem quis se divertiu até na praia. Houve valentes que colocaram cadeirinha na areia para ler e outros foram catar mariscos nas pedras batidas pelas ondas da Prainha. Torres, sem as hordas de argentinos de anos atrás, está muito gostosa se se curtir. Tudo muito calmo, razoavelmente limpo e tranquilo (agora não tem mais trema).


Foz do Mampituba


A notícia do momento, em Torres, é a decisão dos vereadores que resolveram aumentar para 20 andares a liberação de prédios sem a necessidade de estudo prévio de impacto ambiental. O prefeito havia proposto até 10 andares, mas os vereadores, por conta deles, dobraram a liberalidade. Agora, pelo que dizem os jornais daqui, está todo mundo inseguro, pois até os construtores e incorporadores estão achando que a esmola é demais.


Mampituba no fim de tarde


O medo do pessoal é que haja reações e que nem o prefeito sancione a lei aprovada na Câmara. De forma que o clima de insegurança continua. As contruções altas, claro, não são na beira da praia, mas a alguns quarteirões para dentro. Por falta de regulamentação, um edifício que estava sendo construído e iria ter 29 andares - um apartamento por andar e três vagas de garagem - foi embargado judicialmente e as obras só retomaram mediante acordo que reduziu a altura para 25 andares.


Sábado de mar bravo


Os defensores do aumento do gabarito argumentam que um edifício nestas condições - um apartamento por andar e três vagas de garatem - tem muito menos impacto ambiental do que um de quatro andares com 10 unidades por andar, por exemplo. A movimentação de gente e de carros, além do esgoto que gera, neste caso, é muito maior. Faz sentido...


Torres - Prainha


De qualquer forma, o rítmo da construção civil em Torres e até no passo vai de vento em popa (essa expressão é antiga, mas bem apropriada, já que estamos aqui à beira-mar). Também, pelo que se vê nos jornais locais, há muita preocupação das "forças vivas" de Torres no sentido de estimular o turismo por aqui. Já se deram conta de que têm de seguir a cartilha do pessoal de Gramado, que há muito tempo apostou suas fichas no turismo e agora colhe excelentes frutos (hoje estou propenso aos lugares comuns, mas deixa assim, pior é escrever empolado como é moda atualmente).
A tendência, pelo que tenho percebido (aqui é o meu faro de velho repórter de Economia que conta) é de que Torres, agora que a Rota do Sol está pronta, vai cada vez mais se constituir na praia dos caxienses e demais povo da Serra. E mesmo de lugares mais distantes, como Planalto e Missões. Inclusive com avinda de alguns argentinos que moram nas províncias mais aqui para o norte, já que nossas praias, para eles, ficam mais perto do que as praias argentinas (que também são de águas frias).
Não há dúvida que os argentinos mais abonados vão continuar preferindo as praias de SC, SP, Rio e Nordeste. A classe média e o povo de mais baixa renda, vai continuar pingando por aqui. Porém, pelo nível das obras que estão em andamento, os compradores tem bala na agulha, a bufunfa é grande, o tintin está sobrando. É aquilo, Caxias e adjacências é uma ilha de primeiríssimo mundo num Estado empobrecido.
No fim da tarde de sábado, o tempo melhorou bastante, mas quando as núvens dissiparam, o sol já havia se posto por trás da serra azul. O panorama de domingo, eu conto na volta. Ah! e, na bagagem, estou levando exemplares dos cinco (cinco!) jornais que circulam aqui na região, todos semanais, claro. Mesmo assim, ofato de haver cinco jornais em circulação por aqui também é uma boa notícia.
Texto e fotos de Lauro Dieckmann


O domingo em Torres/Passo de Torres



Como prometido, aqui vai a complementação da nota anterior sobre o fim de semana na "mais bela praia do litoral gaúcho".
O tempo começou a melhorar no fim da tarde de sábado. A temperatura ficou bastante agradável à noite. O domingo já amanheceu rutilante. A Rosa, às oito da matina já estava tomando banho de sol.
Nosso litoral é assim: é uma aposta. Há dias em que está um sol maravilhoso, mas quando se chega na praia, vira o tempo. Noutros dias, sai-se abaixo d'água de Porto Alegre e, quando se chega no litoral, o tempo fica uma maravilha.
O movimento, no domingo, continuou tranquilo.
Uma coisa que me chamou a atenção, caminhando pela cidade, foi a quantidade de carros Mercedes Benz e BMW que rodam por aqui (e no Passo também!).
O pessoal que está indo para Torres, Passo de Torres e Bellatorres, olha, atravessou a "marolinha" na maior tranquilidade. É gente que tem bala na agulha mesmo. É um pessoal capaz de bancar a construção de um edifício de 29 andares, um apartamento por andar e três (3) vagas na garagem. Tóooooooooooooing!
Outra curiosidade eu li na coluna que um dos Araújo Santos tem num dos cinco ou seis jornais da região: agora no início de dezembro, na Sapt, será realizada a festa de "fim de férias" dos moradores de Torres. Eu achei estranho, pensei, num primeiro momento, que seria um erro. Mas, o que o colunista queria dizer é que, com a chegada do verão, acabam as "férias" de nove meses dos torrenses. Agora é que eles começam a trabalhar, e muito, e duro. Começam às 7 da manhã e vão àté a uma da madrugada; saem de suas casas, indo para acomodações desconfortáveis, e as alugam, têm de aguentar os "perus" que os procuram para passar uma temporada e, com isso, mais trabalheira.
Em três meses, uma grande parte dos torrenses - e mais muita gente da região também - dá duro para juntar dinheiro a fim de enfrentar o resto do ano, como naquela fábula da cigarra e da formiga.
Lauro Dieckmann, direto do Passo de Torres


Chasque de Recife

 

O serginho nos manda um chasque desde RECIFE que geralmente começa amanhecer 4,4h30 minutos...os caras caminham na praia da Boa Viagem lá pelas 6 horas. mas também as 5 da tarde é noite fechada....e não tem o horário de verão...

O Serginho me emgambelou....disse que ia a Porto de Galinhas, mas ontem vi ele na torcida do INTER no jogo do Sport contra o Inter...que gremista é este...hein..????

Olides


Estou em Recife.Só agora à noite,pelo Fantastico fiquei dabendoo da
merda de Brasília. Gostaria de estar lá para cobrir a cagada,mas só
chego no DF, na quarta feira.Vou logo procurar as minhas fontes para
conseguir uma boa suite do assunto.
Hoje estive na Praia da Boa viagem.Tinha pouco sol,ma acho que
consegui uma boa materinha.O problema são as fotos.Como voce
sabe,ainda não entrei na era digital.Mas tentei com uma máquina sem
recurso nenhum.Tem a histoiria de uma campanha municipal que se chama:
PRAIA LIMPA...Pô, o s caras limpam mesmo a praia e umas pernambucas
lindas distribuem saquinhas plasticos para a turma não jogar lixo nas
areias. Ah!!!!!!, encontrei uma bandeira do Gremio e um cara com a
camisa do teu time quen ganhou esta tarde....
Sergio Ross


 

O Luis ventura manda sua contribuição...

 

MEUS AMIGOS, MUITO OBRIGADO PELAS 4512 MENSAGENS QUE ME FORAM ENVIADAS ATÉ AGORA!!! NESTE ANO, GRAÇAS A ELAS, TOMEI ALGUMAS ATITUDES QUE MUDARAM MINHA VIDA:

1.JÁ NÃO SACO DINHEIRO EM CAIXA ELETRÔNICO PORQUE VÃO ME COLAR UM ADESIVO AMARELO OU JOGAR UMA LINHA NO MEU OMBRO E QUANDO EU DOBRAR A ESQUINA VÃO ME ROUBAR; ALÉM É CLARO DA CLONAGEM

2.JÁ NÃO TOMO COCA-COLA PORQUE ME AVISARAM QUE SERVE PRA LIMPAR MÁRMORE E QUE UM CARA CAIU NO TANQUE DA FÁBRICA E FICOU TOTALMENTE CORROÍDO, E TEM TAMBÉM MUITOS ÁCIDOS, ALÉM DA COCAÍNA, ETC

3.NÃO VOU AO CINEMA COM MEDO DE SENTAR NUMA AGULHA CONTAMINADA COM O VÍRUS DA AIDS;

4.ESTOU COMO UMA INHACA DE GAMBÁ VIOLENTA PORQUE DESODORANTE CAUSA CÂNCER;

5.NÃO ESTACIONO O CARRO EM SHOPPING CENTER COM MEDO DE CHEIRAR PERFUME E SER SEQÜESTRADO;

6.NÃO ATENDO MEU CELULAR COM MEDO QUE ALGUÉM PEÇA PARA DIGITAR 55533216450123=T4RH2 E EU TENHA QUE PAGAR UMA FORTUNA DE LIGAÇÃO PARA O IRÃ, OU ENTÃO OUÇA UM ANALFABETO DIZER QUE SEQUESTROU MINHA FILHA ENQUANTO UM OUTRO ANALFABETO BANDIDO FICA GRITANDO QUE NEM VIADO…..AI PAI, AI PAI;

7.NÃO COMO MAIS BIGMAC POIS É TUDO FEITO COM CARNE DE MINHOCA COM ANABOLIZANTE;

8. NÃO COMO MAIS CARNE DE FRANGO, CHESTER E NEM VOU NO KFC POIS OS FRANGOS FORAM ALTERADOS GENETICAMENTE, TOMAM HORMÔNIOS FEMININOS E TÊM SEIS ASAS, OITO COXAS E NÃO TÊM BICO, PENAS NEM CABEÇA;

9.NÃO SAIO COM MAIS NINGUÉM PORQUE TENHO MEDO DE ACORDAR NA BANHEIRA CHEIA DE GELO E SEM MEUS RINS;

10.REFRIGERANTE EM LATA, NEM PENSAR!!!
TENHO MEDO DE MORRER DE LEPTOSPIROSE DO MIJO DO RATO;

11.NÃO TENHO MAIS NENHUM TOSTÃO POIS DOEI TUDO PARA A CAMPANHA EM PROL DAS OPERAÇõÕE DA NILDINHA, BEATRIZ E FLAVINHA QUE SÃO AS MENINAS QUE PRECISAM FAZER UMA OPERAÇÃO URGENTE, QUE SÓ QUE ELAS TEM MAIS DOIS MESES DE VIDA (DESDE 1990)

12.ESCREVI EM 500 NOTAS DE R$1,00 UMA MENSAGEM PARA A NOSSA SENHORA DA FRIEIRA, PARA ME DAR MUITO DINHEIRO, E ACABEI PERDENDO UMAS 20 NOTAS POIS EU ESCREVI DEMAIS;

13.ESTE MÊS DEVO RECEBER O MEU CELULAR ERICSSON, POR TER REPASSADO OS E-MAILS PARA 2366 AMIGOS, E MÊS QUE VEM RECEBO OS U$1.000,00 DA AOL E DA MICROSOFT, ALÉM DOS PRÊMIOS DA NESTLÉ;

14.NÃO BEBO MAIS REFRIGERANTE KUAT, POIS ELE TEM UMA SUBSTÂNCIA QUE CAUSA CÂNCER;

15.JESUS E NOSSA SENHORA JÁ DEVEM ESTAR MORANDO LÁ EM CASA DE TANTA VISITA DELES QUE RECEBO POR EMAIL;

16.JÁ NÃO REPASSO MAIS A FOTO DAQUELA MENINA DE 3 ANOS SEQUESTRADA, FILHA DO SEU AMIGO DA PETROBRÁS( HOJE ELA 12 ANOS)

--
LuisVenturaFotografia


Coleguinhas

 

* Rosane Aparecida de Oliveira disse no rádio que toma cafezinho com açúcar....

* No barzinho da ARI, no sábado passado, Jurandir Soares, da Guaíba, deu um estrilo com o barmenn Adolar, porque faltavam os tiragostos que sempre se serviam...

* Jornalistas gostam muito de escrever...agora de fazer circular o que escrevem ,ah,isto não é com eles....

* Dei uma olhada no jornal do Cabeça . Ele não é ruim,não....

* Saudades do Kronica, do Barão, porque a cada edição sempre vinha chumbo em alguém...

* Jornalismo é incomodar....O resto é Adulação....prêmios,troféus e caterva......

 

A " ronha" da VRS-351 (2)

 


( A VRS-351 são 8 km de asfalto que ligam Serafina ao rio Carreiro. Levou 20 anos a novela de sua construção. No meio do caminho, muitos agricultores perderam noites e noites de sono por causa do seu traçado, pelo medo de que cortassem suas terras....


" COA I METE MIA I TRATORI...."
( Aqui eles não vão passar!)

A bravata foi dita pelo agricultor Jacó Pessetti,quando o prefeito Sérgio Massolini decidiu construir os 8 km de rodovia que dão hoje no Rio Carreiro e que modificaram totalmente a região...


VRS-351 LEVA AO RIO CARREIRO

Jacó Pessetti, um agricultor que viera de Cadorna em 1970/71 comprando o lote número 7, que pertencia a Pierin de Costa, e cuja compra foi intermediada por Bruno José Marocco por exigência de Pierin de Costa( que era petebista de quatro costados) não queria deixar que a prefeitura cortasse sua colônia para que a VRS-351 passasse com asfalto até o rio Carreiro. Ele queria convencer Alfredo Canton,seu vizinho de entrar junto na Justiça. Mas Alfredo não quis brigas no Judiciário e aceitou uma proposta do prefeito Massolini(Sérgio) que lhe prometeu 200 mil mudas de eucalipto para plantar numa encosta que ele tinha...
- Ma varda mia, te confii nel fiol de Guerino,( Mas imagina, tu tens que confiar no filho do Guerino Massolini) lhe dizia Sérgio, diante das incertezas de Alfredo que passados quase 30 anos ainda aguarda, sem nenhuma esperança, de que as mudas lhe sejam entregues,até porque já vendeu as terras e se mudou para a área urbana de Serafina..

Jacó Pessetti, no entanto, pegou um advogado de Guaporé e lutou na Justiça para não deixar que as máquinas da prefeitura derrubasse sua mata e cortassem seu potreiro. Mas não adiantou. Um dia um oficial de Justiça veio intima-lo de que a prefeitura teria toda a licença pra entrar com as máquinas e abrir seu potreiro....

Aí Jacó viu o que era bom pra tosse....

Pra judiá-lo, os tratores que abriram a VRS-351 foram derrubando tudo,sem dó nem piedade....

Jacó quase ficou louco vendo o que os tratores faziam...( El ze casi deventá mato....) - ele quase enlouqueceu - recorda ainda um dos meus irmãos que ainda pegou toda aquela ronha....

Até uma acusação de que ele estaria resistindo contra a ordem judicial chegou a prefeitur amunicipal que foi imediatamente comunicar o assunto a delegacia de Polícia e o inspetor bateu na casa do agricultor para levá-lo preso.
Mas não o achou em casa e não voltaram mais....

A derrubada do potreiro veio acompanhada de um inferno de sofrimento. ..As vacas tinham que ficar amarradas em plantas em volta da casa, porque o potreiro onde pastavam ficava do outro lado....

E nem um " vacaduto" fizeram para que os animais atravessassem e pudessem de dia ficar no potreiro do Jacó pastando para de noite serem recolhidas a fim de lhe tirar o leite....

Até hoje as vacas dos Pessetti passam duas vezes de manhã e duas de tarde, do potreiro para o estábulo onde lhes tiram o leite. Uma pessoa tem que fazer isto. Felizmente houve nestes 20 e tantos anos apenas um acidente com um carro que bateu numa das vacas e o dono do carro ainda queria indenização pelos estragos. Foi corrido do local pelo genro do Pessetti...

Jacó morreu de um câncer,nos anos dois mil....

Mas ficaram as histórias que meu pai, que viu tudo aquilo de perto, gosta de relembrar de vez em quando...E, no fundo , no fundo, ele deixa uma lição....

- A corda arrebenta sempre do lado mais fraco....

Neste caso em especial, foi na do agricultor Jacó Pessetti que resistiu o que pode, mas que depois teve que se acomodar aos novos tempos que a rodovia com asfalto lhes trouxe....

Como uma maldição, ficou o fato de que a rampa da VRS-351 é tão íngrime que em dias de chuva, os caminhões carregados com papel que vêm do Rio Carreiro em direção a Serafina, não conseguem subir.Patinam. Então a prefeitura de Serafina tem que mandar rebocar o caminhão pra subir aquela rampa....

Se o traçado tivesse sido negociado por outro local, hoje,seguramente, trinta anos depois a VRS-351 já não estaria obsoleta....

 

Onde anda a Lurdete

 

O Mazza manta a cobra e mostra o pau....eis aí,então onde anda a Lurdete....

Olides!
Já que ninguém te respondeu. ALurdete(ex-ZH) está trabalhando no jornal
Basil Economico/SP - www.brasileconomico.com.br

Esta semana seguem jornais.

abraço.
mazzarino


 

ANÁLISE

 

 

Os filhos do Brasil
Divulgação


Cena do filme "Lula, o Filho do Brasil", do diretor Fábio Barreto, que narra a trajetória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva

CÉSAR BENJAMIN
ESPECIAL PARA A FOLHA

A PRISÃO na Polícia do Exército da Vila Militar, em setembro de 1971, era especialmente ruim: eu ficava nu em uma cela tão pequena que só conseguia me recostar no chão de ladrilhos usando a diagonal. A cela era nua também, sem nada, a menos de um buraco no chão que os militares chamavam de "boi"; a única água disponível era a da descarga do "boi". Permanecia em pé durante as noites, em inúteis tentativas de espantar o frio. Comia com as mãos. Tinha 17 anos de idade.
Um dia a equipe de plantão abriu a porta de bom humor. Conduziram-me por dois corredores e colocaram-me em uma cela maior onde estavam três criminosos comuns, Caveirinha, Português e Nelson, incentivados ali mesmo a me usar como bem entendessem. Os três, porém, foram gentis e solidários comigo. Ofereceram-me logo um lençol, com o qual me cobri, passando a usá-lo nos dias seguintes como uma toga troncha de senador romano.
Oriundos de São Paulo, Caveirinha e Português disseram-me que "estavam pedidos" pelo delegado Sérgio Fleury, que provavelmente iria matá-los. Nelson, um mulato escuro, passava o tempo cantando Beatles, fingindoque sabia inglês e pedindo nossa opinião sobre suas caprichadasinterpretações. Repetia uma ideia, pensando alto: "O Brasil não dámais. Aqui só tem gente esperta. Quando sair dessa, vou para o Senegal.Vou ser rei do Senegal".
Voltei para a solitária alguns dias depois. Ainda não sabia que começava então um longo período que me levou ao limite.
Vegetei em silêncio, sem contato humano, vendo só quatro paredes -"sobrevivendo a mim mesmo como um fósforo frio", para lembrar Fernando Pessoa- durante três anos e meio, em diferentes quartéis, sem saber o que acontecia fora das celas. Até que, num fim de tarde, abriram a porta e colocaram-me em um camburão. Eu estava sendo transferido para fora da Vila Militar. A caçamba do carro era dividida ao meio por uma chapa de ferro, de modo que duas pessoas podiam ser conduzidas sem que conseguissem se ver. A vedação, porém, não era completa. Por uma fresta de alguns centímetros, no canto inferior à minha direita, apareceram dedos que, pelo tato, percebi serem femininos.
Fiquei muito perturbado (preso vive de coisas pequenas). Há anos eu nãovia, muito menos tocava, uma mulher. Fui desembarcado em um dospresídios do complexo penitenciário de Bangu, para presos comuns, ecolocado na galeria F, "de alta periculosia", como se dizia por lá. Havia 30 a 40 homens, sem superlotação, e três eram travestis, a Monique, a Neguinha e a Eva. Revivi o pesadelo de sofrer uma curra, mas, mais uma vez, nada ocorreu. Era Carnaval, e a direção do presídio, excepcionalmente, permitira a entrada de uma televisão para que osdetentos pudessem assistir ao desfile.
Estavam todos ocupados, torcendo por suas escolas. Pude então, nessa noite, ter uma longa conversa com as lideranças do novo lugar: Sapo Lee, Sabichão, Neguinho Dois, Formigão, Ari dos Macacos (ou Ari Navalhada, por causa de uma imensa cicatriz que trazia no rosto) e Chinês. Quando o dia amanheceu éramos quase amigos, o que não impediu que, durante algum tempo, eu fosse submetido à tradicional série de "provas de fogo", situações armadas para testar a firmeza de cada novato.
Quando fui rebatizado, estava aceito. Passei a ser o Devagar. Aos poucos, aprendi a "língua de congo", o dialeto que os presos usam entre si para não serem entendidos pelos estranhos ao grupo.
Com a entrada de um novo diretor, mais liberal, consegui reativar as salas de aula do presídio para turmas de primeiro e de segundo grau. Além de dezenas de presos, de todas as galerias, guardas penitenciários e até o chefe de segurança se inscreveram para tentar um diploma do supletivo. Era o que eu faria, também: clandestino desde os 14 anos, preso desde os 17, já estava com 22 e não tinha o segundo grau. Tornei-me o professor de todas as matérias, mas faria as provas junto com eles.
Passei assim a maior parte dos quase dois anos que fiquei em Bangu. Nos intervalos das aulas, traduzia livros para mim mesmo, para aprender línguas, e escrevia petições para advogados dos presos ou cartas de amor que eles enviavam para namoradas reais, supostas ou apenas desejadas, algumas das quais presas no Talavera Bruce, ali ao lado. Quanto mais melosas, melhor.
Como não havia sido levado a julgamento, por causa da menoridade na época da prisão, não cumpria nenhuma pena específica. Por isso era mantido nesse confinamento semiclandestino, segregado dos demais presos políticos. Ignorava quanto tempo ainda permaneceria nessa situação.
Lembro-me com emoção -toda essa trajetória me emociona, a ponto de eu nunca tê-la compartilhado- do dia em que circulou a notícia de que eu seria transferido. Recebi dezenas de catataus, de todas as galerias, trazidos pelos próprios guardas. Catatau, em língua de congo, é uma espécie de bilhete de apresentação em que o signatário afiança a seus conhecidos que o portador é "sujeito-homem" e deve ser ajudado nos outros presídios por onde passar.
Alguns presos propuseram-se a organizar uma rebelião, temendo que a transferência fosse parte de um plano contra a minha vida. A essa altura, já haviam compreendido há muito quem eu era e o que era uma ditadura.
Eu os tranquilizei: na Frei Caneca, para onde iria, estavam os meus antigos companheiros de militância, que reencontraria tantos anos depois. Descumprindo o regulamento, os guardas permitiram que eu entrasse em todas as galerias para me despedir afetuosamente de alunos e amigos. O Devagar ia embora.


São Paulo, 1994. Eu estava na casa que servia para a produção dos programas de televisão da campanha de Lula. Com o Plano Real, Fernando Henrique passara à frente, dificultando e confundindo a nossa campanha.
Nesse contexto, deixei trabalho e família no Rio e me instalei na produtora de TV, dormindo em um sofá, para tentar ajudar. Lá pelas tantas, recebi um presente de grego: um grupo de apoiadores trouxe dos Estados Unidos um renomado marqueteiro, cujo nome esqueci. Lula gravava os programas, mais ou menos, duas vezes por semana, de modo que convivi com o americano durante alguns dias sem que ele houvesse ainda visto o candidato.
Dizia-me da importância do primeiro encontro, em que tentaria formatar a psicologia de Lula, saber o que lhe passava na alma, quem era ele, conhecer suas opiniões sobre o Brasil e o momento da campanha, para então propor uma estratégia. Para mim, nada disso fazia sentido, mas eu não queria tratá-lo mal. O primeiro encontro foi no refeitório, durante um almoço.
Na mesa, estávamos eu, o americano ao meu lado, Lula e o publicitário Paulo de Tarso em frente e, nas cabeceiras, Espinoza (segurança de Lula) e outro publicitário brasileiro que trabalhava conosco, cujo nome também esqueci. Lula puxou conversa: "Você esteve preso, não é Cesinha?" "Estive." "Quanto tempo?" "Alguns anos...", desconversei (raramente falo nesse assunto). Lula continuou: "Eu não aguentaria. Não vivo sem boceta".
Para comprovar essa afirmação, passou a narrar com fluência como havia tentado subjugar outro preso nos 30 dias em que ficara detido. Chamava-o de "menino do MEP", em referência a uma organização de esquerda que já deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do "menino", que frustrara a investida com cotoveladas e socos.
Foi um dos momentos mais kafkianos que vivi. Enquanto ouvia a narrativa do nosso candidato, eu relembrava as vezes em que poderia ter sido, digamos assim, o "menino do MEP" nas mãos de criminosos comuns considerados perigosos, condenados a penas longas, que, não obstante essas condições, sempre me respeitaram.
O marqueteiro americano me cutucava, impaciente, para que eu traduzisse o que Lula falava, dada a importância do primeiro encontro. Eu não sabia o que fazer. Não podia lhe dizer o que estava ouvindo. Depois do almoço, desconversei: Lula só havia dito generalidades sem importância. O americano achou que eu estava boicotando o seu trabalho. Ficou bravo e, felizmente, desapareceu.


Dias depois de ter retornado para a solitária, ainda na PE da Vila Militar, alguém empurrou por baixo da porta um exemplar do jornal "O Dia". A matéria da primeira página, com direito a manchete principal, anunciava que Caveirinha e Português haviam sido localizados no bairro do Rio Comprido por uma equipe do delegado Fleury e mortos depois de intensa perseguição e tiroteio. Consumara-se o assassinato que eles haviam antevisto.
Nelson, que amava os Beatles, não conseguiu ser o rei do Senegal: transferido para o presídio de Água Santa, liderou uma greve de fome contra os espancamentos de presos e perseverou nela até morrer de inanição, cerca de 60 dias depois. Seu pai, guarda penitenciário, servia naquela unidade.
Neguinho Dois também morreu na prisão. Sapo Lee foi transferido para a Ilha Grande; perdi sua pista quando o presídio de lá foi desativado. Chinês foi solto e conseguiu ser contratado por uma empreiteira que o enviaria para trabalhar em uma obra na Arábia, mas a empresa mudou os planos e o mandou para o Alasca. Na última vez que falei com ele, há mais de 20 anos, estava animado com a perspectiva do embarque: "Arábia ou Alasca, Devagar, é tudo as mesmas Alemanhas!" Ele quis ir embora para escapar do destino de seu melhor amigo, o Sabichão, que também havia sido solto, novamente preso e dessa vez assassinado. Não sei o que aconteceu com o Formigão e o Ari Navalhada.
A todos, autênticos filhos do Brasil, tão castigados, presto homenagem, estejam onde estiverem, mortos ou vivos, pela maneira como trataram um jovem branco de classe média, na casa dos 20 anos, que lhes esteve ao alcance das mãos. Eu nunca soube quem é o "menino do MEP". Suponho que esteja vivo, pois a organização era formada por gente com o meu perfil. Nossa sobrevida, em geral, é bem maior do que a dos pobres e pretos.
O homem que me disse que o atacou é hoje presidente da República. É conciliador e, dizem, faz um bom governo. Ganhou projeção internacional. Afastei-me dele depois daquela conversa na produtora de televisão, mas desejo-lhe sorte, pelo bem do nosso país. Espero que tenha melhorado com o passar dos anos.
Mesmo assim, não pretendo assistir a "O Filho do Brasil", que exala o mau cheiro das mistificações. Li nos jornais que o filme mostra cenas dos 30 dias em que Lula esteve detido e lembrei das passagens que registrei neste texto, que está além da política. Não pretende acusar, rotular ou julgar, mas refletir sobre a complexidade da condição humana, justamente o que um filme assim, a serviço do culto à personalidade, tenta esconder.

CÉSAR BENJAMIN, 55, militou no movimentoestudantil secundarista em 1968 e passou para a clandestinidade depoisda decretação do Ato Institucional nº 5, em 13 de dezembro desse ano, juntando-se à resistência armada ao regime militar. Foi preso em meadosde 1971, com 17 anos, e expulso do país no final de 1976. Retornou em 1978. Ajudou a fundar o PT, do qual se desfiliou em 1995. Em 2006 foicandidato a vice-presidente na chapa liderada pela senadora Heloísa Helena, do PSOL, do qual também se desfiliou. Trabalhou na Fundação Getulio Vargas, na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Prefeitura do Rio de Janeiro e na Editora Nova Fronteira. É editor da Editora Contraponto e colunista da Folha.

 

Coleguinhas

 

* Com todo o respeito, mas o título Jornal da Despedida, que o Lauro deu pro último numero do jornal do Bicudo, me fez entender porque a Rosinha, esposa do Lauro, me disse que ao casar com o marido ela escolhera o caminho das pedras...já eu acho que ela na outra encarnação jogou pedras na cruz, como diz uma amiga minha....e agora está pagando....

* É a maior vingança que já vi no futebol. Nem nos dias de grandes vitórias a torcida do grêmio saiu taõ contente do estádio....Tinha gente vibrando a cada gol do flamento como se tivessem ganhando o título.....aqui a derrota de um é a vitória do outro....

 

 

 

APOSENTADOS E PENSIONISTAS

 


Estão na ordem do dia vários projetos que dizem respeito aos aposentados. O Governo diz que não pode dar aumento igual a todos os aposentados, pois isto seria o caos. Conversa fiada na minha opinião, senão vejamos:
A Constituição de 1988, quando trata da Seguridade Social, no Capítulo II ? Da Ordem Social, diz, no artigo 194, que a mesma " compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinado a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência social e à assistência social.
Segundo um dos slides de um Programa de Educação Previdenciária, da Secretaria Executiva do Ministério da Previdência Social, de julho de 2004 ? a previdência social, a saúde e a assistência social, compõem, de forma integrada a Seguridade Social. A Seguridade Social é financiada, também de forma integrada, pela folha-de-salários, Cofins, CSLL e CPMF, além de outras fontes.?
As fontes de financiamento eram, até então, as seguintes:
1. Das empresas, incidentes sobre a remuneração paga, devida ou creditada aos segurados e demais pessoas físicas a seu serviço, mesmo sem vínculo empregatício;
2. As dos empregadores domésticos, incidentes sobre o salário-de-contribuição dos empregados domésticos a seu serviço;
3. As dos trabalhadores, incidentes sobre seu salário-de-contribuição;
4. As das associações desportivas que mantêm equipe de futebol profissional, incidentes sobre a receita bruta decorrente dos espetáculos desportivos de que participem em todo o território nacional em qualquer modalidade esportiva, inclusive jogos internacionais, e de qualquer forma de patrocínio, licenciamento de uso de marcas e símbolos, publicidade, propaganda e transmissão de espetáculos desportivos;
5. As incidentes sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural;
6. As das empresas, incidentes sobre a receita ou faturamento e o lucro ( Cofins e CSLL );
7. As incidentes sobre a receita dos concursos de prognósticos, da Caixa Econômica Federal;
8. CPMF, que, como sabemos, deixou de existir.
Se o próprio Ministério da Previdência Social cita esta integração entre a Previdência Social, a Saúde e a Assistência Social,formando a Seguridade Social, bem como a integração de suas fontes de financiamento, não é correto, a meu ver, que se apresente, todos os meses, de forma separada o resultado do Regime Geral da Previdência Social ? RGPS, para declarar que a Previdência é deficitária, uma vez que o mesmo faz parte desta " integração ", conforme já explicitado acima. No tal "déficit da Previdência Social" deve ser considerado o resultado altamente negativo da área rural, cujos beneficiários, lá no início, não contribuíram para a formação do fundo e, atualmente, contribuem com um percentual baixíssimo sobre as vendas, sendo de se perguntar se não há muita sonegação, uma vez que a arrecadação desta área é muito pequena, em relação ao total pago como benefícios.
Dentro desta maneira de ver a Seguridade Social, de forma integrada, tal como o próprio Ministério explicita, a ANFIP - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil demonstra anualmente, através de seus relatórios denominados Análise da Seguridade Social, a mentira do déficit da Previdência Social. Segundo estas análises, de 2000 a 2008 tivemos os seguintes números: Superávit total : R$ 392,2 bilhões, ou seja, a diferença entre o total das receitas da Seguridade Social menos o total das despesas. Sobrou toda esta grana. Mesmo com a diminuição dos valores da DRU Desvinculação das Receitas da União, no total de R$ 237,7 bilhões, ainda assim, sobrou o total de R$ 154,5 bilhões.
Ora, diante disto, dizer que não há recursos para dar aumento igual ao do salário mínimo aos aposentados e pensionistas que recebem mais que o mínimo é brincadeira.
Por último, dizer que os cerca de 6%, para quem recebe mais de um mínimo, é um grande aumento é piada de mau gosto, uma vez que a defasagem em relação ao salário mínimo continuará, pois este terá um aumento em torno de 9%.

SERGIO OLIVEIRA - APOSENTADO - CHARQUEADAS - RS

 


Oito anos da morte de Rubens Freire Hoffmeister

 


Hoje,dia 1/12/2009 completa-se oito anos da morte do desportista,empresário lotério e dono de postos de gasolina, Rubens Freire Hoffmeister, popularizado pelo humorista Carlos Nobre, como o " RÚBIS"!
Rubens Hoffmeister nasceu em 28 de agosto de 1933 em Palmeira das Missões(RS). Seus pais foram Homero Hoffmeister e Elelvina Freire Hoffmeister.Desde jovem gostava defutebol.


Rubens Hoffmeister, entrevistado por Mendes Ribeiro em 1969

 

Viveu em Palmeira das Missões até 1950 e depois mudou-se para Santo Ângelo(RS) onde foi jogar futebol no Grêmio S. Santoangelense, contratado como amador.


- Rubens Hoffmeister com os jogadores do Inter, entre eles Figueiroa

 

Jogou na cidade missioneira até até 1951 e em 17 de maio de 1951 transferiu-se para o Grêmio Futebol Portoalegrense, contratado como titular onde ficou até 31 de dezembro de 1951.


Rubens Hoffmeister, Lasier Martins, Antônio Carlos Macedo e Luis Carlos Mello numa coletiva.

 

Com 18 anos de idade, morando em Porto Alegre, na rua Osvaldo Aranha,1336 foi contrato pelo Esporte Clube Cruzeiro para uma temporada de dois anos. De 1952 a 1952 a 1954, recebeu o salário mensal de 800.000 cruzeiros como atleta profissional.

Em 25 de maio de 1954 jogou no Sport Clube Internacional até rescindir o contrato em 20 de abril de 1955,ficando somente 10 meses no S.C. Internacional e voltando para o Esporte Clube Cruzeiro em primeiro de maio de 1955.No Cruzeiro durante um ano recebeu o salário de 4.000.00 cruzeiros.


Rubens Hoffmeister na redação da Zero Hora em 1968

 

FGF

Rubens Freire Hoffmeister foi muito ligado a Federação Gaúcha de Futebol,onde ocupou a presidência no período que vai de 29/01/1970 a 12/03/1982 e de 07/06/1985 a 11/03/1991.

Também foi presidente do Esporte Clube Cruzeiro onde lançou uma campanha muito ambiciosa, o dos 70 mil sócios. No dia 25/04/1968, ele assinou contrato com uma firma para o lançamento desta promoção.

Na ocasião prometeu " abalar" os meios esportivos pois nunca havia sido realizada uma campanha de tal envergadura no sul do Brasil.Entre os " prêmios" que a campanha oferecia havia um " fusca" e no encerramento um " Mustang"!

 

Coleguinhas

 

* Jornal Folha Universal, da IURD, traz excelente matéria sobre o que é feito das famílias dos mortos dos ataques do PCC....grande mídia em geral esqueceu o assunto...foram mais de 500 mortos...Jornalismo de grande qualidade....

* Sempre pego a Folha Universal na saída da Igreja da IURD na Julio de Castilhos....

* Dizem agora que pastor de igreja virou bom partido pras mulheres, claro muita grana na parada....

* ensina o professor Pozzenato,autor de O Quatrilho: só faz sucesso o livro que é indicado pelas mulheres...senão naufraga...seu quatrilho fez sucesso porque ele tratou " bem" os personagens femininos....

 

 

Coleguinhas


O ghost wither do Falcão!!!

Não é segredo de fátima que o Nilson Luiz de Souza, ou simplesmente Nilson, é quem redige a coluna do Paulo Roberto Falcão,o Bola-Bola na ZH, que no meu entender é a melhor coluna sobre futebol que tem por aí...O Nilson até já escreveu um livro de crônicas do Falcão que foi publicado pela LPM...grande sucesso editorial...


Nilson Luis de Souza

Nilson já foi editor de Esportes da ZH e trabalhou na Veja local.
Ele é nascido em Porto Alegre e já trabalhou também no Jornal do Brasil,quando o famoso jornal ficava na av. Borges de Medeiros,915/4 andar...

Nilson nasceu em 31.08.1948 filho de Sebastião V. de Souza e de Tereza F. de Souza. Já residiu na rua Francisco S. Bittencourt, 814.

Nilson tem um hábito não muito revelado: diariamente ele pega ou compra um pão numa padaria e o leva a pessoas necessitadas....que já se acostumaram com esta rotina do escriba...

 

Coleguinhas

 

 

¨* Coleguinha Marisa ficou chocada com a manchete do DG de sábado,dia 28/11. Diz rodeado de água por todos os lados!!!

Ela diz serem comuns estas redundâncias como esboçou um sorriso nos lábios,.ou encarar de frente....

 

 


" Lagarto " agora virou " cachimbo!!!

 

O Aldo Renato Soares, conhecido por Lagarto, pelos coleguinhas, deixou a profi e agora virou cachimbo, ou seja, advoga....Abriu escritório em Brasília depois de cinco anos como assessor de imprensa da Associação Nacional Transportes Terrestres(ANTT).


"Lagarto" virou cachimbo

Lagarto teve uma grande trajetória no jornalismo. Trabalhou em ZH como repórter político, no O Globo...

Nos anos 70, quando o presidente Figueiredo veio a Itaqui, na fronteira Oeste, abrir um encontro sobre a ligação Ibicuí-Jacuí, viajamos a noite inteira pra madrugada em Itaqui...Passei a noite rindo das estórias do Lagarto, principalmente sobre um muito conhecido político gaúcho de projeção nacional....

O Lagarto tinha por princípio defender o politico e eu e o fotógrafo( acho que era o falecido Goiano) passamos a noite implicando com ele....Boa sorte na nova profissão, camarada Lagarto!

 

O porque do choro de Rigotto!

 

Agora que a poeira começa a baixar,ouvem-se as mais diversas explicações da mágoa do ex-governador Germano Rigotto externada na tarde do Everest, no dia 26/11/2009, dia da "DESISTÊNCIA" ao Piratini....

Existem várias versões:

1) Rigotto se sentiu " rebaixado",digamos,assim porque estaria sendo colocado como " reserva" de J. Fogaça...

2) O PDT não o queria , quer Fogaça, na verdade, quer o Fortunatti sentado na cadeira do prefeito...

3) Há gente que quer promover o " Fica Rigotto!"

4) Rigotto passou os últimos 3 anos " correndo" literalmente o Rio Grande pra viabilizar-se novamente como candidato a Governador...

5) Neste sentido, ocorreu com ele, o que aconteceu com o falecido comunicador Mendes Ribeiro. Recordando: Ribeiro correu o Estado, em 1990,91,92,93 pra ser o candidato do PMDB. Só que o cacique mor do partido, senador Pedro Simon,teria dito na hora H:
- Brincadeira tem hora!

Na convenção, Britto deu uma lavada em Ribeiro e ganharia a eleição!

 

Coleguinhas

 

* Lauro ataca desempenho de ZH(atrasos) E ainda mais que a Rosinha lê o jornal cedinho da manhã....

Todas as manhãs um executivo da ZH liga cedo o computador pra ver a detonada do dia do Lauro....é o nosso Paulo Francis, só que o Francis batia nas BRAS da vida.....

 

Um gato com a Piaf

 

Estas são do tumulo da Piaf, tb. no Père Lachaise.,,, no tumulo bem em frente fica aninhado um gato que não se abala com os turistas, fica lá imóvel cuidando da Piaf. Pode????
Ingrid Schumacher




 

Coleguinhas

 

* Nesta história de comprar o JA, refundar o JA ou não sei o que, resta saber se vão ressuscita o AntoninhoGonzalez e se a Clarice Aquistapace da Silva topa ser fiadora de novo....

 

Novidades do Velho continente

 

A Ingrid Schumacher andou pelo velho continente e nos traz novidades....Hoje o mundo parece todo um só,mas não é bem assim.....


Os jovens fãs do vocalistas do The Doors



Ingrid Schumacher

 

Oi Olides

Estas são especiais. Um guarda fica constantemente cuidando do tumulo do Jim MOrrison. 30 anos depois o moço ainda dá trabalho.
Whisky , cigarro, passagens de metros são colocados na sepultura.


Um grupo de jovens fãs, meninos lindos, vestidos de acordo para uma homenagem ao idolo chegam no cemitério Pére Lachaise num sabado de novembro, ao meio - dia. Eu achei tudo isto incrivel. es5tas ultimas vou enviar noutro email, para não pesar muito




Ingrid Schumacher

 

Férias

 

O Serginho vai ser descontado no final do ano...como é que ele deixa Brasília descoberta na sexta passada e a PF acha dinheiro nas meias dos caras. ...e ele lá em Porto das Galinhas( eu acho que ele foi torcer pelo Inter contra o Sport) ...Por isto que sempre se diz, a notícia não tira férias....

 

 

 

 
 
Arquivo do Blog

2009
 Set  Out Dez
2008
xMaix
2007            

 
 


Espaço dos Leitores

 

 

 
 


Olides Canton - Jornalista e Escritor


Nascido em 16 de Janeiro de 1952 na cidade de Serafina Corrêa-RS, Olides Canton passou nesta cidade toda a sua infância. Mudando-se para Porto Alegre, cursou a Escola Julio de Castilhos, tornando-se Bacharel em Comunicação Social pela FABICO/UFRGS em 1982. Trabalha como Jornalista desde 1970. Trabalhou na Companhia Jornalística Caldas Júnior, Jornal Zero Hora. No Jornal do Brasil e Revista Carga e Transporte atuou como free-lancer. Editor do Jornal de Bordo e Revista Fitness. Possui 9 livros publicados. Ganhou quatro prêmios de Jornalismo, um do Badesul, dois do Setcergs e um da ARI. Registro no Sindicato dos Jornalistas RS: 2776 - Registro Jornalista - Mtb 4959.

Telefone: (51) 3330-6803
e-mail: contato@deolhoseouvidos.com.br

Autor de inúmeros livros, Olides Canton firmou-se como um
exímio contador de histórias contemporâneas.
Conheça agora as obras do autor

© "de Olhos e Ouvidos"  -  Todos os direitos reservados
Os textos e imagens publicados neste site são de inteira responsabilidade de Olides Canton.

 




EDIÇÕES DO FITNESS

Edição 126
Edição125
Edição 124

Edição 123
Edição 122
Edição 121
Edição 120
Edição 119
Edição 118
Edição 117
Edição 116
Edição 115
Edição 114
Edição 113
Edição 112
Edição 111
Edição 110
Edição 109
Edição 108
Edição 107
Edição 106
Edição 105
Edição 104
Edição 103
Edição 102
Edição 101
Edição 100
Edição 99



ANUNCIE NO SITE!

Entre em contato conosco


Edições Anteriores do Blog



LINKS QUE RECOMENDAMOS

BC Digital
101Sul
Aceg
Affonso Ritter
Agência Edison Castêncio
Agenciafreelancer
Assembéia Legislativa RS
ATM
Blog das Américas
Blog do Ucha
Capital Gaúcha
Carlos Karnas na internet
Cloaca News
Clovis Heberle
Coletiva.net

College of Liberal Arts
Comuniquese
Correio Do Povo
Darci Filho
Diário Popular
Diego Casagrande
E aí beleza?
Ecoagencia.com.br
Emanuel Mattos
Enfato
Esquina Democrática
Espaço Vital
Espanhol Fotos
Eu acho que
Famurs

Felipe Vieira
Fernando Albrecht

Fernando Gabeira
Frota & Cia
Gilberto Simões Pires
Governo do Estado do RS
Ieda Risco
Jayme Copstein
Jornal A Hora
Jornal do Comércio
Jornal do Mercado
Jornal O Sul
Jornal Panorama Regional
José Dirceu
José Luiz Prévidi

Laura Peixoto
Laurentia
Lauro Dieckmann
Mirian Fichtner
Odinha Peregrina
Partido Progressista
Percival Puggina
Políbio Braga
Política para Políticos
Por outro lado
Prefeitura de P.Alegre
Prefeitura Serafina
Correa

Programa.com
PublicarNotícias
Ricardo Noblat
Roendo as unhas
Rogério Mendelski
Rosane Oliveira
RS Urgente
Sec Segurança Pública
Sindicato dos Jornalistas
Sup. Portos e Rodovias
Tijolaço

Valeria Reis
Via Política
VidaSustentável
Vide Versus
Yucumã
Zero Hora
Ziptop

REPORTAGENS
ESPECIAIS


Veja em "Memória"